05/08/2014. Objetivo INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "05/08/2014. Objetivo INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO"

Transcrição

1 INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Profa. Eliana Barreto Monteiro INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Levantamento (visual e/ou instrumentado) das características e do estado de conservação de uma estrutura aspectos estruturais, funcionais e de durabilidade manifestações patológicas INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Conhecimento dos problemas patológicos Estudo das suas causas, origens e mecanismos Fornecimento de informações para os trabalhos de reparo e manutenção Análise e classificação dos aspectos comuns entre manifestações patologias 1

2 Recomendações INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Não se omitir nas inspeções e diagnósticos Sempre registrar e documentar Não menosprezar a influência de conduites, tubulações, drenos etc. Preferencialmente utilizar revestimento maiores que 50 mm Utilizar concretos com a/c < 0,5 para concreto de resistência > 35 MPa Realizar inspeções e manutenções periódicas (HELENE, 2009) INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Importância Fornecimento de dados precisos para um projeto de recuperação solução do problema com mínimo custo Melhoria do processo de produção para minimizar a incidência futura de problemas INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Tecnologia Envolvida Análise mecânica, física e químicas dos materiais Ensaios destrutivos e não-destrutivos Cadastramento geométrico da estrutura Monitoramento de deformações Verificação estrutural 2

3 INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Normatização ACI (EUA)- Manual of Concrete Inspection (2001) CEB (UE) - Diagnosis and assessment of concrete structures (1989) CEB (UE) - Strategies for testing and assessment of concrete structures (1998) MERCOSUL - Ainda não há projeto de norma INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Terminologia Sintoma = Manifestação patológica = lesão = defeito = vicio oculto Mecanismo = Como é que acontece? Causa = Agente causador (CO 2, Cl -, umidade, etc.) Origem = Projeto, materiais, execução, uso INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Terminologia é o resultado do exame médico Diagnóstico = Identificação e descrição do mecanismo, da origem e causas da manifestação patológica Avaliação = Determinação da condição, do grau de dano, da deterioração ou funcionalidade de uma estrutura Prognóstico = Juízo ou estimação que se têm baseado nos resultados do diagnóstico Negligência = Falha 3

4 Inspeção preliminar Inspeção detalhada Diagnóstico (causas, origens e mecanismos) Prognóstico (predizer) Terapia (proteções, reparo, reforços, restrições de uso, etc) Fonte: Revista Téchne,

5 PD RI TO A E G R N A O P S I T A I C O 05/08/2014 Inspeção Preliminar OBJETIVOS: Idéia inicial-geral do estado da estrutura natureza e a origem do problema ETAPAS Ficha de antecedente da estrutura e do meio ambiente; Exame visual geral da estrutura; Levantamento dos danos; Levantamento dos danos; Sem manchas de corrosão ou fissuras Com manchas porém sem fissuras Manchas e fissuras Manchas, fissuras e desagregação do concreto Mapa de Danos (Andrade, 1992) 5

6 Inspeção Preliminar OBJETIVOS: Idéia inicial-geral do estado da estrutura natureza e a origem do problema ETAPAS Ficha de antecedente da estrutura e do meio ambiente; Exame visual geral da estrutura; Levantamento dos danos; Seleção das áreas para o exame visual detalhado; Levantamento dos danos; Sem manchas de corrosão ou fissuras Com manchas porém sem fissuras Manchas e fissuras Manchas, fissuras e desagregação do concreto Mapa de Danos Inspeção Preliminar OBJETIVOS: Idéia inicial-geral do estado da estrutura natureza e a origem do problema ETAPAS Ficha de antecedente da estrutura e do meio ambiente; Exame visual geral da estrutura; Levantamento dos danos; Seleção das áreas para o exame visual detalhado; Seleção das técnicas de ensaios/medição/análises; Seleção das áreas onde serão feitos ensaios/análises; 6

7 Levantamento dos danos; Sem manchas de corrosão ou fissuras Com manchas porém sem fissuras Manchas e fissuras Manchas, fissuras e desagregação do concreto Mapa de Danos Inspeção Preliminar OBJETIVOS: Idéia inicial-geral do estado da estrutura natureza e a origem do problema ETAPAS Ficha de antecedente da estrutura e do meio ambiente; Exame visual geral da estrutura; Levantamento dos danos; Seleção das áreas para o exame visual detalhado; Seleção das técnicas de ensaios/medição/análises; Seleção das áreas onde serão feitos ensaios/análises; Execução de ensaios/medição/análises. Inspeção Preliminar ANTECEDENTES EXAME VISUAL ENSAIO MEDIÇÃO ANÁLISES PRÉ-DIAGNÓSTICO MAIOR INFORMAÇÃO SIM NÃO LEVANTAMENTO DE DANOS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICO PROGNÓSTICO RECOMENDAÇOES Inspeção Detalhada 7

8 Inspeção Detalhada OBJETIVOS: Obter a informação básica necessária para efetuar o diagnóstico e o prognóstico ETAPAS Plano de trabalho: Elaboração de fichas, croquis/planos, plano de amostragem Seleção de técnicas e áreas de ensaios/medição/análises Planejamento do uso de materiais e equipamentos Execução da Inspeção: Ensaios no concreto e nas armaduras Inspeção Detalhada Avaliação do estado do concreto Determinação da dureza (NBR 7584) Determinação da extração testemunhos para a resistência a compressão (NBR 7680, 2007) Determinação da porosidade do concreto (ASTM C642) Determinação da profundidade de carbonatação (RILEM CPC18) Determinação do teor de cloretos (ASTM C1152, ASTM C1411) Determinação da resistividade (ASTM G-57-84) Inspeção Detalhada Avaliação do estado das armaduras Determinação da posição e cobrimento do aço (BS 1881) Potencial eletroquímico (ASTM C876) Velocidade de Corrosão 8

9 Avaliação, Diagnóstico e Prognóstico Resultados Avaliação estrutural Quantificar a severidade da corrosão em termos da informação estrutural Diagnóstico Prever quantitativamente o avanço da corrosão (baseado no mecanismo e na severidade) Diagnóstico de continuidade Prognóstico de Vida Útil Residual Análise da Estrutura Projetos História do carregamento Especificações Idade e tempo do sintoma Cobrimentos/Bitolas Análise do Ambiente Temperatura Umidade Precipitação pluviométrica Agentes agressivos Construções vizinhas Utilização da edificação 9

10 Manchas de Umidade UMIDADE Fonte: ROCHA, 2011 Eflorescências Fissuras 10

11 Desplacamento Deterioração das Juntas Fonte: ROSAS, 2013 Microorganismos 11

12 Fonte: ROSAS, 2013 Manchas de umidade por absorção capilar Vegetação Fissuras por ataque por Sulfatos Fonte: (LEITE NETO, 2013) 12

13 Fissuras por ataque por RAA Fonte: (FREIRE, 2013) Manchas de Corrosão Corrosão 13

14 Impactos mecânicos Fonte: (PAZINI, 2003) Desagregação química Fonte: (PAZINI, 2003) Desgaste por abrasão Fonte: (PAZINI, 2003) 14

15 Desgaste por abrasão Fonte: (PAZINI, 2003) Desgaste por erosão Fonte: (PAZINI, 2003) Diagnóstico: Conclusões Planejamento inadequado Projeto errado ou omisso Materiais e componentes inadequados Execução e controle insatisfatórios Utilização (operação e manutenção) inadequada 15

16 Diagnóstico e Prognóstico: Recomendações Medidas de segurança Reforço Correções Uso com restrições Demolição Medidas preventivas Recuperação PROBLEMA PATOLÓGICO VISTORIA DO LOCAL AVALIAÇÃO ENSAIOS PESQUISA NÃO É POSSÍVEL DIAGNOSTICAR? SIM NÃO É POSSÍVEL DIAGNOSTICAR? SIM NÃO É POSSÍVEL DIAGNOSTICAR? SIM DIAGNÓSTICO ORIGENS CAUSAS MECANISMOS DE OCORRÊNCIA Exemplo SINTOMA CAUSA ORIGEM MECANISMO Carbonatação do concreto Cloretos Projeto/execução materiais Projeto/execução Materiais/Uso Reação expansiva do ferro 16

17 Exemplo SINTOMA CAUSA Infiltração ORIGEM Projeto/execução MECANISMO Lixiviação Exemplo ORIGEM CAUSA MECANISMO SINTOMA Materiais Excesso de água Cloretos Carbonatação Porosidade Reações químicas Corrosão das Armaduras Exemplo ORIGEM CAUSA MECANISMO SINTOMA Execução Cura insatisfatória Junta de Concretagem Dessecação superficial Baixa aderência Corrosão das Armaduras 17

18 Exemplo ORIGEM CAUSA MECANISMO SINTOMA Uso Cloretos Reações químicas Corrosão das Armaduras RELATÓRIO DE INSPEÇÃO E DIAGNÓSTICO Todo estudo de campo e elaboração de relatórios de inspeção precisa ter a participação de profissional devidamente habilitado para a condução deste tipo de investigação; Detalhar todas as patologias encontradas no trabalho de campo; Descrever todos os procedimentos de ensaio empregados no trabalho de inspeção; RELATÓRIO DE INSPEÇÃO E DIAGNÓSTICO Adotar métodos de ensaio e normas brasileiras, recorrendo à normalização do exterior somente nos casos de inexistência de norma nacional; Todo o critério e justificativa usada na amostragem deve ser explicitada e os elementos estruturais estudados devem estar devidamente identificados; As áreas críticas da estrutura devem ser citadas em destaque; 18

19 RELATÓRIO DE INSPEÇÃO E DIAGNÓSTICO O diagnóstico deve ser apresentado de forma clara e objetiva, com a identificação das causas; origens e mecanismos de ocorrência; Neste documento também é apresentado o prognóstico da estrutura, indicando o que deve ocorrer no caso de não se realizar intervenção alguma (precisa estar coerentemente fundamentado); Neste relatório é possível sugerir algumas possibilidades de intervenções adequadas a serem executadas (não é obrigatório); O LAUDO TÉCNICO O laudo técnico garante que o serviço contratado não esteja aquém nem além do que o condomínio precisa, evitando gastos desnecessários. Além disso, ele serve como um termo de referência para a padronização das propostas das construtoras, já que especifica e quantifica detalhadamente o material a ser usado na obra, bem como a técnica adequada para o trabalho. Fonte: BERNHOEFT, 2012 PROJETO DE REABILITAÇÃO Definir as intervenções mais adequadas a serem executadas para cada caso com o máximo de detalhamento possível; Caso haja necessidade, especificar sistemas de proteção para depois de realizada a intervenção; Definir prazos para intervenções e escala de prioridades; Observação: Este é um documento imprescindível para a obtenção de orçamentos adequadamente balizados entre empresas de execução dos serviços. 19

20 RELATÓRIO DE VISTORIA Antecedentes Natureza do problema Como foi realizada a vistoria Quais ensaios foram realizados Causas dos problemas Providências a tomar Conclusões = Diagnóstico + Recomendações Torre da Lua Crescente (Dubai) 20

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. PATOLOGIA DAS ESTRUTURAS, PISOS DE CONCRETO E DOS REVESTIMENTOS. CONSTRUÇÃO CIVIL PATOLOGIA DAS ESTRUTURAS CONSTRUÇÃO CIVIL PATOLOGIA "A patologia na construção

Leia mais

56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás

56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás 56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, 2014 Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás Vigas jacarés e degraus pré-moldados do Maracanã INTRODUÇÃO DOS ASPECTOS AMBIENTAIS

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

Conceitos PATOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES. PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Conceitos iniciais e Metodologia

Conceitos PATOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES. PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Conceitos iniciais e Metodologia Departamento de Eng. de Construção Civil PCC-2436 Tecnologia da Construção de Edifícios II PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Conceitos iniciais e Metodologia Profs. Fernando H. Sabbatini, Francisco F. Cardoso,

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

PATOLOGIAS DE CONSTRUÇÕES CAPÍTULO 01 ESTUDO DAS PATOLOGIAS DE CONSTRUÇÕES

PATOLOGIAS DE CONSTRUÇÕES CAPÍTULO 01 ESTUDO DAS PATOLOGIAS DE CONSTRUÇÕES PATOLOGIAS DE CONSTRUÇÕES CAPÍTULO 01 ESTUDO DAS PATOLOGIAS DE CONSTRUÇÕES 1.1 - INTRODUÇÃO Pode-se dizer que o homem criou os edifícios até certo ponto, à sua imagem e semelhança. - Assim como o ser humano

Leia mais

Manutenção e Restauro de Obras

Manutenção e Restauro de Obras de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 - Inspeção predial não era usual no país; - Obrigatória a partir de 2001 com a publicação da primeira Norma Técnica em SP; -

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 2. Deficiência x Excelência Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 7 Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa

Leia mais

DURABILIDADE E VIDA ÚTIL DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE E VIDA ÚTIL DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO DURABILIDADE E VIDA ÚTIL DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Acadêmicos: Guilherme Schroeder Gustavo Aurélio Karol Bot Disciplina: Materiais de Construção Civil II Professora: Carmeane Effting, Dra. Importância

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Materiais de Construção Civil III

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Materiais de Construção Civil III SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS E TÉCNICAS PARA REPARO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2 PLANEJAMENTO 1. Durabilidade

Leia mais

Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas

Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas Módulo 1: Conceitos e fundamentos para conservação de estruturas Aula 4 Fundamentos da tecnologia do concreto aplicados à conservação das estruturas Coordenação Prof. Dr. Bernardo Tutikian btutikian@terra.com.br

Leia mais

CORROSÃO DE ARMADURAS. Causas, Mecanismo, Recuperação

CORROSÃO DE ARMADURAS. Causas, Mecanismo, Recuperação CORROSÃO DE ARMADURAS Causas, Mecanismo, Recuperação GENERALIDADES Corrosão: interação destrutiva de um material com o ambiente, entendida como o inverso do processo metalúrgico (transformação de um metal

Leia mais

Ensaios para Avaliação das Estruturas

Ensaios para Avaliação das Estruturas ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Eliana Barreto Monteiro Ensaios para Avaliação das Estruturas Inspeção visual Ensaios não destrutivos Ensaios destrutivos Ensaios para Avaliação das

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA NORMA DE DESEMPENHO: COMO PROJETAR VIDA ÚTIL DE 75 ANOS

IMPLICAÇÕES DA NORMA DE DESEMPENHO: COMO PROJETAR VIDA ÚTIL DE 75 ANOS IMPLICAÇÕES DA NORMA DE DESEMPENHO: COMO PROJETAR VIDA ÚTIL DE 75 ANOS Prof. Dr. Bernardo Tutikian btutikian@terra.com.br / bftutikian@unisinos.br Head of Itt Performance / Unisinos Presidente Alconpat

Leia mais

Sumário. 1 Concreto como um Material Estrutural 1. 2 Cimento 8

Sumário. 1 Concreto como um Material Estrutural 1. 2 Cimento 8 Sumário 1 Concreto como um Material Estrutural 1 O que é o concreto? 2 O bom concreto 3 Materiais compósitos 4 Papel das interfaces 5 Forma de abordagem do estudo do concreto 6 2 Cimento 8 Produção do

Leia mais

Carbonatação do concreto (despassiva a armadura porque reduz o ph do concreto)

Carbonatação do concreto (despassiva a armadura porque reduz o ph do concreto) CAUSAS DA CORROSÃO, FATORES DESENCADEADORES E FATORES ACELERANTES Profa. Eliana Barreto Monteiro CAUSAS DA CORROSÃO, FATORES DESENCADEADORES E FATORES ACELERANTES CAUSAS DA CORROSÃO A perda da passivação

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

Análise dos danos estruturais e das condições de estabilidade de 100 pontes rodoviárias no brasil

Análise dos danos estruturais e das condições de estabilidade de 100 pontes rodoviárias no brasil Análise dos danos estruturais e das condições de estabilidade de 100 pontes rodoviárias no brasil José Afonso Pereira Vitório Escola Politécnica, Universidade de Pernambuco, Brasil Rui Manuel Meneses Carneiro

Leia mais

Patologias da Construção

Patologias da Construção Patologias da Construção Introdução A patologia das construções é o estudo de situações de ocorrências de problemas, de falhas ou de defeitos que comprometem uma ou mais funções do edifício, ou todo seu

Leia mais

INTEGRIDADE ESTRUTURAL. Ensaios. Gilberto Adib Couri

INTEGRIDADE ESTRUTURAL. Ensaios. Gilberto Adib Couri INTEGRIDADE ESTRUTURAL Ensaios Gilberto Adib Couri É importante testar a estrutura? CADA VEZ MAIS! SEM ELA NÃO HÁ EDIFICAÇÃO Dá forma à edificação Tubulação de maior calibre Custo mais alto Gilberto Adib

Leia mais

Classificação das pontes quanto ao material da superestrutura

Classificação das pontes quanto ao material da superestrutura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE PONTES Classificação das pontes quanto

Leia mais

ABNT NBR12655 Preparo, Controle, Recebimento e Aceitação do Concreto e sua interação com a

ABNT NBR12655 Preparo, Controle, Recebimento e Aceitação do Concreto e sua interação com a As Novas Normas (revisadas): ABNT NBR12655 Preparo, Controle, Recebimento e Aceitação do Concreto e sua interação com a ABNT NBR 7680 Concreto Extração, preparo, ensaio e analise de testemunhos de estruturas

Leia mais

UENF - COORDENAÇÃO ACADÊMICA - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

UENF - COORDENAÇÃO ACADÊMICA - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF - COORDENAÇÃO ACADÊMICA - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA (PÓS-GRADUAÇÃO) IDENTIFICAÇÃO Centro CCT Laboratório LECIV Pré-requisito CIV1653

Leia mais

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO Concretos fornecidos podem não estar atingindo a resistência à compressão pedida nos projetos estruturais. Polêmica envolve construtores, concreteiras, projetistas

Leia mais

LUSOPONTE / GESTIPONTE PONTE VASCO DA GAMA

LUSOPONTE / GESTIPONTE PONTE VASCO DA GAMA LUSOPONTE / GESTIPONTE PONTE VASCO DA GAMA O programa de Manutenção Estrutural é realizado de acordo com o Manual de Inspecção e Manutenção, elaborado pela empresa construtora e aprovado pelo Concedente.

Leia mais

II Semina rio Nacional de Peri cias de Engenharia PERI CIAS EM FACHADAS CASES. Eng. Clémenceau Chiabi Saliba Jr.

II Semina rio Nacional de Peri cias de Engenharia PERI CIAS EM FACHADAS CASES. Eng. Clémenceau Chiabi Saliba Jr. II Semina rio Nacional de Peri cias de Engenharia PERI CIAS EM FACHADAS CASES Eng. Clémenceau Chiabi Saliba Jr. clemenceau@chiabi.com A causa de aparecimento de uma patologia em fachada, pode ser interpretada

Leia mais

A Nova NBR Preparo, Controle e Recebimento de Concreto, com Foco na Durabilidade

A Nova NBR Preparo, Controle e Recebimento de Concreto, com Foco na Durabilidade A Nova NBR 12655 Preparo, Controle e Recebimento de Concreto, com Foco na Durabilidade Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 A Nova NBR 12655:2006 Principal exigência para

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: janeiro/2004 FOLHA : 1 / 7 OBS : 1 Dimensões

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Estruturas de Concreto

Disciplina: Construção Civil I Estruturas de Concreto UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Componentes Formas: molde para

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DA CARBONATAÇÃO NO PROCESSO DE DEGRADAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO DA CIDADE DE PELOTAS/RS

ANÁLISE DO EFEITO DA CARBONATAÇÃO NO PROCESSO DE DEGRADAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO DA CIDADE DE PELOTAS/RS ANÁLISE DO EFEITO DA CARBONATAÇÃO NO PROCESSO DE DEGRADAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO DA CIDADE DE PELOTAS/RS NICOLINI,N.G.¹; FERREIRA,C.F.²;PALIGA,C.M.³;TORRES,A.S. 4 1 Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Curso de Engenharia de Manutenção de Linhas de Transmissão - ENGEMAN LT (Recife Novembro de 2007) Ementas das Palestras. Dia 19/11/2007(segunda-feira)

Curso de Engenharia de Manutenção de Linhas de Transmissão - ENGEMAN LT (Recife Novembro de 2007) Ementas das Palestras. Dia 19/11/2007(segunda-feira) Curso de Engenharia de Manutenção de Linhas de Transmissão - ENGEMAN LT (Recife Novembro de 2007) Ementas das Palestras Dia 19/11/2007(segunda-feira) Fundamentos de Projeto de Linhas de Transmissão O Setor

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SINALIZAÇÃO VERTICAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO Esta especificação técnica fixa condições exigíveis para o fornecimento de placas de regulamentação, advertência ou indicativas para sinalização vertical

Leia mais

COMO CONSTRUIR E MANTER O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES

COMO CONSTRUIR E MANTER O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES COMO CONSTRUIR E MANTER O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES A sociedade Brasileira ainda é jovem. Carrega resquícios da colonização portuguesa de explorar a Terra Nova ao máximo e depois voltar a Portugal. Uma

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia : Técnico em Metalurgia Descrição do Perfil Profissional: O profissional Técnico em Metalurgia deverá ser capaz de realizar controle visual, dimensional e laboratorial de materiais e substâncias utilizadas

Leia mais

ANTONIO CARLOS MOUTINHO

ANTONIO CARLOS MOUTINHO ANTONIO CARLOS MOUTINHO FORMAÇÃO ACADÊMICA - Universidade Mackenzie - Curso de Engenharia Civil - Universidade de São Paulo - USP - Especialização em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública - USP

Leia mais

Estruturas Mistas e Híbridas. Proteção Estrutural. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau

Estruturas Mistas e Híbridas. Proteção Estrutural. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau Estruturas Mistas e Híbridas Proteção Estrutural Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau Introdução NBR 8800:2008 Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. PATOLOGIA NOS PISOS DE CONCRETO PATOLOGIA DAS ESTRUTURAS (PISOS) As patologias dos pisos cimentados agrupam-se nas divisões: Fissuras; Desgaste superficial; Delaminação;

Leia mais

Técnicas de Manutenção Eletrônica

Técnicas de Manutenção Eletrônica Técnicas de Manutenção Eletrônica AI32E e ET231 Prof. Dr. Hugo Valadares Siqueira Ementa Parte I Aprendizagem do uso de instrumentos de medição. - Testes em componentes eletrônicos. - Equipamentos eletrônicos

Leia mais

Manutenção e Restauro de Obras. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Manutenção e Restauro de Obras. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 NORMAS: Definição de Durabilidade cf NBR 6118/03 5.1.2.3 Consiste na capacidade da estrutura resistir às influências ambientais previstas e definidas em conjunto pelo

Leia mais

Painel 1 Perícias de Engenharia e a Norma de Desempenho

Painel 1 Perícias de Engenharia e a Norma de Desempenho Diagnósticos Técnicos e a Preservação de Direitos na Construção Civil Painel 1 Perícias de Engenharia e a Norma de Desempenho Engº Msc. JERÔNIMO CABRAL PEREIRA FAGUNDES NETO Realização Apoio Técnico Apoio

Leia mais

Material Específico Engenharia Civil Consolidado - 2º semestre de 2016 e 1º semestre de CQA/UNIP

Material Específico Engenharia Civil Consolidado - 2º semestre de 2016 e 1º semestre de CQA/UNIP Questão 1 Questão 1. 1 De acordo com a ABNT NBR 6118 (2003), nos projetos das estruturas correntes, a agressividade ambiental deve ser classificada de acordo com o apresentado no Quadro I e pode ser avaliada,

Leia mais

A Influência dos Tipos de Cura na Resistência Mecânica do Concreto

A Influência dos Tipos de Cura na Resistência Mecânica do Concreto A Influência dos Tipos de Cura na Resistência Mecânica do Concreto Carolina dos Santos Silva, Hellen Karina Pereira Alkimin, Larissa Alves Matos e Nara Miranda de Oliveira Cangussu Resumo O controle da

Leia mais

Patologias Construtivas: Conceito, Origens e Método de

Patologias Construtivas: Conceito, Origens e Método de Patologias Construtivas: Conceito, Origens e Método de Tratamento. 1 Nome completo Matheus Assis Vieira e-mail: engmatheusassis@gmail.com Curso: MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção.

Leia mais

Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto

Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto FELIPE KOBUS, FRANCINE FERNANDES, GIOVANNI GUIDELLI, JAQUELINE F. SOARES, JULYANA ROCHA E MARINA D. TRENTIN Passivação da Armadura no Concreto Passivação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PÓ DE SERRA PARA CURA DO CONCRETO

UTILIZAÇÃO DE PÓ DE SERRA PARA CURA DO CONCRETO Resumo UTILIZAÇÃO DE PÓ DE SERRA PARA CURA DO CONCRETO Célio Sebastião Rigo Discente do C. S. de Tecnologia em Controle de Obras, IFMT Campus Cuiabá Marcos de Oliveira Valin Jr Prof. Esp. do IFMT, Campus

Leia mais

24/11/2016 RESISTÊNCIA DOS CONCRETOS DE ALTO DESEMPENHO INTRODUÇÃO

24/11/2016 RESISTÊNCIA DOS CONCRETOS DE ALTO DESEMPENHO INTRODUÇÃO RESISTÊNCIA DOS CONCRETOS DE ALTO DESEMPENHO INTRODUÇÃO Engenheiros sempre buscaram tornar suas estruturas mais eficientes, deixando-as mais leves, resistentes e duráveis. Um produto que está trazendo

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 PARTE 01 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL III MATERIAIS E TÉCNICAS PARA REPARO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO PARTE 1 Profª.: MSc.:

Leia mais

Laboratório de Materiais de Construção Civil. Profa. Dra. Geilma Vieira AGREGADOS AGREGADOS AGREGADOS

Laboratório de Materiais de Construção Civil. Profa. Dra. Geilma Vieira AGREGADOS AGREGADOS AGREGADOS Campo da Matéria Especificações técnicas: Elementos escritos de um projeto de engenharia: um projeto de engenharia não consiste apenas em plantas, desenhos e cálculos. Inclui também uma de redação sob

Leia mais

Monitoração das Juntas de Construção das Aduelas do Trecho sobre o Mar da Ponte Rio-Niterói

Monitoração das Juntas de Construção das Aduelas do Trecho sobre o Mar da Ponte Rio-Niterói Monitoração das Juntas de Construção das Aduelas do Trecho sobre o Mar da Ponte Rio-Niterói Agosto de 2014 Introdução A Ponte Rio-Niterói Introdução A Ponte Rio-Niterói DADOS GERAIS: Data de inauguração:

Leia mais

AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLOGICAS IDENTIFICADAS NAS FACHADAS DO PANTEÃO DA PÁTRIA TANCREDO NEVES EM BRASÍLIA/BRASIL ESTUDO DE CASO

AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLOGICAS IDENTIFICADAS NAS FACHADAS DO PANTEÃO DA PÁTRIA TANCREDO NEVES EM BRASÍLIA/BRASIL ESTUDO DE CASO AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLOGICAS IDENTIFICADAS NAS FACHADAS DO PANTEÃO DA PÁTRIA TANCREDO NEVES EM BRASÍLIA/BRASIL ESTUDO DE CASO E. K. CASTRO E. BAUER Profa., Eng.ª Civil Prof. Eng.ª

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON Coleta de Preç164/2015

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON Coleta de Preç164/2015 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em consultoria de engenharia para elaboração de laudo técnico de análise de patologias que geraram o desprendimento das pastilhas externas

Leia mais

Guia para a Reparação e Reabilitação de Infraestruturas de Transporte em Betão Armado (ISTB)

Guia para a Reparação e Reabilitação de Infraestruturas de Transporte em Betão Armado (ISTB) Guia para a Reparação e Reabilitação de Infraestruturas de Transporte em Betão Armado (ISTB) Sreejith Nanukuttan Queen s University Belfast (UK) Afonso Póvoa Estradas de Portugal, SA (PT) Investing in

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Mestrado Acadêmico Aderência à base Deficiência de Aderência Características do Substrato Dosagem da Argamassa Técnica de Execução Argamassa 2 Ok Ok Ok Ok 2 Subidas

Leia mais

AGREGADOS. Conceito AGREGADOS AGREGADOS

AGREGADOS. Conceito AGREGADOS AGREGADOS Conceito Agregado é um material sem forma ou volume definido, de custo relativamente baixo, geralmente inerte, com dimensões e propriedades adequadas para a produção de argamassa e concreto. 1 Generalidades

Leia mais

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria NBR 7170/1983 Tijolo maciço cerâmico para alvenaria OBJETIVO: Fixar condições no recebimento de tijolos maciços cerâmicos destinados a obras de alvenaria, com ou sem revestimento; DEFINIÇÕES: 1. Tijolo

Leia mais

artigo Inspeção rotineira de estruturas de concreto armado expostas a atmosferas agressivas

artigo Inspeção rotineira de estruturas de concreto armado expostas a atmosferas agressivas Envie artigo para: techne@pini.com.br. O texto não deve ultrapassar o limite de 15 mil caracteres (com espaço). Fotos devem ser encaminhadas separadamente em JPG Inspeção rotineira de estruturas de concreto

Leia mais

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples CONTEÚDO CAPÍTULO 1 - RESISTÊNCIA DO MATERIAL 1.1. Introdução 1.2. Definição: função e importância das argamassas 1.3. Classificação das alvenarias

Leia mais

O Desempenho Mecânico, Físico F

O Desempenho Mecânico, Físico F O Desempenho Mecânico, Físico F e de Durabilidade de Argamassas de Reparação de Elementos de Betão Resende Nsambu Docente da Universidade Agostinho Neto - Angola Augusto Gomes IST Trabalho de doutoramento

Leia mais

PLANO DE AULA MACO II Professor Marcelo Cândido de Paula.

PLANO DE AULA MACO II Professor Marcelo Cândido de Paula. Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II Curso: ENGENHARIA CIVIL Código Créditos Carga horária Período Co-requsito Pré-requisito ENG 2301 6 90 6º - ENG 1071 EMENTA Argamassa: Conceito, classificação, propriedades,

Leia mais

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação.

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação. Produto VEDACIT RÁPIDO CL proporciona rápido endurecimento e resistências iniciais ao cimento. Não deve ser usado em concretos estruturais armados e nem em argamassas armadas. Características Densidade:

Leia mais

A especificação do betão segundo a NP EN Paulo Cachim Universidade de Aveiro

A especificação do betão segundo a NP EN Paulo Cachim Universidade de Aveiro A especificação do betão segundo a NP EN 206-1 Paulo Cachim Universidade de Aveiro pcachim@ua.pt Enquadramento Estruturas de betão DL 301-2007 Projeto EN 1992 CONSTITUINTES EN 197 Cimento EN 450 Cinzas

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II. 2. Características tecnológicas: forma; massa específica; absorção; umidade superficial; massa unitária.

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II. 2. Características tecnológicas: forma; massa específica; absorção; umidade superficial; massa unitária. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGREGADOS 2. Características tecnológicas: forma; massa específica; absorção; umidade superficial; massa unitária. Especificações e ensaios. Características dos Agregados O conhecimento

Leia mais

Reparo, reforço e recuperação de concreto

Reparo, reforço e recuperação de concreto http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/146/artigo139046-2.asp Artigo técnico Revista Techne Reparo, reforço e recuperação de concreto Variedade de técnicas para reparo, reforço e recuperação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO. o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso

CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO. o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso REVESTIMENTO VERTICAL DE PEDRA NATURAL Fonte: Revista Téchne no.10 1 o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO o Sistema ADERENTE: Assentamento

Leia mais

ESTUDO DAS ANOMALIAS OBSERVADAS EM OBRAS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (E.T.E.)

ESTUDO DAS ANOMALIAS OBSERVADAS EM OBRAS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (E.T.E.) ESTUDO DAS ANOMALIAS OBSERVADAS EM OBRAS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (E.T.E.) CHAVES, Pryscylla (1); DE SOUZA, Evando (2); BERENGUER, Romildo (3); BARRETO, Lydia (4); NASCIMENTO, Elivelthon (5)

Leia mais

Introdução à Mecânica da Fratura. Universidade de Brasília UnB Departamento de Engenharia Mecânica ENM Mecânica dos Materiais II

Introdução à Mecânica da Fratura. Universidade de Brasília UnB Departamento de Engenharia Mecânica ENM Mecânica dos Materiais II Introdução à Mecânica da Fratura Universidade de Brasília UnB Departamento de Engenharia Mecânica ENM Mecânica dos Materiais II Tópicos da Aula Motivação Conceitos básicos Trincas como intensificadores

Leia mais

Avaliação da Condição de uma Ponte - Estudo de Caso Giovannetti, Ana Carolina V. P. 1, Pinto, Roberto C. de A. 2 1

Avaliação da Condição de uma Ponte - Estudo de Caso Giovannetti, Ana Carolina V. P. 1, Pinto, Roberto C. de A. 2 1 Avaliação da Condição de uma Ponte - Estudo de Caso Giovannetti, Ana Carolina V. P. 1, Pinto, Roberto C. de A. 2 1 Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC / PPGEC / anagiovannetti@gmail.com 2 Universidade

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 7.1: Corrosão do aço e deterioração do betão.

Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 7.1: Corrosão do aço e deterioração do betão. Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 7.1: Corrosão do aço e deterioração do betão. António Costa 1/53 ACÇÕES AGRESSIVAS FÍSICAS TEMPERATURA GELO / DEGELO FOGO

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS. Enga. Célia Maria Martins Neves DESEMPENHO

ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS. Enga. Célia Maria Martins Neves DESEMPENHO ASPECTOS DE DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Enga. Célia Maria Martins Neves cneves@superig.com.br DESEMPENHO 1 70 80 90 materiais tradicionais mdo treinada no canteiro desafios localizados

Leia mais

Aço na Construção Civil

Aço na Construção Civil Aço na Construção Civil AÇO Liga Ferro-Carbono (0,006% < C < 2%) Denso; Bom condutor de eletricidade e calor; Opaco; Comportamento elasto-plástico. Estrutura cristalina polifásica (grãos com diferentes

Leia mais

ITEM E Medidas de Carga e Deformação

ITEM E Medidas de Carga e Deformação ITEM E Medidas de Carga e Deformação ITEM E Vista do túnel ITEM E Barra Instrumentada no piso ITEM E Barra na seção do túnel ITEM E Esquema do Ensaio (KNE) ITEM E Instalação do extensômetro para ensaio

Leia mais

Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR.

Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR. 12 / 11 / 2012 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Argamassas de Revestimento

Argamassas de Revestimento Argamassas de Revestimento q Argamassa de revestimento é utilizada para revestir paredes, muros e tetos, os quais, geralmente, recebem acabamentos como pintura, cerâmicos, laminados, etc; q O revestimento

Leia mais

1. Introdução teórica. Materiais de construção. Concreto. Pega. Cura. Resistência final.

1. Introdução teórica. Materiais de construção. Concreto. Pega. Cura. Resistência final. Questão 19 Questão 19. 19 O concreto deve ser protegido durante o processo de endurecimento (ganho de resistência) contra secagem rápida, mudanças bruscas de temperatura, excesso de água, incidência de

Leia mais

I Simpósio sobre Ensaios Não Destrutivos 1 st Symposium on Non Destructive Tests (Em conjunto com o 58 º Congresso Brasileiro do Concreto)

I Simpósio sobre Ensaios Não Destrutivos 1 st Symposium on Non Destructive Tests (Em conjunto com o 58 º Congresso Brasileiro do Concreto) Belo Horizonte Minas Gerais Brasil 13 de Outubro de 2016 I Simpósio sobre Ensaios Não Destrutivos 1 st Symposium on Non Destructive Tests (Em conjunto com o 58 º Congresso Brasileiro do Concreto) Organização:

Leia mais

TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota

TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota Prezados Alunos, Estamos apresentando sugestões de temas para PG nas áreas: Engenharia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 Aprovado pela portaria Cetec nº 127 de 03/10/2012 Etec TIQUATIRA 208 Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Produção Industrial

Leia mais

MANUTENÇÃO E RESTAURAÇÃO DE OBRAS

MANUTENÇÃO E RESTAURAÇÃO DE OBRAS MANUTENÇÃO E RESTAURAÇÃO DE OBRAS Prof. Arq. Aline Fernandes 2013 PATOLOGIA DE FUNDAÇÕES Fases que os problemas podem ocorrer ou ser originados: - Caracterização do comportamento do solo; - Análise e projeto

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br BLOCOS CERÂMICOS ABNT NBR 15270 / 2005 Componentes

Leia mais

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.117.01 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de pino de isolador para utilização

Leia mais

ABNT NBR 7680:2015 Concreto Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto Parte 1: Resistência à compressão

ABNT NBR 7680:2015 Concreto Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto Parte 1: Resistência à compressão ABNT NBR 7680:2015 Concreto Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto Parte 1: Resistência à compressão Eng.º Felipe C. Bungenstab, M.Sc. Brascontec Engenharia e Tecnologia

Leia mais

ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS PARA ESTRUTURAS EM CONCRETO ESTRUTURAL OFERECIDOS PELA ENGRACON ENGENHARIA E ARQUITETURA LTDA

ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS PARA ESTRUTURAS EM CONCRETO ESTRUTURAL OFERECIDOS PELA ENGRACON ENGENHARIA E ARQUITETURA LTDA ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS PARA ESTRUTURAS EM CONCRETO ESTRUTURAL OFERECIDOS PELA ENGRACON ENGENHARIA E ARQUITETURA LTDA Ultrasonografia A conta com o equipamento de teste ultrassônico Pundit

Leia mais

Sistemas de Reparo. As melhores soluções para recuperação de estruturas

Sistemas de Reparo. As melhores soluções para recuperação de estruturas Sistemas de Reparo As melhores soluções para recuperação de estruturas Reparo do concreto A deterioração do concreto é provocada por diversos fatores, sejam de caráter atmosférico como a chuva ácida e

Leia mais

ANÁLISE DE ADERÊNCIA DE ARGAMASSA POLIMÉRICA/COLANTE EM DUAS RESIDÊNCIAS COM DESPLACAMENTO DOS PISOS CERÂMICOS.

ANÁLISE DE ADERÊNCIA DE ARGAMASSA POLIMÉRICA/COLANTE EM DUAS RESIDÊNCIAS COM DESPLACAMENTO DOS PISOS CERÂMICOS. ANÁLISE DE ADERÊNCIA DE ARGAMASSA POLIMÉRICA/COLANTE EM DUAS RESIDÊNCIAS COM DESPLACAMENTO DOS PISOS CERÂMICOS. Resumo O presente estudo propõe o ensaio normatizado pelo anexo A, da NBR 13755, Revestimento

Leia mais

care Roubo ou Furto Qualificado

care Roubo ou Furto Qualificado Roubo ou Furto Qualificado Furto simples do bem segurado. Entende-se por Furto simples o furto comedo sem emprego de violência e sem que seja deixado qualquer ves gio; Estelionato, perda, extravio ou simples

Leia mais

Disciplina: Materiais de Construção I Assunto: Argamassas no estado seco e fresco Prof. Ederaldo Azevedo Aula 6 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 1.1 Conceitos Básicos: Argamassa é um material composto,

Leia mais

MICROCONCRETO DE ALTO DESEMPENHO: Uma Contribuição para o Desenvolvimento da Pré-fabricação Leve

MICROCONCRETO DE ALTO DESEMPENHO: Uma Contribuição para o Desenvolvimento da Pré-fabricação Leve Novembro de 2005 1o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto Pré-moldado MICROCONCRETO DE ALTO DESEMPENHO: Uma Contribuição para o Desenvolvimento da Pré-fabricação Leve Paulo Eduardo

Leia mais

Patologias no terminal Termitrena - Porto de Setúbal : Danos em Estacas e Taludes de Retenção Marginal, incluindo Diagnóstico da Situação.

Patologias no terminal Termitrena - Porto de Setúbal : Danos em Estacas e Taludes de Retenção Marginal, incluindo Diagnóstico da Situação. Patologias no terminal Termitrena - Porto de Setúbal : Danos em Estacas e Taludes de Retenção Marginal, incluindo Diagnóstico da Situação. Ernesto Carneiro, APSS, ecarneiro@portodesetubal.pt Tiago Barata,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Resistência característica da dosagem. Responsabilidades

Leia mais

Vida útil é comumente definida como o período de tempo no qual a. estrutura ou o componente estrutural pode cumprir sua função

Vida útil é comumente definida como o período de tempo no qual a. estrutura ou o componente estrutural pode cumprir sua função 26 CAPÍTULO II - VIDA ÚTIL II.1 Definição Vida útil é comumente definida como o período de tempo no qual a estrutura ou o componente estrutural pode cumprir sua função projetada sem custos importantes

Leia mais

A) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ENG 2301 Materiais de Construção Civil II PROFESSOR: Mayara Queiroz Moraes Custódio TURMA: B01 SUBTURMA: 1; 2

A) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ENG 2301 Materiais de Construção Civil II PROFESSOR: Mayara Queiroz Moraes Custódio TURMA: B01 SUBTURMA: 1; 2 A) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ENG 2301 Materiais de Construção Civil II PROFESSOR: Mayara Queiroz Moraes Custódio TURMA: B01 SUBTURMA: 1; 2 B) EMENTA Argamassa: conceito, classificação, propriedades,

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2012.2 INTRODUÇÃO Principais ferramentas - garantia da inocuidade,

Leia mais

AULA 6 ARGAMASSA continuação

AULA 6 ARGAMASSA continuação AULA 6 ARGAMASSA continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ARGAMASSAS - PROPRIEDADES

Leia mais

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino.

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino. 26 / 07 / 2011 1 de 10 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pino de isolador para utilização nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões REPRODUÇÃO LIVRE NBR 8964 JUL 1985 Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões Origem: Projeto 01:022.05-004/1985 CB-01 - Comitê Brasileiro de Mineração e Metalurgia CE-01:022.05 - Comissão

Leia mais

INSPEÇÃO E DIAGNÓSTICO DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURA DE CONCRETO PRÉ-FABRICADO ESTUDO DE CASO.

INSPEÇÃO E DIAGNÓSTICO DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURA DE CONCRETO PRÉ-FABRICADO ESTUDO DE CASO. INSPEÇÃO E DIAGNÓSTICO DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURA DE CONCRETO PRÉ-FABRICADO ESTUDO DE CASO. Rachel MORAIS Douglas COUTO Paulo HELENE Tecg.ª Const. Civil Engenheiro Civil Prof. Titular PhD

Leia mais