GUSTAVO CEZAR ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOLUÇÕES ESTRUTURAIS EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO E MOLDADO IN LOCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUSTAVO CEZAR ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOLUÇÕES ESTRUTURAIS EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO E MOLDADO IN LOCO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GUSTAVO CEZAR ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOLUÇÕES ESTRUTURAIS EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO E MOLDADO IN LOCO Itajaí 2010

2 GUSTAVO CEZAR ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOLUÇÕES ESTRUTURAIS EM CONCRETO PRÉ-MOLDADO E MOLDADO IN LOCO Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado como requisito parcial para aprovação na disciplina de Trabalho de Iniciação Científica e Tecnológica pela Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar. Orientador: Prof. Luiz Alberto Duarte Filho, MSc. Itajaí 2010

3 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Pré-moldado de seção parcial Figura 2: Aplicação de pré-moldados Figura 3: Mundocar Mais Shoping, com 24500m² (BPM PRÉ-MOLDADOS, 2010) Figura 4: Esquemas construtivos com elementos retos. (EL DEBS, 2000) Figura 5: Estrutura aporticada para edificações de múltiplos pavimentos. (EL DEBS, 2000) 17 Figura 6: Pré-moldado com núcleo rígido. (REVISTA TÉCHNE, 2008) Figura 7: Aplicação de estrutura com núcleo. (CASSOL PRÉ-FABRICADOS, 2010) Figura 8: Estrutura em esqueleto e com painéis. (EL DEBS, 2000) Figura 9: Seções de pilares: quadrada, retangular, circular e I Figura 10: Seções usuais de vigas: retangular, I, T invertido e L Figura 11: Painéis: PI ou TT e alveolar Figura 12: Blocos e sapatas Figura 13: Arestas e chanfros em peças pré-moldadas Figura 14: Fluxograma das atividades de produção de peças de concreto pré-moldado Figura 15: Deformação da peças de concreto em função de armazenamento inadequado Figura 16: Exemplo de carreta extensiva (MUNCKMAQ, 2010) Figura 17: Diagrama operacional de carga (G&P GUINDASTES, 2010) Figura 18: fator de restrição a rotação (NBR 9062:2006) Figura 19: Relação momento-rotação na ligação viga pilar. (NBR 9062:2006) Figura 20: Ligações articuladas (EL DEBS, 2000) Figura 21: Ligações semi-rígidas e rígidas (EL DEBS 2000) Figura 22: Detalhes de ligações rigidas (EL DEBS, 2000) Figura 23: Exemplo de ligação rígida (MIGLIORE, 2005) Figura 24: Trajetórias das tensões em consolos curtos (EL DEBS, 2000) Figura 25: Idealização do comportamento e esquema das armaduras (EL DEBS, 2000) Figura 26: Elementos do consolo para dimensionamento Figura 27: Detalhes da armadura para consolo (EL DEBS, 2000) Figura 28: Elementos para dimensionamento de dente Gerber Figura 29: Analogia de biela comprimida para dente gerber Figura 30: Pavimento Térreo (sem escala) Figura 31: Mezanino (sem escala) Figura 32: Sobre loja (sem escala)... 46

4 iv Figura 33: Perspectiva da edificação de estudo (sem escala) Figura 34: Vista lateral (sem escala) Figura 35: Vista frontal (sem escala)... 47

5 v LISTA DE TABELAS E QUADROS Quadro 1: Estágios de desenvolvimento da construção civil (adaptado de El Debs, 2000) Quadro 2: Tipos de pré-moldados, adaptado de El Debs (2000) Quadro 3: Vantagens e desvantagens do concreto pré-moldado, adaptado de El Debs (2000) 14 Quadro 4: Tolerâncias de fabricação para elementos pré-moldados (NBR 9062:2006)... 31

6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA HISTÓRICO CONCEITO DE PRÉ-FABRICADOS E PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO INDUSTRIALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO TIPOS DE PRÉ-MOLDADOS VANTAGENS DE DESVANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DE PRÉ-MOLDADOS APLICAÇÕES DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO PARA EDIFÍCIOS ELEMENTOS USUAIS PRODUÇÃO DE CONCRETO PRÉ-MOLDADO TRANSPORTE E MONTAGEM DIMENSIONAMENTO Aspectos gerais de projeto Estabilidade global Análise estrutural Tolerâncias dimensionais Ligações Consolos Dentes Gerber METODOLOGIA PERSPECTIVA DA PESQUISA PROCEDIMENTO E INSTRUMENTOS DE COLETA E ANÁLISE DE INFORMAÇÕES APRESENTAÇÃO DO PROJETO ANALISADO CRONOGRAMA REFERÊNCIAS... 49

7 7 1. INTRODUÇÃO A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC, 2010), em análise apresentada no mês de março de 2010, afirma que os reflexos da crise econômica de 2008 trouxeram incertezas e preocupações, fazendo com que as atividades do setor de construção civil declinassem no ano de Observa também que, hoje, o cenário é de um processo de recuperação e fortalecimento das atividades. Se comparado a outros países, o Brasil sofreu um impacto menor dos efeitos da crise econômica. Assim, além de ser destaque em termos de superação desta, apresenta uma série de boas notícias: a conquista de grau de investimento pelas agências classificatórias de risco, o direito de sediar a copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 e, apesar das dificuldades técnicas para sua extração a serem superadas, a descoberta de petróleo na camada pré-sal. Os eventos mencionados, apesar de ocorrerem em determinadas regiões, não tem sua influência limitadas apenas à localização geográfica. Exigem a preparação de outros setores, além dos estádios e ginásios. As estruturas a serem construídas para atender a demanda destes setores devem ser executadas de forma rápida e eficiente, sem comprometer o programa de necessidades, atendendo à normas específicas, com baixo custo e o mínimo de impacto ambiental possível. Esta realidade justifica a busca por soluções industrializadas. Para Viero (2008, p.10), a essência da industrialização é produzir um objeto sem mão de obra artesanal, com máquinas utilizadas por operários especializados, diminuindo assim o tempo despendido em cada etapa construtiva, de tal forma a reduzir os custos aumentando a produtividade e a qualidade do produto final. El Debs (2000, p. 11) coloca que a pré-fabricação é um modelo industrial de construção em que os elementos fabricados em grandes séries, por métodos de produção em massa, são montados na obra, mediante equipamentos e dispositivos de elevação. Este ainda comenta (2000, p. 5) que o campo de aplicação do concreto pré-moldado (préfabricado) é muito amplo. Praticamente toda a construção civil pode se valer, em um grau menor ou maior, da utilização destes tipos de peças. Algumas das aplicações são: edificações comerciais, industriais e habitacionais, equipamentos urbanos como hospitais, terminais rodoviários e ferroviários, estádios e arenas, pontes e viadutos.

8 Objetivos Objetivo geral Estudar a viabilidade técnica e econômica do uso de estruturas pré-fabricadas para um edifício comercial de três pavimentos em concreto armado Objetivos específicos a) Definir um projeto arquitetônico para uma edificação comercial de 3 pavimentos; b) Estudar a aplicação de estruturas pré-fabricadas para edifícios; c) Estudar o programa Eberick V5 e dimensionar a estrutura adotada, considerando-a moldada in loco; d) Dimensionar e detalhar o projeto manualmente, considerando a solução em concreto pré-fabricado. e) Determinar os custos estimados para a execução da estrutura em concreto moldado in loco e concreto pré-fabricado; f) Comparar técnica e economicamente estas soluções.

9 Justificativa O nível de desenvolvimento tecnológico da indústria da construção civil ainda é incomparavelmente mais atrasado que o dos demais setores da indústria convencional. (CAMPOS, 2010). Em contra partida, o cenário da construção civil tem prazos cada vez mais curtos, exigências de redução de custos e mitigação do impacto ambiental. Como solução de alguns destes problemas, os sistemas industrializados de construção, com elementos pré-moldados ou pré-fabricados, contribuem de forma significativa. Entretanto, este sistema ainda é pouco utilizado, como apontam Albuquerque e El Debs (2005, p. 7) em pesquisa realizada com fabricantes de estruturas pré-moldadas de todas as regiões. Seu trabalho mostra que, em média, 70% das obras realizadas não são originalmente concebidas para utilização do sistema pré-moldado, sendo adaptados de projetos para estruturas moldadas in loco. Os mesmos autores citam ainda como dificuldade de expansão o pouco conhecimento do sistema pelos integrantes da cadeia produtiva da construção civil. Por outro lado, Oggi (2010) afirma que mesmo com o atraso deste desenvolvimento, a construção civil já avançou o máximo possível em desempenho e produtividade com soluções nas quais todos os materiais são processados in loco. Também comenta que este setor não conseguirá evoluir sem alterar a compreensão do que é construir de maneira industrializada. Por tudo isso, percebe-se a necessidade do desenvolvimento de novos estudos sobre concreto pré-fabricado, principalmente que envolvam comparações econômicas relativas ao concreto moldado in loco.

10 10 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1. Histórico A pré-fabricação de elementos para construção de edificações está presente na origem das civilizações. Para verificar isto, podem-se tomar como exemplo as pirâmides do Egito, onde se encontram elementos repetidos do início até o fim da estrutura e que, acredita-se, foram moldados fora do local da utilização final. Quanto às peças pré-moldadas de concreto, Silva (2003) apresenta informações relacionando diretamente sua origem com a do próprio concreto, observando que o barco de Lambot, em 1855, e o vaso de flores de Monier, em 1861, podem ser considerados elementos prémoldados. Após, no ano de 1891, a firma Coighet viabilizou tecnicamente a pré-fabricação de vigas de concreto armado para construção do cassino de Biarritz (SILVA, 2003). Já no Brasil, comenta o mesmo autor, o primeiro registro de utilização de pré-moldados é o Hipódromo da Gávea, na cidade do Rio de Janeiro, em 1926, sendo utilizadas estacas para a fundação e cercas no seu perímetro Conceito de pré-fabricados e pré-moldados de concreto A NBR 9062:2006 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-moldado diferencia pré-moldado e pré-fabricado de concreto apenas em função do controle de qualidade, que é mais rigoroso no processo de pré-fabricação. A produção pode ser em ambiente industrial, numa fábrica, ou no próprio canteiro de obras, mas para ser considerado como pré-fabricado receberá, indiferente do local de produção, o controle rigoroso de qualidade mencionado. Como mencionado anteriormente, El Debs (2000) coloca que a pré-fabricação é um método industrial de construção em que os elementos fabricados em grandes séries, por métodos de produção em massa, são montados na obra mediante equipamentos e dispositivos de elevação. Segundo o mesmo autor, pode-se dizer que a pré-moldagem, aplicada à produção em massa, com controle de qualidade elevado, resulta na pré-fabricação, que é uma forma de industrializar a construção. É corrente a utilização da nomenclatura pré-moldados de concreto para o que, na verdade, são pré-fabricados, inclusive o autor anteriormente citado utiliza esta nomenclatura, diferente da definição apresentada pela NBR 9062/2001.

11 Industrialização da construção A construção civil, como qualquer setor produtivo, pode ser caracterizada com três estágios de desenvolvimento: manufatura, mecanização e industrialização. Seguindo esta caracterização o Quadro 1 apresenta os estágios de desenvolvimento da construção civil relacionados pelo autor. Quadro 1: Estágios de desenvolvimento da construção civil (adaptado de El Debs, 2000) Atividades Estágios de desenvolvimento Manufatura Mecanização Industrialização Planejamento Improvisação Projeto Planificação Unidade produtiva Individual Empresa Fábrica Produção Unitária Unitária com máquina Massiva Recursos/investimentos Ferramentas manuais Investimento em equipamento Investimento em máquinas Estas características mostram a diferença entre os estágios e fica claro que quanto maior o grau de industrialização, maior a capacidade produtiva. Apesar da singularidade do produto final da construção civil, existem elementos, peças ou partes que são repetidos. Se a abordagem da produção focar neste aspecto, é possível obter ganhos em tempo, qualidade e produtividade com uma execução mais racional. Produzir industrialmente ainda apresenta dois tipos de classificação possíveis: industrial de ciclo aberto e industrial de ciclo fechado. Silva (2003), observando o aspecto histórico da produção de concreto pré-moldado, comenta que na primeira fase do desenvolvimento desta indústria, investiu-se bastante no ciclo fechado, onde as peças fazem parte de um único sistema ou solução proprietária, fornecido por uma única empresa. Também comenta que atualmente se tem buscado a industrialização com sistema de produção de ciclo aberto, possuindo como principal característica o emprego de elementos de diferentes procedências. A produção industrial apenas se torna viável quando a quantidade de peças a serem produzidas é de monta que justifique o investimento no aperfeiçoamento de processos e aquisição de maquinários, promovendo a redução de prazos ou aumentando a lucratividade desta produção.

12 12 Para Oggi (2010), construção industrializada é aquela em que, com planejamento, chega-se a um canteiro com elementos dependendo simplesmente da montagem, como a indústria automobilística, onde as empresas mantêm apenas a linha de montagem, sendo esta a indústria utilizada normalmente como padrão de comparação Tipos de pré-moldados De um modo geral os pré-moldados de concreto podem ser classificados de acordo com o Quadro 2, segundo El Debs (2000). Quadro 2: Tipos de pré-moldados, adaptado de El Debs (2000) Tipo Local de produção Pré-moldado de fábrica Pré-moldado de canteiro Característica da seção Pré-moldado de seção completa Pré-moldado de seção parcial Peso Pré-moldado pesado Pré-moldado leve Aparência Pré-moldado normal Pré-moldado arquitetônico Para El Debs (2000), quando produzidos em fábrica, os pré-moldados podem atingir a qualificação de pré-fabricados, mas não é uma condição necessariamente verdadeira. Isto irá depender do controle de qualidade. A produtividade da fábrica esta diretamente ligada aos investimentos em fôrmas e equipamentos. Neste tipo de produção, deve-se levar em conta o transporte até a obra, com atenção as dimensões possíveis de serem transportadas em função da largura e altura das estradas e ruas. Já na produção em canteiro de obras, as fôrmas são temporariamente instaladas em local próximo à obra, com a vantagem de a distância a Sr percorrida durante o transporte ser muito menor. Neste caso, a produtividade irá depender da sofisticação dos equipamentos utilizados e da capacitação da mão de obra. Também não incide sobre estas peças a carga tributária referente ao transporte de mercadorias industrializadas. Os elementos pré-moldados de seção completa têm sua seção resistente moldada fora do local de utilização, recebendo apenas concreto moldado in loco para acabamento, ligação ou regularização. Por outro lado, os elementos pré-moldados de seção parcial têm uma parte da seção resistente concretada na obra, normalmente no local de utilização. Estes formam o que é chamado de

13 13 elemento composto e a estrutura passa a ser também composta. Uma vantagem interessante desta solução é aumentar o grau de engastamento das ligações entre as peças, proporcionando maior monolitismo à estrutura. A Figura 1 apresenta um exemplo de solução composta. Figura 1: Pré-moldado de seção parcial. O que diferencia o pré-moldado leve do pesado é o fato de não haver a necessidade de equipamentos especiais para movimentação e montagem das peças. Como exemplo de prémoldado leve pode-se citar as vigotas para produção de lajes nervuradas. Pré-moldados normais se diferenciam dos pré-moldados arquitetônicos pelo tipo de acabamento dado às peças. Pode o concreto ser aparente, com acabamento liso ou receber uma camada de polimento, tijolo cerâmico, pedra e até texturas e relevo. É muito comum o seu uso em fachadas, em painéis estruturais ou não Vantagens de desvantagens da utilização de pré-moldados El Debs (2000) apresenta um resumo de vantagens e desvantagens apontadas pela literatura técnica. Estas características são tomadas como possíveis de ocorrerem quando da utilização do sistema pré-moldado e acontecem em maior ou menor grau, dependendo de fatores como grau de industrialização na produção, tecnologia empregada, seleção de materiais. Algumas destas vantagens e desvantagens são antagônicas e, dependendo do ponto de vista, se tornam inconsistentes. O Quadro 3 apresenta algumas delas. Os aspectos apresentados neste quadro são em alguns pontos contraditórios, inclusive sendo citado pelo autor este fato (EL DEBS, 2008). É apenas uma coletânea de argumentos propostos por outros autores, que devem ser tomados como ponto de reflexão. Um ponto chave de discussão são os aspectos econômicos. A técnica da utilização de sistemas pré-moldados no Brasil é bastante avançada, mesmo estando aquém da desenvolvida no exterior, mas a redução de custos, ou melhor, o retorno financeiro da utilização deste tipo de solução ainda deixa muitos profissionais da área em dúvida.

14 14 Quadro 3: Vantagens e desvantagens do concreto pré-moldado, adaptado de El Debs (2000) Vantagens Facilidade na elaboração de projeto, em especial na resolução de detalhes; Melhoria da qualidade dos trabalhos realizados mecanicamente; Controle de qualidade facilitado; Menor necessidade de juntas de dilatação; Não ocorrência de interrupções de concretagem; Aproveitamento de partes de uma estrutura quando desmontadas; Pouco ou nenhum cimbramento. Redução do número de acidentes de trabalho; Segurança no emprego através da especialização; Trabalho protegido de intempéries; Remuneração mais elevada; Apontado como modelo mais efetivo para redução de déficit de construção; Livra o homem de trabalhos rudes e pesados. Redução de custos; Redução de prazos; Evita improvisos; Melhor adaptável à controle; Menores custos com seguros; Ferramenta de planificação. Aspectos Técnicos Aspectos Sociais Aspectos Econômicos Desvantagens Falta de monolitismo da estrutura. Problemas em juntas; Superdimensionamento em função de transporte e montagem para algumas peças; Dúvidas quanto a certos materiais ou sistemas; Dificuldade de transporte para peças grandes; Coordenação modular exigida; Dificuldades para adaptação a topografia. Produz desemprego; Doenças de profissão; Especialização em excesso, incapacitando o trabalhador para outros tipos de tarefas. Em geral é mais cara que a tradicional; Investimento elevado no início da préfabricação; Necessita de demanda adequada; Transporte do produto mais caro que dos materiais para produção. Também são mencionados aspectos que podem onerar a obra. A afirmação de que soluções pré-moldadas são mais caras que a tradicional deve ser melhor avaliada, pois os custos finais dependem de muitos fatores. Um fato é a velocidade com que o investimento deve ser

15 15 realizado, afetando diretamente o cronograma físico-financeiro do investidor, pois quando se opta pelo emprego desta técnica, há um investimento inicial elevado. Este se justifica do ponto de vista da empresa fornecedora de pré-moldados, sendo necessário para a aquisição de insumos para a produção. Quanto a ganho de tempo, este depende diretamente da capacidade produtiva da empresa contratada para a execução da estrutura. Se esta for aquém da necessidade, ou enfrentar problemas adversos com clima, atrasos de fornecedores ou problemas com mão de obra, poderá resultar em prazos idênticos ou maiores que o da solução convencional, moldada in loco Aplicações do concreto pré-moldado para edifícios Silva (2003) afirma que apesar da indústria nacional de pré-fabricados ser bastante desenvolvida, principalmente do ponto de vista técnico, ainda não tem sido aplicada toda sua potencialidade. As aplicações para o uso de pré-moldados são muito variadas, podendo ser utilizadas em quase todos os setores da construção civil. Aqui será dada especial atenção à estruturas para edificações de múltiplos pavimentos baixas, de até 6 pavimentos. A Figura 2 mostra a estrutura para um galpão, que pode ter uso industrial ou comercial, onde estão presentes placas ou painéis de fechamento, braços de cobertura, terças, pilares e vigas, além de utilizar lajes pré-moldadas também. Todos estes elementos são produzidos em fábrica e montados na obra. Terças Pilares Braços de cobertura ou viga inclinada Sapatas ou blocos sobre estacas Viga Baldrame Painéis de fechamento Figura 2: Aplicação de pré-moldados

16 16 A obra apresentada na Figura 3 mostra uma estrutura deste mesmo tipo, com mais de 24 mil metros quadrados, que teria um prazo de execução elevado caso fosse realizada de modo convencional. Figura 3: Mundocar Mais Shoping, com 24500m² (BPM PRÉ-MOLDADOS, 2010) El Debs (2000) apresenta uma série de maneiras diferentes de realizar este tipo de estrutura, sendo algumas apresentadas na Figura 4. São realizadas com elementos retos disposto de forma a estruturar a cobertura. Os elementos horizontais ou inclinados recebem os esforços solicitantes da cobertura, seja o peso próprio, seja a ação de vento ou chuva, e transferem para os elementos verticais, que levam às fundações, as quais transmitem ao solo. Figura 4: Esquemas construtivos com elementos retos. (EL DEBS, 2000) Por outro lado, para edificações baixas de múltiplos pavimentos (até seis pavimentos), são utilizados outras disposições e tipos de elementos. A Figura 5 mostra um sistema estrutural para este tipo obra.

17 17 Figura 5: Estrutura aporticada para edificações de múltiplos pavimentos. (EL DEBS, 2000) É possível construir estruturas mais altas com o sistema pré-moldado. Para isso, uma possível solução é a adoção de um núcleo rígido e transferência de esforços através de vigas e lajes para este núcleo. A Figura 6 apresenta o funcionamento deste sistema. Laje que funciona como diafragma, transmitindo os esforços horizontais para o núcleo Núcleo rígido de contraventamento Estrutura pré-moldada tipo esqueleto com ligações solidarizadas com traspasse de armadura e capa de concreto Figura 6: Pré-moldado com núcleo rígido. (REVISTA TÉCHNE, 2008) A Figura 7 mostra a aplicação deste modelo, em obra realizada pela Cassol Pré-fabricados.

18 18 Figura 7: Aplicação de estrutura com núcleo. (CASSOL PRÉ-FABRICADOS, 2010) Edifícios de múltiplos pavimentos podem ser executados com estruturas de esqueleto ou com painéis pré-moldados estruturais como visto na Figura 8. No caso de execução de estruturas em esqueletos, o fechamento pode ser realizado de forma convencional ou com painéis préfabricados, que tornam o sistema como um todo com um grau de industrialização maior. Também pode ser realizado o fechamento com blocos de concreto celular. Os pavimentos feitos nestes sistemas serão compostos com grandes panos de lajes, sendo recomendada assim a utilização de divisórias do tipo drywall. A adoção deste conjunto de soluções torna o tipo de uso de cada pavimento adaptável as necessidades do usuário/proprietário. Figura 8: Estrutura em esqueleto e com painéis. (EL DEBS, 2000) O enfoque deste trabalho é a utilização de estruturas pré-moldadas em concreto para edificações de múltiplos pavimentos, mas vale salientar que o CPM apresenta uma variaga ma gama aplicações, como pontes, túneis, galerias de drenagem, arquibancadas e reservatórios.

19 Elementos usuais Para a execução de estruturas pré-moldadas de múltiplos pavimentos são normalmente utilizados pilares, vigas e lajes. Suas dimensões e seções podem variar de forma significativa, dependendo do tipo de uso e do fabricante. As seções mais comuns são apresentadas por El Debs (2000) e estão representadas pelas Figura 9,Figura 10 e Figura 11. Figura 9: Seções de pilares: quadrada, retangular, circular e I Estas seções de pilares podem receber uma tubulação de PVC no centro para transporte de águas de chuva. Os pilares, quando para edificações de múltiplos pavimentos, podem ser feitos com variação de seção ao longo de seu comprimento. As dimensões das vigas apresentam grandes diferenças entre os fabricantes. Algumas empresas possuem fôrmas que podem apresentar grandes variações de seção, outras se limitam a algumas opções fixas. Este tipo de limitação é em função da capacidade de investimento da empresa nas fôrmas. Figura 10: Seções usuais de vigas: retangular, I, T invertido e L Os painéis podem ser utilizados como laje, recebendo para tal uma camada de cobrimento, ou podem ser utilizados como fechamentos, sendo fixados aos pilares e vigas.

20 20 Figura 11: Painéis: PI ou TT e alveolar A Figura 12 apresenta blocos e sapata do tipo cálice ou cofre, utilizados para fundação de estruturas pré-moldadas. Têm a função de transferir ao solo ou estaca a solicitação da estrutura. Também apresenta dimensões variadas. Figura 12: Blocos e sapatas Como observado por El Debs (2000), é importante que as arestas das peças sejam chanfradas para não ocorrer fissuração ou mesmo fratura da borda, que pode acontecer durante o processo de desfôrma, manuseio ou montagem. A Figura 13 ilustra como devem ser as arestas acabadas e também exemplifica o que pode ocorrer se não forem realizadas desta forma. Correto Incorreto Figura 13: Arestas e chanfros em peças pré-moldadas

21 21 Estas são as seções usuais para edificações de múltiplos pavimentos. Ainda existem outros tipos de elementos, muito comuns em estruturas do tipo galpão, como braços de cobertura, que são vigas inclinadas que podem ter seção variável ou não e terças Produção de concreto pré-moldado Seja no canteiro de obras, seja em fábrica, a produção de pré-moldados passa por uma série de etapas, desde o detalhamento das peças até a montagem final. No que se refere à produção das peças, Mamede (2001) apresenta um fluxograma contemplando a maior parte do processo. A Figura 14 apresenta uma adaptação deste, com o acréscimo de algumas etapas. As etapas deste fluxograma têm atividades comuns ao concreto moldado in loco, sendo diferenciadas no que se refere ao tipo de fôrma utilizado e no fato de as peças serem armazenadas e transportadas. Detalhamento Revisão Preparo da fôrma Produção da armadura Concretagem Conferência Posicionamento da armadura na forma Adensamento 1ª cura Desfôrma 2ª cura Correção Descarte Inspeção Acabamento Armazenamento Figura 14: Fluxograma das atividades de produção de peças de concreto pré-moldado Após a aprovação do detalhamento, ocorre a preparação das fôrmas e das armaduras, de acordo com o dimensionamento, seguido da conferência destas. Se houver necessidade, são feitas correções, caso aprovadas, segue-se para a concretagem e adensamento. A primeira cura permite ao concreto atingir resistência suficiente para suportar as movimentações que sejam

22 22 necessárias. Então, ocorre a desfôrma e nova verificação. Neste ponto, identifica-se a necessidade de correções ou inviabilidade de utilização da peça produzida, caso ocorra alguma incompatibilidade com o detalhamento. Ao final a peça recebe o acabamento e segue para o armazenamento. Sobre o detalhamento, a NBR 9062:2006 estabelece que os desenhos devem apresentar, de forma clara e precisa, as dimensões e posições dos elementos, bem como as armaduras, insertos, furos, saliências e aberturas projetadas. Estes desenhos devem ser realizados de tal forma que facilitem a produção montagem e controle de qualidade durante todo o processo. Se houver necessidade, devem apresentar referências a outros desenhos relacionados. No caso de correções ou alterações, estas devem ser registradas e corrigidas em todos os desenhos. Deve ainda incluir, no mínimo, os seguintes itens: tipo e resistência característica do concreto; tipo de aço utilizado, com dimensões e bitolas, quantidades, formas e detalhes das soldas e emendas; cobrimento da armadura e dos insertos em todas as faces; armaduras adicionais, executadas in loco se houver; volume e peso de cada elemento; detalhes das ligações que serão executadas na obra, com as características dos materiais que serão utilizados; tolerâncias dimensionais do elemento. Sobre as fôrmas, esta norma estabelece que possam ser constituídas de aço, alumínio, concreto ou madeira, revestido ou não com chapas metálicas, fibras, plásticos ou outros materiais, além de garantir a estabilidade dimensional, não gerando desvios dimensionais maiores que os aceitos pelas tolerâncias estabelecidas. A produção da armadura segue o disposto pela NBR 6118:2003, com atenção especial ao seu armazenamento e transporte, devendo ser realizados de tal forma que não prejudiquem sua conformação, garantido o posicionamento relativo das barras, protegendo-as contra ruptura dos vínculos de posicionamento. A NBR 9062:2006 preconiza que a armadura deve ser colocada na fôrma de tal maneira que fique assegurado seu posicionamento durante o lançamento do concreto. Para tal, permite a utilização de arames, tarugos de aço, espaçadores de concreto, argamassa ou material plástico, mas estes não podem comprometer o cobrimento mínimo prescrito. O preparo e o lançamento do concreto seguem o prescrito na NBR 6118/2003, sendo completamente vedada a utilização de amassamento manual. Seu adensamento deve ser feito de tal forma que não gere ninhos de concretagem ou segregação, nem permita o contato dos vibradores com a armadura, para evitar problemas de aderência com a ocorrência de vazios.

23 23 A cura, segundo a NBR 9062:2006, que pode ser normal ou acelerada, deve ser realizada com o concreto protegido da ação de agentes prejudiciais, como mudanças bruscas de temperatura, secagem, chuva forte, água torrencial e agentes químicos. O concreto também deve estar protegido de choques e vibrações que possam gerar fissuras ou prejudicar a aderência à armadura. A cura acelerada, realizada com aquecimento e presença de vapor ou não, deve ser realizada de forma que toda a peça seja aquecida uniformemente, tendo-se especial atenção com o tempo de início após a concretagem, com a velocidade de aquecimento, com a temperatura máxima de aquecimento, com o tempo de exposição e com o esfriamento. Estes parâmetros devem ser determinados por ensaios. Quanto aos processos de desfôrma, manuseio e armazenamento das peças de concreto prémoldado, a NBR 9062:2006 estabelece que devem ser realizados com equipamentos e acessórios apropriados em pontos de suspensão localizados nas peças, perfeitamente definidos em projeto, evitando-se choques e movimentos abruptos. No armazenamento, as peças devem estar protegidas do contado direto com superfícies abrasivas e arestas angulares que possam vir a danificar a peça, com apoios sobre terreno plano e firme. Podem ser formadas pilhas com as peças pré-moldadas, mas devem ser intercalados elementos de apoio, para evitar o contato entre elementos superpostos. Estes elementos devem situar-se em regiões previstas em projeto e constituídos de material que não danifique as peças. É comum o uso de madeira para tais apoios. O não cumprimento destas pode ocasionar deformações nas peças de concreto que venham a comprometer ou mesmo inviabilizar sua utilização. A Figura 15 mostra a deformação provocada em painéis de fechamento não armazenados adequadamente Transporte e montagem O transporte de peças pré-moldadas deve ser levado em conta no momento da concepção do projeto (EL DEBS, 2000), pois limita as dimensões das peças ao gabarito das estradas de rodagem, quando do transporte rodoviário, da fábrica até o local da obra. Em casos especiais, são necessários estudos de rotas e horários para realização deste transporte. A Figura 16 mostra um exemplo de veículo adaptável para transporte de peças com grandes dimensões.

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1

ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1 ESTUDO DAS LIGAÇÕES DE MONTAGEM EM ESTRUTURAS PRÉ- FABRICADAS DE CONCRETO 1 Carlos Henrique dos Santos 2 Rogério Eustáquio Cirilo 3 Ronilson Flávio Souza 4 RESUMO: Um dos fatores mais importantes durante

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO 1 ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO Texto complementar 1. INTRODUÇÃO Os primeiros edifícios com estrutura de concreto armado foram concebidos utilizando-se

Leia mais

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS Aulas 5-8 Gerson Moacyr Sisniegas Alva DESENVOLVIMENTO

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura.

Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura. Consolos Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura. São balanços muito curtos e merecem tratamento a parte pois não valem as hipóteses

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

PONTILHÕES EM ABÓBODAS E MUROS PRÉ-MOLDADOS SOLIDARIZADOS COM CONCRETO MOLDADO NO LOCAL

PONTILHÕES EM ABÓBODAS E MUROS PRÉ-MOLDADOS SOLIDARIZADOS COM CONCRETO MOLDADO NO LOCAL PONTILHÕES EM ABÓBODAS E MUROS PRÉ-MOLDADOS SOLIDARIZADOS COM CONCRETO MOLDADO NO LOCAL Mounir Khalil El Debs Professor Associado, Departamento de Engenharia de Estruturas Escola de Engenharia de São Carlos

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA

LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA 1. DEFINIÇÃO A Laje Alveolar é constituída de painéis de concreto protendido que possuem seção transversal com altura constante e alvéolos longitudinais, responsáveis pela redução

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO...

Leia mais

semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas

semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas /2008 Influência das ligações semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas BRUNA CATOIA* MARCELO DE ARAUJO FERREIRA** ROBERTO CHUST CARVALHO*** THIAGO CATOIA**** O presente trabalho

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

LAJES ALVEOLARES TATU

LAJES ALVEOLARES TATU LAJES ALVEOLARES TATU 1. DEFINIÇÃO A Laje Alveolar é constituída de painéis de concreto protendido que possuem seção transversal com altura constante e alvéolos longitudinais, responsáveis pela redução

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

01 projeto / normalização

01 projeto / normalização 01 projeto / normalização revisão_das_práticas_recomendadas para_edificações_de_até_5_pavimentos apresentação O trabalho é uma revisão da primeira versão das PRs, que serve como texto base para a norma

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS PARÂMETROS QUANTITATIVOS DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO EM RELAÇÃO A RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO, O f CK

COMPARAÇÃO DOS PARÂMETROS QUANTITATIVOS DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO EM RELAÇÃO A RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO, O f CK COMPARAÇÃO DOS PARÂMETROS QUANTITATIVOS DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO EM RELAÇÃO A RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO, O f CK Samuel Hilgert Pizzetti (1) (1) Engenheiro Civil, Empresa Pizzetti

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço Contribuição técnica nº 2: Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados Autores: Eng. M.Sc. Ygor Dias da Costa Lima Prof. Dr. Alex Sander C. de Souza Contato: alex@ufscar.br 1 Análise

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal aderência - 1 4. Aderência, ancoragem e emenda por traspasse 4.1. Aderência A solidariedade da barra de armadura com o concreto circundante, que impede o escorregamento relativo entre os dois materiais,

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

Figura 17.1 Laje nervurada bidirecional (FRANCA & FUSCO, 1997)

Figura 17.1 Laje nervurada bidirecional (FRANCA & FUSCO, 1997) ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 17 Libânio M. Pinheiro, Julio A. Razente 01 dez 2003 LAJES NERVURADAS 1. INTRODUÇÃO Uma laje nervurada é constituída por um conjunto de vigas que se cruzam, solidarizadas

Leia mais

SUDESTE PRÉ-FABRICADOS CATÁLOGO TÉCNICO SUDESTE PRÉ-FABRICADOS PRONTOS PARA TODA E QUALQUER EMPREITADA

SUDESTE PRÉ-FABRICADOS CATÁLOGO TÉCNICO SUDESTE PRÉ-FABRICADOS PRONTOS PARA TODA E QUALQUER EMPREITADA 1 CONSTRUINDO GRANDES NEGÓCIOS PRÉ-FABRICADOS 2 SUDESTE PRÉ-FABRICADOS CATÁLOGO TÉCNICO SUDESTE PRÉ-FABRICADOS PRONTOS PARA TODA E QUALQUER EMPREITADA SUDESTE PRÉ-FABRICADOS CATÁLOGO TÉCNICO ÍNDICE 3 A

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES LAJES Serão o piso ou a cobertura dos pavimentos. As lajes poderão ser: Maciças - moldadas in loco, economicamente viável para h 15 cm. Nervurada

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

Projeto NBR 9062 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado

Projeto NBR 9062 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado OUT 2006 Projeto NBR 9062 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus.

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus. Tutorial Tutorial FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and 01045-000 São Paulo - SP Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da

Leia mais

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados e tilt-up Vitor Faustino Pereira Engenheiro Civil Professor Adjunto UEL Sócio Diretor:

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

3. PROCESSO PRODUTIVO, TRANSPORTE,

3. PROCESSO PRODUTIVO, TRANSPORTE, 3. PROCESSO PRODUTIVO, TRANSPORTE, MONTAGEM E CONCRETAGEM CAPÍTULO 3 3.1. O PROCESSO PRODUTIVO DAS VIGOTAS TRELIÇADAS O processo produtivo de lajes formadas por vigotas treliçadas é considerado relativamente

Leia mais

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO CAPÍTULOS 1 A 4 Volume LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO 1 1- Tipos usuais de lajes dos edifícios Laje h Laje maciça apoiada em vigas Vigas h Lajes nervuradas nervuras aparentes material inerte Laje Laje

Leia mais

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA 5 - FORROS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo de forro ideal para a sua edificação; Executar corretamente os apoios das lajes pré-fabricadas; Especificar corretamente

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

02/2015. Elaboração: Equipe Técnica BPM Pré-moldados

02/2015. Elaboração: Equipe Técnica BPM Pré-moldados 1 02/2015 Elaboração: Equipe Técnica BPM Pré-moldados SUMÁRIO 1 BPM PRÉ-MOLDADOS... 4 2 LAJES ALVEOLARES... 4 2.1 Descrição do produto... 4 2.2 Projeto... 5 2.3 Fabricação... 5 2.4 Materiais... 6 2.5 Eficiência...

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais