Radiometria e Princípios de Sensoriamento Remoto Hiperespectral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Radiometria e Princípios de Sensoriamento Remoto Hiperespectral"

Transcrição

1 Radiometria e Princípios de Sensoriamento Remoto Hiperespectral - Porto Alegre, Outubro de Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) Divisão de Sensoriamento Remoto (DSR) São José dos Campos (SP) Radiometria e Princípios de Sensoriamento Remoto Hiperespectral Principais Tópicos Sensoriamento Remoto e Conceitos Radiométricos; Imagens e Espectros; Sensoriamento Remoto Hiperespectral; Propriedades Espectrais da Vegetação; Propriedades Espectrais dos Solos; Propriedades Espectrais de Minerais e Rochas; Propriedades Espectrais da Água; Técnicas de Análise Espectral 1

2 Sensoriamento Remoto e Conceitos Radiométricos O que é Sensoriamento Remoto? É uma ferramenta ou atividade científica que usa sensores distantes de um objeto (ou área) para medir a quantidade de radiação eletromagnética refletida ou emitida pelo mesmo e possibilitar a extração de informação 2

3 Espectro Eletromagnética: O Fóton e Quantidades Radiométricas Dualidade Onda-Partícula; A relação entre o comprimento de onda (λ) e a freqüência (v) da radiação eletromagnética é dada por: (1) c = λ/v; (2) v = c/λ ou (3) λ = c/v onde c é a velocidade da luz; Embora muitas características da radiação eletromagnética possam ser mais facilmente descritas pela teoria ondulatória, a teoria corpuscular explica melhor como a radiação interage com a matéria; Segundo esta teoria, a radiação eletromagnética é composta de unidades discretas chamadas fótons A energia de um fóton (Q, Joules) é dada por: Q = hv onde h = constante de Planck (6626 x Js) e v = freqüência; A relação entre ambos os modelos (ondas e partículas) é dada por: Q = hc/λ 3

4 Em sensoriamento remoto, é comum caracterizar ondas eletromagnéticas pela sua posição em comprimento de onda no espectro eletromagnético; O Que Medimos? 4

5 (1) Energia Radiante (Q): Q = hv = hc/λ (Joules); (2) Fluxo Radiante (Φ): fluxo de energia radiante (Q) por unidade de tempo (Joules/s = Watt); (3) Densidade do Fluxo Radiante (M ou E): é o fluxo radiante (Φ) por unidade de área (Φ/m 2 = Wm -2 ), podendo ser de dois tipos Na exitância (M), o fluxo radiante deixa a superfície Na irradiância (E), o fluxo radiante atinge a superfície Fonte: Roberts (2005) (a) (b) A irradiância varia com a distância entre a superfície e o observador; Irradiância de uma lâmpada de 100W com 10m de raio: E = 100W/4Π(10m) 2 = 100W/1256,6m 2 = 0,0756W m -2 Irradiância de uma lâmpada de 100W com 1m de raio: E = 100W/4Π(1m) 2 = 100W/12,566m 2 = 7,56W m -2 Como a distância Sol-Terra varia sazonalmente, a irradiância também varia ao longo do ano; 5

6 (4) Intensidade Radiante (I): é o fluxo radiante por unidade de ângulo sólido (Φ/Ω; Wsr -1 ) Não varia com a distância Fonte: Roberts (2005) (5) Radiância (L): é a medida radiométrica mais precisa em sensoriamento remoto É o fluxo radiante por unidade de ângulo sólido e área (Wm -2 sr -1 ) Não depende da distância ou do campo de visada Φ λ Fonte: Lillesand e Kiefer (1997) 6

7 GIFOV = H IFOV H é a altura do sensor FOV = Field of View; IFOV = Instantaneous Field of View; GIFOV =Ground Instantaneous Field of View Sensor Imageador ideal: (1) alta resolução espectral; (2) alta resolução espacial; (3) alta resolução temporal; (4) alta resolução radiométrica Como fazer? Viabilidade? Fonte: Roberts (2005) Fonte: Roberts (2005) 7

8 Radiometria Radiometria é a medida da radiação óptica A partir das medidas de irradiância e radiância, pode-se obter a reflectância (ρ) Em laboratório/campo, costuma-se usar um padrão de referência de reflectância conhecida Em imagens, é preciso remover a influência dos efeitos atmosféricos para converter dados de radiância em reflectância de superfície ρ = Lsup/E Amostrando o Espectro Eletromagnético Sensoriamento remoto também pode ser considerado um processo de amostragem do espectro eletromagnético; 8

9 A amostragem pode ser feita por sensores com quantidade diferente de bandas com posicionamentos e largura distintos SPOT 3/HRV (3 channels) Landsat 5/MSS (4 channels) Landsat 5/TM (6 channels) EOS/ASTER (9 channels) AVIRIS (224 channels) Laboratory (800 channels) Wavelength (nm) 9

10 Quanto maior for o número de bandas estreitas, melhor será a caracterização das propriedades espectrais dos materiais; Sensor HRV Reflectance TM ASTER AVIRIS LABORATORY Wavelength (nm) 10

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11 Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Manuel Campagnolo ISA Manuel Campagnolo (ISA) Geomática e SIGDR 2010-2011 17/05/11 1 / 16 Tipos de resolução

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO

NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Sensoriamento Remoto: conceitos fundamentais e plataformas

Sensoriamento Remoto: conceitos fundamentais e plataformas Sensoriamento Remoto: conceitos fundamentais e plataformas Dr. Ronald Buss de Souza Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais - CRS Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE ronald@dsr.inpe.br O

Leia mais

Efeitos do Posicionamento das Bandas do Vermelho e do Infravermelho Próximo nas Determinações de NDVI para os Cerrados

Efeitos do Posicionamento das Bandas do Vermelho e do Infravermelho Próximo nas Determinações de NDVI para os Cerrados Efeitos do Posicionamento das Bandas do Vermelho e do Infravermelho Próximo nas Determinações de NDVI para os Cerrados Lênio Soares Galvão Ícaro Vitorello Raimundo Almeida Filho INPE Instituto Nacional

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

SISTEMAS E SENSORES I

SISTEMAS E SENSORES I SISTEMAS E SENSORES I Sistema Sensor em Sensoriamento Remoto: equipamento capaz de transformar energia eletromagnética em sinal. 1. Tipos de sensores, quanto à fonte de energia: ATIVOS: - produzem sua

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA Questão 1 O molibdênio metálico tem de absorver radiação com frequência mínima de 1,09 x 10 15 s -1 antes que ele emita um elétron de sua superfície via efeito fotoelétrico.

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE BANDAS ESPECTRAIS A PARTIR DE DADOS HIPERSPECTRAIS

DETERMINAÇÃO DE BANDAS ESPECTRAIS A PARTIR DE DADOS HIPERSPECTRAIS unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Ciências e Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Ciências Cartográficas DETERMINAÇÃO DE BANDAS ESPECTRAIS A PARTIR DE DADOS HIPERSPECTRAIS MÍRIAM REGINA

Leia mais

ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS.

ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS. ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS. Daniele G. Pinto 1, Matheus B. Vicari 2, Denise C. Fontana 3, Genei A. Dalmago 4, Gilberto R. da Cunha 5, Jorge

Leia mais

Coerência temporal: Uma característica importante

Coerência temporal: Uma característica importante Coerência temporal: Uma característica importante A coerência temporal de uma fonte de luz é determinada pela sua largura de banda espectral e descreve a forma como os trens de ondas emitidas interfererem

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO DEFINIÇÃO. Técnica que permite a obtenção de informação sobre um objeto, sem estabelecer contacto físico com ele.

SENSORIAMENTO REMOTO DEFINIÇÃO. Técnica que permite a obtenção de informação sobre um objeto, sem estabelecer contacto físico com ele. DEFINIÇÃO Remote Sensing Télédétection Percepção Remota Observação a Distancia Técnica que permite a obtenção de informação sobre um objeto, sem estabelecer contacto físico com ele. Photogrammetry and

Leia mais

CONSTANTE DE PLANCK 739EE

CONSTANTE DE PLANCK 739EE 1 T E O R I A 1. INTRODUÇÃO Segundo Studart (2000).. A invenção do quantum de energia é um dos muitos exemplos na historia da ciência que revela que conceitos científicos são criados por ações da imaginação

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO Autor: CARLOS ALBERTO STEFFEN Instituto Nacional de pesquisas Espaciais Divisão de Sensoriamento Remoto steffen@ltid.inpe.br RADIAÇÃO SOLAR O Sol é a principal

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Daniel C. Zanotta RAZÃO DE BANDAS Dividir uma banda por outra (pixel a pixel) pode trazer diversas informações a respeitos dos alvos contidos

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO

CURSO DE INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO CURSO DE INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO Belém, Novembro de 2007 CURSO DE INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO Apostila elaborada por: ADRIANO VENTURIERI Eng. Agr., M. Sc. em Sensoriamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Força Central. Na mecânica clássica, uma força central é caracterizada por uma magnitude que depende, apenas, na distância r do objeto ao ponto de origem da força e que é dirigida ao longo do vetor que

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

1 O que é Sensoriamento Remoto? Sensor = equipamento capaz de detectar sinais; vem de sentir. Remoto = longínquo, distante.

1 O que é Sensoriamento Remoto? Sensor = equipamento capaz de detectar sinais; vem de sentir. Remoto = longínquo, distante. 2 SENSORIAMENTO REMOTO 1 O que é Sensoriamento Remoto? Sensor = equipamento capaz de detectar sinais; vem de sentir. Remoto = longínquo, distante. Portanto, sensoriamento remoto é a aquisição de informações

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

INPE - Estrutura Organizacional

INPE - Estrutura Organizacional INPE - Estrutura Organizacional O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE é uma unidade de pesquisa integrante da estrutura do Ministério da Ciência e Tecnologia MCT. O INPE tem por finalidade promover

Leia mais

Noções Teóricas e Práticas de Sensoriamento Remoto

Noções Teóricas e Práticas de Sensoriamento Remoto Noções Teóricas e Práticas de Sensoriamento Remoto 04 CAPÍTULO 1.0. INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO Existem diversas definições referentes à tecnologia de sensoriamento remoto. Algumas são mais apropriadas

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROCESSAMENTO DE IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO. Paulo Roberto Meneses Tati de Almeida (Organizadores)

INTRODUÇÃO AO PROCESSAMENTO DE IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO. Paulo Roberto Meneses Tati de Almeida (Organizadores) INTRODUÇÃO AO PROCESSAMENTO DE IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO Paulo Roberto Meneses Tati de Almeida (Organizadores) PAULO ROBERTO MENESES TATI DE ALMEIDA (Organizadores) INTRODUÇÃO AO PROCESSAMENTO DE

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica FUNDAMENTOS DE ONDAS, RADIAÇÕES E PARTÍCULAS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Questões... O que é uma onda? E uma radiação? E uma partícula? Como elas se propagam no espaço e nos meios materiais?

Leia mais

Assinatura espectral de alvos agrícolas detectados em imagens do satélite WorldView-2. Jeziel André Ferreira Sobrinho Marcelo de Carvalho Alves

Assinatura espectral de alvos agrícolas detectados em imagens do satélite WorldView-2. Jeziel André Ferreira Sobrinho Marcelo de Carvalho Alves Assinatura espectral de alvos agrícolas detectados em imagens do satélite WorldView-2 Jeziel André Ferreira Sobrinho Marcelo de Carvalho Alves Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT Laboratório de

Leia mais

ASPECTOS DA CORREÇÃO GEOMÉTRICA DE IMAGENS ORBITAIS. Ivan Dornelas Falcone de Melo 1 Admilson P. Pachêco 2

ASPECTOS DA CORREÇÃO GEOMÉTRICA DE IMAGENS ORBITAIS. Ivan Dornelas Falcone de Melo 1 Admilson P. Pachêco 2 ASPECTOS DA CORREÇÃO GEOMÉTRICA DE IMAGENS ORBITAIS Ivan Dornelas Falcone de Melo 1 Admilson P. Pachêco 1 Universidade Federal de Pernambuco UFPE Programa de Pós-Graduação em Ciências Geodésicas e Tecnologias

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

2 Métodos de Medida da PMD

2 Métodos de Medida da PMD em Enlaces Ópticos 12 2 Métodos de Medida da PMD Teoria básica de medição da PMD discutida na referência 6, Test and Measurements. Neste capítulo serão abordados os aspectos mais importantes dos métodos

Leia mais

4º Encontro dos Atus PROJETO MSS. SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE DADOS SENSOR MSS MULTIPECTRALSCANNER SATÉLITES LANDSAT 1,2 e 3 ( 1973-1987).

4º Encontro dos Atus PROJETO MSS. SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE DADOS SENSOR MSS MULTIPECTRALSCANNER SATÉLITES LANDSAT 1,2 e 3 ( 1973-1987). PROJETO MSS SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE DADOS SENSOR MSS MULTIPECTRALSCANNER SATÉLITES LANDSAT 1,2 e 3 ( 1973-1987). Eng. André Ottoboni Dias ottoboni@dgi.inpe.br OBJETIVO DO PROJETO MSS FASE INCIAL : TRANSCRIÇÃO

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

aula Interpretação de imagens de satélite Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas II Autores Edilson Alves de Carvalho

aula Interpretação de imagens de satélite Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas II Autores Edilson Alves de Carvalho D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas II Interpretação de imagens de satélite Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 11 Governo Federal Presidente

Leia mais

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT.

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. 10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. Thalita Dal Santo 1 Antonio de Oliveira¹ Fernando Ricardo dos Santos² A técnica de fusão

Leia mais

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética Introdução aos métodos espectrométricos A espectrometria compreende um grupo de métodos analíticos baseados nas propriedades dos átomos e moléculas de absorver ou emitir energia eletromagnética em uma

Leia mais

Sol. O Balanço de Energia do Planeta

Sol. O Balanço de Energia do Planeta Sol O Balanço de Energia do Planeta Aquecimento desigual do Planeta...no tempo:...no espaço: BALANÇO DA RADIAÇÃO À ESCALA MENSAL Rad. de pequeno c.d.o. (recebida) Balanço da radiação (recebida-emitida)

Leia mais

RESTAURAÇÃO DE IMAGENS DO SATÉLITE LANDSAT-7

RESTAURAÇÃO DE IMAGENS DO SATÉLITE LANDSAT-7 INPE-10462-TDI/929 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS DO SATÉLITE LANDSAT-7 Giovanni de Araujo Boggione Dissertação de Mestrado do Curso da Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto, orientada pelos Drs. Leila Maria Garcia

Leia mais

Avaliação da qualidade radiométrica das imagens do satélite CBERS-2B. Érica Josiane Coelho Gouvêa Leila Maria Garcia Fonseca

Avaliação da qualidade radiométrica das imagens do satélite CBERS-2B. Érica Josiane Coelho Gouvêa Leila Maria Garcia Fonseca Avaliação da qualidade radiométrica das imagens do satélite CBERS-2B Érica Josiane Coelho Gouvêa Leila Maria Garcia Fonseca Instituto acional de Pesquisas Espaciais - IPE Caixa Postal 515-12245-970 - São

Leia mais

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM A Física por trás da Tecnologia RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Espectro electromagnético 3 Espectro de frequência para o sistema RFID Tamanho da antena Existe uma razão de proporção

Leia mais

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Ciências da Terra APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Pedro Nuno Gomes Venâncio Licenciatura

Leia mais

ESTIMATIVA DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE ATRÁVES DE IMAGENS ORBITAIS

ESTIMATIVA DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE ATRÁVES DE IMAGENS ORBITAIS ESTIMATIVA DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE ATRÁVES DE IMAGENS ORBITAIS Jefferson Aparecido Arestides De Melo 1, Heliofabio Barros Gomes 1,Rayonil Gomes Caneiro 2, Dimas De Barros Santiago 1, Carlos Denyson

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Cartografia Digital A AMS Kepler possui equipe de engenheiros cartógrafos e especialistas em Tecnologia da Informação que conferem à empresa um perfil único em Cartografia Digital. Com expertise em Sensoriamento

Leia mais

APÊNDICE D. D.1 - Arquivos de Entrada para o Processamento da Terceira Rotina (Vlsfit)

APÊNDICE D. D.1 - Arquivos de Entrada para o Processamento da Terceira Rotina (Vlsfit) APÊNDICE D Neste apêndice são comentados os arquivos de entrada e saída da terceira rotina do método de Green et al. (1993). D.1 - Arquivos de Entrada para o Processamento da Terceira Rotina (Vlsfit) Os

Leia mais

DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM

DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM PALMEIRIM, José Carlos ( 1 )e FERNANDES, Susana( 2 ) RESUMO As crescentes necessidades de utilização da água a níveis industrial, agrícola

Leia mais

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Tópicos relacionados Bremsstrahlung, radiação característica, espalhamento de Bragg, lei de absorção,

Leia mais

IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO CBERS - 2B/HRC APLICADAS À CARACTERIZAÇÃO URBANA DE ALFENAS MG

IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO CBERS - 2B/HRC APLICADAS À CARACTERIZAÇÃO URBANA DE ALFENAS MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. UNIFAL-MG INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA CURSO DE GEOGRAFIA Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Centro - Alfenas/MG CEP: 37130-000 Telefone: (35) 3299-1000/1419/1448/1457

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (PDI)

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (PDI) PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (PDI) 1. Retificação e restauração de imagem Correção geométrica Correção radiométrica Remoção de ruído 2. Melhoramento da imagem Manipulação de contrastes Manipulação

Leia mais

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos Volume 8 óptica Vídeo 49.1 Vídeo 49.2 Vídeo 49.3 Vídeo 49.4 Vídeo 49.5 Vídeo 49.6 Vídeo 49.7 Vídeo 49.8 Vídeo 49.9 Capítulo 49 Espelhos Planos Um feixe de micro-ondas refletido por uma placa metálica plana

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO 2000 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO

GEOPROCESSAMENTO 2000 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Cartografia IGC GEOPROCESSAMENTO 2000 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO Definição: A disciplina científica que junta os conhecimentos e técnicas usadas

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Livro: Fundamentos de Teledetección Espacial Autor: Emilio Chuvieco Tradução: Elódio Sebem. Capítulo 2: Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

Livro: Fundamentos de Teledetección Espacial Autor: Emilio Chuvieco Tradução: Elódio Sebem. Capítulo 2: Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Livro: Fundamentos de Teledetección Espacial Autor: Emilio Chuvieco Tradução: Elódio Sebem Capítulo 2: Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto 2.1 Fundamentos da observação remota Sensoriamento remoto

Leia mais

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny EFEITO COMPTON J.R. Kaschny Os Experimentos de Compton Das diversas interações da radiação com a matéria, um destaque especial é dado ao efeito, ou espalhamento, Compton - Arthur Holly Compton (93, Nobel

Leia mais

Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais Jorge Pereira Santos 1ª versão - 2013 Processamento Digital Geotecnologias e Software Livre www.processamentodigital.com.br

Leia mais

CENTRO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO - CDSR -

CENTRO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO - CDSR - CENTRO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO - CDSR - MIGUEL ZANIC CUELLAR miguel@dgi.inpe.br OBJETIVOS INTERNOS EXTERNOS OBJETIVOS INTERNOS Garantir a segurança no armazenamento dos dados de Sem. Rem. e seu

Leia mais

ANALÍTICA V 2S 2012. Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA V 2S 2012. Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA V 2S 2012 Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA Espectrofotometria no UV-Vis Vis - Parte I Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

Energia Fóton elétron volt (ev)

Energia Fóton elétron volt (ev) (1) Slide 1 Espectro eletromagnético O Espectro Eletromagnético Freqüência Hertz (Hz) Comprimento de Onda metros (m) Energia Fóton elétron volt (ev) Energia Fóton Joule (J) Raios gama Raios X Ultravioleta

Leia mais

O USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO

O USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO O USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO Marcos Roberto Martines mmartines@ufscar.br 2045 Curso: Geografia Ricardo Vicente Ferreira rcrdvf@gmail.com Curso: Geografia Resumo O uso de imagens de satélites e

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica. Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2

Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica. Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2 Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Av. dos Astronautas

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo Estudos de demanda hídrica e produtividade da água por meio de técnicas de sensoriamento remoto, modelagem e geoprocessamento: uso em escala regional e o planejamento do uso da água Reinaldo Lúcio Gomide

Leia mais

USO DE DADOS IKONOS II NA ANÁLISE URBANA: TESTES OPERACIONAIS NA ZONA LESTE DE SÃO PAULO

USO DE DADOS IKONOS II NA ANÁLISE URBANA: TESTES OPERACIONAIS NA ZONA LESTE DE SÃO PAULO INPE-9865-TDI/870 USO DE DADOS IKONOS II NA ANÁLISE URBANA: TESTES OPERACIONAIS NA ZONA LESTE DE SÃO PAULO Danilo Heitor Caíres Tinoco Bisneto Melo Dissertação de Mestrado em Sensoriamento Remoto, orientada

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com Descritivo de produto Fornecedor www.pginstruments.com ESPECTROFOTÔMETRO T90+ DESCRIÇÃO O T90 + é um espectrofotômetro duplo feixe de alto desempenho com largura de banda espectral variável 0.1. 0.2, 0.5,

Leia mais

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Os sensores instalados em satélites artificiais são o resultado

Leia mais

O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERRAMENTA NO ENSINO DE GEOGRAFIA NO ENSINO MÉDIO

O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERRAMENTA NO ENSINO DE GEOGRAFIA NO ENSINO MÉDIO 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SOCIOECONÔMICAS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PAULO SERGIO PEREIRA DE SANT ANNA O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERRAMENTA NO

Leia mais

Nome do Candidato: ATENÇÃO: Não serão aceitas respostas sem a justificativa detalhada das alternativas assinaladas.

Nome do Candidato: ATENÇÃO: Não serão aceitas respostas sem a justificativa detalhada das alternativas assinaladas. Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Centro de Ciências Físicas e Matemáticas - CFM Departamento de Física - FSC Curso de Pós-Graduação em Física PG - FSC Exame de Seleção - Prova escrita - 27/10/2009

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

Introdução aos Lasers de CO 2 Em Ciências da Vida

Introdução aos Lasers de CO 2 Em Ciências da Vida Introdução aos Lasers de CO 2 Em Ciências da Vida Denise Maria Zezell Laboratório rio de Biofotônica Centro de Lasers e Aplicações Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares IPEN/CNEN-SP L A S E R

Leia mais

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia Roteiro de aula Índices de Vegetação Composição de máximo valor (CMV) Perfis temporais - Estudos agrícolas - Estudos ambientais - Estudos climáticos Exercício prático Curva da reflectância de uma folha

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS SPRING 5.0.6

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS SPRING 5.0.6 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Humanas e da Educação CCE/FAED Deapartamento de Geografia DG Curso Mestrado em Planejamento Regional e Desenvolvimento Sócio Ambiental

Leia mais

The Gemini Multi-Object Spectrograph GMOS

The Gemini Multi-Object Spectrograph GMOS The Gemini Multi-Object Spectrograph GMOS Visão geral Componentes Imageamento Modos espectroscópicos o Fenda longa, MOS, IFU o Nod & Shuffle (fenda longa, MOS, IFU) Observando com o GMOS Informações importantes

Leia mais

SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES (SI)

SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES (SI) Grandezas e Unidades de Base Grandeza física de base (símbolo) Unidade de base (símbolo) Dimensão de base Definição da unidade de base comprimento (l) metro (m) L 1 m é o comprimento do trajecto da luz,

Leia mais

Bolsista: Sheila Garcia. Período a que se refere: 01abr04 a 31mar05. São José dos Campos, 01 de fevereiro de 2005.

Bolsista: Sheila Garcia. Período a que se refere: 01abr04 a 31mar05. São José dos Campos, 01 de fevereiro de 2005. RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES DO PROJETO TEMÁTICO URBANIZAÇÃO DISPERSA E MUDANÇAS NO TECIDO URBANO. ESTUDO DE CASO: ESTADO DE SÃO PAULO Bolsista: Sheila Garcia Instituição: INPE Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR

Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR A radiação solar é fonte primária de energia para os processos biológicos e meteorológicos que ocorrem na superfície. A sua importância

Leia mais

QUI346 QUÍMICA ANALÍTICA INSTRUMENTAL

QUI346 QUÍMICA ANALÍTICA INSTRUMENTAL QUI346 QUÍMICA ANALÍTICA INSTRUMENTAL Prof. Mauricio Xavier Coutrim DEQUI Suporte: http://professor.ufop.br/mcoutrim/disciplinas http://www.iceb.ufop.br/dequi/index.php/mauricio-xavier-coutrim 18/02/2015

Leia mais

ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5

ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5 ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5 Fabiano Barbosa dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 2, Lucas Barbosa Cavalcante 3, Maurílio Neemias

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO

INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO Evlyn Márcia Leão de Moraes Novo Flávio Jorge Ponzoni São José dos Campos 2001 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...03 1.1. Um breve histórico sobre o Sensoriamento Remoto...04 2.

Leia mais

Engenharia Espacial e Sensoriamento Remoto

Engenharia Espacial e Sensoriamento Remoto lâmina 1 FRENTE Engenharia Espacial e Sensoriamento Remoto SEGMENTO SOLO A AMS Kepler trabalha há 15 anos no Programa Espacial Brasileiro. Iniciamos em 1998 no Programa CBERS (China Brazil Earth Resources

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5

LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5 LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5 MADSON T. SILVA 1, VICENTE DE P. R. DA SILVA 2, RONILDO A. PEREIRA 3, JOSÉ A. B. DO AMARAL 4 1 Meteorologista,

Leia mais

Multiplataforma expansível que oferece. a exclusiva tecnologia ELOS. www.skintecmedical.com.br. Sinergia da Luz e Radiofrequência

Multiplataforma expansível que oferece. a exclusiva tecnologia ELOS. www.skintecmedical.com.br. Sinergia da Luz e Radiofrequência Multiplataforma expansível que oferece TM a exclusiva tecnologia ELOS Sinergia da Luz e Radiofrequência Ajuste individual da Energia Óptica e da Energia de RF para alcançar a máxima eficiência. Interface

Leia mais

VARIABILIDADE TEMPORAL DA VEGETAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TAPEROÁ-PB, USANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO

VARIABILIDADE TEMPORAL DA VEGETAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TAPEROÁ-PB, USANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO p. 001-006 VARIABILIDADE TEMPORAL DA VEGETAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TAPEROÁ-PB, USANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO MARTINHO QUEIROGA SALGADO SOBRINHO JOSÉ FERREIRA DA COSTA FILHO TALITA FREITAS

Leia mais

Campinas, 4 de outubro de 2011

Campinas, 4 de outubro de 2011 Anexo à Resolução Nº 506 Relatório de Ensaio Número: CertLab WIF 4454 11 01 Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 4 de outubro de 2011. Este Relatório de ensaio só

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

DINÂMICA MULTITEMPORAL DA VEGETAÇÃO NATURAL EM REGIÃO DE CANA- DE-AÇÚCAR NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

DINÂMICA MULTITEMPORAL DA VEGETAÇÃO NATURAL EM REGIÃO DE CANA- DE-AÇÚCAR NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. DINÂMICA MULTITEMPORAL DA VEGETAÇÃO NATURAL EM REGIÃO DE CANA- DE-AÇÚCAR NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Rafael Rebelo de O. Albaner 1, Alexandre Cândido Xavier 1 1 Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Determinação da irradiância solar no topo da atmosfera para cálculo do albedo e balanço de energia a partir de imagens LANDSAT 8 OLI

Determinação da irradiância solar no topo da atmosfera para cálculo do albedo e balanço de energia a partir de imagens LANDSAT 8 OLI Determinação da irradiância solar no topo da atmosfera para cálculo do albedo e balanço de energia a partir de imagens LANDSAT 8 OLI Anderson Luis Ruhoff 1 Bernardo Barbosa da Silva Novo 2 Humberto Ribeiro

Leia mais