Relatório de Gestão Prestação de contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Gestão Prestação de contas"

Transcrição

1 Município de Pombal Relatório de Gestão Prestação de contas Individuais

2 f

3 RELATÓRIO DE GESTÃO ÍNDICE I. RELATÓRIO DE GESTÃO 6 1. INTRODUÇÃO O ENQUADRAMENTO LEGAL SÍNTESE DA EXECUÇÃO DAS GOP`s 8 2. EXECUÇÃO E EVOLUÇÃO DA POLÍTICA ORÇAMENTAL DESENVOLVIDA PELA AUTARQUIA MODIFICAÇÕES AOS DOCUMENTOS PREVISIONAIS ORÇAMENTO MUNICIPAL E GRANDES OPÇÕES DO PLANO ORÇAMENTO DA RECEITA: ESTRUTURA E EVOLUÇÃO POR NATUREZA ECONÓMICA RECEITAS DE CAPITAL RECEITAS CORRENTES ESTRUTURA DAS TRANSFERÊNCIAS, RECEITA ORÇAMENTO DA DESPESA: ESTRUTURA E EVOLUÇÃO DESPESA DE ESTRUTURA DA AUTARQUIA DESPESA DE FUNCIONAMENTO DA AUTARQUIA SERVIÇO DA DÍVIDA DESPESA BÁSICA DA AUTARQUIA ESTRUTURA DA DESPESA, POR FUNÇÕES ESTRUTURA DA DESPESA, POR CAPÍTULOS ESTRUTURA DA DESPESA DE CAPITAL, POR CAPÍTULOS ESTRUTURA DA DESPESA CORRENTE, POR CAPÍTULOS ESTRUTURA DAS TRANSFERÊNCIAS CORRENTE E DE CAPITAL, DESPESA EVOLUÇÃO DA DESPESA SEGUNDO A NATUREZA ECONÓMICA RELAÇÃO ENTRE AS RECEITAS E DESPESAS, CORRENTES E DE CAPITAL EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DA RECEITA E DESPESA SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR EVOLUÇÃO DA SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA BALANÇO NOTAS AO BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS NOTA À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE INDICADORES DE GESTÃO INDICADORES DE GESTÃO GRAU DE EXECUÇÃO DAS GRANDES OPÇÕES DO PLANO GRAU DE EXECUÇÃO DAS GOP - CONFRONTO COM ANOS ANTERIORES GRAU DE EXECUÇÃO DAS GOP, POR FUNÇÕES GRAU DE EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS GRAU DE EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAIS DESVIOS ENTRE AS RECEITAS E DESPESAS PREVISTAS E AS REALIZADAS RÁCIOS-INDICADORES PARA ANÁLISE DA CONTABILIDADE ORÇAMENTAL RÁCIOS DA ESTRUTURA DA RECEITA RÁCIOS DA ESTRUTURA DA DESPESA RÁCIOS DE ENDIVIDAMENTO INDICADORES DE EFICÁCIA OUTROS INDICADORES 38 2/220

4 RELATÓRIO DE GESTÃO 5. DÍVIDA DO MUNICÍPIO ESTRUTURA DA DÍVIDA MUNICÍPIO LIMITE DO ENDIVIDAMENTO LIMITE DA DIVIDA TOTAL À LUZ DO NOVO REGIME FINANCEIRO DAS AUTARQUIAS LOCAIS LCPA LEI DOS COMPROMISSO E PAGAMENTOS EM ATRASO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL PAGAMENTOS EM ATRASO DECLARAÇÕES, NOS TERMOS DO ARTº 15º DECLARAÇÃO DOS COMPROMISSOS PLURIANUAIS EXISTENTES DECLARAÇÃO DOS PAGAMENTOS E RECEBIMENTOS EM ATRASO COMPROMISSOS PLURIANUAIS RECURSOS HUMANOS EVOLUÇÃO DO GLOBAL DOS RECURSOS HUMANOS DA AUTARQUIA TOTAL DOS ENCARGOS COM PESSOAL FORMAÇÃO DO PESSOAL PROCEDIMENTOS CONCURSAIS INSTALAÇÃO DA CÂMARA PARA O QUADRIÉNIO 2013/ OUTRAS ACTIVIDADES RELEVANTES FINANÇAS MUNICIPAIS AUDITORIA EXTERNA ÀS CONTAS DO MUNICÍPIO INSPECÇÕES DE ENTIDADES EXTERNAS AUDITORIAS INTERNAS HOMOLOGAÇÃO DAS CONTAS DE 2009 E 2010 vs Proc. 374/10.5JACBR PROC. 374/10.5JACBR CONTROLO DA REPOSIÇÃO DAS VERBAS DESVIADAS RECOMENDAÇÕES DO TRIBUNAL DE CONTAS CONSOLIDAÇÃO DAS CONTAS ACTIVIDADE MUNICIPAL EDUCAÇÃO CULTURA TURISMO E LAZER DESPORTO JUVENTUDE ACÇÃO SOCIAL NOVAS TECNOLOGIAS OBRAS MUNICIPAIS AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS AQUISIÇÃO E ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS ÁGUA, SANEAMENTO E RESÍDUOS ÁGUAS SANEAMENTO RESÍDUOS SÓLIDOS CANDIDATURAS URBANIZAÇÃO, EDIFICAÇÃO E RECURSOS NATURAIS OBRAS PARTICULARES URBANISMO RECURSOS NATURAIS PROPOSTA DE APLICAÇÃO DOS RESULTADOS 123 II. PRESTAÇÃO DE CONTAS 124 3/220

5 RELATÓRIO DE GESTÃO - CONTAS INDIVIDUAIS BALANÇO FINAL DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS MAPAS DE CONTROLO ORÇAMENTAL CONTROLO ORÇAMENTAL DA DESPESA CONTROLO ORÇAMENTAL DA RECEITA RESUMO DA EXECUÇÃO DAS GRANDES OPÇÕES DO PLANO EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL FLUXOS DE CAIXA RESUMO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS DE ORDEM OPERAÇÕES DE TESOURARIA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE ACTIVO BRUTO AMORTIZAÇÃO ACUMULADAS MAPA DAS CONTAS DE ORDEM PROVISÕES ACUMULADAS CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS E MAT. CONSUMIDAS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS FINANCEIROS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EXTRAORDINÁRIOS MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA RECEITA MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA MODIFICAÇÕES AO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS MODIFICAÇÕES AO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAIS CONTRATAÇÃO ADMINISTRATIVA TRANSFERÊNCIAS CORRENTES DA DESPESA TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL DA DESPESA TRANSFERÊNCIAS CORRENTES DA RECEITA TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL DA RECEITA SUBSÍDIOS CONCEDIDOS ACTIVOS DE RENDIMENTO FIXO EMPRÉSTIMOS A MÉDIO/LONGO PRAZO OUTRAS DÍVIDAS A TERCEIROS RELAÇÃO NOMINAL DOS RESPONSÁVEIS 219 III. ENCERRAMENTO 220 IV. TERMO DE APROVAÇÃO FINAL 220 4/220

6 RELATÓRIO DE GESTÃO 5/220

7 RELATÓRIO DE GESTÃO RELATÓRIO DE GESTÃO 6/220

8 RELATÓRIO DE GESTÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O ENQUADRAMENTO LEGAL O Executivo Municipal apresenta, nos termos da alínea i) do nº 1 do Artº 33º da Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, os Documentos de Prestação de Contas (DPC), cabendo à Assembleia Municipal a sua apreciação e votação, em conformidade com o disposto na alínea l) do n.º 2 do Artigo 25.º da mesma Lei. Os DPC são apresentados em obediência à Resolução n.º 4/ ª Secção - Tribunal de Contas, de 12 de Julho de Instruções n.º 01/ ª S - Instruções para a organização e documentação das contas das Autarquias Locais e Entidades Equiparadas, abrangidas pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), publicada no DR II.ª Série, n.º 191, de 18 de Agosto, alterada pela Resolução nº 26/2013 publicada no DR. II.ª Série de 21 de Novembro.. Em conformidade com esta Resolução, resultam para o Município de Pombal, e como elementos de prestação de contas, os documentos descritos no quadro seguinte. N.º Quadro 1 Documentos de prestação de contas (1/2) DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL GRUPO 1 1 Balanço 5 X 2 Demonstração de resultados 6 X 3 Plano plurianual de investimentos 7.1 X 4 Orçamento (Resumo) 7.2 X 5 Orçamento 7.2 X 6 Controlo orçamental da despesa X 7 Controlo orçamental da receita X 8 Execução do Plano Plurianual de Investimentos 7.4 X 9 Fluxos de caixa 7.5 X 10 Contas de ordem 7.5 X 11 Operações de tesouraria 7.6 X 12 Caracterização da entidade 8.1 X 13 Notas ao balanço e à demonstração de resultados 8.2 X 14 Modificações do orçamento - receita X 15 Modificações do orçamento - despesa X 16 Modificações ao Plano plurianual de investimentos X 17 Contratação administrativa - Situação dos contratos X 18 Transferências correntes - despesa X 19 Transferências de capital - despesa X 20 Subsídios concedidos X 21 Transferências correntes - receita X 22 Transferências de capital - receita X 23 Subsídios obtidos X 24 Activos de rendimento fixo X 25 Activos de rendimento variável X 26 Empréstimos X 27 Outras dívidas a terceiros X 7/220

9 RELATÓRIO DE GESTÃO N.º Quadro 1 Documentos de prestação de contas (2/2) DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL GRUPO 1 28 Relatório de gestão 13 X 29 Guia de remessa X 30 Acta da reunião em que foi discutida e votada a conta X 31 Norma de controlo interno e suas alterações 2.9 X 32 Resumo Diário de Tesouraria X 33 Síntese das reconciliações bancárias X 34 Mapa de Fundos de Maneio X 35 Relação de emolumentos notariais e custas de execuções fiscais X 36 Relação de acumulação de funções X 37 Relação nominal de responsáveis X Em cumprimento do disposto no Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro (POCAL), o Executivo Municipal apresenta o Relatório de Gestão referente ao ano financeiro de 2013, que constitui um dos documentos de prestação de contas, conforme ponto n.º 13 do POCAL e n.º 28 das Instruções n.º 1/ ª Secção - Resolução n.º 4/2001 do Tribunal de Contas, atrás referidas. O Relatório de Gestão traduz, nas suas diversas peças escritas e desenhadas e de forma sucinta, a execução das Grandes Opções do Plano do quadriénio 2013/2016 e do Orçamento no ano financeiro de SÍNTESE DA EXECUÇÃO DAS GOP`s Nortearam a actividade municipal, naturalmente, as linhas inscritas nas GOP`s (Grandes Opções do Plano) para o quadriénio de , englobando o PPI (Plano Plurianual de Investimentos) e o PAM (Plano de Actividades Municipal). No gráfico seguinte circunstanciamos o grau de execução das GOP`s, apurado entre o valor previsto e o executado, função por função. Gráfico 01 - Grau de execução (%) das GOP`s, 2013, por função 100,00 90,00 80,00 % 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 FUNÇÕES GERAIS 76,08 FUNÇÕES SOCIAIS 67,92 55,35 FUNÇÕES ECONÓMICAS OUTRAS FUNÇÕES 91,05 TOTAL GRANDES OPÇÕES 68,25 8/220

10 RELATÓRIO DE GESTÃO 2. EXECUÇÃO E EVOLUÇÃO DA POLÍTICA ORÇAMENTAL DESENVOLVIDA PELA AUTARQUIA O Orçamento de 2013 e as GOP`s obtiveram aprovação, pela Câmara Municipal em 18/12/2012 e pela Assembleia Municipal em 28/12/ MODIFICAÇÕES AOS DOCUMENTOS PREVISIONAIS ORÇAMENTO MUNICIPAL E GRANDES OPÇÕES DO PLANO Durante a Gerência do Ano 2013, procederam os Serviços de Contabilidade a 19 (dezanove) modificações, nos seguintes termos: 3 (três) revisões ao Plano Plurianual de Investimentos (PPI), e ao Orçamento da Receita, devidamente aprovadas em Assembleia Municipal, nos seguintes termos: Uma revisão, aprovada em AM de 27/02/2013, que integrou o Saldo da Gerência Anterior de 2012 no Orçamento da Receita, no valor de ,76, por contrapartida do reforço de rubricas das Grandes Opções do Plano, aumentando de igual valor, a despesa global do Orçamento, e; Duas revisões, aprovadas em AM de 16/09/2013, que visaram a criação de novos projectos e reforço de dotações de varias rubricas do PPI para o ano seguinte de 2014 para efeitos de abertura de procedimento de concurso e que, por força da lei, careciam de autorização da Assembleia Municipal sem que daí resultasse aumento do valor global do Orçamento para o ano corrente. 16 (dezasseis) alterações ao Orçamento e às Grandes Opções do Plano destinadas a: reforço de dotações da despesa por contrapartida da diminuição ou anulação de outras dotações, e; alteração das Fontes de Financiamento de alguns projectos inscritos em PPI ORÇAMENTO DA RECEITA: ESTRUTURA E EVOLUÇÃO O valor das Receitas Totais do ano de 2013, aumentaram significativamente, relativamente ao ano de 2012, tendo sido cobrado no total ,62 (que não inclui o saldo transitado da gerência anterior no valor de ,76), o que representou um aumento de 26,80%, muito devido ao recebimento da receita proveniente dos Fundos Comunitários espelhada na rubrica Transferências de Capital. Vertemos, nos pontos seguintes, a evolução e a estrutura da receita municipal. 9/220

11 RELATÓRIO DE GESTÃO POR NATUREZA ECONÓMICA Gráfico 2 Evolução da receita nos últimos cinco anos Receitas Correntes Receitas Capital Receita Total ,62 Euros , , , , , , , , , , , , , ,04 0 Ano 2009 Ano 2010 Ano 2011 Ano 2012 Ano 2013 Gráfico 3 Variação da receita nos últimos 5 anos 0,60 0,50 52,96% % 0,40 36,94% 35,48% 0,30 0,20 16,54% 26,80% 0,10 0,00-0,10 5,87% 10,11% 0,49% 0,24% 0,09% 11,99% -5,74% Ano 2009 Ano 2010 Ano 2011 Ano 2012 Ano 2013 Variação Receita Corrente Variação Receita Capital Variação Receita Total 10/220

12 RELATÓRIO DE GESTÃO Gráfico 4 Decomposição da receita por capítulo, 2012 vs 2013 PASSIVOS FINANCEIROS 0,00 2,34 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL 12,64 22,95 VENDA DE BENS DE INVESTIMENTO OUTRAS RECEITAS CORRENTES VENDAS DE BENS E SERVIÇOS CORRENTES 0,12 0,10 0,11 0,30 5,72 5,87 TRANSFERÊNCIAS CORRENTES 9,88 12,18 RENDIMENTOS DE PROPRIEDADE 2,20 2,06 TAXAS, MULTAS E OUTRAS PENALIDADES IMPOSTOS INDIRECTOS 0,44 0,55 0,23 0,11 Ano 2013 Ano 2012 IMPOSTOS DIRECTOS 8,95 7,87 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 Milhões de Euros RECEITAS DE CAPITAL A receita de capital aumentou de uma forma expressiva relativamente a 2012, tendo tido um aumento de 52,96%. Da receita de capital mais proeminente, destacam-se as Transferências de Capital provenientes da participação comunitária em projecto co-financiados, no montante de ,17 que representou 89,20% da Receita Total de Capital. É precisamente neste item que se verifica o maior aumento de receita, 160 %, comparativamente a RECEITAS CORRENTES Neste capítulo registou-se um aumento de 11,99% na receita corrente. Dois factores destacam-se no contributo dado para o aumento verificado, por razões distintas: Aumento de percentagem do FEF corrente em detrimento do FEF de capital, de 60% para 80%, resultado da alteração preconizada pela Lei 64-B/2011 de 30/12 (LOE para 2012) no Artº 25º da Lei 2/2007 de 15/01 (LFL), que aumentou as Transferências Correntes em ,00, relativamente ao ano de Aumento dos Impostos Directos em ,24, com destaque para o IMI (+29%), consequência da reavaliação dos prédios urbanos realizada a nível nacional e do IUC (+19%), que compensou a descida abrupta do IMT (-37%). A Derrama e as restantes rubricas de receita corrente não sofreram variações significativas. 11/220

13 RELATÓRIO DE GESTÃO ESTRUTURA DAS TRANSFERÊNCIAS DE RECEITA Nos dois gráficos abaixo apresentamos a estrutura das transferências, de capital e correntes. Gráfico 5 Estrutura das transferências de capital da receita ,47; 0,80% ,00; 9,55% ,83; 14,37% ,89; 0,20% Fundo de Equilibrio Financeiro FEDER FEADER ,45; 75,08% Fundo de Coesão Serviços e Fundos Autónomos Gráfico 6 Estrutura das transferências correntes da receita ,89; 0,10% ,00; 8,50% ,51; 13,11% ,15; 0,51% Fundo de Equilibrio Financeiro Fundo Social Municipal Participação Variável no IRS Fundo Social Europeu Serviços e Fundos Autónomos Outros ,00; 5,81% ,00; 71,97% No seu conjunto, as transferências fixaram-se em ,19 o que corresponde a 66,42% da execução do orçamento municipal, destacandose as seguintes rubricas orçamentais: Participação Comunitária em Projectos Co-Financiados, que ascende a ,06, provenientes do Fundo de Coesão, FEDER, FEADER e Fundo Social Europeu. O Fundo de Equilíbrio Financeiro (FEF), corrente e de capital, o Fundo Social Municipal (FSM) e a Participação Variável no IRS, no valor total de ,00, patente no Mapa XIX, anexo à Lei 66-B/2012 de 12/220

14 RELATÓRIO DE GESTÃO 31/12 (Lei do Orçamento de Estado para 2013), no âmbito da participação do Municipio de Pombal nos impostos do Estado. Destas transferências foram retidos durante o ano: ,00, correspondente a 0,1% do FEF para constituição de receita própria da DGAL - Direcção Geral das Autarquias Locais, nos termos definidos no Artº 95ª da LOE para 2013, e; ,00, destinados ao SNS, na senda do estabelecido no Artº 56º e Anexo I do DL 36/2013 de 11/03 (Execução Orçamental) Ainda nos termos do nº 4 do Artº 85º da Lei 66-B/2012 de 31/12 (LOE), refira-se que os ,00 provenientes do FSM, foram completamente absorvidos no financiamento das competências do Município no domínio da educação pré-escolar e do 1º ciclo do ensino básico ORÇAMENTO DA DESPESA: ESTRUTURA E EVOLUÇÃO As Despesas Totais do ano de 2013 fixaram-se em ,84 o que representa um acréscimo de 33,22% relativamente ao ano de Nos pontos infra detalhamos vertentes da despesa, analisamos a sua estrutura e evolução DESPESA DE ESTRUTURA DA AUTARQUIA Quadro 2 Despesa de estrutura da Autarquia COMPONENTE VALOR, EM EUROS 01 PESSOAL ,04 04 TRANSFERÊNCIAS CORRENTES ,33 05 SUBSÍDIOS ,53 SERVIÇO DA DÍVIDA 03 JUROS E OUTROS ENCARGOS ,56 10 PASSIVOS FINANCEIROS ,20 TOTAL , DESPESA DE FUNCIONAMENTO DA AUTARQUIA Quadro 3 Despesa de funcionamento da Autarquia COMPONENTE VALOR, EM EUROS 02 AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS CORRENTES ,66 06 OUTRAS DESPESAS CORRENTES ,48 TOTAL , SERVIÇO DA DÍVIDA COMPONENTE Quadro 4 Serviço da dívida VALOR, EM EUROS 03 JUROS E OUTROS ENCARGOS ,56 10 PASSIVOS FINANCEIROS ,20 TOTAL ,76 13/220

15 RELATÓRIO DE GESTÃO DESPESA BÁSICA DA AUTARQUIA Quadro 5 Despesa básica da Autarquia COMPONENTE VALOR, EM EUROS 01 PESSOAL ,04 04 TRANSFERÊNCIAS CORRENTES ,33 05 SUBSÍDIOS ,53 08 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL ,35 SERVIÇO DA DÍVIDA 03 JUROS E OUTROS ENCARGOS ,56 10 PASSIVOS FINANCEIROS ,20 TOTAL , ESTRUTURA DA DESPESA, POR FUNÇÕES Gráfico 7 Estrutura da despesa, por função ,82; 7% ,48; 8% ,08; 10% Funções Gerais Funções Sociais Funções Económicas Outras Funções ,66; 75% As Funções Sociais, continuam com a maior taxa de execução das Grandes Opções do Plano, destacando-se o Abastecimento de Água, com um valor executado de ,30, Saneamento com ,46, Valorização Urbanística com ,48, Desporto com ,19, Cultura com ,76 e Acção Social com ,71 onde se destaca o apoio à construção/ampliação de edifícios de I.P.S.S. Noutra Função Social, de forte execução financeira, a Educação com ,07, destaca-se a Componente de Apoio à Família que o Municipio, em parceria com a DGEST Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares e com os seus parceiros locais, apoiou em ,82. 14/220

16 RELATÓRIO DE GESTÃO Nas Funções Económicas, a construção e manutenção da rede viária, continuam a ser a área de actuação com maior relevância, tendo sido executados ,45. Todos estes dados podem ser consultados nos mapas de execução das Grandes Opões do Plano (GOPs), na secção PRESTAÇÃO DE CONTAS ESTRUTURA DA DESPESA, POR CAPÍTULOS Gráfico 8 Decomposição da despesa, por capítulo, 2012, vs 2013 PASSIVOS FINANCEIROS 0,99 1,00 Ano 2013 Ano 2012 ACTIVOS FINANCEIROS TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL 1,81 2,42 AQUISIÇÃO DE BENS DE CAPITAL OUTRAS DESPESAS CORRENTES 0,27 0,69 15,64 30,69 SUBSÍDIOS 0,28 0,63 TRANSFERÊNCIAS CORRENTES 2,92 3,21 JUROS E OUTROS ENCARGOS 0,08 0,12 AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS 7,83 8,70 DESPESAS COM PESSOAL 6,97 6,51 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 Milhões de Euros É notório a continuidade no forte investimento em Aquisição de Bens de Capital, que reporta na íntegra à execução do PPI Plano Plurianual de Investimentos, com uma execução de ,69, 59% da despesa total executada no ano e que, comparativamente a 2012, aumentou em 96%. A execução desta despesa teve o devido suporte financeiro repercutido no encaixe da receita proveniente dos fundos comunitários, com a mesma relevância em termos de execução, como se evidencia no ponto deste Relatório. Nos restantes capítulos da despesa, com realce para as despesas com pessoal e com a aquisição de bens e serviços, constata-se que em 2013, comparativamente a 2012, não se registaram variações dignas de registo, espelhando a estabilidade orçamental neste domínio, existente no Município. 15/220

17 RELATÓRIO DE GESTÃO ESTRUTURA DA DESPESA DE CAPITAL, POR CAPÍTULOS Gráfico 9 - Estrutura da despesa de capital, por capítulos 0,00; 0% ,20; 3% ,35; 5% Aquisição de bens de capital Transferências de capital Activos financeiros ,69; 92% Passivos financeiros ESTRUTURA DA DESPESA CORRENTE, POR CAPÍTULOS Gráfico 10 - Estrutura da despesa corrente, por capítulos ,48; ,53; 1,49% 1,54% ,33; 15,93% ,56; 0,46% ,04; 37,94% Despesas com Pessoal Aquisição de Bens e Serviços Juros e Outros Encargos ,66; 42,65% Transferencias Correntes Subsidios Outras Despesas Correntes ESTRUTURA DAS TRANSFERÊNCIAS CORRENTE E DE CAPITAL, DESPESA Os mapas de transferências de despesa corrente e de capital juntos à Prestação de Contas, espelham o apoio dado pelo Municipio às diversas Instituições e Freguesias do Concelho, no desenvolvimento de actividades de índole cultural, desportiva, recreativa e de acção social. A referência a algumas firmas nesses mapas, justifica-se com o apoio em materiais dado a essas Instituições e às Freguesias, e cujo pagamento o Municipio assumiu directamente com os seus fornecedores. O Gráfico seguinte representa a estrutura das transferências que constituem despesa. 16/220

18 RELATÓRIO DE GESTÃO Gráfico 11 - Estrutura das transferências ,00 0,23% ,87 27,06% ,79 30,19% ADM. CENTRAL ADM. LOCAL ,02 42,53% INST. S/ FINS LUCRATIVOS FAMÍLIAS EVOLUÇÃO DA DESPESA SEGUNDO A NATUREZA ECONÓMICA Gráfico 12 Evolução da despesa nos últimos 5 anos Despesas Correntes Despesas Capital Despesa Total , Euros , , , , , , , , , , , , , ,60 0 Ano 2009 Ano 2010 Ano 2011 Ano 2012 Ano 2013 Gráfico 13 Variação da despesa nos últimos 5 anos Despesas Correntes Despesas Capital 0,80 0,70 0,60 % 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 0,00-0,10-0,20 24,66% 13,55% 3,29% 5,47% 2,41% -0,33% 4,11% -5,15% -0,64% Despesa Total 75,69% 33,22% -7,54% Ano 2009 Ano 2010 Ano 2011 Ano 2012 Ano /220

19 RELATÓRIO DE GESTÃO 2.4. RELAÇÃO ENTRE AS RECEITAS E DESPESAS, CORRENTES E DE CAPITAL EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DA RECEITA E DESPESA No próximo quadro, bem assim nos dois gráficos seguintes, representamos a evolução e o relacionamento entre despesas e receitas correntes e de capital, ao longo dos últimos 5 anos, onde se conclui o respeito pelo principio do equilíbrio orçamental, consagrado no ponto do POCAL, onde estabelece que as receitas correntes devem ser pelo menos iguais às despesas correntes. Quadro 6 Evolução da receita e da despesa Ano de 2009 Ano de 2010 Ano de 2011 Ano de 2012 Ano de 2013 Receitas Correntes , , , , ,58 Receitas de Capital , , , , ,04 Despesas Correntes , , , , ,60 Despesas de Capital , , , , ,24 Gráfico 14 - Evolução da receita e da despesa Receit as Corrent es Receit as Capit al Despesas Corrent es Despesas Capit al Euros Ano de 2009 Ano de 2010 Ano de 2011 Ano de 2012 Ano de 2013 Gráfico 15 - Variações do relacionamento da receita e da despesa RELAÇÃO 3,50 3,00 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 0,00 3,17 2,55 1,77 1,77 1,62 1,46 1,56 1,40 1,29 1,34 0,95 1,08 1,04 0,90 0,75 0,79 0,69 0,50 0,55 0,55 Ano de 2009 Ano de 2010 Ano de 2011 Ano de 2012 Ano de 2013 Receita corrente/despesa corrente Despesa corrente/despesa capital Receita capital/despesa capital Receita corrente/receita capital 18/220

20 RELATÓRIO DE GESTÃO SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR Por definição, o Saldo da Gerência Anterior é o diferencial, apurado entre a receita efectivamente cobrada e a despesa efectivamente paga no ano. No ano de 2013, o valor total de receita cobrada, fixado em ,62 mais o Saldo da gerência do final do ano anterior, apurado em ,76, menos o total da despesa paga, fixada em ,84, resultou num Saldo de Gerência no final do ano, de ,54, devidamente identificado nos mapas de Fluxos de Caixa, patentes neste Relatório. Este Saldo da Gerência, depois de aprovado pelo Órgão Executivo em 17/01/2014, através da submissão do mapa dos fluxos de caixa, foi utilizado numa revisão orçamental, nos termos definidos no POCAL, que acolheu a aprovação da Assembleia Municipal em 28/02/ /220

21 RELATÓRIO DE GESTÃO 3. EVOLUÇÃO DA SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA 3.1. BALANÇO Do quadro seguinte consta o Balanço. Quadro 7 Balanço (1/3) BALANÇO ANO 2013 CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO EXERCÍCIOS N N - 1 AB A/P AL AL Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais , , , Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas , , , , Bens do património histórico,artístico e cultural 4.460, ,02 300, Outros bens de domínio público 445 Imobilizações em curso , , , Adiantamentos por conta de bens de domínio público , , , ,43 Imobilizações incorpóreas 431 Despesas de instalacção 432 Despesas de investigação e de desenvolvimento 433 Propriedade industrial e outros direitos 434 Aquisição de Serviços 443 Imobilizações em curso 449 Adiantamentos por conta de imobilizações incorpóreas Imobilizações corpóreas 421 Terrenos e recursos naturais , , , Edificios e outras construções , , , , Equipamento básico , , , , Equipamento de transporte , , , , Ferramentas e utensílios 961,38 262,59 698,79 830, Equipamento administrativo , , , , Taras e vasilhame 0,00 0, Outras imobilizações corpóreas , , , , Imobilizações em curso , , , Adiantamento por conta de imobilizações corpóreas , , , ,36 Investimentos financeiros 411 Partes de capital , , , Obrigações e títulos de participação 414 Investimentos em imóveis 415 Outras aplicações financeiras 441 Imobilizações em curso 447 Adiantamentos por conta de investimentos financeiros , , ,00 Circulante: Existências: 36 Matérias Primas, subsidiárias e de consumo , , ,46 35 Produtos e trabalhos em curso 34 Subprodutos, desperdícios, resíduos e refugos 33 Produtos acabados e intermédios 32 Mercadorias 37 Adiantamentos por conta de compras ,34 0, , ,46 20/220

22 RELATÓRIO DE GESTÃO Quadro 7 Balanço (2/3) BALANÇO ANO 2013 EXERCÍCIOS CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO N N - 1 AB A/P AL AL Dívidas de terceiros - Medio e longo prazos: (a) Dívidas de terceiros - Curto prazo: 28 Empréstimos concedidos 211 Clientes c/c 212 Contribuintes c/c , , , Utentes c/c , , , Clientes, contribuintes e utentes de cobranca duvidosa , ,80 0, Devedores pela execução do orçamento 229 Adiantamentos a fornecedores 2619 Adiantamentos a fornecedores de imobilizado 24 Estado e outros entes públicos , , , Administração autárquica Outros devedores , , , , , , , ,57 Títulos negociáveis: 151 Acções 152 Obrigações e títulos de participação 153 Títulos de dívida pública 159 Outros títulos 18 Outras aplicações de tesouraria Depositos em instituições financeiras e Caixa: 12 Depositos em instituições financeiras , , ,69 11 Caixa 4.646, , , , , ,01 Acréscimos e diferimentos: 271 Acréscimos de proveitos , , , Custos diferidos , , ,12 Total de amortizações ,24 Total de provisões ,64 Total do activo , , , ,95 AB= Activo Bruto AP=Amortizações e Provisões Acumuladas AL=Activo Líquido 21/220

23 RELATÓRIO DE GESTÃO Quadro 7 Balanço (3/3) BALANÇO ANO 2013 EXERCÍCIOS CÓDIGO DAS CONTAS FUNDOS PRÓPRIOS E PASSIVO N N - 1 Fundos próprios: 51 Património , ,11 55 Ajustamento de partes de capital em empresas 56 Reservas de reavaliação Reservas: 571 Reservas legais , , Reservas estatutárias 573 Reservas contratuais 574 Reservas livres 575 Subsídios 576 Doações 577 Reservas decorrentes de transferências de activos 59 Resultados transitados , ,25 88 Resultado líquido em exercício , , , ,96 Passivo: 292 Provisões para riscos e encargos , , , ,98 Dívidas a terceiros - Médio e longo prazos (a) 2312 Empréstimos de médio/longo prazo , , , ,59 Dívidas a terceiros - Curto Prazo 2311 Empréstimos de curto prazo , , Adiantamentos por conta de vendas Fornecedores c/c , , Fornecedores - Facturas em recepção e conferencia , , Credores pela execução do orçamento 219 Adiantamentos de clientes, contribuintes e utentes 261 Fornecedores de imobilizado c/c , ,52 24 Estado e outros entes públicos , , Administração autárquica Outros credores , , , ,22 Acréscimos e diferimentos: 273 Acréscimos de custos , , Proveitos diferidos , , , ,20 Total do passivo , ,99 Total dos fundos próprios e do passivo , , NOTAS AO BALANÇO Critérios Valorimétricos Imobilizações Em 2013 foram inventariados bens móveis avaliados em cerca de ,00, com destaque para os contentores de recolha de RSU, e 534 bens imóveis, distribuídos da seguinte forma: 22/220

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

ÍNDICE. 2.1.1. PROVEITOS 6 2.1.1.1. Estrutura de proveitos 6 2.1.1.2. Evolução dos proveitos 7

ÍNDICE. 2.1.1. PROVEITOS 6 2.1.1.1. Estrutura de proveitos 6 2.1.1.2. Evolução dos proveitos 7 ÍNDICE I. RELATÓRIO GESTÃO CONSOLIDADO 3 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL 4 1.1. REGRAS DA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 4 1.2. ELEMENTOS DA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 5 2. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA 6 2.1. ANÁLISE ECONÓMICA

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo;

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo; PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 Junto se remetem os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2007, organizados em conformidade com o POCAL e de acordo com a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014 QUADRO I: SÍNTESE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA ATUAL E PREVISÕES DE EVOLUÇÃO Município: Miranda do Douro 31-12-214 estimados estimados / Apurados / Apurados 213 212 (acumulado) 211 212 total 213 214 Apurados

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução Página 1 de 16 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1.- Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de Gerência relativa ao ano de 2006, elaborada

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO 1 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL 1 Balanço 5 2 Demonstração de resultados 6 3 Plano plurianual de investimentos - aprovado por deliberação de 3/12/2009 7.1 4 Orçamento

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão de / / ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO 1 DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE MUNICÍPIO DE GUIMARÃES GERÊNCIA 1 DE JANEIRO A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL 1 Balanço 5 2 Demonstração de resultados

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE ALMEIDA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS DO ANO ECONÓMICO DE 2010 APROVAÇÕES CÂMARA ASSEMBLEIA MUNICIPAL Em / / 2011 Em / / 2011 M U N I C Í P I O D E A L M E I DA 6350-130 Almeida Tef: 271570020 /

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Quadro 1. Execução do Plano

Quadro 1. Execução do Plano Município de Condeixa-a-Nova - Relatório de Gestão 2008 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1. Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Nº do Dimensão Data de Designação documento em bytes criação 53,4 KB 08/04/2011 24,6 KB 08/04/2011 72,2 KB 29/04/2011

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Nº do Dimensão Data de Designação documento em bytes criação 53,4 KB 08/04/2011 24,6 KB 08/04/2011 72,2 KB 29/04/2011 PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Junto se remetem os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2010, organizados em conformidade com o POCAL e de acordo com a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção,

Leia mais

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem-se assistido, em Portugal, a uma alteração de paradigma ao nível do desenvolvimento das atribuições e competências dos municípios, que, numa lógica de grupo municipal,

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados 8.2 O Balanço e a Demonstração de Resultados encontram-se elaborados de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) e demais legislação

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012 Plano de s Consolidado para o Ano Económico de 2012 1 Disponibilidades 11 Caixa 111 Caixa Principal 118 Fundo Maneio 119 Transferências de caixa 12 Depósitos em instituições financeiras 1201 Caixa Geral

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde ! " # $ % & '(# ) * + (, -& -*.- & - (+ * - ) /////////////////////////////////////////////////////////////////////// 01.")

Leia mais

Fluxos de Caixa Instituto de Higiene e Medicina Tropical - Universidade Nova de Lisboa Gerência de 01-01-2012 a 31-12-2012 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental -

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Nº do. Dimensão em Designação documento. Data de criação. bytes

Nº do. Dimensão em Designação documento. Data de criação. bytes PRESTAÇÃO DE CONTAS 2008 Junto se remetem os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2008, organizados em conformidade com o POCAL e de acordo com a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção,

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO Ponto 8 do POCAL ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As notas apresenta neste documento correspondem à numeração no POCAL. Aquelas cuja numeração se omite, não são aplicáveis ao

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2006

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2006 PRESTAÇÃO DE CONTAS 2006 Relatório de Gestão 2006 1. Introdução Pretende-se, com o presente Relatório de Gestão dar cumprimento ao disposto no Artigo 9º da Lei 42/98, de 06 de Agosto (Lei das Finanças

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O E O R Ç A M E N T O 2 9 2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2015 3 0 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Nota introdutória As demonstrações financeiras relativas ao exercício, foram preparadas de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites previstos

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900 ANÁLISE DO ORÇAMENTO: RECEITA E DESPESA O orçamento para 2014 volta a ser mais contido que o anterior, situando-se em 24.809.900, ou seja menos 4,3% que o de 2013. Como se verá mais à frente, o plano de

Leia mais

BALANÇO ANO 2005 ENTIDADE C.M.M MUNICIPIO DE MIRANDELA PAG. 1 EXERCÍCIOS CÓDIGO DAS N N - 1 ACTIVO AB A/P AL AL

BALANÇO ANO 2005 ENTIDADE C.M.M MUNICIPIO DE MIRANDELA PAG. 1 EXERCÍCIOS CÓDIGO DAS N N - 1 ACTIVO AB A/P AL AL Prestação de Contas - 2005 Junto se remete os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2005, organizados em conformidade com o POCAL e a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção, do Tribunal

Leia mais

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE CONTA DE GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Relatório de contas Ponta Delgada, Abril de 2015 I INTRODUÇÃO O presente capítulo incide sobre a análise da execução

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão de / / ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

Município de Mortágua

Município de Mortágua Município de Mortágua Documentos de Prestação de Contas Balanço Demonstração de Resultados Mapas de Execução Orçamental Anexos às Demonstrações Financeiras Relatório de Gestão 2004 Índice Índice: 5. Balanço

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014 Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 Sessão da Assembleia Municipal de 22/06/2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PERÍMETRO DE CONSOLIDAÇÃO... 6 3. MÉTODO DE CONSOLIDAÇÃO...

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

documentos DEprest ação cont as

documentos DEprest ação cont as documentos DEprest ação DE cont as 2013 Índice Índice: 5. Balanço 5.1 Balanço 6. Demonstração de Resultados 6.1 Demonstração de Resultados 7. Mapas de Execução Orçamental. 7.3 Mapas de Controlo Orçamental.

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

Documentos de. Prestação de Contas. e Relatório de Gestão

Documentos de. Prestação de Contas. e Relatório de Gestão Documentos de Prestação de Contas e Relatório de Gestão 2012 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS E RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Município de Santa Marta de Penaguião Relatório de Gestão 2012 Í N D I C E Pág.

Leia mais

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão Capítulo VI Gestão Financeira e Patrimonial Artigo 18.º Princípios de Gestão 1. A gestão deve articular-se com os objectivos prosseguidos pela Câmara Municipal de Viseu, visando a promoção do desenvolvimento

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Relatório Semestral de Acompanhamento do Plano Financeiro

Relatório Semestral de Acompanhamento do Plano Financeiro Relatório Semestral de Acompanhamento do 2º Semestre 2010 Índice 1. Introdução 3 2. Plano de Pagamentos 4 3. Receita 5 4. Despesa 6 5. Endividamento Líquido e Endividamento de Médio e Longo Prazo 7 7.

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção.

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção. 8 ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (Mapa n.º 13 do Tribunal de Contas Código Pocal 8.2) 82.1 Indicação e justificação de disposições do POCAL derrogadas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

Síntese Execução Orçamental

Síntese Execução Orçamental 2013 janeiro Síntese Execução Orçamental Glossário Ministério das Finanças Glossário A Ativos financeiros (receita) Receitas provenientes da venda e amortização de títulos de crédito, designadamente obrigações

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 213.697,03 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 67.235,92 OPERAÇÕES DE TESOURARIA...

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Câmara Municipal de Cascais 31-12-2011 Divisão de Contabilidade e Gestão de Disponibilidades DMAS/DGF Cascais, Fevereiro de 2012 Nota Introdutória As

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS As notas apresentadas neste documento, estão conforme o preconizado no art.º 46º da Lei n.º 2/2007, de 15 de janeiro,

Leia mais

I - Considerações Gerais

I - Considerações Gerais I - Considerações Gerais Os documentos de prestação de contas relativos ao ano de 2013 foram elaborados de harmonia com o preceituado na Lei, sujeitos a processos de certificação por parte do Revisor Oficial

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

Auditoria Tribunal de Contas

Auditoria Tribunal de Contas Auditoria Tribunal de Contas Situação económico Financeira do SNS 2006 www.acss.min-saude.pt Lisboa, 26 de Novembro de 2007 Auditoria Tribunal de contas nota prévia O Relatório do Tribunal de Contas (RTC)

Leia mais

8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. Ponto - 8.2.1 Princípios Contabilísticos. Ponto - 8.2.2 Comparabilidade das Contas

8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. Ponto - 8.2.1 Princípios Contabilísticos. Ponto - 8.2.2 Comparabilidade das Contas 8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Nota Introdutória No âmbito dos anexos às demonstrações financeiras e em conformidade com o ponto 8.2 do Decreto-lei nº 54-A/99 de 22 de Fevereiro,

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26

ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26 1 2 ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26 ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS... 28 I. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS (Nos termos do nº3 do artº 92º do Decreto-Lei nº 169/99, de 18/09) --------- Reunião de 2 de Novembro de 2004 ------- ----6ª ALTERAÇÃO AO ORÇAMENTO

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos

Leia mais

Orçamento 2010. Município de Murça

Orçamento 2010. Município de Murça Orçamento 2010 Município de Murça ÍNDICE DOCUMENTOS PREVISIONAIS 4 INTRODUÇÃO 5 1- ORÇAMENTO DE 2010 6 2- RECEITA 7 2.1- RECEITA CORRENTE 8 2.2- RECEITA DE CAPITAL 9 3- DESPESA 9 3.1- DESPESA CORRENTE

Leia mais