Contrate a sua Maria com a segurança de saber que cumpre todas as obrigações impostas pela lei......mas sem complicações!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contrate a sua Maria com a segurança de saber que cumpre todas as obrigações impostas pela lei......mas sem complicações!"

Transcrição

1 Contrate a sua Maria com a segurança de saber que cumpre todas as obrigações impostas pela lei......mas sem complicações! 1

2 Nota introdutória A legislação em vigor obriga os empregadores de trabalhadoras de serviço doméstico a cumprir um conjunto de requisitos. Com este breve documento: Pretende-se informá-lo/a de um modo geral sobre essas obrigações, e esclarecê-lo/a de como a rede das Marias o/a apoia no cumprimento das mesmas; Não se pretende substituir a leitura da legislação ou de outra documentação relevante, nomeadamente: o O dossier contratar um trabalhador do serviço doméstico do Portal do Cidadão: dor+do+servico+domestico.htm; o O guia prático serviço doméstico da Segurança Social: o O Decreto-Lei n.º 235/92 que regulamenta a contratação de serviços domésticos: Revemos as obrigações impostas por lei, ao longo das seguintes secções: 1. Contratação; 2. Admissão e contribuições para a Segurança Social; 3. Subsídios de férias e de Natal, e o pagamento à sua Maria ; 4. Seguro de Protecção do Pessoal Doméstico; 5. Declarações fiscais para efeitos de IRS. 2

3 1. Contratação As Marias são maiores de idade e de nacionalidade Portuguesa ou estrangeiras com o Título de Autorização de Residência em Portugal. Adicionalmente, trabalham a tempo parcial com remuneração horária. Com base nessas condições, e como prevê a legislação, os contratos são rescindíveis pelo cliente em qualquer altura e: Meramente orais, caso a Maria seja de nacionalidade Portuguesa; Com uma simples formalização por escrito (ver anexo), caso a Maria seja estrangeira. 2. Admissão e contribuições para a Segurança Social É obrigatória a admissão da sua Maria na Segurança Social e o pagamento das respectivas contribuições. Isso assegura protecção em caso de encargos familiares (p.ex., abono de família), parentalidade (p.ex., subsídio parental), doenças profissionais, invalidez, velhice/reforma e morte. Admissão A sua Maria já está inscrita na Segurança Social, pelo que para a admitir necessita apenas de: Preencher o impresso 1009 (ser-lhe-á dado, juntamente com as respectivas instruções); Entregá-lo à sua Maria, juntamente com uma fotocópia do seu BI ou cartão do cidadão. A sua Maria irá submeter por si os documentos à Segurança Social, adicionando ela mesma o impresso 1006 (também ser-lhe-á dado) caso se trate de uma Maria estrangeira. Poderá pedir-lhe o comprovativo assim que o processo esteja concluído. Sugerimos concluir a admissão o mais tardar até ao final do 1º mês de trabalho, o que deverá ajustar-se a qualquer período de experiência que pretenda ter. Contribuições As contribuições para a Segurança Social são de aproximadamente 0.45 por hora 1 trabalhada, sendo que o mínimo que se pode contribuir mensalmente são Taxa de 26.7% aplicada a uma base contributiva de 1.69 por hora (26.7% * 1.69 = 0.45) 2 Equivalente a 30 horas mensais. Isto significa que, se por exemplo a sua Maria trabalhar apenas 20 horas num dado mês, terá que contribuir para a Segurança Social 13.54, já que o valor respeitante a essas 20 horas (26.7% * 1.69 por hora * 20 horas = 9.02) é inferior a Mas, se por exemplo trabalhar 35 horas num dado mês, o valor a contribuir já será o respeitante a essas mesmas 35 horas (26.7% * 1.69 por hora * 35 horas = 15.79) uma vez que é superior a

