Em Coimbra haviam trabalhado os dois activamente no C. A. D. C., promovendo a sua reabertura quase dois anos depois do assalto que a associação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em Coimbra haviam trabalhado os dois activamente no C. A. D. C., promovendo a sua reabertura quase dois anos depois do assalto que a associação"

Transcrição

1 DOUTOR EM COIMBRA Quando Salazar se matriculou na Universidade de Coimbra a vida portuguesa atravessava uma das suas grandes crises. O parlamentarismo monárquico, que se arrastou durante dezenas de anos em mecanismo artificial, à margem das ideias-forças da comunidade nacional, atingira o ponto extremo da sua degradação. Ao tentar caminho diferente, o Rei fora abatido por balas revolucionárias. Dois anos após, passados em inquietações e perigos, o regime oito vezes secular fora derrubado e instaurada a República. Mas esta, em vez de se guiar pelo bom-senso, foi arrastada pela emotividade da demagogia em que se integrava uma campanha furiosamente anticatólica. A Lei da Separação da Igreja e do Estado não foi de separação mas de perseguição religiosa, visando declaradamente, nas palavras do seu autor, a extinção do Catolicismo. Na Universidade de Coimbra os estudantes católicos reagiram, procurando realizar primeiro uma acção de esclarecimento, a que naturalmente se seguiria a intervenção para defesa da integridade e da liberdade da Igreja. Dominava a ideia desses rapazes a orientação das encíclicas de Leão XIII, em ordem à recristianização de uma sociedade minada pelo materialismo prático da expansão industrial, criando e agravando problemas que estão na origem dos idealismos socialistas. Salazar era um moço cheio de fé e preocupado com os problemas fundamentais da sua época. Foram os vícios da nossa educação que primeiro e mais fortemente o inquietaram. Daí o terem sido objecto das suas primeiras conferências e artigos na Imprensa. O ambiente de Coimbra não tardou a mobilizá-lo para o que ele considerava o se dever. Faz uma vida recolhida. Estuda e dá explicações para se manter e poder ir, todos os fins de semana, visitar a família. Não o encontram nunca nas tertúlias dos cafés e das livrarias, nas ceatas de estudantes, nas serenatas ao luar. Tem um grupo restrito de colegas com quem convive, embora se dê bem com todos. Fora das aulas porém, conhece-o o C. A. D. C. (Centro Académico da Democracia Cristã), onde os estudantes católicos se agrupam, preocupados em defender a posição da Igreja fora e acima das ideias políticas em confronto. Se os ideais republicanos se apresentavam de cariz acentuadamente anti-católico - e não apenas anti-clerical - a reacção monárquica reclamava para si o exclusivo da defesa do catolicismo. Uns e outros pecavam por tentarem identificar-se com o que, por definição, não se vincula a formas de governo, embora seja incompatível com os fundamentos filosóficos em que assentam algumas ideologias orientadoras de estruturas da sociedade. No C. A. D. C. se encontrou o moço com alguns estudantes que viriam a ser também figuras de relevo na sociedade portuguesa. Entre eles é de destacar o padre Manuel Gonçalves Cerejeira, que se formou em Letras e cursou Direito, ascendendo a professor da Faculdade de Letras, onde ensinaria até ser sagrado bispo e vir para Lisboa, cuja Sé Patriarcal lhe seria mais tarde confiada. Criou-se entre os dois jovens, identificados pela fé esclarecida e actuante e pelos mesmos ideais de acção educativa, uma amizade que durou toda a vida. Chegaram a viver na mesma casa, em regime de «república», com uma criada comum. Apesar dessa amizade, é de notar que jamais o Cardeal Cerejeira exerceu ou tentou exercer qualquer influência no seu amigo, elevado que este foi à chefia do Governo. Salazar era de uma extrema susceptibilidade na defesa dos direitos e das prerrogativas do poder civil. Não aceitava intromissões, nem admitia que tal pudesse parecer. Quando vieram ambos para Lisboa, não se visitavam normalmente. Era como se estivessem de relações cortadas. Só se reuniam em discreta festa de família, no Dia de Natal.

2 Em Coimbra haviam trabalhado os dois activamente no C. A. D. C., promovendo a sua reabertura quase dois anos depois do assalto que a associação sofrera em 1 de Fevereiro de 1911, com o subsequente encerramento pelas autoridades, e dando-lhe acção mais intensa, viva e profícua. Entretanto fizeram o «Imparcial», semanário dos estudantes católicos, que principiou a publicar-se em Fevereiro de 1912, sob a direcção de Cerejeira. Aí colaborou Salazar, sob o pseudónimo de Alves da Silva, com artigos notáveis pela preocupação educativa e pelo equilíbrio do pensamento. Nas reuniões do C. A. D. C. havia sempre, como é natural entre rapazes, um transbordar de opiniões, de críticas, de sugestões, de propósitos. Salazar, magro, os lábios cerrados e o olho esperto, ouvia e deixava-os falar. Por fim, pediam-lhe a opinião. E esta era sempre - e sempre escutada em silêncio - a de quem vira completamente os problemas, os ponderara sensatamente e apresentava a conclusão certa. Pela mesma época frequentavam a Universidade alguns rapazes talentosos que defendiam ideias novas na evolução da política portuguesa e viriam a lançar o movimento do Integralismo Lusitano. Tinham vindo alguns do sectarismo esquerdista, outros ligavam-se à irreverência revolucionária de novas formas literárias e artísticas. Eram de algum modo gente que fazia barulho de mais para um homem animado sobretudo pela chama da sua vida interior. Mais do que as ideias afastava-o desse grupo o estilo de vida das pessoas. Ao seu feitio retraído e meditativo, inclinado mais para a reforma dos homens do que para a rotação das instituições, constrangiam-no aqueles poetas que diziam frases agressivas e se batiam nas montanhas de armas na mão. Chegou com alguns a manter amizade. Outros tornaram-se seus inimigos, mas o que não puderam os sentimentos dos homens pôde até certo ponto a força das ideias. Salazar, que não fora integralista, acabou por se identificar com parte substancial da doutrina que antes não aceitara. Não era pessoa que se imobilizasse na teimosia de uma posição tomada. O seu lema, «estudar na dúvida, realizar com fé», correspondia a uma actividade crítica constante, que o levava a corrigir, a modificar, a completar ideias que tivera dantes. Nem sempre o confessava, mas o facto é evidente para quem estude a evolução do seu pensamento político. E não era essa a menor das suas dualidades de estadista. O movimento do Integralismo seguiu o curso da sua actividade na propaganda e na crítica das ideias e dos factos, pela imprensa periódica, pelos livros, pelas conferências e também nalgumas tentativas de intervenção na evolução política do país. Salazar, pelo seu lado, seria Ministro e Presidente do Conselho, definiria o sistema de política que lhe parecia adequado à Nação. Às vezes, havia ideias coincidentes com as do Integralismo, principalmente com certas sistematizações de José Pequito Rebelo. De resto, pode dizer-se, não houve aproximações com os integralistas da primeira geração. Diga-se de passagem que estes se entrincheiravam numa atitude excessivamente crítica e distanciada da compreensão das realidades em que o homem de Estado há-de agir. É muito difícil que um crítico de ideias entenda perfeitamente um estadista seu contemporâneo. Só o tempo vem revelar a exactidão dos parâmetros em que este se vê limitado. Os integralistas da segunda geração mais próximos das realidades da acção necessária, esses deram a Salazar, por contrapartida, em grande parte a sua colaboração. E foram eles que influíram na evolução do pensamento político de Salazar no sentido de uma adaptação cada vez maior às constantes históricas da Nação Portuguesa. Concluído o curso de Direito com a classificação de 19 valores, entrou logo em funções docentes. Estava-lhe aberta naturalmente a carreira do magistério. Em 28 de Abril de

3 1917 tomou posse do cargo de assistente de ciências económicas. Um ano depois eralhe conferido o grau de doutor. Diz-se que, durante o consulado de Sidónio Pais, alguém teria falado ao Presidente nesse rapaz, com grandes qualidades de inteligência e de trabalho, que marcara já nas aulas universitárias. Sidónio, antigo professor de Coimbra, antigo ministro das Finanças, teria pedido a um amigo de Viseu que sondasse o moço professor sobre a possibilidade da sua ida para ministro daquela mesma pasta. Esse amigo escrevera a Salazar e, em resposta, ele agradeceu muito a honra do convite, mas não se sentia ainda suficientemente preparado para poder aceitar tal encargo. Não vimos a carta, mas sabese de fonte fidedigna que ela existe em poder de herdeiros do destinatário. Claro que não podia um professor conhecido como católico, ligado em estudante a actividades do C. A. D. C., deixar de ser alvo de perseguições. Em princípios de 1919, o fervor da liberdade reinante na democracia portuguesa desencadeou uma campanha contra a Universidade de Coimbra, com o pretexto de saneamento do professorado e republicanização do ensino. Entre os quatro professores da Faculdade de Direito de Coimbra, arguidos de manifestarem ideias monárquicas, contava-se o Professor Oliveira Salazar. A resposta deste no processo é um modelo de inteligência serena, de lógica e de ironia. A calúnia desfez-se. A fama do professor, entretanto, alastrava. Havia então em Coimbra um professor de Medicina, o Dr. Serras e Silva, católico praticante e homem de rasgada cultura, que recebia todas as semanas em sua casa alguns lentes com suas famílias e alguns estudantes católicos de mais alto nível. Presidia a essa espécie de salão em que se discutia de omni re scibili, a mulher daquele lente, a senhora D. Prudência, que juntava ao primor da educação uma simpatia quase maternal. Apesar de ter filhas ainda pequenas, a ilustre senhora rodeou os dois professores solitários de cuidados verdadeiramente familiares. Dizia mesmo, referindose aos dois: «os meus filhos». Foi na verdade para ambos uma segunda mãe. Muito lhe deveram, um e outro, no ambiente geral de carinho que tiveram em Coimbra, para além do respeito conquistado pelas duas inteligências, tão diferentes entre si como o eram as pessoas. Muitos anos mais tarde, Salazar haveria de referir-se a Cerejeira, nas suas entrevistas a Christine Garnier: Quando eu era professor em Coimbra, minutava cuidadosamente o meu dia Nunca arredava um móvel do seu lugar. O meu companheiro, hoje Cardeal Patriarca de Lisboa, era o contrário, todo fantasia. Aproveitava a minha ausência para em empurrar a mesa e as cadeiras, deslocar os quadros, e parecia-lhe assim que viera mudar para outra casa. Irritado pelas minhas maneiras metódicas, dizia-me muitas vezes: «És um animal de hábitos!» Pela sua parte, Cerejeira confessava: «Censurei-lhe sempre a pontualidade e o espírito de disciplina, que eu considerava excessivos. És um animal de hábitos! gritava eu, aborrecido, ao notar que o seu armário estava mais bem arrumado do que o de uma rapariga ou então ao vê-lo sair a horas fixas para o seu passeio quotidiano». A par da obediência aos hábitos, Cerejeira apontava a conhecida frieza do amigo: «Conhecemo-nos nos bancos da Faculdade de Direito quando, já sacerdote, eu a frequentava e ao mesmo tempo a Faculdade de Letras. Não tardou que as letras me fizessem abandonar o Direito, mas Salazar e eu, unidos por amizade «fraternal» decidíramos viver em «república», isto é, em comunidade, dividindo entre nós as despesas de uma casa. Vivemos juntos de 1915 a 1928, na Rua dos Grilos, num velho palácio pombalino. A Maria, que já conhece, tratava-nos da comida. Lembra-me do

4 tempo em que éramos professores. Um dia, Salazar chegou tarde ao almoço, com expressão atormentada. Foi na época em que sua mãe estava doente. Cheguei a recear que ela tivesse piorado. Não, disse ele, a carta que minha irmã me manda todos os dias, hoje só contém boas notícias, mas um dos meus alunos não foi admitido a exame e por forma tão injusta que me afligi profundamente. Lágrimas de indignação brilharam nos olhos daquele homem de gelo. Os seus alunos, que amargamente lhe censuravam a dureza, teriam certamente ficado muito surpreendidos se vissem a sua emoção. A frieza de Salazar ocultava nessa época, como hoje, uma sensibilidade quase doentia. Sim, a frieza era já o seu escudo e a sua defesa!» E Cerejeira continua a apontar os contrastes, com admirável poder de penetração: «Salazar seguiu um caminho recto, sem atalhos. Continuou a ser o homem das grandes coisas e dos pequenos pormenores. Na mocidade, já se impunha pela sua natureza tão rica, pela sua tenacidade, pela sua inteligência e perfeito equilíbrio. Reconheciamos-lhe uma rara objectividade nas discussões. Possuía a arte de contar com fria ironia mas desdenhava da eloquência. Hoje, como antigamente, o seu primeiro gesto é de tímido. Hesita antes de se lançar na acção. Necessita de ser apoiado e depois lança-se. Nunca vi tantos contrastes na mesma pessoa. Aprecia a companhia das mulheres e a sua beleza e, no entanto, levou uma vida de frade. Nele, chocam-se a todo o instante o cepticismo e o entusiasmo, o orgulho e a modéstia, a desconfiança e a confiança, a bondade mais tocante e por vezes a dureza mais inesperada». Um facto dessa vida em «república» que Cerejeira não contou à escritora francesa: Antes de a Maria ter ido servi-los, tiveram uma criada de quem Cerejeira, ao fazer as contas todas as noites começou a desconfiar. Havia umas inexactidões sempre contra eles... A casa era administrada, em meses alternados, por um e por outro. Ao passar o encargo a Salazar, Cerejeira não lhe disse nada. Certamente, pensou o padre, foi mau juízo meu. Findou o mês e o encargo voltou a Cerejeira. Salazar não disse nada. Daí a dias, as suspeitas renasceram. Cerejeira não se conteve e arriscou: - Desconfio de que a criada nos engana com as contas. E Salazar, muito calmo: - Pelo que vi, também me pareceu. Daí a dias, Cerejeira diz a Salazar: - Tive a certeza de que a criada nos roubava. Despedi-a hoje. E Salazar: - Morto por isso estava eu... Assim era a mesma pessoa que, já Presidente do Conselho, quando queria mudar de ministros não lhes dizia directamente. Escrevia-lhes. Ao Dr. Gustavo Cordeiro Ramos por exemplo, recebeu-o uma tarde, falaram sobre os problemas correntes do ministério da Instrução, assentaram nalguns projectos para o futuro... Quando o ministro chegou a casa, já lá estava uma carta do Presidente a agradecer-lhe muito a colaboração que lhe tinha prestado durante o tempo em que tivera a honra da sua presença no ministério da Instrução... Mário de Figueiredo, que o conhecia desde os tempos do Seminário, onde fora seu companheiro, referir-se-lhe-ia nestes termos: «A sua vida é uma linha recta. Hoje como outrora, mantém aquela forma de orgulho que sempre lhe faz recear secretamente o ridículo. A prudência que ele já mostrara no seminário encontramo-la intensificada. Há quem censure o Presidente por hesitar muito tempo antes de se lançar na acção. É esta antiga prudência que explica as suas demoras. Adolescente, já sabia contar com fria ironia mas ignorava o sarcasmo e a troça. Há-de ter notado que hoje sucede o mesmo. Há nele muita subtileza e muito pudor.»

5 Constituiu-se em 1917 o Centro Católico, cujo primeiro congresso se realizou em Braga, em Agosto daquele ano. Não era propriamente um partido, com propósitos de governar, mas uma organização com o fim de intervir na vida nacional no sentido de defender o Catolicismo, respeitando os poderes constituídos. Uma das formas de intervenção era o parlamento. Salazar foi várias vezes candidato a deputado. Chegou a ser eleito pelo círculo de Guimarães em Julho de Mas foi só uma vez ao parlamento: em 2 de Setembro. Um dia bastara para se desiludir. Voltou logo para Coimbra. Ao mesmo tempo que preparava escrupulosamente as suas lições e escrevia trabalhos relativos a matérias da sua actividade docente, colaborava com o Círculo Católico. Fez conferências em Coimbra, Braga, Funchal. Em 1926, triunfante o movimento militar de 28 de Maio, recorreram os vencedores à Universidade de Coimbra para recrutamento de alguns ministros. Salazar foi um dos escolhidos. Mais tarde, várias pessoas se gabavam de ter apontado a Gomes da Costa o nome do mestre para Ministro das Finanças. Não era difícil aceitar, porém, que a ideia tivesse partido de alguns oficiais da guarnição de Coimbra, antigos alunos universitários, um ou outro mesmo formado em Direito e mantido na admiração do professor exemplar. Em 3 de Junho é anunciado o elenco ministerial com o nome do Dr. Salazar na pasta das Finanças. Vai a Lisboa no dia 4 com dois outros colegas convidados, mas ele só para recusar o convite. Apesar de muito instado para ficar, regressa imediatamente a Coimbra. No dia 10, ainda sem ministro das Finanças, Gomes da Costa volta a insistir. E outra vez no dia 11. Salazar então aceita. No dia 12 toma posse, discretamente. Não há discursos, nem apresentação de programas, nem entrevistas. Só depois de conhecido o terreno poderá dizer alguma coisa. O ambiente político, porém, deteriora-se com a agudização do confronto Cabeçadas- Gomes da Costa. Em 17, os três lentes de Coimbra entregam as suas pastas e voltam à Universidade. Um deles regressará a Lisboa: Manuel Rodrigues. Os outros dois ficam: Mendes dos Remédios e Oliveira Salazar. Em 19 de Junho - Gomes da Costa telefona ainda a Salazar, a insistir. Em vão. Ainda não chegara a sua hora. Durante perto de dois anos, limita-se a sua intervenção na respublica ao envio de alguns artigos críticos sobre matéria financeira ao diário «Novidades».

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar.

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Lc 18.1-8 Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Ele disse: "Em certa cidade havia um juiz que não temia a Deus nem se importava

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V edilbertodonsantos@gmail.com Vocês já ouviram alguém dizer que polícia é igual criança, quando está perto incomoda e quando está longe faz falta?

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

Caros ouvintes vos peço. Atenção uma vez mais. Para fazer uma análise. Creio interessa demais. O tema é muito importante. Me escutem por um instante

Caros ouvintes vos peço. Atenção uma vez mais. Para fazer uma análise. Creio interessa demais. O tema é muito importante. Me escutem por um instante A POLÍTICA E A POLITICAGEM Literatura de cordel Autor: PAULO TARCISO Caros ouvintes vos peço Atenção uma vez mais Para fazer uma análise Creio interessa demais O tema é muito importante Me escutem por

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE A experiência de um casal cristão que acompanha a equipa traz aos seus membros uma riqueza complementar à que caracteriza a presença do padre.

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

A Ana e o Alex contra os falsificadores

A Ana e o Alex contra os falsificadores A Ana e o Alex contra os falsificadores A Ana e o Alex são da mesma turma e muito bons amigos. Estão sempre a viver aventuras incríveis e situações emocionantes. Juntos formam uma dupla experiente! Ana:

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

A causa fundamental na mudança da personalidade

A causa fundamental na mudança da personalidade Psicólogo : Chang Kin Man Há dias atrás, fui ao casamento de um velho amigo meu. Durante o jantar, para além de termos podido apreciar as iguarias, ainda pudemos compartilhar a felicidade dos noivos, de

Leia mais

100 Dicas do Presidente do RI Sakuji Tanaka para Fortalecer os Rotary Clubs

100 Dicas do Presidente do RI Sakuji Tanaka para Fortalecer os Rotary Clubs 100 Dicas do Presidente do RI Sakuji Tanaka para Fortalecer os Rotary Clubs 1. Fazer mais atividades humanitárias com maior enfoque. 2. Ajustar o número de comissões ao tamanho do clube. 3. Fazer com que

Leia mais

Após 41 anos de descontos e 65 de idade reformei-me. Fiquei com UMA SÓ reforma calculada a partir dos descontos que fiz nesses 41 anos.

Após 41 anos de descontos e 65 de idade reformei-me. Fiquei com UMA SÓ reforma calculada a partir dos descontos que fiz nesses 41 anos. Vamos lá entender!? Tenho sido questionado sobre a razão de terem terminado a nível do SNS as cirurgias de mudança de sexo que eram feitas por mim no CHLN/Hospital Santa Maria, em Lisboa. Decidi por isso

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

Minha história. Mais_que_um_carpinteiro.indd 11 18/4/2012 12:04:38

Minha história. Mais_que_um_carpinteiro.indd 11 18/4/2012 12:04:38 1 Minha história Tomás de Aquino, filósofo do século XII, escreve: Dentro de cada alma há uma sede de felicidade e significado. Comecei a sentir essa sede quando adolescente. Eu queria ser feliz. Desejava

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

A Santa Sé VISITA PASTORAL À PARÓQUIA ROMANA DE SÃO BARNABÉ HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II. Domingo, 30 de Janeiro de 1983

A Santa Sé VISITA PASTORAL À PARÓQUIA ROMANA DE SÃO BARNABÉ HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II. Domingo, 30 de Janeiro de 1983 A Santa Sé VISITA PASTORAL À PARÓQUIA ROMANA DE SÃO BARNABÉ HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II Domingo, 30 de Janeiro de 1983 1. Caros Irmãos e Irmãs! Acabámos de ouvir a Palavra de Deus da Liturgia de hoje.

Leia mais

Heitor Luz. Senhor Presidente, Senhores convencionais,

Heitor Luz. Senhor Presidente, Senhores convencionais, Heitor Luz Por ocasião da «XI Convenção Brasileira de Farmacêuticos», reunida em Florianópolis, de 17 a 24 de Janeiro de 1959, foi prestada uma homenagem póstuma ao grande farmacêutico brasileiro - Professor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Proposta de Decreto Legislativo Regional

Proposta de Decreto Legislativo Regional Proposta de Decreto Legislativo Regional Regulamenta na Região Autónoma dos Açores, os aspectos relativos à realização, em escolas da rede pública, do estágio pedagógico das licenciaturas em ensino e dos

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." 2-Meditação da semana:

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também. 2-Meditação da semana: 10º Plano de aula 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." Provérbio Turco 2-Meditação da semana: Mestre conselheiro- 6:14 3-História da semana: AS três peneiras

Leia mais

Lição 8 Trabalhar com Líderes

Lição 8 Trabalhar com Líderes Lição 8 Trabalhar com Líderes Já havia mais de um ano que o António se tornara membro da sua igreja. Ele tinha aprendido tanto! Começou a pensar nos líderes da igreja que o tinham ajudado. Pensava naqueles

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca o futuro, sem esquecer as nossas

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

Quais algumas das coisas que conversamos no cap. 37?

Quais algumas das coisas que conversamos no cap. 37? 1 APLICAÇÕ ÇÕES DO CAP. 37 Quais algumas das coisas que conversamos no cap. 37? 2 1 Joséhavia sido levado para o Egito, onde o egípcio Potifar, oficial do faraóe capitão da guarda, comprou-o dos ismaelitas

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Área - Relações Interpessoais

Área - Relações Interpessoais Área - Relações Interpessoais Eu e os Outros ACTIVIDADE 1 Dar e Receber um Não. Dar e Receber um Sim. Tempo Previsível 60 a 90 m COMO FAZER? 1. Propor ao grupo a realização de situações de role play, em

Leia mais

Pastora Gabriela Pache de Fiúza

Pastora Gabriela Pache de Fiúza Sementinha Kids Ministério Boa Semente Igreja em células SERIE: AS PARÁBOLAS DE JESUS Lição 8: A ovelha perdida Principio da lição: Não importa onde você está. Deus sempre vai ao seu encontro. Base bíblica:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso no encontro com representantes

Leia mais

Retroceder? Só se for pra pegar impulso!

Retroceder? Só se for pra pegar impulso! Retroceder? Só se for pra pegar impulso! Hb 10:35-39 "Por isso, não abram mão da confiança que vocês têm; ela será ricamente recompensada. Vocês precisam perseverar, de modo que, quando tiverem feito a

Leia mais

CONCURSO DE EXPRESSÃO ESCRITA GERAÇÃO MÓVEL E DESAFIOS. O Real e o Virtual

CONCURSO DE EXPRESSÃO ESCRITA GERAÇÃO MÓVEL E DESAFIOS. O Real e o Virtual CONCURSO DE EXPRESSÃO ESCRITA GERAÇÃO MÓVEL E DESAFIOS 2012 O Real e o Virtual Olá! O meu nome é Real Virtual. A minha família e os meus amigos conhecem-me por Real, já para a malta dos chats e dos jogos,

Leia mais

Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa

Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa 12 Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa 2 Jogo da corrida das ovelhas 11 1. Monta-se o presépio (8 de dezembro). 2. Faz-se um caminho para a manjedoura. 3. Cada elemento da família

Leia mais

SENDO UMA PESSOA MANSA E CONTROLADA.

SENDO UMA PESSOA MANSA E CONTROLADA. SENDO UMA PESSOA MANSA E CONTROLADA. Chegamos à reta final de nossa caminha de transformação, restando apenas os dois últimos gomos do Fruto do Espírito. Estes dois últimos gomos, são os mais difíceis

Leia mais

O PULO DO GATO. Luiz Carlos Bresser-Pereira

O PULO DO GATO. Luiz Carlos Bresser-Pereira O PULO DO GATO Luiz Carlos Bresser-Pereira Entrevista publicada em Synthesis no.3, maio 1992; 4-9. Melhorar de vida tem sido uma preocupação do homem desde o século X, na Idade Média, quando a invenção

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 20 Discurso na cerimónia "Jovens

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de assinatura de atos e declaração à imprensa

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de assinatura de atos e declaração à imprensa , Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de assinatura de atos e declaração à imprensa Porto Príncipe-Haiti, 28 de maio de 2008 Meu caro amigo, presidente René Préval, presidente da República do

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Mas talvez se sintam tentados a desistir perante uma aparente complexidade, que de facto não existe.

Mas talvez se sintam tentados a desistir perante uma aparente complexidade, que de facto não existe. COMO FUNDAR UM NÚCLEO DA FNA INTRODUÇÃO: É possível que com a leitura deste documento faça nascer em alguns homens e mulheres, que foram no passado Escutas no CNE, a intenção de fundar um Núcleo da FNA,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 16. PALAVRAS À JUVENTUDE PORTO ALEGRE,

Leia mais

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5 1 Lc 5 AGUAS PROFUNDAS 1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Em conversa com os Espíritos

Em conversa com os Espíritos Em conversa com os Espíritos Idnei Gomes Ramos Em conversa com os Espíritos 1ª edição Matão - SP 2013 1ª edição 6.000 exemplares Janeiro - 2013 Capa: Rogério Mota Casa Editora O Clarim (Propriedade do

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

LIÇÃO 2 Esteja Preparado

LIÇÃO 2 Esteja Preparado LIÇÃO 2 Esteja Preparado Lembra-se do dia em que começou a aprender a ler? Foi muito difícil, não foi? No princípio não sabemos nada sobre leitura. Depois ensinaramlhe a ler as primeiras letras do alfabeto.

Leia mais

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas.

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Caro(a) participante: Esta é uma pesquisa do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná e

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

EVANGELHO Mt 22,1-14 «.Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.».

EVANGELHO Mt 22,1-14 «.Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.». «.Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.». Ambiente: Continuamos em Jerusalém, nos dias que antecedem a Páscoa. Os dirigentes religiosos judeus aumentam a pressão sobre Jesus. Instalados

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 1 Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 04/03/2001 N Jo 9 1 Jesus ia caminhando quando viu um homem que tinha nascido cego. 2 Os seus discípulos perguntaram:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Mestrado em Ciências da Educação

Mestrado em Ciências da Educação Mestrado em Ciências da Educação Tema : Educação e formação de jovens e adultos pouco escolarizados O Processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências na (re) definição de trajectórias

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO 18 de Novembro de 2010 Teatro Municipal de Almada Senhora Presidente da Associação dos Profissionais de Serviços Social, Dr.ª Fernanda Rodrigues Senhoras e Senhores

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais