SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 25

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 25"

Transcrição

1 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 - FUNDAMENTOS TEÓRICOS A Cultura da Soja Análise de Crescimento Características Espectrais de Culturas Agrícolas Solos Geometria de iluminação e visada Estrutura do Dossel Densidade de cobertura vegetal Características espectrais das folhas Sensoriamento Remoto Hiperespectral de Culturas Agrícolas Sensoriamento remoto hiperespectral e vegetação CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS Local dos Experimentos Montagem dos Experimentos Equipamentos Métodos Dados agronômicos Dados radiométricos CAPÍTULO 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Análise de Crescimento da Cultura da Soja Caracterização dos parâmetros de crescimento Conteúdo de Pigmentos nas Folhas Características dos espectros de vegetação Reflectância na região azul Reflectância na região verde Reflectância na região vermelha Posiçãoção do comprimento de onda de mínima reflectancia no vermelho (Vmin) Índices Espectrais Razões de reflectância R750/R550 e R750/R Pág.

2 Índices espectrais de bandas estreitas Índices veersus Clorofila a Índices veersus Clorofila b Índices veersus Carotenóides A Influência dos Equipamentos CAPÍTULO 5 - CONCLUSÕES E SUGESTÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A ANÁLISE QUÍMICA DO SUBSTRATO APÊNDICE B TEMPERATURAS MÁXIMAS, MÍNIMAS E MÉDIAS, OCORIDAS NO PERÍODO DE REALIZAÇÃO DOS DOIS EXPERIMENTOS NA UNICAMP APÊNDICE C ÍNDICES RARSa, PSSRa E PSNDa E SUAS RELAÇÕES COM A CONCENTRAÇÃO DE CLOROFILA a, NO CICLO COMPLETO DA CULTURA E NAS FASES VEGETATIVA E REPRODUTIVA, COM OS RESPECTIVOS MODELOS DE REGRESSÃO E COEFICIENTES DE DETERMINAÇÃO (R 2 ), PARA O SEGUNDO EXPERIMENTO (A SOLO A E B SOLO B) APÊNDICE D ÍNDICES RARSb, PSSRb E PSNDb E SUAS RELAÇÕES COM A CONCENTRAÇÃO DE CLOROFILA b, NO CICLO COMPLETO DA CULTURA E NAS FASES VEGETATIVA E REPRODUTIVA, COM OS RESPECTIVOS MODELOS DE REGRESSÃO E COEFICIENTES DE DETERMINAÇÃO (R 2 ), PARA O SEGUNDO EXPERIMENTO (A SOLO A E B SOLO B) APÊNDICE E ÍNDICES RARSc, PSSRc E PSNDc E SUAS RELAÇÕES COM A CONCENTRAÇÃO DE CAROTENÓIDES, NO CICLO COMPLETO DA CULTURA E NAS FASES VEGETATIVA E REPRODUTIVA, COM OS RESPECTIVOS MODELOS DE REGRESSÃO E COEFICIENTES DE DETERMINAÇÃO (R 2 ), PARA O SEGUNDO EXPERIMENTO (A SOLO A E B SOLO B)

3 LISTA DE FIGURAS Pág. 2.1 Soja no cerrado brasileiro [Glycine max (L). Merril] - (soja) Ilustração esquemática das três grandes fases do ciclo fenológico de uma cultura agrícola de ciclo curto, quanto aos principais componentes do sistema a influenciar na resposta espectral dos dosséis Reflectância bidirecional de dosséis vegetais simulados para: (A) solo claro, e (B) solo escuro, para as bandas verde, vermelha e infravermelha Ilustração do sombreamento de um dossel vegetal incompleto Reflectância múltipla, causada pelo aumento no número de camadas foliares Processo de interação da radiação eletromagnética com uma folha. I energia incidente; R- energia refletida; A- energia absorvida e T- energia transmitida Corte transversal de uma folha mostrando suas diferentes estruturas internas Curva de reflectância típica de uma folha verde sadia O conceito de espectroscopia de imageamento é mostrado como uma medida do espectro para cada elemento espacial da imagem (Conceito AVIRIS) Visualização comparativa das resoluções espaciais e espectrais dos dados TM e AVIRIS Caixas plásticas com plantas de soja (A) Solo recoberto com Neossolo Quartzarênico, (B) Solo recoberto com Latossolo Vermelho eutroférrico Equipamento Spectron SE Equipamento FieldSpec Espectrofotômetro e cubetas utilizados para as determinações de clorofilas e carotenóides Medidor de área foliar (LiCor) Balança digital de precisão utilizada para fazer as determinações de peso verde e seco das plantas de soja... 61

4 4.1 Crescimento em altura das plantas de soja durante as diferentes fases de desenvolvimento. EXP2- experimento 2; Solo A- solo claro e Solo B - solo escuro do primeiro experimento Massa de Matéria Seca da Parte Aérea das plantas de soja durante as diferentes fases de desenvolvimento. EXP2- experimento 2; Solo A- solo claro e Solo B - solo escuro do primeiro experimento Área Foliar Total das plantas de soja durante as diferentes fases de desenvolvimento. EXP2- experimento 2; Solo A- solo claro e Solo B - solo escuro do primeiro experimento Razão de Área Foliar das plantas de soja durante as diferentes fases de desenvolvimento. EXP2- experimento 2; Solo A- solo claro e Solo B - solo escuro do primeiro experimento Taxa de Assimilação Líquida (TAL) das plantas de soja durante as diferentes fases de desenvolvimento. EXP2- experimento 2; Solo A- solo claro e Solo B - solo escuro do primeiro experimento Taxa de Crescimento Relativo (TCR) das plantas de soja durante as diferentes fases de desenvolvimento. EXP2- experimento 2; Solo A- solo claro e Solo B - solo escuro do primeiro experimento Porcentagem de cobertura para os dois experimentos. Solo A experimento 1 com cobertura de solo claro; Solo B experimento 1 com cobertura de solo escura e EXP2 experimento Plantas de soja. A Fase R4, visão superior (% cob); B Visão lateral EXP Índice de área foliar para os dois experimentos. Solo A experimento 1 com cobertura de solo claro; Solo B experimento 1 com cobertura de solo escura e EXP2 experimento Espectros de reflectância da soja em três diferentes fases de desenvolvimento da cultura, no Solo A (EXP1) Espectros de reflectância da soja em três diferentes fases de desenvolvimento da cultura, no Solo B (EXP1) Espectros de reflectância da soja em três diferentes fases de desenvolvimento da cultura, no Solo B, usando Spectron Espectros de reflectância da soja em três diferentes fases de desenvolvimento da cultura, no EXP2, usando FieldSpec Espectros de reflectância da soja em três diferentes fases de desenvolvimento da cultura, no EXP2, usando Esfera Integradora acoplada ao Spectron... 89

5 4.15 Reflectância máxima no verde e os valores obtidos de Clorofila total, para a fase V5 do experimento 1, solo escuro (B) Relação entre a reflectância em 670 nm e 490nm para o primeiro experimento (A Solo A e B Solo B) Relação entre a reflectância R700 e Clorofila a, para o primeiro experimento (A Solo A e B Solo B) Espectro de reflectância e sua segunda derivada para se determinar o ponto de inflexão na Fase V5 para o EXP1, Solo A Variação do ponto de inflexão durante as fases de desenvolvimento da cultura da soja (1A EXP1, Solo A; 1B EXP1, Solo B; 2S- EXP2, Spectron; 2E EXP2, Esfera Integradora e 2FS EXP2, FieldSpec) Variação do comprimento de onda de mínima reflectância no vermelho (Vmin) durante as fases de desenvolvimento da cultura da soja (1A EXP1, Solo A; 1B EXP1, Solo B; 2S- EXP2, Spectron; 2E EXP2, Esfera Integradora e 2FS EXP2, FieldSpec) Relação linear entre o comprimento de onda de mínima reflectância no vermelho e a concentração de Clorofila a, para o segundo experimento usando o espectroradiômetro FieldSpec. (A) todas as fases e (B) fase vegetativa (VC a V5) do segundo experimento Relação linear entre o ponto de inflexão e o conteúdo de Clorofila total (µg/cm 2 ), para o Solo A do EXP Comprimento de onda de mínima reflectância no vermelho (Vmin) x Clorofila total (µg/cm 2 ) para o primeiro experimento Comprimento de onda de mínima reflectância no vermelho (Vmin) x Ponto de Inflexão, para o primeiro experimento Relações lineares da razão R750/R550 com o conteúdo Clorofila a (A) e Clorofila total (B) Relações lineares da razão R750/R700 com o conteúdo de clorofila para o EXP2. (A) para Clorofila a e (B) para Clorofila total Relações lineares da razão R750/R700 com o conteúdo de Clorofila a (A) e Clorofila total (B), para o Solo A (EXP1) Relações lineares da razão R750/R700 com o conteúdo de Clorofila a (A) e Clorofila total (B) para o EXP Relação linear entre os dois índices propostos por Lichtenthaler et al. (1996). (A) EXP1 e (B) EXP

6 4.30 Comportamento dos índices R750/R500, R750/R700 e NDVI, durante as fases de desenvolvimento da cultura da soja, para o primeiro experimento (curvas normalizadas) Comportamento do índice R750/R550 durante as fases de desenvolvimento da cultura da soja, para o segundo experimento (S- Spectron; E Esfera Integradora e FS FieldSpec) Comportamento do índice R750/R700 durante as fases de desenvolvimento da cultura da soja, para o segundo experimento (S- Spectron; E Esfera Integradora e FS FieldSpec) Relações entre o índice R750/R700 e o índice NDVI, com o conteúdo de Clorofila a para o EXP1 (A) e EXP2 (B) Comportamento do índice RARSa, durante o ciclo da soja, para os dois FieldSpec, Spectron e Esfera Integradora) Comportamento do índice PSSRa, durante o ciclo da soja, para os dois FieldSpec, Spectron e Esfera Integradora) Comportamento do índice PSNDa, durante o ciclo da soja, para os dois FieldSpec, Spectron e Esfera Integradora) Comportamento do conteúdo de Clorofila a, durante o ciclo da soja, para o primeiro experimento (A Solo A e B- Solo B) Validação do modelo gerado a partir da relação entre o índice PSSRa e o conteúdo de Clorofila a estimado em laboratório, para a fase reprodutiva da cultura da soja, no primeiro experimento Comportamento do índice RARSb, durante o ciclo da soja, para os dois FieldSpec, Spectron e Esfera Integradora) Comportamento do índice PSSRb, durante o ciclo da soja, para os dois FieldSpec, Spectron e Esfera Integradora) Comportamento do índice PSNDb, durante o ciclo da soja, para os dois FieldSpec, Spectron e Esfera Integradora) Comportamento do conteúdo de Clorofila b, durante o ciclo da soja, para o primeiro experimento (A Solo A e B- Solo B)

7 4.43 Validação do modelo gerado a partir da relação entre o índice PSSRb e o conteúdo de Clorofila b estimado em laboratório, para a fase reprodutiva da cultura da soja, no primeiro experimento Comportamento do índice RARSc, durante o ciclo da soja, para os dois FieldSpec, Spectron e Esfera Integradora) Comportamento do índice PSNDc, durante o ciclo da soja, para os dois FieldSpec, Spectron e Esfera Integradora) Comportamento do índice PSSRc, durante o ciclo da soja, para os dois FieldSpec, Spectron e Esfera Integradora) Comportamento do conteúdo de Carotenóides, durante o ciclo da soja, para o primeiro experimento (A Solo A e B- Solo B) Validação do modelo gerado à partir da relação entre o índice PSSRc e o conteúdo de Carotenóides estimado em laboratório, para a fase reprodutiva da cultura da soja, no primeiro experimento

8 LISTA DE TABELAS 2.1. Fases fenológicas da cultura da soja e respectivas simbologias Trabalhos executados por diferentes autores em nível de folha e de dossel, com o uso de espectroradiômetros de laboratório/campo ou imageadores aerotransportados, nos últimos 12 anos Valores obtidos para a caracterização da altura de plantas de soja em seus estádios de crescimento e comparação entre médias de plantas por fase dos experimentos (em cm) (Solo A solo claro e Solo B solo escuro; VC a V5 fase vegetativa e R2 a R8 fase reprodutiva) Valores obtidos para a caracterização da massa de matéria seca da parte aérea para as plantas de soja em seus estádios de crescimento e comparação entre médias dos experimentos (em mg) (Solo A solo claro e Solo B solo escuro; VC a V5 fase vegetativa e R2 a R8 fase reprodutiva) Valores obtidos para a caracterização da área foliar total para as plantas de soja em seus estádios de crescimento e comparação entre médias dos experimentos (em cm 2 /caixa) (Solo A solo claro e Solo B solo escuro; VC a V5 fase vegetativa e R2 a R8 fase reprodutiva) Valores obtidos para a caracterização da razão de área foliar para as plantas de soja em seus estádios de crescimento e comparação entre médias dos experimentos (em cm 2 /g) (Solo A solo claro e Solo B solo escuro; VC a V5 fase vegetativa e R2 a R8 fase reprodutiva) Valores obtidos para a caracterização da taxa de assimilação líquida para as plantas de soja em seus estádios de crescimento e comparação entre médias dos experimentos (em µg/cm 2.dia) (Solo A solo claro e Solo B solo escuro; VC a V5 fase vegetativa e R2 a R8 fase reprodutiva) Valores obtidos para a caracterização da taxa de crescimento relativo para as plantas de soja em seus estádios de crescimento (em µg/g.dia) (Solo A solo claro e Solo B solo escuro; VC a V5 fase vegetativa e R2 a R8 fase reprodutiva) Valores obtidos para a caracterização da porcentagem de cobertura para as plantas de soja em seus estádios de crescimento (em porcentagem) (Solo A solo claro e Solo B solo escuro; VC a V5 fase vegetativa e R2 a R8 fase reprodutiva) Valores obtidos para a caracterização do índice de área foliar para as plantas de soja em seus estádios de crescimento (Solo A solo claro e Pág.

9 Solo B solo escuro; VC a V5 fase vegetativa e R2 a R8 fase reprodutiva) Valores obtidos por análises de laboratório para Clorofila a, Clorofila b, Clorofila total, Carotenóides e xantofilas (em µg/cm 2 ), nas plantas de soja, nas diferentes fases da cultura (EXP1 Experimento 1, A- solo A e B solo B; EXP2 experimento 2) Relação entre pigmentos encontrados em laboratório, para os dois experimentos, com seu respectivos modelos de regressão e R 2, significativo a 5% de probabilidade (A- solo A e B solo B para o primeiro experimento) Valores determinados dos pontos de inflexão e dos comprimentos de onda de mínima reflectância no vermelho (nm). (1A EXP1 Solo A; 1B EXP1 Solo B; 2S EXP2 Spectron; 2E EXP2 Esfera Integradora e 2FS EXP2 FieldSpec) Valores médios obtidos entre as razões de reflectância R750/R550, R750/R700 e NDVI, para os dois experimentos (A/B Solos A e B juntos) Índices RARSa, PSSRa e PSNDa e suas relações com a concentração de Clorofila a, no ciclo completo da cultura e nas fases vegetativa e reprodutiva, com os respectivos modelos de regressão e coeficientes de determinação (R 2 ), para o primeiro experimento (A- Solo A e B- Solo B) Índices RARSb, PSSRb e PSNDb e suas relações com a concentração de Clorofila b, no ciclo completo da cultura e nas fases vegetativa e reprodutiva, com os respectivos modelos de regressão e coeficientes de determinação (R 2 ), para o primeiro experimento (A- Solo A e B- Solo B) Índices RARSc, PSSRc e PSNDc e suas relações com a concentração de Carotenóides, no ciclo completo da cultura e nas fases vegetativa e reprodutiva, com os respectivos modelos de regressão e coeficientes de determinação (R 2 ), para o primeiro experimento (A- Solo A e B- Solo B)

10 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS AFE - Área Foliar Específica ASD - Analytical Spectral Devices ATP - Adenosina Trifosfato AVIRIS - Airborne Visible/Infrared Imaging Spectrometer CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Cars - Carotenóides + Xantofilas Clor a - Clorofila a Clor b - Clorofila b Clor t - Clorofila total (a+b) DAF - Duração de Massa Foliar DB - Duração da Biomassa DMSO - Dimetil Sulfóxido EXP1 - Experimento 1 EXP2 - Experimento 2 FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FOV - Field of View IAF - Índice de Área Foliar IFOV - Instantaneous Field of View INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais IVP - Infravermelho próximo LANDSAT - Land Satellite LARAD - Laboratório de Radiometria MS - Massa Seca NADPH - Nicotinamida Adenina Denucleotídeo Fosfato NDVI - Índice de Vegetação por Diferença Normalizada NPK - Nitrogênio, Fósforo e Potássio PI - Ponto de Inflexão PSND - Pigment Specific Normalized Diference - Diferença Normalizada para Pigmento Específico PSNDa - Diferença Normalizada para Pigmento Específico para Clor a PSNDb - Diferença Normalizada para Pigmento Específico para Clor b PSNDc - Diferença Normalizada para Pigmento Específico para Cars PSSR - Pigment Specific Simple Ratio - Razão Simples para Pigmento Específico PSSRa - Razão Simples para Pigmento Específico para Clor a PSSRb - Razão Simples para Pigmento Específico para Clor b PSSRc - Razão Simples para Pigmento Específico para Cars Rε - Reflectância infinita RAF - Razão de Área Foliar

11 RARS RARSa RARSb RARSc RMF Solo A Solo B TAL TCC TCR TM TUF UNICAMP USP V Vmin - Ratio Analysis of Reflectance Spectra - Análise de Razão do Espectro de Reflectância - Análise de Razão do Espectro de Reflectância para Clor a - Análise de Razão do Espectro de Reflectância para Clor b - Análise de Razão do Espectro de Reflectância para Cars - Razão de Massa Foliar - Solo de cobertura espectralmente claro - Solo de cobertura espectralmente escuro - Taxa Assimilatória Líquida - Taxa de Crescimento da Cultura - Taxa de Crescimento Relativo - Tematic Mapper - Taxa de Unidade Foliar - Universidade Estadual de Campinas - Universidade de São Paulo - Vermelho - Comprimento de onda de mínima reflectância no vermelho

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS 3. LOCAL DOS EXPERIMENTOS O trabalho foi realizado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP - Campinas, SP), em casa de vegetação do Departamento de Fisiologia Vegetal

Leia mais

Radiometria e Princípios de Sensoriamento Remoto Hiperespectral

Radiometria e Princípios de Sensoriamento Remoto Hiperespectral Radiometria e Princípios de Sensoriamento Remoto Hiperespectral - Porto Alegre, Outubro de 2006 - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) Divisão de Sensoriamento Remoto (DSR) São José dos Campos

Leia mais

Avaliação do Desenvolvimento do Trigo Utilizando Medidas Radiométricas em Função de Graus-Dia

Avaliação do Desenvolvimento do Trigo Utilizando Medidas Radiométricas em Função de Graus-Dia Avaliação do Desenvolvimento do Trigo Utilizando Medidas Radiométricas em Função de Graus-Dia EMÍLIA HAMADA 1 HILTON SILVEIRA PINTO 2 1 UNICAMP - Faculdade de Engenharia Agrícola Caixa Postal 011-13083-970

Leia mais

Características espectrais de alvos naturais. Aula 4 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características espectrais de alvos naturais. Aula 4 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características espectrais de alvos naturais Aula 4 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Radiometria espectral É por meio das medidas radiométricas de laboratório

Leia mais

Princípios de Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia

Princípios de Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia Princípios de Sensoriamento Remoto Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia Princípios de Sensoriamento Remoto Procedimentos destinados a obtenção de imagens mediante o registro

Leia mais

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS Reflectância espectral característica da folha vegetal verde sadia, para o intervalo de comprimentos de onda entre 0,4 e 2,61μm. Os fatores dominantes que controlam a reflectância foliar são os vários

Leia mais

Termômetros de Radiação. Prof. Valner Brusamarello

Termômetros de Radiação. Prof. Valner Brusamarello Termômetros de Radiação Prof. Valner Brusamarello Termômetros de Radiação Todos os corpos na natureza são formados por moléculas, formadas por átomos. Todas as partículas são em essência cargas elétricas.

Leia mais

O resultado é uma série de "fatias" da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma

O resultado é uma série de fatias da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

O resultado é uma série de "fatias" da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma

O resultado é uma série de fatias da superfície, que juntas produzem a imagem final. (Exemplo: o radiômetro dos satélites NOAA gira a uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 INTRODUÇÃO

ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 INTRODUÇÃO 1 ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 Carla Maria Pandolfo 2, Sérgio Roberto Zoldan 3, Milton da Veiga 4 INTRODUÇÃO O município de Campos Novos

Leia mais

Soja: manejo para alta produtividade de grãos. André Luís Thomas, José Antonio Costa (organizadores). Porto Alegre: Evangraf, 2010. 248p. : il.

Soja: manejo para alta produtividade de grãos. André Luís Thomas, José Antonio Costa (organizadores). Porto Alegre: Evangraf, 2010. 248p. : il. Soja: manejo para alta produtividade de grãos. André Luís Thomas, José Antonio Costa (organizadores). Porto Alegre: Evangraf, 2010. 248p. : il., 23 cm. ISBN 978-85-7727-226-6 Apresentação Este livro contempla

Leia mais

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Características das Imagens

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Características das Imagens Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Características das Imagens Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Remote Sensing Raster (Matrix) Data Format Jensen, 2004 Nível de Cinza Tipos de Resolução resolução

Leia mais

1. Introdução: um breve histórico

1. Introdução: um breve histórico 1. Introdução: um breve histórico Sensoriamento Remoto no Brasil Início das Atividades 1968 - Projeto SERE 1972 - PG em SR 1973 - Recepção de dados Landsat 1975-1 a Dissertação de Mestrado Sensoriamento

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DOS EFEITOS DA FUMAÇA SOBRE O CÁLCULO DO NDVI

MINIMIZAÇÃO DOS EFEITOS DA FUMAÇA SOBRE O CÁLCULO DO NDVI MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE-8976-TDI/810 MINIMIZAÇÃO DOS EFEITOS DA FUMAÇA SOBRE O CÁLCULO DO NDVI Marcelo Lima de Moura Dissertação de Mestrado em

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 REVISÃO DA LITERATURA 5

ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 REVISÃO DA LITERATURA 5 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1.1. APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA 1 1.2. OBJECTIVOS E PERTINÊNCIA DO ESTUDO 2 REVISÃO DA LITERATURA 5 2.1. METABOLISMO ENERGÉTICO 5 2.1.1. CONCEITO DE ENERGIA 5 2.1.2. VIAS ENERGÉTICAS

Leia mais

Susceptibilidade à Desertificação Motivação

Susceptibilidade à Desertificação Motivação Indicadores de desertificação Amílcar Soares & Maria João Pereira (IST/UTL) Susceptibilidade à Desertificação Motivação Modelo Conceptual: 1- Introdução da componente dinâmica no indicador de susceptibilidade

Leia mais

SAZONALIDADE DA VEGETAÇÃO EM CLASSES CLIMATOLÓGICAS DE PRECIPITAÇÃO NO BIOMA CAATINGA A PARTIR DE ÍNDICE DE VEGETAÇÃO MELHORADO

SAZONALIDADE DA VEGETAÇÃO EM CLASSES CLIMATOLÓGICAS DE PRECIPITAÇÃO NO BIOMA CAATINGA A PARTIR DE ÍNDICE DE VEGETAÇÃO MELHORADO SAZONALIDADE DA VEGETAÇÃO EM CLASSES CLIMATOLÓGICAS DE PRECIPITAÇÃO NO BIOMA CAATINGA A PARTIR DE ÍNDICE DE VEGETAÇÃO MELHORADO Renata Galvão Neves da Silva¹, Jorge Alberto Bustamante Becerra² ¹ Bióloga,

Leia mais

GERMINAÇÃO E COMPRIMENTO DE PLÂNTULAS DE SORGO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTE

GERMINAÇÃO E COMPRIMENTO DE PLÂNTULAS DE SORGO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTE GERMINAÇÃO E COMPRIMENTO DE PLÂNTULAS DE SORGO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTE CARLA V. FERREIRA 1 ; ISABEL C. VINHAL-FREITAS 2 ; 3 e INGRID M. B. BITTAR 4 1 Engenheira agrônoma,

Leia mais

Índice. Introdução...1. Capítulo 1. Micotoxicologia...11. 1. O que são micotoxinas...12. 2. Produção de micotoxinas e sua presença em alimentos...

Índice. Introdução...1. Capítulo 1. Micotoxicologia...11. 1. O que são micotoxinas...12. 2. Produção de micotoxinas e sua presença em alimentos... Índice Introdução...1 1.1. Enquadramento...2 1.2. Motivação...5 1.3. Objectivos e metodologia...6 1.4. Limitações do estudo...7 1.5. Estrutura da dissertação...8 Capítulo 1. Micotoxicologia...11 1. O que

Leia mais

ME613 - Análise de Regressão

ME613 - Análise de Regressão 3222016 ME613 - Análise de Regressão 3222016 ME613 - Análise de Regressão ME613 - Análise de Regressão Parte 4 Transformações Samara F. Kiihl - IMECC - UNICAMP file:usersimacdocumentsgithubme613-unicampme613-unicamp.github.ioaulasslidesparte04parte04.html

Leia mais

ANÁLISE CLIMATOLÓGICA COMPARATIVA DAS ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS DOS AEROPORTOS DE GUARULHOS E CONGONHAS. Edson Cabral

ANÁLISE CLIMATOLÓGICA COMPARATIVA DAS ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS DOS AEROPORTOS DE GUARULHOS E CONGONHAS. Edson Cabral ANÁLISE CLIMATOLÓGICA COMPARATIVA DAS ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS DOS AEROPORTOS DE GUARULHOS E CONGONHAS Edson Cabral Doutorando em Geografia Física - FFLCH/USP Mestre em Climatologia Urbana FFLCH/USP Observador

Leia mais

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Procedimentos destinados a obtenção de imagens mediante o registro

Leia mais

Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico

Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico 25 Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico Existem diversos tipos de aplicações já desenvolvidas envolvendo o uso de processamento de imagens médicas, a fim de auxiliar o

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 05 Março, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA O ano de 2014 ficou marcado pelo regime de chuvas atípico que causou a atual crise

Leia mais

Gráfico da tensão em função da intensidade da corrente elétrica.

Gráfico da tensão em função da intensidade da corrente elétrica. . Introdução A corrente elétrica consiste no movimento ordenado de elétrons e é formada quando há uma diferença de potencial (V) em um fio condutor elétrico. Esse movimento, por sua vez, fica sujeito a

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO APÓS A COLETA DE FOLHAS NA REFLECTÂNCIA E TRANSMITÂNCIA

INFLUÊNCIA DO TEMPO APÓS A COLETA DE FOLHAS NA REFLECTÂNCIA E TRANSMITÂNCIA INFLUÊNCIA DO TEMPO APÓS A COLETA DE FOLHAS NA REFLECTÂNCIA E TRANSMITÂNCIA IEDA DEL ARCO SANCHES 1 1 LIANA OIGHENSTEIN ANDERSON EDDY HOOVER MENDOZA ROJAS 1 CLEBER GONZALEZ DE OLIVEIRA 1 1 INPE - Instituto

Leia mais

Sumário 1. PROBLEMAS DE RACIOCÍNIO INTUITIVO ESPACIAL, NUMÉRICO E VERBAL...1 2. PROBLEMAS DE ARGUMENTAÇÃO LÓGICA INTUITIVA...55

Sumário 1. PROBLEMAS DE RACIOCÍNIO INTUITIVO ESPACIAL, NUMÉRICO E VERBAL...1 2. PROBLEMAS DE ARGUMENTAÇÃO LÓGICA INTUITIVA...55 IX Sumário 1. PROBLEMAS DE RACIOCÍNIO INTUITIVO ESPACIAL, NUMÉRICO E VERBAL...1 Solução dos exercícios... 29 2. PROBLEMAS DE ARGUMENTAÇÃO LÓGICA INTUITIVA...55 Solução dos exercícios... 64 3. conjuntos...77

Leia mais

RESPOSTA DO FEIJÃO-CAUPI À ADUBAÇÃO FOSFATADA E POTÁSSICA EM LATOSSOLO AMARELO DISTROCOESO NO CERRADO DO LESTE MARANHENSE

RESPOSTA DO FEIJÃO-CAUPI À ADUBAÇÃO FOSFATADA E POTÁSSICA EM LATOSSOLO AMARELO DISTROCOESO NO CERRADO DO LESTE MARANHENSE Área: Solos e nutrição de planta RESPOSTA DO FEIJÃO-CAUPI À ADUBAÇÃO FOSFATADA E POTÁSSICA EM LATOSSOLO AMARELO DISTROCOESO NO CERRADO DO LESTE MARANHENSE Francisco de Brito Melo 1 ; Milton José Cardoso

Leia mais

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Sensoriamento remoto é um termo utilizado na área das ciências aplicadas que se refere à obtenção

Leia mais

Calor Específico. 1. Introdução

Calor Específico. 1. Introdução Calor Específico 1. Introdução Nesta experiência, serão estudados os efeitos do calor sobre os corpos, e a relação entre quantidade de calor, variação da temperatura e calor específico. Vamos supor que

Leia mais

e a parcela não linear ser a resposta do sistema não linear com memória finita. Isto é, a

e a parcela não linear ser a resposta do sistema não linear com memória finita. Isto é, a 189 Comparando-se as figuras anteriores, Figura 5.15 a Figura 5.18, nota-se que existe uma correlação entre os valores das funções auto densidade espectrais lineares e não lineares. Esta correlação é devida

Leia mais

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.) I. INTRODUÇÃO Quando se faz um experimento, deseja-se comparar o resultado obtido

Leia mais

3 Reações Proibidas por Spin

3 Reações Proibidas por Spin 3 Reações Proibidas por Spin Em reações químicas, elétrons ligantes são redistribuídos quando ligações químicas são quebradas e formadas. Quando alguns dos elétrons dos reagentes ou dos produtos são desemparelhados,

Leia mais

COMPORTAMENTO E DURABILIDADE DE TELHAS CERÂMICAS EM AMBIENTE MARÍTIMO ÍNDICE DO TEXTO

COMPORTAMENTO E DURABILIDADE DE TELHAS CERÂMICAS EM AMBIENTE MARÍTIMO ÍNDICE DO TEXTO CAPÍTULO 1 COMPORTAMENTO E DURABILIDADE DE TELHAS CERÂMICAS EM AMBIENTE MARÍTIMO ÍNDICE DO TEXTO INTRODUÇÃO... 1 1.1 Enquadramento... 1 1.2 Objectivos... 4 1.3 Organização do texto... 4 CAPÍTULO 2 DEGRADAÇÃO

Leia mais

Influência do ângulo de visada na resposta espectral da cultura do feijão (Phaseolus vulgaris L.)

Influência do ângulo de visada na resposta espectral da cultura do feijão (Phaseolus vulgaris L.) Influência do ângulo de visada na resposta espectral da cultura do feijão (Phaseolus vulgaris L.) Priscylla Ferraz 1 Rubens Angulo Filho 1 Sônia Maria De Stefano Piedade 1 Rodrigo Otávio Câmara Monteiro

Leia mais

Influência da Aplicação de Uréia no Teor de Clorofila das Folhas de Milho

Influência da Aplicação de Uréia no Teor de Clorofila das Folhas de Milho Influência da Aplicação de Uréia no Teor de Clorofila das Folhas de Milho 2 Cândido F. Oliveira Neto, 2 Gustavo A. R. Alves, 2 Nazila N. S. Oliveira, 2 Jackeline A. M, 1 Davi G. C. Santos, 1 Ricardo S.

Leia mais

APÊNDICE F SENSORES HIPERESPECTRAIS

APÊNDICE F SENSORES HIPERESPECTRAIS APÊNDICE F SENSORES HIPERESPECTRAIS F.1 - Histórico No período entre os anos 80 até os anos 90, os sensores hiperespectrais têm-se mostrado como uma tecnologia emergente (Kruse et al., 1993). Eles possuem

Leia mais

Definições: Sistemas Sensores

Definições: Sistemas Sensores SISTEMAS SENSORES Sistemas Sensores Definições: Equipamento capaz de transformar alguma forma de energia em um sinal passível de ser convertido em informação sobre o ambiente. No caso específico do sensoriamento

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

Avaliação Parcial 01 - GABARITO Questões Bate Pronto. As questões 1 a 23 possuem apenas uma alternativa correta. Marque-a.

Avaliação Parcial 01 - GABARITO Questões Bate Pronto. As questões 1 a 23 possuem apenas uma alternativa correta. Marque-a. Avaliação Parcial 01 - GABARITO Questões Bate Pronto. As questões 1 a 23 possuem apenas uma alternativa correta. Marque-a. 1) A água reflete muita radiação no infravermelho próximo. (5 pontos) 2) A radiação

Leia mais

ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS.

ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS. ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS. Daniele G. Pinto 1, Matheus B. Vicari 2, Denise C. Fontana 3, Genei A. Dalmago 4, Gilberto R. da Cunha 5, Jorge

Leia mais

INTRODUÇÃ.D 2.1 Escalas de movimento do ar, 7 2.2 As radiações solar e terrestre como causas do vento, 7 2.3 Movimento do ar causado pelas forças do g

INTRODUÇÃ.D 2.1 Escalas de movimento do ar, 7 2.2 As radiações solar e terrestre como causas do vento, 7 2.3 Movimento do ar causado pelas forças do g INTRODUÇÃ.D 2.1 Escalas de movimento do ar, 7 2.2 As radiações solar e terrestre como causas do vento, 7 2.3 Movimento do ar causado pelas forças do gradiente de pressão atmosférica, 9 2.4 A força de Coriolis,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS UEA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CLIMA E AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS UEA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CLIMA E AMBIENTE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS UEA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CLIMA E AMBIENTE ESTIMATIVAS DE SEDIMENTOS EM SUSPENSÃO COM AUXÍLIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO

Leia mais

A f e r i ç ã o da Qu a l i d a d e de Se r v i ç o

A f e r i ç ã o da Qu a l i d a d e de Se r v i ç o Redes Móveis GSM A f e r i ç ã o da Qu a l i d a d e de Se r v i ç o SMS Serviço de Mensagens Curtas Maio/Junho de 2005 DFI2 Índice I Sumário Executivo...3 I.I Enquadramento Geral...3 I.II Principais Conclusões...5

Leia mais

Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Resoluções das Imagens fotogramétricas e digitais Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Classificação dos filmes aerofotogramétricos Os filmes podem ser: preto e branco ou coloridos.

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Sensoriamento Remoto. Prof. Luiz Rotta

GEOPROCESSAMENTO. Sensoriamento Remoto. Prof. Luiz Rotta 1 GEOPROCESSAMENTO Sensoriamento Remoto Prof. Luiz Rotta SENSORIAMENTO REMOTO - DEFINIÇÕES Utilização de sensores para a aquisição de informações sobre objetos ou fenômenos sem que haja contato direto

Leia mais

Interpretacão de Imagens. Teresa G.Florenzano DSR/INPE

Interpretacão de Imagens. Teresa G.Florenzano DSR/INPE Interpretacão de Imagens Teresa G.Florenzano DSR/INPE Aquisição de dados Fonte: Florenzano (2007) Espectro Eletromagnético Fonte: Florenzano (2007) Curvas espectrais Sensores e Satélites Sensores remotos:

Leia mais

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE

IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 3 PARTE B IMAGENS PARA MAPEAMENTO GEOLÓGICO E LEVANTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS: RESUMOS PARA USO DOS CENTROS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS ATUS DO INPE Paulo Roberto Martini INPE

Leia mais

MAMOGRAFIA COM ÉCRAN-FILME PARÂMETROS A SEREM AVALIADOS CRITÉRIOS DE DESEMPENHO* (IAEA, 2008) FREQUÊNCIA MÍNIMA

MAMOGRAFIA COM ÉCRAN-FILME PARÂMETROS A SEREM AVALIADOS CRITÉRIOS DE DESEMPENHO* (IAEA, 2008) FREQUÊNCIA MÍNIMA MAMOGRAFIA COM ÉCRAN-FILME PARÂMETROS A SEREM AVALIADOS CRITÉRIOS DE DESEMPENHO* (IAEA, 2008) FREQUÊNCIA MÍNIMA Levantamento radiométrico QUADRIANUAL/ Na aceitação e quando houver no equipamento ou no

Leia mais

RESPOSTA: C. a) só a I. b) só a II. c) só a III. d) mais de uma. e) N.d.a. RESPOSTA: C

RESPOSTA: C. a) só a I. b) só a II. c) só a III. d) mais de uma. e) N.d.a. RESPOSTA: C 1. (ITA - 1969) Usando L para comprimento, T para tempo e M para massa, as dimensões de energia e quantidade de movimento linear correspondem a: Energia Quantidade de Movimento a) M L T -1... M 2 L T -2

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA REVISÃO DE CONTEÚDO. Prof. Marckleuber

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA REVISÃO DE CONTEÚDO. Prof. Marckleuber FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA - 2011 REVISÃO DE CONTEÚDO Prof. Marckleuber -Diferença: Imagem de satélite X fotografia aérea -Satélite X Sensor X Radar

Leia mais

Água na atmosfera. Capítulo 5 - Ahrens

Água na atmosfera. Capítulo 5 - Ahrens Água na atmosfera Capítulo 5 - Ahrens Propriedades da água Estados Físicos Única substântica natural que ocorre naturalmente nos três estados sobre a superfície da terra Capacidade Térmica Mais alta se

Leia mais

MODELOS DE VON BERTALANFFY E GOMPERTZ PARA DESCREVER

MODELOS DE VON BERTALANFFY E GOMPERTZ PARA DESCREVER MODELOS DE VON BERTALANFFY E OMPERTZ PARA DESCREVER OS PARÂMETROS DE TAMANHO E PESO MÉDIO DE TILÁPIAS JORE CORRÊA DE ARAÚJO 1 ROSA MARÍA ARCÍA MÁRQUEZ 2 Resumo O objetivo desse trabalho foi utilizar os

Leia mais

Mapeamento do uso do solo

Mapeamento do uso do solo Multidisciplinar Mapeamento do uso do solo para manejo de propriedades rurais Allan Arnesen Frederico T. Genofre Marcelo Pedroso Curtarelli CAPÍTULO 2 Fundamentos de Sensoriamento Remoto O sensoriamento

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NO MUNICÍPIO DE LAVRAS-MG POR MEIO DO NDVI.

DISTRIBUIÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NO MUNICÍPIO DE LAVRAS-MG POR MEIO DO NDVI. DISTRIBUIÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NO MUNICÍPIO DE LAVRAS-MG POR MEIO DO NDVI. CHRISTIANY MATTIOLI SARMIENTO 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 chrislavras@yahoo.com.br, rubiagm@gmail.com 1 Discente do curso de Geografia

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE TÉCNICAS PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA CLOROFILA-A NO RESERVATÓRIO DE SALTO GRANDE (SP)

COMPARAÇÃO ENTRE TÉCNICAS PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA CLOROFILA-A NO RESERVATÓRIO DE SALTO GRANDE (SP) Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 COMPARAÇÃO ENTRE TÉCNICAS PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA CLOROFILA-A NO RESERVATÓRIO

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CONDUTIVIDADE E SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS EM AMOSTRAS DE ESGOTO BRUTO E DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

RELAÇÃO ENTRE CONDUTIVIDADE E SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS EM AMOSTRAS DE ESGOTO BRUTO E DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO RELAÇÃO ENTRE CONDUTIVIDADE E SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS EM AMOSTRAS DE ESGOTO BRUTO E DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO Rui de Oliveira (1) Engenheiro Civil pela UEMA. Mestre em Engenharia Civil pela UFPB. PhD

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 14

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 14 Ondas 5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Introdução: elementos básicos sobre ondas De maneira geral, uma onda é qualquer sinal que se transmite de um ponto a outro

Leia mais

Laboratório de Física I. Experiência 3 Determinação do coeficiente de viscosidade de líquidos. 26 de janeiro de 2016

Laboratório de Física I. Experiência 3 Determinação do coeficiente de viscosidade de líquidos. 26 de janeiro de 2016 4310256 Laboratório de Física I Experiência 3 Determinação do coeficiente de viscosidade de líquidos 1 o semestre de 2016 26 de janeiro de 2016 3. Determinação do coeficiente de viscosidade de líquidos

Leia mais

09 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

09 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 09 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA RR EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja com tecnologia RR em duas

Leia mais

Física 2 - Termodinâmica

Física 2 - Termodinâmica Física 2 - Termodinâmica Calor e Temperatura Criostatos de He 3-272.85 C Termodinâmica Energia Térmica Temperatura, Calor, Entropia... Máquinas Térmicas : Refrigeradores, ar-condicionados,... Física Térmica

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DA VEGETAÇÃO (MATA ATLÂNTICA): COMPARAÇÕES DAS CURVAS ESPECTRAIS DE SENSORES MULTIESPECTRAIS E HIPERESPECTRAIS

SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DA VEGETAÇÃO (MATA ATLÂNTICA): COMPARAÇÕES DAS CURVAS ESPECTRAIS DE SENSORES MULTIESPECTRAIS E HIPERESPECTRAIS p. 001-006 SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DA VEGETAÇÃO (MATA ATLÂNTICA): COMPARAÇÕES DAS CURVAS ESPECTRAIS DE SENSORES MULTIESPECTRAIS E HIPERESPECTRAIS ANELY ESPÍNDULA ELIZABETH MARIA FEITOSA DA ROCHA

Leia mais

Manipulação, Visualização e Interpretação de Imagens de Sensoriamento Remoto

Manipulação, Visualização e Interpretação de Imagens de Sensoriamento Remoto Manipulação, Visualização e Interpretação de Imagens de Sensoriamento Remoto Alexandre Xavier Falcão Instituto de Computação - UNICAMP afalcao@ic.unicamp.br Objetivo Extrair informações quantitativas e

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 4 Deformações e Propriedades Mecânicas dos Materiais Tópicos Abordados Nesta Aula Estudo de Deformações, Normal e por Cisalhamento. Propriedades Mecânicas dos Materiais. Coeficiente de Poisson. Deformação

Leia mais

Resultado da Intensidade luminosa no desenvolvimento de plantas de agrião (Nasturtium officinale)

Resultado da Intensidade luminosa no desenvolvimento de plantas de agrião (Nasturtium officinale) Resultado da Intensidade luminosa no desenvolvimento de plantas de agrião (Nasturtium officinale) Bruna de Souza Silveira (1),Michelle de Oliveira Santos (1) ;Ana Cardoso Clemente Ferreira Filha de Paula

Leia mais

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO DESMATAMENTO DO PARQUE NATURAL DE PORTO VELHO/RO, COM O USO DE GEOTECNOLOGIAS.

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO DESMATAMENTO DO PARQUE NATURAL DE PORTO VELHO/RO, COM O USO DE GEOTECNOLOGIAS. I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO DESMATAMENTO DO PARQUE NATURAL DE PORTO VELHO/RO, COM O USO DE GEOTECNOLOGIAS. INTRODUÇÃO ANTONIO RAIMUNDO DE SOUSA FELIX 1 JOÃO HENRIQUE DE SOUSA

Leia mais

FLUTUAÇÃO DAS CHUVAS EM ÁREAS AGRÍCOLAS NO PARÁ

FLUTUAÇÃO DAS CHUVAS EM ÁREAS AGRÍCOLAS NO PARÁ FLUTUAÇÃO DAS CHUVAS EM ÁREAS AGRÍCOLAS NO PARÁ Therezinha Xavier Bastos 1 Nilza AraujoPacheco 2 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo analisar a flutuação das chuvas em áreas agrícolas no Pará,

Leia mais

Sensoriamento Remoto (SR) Orbital (Parte II): satélites de observação terrestre e assinatura espectral de alvos

Sensoriamento Remoto (SR) Orbital (Parte II): satélites de observação terrestre e assinatura espectral de alvos Sensoriamento Remoto (SR) Orbital (Parte II): satélites de observação terrestre e assinatura espectral de alvos Introdução Agenda: Sensoriamento Remoto Orbital Satélites Orbitais Assinatura Espectral de

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

Técnicas de interpretação de espectros de reflectância. Aula 5 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Técnicas de interpretação de espectros de reflectância. Aula 5 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Técnicas de interpretação de espectros de reflectância Aula 5 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Análise estatística entre dados espectrais Em estudos

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Betim, MG 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 346,8 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 378089 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Programa de Ciências Experimentais 2012-2013

Programa de Ciências Experimentais 2012-2013 Programa de Ciências Experimentais 2012-2013 I Teoria 1 Introdução 2 Conceitos úteis 2.1 Ordem de grandeza 2.1.1 Introdução 2.1.2 Definição 2.1.3 Representação científica de um número 2.1.4 Ordem de grandeza

Leia mais

Viticultura de precisão Potencialidades das imagens de satélite. DEIMOS Engenharia, S.A.

Viticultura de precisão Potencialidades das imagens de satélite. DEIMOS Engenharia, S.A. Viticultura de precisão Potencialidades das imagens de satélite Workshop A rega e novas técnicas de controlo da vinha 48ª Feira Nacional de Agricultura 8 Junho 2011 DEIMOS Engenharia, S.A. - 1 - DEIMOS

Leia mais

Comportamento Espectral e Alvos Urbanos: simulação com as bandas espectrais do satélite CBERS

Comportamento Espectral e Alvos Urbanos: simulação com as bandas espectrais do satélite CBERS Comportamento Espectral e Alvos Urbanos: simulação com as bandas espectrais do satélite CBERS Rita de Cassya Almeida Sousa 1 Hermann Johan Heinrich Kux {rcassya, herman}@ltid.inpe.br Abstract. This article

Leia mais

PERSISTÊNCIA DO PODER POLÍTICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: O CASO DA TRANSIÇÃO DE REGIME NO BRASIL

PERSISTÊNCIA DO PODER POLÍTICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: O CASO DA TRANSIÇÃO DE REGIME NO BRASIL PERSISTÊNCIA DO PODER POLÍTICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: O CASO DA TRANSIÇÃO DE REGIME NO BRASIL Aluno: Rafael Campos de Mattos Orientador: Claudio Ferraz Introdução Nas últimas décadas, observou-se

Leia mais

Competição inicial entre plantas de soja e Chloris polydactyla.

Competição inicial entre plantas de soja e Chloris polydactyla. Competição inicial entre plantas de soja e Chloris polydactyla. Arthur Arrobas Martins Barroso 1 ; Alfredo Junior Paiola Albrecht 2. 1 Doutorando do curso de Agronomia (Produção Vegetal), UNESP, Jaboticabal,

Leia mais

ANÁLISE DA ALTERAÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA EM DOIS PERÍODOS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, SE

ANÁLISE DA ALTERAÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA EM DOIS PERÍODOS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, SE VIII Encontro de Recursos Hídricos de Sergipe 16 ANÁLISE DA ALTERAÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA EM DOIS PERÍODOS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, SE Meggie Karoline Silva Nascimento 1 Paulo Vinicius Melo

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Sistema Óptico Carga Horária: 60h Período: 4º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Sistema Óptico Carga Horária: 60h Período: 4º. Ementa PLANO DE ENSINO Disciplina: Sistema Óptico Carga Horária: 60h Período: 4º Ementa Histórico de transmissão da luz através de fibras ópticas. Características físicas das fibras ópticas. Degradação do sinal

Leia mais

Interpretação de imagens de satélite como suporte para o diagnóstico da cobertura vegetal atual na região de Juazeiro-BA

Interpretação de imagens de satélite como suporte para o diagnóstico da cobertura vegetal atual na região de Juazeiro-BA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LABORATÓRIO DE ECOLOGIA DE ABELHAS Interpretação de imagens de satélite como suporte para o diagnóstico da coertura vegetal atual na região

Leia mais

3, 2, 1 -Mistério. Série Matemática na Escola

3, 2, 1 -Mistério. Série Matemática na Escola 3, 2, 1 -Mistério Série Matemática na Escola Objetivos 1. Apresentar o Princípio de Cavalieri para figuras planas; 2. Apresentar o Princípio de Cavalieri para sólidos; 3. Apresentar a relação 3:2:1 entre

Leia mais

4. Crescimento e Desenvolvimento

4. Crescimento e Desenvolvimento CULTURA DO ARROZ 4. Crescimento e Desenvolvimento Existem três fases importantes no ciclo do arroz: Fase vegetativa Fase reprodutiva Fase de maturação A duração de cada fase depende do ciclo do cultivar

Leia mais

Estaca Escavada Circular

Estaca Escavada Circular Estaca Escavada Circular 1 Definição e Recomendações da Norma NBR 6122 / 96 A Norma NBR 6122 / 96 define estaca escavada como o tipo de fundação profunda executada por escavação mecânica, com uso ou não

Leia mais

APLICAÇÃO DE ANÁLISE DERIVATIVA AO ESTUDO DA COMPOSIÇÃO DA ÁGUA EM UMA REGIÃO DO RIO PARANÁ

APLICAÇÃO DE ANÁLISE DERIVATIVA AO ESTUDO DA COMPOSIÇÃO DA ÁGUA EM UMA REGIÃO DO RIO PARANÁ APLICAÇÃO DE ANÁLISE DERIVATIVA AO ESTUDO DA COMPOSIÇÃO DA ÁGUA EM UMA REGIÃO DO RIO PARANÁ Thiago Statella 1 Germán Torrijos Cadena 2 RESUMO: Este trabalho estimou o fator de refletância da água em alguns

Leia mais

SUMÁRIO. 1. REVISÃO DE GINÁSIO Critérios de divisibilidade. 2. CONJUNTOS Introdução. Operações de conjuntos. Conjuntos numéricos

SUMÁRIO. 1. REVISÃO DE GINÁSIO Critérios de divisibilidade. 2. CONJUNTOS Introdução. Operações de conjuntos. Conjuntos numéricos SUMÁRIO 1. REVISÃO DE GINÁSIO Critérios de divisibilidade Reconhecimento de número primo Decomposição em fatores primos Aplicação Potência Expressão numérica 2. CONJUNTOS Introdução Representação de um

Leia mais

Difração = Desvio da propagação retilínea da luz

Difração = Desvio da propagação retilínea da luz Aula-4 Difração Difração = Desvio da propagação retilínea da luz Trata-se de um efeito característico de fenômenos ondulatórios, que ocorre sempre que parte de uma frente de onda (sonora, de matéria, ou

Leia mais

Conteúdo. 1 Introdução. Histograma do 1o Sorteio da Nota Fiscal Paraná 152/15. 1º Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Paraná

Conteúdo. 1 Introdução. Histograma do 1o Sorteio da Nota Fiscal Paraná 152/15. 1º Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Paraná 1º Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Paraná Relatório parcial contendo resultados 1 da análise estatística dos bilhetes premiados Conteúdo 1 Introdução Este relatório apresenta uma análise estatística

Leia mais

Conteúdo. 1 Introdução. Histograma do Quinto Sorteio da Nota Fiscal Paraná 065/16. Quinto Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Paraná

Conteúdo. 1 Introdução. Histograma do Quinto Sorteio da Nota Fiscal Paraná 065/16. Quinto Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Paraná Quinto Sorteio Eletrônico da Nota Fiscal Paraná Relatório parcial contendo resultados 1 da análise estatística dos bilhetes premiados Conteúdo 1 Introdução Este documento apresenta a análise dos resultados

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA B DO ENSINO SECUNDÁRIO (CÓDIGO DA PROVA 735) 2ª FASE 21 DE JULHO 2015 GRUPO I

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA B DO ENSINO SECUNDÁRIO (CÓDIGO DA PROVA 735) 2ª FASE 21 DE JULHO 2015 GRUPO I Associação de Professores de Matemática Contactos: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Lisboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE

Leia mais

II-6 Análise de ruído e capacidade de canal

II-6 Análise de ruído e capacidade de canal II-6 Análise de ruído e capacidade de canal (28 de janeiro de 2013) 1 Sumário 1. Causa dos erros na transmissão 1. Modelo AWGN e ISI 2. Modelo BSC 3. Efeito do ruído 4. Relação sinal/ruído 2. Curvas de

Leia mais

QUALIDADE DA MADEIRA E DO CARVÃO DE SEIS ESPÉCIES DE EUCALIPTO

QUALIDADE DA MADEIRA E DO CARVÃO DE SEIS ESPÉCIES DE EUCALIPTO IV Forum Nacional sobre Carvão Vegetal Belo Horizonte- MG, 08 e 09 de novembro de 2016 QUALIDADE DA MADEIRA E DO CARVÃO DE SEIS ESPÉCIES DE EUCALIPTO Autor 1 ; Autor 2 ; Autor 3 ; Autor 4 RESUMO: Este

Leia mais

Modelação SIG na avaliação de risco de incêndio na Reserva Nacional do Niassa Workshop on Conservation Science in Mozambique

Modelação SIG na avaliação de risco de incêndio na Reserva Nacional do Niassa Workshop on Conservation Science in Mozambique Modelação SIG na avaliação de risco de incêndio na Reserva Nacional do Niassa Workshop on Conservation Science in Mozambique Márcio Mathe Natasha Ribeiro Pedro Cabral Maputo, Abril de 2014 Situação actual

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT1 CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT1 CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH APOSTILA DO EXPERIMENTO - MEDIDOR VENTURI Esta apostila contém o roteiro da

Leia mais

Capítulo IX. Carregamento de transformadores

Capítulo IX. Carregamento de transformadores 42 Capítulo IX Carregamento de transformadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* A tipificação dos transformadores contempla três agrupamentos distintos, o que em tese significa três diferentes tipos

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3.

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3. MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1 Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3. 1 Parte integrante do Projeto de pesquisa Análise, Modelagem e Desenvolvimento

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Etimologia e evolução histórica Etimologia Evolução histórica A erva-mate nas diferentes regiões produtoras CAPÍTULO 2

SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Etimologia e evolução histórica Etimologia Evolução histórica A erva-mate nas diferentes regiões produtoras CAPÍTULO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... CAPÍTULO 1... Etimologia e evolução histórica... 1. Etimologia... 2. Evolução histórica... 3. A erva-mate nas diferentes regiões produtoras... 3.1. A erva-mate na Argentina... 3.2.

Leia mais

Determinantes do Preço da Terra em Goiás

Determinantes do Preço da Terra em Goiás Determinantes do Preço da Terra em Goiás Bruno de Souza BARRETO 1*, Paulo DE MARCO JR 2 1 Doutorado em Ciências Ambientais (CIAMB), Universidade Federal de Goiás, Campus Samambaia, C.P. 131, 74001-970,

Leia mais

Área: Tecnologia e Produção de Sementes Avaliação de plântulas como indicador da maturação de sementes de feijão-caupi (Vigna unguiculata (L.) Walp.

Área: Tecnologia e Produção de Sementes Avaliação de plântulas como indicador da maturação de sementes de feijão-caupi (Vigna unguiculata (L.) Walp. Área: Tecnologia e Produção de Sementes Avaliação de plântulas como indicador da maturação de sementes de feijão-caupi (Vigna unguiculata (L.) Walp.) Glauce Portela de Oliveira¹; Otoniel Magalhães Morais²;

Leia mais

VI Olimpíada Norte - Nordeste de Química e

VI Olimpíada Norte - Nordeste de Química e VI Olimpíada Norte - Nordeste de Química e Seletiva para a Olimpíada Ibero-americana de Química - 2000 Exame aplicado em 27.05.2000 Somente as questões de números 1 a 6 serão consideradas na composição

Leia mais

MEDIDAS FÍSICAS FEX 1001

MEDIDAS FÍSICAS FEX 1001 1 MEDIDAS FÍSICAS FEX 1001 Objetivos Realizar medidas diretas (diâmetro, comprimento, largura, espessura, massa e força) expressando-as com a quantidade correta de algarismos signicativos. Realizar medidas

Leia mais