Entradas e Saídas a Contato. DeviceNet MANUAL DE INSTRUÇÕES. DeviceNet Node Module. 2 Inputs and 2 Outputs Digital / DN-B-KDN-2EP-2SC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entradas e Saídas a Contato. DeviceNet MANUAL DE INSTRUÇÕES. DeviceNet Node Module. 2 Inputs and 2 Outputs Digital / DN-B-KDN-2EP-2SC"

Transcrição

1 Módulo Digital Manual de Instruções MANUAL DE INSTRUÇÕES Entradas e Saídas a ontato onexões e onfiguração: O módulo possui em seu frontal um botão com uma função de memorizar a conexão dos expansores, bem como led s de sinalização, um conjunto de dipswitch em sua lateral para teste das entradas e saídas e outro para endereçamento na rede, além de duas entradas e duas saídas digitais. onfiguration 's de status Saída Saída Entrada Entrada Dipswitch para teste Dipswicht para endereçamento na rede DN Fig. onexão da Rede onector Trilho Power Rail Saídas Node Module Inputs and Outputs Digital / DN-B-KDN-EP-S Botão I/O onfiguration Entradas Status Fig. onexão da Rede onectores Trilho Power Rail Sense

2 0 I I Store I/O onfiguration PS ES Módulo Digital Módulo Digital onfiguração do Módulo na Rede : É possivel realizar o endereçamento do módulo na faixa de 0 a 63, para isto será necessário configura-lo através das dipswitches localizadas em sua lateral, conforme figura abaixo: Alimentação do Módulo: A alimentação Vcc do módulo é obtida através da rede e é distribuída para os expansores através do flat cable de interconexão dos expansores. Alarme: O Node Module possui um led (vermelho) que irá indicar a anomalia dos módulos expansores. onfiguração dos Módulos es: om finalidade de diferenciar um módulo expansor de outro, para sua integração com o módulo principal (node module) devemos configurar cada módulo expansor de I/O com o seu número exclusivo (endereço), conforme definido na tabela abaixo: I/O Network Module Number 0 or or Not used onfiguração dos es: O Node Module requer que a configuração do número de módulos expansores tanto de entrada como de saída sejam armazenados, afim de informar a rede se houver qualquer problema com os módulos expansores, através do bit Status. Armazenando a onfiguração: O Node Module possui um botão de configuração junto com o led de status. Fig. 3 Teste das Entradas e Saídas: A chave dipswitch montada na lateral do módulo permite forçar o acionamento das entradas e/ou saídas, independente do elemento de campo ou do comando recebido pela rede. Fig. or or 9 I/O or 6 I/O 3 or 7 I/O 3 Tab. Nota: Se dois módulos expansores forem configurados com o mesmo número nenhum deles irá funcionar e o led de status dos expansores irá ascender. 7 9 Botão I/O onfiguration Procedimento Inicial: Antes de energizar os módulos, interconecte o flat cable entre os es de I/O e o Node Module. O O 3 6 Status Fig. 0 Nota: Antes de endereçar o módulo, certifique-se de que somente este módulo esteja com o endereço escolhido, caso outro módulo seja configurado com o mesmo endereço os dois módulos não irão funcionar. Para substituição do módulo, vide Substituição do módulo neste manual. Tabela de Endereçamento: Tab. uidado! As chaves devem ser mantidas na posição OFF para que as entradas possam enviar corretamente os sinais do elemento de campo e as saídas possam ser comandadas pela rede. s de Status: Interconexão dos Módulos: Os módulos expansores de I/O devem ser interconectados entre si e ligados ao módulo principal (node module) e para tanto utilizar um cabo flat END S6 S S S3 S S END S6 S S S3 S S Status Slave Status Verde Aceso - conected with master Verde Piscando - no conection Vermelho Piscando - time-out Vermelho Aceso - redundant Mac ID Verde ON - Power OK / Red ON - out of range Aceso - Slave error / piscando - Output OFF Tab. 6 Número de Módulos es: O número de módulos expansores limita-se a capacidade do módulo principal (node module), pode ser aplicado conforme a tabela abaixo: Módulo Principal DN-B-KDN-EP-S es de Entrada es de Saída Máximo 3 Máximo 3 Tab. 7 Nota: Os módulos principais (Node Modules) podem utilizar módulos de entrada independentemente dos de saída, ou seja, podemos aplicar 3 módulos expansores de entrada, mais 3 módulos expansores de saída. Flat able Fig. 9 Node Module Output Input Output Input Output Input Modules Des. Nota : nunca ligue o flat cable com os módulos energizados. Nota : respeite o número máximo de módulos que o Node Module admite. Nota 3: caso não utilize o número máximo de módulos que pode-se cortar o flat cable ou mante-lo para expansão futura. Energize os módulos. Observe que o led de Status irá acender em vermelho. Pressione o botão I/O onfiguration por segundos para armazenar a configuração atualmente instalada. Se durante a operação normal do sistema a interligação de algum expansor for perdida, o led irá ascender indicando a anomalia. Nota: caso algum módulo seja removido ou acrescentado, deve-se refazer a configuração, pressionando o botão I/O onfiguration por segundos. Sense 3 Sense

3 Fixação do Módulo: A fixação do módulo KD internamente no painel deve ser feita utilizando-se de trilhos de 3 mm (DIN-677), com opção de utilização de Power Rail. O cabo deve ser conectado na lateral do módulo e caso seja utilizada a opção com Power Rail este cabo deve ser conectado somente em um dos módulos, pois o Power Rail faz a distribuição do cabo para os outros módulos do mesmo trilho, para fixá-lo siga os procedimentos abaixo: om auxílio de uma chave de fenda, empurre a trava de fixação do módulo para fora, (fig.0). Abaixe o módulo até que ele se encaixe no trilho, (fig. 03). Fig. 3 Fig. Módulo Digital Sistema Power Rail: onsiste de um sistema onde as conexões de alimentação e comunicação são conduzidas e distribuídas no próprio trilho de fixação, através de conectores multipolares localizados na parte inferior do módulo. Este sistema visa reduzir o número de conexões externas entre os instrumentos da rede conectados no mesmo trilho. 3 Des. 7 onectores onectores Trilho Power Rail Trilho DIN 3mm Trilho Autoalimentado tipo Power Rail : O trilho power rail TR-KD-0 é um poderoso conector que fornece interligação dos instrumentos conectados ao tradicional trilho 3mm. Quando unidades do KD forem montadas no trilho automaticamente a alimentação, shield e comunicação da rede será conectada, aos módulos. TRILHO TR-KD BARRAMENTO DE DADOS OPIONAL (TR-KD-0) Vcc BARRAMENTO DE ALIMENTAÇÃO Módulo Digital Entrada Entrada Relay Outputs Entradas Digitais: 7 9 Digital Inputs and Digital Outputs DN-B-KDN-EP-S-P 0 PNP Inputs Frontal Switch: + To store I/O E Modules IN- onfiguration. E IN- BLAK BLUE SHIELD WHITE RED Tel.: OUT- OUT- DN Network NL NH NH POWER RAIL 3 NL onectores Trilho Power Rail Fig. 0 I/O Modules when power is on. BUS I/O Modules. Dipswitch e (Input force) Interconexão Node e I/O Modules onexão da Rede 3 Aperte a trava de fixação até o final (fig.0) e certifique que o módulo esteja bem fixado. Fig. uidado: Na instalação dos módulos no trilho com um sistema Power Rail, os conectores não devem ser forçados demasiadamente para evitar quebra dos mesmos, interrompendo o seu funcionamento. Montagem na Horizontal: Recomendamos que os módulos, sejam montados na posição horizontal afim de que haja melhor circulação de ar e que o painel seja provido de um sistema de ventilação evitando o sobreaquecimento dos componentes internos. OOR EMENDA TR-KD-PL TAMPA TR-KD-TE 00mm ( SLOTS 0mm) TRILHO TR-DIN-3 Sistema Plug-In: Neste sistema as conexões dos cabos são feitas em conectores tripolares que de um lado possuem terminais de compressão, e de outro lado são conectados ao equipamento. Este sistema tem por finalidade facilitar a instalação e o arranjo da fiação além de contribuir na manutenção possibilitando a rápida substituição do equipamento. Para que o instrumento seja fornecido com o sistema plug-in basta acrescentar no final do código -P. Sistema com Borne Des. Sistema Plug-In Sinalização: A figura abaixo ilustra do painel com os leds de sinalização do Node Module DN-B-KDN-EP-S: Entrada Entrada 3 6 I I O O PS ES Store I/O onfiguration Fig. Alimentação Status Fig. 6 Des. 9 Sense 6 Sense

4 Módulo Digital Módulo Digital Modulo I/O DN-B-KDN-EP-S: Relay Outputs 7 9 Digital Inputs and Digital Outputs DN-B-KDN-EP-..-P 0 PNP Inputs Frontal Switch: + To store I/O E Modules IN- onfiguration. E IN- BLAK BLUE SHIELD WHITE RED OUT- OUT- DN Network NL NH POWER RAIL 3 BUS Des. I/O Modules when power is on. I/O Modules. onexão ontato Seco: O módulo admite a conexão de contatos secos como: botões de comando, comultadores, chaves fim de curso, etc. A interconexão dos contatos secos é similar a ligação do sensor à dois fios. Diagrama de onexão ontato Seco: E E + IN- IN- onexão Sensor à 3 Fios: O módulo admite a conexão de sensores em corrente contínua à 3 fios (PNP). O que é sensor em orrente ontínua à 3 Fios: Os sensores em corrente contínua à três fios são alimentados em Vcc através dos fios positivo marrom ( + ) e negativo azul (-)dosensor. Possuem em seu estágio de saída um transistor que tem a função de chavear (ligar ou desligar) a carga conectada ao sensor. Tabela de onexão do Sensor: Entrada IN- IN- Bornes Tab. (+),(E)e3(-) (+),(E)e6(-) Entrada Simultânea: ada entrada do módulo a conexão de um tipo de sensor diferente, portanto pode-se utilizar um sensor PNP na entrada IN e um contato seco na entrada IN. Diversos Tipos de Sensores Sendo Utilizados: E E + IN- IN- Tel.: NH NL O sistema com módulos de entrada é formado pelo Node Module DN-B-KDN-EP-S, com duas entradas PNP, podendo ser expandidas com mais três unidades do módulo expansor KD-EP em um único endereço que pode ter até entradas digitais. Módulo de Entrada KD-EP: PNP Inputs 7 + IN- WORK I/O - Module Digital Inputs - KD-EP I Des. 3 0 O que é sensor em orrente ontínua à Fios: São sensores em corrente contínua similar aos sensores PNP e NPN, porém sem o terceiro fio que alimenta o sensor. onexão Sensor Fios: O módulo admite a conexão de sensores à dois fios nas versões N (NA) e N (NF). Tabela de onexão do Sensor: Tab. 6 Entrada Des. Bornes Diagrama de onexão Sensor 3 Fios: E E + IN- IN- Mapa dos Bits de Entrada: A tabela abaixo ilustra o mapa dos bits de entrada do módulo DN-KDN-EP-S e dos expansores de I/O: Módulo Entrada Bit I/O Des. 3 IN- 0 IN- IN I I3 I Tel.: IN- IN-3 IN- Network I/O Module onexão das Entradas: As entradas digitais do Node Module podem se acionadas por sensores de proximidade (indutivos, capacitivos, etc ) a dois ou três fios, bem como contato seco (botoeiras, chaves fim de curso, etc). GR BUS this device to its Node Module when power is on. Node Modules and I/O s. IN- IN- (+)e(e) (+)e(e) Diagrama de onexão Sensor Fios: N ou N NA ou NF NA ou NF E E + IN- IN- or dos Fios dos Sensores: As cores dos fios dos sensores são normalizadas internacionalmente e sua função está indicada na tabela abaixo: Tab. 30 or Marrom Azul Preto Branco Des. 9 Função Positivo Negativo NA NF I/O I/O 3 Node Module IN- 3 IN- IN- IN-3 6 IN- 7 IN- IN- 9 IN-3 0 IN- IN- IN- 3 EXPANSION Fig. Des. 7 Sense 7 : bit inativo quando houver falta de alimentação nos módulos expansores de I/O. EXPANSION : bit ativo se houver alteração da configuração dos módulos expansores de I/O. Sense

5 BUS BUS Saídas Digitais: Módulo Digital Módulo Digital Modulo I/O DN-B-KDN-EP-S: 7 Digital Inputs and Digital Outputs DN-B-KDN-..-S-P Des. 3 0 Proteção das Saídas: omo as saídas são a relé, pode-se chavear altas correntes e para evitar danos ao instrumento aconselhamos utilizar uma proteção para cada saída, com fusível ou disjuntor. Relay Outputs BLAK BLUE SHIELD WHITE RED 7 9 Digital Inputs and Digital Outputs DN-B-KDN-EP-S-P 0 PNP Inputs Frontal Switch: + To store I/O E Modules IN- onfiguration. E IN- Tel.: OUT- OUT- DN Network NL NH NH POWER RAIL 3 NL onectores Trilho Power Rail Sinalização: A figura abaixo ilustra do painel com os leds de sinalização do Node Module DN-B-KDN-EP-S: Saída Saída I/O Modules when power is on. BUS I/O Modules. Fig I I O O PS ES Store I/O onfiguration Fig. 3 Saída Saída Alimentação Status Dipswitch 3e (Output force) Interconexão Node e I/O Modules onexão da Rede PNP Inputs BLUE RED Relay Outputs BLAK SHIELD WHITE E E + Tel.: IN- IN- OUT- OUT- DN Network NL NH NH O Sistema com módulos de saídas é formado pelo Node Module DN-B-KDN-EP-S, com duas saídas à contato que podem ser expandidas com mais 3 unidades do módulo expansor KD-S em um único endereço que pode ter até saídas digitais. Módulos es de Saída KD-S: Relay Outputs onexão das Saídas: As saídas digitais do módulo DN-B-KDN-EP-S são utilizadas para acionar lâmpadas, sinalizadores, contatores, solenóides, etc. O sinal aplicado a saída é comandado pelo PL e chega ao módulo através da rede. Tabela de onexão das Saídas: Tab. 37 Saída Bornes Q- ()e() Q- ()e9() apacidade das Saídas: Tab. 3 ontato A Potência 00Va 60W Tenão 0Vca 30Vcc orrente Aca Acc POWER RAIL 3 NL Frontal Switch: To store I/O Modules onfiguration. I/O Modules when power is on. I/O Modules. 7 WORK I/O - Module Relay Outputs KD-S OUT- OUT-3 OUT- 9 OUT- Tel.: Network I/O Module GR 0 this device to its Node Module when power is on. Node Modules and I/O s. Des. 36 ~ Mapa dos Bits das Saídas: A tabela abaixo ilustra o mapa dos bits das saídas do módulo DN-B-KDN-EP-S e dos expansores de I/O: Módulo Saída Bit I/O I/O I/O 3 Node Module + 9 IN- IN- OUT- OUT- EXPANSION OUT- 0 OUT- OUT-3 OUT- 3 OUT- OUT- OUT-3 6 OUT- 7 OUT- OUT- 9 OUT OUT - OUT - OUT - 3 FORE -- Supressor de Transiente: Tab. 0 Aconselhamos a utilização de supressores de transiente nas cargas indutivas A, principalmente em contatores com correntes superior a 00mA. Supressor de Transiente Fig. Des. 39 Sense 9 0 Sense

6 Aplicação em M: Este módulo é ideal para automação, pois possui saídas a relé que podem ligar diretamente os contatores dos motores, além de suas entradas permitirem a monitoração de: olamento dos contatos do contator, através da monitoração de seu contato auxiliar. Detecção de desarme do disjuntor, através de seus contatos auxiliares. Monitoração do relé térmico, também pelo seu contato auxiliar. TRAFO POTÊNIA Módulo Digital Rede Fig. Des. 3 Módulo Digital I< Aca ontato Auxiliar ontator >0HP Fig. 30 Acionamento da Bobina ontato Aux. Alimentação Saída para ircuito Para Aplicação em M: Disjuntor A Motor Recomendamos para o caso de grandes motores, utilizar contatores auxiliares ligados aos módulos KD e quando for necessário o chaveamento direto do contator principal, nunca utilize nenhuma das fases do motor para acionamento do contator, devido aos ruidos gerados no desligamento do motor. Módulo Digital onfiguração do PL: Mapeamento de Memória: Os dados digitalizados do módulo utilizam a rede, para chegar ao PL, e especificamente são trocados com o cartão SANNER. Fig. Uma vez que os dados cheguem ao PL devem ser armazenados em uma memória para poder ser acessado pelo programa com a lógica de intertravamento. Inicialmente após a montagem física da rede com os módulos e outros componentes, deve-se instruir o SANNER do PL sobre os equipamento da rede, com a forma e quantidade de informações que devem ser trocadas. Fig. 6 A última versão do arquivo EDS do módulo digital está disponível para download em nosso site na Internet, e deve ser carregado no software de configuração antes de iniciar a configuração da rede. Scan List: O primeiro passo para a configuração do scanner para que o módulo analógico possa funcionar, deve ser executado incluindo-se o módulo no SAN LIST do scanner. IRUITO ONTROLE DN-KD O software de configuração da rede (RS NetWorx) tem como função básica armazenar no scanner as informações necessárias para a troca de dados com os equipamentos de campo. Instalação Não Recomendada: aso seja impreterível utilizar as fases que alimentam o motor elétrico para acionar o contator do motor, opção que não recomendamos, a corrente máxima de chaveamento da saída à relé do KD não deve exceder 00mA. O motivo de tal limite basea-se em restringir o tamanho do contator e por consequencia o tamanho do motor acionado, prevenindo contra os picos de tensão que o motor gera após seu desligamento, que inclusive podem romper a isolação do relé de saída do módulo I/O. TRAFO POTÊNIA Des. Arquivo EDS: Para que não seja necessário digitar as informações de configuração de cada equipamento, o software de configuração da rede utiliza um arquivo eletrônico chamado EDS Electronic Data Sheet, este arquivo que utiliza o formato texto, traz informações do equipamento, tais como: fabricante, modelo, vendor ID, número de bytes de entrada e saída utilizados, tipos de comunicação suportados, códigos para configuração interna do instrumentos (ex.: tipo de entrada ou saída, condição sob defeito, etc). Fig. 7 Observe que somente os equipamentos apresentados na lista a direita estão sendo considerados para a troca de informações, os equipamentos apresentado na lista da esquerda foram encontrados na rede mas não estão mapeados. I<00mA DN-KD Sense Sense

7 Fig. 0 Mapeamento das Entradas: O módulo digital requer word para todas as entradas digitais (totalizando: word ou bytes), conforme ilustra a figura seguinte para um módulo mapeado para a posição de memória M. Módulo Digital Mapeamento das Saídas: A saída do módulo digital requer word ( bytes) de memória para armazenar o comando para a sua saída, conforme ilustrado na figura seguinte para um módulo mapeado para a posição de memória M0. Módulo Digital uidados com a Rede : MalhadeAterramento: Um dos pontos mais importantes para o bom funcionamento da rede é a blindagem dos cabos, que tem como função básica impedir que fios de força possam gerar ruídos elétricos que interfiram no barramento de comunicação da rede. TA: Aconselhamos que o cabo da rede seja conduzido separadamente dos cabos de potência, e não utilizem o mesmo bandejamento ou eletrodutos. Para que a blindagem possa cumprir sua missão éde extrema importância que o fio dreno esteja aterrado somente em um único ponto. Inclusive todos os equipamentos possuem um borne para conexão do fio de dreno, que internamente não está conectado a nenhuma parte do circuito eletrônico, e normalmente forma uma blindagem em volta do circuito através de pistas da placa de circuito impresso. SANNER VM BR MALHA AZ PR Fig. 3 Fig. Fig. 9 Lógica de Intertravamento: A lógica de intertravamento desenvolvida para a aplicação pode utilizar diretamente os endereços M ou M0, ou pode ainda transferir os dados para memórias auxiliares do arquivo N, conforme o exemplo a seguir: Des. Fonte de Alimentação da Rede O cabo possui uma blindagem externa em forma de malha, que deve ser sempre cortada e isolada com fita isolante ou tubo plástico isolador em todas as extremidades em que o cabo for cortado, conforme ilustra a figura. Deve-se tomar este cuidado na entrada de cabos de todos os equipamentos, principalmente em invólucros metálicos, pois a malha externa do cabo não deve estar ligada a nenhum ponto e nem encostar em superfícies aterradas. Da mesma forma que a blindagem externa, aconselhamos isolar o fio de dreno em todas as suas extremidades com tubos plásticos isoladores, a fim de evitar seu contato com partes metálicas aterradas nos instrumentos. Todos estes cuidados na instalação devem ser tomados para evitar que a malha ou o fio de dreno sejam aterrados no campo. Fig. Fig. Existe ainda um fio de dreno no cabo, que eletricamente está interligado a malha externa do cabo, e tem como função básica permitir a conexão da malha a bornes terminais. Sense 3 Sense

8 DEVIE DEVIE Módulo Digital Módulo Digital Ao final da instalação deve-se conferir a isolação da malha e dreno em relação ao aterramento, e com um multímetro que deve acusar mais do que M. SANNER VM BR MALHA AZ PR Fonte de Alimentação da Rede Des. Blindagem de Redes com Múltiplas Fontes: Outro detalhe muito importante é quando a rede utiliza duas ou mais fontes de alimentação e somente uma delas deve estar com o negativo da fonte aterrado em uma haste junto com o fio de dreno da rede. Observe que neste caso as fontes de alimentação não devem ser ligadas em paralelo, e para tanto deve-se interromper o positivo, para que em um mesmo trecho não exista duas fontes. Fonte de Alimentação do Trecho Fonte de Alimentação da Rede: Outro ponto muito importante é a fonte de alimentação da rede, e aconselhamos a utilização da fonte Sense modelo: KFT-0R/AT0-0Vac, que possui as características: tensão de saída ajustável de a Vcc, capacidade de saída suporta pico de mais de 0A equipada com proteção de surge até 000Vpp Sendo que a proteção de picos de surge (certificação E categoria 3 para pulsos de surge), evita que transitórios gerados na rede elétrica que alimenta a fonte de alimentação possam passar para a rede e causar a queima dos módulos de I/O. Distribuidor de Alimentação: Também aconselhamos a utilização do módulo de distribuição de alimentação Sense modelo: DN-MD--DA-VT para a conexão da fonte de alimentação na rede, oferecendo as seguintes vantagens: bornes aparafusáveis para conexão de dois trechos de rede e para a fonte de alimentação borne para conexão do fio de aterramento da rede, leds de sinalização de alimentação nos trechos, sinalização dos trechos alimentados pela fonte, sinalização de irregularidades no trecho não alimentado pela fonte local, chave dipswitch para comandar a desenergização dos trechos para verificações e manutenção, proteção para picos de surge na entrada da fonte local e nos trechos de entrada e saída da rede. Des. 7 TREHO Após este teste o fio dreno deve ser interligado ao negativo da rede no borne - da fonte de alimentação que energizara a rede. Então ambos e - devem ser ligados ao sistema de aterramento de instrumentação da planta em uma haste independente do aterramento elétrico, mas diferentes hastes podem ser interconectadas por barramento de equalização de potencial. SANNER VM BR MALHA AZ PR Fonte de Alimentação da Rede Des. 6 TREHO Interromper Fonte de Alimentação da Rede Fig. Monitor de Alimentação: O monitor de Alimentação KF-KD é um instrumento que tem a função de receber a alimentação de Vcc e distribui-la para o trilho autoalimentado (TR-KD-0). Monitoração de Defeitos: O monitor possui um led verde que indica a presença de alimentação Vcc na entrada, caso a tensão de alimentação caia abaixo do mínimo permitido (0 Vcc) ou a corrente consumida seja maior que A o circuito de sinalização de defeitos irá sinalizar a anomalia através de um led vermelho montado no painel frontal. Defeito Vermelho Alimentação Verde SENSE KF-KD Porta Fusível Diagrama do Distribuidor de Alimentação: Vide manual do distribuidor em nosso site. FE- 0R Fig. 9 Aterramento Instrumentação VM BR MALHA AZ PR FE+ FE- Aterramento Elétrico UIDADO! Repetimos: é de extrema importância que a malha de aterramento esteja aterrada somente em um único ponto junto a fonte de alimentação da rede. Aconselhamos que toda vez que houver manobras no cabo da rede ou manutenção nos instrumentos, se desligue a conexão do dreno com o negativo da fonte para se verificar a isolação do fio dreno, que não pode está aterrado em qualquer outro ponto da rede, pois as manobras dos cabos muitas vezes podem romper a isolação do cabo conectando a malha a eletrodutos ou calhas aterradas. Sense Des. 9 Des. 60 Nota: Para que o sistema de monitoração de defeitos possa operar corretamente o módulo deve estar alimentando pelo menos uma unidade do módulo KD, caso contrário irá indicar uma falha não existente. 6 Sense

9 onexões do abo de Rede: Fazer a pontas dos fios conforme desenho: Des. 6 A malha de blindagem geral do cabo e as fitas de alumínio do par de alimentação (VM e PR) e do par de sinal (BR e AZ) devem ser cortados bem rente a capa cinza do cabo. Para evitar que a malha geral do cabo encoste em partes metálicas, aplicar fita isolante ou o tubo isolante termo-contratil (fornecido com o kit de terminais). Para fixar o tubo termo encolhível ao cabo utilizar uma pistola de ar quente. Terminais: Para evitar mau contato e problemas de curto circuito aconselhamos utilizar terminais pré-isolados (ponteiras) cravados nos fios. Des. 6 Des. 6 Des TUBO ISOLANTE (ortar a malha e as fitas bem rente a capa do cabo). Os produtos Sense são fornecidos com terminais branco que devem ser utilizados no cabo fino. Já para o cabo grosso indicamos utilizar o terminal preto nos fios vermelho (VM) e preto (PR); no fio de malha (Dreno); nos fios branco (BR) e azul (AZ) devem ser utilizados os terminais branco duplo. Fig. 6 Nota: aconselhamos também utilizar o tubo isolante verde, fornecido com o kit para isolar o fio dreno. Alicate ZA3 VM(+) BR AN-H DRE AZ AN-L PR (-) Módulo Digital Instalação do abo: Siga corretamente o procedimento abaixo: - Faça a ponta do cabo conforme o item anterior e aplique os terminais fornecidos no kit. Fig. 66 Fig Introduza os terminais do cabo na conexão de entrada e saída da rede através de borne plug-in. Fig. 6 Nota: Utilize uma chave de fenda adequada e não aperte demasiadamente para não destruir o borne. 3 - onfira se a conexão está firme, puxando levemente os fios, verificando se estão bem presos ao borne. UIDADO!: Os fios sem terminais (ponteiras) podem causar curto-circuito, interrompendo ou danificando componentes de toda a rede. Fig. 69 Sense 7 Módulo Digital Display do Scanner : O display do scanner irá piscar o endereço do nó com problema e o código de erro (vide manual do scanner com a lista de erros completa). Fig. 70 Erro Descrição Tab funcionando perfeitamente 7 escravo que parou de se comunicar 73 EDS trocado 7 escravo configurado no scan list mas não encontrado na rede 79 scanner sem comunicação (vide fonte de alimentação) 0 PU no mode IDLE (passar para RUN) 9 erro de comunicação grave, resetar o PL 9 falta de alimentação Vcc na rede Nota: outros problemas vide a lista de Troubleshooting em nosso site na internet. UIDADO!: Prestar muita atenção ao manipular o cabo da rede pois um leve curto-circuito pode causar sérios danos e interromper o funcionamento da rede. urto-circuito nos fios de alimentação VM e PR Interrompe o funcionamento de toda a rede e pode danificar algum equipamento. urto-circuito nos fios de comunicação AZ e PR Interrompe o funcionamento da rede, e de DIFÍIL localização, pois deve-se secionar a rede em partes para se localizar o defeito. urto-circuito na alimentação e comunicação Interrompe o funcionamento e pode queimar o chip de comunicação do equipamento. Tenha muito cuidado com os módulos de distribuição, pois vários equipamentos podem ser queimados simultaneamente. Substituição do Módulo : aso haja alguma dúvida com relação ao funcionamento de algum equipamento ligado na rede, e deseja-se substitui-lo, proceda: - retirar o equipamento sob suspeita da rede - programar o endereço DN no novo módulo (dipswitch) 3 - Insere-se a nova peça que deverá estar com o led verde piscando inicialmente, e ficará aceso constantemente. - aso o led não pare de piscar, repita os passos anteriores. UIDADO! caso o endereço ajustado erroneamente coincidir com algum outro equipamento que esteja funcionando na rede, o led da rede do último equipamento colocado irá piscar e ao se reinicializar o sistema, os dois equipamentos com o mesmo endereço não irá funcionar. - Verifique se o módulo requer configuração do tipo de entrada, consultando os documentos do projeto do rede, e caso necessário utilize o software de configuração da rede para efetuar a programação no verso do módulo. Adição de Novo Equipamento na Rede: Quando um novo equipamento é conectado o seu led de rede fica piscando em verde significando que não existe configuração no scanner para este endereço. Watch Dog: om a perda da comunicação da rede todas as saídas serão desenergizadas, portanto verifique se a conexão da cargas utilizadas nas saídas passarão para a condição de segurança e desenergizando-se. Projeto da Rede : O perfeito funcionamento da rede depende de um projeto prévio, que verifica o números de nós, comprimento dos cabos grosso e fino, corrente em cada trecho e queda de tensão ao longo da linha. Um dos pontos mais importantes do projeto é o cálculo de queda de tensão e a distribuição de fontes de alimentação que devem garantir no mínimo 0V em qualquer ponto da rede. Nota : apesar do módulo funcionar com 0V a maioria das cargas (transmissores, indicadores, posicionadores, etc) possuem uma tensão mínima, e as tensão mínima oferecida pelo módulo analógico pre-supoem que ele esteja alimentado com a tensão nominal de Vcc. Vide nosso site o Manual de Instalação da Rede. s de Sinalização: Entrada a - Este led acende quando a sua entrada correspondente for acionada, através de um sinal positivo. Saída a - O led irá acender quando o módulo receber um comando do PL para acionar sua saída correspondente. de Rede: O led de Rede é bicolor e indica as seguintes funções: Verde Piscando: tentando fazer uma conexão na rede. Verde Aceso: alocado (presente na lista de devices do scanner). Vermelho Aceso: o endereço foi alterado (desligar e ligar a peça) ou endereço duplicado. Vermelho Piscando: erro de comunicação. Rua Tuiuti, 37 - EP: São Paulo -Tel.: Reservamo-nos o direito de modificar as informações aqui contidas sem prévio aviso A - 09/00

10

Sensores e Instrumentos MANUAL DE INSTRUÇÕES. DeviceNet. Módulo I/O 4 Saídas Analógicas DN-A-KD-4SA-HART

Sensores e Instrumentos MANUAL DE INSTRUÇÕES. DeviceNet. Módulo I/O 4 Saídas Analógicas DN-A-KD-4SA-HART Sensores e Instrumentos MANUAL DE INSTRUÇÕES DeviceNet Módulo I/O 4 Saídas Analógicas DN-A-KD-4SA-HART Manual de Instruções Módulo I/O DeviceNet - DN-A-KD-4SA-Hart Configuração do Módulo na Rede DeviceNet:

Leia mais

Entradas. AS-Interface. Módulo I/O - Digital 4 Entradas MANUAL DE INSTRUÇÕES. Sensores e Instrumentos. Manual de Instruções

Entradas. AS-Interface. Módulo I/O - Digital 4 Entradas MANUAL DE INSTRUÇÕES. Sensores e Instrumentos. Manual de Instruções Módulo Digital ASInterface Manual de Instruções Sensores e Instrumentos MANUAL DE INSTRUÇÕES Entradas ASInterface Entrada 4 Entrada Entrada 3 Entrada Conexão da Rede ASInterface Fig. Módulo I/O Digital

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Módulos para Campo. AS-Interface 3.2

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Módulos para Campo. AS-Interface 3.2 MANUAL DE INSTRUÇÕES Módulos para Campo AS-Interface 3.2 Módulos para Campo ASI-interface Rede ASI O ASI3.2 Node pode ser acoplado a qualquer um dos módulos Connection a baixo, que os detecta automaticamente.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES CONVERSOR PARA POTENCIÔMETRO KD-754TA Opera com potenciômetro ou sinal de tensão Totalmente configurável via software Saída para alarme KD-754TA plug configurador potenciômetro ou

Leia mais

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO www.decibel.com.br ATENÇÃO É de fundamental importância a leitura completa deste manual antes de ser iniciada qualquer atividade

Leia mais

linha de produtos - derivadores DERIVADORES DE REDE PROCESS FIELDBUS NTERFACE

linha de produtos - derivadores DERIVADORES DE REDE PROCESS FIELDBUS NTERFACE linha de produtos - derivadores DERIVDORES DE REDE S O PROESS FIELDUS l NTERFE S MD - Derivadores Passivos Uso Geral Fornecem de maneira simples e segura a distribuição para até quatro equipamentos, utilizando

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Unidade Remota CANopen RUW-01. Guia de Instalação, Configuração e Operação

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Unidade Remota CANopen RUW-01. Guia de Instalação, Configuração e Operação Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Unidade Remota ANopen RUW-01 Guia de Instalação, onfiguração e Operação ÍNE 1 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA...4 2 INFORMAÇÕES GERAIS...4 3

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 3 Rede AS-I Actuador - Sensor - Interface Capítulo 3 Histórico A rede AS-Interface

Leia mais

ANUNCIADOR DE ALARME AL-2003

ANUNCIADOR DE ALARME AL-2003 AL-2003 Manual do usuário Anunciador de Alarme MAN-PT-DE-AL2003 Rev.: 1.00-12 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso AL-2003. Para garantir o uso correto e eficiente do AL-2003, leia este manual

Leia mais

MONITOR DE MOVIMENTO (ZERO SPEED) RS-210

MONITOR DE MOVIMENTO (ZERO SPEED) RS-210 MONITOR DE MOVIMENTO (ZERO SPEED) RS-210 Manual do usuário Monitor de Movimento (Zero Speed) MAN-DE-RS210 Rev.: 1.00-10 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso Monitor de Movimento (Zero Speed) RS-210.

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

Connect-i Manual do Usuário - Português

Connect-i Manual do Usuário - Português Connect-i Manual do Usuário - Português Connect-i Manual do Usuário Contronics Automação Ltda. Rua Tenente Silveira, 225 Ed. Hércules - 10 andar Centro - Florianópolis - SC, 88010-300 Brasil Fone: (48)

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 1 2 a AULA Controlador Lógico Programável: Características de software.

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

CAE 80. Manual de Instruções. Revisão 4

CAE 80. Manual de Instruções. Revisão 4 CAE 80 Manual de Instruções Revisão 4 1. INTRODUÇÃO. Parabéns pela aquisição da central endereçável da ILUMAC, modelo CAE80, este equipamento será uma excelente ferramenta na proteção e prevenção contra

Leia mais

monitor de Válvula M31 linha de produtos - monitor duplo IP67 M31 Monitor para Sinalização de Válvula Sense

monitor de Válvula M31 linha de produtos - monitor duplo IP67 M31 Monitor para Sinalização de Válvula Sense monitor de Válvula M31 linha de produtos monitor duplo IP67 M31 Monitor para Sinalização de Válvula 1 monitor de Válvula M31 Monitores Convencionais O monitor para sinalização de válvulas M31 foi idealizado

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

BOTÃO DE TOQUE POR PROXIMIDADE

BOTÃO DE TOQUE POR PROXIMIDADE BOTÃO DE TOQUE POR PROXIMIDADE MANUAL DE INSTALAÇÃO ATENÇÃO! LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES DO MANUAL ANTES DE INSTALAR E OPERAR ESTE EQUIPAMENTO Parabéns, você adquiriu um produto com o selo Qualidade Máxima

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 SUMÁRIO Descrição do Rastreador ST-240... 03 Descrição das entradas e saídas... 03 Led indicador GPS - Vermelho... 04 Led indicador GPRS - Azul... 04 Dicas de instalação... 05

Leia mais

Limited Internal SISTEMA DE RETIFICADORES EM 48 VCC TIPO BZAB 348 06/0403 ÍNDICE 2 FUNCIONALIDADE... 3 3 CONEXÃO DOS CABOS DE ALARME...

Limited Internal SISTEMA DE RETIFICADORES EM 48 VCC TIPO BZAB 348 06/0403 ÍNDICE 2 FUNCIONALIDADE... 3 3 CONEXÃO DOS CABOS DE ALARME... DESCRIÇÃO 1 (18) SISTEMA DE RETIFICADORES EM 48 VCC TIPO BZAB 348 06/0403 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 FUNCIONALIDADE... 3 3 CONEXÃO DOS CABOS DE ALARME... 5 4 BACKBOARD... 8 5 SUBSTITUIÇÃO DE RETIFICADORES...

Leia mais

2014 Lumikit Sistemas para Iluminação

2014 Lumikit Sistemas para Iluminação Manual Placa DMX 16 pixels RGB 2014 Lumikit Sistemas para Iluminação rev.2 16/10/2015 Lumikit Sistemas para Iluminação www.lumikit.com.br 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONEXÕES DA PLACA... 3 3. DIMENSÕES

Leia mais

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC.

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente alternada 110/220V. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

Mód. 32 SD Relé NA - "Check Before Operate"

Mód. 32 SD Relé NA - Check Before Operate 1. Descrição do Produto O módulo AL-3202 é uma interface de saída digital, de 32 pontos, a relé, microprocessada, cuja principal característica é implementar a operação com "check before operate", sendo

Leia mais

Manual de Instruções Central de Alarme de Incêndio Convencional.

Manual de Instruções Central de Alarme de Incêndio Convencional. Manual de Instruções Central de Alarme de Incêndio Convencional. ICS 24 INTRODUÇÃO. Parabéns pela aquisição da central convencional digital da ILUMAC, modelo ICS 24, este equipamento será uma excelente

Leia mais

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12 Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V 1. Apresentação Parabéns, você acaba de adquirir mais um produto desenvolvido pela CS Comunicação e Segurança: Central de Alarme de Incêndio

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

Descrição Geral...4 Especificações Técnicas...5 2.1 Características Funcionais...5 2.2 Características Ambientais...5 3 Instalação...6 3.

Descrição Geral...4 Especificações Técnicas...5 2.1 Características Funcionais...5 2.2 Características Ambientais...5 3 Instalação...6 3. Manual do Equipamento ME-035_Rev02-AS-0001 AS-0001 Conversor de sinais FO TTL SUMÁRIO 1 2 Descrição Geral...4 Especificações Técnicas...5 2.1 Características Funcionais...5 2.2 Características Ambientais...5

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

Matriz HDMI 4x4 MX EDID/RS232 (SBMX44)

Matriz HDMI 4x4 MX EDID/RS232 (SBMX44) Matriz HDMI 4x4 MX EDID/RS232 (SBMX44) Versão 24.9.7 Você acaba de adquirir um produto AV LIFE Não deixe de acessar nosso site www.avlife.com.br para ficar por dentro das novidades, assistir a vídeos,

Leia mais

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE VIGILÂNCIA RCP - 2000 VERSÃO V 2004 MANUAL DE INSTALAÇÃO / USUÁRIO INDÚSTRIA BRASILEIRA

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE VIGILÂNCIA RCP - 2000 VERSÃO V 2004 MANUAL DE INSTALAÇÃO / USUÁRIO INDÚSTRIA BRASILEIRA SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE VIGILÂNCIA RCP - 2000 VERSÃO V 2004 MANUAL DE INSTALAÇÃO / USUÁRIO INDÚSTRIA BRASILEIRA SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP - 2000 VERSÃO V 2004 Destinado

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

PRODUTOS SERIADOS. ME30 infobox

PRODUTOS SERIADOS. ME30 infobox PRODUTOS SERIADOS ME30 infobox SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE SINAIS Adquirir, processar e visualizar de 8 a 40 alarmes ou indicadores de estado Funções de alarme configuráveis Anunciadores com possibilidade

Leia mais

Automático de Nivel. Manual Técnico

Automático de Nivel. Manual Técnico Automático de Nivel com supervisão Um equipamento profissíonal para seu abastecimento de água Manual Técnico www.bombac.com.br Industria Brasileira Menú Menu Para começar Fixar o Controle Montagem no reservatório

Leia mais

MÓDULO DE ORIENTAÇÃO TCA-MASTER

MÓDULO DE ORIENTAÇÃO TCA-MASTER 1 Tópicos pág. 1. Instalação do sistema... 02 2. Diagrama TCA Master... 07 3. CPU... 08 4. Display... 10 5. Leitor código de barras... 11 6. Tacômetro... 11 7. Modulo de Teste... 13 Elaborado por CQS Engenharia

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

Módulo Rastreador Veicular Manual de Instalação

Módulo Rastreador Veicular Manual de Instalação Módulo Rastreador Veicular Manual de Instalação Última atualização: Fevereiro de 2013 www.triforcerastro.com.br ÍNDICE 1 - Instalação 1.1 - Detalhes do Módulo...3 Descrição dos Pinos...3,4 1.2 - Instalando

Leia mais

P á g i n a 2. Avisos Importantes

P á g i n a 2. Avisos Importantes P á g i n a 1 P á g i n a 2 Avisos Importantes Todas as instruções contidas neste manual devem ser seguidas, caso contrário o produto perderá a garantia. Faça primeiro as conexões dos cabos de alimentação

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

EA079 - Laboratório de Micro e Minicomputadores: Hardware Laboratório II

EA079 - Laboratório de Micro e Minicomputadores: Hardware Laboratório II EA079 - Laboratório de Micro e Minicomputadores: Hardware Laboratório II Projeto de Interface Paralela de Saída 1 Objetivo do Laboratório II 1. projetar e implementar um decodificador de endereços para

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

premium Manual Técnico www.bombac.com.br Industria Brasileira

premium Manual Técnico www.bombac.com.br Industria Brasileira Manual Técnico www.bombac.com.br Industria Brasileira Menu Para começar Fixar o Controle Montagem no reservatório Montagem do Sensor de nível Montagem do Detector de água Sensor de Nível Cabo do Detector

Leia mais

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0.

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0. PCT6 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver. PCT6VT74. DESCRIÇÃO O PCT6 plus é um controlador de pressão para ser utilizado em centrais de refrigeração que necessitem de

Leia mais

AP4/AP4D CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compatec Sistemas Eletrônicos Ltda Indústria Brasileira www.compatec.com.

AP4/AP4D CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compatec Sistemas Eletrônicos Ltda Indústria Brasileira www.compatec.com. SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE COMPATEC ALARMES PARA SUA SEGURANÇA MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO suporte@compatec.com.br fone:(54)4009 4711 Compatec Sistemas Eletrônicos Ltda Indústria Brasileira

Leia mais

Controlador Eletrônico Microprocessado CDL006D

Controlador Eletrônico Microprocessado CDL006D Controlador Eletrônico Microprocessado CDL006D Apresentação Conjunto básico Dados técnicos Interface homem-máquina Apêndices 1 Apresentação Trata-se de um controlador especialmente projetado para o controle

Leia mais

F-L2000 SÉRIE DE AÇO INOXIDÁVEL SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO POR PROXIMIDADE MANUAL DE INSTALAÇÃO

F-L2000 SÉRIE DE AÇO INOXIDÁVEL SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO POR PROXIMIDADE MANUAL DE INSTALAÇÃO F-L2000 SÉRIE DE AÇO INOXIDÁVEL SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO POR PROXIMIDADE MANUAL DE INSTALAÇÃO CONTEÚDO Característica Especiais...1 Painel Frontal e Tipos de Cartão...2 Procedimentos de Instalação...3

Leia mais

DIGIPROX SA202 VERSÃO DO MANUAL

DIGIPROX SA202 VERSÃO DO MANUAL DIGIPROX SA202 VERSÃO DO MANUAL 1.0 de 01/04/02013 8672 2 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Itens que Acompanham... 5 3. Especificações Técnicas... 5 4. Características Gerais... 6 5. Visão Geral do Equipamento...

Leia mais

www.olimpus.com.br Código: 62.90.9920 - Rev. C Manual de Instalação e Uso > BR 101 Alarme Boxer Light > BR 101 Alarme Boxer Super Light

www.olimpus.com.br Código: 62.90.9920 - Rev. C Manual de Instalação e Uso > BR 101 Alarme Boxer Light > BR 101 Alarme Boxer Super Light www.olimpus.com.br OLIMPUS INDUSTRIAL E COMERCIAL LTDA. Av. Carioca,274 Vila Carioca SP Cep: 04225-000 Produzido por: CNPJ 60.892.528/0001-44 Indústria Brasileira Made in Brazil Código: 62.90.9920 - Rev.

Leia mais

Controladora Biométrica Bio SA

Controladora Biométrica Bio SA Manual do usuário Controladora Biométrica Bio SA 1 2 Manual do usuário Parabéns, você acaba de adquirir um produto desenvolvido com qualidade e segurança Citrox. Este manual foi desenvolvido para ser uma

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

CONTROLE DE SIMULTANEIDADE MOD.: MRS-MP/WG4 Manual de Instruções 1.0 - DESCRIÇÃO: O controle de Simultaneidade MRS-MP/WG4 destina-se a aplicações em

CONTROLE DE SIMULTANEIDADE MOD.: MRS-MP/WG4 Manual de Instruções 1.0 - DESCRIÇÃO: O controle de Simultaneidade MRS-MP/WG4 destina-se a aplicações em CONTROLE DE SIMULTANEIDADE MOD.: MRS-MP/WG4 Manual de Instruções 1.0 - DESCRIÇÃO: O controle de Simultaneidade MRS-MP/WG4 destina-se a aplicações em sistemas de segurança bi-manuais, garantindo basicamente

Leia mais

2-Instalação da cuba. 1-Apresentação. Cuba de Ionização Abraçadeira s. Cano. Mangote

2-Instalação da cuba. 1-Apresentação. Cuba de Ionização Abraçadeira s. Cano. Mangote Manual de Instalação Índice 1- Apresentação 2- Instalação da cuba. 3- Instalação do painel de controle 4- Ligação elétrica 5- Dispositivo de segurança 6- Características do Purilaqua 7- Tempo de filtragem

Leia mais

A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D

A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D COMPATEC A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D ÍNDICE Apresentação...3 Conheçendo a central...3 Características Gerais...4

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Matriz HDMI 4x2 MX EDID/RS232 (SBMX42)

Matriz HDMI 4x2 MX EDID/RS232 (SBMX42) Matriz HDMI 4x2 MX EDID/RS232 (SBMX42) Versão 24.9.8 Você acaba de adquirir um produto AV LIFE!!! Não deixe de acessar nosso site www.avlife.com.br para ficar por dentro das novidades, assistir a vídeos,

Leia mais

GerSAT Manual de Usuário

GerSAT Manual de Usuário GerSAT Manual de Usuário Manual do Usuário Ver. 1.1 Junho 2015 Informações importantes Antes de utilizar o equipamento, pedimos para que leia e siga todas as instruções descritas neste manual, pois a utilização

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL DETECTOR DE FUMAÇA ÓTICO LINEAR MODELO DFOL PARA MÉDIOS E GRANDES SISTEMAS IDEAL PARA GALPÕES ALCANCE DE 20 A 100 METROS ÁREA DE COBERTURA MÁXIMA 14x100M² ECONOMIA NA INSTALAÇÃO EM GRANDES ÁREAS ONDE SE

Leia mais

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO O temporizador programável tem como função básica monitorar o tempo e acionar sua saída de acordo com programação previamente realizada

Leia mais

http://www.nibtec.com.br Manual do Usuário NibProx Light

http://www.nibtec.com.br Manual do Usuário NibProx Light http:// Manual do Usuário NibProx Light INTRODUÇÃO Independente do porte de sua empresa, residência ou condomínio, os controladores de acesso NibAccess atendem na medida certa. Compactos e com design arrojado,

Leia mais

Controlador de Segurança para chamas de Gás

Controlador de Segurança para chamas de Gás Controlador de Segurança para chamas de Gás Para queimadores de gás atmosféricos de 2 estágios: Detecção de chamas: - Sonda de Ionização - Detector de Infra-vermelho IRD 1020 - Sensor de chamas Ultravioleta

Leia mais

Hera Indústria de Equipamentos Eletrônicos LTDA. Manual de Instalação e Operação. Central de alarme HR 4020 2 setores HERA.

Hera Indústria de Equipamentos Eletrônicos LTDA. Manual de Instalação e Operação. Central de alarme HR 4020 2 setores HERA. Central de alarme HR 4020 2 setores HERA Manual do Usuário 1 Índice: 1 Aplicação... 3 2 Características... 3 3 - Apresentação da Central... 3 3.1 - Parte externa... 3 3.2 - Parte interna... 4 4 - Diagramas

Leia mais

Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês.

Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês. - Introdução Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês. Os relês são elementos versáteis que possuem

Leia mais

Mixer KIKO Gerenciador de áudio MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO NLL-4C LEIA ESTE MANUAL ANTES DE USAR O MIXER.

Mixer KIKO Gerenciador de áudio MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO NLL-4C LEIA ESTE MANUAL ANTES DE USAR O MIXER. Mixer KIKO Gerenciador de áudio NLL-4C MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA ESTE MANUAL ANTES DE USAR O MIXER. O Mixer KIKO, fabricado pela Eletroleve, centraliza os controles de volumes dos áudios que

Leia mais

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO DD-27 GERADOR DE OZÔNIO MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 6 SUMÁRIO 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 2 3 INSTALAÇÃO... 3 3.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

Treinamento sobre carregadores KM suporte@kmcarregadores.com.br

Treinamento sobre carregadores KM suporte@kmcarregadores.com.br Treinamento sobre carregadores KM suporte@kmcarregadores.com.br O que é um carregador de baterias.... 3 Carregador convencional... 3 Transformador:... 3 Retificador:... 3 Controle eletrônico:... 4 Diagrama

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520

CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520 CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520. Para garantir o uso correto e eficiente do I-7520, leia este manual completo

Leia mais

Transmissão HDMI via IP com PoE (SBHDIPb)

Transmissão HDMI via IP com PoE (SBHDIPb) Transmissão HDMI via IP com PoE (SBHDIPb) Versão 2012.11.01 (Tx / Rx) Você acaba de adquirir um produto AV LIFE!!! Não deixe de acessar nosso site www.avlife.com.br para ficar por dentro das novidades,

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO A barra sinalizadora Winglux-S oferece uma solução moderna de sinalização com tecnologia 100% digital. Equipada com módulos de 4 ou 8 LEDs de 1W - 45 Lumens (típico) conhecidos

Leia mais

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUMÁRIO CONTROLADOR DE PORTARIA RCP-2000...1 A) O EQUIPAMENTO RCP-2000... 1 A.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS...

Leia mais

www.olimpus.com.br Código: 62.90.9399 - Rev. A Manual de Instalação e Uso > BR 101 Alarme Boxer Light > BR 101 Alarme Boxer Super Light

www.olimpus.com.br Código: 62.90.9399 - Rev. A Manual de Instalação e Uso > BR 101 Alarme Boxer Light > BR 101 Alarme Boxer Super Light www.olimpus.com.br OLIMPUS INDUSTRIAL E COMERCIAL LTDA. Av. Carioca,274 Vila Carioca SP Cep: 04225-000 Produzido por: CNPJ 60.892.528/0001-44 Indústria Brasileira Made in Brazil Código: 62.90.9399 - Rev.

Leia mais

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine A Manual Controle de motores via Bluetooth 1 William Trevine Sumário 1 Introdução... 4 2 Características... 5 3 Instalação... 6 3.1 Alimentação... 7 3.2 Motores... 8 3.3 Liga e desliga... 9 3.4 Saídas

Leia mais

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA 3. CARACTERÍSTICAS 3.1 Central de alarme microprocessada com 4 setores expansível para 8 ou 12 setores; 3.2 Acompanha dois transmissores (mod. TSN); 3.3 Acionamento

Leia mais

Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus

Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus 12/2007 Série: CFW-09PM Versão: P/1 0899.5890 Sumário SOBRE O MANUAL...4 REDES FIELDBUS...4 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES...4 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA...4

Leia mais

Unidade Remota CANopen RUW-04. Guia de Instalação, Configuração e Operação. Idioma: Português. Documento: 10002081798 / 00

Unidade Remota CANopen RUW-04. Guia de Instalação, Configuração e Operação. Idioma: Português. Documento: 10002081798 / 00 Motors Automation Energy Transmission & Distribution Coatings Unidade Remota CANopen RUW-04 Guia de Instalação, Configuração e Operação Idioma: Português Documento: 10002081798 / 00 ÍNDICE 1 INSTRUÇÕES

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...8 2 APRESENTAÇÃO: O SS300 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

A tampa de proteção KS-100 é um ítem opcional altamente recomendável. 3-32 Vcc ou 90-280 Vca (especificar)

A tampa de proteção KS-100 é um ítem opcional altamente recomendável. 3-32 Vcc ou 90-280 Vca (especificar) MANUAL DE INSTRUÇÕES CONSIDERAÇÕES PARA INSTALAÇÃO Atenção: Material não passível de garantia. Evite utilizá-lo sem dissipador. Sempre utilizar pasta térmica entre o relé e o dissipador, ou placa de montagem;

Leia mais

BIO INOX. Versão do manual

BIO INOX. Versão do manual BIO INOX Versão do manual 2.1. de 06/03/2014 6281 2 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Itens que Acompanham... 5 3. Especificações Técnicas... 6 4. Características Gerais... 6 5. Visão geral do Equipamento...

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

Rede AS-Interface: MANUAL DE INSTRUÇÕES. Recomendações de Instalação

Rede AS-Interface: MANUAL DE INSTRUÇÕES. Recomendações de Instalação MANUAL DE INSTRUÇÕES Rede AS-Interface Recomendações de Instalação Rede AS-Interface: AS-Interface é um sistema de conexão eletromecânico de baixo custo, desenvolvido para operar com um par de fios transmitindo

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO POWERTRANS Eletrônica Industrial Ltda. Rua Ribeiro do Amaral, 83 Ipiranga SP - Fone/Fax: (11) 2063-9001 E-mail: powertrans@powertrans.com.br Site: www.powertrans.com.br Manual Técnico de Instalação e Operação

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA 0001 012186 INVERSOR DE FREQUENCIA 144 AMPERES / 220 VCA Inversor de freqüência para aplicação em motor elétrico trifásico com corrente nominal de serviço 140A, tensão nominal 220V, temperatura de funcionamento

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

GMT6-C. Monitor de Temperatura Digital. Manual de Instalação e Operação Revisão 03 de 29-10-2009 MGBR08231

GMT6-C. Monitor de Temperatura Digital. Manual de Instalação e Operação Revisão 03 de 29-10-2009 MGBR08231 GRAMEYER Equipamentos Eletrônicos Ltda / GRAMEYER Indústria Eletroeletrônica Ltda. R. Mal. Castelo Branco, 2477 Schroeder SC Brasil 89275-000 e-mail: seriados@grameyer.com.br - www.grameyer.com.br Fones:

Leia mais

Matrix HDMI 4x2 Control EDID/RS232 (GB.42.2014)

Matrix HDMI 4x2 Control EDID/RS232 (GB.42.2014) Matrix HDMI 4x2 Control EDID/RS232 (GB.42.2014) Versão 2013.06.11 Você acaba de adquirir um produto AV LIFE!!! Não deixe de acessar nosso site www.avlife.com.br para ficar por dentro das novidades, assistir

Leia mais

Índice. 1. Características técnicas

Índice. 1. Características técnicas Termo de garantia A ELETROPPAR - Indústria Eletrônica Ltda., localizada na rua Carlos Ferrari nº 2651, Distrito Industrial, Garça/SP, CEP 17400-000, CNPJ 02.748.434/0001-08, IE 315.026.341.111 garante

Leia mais

Módulo Rastreador Veicular Manual de Instalação

Módulo Rastreador Veicular Manual de Instalação Módulo Rastreador Veicular Manual de Instalação Última atualização: Maio de 2010 www.trackmaker.com ÍNDICE 1 - Instalação 1.1 - Detalhes do Módulo... 3 Descrição dos Pinos... 3,4 1.2 - Instalando o Chip

Leia mais

Manual de Operação do SUPER COLOR. A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio.

Manual de Operação do SUPER COLOR. A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio. Manual de Operação do SUPER COLOR A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores

Leia mais

1 Componentes da Rede Gestun

1 Componentes da Rede Gestun PROCEDIMENTO PARA DETECÇÃO DE FALHAS EM REDES DATA: 23/06/14. Controle de Alterações DATA 23/06/14 MOTIVO Versão Inicial RESPONSÁVEL Márcio Correia 1 Componentes da Rede Gestun -Módulo de comunicação:

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS COMPONENTES... 23-2 DIAGRAMA DO SISTEMA... 23-3 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO... 23-4 ANTES DA DIAGNOSE DE DEFEITOS...

LOCALIZAÇÃO DOS COMPONENTES... 23-2 DIAGRAMA DO SISTEMA... 23-3 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO... 23-4 ANTES DA DIAGNOSE DE DEFEITOS... 23. programa de mudança elétrica (esp: Modelos te/fe) LOCALIZAÇÃO DOS COMPONENTES... 23-2 DIAGRAMA DO SISTEMA... 23-3 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO... 23-4 ANTES DA DIAGNOSE DE DEFEITOS... 23-5 DIAGNOSE DE DEFEITOS

Leia mais

DMI. Dispositivo de Monitoramento Inteligente DMI TCR 88ES

DMI. Dispositivo de Monitoramento Inteligente DMI TCR 88ES DMI Dispositivo de Monitoramento Inteligente 1 DMI TCR 88ES Prezado Consumidor, A ISSO atua em diversos projetos envolvendo novas tecnologias, na área de TI, equipamentos elétricos e eletrônicos, equipamentos

Leia mais

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO 2015 MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO Passo 1: O primeiro passo é determinar qual versão do Sensor de Ângulo foi incluído no seu kit. Existe uma versão Direita

Leia mais

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo:

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: UNIDADE 1: CONFIGURAÇÃO O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: Pc12.lnk, ao ser clicado, Para iniciar um projeto, utilize a barra de ferramentas abaixo: Clique

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N

CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N Imagem Ilustrativa Características: 1. Leitura de 125 khz do cartão de proximidade com o EM chip acoplado internamente para o modelo padrão. 2. Os parâmetros do sistema

Leia mais

UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2005. ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B

UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2005. ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2005 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B Índice Índice... i Introdução...1-1 Conteúdo Deste Manual...1-1 Onde Obter Mais

Leia mais