4 Estas contribuições estão já incluídas no preço por hora pago por si, e serão feitas pela sua Maria via Multibanco cada mês, durante os primeiros 15 dias do mês seguinte. Poderá pedir-lhe uma cópia dos talões comprovativos desses pagamentos. 3. Subsídios de férias e de Natal, e o pagamento à sua Maria É obrigatório o pagamento de 22 dias úteis (1 mês) de férias remuneradas e o subsídio de Natal. Isto significa que a sua Maria deverá receber num ano: O pagamento das horas realizadas durante os 11 meses de trabalho; O pagamento do mês de férias (igual ao valor médio auferido mensalmente); O pagamento do subsídio de Natal (igual ao valor médio auferido mensalmente). Ao contrário do pagamento realizado durante os 11 meses de trabalho, o mês de férias e o subsídio de Natal não estão sujeitos a contribuições para a Segurança Social. Para sua maior comodidade, o preço à hora das Marias já incorpora não só as contribuições para a Segurança Social mas também os valores relativos às férias e ao subsídio de Natal. Isto significa que em cada mês só terá que pagar o valor respeitante às horas efectivamente trabalhadas pela sua Maria, sem se preocupar com mais nada. Portanto, é só acordar com a sua Maria o período em que ela irá gozar as férias! Por exemplo, num cenário em que num mês a sua Maria trabalhe 30 horas a um valor de 7.00 por hora, ela irá receber 6.55 líquidos por hora, após contribuições para a Segurança Social: 7.00 Valor pago por si por cada hora Valor que a Maria irá entregar à Segurança Social = 6.55 Valor líquido recebido pela Maria Esses 6.55 líquidos por hora incluem já os valores relativos às férias e ao subsídio de Natal, de acordo com o seguinte: Valor relativo aos 11 meses de trabalho Valor relativo ao mês de férias e subsídio de Natal = 6.55 Valor líquido recebido pela Maria 1 Como se vai contribuir para a Segurança Social com o mínimo de 30 horas exigido, o valor é: 26.7% * 1.69 = Como os 6.55 dizem respeito a 13 meses (11 meses de trabalho + 1 mês de férias + 1 mês de subsídio de Natal), o valor respeitante aos 11 meses de trabalho é 6.55 * 11/13 = Seguindo a mesma lógica, o valor respeitante ao mês de férias e subsídio de Natal é: 6.55 * 2/13 =

5 O pagamento à sua Maria será efectuado como preferir e acordar com ela. Por exemplo, pode pagar a dinheiro ou por transferência bancária. Ao final do dia, da semana, ou do mês. Independentemente do modo e frequência do pagamento, a nossa rede providencia uma folha de vencimento mensal para cada cliente que lhe será entregue pela sua Maria no mês seguinte, com as cópias dos comprovativos das contribuições para a Segurança Social. Para o exemplo anterior, em que a sua Maria trabalha num mês 30 horas a um valor de 7.00 por hora, a folha de vencimento seria algo como: Esta folha de vencimento não tem valor legal, servindo sobretudo para os seus registos e para o/a informar do cumprimento das obrigações impostas por lei. 4. Seguro de Protecção do Pessoal Doméstico Qualquer empregador de uma trabalhadora de serviços domésticos é obrigado a contratar um seguro de acidentes de trabalho. Ao fazê-lo protege-se a si e à trabalhadora em caso de acidente de trabalho, situação não coberta pela Segurança Social. 5

6 Em caso de acidente, a seguradora fica responsável por pagar as despesas com a recuperação da trabalhadora e, justificando-se, o seu ordenado. Este seguro tem que ser contratado pelo empregador, já que diz respeito apenas à trabalhadora que tem a seu cargo e cobre apenas o local específico onde ela trabalha. A sua Maria não pode realizar este contrato por si, mas a nossa rede apoia-o/a na contratação do seguro! Como? Fazendo o seguinte: Ser-lhe-á dado um formulário de proposta de seguro, com as respectivas instruções 1 ; Caso esteja interessado/a, só tem que o preencher e entregar à sua Maria, que irá apresentá-lo à seguradora por si, entregando-lhe depois o comprovativo; Uma vez realizado o contrato, e para que não fique penalizado/a pelo seu custo, é lhe dado um desconto de 0.15 no preço praticado à hora 2. Portanto, voltando ao exemplo anterior em que a sua Maria trabalha num mês 30 horas, o valor pago por si seria não 7.00, mas 6.85 por hora, e a folha de vencimento seria: 1 A proposta de seguro é do Millenium BCP, que oferece taxas competitivas. Mas, é claro, trata-se apenas de uma sugestão, sendo o cliente livre de escolher qualquer outra seguradora 2 A taxa aplicada é de 1.95% sobre a massa salarial que inclui mês de férias e subsídio de Natal. Como as Marias trabalham com um preço por hora de 7.00 que já inclui os referidos subsídios, o custo por hora do seguro é: 1.95% *

7 Ainda que obrigatória por lei, a contratação do seguro é realizada apenas por sua decisão. O máximo que fazemos, enquanto rede, é facilitar-lhe o cumprimento desta obrigação, com máxima comodidade para si e sem custos adicionais. Não iremos, portanto, denunciar qualquer cliente que não contrate o seguro. Estamos apenas interessadas em apoiá-lo/a na garantia de condições justas para todos empregador e trabalhadora! 5. Declarações fiscais para efeitos de IRS Todas as Marias declaram para efeitos de IRS os rendimentos auferidos. A lei pede-lhe a si que entregue nas Finanças até ao final do mês de Fevereiro do ano seguinte, em papel ou via internet, a declaração Modelo 10 com os pagamentos que realizou. Essa declaração não tem implicações fiscais para si apenas ajuda o Estado a garantir que as Marias declaram os seus rendimentos. Esse formulário Modelo 10 ser-lhe-á dado, juntamente com as respectivas instruções. As folhas de vencimento que a sua Maria lhe irá entregar deverão ser úteis ao preenchimento: O valor a declarar de rendimentos do ano é igual à soma dos valores totais pagos pelo empregador ao longo do ano (assinalados a verde no excerto abaixo); O valor a declarar de descontos obrigatórios é igual à soma das contribuições para a Segurança Social ao longo do ano (assinaladas a amarelo no excerto abaixo). 7

8 Anexo formalização por escrito do acordo de trabalho ( Marias estrangeiras) 8

9 9

MANUAL DE APOIO NO DESEMPREGO PROTEÇÃO SOCIAL

MANUAL DE APOIO NO DESEMPREGO PROTEÇÃO SOCIAL A informação contida neste manual de apoio não é exaustiva e, como tal, não dispensa a consulta da legislação aplicável: Decreto-Lei n.º 64/2012, de 15 de março. Altera o Decreto-Lei 220/2006, de 03 de

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário Seguro Social Voluntário Ficha Técnica Título Autor de Segurança Social Seguro Social Voluntário Conceção gráfica Edição Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Dispensa de Pagamento de Contribuições 1º

Leia mais

MIAOE Medida de Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego Guia de Apoio ao Candidato

MIAOE Medida de Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego Guia de Apoio ao Candidato MIAOE Medida de Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego Guia de Apoio ao Candidato 15.02.10 1. O que é a Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego? É uma medida de emprego que pretende apoiar

Leia mais

A Informação Empresarial Simplificada (IES)

A Informação Empresarial Simplificada (IES) A Informação Empresarial Simplificada (IES) - 2011 Os novos formulários da Informação Empresarial Simplificada (IES) / Declaração Anual de Informação Contabilística e Fiscal só agora ficaram disponíveis

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE ORFANDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE ORFANDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO DE ORFANDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Orfandade (7006 V4.18) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional

Leia mais

Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011

Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011 Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011 As Finanças estão a dar destaque à sua recente circular nº23/2011 de 3 de Outubro relativa à Sobretaxa extraordinária

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS

Leia mais

DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES MENSAIS. Portaria n.º 6/2013, de 10 de janeiro

DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES MENSAIS. Portaria n.º 6/2013, de 10 de janeiro DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES Portaria n.º 6/2013, de 10 de janeiro QUEM DEVE APRESENTAR A DECLARAÇÃO: Pessoas ou entidades que tenham pago ou colocado à disposição rendimentos do trabalho dependente (cat.

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Mensal Vitalício (4004 v4.14) PROPRIEDADE

Leia mais

GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL

GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Incapacidade Temporária por Doença Profissional (N07

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 99/XI ESTABELECE O REGIME SOCIAL E DE SEGURANÇA SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DAS ARTES DO ESPECTÁCULO

PROJECTO DE LEI N.º 99/XI ESTABELECE O REGIME SOCIAL E DE SEGURANÇA SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DAS ARTES DO ESPECTÁCULO Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 99/XI ESTABELECE O REGIME SOCIAL E DE SEGURANÇA SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DAS ARTES DO ESPECTÁCULO Exposição de motivos Quando se assiste a um espectáculo dificilmente

Leia mais

Exemplo: Uma empresa efetua despedimentos, no âmbito de uma reestruturação, em

Exemplo: Uma empresa efetua despedimentos, no âmbito de uma reestruturação, em Em cada triénio, só são consideradas para efeitos de proteção no desemprego as situações de cessação do contrato de trabalho por acordo, com fundamento em motivos que permitam o recurso ao despedimento

Leia mais

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bonificação por Deficiência (4002 v4.11)

Leia mais

Fisco clarifica alterações a várias declarações fiscais

Fisco clarifica alterações a várias declarações fiscais 03-02-12 - Fisco clarifica alterações a várias declarações fiscais Na sequência das alterações introduzidas ao Código do IRS pela Lei do Orçamento do Estado para 2011, e pela Lei que aprovou a sobretaxa

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DE INSCRIÇÃO RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA ANO LETIVO ALUNO

DOCUMENTAÇÃO DE INSCRIÇÃO RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA ANO LETIVO ALUNO DOCUMENTAÇÃO DE INSCRIÇÃO RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA ANO LETIVO ALUNO APIA. Largo da Ajuda 2, 1300-018 Lisboa. 213 647 808. geral@apiaajuda.com. www.apiaajuda.com DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA NO ATO DA INSCRIÇÃO

Leia mais

ZELADORIA. Quanto pode custar uma pessoa que limpa a igreja?

ZELADORIA. Quanto pode custar uma pessoa que limpa a igreja? ZELADORIA Toda pessoa que realiza limpeza na igreja deve ser registrado pela CLT através da Associação. A igreja não deve de maneira alguma fazer pagamentos a pessoas que limpem a igreja e que não estejam

Leia mais

05/2011 Janeiro 2011 CÓDIGO CONTRIBUTIVO SEGURANÇA SOCIAL TRABALHADORES INDEPENDENTES 1/5

05/2011 Janeiro 2011 CÓDIGO CONTRIBUTIVO SEGURANÇA SOCIAL TRABALHADORES INDEPENDENTES 1/5 NOÇÃO O Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social (Lei n.º 110/2009), apesar de ter sido publicado em Setembro de 2010, teve a sua entrada em vigor adiada para 1 de Janeiro

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 3/ GGF / 2011

OFÍCIO CIRCULAR Nº 3/ GGF / 2011 OFÍCIO CIRCULAR Nº 3/ GGF / 2011 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. DATA: 2011/01/07 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2011 Face à Lei nº

Leia mais

Marconi O que preciso de saber sobre a transferência de Fundos de Pensões e o novo enquadramento na Segurança Social

Marconi O que preciso de saber sobre a transferência de Fundos de Pensões e o novo enquadramento na Segurança Social O que preciso de saber sobre a transferência de Fundos de Pensões e o novo enquadramento na Segurança Social Direcção de Recursos Humanos 13.01.2011 Este documento é propriedade intelectual da PT e fica

Leia mais

GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO

GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO Manual de GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bolsa de Estudo (4010 v1.10) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA DEFICIENTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA DEFICIENTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA DEFICIENTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Isenção/Redução da Taxa Contributiva Regiões com Problemas de Interioridade (2007

Leia mais

Regras Técnicas

Regras Técnicas Regras Técnicas 2007-2008 2008 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da Taxa Contributiva Trabalhadores com Deficiência (2007

Leia mais

GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA SALARIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA SALARIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA SALARIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Fundo de Garantia Salarial (2003 v4.13) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE ORFANDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE ORFANDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO DE ORFANDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Orfandade (7006 V4.16) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional

Leia mais

REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES DECRETO-LEI N.º 328/93, DE 25 DE SETEMBRO

REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES DECRETO-LEI N.º 328/93, DE 25 DE SETEMBRO Legislação publicada: Despacho Normativo n.º 19/87, de 19 de Fevereiro: vai ser feita referência a este despacho no art. 6.º do D.L. 328/93; Decreto-Lei n.º 328/93, de 25 de Setembro: instituiu o regime

Leia mais

"Troikas no processamento salarial"

Troikas no processamento salarial "Troikas no processamento salarial" Sónia Rebelo Consultora Senior RH Hugo Miguel Ribeiro Coordenador RH Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652

Leia mais

Carnaval na Neve 08. Organização Promotores Apoio

Carnaval na Neve 08. Organização Promotores Apoio Carnaval na Neve 08 Organização Promotores Apoio Regulamento para Inscrições Preâmbulo Este regulamento visa estabelecer os critérios de inscrição (Carnaval na Neve), nomeadamente em relação aos pagamentos,

Leia mais

Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Maio de 2011.

Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Maio de 2011. CIRCULAR Gabinete Jurídico-Fiscal N/ REFª: 39/2011 DATA: 13/04/11 ASSUNTO: Calendário Fiscal Maio 2011 Exmos. Senhores, Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Maio de 2011. Com os melhores

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE LOCAL PARTE A PARTE B

IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE LOCAL PARTE A PARTE B INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI 22/2008, DE 13 DE MAIO), DE RESPOSTA OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10036 VÁLIDO ATÉ 31-12-2016 ANTES DE RESPONDER LEIA ATENTAMENTE AS

Leia mais

Como fazer o IRS? 10 MARÇO DE 2012

Como fazer o IRS? 10 MARÇO DE 2012 Como fazer o IRS? 10 MARÇO DE 2012 Incidência do IRS O IRS incide sobre os rendimentos obtidos por pessoas singulares RESIDENTES São tributados pela globalidade dos rendimentos obtidos (em Portugal e

Leia mais

Trabalhadores dependentes

Trabalhadores dependentes Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social - Principais alterações Trabalhadores dependentes Ana Duarte PwC Agenda 1. Base de incidência (novas componentes) 2. Taxas 3.

Leia mais

PROTEÇÃO NA INVALIDEZ

PROTEÇÃO NA INVALIDEZ A informação contida neste manual de apoio não dispensa a consulta da legislação aplicável: Decreto-Lei n.º 187/2007, de 10 de maio Lei nº 90/2009, de 31 de agosto MANUAL DE APOIO PROTEÇÃO NA INVALIDEZ

Leia mais

Nome. Nome do Pai. Nome da Mãe. Morada N.º Freguesia Código Postal - Telefone . Nome. Nome. Nome

Nome. Nome do Pai. Nome da Mãe. Morada N.º Freguesia Código Postal - Telefone  . Nome. Nome. Nome REQUERIMENTO DE CANDIDATURA JARDIM DE INFÂNCIA CÁLCULO DA COMPARTICIPAÇÃO FAMILIAR PELA UTILIZAÇÃO DE COMPONENTES DE APOIO À FAMÍLIA ESTABELECIMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo / IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional - Certificação (N28 v4.06) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

NOTA INFORMATIVA. ASSUNTO: Orçamento de Estado 2014 l Processamento de Remunerações

NOTA INFORMATIVA. ASSUNTO: Orçamento de Estado 2014 l Processamento de Remunerações NOTA INFORMATIVA ASSUNTO: Orçamento de Estado 2014 l Processamento de Remunerações Considerando o disposto na Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro, diploma que aprova o Orçamento de Estado para 2014, cumpre

Leia mais

O regime fiscal dos residentes não habituais. Caracterização e novos procedimentos

O regime fiscal dos residentes não habituais. Caracterização e novos procedimentos O regime fiscal dos residentes não habituais Caracterização e novos procedimentos Os conceitos de residência fiscal para efeitos de IRS encontram-se consignados no artigo 16.º do respetivo Código. Esta

Leia mais

Repartição dos rendimentos

Repartição dos rendimentos Repartição dos rendimentos Repartição primária do rendimento rendimentos primários Rendimentos primários e rendimentos secundários Os rendimentos do trabalho (salários) e do capital (juros, lucros e rendas)

Leia mais

PORTARIA N.º 4 /05. de 17 de Janeiro

PORTARIA N.º 4 /05. de 17 de Janeiro MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E PLANEAMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 4 /05 de 17 de Janeiro As alterações introduzidas no Orçamento do Estado para 2005 para vigorarem a partir de 1 de Janeiro, nomeadamente,

Leia mais

CARTILHA INFORMATIVA Lei das domésticas (Lei Complementar 150 de 1 de junho de 2015)

CARTILHA INFORMATIVA Lei das domésticas (Lei Complementar 150 de 1 de junho de 2015) CARTILHA INFORMATIVA Lei das domésticas (Lei Complementar 150 de 1 de junho de 2015) A Lei Complementar 150/2015, trouxe em seu bojo inúmeras alterações e novos direitos para os empregados domésticos.

Leia mais

Através do seguro social voluntário Atualizado em:

Através do seguro social voluntário Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Através do seguro social voluntário Atualizado em: 05-01-2017 Esta informação destina-se a que cidadãos Pessoas abrangidas pelo seguro social voluntário O que é O regime do seguro social

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL

PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Exposição de motivos Apesar de ter sido criado há já mais de 10 anos e muito embora esteja previsto no artigo 336.º do Código

Leia mais

Como organizar a folha de pagamento

Como organizar a folha de pagamento Este conteúdo faz parte da série: Folha de Pagamento Ver 10 posts dessa série O que é: A folha de pagamento é uma lista mensal, semanal ou diária referente à remuneração dos trabalhadores de uma instituição.

Leia mais

DIA OBRIGAÇÕES IMPRESSOS LOCAL DE ENTREGA LOCAL DE PAGAMENTO OBSERVAÇÕES. Internet

DIA OBRIGAÇÕES IMPRESSOS LOCAL DE ENTREGA LOCAL DE PAGAMENTO OBSERVAÇÕES. Internet Outubro 22 22 22 IVA 22 IVA IVA IRS/IRC/Selo relativas a Setembro de Pagamento das contribuições relativas a Setembro de Selo, referentes a Setembro de Setembro de Envio de declaração recapitulativa trimestral

Leia mais

FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS

FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS 600.000 FAMÍLIAS JÁ GEREM MELHOR AS SUAS DESPESAS CLIENTE FREQUENTE Poupe mais com esta solução integrada de produtos e serviços bancários e pague o mesmo todos os meses. MILLENNIUM. AQUI CONSIGO. www.millenniumbcp.pt

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 28 de novembro de 2014 PROTEÇÃO SOCIAL 2004-2013 Nota introdutória A Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM) divulga, pela primeira vez, no seu novo portal, uma série retrospetiva com os principais

Leia mais

MODELO 3 IRS IMPRESSO 2013 CAMPANHA DE ENTREGA DAS DECLARAÇÕES IRS 2012

MODELO 3 IRS IMPRESSO 2013 CAMPANHA DE ENTREGA DAS DECLARAÇÕES IRS 2012 MODELO 3 IRS IMPRESSO 2013 CAMPANHA DE ENTREGA DAS DECLARAÇÕES IRS 2012 QUEM DEVE APRESENTAR A DECLARAÇÃO Os sujeitos passivos residentes quando estes ou os dependentes que integram o agregado familiar

Leia mais

Sessões de esclarecimento online. Perguntas mais frequentes sobre. Jan.2011

Sessões de esclarecimento online. Perguntas mais frequentes sobre. Jan.2011 Sessões de esclarecimento online Perguntas mais frequentes sobre Código Contributivo Jan.2011 Ainda temos a versão 2010 da PHC. Como podemos aplicar o que referiram até termos a versão 2011? Não é possível

Leia mais

PPR ÚNICO - 12ª Série

PPR ÚNICO - 12ª Série 1 TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se essencialmente a Clientes, com perfil conservador, que privilegiam a garantia de rendimento e capital investido

Leia mais

GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE TEMPORÁRIA

GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE TEMPORÁRIA Manual de GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE TEMPORÁRIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Serviço de Verificação

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

Município de São Pedro do Sul. Regulamento de Acção Social Escolar 1º Ciclo do Ensino Básico e Transportes Escolares

Município de São Pedro do Sul. Regulamento de Acção Social Escolar 1º Ciclo do Ensino Básico e Transportes Escolares Município de São Pedro do Sul Regulamento de 1º Ciclo do Ensino Básico e Transportes Escolares O presente regulamento tem como objectivo regulamentar e uniformizar procedimentos para a atribuição de auxílios

Leia mais

Calendário Fiscal - Março 2012

Calendário Fiscal - Março 2012 Calendário Fiscal - Março 2012 Dia 1 de Março: IRS - DECLARAÇÃO MODELO 3 - Rendimentos da Categoria A e/ou H A partir desta data e até 30 Março de 2012, devem ser apresentadas em qualquer repartição de

Leia mais

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 ASSUNTO: PROCESSAMENTO DE REMUNERAÇÕES 2017 A partir de 1 de janeiro de 2017, por força da entrada em vigor do Orçamento do Estado para o ano de 2017, aprovado pela

Leia mais

CATEGORIAS DE RENDA BRUTA (Limites máximos) 100% 125% 150% 175% 185% 200% 250% 300% 400% 500%

CATEGORIAS DE RENDA BRUTA (Limites máximos) 100% 125% 150% 175% 185% 200% 250% 300% 400% 500% Assistência financeira - Sumário A Montefiore Medical Center reconhece que existem momentos em que os s terão dificuldades em pagar pelos serviços prestados. O Auxílio financeiro oferece descontos para

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de Manual de GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada (FIN) Conta Poupança Livre. Conta Poupança Livre. Designação

Ficha de Informação Normalizada (FIN) Conta Poupança Livre. Conta Poupança Livre. Designação Exemplar Cliente Designação de Acesso Modalidade Meios de Movimentação aplicáveis a: Clientes Particulares, maiores de idade; Residentes e não residentes em Portugal; Titulares de uma conta de Depósitos

Leia mais

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bonificação por Deficiência (4002 v4.20)

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2014

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2014 OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2014 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. X X X DATA: 2014/ Janeiro / 28 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2014

Leia mais

MUDANÇAS POLÍTICAS SALARIAIS. Quidgest

MUDANÇAS POLÍTICAS SALARIAIS. Quidgest MUDANÇAS POLÍTICAS SALARIAIS Quidgest rh@quidgest.com AGENDA: Q Q Q Q Q Q Q Q Q Q REMISSÃO CÓDIGO DO TRABALHO TRABALHO SUPLEMENTAR FÉRIAS, FALTAS E FERIADOS SUBSÍDIO NATAL E FÉRIAS DECLARAÇÃO MENSAL DE

Leia mais

Grupo Parlamentar PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PROPOSTA DE LEI 42/XI ORÇAMENTO DO ESTADO PARA Artigo 66.º

Grupo Parlamentar PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PROPOSTA DE LEI 42/XI ORÇAMENTO DO ESTADO PARA Artigo 66.º Grupo Parlamentar PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PROPOSTA DE LEI 42/XI ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 Artigo 66.º Alteração à Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro 1- Os artigos 4.º e 6.º da Lei n.º 110/2009, de 16

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto Diploma Aprova a declaração modelo 2, o modelo do recibo eletrónico de quitação de rendas e a declaração modelo 44, previstos no Código do Imposto do Selo e no Código do IRS Portaria n.º 98-A/2015 de 31

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2013/04/19 A 2013/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2013/04/19 A 2013/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO Despesas de fundos próprios: Saldo da gerência anterior: Dotações orçamentais (OE): Execução orçamental - Fundos próprios: Correntes: De dotações orçamentais (OE) 137.351,67 137.351,67 De receitas próprias:

Leia mais

Crédito à Habitação. Contratar, reembolsar e renegociar. Fernanda Matias João Ramiro Santos Departamento de Supervisão Comportamental 2 dezembro 2014

Crédito à Habitação. Contratar, reembolsar e renegociar. Fernanda Matias João Ramiro Santos Departamento de Supervisão Comportamental 2 dezembro 2014 Crédito à Habitação Contratar, reembolsar e renegociar Fernanda Matias João Ramiro Santos Departamento de Supervisão Comportamental 2 dezembro 2014 Encontro Nacional de Centros de Informação Autárquica

Leia mais

As medidas do governo para incentivar a natalidade vão ter reduzidos efeitos Pág. 1

As medidas do governo para incentivar a natalidade vão ter reduzidos efeitos Pág. 1 As medidas do governo para incentivar a natalidade vão ter reduzidos efeitos Pág. 1 AS MEDIDAS ANUNCIADAS PELO GOVERNO PARA INCENTIVAR A NATALIDADE VÃO TER EFEITOS REDUZIDOS RESUMO O governo acabou de

Leia mais

CATÁLOGO RECURSOS HUMANOS

CATÁLOGO RECURSOS HUMANOS CATÁLOGO RECURSOS HUMANOS MÓDULO DE RECURSOS HUMANOS A solução de Recursos Humanos permite a qualquer entidade, realizar facilmente a coordenação das atividades dos seus colaboradores e automatizar a ocupação

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: FAZER PAGAMENTOS SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS

ÁREA DE FORMAÇÃO: FAZER PAGAMENTOS SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS ÁREA DE FORMAÇÃO: FAZER PAGAMENTOS SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Índice Características Serviços incluídos Comissionamento Contratação de outros produtos e serviços bancários Condições de acesso Direito à

Leia mais

PPR ÚNICO - 3ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma

PPR ÚNICO - 3ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma Plano Poupança Reforma Tipo de Cliente Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. Descrição O PPR Único - 3ª Série é um Plano de Poupança Reforma, que se destina a fomentar poupanças para constituição

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Questionário Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 1. É tributado como rendimento da categoria B: A) A indemnização paga pela companhia de seguros a empresário em nome individual,

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR ASSISTÊNCIA DE TERCEIRA PESSOA

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR ASSISTÊNCIA DE TERCEIRA PESSOA Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR ASSISTÊNCIA DE TERCEIRA PESSOA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Assistência

Leia mais

Lisboa, 26 de Junho de 2012

Lisboa, 26 de Junho de 2012 Lisboa, 26 de Junho de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ALTERAÇÃO E CESSAÇÃO DE SERVIÇO DOMÉSTICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ALTERAÇÃO E CESSAÇÃO DE SERVIÇO DOMÉSTICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ALTERAÇÃO E CESSAÇÃO DE SERVIÇO DOMÉSTICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Inscrição, Alteração e Cessação do Serviço Doméstico (1003 v5.13)

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

Manual do Candidato. MPAgro. Curso de Mestrado Profissional em Agronegócio. Ingresso em 2016

Manual do Candidato. MPAgro. Curso de Mestrado Profissional em Agronegócio. Ingresso em 2016 Manual do Candidato Ingresso em 2016 MPAgro Curso de Mestrado Profissional em Agronegócio Manual do Candidato - Curso de Mestrado Profissional em Agronegócio 2 INSCRIÇÕES A Coordenação do Processo Seletivo

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Pagamento Voluntário de Contribuições

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Pagamento Voluntário de Contribuições Pagamento Voluntário de Contribuições Ficha Técnica Título Autor Conceção gráfica de Segurança Social Pagamento Voluntário de Contribuições Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação Edição http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva Medida

Leia mais

Guia para Identificar os Participantes do Prêmio do Comércio Justo sob a APS

Guia para Identificar os Participantes do Prêmio do Comércio Justo sob a APS Guia para Identificar os Participantes do Prêmio do Comércio Justo sob a APS Fair Trade USA Versão 1.0.0 A. Introdução Os "Participantes do Prêmio do Comércio Justo", ou "Participantes do Prêmio", são

Leia mais

Ficha de Inscrição - Carta de Navegador

Ficha de Inscrição - Carta de Navegador (foto tipo passe) Ficha de Inscrição - Carta de Navegador (envio obrigatório para inscrição) Dados Pessoais: Nome: Morada: C. Postal: Localidade: Telemóvel: Outro Telefone: Nº Contribuinte: Data de Nascimento:

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR FREQUÊNCIA DE ESTABELECIMENTO DE ENSINO ESPECIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR FREQUÊNCIA DE ESTABELECIMENTO DE ENSINO ESPECIAL Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR FREQUÊNCIA DE ESTABELECIMENTO DE ENSINO ESPECIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio

Leia mais

Procura de emprego na Europa

Procura de emprego na Europa Procura de emprego na Europa IEFP - EURES VAE IPS Setúbal 27 de setembro, de 2016 Porquê ir para fora? MOTIVAÇÕES Perspetivas de emprego Enriquecimento da carreira profissional Novos horizontes: cultura

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar (33 V4.02) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 8534 Sistema de Segurança Social. Segurança Social. Direitos e Deveres:

CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 8534 Sistema de Segurança Social. Segurança Social. Direitos e Deveres: UFCD 8534 Sistema de Segurança Social Segurança Social Direitos e Deveres: Segurança Social, Trabalhadores e Entidades Formandos: Luís Combadão Sónia Santos Formadora: Maria José Banha 16 Índice Introdução...

Leia mais

NOVO MODELO 3 DE IRS

NOVO MODELO 3 DE IRS NOVO MODELO 3 DE IRS EM VIGOR A Portaria n.º 421/2012de 2 1/12, DRn.º247 SérieI - Aprova os novos modelos de impressos a que se refere o n.º 1 do artigo 57.º do Código do IRS Anexos alterados: -Declaração

Leia mais

Novos Prazos: Declaração de Remunerações à Segurança Social Pagamento das Contribuições e Quotizações à Segurança Social

Novos Prazos: Declaração de Remunerações à Segurança Social Pagamento das Contribuições e Quotizações à Segurança Social Data 13 de janeiro de 2011 Assunto: Tema: Novos Prazos: Declaração de Remunerações à Segurança Social Pagamento das Contribuições e Quotizações à Segurança Social Laboral No dia 1 de Janeiro de 2011 entrou

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA)

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) IES DECLARAÇÃO ANUAL (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM A TÍTULO PRINCIPAL ACTIVIDADE COMERCIAL INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) 01 No DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL POR RISCO CLÍNICO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL POR RISCO CLÍNICO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL POR RISCO CLÍNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Social por Risco Clínico

Leia mais

SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR: EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS (OE) , ,72

SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR: EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS (OE) , ,72 5858 - DGPC Página: 1 Código Recebimentos SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR: EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DE DOTAÇÕES ORÇAMENTAIS (OE)................ 25.430,72 25.430,72 DE RECEITAS PRÓPRIAS: NA POSSE DO SERVIÇO..................

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MAIO DE 2016 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de março 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de

Leia mais

Estatuto remuneratório fixado

Estatuto remuneratório fixado Estatuto remuneratório fixado O estatuto remuneratório dos órgãos sociais para o mandato 2015-2017, fixado por deliberação social unânime por escrito de 1 de julho de 2015, estabelece: 1. Mesa Assembleia

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Mensal Vitalício (4004 v4.18) PROPRIEDADE

Leia mais

Algumas Orientações da Administração Fiscal:

Algumas Orientações da Administração Fiscal: Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda. A G O S T O - 2 0 1 2 Algumas Orientações da Administração Fiscal: O que é a Certidão de Liquidação de IRS? A certidão de IRS é um documento comprovativo

Leia mais

Tron Informática

Tron Informática 13º Salário Gratificação Natalina 1 Veja uma vídeo-aula sobre este assunto em: http://www.trontv.com.br/t/index.php/videos/gestao-contabil/fp/76-como-calcular calcular-o-13-salario.html A Gratificação

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES ON-LINE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES ON-LINE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES ON-LINE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações On-Line (2026 V4.11) PROPRIEDADE Instituto da Segurança

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Leendert Verschoor

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Leendert Verschoor www.pwc.pt Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Leendert Verschoor Grandes Opções do Plano 2012-2015 Alargamento da base tributável e simplificação do sistema fiscal Redução das deduções à

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ALTERAÇÃO E CESSAÇÃO DE ACTIVIDADE DE TRABALHADOR INDEPENDENTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ALTERAÇÃO E CESSAÇÃO DE ACTIVIDADE DE TRABALHADOR INDEPENDENTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ALTERAÇÃO E CESSAÇÃO DE ACTIVIDADE DE TRABALHADOR INDEPENDENTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Inscrição, Alteração e Cessação de Actividade

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR ASSISTÊNCIA DE TERCEIRA PESSOA

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR ASSISTÊNCIA DE TERCEIRA PESSOA Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR ASSISTÊNCIA DE TERCEIRA PESSOA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Assistência

Leia mais

Orçamento de Pessoal Aula

Orçamento de Pessoal Aula Orçamento de Pessoal Aula 6 30-05-2012 Prof. Procópio Aula 6 30-05-2012 Salário Família Imposto de Renda Encargos Sociais Exercícios Salário Família Benefício previdenciário que corresponde a uma quota

Leia mais