Corregedoria Geral de Justiça

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corregedoria Geral de Justiça"

Transcrição

1 Corregedoria Geral de Justiça Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MATO GROSSO DO SUL

2

3 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional APRESENTAÇÃO Em decorrência da Lei , de 18 de janeiro de 2012, que instituiu o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), em vigor desde o dia 19 de abril do corrente ano, foi editado pela Corregedoria Geral de Justiça o Provimento nº 72, de 21 de junho de 2012, estabelecendo regras para os procedimentos afetos à Justiça da Infância e da Juventude, área infracional. Diante da grande inovação produzida pela Lei /2012, a Secretaria da Corregedoria Geral de Justiça tomou a iniciativa de construir, paralelamente ao Provimento 72/2012, um documento contendo informações detalhadas e necessárias à compreensão da nova sistemática de execução das medidas socioeducativas. O documento, denominado Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional, foi elaborado em treze partes, cada uma contendo uma parcela do procedimento, desde a apreensão em flagrante do adolescente até o encerramento do processo de execução da medida socioeducativa. O trabalho foi realizado sob a supervisão da Juíza de Direito Simone Nakamatsu, Juíza Auxiliar da Corregedoria Geral de Justiça, e contou com a participação do Juiz de Direito César Castilho Marques, Juiz Auxiliar da Corregedoria Geral de Justiça, do Assessor Jurídico José Carlos Ito Júnior e do Juiz de Direito Roberto Ferreira Filho, ambos da Vara da Infância e Juventude de Campo Grande. As orientações do presente manual, baseadas na interpretação das disposições do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90), na Lei do Sinase (Lei /2012) e no Provimento nº 72/2012, da Corregedoria Geral de Justiça, tornase-ão de observância obrigatória a partir de sua divulgação, ressalvada a inclusão posterior de eventual alteração por parte da Corregedoria Geral de Justiça. 3

4

5 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional BIÊNIO Des. ATAPOÃ DA COSTA FELIZ Corregedor Geral de Justiça Des. DORIVAL MOREIRA DOS SANTOS Corregedor Adjunto de Justiça Dra. SIMONE NAKAMATSU Juíza Auxiliar da Corregedoria Dr. CÉSAR CASTILHO MARQUES Juiz Auxiliar da Corregedoria ELABORAÇÃO: - Ieda Maria de Souza Almeida Assessora Técnica Especializada da Secretaria da Corregedoria Geral de Justiça REVISÃO: - Ary da Cruz Vieira Diretor da Secretaria da Corregedoria Geral de Justiça APOIO: - Dr. César Castilho Marques Juiz Auxiliar da Corregedoria Geral de Justiça - José Carlos Ito Júnior Assessor Jurídico da Vara da Infância e Juventude de Campo Grande - Dr. Roberto Ferreira Filho Juiz da Vara da Infância e Juventude de Campo Grande COLABORAÇÃO: - João Carlos Teodoro Diretor do DEPPI (Departamento de Padronização da Primeira Instância) da Secretaria da Corregedoria Geral de Justiça - Luize Luzia Flores Ferreira Coordenadora das Varas Digitais do DEPPI - Paulo Sérgio Mendes Bignardi Coordenadoria das Varas Digitais do DEPPI - Patrícia Silva Coordenadora das Varas Criminais do DEPPI - Ronaldo Pereira Fujimoto Coordenadoria das Varas Digitais do DEPPI - Soraya Almeida Samha Coordenadora das Varas Cíveis do DEPPI - Sueli Amaral Nogueira de Lima Coordenadoria das Varas Cíveis do DEPPI - Terezinha Lima Menezes Medeiros Coordenadoria das Varas Criminais do DEPPI COORDENAÇÃO - Dra. Simone Nakamatsu Juíza Auxiliar da Corregedoria Geral de Justiça 5

6

7 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional SUMÁRIO Fase Investigatória Autoridade Policial e Ministério Público...9 Da Autoridade Policial...9 Do Ministério Público...10 Fluxograma I Fase Judicial...12 Cadastro do Procedimento Administrativo...12 Auto de Apreensão em Flagrante...12 Relatório de Investigações e Boletim de Ocorrência Circunstanciada...14 Fluxograma II...15 MP Envio da Petição (E-SAJ)...16 Fluxograma III...17 Análise da Manifestação do MP Pedido de Arquivamento...18 Fluxograma IV...20 Análise da Manifestação do MP Representação...21 Fluxograma V...23 Audiência de Apresentação...24 Fluxograma VI...25 Análise da Manifestação do MP Remissão Pré-processual...26 Fluxograma VII...28 Remissão Processual...29 Remissão sem medida socioeducativa...29 Remissão com medida socioeducativa...29 Medidas de proteção, de advertência e de reparação do dano aplicadas de forma isolada Demais medidas em meio aberto...31 Fluxograma VIII...32 Audiência de Instrução e Julgamento (Audiência em continuação)...33 Decisão e Recurso

8 Corregedoria Geral de Justiça Fluxograma IX...36 Medidas Socioeducativas...37 Expedição da Guia de Execução Provisória...37 Da Remessa da Guia de Execução para Juízo Diverso...38 Distribuição do Processo de Execução de Medida Socioeducativa...40 Categorização das peças...41 Conversão da guia de execução provisória em definitiva...42 Redistribuição do Processo de Execução de Medida Socioeducativa...43 Execução de Medida Socioeducativa...43 Procedimento para cumprimento das Medidas de Advertência ou de Reparação de Danos Procedimento para cumprimento das Medidas Liberdade Assistida e Prestação de Serviços.. 45 Procedimento para cumprimento das Medidas Semiliberdade e Internação...48 Unificação e Cumulação de Medidas Socioeducativas...48 Fluxograma X...50 Audiência de Justificação descumprimento de medida...51 Medida aplicada em sede de remissão como forma de exclusão do processo...51 Medida aplicada em sede de remissão como forma de suspensão do processo...52 Medida aplicada por sentença de mérito...52 Fluxograma XI...53 PIA - Programa Individual de Atendimento...54 Fluxograma XII...56 Controle de Prazos...57 Identificação da apreensão no SAJ...57 Contagem e inserção do prazo no SAJ...57 Alimentação do Histórico de Partes Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

9 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional PROCEDIMENTO PARA APURAÇÃO DE ATO INFRACIONAL Ato infracional, nos termos do art. 103 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), é a conduta descrita como crime ou contravenção penal praticada por criança ou adolescente. De acordo com o ECA, a criança e o adolescente não serão apenados pela prática de ato infracional. Ao adolescente serão aplicadas as medidas socioeducativas descritas no art. 112 do ECA e, sendo necessárias, as medidas de proteção indicadas no art. 101 do ECA. O art. 172 do ECA estabelece que, caso o adolescente seja apreendido em flagrante de ato infracional, ele deve ser encaminhado imediatamente à autoridade policial competente, conforme orientações que seguem. I - 1ª FASE AUTORIDADE POLICIAL E MINISTÉRIO PÚBLICO 1.1 Da Autoridade Policial Efetuada a apreensão do adolescente e verificadas as condições e providências descritas nos arts. 106, 107 e 173 do ECA, a autoridade policial deverá: Analisar se é caso de liberação do adolescente Em caso de liberação: a) comparecendo os pais ou responsáveis, o adolescente será liberado, mediante compromisso de se apresentar ao MP (Ministério Público); b) não sendo localizados os pais ou responsáveis, a autoridade policial deve acionar o Conselho Tutelar (art. 136, I, do ECA) para adoção das medidas protetivas cabíveis (art. 98, II, 101, do ECA). Se necessário, o adolescente será encaminhado à instituição que executa programa de acolhimento institucional. Nesse caso, fica o responsável pela instituição incumbido de apresentar o adolescente perante o MP No caso de permanecer internado: a) a autoridade policial encaminhará o Auto de Apreensão em Flagrante ou o Boletim de Ocorrência à autoridade judiciária. b) o adolescente será encaminhado imediatamente ao MP, com cópia do Auto de Apreensão em Flagrante ou do Boletim de Ocorrência. Não sendo possível a apresentação imediata, a autoridade policial encaminhará o adolescente à entidade de atendimento, que fará a apresentação ao representante do Ministério Público no prazo de vinte e quatro horas ( 1º do art. 175 do ECA). c) caso não haja entidade de atendimento no local (UNEI), o adolescente será apresentado pela autoridade policial. À falta de repartição policial especializada, o adolescente aguardará a apresentação em dependência separada da destinada a maiores, não podendo exceder o prazo máximo de vinte e quatro horas ( 2º do art. 175 do ECA). 9

10 Corregedoria Geral de Justiça 1.2 Do Ministério Público De acordo com o ECA, o MP adotará as seguintes providências: a) procede a oitiva informal do adolescente e, se possível de seus pais ou responsáveis, vítima e testemunhas, conforme determina o art. 179 do ECA: Art Apresentado o adolescente, o representante do Ministério Público, no mesmo dia e à vista do auto de apreensão, boletim de ocorrência ou relatório policial, devidamente autuados pelo cartório judicial e com informação sobre os antecedentes do adolescente, procederá imediata e informalmente à sua oitiva e, em sendo possível, de seus pais ou responsável, vítima e testemunhas. b) após as providências do art. 179, o MP poderá: b.1) promover o arquivamento (Título e Fluxo IV); b.2) conceder a remissão (Título e Fluxo VII) ou b.3) representar (Título e Fluxo V). Confira o procedimento até aqui descrito, no fluxograma que segue (I). 10 Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

11 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional 11

12 Corregedoria Geral de Justiça PROCEDIMENTO PARA APURAÇÃO DE ATO INFRACIONAL II - 2ª FASE JUDICIAL 2.1 Cadastro do Procedimento Administrativo: O documento relacionado à investigação do ato infracional, encaminhado pela delegacia de polícia, será cadastrado e distribuído no Sistema de Automação da Justiça (SAJ), de acordo com as regras estabelecidas pela Resolução 46 do Conselho Nacional de Justiça, conforme exemplificado a seguir: Competência: 38 Infância e Juventude Crime Classes: a) quando houver auto de apreensão em flagrante do adolescente nos casos de ato infracional cometido mediante violência ou grave ameaça a pessoa, Classe 1461 Auto de Apreensão em Flagrante; b) quando não houver apreensão em flagrante e a autoridade policial encaminhar relatório da investigação e demais documentos ou quando forem extraídas cópias de ações penais em que houve a coautoria com maior, Classe 1462 Relatório de Investigações ou, c) quando a autoridade policial, no caso de flagrante por ato infracional sem a ocorrência de violência ou grave ameaça a pessoa, lavrar boletim de ocorrência circunstanciada, utilizar a Classe 1463 Boletim de Ocorrência Circunstanciada Assunto: o assunto, em qualquer das circunstancias, corresponderá ao tipo penal imputado ao adolescente. 2.2 Detalhamento do Procedimento: Auto de Apreensão em Flagrante: Distribuidor realiza as seguintes atividades: a) cadastra e distribuí na classe 1461; b) digitaliza as peças; c) emite a certidão de antecedentes e libera na pasta digital; d) encaminha os autos para o cartório por meio do botão atividade MOVER PARA O CARTÓRIO, momento em que o processo será direcionado para a fila Ag. análise da inicial, e entrega as peças físicas do Auto de Apreensão em Flagrante no Ofício de Justiça competente. 12 Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

13 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional O servidor da Vara acessa a a fila Ag. análise da inicial e encaminha o procedimento ao Juiz: Move para a fila Conclusos Medidas Urgentes, indicando a movimentação Concluso para decisão Juiz analisa e decide se mantém ou não a internação Juiz mantém a internação: a) será expedida a guia de internação provisória (Modelo da Instituição código nº ); b) se o adolescente estiver aguardando remoção em repartição policial, será expedido ofício à Superintendência de Assistência Socioeducativa da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública - SEJUSP solicitando vaga, no prazo de 48 horas, com cópia integral do processo; c) intima da decisão o MP e a Defensoria Pública, caso não haja advogado habilitado Juiz determina a expedição de mandado de desinternação: a) expede-se o mandado de desinternação; b) intima da decisão o MP e a Defensoria Pública, caso não haja advogado habilitado; c) aguarda o prazo de 10 dias para envio de manifestação pelo MP (representação/ remissão/pedido de arquivamento). PS. O MP manifesta-se por meio do e-saj (vide orientações do título e fluxo III) Não havendo manifestação do MP no prazo de 10 dias, o servidor certifica imediatamente o decurso e encaminha os autos do procedimento ao Juiz para decisão/ despacho Retornando os autos da conclusão, o servidor cumpre com prioridade as determinações do Juiz. PS. O Auto de Apreensão em Flagrante permanecerá ativo no SAJ (não poderá ser baixado), até que sobrevenha o Boletim de Ocorrência Circunstanciada ou a manifestação do MP, quando então sofrerá evolução de classe. 13

14 Corregedoria Geral de Justiça Relatório de Investigações e Boletim de Ocorrência Circunstanciada: Distribuidor realiza as seguintes atividades: a) consulta no SAJ se já existe auto de apreensão em flagrante distribuído. Em caso negativo: a.1) distribui na classe 1462 ou 1463, conforme o caso, e não digitaliza; a.2) emite a certidão de antecedentes e encarta no caderno do procedimento que será encaminhado ao MP; a.3) move para a fila Procedimentos de apuração de ato infracional com o MP, associada à movimentação Entrega dos autos ao Ministério Público/Ato infracional que altera a situação dos autos para baixado ; a.4) entrega o caderno do procedimento (autos físicos) ao MP; b) Em caso positivo, encaminha os documentos para o setor de protocolo O servidor do Setor de Protocolo: protocola como petição física e encaminha para o Cartório para onde foi distribuído o Auto de Apreensão em Flagrante O servidor da Vara da Infância recebe a via física e: a) cadastra a petição; b) digitaliza a peça e categoriza como 73 Boletim de ocorrência para o Boletim de Ocorrência e o Relatório de Investigação; c) junta e libera na pasta digital; d) evolui a classe (classe 1462 ou 1463); e) verifica se há ato judicial pendente de cumprimento no flagrante ou a existência de pedidos/requerimentos pendentes de análise pelo Juiz: e.1) em caso afirmativo, cumpre as determinações ou encaminha o procedimento ao Juiz para decisão; e.2) nada havendo, move para a fila 202 Procedimentos de apuração de ato infracional com o MP, associada à movimentação Entrega dos autos ao Ministério Público/Ato infracional que altera a situação dos autos para baixado. PS. O MP manifesta-se por meio do e-saj (vide orientações do título e fluxo III) Confira as orientações deste título no fluxograma que segue (II). 14 Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

15 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional 15

16 Corregedoria Geral de Justiça PROCEDIMENTO PARA APURAÇÃO DE ATO INFRACIONAL III MP ENVIO DA PETIÇÃO (E-SAJ) 3.1 A manifestação do MP será encaminhada eletronicamente, por meio do e-saj, como petição intermediária, cadastrada conforme as orientações que seguem: a) oferecimento de Representação: cadastrar como Representação, código 193; b) concessão de Remissão: cadastrar como Remissão pelo MP, código 199 e, c) pedido de arquivamento e outros: cadastrar como Manifestação do Promotor, código PS.: A Representação, o Pedido de Remissão e outros pedidos formulados pelo MP, serão instruídos com as peças (digitalizadas) do procedimento administrativo, que permanecerá, fisicamente, sob a guarda do MP. 3.2 Nos casos de petições relacionadas a Relatório de Investigações ou Boletim de Ocorrência Circunstanciada, após o envio da petição eletrônica pelo MP, o servidor realiza as seguintes atividades: a) acessa a fila 202 Procedimentos de apuração de ato infracional com o MP e clica no botão atividade Receber Proc. de Apur. de Ato infracional do MP e o procedimento será reativado; b) junta a petição eletrônica encaminhada pelo MP ao processo e, no caso de representação, organizará as peças na pasta digital de modo que a representação fique na primeira folha do processo; c) encaminha o procedimento ao Juiz: Move para a fila Conclusos Medidas Urgentes, indicando a movimentação Concluso para decisão. 3.3 No caso de petição relacionada a Auto de apreensão em flagrante (não evoluído de classe) que se encontra em cartório, após o envio da petição eletrônica pelo MP, o servidor realiza as seguintes atividades: a) acessa a fila em que o processo se encontra; b) junta a petição ao processo eletrônico; c) encaminha o procedimento ao Juiz: Move para a fila Conclusos Medidas Urgentes, indicando a movimentação Concluso para decisão. PS. No caso de representação com pedido de custódia provisória, a prioridade deve ser identificada quando os autos forem movidos para a fila Conclusos Medidas Urgentes, lançada na coluna observação a informação: CPROV. Após, seguem-se as orientações do item IV. Confira as orientações deste título no fluxograma que segue (III):' 16 Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

17 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional 17

18 Corregedoria Geral de Justiça PROCEDIMENTO PARA APURAÇÃO DE ATO INFRACIONAL IV JUIZ ANÁLISE DA MANIFESTAÇÃO DO MP Pe d i d o d e Ar q u i va m e n t o 4.1 O Juiz analisa e decide o pedido do MP, o qual pode ser: a) pedido de arquivamento (4.2); b) oferecimento de Representação pelo MP; (título e fluxo V); c) concessão de Remissão apresentada pelo MP (título e fluxo VII). 4.2 Pedido de arquivamento: No caso de homologação do pedido de arquivamento, o servidor realiza as seguintes atividades: a) intima o MP; b) certifica o trânsito em julgado da sentença; c) move para a fila 8 - processos arquivados e seleciona a movimentação 246 definitivo, para baixa dos autos Caso o Juiz não concorde com o arquivamento, determina a remessa do procedimento ao Procurador Geral de Justiça (PGJ) Para remessa do procedimento ao PGJ, o servidor da Vara imprime as páginas do procedimento; encaminha à Procuradoria Geral de Justiça mediante ofício com AR (aviso de recebimento) e, após a juntada do AR, move o procedimento para a fila 7 Ag. Decurso de prazo.(prazo: 10 dias) O Procurador Geral de Justiça analisa o procedimento e decide: a) manter o posicionamento do Promotor de Justiça; b) oferecer representação (Vide orientações nos título e fluxo V) ou; c) designar outro Promotor de Justiça. 18 Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

19 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional A manifestação do Procurador Geral de Justiça será encaminhada pelo portal e-saj Recebida a manifestação do Procurador Geral de Justiça, o servidor junta a petição ao processo eletrônico e move para fila 101 concluso para decisão ; Caso o Procurador Geral de Justiça mantenha o pedido de arquivamento o Juiz homologa o pedido de arquivamento e o servidor move o procedimento para a fila 8 - processos arquivados, selecionando a movimentação 246 definitivo, para baixa dos autos Se o Procurador Geral de Justiça designar outro Promotor de Justiça, o servidor da Vara junta a petição ao processo eletrônico e move o processo para a fila 15 vista ao MP (Prazo: 10 dias) Promotor de Justiça designado poderá: a) oferecer Representação; (Vide orientações nos título e fluxo V); b) conceder Remissão (Vide orientações nos título e fluxo VII). Confira as orientações deste título no fluxograma que segue (IV): 19

20 Corregedoria Geral de Justiça 20 Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

21 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional PROCEDIMENTO PARA APURAÇÃO DE ATO INFRACIONAL V JUIZ ANÁLISE DA MANIFESTAÇÃO DO MP Re p r e s e n ta ç ã o A representação é a petição inicial do processo de conhecimento de apuração de ato infracional, equipara-se à denúncia na ação penal. O juiz poderá receber a representação, rejeitá-la ou mandar o MP emendá-la. 5.1 Juiz analisa a representação: Se a representação não for recebida: a) o servidor intima o MP da decisão; b) não havendo interposição de recurso pelo MP, o servidor certifica o transito em julgado e arquiva o procedimento; c) se o MP recorre e o TJ mantém a decisão, o procedimento será arquivado, caso contrário, segue-se conforme o subitem deste título De acordo com o art.184 do ECA, se a representação estiver em ordem, o juiz recebe e: a) determina, conforme o caso, a elaboração de estudo psicossocial ou qualquer outra providência que entender pertinente; b) designa audiência de apresentação do adolescente para data próxima; c) decide, desde logo, sobre a decretação ou manutenção da internação, se for o caso, observado o prazo máximo de 45 dias de internação e de conclusão do procedimento (art. 108 e 183 do ECA); d) determina a notificação do adolescente e seus pais ou responsável do teor da representação e, para comparecer à audiência, acompanhados de advogado; e) estando o adolescente internado, determina a expedição de ofício à entidade onde o adolescente estiver recolhido, requisitando a sua apresentação, sem prejuízo da notificação dos pais ou responsável. O prazo máximo de internação (45 dias) será contado da data da apreensão e não da decisão do juiz que mantém a internação. De acordo com o art. 4º do Provimento 72/2012, o Juiz terá que fiscalizar o cumprimento do disposto no 2º do Art. 185 do ECA: 2º Sendo impossível a pronta transferência, o adolescente aguardará sua remoção em repartição policial, desde que em seção isolada dos adultos e com instalações apropriadas, não podendo ultrapassar o prazo máximo de cinco dias, sob pena de responsabilidade. (grifei) 21

22 Corregedoria Geral de Justiça 5.2 Após receber os autos do Juiz, o servidor procede a evolução da classe para Processo de Apuração de Ato Infracional e pauta, no SAJ, a audiência de apresentação do adolescente e, sendo determinada ou mantida a internação, cumpre a decisão judicial. PS. A evolução da classe só pode ser realizada depois do recebimento da representação pelo juiz. 5.3 Caso o adolescente não seja encontrado, o Juiz determina a expedição de mandado de busca e apreensão pela Autoridade Policial e o sobrestamento do feito até a efetiva apresentação. 5.4 Realizada a apreensão, o adolescente poderá ser apresentado pela Autoridade Policial diretamente à entidade de atendimento constante do mandado, mas a comunicação ao Juiz da Infância será feita imediatamente, ainda que aconteça em fim de semana ou dia feriado, caso em que a apresentação ou comunicação far-se-á ao Juiz de plantão. 5.5 Como se trata de apreensão pela não localização do endereço do adolescente, o Juiz de plantão ao receber a comunicação da apreensão deve se atentar para o seguinte: a) se houve a decretação ou manutenção da internação (letra c do subitem supra), averígua o cumprimento do disposto no 2º do art. 185 do ECA (se o adolescente está apreendido em local adequado) e determina que se aguarde manifestação do Juiz presidente do feito no horário normal de expediente; b) se não houve decreto ou manutenção da internação (letra c do subitem supra), determina a liberação do adolescente apreendido, que será entregue aos pais ou responsável, mediante termo de compromisso, quando do cumprimento do mandado de desinternação. 5.6 Confira o detalhamento da audiência nas orientações do título e fluxo VI. Confira as orientações deste título no fluxograma que segue (V): 22 Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

23 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional 23

24 Corregedoria Geral de Justiça PROCEDIMENTO PARA APURAÇÃO DE ATO INFRACIONAL VI Audiência de Apresentação 6.1 Designada a audiência de apresentação, o servidor realiza as seguintes atividades: a) expede mandado de notificação ao adolescente e seus pais ou responsável do teor da representação e para que compareçam à audiência, acompanhados de advogado, com cópia integral da representação; b) estando o adolescente internado, expede ofício, com cópia da representação, à entidade onde o adolescente estiver recolhido, requisitando a sua apresentação; c) com o retorno do mandado, verifica se todos foram notificados, em caso negativo e havendo tempo hábil, certifica e encaminha os autos ao Juiz para deliberação. 6.2 Caso os pais ou responsável não sejam localizados, o Juiz nomeia curador especial ao adolescente. 6.3 Na data e horário da audiência faz-se o pregão das partes caso o adolescente não compareça, o Juiz designa nova data, intima os presentes e determina a expedição do documento oficial contendo a ordem para a condução coercitiva (mandado para cumprimento pelo Oficial de Justiça ou ofício ao Delegado de Polícia competente para providenciar os meios necessários ao cumprimento da diligência) O servidor expede o mandado ou o ofício (conforme deliberado pelo Juiz) e aguarda a audiência Comparecendo o adolescente, o Juiz verifica se é necessário nomear Defensor ao adolescente Superada a questão do subitem 6.3.2, o Juiz dará sequência aos demais atos da audiência: a) se é caso de manutenção da internação provisória; b) no caso de remissão, ouve o MP, adolescente, pais ou responsáveis e Defensor (Confira os procedimentos de remissão pré e processual nas orientações e fluxos VII e VIII); c) não sendo o caso de remissão, designa audiência em continuação e, se for o caso, estudo psicossocial ( 2º do art. 186 do ECA) Os presentes saem intimados da audiência e o Defensor para oferecer defesa prévia e arrolar testemunhas em 3 (três) dias. 6.4 Após, seguem-se as orientações da audiência de continuação (instrução e julgamento) no título e no fluxo IX. Confira as orientações deste título no fluxograma que segue (VI): 24 Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

25 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional 25

26 Corregedoria Geral de Justiça PROCEDIMENTO PARA APURAÇÃO DE ATO INFRACIONAL VII JUIZ ANÁLISE DA MANIFESTAÇÃO DO MP Remissão Pré-processual O instituto da remissão é dividido em duas espécies, a pré-processual e a processual (orientações acerca da remissão processual no título VIII, adiante), ambas podem ser cumuladas com medidas socioeducativas em meio aberto (advertência, reparação de danos, prestação de serviços à comunidade e liberdade assistida). A remissão tratada neste título é a pré-processual, aquela em que o MP, após a oitiva informal do adolescente, apresenta a proposta de remissão como forma de exclusão do processo. A homologação pelo juiz é sempre condicionada ao prévio consentimento do adolescente e de seu representante legal, sendo que, se houver a cumulação de medida socioeducativa, o Defensor também terá que ser cientificado. 7.1 Remissão pré-processual: Apresentada a proposta de remissão pré-processual pelo MP, o Servidor executa as seguintes atividades: a) recebe a petição eletrônica, e se for o caso reativa o processo, libera a petição na pasta digital; b) encaminha os autos ao Juiz para sentença (homologação ou não da remissão) Se o Juiz entender que é caso de remissão, homologa a proposta apresentada pelo MP Retornado os autos da conclusão, o Servidor executa as seguintes atividades: a) intima o MP; b) intima o Defensor; c) aguarda o prazo de 10 dias para eventual recurso: move para a fila 7 Ag. Decurso de prazo ; (em caso de interposição de recurso vide orientações do Título IX, subitem Decisão e Recurso ); d) certifica o transito em julgado da sentença homologatória; e) no caso de remissão sem medida, arquiva o procedimento: move para a fila 8 processos arquivados e seleciona a movimentação 246 definitivo, para baixa dos autos, ou; f) no caso de remissão com medida, encaminha os autos ao Juiz. 26 Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

27 Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional O juiz designa audiência admonitória para o encaminhamento do cumprimento da medida. (procede conforme as orientações do título e do fluxo X, de acordo com a medida estabelecida na proposta) Se o Juiz entender que não é caso de remissão, determina a remessa do procedimento ao Procurador Geral de Justiça Para remessa do procedimento ao Procurador Geral de Justiça, o servidor da Vara realiza as seguintes atividades: a) imprime as páginas do procedimento; b) encaminha à Procuradoria Geral de Justiça mediante ofício com AR (aviso de recebimento); c) após a juntada do AR, move o procedimento para a fila 7 Ag. Decurso de prazo. (Prazo: 10 dias) O Procurador Geral de Justiça analisa o procedimento e decide: a) manter o posicionamento do Promotor de Justiça; b) oferecer representação (Vide orientações nos título e fluxo V) ou; c) designar outro Promotor de Justiça A manifestação do Procurador Geral de Justiça será encaminhada pelo portal e-saj Recebida a manifestação do Procurador Geral de Justiça, o servidor realiza as seguintes atividades: a) junta a petição ao processo eletrônico; b) move para fila 10 Concluso para sentença Caso a manifestação do Procurador Geral de Justiça seja pela manutenção da proposta de remissão, segue conforme o subitem (supra) Se o Procurador Geral de Justiça designar outro Promotor de Justiça, o servidor da Vara realiza as seguintes atividades: a) junta a petição ao processo eletrônico; b) move o processo para a fila 15 vista ao MP (Prazo: 10 dias) Promotor de Justiça designado poderá: a) oferecer representação (Vide orientações nos título e fluxo V); b) pedir o arquivamento (Vide orientações nos título e fluxo IV). Confira as orientações deste título no fluxograma que segue (VII): 27

28 Corregedoria Geral de Justiça 28 Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul

EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL.

EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL. EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL. 1.José foi inserido em medida sócio-educativa de internação, com prazo indeterminado. Durante o cumprimento da medida sócio-educativa, já tendo completado dezoito anos, praticou

Leia mais

Ação Institucional. Atividades associadas a criança/adolescente. Fluxo. Fatos concretos. Referência legal. Decisão

Ação Institucional. Atividades associadas a criança/adolescente. Fluxo. Fatos concretos. Referência legal. Decisão Ação Institucional Atividades associadas a criança/adolescente Fluxo Fatos concretos Referência legal Decisão Ações junto as famílias e comunidade Observações Indicação externa Alerta para guia (Curto-circuito)

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 DJe de 17/06/2010 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 Dispõe quanto ao procedimento de habilitação de pretendentes

Leia mais

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS Partindo de levantamentos realizados no questionário da

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 DJe de 29/09/2011 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 Esclarece quanto ao procedimento de ajuizamento da ação de adoção, diretamente pelos requerentes

Leia mais

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 23ª VARA FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUÍZA FEDERAL TITULAR DRA. MARIA AMELIA ALMEIDA SENOS DE CARVALHO JUÍZA FEDERAL SUBSTITUTA DRA. LUCIANA DA CUNHA VILLAR

Leia mais

P r a t i c i d a d e no envio e recebimento das Vistas pelos Promotores;

P r a t i c i d a d e no envio e recebimento das Vistas pelos Promotores; Resumo Este documento contém orientações sobre como utilizar o sistema SAJPG5 para gerar Vistas ao Ministério Público do Estado de São Paulo através do conceito de Intimações Eletrônicas - Portal. Principais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS. Subseção I. Competência

CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS. Subseção I. Competência CAP. XII - 1 CAPÍTULO XII DO PLANTÃO JUDICIÁRIO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Subseção I Competência 1. O Plantão Judiciário destina-se exclusivamente: 1 a) ao conhecimento dos pedidos de habeas corpus

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS

MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS FASES PROCESSUAIS FASE POLICIAL OU INVESTIGATÓRIA Apreensão do adolescente pela prática de ato infracional Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA) AUTO DE APREENSÃO Flagrante

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Sumário Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Capítulo I LIÇÕES PRELIMINARES... 23 1. Introdução... 23 2. Proteção

Leia mais

CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Aracaju-SE, junho de 2015 1 SUMÁRIO I - APRESENTAÇÃO... 3 II - PROCEDIMENTO NO SISTEMA INFORMATIZADO... 3 III - DO REGISTRO DA SITUAÇÃO

Leia mais

PROVIMENTO N.º CGJ- 03/2010

PROVIMENTO N.º CGJ- 03/2010 PROVIMENTO N.º CGJ- 03/2010 Disciplina a implantação e estabelece normas para o funcionamento do processo judicial eletrônico nas unidades jurisdicionais do Poder Judiciário do Estado do Bahia. A DESEMBARGADORA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

PORTARIA N 1840/CGJ/2011

PORTARIA N 1840/CGJ/2011 DJe de 25/11/2011 (cópia sem assinatura digital) PORTARIA N 1840/CGJ/2011 Dispõe sobre a concessão, no âmbito do Estado de Minas Gerais, de autorização de viagem para o exterior de crianças e adolescentes

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DEPARTAMENTO DE SUPORTE E INFORMAÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DEPARTAMENTO DE SUPORTE E INFORMAÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DEPARTAMENTO DE SUPORTE E INFORMAÇÃO SUMARIO: 1. Histórico do Sistema... 3 2. Perfis dos Usuários... 4 3. Solicitação de Acesso... 5 4. Acessando o Sistema...

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI

CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI MANUAL DE JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.1 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 OBJETIVOS...4 OBSERVAÇÕES...5 USUÁRIOS...5 1. ACESSO AO SISTEMA...6 2. SISTEMA

Leia mais

MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS

MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS Ato Infracional: é tudo o que para um adulto seria crime ou contravenção penal. Se praticado por criança, serão aplicadas as medidas protetivas. Se for cometido

Leia mais

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou?

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? O Conselho Superior da Justiça do Trabalho editou a nova Resolução 136/2014, revogando a Resolução 94/2012 que regulamenta o sistema PJe-JT

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013.

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013. AVISO CGJ Nº 26 de 30 de Janeiro de 203. O Desembargador ANTONIO JOSÉ AZEVEDO PINTO, Corregedor Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso

Leia mais

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973

Leia mais

Seção 20 Da Gravação de Audiências

Seção 20 Da Gravação de Audiências Seção 20 Da Gravação de Audiências 2.20.1 Nas audiências criminais, salvo impossibilidade material momentânea, devidamente anotada em ata, o registro dos depoimentos do investigado, do indiciado, do ofendido

Leia mais

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUÇÃO Nº. 16/2009 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA SAJPG5 PROCESSOS EM PAPEL E PROCESSOS DIGITAIS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA SAJPG5 PROCESSOS EM PAPEL E PROCESSOS DIGITAIS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA SAJPG5 PROCESSOS EM PAPEL E PROCESSOS DIGITAIS ORIENTAÇÕES GERAIS No decorrer do ano de 2012/2013 o Plano PUMA implantou sistema único em todo o Estado. Tal sistema abrange área

Leia mais

Agrupadores. GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE Jessiane Carla Siqueira Moreira Assessoria de Apoio à Primeira Instância JUIZ E SEUS ASSISTENTES

Agrupadores. GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE Jessiane Carla Siqueira Moreira Assessoria de Apoio à Primeira Instância JUIZ E SEUS ASSISTENTES Agrupadores JUIZ E SEUS ASSISTENTES»Processos com pedido liminar ou de antecipação de tutela não apreciado GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE DIRETOR E SEUS ASSISTENTES»Processos com Petições Avulsas»Processos

Leia mais

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo 29 Protocolo 2. DISTRIBUIÇÃO A previsão legal dos atos de distribuição e registro está no Código de Processo Civil, nos artigos 251 a 257. A distribuição tem a função de dividir os processos entre juízos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos.

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. Proposto por: Equipe da Central de Assessoramento Criminal DIGITAR DOCUMENTOS Analisado por: Escrivão/RE da Central de Assessoramento Criminal Aprovado por: ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o processo judicial eletrônico no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR

Leia mais

Código: MAP-COGER-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAP-COGER-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAP-COGER-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Serviços Auxiliares Aprovado por: Corregedoria Geral da Justiça 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios e procedimentos

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010. PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010. Disciplina, no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região, a digitalização e a remessa de processos através de sistema eletrônico ao Tribunal Superior do Trabalho,

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

2. TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO PODER JUDICIÁRIO

2. TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO PODER JUDICIÁRIO 1. APRESENTAÇÃO O Conselho Nacional de Justiça CNJ, a fim de melhorar os serviços prestados pela Justiça aos cidadãos, visando aprimorar a coleta de informações estatísticas essenciais ao planejamento

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3a REGIÃO. Gabinete da Presidência ORDEM DE SERVIÇO GP N. 2, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2015. outras providências.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3a REGIÃO. Gabinete da Presidência ORDEM DE SERVIÇO GP N. 2, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2015. outras providências. ORDEM DE SERVIÇO GP N. 2, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2015. Regulamenta a prestação de serviços durante o período de recesso previsto na Lei n. 5.010/66 e dá outras providências. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 25, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2007.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 25, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2007. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 25, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2007. Cria o Núcleo de Ação Estratégica NAE, altera dispositivos da Resolução n. 12, de 2006, e dá outras providências. O CONSELHO

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA Processo CG nº 681/2006. Procedimentos

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA Processo CG nº 681/2006. Procedimentos Projeto Paternidade Responsável. Procedimentos genitoras Primeira Etapa Convocação das 1) Seleção de escolas Verificar no material fornecido o nome do Dirigente Regional, com o qual será feito contato

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N.

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N. PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N. 49/2008 A Doutora Luciana de Souza Sanchez, Juíza Federal Titular,

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ANTONIO CEZAR LIMA DA FONSECA DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 3!! Edição Ampliada, revisada e atualizada de acordo com as Leis n~ 12.594/12 (SINASE), 12.696/12 (Conselho Tutelar), 12.852/13 (Estatuto

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Virtualização do processo judicial André Luiz Junqueira 1. INTRODUÇÃO A Associação dos Juizes Federais do Brasil (AJUFE) encaminhou um projeto de lei sobre a informatização do processo

Leia mais

PROVIMENTO CG NO 28/2006

PROVIMENTO CG NO 28/2006 Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Página 1 de 6 ~ r- PORTAL 00 Tribunal de Justiça do Estado de SAO PAULO N TJ Notícias r Institucional I Links Jurídicos I TJ Responde I Mapa PROVIMENTO CG NO

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA JUSTIÇA FLUXO DO PROCEDIMENTO CÍVEL

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA JUSTIÇA FLUXO DO PROCEDIMENTO CÍVEL ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA JUSTIÇA FLUXO DO PROCEDIMENTO CÍVEL FLORIANÓPOLIS 2011 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 Visão Geral do Sistema... 3 1.1. Acesso ao

Leia mais

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA 1º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL COMARCA DE RIO BRANCO

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA 1º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL COMARCA DE RIO BRANCO RELATÓRIO DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA 1º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL COMARCA DE RIO BRANCO Abril de 2015 Apresentação A Correição Ordinária, prevista no art. 40, 2º, da Lei Estadual nº 221/2010, tem como precípua

Leia mais

COMUNICAÇÃO/CARGA POSTAL

COMUNICAÇÃO/CARGA POSTAL ANEXO I COMUNICAÇÃO/CARGA POSTAL Manual explicativo voltado à realização da carga postal, nos termos da Resolução 9/212/TJSE, e do Convênio nº 5/212, junto à Procuradoria Federal e Procuradoria Federal

Leia mais

Provimento CG Nº 21/2014

Provimento CG Nº 21/2014 Provimento CG Nº 21/2014 (Processo 2014/119993) Insere o Capítulo XI Do Processo Eletrônico ao Tomo I das Normas de Serviço da Corregedoria Geral de Justiça. O Desembargador HAMILTON ELLIOT AKEL, Corregedor

Leia mais

DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PJe Manual do Servidor (2º Grau) Versão 2.0 Diretoria da Tecnologia da Informação 1 DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PJe Manual

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para a realização da gestão do Cartório de Juizado Especial Cível (JEC).

Estabelecer critérios e procedimentos para a realização da gestão do Cartório de Juizado Especial Cível (JEC). Proposto por: Equipe do Juizado Especial Cível Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS coordenador) Aprovado por: Juiz de Direito Coordenador do SIGA/JEC 1 OBJETIVO Estabelecer critérios

Leia mais

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.)

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) Institui, no âmbito da Justiça de Primeiro Grau do Estado de Mato Grosso do Sul, o sistema eletrônico

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 Dispõe sobre o Registro de Entidades não Governamentais e Inscrição de Programas, Projetos e Serviços de Atendimento, governamentais e não governamentais, que tenham por

Leia mais

ANTONIO FERNANDO BARROS E SILVA DE SOUZA Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público

ANTONIO FERNANDO BARROS E SILVA DE SOUZA Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 33, de 15º DE DEZEMBRO DE 2008. Altera a Resolução n 25, de 03 de dezembro de 2007 O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício das atribuições

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para organizar e realizar sessões de julgamento.

Estabelecer critérios e procedimentos para organizar e realizar sessões de julgamento. Proposto por: Analisado por: Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria Geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais (DGJUR) Integrante da Comissão de Gestão Estratégica (COGES) Chefe do Poder Judiciário do

Leia mais

PROVIMENTO Nº CGJPE 13, de 13 de dezembro de 2012. funcionamento. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, Desembargador Frederico Ricardo de

PROVIMENTO Nº CGJPE 13, de 13 de dezembro de 2012. funcionamento. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, Desembargador Frederico Ricardo de PROVIMENTO Nº CGJPE 13, de 13 de dezembro de 2012 EMENTA: Institui o Sistema Processo Judicial Eletrônico da Corregedoria Geral da Justiça de Pernambuco PJe-CGJPE, como sistema informatizado de tramitação

Leia mais

ANEXO IV TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS - ÁREA- FIM

ANEXO IV TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS - ÁREA- FIM TABELA DE TEMPORALIDADE E DE DOCUMENTOS - ÁREA- FIM 700 ATIVIDADES JUDICIÁIS DE 1ª INSTÂNCIA 710 VARAS DO TRABALHO 710.1 - Alvará de Seguro Desemprego Original - Requerente Até retirada Via - Pasta 2 anos

Leia mais

PROVIMENTO Nº 01/2012

PROVIMENTO Nº 01/2012 PROVIMENTO Nº 01/2012 EMENTA: Dispõe sobre os requisitos mínimos de segurança que deverão existir nos alvarás judiciais e dá outras providências. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, Desembargador Jones Figueirêdo

Leia mais

Sequência de Atividades:

Sequência de Atividades: Passo a passo para demonstração da forma de inserção do inteiro teor das sentenças no sistema SIDAP-PRODESP. Sequência de Atividades: I) Acessar o Menu Acompanhamento / Sentenças / Cadastro de Sentenças,

Leia mais

PORTARIA N 003/JIJ/2010

PORTARIA N 003/JIJ/2010 DJe de 03/08/2010 (cópia sem assinatura digital) PORTARIA N 003/JIJ/2010 Regulamenta a admissão e o exercício da função de Comissário da Infância e da Juventude Voluntário da Vara Cível da Infância e da

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais e incidentais.

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais e incidentais. RAD- Proposto por: Equipe da Vara Empresarial AUTUAR PROCESSOS JUDICIAIS Analisado por: RAS da Vara Empresarial Aprovado por: Juiz de Direito da Vara Empresarial 1 OBJETIVO Estabelecer critérios e procedimentos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ RESOLUÇÃO Nº 005/2008-GP.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ RESOLUÇÃO Nº 005/2008-GP. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ RESOLUÇÃO Nº 005/2008-GP. Dispõe sobre a Implantação e estabelece normas para o funcionamento do processo judicial eletrônico no Poder Judiciário

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008. -0> AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre o processo administrativo para a apuração de infrações e aplicação de penalidades, no âmbito da competência da

Leia mais

Peticionar Inquérito e Outros Documentos

Peticionar Inquérito e Outros Documentos Peticionar Inquérito e Outros Documentos Este manual se destina a orientar a Polícia Civil a realizar o Peticionamento de Inquéritos e Outros Documentos (exceto Auto de Prisão em Flagrante) para o Tribunal

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12

Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12 Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12 O Corregedor Nacional de Justiça, Ministro Gilson Dipp, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que durante as inspeções

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 Dispõe sobre o procedimento de reconstituição e restauração dos autos de processos do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

TESTE CONHECIMENTO ESPECÍFICOS

TESTE CONHECIMENTO ESPECÍFICOS Página 1 de 6 NOME: TESTE CONHECIMENTO ESPECÍFICOS LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1 - Verifique se este teste de conhecimento específico contém 10 (dez) questões objetivas. 2 - Para o presente teste

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação O SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL A ADOLESCENTES

Leia mais

1. NOVIDADES DO NÚMERO ÚNICO DE PROCESSO. 1.1 Resolução nº 65 do CNJ. 1.2 Conversão do Número do Processo. 1.3 Novos ícones

1. NOVIDADES DO NÚMERO ÚNICO DE PROCESSO. 1.1 Resolução nº 65 do CNJ. 1.2 Conversão do Número do Processo. 1.3 Novos ícones 1. NOVIDADES DO NÚMERO ÚNICO DE PROCESSO 1.1 Resolução nº 65 do CNJ 1.2 Conversão do Número do Processo 1.3 Novos ícones 1 Tela Antiga Tela Nova 2 2. NOVIDADES DA VISUALIZAÇÃO DAS FILAS DE TRABALHO 2.1

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 11, de 28 de maio de 2010. Institui, no âmbito da Justiça do Estado do Ceará, o sistema eletrônico de tramitação de processos judiciais, de comunicação de atos e de transmissão de peças processuais,

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Conteúdo. Juízes Titulares das Varas Digitais COORDENADORIA DAS VARAS DIGITAIS JUIZ COORDENADOR: RICARDO GOMES FAÇANHA

Conteúdo. Juízes Titulares das Varas Digitais COORDENADORIA DAS VARAS DIGITAIS JUIZ COORDENADOR: RICARDO GOMES FAÇANHA Conteúdo 1. Para distribuir uma ação nova:... 3 2. Como protocolar uma petição nas varas digitais... 4 3. Dicas Úteis... 5 4. Materialização do processo digital... 7 5. Consulta do Processo... 7 6. Responsabilidade...

Leia mais

Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual

Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual Resolução CNMP Nº 20 de 28/05/2007 Dados da Entidade Visitada Nome: CPF ou CNPJ:: Endereço: Município: UF: Telefones c/ddd: Seção I Identificação

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N 358, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N 358, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N 358, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos administrativos físico e híbrido de ressarcimento ao SUS, previsto no art. 32 da Lei n 9.656, de 3 de junho de 1998,

Leia mais

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria-SEI 1 de 4 de agosto de 2015, que instituiu o Sistema Eletrônico de Informações - SEI no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O

Leia mais

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Procedimento administrativo nº 201400036940 RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Objeto: Dispõe sobre o dever de atuação de diversas autoridades públicas, durante a Romaria Nossa Senhora d'abadia do Muquém

Leia mais

DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PJe Manual do Servidor de Secretaria Versão 1.0 Diretoria da Tecnologia da Informação 1 DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PJe Manual

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS Orientador Empresarial Crimes contra a Ordem Tributária Representações pela RFB - Procedimentos a

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÕES DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Estatuto da Criança e do Adolescente Prof.: Luciano Alves Data: 03.12.

CURSO DE RESOLUÇÕES DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Estatuto da Criança e do Adolescente Prof.: Luciano Alves Data: 03.12. CURSO DE RESOLUÇÕES DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Estatuto da Criança e do Adolescente Prof.: Luciano Alves Data: 03.12.2010 Aula nº 2 MATERIAL DE APOIO MONITORIA 01) (Defensor Público DPE/SP 2010).

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.714. INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler.

RESOLUÇÃO Nº 22.714. INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. RESOLUÇÃO Nº 22.714 INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre a fiscalização do sistema eletrônico de votação, a votação paralela e a cerimônia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008

RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008 1 RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008 Dispõe sobre o Regimento Interno da Junta Recursal do Programa Estadual de Proteção e Defesa ao Consumidor JURDECON e dá outras providências. O Colégio de Procuradores de Justiça

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

2 - FORO JUDICIAL - OUTROS DOCUMENTOS

2 - FORO JUDICIAL - OUTROS DOCUMENTOS 2 - FORO JUDICIAL - OUTROS DOCUMENTOS 2-1 - Acórdãos 2-1 - Acórdãos 5 anos* 5 anos X - *Cópias de acórdãos -1-1 - -1-2 - -1-3 - 2-1-1 - Acórdãos - conclusões 2-1-2 - Acórdãos - publicados 2-1-3 - Acórdãos

Leia mais

Autorização de Viagem

Autorização de Viagem 1ª Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Autorização de Viagem Viagem nacional Viagem internacional 1ª Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Renato Rodovalho Scussel Juiz de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria SEI

Leia mais

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO MANUAL DO ADVOGADO E DO PROCURADOR MÓDULO 3 Sumário 1 Painel do Advogado/Procurador3 11 Aba Processos 3 111 Aba Pendentes de Manifestação

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para atendimento à solicitação de informações formulada por usuários.

Estabelecer critérios e procedimentos para atendimento à solicitação de informações formulada por usuários. Proposto por: Juiz de Direito Analisado por: Integrante da Comissão de Gestão Estratégica (COGES) Aprovado por: Chefe do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (PJERJ) ATENÇÃO: A cópia impressa a

Leia mais

PORTARIANº 032/2015-DF

PORTARIANº 032/2015-DF PORTARIANº 032/2015-DF O Doutor ARISTEU DIAS BATISTA VILELLA, Juiz de Direito e Diretor do Foro da, no uso de suas atribuições legais, com fundamento nos artigos 52, inciso XV, da Lei nº 4.964, de 26 de

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015 Regula o procedimento a ser adotado nas medidas assecuratórias em matéria processual-penal e as providências a serem adotadas quando decretada a perda de bens móveis ou imóveis

Leia mais

PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008

PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008 PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008 O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das suas atribuições legais e tendo em vista o disposto no art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, no Título

Leia mais

Vara Regional da Infância e Juventude da 1ª Circunscrição Judiciária

Vara Regional da Infância e Juventude da 1ª Circunscrição Judiciária Vara Regional da Infância e Juventude da 1ª Circunscrição Judiciária PORTARIA Nº 06/2011 Diário de Justiça Eletrônico Disciplina o procedimento para a entrada e permanência de crianças e adolescentes em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG 1 Sumário CAPITULO I... 3 Do Regimento Interno... 3 CAPITULO II... 3 Do Registro e Inscrição dos Golfistas... 3 CAPITULO III... 3 Da

Leia mais

ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE

ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE 1 ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE CARTILHA SOBRE O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Elaborado por: Gerência de Sistemas Judiciais Informatizados (GEJUD). Atualizada em: 23/03/2015.

Leia mais

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ Modifica o Provimento nº 71/2008, estabelecendo novas regras para a gravação audiovisual de audiências. atribuições legais, O Corregedor-Geral da Justiça, no uso de suas Considerando

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais