SIGLAS E ABREVIATURAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIGLAS E ABREVIATURAS"

Transcrição

1 SIGLAS E ABREVIATURAS 10G6 Transmissão à 10 gigabytes sobre o cabeamento Categoria 6 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas ac Corrente alternada (ca) ACEG Aterramento para Equipamento de Corrente Alternada ACR-F ACR-F Relação Atenuação Diafonia longe da extremidade Relação Atenuação Diafonia perto da extremidade ADA Lei de Proteção a Norte-Americanos Portadores de Deficiência ADSL AFEXT Linha de Assinante Digital Assíncrono Alien far-end crosstalk (Alien Telediafonia) AHJ Autoridade Competente AIA ANEXT Instituto Norte-Americano de Arquitetos Alien near-end crosstalk (Alien Paradiafonia) ANSI Instituto de Normas Nacionais Americanas AP Provedor de Acesso ARL Relação Atenuação - Perda de Retorno ASTM Sociedade Norte-Americana de Testes e Materiais ATIS Aliança para Soluções na Indústria das Telecomunicações ATM Modo de Transferência Assíncrono AWG Bitola de Fio Americano BC Condutor Bonding BCD Duto de Backbone BD Distribuidor do Prédio BEF Infra-Estrutura de Entrada do Edifício BER Taxa de Erros de Bit BFOC Conector de Fibra Óptica tipo Baioneta BFOC/2.5 Conector de Fibra Óptica, com ferrolho de 2,5 mm. BICSI Building Industry Consulting Service International B-ISDN BNC ISDN (RDSI) de banda larga Conector do tipo Baioneta ou conector tipo BNC BOCA Administradores de Códigos e Funcionários Prediais BOMA Associação de Dirigentes e Proprietários Prediais BRI ISDN (RDSI) com Tarifa Básica CATV Televisão com Antena Coletiva; Televisão a Cabo CBC Cabo de Backbone de Campus CBN Bonding comum da rede CCIA Associação de Industrias de Comunicação de Computadores CCITT Comitê Consultivo Internacional de Telegrafia e Telefonia CCTV CD Circuito fechado de televisão Distribuidor de Campus CEC Código Elétrico Canadense, 1ª Parte Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 3-1

2 CER CLEC CM CP CPE CPU CSA CSI CSMA/CD CTR Cu dc DCE DEMARC DN DOC DP DP DSX DTE DUT EDA EF EIA ELFEXT EMC EMI EMS EMT ENT EP ER FCC FD FDDI FEXT ffs FIPS PUB FOCIS FOIRL F/UTP FTR FWHM Equipamento de Sala comum Operadora da Central Local Concorrente Modo Comum Ponto de Consolidação Equipamento nas Dependências do Cliente Unidade Central de Processamento Associação Canadense de Normas Instituto de Especificações para a Construção Acesso Múltiplo Sensível à Portadora com Detecção de Colisão Sensor de Colisão Sala de Telecomunicação Comum Cobre Corrente contínua Equipamento de Terminação de Circuito de Dados Ponto de Demarcação Modo Diferencial Comunicação Canadense Ponto de Demarcação Ponto de Distribuição Cross-connect de sinal digital Equipamento Terminal de Dados Dispositivo sob Teste Equipamento da área de distribuição Infra-Estrura de Entrada Associação das Indústrias Eletrônicas Telediafonia de Nível Equalizado Compatibilidade Eletromagnética Interferência Eletromagnética Sistema de Gerenciamento de Energia. Tubulação Elétrica Metálica Tubulação Elétrica Não-metálica Ponto de Entrada Sala de Equipamento Comissão Federal de Comunicações Distribuidor de Piso Interface de Dados Distribuídos em Fibra Óptica Diafonia da Extremidade Remota Para estudo posterior Publicação sobre Normas Federais de Processamento de Informação Normas de Intercambialidade de Conectores de Fibra Óptica Enlace Inter-Repetidor de Fibra Óptica Par trançado não blindado com recobrimento geral Recomendação Federal para Telecomunicações Máxima Metade da Largura Total 3-2 Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

3 HC HDA Cross-connect horizontal Área de Distribuição Horizontal HDG Galvanizado para Serviços Pesados HVAC Calefação, Ventilação e Ar Condicionado. IBC Condutor Bonding de Interconexão IBI Instituto de Edifícios Inteligentes IC Cross-connect Intermediário IC Circuito Integrado (Fonte: ISO/IEC 11801) ICEA Associação de Engenheiros de Cabos Isolados IDC Conector de Deslocamento de Isolação IEC Comissão Eletrotécnica Internacional IEEE Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos IFMA Associação Internacional de Gerenciamento de Instalações ILD Desvio de Perda de Inserção IS Padrão Interino ISDN Rede Digital de Serviços Integrados (RDSI) ISO Organização Internacional de Padronização ITU-T União Internacional de Telecomunicações JTC Comitê Técnico Conjunto KTS Sistema de Telefone por Teclas LAN Rede Local LCL Perda por Conversão Longitudinal LCTL Perda de Transferência por Conversão Longitudinal LEC Operadora da Central Local LED Diodo Emissor de Luz MAC Adições e Alterações. MAU Unidade de conexão ao meio (568') MC Cross-connect Principal MCM MDA Million Circular Mills Área de Distribuição Principal MDF Quadro de Distribuição Principal MH Orifício de Manutenção MPD Duto Múltiplo de Plástico MuTOA Conjunto da Tomada de Telecomunicações Multi-usuário MUX Multiplexador N/A Não-aplicável NBC Códigos Nacionais Canadenses para Edifícios N-BNC BNC tipo N NCS Sistema de Comunicações Nacionais NEC Código Elétrico Nacional NEMA Associação Nacional dos Fabricantes Elétricos NESC Código Nacional de Segurança Elétrica NEXT Paradiafonia (Near End Crosstalk) NFPA Associação Nacional de Proteção contra Incêndio Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 3-3

4 NID Dispositivo de Interface de Rede NIR Relação Paradiafonia para Perda de Inserção NIST Instituto Nacional para Normas e Tecnologia NRTL Laboratório Nacional de Testes Reconhecido NVP OC Velocidade Nominal de Propagação Portadora óptica OCC Outras Portadoras Comuns OSP Planta Externa OTDR Reflectômetro Óptico no Domínio do Tempo PBX PCB Central de Comutação Privada Placa de Circuito Impresso PDAM Proposta de emenda ao Draft PDU Unidade de Distribuição de Energia PMD Camada Física Dependente do Meio PSACR-F PSACR-N Relação Atenuação Paradiafonia (Powersum) longe da extremidade Relação Atenuação Paradiafonia (Powersum) perto da extremidade PSAELFEXT Powersum Alien Equal Level Far-end Crosstalk: PS-Alien Telediafonia de Nível Equalizado PSAFEXT Powersum Alien Far-end Crosstalk: PS-Alien Telediafonia PSANEXT Powersum Alien Near-end Crosstalk: PS-Alien Paradiafonia PSELFEXT PSFEXT PSNEXT PVC R REA RFI RH RL RMS SAN S/FTP SC SCC SC-D SCFOC/2.5 SCTE ScTP SDH SE SONET SP Telediafonia de Nível Equalizado (Powersum) Telediafonia (Powersum) Paradiafonia (Powersum) Cloreto de Polivinila Resistência Agência de Eletrificação Rural Interferência por Radiofreqüência Umidade Relativa do Ar Perda de Retorno Espaço para Montagem em Prateleira Storage Area Network: Rede de Armazenamento Cabo Totalmente Blindado (Screen e Foil) (Conector de Fibra Óptica) Conector do assinante Conselho de Normas Canadense Conector de Fibra Óptica SC Dúplex Conector de Fibra Óptica 568SC Dúplex Sociedade de Engenheiros de Telecomunicações de Cabos (Especialistas em Cabos) Par Trançado Blindado (par a par) Synchronous Digiatl Hierarchy: Hierarquia Digitalm Síncrona (SONET) Estação de Equipamento Synchronous Optical Network: Rede Óptica Síncrona Provedor de Serviços 3-4 Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

5 SRL ST STI STP STM STP STP-A TBB TDR TEF TE TGB TIA TMGB TO TP TR TS TSB UL ULC UPC UPS US UTP VoIP WA WAN WAP WiFi WP X ZDA Perda de Retorno Estrutural (veja BFOC/2.5) Impedância de Transferência de Superfície Par Trançado Blindado (cabo blindado) Synchronous Transfer Mode: Modelo de Transporte Síncrono Par Trançado Blindado Par Trançado Blindado (categorizado para 300 MHz) Backbone de Bonding para Telecomunicações Reflectômetro no Domínio do Tempo Infra-Estrutura de Entrada de Telecomunicações Gabinete de telecomunicação Barramento de Terra para Telecomunicações Associação das Indústrias de Telecomunicações Barramento Principal de Terra para Telecomunicações Tomada de Telecomunicações Ponto de Transição Sala de Telecomunicações Espaço de Telecomunicação Boletim de Sistemas de Telecomunicações Laboratórios Underwriters Laboratórios Underwriters do Canadá Código Universal de Produto Fonte de Alimentação Ininterrupta (no break) Estados Unidos Par Trançado Não-blindado Voice over Internet protocol Área de Trabalho Rede Ampla Wireless Access point Ponto de Acesso sem fio Wireless Fidelity: Fidelidade sem fio, Padrão de comunicação sem fio Caixa de Tomada Impermeável Cross-connect Zone Distribuition Area: Área de Distribuição de Zona Observação: A letra maiúscula é usada somente em títulos distintos. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 3-5

6 UNIDADES DE MEDIDA A Ampères db Decibel C Graus Celsius F Graus Fahrenheit ft Pés g Aceleração da gravidade G Grama GHz Gigahertz Hz Hertz In Polegadas J Joule kg Quilograma khz Quilo hertz km Quilômetro kn Quilo newtons kv Quilo volt vva Quilo volt ampères lbf Força Libra lx Lux m Metro ma Mili ampères mb/s Megabits por segundo mg Miligramas MHz Megahertz mm Milímetro N Newton nf Nano farad nm Nanômetros ns Nano segundos pf Pico farad ppm VoIP Partes por milhão Voice over Internet Protocol V Volts Vac Corrente alternada em Volts Vdc Corrente contínua em Volts Vrms Valor Quadrático Médio em Volts µa Micro ampères µg Micrograma µm Mícron ou micrometro Ω Ohm 3-6 Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

7 GLOSSÁRIO DEFINIÇÕES Acesso ao piso Um sistema consistindo de painéis de piso completamente removíveis e intercambiáveis que são apoiadas em pedestais ou vigas (ou ambos) para permitir acesso a área inferior. (Fonte ANSI/TIA-569-B) (Fonte ISSO/IEC 18010) Acesso ao Provedor O operador de qualquer instalação utilizado para transmitir sinais de telecomunicações, de e para as dependências do cliente. (Fonte: ANSI/TIA/EIA-568-C) Adaptador Dispositivo que permite qualquer ou todas das seguintes possibilidades: a) plugues de tamanhos ou tipos diferentes para combinarem uns com os outros ou encaixarem-se em um conector/tomada de telecomunicações; b) rearranjo de configuração dos condutores; c) grandes cabos com inúmeros condutores para formar grupos menores de fios; d) interconexão entre cabos. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C). Adaptador de Fibra Óptica Dúplex Um dispositivo mecânico projetado para alinhar e unir dois conectores de fibra óptica dúplex (plugues) para formação de uma conexão óptica dúplex. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C). Administração Método de etiquetagem, identificação, documentação e uso, necessário para implementar mudanças, acréscimos e modificações na infra-estrutura de telecomunicações. (Fonte ANSI/TIA-568-C) Administração A metodologia que define os requisitos de documentação de um sistema de cabeamento e seu conteúdo, a etiquetagem de componentes funcionais e o processo pelo qual adições e mudanças são registradas. (Fonte ISO/IEC 11801). ANEXT Alien Paradiafonia o acoplamento de um sinal transmitido na extremidade próxima de um cabo de um par em um cabo de quatro pares para o par colorido semelhante em um cabo de quatro pares adjacente. ANEXT (Alien Near-end Crosstalk) Loss Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 3-7

8 Acoplamento de sinal de pares de canais de distribuição da extremidade próxima em um par distribuído de um canal vizinho ou peça correspondente, medido na extremidade próxima. AFEXT Telediafonia - O acoplamento de um sinal transmitido na extremidade distante de um cabo de um par em um cabo de quatro pares para o par colorido semelhante em um cabo de quatro pares adjacente. AFEXT (Alien Far-end Crosstalk) Loss Alien Telediafonia é uma medida do acoplamento indesejável de sinal de pares de canais distribuindo na extremidade próxima de um par distribuído de um canal vizinho ou parte dele medido na extremidade distante. Alien Crosstalk Diafonia Acoplamento de sinal de pares distribuídos para um par distribuído de um canal vizinho ou uma peça correspondente. Agrupamento de Área de Trabalho Grupo adjacente de áreas de trabalho que não compreende os corredores. Agrupamento de Móveis Um grupo contíguo de áreas de trabalho, normalmente incluindo divisórias de espaços, superfícies de trabalho, armazenamento e assentos. Alien Crosstalk Diafonia Acoplamento de sinal de pares distribuídos para um par distribuído de um canal vizinho ou uma peça correspondente Alien Far-end Crosstalk (AFEXT) Loss Perda por Telediafonia Acoplamento de sinal dos pares de canal de distribuição da extremidade próxima em um par distribuído de um canal vizinho ou peça correspondente, medido na extremidade distante. Alien Near-end Crosstalk (ANEXT) Loss Perda por Paradiafonia Acoplamento de sinal de pares de canais de distribuição da extremidade próxima em um par distribuído de um canal vizinho ou peça correspondente, medido na extremidade próxima. Alimentação de Emergência Fonte de alimentação autônoma que não depende da fonte elétrica primária. (Fonte ANSI/TIA/EIA-569-A.). Alimentador de Tomada (Header) Conduíte semelhante a um duto de cabeça, normalmente fornecido em comprimentos menores para conectar diversos dutos de distribuição. (Fonte ANSI/TIA/EIA-569-B.). Anel de Gesso Placa de metal ou plástico, fixada à parede com o propósito de montar uma tomada de telecomunicações. (Fonte ANSI/TIA/EIA-569-B). 3-8 Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

9 Antichamas Intumescente Um material antichamas que se expande sob calor Aplicação Sistema cujo método de transmissão é atendido por cabeamento de telecomunicações. (Fonte ISO/IEC ). Área de Distribuição de Equipamentos O espaço da sala de informática ocupado pelos racks ou gabinetes. Área de Distribuição de Zona Um espaço na sala de informática onde uma tomada de zona ou um ponto de consolidação está localizado. Área de Distribuição Horizontal Um espaço na sala de informática onde o cross-connect horizontal está localizado. (Fonte TIA 942). Área de Distribuição Principal O espaço na sala de informática onde o cross-conect principal está localizado. (Source TIA 942). Área de Trabalho Espaço do edifício no qual os ocupantes interagem com o equipamento terminal de telecomunicações. (Fonte ISO/IEC ) e (Fonte ANSI/TIA/EIA-569-B). Área de Trabalho Individual Espaço mínimo no edifício que seria reservado a um ocupante. (Fonte ISO/IEC 11801). Armário de Telecomunicações Uma caixa ou armário para equipamento de telecomunicações, terminações de cabo e cabeamento de cross connect. Armário Elétrico Compartimento para atendimento de um pavimento, utilizado para alojar equipamentos elétricos, painéis e controles. O armário é a interface entre a prumada elétrica do prédio e sua respectiva distribuição. Associação das Indústrias de Telecomunicações (TIA) Uma organização para padronização que, entre outras atividades, especifica características funcionais e elétricas de equipamentos de interface. A organização estabelece normas para interfaces, visando assegurar a compatibilidade entre equipamentos de comunicação de dados e equipamento terminal de dados. Associação das Indústrias Eletrônicas (EIA) Organização de normatização que especifica as características elétricas e funcionais de equipamentos de interface. A organização estabelece normas para interfaces, visando assegurar a Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 3-9

10 compatibilidade entre equipamentos de comunicação de dados e equipamentos terminais de dados. Atenuação A diminuição na magnitude da intensidade do sinal de transmissão entre pontos expressa em db como a relação dos níveis do sinal de entrada para saída. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C). Atenuação de Acoplamento Atenuação de acoplamento é a relação entre a potência transmitida através dos condutores e a potência de pico máxima irradiada, conduzida e gerada pelas correntes de modo comum. (Fonte ISO/IEC 11801). Aterramento Conexão condutiva, seja intencional ou acidental, entre um equipamento ou circuito elétrico (telecomunicações) e o terra, ou com algum corpo condutor que sirva no lugar do terra. (Fonte ANSI J-STD -607A). ATM Modo de Transferência Assíncrono. Tecnologia selecionada pela União Internacional de Telecomunicações (ITU, ex-ccitt), para ISDN (RDSI) em banda larga. Este protocolo de comunicações também está sendo investigado pelo ATM Fórum (Foster City, CA), para transmissão em 155 Mb/s por meio de cabos de pares trançados. Backbone Uma instalação (por exemplo, passagem, cabos ou condutores) entre as salas de telecomunicações, ou terminais de distribuição no piso, ou entre as infra-estruturas de entrada e as salas de equipamento dentro ou entre edifícios. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-B). Backbone de Edifício Cabeamento para interconexão dos espaços de telecomunicações, da entrada da instalação de telecomunicações para um cross-connect horizontal dentro de um edifício. Backbone Inter-edifício Cabo(s) de telecomunicações de backbone que faz(em) parte do subsistema do campus, que conecta um edifício a outro. Pode ser instalado um backbone interedifício, utilizando método subterrâneo (em conduíte), diretamente enterrado, aéreo ou em túnel. Backbone Intra-Edifício Cabo ou cabos de telecomunicações de backbone, que fazem parte do subsistema do edifício para conexão de um armário a outro. Os métodos de instalação incluem: teto, esteira de cabo e conduíte Balun Um dispositivo que transforma uma tensão não-balanceada em uma tensão balanceada ou viceversa. (Fonte TR ISO/IEC: 2000(E)) 3-10 Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

11 Barramento de Terra de Telecomunicações Um ponto de conexão comum para o sistema de telecomunicações e bonding de equipamento para terra, e localizado na sala de telecomunicações ou sala de equipamentos. (Fonte ANSI/TIA/EIA-607). Blindagem (Screen) Camada metálica colocada ao redor de um condutor ou grupo de condutores. OBSERVAÇÃO: A blindagem pode ser a capa metálica do cabo, ou a camada metálica dentro de uma capa nãometálica. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-B). Bonding (Aglutinação) Junção permanente de peças metálicas para formar um caminho eletricamente condutivo, que assegurará a continuidade elétrica e a capacidade de conduzir em segurança qualquer corrente que possa vir a ser imposta sobre ela. (Fonte ANSI/TIA-568-C). Bonding (Aglutinação) O processo de conexão dos condutores de aterramento ao cabeamento, sistemas de encaminhamento ou componentes em pontos de aterramento identificados dentro dos prédios comerciais como especificado nas normas nacionais ou locais. (Fonte TR ISO/IEC: 2000(E)) Cabeamento Combinação de todos os cabos, jumpers, cordões e hardware de conexão. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C). Cabeamento Sistema de cabos, cordões e hardware de conexão para telecomunicações, que pode servir como meio físico para a conexão de equipamentos de tecnologia da informação. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabeamento Centralizado Uma configuração de cabeamento da área de trabalho para um cross-connect centralizado usando os métodos de pull-through, interconexão ou emenda na sala de telecomunicações. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C). Cabeamento Centralizado de Fibra Óptica Uma configuração de cabeamento óptico da área de trabalho para um cross-connect centralizado usando os métodos de pull-through, interconexão ou emenda na sala de telecomunicações. Cabeamento de Backbone Cabo e ferragens de ligação que compõem os cross-connects principal e intermediário, bem como passagens de cabo que se estendem entre as salas de telecomunicações, salas de equipamentos e infra-estruturas entradas de entradas. Cabeamento Genérico Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 3-11

12 Sistema de cabeamento estruturado de telecomunicações, capaz de atender a uma ampla gama de aplicações. Pode ser instalado sem conhecimento anterior das aplicações requeridas. Os equipamentos de aplicação específica não fazem parte do cabeamento genérico. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabeamento Horizontal Cabo que conecta o distribuidor de um pavimento específico às suas tomadas de telecomunicações. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabeamento Horizontal O cabeamento entre e incluindo o conector/tomada de telecomunicações e o cross-connect horizontal. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C). Cabeamento Horizontal Fixo Um cabo que conecta o distribuidor de piso ao ponto de consolidação (CP) quando a CP esta presente, ou à saída de telecomunicação (TO) quando a CP esta ausente. (Fonte ISO/IEC 11801) Cabeamento Horizontal O cabeamento entre, e incluindo, a saída do sistema de automação do edifício ou a primeira terminação mecânica do ponto de conexão horizontal e o crossconnect horizontal. Cabeamento Horizontal Em um data center, o cabeamento horizontal é o cabeamento que liga a interconexão horizontal (na área de distribuição principal ou área de distribuição horizontal) à saída na área de distribuição do equipamento ou área de distribuição de zonas (Fonte TIA 942). Cabo Um conjunto de um ou mais condutores ou fibras ópticas isoladas dentro de uma capa envoltória. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C). Cabo Conjunto de uma ou mais unidades de cabos do mesmo tipo e categoria, dentro de uma única capa. Este pode incluir, ainda, uma blindagem total. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabo (com Envoltório em Espiral) Conjunto de dois ou mais cabos individuais, (de qualquer tipo ou categoria reconhecida), atados por algum tipo de fita ou tira, para formar uma construção simples e unificada. Cabo Aéreo Cabo de telecomunicações instalado em estruturas aéreas, tais como postes, laterais de edifícios e outras estruturas. (Fonte ANSI/TIA/EIA-569-B). Cabo Balanceado Cabo constituído de um ou mais elementos de cabo metálico simétricos (pares ou quadras trançadas). (Fonte ISO/IEC ). Cabo Balanceado Não Blindado (Unscreened) Cabo balanceado sem nenhuma malha. (Fonte ISO/IEC 11801) Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

13 Cabo Blindado com tela Balanceado (Screened) Um cabo balanceado com uma malha geral e/ou malhas para cada condutor individual. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabo CP Cabo que conecta o ponto de consolidação a saída(s) de telecomunicação. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabo da Área de Trabalho Cabo que conecta a tomada de telecomunicações com o equipamento terminal. (Fonte ANSI/TIA-568-C) (Fonte:ISO/IEC11801). Cabo de Backbone de Campus Cabo que conecta o distribuidor de campus ao(s) distribuidor (es) dos edifícios. Cabos de backbone de campus podem também conectar diretamente os distribuidores dos edifícios. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabo de Backbone do Edifício Cabo que conecta o distribuidor do edifício ao distribuidor de um andar. Os cabos do backbone do edifício também devem interconectar os distribuidores do andar do mesmo edifício. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabo de Equipamento Cabo ou conjunto de cabos utilizado para conectar o equipamento de telecomunicações a sistemas de cabeamento horizontal ou de backbone. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C). Cabo de Equipamento Cabo que conecta um equipamento a um distribuidor. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabo de Fibra Óptica Conjunto composto de uma ou mais fibras ópticas. (Fonte ANSI/TIA-568-C). Cabo de Fibra Óptica Um cabo que consiste de um ou mais condutores de fibra óptica. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabo em Feixe Um conjunto de dois ou mais cabos unidos continuamente que formam uma única unidade. (Fonte ANSI/TIA-568-C). Cabo Enterrado Cabo instalado sob a superfície do solo, de tal maneira que não possa ser removido sem prejudicar o solo. (Fonte ANSI/TIA-569-, 758) Cabo enterrado diretamente Um cabo instalado subterraneamente que não pode ser removido sem escavação do solo (Source ISO/IEC 18010). Cabo Híbrido Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 3-13

14 Conjunto de dois ou mais cabos de diferentes tipos ou categorias, coberto por uma capa total. Pode ser coberto por uma blindagem total (ISO/IEC e ANSI/TIA/-568-C). Cabo Multipares Um cabo de pares trançados (balanceado) com mais de quatro pares. (Fonte ANSI/TIA-568-C). Cabos Blindados Conjunto de dois ou mais elementos de cabos de pares trançados balanceados ou um ou mais elementos de cabos em quadras envolvidos em uma blindagem total, dentro de um tubo ou capa comum. (Fonte ISO/IEC 11801). Cabos com Pares Trançados Blindados Cabo eletricamente condutivo que compreende um ou mais elementos blindados individualmente. Pode haver uma blindagem total, denominada cabo com pares trançados blindados, com uma blindagem total. (Fonte ISO/IEC 11801). Caixa da Tomada de Telecomunicações Um alojamento usado para abrigar conectores/tomada de telecomunicações. (Fonte ANSI/TIA- 569-C). Caixa de Emendas Um alojamento usado para abrigar conectores/tomada de telecomunicações. (Fonte ANSI/TIA- 569-B). Caixa de Inspeção Pull Box Uma caixa localizada em um encaminhamento usado para facilitar a colocação dos fios ou cabos. Caixa de Junção Um local no sistema de encaminhamento que permite a transição de encaminhamentos e acesso aos cabos. Caixa de Zona Uma caixa utilizada para acomodar o seguinte: a) um ponto de consolidação, b) um ponto de conexão horizontal, c) tomadas do sistema de automação de edifícios. Calha Passagem para a acomodação de cabo, normalmente provida de uma tampa removível. (Fonte ANSI/TIA/EIA-569-B). Campo do Hardware de Conexão Elemento ou unidade única que contém uma ou mais fileiras ou colunas para terminação de cabeamento. Os exemplos de campos de hardware de conexão incluem individualmente: painel de ligações (patch panel) com 24 portas bloco de conexão S110, de 100 pares. bloco de conexão S66M1-50, de 50 pares Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

15 painel de ligações de fibra óptica Campus Edifícios ou terrenos que apresentam interconexões adjacentes legais. (Fonte ANSI/TIA-568- C). Campus Dependências que contêm um ou mais edifícios. (Fonte ISO/IEC ). Canal Via de transmissão ponta a ponta entre dois elementos (receptor e transmissor) à qual é conectado o equipamento específico para uma aplicação. (Fonte ANSI/TIA-568-C) Canal Via de transmissão de ponta a ponta conectando dois equipamentos ativos quaisquer. Os cabos do equipamento e da área de trabalho estão incluídos no canal, porém a porta do equipamento ativo não. (Fonte ISO/IEC 11801). Canaleta (Raceway) Qualquer canal interno fechado projetado para acomodar fios ou cabos (Fonte ANSI/TIA-569- B) Canaleta Subterrânea Um encaminhamento colocado dentro do piso do qual cabos e fios emergem para uma área específica do piso. Capa Veja Capa de Cabo. (Fonte ANSI/TIA/EIA-569-A). Capa de Cabo Cobertura sobre o conjunto de condutores que pode incluir um ou mais membros metálicos, membros de tração ou outras capas. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C). Célula Elemento único de um sistema de dutos de piso. (Fonte ANSI/TIA-569-B). Célula em Branco Espaço oco da unidade de piso de concreto celular ou metálico celular, sem conexões instaladas na fábrica. (Fonte ANSI/TIA-569-B) Central de Comutação Privada (PBX ou PABX) Sistema de comutação privada que normalmente atende a uma organização, tal como uma empresa, localizado nas dependências do cliente. O sistema comuta chamadas tanto externas quanto internas ao edifício, e às vezes pode prover acesso a um computador a partir de um terminal de dados. Coluna de Utilidades Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 3-15

16 Uma coluna que se estende do teto ao mobiliário ou ao piso, e que forma uma passagem para fiação elétrica, cabo de telecomunicações ou ambos. (Fonte ANSI/TIA-569-B)(Fonte ISO/IEC 18010) Obs. também pode ser utilizado para montar ou conter hardware de conexão. Compartimento Compartimento aberto ou fechado construído para acondicionar hardware de conexão (Fonte TR ISO/IEC: 2000(E)). Concretagem monolítica Enchimento simples e contínuo de concreto em um pavimento e colunas de qualquer pavimento de uma estrutura de um edifício. (Fonte ANSI/TIA-569-B). Concreto Protendido Tipo de construção em concreto armado na qual o aço é colocado sob tensão, e o concreto sob compressão, após este ter endurecido. (Fonte ANSI/TIA-569-B). Concreto Reforçado Um tipo de construção na qual aço (reforço) e concreto são combinados, com a resistência de tração do aço e a resistência à compressão do concreto. Conduíte (1) Um duto de seção transversal circular. (2) Uma estrutura contendo um ou mais dutos. (Fonte ANSI/TIA-568-C) e (Fonte ANSI/TIA/EIA-569-B). Observação: O termo conduíte inclui a tubulação elétrica metálica (EMT) ou tubulação elétrica não-metálica (ENT). Condutor de Aterramento Um condutor usado para conectar os eletrodos de aterramento das instalações ao barramento principal de aterramento dos edifícios. Condutor de Bonding para Telecomunicações Condutor que interconecta a infra-estrutura de bonding de telecomunicações ao terra (alimentação) de serviço do edifício. (Fonte ANSI/TIA/J-STD-607A) Condutor de Dreno Um condutor desencapado em contacto elétrico com uma blindagem. (Fonte ANSI/TIA/EIA- 568-B) Conector (Small Form Factor) Um conector de fibra óptica projetado para acomodar duas ou mais fibras ópticas com pelo menos a mesma densidade de montagem como o conector usado para cabeamento balanceado (Fonte ISO/IEC 11801). Conexão 3-16 Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

17 Dispositivo de acoplamento ou uma combinação de dispositivos que inclui terminações utilizadas para conectar cabos ou elementos de cabos, à outros cabos, elementos de cabos ou equipamento de aplicação especifica (Fonte ISO/IEC 11801). Conexão de Fibra Óptica Dúplex Conjunto combinável de dois conectores dúplex e um adaptador dúplex. (Fonte ANSI/TIA-568-C). Conexão Direta(Punch Down) Método de terminação do condutor em um conector ou tomada, no qual o fio isolado é colocado no encaixe deste e comprimido para baixo por uma ferramenta especial. À medida que o fio é fixado, a terminação desloca o isolamento do condutor para efetuar uma conexão elétrica, e a lâmina da ferramenta apara o fio rente ao terminal. Também chamado de "cut down" Contenção de Incêndio O processo de instalação dos materiais relacionados com classificação quanto à resistência ao fogo como parte integrante em barreiras com classificação quanto à resistência ao fogo para reestabelecer a classificação de resistência ao fogo da barreira Cordão Unidade de cabo ou elemento com o mínimo de uma terminação. (Fonte ISO/IEC 11801) Cordão de Equipamento Cordão de conexão entre o equipamento e o distribuidor. (Fonte ISO/IEC 11801) Cordão, Telecomunicações Um cabo utilizando condutores multifilares para flexibilidade, como em cabos de distribuição ou cabos de energia. (Fonte ANSI/TIA-568-C) Corrente de Fuga Corrente de baixo nível, com intensidade insuficiente para disparar protetores contra surto elétrico, e, portanto, capaz de passar por estes sem ser detectada. Estas correntes podem originar-se do contato entre as linhas de comunicação e os circuitos de alimentação em CA, ou a partir da indução de circuitos de potência, e podem danificar equipamentos por superaquecimento. Corta-Chamas Um material, dispositivo, ou conjunto de peças com classificação quanto à resistência ao fogo instalados como parte integrante de uma barreira com classificação à resistência ao fogo. Corta chamas de Cimento Um material corta chamas semelhante a uma argamassa. Veja sistemas Corta chamas. Corta chamas Elastomérico Um material corta chamas que se parece com borracha. Veja também Corta Chamas. CP Link Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 3-17

18 A parte do link permanente entre o distribuidor de piso e o ponto de consolidação, incluindo o hardware de conexão à cada terminação (Fonte ISO/IEC 11801). Cross-connect (X) Instalação que possibilita a terminação de elementos de cabo e sua interconexão, basicamente através de cordões de conexão ou jumpers (Fonte ISO/IEC 11801). Cross-connect (X) Instalação que possibilita a terminação dos elementos de cabo e sua interconexão e/ou crossconnect. (Fonte ANSI/TIA-568-C). Cross-connect Intermediário Cross-connect entre o cabeamento de backbone de primeiro e segundo níveis. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C). Cross-connect Principal Um cross-connect para o primeiro nível dos cabos de backbone, cabos de entrada e cabos dos equipamentos. (Fonte ANSI/TIA-568-C). Cross-connect, Horizontal Interconexão do cabeamento horizontal com outro cabeamento (por exemplo, horizontal, backbone, equipamento). (Fonte ANSI/TIA-568-C). Cross-connection Esquema de conexão entre segmentos de cabos, subsistemas e equipamentos que utilizam patch cords ou jumpers ligados ao hardware de conexão em cada extremidade. (Fonte ANSI/TIA-568- B). Crossover Unidade de junção no ponto de intersecção de duas bandejas de cabos, calhas, ou dutos em diferentes planos. (Fonte ANSI/TIA-569-B). Dados Informação eletronicamente codificada. (Fonte ANSI/TIA-568-C) Data Center Um edifício, ou parte de um edifício, cuja função principal é alojar uma sala de informática, um centro de operações de rede (NOC) e suas áreas de apoio. Decibel (db) Unidade padrão que expressa ganho ou perda de transmissão e níveis de potência relativa. Delay Skew A diferença no atraso da propagação entre dois pares quaisquer dentro do mesmo cabo. (Fonte ANSI/TIA-568-C) 3-18 Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

19 Dependências do Cliente Edifício(s) com terrenos e guarnições (pertences) sob o controle do cliente (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-C) (Fonte ISO/IEC 18010). Derivação em Ponte Aparecimentos múltiplos do mesmo par de cabo em diversos pontos de distribuição. (Fonte ANSI/TIA-568-C). Desequilíbrio da Resistência em Corrente Contínua Medida da diferença dos valores da resistência entre pares adjacentes de objetos. Desvio da Perda de Inserção A diferença entre a medida da perda de inserção de uma sequencia de componentes e a perda por inserção determinada pela simples adição das perdas dos componentes individuais. (Fonte ISO/IEC 11801) Diafonia(Crosstalk) Ruído ou interferência gerado pelo acoplamento eletromagnético entre um condutor de sinal e outro. Normalmente, a diafonia é expressa em decibéis. Dinâmica Mínima do Raio de Curvatura O raio mínimo de curvatura permitido em um cabo durante a instalação (Fonte TR ISO/IEC: 2000(E)). Dispositivo (Área de Trabalho) Item como um telefone, microcomputador ou terminal gráfico/de vídeo. (Fonte ANSI/TIA/EIA-568-B.) (Fonte ISO/IEC 18010). Dispositivo (proteção) Protetor, base montagem do protetor, unidade de protetor ou módulo de protetor. Dispositivo de Distribuição Um localizado dentro da unidade de habitação para interconexão ou cross-connect. (Fonte ANSI/TIA/EIA-570-A). Dispositivo para Casamento de Impedância Um dispositivo projetado para casar a impedância do equipamento de transmissão à do cabeamento instalado (Fonte TR ISO/IEC: 2000(E)). Dispositivo Poke-Thru Uma montagem que permite a penetração de cabos de telecomunicações, de energia, ou ambos, através do piso, mantendo a integridade anti chamas do piso. Distribuidor Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 3-19

20 Termo empregado para as funções de um conjunto de componentes (por exemplo, patch panels, patch cords) utilizados para interconectar cabos. (Fonte ISO/IEC 11801). Distribuidor de Campus Distribuidor a partir do qual se origina o cabeamento de backbone de campus. (Fonte ISO/IEC ). Distribuidor de Piso Distribuidor utilizado para conectar o cabo horizontal a outros subsistemas de cabeamento ou equipamentos. (Fonte ISO/IEC 11801). Distribuidor do Edifício Distribuidor onde terminam os cabos do backbone do edifício, e nos quais podem ser feitas conexões com os cabos do backbone de campus. (Fonte ISO/IEC ). Duto 1. Conduíte simples fechado para fios ou cabos. Veja também conduto, raceway. 2. Conduíte simples fechado para fios ou cabos, normalmente utilizado no solo ou em concreto. 3. Cubículo no qual o ar é movimentado. Em geral faz parte do sistema HVAC de um edifício. (Fonte ANSI/TIA-568-C). Duto de Alimentação Veja Duto de Cabeça. (Fonte ANSI/TIA-569-B) (Fonte ISO/IEC18010). Duto de Cabeça Condutor de seção transversal retangular colocado no piso ou logo abaixo do piso acabado, para fixar duto(s) ou célula(s) de distribuição ao armário de telecomunicações. Com freqüência, é referido como alimentador fechado ou duto de condução. Um duto de condução é um duto alimentador instalado em nível com o piso acabado, tendo tampas removíveis em toda sua extensão e divisores para separar os serviços. (Fonte ANSI/TIA-569-B.). Duto de cabeça, Duto de Vala e Duto de Alimentação Um sistema de gerenciamento de cabos de seção transversal retangular instalado no piso para fixar os dutos de distribuição às salas de telecomunicações. (Fonte ISO/IEC 18010) Duto de Distribuição Conduíte de uma seção transversal retangular colocado no piso acabado ou logo abaixo dele, e utilizado para estender os condutores ou cabos até uma área/estação de trabalho. (Fonte ANSI/TIA-569-B). Duto de Dois Níveis Um sistema de canaleta subterrâneo instalado com as canaletas de cabeça e as canaletas de distribuição em dois planos distintos. Duto de Vala Ver duto de Cabeça (Fonte ISO/IEC 18010) Duto do Backbone 3-20 Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng. Categoria 6 Aumentada: Standards Update Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1 Resumo A nova norma, em desenvolvimento, ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir.

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir. INTRODUÇÃO Cabeamento para Voz e Dados Os novos cabeamentos para telecomunicações oferecem muito mais qualidade, flexibilidade, valor e função para as necessidades presentes e futuras. Hoje, a sobrevivência

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

TESTE DO SISTEMA OBJETIVO DA SEÇÃO

TESTE DO SISTEMA OBJETIVO DA SEÇÃO OBJETIVO DA SEÇÃO I. Lembrar-se dos requisitos de equipamentos de testes para cabos de pares trançados balanceados e fibras ópticas e seu uso adequado. II. Lembrar-se dos requisitos de testes de enlace

Leia mais

ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86

ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86 4 R E S U M O D A S N O R M A S N O R M A S Introdução... 76 ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86 INTRODUÇÃO Cabeamento

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabos Metálicos de Cobre (Norma ANSI/TIA-568-C.2) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace)

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado Sistema de Cabeamento Estruturado Subsistemas 1 Subsistema Cabeamento Horizontal 2 Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho - ATR 4 - Armário de Telecomunicações

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 10 Testes e certificação Configuração de teste de campo para cabos de par trançado de 100 ohms Teste de Canal: Inclui os 90m do cabeamento horizontal, o patch cord do equipamento

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO FINALIDADE

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO FINALIDADE INTRODUÇÃO O presente manual define um sistema de cabeamento de telecomunicações para edifícios comerciais. A metodologia aqui definida abrange os princípios do projeto e as práticas de instalação do Sistema

Leia mais

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010 Testes de Certificação Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Santa Catarina, Campus São José tisemp@ifsc.edu.br 13 de Abril de 2010 Prof. Tiago (IFET/SC) Cabeamento Estruturado 13 de Abril de 2010

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

FUTURAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE CABEAMENTO

FUTURAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE CABEAMENTO FUTURAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE CABEAMENTO A indústria de redes muda muito rapidamente. Um fato que tem contribuído para o crescimento explosivo das LANs, WANs e da Internet tem sido os padrões de cabeamento

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

ABNT NBR 14.565 Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers Parte 2/2

ABNT NBR 14.565 Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers Parte 2/2 ABNT NBR 14.565 Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers Parte 2/2 ALUNO: REDES DE COMP. TURMA: RDN2 DATA: 12/11/2013 Av. Vitória, 950 Forte São João 29017-950

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Administração Euber

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

TESTES E CERTIFICAÇÃO

TESTES E CERTIFICAÇÃO PROFESSOR NORBERTO - CABEAMENTO ESTRUTURADO TESTES E CERTIFICAÇÃO Para garantir a qualidade das instalações e a performance desejada é necessário que tenha-se certeza que a obra foi realizada dentro das

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

Normalização Conceitos & Atualização

Normalização Conceitos & Atualização Normalização Conceitos & Atualização Prof. Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. Engenheiro Eletricista marin@paulomarin.com São Paulo 17/10/2013 Minhas Credenciais Prof. Dr. Paulo Marin, Engº. Estudos de pós-doutorado

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Redes de Computadores. Cabeamento Estruturado

Redes de Computadores. Cabeamento Estruturado Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 4 Propriedades desejadas de um sistema de cabeamento estruturado: Máxima independência na tecnologia de acessos a redes. Maior adequação à

Leia mais

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO AGENDA CONCEITOS CARACTERÍSTICAS DE UMA REDE BLINDADA CABOS BLINDADOS FURUKAWA PARÂMETROS ELÉTRICOS ESPECIAIS NOVA GERAÇÃO DE CABOS CONCEITOS A EMI é um problema

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 02 Cabeamento

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 04 Sistemas

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

Norma TIA/EIA 568-A Um Guia de Referência sobre as Normas de Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais

Norma TIA/EIA 568-A Um Guia de Referência sobre as Normas de Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais Norma TIA/EIA 568-A Um Guia de Referência sobre as Normas de Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais #175675 4M 3/96 1996, Anixter Inc. ÍNDICE A Anixter atua como uma provedora de valor

Leia mais

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Normas e Padrões Prof. Marciano dos Santos Dionizio Devido à falta de padronização para cabeamento de redes, em 1991 a EIA (Electronics Industries Alliance) e a TIA (Telecomunications Industry Association)

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida Já imaginou a bagunça...

Leia mais

PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO

PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito esta seção, o aluno deve estar apto a: I. Descrever os requisitos gerais de instalação aplicado no Sistema de Cabeamento Siemon. II. III. IV. Descrever os requisitos

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 Cabeamento Estruturado Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 1 Roteiro da Apresentação Cabeamento Estruturado Evolução Histórico da Padronização Definição Projeto

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

DECA 10. Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14

DECA 10. Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14 Página Visão HellermannTyton sobre 10G Deca10 Categoria 6A 14 Ferramenta de Inserção sem Impacto 15 Conector Categoria 6A 16 Patch Panel Descarregado 24 portas Deca10 17 Cabo 4 pares trançados F/FTP 17

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida ...rede interna estruturada

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA APRESENTAÇÃO As especificações contidas neste memorial são referentes às instalações de cabeamento estruturado do prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região TRT, localizado na Av. Jorn.Rubens

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04 PLANO DE ENSINO Curso: REDES DE COMPUTADORES Disciplina: PRÁTICAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Professor: FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ Período: NOTURNO Carga Horária: 80h Ano Letivo: 2008 Período: 1º semestre

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores

Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores Fonte: Prof. Ivan Max Freire de Lacerda Bacharel em Ciências da Computação pela UFRN; Professor âncora do SENAC/RN nas áreas de informática

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Redes de Computadores II. Redes de Computadores

Redes de Computadores II. Redes de Computadores Redes de Computadores II Redes de Computadores 1 1 Padrão EIA/TIA 569A Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais 2 2 Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais ANSI/TIA/EIA 569-A

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade. DG Distribuidor Geral (Quadro de Entrada da Empresa de Telecom);

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade. DG Distribuidor Geral (Quadro de Entrada da Empresa de Telecom); ABREVIATURAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas; ANSI American National Standards Institute; CSA Canadian Standards Association; ISO - International Standard Organization; ITU International

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado 01 - Visão geral das Redes Ethernet 02 - Conceitos de cabeamento estruturado 03 - O cabling e as normas EIA/TIA 04 - Infraestrutura para o cabeamento 05 -

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 2 CABEAMENTO DE REDES Prof. José Wagner Bungart MEIOS DE TRANSMISSÃO Os meios de transmissão em uma comunicação de dados são qualquer tipo de mídia que seja

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

sorayachristiane@globo.com

sorayachristiane@globo.com sorayachristiane@globo.com 1 CABEAMENTO ESTRUTURADO INTERNACIONAIS EIA/TIA 568 B - Sistemas de Cabeamento para Edificios Comerciais. EIA/TIA 569 A - Adequações e Estruturas Internas para Cabeamento em

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Patch Cord Tipo RJ-45 - RJ45 - CATEGORIA 5 Modelo: D8AU Patch Cord com comprimento aproximado de xx metros, com conectores modulares de 8 posições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5)

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5) Os patch cords, line cords ou cordões têm como função a interligação entre o equipamento do usuário

Leia mais