Portanto a alternativa correta é a (B). 2. Na operação de busca em uma árvore de pesquisa binária com 800 elementos, pode-se afirmar que:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portanto a alternativa correta é a (B). 2. Na operação de busca em uma árvore de pesquisa binária com 800 elementos, pode-se afirmar que:"

Transcrição

1 1. Uma das formas de aproveitar hardware ocioso em um processador dotado de pipeline superescalar é a execução de múltiplas threads (microarquitetura multithread). Podemos afirmar, acerca desta microarquitetura, que: I. sempre conseguimos aproveitamento total do hardware porque estágios que normalmente estariam ociosos por dependências agora serão sempre ocupados por tarefas referentes a outras threads; II. a quantidade de instruções completadas por ciclo de clock se torna mais próximo do grau do pipeline; III. ela não é adequada para a implementação de processadores multicore porque neste caso não há como estabelecer sincronismo entre processos em execução. (A) as alternativas I e II estão corretas. (B) só há uma alternativa correta. (C) as alternativas II e III estão corretas. (D) as alternativas I e III estão corretas. (E) todas as alternativas estão corretas. Resposta: I) Falso porque o aproveitamento do hardware não ocorre sempre. Experimentalmente observa-se que o hardware continua com alguma ociosidade devido a dependências que ocorrem no código, ou seja, o Paralelismo no Nível de Instruções nem sempre ocorre. II) Verdadeiro porque a ociosidade do hardware cai, ou seja, os estágios do pipeline são ocupados mais freqüentemente. III) Falso porque o sincronismo entre processos depende da programação e dos recursos disponibilizados pelo Sistema Operacional. Neste caso específico (multithread + multicore) o hardware não limita este sincronismo. Portanto a alternativa correta é a (B). 2. Na operação de busca em uma árvore de pesquisa binária com 800 elementos, pode-se afirmar que: I. o número máximo de comparações é igual a 10, para a árvore balanceada. II. o número máximo de comparações é igual a 400, para a árvore desbalanceada. III. o número máximo de comparações é igual à altura da árvore mais 1. IV. o número máximo de comparações é igual a 10, independente do balanceamento da árvore. Estão certos apenas os itens (A) I e II. (B) I e III. (C) I e IV. (D) II e III. (E) III e IV. Resposta: Alternativa B Justificativa: A busca em uma árvore de pesquisa binária é proporcional à altura da mesma, uma vez que a cada comparação é descartada uma das ramificações da árvore. Se a árvore está balanceada,

2 sua altura é dada pela parte inteira de log 2 (n), onde n é a quantidade de elementos na árvore. Se a árvore está totalmente desbalanceada (pior caso: cada nó interno da árvore tem apenas um filho) a altura da mesma é de n-1. Como 800 está entre 512 e (potências de 2: 2 9 e 2 10 ), a altura pode variar de 9 a 799, portanto a quantidade máxima de comparações pode ser de 10 a 800 para a árvore balanceada e totalmente desbalanceada, respectivamente. Logo os itens corretos são o I e o III. 3. A respeito de um Sistema de Informação podemos afirmar que: (A) Ele coleta dados de uma ambiente para ser processado. (B) Ele disponibiliza dados que submetidos à consideração humana podem vir a se tornar informação. (C) Eventualmente pode armazenar dados processados ou a serem processados. (D) Os seus processos não precisam ser automatizados. (E) Todas as alternativas estão corretas. Todas as afirmativas correspondem ä definição de sistema de informação, portanto, a resposta correta é a alternativa E. 4. Uma política de agendamento livre de starvation garante que nenhuma tarefa espera indefinidamente para executar. Qual das seguintes políticas de agendamento é livre de starvation? (A) Round-robin. (B) Fila de prioridade. (C) Tarefa mais curta primeiro. (D) Tarefa mais nova primeiro. (E) Nenhuma das anteriores. Reposta correta: letra A porque nesta política ocorre rodízio entre as tarefas e todas terão oportunidade de executar. 5. De quantos modos r rapazes e m moças podem se colocar em fila de modo que as moças fiquem juntas? (A) r! m! (B) (r + 1 )!(m+ 1)! (C) (r + 1 )!m! (D) (E) (r + m)! + 1 (r + m)! Solução da Questão Há m! maneiras de permutar as moças. Há r! maneiras de permutar os rapazes. No entanto, como as moças devem ficar juntar, elas formarão um bloco que poderá permutar entre os r rapazes, então há, de fato, (r + 1 )! maneiras de permutar os rapazes.

3 Conseqüentemente, A resposta é (C) (r + 1 )!m! 6. Acerca de paradigmas de linguagens de programação, julgue os itens a seguir. I. Linguagens procedurais facilitam a legibilidade e a documentação do software. II. Linguagens declarativas facilitam o desenvolvimento de sistemas de apoio à decisão. III. Linguagens funcionais facilitam a definição de requisitos e a decomposição funcional. IV. Linguagens estruturadas promovem o forte acoplamento entre dados e funções. V. Linguagens orientadas a objeto permitem reduzir custos de desenvolvimento e manutenção. Estão certos apenas os itens (A) I e II. (B) I e IV. (C) II e III. (D) III e V (E) IV e V Resposta: letra D 7. Tem se tornado crescente o uso de computadores nos mais diversos segmentos sociais, como o comércio, indústria, educação, saúde, segurança pública, no governo e na sociedade em geral. Daí vemos que o trabalho do profissional de informática está cada vez mais entranhado nas relações entre os cidadãos, dentro de cada segmento social e na interação entre eles. Dentro deste contexto aparece a importância do comportamento ético do profissional de informática. Diante exposto, qual ou quais dos comportamentos, abaixo, poderiam violar a ética de um profissional de informática: (A) Ser displicente quanto a atualização técnica relativa à sua profissão. (B) Produção de vírus de computador. (C) Disponibilizar software para uso, sem os testes apropriados, para atender a pressões do seu empregador. (D) Tornar público dados, de empresas, obtidos em razao de sua atividade profissional. (E) Todas as alternativas apresentadas acima. Resposta: letra ( E ) 8. A análise de complexidade provê critérios para a classificação de problemas com base na computabilidade de suas soluções, utilizando-se a máquina de Turing como modelo referencial e possibilitando o agrupamento de problemas em classes. Nesse contexto, julgue os itens a seguir. I. É possível demonstrar que P NP e NP P. II. É possível demonstrar que se P NP, então P NP Completo =. III. Se um problema Q é NP difícil e Q NP, então Q é NP Completo.

4 IV. O problema da satisfatibilidade de uma fórmula booleana F (uma fórmula é satisfatível, se é verdadeira em algum modelo) foi provado ser NP-difícil e NP- Completo. V. Encontrar o caminho mais curto entre dois vértices dados em um grafo de N vértices e M arestas não é um problema da classe P. Estão certos apenas os itens (F) I, III e IV. (G) II, III, e IV. (H) III, IV e V. (I) I, II, III, e IV. (J) II, III, IV e V. Resposta: letra B 9. Descreva as principais tarefas de um analisador léxico RASCUNHO Solução: Um analisador léxico é essencialmente um casador de padrões. Tenta encontrar uma subcadeia de uma dada cadeia de caracteres que casa com um padrão dado. Serve como linha de frente para um analisador sintático. O analisador léxico faz a análise sintática no nível mais baixo da estrutura do programa. 10. Escreva um artigo, de no máximo 10 linhas, defendendo a interface gráfica com um fator importante para a inclusão digital. RASCUNHO Resposta: Aqui pode ser argumentado com facilidade de operação do computador por causa da

5 ausência de comandos 11. Em relação ao uso de Hashing em arquivos, é correto afirmar que: (A) A técnica denominada hashing expansível é vantajosa pois o espaço utilizado pelo arquivo cresce ou diminui conforme a necessidade (B) A técnica hashing consiste na utilização de uma função matemática que depende do tamanho médio (hash key) dos registros do arquivo (C) A técnica de hashing estático é preferível à de hashing dinâmico, pois mapeia previamente um número definido de buckets (D) A função hashing deve ter a propriedades de uniformidade ou a propriedade de aleatoriedade, que são mutuamente exclusivas (E) Nenhuma das respostas está correta Gabarito: (a) 12. Considere o circuito combinacional ilustrado abaixo, que apresenta a, b e c como sinais de entrada e S como sinal de saída. A equação booleana mínima que descreve a função desse circuito é igual a: b a c s (A) S = a or not(b) or c. (B) S = a and not(b) and c. (C) S = a and b and not(c). (D) S = not(a) and not(b) and c. (E) S = a and not(b) or c. Resposta : letra C

6 Figura A. Figura B 13. Observe a situação representada acima, em que o polígono identificado na Figura A sofre transformações geométricas que o levam para a situação identificada na Figura B. O polígono da Figura B pode ser obtido a partir da aplicação da seguinte seqüência de transformações aos vértices do polígono da Figura A:

7 (A) rotação em torno do ponto (0,0); escala com fator uniforme e = 2. (B) rotação em torno do ponto P 1 (x 1, y 1 ); escala com fator uniforme e = 0,5. (C) translação com parâmetros de deslocamento dx = -x 1, dy = -y 1 ; rotação em torno do ponto (0, 0); escala com fator uniforme e = 1; translação com parâmetros de deslocamento dx= x 1 e dy = y 1. (D) escala com fator uniforme e = 2; translação com parâmetros de deslocamento dx = x 1 e dy = y 1 ; rotação em torno do ponto P 1 (x 1, y 1 ); (E) translação com parâmetros de deslocamento dx = -x 1 e dy = -y 1 ; rotação em torno do ponto P 1 (x 1, y 1 ); translação com parâmetros de deslocamento dx = x 1 e dy = y 1 ; escala com fator uniforme e = 0,5. Resposta e Comentários: A seqüência de transformações geométricas é ilustrada em detalhes na figura abaixo, isto é: Translação para a origem (0,0) com dx = -x 1 e dy = y 1 ; Rotação em torno da origem (eixo z); Translação para o ponto P 1 (x 1,y 1 ) com dx = x 1 e dy = y 1 ; Transformação de escala não existe a não ser com e = 1, isto é com a matriz identidade. Portando a resposta correta é: c). Veja a ilustração abaixo. 14. Julgue os itens a seguir, acerca de Agentes Inteligentes. I. Agentes Inteligentes são entidades cuja estrutura é desenhada para perceber seu ambiente através de sensores e interagindo com o ambiente com mecanismos denominados de atuadores. II. Agentes Inteligentes são computadores com capacidade de raciocínio e decisão, podendo substituir o homem em suas tarefas; III. Agentes Inteligentes são entidades físicas com capacidade e racionalidade comparáveis aos humanos;

8 IV. Agentes Inteligentes são maquinas controladas remotamente executam tarefas com alta precisão; V. Agentes Inteligentes são humanos que tem agendas pré-definidas e as executam de forma brilhante. Estão certos apenas o(s) iten(s) (A) I (B) I e V (C) II e IV (D) V (E) III e IV Resposta e Comentários: Obedecendo a definição do livro do Russel, a resposta correta é I. Agentes Inteligentes é uma entidade que interage com o meio, percebe através de sensores e atua através dos atuadores. 15. A gramática para a linguagem {WXW R W {a,b} e X {C} } é dada por: I. P 0P 1P 11 II. 0I 1P I OP 1I λ III. P apa bpb C C cc λ Estão certos apenas os itens (A) I e II (B) II e III (C) I (D) III (E) II Resposta: letra D 16. Com base nas técnicas de comutação de pacotes e circuito, assinale a afirmativa INCORRETA. (A) A comunicação via comutação de circuitos pressupõe a existência de um caminho dedicado de comunicação entre as estações. (B) A comutação por pacotes é uma técnica store-and-forward na qual os pacotes caminham de nó em nó pela rede, sendo armazenados e retransmitidos sucessivamente.

9 (C) A taxa de transmissão nas redes de comutação por pacote é constante e estabelecida no momento da conexão. (D) A utilização de redes comutadas por circuitos para transmissão de tráfego com taxa de bits variável, ou tráfego em rajadas, causa um desperdício da capacidade da rede. (E) Os pacotes de uma mesma mensagem, na comutação por pacotes, podem estar em transmissão simultaneamente pela rede. Resposta: INCORRETA (C) taxa de transmissão constante e estabelecida no momento da conexão é característica da comutação de circuitos e não de pacotes. 17. Uma integração de Sistemas Computacionais formando uma rede, tipicamente é implementada através da instalação de uma Arquitetura de Rede, que é composta de camadas e protocolos, em cada um dos elementos que compõem esta rede. Considere que estações conversam quando aplicações de usuários conseguem comunicar-se, sintática e semanticamente, através da Rede de Computadores. Baseados nesta premissa e em todos os conceitos associados à implementação e utilização das redes de computadores podemos afirmar como certo: (A) Computadores com arquiteturas de redes diferentes conseguem conversar. (B) Computadores com arquiteturas de rede parecidas conseguem conversar. (C) Computadores com arquiteturas de redes diferentes podem conversar através de um gateway ou conversor de protocolos. (D) Computadores com arquiteturas diferentes podem conversar através de multiplexadores. (E) Nenhuma delas é uma afirmação correta. (C) Computadores com arquiteturas de redes diferentes podem conversar através de um gateway ou conversor de protocolos. 18. Dentro do paradigma da orientação a objeto, podemos dizer que um método é (A) Um determinado tipo de classe de objetos. (B) Um determinado tipo de atributo de um objeto. (C) Ação que se aplica aos objetos de uma classe. (D) Um tipo de relacionamento entre objetos (E) Todas as afirmativas acima estão incorretas Um método é definido como sendo uma ação que se aplica aos objetos de uma classe, portanto, a resposta correta é a alternativa c. 19. Acerca da orientação a objetos em C++, julgue os itens que se seguem. I O operador new aloca dinamicamente memória para um objeto de um tipo especificado e retorna um ponteiro para tal tipo. II Um objeto constante deve ser inicializado; ele não pode ser modificado depois de ter sido criado. III O operador delete libera memória previamente alocada pelo operador new.

10 IV Um array pode armazenar vários tipos diferentes de dados. Estão certos apenas os itens (A) I e II. (B) I e III. (C) I e IV. (D) I, II e III. (E) III e IV. Resposta: (D) 20. Uma das atividades do processo de produção de software é o estabelecimento de uma baseline. Uma baseline segundo a NBR ISO/IEC é uma versão: (A) aprovada de um item de configuração fixada em um determinado momento durante o ciclo de vida do software. (B) aprovada de um item de configuração pelo gerente de projeto durante o ciclo de vida do item de configuração. (C) formalmente aprovada de um item de configuração pelo gerente de projeto durante o ciclo de vida do software. (D) formalmente aprovada, de um item de configuração fixada em um determinado momento durante o ciclo de vida do item de configuração. Gabarito:D 21. Operações de consultas SQL submetidas para execução são tratadas pelo SGBD através das rotinas de processamento e a otimização de consultas. Pode-se afirmar que: (A) No caso de junções, a estratégia de laços aninhados oferece sempre o menor custo por não considerar a existência de índices (B) A existência de índices propicia a identificação da melhor expressão equivalente em Álgebra Relacional (C) A otimização por regras heurísticas sempre é utilizada por não necessitar de informações estatísticas, permitindo melhor performance (D) A otimização por custos possibilita a escolha do plano de execução de menor custo, baseando-se em informações disponíveis, como por exemplo, a existência de índices e informações estatísticas (E) Nenhuma das respostas está correta Gabarito: (d) 22. Fazer estimativas de recursos em desenvolvimento de software é uma tarefa difícil para o gerente, devido a vários fatores. Entre as alternativas abaixo apenas uma não contribui para esta dificuldade, Assinale-a. (A) Requisitos e escopo mudam durante o desenvolvimento; (B) Defeitos são encontrados, durante o desenvolvimento e demandam retrabalho; (C) Não há possibilidade de montar uma base de dados histórica sobre estimativa;

11 (D) Produtividade da equipe varia durante o desenvolvimento (E) Requisição de recursos técnicos Resp: c As possibilidades existem, só precisa de organização, persistência, dedicação, controle. Todas as outras formam o leque de problemas encontrados pelo gerente ao fazer estimativas em desenvolvimento de software. 23. O diagrama de classes da UML permite diagnosticar uma estrutura de código para cada um dos diversos tipos de relacionamentos existentes entre as classes de um sistema de software orientado a objetos. Dessa forma, considere a figura a seguir que ilustra um diagrama de classes com cinco relacionamentos (numerados de 1 a 5) existentes entre seis classes. Considere também os blocos de código de I a VII, codificados em Java, que representam certos relacionamentos entre classes: Bloco I class ClasseA extends ClasseB{...} Bloco II class ClasseD implements ClasseE {...} Bloco III class ClasseA { ClasseD d; } Bloco IV class ClasseA {

12 ClasseF f; } Bloco V class ClasseC { Void int metodox(classea a) {. } } Bloco VI class ClasseA { Void metodoy(classec c) { } } Bloco VII class ClasseE implements D{.} De acordo com os relacionamentos ilustrados no diagrama de classes da figura anterior e conforme os blocos de código estabelecidos, relacione corretamente o bloco de código que corresponda com o respectivo relacionamento e marcando a alternativa correta. (A) Blocos I, II e III corretos (B) Blocos II, IV e VII corretos (C) Blocos II, IV e VI corretos (D) Blocos IV, V e VI corretos (E) Blocos IV, V e VI incorretos Resposta: letra (C) 24. As Linguagens de Programação Imperativas são caracterizadas por realizar avaliação de expressões e a atribuição dos resultados às variáveis. Existem programas muito úteis que são construídos por inteiro de atribuições de valores a variáveis. Alguns programas exigem que operações sejam efetuadas de forma flexíveis e eficientes. Para que isso ocorra, pelo menos dois mecanismos de lingüística, adicionais, são necessários, faça a sua escolha: I. Tipo de Dados Abstrato; II. Seleção e controle de fluxo de execução; III. Meios de repetir a execução de um grupo de instruções; IV. Funções e Sub-rotinas; V. Manipulador de Exceção. A resposta correta é: (A) I e II (B) II e III (C) IV e V (D) I e III (E) II e IV

13 Resposta e Comentários: As LP s imperativas foram incrementadas por dois mecanismos de linguagem, que permitiram a escolha de seqüências de execução de instruções (blocos) - denominadas de instruções de seleção, e a repetição de um conjuntos de instruções denominadas de instruções de repetição. A estrutura que congrega esses mecanismos é conhecida como estrutura de controle. (Portanto a resposta correta é: B). Vale a pena lembrar que nesse ponto, nasceu o paradigma estruturado ou procedural. 25. Sobre algoritmos de busca podemos dizer que: (A) Problemas de natureza combinatória são resolvidos de forma eficiente através de algoritmos de busca exaustiva. (B) O algoritmo A* depende da qualidade da heurística utilizada para ser mais eficiente. (C) A busca em profundidade sempre encontra a solução ótima para o problema. (D) A busca em extensão pode ser incompleta quando se eliminam estados repetidos. (E) A Busca Gulosa (greedy search) é a mais eficiente de todas porque segue diretamente até a solução pelo espaço de busca. RESPOSTA 1) ( A ) Falso porque os algoritmos de busca exaustiva testam combinação por combinação do espaço de estado para chegar à solução do problema. Não otimizam o processo de busca e por isso testam mais estados possíveis do que seria necessário. ( B ) Verdadeiro porque se a heurística for admissível e de boa qualidade haverá a expansão do menor número possível de estados do espaço de busca. No caso ideal a heurística levaria à expansão somente dos estados que constituem o caminho até à solução. ( C ) Falso porque ela pode encontrar uma solução não ótima primeiro em seu caminho de busca e encerrará. ( D ) Falso porque a busca em extensão só não se completa se não forem eliminados os estados repetidos quando então o algoritmo entra em ciclo. ( E ) Falso porque ela não tenta encontrar o caminho mais curto até a solução ótima. A Busca Gulosa procura seguir o caminho que aparentemente leva diretamente a uma solução melhor. 26. Considere um arquivo texto que contenha uma mensagem de caracteres utilizando os caracteres A, B e C, com probabilidades 0,1, 0,1 e 0,8 respectivamente. Ao utilizar o algoritmo de Huffman para compressão/codificação do referido texto, as seguintes afirmativas são apresentadas. I. O comprimento médio dos códigos para os referidos caracteres é 1,2. II. Se forem utilizados todos os pares possíveis de símbolos para a construção da árvore de Huffman, então o comprimento médio dos códigos para os referidos pares é menor que 1,2 por caractere. III. A codificação de Huffman a partir de todos os pares possíveis de caracteres sempre produz códigos de menor comprimento médio. Os dados acima permitem afirmar que: (A) apenas a afirmativa I é verdadeira.

14 (B) apenas as afirmativas I e II são verdadeiras. (C) apenas as afirmativas I e III são verdadeiras. (D) apenas as afirmativas II e III são verdadeiras. (E) todas as afirmativas são verdadeiras. ( B ) apenas as afirmativas I e II são verdadeiras. 27. Acerca de Linguagens Formais e Autômatos Assinale a opção correta. (A) Somente as Expressões Regulares e as Gramáticas Regulares são ferramentas apropriadas para representar linguagens regulares os Autômatos Finitos não são adequados porque, por serem máquinas de estados finitos não conseguem representar linguagens infinitas. Errada: Os autômatos finitos também representam linguagens regulares, eles somente são finitos em quantidade de estados, não em poder de representação (B) Uma situação comum para se abandonar a representação de linguagem regular, mais simples, e adotar a linguagem livre de contexto é a presença de pares de símbolos do alfabeto que trabalham no estilo abre e fecha, como ( e o ). Correta: As linguagens regulares não possuem representatividade suficiente para controlar símbolos que trabalham aos pares, lembrando que podemos ter infinitas ocorrências de paras dentro de pares (... (...(...)...)...) (C) Um Autômato finito com movimentos vazios não pode ser considerado com Autômato Finito Não Determinístico. Errada: todo autômato que possua explicitamente transições com cadeia vazia é Não determinístico, pois, o estado de origem que leva a um estado diferente pela cadeia vazia, possui uma auto transição por cadeia vazia para si próprio criando, assim, uma situação de não determinismo. (D) Para um dada linguagem regular somente existe um autômato finito determinístico capaz de representá-la adequadamente. Errada: uma linguagem regular pode ser representada por vários autômatos, entretanto, somente o AFD mínimo não conterá redundâncias. (E) Sobre a implementação do AFD é incorreto afirmar que pode ser obtida através de um laço infinito com duas cláusulas switch case aninhadas. Errada: pode-se dizer sim que a implementação do AFD é obtida através de um laço infinito com duas cláusulas switch case aninhadas 28. Estudos baseados na análise de diversos projetos de desenvolvimento de software sugerem que tais projetos têm maior chance de sucesso quando empregam metodologia e gerenciamento alinhados ao paradigma de desenvolvimento de novos produtos, em contraponto ao paradigma de produção industrial. Com base nessas observações, a maioria das metodologias modernas de desenvolvimento de software recomenda: (A) concluir o trabalho de especificações dos requisitos do sistema, antes de iniciar as atividades de projeto e implementação.

15 (B) planejar detalhadamente no início do projeto todas as fases e atividades do mesmo, de forma que seja possível estimar com precisão o esforço necessário e os prazos de cada atividade. (C) providenciar, desde o início do projeto, mecanismos para prevenir e bloquear solicitações de mudanças de forma a garantir que será entregue exatamente o que foi especificado. (D) dividir o trabalho em iterações curtas, com prazos fixos, e não permitir que as mesmas avancem sobre os prazos, reduzindo o escopo da iteração, se necessário. (E) não produzir documentação técnica para o sistema, tendo em vista que a mesma já nasce condenada a ficar desatualizada, investindo melhor o tempo em atividades de implementação e testes exaustivos. A RESPOSTA correta é a letra D. A maioria das metodologias mais modernas propõem desenvolvimento iterativo e incremental Sistemas computacionais são dotados de mecanismos de atendimento a interrupções. Estes mecanismos não só possibilitam o processamento de eventos assíncronos à execução de um processo, como também a eventos e exceções decorrentes da execução de uma instrução. Dito isto, responda, em até 5 linhas, às questões abaixo: a) Que características deve ter um dispositivo de entrada para que seja vantajoso atender a eventos por ele gerado sem o uso de DMA? b) Como o mecanismo de memória virtual interage com o atendimento a interrupções? Respostas: a) A taxa de entrada de dados deve ser baixa. Fisicamente o dispositivo pode utilizar um meio de comunicação de alta velocidade, mas a freqüência de chegada de dados deve ser baixa. Um dispositivo de entrada com baixa velocidade também é candidato a não usar o DMA. b) O mecanismo de memória virtual consiste em alocar memória principal somente para um subconjunto das páginas necessárias à execução de um processo. Este subconjunto é dinâmico, ou seja, sofre alterações durante a execução. Páginas que ainda não estão em memória podem ser referenciadas a qualquer instante e daí devem ser carregadas na memória principal. Isto pode ocorrer de duas formas: o contador de programa pode conter o endereço de uma instrução que

16 pertence a uma página não alocada, ou a instrução em execução pode usar um operando memória pertencente a uma página não alocada. Qualquer dos dois eventos deve interromper a CPU e provocar a chamada ao Sistema Operacional para que este aloque a página necessária na memória principal. 30. Escreva um artigo, máximo de 10 linhas, defendendo os testes de validação de software como um fator importante para a diminuição do seu custo de manutenção. 1 RASCUNHO Aqui pode ser argumentado que o custo da correção, de um erro, após a implantação do software chega a ser 100 vezes o custo de corrigi-lo durante o processo de desenvolvimento.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP05 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP05 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1. Sistemas de gerenciamento de rede tem sua arquitetura baseada em três componentes principais. São eles: a) Protocolo de gerenciamento, protocolo de monitoramento, segurança.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 6 - ARQUITETURAS AVANÇADAS DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO As arquiteturas dos processadores têm evoluído ao longo dos anos, e junto com ela o conceito de arquitetura avançada tem se modificado. Nos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO Geração de código Ivan Ricarte 2008 Sumário Geração de código intermediário Código de três endereços Notação pós-fixa Otimização de código Heurísticas de otimização Geração de código em linguagem simbólica

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Paradigmas de Programação

Paradigmas de Programação Paradigmas de Programação Tipos de Dados Aula 5 Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Prof. Edilberto Silva / edilms.eti.br Tipos de Dados Sistema de tipos Tipos de Dados e Domínios Métodos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SINCRONIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 07, PÁGINA 101 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional sistemas multiprogramáveis Os sistemas multiprogramáveis

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS... 4 04 TEORIA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

1.6. Tratamento de Exceções

1.6. Tratamento de Exceções Paradigmas de Linguagens I 1 1.6. Tratamento de Exceções Uma exceção denota um comportamento anormal, indesejado, que ocorre raramente e requer alguma ação imediata em uma parte do programa [GHE 97, DER

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador)

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Multiprocessamento Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Conjunto de processadores, cada qual com sua memória local Processadores se comunicam por troca de mensagens, via rede de

Leia mais

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java FBV - Linguagem de Programação II Um pouco sobre Java História 1992: um grupo de engenheiros da Sun Microsystems desenvolve uma linguagem para pequenos dispositivos, batizada de Oak Desenvolvida com base

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas slide 1 Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas Material adaptado de: TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 3ª edição. Disponível em: http://www.prenhall.com/tanenbaum_br slide

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores

SIS17 - Arquitetura de Computadores SIS17 - Arquitetura de Computadores Organização Básica B de Computadores (Parte I) Organização Básica B de Computadores Composição básica b de um Computador eletrônico digital Processador Memória Memória

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais 5// :6 Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso: Ciência da Computação (Noturno) Currículo: 7/ CMP.8.- Introdução à Computação Ementa: O que é Ciência da Computação. História da Computação. Estrutura

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Organização e Arquitetura de Computadores

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Organização e Arquitetura de Computadores Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Organização e Arquitetura de Computadores Questão 1) Considere o projeto de um circuito digital que implementa a função f

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 1º SEMESTRE Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 8 Créditos Desenvolver a lógica de programação através da construção de algoritmos utilizando português estruturado Representar a solução de problemas

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº. 226, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014.

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº. 226, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014. ANEXO À RESOLUÇÃO Nº. 226, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014. CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO ESTRUTURA CURRICULAR 1.1 QUADRO GERAL DA ESTRUTURA CURRICULAR Carga Horária LOTAÇÃO Módulo Disciplina Teoria Prática

Leia mais

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores. AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores. AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores bas eado em material produzido pelo prof Olinto Jos é Varela Furtado Ricardo Azambuja Silveira INE-CTC-UFSC E-Mail: silveira@inf.ufsc.br

Leia mais

Técnicas de Teste de Software

Técnicas de Teste de Software Técnicas de Teste de Software Fabrício Sousa fabricio@uesb.br Projeto de Caso de Teste Conjunto de técnicas para criação de casos de testes Série de casos de testes que tem grande probabilidade de encontrar

Leia mais

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe Pentium 4 Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe O Pentium 4 é um descendente direto da CPU 8088 usada no IBM PC original. O primeiro Pentium 4 foi lançado em novembro de 2000 com uma CPU de 42 milhõcs

Leia mais

Ementas das Disciplinas do Bacharelado em Sistemas de Informação da UNIRIO

Ementas das Disciplinas do Bacharelado em Sistemas de Informação da UNIRIO Ementas das Disciplinas do Bacharelado em Sistemas de Informação da UNIRIO 2 de junho de 2010 Sumário Administração de Bancos de Dados.................................. 3 Administração Financeira.......................................

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados)

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação

Leia mais

Introdução a Threads Java

Introdução a Threads Java Introdução a Threads Java Prof. Gerson Geraldo Homrich Cavalheiro Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Instituto de Física e Matemática Pelotas RS Brasil http://gersonc.anahy.org

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO Area de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas DISCIPLINA: PRÁTICAS INVESTIGATIVAS I H111926 03 60 Introdução e ensaio da prática investigativa. Procedimentos metodológicos

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Todos direitos reservados. Proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo mecânico, eletrônico, reprográfico, etc., sem a autorização, por escrito, do(s) autor(es) e da editora. LÓGICA DE

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2015 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 1 Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Algoritmos e Programação. Prof. Tarcio Carvalho

Algoritmos e Programação. Prof. Tarcio Carvalho Algoritmos e Programação Prof. Tarcio Carvalho Conceito de Lógica A utilização da lógica na vida do indivíduo é constante, visto que é ela quem possibilita a ordenação do pensamento humano. Exemplo: A

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - O NÍVEL DA MICROARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este é o nível cuja função é implementar a camada ISA (Instruction Set Architeture). O seu projeto depende da arquitetura do conjunto das instruções

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Desenvolvimento De Sistemas - Lógica De Programação. 1. Lógica de Programação I 1.1 Introdução á Lógica de Programação 1.2 O que é lógica? 1.3 Lógica Matemática 1.4 Lógica de Programação 1.5 Seqüência

Leia mais

Disciplina: Organização de computadores

Disciplina: Organização de computadores Disciplina: Organização de computadores Professora: Carolina D. G. dos Santos E-mail: profcarolinadgs@gmail.com Página: profcarolinadgs.webnode.com.br Unip / Prof. a Carolina 1 à Computador Conceitos Básicos

Leia mais

S.O.: Conceitos Básicos

S.O.: Conceitos Básicos S.O.: Conceitos Básicos Camada de software localizada entre o hardware e os programas que executam tarefas para o usuário; Acessa os periféricos Entrada e Saída Esconde os detalhes do hardware para o programador

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Sistemas Paralelos e Distribuídos Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Conceitos preliminares Paralelismo refere-se a ocorrência simultânea de eventos em um computador Processamento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CTS DE REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a história e a evolução

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos conceitos básicos de gerenciamento de projetos e considerando o PMBOK, julgue os itens a seguir. 51 No gerenciamento de um projeto, deve-se utilizar não apenas as ferramentas

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE 3.1 Operadores Os operadores indicam o tipo de operação matemática que será executada gerando novos valores a partir de um ou mais operadores. São muito utilizados em

Leia mais

Ementário das Disciplinas

Ementário das Disciplinas Ementário das Disciplinas As ementas das disciplinas estão agrupadas em semestres para uma melhor visualização da organização da matriz curricular. As referências bibliográficas serão especificadas no

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

SIS17-Arquitetura de Computadores

SIS17-Arquitetura de Computadores Sistema de Computação SIS17-Arquitetura de Computadores Apresentação da Disciplina Peopleware Hardware Software Carga Horária: 40 horas 2 Computadores atuais Unidade Central de Processamento Entrada Computadores

Leia mais

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma Roteiro: Conceitos básicos de algoritmo, linguagem, processador de linguagem e ambiente de programação; Aspectos fundamentais da organização e do funcionamento de um computador; Construções básicas de

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos e Threads Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que são Processos? Uma abstração de um programa em execução. Mantêm a capacidade de operações (pseudo)concorrentes,

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO AO JAVA... 1

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO AO JAVA... 1 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO AO JAVA... 1 A Origem... 2 O Caminho Para a Aprendizagem... 4 Java Como Plataforma... 6 Finalidade... 9 Características... 11 Perspectivas... 13 Exercícios... 14 CAPÍTULO

Leia mais