(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis"

Transcrição

1

2 As metas ambientais fixadas pela União Europeia para 2020 (aumento da eficiência energética e da utilização de energias renováveis em 20%), a recente legislação criada para o sector dos edifícios (RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis veis (8º lugar), abre um vasto potencial de oportunidades de negócios e desenvolvimento: investigação e certificação, instalação de equipamentos, desenho e projecto de construção, urbanismo, auditoria e monitorização ambiental, concepção e montagem de sistemas, desenvolvimento industrial e patentes, são algumas das muitas oportunidades possíveis.

3 Este projecto procura associar um conjunto de parceiros que beneficiam de experiências no domínio das energias renováveis veis (Moura, Peniche e Torres Vedras) com um grupo de parceiros que dispõe de experiências no domínio da construção sustentável (Beja e Serpa e Óbidos). Juntos propõem-se desenvolver, ao longo de 10 meses, uma rede de stakeholders constituída por decisores políticos, entidades de investigação, agentes project finance, agentes executivos de grandes grupos empresariais e outras cidades europeias com experiência na matéria para, ao longo de reuniões de trabalho, se estabelecerem Memorandos de Entendimento (ou Contratos de Entendimento) em torno de parcerias que possibilitem, a longo prazo, tornar estas cidades competitivas na rede internacional.

4 A ideia é que, numa lógica de clusterização, os mercados locais se abram a perspectivas inovadoras e criativas de negócios nas áreas da construção e da energia sustentável, sendo fortemente criadoras de investimento e emprego.

5 FUNDAMENTAÇÃO A rede proposta conjuga simultaneamente dois âmbitos distintos de enquadramento relacional assentes em: Dois núcleos estruturados cada um a partir de relações de proximidade procurando explorar elementos estratégicos associados à complementaridade de processos de desenvolvimento e de perfis vocacionais em torno de centros urbanos que partilham o mesmo território; Relações remotas estruturando um espaço de partilha centrado em áreas de interesse que conjugam perspectivas, abordagens e objectivos estratégicos comuns, visando valorizar elementos patrimoniais, recursos, valias estratégicas e experiências inerentes aos respectivos centros urbanos.

6 Relativamente às relações de proximidade os núcleos são: 1. Baixo Alentejo, com Beja, Moura e Serpa. Este núcleo é das regiões da Europa com maior potencial fotovoltaico; 2. Oeste, com Óbidos, Peniche e Torres Vedras. Este núcleo é das regiões do país com maior potencial eólico; Qualquer um dos pólos mencionados integra Cidades com forte potencial turístico stico, posição estratégica que vem reconhecida no PENT - Plano Estratégico Nacional para o Turismo.

7 O tema federador estrutura três âmbitos distintos e independentes, em torno dos quais podem constituir-se dinâmicas de desenvolvimento importantes e que serão objecto de avaliação estratégica e de aprofundamento em relação às reais oportunidades que encerram ao nível do reforço das bases económicas locais. Os âmbitos são: Eficiência energética e aplicação das energias renováveis; Técnicas construtivas tradicionais e a inovação tecnológica; Urbanismo sustentável e as perspectivas económico-sociais.

8 Papel de Peniche na Rede ECOS Berlenga Laboratório de Sustentabilidade é um projecto inovador e pioneiro a nível nacional que permitirá à ilha da Berlenga possuir equipamentos, estruturas e soluções tecnológicas visando a sua sustentabilidade ambiental e a melhoria significativa das condições existentes actualmente na Ilha da Berlenga. Além de ser um projecto muito forte, conta já com resultados práticos e envolve instituições de renome e prestígio a nível nacional e internacional.

9 Além do exposto, existem ainda outros factores de natureza sócio-demográfica e empresarial verificados no território de Peniche e que se consideram pertinentes para o sucesso da Rede ECOS: O forte potencial turístico de Peniche; A existência de intenções de investimento privado tão diversas que vão desde o sector do turismo até à produção de energia das ondas; A existência de uma população jovem numa cidade que continua a registar um crescimento do seu efectivo populacional (cerca de 1000 habitantes entre 2001 e 2006); A existência de um estabelecimento de Ensino e Investigação dedicado à temática do mar e da produção de energia associada;

10 Um forte envolvimento dos actores locais e regionais (Câmara Municipal, empresas, instituições de ensino e investigação) no desenvolvimento dos projectos ligados às energias renováveis; As condições naturais e sócio-económicas únicas, que já tornaram os Estaleiros Navais de Peniche na primeira empresa de construção naval portuguesa a montar estruturas de produção de energia das ondas;

11 Projectos em desenvolvimento São diversos os projectos em que o Município de Peniche está a desenvolver (ou muito empenhado a vir a fazê-lo futuramente), com implicações directas na temática em que a Rede irá trabalhar: Preparação da candidatura da Berlenga ao galardão Reserva da Biosfera, atribuído pela UNESCO; Continuação do Projecto de Protecção do Sistema Dunar de Peniche que tem vindo a ser implementado nos últimos anos, em simultâneo com a introdução de melhorias significativas das condições de acesso às zonas balneares; Apoio e dinamização dos projectos de índole ambiental já existentes, através da implementação de um Programa de Voluntariado Jovem para o Ambiente ;

12 Desenvolvimento de um projecto que visa a implementação de um Centro Ciência Viva, ao ar livre, no Campo da República. Este Centro Ciência Viva será dedicado às temáticas do Mar e Energia; Promoção da eficiência energética e produção de energia tendo por base recursos renováveis, em alguns dos edifícios municipais. As piscinas municipais, a partir de 2008, irão possuir soluções tecnológicas que permitirão o aquecimento das águas das piscinas e das águas sanitárias a partir de energia solar fotovoltaica; Melhoria da Iluminação Pública, visando implementar medidas de utilização racional de energia continuando, por todo o concelho, a substituir luminárias de baixa eficiência energética e a instalar novas luminárias de elevada eficiência energética. Pretende-se, em parceria com a EDP, instalar, nalgumas zonas do Concelho, reguladores de fluxo luminoso, baixando os consumos energéticos da iluminação pública;

13 Apoio e promoção de diversos projectos de desenvolvimento das energiasrenováveis no concelho, nomeadamente de energia eólica e das ondas; Desenvolvimento de estudos visando o aproveitamento de energias renováveis (miniéolicas e/ou painéis fotovoltaicos) por parte de alguns serviços municipais; Promoção da utilização do Biodiesel nas viaturas municipais; Construção da Marina de Recreio de Peniche baseada em novos conceitos de eficiência energética e de sustentabilidade ambiental, como forma de potenciar as zonas portuárias, a procura cada vez maior do segmento de turismo náutico, actualmente sem resposta entre Cascais e Figueira da Foz; Implementação do projecto Empreendedorismo no Oeste, através da criação de uma rede de parques empresariais e tecnológicos na região Oeste, especialmente vocacionado para a investigação ligada à energia das ondas;

14 Qualificação e Valorização Ambiental do Planalto das Cesaredas através de um projecto intermunicipal que visa promover intervenções de carácter ambiental, permitindo valorizar e aproveitar as potencialidades únicas do ecossistema do Planalto; Construção do Fórum Atlântico do Oeste que pretende ser um equipamento de referência nacional dedicado à divulgação do património natural e etnográfico do Litoral da Região Oeste, funcionando como estrutura de apoio a actividades de educação ambiental, investigação cientifica e actividades económicas relacionadas com o mar; Implementação de um Sistema de Gestão Sustentável do Pinhal Municipal do Vale Grande, que inclua a caracterização da situação de referência, definição dos objectivos do plano de ordenamento a ser desenvolvido, incluindo a implementação de um sistema de gestão florestal sustentável;

15 PARCERIAS: C3P - Centro para a Prevenção da Poluição ISQ - Instituto de Soldadura e Qualidade INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação, I.P. ADENE - Agência para a Energia AW Energy Oy Eneólica, S.A. GAUSIS, Lda. Energie-Cités - Associação das Autoridades Locais para a Promoção das Políticas Energéticas Locais de Desenvolvimento Sustentável Lógica, Sociedade Gestora do Parque Tecnológico de Moura, E.M: empresa municipal recém-criada e a cargo de quem ficará a gestão e promoção do Tecnopólo na área das energias renováveis que se prende instalar em Moura CEEETA - Centro de Estudos em Economia da Energia, dos Transportes e do Ambiente ADRO Agência para o Desenvolvimento do Oeste EDIA Empresa para o Desenvolvimento das Infra-Estruturas do Alqueva Núcleo Empresarial de Beja Núcleo Empresarial de Leiria IPB - Instituto Politécnico de Beja IPL - Instituto Politécnico de Leiria ESTIG - Escola Superior de Tecnologia e Gestão do IPB Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa ADP Mértola - Associação de Defesa do Património de Mértola Peniche 18 de Dezembro de 2007

Berlenga Laboratório. rio de Sustentabilidade. Sandra Estanislau ISQ

Berlenga Laboratório. rio de Sustentabilidade. Sandra Estanislau ISQ Berlenga Laboratório rio de Sustentabilidade Sandra Estanislau ISQ Ilha da Berlenga - 5 de Julho 2007 Tópicos 1. Objectivos do Projecto 2. Parceria 3. Fases do Projecto Avaliação de Recursos Naturais Energia

Leia mais

ecomar GRUPO DE AÇÃO LOCAL

ecomar GRUPO DE AÇÃO LOCAL O DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA (DLBC) é um instrumento do Portugal 2020 que visa promover a concertação estratégica e operacional entre parceiros que atuam num território específico (rural,

Leia mais

Estratégia do Alto Alentejo

Estratégia do Alto Alentejo Por um Crescimento Sustentável nas Regiões Portuguesas Estratégia do Alto Alentejo TIAGO GAIO Director da AREANATejo Porto, 7 de Junho de 2013 Missão e Objectivos Promover e desenvolver actividades que

Leia mais

Galp Energia reduz fatura de eletricidade das empresas com formação gratuita em eficiência energética

Galp Energia reduz fatura de eletricidade das empresas com formação gratuita em eficiência energética Galp Energia reduz fatura de eletricidade das empresas com formação gratuita em eficiência energética Procurando ir ao encontro das necessidades das empresas da região e tendo em conta o interesse desta

Leia mais

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Situação Energética nacional Entre 1990 e 2005, o Consumo Energia Primária aumentou 54%, situando-se hoje nos 30% face a 1990 (igual a 1998). Em 2010 o

Leia mais

VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE

VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE II Convenção Sou de Peniche A. Oliveira das Neves 13 de Junho de 2008 ÍNDICE A. OBJECTIVOS DA MAGNA CARTA PENICHE 2025 B. DOCUMENTOS DE TRABALHO C. INTEGRAÇÃO REGIONAL A

Leia mais

Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013.

Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013. Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013. PORLisboa Politica de Cidades: Parcerias para a Regeneração Urbana Programa Integrados de

Leia mais

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas Resumo Nos Serviços Água, a Construbuild apresenta-se já como uma Referência a Nível deste sector. As actividades desenvolvidas nesta área relacionam-se fundamentalmente, com a Gestão de Equipamentos de

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010

e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010 Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010 LIS-143096080926 Evolução (quase) disruptiva do paradigma energético Formas

Leia mais

Turismo de Natureza no Alto Minho:

Turismo de Natureza no Alto Minho: SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020 António Sá Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014 Turismo de Natureza no Alto Minho: Balanço 2007-2013

Leia mais

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES Medidas Propostas Impacto no Município Plano de mobilidade sustentável para os funcionários da autarquia Formação em eco-condução para os gestores de frotas, motoristas

Leia mais

TORRES INOV-E /// O que é?

TORRES INOV-E /// O que é? TORRES INOV-E /// O que é? Programa de empreendedorismo orientado para o acolhimento de propostas de negócios assentes em ideias novas, diferenciadoras ou capazes de reinventar negócios já existentes aposta

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica. Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica. Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011 Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica Lisboa, 11 de Fevereiro de 2011 A eficiência energética está na agenda da EDP Distribuição Aumento do consumo O consumo de energia eléctrica

Leia mais

Estado da Arte e Desenvolvimento das energias renováveis marinhas em Portugal

Estado da Arte e Desenvolvimento das energias renováveis marinhas em Portugal WORKSHOP ENERGIAS RENOVÁVEIS MARINHAS E BIODIVERSIDADE Estado da Arte e Desenvolvimento das energias renováveis marinhas em Portugal Energias Renováveis Marinhas e Desenvolvimento Energético Sustentável

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM

Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM É uma pessoa coletiva de direito público de natureza associativa e âmbito territorial e visa a realização de interesses comuns aos Municípios que a integram,

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 SEMINÁRIO Pólos e Clusters: Oportunidades e Sinergias com o Setor do Turismo O Mar, um recurso a valorizar nas estratégias de promoção do destino Portugal Coimbra, 23 de Outubro de 2012 Rui Azevedo II

Leia mais

Compras públicas Trabalhar com o mercado para o desenvolvimento de soluções sustentáveis

Compras públicas Trabalhar com o mercado para o desenvolvimento de soluções sustentáveis Compras públicas Trabalhar com o mercado para o desenvolvimento de soluções sustentáveis Ver os últimos resultados do projecto em: www.smart-spp.eu Apoiado por: O projecto SMART SPP (2008-2011) vai implementar

Leia mais

OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR

OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR MISSÃO OCEANO XXI Dinamizar o Cluster do Conhecimento e da Economia do Mar (EEC Estratégia de Eficiência Colectiva reconhecida pelo POFC Compete

Leia mais

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 ESTRUTURA FINANCEIRA CONCEPTUAL IDEIAS CHAVE FLEXIBILIDADE na estruturação jurídica Fundos de Participação e

Leia mais

ha Área a Irrigar por Alqueva ha

ha Área a Irrigar por Alqueva ha 1 Alentejo Habitantes/Km2 19,8 Desemprego 8,7 % Índice de Envelhecimento 172,9% PIB/Habitante 74,5% Portugal 112,4 7,4% 102,3% 100 % Habitantes 1981 579 340 1991 549 362 2001 535 507 Em 20 anos o Alentejo

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

Castelos e Muralhas do Mondego

Castelos e Muralhas do Mondego Castelos e Muralhas do Mondego Pensar o futuro das cidades e dos territórios Uma oportunidade única de construir uma visão de futuro para uma cidade ou território, em torno da qual se agregarão diferentes

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008 A?. dod- e PROPOSTA DE ALTERAÇÃO A PROPOSTA DE LEI N" 1621X ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008 Exposição de Motivos Tem sido subestimado entre nós o contributo da política fiscal para a elevação do PIB potencial.

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

Informação útil sobre Angola

Informação útil sobre Angola adso Comunicação Informação útil sobre Angola Este documento e o seu conteúdo são da responsabilidade do autor. A ADSO disponibiliza-o como suporte de informação às potencialidades do mercado angolano.

Leia mais

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL AJAP Associação dos Jovens Agricultores de Portugal José Firmino B. Cordeiro 21/01/11 Idanha-a-Nova Estrutura Jovens Agricultores / Jovens Empresários Rurais Considerações

Leia mais

GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS

GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS Medidas Propostas Recolha dos óleos alimentares usados domésticos para produção de biodiesel Energia eólica Energia fotovoltaica Central biogás efluentes

Leia mais

A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS IX Conferência RELOP 5 de Dezembro de 2016 O QUE É E PARA QUE SERVE A ALER PROMOTORA A ALER é uma associação sem fins lucrativos que tem

Leia mais

www.projecto-ecos.blogspot.com

www.projecto-ecos.blogspot.com www.projecto-ecos.blogspot.com Objectivo Central do Programa Criar Cidades e Redes de Cidades Competitivas e Inovadoras a Nível Internacional Rede ECOS TEMÁTICA Eficiência energética e aplicação de energias

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PARA A EDUCAÇÃO DE ÓBIDOS

PLANO ESTRATÉGICO PARA A EDUCAÇÃO DE ÓBIDOS PLANO ESTRATÉGICO PARA A EDUCAÇÃO DE ÓBIDOS Óbidos, Junho 2012 1 - INTRODUÇÃO Um modelo para a nossa educação: (re)pensar a Escola A Educação em Portugal tem sido alvo de mudanças consecutivas, provocando

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO DOCUMENTO DE TRABALHO Grupo de trabalho 2 ÁREAS PROTEGIDAS EM PROCESSO DE ADESÃO À CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL PROGRAMA: Quinta-feira, 23 de Novembro: 10:00-13:00 h Composição e Funcionamento

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8 PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8 Índice 1. Introdução 2. Enquadramento legal do plano 3. Enquadramento territorial da área de intervenção 4. Oportunidade da elaboração do plano

Leia mais

Região do Médio Tejo. Características e Desafios

Região do Médio Tejo. Características e Desafios Região do Médio Tejo Características e Desafios 09 março 2015 A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Atribuições e Competências das

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO DO LITORAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 Nos termos do regulamento específico Acções de Valorização

Leia mais

economias criativas rede urbana para a competitividade e inovação

economias criativas rede urbana para a competitividade e inovação economias criativas rede urbana para a competitividade e inovação montemor-o-novo óbidos portalegre montemor-o-velho guimarães rede urbana para a competitividade e inovação economias criativas com a candidatura

Leia mais

Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação

Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação Dezembro de 2015 Proposta de prestação de serviços Candidatura ao Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação Construção de Hotel 4 ou 5 Estrelas S. Vicente A/C: A. Machado,

Leia mais

ORGANIGRAMA. Empresa sediada em Angola especializada em Consultoria de Engenharia e

ORGANIGRAMA. Empresa sediada em Angola especializada em Consultoria de Engenharia e ORGANIGRAMA Esta sociedade familiar é uma Holding que tem por objecto a gestão de participações sociais de outras sociedades, como forma indireta de exercício de atividades económicas. A VBgest, SA. também

Leia mais

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente República de Angola Ministério do Ambiente Seminário Energias Limpas em Angola: Ministério da Energia e das Águas O Impacto das Energias Limpas no Ambiente Direcção Nacional de Tecnologias Ambientais 7

Leia mais

Rede ECOS. www.projecto-ecos.blogspot.com. Peniche

Rede ECOS. www.projecto-ecos.blogspot.com. Peniche www.projecto-ecos.blogspot.com 25 de Fevereiro de 2008 Objectivo Central do Programa Criar Cidades e Redes de Cidades Competitivas e Inovadoras a Nível Internacional Rede ECOS TEMÁTICA Eficiência energética

Leia mais

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal Cidades Analíticas Acelerar o desenvolvimento das Cidades Inteligentes em Portugal Programa Operacional Regional Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO

Leia mais

O evento INTEGRADO da Água, em Portugal. Agentes de mudança rumo à eficiência e sustentabilidade TAGUSPARK, OEIRAS. ORGANIZAÇÃO Uma Publicação

O evento INTEGRADO da Água, em Portugal. Agentes de mudança rumo à eficiência e sustentabilidade TAGUSPARK, OEIRAS. ORGANIZAÇÃO Uma Publicação TAGUSPARK, OEIRAS Agentes de mudança rumo à eficiência e sustentabilidade O evento INTEGRADO da Água, em Portugal ORGANIZAÇÃO Uma Publicação PATROCÍNIOS O evento INTEGRADO da Água, em Portugal APRESENTAÇÃO

Leia mais

III convenção Sou de Peniche Peniche, 12 de Junho de Plano para o desenvolvimento da gastronomia do Oeste

III convenção Sou de Peniche Peniche, 12 de Junho de Plano para o desenvolvimento da gastronomia do Oeste Peniche, 12 de Junho de 2009 Plano para o desenvolvimento da gastronomia do Oeste O que é? Um conjunto de acções, directas e indirectas, para alavancar um movimento que elevaráa gastronomia do Oeste a

Leia mais

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Cristina Santos 1 Enquadramento na EU 2 Disponibilidades 3 Estratégia nacional 1 Enquadramento Directiva 2001/77/CE relativa às energia renováveis

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL 2006.2008

PLANO DE PROMOÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL 2006.2008 PLANO DE PROMOÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL 2006.2008 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2007 Versão Síntese Rede Eléctrica Nacional, S.A. Novembro de 2008 Índice 1. Mensagem do Presidente 2. Fichas de actividade Manutenção

Leia mais

REGULAÇÃO E GOVERNO DAS SOCIEDADES

REGULAÇÃO E GOVERNO DAS SOCIEDADES REGULAÇÃO E GOVERNO DAS SOCIEDADES Fernando Teixeira dos Santos PRESIDENTE DO CONSELHO DIRECTIVO, COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CMVM) 19-12-2014 INTRODUÇÃO O governo das sociedades designa

Leia mais

CARTA DE ÓBIDOS PACTO PARA A CRIATIVIDADE

CARTA DE ÓBIDOS PACTO PARA A CRIATIVIDADE CARTA DE ÓBIDOS PACTO PARA A CRIATIVIDADE Reuniram-se um conjunto de autarcas de Portugal, Espanha, Hungria, Roménia, Reino Unido e Itália no 1º Encontro de Autarcas para a Criatividade, que teve lugar

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

XII Encontro Internacional da REDBIOS

XII Encontro Internacional da REDBIOS XII Encontro Internacional da REDBIOS Açores, 22 a 26 de setembro de 2014 Anabela Trindade Interlocutora para o Programa MaB XII Encontro Internacional da REDBIOS Açores, 22 a 26 de setembro de 2014 1.

Leia mais

A Bolsa Nacional de terras Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa - 30 de maio de 2017

A Bolsa Nacional de terras Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa - 30 de maio de 2017 Bolsa Nacional de terras Um Projeto Inovador para o Mundo Rural Articulação com Medidas de Política Diagnóstico a agricultura e floresta ocupam uma importante área do território (70%); a agricultura e

Leia mais

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020 OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS NO PORTUGAL 2020 Sessão de apresentação/divulgação Barreiro Vítor Escária 28.01.2015 1. Enquadramento 2. Condições de Elegibilidade e Apoios Máximos 3. Apoio

Leia mais

Ocean Business Week. Cláudia Teixeira de Almeida - BPI. 3de Junho de 2016

Ocean Business Week. Cláudia Teixeira de Almeida - BPI. 3de Junho de 2016 Ocean Business Week Cláudia Teixeira de Almeida - BPI 3de Junho de 2016 PORTUGAL SUBSECTOR MAR, BANCO DE PORTUGAL SÍNTESE DESTAQUES Diversidade de conceitos sobre sectores a incluir Peso no PIB (2013):

Leia mais

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações

Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações Desenvolvimento sustentável significa que as necessidades da actual geração devem ser satisfeitas sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem as suas próprias necessidades. COMISSÃO

Leia mais

Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional. II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores. Tipologia de Investimento

Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional. II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores. Tipologia de Investimento Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores Tipologia de Investimento designadamente PME s CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data

Leia mais

CONTRIBUTOS DA NOVA REGULAMENTAÇÃOPARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS. alinedelgado@quercusancn.org quercus@quercus.pt www.quercus.

CONTRIBUTOS DA NOVA REGULAMENTAÇÃOPARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS. alinedelgado@quercusancn.org quercus@quercus.pt www.quercus. CONTRIBUTOS DA NOVA REGULAMENTAÇÃOPARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS Quercus alinedelgado@quercusancn.org quercus@quercus.pt www.quercus.pt Directiva 2002/91/CE, de 16 de Dezembro de 2002 : -Aumentar

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em:

Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal disponível em: www.ccdr-n.pt/agendastematicas Índice Contexto União Europeia Portugal Região do Norte Análise SWOT Plano de Acção

Leia mais

Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos. Um Caso de Estudo na Região de Aveiro

Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos. Um Caso de Estudo na Região de Aveiro Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos Um Caso de Estudo na Região de Aveiro Mário Couto 1, C. Ferreira 2, A. Silva-Afonso 3, V. M. Ferreira 4 1 Região de Aveiro Comunidade Intermunicipal,

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

Senhora Comissária responsável pelos Assuntos do Mar e Pescas,

Senhora Comissária responsável pelos Assuntos do Mar e Pescas, LANÇAMENTO DA ESTRATÉGIA EUROPEIA PARA O ATLÂNTICO LISBOA, 28 DE NOVEMBRO DE 2011 INTERVENÇÃO DA SENHORA MAMAOT Senhor Primeiro Ministro, Senhora Comissária responsável pelos Assuntos do Mar e Pescas,

Leia mais

Plano de Regeneração Urbana. Zona Histórica de Vila Real. Concurso de Ideias (conceção) Auscultação à População ARTIGO 1º.

Plano de Regeneração Urbana. Zona Histórica de Vila Real. Concurso de Ideias (conceção) Auscultação à População ARTIGO 1º. Plano de Regeneração Urbana Zona Histórica de Vila Real Concurso de Ideias (conceção) Auscultação à População ARTIGO 1º Enquadramento A CIP Confederação Empresarial de Portugal tem vindo a desenvolver

Leia mais

Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013

Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013 Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013 A Rede Portuguesa de Reservas da Biosfera foi criada pela Comissão Nacional da UNESCO,

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 Regulamento Municipal orçamento participativo de Lagoa NOTA JUSTIFICATIVA A implementação do primeiro orçamento participativo em Lagoa vai buscar

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Debate Regional "Crescimento Sustentável: desafios e prioridades para a Região Oeste Portugal Apresentação da reflexão do subgrupo Crescimento Sustentável sobre

Leia mais

PME Investe III. Linha da Região OESTE

PME Investe III. Linha da Região OESTE PME Investe III Linha da Região OESTE Objectivos Esta Linha de Crédito, sem juros e com garantias a custo reduzido, visa apoiar as empresas do sector do turismo, localizadas na região Oeste e destina-se

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A.

CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A. CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A. Considerações Gerais: Esta consulta pública, essencialmente centrada nas temáticas associadas

Leia mais

PROGRAMA DE CANDIDADURA

PROGRAMA DE CANDIDADURA PROGRAMA DE CANDIDADURA Corpos Directivos Região dos Açores da Ordem dos Engenheiros! 1 de 7! COMPOSIÇÃO DA LISTA RA REGIÃO AÇORES MANDATÁRIOS Duarte Manuel Melo Amorim da Cunha Manuel Carvalho Cansado

Leia mais

Governação e Território: Conflitualidades e disfunções vistas através da imaginação do TGV

Governação e Território: Conflitualidades e disfunções vistas através da imaginação do TGV IV JornadaS A coerência entre as várias políticas e instrumentos e o seu contributo para a coesão territorial Governação e Território: Conflitualidades e disfunções vistas através da imaginação do TGV

Leia mais

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 957/XII APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II 1-Têm vindo a ser aprovadas

Leia mais

ETAR da Charneca abre as portas à população

ETAR da Charneca abre as portas à população ETAR da Charneca abre as portas à população 23 de Maio 2008 Contactos 262 955 600 www.aguasdooeste.pt ace@aguasdooeste.com ETAR da Charneca de portas abertas à população Inserido no programa da festa Saberes

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR ALJEZUR, 4 DE DEZEMBRO DE 7 INTRODUÇÃO Desde a sua criação até aos dias de hoje, a formação interna dos elementos que constituem o Corpo de Bombeiros Voluntários de Aljezur, tem sido uma constante, na

Leia mais

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA Case study 2010 Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA O grupo Águas de Portugal (AdP) actua nas áreas de abastecimento de água, saneamento de águas residuais e tratamento

Leia mais

Prémio Jovem Empreendedor Regulamento. Municí pio de Grâ ndolâ

Prémio Jovem Empreendedor Regulamento. Municí pio de Grâ ndolâ Prémio Jovem Empreendedor Regulamento Municí pio de Grâ ndolâ Regulamento do Prémio Jovem Empreendedor Preâmbulo O empreendedorismo tem vindo a assumir, dadas as atuais circunstâncias económicas e sociais,

Leia mais

Sustentabilidade transversal

Sustentabilidade transversal Galp Voluntária 1 Galp Voluntária A Galp Voluntária é o programa estruturado de voluntariado da Galp Energia que procura facilitar, concretizar e potenciar iniciativas de voluntariado empresarial destinadas

Leia mais

Jaime Melo Baptista. Instituto Regulador de Águas e Resíduos

Jaime Melo Baptista. Instituto Regulador de Águas e Resíduos Jaime Melo Baptista Instituto Regulador de Águas e Resíduos Relevância da discussão sobre políticas e modelos de governança e sobre a gestão destes serviços: São serviços públicos essenciais e insubstituíveis,

Leia mais

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário SESSÃO DE LANÇAMENTO DO MOVIMENTO PARA O EMPREGO FCG (SALA DIRECÇÕES) - 23.05.2013, 15H30 Senhor Ministro da Economia e do Emprego Senhor Secretário de Estado do Emprego Senhores Deputados Senhor Presidente

Leia mais

A Inovação na Iluminação Pública para um Oeste Sustentável

A Inovação na Iluminação Pública para um Oeste Sustentável A Inovação na Iluminação Pública para um Oeste Sustentável Agenda 1. A Agência Oeste Sustentável 2. Os projectos em curso 3. A Inovação na Iluminação Pública 4. Contactos 2 1. A Agência Oeste Sustentável

Leia mais

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 PPDA 2009-2011 PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 JULHO 2001 PPDA 2009-2011 PARECERES RELATIVOS ÀS MEDIDAS 28, 30 E 33 MEDIDA 28 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

ENCONTRO DO EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO SOCIAL

ENCONTRO DO EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO SOCIAL ENCONTRO DO EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO SOCIAL 17 18 de Novembro 2017 Centro de Congressos de Lisboa Junqueira 1 PESO DO SECTOR NA ECONOMIA NACIONAL Fonte: INE, CASES 2013 61.268 5,2% 6% 14.308 Milhões

Leia mais

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão:

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão: Inquérito O Plano de Ação para a Energia Sustentável do Concelho de Setúbal (PAESS) é um instrumento fundamental para assegurar o cumprimento, a nível local, do compromisso de atingir e ultrapassar o objetivo

Leia mais

O LNEG e as Compras Sustentáveis

O LNEG e as Compras Sustentáveis Inovação através das Compras Sustentáveis: O projecto SMART-SPP Paula Trindade, LNEG Supported by: YOUR LOGO O LNEG e as Compras Sustentáveis o Projecto GreenMed (2003 2003-2006 2006) Aplicação na Câmara

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA IE13255 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5182402 Fax: (251-11) 5182400 Website: www.au.int CONFERÊNCIA DA CUA/AFCAC/AFRAA DE TRANSPORTES

Leia mais

Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis

Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis A nossa visão para o Sector Energético Abastecimento seguro das populações Garantia da qualidade de vida Desenvolvimento empresarial Construir um sector

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL E O INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

CONTRATO DE PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL E O INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO CONTRATO DE PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL E O INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO ENQUADRAMENTO O Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e o Instituto Superior Técnico (IST)

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS Maria Graciette Cardoso Pitra Engª Química CHEFE DO DPTº Da BIOMASSA MINEA/DNER INTRODUÇÃO Angola, país actualmente com grande crescimento económico,

Leia mais

CMY. Calçada de SantʼAna, 180 1169-062 Lisboa tel. 210 027 000 fax: 210 027 027 e-mail: inatel@inatel.pt www.inatel.pt

CMY. Calçada de SantʼAna, 180 1169-062 Lisboa tel. 210 027 000 fax: 210 027 027 e-mail: inatel@inatel.pt www.inatel.pt horizontal.ai 29-09-2009 23:03:35 C M Y CM MY CY CMY K Calçada de SantʼAna, 180 1169-062 Lisboa tel. 210 027 000 fax: 210 027 027 e-mail: inatel@inatel.pt www.inatel.pt REJUVENESCER REINVENTAR Sinto-me

Leia mais

Portal Mobilidade e Transportes

Portal Mobilidade e Transportes ART L A R V I R ARTICU TER Ações para o desenvolvimento regional http://mt.ccdr-alg.pt ARTICU TER Ações para o desenvolvimento regional Início: 2009 Objectivo genérico: No âmbito dos trabalhos do Boletim

Leia mais

Eficiência Energética e Certificação de Edifícios

Eficiência Energética e Certificação de Edifícios Eficiência Energética e Certificação de Edifícios DIA DA ENERGIA Energias Renováveis e Eficiência Energética nos Edifícios Instituto Universitário da Maia 29 de Maio de 2015 FRANCISCO PASSOS DIREÇÃO DE

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação Territorial Europeia 2007/2013 Que oportunidades para Lisboa e Vale do Tejo? Centro Cultural de Belém 31 de Março 2008 Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação territorial

Leia mais

ALQUEVA. Uma realidade em 2015 UMA MINISTRA PARA RESOLVER OS PROBLEMAS JUNHO DE 2014

ALQUEVA. Uma realidade em 2015 UMA MINISTRA PARA RESOLVER OS PROBLEMAS JUNHO DE 2014 ALQUEVA Uma realidade em 2015 UMA MINISTRA PARA RESOLVER OS PROBLEMAS JUNHO DE 2014 ALQUEVA uma realidade em 2015 A finalização do projecto de Alqueva esperava há anos por uma decisão. Está garantida!

Leia mais

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos Estudo de Caracterização do Tecido Empresarial do Concelho de Almada Observatório sobre Emprego, Empresas e Formação Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos 1 O Objecto da presente

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CONCURSO

APRESENTAÇÃO DO CONCURSO MOZ161 TERMO DE REFERÊNCIAS Relativos ao concurso de obras para a construção de cinco (5) sistemas de abastecimento de água usando energia solar na Província de Gaza PARTE A APRESENTAÇÃO DO CONCURSO 1

Leia mais

PARQUE EMPRESARIAL WORLD TRADE CENTER DA PRAIA (WTCP)

PARQUE EMPRESARIAL WORLD TRADE CENTER DA PRAIA (WTCP) PARQUE EMPRESARIAL WORLD TRADE CENTER DA PRAIA (WTCP) Designação Parque Empresarial World Trade Center da Praia (WTCP) Função Habitação/comércio/turismo Localização ilha de Santiago, Município da Praia,

Leia mais

No caminho da Sustentabilidade. Óbidos Carbono Social

No caminho da Sustentabilidade. Óbidos Carbono Social No caminho da Sustentabilidade Óbidos Carbono Social Objectivos Implementação de medidas que visam a redução das emissões de CO 2 Execução de soluções de sequestração de CO 2 no Concelho Projectos de Mitigação

Leia mais