ESTENDENDO O DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA SUPORTAR A MODELAGEM DE WORKFLOW

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTENDENDO O DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA SUPORTAR A MODELAGEM DE WORKFLOW"

Transcrição

1 A pesquisa Operacional e os Recursos Renováveis 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN ESTENDENDO O DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA SUPORTAR A MODELAGEM DE WORKFLOW Ingrid Gesser Instituto de Matemática UFRJ/NCE, Caixa Postal 2324, Rio de Janeiro Brasil. Denis S. Silveira Faculdades Ibmec, Av. Rio Branco o Centro, Rio de Janeiro Brasil. Pedro Oscar de Souza Cruz Instituto de Matemática UFRJ/NCE, Caixa Postal 2324, Rio de Janeiro Brasil. Eber A. Schmitz Instituto de Matemática UFRJ/NCE, Caixa Postal 2324, Rio de Janeiro Brasil. RESUMO A competitividade das empresas modernas é muito dependente da eficiência de seus processos de negócio. Para que este objetivo possa ser atingido, é necessário que os processos da empresa sejam definidos e colocados em funcionamento. A eficiência dos processos é altamente dependente do suporte computacional fornecido a estes, especialmente através do uso de sistemas de workflow. Os processos podem ser modelados usando a notação de diagrama de atividades suportada pela OMG (Object Management Group), e os sistemas de workflow podem ser definidos usando um framework de referência da entidade Workflow Management Coallition WfMC. É importante que a definição do sistema de workflow seja compatível com os requisitos do modelo do processo que ele suporta. Esta compatibilidade pode ser obtida, permitindo que o especificador do processo especifique as características do sistema de workflow em tempo de modelagem de processo. A contribuição deste trabalho é mostrar a existência de um gap semântico entre os elementos do diagrama de atividades e os do meta modelo de sistema de workflow. Para isto, propomos uma extensão do diagrama de atividades da UML através do uso de estereótipos. Palavras-Chave: Workflow, WfMC, UML, Diagrama de s, Modelagem de Negócios, Meta Modelo.

2 1. Introdução Está acontecendo uma revolução na forma de fazer negócios e competir nos mercados de hoje. É fácil comprovar essa afirmação através da leitura de jornais e revistas especializados em negócios e administração e através de estudos de casos apresentados nos livros que abordam negócios, sistemas de informação, administração etc [SILVA, 2001]. Dentro deste contexto, a Engenharia Empresarial pode ser conceituada como sendo a arte de entender, definir, especificar, analisar e implementar processos de negócios para todo o ciclo de vida da empresa [VERNADAT, 1996]. A Engenharia Empresarial é uma atividade multidisciplinar realizada por um grupo heterogêneo (usuários, projetistas, analistas, especialistas de aplicação, gerentes etc). Diversas são as técnicas e métodos utilizados nesta atividade, tais como: métodos para a definição de processos de negócios, custeio baseado em atividades, logística, projeto de processos de manufatura, seleção de recursos e projeto de layout de manufatura, gerenciamento do fluxo de trabalho (workflow), projeto e análise de sistemas de informação, gerenciamento e alocação de recursos, projeto de estruturas organizacionais etc. Porém, a disponibilidade deste grande leque de opções gerenciais, operacionais e técnicas, não garante o sucesso esperado. Segundo DAVENPORT [1994], dentre os conceitos e sistemas que surgem como conseqüência do referido desenvolvimento da tecnologia da informação, o principal é a popularização dos sistemas de workflow. Conforme apresentado por ARAUJO e BORGES [2001], um sistema de workflow é uma ferramenta que permite a análise pró-ativa, a compactação e automação de tarefas e atividades intensivas em informação. Assim, conforme se pode observar a partir da definição, sistemas de workflow muito podem contribuir para a otimização das atividades em uma empresa. Essa ferramenta consiste em um sistema de software, que se baseia no conceito conhecido como processo de negócio para otimização destas atividades. A UML (Unified Modeling Language) é uma linguagem gráfica padronizada criada para representar modelos de sistemas de informação orientados a objetos. Esta linguagem contém vários tipos de diagramas, cada um deles destinados a representar uma diferente visão do sistema. Os diagramas mais conhecidos são: o diagrama de casos de uso, classes e seqüência que descrevem os requisitos funcionais, as características estáticas e as dinâmicas do sistema [Booch et al., 1997]. Um diagrama menos utilizado na UML é o diagrama de atividades, que constitui um elemento de modelagem simples, porém eficaz para descrever fluxo de trabalho numa organização ou para detalhar as operações de uma classe. O presente artigo tem como principal objetivo estender o diagrama de atividades, componente integrante da UML, tornando compatível com o meta modelo proposto pela Workflow Management Coallition - WfMC (instituição fundada para padronizar os conceitos e a tecnologia de workflow). 2. Modelagem de Processos O principal objetivo da modelagem de processos é representá-los de uma maneira clara e formal em diferentes níveis de abstração [SERRANO, 1997]. A disponibilidade de modelos elaborados desta forma permite uma análise crítica das atividades existentes para definir melhorias e racionalizações dos processos. A modelagem de processo tem sido desenvolvida como uma tecnologia para descrever processos tais que eles possam ser entendidos e desenvolvidos com maior transparência. Através dessa modelagem é possível planejar, criar procedimentos e documentá-los de forma consistente, possibilitando demonstrar a realidade da empresa e realizar modificações de acordo com situação futura desejável. 198

3 A proliferação das metodologias que têm como base os conceitos de modelagem de um dado cenário acarretou o surgimento de diversas notações e técnicas de modelagem, que muitas vezes são compartilhadas entre várias metodologias. Esse fenômeno ocorre nos mais variados níveis de abstração (empresarial, produção, sistêmicos etc). Essa preocupação levou à busca de uma padronização de uma linguagem de modelagem. Hoje a UML (Unified Modeling Language) [BOOCH et al., 1999], que vem tendo grande aceitação no mercado e ambiente acadêmico, se propõe a padronizar, no formato de diagramas, algumas das principais notações. Embora inicialmente direcionada para modelagem de sistemas orientados a objetos, a UML se apresenta suficientemente genérica para abranger outras abordagens, como proposto nesse artigo. Entre os diagramas disponibilizados na UML encontramos o Diagrama de s. O diagrama de atividades constitui um elemento de modelagem simples, porém eficaz para descrever o fluxo de trabalho numa organização. Entre as suas características, destaca-se a possibilidade de representação de atividades paralelas, diferenciando-o de um mero fluxograma. Neste diagrama, as atividades são situadas em raias de responsabilidade, representativas dos locais onde elas são executadas. Nestes locais existem recursos que interagem com as atividades durante sua realização. Estes insumos (recursos e produtos) são representados no diagrama na forma de objetos relacionados às atividades. Dentro da abordagem desse diagrama encontram-se disponíveis os seguintes elementos: atividades, sub-atividades, transições, condicionais, caminho concorrente, raias de responsabilidade, recursos, insumos, produtos e sinais de input e output, conforme apresentado em [BOOCH et al., 1999] e discutido em [SILVEIRA et al., 2002]. 3. Modelagem de Workflow Um sistema de workflow objetiva a automação e gerência de processos de negócio em organizações [GFI FAX & VOICE, 1998; DiCATERINO et. al., 1997]. Um processo de negócio, segundo [ERIKSSON e PANKER, 2000], é um procedimento onde documentos, informações e tarefas são passadas entre participantes de acordo com um conjunto de regras definidas que deverão ser alcançadas para o objetivo do negócio. Figura 1: Processos de Negócio Automatizados por Sistemas de Workflow [Araújo e Borges, 2001] Os processos de negócio, segundo ARAUJO e BORGES [2001], podem ser representados através de fluxos de trabalho, ou seja, modelos que especificam: as atividades que compõem o processo, a ordem e as condições que as atividades devem ser executadas, os executores de cada atividade, as ferramentas a serem utilizadas e os documentos manipulados 199

4 durante sua execução. As representações de processos sob a forma de fluxos de trabalho podem ser automatizadas/interpretadas através de sistemas de workflow. Segundo a Workflow Management Coallition - WfMC [WFMC], um sistema de workflow pode ser definido como: Sistemas para a definição, criação e gerência da execução de fluxos de trabalho através do uso de software, capaz de interpretar a definição de processos, interagir com seus participantes e, quando necessário, invocar ferramentas e aplicações.. Uma das contribuições da WfMC foi a definição de um modelo de referência para os WfMS (Workflow Management Systems). Este modelo oferece um framework arquitetural do trabalho dos WfMS. Possui cinco interfaces, as quais cobrem as áreas de funcionalidade entre os WfMS e os seus ambientes. As áreas de funcionalidades são as seguintes: 1. A importação e exportação de definições de processos; 2. Interação com aplicações cliente e software de manuseio de lista de serviços; 3. A invocação de ferramentas e aplicativos de software; 4. Interoperabilidade entre diferentes WfMS; e 5. Funções de administração e monitoramento. Figura 2: Arquitetura de Sistemas Workflow [WFMC] Em seguida apresentamos uma descrição do modelo geral de definição de processos, chamado de WfMC Meta Model. Esse modelo sugere as características mínimas que qualquer sistema de workflow deve possuir. Com isso adquire-se uma facilitação de passagem do modelo de processos definido para uma dada aplicação para o modelo a ser implementado como workflow. A próxima figura apresentada a representação gráfica do WfMC Meta Model. 200

5 Tipo de Definição de Workflow possui consiste de Papel pode referir-se a usa Dados Relevantes do Workflow pode ter usa Aplicação Utilizada usa Condição de Transição pode referir-se a Figura 3: Meta Modelo de Definição de Processos Workflow [WFMC] Descrevemos a seguir as propriedades dos objetos básicos propostos no Meta Modelo da WfMC. Tipo de Definição de Workflow Versão Condições de Inicio Condições de Termino Condições de Segurança Condições de Auditoria Tipo Condições de Pré-atividade Condições de Pós-atividade Parâmetros Tempo Papel Autenticação Nível Organizacional Capacitação Condição de Transição Condições de Fluxo de Trabalho Condições de Execução Condições de Notificação do processo a ser controlado; Número da versão do processo controlado; Pré-condições do processo controlado; Pós-condições do processo controlado; Regras de segurança de acesso e utilização do processo controlado; Regras de auditoria do processo controlado (eventos controlados, freqüência controle e destino do controle). da atividade Tipo da atividade (complexa ou elementar); Pré-condições da atividade; Pós-condições da atividade; Tempos de duração da atividade e de espera na fila de entrada e saída. do papel; Identificação da autenticação realizada pelo papel; Posição do papel na estrutura da organização; Competência do papel no processo. Condições sob as quais o fluxo de trabalho transcorre; Condições sob as quais a execução é realizada; Condições sob as quais notificações são enviadas e recebidas. Dados Relevantes do Workflow das informações manipuladas no processo controlado; Tipo Tipo e formato das informações manipuladas no processo controlado; 201

6 Caminho de Acesso Aplicações Utilizadas Tipo Parâmetro de Execução Caminho de Acesso Localização das informações manipuladas no processo controlado. da aplicação utilizada no processo controlado; Tipo da aplicação utilizada no processo controlado; Momento e condições para utilização da aplicação no processo controlado; Localização da aplicação utilizada no processo controlado. 4. Correlação das Abordagens A partir dos elementos disponíveis no diagrama de atividades da UML para a modelagem de processos [SILVEIRA et al., 2002] e das propriedades apresentadas no meta modelo da WfMC [WFMC, 2003], apresentamos a tabela abaixo correlacionando-os. Workflow Meta Modelo - WFMC Versão -//- Condições de Inicio Condições de Termino Condições de Segurança -//- Condições de Auditoria -//- Papel Tipo Condições de Pré-atividade Condições de Pós-atividade Diagrama s Rótulo da Evento e condição da transição de entrada na Evento e condição da transição de saída na Parâmetros Tempo -//- Autenticação -//- Nível Organizacional Capacitação -//- Rótulo da Nivelamento do diagrama Evento e condição da transição de entrada na Evento e condição da transição de saída na Objeto (Recursos) Rótulo do Objeto Rótulo do Objetosabilidade 202

7 Condição de Transição Condições de Fluxo de Trabalho Condições de Execução Condições de Notificação Dados Relevantes do Workflow Objeto Condição de Guarda da Transição Ação da Transição Sinal Tipo -//- Caminho de Acesso -//- Aplicação Utilizada Rótulo do Objeto Tipo -//- Parâmetros de Execução Caminho de Acesso -//- 4.1 Discussão Rótulo da Evento e condição da transição de entrada na Ao correlacionarmos os elementos do diagrama de atividades da UML com as propriedades do meta modelo, constatamos uma aderência razoável, visto que das 25 propriedades apresentadas, apensas 10 não foram correspondidas. Ao analisarmos os objetos Tipo de Definição de Workflow e no meta modelo, constatamos que ambos representam semanticamente tarefas controladas, sendo que o primeiro representa o processo da controlar e o segundo um detalhamento do primeiro. No diagrama de atividades, o conceito de trabalho realizado (processo, atividade, tarefa etc) possui uma única representação na forma de atividade, sendo permitida, ainda, a decomposição funcional deste trabalho realizado na forma de nivelamentos do diagrama. Verificou-se que para as propriedades destes dois primeiros objetos foram parcialmente correlacionados, sendo que embora não visualmente representadas no diagrama as propriedades Versão, Condições de Segurança, Condições de Auditoria e Parâmetros de Tempo podem ser informadas no detalhamento textual da atividade. O objeto Papel representa os participantes que atuam em um dado processo. Estes participantes corresponde diretamente ao elemento Objeto no diagrama de atividade, quando este representa um recurso do processo. Porem o elemento Objeto não possui propriedades Autenticação e Capacitação, enquanto as propriedades e Nível Organizacional podem ser representados em seu rótulo. A Condição de Transição é um objeto que possui propriedades relacionadas ao comportamento do processo ao longo de sua execução. As propriedades Condições de Fluxo de Trabalho e Condições de Execução representam respectivamente a condição necessária para que cada transição ocorra e execuções relacionadas à transição. Assim, estão correlacionadas respectivamente a Condição de Guarda e Ação de uma transição no diagrama de atividades. A representação de notificações ( Condições de Notificação ) no diagrama de atividades é representada através do elemento Sinal, que possibilita o envio ou recebimento de mensagens durante a execução de uma atividade. 203

8 O objeto Dados Relevantes do Workflow corresponde diretamente ao elemento Objeto no diagrama de atividades, sendo que as propriedades Tipo e Caminho de Acesso não são contempladas. Por fim, o objeto Aplicação Utilizada deve ser representado no diagrama de atividades como uma própria atividade, visto que se trata de uma aplicação externa formal, que possui a mesma semântica. As propriedades Tipo e Caminho de Acesso não possui representação visual no diagrama de atividades. 5. Estendendo o Diagrama de s A UML providencia um número elevado de conceitos e notações particularmente concebidos de forma a satisfazer os requisitos típicos da modelagem de um sistema. Contudo, podem surgir situações, como a mencionada nesse artigo, em que se torna desejável a introdução de conceitos e/ou notações adicionais. A próxima figura ilustra o mecanismo de extensibilidade da UML especificando como os elementos do modelo devem ser customizados e estendidos, adicionando nova semântica através do uso de Stereotypes, Constraint e TaggedValue [BOOCH et. at., 1997]. Figura 4: Mecanismos de Extensão [BOOCH et. at., 1997]. O conceito de Stereotypes permite classificar um elemento de modelo estendido de acordo com um elemento do modelo base já existente da UML, definindo novas restrições e atributos [BOOCH et. at., 1997]. Todos os elementos estendidos do modelo que possuírem um ou mais estereótipos terão os seus atributos e comportamentos adicionais definidos. Os nomes dos Stereotypes não podem conflitar com os nomes já existentes no meta modelo UML. Dentro do nosso contexto teremos os elemento SubactivityState, ActiveState, ObjectFlowState e Partition estendidos para dar compatibilizar com o modelo da WfMC (ver na figura 5). A Constraint consiste na especificação de semântica associada a um elemento do modelo [BOOCH et. at., 1997]. Tal especificação é escrita alguma linguagem de restrição. Por exemplo: OCL, linguagem de programação, notação matemática ou linguagem natural. A TaggedValue é um par de <marca, valor> que permite associar arbitrariamente informações a qualquer elemento do modelo [BOOCH et. at., 1997]. O significado de cada marca é intencionalmente especifico do contexto da sua utilização, podendo ser determinado pelo usuário ou por convenção da ferramenta CASE de suporte. 204

9 A próxima figura ilustra a extensão do meta modelo com os novos estereótipos das classes dos elementos SubactivityState, ActiveState, ObjectFlowState e Partition. Figura 5: O Meta Modelo Estendido. 6. Considerações Finais A modelagem de processos é um instrumento importante da estratégia empresarial. A implementação eficiente de novos processos requer o suporte de ferramentas computacionais, dentre as quais se destaca a categoria de sistemas de Workflow. Por outro lado, a personalização de um sistema de Workflow para suportar um determinado processo é uma tarefa demorada e custosa e, portanto, requer o uso de ferramentas de apoio à personalização de sistema de Workflow. Esta ferramenta deve transportar todas as características do modelo de processo para o sistema de Workflow. Este trabalho mostra que nem todas as características essenciais dos sistemas de workflow podem ser descritas usando a notação padrão do diagrama de atividades. Para resolver 205

10 este problema, propomos a criação de estereótipos que, usados em conjunto, permitem que os 10 atributos essenciais dos sistemas de workflow possam ser especificados já na etapa de modelagem do processo, garantindo, desta forma, que o sistema a ser implementado está perfeitamente aderente às necessidades do processo de negócio e, por conseqüência, às necessidades da empresa. Referencias Bibliográficas ARAUJO, R. M., BORGES, M. R., Sistemas de Workflow, XX Jornada de Atualização em Informática - Congresso da SBC, Brasil, 2001; BOOCH, et. al., Unified Modeling Language Notation Guide, Addison Wesley, 1997; DAVENPORT, T. H., Reengenharia de Processos: como Inovar a Empresa Através da Tecnologia de Informação, Rio de Janeiro, Editora Campus, 1994; DiCATERINO, A., et. al., An Introduction to Workflow Management Systems, 1997, disponível em acesso em 03/04/2003; DUSSART, A., et. al., An Evaluation of Inter-Organizational Workflow Modeling Formalisms, Cahier du GreSI, no 02-06, École des Hautes Études Commerciales de Montréal, Québec, ERIKSSON, H., PENKER, M., Business Modeling with UML Business Patterns at Work, John Wiley and Sons, Inc., 2000; GFI FAX & VOICE, Workflow Technology An Introduction, 1998, disponível em gy.pdf; Acesso em 03/04/2003; SERRANO, M. A. B., Análise de Negócio Aplicada à Modelagem de Meta Ambientes Automatizados, Tese de Doutorado, PUC-Rio, 1997; SILVA A. V., Modelagem de Processos para Implementação de Workflow: Uma Avaliação Crítica, Dissertação de Mestrado, UFRJ/Engenharia de Produção, 2001; SILVEIRA, D., et. al., Descrevendo os Elementos do Modelo de Processos de Negócio, Assembléia do Conselho Latino Americano de Escolas de Administração CLADEA, 2002; SMITH, H., Establishing the Foundations for the Specifications of the Next Generation (Advanced) Air Traffic Management Systems, EUROCONTROL EATMS Architecture Workshop, June, 1996; VERNADAT, F. B., Enterprise Modeling and Integration, Principles and Applications, Chapman & Hall, Londres, 1996; WfMC Workflow Management Coalition, The Workflow Reference Model, disponível em acesso em 03/04/

Uma Abordagem para Especificação de Requisitos para Sistemas de Informações Focada em Modelagem de Processos

Uma Abordagem para Especificação de Requisitos para Sistemas de Informações Focada em Modelagem de Processos Uma Abordagem para Especificação de Requisitos para Sistemas de Informações Focada em Modelagem de Processos Autoria: Denis Silveira, Pedro O. S. Cruz, Eber Schmitz Resumo: Um elemento essencial para o

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

A Integração Entre a Bpmn e a Uml

A Integração Entre a Bpmn e a Uml A Integração Entre a Bpmn e a Uml Meire Helen Batista Dias meirehelenbdias@bol.com.br FATEC ZL Cristina Corrêa de Oliveira crisolive@ig.com.br FATEC ZL Jair Minoro Abe jairabe@uol.com.br UNIP Resumo:Para

Leia mais

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Autoria: Denis Silveira, Eber Schmitz Resumo: Este artigo apresenta uma Metodologia Rápida de Desenvolvimento

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Uma Abordagem para a Transformação Automática do Modelo de Negócio em Modelo de Requisitos

Uma Abordagem para a Transformação Automática do Modelo de Negócio em Modelo de Requisitos Uma Abordagem para a Transformação Automática do Modelo de Negócio em Modelo de Requisitos Felipe Dias, Gisele Morgado, Pedro Oscar, Denis Silveira, Antonio Juarez Alencar, Priscila Lima, Eber Schmitz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Palavras-chaves: VoIP, UML, Modelagem de Negócios

Palavras-chaves: VoIP, UML, Modelagem de Negócios XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Modelagem da arquitetura de negócios Arquitetura Definições Aurélio: Informática: Estrutura e organização lógica de funcionamento de um sistema computacional.

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Derivando a arquitetura inicial do software de uma central de monitoração de diabéticos a partir do modelo de Negócio da UML

Derivando a arquitetura inicial do software de uma central de monitoração de diabéticos a partir do modelo de Negócio da UML Derivando a arquitetura inicial do software de uma central de monitoração de diabéticos a partir do modelo de Negócio da UML Claudio Yua Shen Ling Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS)

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos Apresentação Inicial BEM-VINDO!!! Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos 1 Mapeamento de Processos Mapeamento de Processos e Negócios com BPM 2 Ementa Introdução Definição

Leia mais

A história de UML e seus diagramas

A história de UML e seus diagramas A história de UML e seus diagramas Thânia Clair de Souza Vargas Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, SC Brazil thania@inf.ufsc.br Abstract.

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades. Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br

Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades. Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br Agenda Introdução Workflow Sistema Gerenciador de Workflow WfMC Modelo e Instância Workflows ad hoc Referências O que

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

UML: modelagem dinâmica

UML: modelagem dinâmica UML: modelagem dinâmica Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Synergia / Gestus Departamento de Ciência da Computação - UFMG UML: modelagem dinâmica 2 Bibliografia Rumbaugh, J.; Jacobson, I.;

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Visões de Negócio / Visão de Negócio

Visões de Negócio / Visão de Negócio Visões de Negócio / Visão de Negócio Bibliografia Eriksson, H-E; Penker, M. Business Modeling with UML: Business Patterns at work, John Wiley, 2000 Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Gestus

Leia mais

UML: Casos de Uso. Projeto de Sistemas de Software

UML: Casos de Uso. Projeto de Sistemas de Software UML: Casos de Uso Projeto de Sistemas de Software UML Casos de Uso Introdução Casos de uso Elementos do diagrama de casos de uso Descrição de casos de uso Exemplo: Blog Ferramentas de modelagem Bibliografia

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

Unified Modeling Language

Unified Modeling Language Unified Modeling Language Modelagem de Negócios e de Sistemas com Casos de Uso Denize Terra Pimenta dpimenta@gmail.com www.analisetotal.com.br Índice 2 1 Objetivos Esta palestra é uma introdução à modelagem

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

UML Linguagem de Modelagem Unificada

UML Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Sistemas UML Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Mauro Lopes 1-25 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os elementos conceituais da Linguagem de Modelagem Unificada (UML). Boa aula a todos.

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

FS-MDP: Um Modelo de Definição de Processos de Fábrica de Software

FS-MDP: Um Modelo de Definição de Processos de Fábrica de Software FS-MDP: Um Modelo de Definição de Processos de Fábrica de Software Luzia Nomura (EP-POLI/USP) luzia.nomura@poli.usp.br Mauro de Mesquita Spinola (EP-POLI/USP) mauro.spinola@poli.usp.br Osvaldo Hikage (EP-POLI/USP)

Leia mais

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Marco Aurélio Wehrmeister mawehrmeister@inf.ufrgs.br Roteiro Introdução Orientação a Objetos UML Real-Time UML Estudo de Caso: Automação

Leia mais

Visões de Negócio / Visão de Negócio

Visões de Negócio / Visão de Negócio Visões de Negócio / Visão de Negócio Bibliografia Eriksson, H-E; Penker, M. Business Modeling with UML: Business Patterns at work, John Wiley, 2000 Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Gestus

Leia mais

Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software

Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Radames J. Halmeman 1 radames@cm.cefetpr.br Fabrício R.

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO PARA GESTÃO DOS PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL

PROPOSTA DE UM MODELO PARA GESTÃO DOS PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL PROPOSTA DE UM MODELO PARA GESTÃO DOS PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL Álvaro Augusto Neto 1, Germano de Souza Kiembaum 2, Antônio Wellington Sales Rios 3, Clayton Martins

Leia mais

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 BPM CBOK Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócios Corpo Comum de Conhecimento Modelagem de Processos de Negócios Modelagem de processos Análise de

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e JEANE MENDES DA SILVA SANTOS Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e Plano de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal de

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS

EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS Edson Alves de Oliveira Junior (1) Igor Fábio Steinmacher (2) eaojunio@bol.com.br ifsteinm@din.uem.br Edna Tomie Takano

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR Karin Maria Sohnlein (UNISC) karin.sohnlein@gmail.com Rafael Bortolini (UNISC) rfbortolini@gmail.com Vinicius

Leia mais

PROFILE EM UML PARA MODELAGEM SIMPLIFICADA DE INTERFACES GRÁFICAS EM APLICATIVOS

PROFILE EM UML PARA MODELAGEM SIMPLIFICADA DE INTERFACES GRÁFICAS EM APLICATIVOS PROFILE EM UML PARA MODELAGEM SIMPLIFICADA DE INTERFACES GRÁFICAS EM APLICATIVOS André Sandri Prof. Me. Carlos Michel Betemps UNILASALLE - www.unilasalle.com.br 30 de junho de 2006 Curso de Ciências da

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

COMO MODELAR PROCESSOS DE NEGÓCIOS UTILIZANDO DIAGRAMA DE ATIVIDADES DA UNIFIED MODELING LANGUAGE (UML)

COMO MODELAR PROCESSOS DE NEGÓCIOS UTILIZANDO DIAGRAMA DE ATIVIDADES DA UNIFIED MODELING LANGUAGE (UML) COMO MODELAR PROCESSOS DE NEGÓCIOS UTILIZANDO DIAGRAMA DE ATIVIDADES DA UNIFIED MODELING LANGUAGE (UML) Ursulino Pereira Dias 1, Celso Luis. Z. Faria 2 RESUMO: Todo trabalho realizado nas empresas faz

Leia mais

UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES

UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES Andréa Magalhães 1, Cláudia Cappelli 1, Fernanda Baião 1,2, Flávia

Leia mais

MODELANDO PROCESSOS DE NEGÓCIO COM UML

MODELANDO PROCESSOS DE NEGÓCIO COM UML MODELANDO PROCESSOS DE NEGÓCIO COM UML Sanderson César Macêdo Barbalho Universidade de São Paulo SEM/EESC Av. Trabalhador São Carlense, 400, São Carlos/SP, e_mail scmb@sc.usp.br Henrique Rozenfeld Universidade

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Edson Alves de Oliveira Junior 1, Itana Maria de Souza Gimenes 1 1 Departamento de

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado

Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado Martha A. D. Abdala Centro Técnico Aeroespacial (CTA) martha@iae.cta.br Resumo Os processos utilizados na engenharia

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Definição de Objeto...2 2 Estereótipos...3 2.1 Classe fronteira (boundary):...3 2.2 Classe de Entidade (entity):...3 2.3 Classe de Controle (control):...4 3 Interação

Leia mais

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Renan Sales Barros 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN)

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

BPMN Business Process Modeling Notation

BPMN Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Business Process Modeling Notation Página 1 Objetivo O objetivo deste curso é apresentar os elementos da notação de modelagem de processos de negócio BPMN 1.1 (Business

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX Murilo Augusto Tosatti (ICV-Unicentro), Marcos Antonio Quináia (Orientador), e-mail: maquinaia@gmail.com. Universidade Estadual do

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO MAC KNIGHT PARA ELICITAÇÃO DE REQUISITOS NA METODOLOGIA ARIS

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO MAC KNIGHT PARA ELICITAÇÃO DE REQUISITOS NA METODOLOGIA ARIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO MAC KNIGHT PARA ELICITAÇÃO DE REQUISITOS NA METODOLOGIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE CONFECÇÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DA PRODUÇÃO Espinosa, Caroline Stagi - Bacharel em Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e Humanidades - Universidade de São

Leia mais

3 Arquitetura de Integração

3 Arquitetura de Integração 65 3 Arquitetura de Integração O objetivo da integração é permitir a modelagem de objetivos e a modelagem de processos em um mesmo diagrama de forma a explicitar o porque e o como ao mesmo tempo, evidenciando

Leia mais

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software 1068 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software Vinycio de Correa Lunelli 1, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS: ESTUDO DE CASO DA INTEGRAÇÃO ENTRE BPMN E UML

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS: ESTUDO DE CASO DA INTEGRAÇÃO ENTRE BPMN E UML GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS: ESTUDO DE CASO DA INTEGRAÇÃO ENTRE BPMN E UML MEIRE DIAS Instituto de Pesquisa Tecnológica - IPT meirehelenbdias@hotmail.com GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS:

Leia mais

A aplicação do BPM e as suas soluções na modelagem de processos de negócio

A aplicação do BPM e as suas soluções na modelagem de processos de negócio A aplicação do BPM e as suas soluções na modelagem de processos de negócio Meire Helen Batista Dias Faculdade de Tecnologia da Zona Leste/FATEC-ZL São Paulo SP Brasil meirehelenbdias@bol.com.br Cristina

Leia mais

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências UML Visão Geral 1 Índice Introdução O que é a UML? Valor da UML Origens da UML Parceiros da UML Modelos e diagramas Elementos de modelação Diagramas Diagrama de casos de utilização Diagrama de classes

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec Copyright 2007, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Definição de Processos

Definição de Processos Definição de Processos Introdução Prof Ms Vinícius Costa de Souza www.inf.unisinos.br/~vinicius viniciuscs@unisinos.br Agenda Processos Definição Componentes Documentação Características Aplicações Nomenclaturas

Leia mais