Estratégia do Alto Alentejo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégia do Alto Alentejo"

Transcrição

1 Por um Crescimento Sustentável nas Regiões Portuguesas Estratégia do Alto Alentejo TIAGO GAIO Director da AREANATejo Porto, 7 de Junho de 2013

2 Missão e Objectivos Promover e desenvolver actividades que contribuam para uma maior eficiência energética e uma maior utilização dos recursos endógenos; Desenvolver projectos e métodos com vista à utilização racional da energia e dos recursos; Disseminar as melhores técnicas e procedimentos com vista à promoção de um desenvolvimento local sustentável. Áreas de Actuação Energia Ambiente Mobilidade Sensibilização

3

4 Eficiência Energética e Energias Renováveis Redução das emissões de CO 2 Redução da Factura Energética

5 Gestão da Procura de Energia Matriz de consumos (por tipo e por sector) Tendências evolutivas (cenários) Intervenção: eficiência energética Gestão da Oferta de Energia Mapeamento dos recursos endógenos Potencial de aproveitamento energético Intervenção: energias renováveis

6 Gestão da Procura de Energia Matriz de consumos (por tipo e por sector) Tendências evolutivas (cenários) Intervenção: eficiência energética Gestão da Oferta de Energia Mapeamento dos recursos endógenos Potencial de aproveitamento energético Intervenção: energias renováveis

7 Gestão da Procura de Energia cofinanciamento pelo INALENTEJO (projecto CO 2 Zero): colaboração: CIMAA e ADRAL investimento: euros

8 Gestão da Procura de Energia

9 Gestão da Procura de Energia 10% 4% 2% 3% 32% Indústria Serviços Doméstico Agricultura 30% Turismo Edifícios Públicos 19% Iluminação Pública

10 Utilização Racional de Energia Iluminação Pública e Semáforos Caracterização e georeferenciação da rede de IP Instalação de sistemas de regulação do fluxo luminoso Instalação de luminárias mais eficientes (LED) Colocação de sistemas de telegestão Substituição das ópticas semafóricas (LED) cofinanciamento pelo INALENTEJO (projecto ILUPub) coordenação da CIMAA e parceria com EDP investimento: euros

11 Utilização Racional de Energia Edifícios (Desportivos, Administrativos e Escolares) Auditorias Energéticas cofinanciamento pelo POCTEP (projectos RETALER, RETALER2, PROMOEENER e ALTERCEXA2) investimento: euros Instalação de sistemas solares térmicos cofinanciamento pelo INALENTEJO (projecto SolAcqua), pelo POCTEP (projecto RETALER) e pelo MED (projecto ZEroCO 2 ) investimento: euros Instalação de caldeiras a biomassa cofinanciamento pelo MED (projecto ZEroCO 2 ) investimento: euros

12 Gestão da Procura de Energia Matriz de consumos (por tipo e por sector) Tendências evolutivas (cenários) Intervenção: eficiência energética Gestão da Oferta de Energia Mapeamento dos recursos endógenos Potencial de aproveitamento energético Intervenção: energias renováveis

13 Mapeamento dos Recursos Endógenos Energia Eólica Mapeamento do Potencial Eólico Instalação de 5 torres anemométricas na região cofinanciamento pelo INALENTEJO (projecto CO 2 Zero) e pelo POCTEP (projecto RETALER) colaboração com o LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia investimento: euros Instalação do Parque Eólico de Portalegre (8MW, até final de 2013)

14 Mapeamento dos Recursos Endógenos Energia Solar Mapeamento do potencial solar Instalação de 8 estações de medição da radiação solar cofinanciamento pelo POCTEP (projecto RETALER2) colaboração com o IPES Instituto Português de Energia Solar investimento: euros Energia Geotérmica Mapeamento do potencial geotérmico Utilização de sondas de perfuração (em curso) cofinanciamento pelo POCTEP (projecto PROMOEENER) colaboração com o LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia investimento: euros

15 Mapeamento dos Recursos Endógenos BIOENERGIA Mapeamento do potencial biomássico cofinanciamento pelo POCTEP (projecto ALTERCEXA) colaboração com a ESTG (IPP) investimento: euros Promoção do aproveitamento da biomassa: Energia eléctrica (central de biomassa) Energia térmica (biocombustíveis)

16 Mapeamento dos Recursos Endógenos BIOENERGIA Mapeamento do potencial biomássico cofinanciamento pelo POCTEP (projecto ALTERCEXA) colaboração com a ESTG (IPP) Promoção do aproveitamento da biomassa: Energia eléctrica (central de biomassa) Energia térmica (biocombustíveis)

17 Mapeamento dos Recursos Endógenos Biomassa Florestal

18 Disponibilidade de Biomassa (por espécie)

19 Disponibilidade de Biomassa Coberto vegetal bastante diversificado: Azinheira, Sobreiro, Eucalipto, Pinheiro bravo e Pastagens

20 Valorização Energética de Biomassa

21 Mapeamento dos Recursos Endógenos BIOENERGIA Mapeamento do potencial biomássico cofinanciamento pelo POCTEP (projecto ALTERCEXA) colaboração com a ESTG (IPP) Promoção do aproveitamento da biomassa: Energia eléctrica (central de biomassa) Energia térmica (biocombustíveis)

22 Mapeamento dos Recursos Endógenos BIOENERGIA Mapeamento do potencial biomássico cofinanciamento pelo POCTEP (projecto ALTERCEXA) colaboração com a ESTG (IPP) Promoção do aproveitamento da biomassa: Energia eléctrica (central de biomassa) Energia térmica (biocombustíveis) Dinamização de um evento internacional cofinanciamento pelo INALENTEJO: euros Articulação com o SRTT / PCTA IPP & C3i cofinanciamento pelo INALENTEJO: euros

23 Objectivos Estratégicos Investigação, desenvolvimento tecnológico e inovação Acesso às tecnologias de informação e comunicação Competitividade das PMEs Ensino, competências e aprendizagem Transição para uma economia com baixas emissões de carbono Adaptação às alterações climáticas e prevenção e gestão de riscos Proteger o ambiente e promover a eficiência dos recursos Transportes sustentáveis Administração pública eficiente

24 Prioridades de Investimento Implementação de medidas de melhoria da eficiência energética nas infraestruturas (públicas) e nos edifícios (públicos e privados) Instalação de sistemas e tecnologias de energias renováveis para produção descentralizada de energia (ao nível da redução da dependência externa de energia) em todos os sectores com vista a uma transição para uma economia de baixo carbono

25 Prioridades de Investimento Instalação de sistemas de gestão assentes nas TIC: eficiência energética e melhoria do desempenho energético da administração pública (edifícios e infraestruturas), gestão de recursos (água e florestas) e controlo e monitorização das emissões de carbono Fomento de uma gestão florestal sustentável e de uma adequada gestão de recursos (água e resíduos)

26 Prioridades de Investimento Criação de novos negócios em torno da cadeia de valor das energias renováveis (nomeadamente da bioenergia):

27 Parcerias e Sinergias

28 Parcerias e Sinergias

29 Rua D. Nuno Álvares Pereira, n.º 61, 1.º E Portalegre PORTUGAL Tel.: Fax: Website:

Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo)

Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo) Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo) = Como as autarquias encaram a problemática da eficiência energética = TIAGO GAIO tiago.gaio@areanatejo.pt Otimização de Soluções Construtivas Coimbra,

Leia mais

Investimentos t na Área da Biomassa - Alto Alentejo -

Investimentos t na Área da Biomassa - Alto Alentejo - Investimentos t na Área da Biomassa - Alto Alentejo - Sabugal, 3 de Junho de 2016 Resumo 1. MAPEAMENTO BIOMÁSSICO DO ALTO ALENTEJO i. O projecto Altercexa ii. O projecto Bioatlas 2. CASOS PRÁTICOS i. Exemplo

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

Eficiência Energética no Alto Alentejo: 2014_2020. Projetos ILUPub & EDIPub

Eficiência Energética no Alto Alentejo: 2014_2020. Projetos ILUPub & EDIPub Eficiência Energética no Alto Alentejo: 2014_2020 Projetos ILUPub & EDIPub Eficiência Energética no Alto Alentejo OBJETIVO: Reduzir o consumo e os custos energéticos dos Municípios do Alto Alentejo METODOLOGIA:

Leia mais

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal 5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final Direcção Nacional de Gestão Florestal SEFDR 7 de Setembro de 2010 1. INOVAÇÕES 1.ª cobertura aerofotográfica digital Utilização de software

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis

(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis As metas ambientais fixadas pela União Europeia para 2020 (aumento da eficiência energética e da utilização de energias renováveis em 20%), a recente legislação criada para o sector dos edifícios (RSCECE

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. TIC e Eficiência Energética, o Estado a dar o exemplo APDC Lisboa, 23 de Junho de 2010

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. TIC e Eficiência Energética, o Estado a dar o exemplo APDC Lisboa, 23 de Junho de 2010 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA TIC e Eficiência Energética, o Estado a dar o exemplo APDC Lisboa, 23 de Junho de 2010 0 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA 1 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2009 1 Programas do Portugal

Leia mais

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Cristina Santos 1 Enquadramento na EU 2 Disponibilidades 3 Estratégia nacional 1 Enquadramento Directiva 2001/77/CE relativa às energia renováveis

Leia mais

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal Cidades Analíticas Acelerar o desenvolvimento das Cidades Inteligentes em Portugal Programa Operacional Regional Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL 2006.2008

PLANO DE PROMOÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL 2006.2008 PLANO DE PROMOÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL 2006.2008 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2007 Versão Síntese Rede Eléctrica Nacional, S.A. Novembro de 2008 Índice 1. Mensagem do Presidente 2. Fichas de actividade Manutenção

Leia mais

GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS

GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS Medidas Propostas Recolha dos óleos alimentares usados domésticos para produção de biodiesel Energia eólica Energia fotovoltaica Central biogás efluentes

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão ALCÁCER DO SAL 28 de Março de Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão"

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão ALCÁCER DO SAL 28 de Março de Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão ALCÁCER DO SAL 28 de Março de 2014 Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão" 28. 03. 2014 Índice 2 1. UNAC 2. Apresentação do Projeto 3. Principais

Leia mais

RNAE. As Agências de Energia e o Futuro do Sector Energético. Cidades Sustentáveis. Luis Fernandes. Região Sul. Lisboa, 03 de Fevereiro de 2012

RNAE. As Agências de Energia e o Futuro do Sector Energético. Cidades Sustentáveis. Luis Fernandes. Região Sul. Lisboa, 03 de Fevereiro de 2012 Região Sul RNAE As Agências de Energia e o Futuro do Sector Energético Cidades Sustentáveis Lisboa, 03 de Fevereiro de 2012 Luis Fernandes rnae.portugal@gmail.com Principais desafios Mudança de paradigma

Leia mais

Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 19/11/2008, 17/04/2009, 25/09/2009, 20/04/2010, 14/10/2010 e 4/04/2011

Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 19/11/2008, 17/04/2009, 25/09/2009, 20/04/2010, 14/10/2010 e 4/04/2011 Programas Operacionais Regionais do Continente Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 19/11/2008, 17/04/2009, 25/09/2009, 20/04/2010, 14/10/2010 e 4/04/2011 Requalificação da Rede Escolar do 1.º Ciclo do Entrada

Leia mais

Opções de utilização da biomassa florestal

Opções de utilização da biomassa florestal utilização da biomassa florestal no nergético de Luís Manuel de Aguiar Teixeira Orientador: Prof. Vítor Leal nergético de Paradigma energético actual assente essencialmente nas Fontes Fósseis Consumo mundial

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano:

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano: : Exemplo de valorização da sustentabilidade Colóquio A Sustentabilidade do setor vitivínicola: Que desafios? @ Lisboa Instituto da Vinha e do Vinho 31-01-2012 bcaldeira@consulai.com TEMAS A ABORDAR ENQUADRAMENTO

Leia mais

QREN Incentivos Financeiros às Empresas do Turismo. COIMBRA, 30 Março 2012

QREN Incentivos Financeiros às Empresas do Turismo. COIMBRA, 30 Março 2012 QREN s Financeiros às Empresas do Turismo COIMBRA, 30 Março 2012 QREN. 2007-2013 Agenda da Competitividade - Objectivos Eficiência da Administração Pública Conhecimento e Inovação Qualificação de PME Convergência

Leia mais

Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente. Financiamento de projetos para Cidades Analíticas

Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente. Financiamento de projetos para Cidades Analíticas Programa Operacional Regional do Alentejo/Estratégia Regional de Especialização Inteligente Financiamento de projetos para Cidades Analíticas Rio Maior 13 de Março 2015 Estratégia Regional de Especialização

Leia mais

PROJETOS PÚBLICOS E POLÍTICAS DO TERRITÓRIO ( Eixos Prioritários / Objetivos temáticos / Prioridades de Investimento/ Montantes)

PROJETOS PÚBLICOS E POLÍTICAS DO TERRITÓRIO ( Eixos Prioritários / Objetivos temáticos / Prioridades de Investimento/ Montantes) www.algarve.portugal2020.pt Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento ROTEIRO REGIONAL DO CRESC ALGARVE 2020 ALBUFEIRA FARO VILA REAL St. ANTÓNIO

Leia mais

Estratégia para o Crescimento e Inovação Região de Aveiro

Estratégia para o Crescimento e Inovação Região de Aveiro Congresso da 15 de março de 2013 PRIORIDADES Eficiência energética e fontes de energia renovável Eficiente utilização de recursos Inovação e competitividade das PME 2014-2020 Combate à pobreza e à exclusão

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica. Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica. Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011 Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011 A eficiência energética está na agenda da EDP Distribuição Aumento do consumo O consumo de energia eléctrica

Leia mais

Conferência: Floresta e Território Riscos, Economia e Políticas. A Economia da Fileira Florestal. 21 de março de 2015 Proença-a-Nova

Conferência: Floresta e Território Riscos, Economia e Políticas. A Economia da Fileira Florestal. 21 de março de 2015 Proença-a-Nova Conferência: Floresta e Território Riscos, Economia e Políticas A Economia da Fileira Florestal 21 de março de 2015 Proença-a-Nova Futuro em 25 min Os nossos números 35% - Enquadramento Nacional 38% -Enquadramento

Leia mais

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente República de Angola Ministério do Ambiente Seminário Energias Limpas em Angola: Ministério da Energia e das Águas O Impacto das Energias Limpas no Ambiente Direcção Nacional de Tecnologias Ambientais 7

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

Investigação para impulsionar a Bioenergia em Portugal

Investigação para impulsionar a Bioenergia em Portugal Investigação para impulsionar a Bioenergia em Portugal Luís Arroja M. Lopes, S.Rafael, L. Tarelho, A. Dias, C. Silveira, A.I. Miranda. 29 Maio Portalegre A UA e a BIOENERGIA A atual política climática/energética

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

Lisboa 2020 Sessão de esclarecimento Programa. Apresentação do Programa Operacional Regional de Lisboa 2020

Lisboa 2020 Sessão de esclarecimento Programa. Apresentação do Programa Operacional Regional de Lisboa 2020 Abertura Lisboa 2020 Sessão de esclarecimento Programa Carlos Pina, Presidente do LNEC Nelson de Souza, Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão Apresentação do Programa Operacional Regional de

Leia mais

O sobreiro, os montados e a cortiça

O sobreiro, os montados e a cortiça O sobreiro, os montados e a cortiça Um património universal Uma herança a preservar Armando Sevinate Pinto Lisboa, 15 de Setembro de 2011 O sobreiro (Quercus Suber) Família: Fagáceas Género: Quercus 30

Leia mais

SOLUÇÃO de Financiamento do Projeto

SOLUÇÃO de Financiamento do Projeto SOLUÇÃO de Financiamento do Projeto Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) 2007-2013 Agenda Potencial Humano Agenda Valorização do Território Agenda (fatores de) Competitividade Programa Operacional

Leia mais

Caderno de Encargos para desenvolvimento de uma campanha de comunicação no âmbito do Projectoâncora Carbon Footprint Label

Caderno de Encargos para desenvolvimento de uma campanha de comunicação no âmbito do Projectoâncora Carbon Footprint Label Caderno de Encargos para desenvolvimento de uma campanha de comunicação no âmbito do Projectoâncora Carbon Footprint Label ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2. PÚBLICOSALVO 3. CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO 4. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Agenda 21 Agricultura e Floresta. Seminário Temático O FUTURO DA AGRICULTURA, FLORESTA E DESPOVOAMENTO DA REGIÃO. Nordeste 21 PRÓXIMOS SEMINÁRIOS

Agenda 21 Agricultura e Floresta. Seminário Temático O FUTURO DA AGRICULTURA, FLORESTA E DESPOVOAMENTO DA REGIÃO. Nordeste 21 PRÓXIMOS SEMINÁRIOS PRÓXIMOS SEMINÁRIOS 23 de Maio - ESTRATÉGIAS DA GESTÃO DE ÁGUA e RESÍDUOS, em Macedo de Cavaleiros Seminário Temático O FUTURO DA AGRICULTURA, FLORESTA E DESPOVOAMENTO DA REGIÃO Agenda 21 Local do Helena

Leia mais

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Situação Energética nacional Entre 1990 e 2005, o Consumo Energia Primária aumentou 54%, situando-se hoje nos 30% face a 1990 (igual a 1998). Em 2010 o

Leia mais

ÍNDICE. P.03 Enquadramento. P.04 Programa da Conferência. P.08 Expositores da Mostra Tecnológica. P.09 Mapa de Expositores. P.10 Resultados BIOATLAS

ÍNDICE. P.03 Enquadramento. P.04 Programa da Conferência. P.08 Expositores da Mostra Tecnológica. P.09 Mapa de Expositores. P.10 Resultados BIOATLAS ÍNDICE P.03 Enquadramento P.04 Programa da Conferência P.08 Expositores da Mostra Tecnológica P.09 Mapa de Expositores P.10 Resultados BIOATLAS P.11 Mapa BIOATLAS info@bioenergiaportugal.com www.bioenergiaportugal.com

Leia mais

Oleiros: floresta de oportunidades

Oleiros: floresta de oportunidades Oleiros: floresta de oportunidades Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira valor dos recursos florestais para a sociedade Importância do setor florestal - fileiras industriais desenvolvidas

Leia mais

Apresentação do Programa

Apresentação do Programa Apresentação do Programa A Região Lisboa e Vale do Tejo AML A Estratégia do Programa Operacional Afirmar Lisboa como uma região cosmopolita e competitiva no sistema das regiões europeias, contribuindo

Leia mais

O LNEG e as Compras Sustentáveis

O LNEG e as Compras Sustentáveis Inovação através das Compras Sustentáveis: O projecto SMART-SPP Paula Trindade, LNEG Supported by: YOUR LOGO O LNEG e as Compras Sustentáveis o Projecto GreenMed (2003 2003-2006 2006) Aplicação na Câmara

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

Berlenga Laboratório. rio de Sustentabilidade. Sandra Estanislau ISQ

Berlenga Laboratório. rio de Sustentabilidade. Sandra Estanislau ISQ Berlenga Laboratório rio de Sustentabilidade Sandra Estanislau ISQ Ilha da Berlenga - 5 de Julho 2007 Tópicos 1. Objectivos do Projecto 2. Parceria 3. Fases do Projecto Avaliação de Recursos Naturais Energia

Leia mais

Ciência e Inovação Realizar Portugal

Ciência e Inovação Realizar Portugal Programa Operacional Ciência e Inovação Realizar Portugal União Europeia Fundos Estruturais Programa Operacional Ciência e Inovação 2010 No dia 24 de Dezembro de 2004 foi aprovado, por decisão (5706/2004)

Leia mais

Objetivos. Prioridades de temáticos. investimento

Objetivos. Prioridades de temáticos. investimento 1. Reforço da investigação, do desenvolvimento tecnológico e da inovação (objetivo I&D) n.º 1 do artigo 9.º) Todas as prioridades de ao abrigo do objetivo temático n.º 1 1.1. Investigação e inovação: Existência

Leia mais

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO PROJECTO RURAL VALUE Desenvolvimento sustentável de sistemas agrícolas extensivos ameaçados Programa Castro Verde Sustentável Centro de Educação Ambiental do Vale

Leia mais

APRESENTAÇÃO SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AS GRANDES OPORTUNIDADES

APRESENTAÇÃO SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AS GRANDES OPORTUNIDADES APRESENTAÇÃO O Jornal água&ambiente organiza o Seminário Eficiência Energética: as grandes oportunidades no próximo dia 26 de Junho de 2012, no Hotel Açores, em Lisboa. Numa altura em que a eficiência

Leia mais

Portugal 2020: Objetivos e Desafios António Dieb

Portugal 2020: Objetivos e Desafios António Dieb Portugal 2020: Objetivos e Desafios 2014-2020 António Dieb Porto, 11 de julho de 2016 Tópicos: 1. Enquadramento Estratégico (EU 2020) 2. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 3. Estrutura Operacional

Leia mais

O crescimento começa nas cidades

O crescimento começa nas cidades O crescimento começa nas cidades Fundo JESSICA Portugal 20 de novembro de 2014 Nuno Vitorino Secretário-Geral - JHFP 20/11/2014 Apresentação do Modelo de Governação JESSICA HFP 1 Racionalidade: Concentração

Leia mais

Plataforma Tecnológica da Floresta - Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal. 6 de maio de 2015 UA, Aveiro

Plataforma Tecnológica da Floresta - Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal. 6 de maio de 2015 UA, Aveiro Plataforma Tecnológica da Floresta - Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal 6 de maio de 2015 UA, Aveiro Futuro em 10 min A Visão AIFF (1) 35% - Enquadramento

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N.

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N. EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: Aviso n.º 1/REB/AC REQUALIFICAÇÃO DA REDE ESCOLAR DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DA EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Leia mais

Comercialização de produtos diferenciados na perspectiva do produtor Alfredo Sendim. Exploração Familiar. Produção Extensiva. Montado 1.

Comercialização de produtos diferenciados na perspectiva do produtor Alfredo Sendim. Exploração Familiar. Produção Extensiva. Montado 1. Exploração Familiar Produção Extensiva Montado 1.900 ha Herdade do Freixo do Meio Montemor-o-Novo Alentejo- Portugal Montado = Eco-Eficiência O Montado é um agro-ecossistema produtivo, que resulta da acção

Leia mais

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo Apoio à Economia Circular no Portugal 2020 O caso do PO SEUR Helena Pinheiro de Azevedo ECONOMIA CIRCULAR o que é É uma sociedade que privilegia a Eficiência no Uso de Recursos Naturais Evita o uso e desperdício

Leia mais

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. BENEFICIÁRIOS E PROJECTOS ELEGÍVEIS 3. TIPO DE DESPESAS 4. INVESTIMENTOS ELEGÍVEIS 5. SUMÁRIO DAS CARACTERÍSTICAS DA LINHA 6. VANTAGENS PARA

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais. Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais

Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais. Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais Nuno Pedro 1, Cristina Alegria 1, Paulo Fernandez 1 José Massano 1 Filipe Afonso 1, Isabel Castanheira 1 1 Instituto Politécnico de Castelo Branco, Escola Superior Agrária, Castelo Branco, Portugal npedro@ipcb.pt

Leia mais

04 Financiar o Desenvolvimento Sustentável

04 Financiar o Desenvolvimento Sustentável PAULO CATRICA 1965, Lisboa, Portugal Rio Murtiga, Alentejo, Agosto, 2005 Prova cromogénea de ampliação digital (Processo LightJet Lambda) 155 x 125 cm Edição 1/5 Fotografia de Paulo Catrica, Cortesia Galeria

Leia mais

Seminário de Transporte Ferroviário. Alargar Horizontes. 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios

Seminário de Transporte Ferroviário. Alargar Horizontes. 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios Seminário de Transporte Ferroviário Alargar Horizontes 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios 1.Funcionamento do Sector 2.Portugal na Península Ibérica 3.Novo Paradigma 4.Objectivos CP Carga 5.Materialização

Leia mais

Ficha de Projeto Simplificado

Ficha de Projeto Simplificado Ficha de Projeto Simplificado ICNF/DCNF Registo n.º Data de submissão do projeto (dd/mm/aa) Índice 1 - Elementos gerais 1.1 - Identificação do requerente 1.2 - Identificação e localização da área de intervenção

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

FINANCIAMENTO E CAPITAL DE RISCO

FINANCIAMENTO E CAPITAL DE RISCO FINANCIAMENTO E CAPITAL DE RISCO FINOVA O FINOVA - Fundo de Apoio ao Financiamento à Inovação - criado através do Decreto-lei n.º 175/2008, de 26 de Agosto, como instrumento para a concretização dos objectivos

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 5 ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO Ação 5.1 CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÕES DE PRODUTORES Enquadramento Regulamentar Artigo 27.º Criação

Leia mais

A Estratégia Regional de Especialização Inteligente do Alentejo

A Estratégia Regional de Especialização Inteligente do Alentejo A Estratégia Regional de Especialização Inteligente do Alentejo CCDRAlentejo em 30 de Janeiro de 2015 Direcção de Serviços de Desenvolvimento Regional ROTEIRO: 1. A Estratégia Regional de Especialização

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

Política de Coesão da UE

Política de Coesão da UE da UE 2014 2020 Propostas da Comissão Europeia da União Europeia Estrutura da apresentação 1. Qual é o impacto da política de coesão da UE? 2. A que se devem as alterações propostas pela Comissão para

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

\ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS

\ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS \ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS Como Atingir a Eficiência Energética nas Empresas NPF 27 e 28 de Junho de 2006 \Sumário Introdução Política Energética para Portugal Energia

Leia mais

Instrumentos de Apoio ao Empreendedorismo e Inovação Social

Instrumentos de Apoio ao Empreendedorismo e Inovação Social No Instrumentos de Apoio ao Empreendedorismo e Inovação Social índice / PDESAA Plano de Dinamização da Economia Social do Alto Alentejo / Carta Social e Estratégica / Atualmente / Futuro / Conselho Estratégico

Leia mais

Lisboa, 25 de novembro de 2011

Lisboa, 25 de novembro de 2011 Lisboa, 25 de novembro de 2011 A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do setor do turismo, enquanto elemento integrante da nossa oferta turística A regeneração urbana estabelece

Leia mais

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de QREN: Uma oportunidade para potenciar a inovação nas empresas O que é o QREN? Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de 2007-2013. As suas

Leia mais

RECURSOS REEMBOLSÁVEIS

RECURSOS REEMBOLSÁVEIS Histórico: Linha do tempo 2011 2012 2013 2014 Resolução 4008/2011 BACEN Repasse R$200MM (dez) Programa Fundo Clima no BNDES Lançamento oficial 13/02 no BNDES TJLP + PSI Repasse R$360MM Resolução 4267/2013

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

- Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal

- Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal Valorização do Potencial Industrial do Alto Minho: Plano de Ação & Instrumentos de Financiamento 2015-2020 - Parcerias que geram futuro - Competitividade das indústrias da fileira florestal 29 de junho

Leia mais

Caderno de Encargos para desenvolver a componente técnica do Carbon Footprint

Caderno de Encargos para desenvolver a componente técnica do Carbon Footprint Caderno de Encargos para desenvolver a componente técnica do Carbon Footprint Label para Produtos de Base Florestal Av. Comendador Henrique Amorim 580 Apartado 100 4536904 Santa Maria de Lamas Telf. 22

Leia mais

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA IE13255 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5182402 Fax: (251-11) 5182400 Website: www.au.int CONFERÊNCIA DA CUA/AFCAC/AFRAA DE TRANSPORTES

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente A iluminação apresenta uma elevada importância no consumo elétrico A iluminação é um elemento essencial na vida moderna, apresentando um peso relevante no consumo de energia elétrica a nível mundial. Também

Leia mais

Portugal 2020 Apresentação

Portugal 2020 Apresentação Portugal 2020 Apresentação Porto Rua Dr. Ernesto Soares dos Reis, N.º 208, 1º Andar, Sala Q 3720-256 Oliveira de Azeméis Lisboa Edifício Oeiras Office - 1ºD R. Marechal Teixeira Rebelo, 2 2780-271 Oeiras

Leia mais

O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável

O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável João Nunes1,2; Paulo Serra e Silva2; Helena Freitas1,2 1 2 Universidade de Coimbra Associação Blc.Ceres.2G Plataforma

Leia mais

O crescimento começa nas cidades

O crescimento começa nas cidades O crescimento começa nas cidades O envolvimento do fundo JESSICA Portugal no financiamento de projetos de desenvolvimento urbano sustentável 09/12/2013 Apresentação do Modelo de Governação JESSICA HFP

Leia mais

Primeiro Fundo Floresta Atlântica

Primeiro Fundo Floresta Atlântica Primeiro Fundo Floresta Atlântica Dezembro.2011 www.floresta-atlantica.pt CONFIDENCIAL Primeiro Fundo Floresta Atlântica Fundo Especial de Investimento Imobiliário Florestal Fechado CONFIDENCIAL 2 Sinopse

Leia mais

Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013.

Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013. Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013. PORLisboa Politica de Cidades: Parcerias para a Regeneração Urbana Programa Integrados de

Leia mais

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia MAPEAMENTO PARA PUBLIC-PRIVATE-PARTNERSHIPS NOS SETORES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENTRE O BRASIL E A ALEMANHA Raymundo Aragão Anima Projetos

Leia mais

As PME s em Moçambique

As PME s em Moçambique MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Seminário Económico Moçambique Portugal As em Moçambique Por Claire Zimba Existimos para Auditório da Culturgest, 10:40Hrs 11:00Hrs, 17 de Julho de 2015, Lisboa - Portugal

Leia mais

cspticbt Serviços Partilhados TIC de base territorial do Alentejo ADRAL CIMAC Workshop: A aplicação prática do SPPMO para a Administração Pública

cspticbt Serviços Partilhados TIC de base territorial do Alentejo ADRAL CIMAC Workshop: A aplicação prática do SPPMO para a Administração Pública cspticbt Serviços Partilhados TIC de base territorial do Alentejo ADRAL CIMAC Workshop: A aplicação prática do SPPMO para a Administração Pública EVOLUÇÃO TIC NA REGIÃO 2004-2016 cspticbt 2016 Cidades

Leia mais

Grupo Portucel Soporcel vai distribuir milhares de plantas de Norte a Sul do País

Grupo Portucel Soporcel vai distribuir milhares de plantas de Norte a Sul do País Informação à Imprensa 19 de Março de 2014 Iniciativa Dá a Mão à Floresta Grupo Portucel Soporcel vai distribuir milhares de plantas de Norte a Sul do País Iniciativa assinala, pelo quarto ano consecutivo,

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética Process Automation Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética A ABB é líder em tecnologias electrotécnicas e de automação que tornam possível às indústrias aumentarem a sua eficiência,

Leia mais

Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros

Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros Que políticas para o Sector? Seminário Transporte Rodoviário Transportes & Negócios Sumário O sector dos transportes Principais problemas do sector Conclusões

Leia mais

O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA

O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA PROMOVIDO PELA: ORDEM DOS ENGENHEIROS ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO DA INDÚSTRIA PORTUGUESA CARLOS ALEGRIA

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA RELATÓRIO DE ATIVIDADES E GESTÃO SERVIÇOS DA PRESIDÊNCIA, ESCOLAS E SAS 1. O Instituto Politécnico de Coimbra... 4 1.1. Caracterização... 4 1.2. Princípios orientadores...

Leia mais

Eficiência energética em edifícios públicos Seminário As TIC na Gestão de Energia em Edifícios

Eficiência energética em edifícios públicos Seminário As TIC na Gestão de Energia em Edifícios Seminário As TIC na Gestão de Energia em Edifícios Caldas da Rainha, 28 de Fevereiro Visão da RNAE para uma política energética Actores do sector energético do lado da procura; Proximidade aos utilizadores

Leia mais

REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS ENERGÉTICAS E FORMAÇÃO EM GESTÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS ENERGÉTICAS E FORMAÇÃO EM GESTÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS ENERGÉTICAS E FORMAÇÃO EM GESTÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Porto, 15 de Outubro de 2008 Hugo Carvalho, Luísa Fareleiro ÍNDICE Grupo Union Fenosa PPEC - Plano de Promoção da E. no consumo

Leia mais

Mitigação Laboratório Nacional de Energia e Geologia, I.P. Ricardo Aguiar Unidade de Análise Energética e Alterações Climáticas http://siam.fc.ul.pt/siam-cascais lobal G Sociedade Economia Tecnologia Local

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil 1 Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil Estratégia Nacional de Energia Barragens e Mini-Hídricas Luís Braga da Cruz (FEUP) PORTO 21 de Maio de 2011 2 Índice 1. Estratégia Nacional

Leia mais

ACÇÕES FUNDAÇÃO AIP EM MOÇAMBIQUE EM 2016

ACÇÕES FUNDAÇÃO AIP EM MOÇAMBIQUE EM 2016 ACÇÕES FUNDAÇÃO AIP EM MOÇAMBIQUE EM 2016 11 a 14 de Maio Expoconstrução Tektónica Moçambique (parceria Fundação AIP com o Ministério da Industria e do Comércio de Moçambique através do Ipex) e apoio da

Leia mais

Como Vender em Marrocos Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Marrocos Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Marrocos Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Lisboa AICEP (Av. 5 de Outubro, n.º 101) 21 (tarde)

Leia mais

OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR

OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR MISSÃO OCEANO XXI Dinamizar o Cluster do Conhecimento e da Economia do Mar (EEC Estratégia de Eficiência Colectiva reconhecida pelo POFC Compete

Leia mais

Museu MonográficodeConimbriga. Cinquentenário do NEWSLETTER DE INFORMAÇÃO DA TCP ANO 4 DEZ JAN

Museu MonográficodeConimbriga. Cinquentenário do NEWSLETTER DE INFORMAÇÃO DA TCP ANO 4 DEZ JAN N E W S DEZ JAN 30 NEWSLETTER DE INFORMAÇÃO DA TCP ANO 4 Cinquentenário do Museu MonográficodeConimbriga Criado em 1962, sob a égide de João Manuel Bairrão Oleiro, que foi o seu primeiro director, o Museu

Leia mais

SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017

SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017 SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017 CONTEXTO Estratégia de Desenvolvimento Territorial do Alentejo Central

Leia mais