Hermano Fabrício Oliveira Guanais e Queiroz 1 1. O DECRETO-LEI 25/1937, UMA LIÇÃO DE SABEDORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hermano Fabrício Oliveira Guanais e Queiroz 1 1. O DECRETO-LEI 25/1937, UMA LIÇÃO DE SABEDORIA"

Transcrição

1 1 PRÁTICAS LEGISLATIVAS DEMOLIDORAS DO PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO: a revogação do direito de preferência e a desestruturação da ordem jusculturalista do Decreto-Lei 25/1937 Hermano Fabrício Oliveira Guanais e Queiroz 1 RESUMO: Tomando como ponto de partida as múltiplas ações danosas praticadas em face do patrimônio cultural brasileiro, de forma direta e/ou oblíqua, por parte não apenas de particulares e pessoas jurídicas de direito privado, mas, sobretudo, pelo próprio Estado, é que este ensaio trata de alguns aspectos relevantes acerca da recente revogação do art. 22 do Decreto-Lei 25, de 30 de novembro de 1937, pela Lei Federal , de 16 de março de 2015, pelo Congresso Nacional brasileiro e sancionado pela Presidência da República. O artigo revogado confere à União, Estados e Municípios o direito de preferência na aquisição de bens culturais privados e que foram patrimonializados mediante a aplicação do instrumento do Tombamento, obrigando o particular a, em hipóteses de alienação onerosa de bens móveis e imóveis tombados, ofertá-los a tais entes da Administração Direta em primeiro plano e, somente no caso de recusa, oportunizar a terceiros. Tal modificação normativa retira parcela do poder do Estado na condução do processo de preservação do patrimônio cultural, desconsiderando a supremacia do interesse público sobre o privado e colocando os entes federativos em pé de igualdade aos particulares, os quais, muitas vezes, não possuem intenções de preservação. Palavras-chave: Patrimônio cultural. Tombamento. Decreto-Lei 25/1937. Ilegalidade. Inconstitucionalidade. 1. O DECRETO-LEI 25/1937, UMA LIÇÃO DE SABEDORIA O constante ataque ao patrimônio cultural não está tão distante da realidade brasileira e nem tão pouco se resume em ações de destruição de bens culturais de relevância para a História de povos e civilizações antigas transmitidas atualmente pela mídia. Enquanto a sociedade brasileira assiste, atenta e irresignada, ao aniquilamento de monumentos consagrados, recriminando com veemência tais atos, o Congresso Nacional brasileiro decreta e o Executivo Federal sanciona a Lei , de 16 de março de 2015, que trata das normas fundamentais e da aplicação das normas processuais no âmbito do Processo Civil, a qual revoga, por meio do art , I, todo o Capítulo IV do Decreto-Lei 25, de 30 de novembro de 1937, art. 22, que concede ao Poder Público o direito de preferência sobre os bens privados tombados quando da sua alienação onerosa. A história da formulação do DL 25/1937 remonta à década de No âmbito do Ministério da Educação e Saúde, o Ministro Gustavo Capanema deflagrou uma parcela do seu 1 Diplomado em Magistério pelo CNMP; Bacharel em Direito pela Universidade Salvador; foi estagiário do Tribunal de Justiça da Bahia; pós-graduado lato sensu em Direito pela Escola de Magistrados da Bahia; Mestre em Preservação do Patrimônio Cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional; advogado e Consultor Jurídico do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia; professor universitário; autor de artigos jurídicos publicados em revistas nacionais.

2 2 projeto de modernização, fazendo surgir as primeiras práticas de preservação do patrimônio cultural no Brasil com a criação do Serviço do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (SPHAN) no ano de A partir daí, verificava-se a modificação de ideologia para a construção do Estado Novo, ainda que política ou simbolicamente, a partir da fixação do princípio da supremacia do interesse público sobre o privado, distanciando-se do individual, que era fragmentário, em busca do público ou do bem comum unificador. (CHUVA, 2012) O caminho mais seguro para a consolidação do projeto de Capanema foi a construção de uma legislação que desse conta de proteger, de modo efetivo, o conjunto dos bens móveis e imóveis existentes no País e cuja conservação fosse de interesse público, quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil, quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico, bibliográfico ou artístico. Assim nasceu o DL 25/37, fruto de diversas lutas e conquistas empreendidas por intelectuais brasileiros e grupos sociais que se articularam mais expressivamente na década de 1920 e que, já na década de 1930, sob a batuta de Mário de Andrade, inicialmente, e posteriormente do advogado e jornalista Rodrigo de Melo Franco de Andrade, deram o passo primeiro para a oficialização do primeiro órgão estatal de proteção ao Patrimônio Histórico e Artístico Nacional da América Latina, o SPHAN, e da legislação especial para a tutela do patrimônio cultural brasileiro. Desde a construção cuidadosa do novel instrumento legislativo, que foi um processo complexo, e sobretudo a sua implementação na prática, presente nas ações do SPHAN a cautela, perseverança e paciência que Rodrigo de Melo Franco e seus colaboradores tiveram ao longo da batalha de afirmação da constitucionalidade do DL 25/1937. A capacidade de estruturação de discursos demolidores e contrários às ideias preservacionistas sempre foi uma realidade na prática de preservação do patrimônio cultural, especialmente quando se trata dos efeitos restritivos ao direito de propriedade, próprios do Tombamento, decorrentes do DL 25/37. À época de aplicação inicial do Estatuto do Tombamento, o próprio Rodrigo de Melo Franco lutou incansavelmente em defesa da sua constitucionalidade. Segundo relata Sant Anna (2014):

3 3 [...] se hoje o Tombamento nos parece algo tão estabelecido ou quase tão inquestionável, temos que lembrar que, na época que ele surgiu, o Rodrigo levou uns 10 a 15 anos defendendo, nas barras dos Tribunais, a constitucionalidade do Tombamento. Então, isso também foi uma construção e para isso o IPHAN foi muito estratégico e político no sentido de identificar casos exemplares por meio dos quais essa jurisprudência, não só relacionada à constitucionalidade do ato do Tombamento, como também à constitucionalidade relacionada à vizinhança do bem tombado, isso foi uma construção muito competente, porque foi cautelosa e exemplar e se cercou de todos os cuidados no sentido de não permitir que, afinal, o instrumento fosse jogado fora, como muitos setores da sociedade e do próprio meio jurídico desejavam naquele momento. Com o perpassar dos anos, o instrumento do Tombamento foi se consolidando pela sua aplicação reiterada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em todos os recantos do Brasil, inaugurando os diversos livros de Tombo e as diversificadas categorias de patrimônio, contemplando os mais distintos patrimônios culturais de natureza material, na forma como previsto pelo DL 25/37, pela CF/88. A constitucionalidade do DL 25/37 estava já respaldada em doutrina e jurisprudência e a sua legitimidade se deu mais efetivamente com o advento da Constituição Federal de 1988 (CF/88), que estabeleceu o Estatuto do Patrimônio Cultural brasileiro nos arts. 215 e 216, fixando o rol de instrumentos de promoção e proteção do patrimônio cultural brasileiro e, dentre eles, o Tombamento. Houve, assim, o fenômeno constitucional da recepção do DL 25, de Importante ressaltar que, até aquele momento, de 1937 a 1988, houve somente uma alteração no texto legislativo do DL 25, mediante a Lei 6.292, de 1975, existindo, no decorrer dos anos, muito mais ampliação, pela doutrina e jurisprudência, dos efeitos de proteção daquele instrumento, no sentido de garantir mais efetivamente a salvaguarda dos bens de cultura objeto de Tombamento, ainda que forças contrárias tenham se estabelecido no decorrer da prática administrativa. No âmbito de aplicação do Tombamento, mediante as novas teorias desenvolvidas pela Fundação Nacional Pró Memória, Centro Nacional de Referências Culturais, Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, IPHAN, Unesco e pela própria CF/88, houve avanços significativos no que toca à observância da ideia de Referências Culturais, dos aspectos imateriais associados a bens materiais e da própria participação social e comunitária durante e depois do processo de patrimonialização.

4 4 É fato que o DL 25, juntamente com a CF/88 e demais normas esparsas, Convenções Internacionais e atos infra legais, sempre deu conta da proteção do patrimônio cultural brasileiro, sendo modelo e referência para diversos países que, assim como o Brasil, possui um rico acervo de bens culturais e que estão em permanente risco de dano. Para a surpresa de muitos que militam no campo do Patrimônio Cultural brasileiro, no dia 16 de março de 2015, no mesmo instante em que amplamente se condenam os atentados e práticas destruidoras realizadas por países em conflito aos monumentos históricos e artísticos de povos antigos, o Congresso Nacional brasileiro decreta e a Presidente sanciona a Lei , que retira do ordenamento jurídico pátrio a norma insculpida no DL 25/37, especificamente o seu art. 22. Esse artigo 22 está inserido no rol de direitos que decorrem do Tombamento definitivo de bens culturais móveis e imóveis. Estes direitos são chamados de instrumentos secundários de proteção e referem-se aos efeitos do Tombamento. Constitui-se numa forma de controle da preservação dos bens tombados, caracterizando, assim, forma de proteção ao patrimônio cultural já constituído. Dentre os efeitos decorrentes do Tombamento, Silva (2001, p.165 grifos nossos) aponta aquele oriundo do art. 22: 1) a obrigação de levar o tombamento a registro; 2) restrições à alienabilidade da coisa tombada; 3) restrições à modificabilidade da coisa tombada; 4) possibilidade de intervenção, nela, do órgão do tombamento (vigilância, vistoria, fiscalização, etc); 5) sujeição da propriedade vizinha da coisa tombada a restrições especiais. Do ato administrativo do Tombamento surgem diversas consequências jurídicas, conforme prevê o Decreto-lei 25/37, o qual conferiu à Administração Pública obrigações e direitos específicos, como o de preferência, que embora motivado pelo ato administrativo, constituiu-se direito individualizado dos entes Federativos, oponível aos terceiros envolvidos na negociação de determinado bem privado tombado a alienação. (RABELLO, 2009) No que se refere às restrições à alienabilidade, o DL 25/37 aponta a distinção entre os bens pertencentes ao Poder Público e às pessoas e entes privados. Na hipótese de pertencer o bem à União, Estados ou Municípios, opera-se a inalienabilidade para particulares, podendo-

5 5 se somente ser transferido de uma ou outra pessoa de direito público a outra do mesmo gênero, devendo o adquirente comunicar ao IPHAN a aquisição. Os bens de natureza privada, por sua vez, não são inalienáveis por conta do Tombamento. Há a incidência de algumas restrições: 1) sendo onerosa, concede-se o direito de preferência à União, Estados e Municípios; 2) quem adquiriu o bem fica obrigado a fazer constar do registro imobiliário a transferência no prazo de 30 dias, sob pena de multa, mesmo que se trate de transmissão judiciária ou causa mortis. Preleciona Rabello (2009) que: Sistema diverso foi previsto para os bens privados, cujo pressuposto, ao contrário dos bens públicos, é a alienabilidade. Poder dispor do bem é um dos elementos do direito de propriedade. Estabelecer a inalienabilidade absoluta para os bens privados poderia acarretar sua eventual inviabilidade econômica, pois estaria fora do comércio gerando, com isto, esvaziamento econômico da propriedade. Preferiu o legislador, no âmbito da regulamentação do poder de polícia a ser exercido pelo órgão competente, estabelecer apenas limitação à faculdade de disposição pelo proprietário de bem tombado. Em síntese, o art. 22, que produzia efeitos em relação ao proprietário e ao objeto, na classificação de Miranda (2006), previa que, nos casos de alienação onerosa de bens tombados, pertencentes a pessoas naturais ou jurídicas de direito privado, a União, os Estados e os Municípios teriam, nesta mesma ordem e pelo mesmo preço, o direito de preferência. É dizer, pretendia-se assegurar o direito de preferência aos entes federativos em caso de alienação onerosa da coisa tombada, sob pena, inclusive, de multa, nulidade da alienação e de sequestro do bem caso o proprietário não notificasse os titulares do direito de preferência a usá-lo, no prazo de trinta dias. Destaque-se que, mesmo que a lei institua a preferência na aquisição de pessoa de direito público, era razoável que, para exercício desta faculdade, tivesse o Poder Público de proceder à averbação deste direito no registro imobiliário, a fim de que produzisse efeitos contra terceiros adquirentes. De relação à nulidade, esta era pronunciada, na forma da lei, pelo juiz que deferisse o sequestro, que somente seria levantado depois de paga a multa e se quaisquer dos titulares do direito de preferência União, Estados e Municípios, não tivessem adquirido a coisa no prazo

6 6 de 30 dias. Quanto à alienação judicial de bem tombado, esta somente ocorreria após a prévia notificação judicial aos titulares do direito de preferência, correndo em favor deles o direito de remissão, caso as pessoas legitimadas pela lei não exercessem a faculdade de remir. A preocupação de Rodrigo de Melo Franco e de toda a equipe que, junto a ele, laborou cuidadosamente para a construção do DL 25/37 foi outorgar ao Estado o direito de analisar a viabilidade de, antes mesmo de que o bem cultural fosse colocado para venda no mercado, de forma indiscriminada, o próprio ente federativo declarasse o interesse na aquisição do bem, a fim garantir ainda mais a sua integridade, originalidade, autenticidade ou até mesmo manter usos e finalidade culturais, ocupação, pelo Poder Público, de espaços privilegiados nos contexto urbano, entre outros motivos relevantes e que redundam na ideia de preservação plena do patrimônio cultural. 2. A NÃO OBSERVÂNCIA AO PRINCÍPIO DA PROIBIÇÃO DE RETROCESSO A DIREITOS FUNDAMENTAIS A Carta de 1988 elevou os direitos culturais ao patamar de direito fundamental, consoante aponta a doutrina constitucionalista e remansosa jurisprudência. A tutela do patrimônio cultural enquadra-se na categoria dos chamados direitos fundamentais de segunda e terceira dimensões, estando relacionados à concretização dos direitos humanos, já que satisfaz a Humanidade de modo geral, dai o seu caráter difuso. Preserva a memória e valores e busca a garantia mais efetiva da sua transmissão às gerações presentes e às futuras. A concepção dos direitos culturais como fundamentais implica consideravelmente no tratamento de determinados assuntos de forma especial, significando aumento da sua relevância política, social e econômica, alterando, inclusive, a forma de tratamento das relações jurídicas entabuladas entre o particular e o Estado, entre particulares e particulares, Estado e Estado, refletindo, ainda, no próprio conteúdo dessas relações. (CUNHA FILHO, 2004) Canotilho (2004) observa que a categorização dos direitos culturais como direitos humanos fundamentais possibilita prefixar-lhes uma eficácia normativa diferenciada e preferencial sobre as demais categorias de direitos a serem reconhecidos e aplicados, tornando vinculado o processo de seleção e escolha, decisões e ações a serem perseguidas pelas

7 7 entidades públicas, particularmente pela parcela da Administração Pública incumbida de tarefas específicas. A análise da situação ora em destaque demonstra cabalmente o retrocesso absoluto a que foi vítima o patrimônio cultural brasileiro. A revogação do art. 22 do DL 25/37 significa um completo ataque às garantias conquistadas, a muito custo, pela sociedade brasileira, de ter, através da União, Estados e Municípios, assegurado o direito de preferência quando da alienação onerosa de bens culturais de propriedade privada tombados. O próprio Estado retirou de si o direito de exercer a preferência na aquisição de bens reconhecidos oficialmente como mais representativos da sua cultura. Há, in casu, flagrante violação ao princípio da vedação de retrocesso, conhecido pela doutrina estrangeira como effet cliquet. Este princípio tem como finalidade precípua impossibilitar que o legislador venha a desconstituir pura e simplesmente o grau de concretização que ele próprio havia dado às normas previstas na Constituição, sobretudo quando essas normas estão em harmonia com as disposições constitucionais que, em maior ou menos escala, acabam por depender dessas normas infraconstitucionais para alcançarem sua plena eficácia e efetividade. Isto quer dizer que, regulamentado determinado preceito constitucional, de índole social e cultural, o legislador não poderia, ulteriormente, retroceder no tocante à matéria, simplesmente revogando a regulamentação, ou de outra forma prejudicando o direito cultural já conhecido, reconhecido ou concretizado no seio da sociedade. A proibição do retrocesso em matéria cultural veda a possibilidade de, uma vez alcançados elevados níveis de concretização de direitos sociais e culturais, tais direitos venham a ser reduzidos ou suprimidos ou até mesmo extintos, excetuando-se as situações em que políticas compensatórias sejam implementadas pelas instâncias governamentais. Na hipótese presente, o Estado, por seus Poderes Legislativo e Executivo, está obrigado a atuar para dar satisfação plena ao direito cultural, estando forçado, também, a abster-se de atentar contra a concretização desses direitos.

8 8 O princípio da proibição de retrocesso traz segurança jurídica para a sociedade quanto à efetivação máxima dos direitos culturais, impedindo que os Poderes Legislativo e Executivo do Estado extingam ou suprimam direitos já conferidos pela Constituição Federal e leis infraconstitucionais sem que sejam substituídos adequadamente, compensados ou majorados. Há caminhos menos impactantes, menos gravosos! Acredita-se! 3. O EFEITO DOMINÓ DA LEI /2015 SOBRE A PRÁTICA PRESERVACIONISTA ESTADUAL E MUNICIPAL A alteração do DL 25/37 repercutirá, por certo, nos ordenamentos estaduais e municipais de proteção ao patrimônio cultural, e agigantará ainda mais a perda considerável de poder sofrida pelos entes federativos na sua missão constitucional e irrenunciável de preservação do patrimônio cultural protegido pela via do Tombamento. A repercussão da revogação do art. 22 do DL 25/37 no âmbito das legislações estaduais e municipais se dará, tendo em vista o regramento legal que disciplina a vigência e validade das normas gerais, que são diretrizes essenciais a serem observadas pelos demais entes federativos. No caso, com a edição da norma geral da União, a Lei /2015, posterior à norma do Estado, DL 25/1937, operar-se-á não a revogação da lei estadual ou municipal, mas sim a suspensão da eficácia destas leis, e somente no que for contrário à norma geral. Se a nova norma federal eventualmente vier a ser revogada posteriormente, as leis estaduais e municipais sobre normas gerais voltam a produzir efeitos (efeito repristinatório tácito). É o que dispõe o 4º, do art. 24, da CF/88, ao prever que a superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual, no que lhe for contrário. Os efeitos deletérios da revogação do direito de preferência abalarão, por certo, o poder e a autonomia de muitos entes federativos, sobretudo dos Estados e Municípios que constantemente lançam mão dessa garantia legal para fins de assegurar o domínio do Estado sobre bens imóveis e móveis portadores de referência à ação, à memória e identidade dos diversos grupos que formam a sociedade estadual e municipal.

9 9 4. A INCONSTITUCIONALIDADE/ILEGALIDADE DA LEI /2015 E O PAPEL INTERVENCIONISTA DO JUDICIÁRIO EM SEDE DE TUTELA DO PATRIMÔNIO CULTURAL Passadas mais de duas décadas da promulgação da Constituição Cidadã, é possível pensar no quanto a constitucionalização dos direitos culturais, de forma explícita ou não, contribuiu para a efetividade da tutela e salvaguarda do patrimônio cultural brasileiro. A competência e legitimidade do Poder Judiciário de dar concretude aos direitos culturais fundamentais surge a partir do momento em que o aparato Legislativo não der conta de produzir a sua eficácia plena ou mesmo diante de revogação de normas garantistas de proteção, lacunas ou insuficiências, debilidades ou ausência de normas que efetivamente protejam o patrimônio cultural reconhecido como representativo para a cultura nacional mediante a aplicação dos instrumentos constitucionais. Há, sem dúvidas, indagações relevantes acerca da qualidade da crescente intervenção do Poder Judiciário na esfera da tutela do patrimônio cultural assim como no campo do meio ambiente cultural e dos direitos e deveres culturais de modo amplo, da mesma maneira como ocorre na efetivação do direito à educação, saúde e outros. O Texto Constitucional deixou evidente que o Estado Sociocultural de Direito é, inquestionavelmente, um Estado protetor e promotor dos direitos fundamentais, de modo que todos os Poderes- Executivo, Legislativo e Judiciário-, e órgãos estatais, estão vinculados à concretização do direito fundamental à cultura e à memória, sem prejuízo da responsabilidade a ser imputada em caso de ações ou omissões danosas aos bens culturais. A todos esses órgãos e Poderes foram outorgadas competências e imposto o dever de proteção e promoção cultural, no sentido de obter a maior eficácia e efetividade possível dos direitos e deveres fundamentais socioculturais. Assim, quando a questão é relacionada a dano ao patrimônio cultural, considerando os riscos sociais e culturais, inclusive a irreversibilidade do dano, irreparável ou de difícil reparação, tem-se presente um conjunto de obrigações estatais a serem adotadas a fim de enfrentar as suas causas e consequências. A legitimidade do Poder Judiciário para atuar na esfera do patrimônio cultural tem seu fundamento basilar no art. 5º, XXXV, da Lex Mater de1988, que determina que a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito. A aplicação de tal

10 10 mandamento constitucional não desconsidera as controvérsias acerca da intervenção judicial no controle das políticas públicas e no conteúdo material de determinadas legislações. O controle judicial de políticas públicas culturais, bem como o controle de legalidade e constitucionalidade de leis, deve ser concebida como um forte mecanismo conferido ao cidadão, individual ou coletivamente considerado. Esse controle sobre a atividade política do legislador tem amparo constitucional no art. 216, 1º, que estabelece o dever do Poder Público, de modo amplo, e da comunidade de forma geral, de proteger e promover o patrimônio cultural. A intervenção do Poder Judiciário na efetivação de direitos culturais surge através da instauração de um processo judicial e se configura numa atividade de substituição, decorrente justamente da existência de um litígio que não encontrou, na ordem administrativa, solução ou caso tenha encontrado, não atendeu aos interesses de uma das partes. Neste caso, fica patente que o Executivo e o Legislativo, mediante os atos administrativos e as leis por si elaboradas, não deram conta de prevenir ou resolver certas questões. Em princípio, o Poder Judiciário não deveria interferir em esfera reservada a outro Poder para substituí-lo em juízos de conveniência e oportunidade, querendo controlar as opções legislativas de organização e prestação, a não ser, excepcionalmente, quando haja uma violação evidente e arbitrária, pelo legislador, da incumbência constitucional. (KRELL, 2002, p.22) É esta a hipótese. A edição da Lei /2015, que revogou o art. 22 do DL 25/1937, significa violação frontal e arbitrária, pelo legislador, da incumbência constitucional de proteção ao patrimônio cultural pelo Poder Público, como impõe o art. 216 da CF/88. A extinção do direito de preferência outorgado à União, Estados e Municípios, representa violação evidente, pelo Legislativo e Executivo Federal, à missão constitucional de proteção máxima ao patrimônio cultural brasileiro, reconhecido pelo Tombamento por ser portador de referência à ação, à memória e à identidade dos diversos grupos formadores da sociedade brasileira. Diante disso, compete ao Poder Judiciário, instigado pelos órgãos e pessoas constitucionalmente competentes, fazer o controle de legalidade e/ou constitucionalidade da Lei /2015, visando à manutenção da força normativa da Constituição e dos direitos

11 11 culturais nela previstos, assim como nas leis que regem o patrimônio cultural brasileiro. As ações judiciais, penais e cíveis, buscam a concretização desses direitos e merecem ser evocadas para a restauração da ordem jurídica pátria. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS A questão em análise, sem dúvida, causou estranheza aos jusculturalistas de plantão e àqueles que vivenciam a luta pelos direitos culturais, tanto os que atuam nos entes públicos encarregados da preservação do patrimônio cultural quanto os que atuam na área acadêmica ou mesmo no âmbito privado. Esperava-se, no mínimo, fosse levado em consideração a imprescindível e necessária participação social e até mesmo dos entes públicos encarregados, constitucional e legalmente, da tarefa de preservação do patrimônio cultural brasileiro, mediante prévia comunicação e intervenção dos órgãos federais e ainda dos Estados e Municípios interessados, do Ministério Público Federal, da Ordem dos Advogados do Brasil, IPHAN, e demais pessoas interessadas e legitimadas a discutir o assunto. A participação de todos no debate, em caráter preventivo, poderia evitar a revogação do art. 22 e os seus efeitos diminuidores do poder e da autoridade conferidos ao Estado. Todo processo legislativo democrático requer, por dever legal (constitucional), moral e até ético, a participação dos interessados, sem que isso seja considerado violação à independência dos Poderes. O ato de império da Administração Pública - Legislativo e Executivo Federal, de forma tão imperativa e dotada de surpresa, sem se dar ao menos ciência prévia ao Poder Público direta e indiretamente vinculado à preservação do patrimônio cultural brasileiro a fim de que pudesse adotar medidas outras, preventivas, causou e causará danos irreparáveis ao Patrimônio Cultural do Brasil, reconhecido pelo tombamento. Imensuráveis! O princípio da proibição de retrocesso social confere aos direitos fundamentais, em especial aos direitos culturais, estabilidade nas conquistas dispostas na Carta Política, proibindo o Estado de alterar tais conquistas, unilateralmente, quer seja por mera liberalidade, quer seja como escusa de realização dos direitos culturais.

12 12 A estabilidade nas relações jurídicas não pretende tornar a Constituição e as normas infraconstitucionais imutáveis, mas dar segurança jurídica e assegurar que se um direito for alterado, que passe por um longo processo de análise para que venha a beneficiar seus destinatários e não prejudicá-los. Tendo em vista que se vive num Estado onde segurança jurídica quase que se limita às relações contratuais, deve-se ter suficientemente claro que a segurança é uma medida contra ações retrocessivas do Poder Público, ignorando os direitos adquiridos. Deve-se, assim, entender os direitos culturais como irredutíveis, passíveis somente de modificações que ampliem seu alcance. Sobre isso, Sarlet bem afirma: [...] a segurança jurídica, na sua dimensão objetiva, exige um patamar mínimo de continuidade do (e, no nosso sentir, também no) Direito, ao passo que, na perspectiva subjetiva, significa a proteção da confiança do cidadão nesta continuidade da ordem jurídica no sentido de uma segurança individual das suas próprias posições jurídicas. Quer-se, por imperativo de justiça, proibir ou limitar a liberdade do legislador de extinguir, total ou parcialmente, de modo arbitrário, um direito sem a criação de outro equivalente, de igual patamar. A proteção dos direitos culturais deve se dar também conforme o direito adquirido e contra medidas restritivas aos direitos fundamentais. A preservação do núcleo essencial dos direitos fundamentais culturais deve certamente preservar as conquistas existentes, tanto pela concretização normativa como pelos novos posicionamentos jurisprudenciais e administrativos. Vê-se que o conceito que mais se encaixa ao princípio da proibição do retrocesso social, que também pode ser usado como objetivo, numa síntese de conceitos divulgados por Ingo Sarlet, Canotilho, entre outros, é o princípio garantidor do progresso adquirido pela sociedade durante os períodos de mudanças e transformações. O Estado brasileiro, in casu, conquistou o direito de preferência na aquisição de bens privados objeto de Tombamento, e quase oito décadas se passaram desde a entrada em vigor do DL 25/1937 sem que isso fosse sequer questionado.

13 13 A ideia da proibição do retrocesso legal está diretamente ligada ao pensamento do constitucionalismo dirigente defendido por Canotilho, que fixa as tarefas de ação futura ao Estado e à sociedade com a finalidade de dar maior alcance aos direitos sociais e culturais e diminuir os ataques e práticas destrutivas ao patrimônio cultural. Em razão disso, tanto a legislação como as decisões judiciais e os atos administrativos não podem abandonar os avanços que se deram ao longo desses quase 80 anos de aplicação do Tombamento e da garantia do direito de preferência que possibilita à União, Estados e Municípios ter assegurada prerrogativa de, em primeiro lugar, apreciar a conveniência e oportunidade em adquirir o bem móvel ou imóvel privado tombado quando da sua alienação onerosa. A revogação do art. 22 do DL 25/1937 acaba por retirar do Estado a faculdade de, independente da vontade do proprietário ou de terceiros, exercer o direito de aquisição do bem tombado no momento da sua alienação onerosa. A necessidade de prévia oferta aos entes estatais acabava por colocar o Estado numa situação de vantagem perante o particular, o que é plenamente justificado em nome do interesse público e social, pois o processo de patrimonialização altera a substância jurídica do bem tombado, que passa a ter natureza de bem de interesse público, e, portanto, concede ao Estado a prerrogativa de julgar a conveniência ou não em exercer o direito de preferência. A finalidade do dispositivo ora revogado sempre fora legítima, na medida em que pretendia garantir ao Estado a preservação de interesses difusos e coletivos através da aquisição da propriedade desses bens representativos, que sob a tutela estatal, poderiam ter sua fruição coletiva mais amplamente assegurada. O patrimônio cultural brasileiro logrou inúmeras conquistas ao longo de mais de sete décadas e essas conquistas não podem ser desconsideradas de modo tão simplório. Este retrocesso será sempre prima facie inconstitucional e ilegal, carecendo de uma justificativa constitucionalmente adequada e que atenda ao princípio da proporcionalidade necessário, adequado e razoável sob pena de ser impugnado em sede de controle de constitucionalidade/legalidade, o que se almeja e espera ardentemente dos órgãos competentes, com a brevidade que a situação impõe. REFERÊNCIAS

14 14 BRASIL. Decreto-Lei 25, de 30 de novembro de Organiza a proteção do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 10 abrl CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e teoria da Constituição. 5. ed. Coimbra: Almedina, Direito Constitucional. 5. ed. Coimbra: Almedina, O Direito ao Ambiente como Direito Subjectivo. In: CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Estudos sobre Direitos Fundamentais. Coimbra: Coimbra, p , Provedor de Justiça e Efeito Horizontal de Direitos, Liberdades e Garantias. In: CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Estudos sobre Direitos Fundamentais.Coimbra: Coimbra, p , CAPANEMA, Gustavo. Rodrigo, espelho de critério In: A Lição de Rodrigo. Recife: Amigos do DPHAN, CHUVA, Márcia. Fundando a nação: a representação de um Brasil barroco, moderno e civilizado. Topoi.Rio de Janeiro; v. 4, n.7, jul.-dez.2003, p Disponível em: Acesso em: 03 out CUNHA FILHO, Francisco Humberto. Direitos culturais como direitos fundamentais no ordenamento jurídico brasileiro. Brasília: Brasília Jurídica, Cultura e Democracia na Constituição Federal de 1988: A Representação de interesses e sua aplicação ao Programa Nacional de Apoio à Cultura. Rio de Janeiro: Letra Legal, Construindo o Federalismo Cultural um guia para o gestor municipal de cultura. Ceará. SECULT, KRELL, Andreas Joachim. Direitos sociais e controle judicial no Brasil e na Alemanha. Ed. SAFE, 2002 KRELL, Andreas (Organizador). A Aplicação do Direito Ambiental no Estado Federativo. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, MIRANDA, Marcos Paulo de Souza. Tutela do patrimônio cultural brasileiro: doutrina, jurisprudência e legislação. Belo Horizonte: Del Rey, Patrimônio Cultural: Um Aspecto Negligenciado nos Estudos de Impacto Ambiental. Ministério Público de Minas Gerais, Promotoria Estadual de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico de Minas Gerais. Disponível em: acesso em 02/04/2015 RABELLO, Sonia. O Estado na preservação dos bens culturais: o tombamento. Rio de Janeiro: IPHAN, 2009.

15 15 SANT ANNA. Márcia G. Da cidade-monumento à cidade-documento: a trajetória da norma de preservação de áreas urbanas no Brasil ( ). Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade Federal da Bahia (UFBA), A cidade-atração: patrimônio e valorização de áreas centrais no Brasil dos anos 90. In: SANTOS, Afonso Carlos Marques; KESSEL, Carlos; GUIMARAENS, Ceça. (Org.). Livro do Seminário Internacional Museus e Cidades. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2004, v. 1, p Parecer apresentado na Banca de Mestrado do Programa de Especialização em Patrimônio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional- IPHAN. Mestrando: QUEIROZ, Hermano Fabrício O. Guanais e. ; Rio de Janeiro: Salvador, dezembro de SARLET, Ingo Wolfgang. A Eficácia dos Direitos Fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 10. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011, p A eficácia dos direitos fundamentais. 6. ed. rev. atual. ampl. Porto Alegre: Livraria do Advogado, Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, SILVA, José Afonso da. Ordenação Constitucional da Cultura. São Paulo: Malheiros, 2001.

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. Regulamento Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Arthur Oliveira Maia) Altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.650, de 20 de abril de 1993, para suprimir qualquer restrição ou preferência legal na contratação de treinador

Leia mais

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO 3ᴼ Ano Turmas A e B Prof. Ms: Vânia Cristina Teixeira CORREÇÃO PROVA 3ᴼ BIM Examine as proposições abaixo, concernentes à desapropriação, e assinale a alternativa correta: I. Sujeito

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

Direito do Trabalho no Tempo

Direito do Trabalho no Tempo Direito do Trabalho no Tempo Mario Paiva DIREITO DO TRABALHO NO TEMPO Art. 2. A lei só dispõe para o futuro, não tem efeitos retroativos Código Civil Francês de 1804 A norma jurídica tem eficácia limitada

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito de associação do servidor público militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Constituição Federal vigente rompeu com o Estado até então existente e que era regido pela Constituição

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral As eleições são resguardadas pelo princípio da anualidade, insculpido no art. 16 da Constituição Federal. Esse princípio constitucional,

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-638/00 (A6) DATA: 2000-04-06 Assunto: Motorista

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços

PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURÍDICO Sistema de Registro De Preços PARECER JURIDICO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS, LEGALIDADE, CARONA, ADESÃO, VIGÊNCIA, VALIDADE, CONSEQUENCIAS JURÍDICAS. RELATÓRIO Trata-se o expediente os seguintes

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O que é uma ONG? Rodrigo Mendes Delgado *. Uma ONG é uma Organização Não-Governamental. Mas, para que serve uma ONG? Simples, serve para auxiliar o Estado na consecução de seus objetivos

Leia mais

O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO CONSTITUCIONAL DE PROTEÇÃO AO PATRIMÔNIO CULTURAL. Marcos Paulo de Souza Miranda Promotor de Justiça - MG

O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO CONSTITUCIONAL DE PROTEÇÃO AO PATRIMÔNIO CULTURAL. Marcos Paulo de Souza Miranda Promotor de Justiça - MG O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO CONSTITUCIONAL DE PROTEÇÃO AO PATRIMÔNIO CULTURAL Marcos Paulo de Souza Miranda Promotor de Justiça - MG ANTECEDENTES Os inventários são uma das mais antigas formas de proteção

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Atos administrativos Parte 2

Atos administrativos Parte 2 Parte 2 Todos os direitos reservados. A comercialização não autorizada desta obra, por qualquer meio, eletrônico ou reprográfico, ainda que parcial, constitui ato ilícito, respondendo os infratores nos

Leia mais

Arquivos Públicos e Transparência. Aurora Maia Dantas

Arquivos Públicos e Transparência. Aurora Maia Dantas Arquivos Públicos e Transparência Aurora Maia Dantas Informação Dados, processados ou não, que podem ser utilizados para produção e transmissão de conhecimento, contidos em qualquer meio, suporte ou formato

Leia mais

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas 01. ( FUNIVESA/SEPLAG/AFC 2009) Assinale a alternativa correta acerca da organização administrativa brasileira. ( A ) Toda a sociedade em que

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 1 Eficácia é o poder que tem as normas e os atos jurídicos para a conseqüente produção de seus efeitos jurídicos próprios. No sábio entendimento do mestre

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

ASSEMBLEIA DO POVO. Lei n.º 19/91 De 25 de Maio

ASSEMBLEIA DO POVO. Lei n.º 19/91 De 25 de Maio ASSEMBLEIA DO POVO Lei n.º 19/91 De 25 de Maio A grande maioria dos imóveis existentes no país constitui propriedade estatal, quer por reversão, ao abrigo do artigo 1.º, n.º 1 da Lei n.º 43/76, de 19 de

Leia mais

A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS

A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS DENISE LUCENA CAVALCANTE Pós-Doutora pela Universidade de Lisboa. Doutora pela PUC/SP Mestre pela UFC. Procuradora

Leia mais

Considerando que o Decreto-Lei 25/37 veda a destruição de bens culturais tombados (art. 17);

Considerando que o Decreto-Lei 25/37 veda a destruição de bens culturais tombados (art. 17); A Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente - ABRAMPA, o Conselho de Coordenadores de Centros de Apoio Operacional de Meio Ambiente, Patrimônio Cultural e Urbanismo do Ministério

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR

Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR Suspensão de Liminar nº 764/AM Relator: Ministro Presidente Requerente: Estado do Amazonas Requerido: Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas Interessado: Ministério Público

Leia mais

Princípios da Administração Pública. Direito Administrativo. Princípios da Administração Pública. Legalidade. Impessoalidade.

Princípios da Administração Pública. Direito Administrativo. Princípios da Administração Pública. Legalidade. Impessoalidade. Direito Administrativo Princípios da Administração Pública Armando Mercadante Fev/2010 Princípios da Administração Pública Princípios expressos no caput do art. 37, CF Legalidade Impessoalidade Moralidade

Leia mais

Meio ambiente e proibição do retrocesso. Um olhar sobre a Lei Federal n 12.651/2012

Meio ambiente e proibição do retrocesso. Um olhar sobre a Lei Federal n 12.651/2012 Meio ambiente e proibição do retrocesso Um olhar sobre a Lei Federal n 12.651/2012 PROIBIÇÃO DO RETROCESSO Denominações: vedação da retrogradação, vedação do retrocesso, não retrocesso, não retorno da

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA ISSN 2238-300X ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Francisco Pitanga 1 A Educação Física passa por momento bastante difícil no Estado da Bahia e precisamos

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO DESPACHO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO DESPACHO fls. 71 DESPACHO Agravo de Instrumento Processo nº 2057738-24.2014.8.26.0000 Relator(a): CAMARGO PEREIRA Órgão Julgador: 3ª CÂMARA DE DIREITO PÚBLICO Vistos. Cuida-se de agravo de instrumento extraído

Leia mais

LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical

LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical A Assembleia Legislativa decreta, nos termos conjugados dos artigos 27.º, 36.º, 40.º, 43.º e 71.º alínea 1, da Lei Básica da Região

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos Nota Técnica nº 07/2008 SINASEFE. Dispositivo do Estatuto que permite a incorporação de outros sindicatos à entidade, na condição de seções sindicais. Análise da legalidade da disposição à luz da Constituição

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

Subordinação ao direito público é:

Subordinação ao direito público é: A Administração e o direito público Subordinação ao direito público é: 1. Subordinação ao direito constitucional: não só porque é o vértice da pirâmide da ordem jurídica, mas também porque tem normas materialmente

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

PROJETO DE LEI N 4.596/09

PROJETO DE LEI N 4.596/09 1 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI N 4.596/09 (Do Sr. Capitão Assumção) Altera os artigos 3 e 41 da Lei n 9.474, de 22 de julho de 1997, que "Define mecanismos para a

Leia mais

Ato Administrativo. Direito Administrativo. Fernanda Paula Oliveira 1. 1. Conceito de ato administrativo. Busca de um conceito de ato administrativo

Ato Administrativo. Direito Administrativo. Fernanda Paula Oliveira 1. 1. Conceito de ato administrativo. Busca de um conceito de ato administrativo 1 Ato Administrativo 2 1. Conceito de ato administrativo 3 Busca de um conceito de ato administrativo Intenção inicial: identificar a forma de atuação administrativa que tipicamente se apresentava como

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S P R A Z O S Processo/Procedimento Prazo Fundamento Comunicação Disciplinar 05 dias úteis art 56, parág 2º CEDM Entrada em vigor da Lei 14.310 45 dias artigo 98 CEDM Mudança de conceito cada ano sem punição

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

Marco legal. da política indigenista brasileira

Marco legal. da política indigenista brasileira Marco legal da política indigenista brasileira A política indigenista no país tem como base a Constituição Federal de 1988, o Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973) e instrumentos jurídicos internacionais,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento.

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. Limitações na ação de consignação em pagamento Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. 1 Conceito O que significa consignação em pagamento?

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 Gustavo Justino de Oliveira Pós Doutor em Direito Administrativo Universidade de Coimbra Professor de Direito

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

DECRETO Nº 2.134, DE 24 DE JANEIRO DE

DECRETO Nº 2.134, DE 24 DE JANEIRO DE DECRETO Nº 2.134, DE 24 DE JANEIRO DE 1997 (Revogado Pelo Decreto nº 4.553, de 27.12.2002) Regulamenta o art. 23 da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a categoria dos documentos públicos

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau XII CONGRESSO BRASILEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MEIO AMBIENTE PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau FUNDAMENTOS

Leia mais

1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA

1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA SIC 29/10* Belo Horizonte, 02 de agosto de 2010. 1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA 1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

O Aumento por Faixa Etária após o Estatuto do Idoso

O Aumento por Faixa Etária após o Estatuto do Idoso O Aumento por Faixa Etária após o Estatuto do Idoso 367 Marisa Simões Mattos Passos 1 A atividade explorada pelas operadoras de planos ou seguros privados de assistência saúde tem enorme repercussão social,

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais