N em balanço. Sessão comemorativa dos 40 anos da SPR. Terapêutica biológica diminui custos directos e indirectos. Editorial. Um bom ano!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "N31. 2011 em balanço. Sessão comemorativa dos 40 anos da SPR. Terapêutica biológica diminui custos directos e indirectos. Editorial. Um bom ano!"

Transcrição

1 Newsletter bimestral da Sociedade Portuguesa de Reumatologia n Novembro/Dezembro de 211 n Distribuição Gratuita Um bom ano! 211 em balanço 6 de Janeiro de 212 Sessão comemorativa dos 4 anos da SPR Estudo apresentado a 22 de Novembro Terapêutica biológica diminui custos directos e indirectos P2 P6 P7 Editorial Retrospectiva A presente Edição da Ligações procura retratar os principais acontecimentos levados a cabo pela Direcção neste seu primeiro ano de mandato, associando-os aos principais eventos realizados pelos Serviços de Reumatologia. Foi um ano de muito trabalho, baseado num planeamento rigoroso e atempado de todas iniciativas, contribuindo, por essa via, para os seus bons resultados. A Direcção mostrou-se uma equipa coesa, motivada e empenhada para, em cada caso, colocar toda a sua energia no atingir dos objectivos propostos. Consolidaram-se projectos, como o Registo Nacional dos Doentes Reumáticos, a Acta Reumatológica Portuguesa, a Escola de Ecografia, a formação para Internos de Reumatologia, ao mesmo tempo que se desenvolveram novos, como a parceria com a Católica Lisbon ou Fundo para a Investigação e Formação Reumatológicas, merecendo referência especial o primeiro estudo epidemiológico Nacional o ReumaCensus, para além do reforço do número de bolsas de investigação, entre outras acções. A Reunião Científica intercalar em Aveiro Artrite e Osso ultrapassou as expectativas iniciais e consolidou a vertente científica da nossa Sociedade. As Jornadas de Outono com outro sponsor manteve o carácter de reunião de toda a Família Reumatológica. No plano político reforçámos a nossa parceria com o Ministério da Saúde, através da DGS, participando de forma activa quer quando solicitados, quer por nossa iniciativa voluntária na discussão das Normas de Orientação Clínica e Terapêutica. Defendemos os nossos princípios no que diz respeito à prescrição de terapêuticas Biotecnológicas, na defesa do livre exercício da nossa prática clínica e do direito, legítimo, do acesso dos doentes àquela terapêutica. Se 21/211 se revelou assim francamente positivo, 212 será um ano duro. A indústria farmacêutica, suporte imprescindível de muitas das iniciativas por nós desencadeadas, é o retrato do País. Cortes, contenção, diminuição de investimento! Não pouparemos energias no prosseguimento do nosso projecto, na defesa da aposta nos projectos estratégicos, realizando, para além disso, tudo o que se mostre sustentável. Procuraremos dignificar o ano em que a SPR comemora quarenta anos, culminando no nosso Congresso de Maio de 212 com a aproximação às Sociedades Espanhola e Brasileira, com noção das realidades. Procuraremos que as dificuldades acrescidas se revelem num desafio suplementar à nossa imaginação! Boas Festas e um Ano de 212 pleno de sucessos! N31 Luís Maurício Presidente de Direcção da Sociedade Portuguesa de Reumatologia

2 Ligações de Destaque 211 em balanço Aposta da Sociedade Portuguesa de Reumatologia na formação e investigação e na afirmação da especialidade marcou o ano que se aproxima agora do fim Em Dezembro de 21, precisamente há um ano, Luís Maurício assinava o primeiro editorial enquanto presidente da Sociedade Portuguesa de Reumatologia, sugerindo que esta newsletter continuasse a reflectir o que se passava em nossa casa. Um ano depois, é tempo de balanço. Novos projectos Os números traduzem o sucesso de um dos projectos mais acarinhados: foram inseridos no Reuma.Pt (Registo Nacional de Doentes Reumáticos da SPR), até Dezembro de 211, 4749 doentes e consultas. Esta plataforma capta, neste momento, mais de 15 doentes com diversas doenças reumáticas sob terapêutica biológica; dos três mil doentes com artrite reumatóide em seguimento prospectivo, mil estão sob terapêutica biológica. A newsletter deste projecto, encarte da Ligações e editada por Pedro Machado e Sofia Ramiro, tem sido a principal fonte de actualização e divulgação do Reuma.pt; importa reter, no entanto, que a versão Web da plataforma será finalmente apresentada durante a Sessão Comemorativa dos 4 anos da SPR [vide pág. 6]. As candidaturas à primeira edição do Fundo para a Investigação e Formação Reumatológicas, criado pela SPR para fomentar a diversificação de apoios, terminam a 31 de Dezembro de 211. Neste âmbito, a parceria com dois laboratórios resultou em duas novas bolsas de investigação para 212 nas áreas de Doenças Raras (SPR / Genzyme) e da Osteoartrose (SPR / AstraZeneca). Por último, o EpiReuma.Pt com o nome público Reuma Census , lançado oficialmente no passado dia 9 de Setembro, na sede da ordem dos Médicos, em Lisboa, já está na rua e promete marcar uma nova era no estudo das doenças reumáticas. O projecto pode ser acompanhado on-line, em Eventos a recordar O 2.º Simpósio SPR, denominado Artrite e Osso (31 de Março a 2 de Abril, Aveiro), constituiu, segundo Luís Maurício, um embrião de uma futura mudança de periodicidade do Congresso Português de Reumatologia, pelo facto de ter ultrapassado vários níveis de expectativas: quase 7 inscrições, mais de 4 participantes efectivos, 64 posters, 12 comunicações orais e uma ampla cobertura dos media nacionais. Este simpósio foi o cenário da primeira apresentação oficial do XVI Congresso Português de Reumatologia, que decorrerá entre 1 e 5 de Maio de 212, no CS Palácio de Congressos do Algarve. A cidade de Viseu acolheu, em 211, dois eventos já com cartas dadas: o IV Fórum das Espondilartrites (25 e 26 de Fevereiro) e as Jornadas de Outono (3 de Setembro a 2 de Outubro), onde Luís Maurício teve a oportunidade de fazer um pré-balanço do primeiro ano de mandato. Merecem destaque também as III Jornadas dos Novos Centros de Reumatologia (29 e 3 de Abril, Óbidos). Marcar pontos A SPR tem mantido uma colaboração estreita com a Direcção- -Geral de Saúde desde há longa data. Começou com a elaboração de uma plataforma Web para o Reuma.pt e continuou mais recentemente com a colaboração na revisão da proposta inicial das recomendações para uso de anti-inflamatórios, para a terapêutica da osteoporose e para o uso de terapêutica biológica nos doentes reumáticos. Todas estas colaborações estão, neste momento, em curso e constituirão marcos importantes para a melhoria da prática médica a nível nacional. Em Málaga, no XXXVII Congresso Nacional da Sociedade Espanhola de Reumatologia, a SPR teve oportunidade de estreitar laços com esta Sociedade e a Sociedade Brasileira de Reumatologia, parceiros P2

3 Secretário de Estado Adjunto e da Saúde positivamente impressionado com o Reuma.pt na divulgação do XVI Congresso Português de Reumatologia e na organização, inclusive, de um dos cursos Pré-Congresso. Ainda no contexto internacional, a participação portuguesa no EULAR 211 foi um sucesso, pautando-se por dois oradores convidados, quatro comunicações orais, vinte e dois posters, e cinco representantes nos Standing Commitees: enfermeira Lurdes Barbosa (Health Professionals in Rheumatology), J. A. Melo Gomes (Pediatric Rheumatology), João Eurico Fonseca (Investigative Rheumatology ), Helena Canhão (Epidemiology and Health Services Research) e Margarida Oliveira (Musculoskeletal Imaging). Recorde-se que a SPR apoiou a candidatura de Maurizio Cutolo ao cargo de presidente-eleito da EULAR, sagrando-se vencedor. Esta é uma eleição estratégica para Portugal, dado que Cutolo assumiu o compromisso de envolver os reumatologistas portugueses nas iniciativas da EULAR e mostrou-se disponível para apoiar uma candidatura de Portugal quer à organização de um congresso europeu da EULAR quer à realização dos seus cursos em território nacional. Investimento na Formação O primeiro curso de Reumatologia Pediátrica para Internos de Reumatologia (21, 22 e 23 de Janeiro, Lisboa), coordenado por Melo Gomes, marcou o início de um ano que foi fértil em actividade formativa, com destaque para o II Curso sobre Técnicas Reumatológicas (12 de Fevereiro, Leiria), sob a direcção de J. M. Bravo Pimentão, a III e última acção de formação de formadores da ESPER (2, 3 e 4 de Abril, Aveiro), a acção de formação Health Management Challenges, em parceria com a Universidade Católica Portuguesa, o Curso sobre DMARDs para internos de Reumatologia (3 de Setembro a 1 de Outubro, Viseu) e o I Curso Básico de Ecografia Músculo-Esquelética (14 a 16 de Outubro, Castelo Branco). Healt Management Challenges foi, aliás, uma iniciativa inédita no âmbito formativo. As noções básicas de Marketing aplicado à Saúde, os sistemas de apoio à decisão e aspectos relacionados com liderança foram os temas que A SPR, representada por Luís Maurício, Viviana Tavares e José Carlos Romeu, defendeu peremptoriamente o acesso dos doentes às terapêuticas, nomeadamente as biológicas, no passado dia 2 de Outubro de 211, em reunião com o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Leal da Costa. Face ao quadro de dificuldades financeiras que o sector da Saúde enfrenta e à consequente necessidade de fazer um uso criterioso dos recursos disponíveis, Fernando Leal da costa assegurou que a prescrição de terapêuticas aos doentes que delas necessitassem nunca seria posta em causa, mas iria ser, eventualmente, sujeita a outro tipo de regras e controlo. Foi nesse contexto que a SPR apresentou os últimos print screens do Reuma.pt (Registo Nacional de Doentes Reumáticos da SPR), com o objectivo de provar a importância deste registo para assegurar a qualidade da prescrição e a sua manutenção e controlo, cumprindo critérios e guidelines nacionais e internacionais. Segundo Luís Maurício, Fernando Leal da Costa ficou positivamente impressionado com o Reuma.pt, afirmando que iria indagar as razões pelas quais este ainda não tinha sido operacionalizado pela Direcção-Geral de Saúde. Recorde-se que a 14 de Janeiro de 211, numa audiência entre João Gonçalves, Chefe de Gabinete do então Secretário de Estado da Saúde, Óscar Gaspar, um representante da DGS, Filipa Homem Christo, e vários elementos da SPR, a tutela da Saúde reafirmava o interesse na plataforma construída pela SPR e o objectivo de iniciar a respectiva operacionalização. P3

4 Ligações de Destaque despertaram mais a atenção dos formandos. O sucesso desta iniciativa levou a uma 2.ª edição, que está já agendada para 25 e 26 de Maio de 212. Ainda em 21, mas já no mandato da actual Direcção, a assinalar a primeira acção de formação para Internos, subordinada à temática Manifestações Cutâneas das Doenças Reumáticas, que decorreu a 11 de Dezembro, no Hotel Marriott, em Lisboa. Publicações No campo editorial, a Acta Reumatológica Portuguesa, órgão oficial da SPR, indexada à Pub/Medline e com factor de impacto atribuído, tem uma nova imagem e um site específico. Ambos serão apresentados na sessão comemorativa dos 4 anos da SPR, 6 de Janeiro de 212, na Casa- Museu da Fundação Medeiros e Almeida. A Ligações passou a assumir uma periodicidade bimestral, continuando a ser um elo privilegiado entre os reumatologistas. O Boletim Informativo continuou a desempenhar o seu papel de espelho para o exterior. Um bom ano, portanto! Eventos maduros em Reumatologia Quatro eventos clássicos, pela maturidade das edições e pela qualidade a que já habituaram a comunidade científica, marcam o último trimestre de 211. O Serviço de Reumatologia do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental (CHLO), EPE - Hospital Egas Moniz e a Disciplina de Reumatologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa organizaram as 4as Jornadas de Reumatologia Prática em Cuidados Primários, presididas por Jaime Branco, que ocuparam a capital portuguesa durante 22 e 23 de Setembro. O XXXII Curso de Reumatologia, presidido por José António Pereira da Silva e organizado pelo Serviço de Reumatologia dos Hospitais da Universidade de Coimbra, teve, neste ano, um formato diferente, que agradou aos mais de 5 participantes que se deslocaram ao Hotel Vila Galé, em Coimbra, nos dias 13 e 14 de Outubro. As IX Jornadas do Aparelho Locomotor, organizadas pelo Serviço de Reumatologia da Unidade Local de Saúde do Alto Minho, foram, neste ano, subordinadas ao tema Desafios em Reumatologia, e, como é habitual, tiveram casa cheia nos dias 28 e 29 de Outubro, na Universidade do Minho, em Braga. Outro encontro emblemático da Reumatologia foi realizado, nesta edição, um pouco mais cedo do que habitual: as XIX Jornadas Internacionais do Instituto Português de Reumatologia ocuparam o Centro de Congressos de Lisboa, entre 24 e 25 de Novembro, e receberam cerca de mil participantes. Merecem também destaque, tendo marcado o segundo trimestre de 211, as IV Jornadas dos Serviços de Reumatologia do Hospital de São João e da Faculdade de Medicina do Porto, que decorreram nos dias 6 e 7 de Maio, no Hotel Sheraton da cidade invicta. P4 Guidelines da SPR em balanço Por Prof. Doutor João Eurico Fonseca Ao longo do último ano, actualizámos as nossas recomendações sobre terapêutica biológica em doentes com Artrite Reumatóide, Espondilite Anquilosante, Artrite Idiopática Juvenil e Osteoporose, no total de quatro documentos, actualizámos o guia prático de utilização de biológicos na Artrite Reumatóide e ainda redigimos, pela primeira vez, as recomendações sobre terapêutica biológica em doentes com Artrite Psoriática. As recomendações sobre terapêutica biológica em doentes com Artrite Reumatóide foram uma das primeiras a ser publicadas a nível europeu (a primeira versão tem quase 1 anos) e têm sido actualizadas com uma frequência quase anual, à medida que o conhecimento sobre esta área progride e à medida que novos fármacos são introduzidos na prática clínica. Este trabalho está concluído e será publicado no próximo número da Acta Reumatológica Portuguesa. As recomendações sobre terapêutica biológica em doentes com Espondilite Anquilosante tinham tido só uma primeira versão, uma vez que o aumento da disponibilidade de novos fármacos nesta área terapêutica tem sido menor. No entanto, surgiram recentemente novos conceitos na área da monitorização desta doença que urgia inserir nestas recomendações. Este trabalho está concluído e será publicado no próximo número da Acta Reumatológica Portuguesa. As recomendações sobre terapêutica biológica em doentes com Artrite Idiopática Juvenil estão a ser alvo de uma profunda reestruturação de forma a integrar a introdução da terapêutica biológica no fluxograma complexo de decisões médicas que têm que ser tomadas no tratamento destas crianças. Por outro lado, devido à heterogeneidade da Artrite Idiopática Juvenil e à menor evidência publicada na literatura, sob a forma de ensaios clínicos, por comparação com o uso de terapêuticas biológicas nos adultos, foi necessário proceder a uma extensa revisão de dados provenientes de registos clínicos, estudos obrigacionais e opinião de peritos. Este trabalho está quase concluído e será publicado num dos próximos números da Acta Reumatológica Portuguesa. O guia prático sobre terapêutica biológica em doentes com Artrite Reumatóide consiste numa abordagem pragmática das dificuldades do dia-a-dia na prescrição destes fármacos e tem necessidade de actualização frequente, em paralelismo com o aumento do conhecimento na utilização dos fármacos e com a introdução de novas opções terapêuticas. Este trabalho está concluído e será publicado no próximo número da Acta Reumatológica Portuguesa. As recomendações sobre a terapêutica da Osteoporose publicadas inicialmente em 27 constituíram um marco importante numa área onde as opções terapêuticas são múltiplas e a decisão médica difícil. Com base nesta experiência prévia e nos novos fármacos entretanto introduzidos na prática clínica, está em elaboração final um texto que constituirá um novo marco importantíssimo nesta área terapêutica. Este trabalho está quase concluído e será publicado num dos próximos números da Acta Reumatológica Portuguesa. As recomendações sobre terapêutica biológica na artrite psoriática são as mais complexas de todas dada a heterogeneidade desta doença. Até recentemente, utilizámos adaptações das recomendações criadas para a Artrite Reumatóide e para a Espondilite Anquilosante, conforme o doente tivesse um componente de doença mais periférico ou mais axial. No entanto, esta adaptação era manifestamente insuficiente, deixando por comentar o envolvimento oligoarticular predominantemente dos membros inferiores, os fenómenos de dactilite, a relação entre o envolvimento cutâneo e articular e as formas de envolvimento predominantemente das IFD. Este trabalho está quase concluído e será publicado num dos próximos números da Acta Reumatológica Portuguesa. A elaboração e actualização de todas estas recomendações de actuação prática envolve quase todos os reumatologistas em múltiplas reuniões presenciais e revisões de textos por que contribuem para aproximar todos os reumatologistas num corpo só, com uma prática médica mais uniforme e mais baseada na evidência.

5 COM O APOIO PROGRAMA 1 DE FEVEREIRO 12h3 14h Almoço e Boas-Vindas 14h 14h15 Abertura Dr. Luís Maurício (Presidente da Sociedade Portuguesa de Reumatologia) 14h15 15h45 Manifestações extra-articulares nas Espondilartrites Moderadores: Dr.ª Fátima Godinho e Dr. Armando Malcata 14h15 14h45 14h45 15h15 15h15 15h45 15h45 16h 16h 18h 16h 16h3 16h3 17h 17h 17h3 17h3 18h 18h 18h15 FÓRUM DAS ESPONDILARTRITES 1 E 11 DE FEVEREIRO DE 212 BESSA HOTEL PORTO Manifestações intestinais das espondilartrites: novas perspectivas. Orador: Dr. Francisco Portela Psoríase - o que o reumatologista deve saber. Orador: Dr. Rui Tavares Belo Olho vermelho nas Espondilartrites - como tratar? Orador: Prof. Doutor Rui Proença Coffee break Miscelânea Moderadores: Dr.ª Inês Cunha e Dr.ª Paula Valente Entesite: um factor determinante nas espondilartrites. Orador: Dr. Paulo Monteiro 14h3 15h Artrite idiopática juvenil psoriática - uma entidade heterogénea. Orador: Dr.ª Ana Filipa Mourão 15h 15h3 Artrite reactiva: diagnóstico e opções de tratamento. Orador: Dr. Miguel Sousa Importância das Comorbilidades nas Espondilartrites. 15h3 16h Orador: Dr.ª Maria José Santos Encerramento do 1º dia 16h 16h3 11 DE FEVEREIRO 9hh 11h Exames nas Espondilartrites Moderadores: Dr.ª Cláudia Vaz e Dr.ª Margarida Oliveira 9h 9h3 9h3 1h3 1h3 11h 11h 11h15 11h15 12h45 11h15 11h45 11h45 12h15 12h15 12h45 12h45 14h 14h 16h 14h 14h3 HLA-B27 nas espondilartrites: o que há de novo? Orador: Dr. Fernando Pimentel Radiologia convencional nas Espondilartrites. Passado ou Actual? A favor: Dr.ª Catarina Ambrósio Contra: Dr.ª Helena Santos Utilidade diagnóstica da RMN na espondilartrite axial precoce. Orador: Dr. Alberto Vieira Coffee break Tratamento das Espondilartrites Parte I Moderadores: Dr. Luís Maurício e Dr. Pedro Abreu Qual o papel da MFR no tratamento do doente com Espondilite Anquilosante? Orador: Dr. Jorge Lains Tratamento das espondilartrites: o que é que os genes nos podem ensinar? Orador: Dr. Fernando Pimentel É possível prevenir o dano estrutural na Espondilite Anquilosante? Orador: Prof. Doutora Helena Marzo-Ortega Almoço Tratamento das Espondilartrites Parte II Moderadores: Dr. Miguel Bernardes e Dr.ª Anabela Barcelos Optimização da terapêutica anti-tnf nas espondilartrites axiais: quando e como? Orador: Dr.ª Elsa Sousa É eficaz o switch entre anti-tnf? Orador: Dr.ª Cátia Duarte Linfócitos Th17 nas espondilartrites: o fim da dicotomia Th1/Th2? Orador: Dr. Pedro Machado Novos tratamentos biológicos nas espondilartrites. Orador: Dr.ª Sofia Ramiro Encerramento II Curso Básico de Ecografia Músculo-Esquelética Hotel M AR De AR Muralhas Évora 27 a 29 Janeiro de 212 PROGRAMA DIA 27 (SEXTA-FEIRA) 9h-9h15 Abertura do Curso 9h15-1h Princípios físicos da ecografia Funcionamento do ecógrafo Artefactos e limitações técnicas em ecografia 1h-1h45 Imagens ecográficas das diversas estruturas músculo-esqueléticas normais 1h45-11h15 Intervalo para café 11h15-13h Exploração prática: Funcionamento do ecógrafo/ colocação da sonda Imagem ecográfica das diversas estruturas 13h-14h3 Almoço 14h3-15h Técnica da exploração ecográfica do Ombro 15h-16h3 Exploração prática: Ombro 16h3-17h Intervalo para café 17h3-18h Técnica de exploração ecográfica do Punho e Mão 18h-19h3 Exploração prática: Punho e Mão 2h Jantar DIA 28 (SÁBADO) 9h-9h3 Técnica de exploração ecográfica do Joelho 9h3-11h Exploração prática: Joelho 11h-11h3 Intervalo para café 11h3-12h Técnica de exploração ecográfica da Anca 12h-13h Exploração prática: Anca 13h-14h3 Almoço 14h3-15h Técnica de exploração ecográfica da Tíbio-társica e Pé 15h-16h3 Exploração prática: Tibio-társica e Pé 16h3-17h Intervalo para café 17h-17h3 Técnica de exploração ecográfica do Cotovelo 17h-18h3 Exploração prática: Cotovelo 2h Jantar DIA 29 (DOMINGO) 9h3-1h15 Elaboração de um relatório 1h15-11h Projecção de imagens ecográficas: identificação das estruturas 11h-11h3 Intervalo para café 11h3-12h Avaliação do curso e encerramento 12h3 Almoço ORGANIZAÇÃO PATROCÍNIO

6 Ligações Sólidas Sessão comemorativa dos 4 anos da Sociedade Portuguesa de Reumatologia No dia 6 de Janeiro de 1972, nascia a Sociedade Portuguesa de Reumatologia, presidida por Assunção Teixeira. Quarenta anos mais tarde, é o momento de recordar este marco. O próximo Dia de Reis terá um significado muito especial para todos os reumatologistas. É a celebração de um percurso. É a projecção de um novo futuro. É o momento de triunfo de uma especialidade. A sessão comemorativa dos 4 anos da Sociedade Portuguesa de Reumatologia terá lugar num cenário que marca também, ele próprio, o triunfo de uma vida : a Casa-Museu da Fundação Medeiros e Almeida, que acolhe temporariamente uma parte do acervo documental existente sobre a vida e obra de António de Medeiros e Almeida. Após a recepção aos convidados, às 18h3, durante a qual será dada a oportunidade de visitar a exposição temporária da Casa-Museu, Luís Maurício irá abrir oficialmente a sessão. Seguir-se-ão duas intervenções especiais: Figuras e Factos da Acta Reumatológica Portuguesa. Uma Visão Pessoal, por Mário Viana de Queiroz, ex- -presidente da SPR e ex-editor chefe desta publicação científica, e Um Passado com Futuro, por Viviana Tavares, presidente-eleita da SPR. Que significado tem para si o 4.º aniversário da Sociedade Portuguesa de Reumatologia? Uma pergunta simples, respondida com muita emoção, por alguns ex-presidentes da SPR. A segunda parte deste artigo será publicada na próxima edição, com testemunhos de outros ex-presidentes. Licínio Poças ( ) O que são quarenta anos? Uma eternidade, uma vida, uma saudade? Escolho a saudade Sinto que vivi e assim continuo. As funções que, bem ou mal, exerci na Sociedade Portuguesa de Reumatologia concedem-me uma eternidade curricular. Se saudade é memória triste de momentos felizes, outra coisa não posso sentir que gratidão. José A. Melo Gomes ( ) Esta questão pode ter múltiplas respostas Vou elaborar as 5 que me ocorrem com mais facilidade Janeiro de 1972 tinha 19 anos, era estudante de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa e vivia num País autocrático, muito seguro, muito controlado, de vistas muito limitadas e no qual a fundação desta Sociedade Científica, promovida por uma pessoa pouco querida ao regime político, passou quase despercebida para os não envolvidos. Janeiro de 1982 aos 29 anos, era Interno de Reumatologia e já tinha tido contactos vários com a SPR e participado num Congresso Português de Reumatologia (1978), onde apresentei 7 comunicações Livres. A SPR já era então a minha Sociedade Científica. Os Congressos Portugueses de Reumatologia eram organizados de forma irregular e a Acta Reumatológica Portuguesa tinha dificuldade em captar trabalhos. Janeiro de 1992 aos 39 anos, já tinha fundado a Unidade de Reumatologia do Hospital Militar Principal, que foi a segunda Unidade hospitalar de Reumatologia na região de Lisboa. Já fazia parte dos corpos gerentes da SPR, estando envolvido, de forma muito entusiástica, nos trabalhos e actividades da SPR. Os congressos Portugueses de Reumatologia tornaram-se mais regulares (bienais) e a Acta continuava com dificuldade em obter trabalhos para publicação. Janeiro de 22 aos 49 anos, já tinha sido Presidente-Eleito (1994/96) e Presidente da Direcção da SPR (1996/98), dando andamento à criação de Grupos de Trabalho da SPR, continuando a participar nas actividades da Sociedade e a ter o prazer de a ter visto crescer, em quantidade e na qualidade dos seus jovens membros, que têm constituído a maior mais-valia nesta nossa sociedade. A Acta Reumatológica Portuguesa continuava com dificuldades na captação de trabalhos para publicação. P6

7 Janeiro de 212 aos 59 anos mantenho o mesmo entusiasmo pela participação nas actividades da SPR, cujo crescimento me apraz registar! A SPR actual tem actividades e membros de uma qualidade e empenho que seriam dificilmente previsíveis há 2 ou 3 anos! Contudo, era para este resultado actual que todos trabalhámos desde há algumas décadas, confiando que o iríamos alcançar (e, agora, confiantes de que o vamos ultrapassar). A Acta Reumatológica Portuguesa é uma revista portuguesa indexada, e tem excesso de oferta de artigos para publicação, oriundos de todo o Mundo, vendo-se na necessidade de recusar muitos, por critérios de qualidade. Que significado têm para mim os 4 anos da SPR? Significam a satisfação de quem viveu profissionalmente ligado à SPR desde o fim do Curso de Medicina e teve o prazer de a ver crescer e atingir um nível muito superior ao existente há 3, 2 e 1 anos, graças ao trabalho de muitos e ao grande empenho e qualidade de alguns. E espero poder afirmar em 222 que os avanços da última década ainda foram mais notáveis Mário Rodrigues (1998-2) Não sendo ainda uma idade muito avançada, já é seguramente uma idade madura. Tem honrado os compromissos que assumiu perante os seus fundadores, mantendo-se em contínua evolução, e prestando um cada vez melhor serviço à sua causa primeira - a Reumatologia - e aos seus associados. É merecedora das nossas mais cordiais felicitações. Domingos Araújo (24-26) Os 4 anos da SPR representam 4 maravilhosas primaveras ao serviço dos doentes reumáticos e de dedicação à investigação e ensino em prol do progresso da Reumatologia Portuguesa. Os 4 anos da SPR foram anos de combate árduo pelo projecto da construção da Reumatologia Portuguesa mas, também, recheados de grandes sucessos obtidos pela qualidade dos seus especialistas reconhecidos internacionalmente. Terapêutica biológica diminui custos directos e indirectos Menos internamentos, menos baixas por doença, menos idas às urgências e maior qualidade de vida são, segundo um estudo promovido pela Plataforma mais Saúde, os ganhos consequentes da terapêutica biológica Apresentado a 22 de Novembro, no auditório do Infarmed, em Lisboa, o estudo vem demonstrar, segundo Arsisete Saraiva, porta-voz da Plataforma Mais Saúde, que a terapêutica biológica tem um impacto muito positivo no controlo da doença e na qualidade de vida dos doentes, traduzindo-se na diminuição dos custos directos para o Estado em internamentos, cirurgias e serviços de urgência, e dos indirectos, relacionados com baixas por doença e reformas antecipadas. Denominado Impacto da terapêutica biológica na qualidade de vida dos doentes, o estudo teve como base um inquérito realizado a mais de 15 pessoas com doenças inflamatórias crónicas, como artrite reumatóide, espondilite anquilosante, doença de Crohn, colite ulcerosa e psoríase. O encontro contou com várias figuras públicas, entre as quais o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Leal da Costa, que confessou estar a olhar para o despacho dos medicamentos biológicos, admitindo que eventualmente o mesmo terá de ser alterado, sem, no entanto, ter adiantado qualquer outra informação. José Carlos Romeu representou a Sociedade Portuguesa de Reumatologia neste evento. P7

8 Ligações de Parceria A combinação de Naproxeno e Esomeprazol, em dose fixa, tem eficácia e tolerabilidade comparáveis ao Celecoxib em doentes com osteoartrose (OA) do Joelho: resultados de dois ensaios controlados, randomizados. Hochberg MC et al. Arthritis Rheum 21; 62(1 Suppl.):S388; Hochberg MC et al. Curr Med Res Opin 211; 27: ; Cryer B et al. Ann Med 211; 43: Introdução: Faz parte das recomendações atuais que os doentes tratados com AINE, com risco gastroduodenal elevado, devem usar preferencialmente um inibidor selectivo da COX-2 ou um AINE não seletivo (ns) associado a um agente gastroprotector. Uma combinação fixa destes agentes tem o potencial de aumentar a adesão a estratégias gastro-protectoras em populações de risco e, ao reduzir a dispepsia associada à toma de AINE, aumentar a adesão a este tratamento com melhoria dos outcomes clínicos. Em 2 estudos idênticos, de não-inferioridade, em doentes com OA, comparou-se a eficácia e a tolerabilidade de uma combinação fixa de naproxeno 5 mg, com revestimento-entérico, e esomeprazol 2 mg, de libertação-imediata (naproxeno/esomeprazol), com o celecoxib 2 mg. Métodos: Dois estudos multicêntricos, de fase 3, duplo-cegos e controlados com placebo (PN4-37/39) incluíram doentes com idade 5 anos e com OA sintomática do joelho. Na sequência de uma agudização da OA, os doentes foram randomizados (2:2:1) para tratamento com naproxeno/esomeprazol, duas vezes por dia, celecoxib 2 mg por dia ou placebo, durante 12 semanas. Os endpoints primários foram a alteração média (entre o início do estudo e as 12 semanas) dos scores WOMAC-dor, WOMAC-função e PGA (Patient Global Assessment) da OA, utilizando uma escala visual analógica (VAS, -1mm); definiu-se como margem de não-inferioridade dos tratamentos activos, para cada endpoint, os 1 mm. A avaliação da tolerabilidade fez-se com o score msoda (modified Severity Of Dyspepsia Assessment), gravidade da azia e eventos adversos do tubo digestivo superior (EATDS) relacionados com a utilização de AINE. Resultados: No estudo 37, dos 619 doentes randomizados, 614 foram tratados e 521 concluíram o estudo. No estudo 39, dos 615 doentes randomizados, 61 foram tratados e 489 concluíram o estudo. Os dados demográficos foram semelhantes entre os grupos de tratamento, em ambos os estudos; a idade média foi 62 anos e > 6% eram mulheres. Figura 1 Tabela 1 Assistiu-se a melhoria dos scores WOMAC-dor, WOMAC-função e PGA- VAS com os dois tratamentos (naproxeno/esomeprazol e celecoxib), em ambos os estudos (Figura 1). A combinação naproxeno/esomeprazol não foi inferior ao celecoxib para cada endpoint primário; os limites superior/inferior do IC 95% das diferenças entre os tratamentos foram < 5 mm. Ambos os tratamentos activos mostraram eficácia significativamente superior ao placebo no estudo 37 (p <,5), enquanto apenas o naproxeno/esomeprazol foi significativamente superior ao placebo no estudo 39 (p <,5). O uso de acetaminofeno e as expectativas da população de que estaria a fazer um tratamento activo (dado o esquema de randomização 2:2:1), poderão ter contribuído para a elevada taxa de resposta observada no grupo placebo. A incidência de EATDS foi de 17,3% no estudo 37 e 2,3% no estudo 39, e foi similar entre os grupos de tratamento (Tabela 1). Os EATDS reportados por 3% dos doentes foram dispepsia, náuseas e dor abdominal superior. No estudo 37, 1,2%, 1,6% e 2,4% dos doentes interromperam o tratamento devido aos EATDS nos grupos naproxeno/esomeprazol, celecoxib e placebo, respectivamente; no estudo 39 estes valores foram de,8%, 3,7% e 2,5%, respectivamente. A melhoria no score msoda foi semelhante entre os grupos de tratamento em ambos os estudos, sem diferenças significativas entre os tratamentos activos (Figura 2). Os doentes tratados com naproxeno/ esomeprazol estiveram, significativamente, mais dias sem azia, que os tratados com celecoxib (IC 95%: Estudo 37: 2,1 vs 12,7; Estudo 39: 2,5 vs 13,4) e placebo (IC 95%: Estudo 37: 6,4 vs 19,2; Estudo 39: 1,1 vs 14,4) (Figura 3). Conclusões: Com eficácia não inferior e tolerabilidade (EATDS) comparável ao celecoxib, a combinação naproxeno/esomeprazol parece ser uma opção de tratamento eficaz e bem tolerada nos doentes com OA do joelho e risco gastrintestinal elevado associado à toma de AINE. PVMV2PT (a) Study Baseline 6 weeks 12 weeks Baseline (b) Baseline 6 weeks 12 weeks Baseline (c) Baseline 6 weeks 12 weeks Baseline A negative change from baseline in WOMAC pain function indicates improvement; a positive change from baseline in PGA-VAS indicates improvement., celecoxib; LS, least squares; mitt, modified intent-to-treat;, naproxen/esomeprazole magnesium;, placebo; PGA-VAS, Patient Global Assessment of osteoarthritis using visual analog scale; WOMAC, Western Ontario and McMaster Osteoarthritis Index. Figure 2. Mean change from baseline to week 12 in (A) WOMAC pain; (B) WOMAC function; and (C) PGA-VAS (mitt population). Study 39 6 weeks 12 weeks 6 weeks 12 weeks 6 weeks 12 weeks (a) Summary of predefined UGI AEs and discontinuations as a result of UGI AEs or any AE (safety population). Study 37 Study 39 (n=247) (n=243) (n=124) (n=243) (n=245) (n=122) Patients with any UGI AE, n (%) 41 (16,6) 41 (16,9) 24 (19,4) 46 (18,9) 53 (21,6) 25 (2,5) UGI Ars reported by >- 3% of patients,ª n (%) Dyspepsia 13 (5,3) 19 (7,8) 14 (11,3) 28 (11,5) 33 (13,5) 16 (13,1) Nausea 12 (4,9) 6 (2,5) 6 (4,8) 5 (2,1) 9 (3,7) 3 (2,5) Upper abdominal pain 1 (4,) 9 (3,7) 2 (1,6) 1 (4,1) 12 (4,9) 6 (4,9) Vomiting 5 (2,) 2 (,8) 4 (3,2) 3 (1,2) 4 (1,6) (,) Discontinuations due to UGI Aes, n (%) 3 (1,2) 4 (1,6) 3 (2,4) 2 (,8) 9 (3,7) 3 (2,5) Discontinuations due to AE, n (%) 18 (7,3) 16 (6,6) 7 (5,6) 16 (6,6) 22 (9,) 5 (4,1) a Any treatment group of either study. AE = adverse event; =celecoxib; = naproxen/esomeprazole magnesium; = placebo; UGI = upper gastrointestinal (N=245) -3,8 Study 37 (N=237) -4,6 (N=123) -3,7 (a) 1 Study 37 (b) 1 proportion (%) Figura 2 Figura ,9 (N=245) 71,5 (N=241) 66,1 (N=123) (b) proportion (%) (N=238) -4, 74, (N=241) Study 39 (N=241) -3,4 Study 39 (N=12) -4,3 66, 66,3 (N=243) (N=122) Figure 2. Change from baseline to week 12 in Msoda pain scores () in patients treated with naproxen/ esomeprazole magnesium, celecoxib and placebo (mitt population with last observation carried forward). 95% CI on treatment difference for naproxen/esomeprazole magnesium minus celecoxib in Study 37:-.4, 1.9; P=.1828; and for Study 39: -1.8,.6: P= ( = celecoxib; mitt = modified intent-totreat; LS = least squares; msoda = modified Severity of Dyspepsia Assessment; = naproxen/ esomeprazole magnesium; = placebo.) Figure 3. Proportion of heartburn-free days (LS mean %) in patients treated with naproxen/esomeprazole magnesium, celecoxib and placebo (mitt population with last observation carried forward). 95% CI on treatment difference for naproxen/ esomeprazole magnesium minus celecoxib in Study 37:- 2.1, 12.7; and for Study 39: 2.5, ( = celecoxib; mitt = modified intent-totreat; LS = least squares; msoda = modified Severity of Dyspepsia Assessment; NAP/ ESO = naproxen/esomeprazole magnesium; = placebo.) P8 FICHA TÉCNICA Propriedade: Sociedade Portuguesa de Reumatologia Concepção, edição e paginação: Maria Design Publicidade, Comunicação e Marketing Estratégico Revisão Científica: Sociedade Portuguesa de Reumatologia Periodicidade: Bimestral Tiragem: 2 exemplares

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 Objectivos Gerais: Continuar a lutar pela criação de Emprego Científico; o Organizar uma nova conferência sobre o Emprego Científico; Exigir a regulamentação do novo

Leia mais

NEWSLETTER Nº 2 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS

NEWSLETTER Nº 2 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS NEWSLETTER Nº 2 Manteve-se o NEDR em actividade durante os últimos 2 anos. Das suas actividades se reporta resumidamente nesta 2ª Newsletter. Queremos com esta pequena informação estimular uma maior adesão

Leia mais

SÚMULA CURRICULAR Jaime da Cunha Branco

SÚMULA CURRICULAR Jaime da Cunha Branco SÚMULA CURRICULAR Jaime da Cunha Branco 1_ DADOS BIOGRÁFICOS E FORMAÇÃO ESCOLAR JAIME DA CUNHA BRANCO, filho de Francisco Rodrigues Branco e de Dorinda Maria da Cunha Claro Branco( ), nasceu em Lisboa,

Leia mais

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa PARCERIA

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa PARCERIA 3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA ORGANIZAÇÃO PARCERIA UMA PUBLICAÇÃO Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa APRESENTAÇÃO Depois de duas edições,

Leia mais

ENCONTRO DE TUTORES E INTERNOS SPR-SER I CURSO DE TUTORES E INTERNOS 10-11 ABRIL 2015 / LISBOA This activity is supported by an educational grant from

ENCONTRO DE TUTORES E INTERNOS SPR-SER I CURSO DE TUTORES E INTERNOS 10-11 ABRIL 2015 / LISBOA This activity is supported by an educational grant from I CURSO DE 10-11 ABRIL 2015 / LISBOA This activity is supported by an educational grant from Diretores do curso (Espanha): Dr. Indalecio Monteagudo Sáez Diretores do curso (Portugal): Dr. Luís Cunha Miranda

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 27 de Outubro de 2009 9:21 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 -

Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 - Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 - Caros Estudantes e restante Comunidade Académica do IPBeja, No dia 29 de Abril de 2009 fui nomeado Provedor do Estudante pelo Presidente

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

MALO CLINIC abre clínica em Aveiro

MALO CLINIC abre clínica em Aveiro Tiragem: 11000 Period.: Semanal ID: 61314863 08-10-2015 GRUPO ESTÁ EM 46 CIDADES, 16 PAÍSES E 5 CONTINENTES MALO CLINIC abre clínica em Aveiro Âmbito: Economia, Negócios e. No ano em que comemora 20 anos,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS 2003 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2003 A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, doravante denominada

Leia mais

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP A experiência de Valongo Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Da Auto-avaliação

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO 2008

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO 2008 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO 2008 AREA DE FORMAÇÃO - ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA Foi possível no decorrer de 2008 encontrar na ÁREA DE FORMAÇÃO uma estabilidade ao nível dos recursos humanos que proporcionou

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Centro de Simulação Biomédica. Serviço de Anestesiologia. Bloco Operatório Central. Hospitais da Universidade de Coimbra CHUC, EPE.

Centro de Simulação Biomédica. Serviço de Anestesiologia. Bloco Operatório Central. Hospitais da Universidade de Coimbra CHUC, EPE. Centro de Simulação Biomédica Serviço de Anestesiologia Bloco Operatório Central Hospitais da Universidade de Coimbra CHUC, EPE. Curso Plano de Formação Avançada: Business Intelligence e o Novo Cliente

Leia mais

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Janeiro 2012 [Relatório de Actividades e Plano de acção para 2012] [ARS Centro] Comissão Regional da Saúde da Mulher, Criança e Adolescente

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

7 e 8 de fevereiro 2015

7 e 8 de fevereiro 2015 A saúde no topo da inovação 7 e 8 de fevereiro 2015 EPIC SANA Algarve Hotel Patrocínios Científicos A saúde no topo da inovação 7 e 8 de fevereiro 2015 Pfizer Summit Inflammation 2015 Evento onde convergem

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Projecto de Lei n.º 408/ X

Projecto de Lei n.º 408/ X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 408/ X Consagra o processo eleitoral como regra para a nomeação do director-clínico e enfermeiro-director dos Hospitais do Sector Público Administrativo e dos Hospitais,

Leia mais

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE APRESENTAÇÃO DO PRONTUÁRIO TERAPÊUTICO INFARMED, 3 DE DEZEMBRO DE 2003 Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos Exmo. Senhor Bastonário

Leia mais

1º Congresso de Controlo da Qualidade Laboratorial dos países de Língua Portuguesa. 21 a 24 de junho de 2015, no Rio de Janeiro

1º Congresso de Controlo da Qualidade Laboratorial dos países de Língua Portuguesa. 21 a 24 de junho de 2015, no Rio de Janeiro 1º Congresso de Controlo da Qualidade Laboratorial dos países de Língua Portuguesa 21 a 24 de junho de 2015, no Rio de Janeiro Começo por saudar a realização deste 1º Congresso de Controlo da Qualidade

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Universidade Agostinho Neto Faculdade de Direito Workshop sobre Formação Pós-Graduada e Orientação A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Por: Carlos Teixeira Presidente

Leia mais

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia istockphoto Conteúdo Caro leitor, Sobre o projecto... 2 Criando uma base de conhecimento para as regiões de convergência da Europa...

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

CURSO DE TEMAS CLÍNICOS PARA GESTORES DA SAÚDE

CURSO DE TEMAS CLÍNICOS PARA GESTORES DA SAÚDE CURSO DE TEMAS CLÍNICOS PARA GESTORES DA SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 20 novembro a 4 março O diálogo entre gestores e clínicos é fundamental para a implementação das melhores soluções organizacionais

Leia mais

Minhas Senhoras e meus senhores

Minhas Senhoras e meus senhores Cerimónia de entrega de Certificados de Qualidade ISO 9001 Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga 30 de junho de 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Dr. Emídio Sousa

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL CONTRA AS DOENÇAS REUMÁTICAS - PNCDR

PROGRAMA NACIONAL CONTRA AS DOENÇAS REUMÁTICAS - PNCDR PROGRAMA NACIONAL CONTRA AS DOENÇAS REUMÁTICAS - PNCDR Estratégias e Calendarização de actividades Programa do ano de 2005 (Actividades de 6 meses e 1 ano e início de actividades de 2 anos) O Programa

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Galp Energia Projecto Vidas Galp

Galp Energia Projecto Vidas Galp Galp Energia Projecto Vidas Galp Situação Informação sobre a empresa O Grupo Galp Energia é constituído pela Galp Energia e subsidiárias, as quais incluem a Petróleos de Portugal Petrogal, S.A., a Galp

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Bolsa de Inovação da Secção Regional de Lisboa DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGRAS DE ATRIBUIÇÃO

Bolsa de Inovação da Secção Regional de Lisboa DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGRAS DE ATRIBUIÇÃO A Direcção da Secção Regional de Lisboa da Ordem dos Farmacêuticos, reunida em sessão de 18 de Julho de 2012, deliberou instituir uma Bolsa, destinada a apoiar projectos de investigação e projectos profissionais

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Notas Biobibliográficas

Notas Biobibliográficas Guião de educação. Género e cidadania. Notas Biobibliográficas 333 Guião de Educação. Género e Cidadania 3 ciclo 334 Lisboa, CIG, 2009 NOTAS BIOBIBLIOGRÁFICAS Ângela Rodrigues é doutorada em Ciências da

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

Programa 1º Workshop Posicionar o Planeamento e Controlo de Gestão no Hospital. 6-7 Maio 2009 4ªf-5ªf

Programa 1º Workshop Posicionar o Planeamento e Controlo de Gestão no Hospital. 6-7 Maio 2009 4ªf-5ªf Programa 1º Workshop Posicionar o Planeamento e Controlo de Gestão no Hospital 6-7 Maio 2009 4ªf-5ªf A crescente relevância que as áreas do planeamento e controlo de gestão têm assumido na gestão das organizações

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Due Diligence Aspectos Práticos

Due Diligence Aspectos Práticos Due Diligence Aspectos Práticos Foi tendo em conta os aspectos práticos do tema que o Dr. Ivo Renato Moreira de Faria Oliveira apresentou o trabalho sobre o Due Diligence Financeiro no Contexto de uma

Leia mais

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica

Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica Plataforma Nacional de Ensaios Clínicos Lançamento Oficial Lisboa, 20 de Março 2012 Paula Martins de Jesus Grupo de Trabalho de Investigação Clínica

Leia mais

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa INICIATIVA INSERIDA NA EVENTO 3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA ORGANIZAÇÃO APOIOS UMA PUBLICAÇÃO ALTO PATROCÍNIO Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

Conselho Nacional de Educação. Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006)

Conselho Nacional de Educação. Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006) Votos de Pesar VOTOS DE PESAR Conselho Nacional de Educação Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006) Faleceu hoje, vítima de doença prolongada, a Prof. a Doutora Maria Teresa Vieira

Leia mais

Projeto de Resolução nº 505/XII/2ª

Projeto de Resolução nº 505/XII/2ª Projeto de Resolução nº 505/XII/2ª Recomenda ao Governo a abertura e funcionamento das Unidades de Cuidados Continuados já concluídas ou em fase de conclusão, a partir do início de 2013 A Rede Nacional

Leia mais

Grupo de Trabalho Português para o Investimento Social

Grupo de Trabalho Português para o Investimento Social Grupo de Trabalho Português para o Investimento Social Resumo da primeira reunião da Equipa de Trabalho 2 Capacitação das organizações para o impacto e investimento social Contacto para questões sobre

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Análise da Estrutura de Redes na Investigação Científica do CAML

Análise da Estrutura de Redes na Investigação Científica do CAML Apresentação de Resultados da 2.ª fase do Estudo Análise da Estrutura de Redes na Investigação Científica do CAML > Nuno Rodrigues APA > Sónia Barroso GAPIC Âmbito Dar continuidade ao estudo piloto sobre

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Exploratório - Centro Ciência Viva de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas,

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas, Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL Odivelas, 20 de Novembro 2010 Caros Colegas, Estando a terminar este ano de trabalho na Federação Concelhia de Odivelas, da qual eu fiz parte dos seus Órgãos Sociais neste

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

para promover a Equidade, Efectividade e Eficiência

para promover a Equidade, Efectividade e Eficiência Beja,22 e 23 de Outubro 2009 Doença Crónica na Criança reorganizar para promover a Equidade, Efectividade e Eficiência - Experiência do Centro de Desenvolvimento Torrado da Silva - Mª José Fonseca Doença

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC,

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC, REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE VOLUNTARIADO SOCIAL DO IPC E DA COMISSÃO EXECUTIVA Artigo 1º (Âmbito) De acordo com o estabelecido no ponto 5 do Artigo 4º do Regulamento de Enquadramento da Rede do

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

FÓRUM INTERNACIONAL DE JUVENTUDE UMA FORMA DE CIDADANIA ENCURTAR A DISTÂNCIA FORTALECER A CIDADANIA

FÓRUM INTERNACIONAL DE JUVENTUDE UMA FORMA DE CIDADANIA ENCURTAR A DISTÂNCIA FORTALECER A CIDADANIA CONVITE FÓRUM INTERNACIONAL DE JUVENTUDE UMA FORMA DE CIDADANIA ENCURTAR A DISTÂNCIA FORTALECER A CIDADANIA A Associação Chã de Matias e a FAJUDIS Federação de Associações Juvenis do Distrito de Santarém,

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

PROGRAMA JORNADAS BIOMÉRIEUX. Lisboa Porto

PROGRAMA JORNADAS BIOMÉRIEUX. Lisboa Porto PROGRAMA JORNADAS BIOMÉRIEUX Lisboa Porto Jornadas biomérieux 2010 Dando continuidade a uma iniciativa que colocamos ao seu dispor desde 1995, temos o prazer de lhe dar a conhecer o programa de acções

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 ÁREA ALIMENTAR GESTÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Formador: Eng. João Bruno da Costa TRIVALOR, SGPS NUTRIÇÃO Formador: Dr. Lino Mendes - ESTeSL - Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Março de 2014 Índice 1. Resumo das actividades....1 2. Perspectivas para as actividades

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 Por forma a melhor esclarecer os membros da OA quanto à posição e actuação da Ordem, nos últimos dois

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais