Esta é a quarta Ficha Técnica de uma colecção de quatro, co-financiadas ao Abrigo da Medida 10 do Programa AGRO, editadas pela CNA em 2006/2007.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Esta é a quarta Ficha Técnica de uma colecção de quatro, co-financiadas ao Abrigo da Medida 10 do Programa AGRO, editadas pela CNA em 2006/2007."

Transcrição

1

2

3

4 Esta é a quarta Ficha Técnica de uma colecção de quatro, co-financiadas ao Abrigo da Medida 10 do Programa AGRO, editadas pela CNA em 2006/2007.

5 ÍNDICE Introdução Noção Âmbito Forma Cláusulas Prazos Reconversão Renda Actualização das rendas Tabelas de rendas Redução da renda Mora do arrendatário Subarrendamento Benfeitorias Indemnização por benfeitorias Deterioração ou dano Termo Oposição Resolução do contrato Caducidade por morte do senhorio Transmissão Desistência Caducidade por expropriação Preferência Arrendamento de campanha Emparcelamento Parcerias agrícolas Âmbito de aplicação Aplicação no espaço Anexo - minuta de contrato de arrendamento.. 17 Arrendamento Rural - Perguntas e Respostas - Introdução O regime geral do arrendamento rural foi está disciplinado pelo Decreto-Lei n.º 385/88, de 25 de Outubro, tendo por objectivo harmonizar os objectivos da política agrícola do Governo com as realidades fundiárias do País e, bem assim, conciliar os legítimos direitos e interesses dos proprietários das terras com os dos cultivadores e rendeiros, de acordo com a dimensão e a natureza, muito variada, das explorações agrícolas, tal como se anuncia logo no preâmbulo do referido diploma legal. A presente brochura pretende permitir uma melhor e mais fácil compreensão, à generalidade das pessoas, das diversas questões que podem surgir num contrato de arrendamento rural, percorrendo o Decreto-Lei n.º 385/88 artigo a artigo (com as alterações introduzidas pelo DL n.º 524/99), em forma de perguntas e respostas, na expectativa de que, assim, se facilite a compreensão da Lei esse garanta uma reflexão mais esclarecida na hora de contratar. No entanto, esta publicação não dispensa, em caso de dúvidas, um parecer técnico ou jurídico, bem como a consulta dos referidos Decreto-Lei e de legislação avulsa sobre a matéria. Arrendamento Rural -perguntas e respostas 5

6 Arrendamento Rural -perguntas e respostas 1. Noção (art. 1º): O que é o arrendamento rural? Arrendamento é um contrato pelo qual uma das partes (senhorio) concede à outra (arrendatário) o gozo temporário de uma coisa imóvel (prédio), mediante retribuição (renda). O arrendamento pode ser urbano ou rural. O arrendamento rural tem por objecto a locação de prédios rústicos para fins de exploração agrícola ou pecuária, nas condições de uma regular utilização. 2. Âmbito (art. 2º): O que se arrenda quando se assina o contrato? O contrato de arrendamento rural, compreende: - o terreno e a habitação do arrendatário; - a vegetação permanente não florestal (ex. árvores de fruto); - as construções destinadas aos fins próprios da exploração agrícola ou pecuária (ex. adegas, celeiros, estábulos, lagares, palheiros). Mas exclui (salvo acordo expresso entre as partes): - o arvoredo destinado a corte de matos; - as árvores florestais dispersas; - a cortiça de sobreiros existentes no prédio locado; - qualquer outro produto ou coisa que não cumpra os fins próprios da exploração normal de uma exploração agrícola ou pecuária. 3. Forma (art. 3º): O contrato pode ser meramente verbal? Não. Os arrendamentos rurais são obrigatoriamente reduzidos a escrito. Se assim não for, o contrato é nulo. No entanto, qualquer uma das partes pode notificar a outra para reduzir o contrato a escrito. A parte que, depois de notificada 6

7 para o efeito, se recusa reduzir o contrato a escrito, não pode depois vir invocar a sua nulidade. Os contratos de arrendamento rural estão isentos de selo ou qualquer outro imposto, taxa ou emolumento e não estão sujeitos a registo. O senhorio tem apenas que entregar o original do contrato na repartição das finanças da sua residência e uma cópia nos serviços regionais do Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, no prazo de 30 dias após a sua celebração. 4. Cláusulas (art. 4º) O que pode e não pode estipular o contrato? Para proteger a parte mais fraca, a lei proíbe cláusulas em que o arrendatário se obrigue: - a vender, o todo ou parte das colheitas a uma entidade determinada; - a pagar o prémio de seguro contra incêndios de edifícios, ou outras contribuições, impostos ou taxas sobre prédios compreendidos no arrendamento, que sejam devidas pelo senhorio; - antecipadamente à renúncia do contrato ou renuncie ao direito de renovação do mesmo; - a encargos extraordinários ou a serviços que não revertam em benefício directo no prédio. Arrendamento Rural -perguntas e respostas Para além destas, são ainda nulas as cláusulas contratuais em que qualquer dos contraentes: - renuncia ao direito de denúncia ou resolução de contrato; - renuncia ao direito às indemnizações devidas no caso de violação das obrigações legais ou contratuais; - subordina a eficácia ou validade do contrato a condição (resolutiva ou suspensiva). 5. Prazos (art. 5º): Por quanto tempo vigora o contrato? Para agricultores autónomos (pessoa singular que, de forma permanente ou predominante, utiliza a sua força de trabalho e/ou a do agregado familiar, para o trabalho agrícola, sem recurso ou com recurso excepcional a trabalho assalariado), o prazo mínimo é de 7 anos. Para uma empresa ou um agricultor empresário (que utiliza pessoal contratado para a exploração agrícola dos prédios arrendados), o prazo mínimo é de 10 anos. Se o contrato estipular prazo inferior, vale o prazo mínimo legal. 7

8 Arrendamento Rural -perguntas e respostas Terminado o prazo legal (ou o acordado, se superior), o contrato renova-se automaticamente, por períodos sucessivos de 5 anos, até denúncia do mesmo, nos termos da Lei. 5.1 Reconversão (art. 6º): e se a exploração for reconvertida pelo arrendatário? O senhorio será obrigatoriamente ouvido sobre o plano de reconversão proposto e as suas objecções ou sugestões serão tomadas em conta na sua aprovação ou rejeição. No caso de aprovação (obrigatoriamente comunicada ao senhorio e ao arrendatário), o contrato terá a duração mínima fixada na decisão que a aprove o respectivo plano de reconversão, mediante portaria do MADRP. No entanto, o prazo não poderá exceder os 25 anos, devendo na sua fixação, ser considerados: - o tempo já decorrido desde o início ou renovação do contrato; - o valor económico da reconversão; - o volume do investimento a fazer; - o benefício para o proprietário, findo o contrato. Findo o prazo fixado nos termos descritos, só pode haver continuação do arrendamento por acordo expresso das partes, que vale então como novo arrendamento. 8

9 6. Renda (arts. 7º): Como se estipula e onde deve ser paga? A renda é estipulada em dinheiro, a menos que as partes fixem expressamente o pagamento simultâneo em géneros e em dinheiro. Neste caso, os géneros não podem corresponder a mais de 3 espécies produzidas no(s) prédio(s) arrendado(s). O sistema de renda fixado (só dinheiro ou dinheiro + géneros) não pode ser alterado durante a vigência do contrato ou da sua renovação. A renda é anual e não é permitido o seu adiantamento (a não ser que o arrendatário seja um jovem agricultor titular de um projecto de exploração aprovado pelos serviços regionais do MADRP, caso em que pode ser acordado o pagamento antecipado das rendas, respeitantes a todos os anos do contrato, no início do mesmo). A renda á paga em casa do senhorio, ou no local estipulado no contrato. Caso haja pagamento parcial em géneros, estes são entregues ao senhorio na sede da exploração agrícola do prédio arrendado. Arrendamento Rural -perguntas e respostas 6.1 Actualização das rendas (art. 8º): A renda pode ser actualizada? As rendas são actualizadas anualmente, por iniciativa de qualquer das partes. 6.2 Tabelas de rendas (art.9º): Há limites máximos para a fixação de rendas? Sim. O MADRP fixa, através de portaria, uma tabela de rendas máximas nacionais. Nem o valor da renda, nem as respectivas actualizações poderão ultrapassar os limites fixados na tabela. As tabelas serão revistas com intervalos máximos de 2 anos e são estabelecidas (depois de ouvidas as associações de agricultores) por regiões agrícolas e eventuais zonas agrárias, tendo como base: os géneros agrícolas predominantes em cada região; a evolução dos seus preços correntes; a diferente natureza dos solos; as formas do seu aproveitamento; quaisquer outros factores de relevo. Se o contrato incluir edifícios, dependências, instalações ou outros equipamentos fixos, o seu valor de renda virá expressamente referido no contrato, com destaque das restantes parcelas. No entanto, a portaria a publicar pelo MADRP fixando as rendas máximas, poderá referir o valor da rendas das referidas partes, reportando tais valores à unidade de área. 9

10 Arrendamento Rural -perguntas e respostas 6.3 Redução da renda (art. 10º e 11º): Há situações em que a renda pode ser reduzida? Quando a capacidade produtiva do prédio diminuir significativamente por causas imprevisíveis e anormais cujos efeitos se prolonguem por mais de 2 anos (inundações, acidentes geológicos e ecológicos, pragas de natureza excepcional, entre outras), o arrendatário tem o direito de obter a resolução do contrato ou a fixação de nova renda. Para tanto deverá dirigir, no prazo de 30 dias após o termo dos eventos causais, um pedido escrito ao senhorio de redução, indicando a renda que considera dever ser paga, devendo ainda proporcionar ao senhorio a verificação dos sinais da ocorrência e dos seus resultados. Não havendo acordo sobre o montante de renda a fixar, podem as partes recorrer ao Tribunal que fixará uma renda provisória até decisão final. Tal direito não existe se a diminuição de capacidade produtiva decorrer de causas acidentais ou ocasionais, de práticas inadequadas de exploração ou de acidentes cobertos pelo seguro, nos termos da legislação nacional. 6.4 Mora do arrendatário (art. 12º): O que pode acontecer se o arrendatário não pagar a renda no tempo e lugar próprios? Passados 90 dias após a data de vencimento da renda, o senhorio tem direito a obter a resolução do contrato (ver ponto 11/ art.21º), sem perda da renda em falta, acrescida de juros. Os juros são fixados à taxa prevista no art. 559º do Código Civil e são calculados para a totalidade da renda anual, contabilizandose os géneros aos preços oficiais ou, não havendo, aos preços correntes na região, nos casos em que tais géneros componham a renda estipulada até ao fim da discussão do problema em 1ª instância o arrendatário pode impedir a resolução do contrato, pagando a(s) renda(s) em falta acrescida(s) de juros de mora respeitantes ao período de um ano e um dia. 7. Subarrendamento (art. 13º): Pode-se subarrendar o prédio? O arrendatário só pode subarrendar, ceder por comodato (total ou parcialmente) ou ceder a terceiros a sua posição contratual mediante acordo escrito do senhorio. Esta regra aplica-se aos arrendamentos de campanha e aos contratos de compra e venda de pastagens

11 8. Benfeitorias (art. 14º): O que são? quem as pode fazer? Há diferentes tipos de benfeitorias: - as necessárias: têm por fim evitar a perda, destruição ou deterioração dos prédios. Podem ser feitas sem autorização do senhorio. - as úteis: não sendo indispensáveis para a conservação dos prédios, aumentam-lhe o valor. Feitas pelo arrendatário: com consentimento por escrito do senhorio, ou, na falta deste, mediante um plano de exploração a aprovar pelos serviços regionais do MADRP, no prazo de 90 dias, a contar do pedido e depois de ouvidas as partes. Neste caso, pode haver lugar a alteração do prazo do contrato, acordada entre as partes ou, em caso de discordância, fixada na decisão (obrigatoriamente comunicada ao senhorio e ao arrendatário)que aprova o plano de exploração. Feitas pelo senhorio: só com consentimento por escrito do arrendatário, ou, na falta deste, mediante um plano de exploração a aprovar pelos serviços regionais do MADRP, no prazo de 90 dias, a contar do pedido e depois de ouvidas as partes. Neste caso, para além do prazo do contrato, pode haver alteração do montante da renda, mediante acordo das partes ou, em caso de discordância, fixadas na decisão (obrigatoriamente comunicada ao senhorio e ao arrendatário) que aprova o plano de exploração. Quando as benfeitorias significarem uma alteração sensível do regime de exploração do prédio, ou, o arrendatário não se conformar com o acréscimo de renda, pode denunciar o contrato no prazo de 30 dias, produzindo-se, no entanto, os efeitos só no fim do respectivo ano agrícola. - as voluptuárias: não são necessárias à conservação, nem acrescentam valor ao prédio. Servem de mero recreio. Só podem ser feitas com autorização do senhorio. Arrendamento Rural -perguntas e respostas 8.1 Indemnização por benfeitorias (art.15º): Como arrendatário serei indemnizado, no final do contrato, pelas benfeitorias feitas? - quando há cessão contratual antecipada por mútuo acordo: há indemnização das benfeitorias feitas pelo arrendatário e consentidas pelo senhorio; - se o senhorio invocar a resolução do contrato, ou, o arrendatário ficar impossibilitado de continuar a exploração por razões de força maior, o arrendatário tem direito a indemnização pelas benfeitorias necessárias e úteis consentidas pelo senhorio, calculada segundo as regras do enriquecimento sem causa (arts. 473º CC)

12 Arrendamento Rural -perguntas e respostas 9. Deterioração ou dano (art. 16º): O arrendatário poderá ter que indemnizar o senhorio? Sim. Findo o contrato o arrendatário é obrigado a entregar o prédio no estado em que o recebeu, salvo as deteriorações que decorram da utilização normal e prudente. Assim, haverá lugar a indemnização por deterioração ou danos causados nos prédios por facto imputável ao arrendatário, ou por este não ter cumprido com as obrigações normais do cultivador. 10. Termo (art. 18º): Como e quando termina o contrato? Já foi dito que os contratos se renovam sucessiva e automaticamente, a menos que o senhorio ou o arrendatário lhe ponham termo a isto chama-se denúncia do contrato. A denúncia implica a entrega de tudo o que foi arrendado. Denúncia pelo arrendatário: tem que avisar o senhorio, por escrito, com a antecedência mínima, relativamente ao termo do prazo do contrato ou da sua renovação: - de 6 meses, para os agricultores autónomos - de 1 ano, para as restantes situações. Denúncia pelo senhorio: tem que avisar o arrendatário, por escrito, com a antecedência mínima, relativamente ao termo do prazo do contrato ou da sua renovação: - de 1 ano, no caso de arrendamento a agricultor autónomo; - de 18 meses, nos restantes casos. 11. Oposição (art. 19º): Posso opor-me à denúncia do contrato do senhorio? Sim, mas só em algumas circunstâncias. Se em causa estiver a subsistência do arrendatário e do seu agregado familiar, no prazo de 60 dias após receber o aviso por escrito do senhorio, intentar uma acção e provar que o despejo põe em risco sério (art. 20º) Mas, se o senhorio quiser a denúncia para passar ele próprio ou seus filhos (que satisfaçam as condições de jovem 12 12

13 agricultor) a explorar o prédio, o arrendatário já não pode opor-se a ela. O senhorio tem que indicar expressamente essa intenção no aviso a enviar ao arrendatário e fica obrigado, salvo caso de força maior, à exploração directa (por si ou seus filhos nas condições referidas) do prédio, pelo prazo mínimo de 5 anos. Se tal não for cumprido, o arrendatário tem direito a indemnização (igual a 5x as rendas relativas ao período em que o arrendatário esteve ausente) e, à reocupação do prédio, se o desejar, iniciando-se então outro contrato. 12. Resolução do contrato (art. 21º): O senhorio pode terminar com o arrendamento durante o prazo contratado? Pode, através de uma acção judicial, mas só se provar que o arrendatário: - não pagou a renda no tempo e lugar próprios; - faltou ao cumprimento de uma obrigação legal, com prejuízo para a produtividade, substância ou função económica e social do prédio; - utilizou processos de cultura ou culturas que tenham afectado e diminuído a potencialidade produtiva dos solos; - não zelou pela boa conservação dos bens ou causou prejuízos graves nos bens que, não sendo objecto do contrato, existam no prédio; - subarrendou, cedeu por comodato (total ou parcialmente) ou cedeu a sua posição contratual, sem autorização por escrito do senhorio. - não atingiu os níveis de utilização do solo estabelecidos na Lei ou não cumprir injustificadamente o determinado nos planos de exploração. Arrendamento Rural -perguntas e respostas 13. Caducidade (art. 22º): O que acontece ao contrato se morre o senhorio? O contrato de arrendamento não caduca por morte do senhorio, nem com a transmissão do prédio (ver ponto 16 / art. 28º). O novo senhorio sucede na posição contratual do anterior. 14. Transmissão (art. 23º): E se morrer o arrendatário? O contrato também não caduca por morte do arrendatário

14 Arrendamento Rural -perguntas e respostas A sua posição de transmite-se, pela seguinte ordem: - ao cônjuge sobrevivo (desde que não divorciado, separado judicialmente ou de facto); - parentes ou afins da linha recta (preferindo os primeiros aos segundos, os descendentes aos ascendentes e os de grau mais próximo aos de grau mais remoto), desde que vivessem habitualmente com o arrendatário em comunhão de mesa e habitação ou economia comum há mais de um ano consecutivo; - a quem com ele vivia há mais de 5 anos em condições análogas às dos cônjuges. Em princípio o arrendamento só se transmite uma vez. No entanto, se a primeira transmissão for para o cônjuge sobrevivo, poderá haver uma segunda transmissão a favor dos parentes ou afins do primeiro arrendatário, pela ordem referida. 15. Desistência (art. 24º): E tal transmissão é automática? Não. Após a morte do arrendatário, tem que ser comunicada, por escrito, ao senhorio: - no prazo de 90 dias - a desistência do direito à transmissão, ou - no prazo de 180 dias - a aceitação da transmissão 16. Caducidade (art. 25º): E se o prédio for expropriado? A expropriação por utilidade pública faz caducar o arrendamento. Expropriação total: o arrendatário será indemnizado pelo expropriante (atendendo-se ao valor dos frutos pendentes ou colheitas inutilizadas Expropriação parcial: para além de uma indemnização pela parte expropriada, o arrendatário pode optar pela resolução do contrato ou pela redução proporcional de renda. No caso de expropriação parcial, em que a parte expropriada corresponda a mais de do dobro da parte não expropriada, as regras a aplicar são as da expropriação total. 17. Preferência (art. 28º): E se o senhorio quiser vender o prédio? O arrendatário com pelo menos 3 anos de vigência do contrato tem direito a preferir na transmissão, excepto nos casos em 14 14

15 que esta seja feita a co-herdeiro ou comproprietário. O senhorio tem que comunicar ao arrendatário a sua intenção de transmissão do prédio, indicando o nome do comprador, o preço oferecido, a data de celebração da escritura e as condições de pagamento. Se o senhorio não fizer tal comunicação e vender o prédio, o arrendatário continua a ter direito a preferir, através de requerimento judicial, a apresentar no prazo de 6 meses a contar da data em que teve conhecimento da venda. Recebida a comunicação, o arrendatário tem 8 dias para exercer o seu direito de preferência (se houver vários arrendatários e todos quiserem preferir, haverá licitação entre eles). Se o direito de preferência for concretizado, o arrendatário terá que cultivar o prédio directamente, como seu proprietário, pelo menos durante 5 anos (salvo em caso de força maior devidamente comprovado). Se não o fizer, terá que pagar uma indemnização ao anterior proprietário (senhorio) e terá, ainda, que transmitir a propriedade a foi preterido na compra com o exercício da preferência, pelo mesmo preço por que adquiriu o prédio. Procedendo o direito de preferência do arrendatário há isenção de IVA, bem como há isenção em todas as transmissões onerosas a favor dos respectivos arrendatário rurais (desde que com contrato escrito há pelo menos 3 anos, com assinaturas reconhecidas em notário ou autenticadas pelos serviços oficiais competentes). Arrendamento Rural -perguntas e respostas 18. Arrendamento de campanha (arts. 29º): Pode existir? Esta ou outras formas transitórias de exploração de terras alheias, por períodos inferiores a um ano, só são possíveis com autorização do MADRP, através de Portaria, e quando haja condicionalismos de ordem económica e social que o justifiquem

16 Arrendamento Rural -perguntas e respostas 19. Emparcelamento (art. 30º): Prazo mínimo de contrato Os prédios adquiridos para emparcelamento podem ser arrendados por prazos inferiores aos estabelecidos na Lei (ponto 5 / art. 5º) 20. Parcerias agrícolas (art. 31º): O que é e a que regras assiste? O contrato de parceria agrícola tem que ser reduzido a escrito e é aquele em que uma parte dá ou entrega a outra prédio(s) rústico(s) a cultivar e explorar por quem o(s) recebe(s), sendo o pagamento feito com uma quota parte da respectiva produção. Neste tipo de contrato podem, no máximo, ser objecto de divisão entre o parceiro proprietário e o parceiro cultivador os 3 principais produtos habitualmente produzidos nos prédios, não podendo na divisão ser atribuído ao proprietário mais do que metade da produção. Nos contratos mistos (de arrendamento e parceria) só um dos produtos pode ser objecto de divisão e dois de renda (art.32º). A parceria mantém-se até que o Governo, através de Decreto-Lei, estabeleça as normas transitórias adequadas à sua efectiva extinção. Em tudo o mais, estes contratos são tratados como contratos de arrendamento rural. 21. Âmbito de aplicação (art. 36º): A que contratos se aplica a Lei? O Decreto-Lei n.º 385/88 entrou em vigor a 30 de Outubro de 1988 e aplica-se aos contratos celebrados antes da sua entrada em vigor, com algumas particularidades, a saber: - o art. 3º (obrigatoriedade de forma escrita para o contrato) só se aplicou aos contratos existentes à data da entrada em vigor do Decreto-Lei, a partir de 1 de Julho de Ou seja, a partir dessa data todos os contratos verbais anteriores a 30 de Outubro de 1988 teriam que estar obrigatoriamente reduzidos a escrito. - Os contratos já renovados na data de entrada em vigor do Decreto-Lei, não poderão ser objecto de denúncia por parte do senhorio, para efeitos de exploração directa, nos primeiros 4 anos a contar do início da última renovação. 22. Aplicação no espaço (art.38º): A Lei vincula as Regiões Autónomas? O Decreto-Lei aplica-se na Região Autónoma da Madeira, com excepção das tabelas de rendas, mas já não se aplica à Região Autónoma dos Açores, onde existe uma regulamentação especial que se mantém em vigor

17 ANEXO - CONTRATO DE ARRENDAMENTO RURAL A AGRICULTOR AUTÓNOMO 1ª Entre (nome), (estado civil), natural de, residente em, como 1º Outorgante e senhorio, e, (nome), (estado civil), natural de, residente em, agricultor, como 2º Outorgante e locatário é acordado e reduzido a escrito o seguinte CONTRATO: (Nota 1: Havendo vários senhorios ou arrendatários, procede-se de igual forma em relação a todos.) 2ª O Primeiro Outorgante dá de arrendamento rural ao Segundo Outorgante, o prédio rústico denominado, sito na freguesia de, concelho de, inscrito na respectiva matriz sob o artigo n.º, Secção, Courela n.º, com a área total de, confrontando a Norte com, a Sul com, a Nascente com, e a Poente com, conforme planta junta que aqui se dá como reproduzida. (Nota: Quando o prédio é omisso na matriz, como era o caso da Courela, deve mencionar-se também as confrontações) 3ª O presente Contrato de arrendamento rural a agricultor autónomo ou cultivador directo é feito pelo prazo de 7 anos, conforme o n.º 2 do Art.º 5º do Decreto-Lei nº385/88 (LAR), supondo-se sucessivamente renovado por períodos de Um Ano, nos termos do n.º 3 do referido Art.º 5º da LAR. 4ª Exemplo: O Arrendamento inclui todas as alfaias agrícolas, nomeadamente um tractor marca, um reboque para tractor, uma fresa, uma grade de discos e bem assim todo o equipamento para rega de aspersão constituído por noventa metros de tubo galvanizado, uma motobomba da marca, sete aspersores e respectivas peças de montagem. Não se incluem no presente arrendamento a casa de habitação e o arvoredo florestal existente, bem como a cortiça dele extraível. 5ª A renda anual é de Euros (por extenso), em dinheiro, paga anualmente em casa do senhorio ou do seu representante, no último dia do ano agrícola; aquela renda é actualizada anualmente nos termos dos Artigos 8º e 9º da LAR. 6ª O prédio arrendado é destinado exclusivamente à exploração agrícola do arrendatário, que reconhece que o mesmo realiza cabalmente o fim a que é destinado, não podendo ele dar-lhe outro uso, nem sublocar, subarrendar, emprestar ou ceder por comodato, total ou parcialmente ou ceder a sua posição contratual, sem autorização escrita do senhorio, reconhecida notarialmente. 7ª O prédio destina-se à cultura, obrigando-se o Segundo Outorgante a aplicar os conhecimentos e técnicas necessárias à sua racional exploração, por forma a atingir os níveis de produtividade consentâneos com a sua capacidade e a submeter-se a qualquer programa, nomeadamente resultante do regime imperativo do uso da terra. 8ª Em tudo o que estiver omisso regulam as disposições legais aplicáveis, nomeadamente as da Lei do Arrendamento Rural (LAR). 9ª Este contrato, com a planta do prédio anexa que dele faz parte integrante, é lavrado em triplicado, ficando o original em poder do senhorio, uma cópia em poder da Direcção Regional da Agricultura do e a outra em poder do Segundo Outorgante. (Data) (Assinatura sobre os valores selados das duas partes)

18 Edição CNA - Confederação Nacional da Agricultura Autores Roberto Mileu e José Miguel Aconselhamento Jurídico Vanda Santos Paginação Ilustração Fotolitos Impressão AT - Loja Gráfica Depósito Legal... ISBN Tiragem 500 exemplares

19

20 Delegação de Lisboa Rua do Salitre, 171, 1. o LISBOA Tel.: Fax: Rua do Brasil, n. o COIMBRA Tel.: Fax: URL: Delegação de Vila Real Rua Marechal Teixeira Rebelo, Prédio dos Quinchosos, Lt. T, Apart VILA REAL Tel.: Fax: Delegação de Évora Rua 5 de Outubro, ÉVORA Tel.: Fax: Delegação de Bruxelas Place Barra, 18, Entresol 1070 BRUXELAS Tel.: Fax: CNA 2006 ISBN

Novo Regime do Arrendamento Rural

Novo Regime do Arrendamento Rural Novo Regime do Arrendamento Rural Breve Sinopse do Novo Regime do Arrendamento Rural Agrícola no Continente (Dec. Lei nº 294/2009 de 13/10) João Carlos Gralheiro, Advogado 1 Contrato de Arrendamento Rural:

Leia mais

Title First Page] [Mês e Ano] [Subtitle First Page] O Novo Regime do Arrendamento Rural

Title First Page] [Mês e Ano] [Subtitle First Page] O Novo Regime do Arrendamento Rural Title First Page] [Mês e Ano] [Subtitle First Page] O Novo Regime do Arrendamento Rural Imobiliário e Urbanismo A Macedo Vitorino & Associados foi constituída em 1996, concentrando a sua actividade na

Leia mais

RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 ÍNDICES

RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 ÍNDICES RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 9 RAU-I:RAU-I.qxd 08-09-2011 16:21 Página 11 ÍNDICE GERAL Prefácio..................................................... 5 Nota do Autor................................................

Leia mais

IMPOSTO DO SELO. (Modelo 2) Serviço de Finanças onde é apresentada a declaração. Campo 01

IMPOSTO DO SELO. (Modelo 2) Serviço de Finanças onde é apresentada a declaração. Campo 01 IMPOSTO DO SELO COMUNICAÇÃO DE CONTRATOS ARRENDAMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA (Modelo 2) INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 2 - Esta declaração destina-se ao

Leia mais

Imobiliário. ALTERAÇÕES AO REGIME JURíDICO DO ARRENDAMENTO URBANO AGOSTO 2012 01

Imobiliário. ALTERAÇÕES AO REGIME JURíDICO DO ARRENDAMENTO URBANO AGOSTO 2012 01 Briefing AGOSTO 2012 01 ALTERAÇÕES AO REGIME JURíDICO DO ARRENDAMENTO URBANO Decorridos seis anos, sobre o Novo Regime do Arrendamento Urbano ( NRAU ), aprovado pela Lei 6/2006 de 27 de Fevereiro (que

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho a termo certo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação

Leia mais

Anexo 4. (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino)

Anexo 4. (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino) Anexo 4 (Minuta para contratos sem obras a realizar pelo inquilino) CONTRATO DE ARRENDAMENTO URBANO PARA FIM HABITACIONAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE RENDA CONVENCIONADA (Prazo Certo Artigo 1095.º do Código

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS CLÁUSULAS GERAIS Artº. 1º Âmbito de aplicação As cláusulas

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA Entre: ESTAMO PARTICIPAÇÕES IMOBILIÁRIAS, S.A., pessoa colectiva número 503152544, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, com sede na Av. Defensores

Leia mais

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações A revisão do regime do arrendamento urbano foi finalmente aprovada pela Lei nº 31/2012, de 14 de Agosto, a

Leia mais

Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano

Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano Luísa Lopes Mestre em Direito, Advogada Docente do Instituto Superior de Ciências Empresariais e Turismo (ISCET) Algumas considerações sobre o Novo Regime de Arrendamento Urbano Delegação de Matosinhos

Leia mais

Nova Lei do Arrendamento Urbano

Nova Lei do Arrendamento Urbano Agosto de 2012 Nova Lei do Arrendamento Urbano O objectivo da presente reforma é criar um mercado de arrendamento, que, em conjunto com o impulso à reabilitação urbana, possa oferecer aos portugueses soluções

Leia mais

CONDIÇÕES DO CONTRATO DE CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO ESTABELECIMENTO SITO NO PORTO DE RECREIO DE OLHÃO

CONDIÇÕES DO CONTRATO DE CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO ESTABELECIMENTO SITO NO PORTO DE RECREIO DE OLHÃO CONDIÇÕES DO CONTRATO DE CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO ESTABELECIMENTO SITO NO PORTO DE RECREIO DE OLHÃO 1.- OBJECTO DO CONTRATO 1.1. - O contrato terá por objecto a concessão de exploração do Snack-Bar-Restaurante

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO INDIVIDUAL TRIPARTIDO PARA FIM HABITACIONAL

CONTRATO DE ARRENDAMENTO INDIVIDUAL TRIPARTIDO PARA FIM HABITACIONAL CONTRATO DE ARRENDAMENTO INDIVIDUAL TRIPARTIDO PARA FIM HABITACIONAL Entre a Figueira Domus - Empresa Municipal de Gestão de Habitação da Figueira da Foz, EM, com o número de identificação 505 003 929,

Leia mais

Programa de Procedimentos

Programa de Procedimentos Hasta Pública para venda de imóveis Programa de Procedimentos SETOR DE PATRIMÓNIO PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS DE HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS 1. OBJETO DA HASTA PÚBLICA 1.1 A presente hasta pública,

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO

CONTRATO DE ARRENDAMENTO Entre: CONTRATO DE ARRENDAMENTO, com o NUIT:,, natural de, de nacionalidade, residente na, nº, em, titular do B.I. nº, emitido em _, aos de de e válido até de de, doravante designado por Locador, E, com

Leia mais

Município de Alcácer do Sal

Município de Alcácer do Sal Município de Alcácer do Sal DIVISÃO DE PLANEAMENTO E GESTÃO URBANÍSTICA Regulamento Municipal para transmissão de lotes de terreno do domínio privado do Município Preâmbulo O Município de Alcácer do Sal

Leia mais

SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES. Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN

SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES. Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN SEMINÁRIO CONSELHO REGIONAL DO NORTE DA CÂMARA DOS SOLICITADORES Por Márcia Passos, Advogada, Formadora do CRN 1. A REFORMA DO ARRENDAMENTO URBANO: LEGISLAÇÃO APLICÁVEL E OBJETIVOS 2. ALTERAÇÕES NO REGIME

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Objecto do Contrato.03 Artigo 3º Garantias do Contrato.03 Artigo 4º Âmbito Territorial.03 Artigo 5º Exclusões.03 Artigo 6º Início e Duração

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS O que é A que tipo de prédios se aplica Quem tem de pagar IMI Prédios isentos Reconhecimento Tipo de isenção Prédios classificados como monumentos nacionais ou património

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos

Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos Vendas pela Internet, televisão, telefone, fax ou catálogos Para assegurar os direitos dos consumidores relativos à informação dos produtos e identidade do vendedor, as empresas têm de cumprir regras sobre

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho sem termo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação de cláusulas

Leia mais

Caderno de encargos. Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional, I. P.

Caderno de encargos. Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional, I. P. Concurso Público Urgente para aquisição de serviços de manutenção de licenciamento Microsoft Enterprise Agreement e aquisição de licenciamento Microsoft ou equivalente e respectivos serviços de manutenção

Leia mais

Contrato de Mediação Imobiliária

Contrato de Mediação Imobiliária Contrato de Mediação Imobiliária (Nos termos da Lei n.º 15/2013, de 08.02) Entre: ESTAMO PARTICIPAÇÕES IMOBILIÁRIAS, S.A., com sede na Av. Defensores de Chaves, n.º 6 4.º, em Lisboa, matriculada na Conservatória

Leia mais

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Locação é o contrato pelo qual uma das partes se obriga a proporcionar à outra o gozo temporário de uma coisa, mediante retribuição Art.º 1022.º do Código

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE UM ESPAÇO DESTINADO À INSTALAÇÃO DE UM ESTABELECIMENTO DE BEBIDAS CAFETARIA. ARTIGO 1.º

CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE UM ESPAÇO DESTINADO À INSTALAÇÃO DE UM ESTABELECIMENTO DE BEBIDAS CAFETARIA. ARTIGO 1.º CADERNO DE ENCARGOS CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE UM ESPAÇO DESTINADO À INSTALAÇÃO DE UM ESTABELECIMENTO DE BEBIDAS CAFETARIA. ARTIGO 1.º Pela Câmara Municipal de Caminha é aberto concurso para arrendamento

Leia mais

I Alteração do grau de incapacidade mínimo relevante.

I Alteração do grau de incapacidade mínimo relevante. Lei n.º 79/2014, de 19 de Dezembro A Lei em apreço revê o regime jurídico do arrendamento urbano, alterando o Código Civil e procedendo à segunda alteração à Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro (Novo Regime

Leia mais

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados A Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, aprovou o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), dando resposta à necessidade, por todos sentida, de reformar profundamente

Leia mais

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO 1 OS IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO - IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) - O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos

Leia mais

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil. 2012 16ª Edição. Atualização nº 1

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil. 2012 16ª Edição. Atualização nº 1 Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código Civil 2012 16ª Edição Atualização nº 1 1 [1] Código do Trabalho CÓDIGO CIVIL Atualização nº 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ CADERNO DE ENCARGOS. Artigo 1.º Âmbito de Aplicação

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ CADERNO DE ENCARGOS. Artigo 1.º Âmbito de Aplicação CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Âmbito de Aplicação As cláusulas gerais deste caderno de encargos aplicam-se aos

Leia mais

MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO * MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO POR TEMPO PARCIAL*

MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO * MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO POR TEMPO PARCIAL* ADVERTE-SE QUE A PRESENTE MINUTA CONSTITUI APENAS UM EXEMPLO PELO QUE DEVERÁ A MESMA SER ADAPTADA CASO A CASO, EM FUNÇÃO DO QUE, EM CONCRETO, FOR ACORDADO. MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO * MINUTA

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

CÓDIGO DO IMT. Elementos estruturantes. Incidência objectiva

CÓDIGO DO IMT. Elementos estruturantes. Incidência objectiva CÓDIGO DO IMT 1 Elementos estruturantes Tributação do património utilizado na aquisição de imóveis; Paradigma de sujeição Os efeitos do contrato de compra e venda (a transmissão da propriedade) Sujeição

Leia mais

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho Em 1 de Dezembro de 2003, entrou em vigor o Código do Trabalho (C.T.) aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que se encontra

Leia mais

Decreto-Lei n.º 165/93 de 7 de Maio

Decreto-Lei n.º 165/93 de 7 de Maio Decreto-Lei n.º 165/93 de 7 de Maio O Decreto-Lei n.º 39/89, de 2 de Fevereiro, constituiu uma das várias medidas implementadas tendo em vista a criação das condições institucionais e técnico-financeiras

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA BOLSA DE TERRAS DE SANTO TIRSO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DA BOLSA DE TERRAS DE SANTO TIRSO NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DA BOLSA DE TERRAS DE SANTO TIRSO NOTA JUSTIFICATIVA Em resultado da conjuntura socioeconómica com que o país se depara, verifica-se um novo e crescente interesse na exploração de

Leia mais

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PROTEÇÃO DA ATIVIDADE SEGURO OBRIGATÓRIO CONDIÇÕES GERAIS - 168 DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO 808 29 39 49 fidelidade.pt

Leia mais

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários INFORMAÇÕES JURÍDICAS 1.Serviços mínimos bancários Desde o passado dia 23 de Maio que qualquer consumidor pode ter acesso aos serviços mínimos bancários, com custos reduzidos, e não somente aqueles que

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I MANUAL I LOCAÇÃO OU AQUISIÇÃO DE BENS MÓVEIS E AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS ATRAVÉS DE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO 1. INTRODUÇÃO O presente documento pretende disponibilizar informação básica para que as unidades

Leia mais

Documentação de apoio aos livros de Rogério Matias Escolar Editora

Documentação de apoio aos livros de Rogério Matias Escolar Editora Escolar Editora Decreto-Lei nº 149/95, de 24 de Junho (atualizado com as alterações introduzidas pelo DL nº 265/97, de 2 de outubro, DL nº 285/2001, de 3 de novembro e DL nº 30/2008, de 25 de fevereiro)

Leia mais

Lei n.º 23/2010, de 30 de agosto. Artigo 1.º Alterações à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio

Lei n.º 23/2010, de 30 de agosto. Artigo 1.º Alterações à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio Lei n.º 23/2010, de 30 de agosto A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Alterações à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio Os artigos

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO PARA A EXPLORAÇÃO DE QUIOSQUES NA VIA PÚBLICA Artigo 1º Âmbito de aplicação O licenciamento e instalação dos quiosques para os fins a que se destinam regese pelas normas constantes deste Regulamento.

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 311/XI CRIA O BANCO PÚBLICO DE TERRAS AGRÍCOLAS PARA ARRENDAMENTO RURAL

PROJECTO DE LEI N.º 311/XI CRIA O BANCO PÚBLICO DE TERRAS AGRÍCOLAS PARA ARRENDAMENTO RURAL Em Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 311/XI CRIA O BANCO PÚBLICO DE TERRAS AGRÍCOLAS PARA ARRENDAMENTO RURAL Exposição de motivos Ao longo das últimas décadas tem-se assistido ao abandono das terras

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre Primeira Contraente: Fundação de Serralves, pessoa colectiva de direito privado nº 502266643, instituída pelo Decreto-Lei nº 240-A/89, de 27 de Julho, com sede na

Leia mais

Crédito ao consumo. Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Crédito ao consumo. Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 13 19 de Janeiro de 2011 3935

Diário da República, 2.ª série N.º 13 19 de Janeiro de 2011 3935 Diário da República, 2.ª série N.º 13 19 de Janeiro de 2011 3935 Despacho n.º 1550/2011 A mais recente revisão regulamentar do sector do gás natural, concretizada através do Despacho n.º 4878/2010, de

Leia mais

Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo)

Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo) Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo) O primeiro outorgante O segundo outorgante Entre [Nome do empregador/seu representante legal] (1), com domicílio ou sede em, portador

Leia mais

CAPÍTULO I Âmbito e Vigência

CAPÍTULO I Âmbito e Vigência Acordo Coletivo de Entidade Empregadora Pública entre o Município de Vila do Porto e o STAL Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da GE Consumer Finance,

Leia mais

Contrato de Arrendamento Urbano para Alojamento Local Temporário

Contrato de Arrendamento Urbano para Alojamento Local Temporário Contrato de Arrendamento Urbano para Alojamento Local Temporário Entre: I -... (nome completo, estado civil, contribuinte fiscal e morada) na qualidade de senhorio e adiante designado por primeiro outorgante.

Leia mais

REGULAMENTO DA MARINA

REGULAMENTO DA MARINA REGULAMENTO DA MARINA (Aprovado na Assembleia Geral a 16 de Abril de 1999) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objectivo e âmbito de aplicação O presente regulamento contém as disposições fundamentais

Leia mais

CIRCULAR N/REFª: 01/15 DATA: 05/01/2015. Assunto: NRAU. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/REFª: 01/15 DATA: 05/01/2015. Assunto: NRAU. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/REFª: 01/15 DATA: 05/01/2015 Assunto: NRAU Exmos. Senhores, Junto se envia para conhecimento, informação relativa ao Novo Regime do Arrendamento Urbano, conforme resultante da alteração pela

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro

Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro Decreto-Lei nº 222/2009, de 11 de Setembro No nosso país, é generalizada a prática de as instituições de crédito exigirem, como condição sine qua non da concessão de crédito à habitação, a contratação,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DAS HORTAS URBANAS SOCIAIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DAS HORTAS URBANAS SOCIAIS Praça Luis de Camões.2580-318 ALENQUER. TeIef. 263730900. Fax 263 711 504-e-mali: oerat~cm-aienauer.ot REGULAMENTO MUNICIPAL DAS HORTAS URBANAS SOCIAIS Proposta da Câmara Municipal, por deliberaçâo de

Leia mais

12 de Setembro de 05

12 de Setembro de 05 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. o 12/2005 12 de Setembro de 05 Regime Jurídico dos Bens Imóveis II Parte: Arrendamento entre Particulares O presente diploma vem dar seguimento

Leia mais

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo.

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. Impostos A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. IMT (Imposto sobre Transmissões Onerosas de Imóveis) Imposto sobre as transmissões onerosas do direito de propriedade

Leia mais

é celebrado de boa fé, o presente contrato, cuja minuta foi homologada..., reciprocamente aceite, o qual se rege pelas cláusulas seguintes:

é celebrado de boa fé, o presente contrato, cuja minuta foi homologada..., reciprocamente aceite, o qual se rege pelas cláusulas seguintes: Minuta de Contrato de Comparticipação Financeira destinado à Execução de Projectos no âmbito do "Projecto Reequipamento Científico" da Fundação para a Ciência a Tecnologia Considerando: - o Regulamento

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Contrato de Seguro. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Contrato de Seguro. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Contrato de Seguro Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO INFORMAÇÃO N.º 56 P E R Í O D O DE 23 A 30 D E D E Z E M B R O DE 2011 PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO Dec. Lei n.º 119/2011, de 26 de Dezembro Estabelece com carácter permanente o limite legal

Leia mais

. PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

. PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE . PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-2439/86 (A6) DATA: 2000-02-03 Assunto: Instituições

Leia mais

ZIF PENHASCOSO NORTE. Projecto de Regulamento Interno CAPÍTULO I. Objecto

ZIF PENHASCOSO NORTE. Projecto de Regulamento Interno CAPÍTULO I. Objecto ZIF PENHASCOSO NORTE Projecto de Regulamento Interno CAPÍTULO I Objecto Artigo 1º O Regulamento Interno a) O presente Regulamento Interno define os objectivos específicos e as regras de funcionamento da

Leia mais

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO LEI N.º 23/2004, DE 22 DE JUNHO APROVA O REGIME JURÍDICO DO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DECRETA, NOS TERMOS DA ALÍNEA

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para Aquisição, Construção, Obras e Aquisição de Terreno para Habitação Própria, Secundária ou Arrendamento, Crédito Sinal, Transferências;

Leia mais

RESOLUÇÃO DE UM ARRENDAMENTO COMERCIAL (PARECER)

RESOLUÇÃO DE UM ARRENDAMENTO COMERCIAL (PARECER) RESOLUÇÃO DE UM ARRENDAMENTO COMERCIAL (PARECER) ALEXANDRE LIBÓRIO DIAS PEREIRA Sumário: I. Do contrato de arrendamento. II. Do contrato de cessão de exploração de estabelecimento. III. Dos efeitos sobre

Leia mais

Assim, ao abrigo do disposto no artigo 50.º do Decreto-Lei n.º 48547, de 27 de Agosto de 1968:

Assim, ao abrigo do disposto no artigo 50.º do Decreto-Lei n.º 48547, de 27 de Agosto de 1968: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 936-A/99, de 22 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 936-A/99 de 22 de Outubro

Leia mais

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito.

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito. FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL Cartões de Crédito Gémeos TAP Gold VISA/American Express A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação

Leia mais

Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano

Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano Alterações ao Regime do Arrendamento Urbano Código Civil Artigo 1048º(redacção anterior) 1 - O direito à resolução do contrato por falta de pagamento da renda ou aluguer caduca logo que o locatário, até

Leia mais

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação 1/7 Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação JusNet 259/2001 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 29, Série I-A, 3 Fevereiro 2001; Data

Leia mais

REGULAMENTO n.º 01/2010 de 27 de Fevereiro

REGULAMENTO n.º 01/2010 de 27 de Fevereiro REGULAMENTO n.º 01/2010 de 27 de Fevereiro REGULAMENTO PARA AS CAMPANHAS ANUAIS DE REGA NO PRAHA (PERÍMETRO DE REGA DO APROVEITAMENTO HIDROAGRÍCOLA DO AÇAFAL) e SIGIPRA (Sistema de Gestão Integrado do

Leia mais

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO, I.P. Aluguer Operacional de Viaturas CADERNO DE ENCARGOS Capítulo I Disposições gerais Clausula 1.

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO, I.P. Aluguer Operacional de Viaturas CADERNO DE ENCARGOS Capítulo I Disposições gerais Clausula 1. INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO, I.P. Aluguer Operacional de Viaturas CADERNO DE ENCARGOS Capítulo I Disposições gerais Clausula 1.ª Objecto O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas

Leia mais

Lei n. o 64/2014 26-08-2014

Lei n. o 64/2014 26-08-2014 Lei n. o 64/2014 26-08-2014 Assunto: Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n. os 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de

Leia mais

Anexo 2. Nota justificativa das propostas de alteração ao RAIM (propostas identificadas a azul sublinhado, com justificação em itálico)

Anexo 2. Nota justificativa das propostas de alteração ao RAIM (propostas identificadas a azul sublinhado, com justificação em itálico) Anexo 2 Nota justificativa das propostas de alteração ao RAIM (propostas identificadas a azul sublinhado, com justificação em itálico) Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação 1. Aditar no nº 2 a expressão

Leia mais

CONTRATO DE TRANSFERÊNCIA DA RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DE ÓLEOS USADOS PARA SISTEMA INTEGRADO, NOS TERMOS DO DECRETO-LEI N

CONTRATO DE TRANSFERÊNCIA DA RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DE ÓLEOS USADOS PARA SISTEMA INTEGRADO, NOS TERMOS DO DECRETO-LEI N (rubricar) CONTRATO DE TRANSFERÊNCIA DA RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DE ÓLEOS USADOS PARA SISTEMA INTEGRADO, NOS TERMOS DO DECRETO-LEI N.º 153/2003, DE 11 DE JULHO Entre: Por uma parte, Sogilub - Sociedade

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS Edição de Bolso 8.ª EDIÇÃO ACTUALIZAÇÃO N. 1 1 CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização n. 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES

Leia mais

1/7. Link para o texto original no Jornal Oficial. JusNet 2293/2012

1/7. Link para o texto original no Jornal Oficial. JusNet 2293/2012 1/7 Decreto-Lei n.º 266-B/2012, de 31 de dezembro, Estabelece o regime de determinação do nível de conservação dos prédios urbanos ou frações autónomas, arrendados ou não, para os efeitos previstos em

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS É o ato de vontade que, por se conformar com os mandamentos da lei e a vocação do ordenamento jurídico, confere ao agente os efeitos por ele almejados. ELEMENTOS ESTRUTURAIS I -ESSENCIAIS

Leia mais

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias?

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias? SEGURO HABITAÇÃO Qual a importância do Seguro de Habitação? Os bens imóveis, tal como os móveis, estão sujeitos à ocorrência de eventos que lhes podem causar danos. Se não possuir um seguro válido, terá

Leia mais

Condições Gerais de Venda da. Rodamientos Feyc SA, Sucursal em Portugal

Condições Gerais de Venda da. Rodamientos Feyc SA, Sucursal em Portugal Condições Gerais de Venda da Rodamientos Feyc SA, Sucursal em Portugal Siglas: RF Rodamientos Feyc SA, Sucursal em Portugal CGV Condições Gerais de Veda 1. Âmbito 1.As presentes condições gerais estabelecem

Leia mais

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO ERRATA

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO ERRATA NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO ERRATA Novo Regime do Arrendamento Urbano Anotado e Comentado 2 TÍTULO: AUTORES: NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO Errata Ana

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução Lei n. o 7/2013 Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção Breve introdução 1. O que regula essencialmente o Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção?

Leia mais

Contratação. Contrato de trabalho

Contratação. Contrato de trabalho Contratação Contrato de trabalho O contrato de trabalho pode ser escrito ou verbal. Contudo, os seguintes contratos têm de ser reduzidos a escrito: Contrato de trabalho com trabalhador estrangeiro (exceto

Leia mais

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03-08-2015 O Preçário

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes.

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes. CONDIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso da Rede de Transporte, entende-se por: a) «Contrato» o presente contrato de uso da rede de transporte; b) «Agente

Leia mais

Portaria nº 413/99 de 8 de Junho REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR

Portaria nº 413/99 de 8 de Junho REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR Portaria nº 413/99 de 8 de Junho REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR I - Noção e âmbito Artigo 1.º Seguro escolar 1 - O seguro escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura dos danos

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a directiva do Parlamento Europeu e do Conselho nº 96/9/CE, de 11 de Março, relativa à protecção jurídica

Leia mais

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA Reveste-se de suma importância a elaboração de um regulamento que sirva de pilar orientador do património da Freguesia de

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO

CONTRATO DE ARRENDAMENTO CONTRATO DE ARRENDAMENTO Entre:, com o NUIT:,, natural de, de nacionalidade, residente na, nº, em, tular do B.I. nº, emitido em, aos de de e válido até de de, doravante designado por Locador, E, com o

Leia mais