APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E OUTROS REJEITOS, PARA CONVERSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E OUTROS REJEITOS, PARA CONVERSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA."

Transcrição

1 APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E OUTROS REJEITOS, PARA CONVERSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Marcos Gonçalves de Almeida Eduardo Manfredini Ferreira Universidade do Vale do Paraíba Univap FEAU- Faculdade de Engenharia e Arquitetura Endereço: Av. Shishima Hifumi, 2911 Urbanova São José dos Campos - SP Resumo - Os resíduos sólidos urbanos (RSU) têm se tornado um dos mais sérios problemas que a sociedade moderna enfrenta. Sua disposição de forma inadequada provoca a degradação do meio ambiente. Atualmente, a matriz energética brasileira depende, principalmente, dos derivados de petróleo e hidrelétricas. Por esse fato se fazem necessárias outras fontes alternativas de energia. O presente trabalho tem como objetivo identificar uma tecnologia para o aproveitamento energético dos RSU, com o processo de incineração. Esta incineração é uma maneira eficiente de reduzir o volume de lixo e, portanto, a demanda de espaço para aterramento. O propósito principal deste uso consiste na minimização dos poluentes que estão presentes no lixo, para se alcançar uma redução do volume e do peso do lixo restante, além da geração de calor e energia elétrica e conseqüente redução na produção de CO 2, quando em comparação com os aterros. Um ponto a ser considerado em usina de incineração de RSU é a natureza do lixo e seu poder calorífico, fator preponderante para viabilizar uma unidade de incineração deste porte. Palavras-chave: Resíduo sólido urbano, incineração e energia. Área do Conhecimento: Engenharia Ambiental Introdução Ao se analisar resíduos e energia, pode-se perceber que tais assuntos apresentam mais pontos em comum do que poderia se imaginar. Além de serem problemas atuais, pois quando se aumenta a atividade industrial há a geração de resíduo e, com a crescente produção, o risco de escassez energética para atender a demanda. Considerando-se que algumas fontes energéticas usadas são produtoras de lixo, estas geram resíduos que podem causar prejuízos à saúde. Mas, de acordo com Bueno (2008) o que é um grande problema pode ser, ao mesmo tempo, uma solução: o lixo pode se tornar, ele mesmo, uma fonte de energia. Conforme o autor, a matriz energética brasileira é majoritariamente limpa, focando-se nas hidrelétricas, com uma parcela de 70,77% da matriz energética, de acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Para o caso da necessidade de se aumentar a produtividade elétrica, como ocorre quando há uma baixa nos reservatórios, como na longa estiagem que houve em 2007 (BUENO, 2008), há o acionamento das termoelétricas movidas a gás ou a óleo, as quais produzirão resíduos neste processo de geração energética. Quando da queima dos combustíveis, ocorre a emissão de gases poluentes, como o óxido nítrico (NO 2 ) e o gás sulfuroso (SO 2 ), ocasionando vários riscos à saúde (como problemas respiratórios), além de contribuir para o aumento do efeito estufa e da contaminação de rios, lagos e mananciais. Assim, a investigação de fontes alternativas de produção de energia torna-se premente e o presente trabalho tem como objetivo o estudo do aproveitamento de resíduos sólidos urbanos (RSU) para a conversão de energia elétrica, através do processo de incineração. Os RSU apresentam-se com grande diversidade em sua composição, bem como complexidade. Suas características físicas, químicas e biológicas variam de acordo com a sua fonte ou atividades geradoras, conforme Almeida (2008). De acordo com a autora, fatores econômicos, sociais, geográficos, educacionais, culturais, tecnológicos e legais afetam o processo de geração dos resíduos sólidos, tanto em relação à quantidade gerada quanto à sua composição qualitativa. Observa-se que o manejo, tratamento e destinação podem, ou não, fazer com que haja alterações nas características do resíduo, muitas vezes potencializando os riscos à saúde e ao meio ambiente. Metodologia O presente projeto tem o propósito de estudar o aproveitamento de resíduos sólidos para conversão de energia elétrica. A participação das energias renováveis dentro da produção de 1

2 energia primária deve aumentar nos próximos anos, ainda mais ao se considerar que a biomassa é uma fonte de energia renovável, e engloba um grupo de produtos energéticos e matérias-primas que se originam a partir de matéria orgânica formada por via biológica. Por causa do crescente interesse desperto pela obtenção de energia de forma sustentável por parte da sociedade atual, associada às tecnologias capazes de empregar a biomassa como uma forma eficiente de gerar energia, nasce a iniciativa de realizar este estudo. O problema da destinação dos resíduos sólidos urbanos sempre desafiou governos devido aos graves impactos ambientais, dentre outros como os gerados pelos lixões (aterros sanitários fora de especificações e sem controle sanitário). Além dos problemas ambientais, os altos custos para operação dos processos, a sociedade não vê com bom olhas qualquer tipo de deposição de resíduos aos arredores de sua residência, seja pelos odores desagradáveis, seja pela desvalorização econômica ao patrimônio imobiliário. A Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, em sua norma NBR , de 2004, define os resíduos sólidos como os resíduos nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistema de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos d água, ou exijam para isso soluções técnicas e economicamente inviáveis em face de uma melhor tecnologia disponível. De acordo com Pena (2008), a solução a esse problema, consiste na conversão de resíduos sólidos urbanos em energia WTE (do inglês Waste To Energy) e é considerada, em todo mundo desenvolvido, como sendo uma opção ambientalmente sustentável, tratando-se de uma fonte de energia limpa, confiável e renovável com a geração de energia elétrica com um impacto ambiental menor, se comparado a maioria das outras fontes energéticas. Segundo a autora, esse processo de aproveitamento energético não elimina a reciclagem de materiais, que é a primeira e mais importante etapa, mas trata-se de uma solução adequada para o restante dos resíduos que, por alguma razão, não foram separados previamente. Desta forma, há duas possibilidades para a disposição dos resíduos após a remoção dos recicláveis: depósito em aterros sanitários ou usálos no processo de conversão em energia limpa e renovável. (PENA, 2008, p.1). Como, normalmente, as usinas são instaladas próximas a centros produtores de lixo, há uma redução nos custos sociais e financeiros de seu transporte (HAUSER, 2006), se enquadrando também em outra fonte de energia alternativa: a de Geração Distribuída (ou GD). A GD é a geração elétrica feita junta ou próxima aos consumidores (INEE, 2004), sendo restrita a alguns setores da economia, mas com ganhos para o sistema interligado como um todo. Seus principais atrativos encontram-se nas menores perdas na transmissão, a redução das incertezas de planejamento devido ao reduzido tempo de implantação das centrais, a melhoria da qualidade da energia, a possibilidade de criação de serviços especiais, a redução da ociosidade e redundância dos sistemas existentes (CTGAS, 2004). A incineração do lixo apresenta-se como um método de alta eficiência para a eliminação das emissões de metano, que ocorreriam se os RSU fossem despejados em aterros (HAUSER, 2006), sendo uma boa opção para a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE). Os custos de capital e na exploração da gestão de resíduos sólidos, bem como do tratamento biológico destes resíduos dependem de diversos fatores, os quais podem variar, em um nível estritamente regional ou local, sendo difícil a obtenção de valores médios ou comparativos (CCE, 2008). Variáveis importantes nestes custos dizem respeito à dimensão da instalação, sua tecnologia, condições geológicas, custos energéticos, o tipo de resíduo, custo do transporte, entre outros. Não estão considerados os custos indiretos para o meio ambiente e para a saúde. O aterro é, normalmente, considerado uma opção barata, facilitando a disposição dos resíduos, ainda mais quando o preço do terreno for baixo e outros fatores como os custos ambientais deste despejo, por exemplo, não foram associados à taxa de disposição (CCE, 2008). Embora a incineração exija maior investimento, permite que haja boas economias de escala, não acarretando mudanças nos regimes existentes de recolha de RSU para disposição em aterro, gerando simultaneamente receitas provenientes da valorização energética, especialmente quando a eficiência é otimizada com a utilização de resíduos em unidades de co-geração, a qual visa a produção combinada de eletricidade e calor (BALESTIERI, 2001). Segundo estudos realizados por Hauser (2006), os custos devem ser compensados mediante a venda de energia recuperada. Por esse fato este tipo de fonte de energia alternativa pode ser instalado como projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL). Fica claro, a partir da adoção do Protocolo de Kyoto, que poderia haver uma redução das emissões de Gases de Efeito Estufa, através de 2

3 propostas de se criar um valor transacional para essas reduções. Dentro desse princípio, foram estabelecidos mecanismos de flexibilização, entre eles o MDL, cuja proposta, de acordo com Maciel e Cabañas (2007) consiste em que cada tonelada de CO 2 deixada de ser emitida ou retirada da atmosfera por um país em desenvolvimento poderá ser negociada no mercado mundial, criando um novo atrativo para redução das emissões globais". De acordo com Cenamo (2004), os países do Anexo I do Protocolo de Kyoto têm que estabelecer, em seus territórios, metas para que se reduza a emissão de CO 2 e as empresas que não conseguirem se adequar a esta redução poderão comprar Certificados de Emissões Reduzidas (CERs) em países em desenvolvimento e usá-los para cumprir suas obrigações. Os países em desenvolvimento, por sua vez deverão utilizar o MDL pra promover seu desenvolvimento sustentável. Conforme divulgado pela Secretaria do Meio Ambiente (2008), a participação em um projeto de MDL deve ser voluntária e as partes interessadas devem, em primeiro lugar, designar uma autoridade nacional responsável pela aprovação ou não dos projetos MDL no país hospedeiro. Este projeto visa o estudo e coleta de informações, quando se buscam estudos aprofundados na área de aproveitamento energético de resíduos sólidos para conversão de energia elétrica e instituirá uma condição de relevância efetivamente didática, fazendo com que essa análise traduza em experiência adquirida para complementar as necessidades na prática. De acordo com Martins (2008), todos os organismos biológicos que podem ser aproveitados como fontes de energia são chamados de Biomassa, como é o caso, por exemplo, da cana-de-açúcar, do eucalipto, da beterraba, do biogás (que é produzido pela biodegradação anaeróbica existente no lixo e dejetos orgânicos), da lenha e carvão vegetal, de óleos vegetais (amendoim, soja, dendê), etc. Considerando a problemática ambiental decorrente da disposição de resíduos sólidos, e o crescente aumento da demanda por fontes alternativas de energia, se faz necessário a discussão sobre as vantagens e aspectos da viabilidade técnica, econômica e ambiental da recuperação e uso da energia gerada através de resíduos sólidos urbanos. Um estudo a respeito deste assunto aparece no trabalho de Borowski et al (2002), no qual os autores tratam do estudo da conversão de resíduos sólidos em energia elétrica, utilizando um ciclo Rankine aliado a uma análise econômica de retorno financeiro. Segundo a diretiva 2003/30/CE: biomassa é uma fração biodegradável de produtos de resíduo e resíduos procedentes da agricultura, silvicultura e das indústrias relacionadas, assim como da fração biodegradável de resíduos industriais e municipais. A biomassa é formada pela combinação de dióxido de carbono da atmosfera e água na fotossíntese clorofiliana, que produz os hidratos de carbono. A energia solar é armazenada nas ligações químicas dos componentes estruturais da biomassa. Se a biomassa for queimada de modo eficiente, há a produção de dióxido de carbono e água. Portanto, o processo é cíclico e dizemos que a biomassa é um recurso renovável. (MARTINS, 2008, p. 3) De forma geral se pode dizer que qualquer definição de biomassa deve englobar, principalmente, dois termos: orgânico e renovável. Desde tempos remotos o homem utilizou a biomassa como fonte energética para realizar suas tarefas cotidianas. Quando o uso de combustíveis fósseis começou a tomar força, a biomassa se viu relegada a um plano inferior, onde sua contribuição à produção de energia primária era insignificante. Na atualidade, devido a diversos fatores, aparece um ressurgimento da biomassa como fonte energética. Os fatores responsáveis por favorecer a biomassa, como fonte energética, são: - o encarecimento do preço do petróleo; - o aumento da produção agrícola; - necessidade de buscar usos alternativos à produção agrícola; - mudança climática; - possibilidade de utilizar os conhecimentos científicos e técnicos para aperfeiçoar o processo de obtenção de energia. Os gases responsáveis pela mudança climática, como o CO 2, CH 4, N 2 O, CFCs e SF 6 são capazes de absorver radiação infravermelha (IR, do inglês infrared) e emitir radiações de menor comprimento de onda, o que provoca um aquecimento da Terra, sendo este efeito o mais acusado nos últimos anos. As causas são devidas, principalmente: - ao aumento da queima de combustíveis fósseis, os quais produzem um aumento de CO 2 ; - ao desflorestamento, o qual provoca uma diminuição das plantas que contêm clorofila e são capazes de realizar através da luz solar o processo de fotossínteses; mediante este processo, transformam o dióxido de carbono do ar em substâncias orgânicas, segundo a reação: CO 2 + H 2 O C 6 H 12 O 6 + O 2. A maioria das folhas alcança a saturação com somente 20% da luz solar total. Da energia capturada pelas folhas só 20% se transforma em energia química. Isto equivaleria a uma eficiência teórica da fotossíntese de 4%, a qual pode diminuir mais ainda quando diminui o dióxido de carbono ao redor da folha. Além disso, só uma 3

4 parte de energia é realmente transformada em biomassa, a qual diminui mais o valor a 1% (GLIESSMAN, 2002). Este palco atual faz com que as energias renováveis, as quais geram energia de forma sustentável, sejam uma forma atrativa de gerar energia permitindo obter um menor consumo de energia através do uso de combustíveis fósseis, assim como uma menor dependência energética exterior. (SÁNCHEZ, 1996). Para uma boa eficiência e aproveitamento energético dos resíduos sólidos é necessário avaliar o poder calorífico dos resíduos a serem utilizados para a incineração. O poder calorífico é a quantidade de energia por unidade de massa (ou de volume no caso dos gases) liberada na oxidação de um determinado combustível. Existem duas formas nas quais o poder calorífico pode ser considerado: Poder Calorífico Superior (PCS) e Poder Calorífico Inferior (PCI). Conforme visualizado em Mundo Educação (2009), o poder calorífico superior (PCS) é a quantidade de calor produzida por 1 kg de combustível, quando este entra em combustão, em excesso de ar, e os gases da descarga são resfriados de modo que o vapor de água neles seja condensado. O poder calorífico inferior (PCI) é a quantidade de calor que pode produzir 1kg de combustível, quando este entra em combustão com excesso de ar e gases de descarga são resfriados até o ponto de ebulição da água, evitando assim que a água contida na combustão seja condensada. Para combustíveis que não contenham hidrogênio na sua composição, PCS e PCI apresentam o mesmo valor, devido a ausência da água que será formada pela combustão e, em conseqüência, não será gasta na sua vaporização (HENRIQUES, 2009). Assim, o PCS é sempre maior ou igual ao PCI, pois o PCS aproveita a entalpia de condensação da água. Desta forma: - Gás natural - PCS real = Kcal/m 3 (n); - Gás natural - PCI = Kcal/m 3 (n). Estudos realizados por Oliveira e Lobo (2009) apresentam a avaliação do Potencial Energético de Resíduos de Biomassa Amazônica, visando minimizar custos e impactos ambientais como fontes sustentáveis de energia, os resíduos agrícolas e florestais do extrativismo como os da castanha-do-pará, fruto comestível do castanheirodo-pará, árvore de grande porte, da família das lecitidáceas (Bertholletia excelsa). O castanheiro produz o ouriço da castanha, que pesa em média 2,4 kg, onde se armazena as castanhas. Cada ouriço contém em média 25 castanhas, totalizando 1/3 do peso bruto do ouriço. A partir do ciclo produtivo e poder calorífico dos resíduos de ouriço de castanha em laboratório, utiliza-se as Leis da Termodinâmica para determinar o potencial da sua utilização como fonte energética e comparar suas propriedades com as das biomassas lenhosas (OLIVEIRA E LOBO, 2009). Outro estudo realizado, por Cançado et al. (2008), indica que os resíduos sólidos urbanos com características domiciliares e comerciais em Belo Horizonte representam uma parcela significativa do total de resíduos sólidos. Segundo a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (2004), o município de Belo Horizonte gera aproximadamente toneladas/dia destes resíduos, sendo que toneladas são oriundas destes setores citados. O local de disposição dos resíduos sólidos urbanos em Belo Horizonte está chegando a sua capacidade final, o que coloca o município em busca de novas soluções para o problema. Desta forma, o município de Belo Horizonte busca novas áreas para disposição ou tecnologias alternativas para tratamento/disposição dos RSU. Uma das alternativas que podem ser implantadas é a utilização de tecnologias para tratamento baseadas na possibilidade de se tratar os resíduos e, concomitantemente, gerar energia, apresentando a qualidade fundamental de não gerar um passivo ambiental para as gerações futuras. Conforme Biodiesel.com, cerca de Mt de cana foram produzidos em 1997, com o bagaço correspondendo a 335 Mt (25%). A energia contida em uma tonelada de bagaço, com 50% de umidade, corresponde a 2,85 GJ. Pelo conceito de bagaço entende-se apenas o caule macerado, não incluindo a palhada e os ponteiros, que representam 55% da energia acumulada no canavial. Este potencial fabuloso é muito pouco aproveitado, sendo, na maioria dos casos, queimado no campo. (BIODIESEL.COM, 2009) Resultados O estudo realizado contempla uma visão geral sobre alguns tipos de resíduos sólidos, e seu aproveitamento energético. Percebe-se que diversas técnicas vem sendo utilizadas para se minimizar o impacto ambiental, bem como os custos associados a tais resíduos. Um bom exemplo é o da incineração proposto por Borowski et al (2002), no qual é analisado a incineração dos resíduos e posterior análise econômica. Com uma análise mais atual, tais resultados podem se mostrar mais promissores. Com isto, encoraja-se estudos mais detalhados a respeito do tema e, espera-se, que o setor privado perceba o potencial energético que vem sendo desperdiçado por, muitas vezes, não se conhecer tais técnicas ou, então, não serem 4

5 devidamente incentivados através de políticas públicas. Conclusão A incineração de resíduos sólidos urbanos representa uma alternativa que deve ser considerada de forma atrativa, partindo-se do princípio que a destinação final dos resíduos sólidos em aterros sanitários mostra-se cada vez menos viável. O processo de incineração de resíduos sólidos gera benefícios que superam seus custos de investimento, devendo-se estudar possibilidade de implementação, bem como de viabilidade, no que concerne às alternativas abordadas e seus atributos como, por exemplo: - redução na geração de GEE, haja vista as emissões de metano serem potencialmente mais nocivas que as de CO 2 ; - converter o lixo e lodo de esgoto em produtos de com um valor agregado mais interessante, como energia elétrica, vapor para os processos industriais, entre outros; - reduzir os custos e os transtornos decorrentes da manipulação, transporte e disposição do lixo em aterros. Agradecimentos Em primeiramente agradeço a Deus, que me mostrou a luz, quando eu estava na escuridão, e em seguida a minha amada esposa Ivana, que me aturou nos momentos difíceis, onde eu pensava em desistir, estava ela com sua garra, determinação e vontade vencer, transformando tudo isso em energia e transferindo a mim e por último, mas não o menos importante, o meu mestre Eduardo Manfredini Ferreira, o qual com seus grandes conhecimentos me orientou nas diretrizes, conduzindo-me a focar no objetivo do trabalho. Referências - ALMEIDA, Mayara Régia Alves de. Sacolas plásticas: o lixo em circulação Disponível em: s-plasticas-o-lixo-em-circulacao/pagina1.html - ANNEL Agencia Nacional de Energia Elétrica. Portal. Disponível em com acesso em 20/07/ ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR : Resíduos Sólidos: Classificação, Rio de Janeiro Balestieri, José Antônio Perrella. Cogeração geração combinada de eletricidade e calor. Santa Catarina: Ed. da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis p. - BIODIESEL.COM. Resíduo da Cana-de-Açúcar: Energia. Disponível em com acesso em 30/07/ BOROWSKI, Hans Christian; SILVEIRA, José Luz da; EBINUMA, Carlos Daniel; FERREIRA, Eduardo Manfredini. Análise de um modelo de cogeração a partir de resíduos sólidos urbanos. Revista Tecnologia (UNIFOR), Fortaleza: Univ. de Fortaleza, v. 23, n. 1, p , BUENO, Chris. O lixo da energia Disponível em - CANÇADO, Cláudio Jorge; LESSA, Emerson Ribeiro; PARREIRA, Fabrício Vilela. XI Avaliação do poder calorífico dos resíduos sólidos urbanos com características domiciliar e comercial da cidade de Belo Horizonte/MG. Disponível em CBES/XI-093.pdf com acesso em 30/07/ CCE Comissão das comunidades européias. Livro verde sobre a gestão dos bio-resíduos na União Européia Disponível em: :2008:0811:FIN:PT:PDF - CTGAS Centro de Tecnologia do gás INEE debate as mudanças no setor elétrico com a inclusão da geração distribuída na nova lei. Disponível em: o= HAUSER, Philipp Daniel. Criação de valor e desenvolvimento sustentável: uma avaliação da incineração de resíduos sólidos municipais em projetos enquadráveis no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo do Protocolo de Quioto. Dissertação (157f.) Universidade Federal UFRJ: Rio de Janeiro, Disponível em: Protoco - HENRIQUES, Rachel Martins. Potencial para geração de energia elétrica no Brasil com resíduos de biomassa através da gaseificação COPPE/UFRJ. Disponível em: artins.pdf 5

6 - INEE Instituto Nacional de eficiência energética Disponível em: - International Renewable Energy. Disponível em: ex.php?pag=menu&idmenu=200&biomassa - MACIEL, Thiago de Souza, CABAÑAS, Luiz Antonio. Aplicabilidade do mercado de carbono na cogeração de energia no setor sucro-alcooleiro Disponível em: pdf - MARTINS, Osvaldo Stella. Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica. Brasília: Centro Nacional de Referência em Biomassa CENBIO, Mundo Educação. Disponível em: resíduos de biomassa amazônica. Departamento de Engenharia Mecânica, Universidade Federal de Itajubá. Disponível em o/0119.pdf com acesso em 30/07/ PENA, Dilma Seli. Seminário internacional - aproveitamento energético de resíduos sólidos urbanos no Estado de São Paulo. Pronunciamento na abertura. Disponível em: com acesso em 10/06/ SÁNCHEZ, Alicia Fuertes. Possibilidades técnicas do uso de biomassas não alimentícia para a obtenção de energia na Espanha. TCC (285F.) Universidade Politécnica: Madrid, Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Programa estadual de aproveitamento energético de resíduos sólidos urbanos e outros rejeitos Disponível em: Energia-RS Acesso em: 15/08/ OLIVEIRA José Maria da Conceição de; LOBO, Pio Caetano. Avaliação do potencial energético de 6

Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com.

Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com. Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com.br PROBEM Programa Biomassa Energia Materiais Refinaria de Biomassa Érica

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

Carolina Luiza Rizental Machado

Carolina Luiza Rizental Machado Carolina Luiza Rizental Machado INTRODUÇÃO A energia termoelétrica é aquela gerada a partir da queima de algum combustível, tanto de fontes renováveis, quando de fontes não renováveis; As usinas termoelétricas

Leia mais

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Ciclo Biogeoquímico 1. É a troca cíclica de elementos químicos que ocorre entre os seres vivos e o ambiente. 2. Todos os elementos

Leia mais

Recursos energéticos e os desafios ambientais. Professor: Jonathan Kreutzfeld

Recursos energéticos e os desafios ambientais. Professor: Jonathan Kreutzfeld Recursos energéticos e os desafios ambientais Professor: Jonathan Kreutzfeld Energia Elétrica Aula fundamentada nos dados do Atlas da ANEEL ENERGIA As fontes de energia dividem-se em dois tipos: - fontes

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe;

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; Elementos essenciais a vida: - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; - Micronutrientes principais: Al, Bo, Cr, Zn, Mo e o Co. Bio organismos

Leia mais

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA Vera Lúcia A. de Melo (1) Mestre em Engenharia Civil (Geotecnia) pela UFPE. Aperfeiçoamento em pesquisa no

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 502/2013

PROJETO DE LEI Nº 502/2013 PROJETO DE LEI Nº 502/2013 Autor(es): VEREADORA LAURA CARNEIRO EMENTA: INSTITUI O SISTEMA DE REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÕES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA IMPLEMENTAÇÃO DO

Leia mais

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO Profº Júlio César Arrué dos Santos Ciclo da Água Fonte: http://www.aguasdevalongo.net/veolia/infantil/default.asp O ciclo da água que está apresentado

Leia mais

ASPECTOS ECONÔMICOS CUSTO DO MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E AS EXTERNALIDADES

ASPECTOS ECONÔMICOS CUSTO DO MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E AS EXTERNALIDADES ASPECTOS ECONÔMICOS CUSTO DO MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E AS EXTERNALIDADES SABETAI CALDERONI ILHÉUS, 13 E 14 DE NOVEMBRO DE 2012 Slide 1 de 147 Os Bilhões Perdidos no Lixo SABETAI CALDERONI 2010

Leia mais

EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE BIODIESEL DE SOJA NO TRATOR EM CONDIÇÕES DE TRABALHO COM GRADE ARADORA

EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE BIODIESEL DE SOJA NO TRATOR EM CONDIÇÕES DE TRABALHO COM GRADE ARADORA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE BIODIESEL DE SOJA NO TRATOR EM CONDIÇÕES DE TRABALHO COM GRADE ARADORA Introdução 1 Daniel Max Leonídio¹ (UEG) João Paulo Barreto Cunha² (UFLA) Elton Fialho dos Reis³ (UEG)

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Atlas Brasileiro de GEE e Energia Destinação Final de Resíduos Sólidos Urbanos. Rio de Janeiro

Atlas Brasileiro de GEE e Energia Destinação Final de Resíduos Sólidos Urbanos. Rio de Janeiro Atlas Brasileiro de GEE e Energia Destinação Final de Resíduos Sólidos Urbanos Rio de Janeiro Fevereiro 28, 2013 Agenda 1 Geração e destinação de resíduos sólidos no Brasil 2 Mercado de carbono, histórico,

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Viação Garcia Ltda. Despoluir - Motores desligados para poupar o planeta Projeto iniciado em 2009, sem previsão de encerramento Categoria 03: Responsabilidade Sócio-ambiental

Leia mais

Slide 1 REVISÃO DA PROVA

Slide 1 REVISÃO DA PROVA Slide 1 REVISÃO DA PROVA Slide 2 FOTOSSINTESE Slide 3 3- A fotossíntese libera para a atmosfera: a) o oxigênio oriundo da água; b) o oxigênio proveniente do gás carbônico; c) o gás carbônico proveniente

Leia mais

ENERGIA SOLAR VS. ENERGIAS SUJAS. Danielle Beatriz de Sousa Borges Isadora M. Carvalho A. Menezes

ENERGIA SOLAR VS. ENERGIAS SUJAS. Danielle Beatriz de Sousa Borges Isadora M. Carvalho A. Menezes ENERGIA SOLAR VS. ENERGIAS SUJAS Danielle Beatriz de Sousa Borges Isadora M. Carvalho A. Menezes Pibid Física UFTM - 2013 1 ENERGIA LIMPA VS. ENERGIA SUJA VS. ENERGIA NÃO RENOVÁVEL 2 Energias Limpas HIDROELÉTRICAS

Leia mais

Por que usar o Gás LP? Grupo SHV Líder Mundial em Gás LP

Por que usar o Gás LP? Grupo SHV Líder Mundial em Gás LP Por que usar o Gás LP? Grupo SHV Líder Mundial em Gás LP Como o Gás LP ajuda a superar os desafi os energéticos do Brasil. Trate bem o planeta. Nós não o herdamos de nossos pais, mas o tomamos emprestado

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre

Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre Ciclos do elementos Carbono, Nitrogênio e Enxofre Atmosfera Atmosfera é a camada gasosa ao redor da Terra. Hidrosfera é a parte líquida da Terra que corresponde a cerca de 80% da superfície. A água dos

Leia mais

Homem x Ambiente. Homem x Água. Preocupação Ambiental. Água no Planeta. Água no Corpo Humano 09/09/2015

Homem x Ambiente. Homem x Água. Preocupação Ambiental. Água no Planeta. Água no Corpo Humano 09/09/2015 09/09/2015 Homem x Ambiente A dicotomia homem homem--natureza é um paradoxo paradoxo.. A hominização do ser humano humano,, nos distanciou dos ciclos naturais em decorrência do crescimento populacional

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº XXX

RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº XXX RESOLUÇÃO TÉCNICA Nº XXX Estabelece as condições gerais de prestação dos serviços de saneamento para abastecimento de água, esgotamento sanitário e resíduos sólidos. A DIRETORIA EXECUTIVA da Agência Reguladora

Leia mais

NÚCLEO GERADOR: URBANISMO E MOBILIDADE. Tema: A Agricultura

NÚCLEO GERADOR: URBANISMO E MOBILIDADE. Tema: A Agricultura NÚCLEO GERADOR: URBANISMO E MOBILIDADE Tema: A Agricultura A agricultura Um dos principais problemas da humanidade é conseguir fornecer a todas as pessoas alimentação suficiente e adequada. Crescimento

Leia mais

EXERCÍCIO ESTILO ENEM

EXERCÍCIO ESTILO ENEM EXERCÍCIO ESTILO ENEM 01. O efeito estufa, de grande preocupação atual, decorre da emissão exagerada de certos gases na atmosfera, principalmente o CO 2. Em dezembro de 1997, representantes de 160 nações,

Leia mais

PROVEIT APROVEIT MENT

PROVEIT APROVEIT MENT l (GMI) TECNOLOGIAS PARA O APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS Frederico Ferreira de Vasconcelos SCAI Automação Ltda. Consultor da Agência de Proteção Ambiental dos EUA (US EPA) Brasilia, DF 8 de Novembro

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS

ENERGIAS ALTERNATIVAS ENERGIAS ALTERNATIVAS (I.F./2006) Introdução O homem utiliza no seu quotidiano muitos produtos que derivam do petróleo, como por exemplo, os fertilizantes, o vestuário, a pasta de dentes, plásticos, pneus

Leia mais

O IMPACTO AMBIENTAL DA COMPUTAÇÃO

O IMPACTO AMBIENTAL DA COMPUTAÇÃO O IMPACTO AMBIENTAL DA COMPUTAÇÃO Tema 11 Grupo 03 Adriano José Ferreira Gasparini 5890114 Diogo Ferrari Meletto 5890201 Luiz Antonio Bezerra de Andrade 5967745 Tópicos: Impacto Ambiental: Lixo Eletrônico;

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS 98-99% dos organismos são constituído por: -Sódio (Na) -Potássio (K) -Magnésio (Mg) -Cloro (Cl) -Carbono (C) -Hidrogênio (H -Nitrogênio (N) -Oxigênio (O) 1-2% restante:

Leia mais

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem Compostagem A compostagem é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal formando um composto. A compostagem propicia um destino

Leia mais

QUÍMICA 12.º ANO UNIDADE 2 COMBUSTÍVEIS, ENERGIA E AMBIENTE 12.º A

QUÍMICA 12.º ANO UNIDADE 2 COMBUSTÍVEIS, ENERGIA E AMBIENTE 12.º A QUÍMICA 12.º ANO UNIDADE 2 COMBUSTÍVEIS, ENERGIA E AMBIENTE 12.º A 14 de Janeiro de 2011 2 Combustíveis fósseis O que são combustíveis fósseis? 3 Substâncias formadas, em tempos geológicos recuados, por

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos 1. Nível de Ensino: Ensino Médio 2. Conteúdo Estruturante: Biogeoquímica 2.1 Conteúdo Básico: Matéria, Composição dos elementos químicos. 2.2 Conteúdo Específico:

Leia mais

CONTROLE DE POLUIÇÃO DE ÁGUAS

CONTROLE DE POLUIÇÃO DE ÁGUAS CONTROLE DE POLUIÇÃO DE ÁGUAS NOÇÕES DE ECOLOGIA. A ÁGUA NO MEIO A ÁGUA É UM DOS FATORES MAIS IMPORTANTES PARA OS SERES VIVOS, POR ISSO É MUITO IMPORTANTE SABER DE QUE MANEIRA ELA SE ENCONTRA NO MEIO,

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.570, DE 2013 (Do Sr. Alexandre Leite)

PROJETO DE LEI N.º 5.570, DE 2013 (Do Sr. Alexandre Leite) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.570, DE 2013 (Do Sr. Alexandre Leite) Regulamenta a obrigatoriedade da Neutralização de carbono em eventos realizados as margens de represas, lagos, rios, córregos,

Leia mais

Conteúdo: Aula: 12 assíncrona. Ciclo da água e dos nutrientes. Ciclo do nitrogênio, carbono e oxigênio. CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: Aula: 12 assíncrona. Ciclo da água e dos nutrientes. Ciclo do nitrogênio, carbono e oxigênio. CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula: 12 assíncrona Conteúdo: Ciclo da água e dos nutrientes. Ciclo do nitrogênio, carbono e oxigênio. 2 CONTEÚDO E

Leia mais

COMO AGREGAR VALOR A BIOMASSA FLORESTAL? NOVOS PRODUTOS, NOVOS PROCESSOS, DIVERSIFICAÇÃO, INOVAÇÃO E O CONCEITO DE BIORREFINARIAS.

COMO AGREGAR VALOR A BIOMASSA FLORESTAL? NOVOS PRODUTOS, NOVOS PROCESSOS, DIVERSIFICAÇÃO, INOVAÇÃO E O CONCEITO DE BIORREFINARIAS. 6 o Congresso Internacional de Desenvolvimento Econômico Sustentável da Indústria de Base Florestal e de Geração de Energia Madeira 2012, 28 e 29 de junho de 2012, Vitória-ES COMO AGREGAR VALOR A BIOMASSA

Leia mais

BUSCA CORREIO DADOS ECONÔMICOS DOWNLOAD e&e ANTERIORES. Demanda de Energia para o Setor Doméstico no Cenário de Referência

BUSCA CORREIO DADOS ECONÔMICOS DOWNLOAD e&e ANTERIORES. Demanda de Energia para o Setor Doméstico no Cenário de Referência Economia e Energia No 24 - Pagina Principal Economia & Energia No 24 - Janeiro - Fevereiro 2001 ISSN 1518-2932 No 24 English Version Apoiot: BUSCA CORREIO DADOS ECONÔMICOS DOWNLOAD e&e ANTERIORES e&e No

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Sandra Mazo-Nix SCS Engineers Consultora - US Environmental Protection Agency (US EPA) Sumário Conceitos Básicos

Leia mais

CORPO DE BOMBEIRO MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO CENTRO DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II

CORPO DE BOMBEIRO MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO CENTRO DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II CORPO DE BOMBEIRO MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO CENTRO DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II Questão 01 - O esquema a seguir representa, de forma simplificada,

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Biogás no Brasil

Desafios e Oportunidades para o Biogás no Brasil Desafios e Oportunidades para o Biogás no Brasil 01 de Outubro de 2015 FIESP Rodrigo Regis de Almeida Galvão Diretor-Presidente Biogás e Biometano em Destaque Definição, Conforme a Resolução 08/2015 -

Leia mais

A Biosfera e seus Ecossistemas

A Biosfera e seus Ecossistemas A Biosfera e seus Ecossistemas UNIDADE I ECOLOGIA CAPÍTULO 2 Aula 01 Níveis de organização Hábitat e nicho ecológico Componentes do ecossistema Cadeia e teia alimentar 1. INTRODUÇÃO À ECOLOGIA X Ecologia

Leia mais

UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA USINA TERMOELÉTRICA PIRATININGA, EM COMPARAÇÃO AOS GERADOS PELA USINA ANGRA I

UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA USINA TERMOELÉTRICA PIRATININGA, EM COMPARAÇÃO AOS GERADOS PELA USINA ANGRA I 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS

Leia mais

Capítulo IX. Forno a lenha ou elétrico: o impacto nas despesas em uma empresa de panificação Por Andrea Teresa Barbosa e Oswaldo Odakura*

Capítulo IX. Forno a lenha ou elétrico: o impacto nas despesas em uma empresa de panificação Por Andrea Teresa Barbosa e Oswaldo Odakura* 62 Capítulo IX Forno a lenha ou elétrico: o impacto nas despesas em uma empresa de panificação Por Andrea Teresa Barbosa e Oswaldo Odakura* O desperdício de energia das micro e pequenas empresas chega

Leia mais

Fluxo de energia. e Ciclos biogeoquímicos. Profª Reisila Mendes. BIOLOGIA 1ª série

Fluxo de energia. e Ciclos biogeoquímicos. Profª Reisila Mendes. BIOLOGIA 1ª série Fluxo de energia e Ciclos biogeoquímicos BIOLOGIA 1ª série Profª Reisila Mendes Fluxo de energia na cadeia alimentar Fluxo da matéria nos ecossistemas Ciclo da água 1 precipitação 2 infiltração 3 - evapotranspiração

Leia mais

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima menu NISAM20 04 menu inic ial Uso agrícola de composto orgânico: controle ambiental e informatização Fábio Cesar da Silva próxima 1 USO AGRÍCOLA DE COMPOSTO ORGÂNICO: controle ambiental e informatização

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED Soluções em energia EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED ENERGIA Insumo fundamental para garantir o desenvolvimento econômico e social do país ENERGIA ÓLEO COMBUSTÍVEL GÁS NATURAL GLP BIOMASSA ELÉTRICA

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Haissa Cury Simões. A Tributação no Mercado de Crédito de Carbono.

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Haissa Cury Simões. A Tributação no Mercado de Crédito de Carbono. Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Haissa Cury Simões A Tributação no Mercado de Crédito de Carbono Rio de Janeiro 2014 HAISSA CURY SIMÕES A Tributação no Mercado de Crédito de Carbono

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Ciclos Biogeoquímicos Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Ciclos Biogeoquímicos Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Ciclos Biogeoquímicos Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Ciclos biogeoquímicos Ciclo da água Proporção de água doce e água salgada no planeta A água encontrada na atmosfera

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL E LOCAL

A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL E LOCAL A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL GLOBAL E LOCAL Ana Paula Facco Mazzocato 1 Pablo da Costa Ribeiro 2 Resumo Um dos maiores problemas do século XXI é o chamado crescimento exagerado das cidades. Tal fato possui

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS- UFG INSTITUTO DE QUÍMICA - IQ QUÍMICA AMBIENTAL. Profa.Dra.Núbia Natália de Brito

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS- UFG INSTITUTO DE QUÍMICA - IQ QUÍMICA AMBIENTAL. Profa.Dra.Núbia Natália de Brito UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS- UFG INSTITUTO DE QUÍMICA - IQ QUÍMICA AMBIENTAL Introdução à Química Ambiental. A Química e à Antroposfera: a química ambiental e à química verde Usina Belo Monte-PA Profa.Dra.Núbia

Leia mais

Gestão de resíduos UM CASO DE SUCESSO NA DURATEX S.A

Gestão de resíduos UM CASO DE SUCESSO NA DURATEX S.A Gestão de resíduos UM CASO DE SUCESSO NA DURATEX S.A Março 2015 Ecotransformação de resíduos através do aproveitamento de Lodo de Estação de Tratamento de Efluente Industrial e Cinzas de Biomassa para

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

A utilização da biomassa do bagaço da canade-açúcar como fonte alternativa de energia elétrica

A utilização da biomassa do bagaço da canade-açúcar como fonte alternativa de energia elétrica XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/07

RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/07 RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/07 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2007. Altera a redação dos art. 3º da Resolução Normativa

Leia mais

III-083 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE - INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRAS/ FIOCRUZ-RJ

III-083 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE - INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRAS/ FIOCRUZ-RJ III-083 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE - INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRAS/ FIOCRUZ-RJ Débora Cynamon Kligerman (1) Eng. Civil (UERJ,1986), Esp. Saneamento Ambiental, (UERJ,1988), Dr.Planejamento

Leia mais

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas;

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas; Decreto Nº 43216 DE 30/09/2011 (Estadual - Rio de Janeiro) Data D.O.: 03/10/2011 Regulamenta a Lei nº 5.690, de 14 de abril de 2010, que dispõe sobre a Política Estadual sobre Mudança Global do Clima e

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS - USINAS WASTE-TO-ENERGY (WTE)

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS - USINAS WASTE-TO-ENERGY (WTE) GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS - USINAS WASTE-TO-ENERGY (WTE) Sergio Guerreiro Ribeiro WTERT - Brasil 1. INTRODUÇÃO Enquanto uma atividade não for rentável terá grande dificuldade

Leia mais

Desenvolvimento sustentável como meta

Desenvolvimento sustentável como meta www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/cni-em-acao/meio-ambiente/2012/07/1,4712/desenvolvimento-sustentavel-como-meta.html 31 de Julho de 2012 Desenvolvimento sustentável como meta O mapa

Leia mais

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade 1 Índice : 1. Matérias combustíveis utilizáveis 2. A secagem com CO₂ - SEE

Leia mais

Usando águas servidas domésticas tratadas na agricultura urbana e em áreas verdes: o caso de Lima

Usando águas servidas domésticas tratadas na agricultura urbana e em áreas verdes: o caso de Lima Usando águas servidas domésticas tratadas na agricultura urbana e em áreas verdes: o caso de Lima Gunther Merzthal, SWITCH Lima Project Coordinator, IPES Email: gunther@ipes.org.pe Ernesto Bustamante,

Leia mais

Fontes de Energia. Consumo de Energia em Edificações

Fontes de Energia. Consumo de Energia em Edificações Fontes de Energia 1. Consumo médio de energia 2. Fontes de Energia Hidroelétrica Termoelétrica (combustíveis fósseis) Eólica Solar Biomassa (termoelétrica renovável) 3. Cogeração ou Geração Distribuída

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

A PRÁTICA DA GESTÃO AMBIENTAL AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA AGROINDÚSTRIA QUE PRODUZ ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA CASCA DO ARROZ

A PRÁTICA DA GESTÃO AMBIENTAL AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA AGROINDÚSTRIA QUE PRODUZ ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA CASCA DO ARROZ A PRÁTICA DA GESTÃO AMBIENTAL AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA AGROINDÚSTRIA QUE PRODUZ ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA CASCA DO ARROZ Andressa Rocha Lhamby (1) Acadêmica do curso de Gestão Ambiental

Leia mais

Marco Legal para Negócios Sustentáveis no Brasil

Marco Legal para Negócios Sustentáveis no Brasil Marco Legal para Negócios Sustentáveis no Brasil Vinicius Diniz Vizzotto, LL.M Mestrando em Direito Internacional Econômico Universidade Federal do Rio Grande do Sul Fórum Fundo Vale 08 de maio de 2012

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

ENERGIA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

ENERGIA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO ENERGIA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO JOSÉ GOLDEMBERG LUZ DONDERO VILLANUEVA Arqª Simara Callegari INTRODUÇÃO O PROBLEMA Consumo diferenciado de energia Classes sociais Degradação do meio ambiente PNB

Leia mais

Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em

Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em Projetos de MDL. Fernando Rodrigues Marques (Business School São Paulo

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

A POLÍTICA PÚBLICA DE INSERÇÃO DO BIODIESEL NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA E SEUS REFLEXOS SÓCIO-AMBIENTAL E ECONÔMICO

A POLÍTICA PÚBLICA DE INSERÇÃO DO BIODIESEL NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA E SEUS REFLEXOS SÓCIO-AMBIENTAL E ECONÔMICO A POLÍTICA PÚBLICA DE INSERÇÃO DO BIODIESEL NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA E SEUS REFLEXOS SÓCIO-AMBIENTAL E ECONÔMICO * HERALDO FELIPE FARIA 1 INTRODUÇÃO... 2 2 A POLÍTICA PÚBLICA DE INSERÇÃO DO BIODIESEL

Leia mais

Introdução àpegada de carbono

Introdução àpegada de carbono Introdução àpegada de carbono Judith Sykes Gases de Efeito Estufa 1 Gases de Efeito Estufa Gas Concentration in 1988 (ppmv) GWP** Dióxido de carbono (CO 2 ) 365 1 Metano (CH 4 ) 1,75 23 Óxido nitroso (N

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 3ª TURMA(S):

Leia mais

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos aterros sanitários nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Resumo Convênio FEALQ - Ministério do Meio Ambiente (Início

Leia mais

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Desde o advento do carro flex, o setor agrícola brasileiro vem sendo marcado por um novo ciclo no plantio da cana-de-açúcar

Leia mais

Fundamentos de Agronomia

Fundamentos de Agronomia Fundamentos de Agronomia Uso da casca de Arroz para produção de Energia Térmica e Elétrica. Bruno Farias Daiane Casarin Milton Fábrica Renan Fontoura Casca de Arroz Ibamaembarga e autua depósito de casca

Leia mais

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Temas abordados 1. Quem somos 2. Efeito estufa e aquecimento global 3. Marco regulatório 4. O inventário de emissões

Leia mais

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS. Produção Sustentável

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS. Produção Sustentável Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS Produção Sustentável 1 Produção Sustentável Situação atual - Pressão de consumidores e barreiras comerciais

Leia mais

Recursos Atmosfericos

Recursos Atmosfericos Recursos Atmosfericos Professor: Neyval Costa Reis Jr. Departamento de Engenharia Ambiental Centro Tecnológico UFES Programa Detalhado Atmosfera Camadas Constituintes Balanço de energia Ventos na atmosfera

Leia mais

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Todo dia é Dia da Terra. 04 05 Sem energia não há vida... mas, o crescente uso da energia atual representa a maior ameaça à vida. Na

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO

AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO Asuperfície da Terra está em constante processo de transformação e, ao longo de seus 4,6 bilhões de anos, o planeta registra drásticas alterações ambientais. O avanço

Leia mais

Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros

Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros USEPA e M2M, CETESB, e Prefeitura de Ribeirão Preto 17 de setembro de 2010 Tema IV Processos de MDL Potencial de MDL para projetos de Destruição

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 027

Norma Técnica Interna SABESP NTS 027 Norma Técnica Interna SABESP NTS 027 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Elaboração de Projetos Procedimento Revisão 1 Outubro - 2014 São Paulo NTS 027: 2014 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE SOLUÇÃO ENERGÉTICA Biomassa no Brasil

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE SOLUÇÃO ENERGÉTICA Biomassa no Brasil RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE SOLUÇÃO ENERGÉTICA Biomassa no Brasil Drª Cristiane Lima Cortez Porto Alegre, 12 de Junho de 2012 Agenda CENBIO Matriz Elétrica Tipos de Biomassa Opções Tecnológicas Oportunidades

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais