Uma Abordagem para Especificação de Requisitos para Sistemas de Informações Focada em Modelagem de Processos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma Abordagem para Especificação de Requisitos para Sistemas de Informações Focada em Modelagem de Processos"

Transcrição

1 Uma Abordagem para Especificação de Requisitos para Sistemas de Informações Focada em Modelagem de Processos Autoria: Denis Silveira, Pedro O. S. Cruz, Eber Schmitz Resumo: Um elemento essencial para o alinhamento da Tecnologia de Informação (TI) com a estratégia empresarial é que os Sistemas de Informação (SI) suportem adequadamente os processos de negócio da empresa. Isto só pode ser conseguido, se os requisitos dos SI de suporte sejam bem compreendidos pelas equipes de desenvolvimento de sistemas. Os processos de negócio são definidos pelas equipes de modelagem de processos de negócio, usando uma metodologia e linguagem próprias. Como todo processo de extração de conhecimento, esta passagem é tão mais difícil, quanto menos formais forem as respectivas linguagens no caso a de modelagem de processos e especificação de requisitos de SI. Na prática, as duas equipes usam metodologias e linguagens completamente distintas, sem qualquer mecanismo formal de mapeamento resultando em um grande número de imperfeições nos requisitos dos SI de suporte e uma grande quantidade de retrabalho. Este artigo mostra uma proposta para o mapeamento, através de heurísticas, entre os elementos das linguagens de modelagem de processos e de especificação de requisitos de sistema. O método proposto foi implementado como um módulo adicional na ferramenta FASTCASE. Palavras Chaves: Modelagem de Processos, Engenharia de Requisitos, UML, Diagrama de Atividades, Diagrama de Casos de Uso; 1. Introdução Cada vez mais a qualidade e produtividade dos processos organizacionais deixam de ser responsabilidade exclusiva dos dirigentes, passando a comprometer toda a estrutura organizacional, em qualquer nível. Neste contexto, o comprometimento, apresenta-se como uma arma de estratégica organizacional, garantido assim a sobrevivência da empresa. Os programas de melhoria contínua de processos vêm contribuindo de forma gradativa para o aumento da produtividade e ganhos de qualidade, introduzindo aperfeiçoamentos em cada uma das etapas desse processo (Almeida, 1996). No entanto, em algumas situações, é preciso realizar reestruturações eminentes e radicais abrangendo o processo como um todo, e não apenas uma etapa isolada. O foco dessa mudança deve se dirigido, principalmente, aos processos chaves da organização, ou seja, aqueles que contribuem de forma mais direta para a obtenção das metas estratégicas da organização, sejam elas redução de custos, redução no tempo de atendimento, melhoria da qualidade dos produtos ou do atendimento do cliente. A reformulação ampla, profunda e rápida de um processo organizacional, visando atender aos objetivos estratégicos, é chamada de reengenharia de processos (Davenport, 1993). 1

2 Os responsáveis por uma iniciativa de reengenharia de processos normalmente encontram várias barreiras na sua execução, sejam elas, de ordem cultural, tecnológica e/ou organizacional (Mouro et. al., 1999). Um dos principais problemas de ordem técnica, na reengenharia, refere-se a escolha da representação dos processos (Abeysingle e Phalp, 1997). As representações disponíveis variam desde de notações formais (matematicamente rigorosas) até notações gráficas (mais acessíveis). Cada um desses tipos de notações tem as suas vantagens e desvantagens. Geralmente, as notações formais podem ser executadas em um computador, com programas para se estudar em detalhes o comportamento dos processos. Contudo, existem problemas tais como: dificuldade de elaboração, que exige pessoas experientes; e na forma de apresentação, que dificulta a validação dos cenários com os usuários. Por outro lado, notações gráficas são excelentes para o levantamento e a apresentação, uma fez que são fáceis de serem assimiladas em um curto espaço de tempo. Porém, são deficientes, se comparada com as notações formais, em relação à simulação de experimento rigoroso. A tarefa de reengenharia de um processo geralmente introduz a necessidade de SI de apoio. No desenvolvimento desses sistemas, é necessário que seus requisitos sejam definidos. A definição de requisitos de SI é uma área bastante conhecida e vem merecendo uma grande atenção da comunidade acadêmica e industrial (Santander e Castro, 2000) (Serrano, 1997). Os requisitos levantamentos na etapa de reengenharia, normalmente, não são suficientes para especificar completamente os SI. Isso ocorre devido o fato da reengenharia está focada no processo como um todo, deixando os detalhamentos do sistema para a etapa de desenvolvimento. É comum que a reengenharia e o desenvolvimento sejam feitas inclusive por equipe distintas, com focos diferenciados, valorizando a necessidade de um mecanismo eficiente de comunicação entre essas etapas. É importante, portanto, a adoção de uma abordagem, devidamente acompanhada de técnicas e ferramentas, que torne mais natural e confiável a passagem da modelagem de negócio para os requisitos dos SI (Use Cases), garantindo a consistência e integração dessas duas etapas fundamentais aplicadas na TI dentro de uma empresa. Este artigo apresenta uma abordagem para o problema apresentado acima apoiada por uma ferramenta que permite tanto a modelagem dos processos de negócio, bem como a integração automática aos requisitos de um sistema de informação. Acreditamos com isso, contribuir para a diminuição do gap existente entre as abordagens de modelagem de processos e requisitos, disponibilizando uma melhora na comunicação entre as equipes envolvidas (Negócios e TI). 2. Modelagem de Processos de Negócio Esta seção apresenta os conceitos da literatura corrente referente aos termos Processos de Negócio, Modelagem de Processos e o Diagrama de Atividades. 2.1 Processos de Negócio Um processo é um conjunto de atividades estruturadas e medidas destinadas a resultar num produto especificado para um determinado cliente/mercado (Gonçalves, 2000). Estas atividades são arranjadas segundo um ciclo de vida, e são realizadas através de procedimentos específicos para cada atividade. Na concepção mais freqüente, processo é qualquer atividade 2

3 ou conjunto de atividades que toma um input, adiciona valor a ele, fornecendo um output a um cliente específico Ele exige uma acentuada ênfase na maneira como o trabalho é realizado na organização, em contraste com a ênfase relacionada com o produto em si, que se centra no que é o produto. Um processo é, portanto, uma ordenação específica das atividades de trabalho no tempo e no espaço, com um começo, um fim, e entradas e saídas claramente identificadas: uma estrutura para a ação. Esse elemento estrutural dos processos é a chave para a obtenção das vantagens da engenharia de processos (Davenport, 1993). Os processos têm características tais como custo, prazos, qualidade de produção, satisfação do cliente, etc. Uma melhora no processo ocorre quando se satisfaz a estratégia definida, se reduz o custo ou se aumenta a satisfação do cliente (Gonçalves, 2000). Os processos são a estrutura pela qual uma organização faz o necessário para produzir valor para os seus clientes. Em conseqüência, uma importante medida do processo é a satisfação do cliente com o produto. Uma empresa competitiva precisa ter uma integração entre todas as áreas funcionais do negócio, valorizando a interdependência entre elas. Atualmente, a competitividade está centrada no custo e na qualidade, valorizando o gerenciamento dos processos. Os três fatos que acarretam essas mudanças, segundo (Macedo e Schmitz, 2001), são: diversificação dos segmentos de mercado; intensificação da competitividade; e mudanças compulsórias de mercado. A combinação desses fatos tem influencia direta nos processos das organizações. Além do fato desses processos terem sido criados para serem estáveis, em detrimento de uma maior flexibilidade, os processos estão ligados à essência do funcionamento da organização, sendo típico da empresa e diferentes de uma organização para outra (Gonçalves, 2000). Sendo assim, exigem soluções personalizadas. 2.2 Modelagem de Processos O principal objetivo da modelagem de processos é representa-los de uma maneira clara e formal em diferentes níveis de abstração (Serrano, 1997). A disponibilidade de modelos elaborados desta forma permite uma análise crítica das atividades existentes para definir melhorias e racionalizações dos processos. A modelagem de processo tem sido desenvolvida como uma tecnologia para descrever processos tais que eles possam ser entendidos e desenvolvidos com maior transparência. Através dessa modelagem é possível planejar, criar procedimentos e documenta-los de forma consistente, possibilitando demonstrar a realidade da empresa e realizar modificações de acordo com situação futura desejável. Os modelos de processo de negócio influenciam diretamente a construção de SI. A descrição formal dos processos de uma organização contribui para a definição do domínio de informação a ser abordado pelo sistema. A partir das descrições funcionais e dos fluxos de informação contidos nos modelos de processo, é possível definir os requisitos a serem atendidos, fazendo com que, dessa forma, a modelagem de processo de negócio seja equivalente às etapas de análise de requisitos da Engenharia de Software (Campos e Santos, 2001). 3

4 A modelagem de processos de uma empresa possibilitará o desenvolvimento de SI mais robustos e consistentes, uma vez que toda a realidade da empresa será levantada e as verdadeiras necessidades do negócio conhecidas, organizadas e registradas através dos modelos. Na execução de um processo, suas atividades interagem com diversas pessoas, que podem desempenhar diferentes papéis. Cada atividade gera um conjunto de produtos e utiliza recursos. Segundo (Gonçalves, 2000) os processos podem ser classificados segundo sua natureza em: negócio (ou de cliente): são aqueles que caracterizam a atuação da empresa e que são suportados por outros processos internos, resultando no produto ou serviço que é recebido por um cliente externo; organizacionais: são centralizados na organização em busca de seu desempenho geral, garantindo o suporte adequado aos processos de negócio; e gerenciais: são focados no gerenciamento, e incluem as ações de medição e ajuste do desempenho da organização. Atividades podem ser tanto decompostas em subatividades como agrupadas em macroatividades. O nível de detalhe escolhido deve ser aquele mais adequado para a análise que se pretende realizar. Conforme definidos acima, processos e atividades possuem a mesma semântica. A nossa abordagem segue a natureza apresentada em (Gonçalves, 2000) e representa processos e atividades como a mesma abstração (atividade), desta forma, aceitando tanto agrupamentos como decomposições. A modelagem de processos envolve diversos elementos, dos quais destacamos os principais abaixo: processos: são coleções de atividades; atividades: são as tarefas (trabalhos) a serem realizados. Uma atividade requer recursos para realizar um script; artefatos: são produtos produzidos ou consumidos por atividades durante a sua realização; recursos: representam tudo que é necessário para a execução da atividade. Um recurso humano, especificamente, desempenha um papel na execução das atividades do processo; transição: é o encadeamento entre duas atividades; e desvio: é um condicional para a transição entre duas ou mais atividades. 2.3 Diagrama de Atividade O Diagrama de Atividades definido na UML (Unified Modeling Language) (Booch et al., 1999) foi escolhido para a modelagem de processos. A UML é uma linguagem de modelagem visual de grande poder de expressão, adotada pela OMG (Object Management Group - organização formada pela maioria das empresas de software no mundo, e que trata da padronização das técnicas orientadas a objeto). 4

5 O Diagrama de Atividades ilustra a seqüência de tarefas, manuais ou automatizadas, necessárias à execução de um processo (Booch et al., 1999). Entre as suas características, destaca-se a possibilidade de representação de atividades paralelas, diferenciando-o de um mero fluxograma. Neste diagrama, as atividades são situadas em raias de responsabilidade, representativas dos locais onde elas são executadas. Nestes locais existem recursos que interagem com as atividades durante sua realização. Estes insumos (recursos e produtos) são representados no diagrama na forma de objetos relacionados às atividades. Dentro da abordagem desse diagrama encontra-se disponíveis os seguintes artefatos: atividade, subatividades, transições, condicionais, caminho concorrente, raias de responsabilidade, recursos (insumos e produtos) e sinais de input e output, conforme apresentado em (Booch et al., 1999). Sendo assim, o diagrama de atividade se comporta de forma aderente a modelagem de processos, disponibilizando as seguintes características: Toda atividade se enquadra em uma de três categorias: negócio, organizacional ou gerencial; Toda atividade pode ser decomposta em subatividades; Toda subatividade é parte de uma superatividade; As atividades são realizadas segundo uma ordem específica, onde cada atividade só pode ser executada quando sua predecessora tiver terminado; A ordem da execução das atividades pode ser alterada por um desvio. Um desvio é uma transição de entrada única, e várias transições de saída, sujeita ao resultado de uma condição (chamada de condição de desvio) verdadeira; e Duas ou mais atividades de um processo podem ser executadas simultaneamente. Um mecanismo de sincronização deve ser introduzido quando uma atividade depende de duas ou mais atividades concorrentes. 3. Especificação de Requisitos de Sistemas A especificação de requisitos de SI é uma área multidisciplinar que vem despertando cada vez mais a atenção dos pesquisadores. O objetivo da especificação de requisitos funcionais é descrever as necessidades de um sistema de informação (Schmitz e Silveira, 2000). Raramente no desenvolvimento de um sistema de informação se tem a visão global em que o sistema será inserido. Geralmente, o que se tem, são intenções e desejos de facilitar a execução das atividades em um ambiente organizacional. No levantamento de requisitos são identificadas as necessidades junto ao usuário, procurando obter o que o mesmo deseja e espera do sistema. Muitos dos problemas associados com o desenvolvimento de SI podem se originar nesta fase (Santander e Castro, 2000), pois detectar o que realmente é relevante para o usuário levando em consideração os objetivos organizacionais, não é uma tarefa trivial. Vários são os motivos para que isto ocorra, entre os quais o fato de serem poucas as ferramentas que dão suporte a esta fase do ciclo de desenvolvimento de um sistema (Serrano, 5

6 1997). Podemos apontar algumas carências das técnicas, principalmente no que diz respeito a inclusão de aspectos inerentes ao ambiente organizacional no qual o software está inserido. Portanto, a construção de modelos de processo de negócio pode auxiliar na especificação dos requisitos de um sistema de informação. O diagrama de Use Cases, também, definido na UML (Booch et al., 1999), descreve o negócio e seu ambiente. O negócio é composto por todos os processos importantes de uma organização. O ambiente é caracterizado pelos clientes, parceiros e fornecedores que tomam parte no processo. Nos diagramas de Use Cases, os processos são modelados como use cases, enquanto o ambiente é modelado usando a figura do ator, que representa qualquer elemento externo que interage com o sistema. Segundo (Schmitz e Silveira, 2000), o processo de construção de um diagrama de Use Case inicia com a descoberta dos atores e prossegue com a identificação dos Use Cases associados com estes atores. Isso ocorre porque cada ator requer do sistema alguma funcionalidade e os passos necessários para obter estas funcionalidades são descritos em Use Cases. O segundo passo consiste em definir os caminhos básicos e posteriormente os caminhos alternativos para cada um dos Use Cases. O terceiro passo envolve revisar as descrições comportamentais a fim de encontrar os relacionamentos (include, extend e generalization) entre os use cases. Figura 1: Layout do Diagrama de Use Cases 4. Geração dos Requisitos a partir do Modelo de Processo Nesta seção apresentamos algumas diretrizes que auxiliam o trabalho da equipe de TI no desenvolvimento dos Use Cases a partir dos Diagrama de Atividades elaborados na modelagem dos processos. A seção 4.1 apresenta uma visão geral do método. As seções 4.2, 4.3 e 4.4 descrevem, respectivamente, as heurísticas para descoberta dos atores, e identificação dos Use Cases e diagramação. 4.1 Visão Geral do Método A geração do diagrama de Use Cases é realizada a partir da aplicação das heurísticas para a extração dos atores e dos Use Cases sobre o diagrama de atividades. As atividades, assim com as suas definições, e os seus relacionamentos são analisados em duas etapas, uma para identificação dos atores e outra para identificação dos Use Cases. Uma vez identificados os atores e os Use Cases são aplicadas as heurísticas para a diagramação dos elementos extraídos no formato do diagrama de Use Cases. 6

7 Figura 2: Esquema para Geração 4.2 Descoberta de Atores Na elaboração do diagrama de Use Case identificamos inicialmente os elementos externos ao sistema que interagem com o mesmo, denominado-os atores. Na modelagem de processo os atores não são representados explicitamente, porém estes fazem parte do processo sendo representados implicitamente. Apresentarem a seguir as heurísticas utilizadas para identificação no diagrama de atividade de atores em potencias. Heurísticas para Identificação dos Atores: 1º. Conforme dito anteriormente, as atividades suportam um detalhamento em sub-atividades. Sendo assim, os conjuntos de heurísticas devem considerar somente os diagramas que contemplam as atividades mais detalhadas, desprezando as superatividades. Isso se deve ao fato da superatividade de uma modelagem de negócio já estarem representadas nas suas sub-atividades; 2º. Um processo, independente de sua natureza, e concebido para o atendimento de algum elemento externo. Nos processos de negócio este elemento é o cliente, nos organizacionais é alguma parte da estrutura organizacional e nos gerenciais é algum elemento de controle. De alguma forma, sempre existirá algo ou alguém para os quais os processos realizam alguma tarefa, sendo identificado como um ator em potencial; 3º. O diagrama de atividade apresenta como um dos seus artefatos o conceito de raia de responsabilidade, caracterizado os responsáveis pela execução das atividades nela contida. Os elementos responsáveis que interagem com as atividades são caracterizados como atores em potencias, sendo que quando a interação não for relevante dentro do contexto em analise, este deverá ser desprezado pelo projetista; 4º. Na modelagem do diagrama de atividade, existem projetistas que representam como recurso os executores envolvidos no processo. Desta forma, os responsáveis identificados na heurística anterior, também serão representados como recursos. Sendo assim, caberá ao projetista a identificação e escolha dos recursos semanticamente iguais levantado pela ocorrência da heurística anterior com essa; e 7

8 5º. Os sinais (input/output) representados no diagrama de atividade, têm intrínseco um emissor/receptor, sendo representados como atores interagindo com o Use Case derivado da atividade. 6º. Atores identificados nas heurísticas 2 a 5 nomeados identicamente serão unificados. 4.3 Identificação dos Use Cases Conforme definido em (Booch et al., 1999), um Use Case representa uma seqüência de ações que um ou mais atores realizam num sistema de modo a obterem um resultado particular. A representação gráfica de um diagrama de Use Case viabiliza diversas abstrações, isso significa que projetistas diferentes podem diagramar corretamente o mesmo processo de forma diferente. As heurísticas apresentadas abaixo produzem uma primeira representação, pautada na correlação direta com o diagrama de atividades utilizado na modelagem do processo. 8

9 Heurísticas para Identificação dos Use Cases: 7º. Atividades serão representadas na forma de Use Case, sendo que as representativas de estados (que não realizam trabalho), não serão representadas; 8º. Atividades seqüenciais, sem desvios, de uma mesma raia de responsabilidade são representadas como um Use Case; 9º. Atividades concorrentes que são sincronizadas em um determinado ponto dando continuidade ao fluxo de trabalho, em uma atividade subseqüente, caracteriza a seguinte representação: as atividades concorrentes e subseqüentes darão origem a Use Cases distintos. Existindo, ainda, um relacionamento na forma include entre os Use Cases originados das atividades concorrentes e o Use Case originado da atividade subseqüente; e 10º. Atividades idênticas pertencentes a superatividade e/ou processos distintos, serão representados como um único Use Case, interagindo na forma include; 11º. Atividades executadas após desvios condicionais distintos que finalizam são representadas como um único Use Case, interagindo na forma include; 12º. Atividades executadas após desvios condicionais distintos que se unificam dando continuidade ao fluxo de trabalho, serão representados como um único Use Case, interagindo na forma extend; 13º. Quando da existência de interação entre Use Case (include ou extend), os atores identificados irão se relacionar apenas com o Use Case principal. 4.4 Diagramação dos Use Cases Com o objetivo de automatizar o método apresentado em uma ferramenta CASE (Computer Aided Software Engineering), se faz necessário a definição de heurísticas que viabilizem uma diagramação preliminar. Heurísticas para Diagramação dos Use Cases: 14º. O espaço destinado para diagramação deve ser dividido em três áreas virtuais verticais (não representadas no diagrama), que serão referenciadas como "a", "b" e "c"; 15º. O ator encontrado na segunda heurística deve ser desenhado na área "a", visto que este sempre existirá e deverá se relacionar com todos os Use Cases que são oriundos das atividades de negócio; 16º. Os atores encontrados na terceira heurística deverão ser desenhados na área "c" e se relacionarão com todos os Use Cases oriundos das atividades da mesma raia de responsabilidade; 17º. Os atores encontrados na quarta heurística deverão, também, ser desenhados na área "c" e se relacionarão com todos os Use Cases oriundos das atividades com as quais o recurso se relaciona; 9

10 18º. Os atores encontrados na quinta heurística deverão, também, ser desenhados na área "c" e se relacionarão com todos os Use Cases oriundos das atividades com as quais os sinais se relacionam; e 19º. Os Use Cases identificados serão desenhados na área "b" obedecendo a seqüência do fluxo de trabalho; 20º. Os Use Cases identificados serão desenhados na área "b" obedecendo a seqüência do fluxo de trabalho; 5. Estudo de Caso Com a finalidade de exemplificar, mostrando a aplicação das heurísticas apresentadas, utilizaremos o detalhamento do processo de contratação de um novo seguro de automóveis. As heurísticas, assim como os modelos, foram implementados, como uma extensão, na ferramenta FASECASE (Silveira, 1999). O FASTCASE (Silveira, 1999) é uma ferramenta CASE aderente com a UML (Booch et al., 1999), disponibilizando vários modelos utilizado modelagem do desenvolvimento de SI como apresentado em (Schmitz e Silveira, 2001). Figura 3: Esquema Arquitetural da Ferramenta FASTCASE 5.1 Descrição textual do Processo Como estudo de caso, escolhemos um processo de amplo conhecimento: Contratação de Seguro de Automóvel. No exemplo apresentado representamos a contratação de um seguro novo, não abrangendo o processo de renovação. Enfatizamos, assim, as principais atividades em detrimento das peculiaridades de uma seguradora real, sendo apresentado abaixo uma descrição sucinta. Neste processo de negócio o mercado caracteriza o cliente como o segurado. A contratação de um seguro de automóvel inicia-se com a vontade do segurado, que neste momento ainda é um proponente, em fazer o seguro. Este deve procurar um corretor, que será seu representante legal junto à seguradora, e informar as características do automóvel (marca, modelo, ano etc) e do seguro (coberturas, importâncias seguradas etc). O corretor identifica 10

11 assim o risco e, conforme orientações prévias de comercialização do seguro fornecidas pela seguradora, verifica se este é segurável ou não. Caso o risco não veja segurável o processo é terminado. Sendo o risco segurável, o corretor calcula o prêmio do seguro (valor a ser pago pelo segurado pelo serviço), também definido previamente pela seguradora. Este cálculo poderá ser feito de forma manual, através de planilha de cálculo, ou de forma automatizada, através de um aplicativo disponibilizado pela seguradora. O cálculo resultante será fornecido ao segurado para avaliação. O segurado poderá recusar o cálculo, terminando o processo, ou aceitá-lo, dando continuidade à contratação. Com o aceite do segurado em relação ao custo do seguro, o corretor formaliza-o confeccionando a proposta e encaminhando para a seguradora, onde ao chegar será protocolada. Neste momento será solicitado ao segurado um vistoria do automóvel em um determinado prazo, que deverá ser feita em qualquer das inspetorias credenciadas, normalmente terceirizadas. Conforme sua disponibilidade, o segurado, ou um designado, comparasse em uma inspetoria e apresenta a solicitação de vistoria e o automóvel. O inspetor procede então a vistoria, conforme determinado previamente pela seguradora, e preenche o laudo de inspeção que é encaminhado a seguradora. Ao chegar na seguradora o laudo de inspeção será protocolado. As propostas e os laudos protocolados na seguradora ficarão aguardando a analise técnica do risco. Essa atividade deverá ser realizada num prazo máximo de 15 dias. Neste prazo as proposta com os respectivos laudos serão analisados quanto às características de risco, podendo ser recusadas, finalizando o processo. Caso o prazo de 15 dias tenha sido decorrido, as proposta serão aceitas automaticamente. As propostas que forem aceitas terão a contratação formalizada com a emissão da apólice, que vem acompanhada das condições gerais do seguro e do instrumento de cobrança (carne, ordem de débito em conta etc). Os produtos emitidos (apólices, condições gerais e cobranças) serão encaminhados ao corretor, que encerra o processo formalizando junto ao segurado. 5.2 Modelo de Negócio da Contratação de Seguro O fato da UML (Booch et al., 1999) não ser uma metodologia, e sim uma linguagem padronizada, faz com que não tenha regras estabelecidas para a construção dos seus modelos. Sendo assim, qualquer modelo construído está condicionado ao nível de abstração do projetista. A seguir apresentamos os modelos de negócio referente ao processo descrito na seção anterior, utilizando os recursos disponíveis no diagrama de atividades em conformidade com os axiomas apresentados na seção 2.2 Modelagem de Processos. O primeiro diagrama representa uma visão macro do processo de negócio (figura 4), utilizando o conceito de superatividades. No segundo, apresentamos em o nível mais detalhado, utilizando-se de sub-atividades. 11

12 Figura 4: Modelo de Negócio Visão Macro 12

13 Figura 5: Modelo de Negócio Visão Detalhada 13

14 5.3 Aplicação das Heurísticas Com a finalidade de demonstrar as heurísticas propostas na seção anterior, discutiremos a aplicabilidade das mesmas ao estudo de caso descrito, analisando-as individualmente. a. A figura 5 apresenta claramente o detalhamento do processo. Sendo assim, a base para a aplicação das demais heurísticas; b. A descrição do processo define como cliente, o segurado, logo o mesmo será um ator e segundo a heurística 15 representado na área "a"; c. Existem três raias de responsabilidade: Corretora, Inspetoria e Seguradora. Sendo representados como atores na área "c" (heurística 16); d. Existem sinais (input e output) para "Solicitação Inspeção". Segundo a descrição estes sinais têm como receptor e emissor o segurado. Assim o segurado será um ator como afirmando na heurística 5; e. As aplicações das heurísticas 2 e 5 evidenciam o Segurado como ator, sendo assim heurística 6 as unificam em um único ator; f. A atividade "Aguardando Análise" representa um estado de espera, sendo a única a não ser representada na forma de Use Case; g. As atividades "Protocolar Proposta" e "Protocolar Laudo" são concorrentes e darão origem a dois Use Cases distintos relacionados na forma include com o Use Case "Analisar Risco"; h. As atividades "Calcular Seguro" e "Preenchimento Proposta" são executadas após desvios condicionais, onde as alternativas podem finalizar o processo. Desta forma, elas quando transformadas em Use Cases serão relacionados na forma include com o Use Case "Identificar Risco"; i. A atividade "Analisar Risco" é executada após um desvio condicional, que é unificada dando continuidade ao fluxo de trabalho, com a atividade "Emitir Apólice". Sendo assim, conforme a heurística 12, foi representada com o relacionamento extend com o Use Case "Emitir Apólice"; j. Os Use Cases "Identificar Risco", "Formalizar Seguro", "Inspecionar Veículo" e "Emitir Apólice" foram identificados como atividades de negócio, dessa forma somente eles foram relacionados com o ator Segurado, descoberto pela heurística 2; e k. O Diagrama de Use Cases foi dividido em três áreas virtuais verticais, sendo que o ator Segurado fica na primeira área, os Use Cases na segunda e os atores Corretora, Inspetoria e Seguradora na terceira. 5.4 Modelo de Requisitos Gerado Uma vez elaborado o modelo de negócio, nesta seção apresentamos o Diagrama de Use Cases, gerado pela ferramenta FASTCASE (Silveira, 1999) a partir das heurísticas estabelecidas. 14

15 Figura 6: Modelo de Requisitos Diagrama de Use Case 7. Conclusões Este artigo apresentou como contribuição importante uma proposta para mapeamento, através de heurísticas, entre os elementos das linguagens de modelagem de processos e de especificação de requisitos de sistema. Este fato diminui as inconsistências entre os modelos e, desta forma, contribuindo para produção de SI que suportem de maneira mais eficaz os processos de negócio da empresa. O método proposto foi implementado como um módulo adicional na ferramenta FASTCASE. A aplicação das heurísticas ao estudo de caso nos permite tirar algumas conclusões sobre o método. O maior ponto positivo é que a aplicação das heurísticas permite gerar uma versão preliminar da especificação de um SI coerente com o modelo de processo. Por outro lado, também notamos que o modelo gerado obrigatoriamente deve passar por uma revisão dos projetistas visando eliminar incorreções tais como nomenclatura, interações entre atores e use cases. No momento, estamos trabalhando em uma versão aprimorada do método, visando incluir: (1) as definições dos use cases a partir das pré e pós-condições encontradas no 15

16 diagrama de atividades e (2) a definição do modelo estático de informação (modelo de classes). Bibliografia (Abeysinghe e Phalp, 1997) (Almeida, 1996) (Booch et. al., 1999) (Campos e Santos, 2001) (Davenport, 1993) (Gonçalves, 2000) (Mouro et. al., 1999) (Macedo e Schmitz, 2001) (Santander e Castro, 2000) (Serrano, 1997) (Schmitz e Silveira, 2001) (Silveira, 1999) Abeysinghe, G., Phalp, K., Combining Process Modeling Methods, Information and Software Technology 39, 1997; Almeida, A. E. L., Tecnologia da Informação e Melhoria de Processos: O Foco no Desempenho Empresarial, Dissertação de Mestrado, PUC-Campinas, 1996; Booch et. al., Unified Modeling Language Notation Guide, Addison Wesley, 1997; Campos, R. e Santos, L. R., Modelagem de Processos e Definição de Requisitos para Sistemas de Informações para Previsão de Demanda, XXV ENANPAD. 2001; Davenport, T. H., Process Innovation, Harvard Business School Press, Boston, 1993; Gonçalves, J. E. L., As Empresas são Grandes Coleções de Processos, RAE - Revista de Administração de Empresas, Jan/Mar, V.40, n.1, 2000; Mouro, E. Z., Borges, M. R. S., Garcez, C. R., Reengenharia de Processos de Negócio Participativa, Relatório Técnico, IME Instituto Militar de Engenharia, 1999; Macedo, R. S. e Schmitz, E. A., Ferramentas de Modelagem de Processo: Uma Avaliação, XXXIII Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional, 2001; Santander, V. F. A., Desenvolvendo Use Cases a partir de Modelagem Organizacional, III Workshop de Engenharia de Requisitos, 2000; Serrano, M. A. B., Análise de Negócio Aplicada à Modelagem de Meta Ambientes Automatizados, Tese de Doutorado, PUC-Rio, 1997; Schmitz, E. A. e Silveira, D. S., Desenvolvimento de Software Orientado a Objetos, Editora Brasport, 2001; Silveira, D. S., FASTCASE: Uma Ferramenta CASE para Desenvolvimento Visual de Sistemas Orientado a objetos, Dissertação de Mestrado, Instituto de Matemática NCE/UFRJ, 1999; 16

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

ESTENDENDO O DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA SUPORTAR A MODELAGEM DE WORKFLOW

ESTENDENDO O DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA SUPORTAR A MODELAGEM DE WORKFLOW A pesquisa Operacional e os Recursos Renováveis 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN ESTENDENDO O DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA SUPORTAR A MODELAGEM DE WORKFLOW Ingrid Gesser Instituto de Matemática UFRJ/NCE,

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Autoria: Denis Silveira, Eber Schmitz Resumo: Este artigo apresenta uma Metodologia Rápida de Desenvolvimento

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

Uma Abordagem para a Transformação Automática do Modelo de Negócio em Modelo de Requisitos

Uma Abordagem para a Transformação Automática do Modelo de Negócio em Modelo de Requisitos Uma Abordagem para a Transformação Automática do Modelo de Negócio em Modelo de Requisitos Felipe Dias, Gisele Morgado, Pedro Oscar, Denis Silveira, Antonio Juarez Alencar, Priscila Lima, Eber Schmitz

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

BPMN Business Process Modeling Notation

BPMN Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Business Process Modeling Notation Página 1 Objetivo O objetivo deste curso é apresentar os elementos da notação de modelagem de processos de negócio BPMN 1.1 (Business

Leia mais

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional Case APESC Assessoria de Desenvolvimento Organizacional PROGRAMA Assessoria de Desenvolvimento Organizacional DO Gestão de Processos na APESC Metodologia Novo Olhar Benefícios e desafios Sistema de Gestão

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA ANDRE APARECIDO LEAL DE ALMEIDA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização.

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização. GESTÃO POR PROCESSOS Prof. WAGNER RABELLO JR PROCESSO Conjunto de recursos e atividades interrelacionadas que transforma insumos (entradas) em serviços ou produtos (saídas); GESTÃO DE PROCESSO OU GESTÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

UML Linguagem de Modelagem Unificada

UML Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Sistemas UML Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Mauro Lopes 1-25 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os elementos conceituais da Linguagem de Modelagem Unificada (UML). Boa aula a todos.

Leia mais

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Guia de Modelagem de Estruturas Organizacionais EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Exercício de mapeamento, avaliação, análise e melhoria 1 A gestão de processos permite identificar o conjunto

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

7.3.1 Identificação das Condições para Realização dos Subprocessos

7.3.1 Identificação das Condições para Realização dos Subprocessos CAPÍTULO 07 MODELAGEM DO PROCESSO Simplificação Administrativa Planejamento da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Administrativa Elaboração do Plano de Trabalho Mapeamento do Processo Mapeamento

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

5 Exemplo de aplicação

5 Exemplo de aplicação 111 5 Exemplo de aplicação Este capítulo apresenta um exemplo de uso da linguagem proposta como forma de validação. Através da implementação da linguagem utilizando o potencial de extensão da ferramenta

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2011-2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA Alunos: WERNECK,

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Estefânia Paula da SILVA¹; Lígia Maria SOARES PASSOS² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção do IFMG

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes (jhcf@cic.unb.br) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais