Seminários de integração sobre os aspectos morfofuncionais, de clínica médica e de saúde pública.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminários de integração sobre os aspectos morfofuncionais, de clínica médica e de saúde pública."

Transcrição

1 Trabalho apresentado com parte da avaliação na disciplina: Introdução ao estudo da Medicina II (MED-7002), em Junho de Seminários de integração sobre os aspectos morfofuncionais, de clínica médica e de saúde pública. Curso de graduação em Medicina, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal de Santa Catarina Apresentação em ppt disponível em:

2 2 Termorregulação: O Corpo e a Variação de Temperatura Ana Lúcia Roncaglia Seco 1, Bárbara Saviato 1, Cláudia Ariene de Moraes 1, Fernanda Tiemy Loureiro Nakagawa 1, Marcelo Pitombeira de Lacerda 1, Marcus Viníccius Ferreira Gonçalves Romano 1, Natacha Harumi Sakai 1 Jorge Dias de Matos 2 1 Alunos de Medicina da Universidade Federal de Santa Catarina. 2 Professor Orientador Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil 10 de Junho de 2005

3 3 SUMÁRIO Introdução à termorregulação: 1 INTRODUÇÃO 3 Termorregulação e Temperatura Central 3 Endotermia e Ectotermia 4 Sistema Nervoso e Regulação de Temperatura 5 Respostas do Corpo aos Estímulos Térmicos 7 O Corpo em temperatura normal: 2 EUTERMIA 8 Definição de Eutermia 8 Variação Circadiana da Temperatura Corporal 9 Variação da Temperatura no Ciclo Menstrual 11 Recém-nascido e a Temperatura Corporal 12 O Corpo em temperatura adversa sem alterar o ponto de controle: 3 HIPOTERMIA 13 Definição de Hipotermia 13 A Resposta do Corpo ao Decréscimo na Temperatura 14 4 HIPERTERMIA 19 Definição de Hipertermia 19 Perda de Calor 19 Perda do Calor Durante o Exercício 21 Prevenção das Lesões Causadas pelo Calor 24 O Corpo com alteração no ponto de controle: 5 FEBRE 25 Definição de Febre 25 Mecanismo de formação da febre 26 Antipiréticos endógenos 31 6 ANAPIREXIA 33 Definição de Anapirexia 33 Um modelo neuroquímico para a anapirexia 34 Conclusão 35 Integração dos Temas dos Seminários 35 Termorregulação e Aquecimento Global 42 A Importância da Termorregulação 43 Referências Bibliográficas 44

4 4 Introdução Termorregulação e Temperatura Central. Termorregulação é a capacidade de organismos endotérmicos manterem sua temperatura central relativamente estável à variação climática ambiental, possibilitando o funcionamento corporal-metabólico e propiciando condições para a vida nas mais diversas condições ambientais. A temperatura central (37 o, aproximadamente) é conseqüência da temperatura periférica, que se refere à pele e sua capacidade de perda de calor e isolamento térmico, do metabolismo e da perda de calor, por exemplo, pela evaporação de água no trato respiratório (perspiração insensível). A temperatura central varia aproximadamente 0,6 o C para uma variação ambiental entre 13 o C e 54 o C. A temperatura periférica tem uma variabilidade maior e em diversas situações seu valor varia como em um processo de conservação da temperatura central. Pequenas variações térmicas ambientes são relevantes apenas para a temperatura periférica (da pele, por exemplo), o que ilustra esse processo. O valor de temperatura central é comumente obtido pela aferição da temperatura retal (termômetro deve permanecer por 4 minutos para valor correto); temperaturas axilar e oral não são tão precisas e estão sujeitas a fatores que podem alterar o valor. A temperatura central decresce com a idade, como conseqüência da diminuição do metabolismo e da perda do estrato córneo (stratum corneum) da pele; é maior no início do dia; aumenta com o metabolismo e a ingestão de alimentos (efeito termogênico dos alimentos). O ponto de controle térmico é a temperatura definida pelo hipotálamo como adequada um valor acima determina hipertermia; abaixo, hipotermia. Quando o valor

5 5 do ponto de controle está alterado para cima, tem-se a febre; quando para baixo, anapirexia. Endotermia e Ectotermia O homem, assim como os mamíferos em geral e as aves, é um animal endotérmico (do grego, homos, semelhante), o que se refere à capacidade interna de regular a temperatura. Outros animais - peixes, anfíbios, répteis e invertebrados são ectotérmicos; sua temperatura central é derivada direta da temperatura externa, tem por estratégia térmica a regulação da sua temperatura através do comportamento. Os animais endotérmicos regulam sua temperatura corporal com base na produção metabólica de calor, esses animais possuem alta taxa metabólica e, portanto, alta capacidade de gerar calor, regulando sua temperatura corporal por mecanismos autonômicos e comportamentais e mantendo-a dentro de limites estreitos, independentemente das variações térmicas do ambiente. Os animais ectotérmicos utilizam fontes de calor que estão fora do organismo, no ambiente, para a termorregulação, portanto o comportamento é o mecanismo termorregulador primário de que dispõem e a temperatura ambiente praticamente coincide com a temperatura corporal de preferência. Há diferenças na condutância térmica de animais endotérmicos e ectotérmicos; os animais endotérmicos sofrem uma perda minimizada do calor produzido devido à baixa condutância térmica e pelo rico isolamento desenvolvido por esses animais - pêlos, penas, camada de gordura. Os animais ectotérmicos possuem uma alta condutância térmica, ou seja, o calor produzido pelo metabolismo é perdido facilmente para o ambiente. Por outro lado, a alta condutância térmica permite que ectotérmicos absorvam calor do ambiente também com muita facilidade. A termorregulação, tanto de animais endotérmicos quanto de animais ectotérmicos, visa evitar efeitos danosos causados pela temperatura. A exposição a temperaturas adversas pode levar à morte por um conjunto de fatores, como a desnaturação de proteínas; inativação de enzimas; suprimento insuficiente de oxigênio; efeitos em diferentes reações metabólicas; alteração na estrutura das membranas.

6 6 Sistema Nervoso e Regulação de Temperatura A regulação de temperatura central depende da atuação dos termoceptores cutâneos e centrais e do papel do hipotálamo por definir o ponto de controle térmico (set point ou ponto de ajuste). As respostas fisiológicas a partir de uma alteração na temperatura ambiente se originam a partir do controle térmico do corpo, e este se origina da porção termoceptora do sistema sensorial somático. A sensação somática é responsável por quatro tipos de estímulos tato, temperatura, dor e postura corporal interpretados no SNC para respostas coerentes. O estímulo térmico pode ser não-doloroso ou doloroso. Quando o estímulo térmico é potencialmente danoso ao corpo, estimula os nociceptores, o que gera a interpretação de um estímulo doloroso. Estímulos menos intensos e potencialmente inofensivos são percebidos pelos termoceptores são os estímulos que constantemente são percebidos, exceto em situações nocivas, como dito acima. Eis um gráfico de disparos de termoceptores de calor e de frio. Nota-se que os receptores de calor começam a disparar com 30 o C, ainda que em freqüência muito inferior àquela dos de frio; ultrapassam-nas próximo à faixa normal de temperatura corporal e então se elevam imensamente, enquanto a freqüência de disparo dos frios quase inexiste aos 42 o C. Contudo, a partir dos 45 o C, os termoceptores de calor tem sua freqüência bruscamente diminuída, de modo que ela é próxima a zero antes dos 50 o C. Isso ocorre porque temperaturas acima de 45 o C são potencialmente nocivas aos tecidos, e sua leitura é a partir de nociceptores. As fibras às quais estão associados os termoceptores são dos tipos A (levemente mielinizadas) e C (não-mielinizadas e geralmente finas). Os axônios de neurônios de segunda ordem decussam e ascendem no trato espinotalâmico contralateral logo, uma hemisecção de medula causa perda de sensibilidade de temperatura (assim como de dor) do lado oposto ao do corte.

7 7 Em conjunto, existe o controle da temperatura interna pelos neurônios termoceptores centrais, que monitoram a temperatura do sangue e aferem para os núcleos hipotalâmicos anteriores. Tanto os receptores profundos quanto os termoceptores periféricos estão envolvidos principalmente com a prevenção da hipotermia, o que decorre de seu padrão de disparo. Existem ainda neurônios termoceptores no hipotálamo, fato este que explica respostas termorregulatórias pelo aquecimento ou resfriamento local. A regulação da temperatura do corpo é regulada principalmente por mecanismos nervosos de feedback negativo, a partir dos estímulos termoceptores e de centros termorreguladores localizados no hipotálamo. Há núcleos hipotalâmicos principais na termorregulação: os núcleos pré-óptico e hipotalâmico anterior e posterior. Os dois primeiros compõem o centro de perda de calor, importante na hipertermia. O último compõe o centro de produção e conservação de calor. Esta delimitação é, sobretudo, didática; o núcleo pré-óptico, por exemplo, detém neurônios para calor (maior número) e para o frio. Contudo, uma lesão no centro de perda de calor predispõe hipertermia, por impedir a sudorese e a vasodilatação periférica, a estimulação elétrica desse centro causa vasodilatação e inibe calafrios. Lesão no centro de produção e conservação de calor predispõe hipotermia, a estimulação causa calafrios. A integração dos estímulos periféricos e centrais, assim como das diferentes regiões hipotalâmicas possibilita um controle de conservação e perda de calor, contribuindo para a manutenção da temperatura corporal. Essa integração possibilita um grande intervalo de variação de temperatura ambiente com pouco efeito na temperatura central, o que é e foi, com certeza, selecionado evolutivamente e permite ao homem habitar quase todas as partes do planeta, por mais diversas que sejam suas condições climáticas. Em adição a este sistema, existe o controle comportamental da temperatura, operando a partir da sensação psíquica de calor (oriunda do centro termorregulatório) ou frio (oriunda dos termoceptores cutâneos e dos receptores profundos), possibilitando ao indivíduo o estabelecimento do conforto térmico utilizando roupas mais quentes, por

8 8 exemplo. Sua importância é comparável ao controle subconsciente porque possibilita que o indivíduo tome ações para o controle térmico. Comprovar esta importância é simples: quando o dia está frio, você, sentindo frio, veste uma roupa apropriada? Respostas do Corpo aos Estímulos Térmicos A partir da percepção de diminuição e aumento de temperatura ambiente, o corpo procura a manutenção térmica por três processos diferentes perda, conservação e produção de calor. A perda está relacionada à reposta em hipertermia, envolvendo a perspiração insensível, referente à evaporação de água do trato respiratório e do estrato córneo da pele, e a perspiração sensível, referente à transpiração (que, de fato, nem sempre é sentido). A conservação e produção de calor estão relacionadas à hipotermia, envolvendo a hipoderme, a queratinização da pele e o aumento metabólico em resposta ao frio. O fluxo sanguíneo cutâneo também desempenha um importante papel; a exposição ao frio causa vasoconstrição de extremidades - mãos, pés, lábios, orelhas. Exposição ao calor, causa vasodilatação nessas regiões desviando o sangue quente para a superfície da pele, aumentando, assim, a perda de calor para o ambiente.

9 9 Eutermia Definição de Eutermia A eutermia é o estado térmico no qual a temperatura corporal é mantida dentro da faixa normal. É a condição em que os valores do set point e temperatura corporal coincidem, mostrando a eficiência do mecanismo termorregulador. Em temperaturas acima desse nível, a perda de calor deve ser maior do que sua produção, de modo que a temperatura corporal retorna ao set point. Em temperaturas abaixo desse nível, a produção de calor é maior do que a sua perda; a temperatura do corpo aumenta e novamente se aproxima do set point. Todos os mecanismos de controle da temperatura procuram, continuamente, trazer e manter a temperatura corporal para o ponto de ajuste. O ponto crítico de ajuste da temperatura no hipotálamo, acima do qual começa a sudorese e abaixo do qual surgem os calafrios, é determinado, em grande parte, pelo grau de atividade dos receptores térmicos na área hipotalâmica anterior área pré-óptica do hipotálamo. Há também sinais térmicos provenientes das áreas periféricas do corpo que contribuem ligeiramente para a termorregulação, como: pele, medula espinhal e vísceras. Nessa situação de eutermia, não há ativação de mecanismos compensatórios de perda ou de ganho de calor e o conforto térmico percebido é ótimo. Nos endotérmicos, a eutermia é mantida mesmo que a temperatura ambiente sofra ampla variação, além da zona termoneutra. Acima da temperatura superior crítica e abaixo da inferior crítica, as quais determinam a zona termoneutra de cada espécie em uma dada condição, o organismo necessita aumentar gasto energético para manter a temperatura corporal sem variações. Para um homem adulto nu, essa faixa de neutralidade encontra-se entre 28 e 30 C. Quando ocorrem falhas dos mecanismos termorreguladores, de perda ou de ganho de calor, a eutermia não é mantida, e a temperatura corporal pode, elevar-se acima do valor do set point termorregulador, gerando quadros de hipertermia, ou reduzir-se abaixo do valor do set point, e assim gerar a hipotermia. Mesmo existindo variação da temperatura corporal ao longo do ciclo de 24h, pessoas normais, através de eficientes mecanismos do corpo, mostram uma faixa de

10 10 temperaturas normais, na qual são pequenas as variações observadas. Em geral, a temperatura central média de um ser humano adulto situa-se ao redor de 37 C, e varia de 0,5 C para mais ou para menos. O valor medido na boca é cerca de 0,6 C menor que aquele medido no reto, e o tempo de aferição deve ser maior. Na axila, a temperatura normal é cerca de 1 o C menor que a do reto e a aferição e ainda maior. No entanto, esta faixa de temperaturas pode variar quando se pratica atividades físicas intensas ou quando se está exposto a temperaturas ambientais severas; a figura ao lado ilustra situações de variações da temperatura corporal. Variação Circadiana da Temperatura Corporal A variação diária da temperatura corporal é um fato conhecido há muito tempo. Em seres humanos, o ciclo circadiano é caracterizado por elevações no período diurno e quedas durante a noite. Sob condições naturais de iluminação e interação social, com despertar às 7h da manhã e adormecer às 11h da noite, no período noturno, a temperatura nos tecidos profundos do corpo é em torno de 36,5 C. Três horas após o despertar, esse valor começa a se elevar, atingindo um pico de 37,5 C por volta das 8h da noite, quando começa a cair até voltar aos 36,5 C. Esse é um padrão geral e pode apresentar variações dependendo do indivíduo e da população considerada. Normalmente, os ciclos de atividade e repouso seguem o mesmo padrão dos ciclos de temperatura corporal, ou seja, os maiores valores de temperatura coincidem com o período de atividade (para pessoas que dormem à noite e trabalham de dia). Assim, animais de hábitos diurnos, como o ser humano e o macaco, têm picos de temperatura corporal durante o dia. Em contrapartida, animais de hábitos noturnos, como o rato e o hamster, têm picos de temperatura à noite. O ritmo circadiano está

11 11 associado a oscilações acentuadas no metabolismo, na condutância térmica e na perda de calor, refletindo a modulação dos efetores termorreguladores autonômicos. É importante ressaltar que não existe adaptação circadiana ao cotidiano, mas sim uma seleção natural a partir dos hábitos mais adequados à sobrevivência de certa espécie. Acredita-se que os núcleos supraquiasmáticos do hipotálamo sejam o sítio anatômico do principal oscilador circadiano das diversas funções do organismo, entre elas, a variação da temperatura corporal. Os NSQ enviam projeções para várias regiões hipotalâmicas, incluindo a área pré-óptica (APO) e núcleos reguladores da atividade simpática, estando assim envolvidos na regulação das oscilações circadianas da temperatura corporal. Vários estudos realizados em ratos demonstram que após lesão dos núcleos supraquiasmáticos, o ritmo circadiano da temperatura é abolido ou atenuado. É importante frisar que lesão dos NSQ abole o ritmo circadiano, mas não altera o valor médio da temperatura corporal, pois a região com papel chave no controle dessa temperatura média é a APO. Sua lesão causa aumento da amplitude das oscilações diárias. O ritmo circadiano tem origem endógena, e os ciclos ambientais funcionam como moduladores desses ritmos gerados pelo oscilador endógeno. Nesse sentido está a participação da melatonina, produzida pela glândula pineal, interferindo com a atividade do oscilador biológico. A melatonina é um importante hormônio regulador de diversas funções, e que apresenta picos de produção à noite. Em mamíferos, a tradução de sinal do órgão fotorreceptor, a retina, para a glândula pineal, induzindo secreção de melatonina, envolve conexões neurais. A participação do NSQ nessas conexões é fundamental. A exposição de um animal à luz mantém inibida essa via, enquanto a interrupção do estimulo luminoso produz ativação neuronial, com conseqüente liberação de melatonina.

12 12 Figura: Estruturas e circuitos do sistema circadiano. Os estímulos luminosos captados pela retina são conduzidos pela via óptica e o trato retino-hipotalâmico até o núcleo supraquiasmático, que controla e sincroniza os ritmos circadianos e a secreção de melatonina. Estudos demonstram que a melatonina influencia o sistema termorregulador. Em humanos, a administração exógena de melatonina, via oral, inibe o aumento cíclico da temperatura corporal durante o dia. Receptores de melatonina, relacionados a termorregulação, foram identificados em varias regiões do SNC, incluindo a APO, além de sítios periféricos. Variação da Temperatura no Ciclo Menstrual Para as mulheres, soma-se a essa variação diária da temperatura mais 0,5 C, relativo ao ciclo menstrual. Durante o ciclo menstrual, depois da ovulação se registra uma alta na temperatura corporal basal. Esta alta é produzida pela progesterona liberada pelo ovário. Este hormônio determina um aumento na liberação de noradrenalina, que atua no centro termorregulador do sistema nervoso central. A noradrenalina tem efeito no aumento do metabolismo e assim contribui para a maior produção de calor. A alta de temperatura oscila entre 0,2 a 0,6 C e se inicia geralmente dois dias após o pico de LH e coincide com o aumento de progesterona no sangue.

13 13 Recém-nascido e a Temperatura Corporal Como a área da superfície corporal é grande em relação à massa, ocorre rápida perda de calor pelo corpo. Como conseqüência, a temperatura do recém-nascido, sobretudo a dos prematuros, cai facilmente. Um dos problemas particulares do prematuro consiste na sua incapacidade de manter a temperatura corporal normal. Sua temperatura tende a aproximar-se da temperatura ambiente. Na temperatura normal de um ambiente, a temperatura do lactente pode estabilizar-se em 32,2 ou, até mesmo, 26,7 C. Estudos estatísticos mostram que a temperatura corporal mantida abaixo de 35,5 C está associada à incidência particularmente alta de morte, o que explica o uso quase obrigatório da incubadora no tratamento da prematuridade. A temperatura normal, mesmo de um recém-nascido não-prematuro, cai, freqüentemente, vários graus, durante as primeiras horas após o nascimento, mas retorna ao normal em 7 a 10horas. Mesmo assim, os mecanismos termorreguladores do corpo permanecem falhos durante os primeiros dias de vida, permitindo a ocorrência de desvios acentuados da temperatura. Figura: Queda da temperatura corporal no recém-nascido logo após o nascimento e instabilidade da temperatura corporal durante os primeiros dias de vida.

14 14 Hipotermia Definição de Hipotermia Hipotermia é o estado fisiológico no qual a temperatura central do corpo atinge valores abaixo de 36 o C, considerando o valor normal da temperatura central, a partir do set point hipotalâmico. Esse estado de perda de calor excedendo a geração estimula a manutenção da temperatura central que varia apenas 0,6 o C enquanto a temperatura ambiente oscila entre 13 o C e 54 o C ainda que em detrimento da regulação da temperatura periférica, por exemplo, cutânea. A possibilidade de a pele trocar calor mais facilmente com o meio é vital para que ela regule a temperatura do corpo e isole o meio interno de oscilações exteriores, criando condições adequadas para os órgãos vitais e, logo, o funcionamento do corpo. A capacidade de troca de calor está relacionada à transpiração importante para a hipertermia a evaporação, que é parte da perspiração insensível e, logo, ocorre mesmo na hipotermia; a radiação, principal forma de perda de calor do corpo em condições normais de temperatura; e a convecção e condução. O impedimento da troca de calor, a capacidade isolante da superfície corporal, deve-se às propriedades da pele e dos tecidos subcutâneos da hipoderme, como a camada de tecido adiposo (principalmente comum, amarelo ou unilocular) subcutâneo, que contribui para a termogênese por acumular lipídios - substâncias muito energéticas - e a gordura ser isolante térmico eficiente. Em adultos, quase todo o tecido adiposo é unilocular células com uma grande gotícula de gordura em seu citoplasma. Ele forma o panículo adiposo, distribuído uniformemente no recém-nascido, e seletivamente depositado com a idade, o que é regulado pelos hormônios sexuais e corticais da glândula adrenal. No feto e no recém-nascido, o tecido adiposo multilocular ou marrom tem importância na produção de calor, tendo função auxiliar na termorregulação; está comumente localizado no pescoço e na região abdominal. Tem importância maior em animais hibernantes, onde outrora era chamada glândula hibernante. Esse tipo celular possui várias gotículas de lipídios e muitas mitocôndrias, onde uma estimulação

15 15 simpática de noradrenalina estimula a -oxidação de ácidos graxos e a produção de calor em vez de ATP, pela proteína desacopladora de membrana UCP-1. O metabolismo entra na equação de perda-ganho de calor em posição essencial para o equilíbrio térmico. Diz-se que o calor é um subproduto essencial do metabolismo, e a consideração deste conceito na hipotermia permite a avaliação da importância da termogênese para a homeostase e a vida. Os três principais grupos de substâncias energéticas para a espécie humana são, em ordem de importância: os carboidratos, os lipídios e as proteínas. Todos eles, seja via glicólise, -oxidação ou degradação de aminoácidos, podem participar do Ciclo de Krebs e da Cadeia Respiratória, gerando ATP e calor. Em média, 35% da energia dos alimentos têm como produto a formação de calor. A Resposta do Corpo ao Decréscimo na Temperatura A exposição do corpo a baixas temperaturas ambientes é primeiramente geradora de estímulo nos termoceptores periféricos. Como eles possuem adaptação lenta caráter compartilhado pelos de frio e de calor haverá um padrão de resposta mais intenso no início, mantendo-se menos freqüente após 3-5s. A resposta fásica e breve é muito importante, pois está ligada à variação de temperatura, e seu caráter intenso é essencial, uma vez que os termoceptores representam um dos poucos tipos de receptores que disparam mesmo em condições ambientes. As fibras A são o principal caminho dos estímulos da pele ao Sistema Nervoso Central. No hipotálamo, a diminuição na temperatura da superfície causa resposta do centro de produção e conservação de calor, a partir do estímulo termoceptor cutâneo - considerando um nível de alteração térmico-fisiológica insuficiente para afetar de modo significativo a atividade receptora central. A resposta do centro será em direção à termogênese, e não necessariamente envolve calafrios, como no experimento de sua estimulação elétrica. A estratégia do corpo em resposta a um decréscimo na temperatura envolverá dois componentes básicos: a conservação e a produção de calor. A conservação de calor derivada de características do corpo como o acúmulo de gordura e a relação massa-superfície. O acúmulo de gordura não é visto como artifício

16 16 humano para evitar a perda de calor, uma vez que existem mecanismos mais eficientes e saudáveis para isolamento térmico como roupas de frio ou cobertores. O funcionamento do isolamento é afastar o corpo da temperatura ambiente é melhor que o ar troque calor com um agasalho que diretamente com a pele. A relação massa/superfície é conseqüência de o corpo perder calor pela superfície (evaporação e transpiração), além do trato respiratório, e de produzir calor pelos tecidos a massa. Desse modo, quanto maior a massa em relação à área de superfície, mais fácil a conservação térmica. Isso explica porque os alpinistas geralmente têm seus dedos congelados quando ocorrem imprevistos (além de eles estarem afastados do centro do corpo), ou porque se encolher no frio ou abraçar alguém ajuda a conservar calor. A conservação da temperatura central é uma estratégia para manter o funcionamento do corpo, dada a localização dos órgãos vitais. Desse modo, caso a manutenção da temperatura corporal esteja difícil, até mesmo ameaçando a manutenção térmica interna, o corpo prioriza esta em detrimento da temperatura cutânea e das partes mais periféricas. A representação do corpo utilizando isotermas, em ambiente normal e frio, ilustra este fato. A figura também mostra como a temperatura central é encefálica e abdominal, e não só abdominal como a denominação central poderia sugerir. Além disso, a pele e as mãos e pés sempre estão algo próximo a um grau abaixo da temperatura central, o que corrobora a necessidade de aferição retal/oral como térmicos valores mais precisos.

17 17 A conservação de calor também envolve a vasoconstrição cutânea, uma vez que o sangue é uma fonte de calor das partes mais internas do corpo para as mais externas, por convecção o sangue ganha calor quando passa por órgãos de grande metabolismo (e, logo, geração de calor) como o coração, o cérebro, o fígado e o baço, e perde calor para a pele e os pulmões, estes perdem calor na evaporação de água no trato respiratório (perspiração insensível). A vasoconstrição é uma resposta dos vasos, a partir do estímulo hipotalâmico, de diminuição do fluxo sangüíneo da periferia para o centro do corpo, impedindo que o calor perdido por convecção nas regiões mais superficiais diminua a temperatura central. Nos vasos da pele da mão, excepcionalmente, há resposta direta ao frio. A vasoconstrição é generalizada; segurar uma pedra de gelo na mão não causa o efeito constritor apenas localmente e isso não se deve apenas ao sangue resfriado, uma vez que mesmo havendo um manguito impedindo o fluxo sangüíneo da mão para outras áreas ainda há constrição. O frio possui efeito que diminui o transporte de oxigênio pelo eritrócito a curva de dissociação sofre desvio à esquerda. Esta situação associada ao menor transporte pelo decréscimo no fluxo causa cianose. A partir de quando as condições térmicas (o frio causa lesão tecidual) e de falta de oxigênio para o metabolismo celular começam a se tornar uma real ameaça para os tecidos superficiais, inicia-se a vasodilatação secundária, que vai contra a estratégia de confinar o frio às regiões periféricas, mas que impede lesão tecidual. O rubor na face em pessoas expostas ao frio é exemplo dessa situação. O último - e menos importante na espécie humana - mecanismo de conservação térmica é a piloereção, decorrente da atividade dos músculos eretores dos pêlos inseridos nos folículos pilosos, conferindo aos pêlos posição vertical à pele. A produção de calor é conseqüência da termogênese, que pode ser dividida em três grupos (além das atividades físicas voluntárias): o efeito termogênico dos alimentos, a termogênese com e sem calafrios. O efeito termogênico dos alimentos refere-se ao aumento do metabolismo pelas reações químicas associadas à digestão, e este efeito é notado, sobretudo para as

18 18 proteínas. Contudo, não pode ser relacionado, assim como atividades físicas voluntárias, como fator direto na termorregulação. A termogênese sem calafrios é a produção de calor em resposta ao frio, a partir da estimulação do Sistema Nervoso Simpático, liberando adrenalina e noradrenalina, que aumentam a atividade metabólica, produzindo calor. Além disso, estimula a atividade do tecido adiposo marrom (importante em recém-nascidos, como visto). Em relação à termogênese sem calafrios, a regulação dos hormônios tireoidianos que estimulam o metabolismo é feita, adicionalmente às ações de TRH, TSH e iodeto, pelo estado nutricional (estar em jejum, por exemplo) e térmico - uma vez que este é um produto do metabolismo. Pessoas que moram em lugares muito frios têm aumento na produção de T 3 e, em menor escala, de TRH e TSH. Em neonatos, a então inédita atividade de regulação térmica causa um aumento de TSH e, conseqüentemente, de T 4. A termogênese com calafrios é um processo associado ao aumento metabólico e refere-se à produção de calor a partir de um aumento na atividade muscular. Integrando as situações, pode-se considerar os calafrios como evento termogênico mais importante na febre e em hipotermia severa, abordada a seguir. No frio extremo, a capacidade termorregulatória é posta em xeque. Normalmente, uma pessoa sofre parada ou fibrilação cardíaca após minutos em água gelada, o que pode levar a temperatura central a 25 o C. Temperaturas centrais abaixo de 29,5 o C geralmente são suficientes para que o hipotálamo perca a capacidade de controle térmico. Ulcerações pelo frio, o congelamento de áreas superficiais, causa lesão celular permanente. A resposta fisiológica vasodilatadora busca evitar essa condição, mas não tendo tanta efetividade, em nossa espécie, na manutenção de temperaturas ambiente muito baixas. O Journal of American Medical Association (JAMA) publicou em Outubro de 1992 um protocolo de atendimento para pessoas com hipotermia severa (abaixo de 30 o C), associando-a a depressão do Sistema Nervoso, hipotensão arterial e débito cardíaco baixo. Os pulsos periféricos serão de difícil aferição. Procedimentos de suporte básico de vida são imprescindíveis, a ressuscitação cardiopulmonar deve ser realizada.

*Temperatura corporal, regulação térmica e febre

*Temperatura corporal, regulação térmica e febre UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO I *Introdução *Temperatura corporal, regulação térmica e febre *Seres humanos *Endotérmicos

Leia mais

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia FÁRMACOS ANALGÉSICOS Analgésico é um termo coletivo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas

Leia mais

TEMPERATURA E TERMORREGULAÇÃO TERMORREGULAÇÃO ENDOTÉRMICA

TEMPERATURA E TERMORREGULAÇÃO TERMORREGULAÇÃO ENDOTÉRMICA TEMPERATURA E TERMORREGULAÇÃO TERMORREGULAÇÃO ENDOTÉRMICA Animais endotermos Geram seu próprio calor produção metabólica Possuem condutividade térmica baixa (isolamento alto) Endotermia Alto custo metabólico:

Leia mais

Calor. Calor. Temperatura Corporal. Perfusão Pele

Calor. Calor. Temperatura Corporal. Perfusão Pele 2 Temperatura Central ( core ) T retal > 1ºC > T oral Estável em condições Basais ( ± 0,6 ºC ) Variabilidade moderada: exercício intenso ( 38,5-40,0 ºC ) temperaturas extremas 2 Temperatura Pele Grande

Leia mais

Termorregulação. É a capacidade de manutenção da temperatura corpórea dentro de certos limites, mesmo quando a temperatura do ambiente é diferente.

Termorregulação. É a capacidade de manutenção da temperatura corpórea dentro de certos limites, mesmo quando a temperatura do ambiente é diferente. Termorregulação É a capacidade de manutenção da temperatura corpórea dentro de certos limites, mesmo quando a temperatura do ambiente é diferente. Tipos de termorregulação Fisiológica o organismo utiliza

Leia mais

REGULAÇÃO DA TEMPERATURA

REGULAÇÃO DA TEMPERATURA REGULAÇÃO DA TEMPERATURA REGULAÇÃO DA TEMPERATURA centro regulador: hipotálamo grupos neuronais tipo termostato 37 ± 1 C mecanismos: receptores térmicos informações sensoriais sistema de alerta inicial

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes. AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda)

TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes. AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda) TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda) PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 124 (Setembro/Outubro de 1999) Enquadramento do tema A temperatura interior

Leia mais

Fisiologia da glândula Tireóide

Fisiologia da glândula Tireóide Universidade Federal do Espírito Santo PSICOLOGIA Fisiologia da glândula Tireóide Élio Waichert Júnior Localização anatômica Secreta 3 Hormônios: Tiroxina (T4) Triiodotironina (T3) Calcitonina Prof. Élio

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello Ritmos Biológicos e Exercício Físico Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello ... é a ciência que se preocupa com a investigação e objetivamente com a quantificação dos mecanismos da estrutura

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORES: Ludmila / Márcia DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Orientações gerais: Este trabalho

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Visão Geral do Sistema Nervoso Central O Sistema Nervoso Central - SNC

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO:

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: Ed Burke, Phd. Fisiologista do Esporte da Universidade do Colorado (USA). DEFINIÇÃO: Causas de fadiga muscular: - Desidratação: Transpiração, respiração, produção de urina. -

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10 Thyaggo Raphaell 1. Baseado nas propriedades ondulatórias de transmissão e reflexão, as ondas de ultrassom podem ser empregadas para medir a espessura de vasos sanguíneos. A figura a seguir representa

Leia mais

Hormônio do Crescimento

Hormônio do Crescimento Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hormônio do Crescimento O Hormônio do Crescimento Humano é um dos muitos hormônios que tem sua produção

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano A prática regular e moderada da actividade física pode trazer benefícios substanciais para a saúde da população, como seja reduzir para metade o risco de doenças coronárias, baixar o risco de desenvolver

Leia mais

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR NEUROFISIOLOGIA Prof. Hélder Mauad DOR - Mecanismo de proteção do organismo Ocorre quando um tecido está sendo lesado Faz com que o indivíduo reaja para remover o estímulo lesivo

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde. Araken Rodrigues de Carvalho

Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde. Araken Rodrigues de Carvalho Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde Araken Rodrigues de Carvalho Brasília 2002 Centro Universitário de Brasília UniCEUB Faculdade de Ciências da Saúde FACS Licenciatura em Ciências

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução à Anatomia e Fisiologia EN2319-Bases Biológicas para Engenharia I Reginaldo K Fukuchi Universidade Federal do ABC Por que

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos.

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos. ANATOMIA HUMANA II Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema tegumentar Conceito Estruturas Pele Anexos Funções 1 CONCEITO Estudo Microscópico Maior orgão do corpo humano Proporciona

Leia mais

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof.Msc.MoisésMendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular Esse sistema é constituído por um fluido circulante (o

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças Funcionamento e coordenação nervosa Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças No Sistema Nervoso as mensagens são

Leia mais

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Sistema endócrino + Sistema nervoso integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Conjunto de glândulas endócrinas que secretam hormônio Relembrando Glândulas que liberam

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 14. Sistema nervoso

8ª série / 9º ano U. E. 14. Sistema nervoso 8ª série / 9º ano U. E. 14 Sistema nervoso O cérebro, a medula e os nervos são os principais órgãos que formam o sistema nervoso. As informações que chegam ao cérebro são respondidas com estímulos que

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das TIREÓIDE

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das TIREÓIDE SISTEMA ENDÓCRINO Jatin Das Os hormônios tireoidianos são fundamentais para o desenvolvimento de vários órgãos no período embrionário, rio, mas também m são responsáveis pelo crescimento, a diferenciação

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

TERMORREGULAÇÃO NOS ANIMAIS. Ismar Araujo de Moraes Prof. Assoc. do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da Universidade Federal Fluminense.

TERMORREGULAÇÃO NOS ANIMAIS. Ismar Araujo de Moraes Prof. Assoc. do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da Universidade Federal Fluminense. TERMORREGULAÇÃO NOS ANIMAIS Ismar Araujo de Moraes Prof. Assoc. do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da Universidade Federal Fluminense. DEFINIÇÃO: É a capacidade de manutenção da temperatura corporal

Leia mais

Uma conexão entre o sono e a fome

Uma conexão entre o sono e a fome ciência FISIOLOGIA y Uma conexão entre o sono e a fome Hormônio que indica ao corpo a hora de dormir também regula a ingestão de alimentos e o acúmulo de gordura A melatonina, hormônio produzido pela glândula

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA ONDAS DE CALOR 2009 RECOMENDAÇÕES PARA DESPORTISTAS Nº: 29/DA DATA: 04/08/09 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos de Saúde Divisão de Saúde Ambiental INTRODUÇÃO

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório. A circulação do sangue permite o transporte

Leia mais

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Prof. Ricardo Freitas M.Sc. CREF 008822-G/MG. Formação Acadêmica Atuação Profissional Linha de Pesquisa E-mail: ricardo.dias@upe.pe.gov.br www.lifegroup.com.br

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas.

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas. RESUMO DE AULA Sistema endócrino I O funcionamento e equilíbrio fisiológico do corpo humano dependem em parte da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos denominados de hormônios.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia 1 O sistema nervoso é o mais complexo e diferenciado do organismo, sendo o primeiro a se

Leia mais

LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA / SMED LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1.

LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA / SMED LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA EPT LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

Prof.º Carlos Eduardo de Oliveira

Prof.º Carlos Eduardo de Oliveira Prof.º Carlos Eduardo de Oliveira IMPORTÂNCIA POR QUE A ÁGUA É ESSENCIAL PARA O ORGANISMO? 2 IMPORTÂNCIA A água costuma ser chamada de nutriente silencioso, denominação que reflete o grau de certeza da

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico, 21 outubro de 2014) CIÊNCIAS NATURAIS 9º ano de escolaridade Saúde Individual e comunitária Indicadores do estado de saúde de uma população

Leia mais

Mapeamento do córtex motor

Mapeamento do córtex motor Motricidade Mapeamento do córtex motor 1. Principal região controladora para início dos movimentos voluntários: Área motora primária- Giro pré-central 2.Área somatossensorial primária (giro pós central)

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

Regulação do metabolismo do glicogênio

Regulação do metabolismo do glicogênio Regulação do metabolismo do glicogênio A U L A 27 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Aprender sobre as vias de regulação do metabolismo de glicogênio. Reforçar os conceitos adquiridos

Leia mais

Efeitos do Ambiente Tropical sobre a Produção Animal

Efeitos do Ambiente Tropical sobre a Produção Animal Efeitos do Ambiente Tropical sobre a Produção Animal 1. Introdução Ana Maria Bridi Um dos grandes desafios da pecuária moderna está relacionado a exploração do máximo potencial genético do animal, tanto

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL:

NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL: NEUROFISIOLOGIA O Sistema Nervoso (SN) e o Sistema Endócrino (hormonal) desempenham a maioria das funções de controle do organismo - O SN controla atividades RÁPIDAS: contração muscular, eventos viscerais

Leia mais

MATÉRIA 8º 2º Dez/13 NOTA

MATÉRIA 8º 2º Dez/13 NOTA Valores eternos. TD Recuperação MATÉRIA Ciências ANO/TURMA SEMESTRE DATA 8º 2º Dez/13 ALUNO(A) PROFESSOR(A) Juliana TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS NOTA VISTO DOS PAIS/RESPONSÁVEIS 1. A pele é um órgão

Leia mais

ANEXO I - RESPOSTA FISIOLÓGICA AO CALOR INTENSO

ANEXO I - RESPOSTA FISIOLÓGICA AO CALOR INTENSO ANEXOS 28 ANEXO I - RESPOSTA FISIOLÓGICA AO CALOR INTENSO Resposta fisiológica ao calor intenso A temperatura corporal é constantemente regulada mantendo-se num intervalo relativamente estreito (35ºC 39ºC),

Leia mais

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina FACULDADE DE MEDICINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA VIDA PUC-Campinas DISCIPLINA DE BASES MORFOFISIOLÓGICAS DO SISTEMA NERVOSO, SENSORIAL E LOCOMOTOR BIOQUÍMICA A 2012 Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Objetivos:

Leia mais

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014.

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014. 1. (Ufsm 2015) O consumo exagerado de sódio está associado a uma serie de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares. Essas moléculas são responsáveis por 72% das mortes no Brasil,

Leia mais

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com QUEIMADURAS Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Problemática da queimadura no Brasil São lesões frequentes em acidentes de trabalho. Considera-se a quarta causa de óbitos

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA 01. O transporte de CO 2 no sangue dos vertebrados é feito, principalmente, sob a forma de: a) carboxi-hemoglobina b) íons bicarbonato pela ação da anidrase

Leia mais

A Importância do Sono

A Importância do Sono 1 A Importância do Sono Dra. Regeane Trabulsi Cronfli É um total contra-senso o fato de que, num mundo em que cerca de 16 a 40% das pessoas em geral sofrem de insônia, haja aquelas que, iludidas pelos

Leia mais

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato Sinalização celular Profa. Dra. Monica Akemi Sato Mensageiros Químicos Número de células Corpo Humano ~75 trilhões As células são especializadas na execução da função específica Ex: secreção ou contração.

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino e o papel da Melatonina

Fisiologia do Sistema Endócrino e o papel da Melatonina Liga Acadêmica de Farmacologia Fisiologia do Sistema Endócrino e o papel da Melatonina Prof. Dr. Luiz Carlos dos Reis Melatonin, human aging, and age-related diseases M Karaseka Experimental Gerontology

Leia mais

A patroa quer emagrecer

A patroa quer emagrecer A patroa quer emagrecer A UU L AL A Andando pela rua, você passa em frente a uma farmácia e resolve entrar para conferir seu peso na balança. E aí vem aquela surpresa: uns quilinhos a mais, ou, em outros

Leia mais

TC DE CIÊNCIAS 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

TC DE CIÊNCIAS 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Professor(es): Samuel Bitu ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: 01. Vinte pessoas normais beberam, cada uma, 2 litros de água num intervalo de 2 horas. A seguir temos os gráficos que registram

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi Sistemas Excretores Definição Para manutenção da vida de um organismo animal, todo alimento e substancia que são digeridas, as células absorvem os nutrientes necessários para o fornecimento de energia.

Leia mais

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros http://wp.ufpel.edu.br/obesidadediabetes/ Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico

Leia mais

Papel do hipotálamo. nos comportamentos motivados

Papel do hipotálamo. nos comportamentos motivados Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Ciências Fisiológicas Psicofisiologia Papel do hipotálamo nos comportamentos motivados Prof. Dr. Leonardo dos Santos e homeostase comportamental DesdeosexperimentosdeCannoneBard(1929),jásepercebeu

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

BIO E EXTENSIVO AULA 30

BIO E EXTENSIVO AULA 30 BIO E EXTENSIVO AULA 30 30.01 - Uma célula nervosa (neurônio) é constituída basicamente por: corpo celular, onde se encontram as organelas e o núcleo; dendritos, que são ramificações que recebem o estímulo

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi Prof. Marta E. Malavassi Conceito: processo orgânico que envolve ingestão, digestão, absorção, transporte e eliminação das substâncias alimentares para a manutenção de funções, a formação e regeneração

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais