Alexander Macias Calderón

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alexander Macias Calderón"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Alexander Macias Calderón ESTRATÉGIAS DE DIFERENCIAÇÃO DO CAFÉ: OS CASOS DO BRASIL E DA COLÔMBIA Salvador Brasil 2003

2 ALEXANDER MACIAS CALDERON ESTRATÉGIAS DE DIFERENCIAÇÃO DO CAFÉ; OS CASOS DO BRASIL E DA COLÔMBIA Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado da Escola de Administração, da Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Administração. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Almeida Salvador Brasil 2003

3 ALEXANDER MACIAS CALDERON ESTRATÉGIAS DE DIFERENCIAÇÃO DO CAFÉ; OS CASOS DO BRASIL E DA COLÔMBIA Dissertação para obtenção do título de Mestre em Administração. Salvador, abril de 2003 Banca Examinadora: Prof. Dr. Gilberto Almeida Universidade Federal da Bahia Prof. Dr. Marcelo Dantas Universidade Federal da Bahia Prof. Dr. Rodrigo Ladeira UNIFACS

4 À Deus, pela inspiração maior. Aos meus pais, por seu incondicional apoio. A Victor e Sandra, pois cada um a seu modo, sempre compreendeu, incentivou e apoiou a conclusão deste trabalho.

5 AGRADECIMENTOS Expresso meus sinceros agradecimentos: Aos meus pais, Ricardo e Elsa que, unidos caminharam ao longo desta jornada e comigo colheram os frutos deste sucesso. Aos meus irmãos que não pouparam esforços para impulsionar o meu crescimento como estudante e agora tornar-me um mestre em administração. A Victor Zapata e Sandra Macias, através do seu incentivo ímpar, fizeram com que cada passo se tornasse uma grande e admirável vitória. A Liliana, companheira de caminhada, única em suas palavras e conselhos, a qual devo incomensurável gratidão. Ao Núcleo de Pós Graduação de Administração de Empresas da UFBA, pelo acolhimento e ambiente de aprendizagem proporcionado. À CAPES, pela bolsa de estudos. Ao Professor Reginaldo Souza Santos, que devo intitular-lhe pai e amigo em todos os sentidos, espaçoso em seu coração, cuja dedicação e força não foram medidos para impulsionar meu crescimento. Ao Professor orientador Gilberto Almeida, pela valiosa orientação, apoio e incentivo, os quais foram indispensáveis para a realização deste trabalho. Aos professores membros da banca examinadora, pela participação, criticas e sugestões. Aos Mestres, pelo respeito e dedicação e, em especial aos professores Antonio Gomes de Pinho, Francisco Teixeira, Nelson Oliveira, Tânia Fischer, e todos os outros que também tenho considerável estima. Aos colegas do curso de Mestrado da Universidade Federal da Bahia, pela força, amizade, incentivo e bons momentos de convívio. Aos funcionários do Núcleo de Informática, pela colaboração e assessoria na execução desta dissertação. A todos aqueles que, direta ou indiretamente, colaboraram na realização deste trabalho. Muito Obrigado.

6 O marketing tem o seu valor, mas o que o mercado internacional está exigindo é qualidade (...) A tendência é tornar a qualidade um balizador fundamental da competitividade no agribusiness do café. Audir Alves Teixeira.

7 RESUMO CALDERON, Alexander Macias. Estratégias de diferenciação do café; o caso do Brasil e da Colômbia. Salvador: UFBA - NPGA, p. (Dissertação de Mestrado em Administração). Empresas de diferentes setores, dentro da nova estrutura competitiva, cientes da importância de satisfazer as necessidades dos consumidores, vêm provocando mudanças nos hábitos e costumes da população. Novos alimentos e bebidas têm sido introduzidos, acompanhados de agressivas campanhas publicitárias. O setor de café, confiante na sua tradição, não acompanhou o ritmo de modernização e de marketing do setor de bebidas em alguns dos países produtores, tendo como conseqüência uma significativa perda de participação no mercado e redução no consumo. Este trabalho tem como objetivo conhecer as estratégias mercadológicas de diferenciação no caso do café da Colômbia e do Brasil, utilizadas ao longo dos últimos dez anos, e sugerir estratégias de marketing que possam ajudá-los a sair da crise na que se encontram os países produtores de café, causada pela super oferta na produção de café verde e pela queda de preços no mercado internacional. Através da técnica de estudo de casos foi identificada a importância do cultivo do café para o desenvolvimento econômico e social destes países, enquanto que se analisaram as campanhas de marketing e as estratégias utilizadas para promover e consolidar a imagem do café no mercado mundial. Os resultados mostraram que a Colômbia construiu há mais de quarenta anos uma das mais bem sucedidas campanhas de promoção do seu café no mundo, com sua personagem Juan Valdez, a Colômbia conseguiu que seu café fosse reconhecido como o de mais alta qualidade. No caso do Brasil foi comprovado que sempre se teve maior preocupação com a produção que com a qualidade, deixando para um lado, a preocupação com a promoção e construção da imagem do seu café. Na atualidade, as estratégias de marketing de ambos países devem ser elaboradas com vistas aos futuros consumidores de café, devem descobrir os valores que norteiam os interesses dos jovens, dos países tradicionalmente consumidores de chá, para construir produtos, embalagens, formas de consumo e de comunicação que façam sentido com seu mundo. Pois esse mundo é diferente daquele onde o café tem ou teve seu lugar de honra: a saída da crise implica em mudar os conceitos a quem quer permanecer.

8 ABSTRACT CALDERON, Alexander Macias. Coffee Differentiation Strategies: the case of Colombia and Brazil. Salvador: UFBA NPGA, p (Dissertation for MBA) Corporations in diverse fields working within a new competitive structure, conscious of the importance of satisfying the necessities of the consumer, have been provoking changes in the habits and customs of the population. New food products and beverages have been introduced, along with aggressive marketing campaigns. The coffee sector, confident of its tradition, did not keep up with the rhythm of modernization and marketing strategies as the sector of beverages in some of the producing countries, thus losing as a consequence a significant share of participation in the market and reduction in consumption. The objective of this work is to establish the differences within the marketing strategies in the case of the coffee in Colombia and in Brazil that have in practice throughout a ten year span, and suggest marketing strategies that can help them overcome the crisis in which the producing countries find themselves, caused by the over supply in the production of green coffee and by the prop in price in nternational markets. By using the case study technique the importance of the coffee cultivation was identified for the economical and social development of those countries. At the same time, the marketing campaigns and the strategies used to promote and consolidate the image of the coffee in the world market were analyzed. The results show that Colombia launched more than forty years ago, one of the most successful promotional campaigns of their coffee in the world with the image of Juan Valdez. Colombia achieved the objective that their coffee was recognized as the best in the world. In the case of Brazil, it was proven that they were more concerned with the production than with the quality, forgetting to market and promote the image of the coffee. Currently, the marketing strategies of both countries should be devised looking towards the tea consuming countries and target the new coffee drinkers studying the values that motivate the interests of the new generations in order to devise new products, packaging, forms of consumption and communication that will make sense in their world because that world is different from that one where the coffee had or has it s place of honor: the solution to the crisis entails changing the concepts if the wish is to remain.

9 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...11 LISTA DE GRÁFICOS LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS...13 APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO A DESCOBERTA DO CAFÉ Produção mundial de café Aspectos agronômicos do café Variedades Arábica Robusta Ciclo da produção de café Colheita Tratamento pós-colheita O Café e o desenvolvimento econômico da Colômbia O período de Instituições e instrumentos da política cafeeira colombiana História do café no Brasil Expansão cafeeira do Brasil Importância do café para o Brasil Principais estados produtores Instituições cafeeiras brasileiras Tendências da produção de café no Brasil Exportações mundiais de café Reexportações de café Preço no mercado mundial O mercado internacional, após o rompimento do acordo internacional do café O hábito de beber café e os novos padrões de consumo Políticas de marketing de ambos países: Brasil e Colômbia O Caso da Colômbia O Caso do Brasil Lançamento da campanha diferentes Tipos Para Todos Os Gostos O MARKETING COMO FERRAMENTA DE INSERÇÃO E SOBREVIVÊNCIA DA INDÚSTRIA CAFEEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL Marketing Mix de Marketing Estratégia Eficiência Qualidade Segmento de Mercado Diferenciação Tendências de Mercado Marketing Institucional...74

10 3.2 O domínio de informações como estratégia competitiva nas organizações Estratégias de Marketing Formulação De Estratégias De Mercado Comportamento do consumidor O consumidor de alimentos e bebidas Marca Brand Equity PRESSUPOSTOS E OBJETIVOS CONCLUSÕES BIBLIOGRAFIA...147

11 LISTA DE FIGURAS Figura 01 - Mapa Físico da Colômbia Figura 02 - Mapa Das Zonas Cafeeiras Da Colômbia Figura 03 - Estados Brasileiros Figura 04 O processo de segmentação, Alvo e posicionamento em MKT internacional...71 Figura 05 - Esquema Simplificado Dos Canais De Distribuição De Commodities Internacionais Figura 06 - Composto de Promoção Figura 07. Um modelo de comportamento do consumidor. Fonte: Clancy e Shulman (1992)...92 Figura 08. Modelo de análise. Fonte: Elaborado pelo Autor Figura 09 Logomarca do Café de Colômbia

12 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 01 produção mundial de café por variedade: Robusta e Arábica 1990/ Gráfico 02 Oferta mundial de café e cotações médias OIC Gráfico 03 Evolução do índice de preços do café: varejo e matéria-prima 1991/ Gráfico 04 - Índice de preços do café em grãos (média OIC) e varejo (mercado americano).57 Gráfico 05 Principais países consumidores de café no mundo...60

13 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Principais países produtores de café 1993/ Tabela 2 Custo de produção e produtividade dos principais países produtores de Café Arábica média safra 1999/00 e 2000/ Tabela 3 Custo de produção e produtividade dos principais países produtores de Café Robusta média safra 1999/00 e 2000/ Tabela 4 Exportações mundiais de café Arábica (em milhões de sacas)...50 Tabela 5 Exportações mundiais de café Robusta (em milhões de sacas)...51 Tabela 6 Mundo Agroindústria do Café: Distribuição e Valores ao Longo da Cadeia 1985/86 a 1991/92 (Ano Cafeeiro)...56 Tabela 7 Mundo Suprimento de Café Verde...58 LISTA DE QUADROS Quadro 01 Estratégias de marketing para os estágios de vida de um produto...88

14 APRESENTAÇÃO Esta dissertação tem como objetivo identificar as estratégias de diferenciação de mercado, utilizadas pela Colômbia e pelo Brasil para enfrentar a crise do mercado internacional do café. Em primeiro lugar foi feito um levantamento e revisão da bibliografia selecionada referente ao setor agro-industrial de café, suas características, peculiaridades, historia e importância, além de um levantamento sobre o comportamento do consumidor e, em especial do consumidor de café. Foi realizada também uma revisão sobre estratégias, especificamente sobre estratégias de marketing. Após a revisão da literatura selecionada, foram realizados os levantamentos de informações sobre o marketing do café em ambos países. Da posse dos dados obtidos, considerações foram realizadas sobre estratégias de marketing direcionadas para promover o café no mercado internacional. Composto de quatro capítulos, este trabalho inicia-se com uma Introdução, em que é feita uma apresentação geral visando situar o leitor em relação ao assunto a ser estudado, mostrar o problema identificado, sua importância, as justificativas para estudá-lo, a forma de análise e, finalmente, um resumo dos pressupostos inicialmente levantados, dos objetivos e contribuições esperadas. No primeiro capitulo, intitulado A Descoberta do Café, trata da origem do café na Colômbia e no Brasil. Abordando assuntos como a importância do café para o desenvolvimento econômico, instituições cafeeiras, aspectos agronômicos, políticas de marketing. Servindo assim para introduzir ao leitor na realidade do setor do agronegócio do café. O capitulo seguinte, intitulado o Marketing como ferramenta de inserção e sobrevivência da indústria cafeeira no mercado internacional, faz-se a revisão da literatura selecionada, abordando assuntos como comportamentos consumidor, sistema agroindustrial do café e estratégias mercadológicas. Esta revisão fornece suporte ao referencial teórico no qual está fundamentado o trabalho. O capitulo seguinte, o terceiro, aborda os Pressupostos e objetivos que fundamentam o trabalho, descrevendo-se detalhadamente o objetivo geral e os específicos. Descreve o modelo de análise, as questões levantadas para a pesquisa, o tipo de pesquisa realizada e como foi desenvolvido o sistema de propostas de estratégias mercadológicas para o café.

15 O quarto capitulo, traz as conclusões do trabalho. E finalizando, é relacionada a bibliografia consultada e os anexos os quais contêm os possíveis detalhes necessários para o perfeito entendimento do trabalho.

16 16 1 INTRODUÇÃO Como tem sido assinalado, há muitos anos, por vários historiadores, o café deixou de ser um monopólio árabe para transformar-se em um produto europeu colonial, no motor de crescimento econômico de muitos países em desenvolvimento na África, Ásia, e América Latina. Converteu-se em um negocio multinacional e no segundo produto básico de maior importância no comercio internacional, depois do petróleo. O cultivo é exclusivo das zonas tropicais e dos países em desenvolvimento (com uma pequena exceção do Havaí), e continua sendo um produto importante nas correntes internacionais do comercio dos produtos básicos não energéticos. O café tem sido vital para o desenvolvimento econômico, o emprego, o investimento, a balança de pagamentos, as finanças públicas e o desenvolvimento regional dos países produtores. No caso colombiano, poderíamos afirmar, sem lugar a exageros, que o café foi o produto de maior significado para o desenvolvimento econômico do país nos últimos cem anos. (PIZANO, p. 43, 2001). De acordo com Pizano (1996), apesar da dispersão geográfica da oferta, os cinco principais países produtores (Brasil, Colômbia, Vietnã, Indonésia e México) têm gerado 53% da oferta e 56% das exportações nos últimos cinco anos. A área cultivada no Brasil e na Colômbia tem diminuído nas ultimas décadas, mas a produtividade por hectares aumentou. Enquanto que Vietnã, Indonésia, Índia e México têm aumentado a área cultivada. Estima-se que um bilhão de pessoas (16% da população mundial) são consumidores habituais desta bebida, que é considerada uma das mais importantes a nível mundial. A importação está concentrada em cinco países: Estados Unidos, Alemanha, Japão, França, e Itália. Estas nações adquiriram 56% da importação total no período 95/96-99/00. Na industria e no comercio de café, em termos de mercado internaciona l, registra-se um processo crescente de concentração. Na atualidade, umas poucas firmas torrefadoras e comercializadoras manejam uma alta porcentagem do negocio cafeeiro. Na área dos cafés tipo gourmet e os denominados cafés especiais, tem aparecido milhares de pequenas empresas a nível mundial, nos últimos dez anos, e é um dos setores de grande dinâmica e de crescente importância.

17 17 Segundo Farina (1997, p. 187), toda a comercialização do café no mundo descreve um padrão típico de mercado de Commodity: produto homogêneo, produzido em grande escala, onde preço e qualidades intrínsecas do produto são as variáveis relevantes da concorrência. Pizano (2001), chama a tenção para o fato de que o mercado mundial do café tem se caracterizado por ter baixa elasticidade tanto de preço como de oferta e demanda, altos índices de concentração, altos níveis de volatilidade, uma tendência para a superprodução de tipo estrutural, para a deterioração das relações de troca, e uma resposta assimétrica dos preços no varejo frente aos preços externos. As baixas taxas de elasticidade implicam que o sistema de preço atue em forma lenta até encontrar um equilíbrio entre oferta e demanda. Se os preços caem, a produção não diminui em forma rápida e o consumo não reage em forma muito significativa. Aliás Neto apud Saes (1973, p.28), chama a atenção para o fato de que objetivo de manter receitas de divisas do país só aparece alguns anos após o primeiro programa de valorização do café, ao afirmar que: O mercado do café tende à instabilidade uma vez que o café é uma cultura perene, de safra bienal, exigindo um longo tempo para a produção inicial. Apesar dos elevados custos fixos e de investimento, apresenta baixas barreiras à entrada, mas elevados custos de saída (Sunk Costs), tornando o sistema de preços pouco eficiente e lento para ajustar o mercado. A instabilidade é ainda agravada pela inelasticidadepreço da demanda, que magnífica os desequilíbrios. O processo de ajuste pode levar vários anos. Neste contexto, qualquer variação significativa na oferta tende a ter um grande impacto sobre os preços, e as baixas elasticidade são responsáveis por uma parte importante da alta volatilidade registrada nas cotações. Zylbersztajn (1993, p.47), ressalta que em decorrência do café ser uma cultura perene, quando a intempérie resulta em perda irreparável da lavoura, o retorno a uma situação de equilíbrio entre a oferta e demanda chega a levar de quatro a cinco anos. Segundo Pizano (1981), o aspecto relativo à concentração também tem um efeito na forma como opera o mercado. Umas poucas firmas torrefadoras e comercializadoras dominam a atividade de processamento e de marketing no mercado mundial. Os principais países produtores controlam uma proporção significativa das exportações e também se tem associado

18 18 para ganhar poder de negociação. O resultado é que o mercado mundial do café tem operado como um oligopólio bilateral, especialmente nas épocas que operaram as cláusulas econômicas do acordo Internacional do Café. Não tem sido um mercado de concorrência perfeita e pura no qual os preços se ajustam rapidamente ao mercado. Pizano (2001) destaca ainda que a outra característica mencionada tem a ver com a tendência para a superprodução. A partir do ano cafeeiro de 98/99 a produção total tem superado o consumo global, resultando num aumento substancial dos inventários em poder dos países consumidores. Este incremento tem um valor devastador sobre os preços, já que as torrefadoras encontram-se super-abastecidas e não tem nenhuma pressa em comprar. O resultado da operação destes fatores reflete em uma taxa de crescimento da produção bastante superior ao consumo. Nos últimos cinco anos a produção tem crescido a uma taxa acumulativa anual de ordem de 3% enquanto que o consumo cresce apenas por cima do 1%. (PIZANO, p.43, 2001). Aliado à questão da instabilidade dos preços, um outro componente importante para explicar o comportamento mundial do consumo de café é a mudança nos hábitos dos consumidores. Tanto no mercado americano como no europeu, as estatísticas indicam declínio ou estagnação do consumo de bebidas quentes, notadamente o café. Para esse produto, além da volatilidade dos preços, tal tendência tem sido atribuída principalmente a dois fatores: dificuldade de transmitir aos jovens uma imagem favorável do café, e a associação do café com malefícios à saúde (EUROMONITOR, 1990). A economia cafeeira internacional está em crise, passando por um dos momentos mais difíceis de toda a sua historia, sendo uma grande preocupação para os países produtores do grão, especialmente no caso da Colômbia país de origem do pesquisador, e o Brasil, com especial destaque para o Estado da Bahia, lugar onde a pesquisa foi desenvolvida, e que se mostra como um estado forte com plenas condições de superar a crise devido ao crescimento da produtividade, sendo considerado em primeiro lugar no ranking nacional da produtividade pela CONAB (companhia nacional de abastecimento). Tendo sido esse, vale salientar, o argumento essencial para a escolha do tema. O tema de estudo será uma comparação do caso do café da Colômbia, a qual desenvolveu ao longo dos últimos anos uma forte campanha de Marketing internacional para

19 19 promocionar a imagem do café no mercado internacional, e do Brasil, o qual precisa de uma forte campanha de marketing interno e internacional para mostrar a qualidade dos cafés especiais, solúvel, orgânico e torrado produzidos no país. A analise será feita desde o ponto de vista das estratégias comunicativas desenhadas pela Colômbia e pelo Brasil, tendo como referência o estado da Bahia, em relação a atividades de promoção, comercialização, consolidação de imagem, marcas e posicionamento do produto no mercado internacional como alternativa para sair da crise imposta pela queda de preços no mercado mundial. A questão central do trabalho pretende responder a seguinte pergunta; Quais são as diferentes políticas de marketing desenvolvidas pela Colômbia e pelo Brasil durante a ultima década, para enfrentar a crise do café no mercado internacional? Partiu-se do pressuposto de que ambos países precisam ter uma maior agressividade no mercado internacional, desenvolver novas tecnologias e promover fortes políticas de diferenciação que incentivem a produção de café de melhor qualidade para enfrentar a conjuntura de super oferta. A Colômbia sempre fez o marketing de que possuía um café nobre e de qualidade, enquanto o Brasil deixou que se construísse uma imagem de que vendia café de segunda linha, com isso o café colombiano tem preços melhores no mercado internacional. 1 Veremos nas conclusões, que devido a adoção de estratégias de marketing institucional, a Colômbia tem obtido vantagens de diferenciação de marca quando corresponde ao Brasil. O trabalho está dividido em quatro partes, além de uma rápida introdução para apresentação do tema, na primeira parte, breve historia do café no Brasil e Colômbia. A segunda parte contém uma visita ao referencial teórico referente a marketing, abordando aspectos como comportamento do consumidor, sistema agro- industrial do café estratégias mercadológicas, que servirá de base teórica para a análise do caso. Na terceira parte aborda os Pressupostos e objetivos que fundamentam o objetivo geral e os específicos com a exploração do problema de pesquisa. Na quinta parte, a conclusão, faz-se o fechamento do trabalho comparando-se a experiência pesquisada com o referencial teórico, respondendo-se ao problema de pesquisa proposto. 1 Exportar e Gerencia, Brasília Maio de 2000, número 20.

20 20 2 A DESCOBERTA DO CAFÉ No velho reino da Abissínia, à margem do Mar Vermelho, um pastor de cabras observou que seus animais ficavam bastante excitados após comer os frutos vermelhos de um arbusto da região. (ORMOND et al, p. 6, 1999). Curioso, experimentou-os e descobriu seu poder estimulante. Colheu então alguns frutos e os levou para um convento próximo. Os monges, após ouvirem seu relato, atiraram os grãos ao fogo, pois, pela cor vermelha e pelo efeito que causavam, só poderiam ser uma tentação do demônio. Quando começaram a queimar, espalhou-se pelo ar um aroma agradável. Os monges resolveram, então, ficar com os grãos restantes e aprenderam a preparar uma bebida que passou a ser considerada uma dádiva de Deus, pois os ajudava a permanecer acordados durante as noites em vigílias de orações. Segundo Ormond et al, (1999), o hábito de beber café correu o mundo. A palavra café tem origem no termo turco kahué, que significa força. Possivelmente, os árabes já tomavam café no século XV. Na península arábica, ponto de difusão do cafeeiro, a agricultura e o comércio do café se desenvolveram e se espalharam rapidamente pelo Egito, Síria, Turquia e todo o Oriente. Ormond et al, (1999), lembra ainda que a divulgação do café na Europa ocorreu em 1592, através do alemão Leonardo Rauwoff, mas admite-se também que na Europa Ocidental, particularmente em Veneza, ele já era consumido no final do século 16. No início do século 17, os navios da Companhia das Índias Orientais já faziam o transporte de grande quantidade de café entre os países muçulmanos do Oriente, e em 1637 já era hábito o seu consumo na Alemanha e nos Países Baixos. Os holandeses tiveram papel importante na propagação do consumo do café como bebida por toda a Europa setentrional e central. As primeiras casas públicas de café apareceram na Itália em 1645 e em seguida se espalharam pela península, tornando célebres, em toda a Europa, os cafés venezianos, genoveses e romanos. Na França, em 1657, a corte de Luís XIV já consumia a bebida, e logo depois apareceria em Londres a primeira casa de café. Tanto em Londres como em Paris, os cafés públicos se multiplicaram e se tornaram pontos de encontro para debates e discussões sobre política e arte. Na Alemanha, de onde se origina a mistura de café com leite, os primeiros cafés públicos surgem em Hamburgo e, em 1752, em Berlim.

21 21 Coube aos holandeses, no final do século 17, a difusão da planta do café na Malásia, Java, Sumatra, Célebes e Timor. Em 1706 levaram desses locais mudas para o Jardim Botânico de Amsterdã, das quais originaram os primeiros cafezais da América. Na América do Sul, há indícios de que o Suriname foi a primeira região onde os cafeeiros foram plantados no início do século 18, avançando em seguida para a Guiana Francesa. No início do século 18, o café tornou-se um produto importante nos mercados internacionais dos países do Ocidente, estimulando, assim, a sua cultura nas colônias européias da América e da Ásia (ORMOND et al, 1999). 2.1 Produção mundial de café A produção mundial de café, nos últimos 10 anos, teve crescimento de 0,2% a.a., o que configura uma situação de estagnação, situando-se na faixa de 90 a 100 milhões de sacas, com safras abundantes em 1997 e 1999 (102 milhões de sacas) e frustrante em 1995 e 98 (89 milhões de sacas). Os 12 maiores produtores eram responsáveis por 83% da produção mundial no final da década de 80, participação que caiu para 81% no final da década de 90 em virtude do aumento da produção de países como a Tailândia que passou de 985 mil sacas em 89 para 5 milhões e 800 mil sacas em 99, bem como a Nicarágua, Honduras, Nova Guiné entre outros países que aumentaram sensivelmente sua produção anual, no período mencionado. Tabela 1 - Principais Países Produtores de café /1999 (em mil sc 60 kg) PAÍSES 88/89 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 Brasil Colômbia Vietnã Indonésia México Costa do Marfim Guatemala Etiópia El Salvador Uganda Costa Rica Índia Outros TOTAL

22 22 Brasil e Colômbia, principais produtores mundiais, com participação conjunta de 40% na média, mantiveram a mesma posição no início e no fim da atual década, com taxas anuais de crescimento de - 0,2% para o Brasil e 1% para a Colômbia (ORMOND et al, 1999). Nota-se um declínio da produção africana (somente a Etiópia teve taxa média de crescimento positiva de 2,6% a.a.), uma estagnação na América do Sul e um crescimento na região centro-americana e na Ásia. O mercado tem valorações e destinos diferentes para os cafés arábica e robusta, constituindo dinâmicas diversas que devem ser analisadas separadamente. O crescimento da produção, nos últimos 10 anos, comportou-se de maneira antagônica para as culturas de arábica e robusta. Enquanto o arábica teve taxa de crescimento média de - 0,1% a.a., o robusta cresceu a uma taxa anual de 0,9%, tendência que se aprofundou nos últimos quatro anos (- 0,7% a.a. e +1,1% a.a., respectivamente). 2.2 Aspectos agronômicos do café Variedades A planta do café é membro da família dos Rubiaceae, que inclui mais de seis mil espécies, a maioria delas arbustos tropicais. Existem pelo menos 25 espécies importantes, todas originárias da África e de algumas ilhas do Oceano Índico. São arbustos que medem de dois a 2,5 metros de altura, podendo atingir até 10 metros. Do ponto de vista econômico, as duas espécies mais importantes cultivadas no mundo são a arábica e a robusta ou Conillon. A diferença entre ambas está no número de genes. A variedade arábica é mais complexa, possui 44 cromossomos (dois a menos que a espécie humana) e a robusta 22, como as outras plantas. A espécie arábica produz cafés de melhor qualidade, mais finos e requintados, e possui aroma intenso e os mais diversos sabores, com inúmeras variações de corpo e acidez. Os cafés de melhor qualidade utilizam somente combinações de arábica. A espécie robusta, originária da África, tem trato mais rude, pode ser cultivada ao nível do mar e não possui sabores variados nem refinados, como a arábica, sua acidez é mais baixa. Por apresentar mais sólidos solúveis, é de grande utilização nas indústrias de cafés solúveis.

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS SAFRA 2008/2009 67% Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de

Leia mais

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.!

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.! Índice Históriadocafé...3 Espéciesbotânicasdecafé...5 OProcessodeTorrefaçãoeMisturadocafé...7 MoagemdoCafé...9 MáquinasdeCafé...10 QueCaféComprar?...11 Qualamelhorformadeguardarocafé?...13 Caféinstantâneo...14

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

&$)e CAFÉ: (RE)CONQUISTA DOS MERCADOS. José Geraldo Pacheco Ormond Sérgio Roberto Lima de Paula Paulo Faveret Filho*

&$)e CAFÉ: (RE)CONQUISTA DOS MERCADOS. José Geraldo Pacheco Ormond Sérgio Roberto Lima de Paula Paulo Faveret Filho* CAFÉ: (RE)CONQUISTA DOS MERCADOS José Geraldo Pacheco Ormond Sérgio Roberto Lima de Paula Paulo Faveret Filho* * Respectivamente, técnico, assistente técnico e gerente da Gerência Setorial de Estudos de

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização 1.1 Café Diagnóstico Desde meados da década de 90, a produção mundial de café tem apresentado aumentos significativos, mas que não estão

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

Data: 24/11/2012 Assunto:

Data: 24/11/2012 Assunto: Veículo: Rede Lajeado Data: 24/11/2012 Assunto: Pesquisa e indústria incrementam consumo do café pelos brasileiros http://www.redelajeado.com.br/2012/11/24/pesquisa-e-industria-de-cafe-incrementam-consumo-doproduto-pelos-brasileiros/

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

ICC 115-8. O café na Federação Russa. Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 2015 Milão, Itália.

ICC 115-8. O café na Federação Russa. Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 2015 Milão, Itália. ICC 115-8 18 agosto 215 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 setembro 2 outubro 215 Milão, Itália O café na Federação Russa Antecedentes Cumprindo o disposto no Artigo 34

Leia mais

WP Board No. 934/03. 7 maio 2003 Original: inglês. Junta Executiva 21-23 maio 2003 Londres, Inglaterra

WP Board No. 934/03. 7 maio 2003 Original: inglês. Junta Executiva 21-23 maio 2003 Londres, Inglaterra WP Board No. 934/03 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 7 maio 2003 Original: inglês Junta Executiva

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Janeiro de 2013 Mudanças estruturais no mercado de café devem favorecer fluxos mais equilibrados de oferta e de demanda, implicando menores níveis de volatilidade das cotações Regina Helena Couto Silva

Leia mais

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr.

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr. Bureau de Inteligência Competitiva do Café Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013 www.icafebr.com PARA TER ACESSO AOS DEMAIS RELATÓRIOS DO BUREAU, NOTÍCIAS E COTAÇÕES, ACESSE:

Leia mais

Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café

Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café Os preços diários do café caíram para seus níveis mais baixos de 19 meses durante agosto, com os mercados de produtos básicos no mundo

Leia mais

A LENDA DO CAFÉ. Autoria desconhecida. Pastor Kaldi e suas cabras. 600 d.c. Museu Nacional da Etiópia.

A LENDA DO CAFÉ. Autoria desconhecida. Pastor Kaldi e suas cabras. 600 d.c. Museu Nacional da Etiópia. / / A LENDA DO CAFÉ Autoria desconhecida. Pastor Kaldi e suas cabras. 600 d.c. Museu Nacional da Etiópia. Autoria desconhecida. Pastor Kaldi e suas cabras. 600 d.c. Museu Nacional da Etiópia. Não há evidência

Leia mais

AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita)

AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita) WWW.CETCAF.COM.BR AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita) Autores: Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira ÍNDICE Pág. Prefácio... 03 Ações a Serem

Leia mais

ICC 112-4. 27 fevereiro 2014 Original: inglês. Consumo de café no leste e sudeste da Ásia: 1990 2012

ICC 112-4. 27 fevereiro 2014 Original: inglês. Consumo de café no leste e sudeste da Ásia: 1990 2012 ICC 112-4 27 fevereiro 214 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 112. a sessão 3 7 março 214 Londres, Reino Unido Consumo de café no leste e sudeste da Ásia: 199 212 Antecedentes O Artigo 34

Leia mais

Preços se fixam em baixa e o foco passa a ser o próximo ano

Preços se fixam em baixa e o foco passa a ser o próximo ano Preços se fixam em baixa e o foco passa a ser o próximo ano Em novembro cresceram as especulações em relação ao tamanho da próxima safra brasileira de 2016/17 e seu impacto sobre o equilíbrio mundial entre

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

QUALIDADE DO CAFÉ - CLASSIFICAÇÃO POR TIPOS E BEBIDA

QUALIDADE DO CAFÉ - CLASSIFICAÇÃO POR TIPOS E BEBIDA ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 26 - agosto/2014 - Niterói - RJ QUALIDADE DO CAFÉ - CLASSIFICAÇÃO POR TIPOS E BEBIDA 1 Wander Eustáquio de Bastos Andrade 1 ( Pesquisador da Pesagro-Rio) INTRODUÇÃO Além

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

Ano cafeeiro de 2014/15 fecha com a maior baixa de 20 meses

Ano cafeeiro de 2014/15 fecha com a maior baixa de 20 meses Ano cafeeiro de 2014/15 fecha com a maior baixa de 20 meses Depois de uma pequena recuperação em agosto, os preços do café continuaram em declínio em setembro. Num cenário caracterizado pela tendência

Leia mais

Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon

Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon Universidade Federal do Espírito Santo Mestrado em Produção Vegetal Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon Orientado: Marcos Moulin Teixeira Orientador:

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

PJ 4/11. 10 janeiro 2011 Original: inglês. Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido

PJ 4/11. 10 janeiro 2011 Original: inglês. Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido PJ 4/11 10 janeiro 2011 Original: inglês P Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido Estudo da sustentabilidade da cadeia da oferta de café versus adaptação às mudanças climáticas

Leia mais

Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro

Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro As exportações de café do Brasil alcançaram um volume recorde de 36,8 milhões de sacas no ano-safra de 2014/15 (abril a março), alimentado

Leia mais

COMPETITIVIDADE DOS CAFÉS BRASILEIROS

COMPETITIVIDADE DOS CAFÉS BRASILEIROS COMPETITIVIDADE DOS CAFÉS BRASILEIROS Carlos H. J. Brando P&A Marketing Internacional Setembro 2015 51029012 SOBRE A P&A Atuação global em diversos setores do agronegócio Há 20 anos no mercado Áreas de

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO:

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: O Estado do Espírito Santo encontra-se como o segundo maior produtor nacional de café, destacando-se o plantio das espécies Arábica e Conilon, sendo

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA Imperial Estação Agronômica de Campinas 27/06/1887 Centro de Café Alcides Carvalho INTRODUÇÃO O Agronegócio

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em

ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em cafeicultura, J.B. Matiello Eng Agr Fundação Procafé e

Leia mais

Chuvas no Brasil esfriam o mercado, enquanto estimativas da produção para 2014/15 são mais baixas

Chuvas no Brasil esfriam o mercado, enquanto estimativas da produção para 2014/15 são mais baixas Chuvas no Brasil esfriam o mercado, enquanto estimativas da produção para 2014/15 são mais baixas Em novembro os preços do café recuaram e as chuvas contínuas no Brasil seguraram novos aumentos de preços.

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Mercado cafeeiro prossegue volátil, mas sem direção

Mercado cafeeiro prossegue volátil, mas sem direção Mercado cafeeiro prossegue volátil, mas sem direção Em agosto a flutuação dos preços foi muito grande, e o indicativo composto da OIC caiu 10 centavos, para depois subir 12 centavos antes do fim do mês.

Leia mais

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Entre janeiro/13 e novembro/13 o Coffea arabica (Arábica) apresentou

Leia mais

Preocupações com oferta diminuem e preços caem para seus níveis mais baixos de 18 meses

Preocupações com oferta diminuem e preços caem para seus níveis mais baixos de 18 meses Preocupações com oferta diminuem e preços caem para seus níveis mais baixos de 18 meses Em julho o mercado de café registrou novas baixas, com os preços reagindo à depreciação do real brasileiro, que caiu

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

ICC 111 8. 15 agosto 2013 Original: francês. Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil.

ICC 111 8. 15 agosto 2013 Original: francês. Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil. ICC 111 8 15 agosto 2013 Original: francês P Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil O café na China Antecedentes Consoante os objetivos do Acordo Internacional

Leia mais

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006 PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Observe os

Leia mais

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero Fausto Brito José Alberto Magno de Carvalho Cássio Maldonato Turra Bernardo Lanza Queiroz Nas três primeiras décadas da segunda metade do século

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

ICC 115-7 COFFEE IN CHINA. 10 agosto 2015 Original: inglês. o café na China.

ICC 115-7 COFFEE IN CHINA. 10 agosto 2015 Original: inglês. o café na China. ICC 115-7 10 agosto 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 115. a sessão 28 de setembro 2 de outubro de 2015 Milão, Itália O café na China COFFEE IN CHINA Antecedentes Cumprindo o disposto

Leia mais

Dossier documentaire

Dossier documentaire DCL PO 06/12 02 Dossier documentaire Page 1 sur 8 DCL PORTUGAIS Diplôme de Compétence en Langue Session du vendredi 1 juin 2012 Dossier documentaire Support de la phase 1 Document 1 Document 2 E mail Carte,

Leia mais

Proprietários de uma fazenda

Proprietários de uma fazenda enviaram uma amostra para o concurso. Além do prêmio de 50 mil dólares, que Mônica usou para comprar um carro novo, a cafeicultora ajudou a divulgar a cidade de Araponga, MG, e contribuiu para a consolidação

Leia mais

BNDES Setorial, n. 10, set. 1999

BNDES Setorial, n. 10, set. 1999 Biblioteca Digital BNDES Setorial, n. 10, set. 1999 http://www.bndes.gov.br/bibliotecadigital BNDES SETORIAL Setembro / 99 3 BNDES BNDESPAR FI NAME PRESIDENTE Andcea,,Sa,ndro Calabi, DIWORES Beatrb &eredo

Leia mais

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados Veículo: Assunto: Data: ABN 28/09/2012 Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados http://www.abn.com.br/editorias1.php?id=71860 Que o Brasil há muitos anos produz cafés de qualidade excepcional

Leia mais

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Debora de Moura 1) Panorama Internacional O mercado da castanha de caju, embora, regional no Brasil, movimenta grandes valores mundialmente. De

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Rafael Ribeiro Vinhal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Rafael Ribeiro Vinhal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Rafael Ribeiro Vinhal COFFEE EXPORT - HEDGE CAMBIAL VIA MERCADO FUTURO DE DÓLAR São Paulo 2012 Rafael Ribeiro Vinhal Coffee

Leia mais

Demografia. População (milhões de habitantes) 1

Demografia. População (milhões de habitantes) 1 DEMOGRAFIA Em 2002, a população dos 38 Estados e territórios do espaço Caribe chega a quase 250 milhões de habitantes, com uma densidade populacional de 47 habitantes/km², representando 4% da população

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura JEAN STEPHANO GOULART PREÇOS DO CAFÉ Muzambinho 2009 JEAN STEPHANO

Leia mais

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento do Café DCAF Companhia Nacional de Abastecimento CONAB

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Café. 1. Mercado internacional. Jorge Queiroz

Café. 1. Mercado internacional. Jorge Queiroz Café Jorge Queiroz 1. Mercado internacional O United States Department of Agriculture (USDA) está projetando uma produção mundial para a safra 2014/15 de 148,67 milhões de sacas. Quanto ao consumo mundial,

Leia mais

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS Profª Fernanda Basso FATORES CLIMÁTICOS IMPORTANTES Temperatura Precipitação Luminosidade Crescimento e

Leia mais

Dia Mundial da Alimentação 870 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crônica

Dia Mundial da Alimentação 870 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crônica 1 Dia Mundial da Alimentação 870 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crônica 2 MISSÃO O IICA é instituição do Sistema Interamericano que provê cooperação técnica, inovação e conhecimento especializado

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Reabilitação experimental de lavouras de café abandonadas como pequenas unidades de produção familiar em Angola CFC/ICO/15 (AEP: INCA)

Reabilitação experimental de lavouras de café abandonadas como pequenas unidades de produção familiar em Angola CFC/ICO/15 (AEP: INCA) PJ 29 fevereiro 2012 Original: inglês 29/12 Add. 1 (P) P Comitê de Projetos/ Conselho Internacional do Café 5 8 março 2012 Londres, Reino Unido Resumo dos relatórios de andamento apresentados pelas Agências

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Artigo: Naufrágio Orgânico. Por Celso Vegro e Eduardo Heron

Artigo: Naufrágio Orgânico. Por Celso Vegro e Eduardo Heron Artigo: Naufrágio Orgânico Por Celso Vegro e Eduardo Heron Antes que se renegue a estes analistas, alertamos que desde sempre prestigiamos o movimento orgânico, participando, ainda quando estudante de

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050 Introdução: O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há quarenta anos estimava-se a população em cerca de 3000 milhões de pessoas. Daí em diante

Leia mais

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade 2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há cerca de cinquenta anos estimava-se a população em cerca

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

ICC 103-4 Rev. 1. 19 janeiro 2010 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 104 a sessão 2 4 março 2010 Cidade da Guatemala, Guatemala

ICC 103-4 Rev. 1. 19 janeiro 2010 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 104 a sessão 2 4 março 2010 Cidade da Guatemala, Guatemala ICC 103-4 Rev. 1 19 janeiro 2010 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 104 a sessão 2 4 março 2010 Cidade da Guatemala, Guatemala Avaliação de impacto do Projeto do Manejo Integrado da Broca

Leia mais

Melhoramento de Café Robusta/Conilon

Melhoramento de Café Robusta/Conilon Melhoramento de Café Robusta/Conilon Maria Amélia Gava Ferrão Pesquisadora Embrapa Café/Incaper APRESENTAÇÃO Introdução Histórico Estratégias Melhoramento Brasil Principais Resultados Espécies Café Identificadas

Leia mais

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na O MERCADO DE TRIGO 1. INTRODUÇÃO O Brasil é o maior importador mundial de trigo e a sua dependência se torna acentuada à medida que os estoques públicos e privados se reduzem. A safra 2007/08 apresenta-se

Leia mais

A TERCEIRA ONDA DO CONSUMO DE CAFÉ

A TERCEIRA ONDA DO CONSUMO DE CAFÉ A TERCEIRA ONDA DO CONSUMO DE CAFÉ Eduardo Cesar Silva Elisa Reis Guimarães Lavras, MG Julho de 2012 Eduardo Cesar Silva Mestre em Administração (UFLA). Coordenador do Bureau de Inteligência Competitiva

Leia mais

Síntese. Políticas Agrícolas nos Países da OCDE

Síntese. Políticas Agrícolas nos Países da OCDE Síntese Políticas Agrícolas nos Países da OCDE Monitoramento e Avaliação 2002 Overview Agricultural Policies in OECD Countries - Monitoring and Evaluation 2002 As Sínteses constituem-se em excertos de

Leia mais

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$)

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$) Comerçio exterior O Comerçio exterior do espaço Caribe 1 representou em 2001 mais de 297 bilhões de dólares 2 em importações e mais de 290 bilhões em exportações, o que indica uma balança comercial deficitária

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ JANEIRO DE 2009

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ JANEIRO DE 2009 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ JANEIRO DE 2009 1 2 PRODUTOS CAFÉ 45,8 milhões de sacas de 60 kg 77% Arábica 23% Robusta (ou conilon) SAFRA 2008/2009 63% Exportação 37% Mercado

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz Soja Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio A soja (Glycine max (L.) Merrill) que hoje é cultivada mundo afora, é

Leia mais

Boa pós-colheita. Uma boa pós-colheita é é segredo da para qualidade

Boa pós-colheita. Uma boa pós-colheita é é segredo da para qualidade Boa pós-colheita Uma boa pós-colheita é é segredo da para qualidade Cada etapa da produção de café tem um papel decisivo na qualidade do café. Dentre elas, a pós-colheita é considerada uma das mais importantes,

Leia mais