REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho e Despacho 10738/2011 de 30 de Agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho e Despacho 10738/2011 de 30 de Agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES"

Transcrição

1 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho e Despacho 10738/2011 de 30 de Agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional de Proteção Civil) no âmbito da Portaria n.º773/2009, de 21 de Julho? Este registo é obrigatório para as entidades que exerçam a atividade de comercialização, instalação e ou manutenção de produtos e equipamentos de segurança contra incêndio em edifícios (SCIE), constantes do artigo 2.º da Portaria n.º773/2009, de 21 de Julho. 2. A certificação das entidades, ao abrigo do disposto no artigo 7.º da Portaria n.º773/2009, de 21 de Julho é obrigatória? Não. A certificação apenas é obrigatória para as entidades com atividade de manutenção de extintores (NP 4413), pelo disposto no n.º 9, do artigo 8.º, do Anexo I à Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro. 3. O referencial de qualidade previsto na alínea b) do n.º 2 do artigo 7.º da Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho já está definido pela ANPC? Não. As entidades que pretendam obter a certificação ao abrigo de um referencial de qualidade específico para a atividade no âmbito do comércio, instalação e ou manutenção de produtos e equipamentos de SCIE terão de se certificar com base na NP EN ISO 9001, devendo cumprir o disposto na alínea a), do n.º2, do artigo 7.º da Portaria n.º773/2009, de 21 de Julho. 4. Quais os passos para solicitar o registo de uma entidade na ANPC? Recomenda-se a consulta do documento Procedimento para o Registo de Entidades na ANPC, disponível no sítio da ANPC na secção Segurança Contra Incêndio em Edifícios em Registo de Entidades ao abrigo da Portaria n.º 773/ Que requerimentos (s) têm de se preencher para proceder ao registo da entidade na ANPC? Onde os posso obter? Têm de ser preenchidos os três requerimentos (SCIE - Requerimento para o registo de entidade na ANPC; SCIE - Requerimento para a acreditação de técnicos responsáveis e SCIE - Avaliação curricular do técnico responsável), disponíveis no sítio da ANPC na secção Segurança Contra Incêndio em Edifícios em Registo de Entidades ao abrigo da Portaria n.º 773/ de fevereiro de 2016 Página 1 de 5

2 6. É suficiente o envio dos requerimentos, devidamente preenchidos em papel? Os requerimentos deverão ser devidamente preenchidos e assinados. Posteriormente, juntamente com a documentação constante dos anexos, deverão ser remetidos, por correio, para a sede da ANPC (Av. do Forte em Carnaxide, Carnaxide). Só após a receção da documentação via correio será apreciada a candidatura. 7. A entidade candidata a registo pode propor para acreditação mais do que um técnico responsável? Sim, indicando para cada um deles as áreas para que solicita acreditação. 8. Qual o valor da taxa a pagar pelo registo de entidade se a mesma propuser mais do que um técnico responsável a acreditar? O valor da taxa a pagar por entidade é de 54,08 independentemente do número de técnicos propostos a acreditação, correspondendo à taxa prevista na alínea h), do n.º 1, do artigo 2.º e no Anexo II da Portaria n.º 1054/2009, de 16 de Setembro, tendo em conta a atualização prevista no despacho n.º 2689/2016, de 22 de fevereiro. 9. Quem deve entregar na ANPC as medidas de autoproteção? A exigência da apresentação das medidas de autoproteção decorre do Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (n.º 2 do artigo 34.º). As medidas de autoproteção a aplicar encontram-se discriminadas na Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro. As medidas de autoproteção são exigidas para todos os edifícios e recintos, à exceção dos edifícios de habitação das 1.as e 2.as categorias de risco (artigo 198.º da Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro). As medidas de autoproteção solicitadas no âmbito da Portaria n.º º773/2009, de 21 de Julho são as referentes à sede da entidade a registar. Sempre que a sede da entidade coincida com a sua habitação, a entidade está dispensada de apresentar as medidas de autoproteção. Em todas as outras situações o estabelecimento deverá ser enquadrado numa utilização-tipo e categoria de risco, tendo de ser elaboradas as medidas de autoproteção. 10. Como é que devo entregar as medidas de autoproteção na ANPC? Devem ser entregues na ANPC dois exemplares em papel com as medidas de autoproteção, os quais podem ser enviados pelo correio ou entregues em mão na ANPC (se se tratar de um estabelecimento até à 3.ª categoria de risco inclusive no CDOS do distrito respetivo, se forem referentes a estabelecimentos da 4.ª categoria de risco devem ser encaminhadas para os serviços centrais da ANPC em Carnaxide). O envio por via eletrónica ainda não está operacional. O requerimento disponível no sítio da ANPC na secção segurança contra incêndio em edifícios, devidamente preenchido, e o comprovativo do pagamento da taxa devem ser remetidos com as medidas de autoproteção. Os contactos da ANPC encontram-se disponíveis em na secção contactos. 11. O que deve ser entregue na ANPC para comprovar a entrega das medidas de autoproteção? Deve ser apresentada cópia do requerimento entregue na ANPC com as medidas de autoproteção. Esse requerimento, disponível no sítio da ANPC na secção segurança contra incêndio em edifícios, deve estar devidamente preenchido, com a área reservada à ANPC preenchida (como comprovativo da receção das medidas de autoproteção e pagamento da taxa). Se o requerimento não tiver 25 de fevereiro de 2016 Página 2 de 5

3 a área reservada à ANPC preenchida, o requerente deverá juntar cópia do recibo remetido pela ANPC, relativo ao pagamento da respetiva taxa. 12. O que se entende por documento comprovativo do cumprimento da NP 4413? Trata-se da cópia do certificado emitido pela entidade certificadora, quanto ao serviço de Manutenção de Extintores. 13. Para o registo na ANPC, as entidades devem requerer o reconhecimento da capacidade técnica do(s) técnico(s) responsável(eis) ao abrigo de que legislação? Desde o dia 21 de Julho de 2012 a acreditação do técnico responsável é obtida exclusivamente em conformidade com os requisitos fixados no Regulamento da ANPC, estabelecido pelo Despacho n.º 10738/2011, de 30 de Agosto. 14. O que acontecerá caso o meu registo tenha sido efetuado ao abrigo da norma transitória e o(s) meu(s) técnico(s) não realizem a formação exigida pelo Despacho 10738/2011, de 30 de Agosto? Se os técnicos possuírem mais de cinco anos de experiência na atividade e escolaridade mínima obrigatória podem requerer a acreditação direta, ao abrigo do artigo 2.º do Despacho 10738/2011, de 30 de Agosto. Se não for cumprida nenhuma das opções requeridas para os técnicos ao abrigo do referido despacho ( Cinco anos de experiência na atividade e escolaridade mínima obrigatória" ou Um ano de experiência na atividade, escolaridade mínima obrigatória e formação, de acordo com os requisitos descritos no Despacho n.º 10738/2011, de 30 de Agosto ) o registo da entidade será suspenso (Artigo 9º da Portaria 773/2009, de 21 de Julho). 15. Somos uma empresa espanhola fabricante de portas e envidraçados resistentes ao fogo e ao fumo, e seus acessórios. Uma determinada empresa portuguesa, com atividades em Portugal enquadradas na Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho, pretende comprar-nos os referidos produtos, com o objetivo de os comercializar e instalar em Portugal. Necessitamos de fazer o registo em Portugal no âmbito da Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho? Não. É a empresa portuguesa que tem de efetuar o registo na ANPC, ao abrigo da Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho. 16. A empresa X contratou a empresa Y para instalar sistemas automáticos e dispositivos autónomos de deteção de incêndios e gases. A empresa Y está devidamente registada na ANPC, ao abrigo da Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho e por sua vez subcontrata a empresa Z para instalar o referido equipamento de SCIE, a qual não se encontra registada na ANPC. A empresa Z deveria estar registada? Sim. Só em casos muito particulares em que a empresa Z forneça apenas mão-de-obra, mantendo-se a empresa Y responsável pela referida instalação (está registada e tem técnicos responsáveis acreditados pela ANPC para o efeito) é que a empresa Z pode ficar dispensada do registo na ANPC. 25 de fevereiro de 2016 Página 3 de 5

4 17. Como se processa a formação do técnico responsável da entidade, ao abrigo do Despacho nº /2011, de 30 de Agosto? A formação terá de seguir os critérios da tabela abaixo representada. Momento de realização da formação Tipo de formação Formação a frequentar N.º de horas mínimo Técnicos acreditados ao abrigo da norma transitória, artigo 10.º da Portaria n.º 773/2009 (que não possuam 5 anos de experiência) Até 21 Julho de 2012 Inicial Geral 16 Específica (1) e (2) 19 equipamento) Segundo o Quadro I do Despacho 10738/2011 Técnicos com, no mínimo, 1 ano de experiência comprovada. Acreditação ao abrigo do nº2 do artigo 2.º, do despacho 10738/2011 Antes de solicitar a acreditação à ANPC Inicial Geral 16 Específica (1) e (2) 19 equipamento) Segundo o Quadro I do Despacho 10738/2011 Geral 6 Técnico com 5 anos de experiência comprovada. Acreditação ao abrigo do nº1 do artigo 2.º, do despacho 10738/ anos após a acreditação pela ANPC Contínua Específica 8 equipamento) Segundo o Quadro II do Despacho 10738/2011 (1)- Os técnicos que laborem em exclusividade na atividade de sinalização de segurança só terão de ter a formação inicial geral, Quadro I (2 )- Técnicos que comprovem possuir o curso de manutenção de extintores cumprindo o disposto na NP 4413, realizado até 30 de Agosto de 2011, só necessitam de ter formação inicial geral. 18. Tenho 5 anos de experiência profissional na atividade de comercialização, instalação e manutenção de um determinado produto ou equipamento de SCIE, e possuo a escolaridade mínima obrigatória. Pretendo solicitar a minha acreditação ao abrigo da Portaria 773/2009, de 21 de Julho. Necessito de realizar alguma ação de formação para a minha acreditação inicial? Não. Tendo em conta o nº 1 do artigo 2.º do Despacho n.º 10738/2011, de 30 Agosto a sua acreditação é direta. 19. Obtive a minha acreditação direta, ao abrigo do nº 1 do artigo 2.º do Despacho n.º 10738/2011, de 30 de Agosto, em Maio de Quando terei que realizar a minha formação para a renovação da minha acreditação? Terá de realizar a sua formação de acordo com o referido despacho, ou seja até Maio de de fevereiro de 2016 Página 4 de 5

5 20. Pretendo candidatar-me a técnico responsável, no âmbito do registo da entidade ao abrigo da Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, para comercializar, instalar e fazer a manutenção de extintores e de sistemas de extinção por água ( Um ano de experiência na atividade, escolaridade mínima obrigatória e formação, de acordo com os requisitos descritos no Despacho n.º 10738/2011, de 30 de Agosto ). Paralelamente a estas atividades sou formador num curso de formação específica de extintores e num curso de formação geral, enquadrados na formação constante do Quadro I (Formação inicial) do despacho n.º 10738/2011, de 30 de Agosto. Que certificados necessito de apresentar? O técnico candidato a técnico responsável deverá frequentar com aproveitamento uma formação específica para os sistemas de extinção por água, realizada de acordo com os requisitos descritos no Despacho n.º 10738/2011, de 30 de Agosto e apresentar o respetivo certificado, o qual deverá ser acompanhado pela declaração mencionada no artigo 9.º do referido despacho. Assim sendo, o técnico não terá de frequentar a formação geral e a formação específica de extintores. Procedimento análogo será seguido pela ANPC para os candidatos a técnico responsável com atividade de formação em áreas para as quais requeiram acreditação. 21. Que entidades podem dar formação ao abrigo do Despacho 10738/2011, de 30 de Agosto? Todas as que cumpram o estipulado nos artigos 6.º, 7.º, 8.º e 9.º do referido despacho. A ANPC disponibiliza no seu sítio ( na secção Segurança Contra Incêndio em Edifícios em Registo de Entidades ao abrigo da Portaria n.º 773/2009 ) uma lista de entidades que dispõem de ações de formação segundo a referida portaria. O cumprimento do estipulado no Despacho nº 10738/2011, de 30 de Agosto, é da inteira responsabilidade das entidades formadoras. 22. A ANPC emite certificados de registo para as entidades registadas ao abrigo da Portaria 773/2009, de 21 de Julho? Não. A ANPC cria e mantém, no âmbito da Portaria 773/2009, de 21 de Julho, o registo das entidades que exercem a atividade de comercialização, instalação e ou manutenção de produtos e equipamentos de segurança contra incêndio em edifícios (SCIE). Tratando-se de um registo público, em que a informação está disponível no sítio da ANPC ( na secção Segurança Contra Incêndio em Edifícios em Registo de Entidades ao abrigo da Portaria n.º 773/2009 ), será a consulta a esta página o meio de consulta e verificação do cumprimento da Portaria 773/2009, de 21 de Julho pelas entidades abrangidas pela referida portaria. 25 de fevereiro de 2016 Página 5 de 5

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015 PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO Versão 1.0 Dezembro 2015 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Qualificação de verificadores

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP) ministrados

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico.

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico. Documento Data Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA 2014Jul29 Conselho Pedagógico Conselho Científico Conselho Direção Técnico- de REVISÃO DO DOCUMENTO Versão Alteração Por Data

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SIV

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SIV Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SIV Maio de 2012 Departamento de Formação em Emergência Médica Rua Almirante Barroso, n.º 36, 4º Piso 1000-013 Lisboa

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização ALOJAMENTO LOCAL

Ficha Técnica de Fiscalização ALOJAMENTO LOCAL FTF: PPC/01//16 Versão: 01/ IDENTIFICAÇÃO Representante legal/proprietário/explorador Nº de registo /AL ASSINALAR A MODALIDADE DE Moradia Modalidade Apartamento Estabelecimento de Hospedagem (unidades

Leia mais

Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Aviso n.º 3/2015 OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS - PEPAL 5ª EDIÇÃO

Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Aviso n.º 3/2015 OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS - PEPAL 5ª EDIÇÃO Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Aviso n.º 3/2015 OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS - PEPAL 5ª EDIÇÃO O Município de Santa Maria da Feira, no âmbito do Programa de Estágios Profissionais na Administração

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010

Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Reitoria Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010 Regulamento n.º 285/2010 Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para

Leia mais

ANÚNCIO 1. ENTIDADE ADJUDICANTE

ANÚNCIO 1. ENTIDADE ADJUDICANTE Anúncio Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio para celebração de contrato de cedência de utilização de diversos espaços, em edifícios municipais, para instalação e exploração

Leia mais

Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS

Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece os procedimentos e documentos necessários à verificação das despesas elegíveis necessárias

Leia mais

Programa TEIP. Candidatura ao Fundo Social Europeu. https://www.portugal2020.pt/portal2020/ 16 e 17 de junho de 2016

Programa TEIP. Candidatura ao Fundo Social Europeu. https://www.portugal2020.pt/portal2020/ 16 e 17 de junho de 2016 Programa TEIP Candidatura ao Fundo Social Europeu https://www.portugal2020.pt/portal2020/ 16 e 17 de junho de 2016 Balcão 2020 A apresentação de candidaturas é efetuada através de formulário eletrónico

Leia mais

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional. Norma orientadora nº06/2009

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional. Norma orientadora nº06/2009 DSATAR Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional Norma orientadora nº06/2009 Assunto: Reconhecimento de formadores para apoio às sessões de formação prática do Curso de Operador de Máquinas

Leia mais

MATRÍCULAS RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA Ano Letivo 2015/2016

MATRÍCULAS RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA Ano Letivo 2015/2016 MATRÍCULAS RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA Ano Letivo 2015/2016 A Considerações prévias 1. A renovação de matrícula tem lugar nos anos escolares seguintes ao da primeira matrícula no 1.º ano do 1.º ciclo do ensino

Leia mais

Manual Certidão Web - Certidão Específica

Manual Certidão Web - Certidão Específica Manual Certidão Web - Certidão Específica 1 Sumário 1. NORMATIVA... 3 2. PROCEDIMENTO PARA SOLICITAÇÃO... 4 3. PROCEDIMENTO PARA ACOMPANHAR O ANDAMENTO DA SOLICITAÇÃO13 2 1. NORMATIVA De acordo com a INSTRUÇÃO

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes A minha empresa necessita de Licenciamento? O universo da Economia de Defesa inclui todas as organizações que no exercício da sua atividade desenvolvem ou têm potencial para desenvolver

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA, FORA DO CONTINGENTE, PARA O CONCELHO DE OVAR

CONCURSO PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA, FORA DO CONTINGENTE, PARA O CONCELHO DE OVAR CONCURSO PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA, FORA DO CONTINGENTE, PARA O CONCELHO DE OVAR Programa de Concurso Câmara Municipal de Ovar Novembro

Leia mais

REQUERIMENTO PARA PEDIDO DE: REPRODUÇÃO SIMPLES REPRODUÇÃO AUTENTICADA. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra.

REQUERIMENTO PARA PEDIDO DE: REPRODUÇÃO SIMPLES REPRODUÇÃO AUTENTICADA. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra. 1/6 REQUERIMENTO PARA PEDIDO DE: Despacho: Espaço reservado aos serviços REPRODUÇÃO SIMPLES REPRODUÇÃO AUTENTICADA Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: 96091 ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES

FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: 96091 ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: 96091

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL Melhoria contínua

PROCEDIMENTO GERAL Melhoria contínua Página 1 de 6 I ÂMBITO Aplicável em toda a estrutura funcional da ESEP. II OBJETIVOS Definir a metodologia, as responsabilidades e a documentação necessárias à implementação do controlo de não conformidades

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE

REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE (aprovado em reunião de CTC de 2014/10/15) Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto ISCAP/IPP CAPITULO I Disposições gerais Artigo

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL UNIDADE ORGÂNICA DE OPERAÇÕES E SEGURANÇA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA REQUERIMENTO

Leia mais

RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA

RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Código da publicitação do procedimento Indicar o número do aviso publicado no Diário da República ou o número do código da oferta de emprego

Leia mais

SALDOPOSITIVO.CGD.PT PROGRAMA DE LITERACIA FINANCEIRA GUIA DO ALOJAMENTO LOCAL

SALDOPOSITIVO.CGD.PT PROGRAMA DE LITERACIA FINANCEIRA GUIA DO ALOJAMENTO LOCAL SALDOPOSITIVO.CGD.PT GUIA DO ALOJAMENTO LOCAL Conheça as obrigações de quem tem uma casa disponível para alugar a turistas 1. INTRODUÇÃO Embora sejam atividades semelhantes, o arrendamento tradicional

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº.: S-DGE/2016/1421 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para:

CIRCULAR. Circular nº.: S-DGE/2016/1421 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para: CIRCULAR Data: 2016/04/ Circular nº.: S-DGE/2016/1421 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Assunto: Adoção de manuais escolares com efeitos no ano letivo de 2016/2017 Para: Secretaria Regional Ed. dos Açores Secretaria

Leia mais

1. OBJETIVOS VISADOS E TIPOLOGIA DAS OPERAÇÕES OU INVESTIMENTOS A APOIAR

1. OBJETIVOS VISADOS E TIPOLOGIA DAS OPERAÇÕES OU INVESTIMENTOS A APOIAR FUNDO FLORESTAL PERMANENTE - DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS APOIO AO FUNCIONAMENTO DAS EQUIPAS DE SAPADORES FLORESTAIS 2016 a 2018 (Portaria n.º 77/2015, de 16 de março, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE MARECHAL RONDON REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ENFERMAGEM São Manuel 2016 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DA FMR As Atividades Complementares, conforme

Leia mais

Objeto Alteração ao Regulamento que estabelece Normas Comuns sobre o Fundo Social Europeu [ ]

Objeto Alteração ao Regulamento que estabelece Normas Comuns sobre o Fundo Social Europeu [ ] Portaria No âmbito do regime jurídico dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) para o período de programação 2014-2020, a Portaria n.º 60-A/2015, de 2 de março, com as alterações que lhe

Leia mais

NORMA TÉCNICA 34/2014

NORMA TÉCNICA 34/2014 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 34/2014 Hidrante Urbano SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO

REGULAMENTO DE CONCURSO Índice 1. Objetivos... 2 2. Entidades Beneficiárias... 2 3. Dotação Orçamental... 2 4. Financiamento... 2 5. Despesas elegíveis... 3 6. Condições de Acesso ao Concurso... 3 7. Metodologia de Seleção dos

Leia mais

AVISO OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS 5ª EDIÇÃO DO PEPAL

AVISO OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS 5ª EDIÇÃO DO PEPAL AVISO OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS 5ª EDIÇÃO DO PEPAL Torna-se público que o Município de Gouveia, nos termos do artigo 3º da Portaria nº 254/14 de 9 de Dezembro, vai promover estágios no âmbito do

Leia mais

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação de um tipo de formação

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:179698-2016:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Serviços de comunicação da rede de área alargada e da rede da

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Ao abrigo do disposto no artigo 10.º da Portaria nº 401/2007 de 5 de Abril, o Conselho Científico do Instituto Superior Politécnico

Leia mais

Direção. CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Art.º 39.º do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho TÉCNICOS ESPECIALIZADOS CONTRATAÇÃO DE UM PSICÓLOGO (A)

Direção. CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Art.º 39.º do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho TÉCNICOS ESPECIALIZADOS CONTRATAÇÃO DE UM PSICÓLOGO (A) Direção CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Art.º 39.º do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho TÉCNICOS ESPECIALIZADOS CONTRATAÇÃO DE UM PSICÓLOGO (A) Nos termos e para os efeitos previstos nos números 1 a e 11

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Zoologia

Programa de Pós-Graduação em Zoologia Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Zoologia Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Zoologia (PPGZoo), vinculado à Faculdade

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. A. Introdução

MANUAL DO CANDIDATO. A. Introdução MANUAL DO CANDIDATO A. Introdução 1. A medida INOV ART Estágios Internacionais de Jovens com Qualificações ou Aptidões Reconhecidas no Domínio Cultural e Artístico (doravante designada INOV ART ), é promovida

Leia mais

AVISO. Técnicos para o Ensino de Atividade Física e Desportiva. Horário 1, 2, 3, 5, 6, 7, 8 e 9 9 Tempos Letivos 8 Postos de Trabalho

AVISO. Técnicos para o Ensino de Atividade Física e Desportiva. Horário 1, 2, 3, 5, 6, 7, 8 e 9 9 Tempos Letivos 8 Postos de Trabalho AVISO OFERTA DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS A TERMO RESOLUTIVO, A TEMPO PARCIAL, PARA O RECRUTAMENTO DE TÉCNICOS ESPECIALMENTE HABILITADOS PARA LECIONAR NO ÂMBITO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

Leia mais

Serviço de importação de encomendas destinados à Rússia Serviço disponível apenas para importadores comerciais.

Serviço de importação de encomendas destinados à Rússia Serviço disponível apenas para importadores comerciais. Serviço de importação de encomendas destinados à Rússia Serviço disponível apenas para importadores comerciais. O reforço das medidas de controlo introduzidas pelas autoridades aduaneiras na Rússia, para

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DO ISEL. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Definições

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DO ISEL. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Definições REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DO ISEL O Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março (Regime Jurídico dos Graus Académicos e Diplomas do Ensino Superior), estabelece normas relativas à mobilidade dos estudantes

Leia mais

22 SET. 2015 Área Cliente. Manual do Utilizador

22 SET. 2015 Área Cliente. Manual do Utilizador 22 SET. 2015 Área Cliente Manual do Utilizador Índice 1. O que é a Área Cliente?... 1 2. Quais são as principais funcionalidades disponíveis na Área Cliente?... 2 3. Quais são as condições necessárias

Leia mais

AEC - ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

AEC - ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei n.º 22/2008, de 13 de Maio) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9943, válido até 31/12/2014» AEC - ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO

Leia mais

EDITAL 2015/2016 1. CONDIÇÕES DE ACESSO

EDITAL 2015/2016 1. CONDIÇÕES DE ACESSO EDITAL CONCURSO AO ABRIGO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA, REINGRESSO E DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO PARA TITULARES DE CURSOS SUPERIORES 2015/2016 Nos termos do disposto na Portaria nº

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1 - O Estágio Supervisionado,

Leia mais

Trabalhador independente - Declaração do valor de actividade (Art. 152º) Este ano, em 2011, esta declaração do valor de actividade não será feita.

Trabalhador independente - Declaração do valor de actividade (Art. 152º) Este ano, em 2011, esta declaração do valor de actividade não será feita. Atendendo ao elevado número de questões relacionadas com o código contributivo da segurança social, elencamos alguns esclarecimentos sobre as matérias que mais dúvidas têm suscitado. Porém, a presente

Leia mais

CAPÍTULO I. Provas de Acesso. Artigo 1º (Objeto e âmbito)

CAPÍTULO I. Provas de Acesso. Artigo 1º (Objeto e âmbito) CAPÍTULO I Provas de Acesso Artigo 1º (Objeto e âmbito) 1. O presente Regulamento estabelece as normas para a realização das provas especialmente adequadas à avaliação da capacidade para a frequência dos

Leia mais

2º Passo Declaração de Início de Actividade e Inscrição no Ficheiro Central de Pessoas Colectivas 3º Passo Registo Comercial

2º Passo Declaração de Início de Actividade e Inscrição no Ficheiro Central de Pessoas Colectivas 3º Passo Registo Comercial O certificado de admissibilidade de firma é válido por cento e oitenta dias a contar da data da sua emissão. A Portaria nº 271/99, de 13 de Abril, veio considerar o empresário em nome individual como pessoa

Leia mais

DIREITOS E DEVERES DOS ESTRANGEIROS EM PORTUGAL

DIREITOS E DEVERES DOS ESTRANGEIROS EM PORTUGAL PROGRAMA E CONDIÇÕES DIREITOS E DEVERES DOS ESTRANGEIROS EM PORTUGAL PALOP Solicitadores Solicitadores Estagiários Fevereiro de 2012 Lisboa Departamento de Formação - Câmara dos Solicitadores 2011 Avenida

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 AM/01 FEVEREIRO/2009 TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DE PROPOSTA DE DEFINIÇÃO DE ÂMBITO DO EIA ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO 3. TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS

Leia mais

Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais

Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação O presente Regulamento, nos termos dos artigos 11º, Condições de Ingresso, e 24º,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA. Artigo 1.º. Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA. Artigo 1.º. Âmbito de Aplicação REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA Artigo 1.º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento estabelece as regras de funcionamento dos

Leia mais

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM Nos termos do disposto na Portaria nº 268/2002 publicada em Diário da República, I Série-B, Nº61 de 13 de março, faz-se público que está

Leia mais

ANEXO XX. O ICA apoia projetos promovidos por associações ou outras entidades sem fins lucrativos que divulguem e promovam o cinema português.

ANEXO XX. O ICA apoia projetos promovidos por associações ou outras entidades sem fins lucrativos que divulguem e promovam o cinema português. ANEXO XX PROGRAMA DE APOIO À INTERNACIONALIZAÇÃO SUBPROGRAMA DE APOIO À DIVULGAÇÃO E PROMOÇÃO INTERNACIONAL DE OBRAS NACIONAIS ATRAVÉS DE ASSOCIAÇÕES DO SETOR 1. Âmbito O ICA apoia projetos promovidos

Leia mais

CONDIÇÕES DE ARRENDAMENTO

CONDIÇÕES DE ARRENDAMENTO NORMAS DE ATRIBUIÇÃO DO ARRENDAMENTO DE ANDARES EM PRÉDIOS DE RENDIMENTO, A QUE SE REFERE O ANÚNCIO PUBLICADO NO SITIO DA CPME EM 03/03/2015, sob o nº 1/2015 CONDIÇÕES DE ARRENDAMENTO Os candidatos deverão

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Dispensa de Pagamento de Contribuições 1º

Leia mais

CONCURSO SARDINHAS FESTAS DE LISBOA'16 REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO

CONCURSO SARDINHAS FESTAS DE LISBOA'16 REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO CONCURSO SARDINHAS FESTAS DE LISBOA'16 REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO Artigo 1.º (Objeto) 1. O Concurso Sardinhas Festas de Lisboa'16 é uma iniciativa da EGEAC Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação

Leia mais

Procedimento para a Certificação de Conformidade com a Directiva de Produtos da Construção 89/106/CEE

Procedimento para a Certificação de Conformidade com a Directiva de Produtos da Construção 89/106/CEE 1 Objectivo Este procedimento tem como objectivo descrever o procedimento seguido pela EIC como Organismo de Certificação Notificado para a avaliação da conformidade dos agregados de acordo com os requisitos

Leia mais

Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional

Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional Em vigor a partir de 01 de abril 2012 RINA Via Corsica, 12 16128 Genova - Itália Tel. +39 01053851 Fax: +39 0105351000

Leia mais

Guia Prático Redução de taxa contributiva Apoio à contratação a termo de trabalhadores mais velhos e públicos específicos

Guia Prático Redução de taxa contributiva Apoio à contratação a termo de trabalhadores mais velhos e públicos específicos GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À CONTRATAÇÃO A TERMO DE TRABALHADORES MAIS VELHOS E PÚBLICOS ESPECÍFICOS INSTITUTO DA

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente. Orientação

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente. Orientação Orientação Publicitação dos Projetos Financiados Pelo Programa de da Região Autónoma dos Açores A consulta desta norma não dispensa a leitura da legislação aplicável 2016 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2.

Leia mais

Aspetos principais Julho 2016

Aspetos principais Julho 2016 Tarifa Social na Eletricidade Aspetos principais Julho 2016 1. Em que consiste a tarifa social no fornecimento de eletricidade? A tarifa social resulta da aplicação de um desconto na tarifa de acesso às

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012)

INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012) INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012) Temas ESTATÍSTICAS Estatísticas das Operações com o Exterior ASSUNTO: Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior No uso das competências atribuídas

Leia mais

Programa Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 - Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior. Mobilidade para estudos e/ou estágio

Programa Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 - Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior. Mobilidade para estudos e/ou estágio 2015 Programa Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 - Mobilidade individual para fins de aprendizagem Ensino Superior Mobilidade para estudos e/ou estágio Mobilidade de Pessoal para missões de ensino e/ou formação APOIO

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática Faculdade de Física Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências

Leia mais

Manual do Condutor DOCUMENTAÇÃO QUE DEVERÁ ACOMPANHAR A VIATURA PARA UMA CONDUÇÃO MAIS CÓMODA E SEGURA

Manual do Condutor DOCUMENTAÇÃO QUE DEVERÁ ACOMPANHAR A VIATURA PARA UMA CONDUÇÃO MAIS CÓMODA E SEGURA > Página principal > Apoio ao Cliente > Manual do Condutor > Manual do Condutor Quando a Locarent entrega as viaturas aos seus Clientes, disponibiliza uma pasta contendo as informações básicas de suporte

Leia mais

Embaixada de Portugal Tripoli

Embaixada de Portugal Tripoli ANEXO I AVISO DE ABERTURA Concurso Externo para o recrutamento de 1 (um) lugar de ASSISTENTE ADMINISTRATIVO do Quadro Único de Contratação dos Serviços Externos do Ministério dos Negócios Estrangeiros,

Leia mais

EDITAL. Concurso de Acesso e Ingresso no mestrado em Vulcanologia e Riscos Geológicos

EDITAL. Concurso de Acesso e Ingresso no mestrado em Vulcanologia e Riscos Geológicos EDITAL Concurso de Acesso e Ingresso no mestrado em Vulcanologia e Riscos Geológicos A Universidade dos Açores faz saber que está aberto concurso de acesso ao mestrado em Vulcanologia e Riscos Geológicos,

Leia mais

CARTA DE CAÇADOR CARTA DE CAÇADOR

CARTA DE CAÇADOR CARTA DE CAÇADOR CARTA DE CAÇADOR CARTA DE CAÇADOR INDÍCE Requisitos para obter carta de caçador Especificações Validade Concessão, renovação, 2.ºs vias e alteração de dados Quando requerer Renovação de cartas de caçador

Leia mais

Regulamento de Utilização do Teatro Municipal Baltazar Dias

Regulamento de Utilização do Teatro Municipal Baltazar Dias Regulamento de Utilização do Teatro Municipal Baltazar Dias Nota justificativa Considerando que o Teatro Municipal Baltazar Dias é um espaço nobre da cidade do Funchal, cuja finalidade é a apresentação

Leia mais

Perguntas frequentes Mundi Travel. Comissão Arbitral. 1- O que é o Fundo de Garantia de Viagens e Turismo (FGVT)?

Perguntas frequentes Mundi Travel. Comissão Arbitral. 1- O que é o Fundo de Garantia de Viagens e Turismo (FGVT)? Perguntas frequentes Mundi Travel Comissão Arbitral 1- O que é o Fundo de Garantia de Viagens e Turismo (FGVT)? Nos termos do artigo 31º da do Decreto-Lei n.º 61/2011, de 6 de maio, com as alterações introduzidas

Leia mais

Projecto de Portaria Contratação temporária para o Ensino Português no Estrangeiro

Projecto de Portaria Contratação temporária para o Ensino Português no Estrangeiro Projecto de Portaria Contratação temporária para o Ensino Português no Estrangeiro De acordo com o artigo 32.º do Decreto-Lei n.º 165/2006 de 11 de Agosto com a redacção que lhe foi conferida pelo Decreto-Lei

Leia mais

2º CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA "Basic" / Grau II março 2016 a junho 2017

2º CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA Basic / Grau II março 2016 a junho 2017 1. ORGANIZAÇÃO O Curso de Treinadores de Futebol UEFA Basic / Grau II será organizado pela Associação de Futebol de Santarém nos termos das Normas de Licenciamento de Cursos de Treinadores da FPF. A responsabilidade

Leia mais

AVISO Nº 1/2016. Unidade Orgânica. de 3º grau de Desenvolvimento Económico e Turístico

AVISO Nº 1/2016. Unidade Orgânica. de 3º grau de Desenvolvimento Económico e Turístico AVISO Nº /206. O Município de Abrantes torna público, nos termos do nº do artº 6º do Decreto-Lei 66/204, de 6 de novembro em conjugação com o artigo 3º da Portaria 254/204, de 9 de dezembro, e após o procedimento

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO

GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Suplemento Especial de Pensão (7017-A v4.13) PROPRIEDADE

Leia mais

Contrato n.º 22 /2014

Contrato n.º 22 /2014 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE EMPREITADA DE OBRAS DE REMODELAÇÃO DAS COBERTURAS DAS GALERIAS DE LIGAÇÃO DOS PAVILHÕES DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO ESCOLA SEDE DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALONGO Contrato

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL (EDIÇÃO 2016-2018) Nos termos do Decreto-Lei nº42/2005, de 22 de fevereiro e do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

2016 Formação CERTIEL

2016 Formação CERTIEL 2016 Formação CERTIEL Formação CERTIEL Em 2016, a CERTIEL continua a aposta na sua oferta formativa, a qual continuará a incidir na atualização e reforço das competências dos técnicos responsáveis pela

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS. Regulamento n.º 9/2016 (Série II), de 6 de janeiro de 2016

ORDEM DOS ADVOGADOS. Regulamento n.º 9/2016 (Série II), de 6 de janeiro de 2016 Regulamento n.º 9/2016 (Série II), de 6 de janeiro de 2016 / Ordem dos Advogados. - Ao abrigo do disposto na alínea d), do n.º 2, do artigo 33.º do Estatuto da Ordem dos Advogados (EOA), aprovado pela

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Página 1 de 9 1.O que são os concursos? É um concurso público dirigido pela entidade gestora da Bolsa de terras, a Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR). E que se destina a ceder

Leia mais

Campanha de Segurança e Saúde no Trabalho da Condução Automóvel Profissional

Campanha de Segurança e Saúde no Trabalho da Condução Automóvel Profissional Campanha de Segurança e Saúde no Trabalho da Condução Automóvel Profissional A formação dos condutores profissionais 5 de maio de 2016 1 Campanha de Segurança e Saúde no Trabalho da Condução Automóvel

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP

ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prática Programa de Residência Profissionalizante Atualização Graduação Sim Não Sim Concluída Carga horária mínima Definida

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 36º, nº 5, f) Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 36º, nº 5, f) Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 36º, nº 5, f) Facturação - despacho do Director-Geral dos Impostos, em 24-07-2008 Conteúdo: O sujeito passivo A, exercendo a actividade de Comércio por

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 19.9.2014

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 19.9.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 19.9.2014 C(2014) 6515 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 19.9.2014 que completa a Diretiva 2014/17/UE do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito

Leia mais

GUIA PRÁTICO ENTIDADES CONTRATANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO ENTIDADES CONTRATANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO ENTIDADES CONTRATANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P TÍTULO Guia Prático Entidades Contratantes (2034 v1.05) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Departamento de Prestações

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS DA UNIVERSIDADE DO MINHO

SERVIÇOS ACADÉMICOS DA UNIVERSIDADE DO MINHO SERVIÇOS ACADÉMICOS DA UNIVERSIDADE DO MINHO Os Serviços Académicos são uma unidade de serviços da Universidade do Minho cujo principal objetivo é a gestão administrativa dos processos escolares dos estudantes,

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA Nº 246

CIRCULAR INFORMATIVA Nº 246 CIRCULAR INFORMATIVA Nº 246 LEGISLAÇÃO NACIONAL 23-12-2015 CERTIFICADOS ELECTRÓNICOS PARA GRANDES UTILIZADORES (CDI) Exmos. Senhores Associados, Visando atender às necessidades das empresas suas associadas

Leia mais

Regulamento de Apoio à Publicação Científica e Tecnológica

Regulamento de Apoio à Publicação Científica e Tecnológica Regulamento de Apoio à Publicação Científica e Tecnológica Artigo 1.º - Objeto O presente regulamento estabelece os termos e as condições de atribuição dos apoios relativos a publicações científicas realizadas

Leia mais

REGULAMENTO DA EXPOMORTÁGUA FLORESTA, ENERGIA, AMBIENTE & TURISMO. A floresta desempenha um papel de relevo na economia e sustentabilidade da vida do

REGULAMENTO DA EXPOMORTÁGUA FLORESTA, ENERGIA, AMBIENTE & TURISMO. A floresta desempenha um papel de relevo na economia e sustentabilidade da vida do REGULAMENTO DA EXPOMORTÁGUA FLORESTA, ENERGIA, AMBIENTE & TURISMO NOTA JUSTIFICATIVA A floresta desempenha um papel de relevo na economia e sustentabilidade da vida do Concelho. Por forma a potenciar,

Leia mais

(ENB AD011/2014) Cláusula 1.ª Objeto do contrato

(ENB AD011/2014) Cláusula 1.ª Objeto do contrato CONTRATO PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE EXTINTORES PARA DESCARGA E RESPETIVA RECARGA DE EXTINTORES DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE SÃO JOÃO DA MADEIRA para o ano de 2015 Entre: (ENB AD011/2014) A Escola Nacional de

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO COM BOLSA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES)

EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO COM BOLSA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES) EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO COM BOLSA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES) A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Letras (Ciência da Literatura) da UFRJ torna pública

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. 2- Nos termos da alínea a) do artº. 2º. do decreto-lei nº. 241/2007 entende-se por Bombeiro : CAPÍTULO II REGALIAS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. 2- Nos termos da alínea a) do artº. 2º. do decreto-lei nº. 241/2007 entende-se por Bombeiro : CAPÍTULO II REGALIAS REGULAMENTO DO ESTUDANTE BOMBEIRO Conselho Científico (Deliberação CC-5/2008, de 23/01/2008) 15 20 04 2012 01 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTº 1º (ÂMBITO) 1- O presente Regulamento aplica-se aos bombeiros

Leia mais

NORMAS DE ATRIBUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DO TRANSPORTE ESCOLAR

NORMAS DE ATRIBUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DO TRANSPORTE ESCOLAR 1 NORMAS DE ATRIBUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DO TRANSPORTE ESCOLAR A intervenção do Município de Vendas Novas em matéria de transportes escolares consiste na oferta de um serviço dentro dos parâmetros estabelecidos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO LOURENÇO VALONGO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador

Leia mais

EDITAL DE MATRÍCULA 2014.2

EDITAL DE MATRÍCULA 2014.2 EDITAL DE MATRÍCULA 2014.2 Regula procedimento de matrícula inicial referente ao processo seletivo regido pelo Edital CESPA 009/2014, reabertura de matrícula e matrícula dos alunos veteranos para o Semestre

Leia mais

Movimento Associativo Socioeducativo do Município de Gondomar

Movimento Associativo Socioeducativo do Município de Gondomar Movimento Associativo Socioeducativo do Município de Gondomar Passos para a Constituição e a Legalização de uma Associação de Pais 1) Criação de uma Comissão Instaladora; 2) Elaboração dos Estatutos; 3)

Leia mais

Auditorias. 1. Apresentação. 2. Legislação de enquadramento. 3. Tramitação dos processos. 4. Fluxograma da tramitação NORMA DE PROCEDIMENTOS

Auditorias. 1. Apresentação. 2. Legislação de enquadramento. 3. Tramitação dos processos. 4. Fluxograma da tramitação NORMA DE PROCEDIMENTOS NORMA DE PROCEDIMENTOS Julho de 2008 08 / AM Tramitação dos processos de Auditorias 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos 4. Fluxograma da tramitação 1/6 2/6 1. Apresentação

Leia mais

COMO FORMALIZAR UMA CANDIDATURA A PROCEDIMENTO CONCURSAL

COMO FORMALIZAR UMA CANDIDATURA A PROCEDIMENTO CONCURSAL COMO FORMALIZAR UMA CANDIDATURA A PROCEDIMENTO CONCURSAL 1 Índice: Preenchimento do Formulário de Candidatura ao Procedimento Concursal Código de Identificação do Processo e Caracterização do Posto de

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2014 PREÂMBULO

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2014 PREÂMBULO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2014 PREÂMBULO Assunto: Inscrição de profissionais formados em comunicação, publicidade ou marketing, ou que atuem em uma dessas áreas, objetivando constituir subcomissão

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

Seminário Transportes & Negócios Transporte Rodoviário de Mercadorias Susana Mariano 24 Maio 2012

Seminário Transportes & Negócios Transporte Rodoviário de Mercadorias Susana Mariano 24 Maio 2012 Susana Mariano 24 Maio 2012 Manual do Motorista Seminário Transportes & Negócios REDUZIR CUSTOS ENCARAR OBRIGAÇÕES Cumprir obrigações legais SST Segurança alimentar Gestão de resíduos Satisfação do cliente

Leia mais

Regulamento de Certificação de Técnicos

Regulamento de Certificação de Técnicos Regulamento de Certificação de Técnicos O presente documento estabelece o Regulamento de certificação dos técnicos responsáveis pela instalação, deteção de fugas, recuperação e manutenção ou assistência

Leia mais