O espaço português a consolidação de um reino cristão ibérico. O país urbano e concelhio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O espaço português a consolidação de um reino cristão ibérico. O país urbano e concelhio"

Transcrição

1 O espaço português a consolidação de um reino cristão ibérico O país urbano e concelhio

2 - zona(s) geográficas de concentração dos concelhos urbanos. - identifique os principais centros urbanos. - 3 razões da criação de concelhos urbanos e rurais * Sobretudo a sul do rio Douro e mais concentrados junto à fronteira. * De norte para sul: Braga, Porto, Coimbra, Santarém, Portalegre, Lisboa, Setúbal, Évora, Beja, Silves. * Povoar e defender zonas desabitadas ou junto à fronteira. * Desenvolvimento económico e colecta de impostos sobre o comércio. * Extensão do poder régio sobre as novas áreas povoadas e desenvolvidas Principais impulsionadores do movimento de criação de concelhos D. Afonso III e D. Dinis

3 CONCELHOS comunidades com poder de se governarem a si próprias, detendo maior ou menor autonomia, consagrada na CARTA DE FORAL*. Tarefa: Análise do excerto da Carta de Foral de Lisboa (1179) p. 53. Competências a desenvolver: - Distingue fontes diversas de informação. - Distingue informação explícita e implícita. Direitos consagrados na Carta de Foral: * designação de magistrados próprios. * respeito pelos costumes locais. * administração da justiça e da fiscalidade. * garantia da posse da terra e dos instrumentos de produção. * organização das milícias concelhias que participam no exército do Rei. Obrigações consagradas na Carta de Foral: * pagamento de tributos ao Rei. * pagamento de portagens pelos produtos em circulação e comércio. Páginas do manual

4 ORGANIZAÇÃO DO TERRITÓRIO E DO ESPAÇO CITADINO Análise do texto: O urbanismo medieval (p. 55) * Cerca amuralhada SEDE Vila ou Cidade * Rua central rectilínea ligada a duas portas da muralha * Uma ou duas ruas paralelas * Largo central, com Igreja Matriz e câmara e pelourinho (símbolo da justiça) * Rossio espaço aberto para o mercado TERMO zona rural circundante * Hortas zona de cultivo circundante da cidade para o seu abastecimento. * Florestas * Baldios zonas de expansão futura da cidade, para alargamento do perímetro urbano e/ou da zona de hortas. Páginas do manual

5 GRUPOS SOCIAIS NOS CONCELHOS PORTUGUESES OS VIZINHOS Análise do texto: A diversidade de estatutos na sociedade concelhia (p. 56) CAVALEIROS-VILÃOS VILÃOS OU HOMENS-BONS PEÕES ARISTOCRACIA CONCELHIA * OBRIGAÇÕES MILITARES PARTICIPAÇÃO A CAVALO E COM ARMAS PRÓPRIAS. * ISENÇÃO DA MAIORIA DOS TRIBUTOS. * ISENÇÃO DE PENAS CORPORAIS. * EXERCÍCIO DE CARGOS E MAGISTRATURAS MUNICIPAIS. * PROPRIETÁRIOS DE TERRAS DE DIMENSÃO MAIOR * MERCADORES IMPORTANTES. PROPRIETÁRIOS RIOS DE TERRAS * OBRIGAÇÕES MILITARES PARTICIPAÇÃO A PÉ. * PROPRIETÁRIOS DE TERRAS DE DIMENSÃO REDUZIDA. * ASSALARIADOS. * MESTEIRAIS ACTIVIDADE ARTESANAL:SAPATEIROS, ALFAIATES... * PAGAMENTO DE TRIBUTOS DEPENDENTES JUDEUS E MOUROS Finda a Reconquista, o que distingue as pessoas não é mais a função militar mas a posse de riqueza e o exercício de cargos Páginas 56 do manual

6 O PODER CONCELHIO E OS SEUS SÍMBOLOS QUESTÕES ORIENTADORAS: 1. Por que razão os concelhos se designavam por communitates? 2. Quais os símbolos s do poder concelhio? 3. Onde se reunia a assembleia de vizinhos? 4. Quais os assuntos que se discutiam nas assembleias de vizinhos? Análise do texto: OS SÍMBOLOS DO PODER CONCELHIO (p. 59) 1. Demonstram o princípio pio da solidariedade colectiva que preside à criação e funcionamento dos concelhos. 2. Bandeiras, selos, escudos, pelourinho e símbolos s militares vários. v 3. Antes do século s XIV, num espaço o aberto: praça, a, adro da igreja, claustro, etc. 4. Expedições militares, trabalhos agrícolas, decisões e tributos municipais, actos de pastorícia, reparação de muralhas, eleição de novos alcaides ou outros juízes/magistrados concelhios, julgamento de delitos públicos, p leilão de escravos, distribuição de saques e terras. Páginas do manual

7 O PODER CONCELHIO E OS SEUS JUÍZES/MAGISTRADOS MAGISTRADOS CONCELHIOS JUÍZES magistrados mais importantes. MERINHOS execuções judiciais e fiscais. MORDOMOS administração dos bens concelhios. ALMOTACÉS actividades económicas e obras públicas. p SESMEIROS distribuição de novas terras concelhias. MAGISTRADOS REPRESENTANTES DO REI ALCAIDE representação do Rei e controlo da prestação do serviço o militar e da justiça. ALMOXARIFE cobrança a dos direitos régios: r voz e coima (justiça), fossadeira (serviço público militar, jugada (direito cobrado sobre posse da terra). MORDOMO DO REI administração dos bens do Rei e da Coroa no concelho. Páginas do manual

8 CONCLUSÃO: 1. Os concelhos apoiam-se no Rei e nos direitos consagrados na Carta de Foral para impedirem o exercício cio abusivo dos senhores nobres e da Igreja. 2. A sociedade urbana (mercadores, juristas, mesteirais) afirma-se pelo poder económico e pelo conhecimento da escrita e das leis. 3. Os concelhos vão perder progressivamente autonomia à medida que o poder central do Rei se for desenvolvendo e estendendo a todo o país.

O exercício comunitário de poderes concelhios; a afirmação política das elites urbanas

O exercício comunitário de poderes concelhios; a afirmação política das elites urbanas 2.3.3. O exercício comunitário de poderes concelhios; a afirmação política das elites urbanas - cartas de foral concelhos - concelhos urbanos ou perfeitos (formados por cavaleiros-vilãos e peões) vizinhos

Leia mais

A Fundação do Concelho de Torres Vedras

A Fundação do Concelho de Torres Vedras A Fundação do Concelho de Torres Vedras Selo de Torres Vedras (1260), cera In IAN/TT, Mosteiro de Alcobaça: documentos particulares, m. 10, n.º 4. A 15 de Agosto de 1250, no dia da «Assunção da Bendita

Leia mais

PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O DINAMISMO RURAL E O CRESCIMENTO ECONÓMICO

PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O DINAMISMO RURAL E O CRESCIMENTO ECONÓMICO PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O DINAMISMO RURAL E O CRESCIMENTO ECONÓMICO O Crescimento Demográfico Séculos XII-XIV FIM DAS INVASÕES (CLIMA DE PAZ) ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS AUMENTO DA PRODUÇÃO

Leia mais

NOVA HISTÓRIA DE PORTUGAL. Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL EM DEFINIÇAO DE FRONTEIRAS DO CONDADO PORTUCALENSE

NOVA HISTÓRIA DE PORTUGAL. Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL EM DEFINIÇAO DE FRONTEIRAS DO CONDADO PORTUCALENSE NOVA HISTÓRIA DE PORTUGAL Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL - EM DEFINIÇAO DE FRONTEIRAS DO CONDADO PORTUCALENSE À CRISE DO SÉCULO XIV MARIA e ARMANDO Coordenação de HELENA da

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A Ano Letivo 2015-2016

PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A Ano Letivo 2015-2016 Período Módulo Conteúdos Competências Específicas Conceitos/Noções Situações de aprendizagem Avaliação Tempos 1º 0 Estudar/ Aprender História A História: tempos e espaços - Discernir as caraterísticas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO Teste sumativo de História A º Ano Turma C Professor: Renato Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Tolerância: minutos 4 páginas (9).março.2012 Este teste é

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS HISTÓRIA A - Prof. Renato Albuquerque MATRIZ E CONTEÚDOS DO TESTE SUMATIVO DE 28.MARÇO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS HISTÓRIA A - Prof. Renato Albuquerque MATRIZ E CONTEÚDOS DO TESTE SUMATIVO DE 28.MARÇO Itens de seleção Itens de construção ESOL SEUNÁRI E SQUILHOS HISTÓRI - Prof. Renato lbuquerque MTRIZ E ONTEÚOS O TESTE SUMTIVO E 28.MRÇO.2014 10.º NO Tipologia de itens Escolha múltipla ssociação Ordenação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS HISTÓRIA A - Prof. Renato Albuquerque MATRIZ E CONTEÚDOS DO TESTE SUMATIVO DE 28.MARÇO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS HISTÓRIA A - Prof. Renato Albuquerque MATRIZ E CONTEÚDOS DO TESTE SUMATIVO DE 28.MARÇO Itens de seleção Itens de construção ESOL SEUNÁRI E SQUILHOS HISTÓRI - Prof. Renato lbuquerque MTRIZ E ONTEÚOS O TESTE SUMTIVO E 28.MRÇO.2014 10.º NO Tipologia de itens Escolha múltipla ssociação Ordenação

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º Ano Teste de Avaliação nº 5 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

O báculo, o brasão e a picota: modos de vida do clero, da nobreza e do povo

O báculo, o brasão e a picota: modos de vida do clero, da nobreza e do povo O báculo, o brasão e a picota: modos de vida do clero, da nobreza e do povo Já sabias, ou confirmaste na exposição ORIGEM e PRINCÍPIO, que na Idade Média cada pessoa pertencia a uma das 3 ordens sociais

Leia mais

O Passado de Caldas de Aregos. Vila Medieval Nos Alvores da Nacionalidade Portuguesa. Nas Épocas Moderna e Contemporânea VILA MEDIEVAL 1 / 9

O Passado de Caldas de Aregos. Vila Medieval Nos Alvores da Nacionalidade Portuguesa. Nas Épocas Moderna e Contemporânea VILA MEDIEVAL 1 / 9 Vila Medieval Nos Alvores da Nacionalidade Portuguesa Nas Épocas Moderna e Contemporânea VILA MEDIEVAL 1 / 9 Este lugar, situado à beirinha do Douro, na zona mais baixa do actual concelho de Resende, tem

Leia mais

DOCUMENTOS DE D. DINIS ( ) CATÁLOGO

DOCUMENTOS DE D. DINIS ( ) CATÁLOGO DOCUMENTOS DE D. DINIS (1279-1325) CATÁLOGO Sumário elaborados por Miguel Gomes Martins Design Joana Pinheiro Arquivo Municipal de Lisboa 2009 1 1281, Maio, 19, Castelo de Vide D. Dinis determina que os

Leia mais

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa A/490020 JOAQUIM DE ASSUNÇÃO FERREIRA Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa (Luzes e Sombras, na convivência entre as três religiões) UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2006

Leia mais

DOCUMENTOS DE D. PEDRO I ( ) CATÁLOGO

DOCUMENTOS DE D. PEDRO I ( ) CATÁLOGO DOCUMENTOS DE D. PEDRO I (1357-1367) CATÁLOGO Sumário elaborados por Miguel Gomes Martins Design Joana Pinheiro Arquivo Municipal de Lisboa 2009 Arquivo Municipal de Lisboa Documentos de D. Pedro I 1 1357,

Leia mais

TEMPOS E ESPAÇOS DE MOUROS

TEMPOS E ESPAÇOS DE MOUROS TEXTOS UNIVERSITÁRIOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS TEMPOS E ESPAÇOS DE MOUROS A MINORIA MUÇULMANA NO REINO PORTUGUÊS (SÉCULOS XII A XV) MARIA FILOMENA LOPES DE BARROS FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN FUNDAÇÃO

Leia mais

Base de Dados das Empresas Novas Portugal

Base de Dados das Empresas Novas Portugal Base de Dados de Portugal É a Base de Dados das empresas e entidades Portuguesas mais completa e mais utilizada por profissionais em Portugal. Campos: NIF, Entidade, Morada, Localidade, Código postal,

Leia mais

JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS

JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS JOGOS DE CLASSIFICAÇÃO 24.06.2011 6ª. FEIRA Jogo nº 01 - VIANA CASTELO / AVEIRO Jogo nº 02 - HORTA / LISBOA Alcanena Jogo nº 03 - PONTA DELGADA / BRAGANÇA T.Novas Jogo nº

Leia mais

História e Geografia de Portugal

História e Geografia de Portugal História e Geografia de Portugal 5º ano Nome: Data: / / Portugal no século XIII 1. Selecciona a resposta correcta: 1.1 Os grupos sociais que formavam a população portuguesa no século XIII eram: [A] A nobreza

Leia mais

História. As Capitanias Hereditárias. Professor Thiago Scott.

História. As Capitanias Hereditárias. Professor Thiago Scott. História As Capitanias Hereditárias Professor Thiago Scott www.acasadoconcurseiro.com.br História AS CAPITANIAS HEREDITÁRIAS (1534) A expedição de Martim Afonso de Sousa (1530-1533) marca o início dessa

Leia mais

O Foral e a Organização Municipal Torriense

O Foral e a Organização Municipal Torriense O Foral e a Organização Municipal Torriense Foral Medieval de Torres Vedras, 1250 In O Foral Medieval da vila de Torres Vedras: 15 de Agosto de 1250. VICENTE, António Balcão, [et al.] - O foral medieval

Leia mais

CMY. Calçada de SantʼAna, 180 1169-062 Lisboa tel. 210 027 000 fax: 210 027 027 e-mail: inatel@inatel.pt www.inatel.pt

CMY. Calçada de SantʼAna, 180 1169-062 Lisboa tel. 210 027 000 fax: 210 027 027 e-mail: inatel@inatel.pt www.inatel.pt horizontal.ai 29-09-2009 23:03:35 C M Y CM MY CY CMY K Calçada de SantʼAna, 180 1169-062 Lisboa tel. 210 027 000 fax: 210 027 027 e-mail: inatel@inatel.pt www.inatel.pt REJUVENESCER REINVENTAR Sinto-me

Leia mais

Certidão Permanente Código de acesso: 1176-0071-3319

Certidão Permanente Código de acesso: 1176-0071-3319 Portal da Empresa https://bde.portaldocidadao.pt/registoonline/services/certidaopermanente/consultacertidao.asp... Página 1 de 3 17/06/2015 Acesso à Certidão Permanente Certidão Permanente de Registos

Leia mais

Castelo de Lanhoso. Serviços Educativos

Castelo de Lanhoso. Serviços Educativos Castelo de Lanhoso Serviços Educativos Castelo de Lanhoso O Castelo de Lanhoso, um dos mais imponentes redutos portugueses no que diz respeito à sua implementação, apresentava, na Idade Média, um acesso

Leia mais

Forais de Lanhoso Actualizado em Quinta, 26 Fevereiro :31

Forais de Lanhoso Actualizado em Quinta, 26 Fevereiro :31 É exatamente a partir das Terras do Julgado de Lanhoso que, em 25 de Setembro de 1292, D. Dinis, da cidade de Coimbra, outorga Carta de Foral ao Concelho de Lanhoso, continuando ou respeitando a tradição

Leia mais

OFERTA TURÍSTICA DA REGIÃO

OFERTA TURÍSTICA DA REGIÃO OFERTA TURÍSTICA DA REGIÃO Atracões turísticas em Vidigueira (*): Ruínas de S. Cucufate ( a 6 km da nossa herdade): Parte da história deste monumento arqueológico está intimamente ligada à povoação de

Leia mais

DOCUMENTOS DE D. FERNANDO ( ) CATÁLOGO

DOCUMENTOS DE D. FERNANDO ( ) CATÁLOGO DOCUMENTOS DE D. FERNANDO (1367-1383) CATÁLOGO Sumário elaborados por Miguel Gomes Martins Design Joana Pinheiro Arquivo Municipal de Lisboa 2009 1 1367, Março, 5, Santarém D. Fernando solicita aos juízes

Leia mais

TOPONÍMIA REFERENTE À FREGUESIA DE LAVEGADAS

TOPONÍMIA REFERENTE À FREGUESIA DE LAVEGADAS TOPONÍMIA REFERENTE À FREGUESIA DE LAVEGADAS SETEMBRO 2016 2 ÍNDICE 1. Nota INTRODUTÓRIA...4 2. DESIGNAÇÕES TOPONÍMICAS...5 2.1 Barreiro...5 2.2 Igreja Nova...8 2.3 Moura Morta...9 2.4 Mucela...15 2.5

Leia mais

Arquitectura Religiosa / Convento Rua 31 de Janeiro - Santarém (São Salvador)

Arquitectura Religiosa / Convento Rua 31 de Janeiro - Santarém (São Salvador) MONUMENTO NACIONAL Igreja e Claustro do extinto Convento de São Francisco Arquitectura Religiosa / Convento Rua 31 de Janeiro - Santarém (São Salvador) ZEP DG (II Série), n.º 260, de 08-11-1946 Igreja

Leia mais

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 SEGURANÇA SOCIAL Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 Esta informação destina-se a Estabelecimentos e Apoio Social que queiram exercer atividade. O que é Os estabelecimentos de apoio social

Leia mais

Na sua opinião, como são as relaçes actuais entre Portugal e

Na sua opinião, como são as relaçes actuais entre Portugal e Página 1 de 7 P 1 Em que distrito reside actualmente? Aveiro Braga Bragança Beja Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Porto Portalegre Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu

Leia mais

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2009-2013 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro sectorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

Título da Série Documental

Título da Série Documental Abastecimento Domiciliário 455 Acção Social Escolar 385 Actas 4 Autos de Aforamento, Vistoria, Medição, Agregação e Vedoria 456 Autos de Arrematação 458 Autos de Notícia 22 Autos de Sindicância 357 Candidaturas

Leia mais

A FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL D. AFONSO HENRIQUES E A LUTA PELA INDEPENDÊNCIA

A FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL D. AFONSO HENRIQUES E A LUTA PELA INDEPENDÊNCIA A FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL D. AFONSO HENRIQUES E A LUTA PELA INDEPENDÊNCIA Condado Portucalense Durante a Reconquista Cristã, os reis cristãos da Península Ibérica pediram auxílio a outros reinos

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º C Teste de Avaliação nº 4 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE POLÍCIA MUNICIPAL 1. Artigo 1º Objecto

REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE POLÍCIA MUNICIPAL 1. Artigo 1º Objecto REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE POLÍCIA MUNICIPAL 1 Artigo 1º Objecto O presente regulamento visa estabelecer a organização e funcionamento do serviço de Polícia Municipal. Artigo

Leia mais

Diploma. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 de Março

Diploma. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 de Março Diploma Coloca as escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde pública sob a tutela exclusiva do Ministério da Educação e procede à reorganização da sua rede, bem como cria os Institutos Politécnicos

Leia mais

Diploma. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 de Março

Diploma. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 de Março Diploma Coloca as escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde pública sob a tutela exclusiva do Ministério da Educação e procede à reorganização da sua rede, bem como cria os Institutos Politécnicos

Leia mais

Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio

Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio Relatório Preliminar Ficha Técnica Autoria: Rui Almeida Recolha de Elementos: Rui Almeida(SNBPC); Grafismo e Capa:

Leia mais

2. Localização São Vicente de fora - Alfama - Lisboa São Vicente de Fora - Lisboa lisboa 1 Percurso São Vicente de Fora - Lisboa [ 30] Área de

2. Localização São Vicente de fora - Alfama - Lisboa São Vicente de Fora - Lisboa lisboa 1 Percurso São Vicente de Fora - Lisboa [ 30] Área de elementos de análise morfológica 222 Contexto Urbano e Percursos 2.1. São Vicente de Fora - Lisboa 2.2. Pelourinho - Salvador 2.3. Stare Mesto - Bratislava 2.4. Plaza Mayor - Trujillo 2. Localização -

Leia mais

De 4 a 7 de maio o Parque Urbano da

De 4 a 7 de maio o Parque Urbano da jf-corroios.pt III Feira Medieval da Vila de Corroios De 4 a 7 de maio o Parque Urbano da Quinta da Marialva recebe a III Feira Medieval em Terras de Corroios. Vamos viajar até ao século XIV, mais propriamente

Leia mais

Aula 3 Concepções de poder e soberania: elementos da monarquia e da realeza em Portugal e Espanha

Aula 3 Concepções de poder e soberania: elementos da monarquia e da realeza em Portugal e Espanha Aula 3 Concepções de poder e soberania: elementos da monarquia e da realeza em Portugal e Espanha Formação dos Reinos da Península Ibérica Meados do Século XIII DATAS DA CONQUISTA IDENTIFICAM CIDADES Catedral

Leia mais

António Furtado Gráfica Eborense Évora 1969 24,5 x 19 cm 12 p. 4. Lda Lisboa 1949 26 x 19,5 cm 183 p. 10 sua História: Vol. 1

António Furtado Gráfica Eborense Évora 1969 24,5 x 19 cm 12 p. 4. Lda Lisboa 1949 26 x 19,5 cm 183 p. 10 sua História: Vol. 1 A abolição da pena de morte António Furtado 1969 24,5 x 19 cm 12 p. 4 dos Santos A Família Pousão em Elvas (Elementos para a Eurico Gama Minerva Comercial, 24,5 x 19 cm 29 p. 5 Biografia do Pintor Henrique

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 140. FEVEREIRO de No mês de Fevereiro de 2009, o Conselho Superior do Ministério Público reuniu em

BOLETIM INFORMATIVO Nº 140. FEVEREIRO de No mês de Fevereiro de 2009, o Conselho Superior do Ministério Público reuniu em S. R. PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO BOLETIM INFORMATIVO Nº 140 FEVEREIRO de 2009 No mês de Fevereiro de 2009, o Conselho Superior do Ministério Público reuniu

Leia mais

Moinho de Palmela. Entre em sintonia com o Ambiente e sinta o esplendor da Natureza

Moinho de Palmela. Entre em sintonia com o Ambiente e sinta o esplendor da Natureza Moinho de Palmela Entre em sintonia com o Ambiente e sinta o esplendor da Natureza Palmela foi desde a sua génese um território propício à fixação humana, como nos documentam os sucessivos testemunhos

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 147 MARÇO DE No mês de Março de 2009, o Conselho Superior do Ministério Público reuniu em

BOLETIM INFORMATIVO Nº 147 MARÇO DE No mês de Março de 2009, o Conselho Superior do Ministério Público reuniu em S. R. PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO BOLETIM INFORMATIVO Nº 147 MARÇO DE 2009 No mês de Março de 2009, o Conselho Superior do Ministério Público reuniu em Plenários

Leia mais

Periodização Oficial 476.dC último Imperador Império Romano do Ocidente Odoacro, Hérulos d.c - Tomada de Constantinopla pelos Turcos

Periodização Oficial 476.dC último Imperador Império Romano do Ocidente Odoacro, Hérulos d.c - Tomada de Constantinopla pelos Turcos A IDADE MÉDIA Periodização Oficial 476.dC último Imperador Império Romano do Ocidente Odoacro, Hérulos. 1453 d.c - Tomada de Constantinopla pelos Turcos Idade Média Idade das Trevas Duração +/- 1000 anos.

Leia mais

CURSO E-LEARNING NEWSLETTER 33. Introdução ao e-learning e às ferramentas colaborativas. Curso/ação ou formação contínua equivalente a 3 ECTS =78 h

CURSO E-LEARNING NEWSLETTER 33. Introdução ao e-learning e às ferramentas colaborativas. Curso/ação ou formação contínua equivalente a 3 ECTS =78 h NEWSLETTER 33 Directora: Ana Maria Morais - Presidente da Direcção Nacional CURSO E-LEARNING Introdução ao e-learning e às ferramentas colaborativas Curso/ação ou formação contínua equivalente a 3 ECTS

Leia mais

Exmo. Senhor (Nome e morada)

Exmo. Senhor (Nome e morada) Exmo. Senhor (Nome e morada) Na sequência da reclamação apresentada em (data de apresentação da reclamação), do acto de processamento do seu vencimento, relativo ao mês de Janeiro de 2011, e em resposta

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA ÁRVORE GENEALÓGICA

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA ÁRVORE GENEALÓGICA ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA ÁRVORE GENEALÓGICA GENEALOGIA: CONCEITO E TIPOLOGIAS A Genealogia é a ciência (ou ramo do conhecimento) que tem por objecto o estudo da origem e da evolução

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES A particular configuração que as regras das precedências protocolares assumem

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 953/XII/4.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 953/XII/4.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 953/XII/4.ª Criação da Freguesia de Ponte de Sor, no Concelho de Ponte de Sor, Distrito de Portalegre I Nota Introdutória A Lei n.º 11-A/2013

Leia mais

INSOLVÊNCIAS - 1º SEMESTRE 2017

INSOLVÊNCIAS - 1º SEMESTRE 2017 INSOLVÊNCIAS - 1º SEMESTRE 2017 OBSERVATÓRIO INFOTRUST INSOLVÊNCIAS e PER 1º SEMESTRE 2017 INDICE Análise - comparativos Insolvências Empresas Comparativo Geográfico 1º Semestre / Períodos Homólogos Insolvências

Leia mais

FUNDO REINALDO DOS SANTOS - Inventário Fotografias

FUNDO REINALDO DOS SANTOS - Inventário Fotografias FUNDO REINALDO DOS SANTOS - Inventário Fotografias Nº Inv. Caixa Título Secção Série Base de Dados Caixa antiga Observações F-004259 CX- 21 Rio Mau- Igreja de S. Cristovão, Portal lateral norte Arquitetura

Leia mais

História. Guerra dos Mascates. Professor Cássio Albernaz.

História. Guerra dos Mascates. Professor Cássio Albernaz. História Guerra dos Mascates Professor Cássio Albernaz www.acasadoconcurseiro.com.br História A GUERRA DOS MASCATES (1710 1711) http://www.sohistoria.com.br/ef2/mascates/ A Guerra dos Mascates que se

Leia mais

MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004

MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004 MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004 Presenças:------------------------------------------------------------------------------------------------- José

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CONCURSO DE PROPOSTAS PARA A COMPRA / VENDA LOTES 1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11 LOCALIZADAS EM LISBOA, SETÚBAL, BRAGA E COIMBRA

FICHA TÉCNICA DO CONCURSO DE PROPOSTAS PARA A COMPRA / VENDA LOTES 1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11 LOCALIZADAS EM LISBOA, SETÚBAL, BRAGA E COIMBRA FICHA TÉCNICA DO CONCURSO DE PROPOSTAS PARA A COMPRA / VENDA LOTES 1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11 LOCALIZADAS EM LISBOA, SETÚBAL, BRAGA E COIMBRA 1 Localização Os imóveis localizam-se em diferentes localizações

Leia mais

Centro de Simulação Biomédica Serviço de Anestesiologia Bloco Operatório Central Hospitais da Universidade de Coimbra

Centro de Simulação Biomédica Serviço de Anestesiologia Bloco Operatório Central Hospitais da Universidade de Coimbra Serviço de Anestesiologia Bloco Operatório Central Curso Direito para executivos hospitalares Uma questão de responsabilidade, Quarta feira, 6 de Outubro 2010 Workshop Curso DIREITO PARA EXECUTIVOS E DIRECTORES

Leia mais

Portalegre. Como chegar ao local do Congresso

Portalegre. Como chegar ao local do Congresso Portalegre 25, 26 e 27/Out/2012 Portalegre Como chegar ao local do Congresso ser o resultado de uma escolha, e não a consequência de um destino. 1 Portalegre é uma pequena cidade do Norte Alentejano, capital

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Projecto de Lei n.º 157/X. Define regras de arrendamento rural aplicáveis a prédios rústicos do Estado

Projecto de Lei n.º 157/X. Define regras de arrendamento rural aplicáveis a prédios rústicos do Estado Projecto de Lei n.º 157/X Define regras de arrendamento rural aplicáveis a prédios rústicos do Estado Ao apresentar o presente Projecto de Lei o Grupo Parlamentar do PCP tem como objectivo resolver uma

Leia mais

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia Preâmbulo Numa sociedade democrática é fundamental que existam mecanismos de participação que permitam aos jovens o desenvolvimento de competências de cidadania que lhes possibilitem a formulação de ideias

Leia mais

Dados históricos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Por setor de atividade. Por setor de atividade

Dados históricos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Nos últimos 5 anos. Por setor de atividade. Por setor de atividade Dados históricos Nascimentos Encerramentos Insolvências Fusões/ aquisições Nos últimos 5 anos Nos últimos 5 anos Nos últimos 5 anos Nos últimos 5 anos Por setor de atividade Por setor de atividade Por

Leia mais

As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património

As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património Foi hoje publicada a Lei n.º 55-A/2012, de 29 de Outubro, a qual vem agravar a tributação dos rendimentos

Leia mais

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional)

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional) CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 202. (Função jurisdicional) 1. Os tribunais são os órgãos de soberania com competência para

Leia mais

Inscrições de Juízes/as dos Tribunais Administrativos e Fiscais. nas ações de formação contínua

Inscrições de Juízes/as dos Tribunais Administrativos e Fiscais. nas ações de formação contínua Formação Contínua - Inscrições de Juízes/as dos Tribunais Administrativos e Fiscais nas ações de formação contínua Os/as Juízes/as dos Tribunais Administrativos e Fiscais deverão preencher a ficha de inscrição

Leia mais

A Judiaria de Torres Vedras

A Judiaria de Torres Vedras A Judiaria de Torres Vedras Carlos Guardado da Silva rua dos Celeiros de Santa Maria antiga rua da Judiaria (Torres Vedras) A presença de judeus em Torres Vedras aparece testemunhada na documentação a

Leia mais

RAZÃO ANALÍTICO INDIVIDUAL Folha: 00002 LCTO DCTO DATA C/PART. C/C H I S T Ó R I C O DÉBITO CRÉDITO SALDO

RAZÃO ANALÍTICO INDIVIDUAL Folha: 00002 LCTO DCTO DATA C/PART. C/C H I S T Ó R I C O DÉBITO CRÉDITO SALDO RAZÃO ANALÍTICO INDIVIDUAL Folha: 00002 Conta 41112-9 401010101000100 REVENDAS - MATRIZ 02/01 12201-2 VENDAS CFE. NF.N.º 1333 1.263,60 02/01 12201-2 VENDAS CFE. NF.N.º 001334 842,40 03/01 12201-2 VENDAS

Leia mais

FICHA DE APOIO À CARTOGRAFIA

FICHA DE APOIO À CARTOGRAFIA Designação: Cerca de Coimbra, designadamente, Arco e Torre de Almedina, Arco Pequeno de Almedina e Torre de Anto Outras designações: Muralhas de Coimbra incluindo o Arco Pequeno de Almedina Categoria /

Leia mais

CALENDÁRIO DE EXAMES PARA OBTENÇÃO DE CARTA DE CAÇADOR PROGRAMAÇÃO PARA OS MESES DE SETEMBRO A DEZEMBRO de 2015

CALENDÁRIO DE EXAMES PARA OBTENÇÃO DE CARTA DE CAÇADOR PROGRAMAÇÃO PARA OS MESES DE SETEMBRO A DEZEMBRO de 2015 CALENDÁRIO DE EXAMES PARA OBTENÇÃO DE CARTA DE CAÇADOR PROGRAMAÇÃO PARA OS MESES DE SETEMBRO A DEZEMBRO de 2015 Notas prévias: - Esta programação pode ser sujeita a alterações, desde que não esteja em

Leia mais

TRADUÇÃO DO FORAL DO CONDE D. HENRIQUE

TRADUÇÃO DO FORAL DO CONDE D. HENRIQUE Foral de Guimarães Tradução Aires Augusto do Nascimento Revista de Guimarães, n.º 106, 1996, pp. 35-41 TRADUÇÃO DO FORAL DO CONDE D. HENRIQUE Observação preliminar: A tradução do foral de Guimarães pretende

Leia mais

CRISE DO FEUDALISMO E O RENASCIMENTO URBANO(sécs. X-XVI)

CRISE DO FEUDALISMO E O RENASCIMENTO URBANO(sécs. X-XVI) CRISE DO FEUDALISMO E O RENASCIMENTO URBANO(sécs. X-XVI) 1) Servidão 1.1. O que é servidão? * Trabalho forçado em troca de acesso à terra e proteção * É o status social do camponês no feudalismo * Camponês

Leia mais

O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados

O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) As alterações que a Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro, introduz ao Código do IRS são muito significativas

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 126/VIII REELEVAÇÃO DE ANÇÃ À CATEGORIA DE VILA. I - Introdução

PROJECTO DE LEI N.º 126/VIII REELEVAÇÃO DE ANÇÃ À CATEGORIA DE VILA. I - Introdução PROJECTO DE LEI N.º 126/VIII REELEVAÇÃO DE ANÇÃ À CATEGORIA DE VILA I - Introdução A freguesia de Ançã foi outrora sede do município do mesmo nome, provavelmente desde a segunda metade do século XIV, usufruindo

Leia mais

Prémio de participação

Prémio de participação Prémio de participação Índice < 50% F de Negrelos (S. Tomé) F de Pessegueiro do Vouga UF de Carvalhais e Candal F de Calhetas F de Santa Luzia F de Pedro Miguel (Horta) F de S. Domingos de Rana F de São

Leia mais

H I S T Ó R I A P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O. DISCIPLINA: História ANO: 7 TURMAS: B, C e D ANO LECTIVO: 2011/

H I S T Ó R I A P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O. DISCIPLINA: História ANO: 7 TURMAS: B, C e D ANO LECTIVO: 2011/ DISCIPLINA: História ANO: 7 TURMAS: B, C e D ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O H I S T Ó R I A - 1 - TEMA A Das Sociedades Recolectoras Às Primeiras Civilizações SUBTEMA

Leia mais

António Peres Carneiro: um siniense em trânsito pelo Atlântico

António Peres Carneiro: um siniense em trânsito pelo Atlântico António Peres Carneiro: um siniense em trânsito pelo Atlântico Sines e o Seu Porto. História e Património 7-9 de Setembro de 2017 Rui Santos Sandra Patrício DATAS ESSENCIAIS No dia 26 de Janeiro de 1218

Leia mais

IEFP CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PORTALEGRE SERVIÇO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PONTE DE SOR

IEFP CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PORTALEGRE SERVIÇO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PONTE DE SOR Grupo de Recrutamento Nº Oferta IEFP Tipo Duração Nº Horas Semanais Número Data de Início de Vagas de Oferta Total Data de Fim de Oferta 110 1.º Ciclo do Ensino Básico 285 Centro de Emprego e Formação

Leia mais

PEDRAS BRANCAS usadas para indicar a inocência das pessoas ilegitimamente acusadas de crimes.

PEDRAS BRANCAS usadas para indicar a inocência das pessoas ilegitimamente acusadas de crimes. Palavras do Presidente do Supremo Tribunal Administrativo Conselheiro Manuel Fernando dos Santos Serra na Tomada de Posse de um dos Vice-Presidentes Lisboa, 14 de Julho de 2008 Os romanos, que nos legaram,

Leia mais

DE HENRIQUE DE BORGONHA A DOM AFONSO HENRIQUES NASCIMENTO DE UM NOVO REINO

DE HENRIQUE DE BORGONHA A DOM AFONSO HENRIQUES NASCIMENTO DE UM NOVO REINO DE HENRIQUE DE BORGONHA A DOM AFONSO HENRIQUES NASCIMENTO DE UM NOVO REINO Entre os séculos XI e XIII, durante um período histórico chamado de Reconquista, os Cristãos lutavam para reconquistar as terras

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Alojamento. Alentejo. Alcácer do Sal. Casa do Sossego. Aldeamento Turístico Herdade de Montalvo. Pousada Castelo de Alcácer

Alojamento. Alentejo. Alcácer do Sal. Casa do Sossego. Aldeamento Turístico Herdade de Montalvo. Pousada Castelo de Alcácer Alojamento Aldeamento Turístico Herdade de Montalvo Aldeamentos Turísticos / **** Morada: Estrada Nacional 253 - km 14,7 7580-247 Telefone: +351 265 619 441 Fax: +351 265 619 440 E-mail: montalvo.tur@sapo.pt

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A NER. Ano Letivo 2016/2017. Estudar/ Aprender História

PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A NER. Ano Letivo 2016/2017. Estudar/ Aprender História Tempos PLANIFICAÇÃO - 10º ANO - HISTÓRIA A NER Ano Letivo 2016/2017 Per Módulo Conteúdos Competências específicas Conceitos/ Noções Situações de Aprendizagem Avaliação 0 Atitudes e Valores 1.º Estudar/

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008 Planificação Anual da Área Curricular de História e Geografia de Portugal 5º Ano 1. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas

Leia mais

Jornadas para a transparência na Justiça

Jornadas para a transparência na Justiça Programa Geral Colaboração e participação: Presidência da Assembleia da República; Supremo Tribunal de Justiça; Supremo Tribunal Administrativo; Tribunal de Contas; Conselho Superior da Magistratura; Tribunais

Leia mais

História. Lavoura Açucareira e Mão de Obra Escrava. Professor Cássio Albernaz.

História. Lavoura Açucareira e Mão de Obra Escrava. Professor Cássio Albernaz. História Lavoura Açucareira e Mão de Obra Escrava Professor Cássio Albernaz www.acasadoconcurseiro.com.br História A LAVOURA AÇUCAREIRA E MÃO DE OBRA ESCRAVA (http://www.ceert.org.br/img/galeria/1-08tdilfyc5r9m4aroafhjw.jpeg)

Leia mais

CHEGADA DA EXPEDIÇÃO COLONIZADORA DE MARTIM AFONSO DE SOUZA 1530 MARTIM AFONSO DE SOUZA FUNDOU A PRIMEIRA VILA NO BRASIL

CHEGADA DA EXPEDIÇÃO COLONIZADORA DE MARTIM AFONSO DE SOUZA 1530 MARTIM AFONSO DE SOUZA FUNDOU A PRIMEIRA VILA NO BRASIL CHEGADA DA EXPEDIÇÃO COLONIZADORA DE MARTIM AFONSO DE SOUZA 1530 MARTIM AFONSO DE SOUZA FUNDOU A PRIMEIRA VILA NO BRASIL - SÃO VICENTE e deu início ao cultivo da cana-de-açúcar CAPITANIAS HEREDITÁRIAS

Leia mais

Prefácio 17 Explicação necessária 19

Prefácio 17 Explicação necessária 19 SUMÁRIO Prefácio 17 Explicação necessária 19 I. CONSTITUIÇÃO 21 1. Conceitos 21 2. História das Constituições 21 3. Classificação das Constituições 23 4. Elementos das Constituições 24 5. Estrutura da

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º C Teste de Avaliação nº 4 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

As origens do tabelionado torriense

As origens do tabelionado torriense As origens do tabelionado torriense O renascimento urbano medieval implicou a complexificação das relações administrativas, económicas e intelectuais, obrigando ao estabelecimento de uma memória escrita.

Leia mais

História MARCOS ROBERTO

História MARCOS ROBERTO História MARCOS ROBERTO Persas, fenícios e hebreus Objetivos - Identificar aspectos políticos, sociais e culturais dos povos: - persas - fenícios - hebreus 1. O império persa - Localização: planalto do

Leia mais

Fig. 1 - Portal e ajimeces da sala capitular da Colegiada de Nossa Senhora de Guimarães

Fig. 1 - Portal e ajimeces da sala capitular da Colegiada de Nossa Senhora de Guimarães Fig. 1 - Portal e ajimeces da sala capitular da Colegiada de Nossa Senhora de Guimarães Fig. 2 Porta do Paço Episcopal de Coimbra Fig. 3 Porta do Castelo do Alandroal Fig. 4 Abóbada do andar nobre da torre

Leia mais

David Emanuel Vieira Aguiar

David Emanuel Vieira Aguiar Universidade do Minho Instituto de Ciências Sociais David Emanuel Vieira Aguiar D. Diogo de Sousa e as ofertas de bens móveis à Sé de Braga Dissertação de Mestrado Mestrado em Património e Turismo Cultural

Leia mais

Fiscalidade na actividade de olivicultura

Fiscalidade na actividade de olivicultura Fiscalidade na actividade de olivicultura Luís Falcato Tax Partner da DFK Portugal E-mail: luis.falcato@dfk.com.pt Tel. Dir.: 21 324 34 97 Beja, 25 de Fevereiro de 2011 Fiscalidade na actividade de olivicultura

Leia mais

QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO?

QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO? QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO? Nos dias 30 e 31 de Maio de 2011, realizou-se em Lisboa, no Palácio de São Bento, a Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens 2011 do Ensino Secundário. O Parlamento dos Jovens

Leia mais

Sr Secretário de Estado da Administração Local, Dr. Leitão Amaro. Sr Presidente da Assembleia Municipal de Ribeira de Pena

Sr Secretário de Estado da Administração Local, Dr. Leitão Amaro. Sr Presidente da Assembleia Municipal de Ribeira de Pena 1 Ex.mos Sr Secretário de Estado da Administração Local, Dr. Leitão Amaro Sr Presidente da Assembleia Municipal de Ribeira de Pena Sra Deputada Manuela Tender e Srs Deputados Agostinho Santa e vo Oliveira

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Nome da empresa PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Boletim Informativo Boletim Informativo N.º 6/2015 REUNIÃO: Plenário de 24/02/2015 SUMÁRIO: (Pág) Ponto antes ordem

Leia mais

22:30 (sem tratamento de dados)

22:30 (sem tratamento de dados) Localidade Escola Alenquer AE Alto do Lumiar Aveiro "AE de José Estevão - Aveiro" AE Santo André - AE Santo André - AE Santo André - beja ae n 2 beja Beja A E nº2 de Beja Beja AE nº de de Beja Beja AE

Leia mais

LOCAIS DE REALIZAÇÃO DA PACC cfr. Aviso n.º A/2013, de 28 de novembro [IAVE]

LOCAIS DE REALIZAÇÃO DA PACC cfr. Aviso n.º A/2013, de 28 de novembro [IAVE] Viana do Castelo Caminha Agrup. Escolas Caminha Ponte da Barca Ponte de Lima Agrup. Escolas Ponte de Lima Viana do Castelo Agrup. Escolas Monserrate Viana do Castelo Agrup. Escolas Santa Maria Maior Viana

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal Tema 0 - Conhecer o Manual 2012/2013 Aulas previstas-5 1º Período Apresentação Material necessário para o

Leia mais