FUNDAMENTOS CONCEITUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS BASEADOS EM CONHECIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTOS CONCEITUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS BASEADOS EM CONHECIMENTO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FUNDAMENTOS CONCEITUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS BASEADOS EM CONHECIMENTO Mauro Marcelo Mattos Roberto Pacheco, Dr. Orientador Florianópolis (SC), novembro de 2003.

2 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Mauro Marcelo Mattos FUNDAMENTOS CONCEITUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS BASEADOS EM CONHECIMENTO Tese de Doutorado Florianópolis 2003

3 MAURO MARCELO MATTOS FUNDAMENTOS CONCEITUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS BASEADOS EM CONHECIMENTO Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina como requisito parcial para a obtenção do título de Doutor em Engenharia de Produção. Orientador: Prof. Roberto Carlos dos Santos Pacheco, Dr. Florianópolis 2003

4 Ficha Catalográfica elaborada pela Biblioteca da FURB Mattos, Mauro Marcelo M444f Fundamentos conceituais para a construção de sistemas operacionais baseados em conhecimento / Mauro Marcelo Mattos p. : il. Orientador: Roberto Carlos dos Santos Pacheco. Tese (doutorado) Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas. 1. Sistemas operacionais (Computadores). I. Pacheco, Roberto Carlos dos Santos. II. Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas. III. Título. CDD Depósito legal na Biblioteca Nacional N , Livro 465, folha 149, conforme Decreto número de 20 de dezembro de Todos os Direitos Reservados É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. A violação dos direitos do autor (Lei número 5.988/1973) é crime estabelecido pelo Artigo 184 do Código Penal. Da mesma forma, é vedada a utilização deste trabalho para fins comerciais, de prestação de serviços e outras finalidades, exceto com o consentimento do Autor.

5 Mauro Marcelo Mattos FUNDAMENTOS CONCEITUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS BASEADOS EM CONHECIMENTO Esta tese foi julgada e aprovada para a obtenção do título de Doutor em Engenharia de Produção no Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, 14 de novembro de Prof. Edson Pacheco Paladini, Dr. Coordenador do Curso BANCA EXAMINADORA Prof. Luiz Natal Rossi,Dr Universidade de São Paulo Examinador externo Prof. Roberto Pacheco,Dr. Universidade Federal de Santa Catarina Orientador Prof. Marco Antônio Barbosa Cândido, Dr. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Examinador externo Prof. Luiz Fernando Friedrich,Dr. Universidade Federal de Santa Catarina Moderador Profª. Elizabeth Sueli Specialski,Dra. Universidade Federal de Santa Catarina Membro Prof. Rômulo Silva de Oliveira,Dr. Universidade Federal de Santa Catarina Membro Prof. João Bosco da Mota Alves,Dr. Universidade Federal de Santa Catarina Membro

6 À minha adorada esposa Mariene, companheira e grande incentivadora, presença indispensável em minha vida.

7 AGRADECIMENTOS Os meus sinceros agradecimentos e todas as pessoas e instituições, cuja ajuda, direta ou indireta, tornaram possível a realização deste trabalho. Aos professores Elizabeth Sueli Specialski,Dra., Rômulo Silva de Oliveira,Dr., João Bosco da Mota Alves, Dr., e Roberto Carlos dos Santos Pacheco,Dr., pelas considerações e contribuições no exame de qualificação e na banca examinadora desta tese. Aos professores Luiz Fernando Friedrich,Dr., Luiz Natal Rossi,Dr. E, Marco Antônio Barbosa pelas considerações e contribuições realizadas na banca examinadora desta tese. Ao Prof. Bernard Ziegler, PhD., pela atenção e pelas importantes considerações que contribuiram para a concepção do modelo proposto. À Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, aos professores do Curso de Pós-graduação em Engenharia de Produção e Sistemas PPGEP, pelo apoio, incentivo e colaboração durante a fase do pós-graduação. À Universidade Regional de Blumenau FURB pelo apoio logístico e financeiro. Aos amigos e colegas do Departamento de Sistemas e Computação que apoiaram o projeto. À CAPES/PICDT pelo apoio financeiro. Aos amigos, Sérgio e Daniela Castro, Cláudia Holetz, Rômulo,Simone e Augusto, Roland e Luci Dagnoni, Jorge Sampaio Farias, Miriam e Sérgio Volpi e Marluza Mattos, Diala e Fernando e, outros tantos amigos, pela presença e constante apoio fator importante em projetos desta envergadura. Ao Professor e Orientador Roberto Carlos dos Santos Pacheco,Dr., pelo grande incentivo ao desenvolvimento deste projeto, o qual foi viabilizado pela sua filosofia de trabalho. Muito obrigado! Ao amigo e colega Jomi Fred Hübner,Dr., pela paciência em ouvir as minhas idéias e pelas considerações que determinaram o fechamento do modelo deste trabalho. Muito obrigado! Ao grande amigo Rômulo Silva de Oliveira,Dr., cuja disponibilidade, incentivo, caráter ético e muita paciência, contribuiram fundamentalmente para a realização deste trabalho. O meu muito obrigado! Ao grande Prof.Pedro Bertolino, pelas inestimáveis discussões sobre a elaboração do conceito de conhecimento em um sistema operacional baseado em conhecimento. Sua disponibilidade, visão de futuro e caráter científico foram determinantes na realização deste trabalho. Muito Obrigado! Ao amigo Juarez Estrázulas, meu sogro, pela revisão do português que tornou este texto legível. À amiga Inar Araújo, minha sogra, pela acolhida, torcida e pelas orações. Voces foram muito importantes durante todo o processo. Muito obrigado. À Mariene, pelo carinho, amor, amizade, paciência e companheirismo nos momentos difíceis, sem os quais seria difícil concluir este trabalho. Muito obrigado! Um agradecimento especial vai para a minha avó Isabel (in memorian), que desejava que eu fosse doutor, ao meu pai Alípio (in memórian), que desejava que eu fosse engenheiro e, a minha mãe Marília, que desejava que eu fosse professor. Hoje eu sou Prof.Dr.Eng., graças aos ensinamentos de voces. Muito obrigado!

8 Do ponto de vista da física básica, os fenômenos mais interessantes estão, sem dúvida, nos novos lugares, os lugares onde as regras não funcionam não os lugares onde funcionam! É assim que descobrimos novas regras! Richard P. Feynman.

9 VIII SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... XIII LISTA DE TABELAS... XVI LISTA DE REDUÇÕES...XVII RESUMO... XIX ABSTRACT...XX 1 INTRODUÇÃO Contextualização do tema e definição do problema de pesquisa Tema de Pesquisa Problema de Pesquisa Questões de Pesquisa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Pontos Críticos e Dificuldades Justificativa Procedimentos Metodológicos Delimitação do tema de pesquisa Delimitação temporal da pesquisa Tipo de Estudo Realizado Classificação da Natureza da Pesquisa Classificação da Abordagem do Problema Classificação dos Objetivos Classificação dos Procedimentos Técnicos Procedimentos para a elaboração do trabalho Estrutura do Trabalho O ESTADO DA ARTE NA TEORIA CLÁSSICA DE SISTEMAS OPERACIONAIS Introdução O Conceito de Sistema Operacional Outros Conceitos Que Formam o Modelo Atual O modelo evolutivo de hardware Estruturas organizacionais clássicas Estruturas Monolíticas Estruturas Baseadas em Camadas Estruturas Hierárquicas Estruturas Baseadas em Micronúcleos... 68

10 IX Estruturas Configuráveis ou Adaptáveis Estruturas Baseadas em Núcleos Coletivos Estruturas Baseadas em Library Operating Systems Estruturas Baseadas em Nanonúcleos Estruturas Baseadas em Máquinas Virtuais Estruturas Baseadas no Conceito de Objetos Estruturas Baseadas em Reflexão Computacional Estruturas Baseadas em Conhecimento Estruturas Baseadas em Agentes Estruturas Híbridas Técnicas para obtenção de dados do núcleo O modelo evolutivo dos sistemas operacionais Considerações Finais NOVAS DEMANDAS: COMPUTAÇÃO UBÍQUA, TELETRABALHO e COMÉRCIO ELETRÔNICO Introdução Tendências em Computação Pesquisas em computação ubíqua Principais requisitos de computação ubíqua Demandas em Teletrabalho Demandas em Comércio Eletrônico Considerações finais ABORDAGENS DE INSTRUMENTALIZAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS Introdução Emprego de técnicas de Inteligência Artificial em Sistemas Operacionais Sistemas Especialistas Redes neurais Lógica difusa Redes Probabilísticas Mapas Cognitivos Difusos (Fuzzy Cognitive Maps) Outras técnicas utilizadas Agentes Visualização de informações Análise de perfil Ferramentas baseadas em histórico Outras pesquisas relacionadas Abordagens adotadas em projetos de robótica Modelo de mundo Considerações Finais

11 X 5 CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA Introdução Definição do Problema Deficiências do estado da arte Confiabilidade e Segurança Aspectos de confiabilidade de sistemas comerciais Estudos sobre Invasões Aspectos de segurança relacionados à computação ubíqua Aspectos de segurança relacionados a teletrabalho Aspectos de segurança relacionados a comércio eletrônico Complexidade de Utilização Visibilidade do estado do sistema: Sincronismo (match) entre sistema e o mundo real Controle do usuário e liberdade Consistência e padronização Prevenção de erros Identificar ao invés de relembrar Flexibilidade e eficiência de uso Projeto harmonioso e simples Auxiliar o usuário a reconhecer, diagnosticar e recuperar-se de erros Ajuda (help) e documentação Outras Considerações Domínio do Problema Análise comparativa Considerações finais BASE CONCEITUAL DO MODELO PROPOSTO Introdução Comportamento inteligente e conhecimento A questão do aprendizado em sistemas inteligentes A questão do tempo e suas implicações O formalismo DEVS Modelo de mundo aspectos conceituais O Modelo de Árvores Paralelas Funcionais de Decisão Aspectos conceituais Visão arquitetônica Representação do mapeamento entre estados do mundo e ações Arquitetura do protótipo InSitu Considerações finais SISTEMA OPERACIONAL BASEADO EM CONHECIMENTO - SOBC.. 224

12 XI 7.1 Introdução Definição Identificação dos requisitos do modelo proposto Requisitos funcionais da nova geração de sistemas operacionais Requisitos Não Funcionais Comparativo entre requisitos funcionais e não funcionais Avaliação da Viabilidade dos Requisitos Identificados O Modelo Proposto O modelo de tempo Modelo de Mundo Modelo de Aplicação O ambiente de execução Considerações finais CONCLUSÕES Recomendações finais BIBLIOGRAFIA APÊNDICES Apêndice 1 Call for papers ACM SIGOPS Apêndice 2 Descrição detalhada das arquiteturas de núcleos de sistemas operacionais Estruturas Monolíticas Estruturas Baseadas em Camadas Estruturas Hierárquicas Estruturas Baseadas em Micronúcleos Estruturas Configuráveis ou Adaptáveis Estruturas Baseadas em Núcleos Coletivos Estruturas Baseadas em Library Operating Systems Estruturas Baseadas em Nanonúcleos Estruturas Baseadas em Máquinas Virtuais Estruturas Baseadas no Conceito de Objetos Estruturas Baseadas em Reflexão Computacional Estruturas Baseadas em Conhecimento Estruturas Baseadas em Agentes Estruturas Híbridas Considerações finais Apêndice 3 Exemplo de log de erro no sistema (DrWatson Windows) Apêndice 4 Exemplo de log obtido através de device driver (Windows) Apêndice 5 Exemplo de log obtido através de Sar (Unix) Apêndice 6 Modelo de árvore de decisões para algoritmos Apêndice 7 Modelo de árvore de decisões para redações

13 10.8 Apêndice 8 Planilha para identificação de regras XII

14 XIII LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Evolução das abstrações em favor do programador Figura 2 - Virtualização do processador através de multiprogramação Figura 3 - Intromissão virtual de pessoas na máquina do usuário Figura 4 - Estágio atual de evolução dos sistemas operacionais Figura 5 - Exemplo de opções de configuração do browser Internet Explorer Figura 6 - Chamada da IEEE para criação de um padrão para construção de sistemas operacionais seguros Figura 7 - Delimitação da proposta Figura 8 - Abrangência temporal x número de trabalhos consultados Figura 9 - Organização dos diretórios preservando a origem das informações coletadas.49 Figura 10 - Software utilizado para indexação da base digital Figura 11 - Estrutura do trabalho Figura 12 - Estrutura funcional de um sistema operacional Figura 13 - Pseudo-código que implementa um interpretador de máquina virtual Figura 14 - Modelo Evolutivo de Hardware Figura 15 - Formas de obtenção de informações do sistema operacional Figura 16 - Fase 0: primeiro estágio evolutivo dos sistemas operacionais Figura 17 - Fase 1: Protocolos implementados como bibliotecas externas ao sistema Figura 18 - Fase 2: protocolos incorporados ao sistema operacional Figura 19 - Fase 1: Navegadores desenvolvidos como bibliotecas externas Figura 20 - Fase 2: Navegadores incorporados ao sistema operacional Figura 21 - Próximas demandas Figura 22 - Evolução dos modelos de núcleos de sistemas operacionais Figura 23 - Tendências em Computação Figura 24 - Visão geral do projeto Oxygen do MIT Figura 25 - As quatro fases da evolução do espaço de trabalho Figura 26 - Classificador de padrões de acesso de E/S em PPFSII Figura 27 - Arquitetura de um OS Agent Figura 28 Fisheye: menu apresentando os 100 mais populares sites web retirados da lista dos mais populares da revista PC Magazine Figura 29 Data Mountain: exemplo de seleção de um documento Figura 30 Infra-estrutura para aquisição de informações contextuais Figura 31 - Mecanismo de inserção de mensagens aleatórias no Windows NT Figura 32 - (a) numero de erros por diretório no linux; (b) taxa de erros comparada com outros diretórios Figura 33 Versões de correção de erros Figura 34 - Mensagem de erro quando o usuário tenta remover um arquivo do S.O Figura 35 - Mensagem de aviso durante o cancelamento de operação com erro Figura 36- Associação entre formato de arquivo-aplicação Figura 37- Uso de linguagem técnica na interface com o usuário Figura 38- Exemplo de mensagem de erro crítico Figura 39- Mensagens de erro dependentes de API Figura 40 - Flutuações na disponibilidade de processador Figura 41 Tecnologia usada para coletar dados sem que o usuário tenha autorizado 173 Figura 42 Contexto onde os projetistas de SO trabalham

15 XIV Figura 43 - Visão sobre a qual está baseada a tecnologia de computação Figura 44 Confronto entre a visão de projeto de SO e a visão geral do atual modelo de computação Figura 45 Modelo DEVS Figura 46 DFD de nível 0 do projeto InSitu Figura 47 DFD de nível 1 do Projeto InSitu Figura 48 Modelo de mundo hiperdimensional Figura 49 Estrutura de uma quadtree Figura 50 Representação de evento instantâneo localizado numa base de tempo Figura 51 Sensores lógicos representando histórico de eventos Figura 52 Sensores lógicos representando espaço disponível em um disco Figura 53 Quadtree representando fragmentação de disco Figura 54 - Treze relacionamentos entre dois intervalos de tempo Figura 55 - Especificação do relógio de intervalo big-ben Figura 56 Dimensão física do Modelo de Mundo proposto Figura 57 Estados do Contexto Físico do Dispositivo Figura 58- Exemplo de representação de Modelo Físico do Mundo Figura 59 - Estados do Contexto Lógico do Dispositivo Figura 60 Contexto Lógico do Mundo - CLM Figura 61 Exemplo de representação do Contexto Lógico do Mundo Figura 62 - Transformação do modelo hiperdimensional em modelo unidimensional Figura 63 Processo de Desenvolvimento de Aplicações (a) tradicional (b) proposto. 261 Figura 64 Modelo de desenvolvimento de aplicações Figura 65 Contextualização do problema Figura 66 Feedback ao aluno Figura 67 Pseudo-código resultante da execução do sistema Figura 68 Tempo nominal de execução das aplicações Figura 69 Modelo preemptivo conceitual Figura 70 Exemplo de modelo preemptivo real Figura 71 Modelo de substrato reativo no paradigma atual Figura 72 Interação do especialista desenvolvedor Figura 73 Interface de assimilação e aprendizagem Figura 74 Interação do especialista escritor Figura 75 Tratamento de tempo explicito x tempo implícito Figura 76 Uso da cláusula NAO_SEI Figura 77 Comparativo entre modelos exógenos e o modelo proposto (endógeno) Figura 78 Chamada de trabalhos para o congresso na área de Sistemas Operacionais sob a chancela da ACM em Figura 79 Modelo de núcleo monolítico Figura 80 Modelo em camadas Figura 81 -Organização do sistema Pilot Figura 82 - O micronúcleo do Mach e seus sub-sistemas Figura 83 - Estrutura de núcleo coletivo Figura 84 Modelo de cache kernel Figura 85 Exemplo de funcionamento de uma máquina virtual Windows 98 executando sobre um host Windows Figura 86 Uma máquina virtual implementada sobre uma máquina real com mesmo conjunto de instruções Figura 87 - Estrutura da Máquina Virtual VirtualPC

16 Figura 88 - Objetos A, B e C implementam a solução de um problema específico. Objetos meta-nível M1..M4 controlam a execução dos abjetos A, B e C e implementam parte de seu comportamento Figura 89 - O ambiente Lisp consistindo de todas as funções e objetos em memória virtual Figura 90 Estrutura organizacional do sistema ABOS Figura 91- Abordagem híbrida do sistema operacional Windows 2000 Server Figura 92 Exemplo de árvore de decisões utilizada no protótipo de validação do modelo de aplicações Figura 93 Exemplo de árvore de decisões modelando conhecimento sobre construção de redações Figura 94 Planilha de regras utilizadas para montagem da árvore de decisões XV

17 XVI LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Latência de processos e threads Tabela 2 - Características de núcleos monolíticos Tabela 3 - Características de núcleos em camadas Tabela 4 - Características de núcleos hierárquicos Tabela 5 - Características de micronúcleos Tabela 6 - Características de núcleos configuráveis/adaptáveis Tabela 7 - Características de núcleos coletivos Tabela 8 - Características de núcleos baseados em library OS Tabela 9 - Características de exonúcleos Tabela 10 - Características de cache kernel Tabela 11 - Características de nanonúcleos Tabela 12 - Características de núcleos baseados em máquinas virtuais Tabela 13 - Características de núcleos baseados no conceito de objetos Tabela 14 - Características de núcleos baseados em reflexão computacional Tabela 15 - Características de núcleos baseados em conhecimento Tabela 16 - Características de núcleos baseados em agentes Tabela 17- Características de núcleos híbridos Tabela 18 - Requisitos funcionais e não funcionais de projetos de sistemas operacionais Tabela 19 - Requisitos funcionais de computação ubíqua, teletrabalho e comércio eletrônico Tabela 20 - Resumo das características de uso da tecnologia de informações Tabela 21 - Requisitos funcionais e não funcionais de projetos de robôs autônomos Tabela 22 - Requisitos de segurança em computação ubíqua na visão de companhias de telecomunicações Tabela 23 - Problemas e medidas de segurança em tele-trabalho Tabela 24 - Comparativo entre requisitos de projetos de sistemas operacionais, computação ubíqua, teletrabalho, comércio eletrônico e robótica Tabela 25 - Comparativo entre requisitos funcionais e não funcionais Tabela 26 - Relacionamento entre intervalos usando quadtrees Tabela 27 - Aliases para variáveis lingüísticas

18 XVII LISTA DE REDUÇÕES ACM ADA AFIPS AOP API ARTIS ASIC AUP BIOS BNF CASE CFD CFM CLD CLM COM COP CORBA DARPA DMA E/S FAT FBI FCM FLIPS GNU GPS GUI HAL HCI HPFS HTML IA IBM IDS IEEE IIDS IOCS - Association of Computer Machinery - Active Document Architecture - American Federation of Information Processing Societies - Aspect Oriented Programming - Application Program Interface - Architecture for Real-time Intelligent Systems - Application Specific Integrated Circuit - Active Universal Plans - Basic Input-Output System - Backus Naur Form - Computer Aided Software Engineering - Contexto físico do dispositivo - Contexto físico do mundo - Contexto lógico do dispositivo - Contexto lógico do mundo - Component Object Model - Component-based Operating System Proxy - Common Object Request Brocker - Defense Advanced Research Projects - Direct Memory Access - Entrada e Saída - File Allocation Table - Federal Bureau of Investigation - Fuzzy Cognitive Maps - Fuzzy Logic Inferences per Second - General Public License - Global Positioning System - Graphical User Interface - Hardware Abstraction Layer - Human-Computer-Interaction - High Performance File System - Hypertext Markup Language - Inteligência Artificial - International Business Machines - Intrusion Detection System - Institute of Electrical and Electronics Engineers - Intelligent Intrusion Detection System - Input/Output Control System

19 XVIII IPC IVR JVM LRU MIPS MIT MM MMU MUD - Inter-Process Communication - Interactive Voice Response - Java Virtual Machine - Least Recently Used - Million Instructions per Second - Massachusetts Institute of Technology - Modelo de Mundo - Memory Management Unit - Multiple User Domain NCR - National Cash Register Company (adquirida pela AT&T em 1991) NSA - National Security Agency NC - Network Computer NTFS - NT File System (ou New Technology File System) OLE - Object Linking and Embedding ORB - Object Request Broker PC - Personal Computer PDF - Portable Document Format PKI - Public Key Infrastructure PGP - Pretty Good Privacy POSIX - Portable Operating System Interface PPFS - Portable Parallel File System QoP - Quality of Protection RBC - Raciocínio Baseado em Casos RISC - Reduced Instruction Set Computer RMI - Remote Method Invocation RPC - Remote Procedure Call SE - Sistema Especialista SMA - Sistemas Multiagentes SOBC - Sistema Operacional Baseado em Conhecimento SOM - System Object Model TIC - Tecnologias de Informação e Comunicação TLB - Translation Look-aside Buffer UML - Unified Modeling Language VFS - Virtual File System VMM - Virtual Machine Monitor VPN - Virtual Private Network WDM - Windows Driver Model WMI - Windows Management and Instrumentation XML - Extended Markup Language

20 XIX RESUMO MATTOS,Mauro M. Fundamentos conceituais para a construção de sistemas operacionais baseados em conhecimento páginas. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. Um sistema inteligente deve ser capaz de adquirir autonomamente as informações necessárias, através da percepção, e executar as ações apropriadas. Para atingir a esta meta, sistemas artificiais devem acessar diretamente o ambiente que os cerca. O paradigma atual de sistemas operacionais suporta a noção de abstração de hardware, onde cada aplicação supõe possuir seu próprio processador e demais recursos. Esta situação e o fato de que em geral os sistemas operacionais tradicionais são baseados em (i) multitarefa, contribuem para a permanência de problemas identificados há mais de 30 anos. Estes problemas envolvem não só aspectos de segurança e usabilidade como também questões de privacidade das informações. Alem disso, há outros dois conceitos que contribuem para piorar a situação: (ii) o conceito de operador e (iii) o conceito de programa. A função de operador foi necessária nos primórdios da computação, quando os computadores eram enormes e difíceis de usar. O conceito de programa implica virtualmente na extensão das mãos dos desenvolvedores para dentro da máquina dos usuários. Este trabalho introduz uma definição para a noção de sistema operacional baseado em conhecimento, estabelece a possibilidade concreta dessa definição a partir da apresentação de uma base conceitual que sustenta a definição apresentada e fornece indicações sobre a sua necessidade isto é, dá-lhe um conteúdo objetivo e mostra o interesse e a utilidade que esta nova concepção pode ter para a área de Sistemas Operacionais em particular e para a área de Computação em geral. Especificamente, realiza-se uma particular leitura sobre o paradigma atual de concepção de sistemas operacionais e confronta-se este modelo com as demandas de computação ubíqua, teletrabalho e comércio eletrônico, resultando numa evidente disparidade entre os requisitos dos projetos de sistemas operacionais e os requisitos dos projetos das áreas elencadas. Por outro lado, uma mudança de atitude face aos objetivos propostos é também requerida. A definição dada supõe que se reconheça a autonomia operacional dos sistemas. E isto implica em abandonar, ou pelo menos colocar em segundo plano, o que comumente é chamado de artificialismo a busca de imitação do comportamento inteligente de seres humanos ou animais - e adotar o ponto de vista denominado naturalismo a consideração de inteligência de máquina como fenômeno natural nas máquinas, digno de ser estudado em si próprio. O trabalho apresenta os resultados da reflexão através da qual se tentou realizar os objetivos. Palavras-chave: Sistemas operacionais, sistemas operacionais baseados em conhecimento, modelo de kernel endógeno.

21 XX ABSTRACT MATTOS,Mauro M. Fundamentos conceituais para a construção de sistemas operacionais baseados em conhecimento páginas. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. An intelligent system should be able to autonomously acquire its required information through perception and carry out the contemplated actions. To achieve this goal, artificial systems must have direct access to their surroundings. The paradigm over which we build operating systems today is based on an hardware abstraction where each application is supposed to possess its own processor (and other resources). This situation and the fact that in general all commercial operating systems are based on (i) multitasking, contribute to enforce problems identified since 30 years ago. Those problems range from security to usability, but also include aspects related to privacy. Besides that, there are two other concepts that contribute to make things worse: (ii) the operator concept and (iii) the program concept. The operator function was necessary in the first moments of computing area since the computers were big and difficult to use. Operators at that time were responsible for turning on/off the machine, starting programs, collecting reports, restarting new programs and so on. The program concept can be thought as the programmer s hands virtually inside the user s machines. This research introduces the definition for the notion of a knowledge-based operating system (KBOS), establishes the real possibility of this definition based on a conceptual basis that supports the definition and, presents some indications about its needs that is, gives an objective content and shows the interest and usefulness that this new conception can be to operating systems in particular and computing in general. A particular reading is made about the current operating system building paradigm and this model was compared with new demands in ubiquitous computing, teleworking and e- commerce areas resulting in a disparity between operating system s projects and the other projects. On the other hand, a change in attitude is required in face of the proposed objectives. The presented definition supposes the recognition of the operational autonomy of the KBOS. Thus, this abandons or at least puts in second plan what is called artificialism the search for imitation of animals or of the human beings intelligent behavior and to adopt the point of view denominated naturalism the consideration of machine intelligence as natural phenomenon in the machines worthy of being studied in itself. This research presents the results of the reflection through which the objectives were accomplished. Keywords: Operating systems, knowledge-based operating systems, endogenous kernel model.

FUNDAMENTOS CONCEITUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS BASEADOS EM CONHECIMENTO

FUNDAMENTOS CONCEITUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS BASEADOS EM CONHECIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FUNDAMENTOS CONCEITUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS BASEADOS EM CONHECIMENTO

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955 O que vimos Infraestrutura de Software Introdução (cont.) Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

SO Sistemas Operacionais

SO Sistemas Operacionais GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO A ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA SO Sistemas Operacionais Curso de Informática ETE REPÚBLICA - Rua Clarimundo de Melo, 847, Quintino

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Aula 05 Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br)

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Windows NT 4.0. Centro de Computação

Windows NT 4.0. Centro de Computação Windows NT 4.0 Centro de Computação Tópicos Introdução Instalação Configuração Organização da rede Administração Usuários Servidores Domínios Segurança Tópicos È O sistema operacional Windows NT È Características:

Leia mais

Problemas de Segurança em Sistemas Operacionais: Uma Questão em Aberto Há Quase 30 Anos

Problemas de Segurança em Sistemas Operacionais: Uma Questão em Aberto Há Quase 30 Anos Problemas de Segurança em Sistemas Operacionais: Uma Questão em Aberto Há Quase 30 Anos Mauro Marcelo Mattos mattos@furb.br Resumo. O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da origem dos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.)

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.) Infra-Estrutura de Software Introdução (cont.) O que vimos Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como

Leia mais

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES - Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES Em arquitetura de computadores serão estudados aspectos da estrutura e do funcionamento dos computadores. O objetivo é apresentar de forma clara e abrangente a natureza

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

01/04/2012. Voltar. Voltar

01/04/2012. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 3 Sistemas Operacionais: Software em Segundo Plano Objetivos Descrever as funções de um sistema operacional. Explicar os fundamentos do sistema operacional de um computador.

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Estrutura de S.O. Roteiro. BC1518 - Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento. Aula 02 2 Quadrimestre. de 2010

Estrutura de S.O. Roteiro. BC1518 - Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento. Aula 02 2 Quadrimestre. de 2010 BC1518 - Sistemas Operacionais Estrutura de S.O. Aula 02 2 Quadrimestre de 2010 Prof. Marcelo Z. do Nascimento Email: marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Serviço do sistema operacional Interface Chamadas

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores 1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores A crescente dependência das empresas e organizações modernas a sistemas computacionais interligados em redes e a Internet tornou a proteção adequada

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

Características do Software

Características do Software Questionamentos Por que tanta demora para entregar? Por que os prazos se atrasam? Por que os custos são altos? Por que não achar todos os erros antes de entregar? Por que dificuldade em medir o progresso

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução

Sistemas Operacionais Introdução Sistemas Operacionais Introdução Adriano J. Holanda http://adrianoholanda.org/edu/ 5 de agosto de 2013 Introdução Sobre o curso Introdução Complexidade dos SOs Informações sobre a disciplina Serviços Arquitetura

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança

Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança Número do Item: E60510 Outubro de 2014 Copyright 2013, 2014, Oracle e/ou suas empresas afiliadas. Todos os direitos reservados e de titularidade da Oracle

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Tópico 4 Estrutura do Sistema Operacional Prof. Rafael Gross prof.rafaelgross@fatec.sp.gov.br FUNÇÕES DO NUCLEO As principais funções do núcleo encontradas na maioria dos sistemas

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática Curso Conexão Noções de Informática Aula 2 Arquitetura de Computadores (Software) Agenda Introdução; Tipos de Software; Básico; Aplicativo; Livre; Proprietário. Pirataria de Software; Demos, Freewares

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Java de missão crítica. Um artigo técnico da Oracle

Java de missão crítica. Um artigo técnico da Oracle Java de missão crítica Um artigo técnico da Oracle Java de missão crítica A família de produtos Oracle JRockit é um portfólio abrangente de soluções de tempo de execução de Java que aproveita a JVM básica

Leia mais

PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK

PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK MVC PROGRAMMING AND ZEND FRAMEWORK Rodolfo Vinícius Moimas Dias Centro Universitário Filadélfia de Londrina UniFil Rafael Francovig Cavicchioli Centro Universitário Filadélfia

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Engenharia de Software: Introdução Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Programa 1. O processo de engenharia de software 2. UML 3. O Processo Unificado 1. Captura de requisitos 2.

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução

Sistemas Operacionais Introdução Sistemas Operacionais Introdução Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 3/8/2015 Sistemas de computação teclado mouse impressora disco rígido monitor processador controladora de disco controladora USB placa

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

A história dos sistemas operacionais

A história dos sistemas operacionais A história dos sistemas operacionais Atualmente, os sistemas operacionais (SO) estão cada vez mais fáceis de usar, possuindo interfaces muito simples e bonitas. Contudo, todas estas funcionalidades não

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Disciplinas FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Horários Quarta-feira Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Prototipação de Software

Prototipação de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Prototipação de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005

Leia mais

Ricardo Gomes Clemente. Uma arquitetura para processamento de eventos de log em tempo real. Dissertação de Mestrado

Ricardo Gomes Clemente. Uma arquitetura para processamento de eventos de log em tempo real. Dissertação de Mestrado 1 Ricardo Gomes Clemente Uma arquitetura para processamento de eventos de log em tempo real Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo

Leia mais

Virtualização: Conceitos e Aplicações em

Virtualização: Conceitos e Aplicações em Virtualização: Conceitos e Aplicações em Segurança Marcos Laureano e Carlos Maziero Centro Universitário Franciscano Unifae Pontíficia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Informática

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Programas Recursivos e conversão de Programas Monolíticos 1

Programas Recursivos e conversão de Programas Monolíticos 1 Programas Recursivos e conversão de Programas Monolíticos 1 Cláudia Santos Fernandes, Daniela Tereza Ascencio Russi, Francisco Assis da Silva, Liliane Jacon Jacob Mestrado Remoto da UFRGS/FACCAR E-mail:

Leia mais

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Aula 01 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Horário das Aulas: 2as feiras das 10h10 às 11h40 e 5as feiras das 08h25

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE Luciara Wanglon Afonso 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar algumas questões

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais