Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. AppServiceBus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. AppServiceBus"

Transcrição

1 Desenvolvimento de aplicações para a Cloud AppServiceBus

2 Enterprise Service Bus Um enterprise service bus (ESB) é um modelo arquitectural de software utilizado para desenhar e implementar a interacção e a comunicação entre aplicações de software que interagem numa arquitetura orientada aos serviços. O desenho e a implementação dos ESBs variam nas diferentes organizações. 2

3 APPFabric Service Bus 3

4 Segurança: integração ACS 4

5 Tipo de Autenticação do cliente <binding name="default"> <security relayclientauthenticationtype="none" /> </binding> Os serviços e os clientes podem escolher autenticar-se por uns dos tipos já configurados: Saml SharedSecret SimpleWebToken Unauthenticated 5

6 Segurança da mensagem Refere-se à segurança da mensagem que utiliza o AppFabric Service Bus para chegar ao seu destino. O AppFabricServiceBus oferece 4 opções para a segurança de mensagens entre clientes e serviços A enumeração Microsoft.ServiceBus.EndToEndSecurityMode define 4 modos de segurança None Transport Message TransportWithMessageCredential 6

7 Naming Service O service Bus AppFabric oference um sistema de nomeação DNS-compatible para atribuir um único Internet URIs aos serviços. O AppFabric Service Bus define um root domain name que pode ser resolvido através de Internet DNS, mas oferece um serviço baseado nos namespaces para nomear a hierarquia sob a raíz. [scheme]://[solution-name].servicebus.windows.net/[name]/[name]/ 7

8 Service Registry O AppFabric Service Bus fornece um serviço de registo e descoberta para os endpoints do serviço, designado por Service Registry. O Service Registry oferece uma solução Atom feed para cada solução. class Program{ static void Main(string[] args){ ServiceHost host = new ServiceHost(typeof(MyService)); ServiceRegistrySettings settings = new ServiceRegistrySettings(); settings.discoverymode = DiscoveryType.Public; foreach(serviceendpoint s in host.description.endpoints) s.behaviors.add(settings); host.open(); Console.WriteLine("Press [Enter] to exit"); Console.ReadLine(); host.close(); }} 8

9 Messaging Fabric O Windows Azure Service Bus fornece duas soluções de messaging: Relayed Messaging Service Bus Brokered Messaging Queue Relay Aplicação Aplicação 9

10 Relayed Messaging O relay service suporta o modelo de comunicação Relayed Messaging. É uma componente do Service Bus centralizada Suporta diferentes protocolos de transporte e stardards dos Web Services Suporta os seguintes tipos de comunicação entre clientes e serviços: One-Way messaging Request-Response messaging Peer to peer messaging Conecções directas entre clientes e serviços 10

11 Relayed Message pattern 11

12 Exemplos de App Service Bus Bindings Bindings BasicHttpRelayBinding WebHttpRelayBinding Descrição Utiliza HTTP para o transporte Suporta HTTP, XML... Utilizado normalmente em interfaces REST WSHttpRelayContextBinding Suporta binding de contexto entre o serviço e o relay service. NetTcpRelayBinding Utiliza TCP para o transporte. NetTcpRelayContextBinding Suporta binding de contexto entre o serviço e o relay service. Utiliza TCP para o transporte NetOneWayRelayBinding Suporta mensagens one-way entre o serviço e o relay service. 12

13 Service Bus Relay Service 13

14 Utilização do Service Bus Relay É necessário: 1. Criar um service namespace Fornece um contentor de contexto para endereçar os recursos do Service Bus no contexto da nossa aplicação É realizado no Management Portal 2. Obter as credenciais de gestão para o namespace São obtidas através do Management Portal 3. Configurar a aplicação para utilizar o Service Bus 4. Criar um Security Token Provider 14

15 Exemplo: IProblemSolver using System.ServiceModel; [ServiceContract(Namespace = "urn:ps")] interface IProblemSolver { [OperationContract] int AddNumbers(int a, int b); } interface IProblemSolverChannel : IProblemSolver, IClientChannel {} class ProblemSolver : IProblemSolver { public int AddNumbers(int a, int b) { return a + b; } } 15

16 System.ServiceModel.ServiceHost ServiceHost sh = new ServiceHost(typeof(ProblemSolver)); sh.addserviceendpoint( typeof (IProblemSolver), new NetTcpBinding(), "net.tcp://localhost:9358/solver ); ServiceEndpoint se= sh.addserviceendpoint( typeof(iproblemsolver), new NetTcpRelayBinding(), ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri("sb", "**namespace**", "solver") ); se.behaviors.add(new TransportClientEndpointBehavior { TokenProvider = TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider("owner", "**key**")} ); sh.open(); Console.WriteLine("Press ENTER to close"); Console.ReadLine(); sh.close(); 16

17 Ou configurando o ficheiro App.config <services> <service name="service.problemsolver"> <endpoint contract="service.iproblemsolver binding="nettcpbinding" address="net.tcp://localhost:9358/solver"/> <endpoint contract="service.iproblemsolver" binding="nettcprelaybinding" address="sb://**namespace**.servicebus.windows.net/solver" behaviorconfiguration="sbtokenprovider"/> </service> </services> <behaviors> <endpointbehaviors> <behavior name="sbtokenprovider"> <transportclientendpointbehavior> <tokenprovider> <sharedsecret issuername="owner" issuersecret="**key**" /> </tokenprovider> </transportclientendpointbehavior> </behavior> </endpointbehaviors> </behaviors> 17

18 Configurar o cliente programaticamente var cf = new ChannelFactory<IProblemSolverChannel>( new NetTcpRelayBinding(), new EndpointAddress(ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri("sb", "**namespace**", "solver")) ); cf.endpoint.behaviors.add( new TransportClientEndpointBehavior { ); } TokenProvider = TokenProvider. CreateSharedSecretTokenProvider("owner","**key**") using (var ch = cf.createchannel()) { Console.WriteLine(ch.AddNumbers(4, 5)); } 18

19 Configurar o cliente com ficheiro de configuração <client> <endpoint name="solver" contract="myservice.iproblemsolver" binding="nettcprelaybinding" address="sb://**namespace**.servicebus.windows.net/solver" behaviorconfiguration="sbtokenprovider"/> </client> <behaviors> <endpointbehaviors> <behavior name="sbtokenprovider"> <transportclientendpointbehavior> <tokenprovider> <sharedsecret issuername="owner" issuersecret="**key**" /> </tokenprovider> </transportclientendpointbehavior> </behavior> </endpointbehaviors> </behaviors> 19

20 Brokered Messaging O modelo de comunicação Brokered Messaging fornece capacidade de comunicação assíncrona ou desacoplada que suportacenários de publish/subscribe, desacoplamento temporal e load balancing. Existem 3 padrões de messaging para este modelo: Queues; Topics/Subscriptions Rules/Actions 20

21 Service Bus Queues 21

22 Aplicações das Service Bus Queues Comunicação entre web e worker roles numa aplicação Windows Azure multi-tier Comunicações entre aplicações que não estejam na cloud e aplicações que estejam alojadas na cloud Comunicação entre componentes de uma aplicação distribuída que esteja alojada em organizações diferentes. 22

23 Criação de uma Service Bus Queue Criar uma queue é um processo multi-passo. É necessário 1. Criar um service namespace Fornece um contentor de contexto para endereçar os recursos do Service Bus no contexto da nossa aplicação É realizado no Management Portal 2. Obter as credenciais de gestão para o namespace São obtidas através do Management Portal 3. Configurar a aplicação para utilizar o Service Bus 4. Criar um Security Token Provider 5. Criar uma Queue 23

24 3. Configurar a aplicação para utilizar o Service Bus Adicionar a referência Microsoft.ServiceBus.dll Importar os seguintes namespaces: using Microsoft.ServiceBus using Microsoft.ServiceBus.Messaging; 24

25 4. Criar um security token provider string issuer= <obtido do portal> : string key= <obtido do portal> TokenProvider tp= TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider(issue,key); TokenProvider 25

26 Criar uma queue string issuer= <obtido do portal> : string key= <obtido do portal> TokenProvider tp= TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider(issue,key); Uri uri = ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri( sb, MyServiceNamespace, string.empty); NameSpaceManager manager= new NameSpaceManager(uri,tP); manager.createqueue( MyQueue ); QueueDescription qd= new QueueDescription( MyQueue ); qd.maxsizeinmegabytes=5120; qd.defaultmessagetimetolive = new TimeSpan(0,1,0): manager.createqueue(qd); 26

27 Enviar mensagem a uma queue string issuer= <obtido do portal> : string key= <obtido do portal> TokenProvider tp= TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider(issue,key); Uri uri = ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri( sb, MyServiceNamespace, string.empty); MessagingFactory factory = MessagingFactory.Create(uri, tp); MessageSender myqueue = factory.createmessagesender( MyQueue"); for (int i=0; i<5; i++) { } BrokeredMessage message = new BrokeredMessage("Test message " + i); myqueue.send(message); 27

28 Receber mensagens de uma queue string issuer= <obtido do portal> : string key= <obtido do portal> TokenProvider tp= TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider(issue,key); Uri uri = ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri( sb, MyServiceNamespace, string.empty); MessagingFactory factory = MessagingFactory.Create(uri, tp); MessageReceiver myqueue = factory.createmessagereceiver( MyQueue"); while (true) { BrokeredMessage message = myqueue.receive(); if (message!= null) { try { Console.WriteLine("Body: " + message.getbody<string>()); Console.WriteLine("MessageID: " + message.messageid); message.complete(); } catch (Exception) {message.abandon(); } } } 28

29 Sessões // Create a SessionReceiver to get next available session SessionReceiver sr = myqueue.acceptsessionreceiver(receivemode.peeklock); BrokeredMessage message = sr.receive(); try { ProcessMessage(message); message.complete(); } catch (Exception) { message.abandon(); } 29

30 Windows Azure Queues e Service Bus Queues Critério Windows Azure Queues Service Bus Queues Garantia na ordem Não Sim (FIFO) (através do uso de sessões) Garantia na entrega At-Least-Once At-Least-Once/At-Most-Once Suporte nas transacções Não Sim (utilização de transacções locais) Comportamento de recepção Não bloqueante Bloqueante com ou sem timeout Modo de recepção Peek & Lease Peek & Lock Receive & Delete Modo de acesso exclusivo Lease-Based Lock-Based Duração do Lease/Lock 30 s (omissão) /7 d (máximo) 60 s (omissão) /5 m (máximo) Granularidade do Lease/Lock Ao nível da mensagem Ao nível da queue Recepção em lote 30 Sim (especificar o Message Count) Sim (permitir a propriedade prefetch ou utilizar transacções) Envio em lote Não Sim (com transacções)

31 Windows Azure Queues e Service Bus Queues -Cotas Critério Windows Azure Queues Service Bus Queues Tamanho máximo da mensagem Tamanho máximo da queue TTL da mensagem máximo 7 dias 64KB (48KB se é utilizado a codificação Base64) 256KB 100 TB 1,2,3,4 ou 5 GB Ilimitado Número máximo de queues Ilimitado Número máximo de clientes concorrentes Ilimitado Ilimitado Comparação entre Windows Azure Queues e Service Bus Queues 31

32 Topics/Subscriptions 32

33 Criação de um Service Bus Topic É necessário 1. Criar um service namespace Fornece um contentor de contexto para endereçar os recursos do Service Bus no contexto da nossa aplicação É realizado no Management Portal 2. Obter as credenciais de gestão para o namespace São obtidas através do Management Portal 3. Configurar a aplicação para utilizar o Service Bus 4. Criar um Security Token Provider 5. Criar um Topic 33

34 Criar um topic string issuer= <obtido do portal> : string key= <obtido do portal> TokenProvider tp= TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider(issue,key); Uri uri = ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri( sb, MyServiceNamespace, string.empty); NameSpaceManager manager= new NameSpaceManager(uri,tP); manager.createtopic( MyTopic ); TopicDescription td = new TopicDescription("TestTopic"); td.maxsizeinmegabytes = 5120; td.defaultmessagetimetolive = new TimeSpan(0, 1, 0); manager.createtopic(td); 34

35 Criar um subscription string issuer= <obtido do portal> : string key= <obtido do portal> TokenProvider tp= TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider(issue,key); Uri uri = ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri( sb, MyServiceNamespace, string.empty); NameSpaceManager manager= new NameSpaceManager(uri,tP); manager.createsubscription( MyTopic, AllMessages ); 35

36 Enviar mensagens a um topic string issuer= <obtido do portal> : string key= <obtido do portal> TokenProvider tp= TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider(issue,key); Uri uri = ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri( sb, MyServiceNamespace, string.empty); MessagingFactory factory = MessagingFactory.Create(uri, tp); MessageSender mytopic = factory.createmessagesender( MyTopic"); for (int i=0; i<5; i++) { BrokeredMessage message = new BrokeredMessage("Test message " + i); mytopic.send(message); } 36

37 Receber mensagens de uma subscrição string issuer= <obtido do portal> : string key= <obtido do portal> TokenProvider tp= TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider(issue,key); Uri uri = ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri( sb, MyServiceNamespace, string.empty); MessagingFactory factory = MessagingFactory.Create(uri, tp); MessageReceiver mytopic= factory.createmessagereceiver( MyTopic/subscriptions/AllMessages ); while (true) { BrokeredMessage message = myqueue.receive(); if (message!= null) { try { Console.WriteLine("Body: " + message.getbody<string>()); Console.WriteLine("MessageID: " + message.messageid); message.complete(); } catch (Exception) {message.abandon(); } } } 37

38 Eliminar Tópicos e Subscrições string issuer= <obtido do portal> : string key= <obtido do portal> TokenProvider tp= TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider(issue,key); Uri uri = ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri( sb, MyServiceNamespace, string.empty); NameSpaceManager manager= new NameSpaceManager(uri,tP); manager.deletetopic( MyTopic ); manager.deletesubscription( MyTopic, AllMessages ); 38

39 Rules / Actions Podem criar subscrições com filtros para restringir que mensagens, enviadas a um determinado tópico, devem surgir no contexto de uma subscrição a esse mesmo tópico São criados através de Subscription Filters Os filtros são aplicados sobre as propriedades das mensagens (quer as de aplicação, quer as de sistema) Filter FalseFilter sem mensagens TrueFilter todas as mensagens (por omissão) SqlFilter sintaxe SQL92 SqlRuleAction São compostar por filtros e acções As acções usam sintaxe SQL92 para modificar o conjunto de propriedades de uma subscrição. 39

40 Exemplo string issuer= <obtido do portal> : string key= <obtido do portal> TokenProvider tp= TokenProvider.CreateSharedSecretTokenProvider(issue,key); Uri uri = ServiceBusEnvironment. CreateServiceUri( sb, MyServiceNamespace, string.empty); NameSpaceManager manager= new NameSpaceManager(uri,tP); SqlFilter highmessages = new SqlFilter("MessageNumber > 3"); manager.createsubscription( MyTopic", "HighMessages", highmessages); 40

41 RuleDescription summerrule = new RuleDescription(){ Action = new SqlRuleAction( SET HavingFun = Yes ), Filter = new SqlFilter( Month = June OR Month = July OR [Month] = August ), Name = SummerRule }; TopicDescription topicdescription = manager.createtopic( WeatherTopic ); manager.createsubscription( WeatherTopic, WeatherSubscription, summerrule); 41

Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. Windows Azure

Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. Windows Azure Desenvolvimento de aplicações para a Cloud Windows Azure Desenvolvimento de aplicações para a Cloud Blob O serviço Blob } O serviço Blob é desenhado para armazenar um conjunto largo de objectos binários,

Leia mais

Computação Orientada aos Serviços. WCF Semestre de Inverno 11/12 (Parte 1)

Computação Orientada aos Serviços. WCF Semestre de Inverno 11/12 (Parte 1) Computação Orientada aos Serviços WCF Semestre de Inverno 11/12 (Parte 1) WCF O Windows Communication Foundation (WCF) é uma application programming interface (API) na.net Framework para construir aplicações

Leia mais

Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas

Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas Computação Paralela Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Outubro 2005 Principais aspectos a gerir pelo Middleware

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services (continuação) WSDL - Web Service Definition Language WSDL permite descrever o serviço que será oferecido

Leia mais

Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. Introdução

Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. Introdução Desenvolvimento de aplicações para a Cloud Introdução Introdução } O que é Cloud Computing? } Porquê o termo Cloud? 2 Introdução } O que é Cloud Computing? } Porquê o termo Cloud? } Cloud Computing versus

Leia mais

Plataforma para Agentes

Plataforma para Agentes Plataforma para es JATLite - Java Template, Lite O que é o JATLite? http://java.stanford.edu/ http://www.fe.up.pt/~eol/aiad/jatlite/doc/index.html Pacote de programas em Java permitindo: rápida criação

Leia mais

Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. Queue

Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. Queue Desenvolvimento de aplicações para a Cloud Queue O serviço Queue Fornece uma infra-estrutura escalável e com grande disponibilidade para comunicação de mensagens na cloud. Esquema URL Tamanho máximo Referência

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

A interface de uma mensagem é extremamente flexível e permite várias formas de customização de conteúdo. Figura 1 - Tipos de Mensagens JMS

A interface de uma mensagem é extremamente flexível e permite várias formas de customização de conteúdo. Figura 1 - Tipos de Mensagens JMS Programando com Java Artigo http://mballem.wordpress.com/ Chat JMS com ActiveMQ Java Message Service Autor Marcio Ballem: é formado em Sistemas de Informação e possui certificação Oracle Certified Professional,

Leia mais

Trabalho Prático Nº1 Introdução ao C#.NET

Trabalho Prático Nº1 Introdução ao C#.NET Trabalho Prático Nº1 Introdução ao C#.NET 1. OBJECTIVOS - Entender o contexto da plataforma.net - Desenvolver programas simples em C#.NET - Saber efectuar entradas de dados em modo Consola e Windows Forms

Leia mais

Grupo I [7v] 1. [1,0] Apresente o conteúdo do IDL relativo a este programa. Assuma PROGRAM=62015 e VERSION=1.

Grupo I [7v] 1. [1,0] Apresente o conteúdo do IDL relativo a este programa. Assuma PROGRAM=62015 e VERSION=1. Número: Nome: Página 1 de 6 LEIC/LETI, 2014/15, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos 30 de Junho de 2015 Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração:

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Relembrando... Mecanismos de Comunicação Middleware Cenário em uma rede Local

Leia mais

WSDL e UDDI. Pedro Miguel Martins Nunes WSDL. WSDL Exemplo prático Resumo UDDI. Serviço UDDI Estruturas de dados UDDI e WSDL API Resumo

WSDL e UDDI. Pedro Miguel Martins Nunes WSDL. WSDL Exemplo prático Resumo UDDI. Serviço UDDI Estruturas de dados UDDI e WSDL API Resumo e Serviço e e Tecnologias de Middleware 06/07 Curso de Especialização em Informática Departamento de Informática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 27.10.2006 e Serviço e 1 2 Serviço e 3 e...o

Leia mais

Desenvolvimento Web com Framework Demoiselle versão 1.1

Desenvolvimento Web com Framework Demoiselle versão 1.1 Desenvolvimento Web com Framework Demoiselle versão 1.1 Módulo 10: Monitoração de Ambientes Autor: Rodrigo Hjort SERPRO / Coordenação Estratégica de Tecnologia / Curitiba www.frameworkdemoiselle.org.br

Leia mais

Lógica de Negócio com WCF

Lógica de Negócio com WCF Lógica de Negócio com WCF Arquitectura de Sistemas de Informação (ISEL-DEETC Walter Vieira) 1 WCF Introdução O que é? Uma tecnologia para suportar o desenvolvimento de aplicações distribuídas orientadas

Leia mais

Web Services. Melhor aceite que RPC, CORBA e DCOM devido à simplificação dos protocolos (> 90 implementações) Web Services. UDDI e Outras normas

Web Services. Melhor aceite que RPC, CORBA e DCOM devido à simplificação dos protocolos (> 90 implementações) Web Services. UDDI e Outras normas e Tecnologias de Middleware 2004/2005 18 de Novembro de 2004 Conjunto de especificações baseadas em XML e outros standards abertos Potencia a interoperabilidade entre várias aplicações Permite que serviços

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Web Services Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org November 29, 2014 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November

Leia mais

Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. Blob

Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. Blob Desenvolvimento de aplicações para a Cloud Blob O serviço Blob } O serviço Blob é desenhado para armazenar um conjunto largo de objectos binários, como documentos, imagens, vídeos e músicas. Esquema URL

Leia mais

Sintaxe Geral Tipos de Dados. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

Sintaxe Geral Tipos de Dados. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. Sintaxe Geral Tipos de Dados Comentários Comentários: De linha: // comentário 1 // comentário 2 De bloco: /* linha 1 linha 2 linha n */ De documentação: /** linha1 * linha2 */ Programa Exemplo: ExemploComentario.java

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

Programação com sockets (em Java)

Programação com sockets (em Java) com sockets (em Java) Prof. Dr. Julio Arakaki Depto. Ciência da 1 Comunicação entre processos // aplicações - é um dos mecanismos mais utilizados - Java oferece modos de utilização:. TCP ( Transmission

Leia mais

Java Básico. Matrícula de Alunos. Marco Antonio, Arquiteto de Software TJDF ma@marcoreis.eti.br. Novembro/2005

Java Básico. Matrícula de Alunos. Marco Antonio, Arquiteto de Software TJDF ma@marcoreis.eti.br. Novembro/2005 Java Básico Matrícula de Alunos Marco Antonio, Arquiteto de Software TJDF ma@marcoreis.eti.br Novembro/2005 Objetivos OO: trocar mensagens entre os objetos Exception: tratar exceções Análise: implementar

Leia mais

INT-9: Implementing ESB Processes with OpenEdge and Sonic David Cleary

INT-9: Implementing ESB Processes with OpenEdge and Sonic David Cleary Implementando Processos ESB com OpenEdge e Sonic Paulo Costa Global Field Services Agenda Desenvolvendo Processos de Negócio Visão geral da tecnologia Desenvolvendo um processo de negócio do início ao

Leia mais

Prof. Jhonatan Fernando

Prof. Jhonatan Fernando Prof. Jhonatan Fernando Métodos Programação OO Instâncias de variáveis (objetos) Mensagens Classes Herança Polimorfismo Encapsulamento Abstração Programação Estruturada Procedimentos e funções Variáveis

Leia mais

A ) O cliente terá que implementar uma interface remota. . Definir a interface remota com os métodos que poderão ser acedidos remotamente

A ) O cliente terá que implementar uma interface remota. . Definir a interface remota com os métodos que poderão ser acedidos remotamente Java RMI - Remote Method Invocation Callbacks Folha 9-1 Vimos, na folha prática anterior, um exemplo muito simples de uma aplicação cliente/ servidor em que o cliente acede à referência remota de um objecto

Leia mais

Utilização do Appia. Tolerância a Faltas Distribuída 2003/04. Nuno Carvalho nunomrc@di.fc.ul.pt

Utilização do Appia. Tolerância a Faltas Distribuída 2003/04. Nuno Carvalho nunomrc@di.fc.ul.pt Utilização do Appia Tolerância a Faltas Distribuída 2003/04 Nuno Carvalho nunomrc@di.fc.ul.pt Appia Framework para execução e composição de protocolos. Comunicação efectuada por eventos Entre camadas e

Leia mais

Enterprise Java Beans

Enterprise Java Beans Enterprise Java Beans Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior DCC PUC Minas Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-O que é um Enterprise Java Bean? O Entertprise Java Bean (EJB) é um componente server-side

Leia mais

Computação Móvel 2007/2008

Computação Móvel 2007/2008 Computação Móvel 2007/2008 Tutorial 2 Criação de uma nova publicação de base de dados no SQL Server 2005 Standard Edition / Enterprise Edition / Developer Edition No computador cliente: 1. Estabelecer

Leia mais

Java Spaces Exemplos

Java Spaces Exemplos Java Spaces Exemplos Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) Java Spaces - Exemplos V0 1 Autoria! Autores! Local " Cláudio Geyer " Instituto de Informática " UFRGS " disciplina: Programação com

Leia mais

TUTORIAL JAVA AS - HTTP CLIENT COMPOSITION ENVIROMENT 7.1

TUTORIAL JAVA AS - HTTP CLIENT COMPOSITION ENVIROMENT 7.1 TUTORIAL JAVA AS - HTTP CLIENT COMPOSITION ENVIROMENT 7.1 FABIO HAIDER 2008 C O N T E Ú D O : 1 HTTP Client...3 1.1 Arquitetura...3 1.2 Usando HTTP Client...3 1.2.1 Usuário...3 1.2.2 Implementação HTTP

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB)

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB) Uma Introdução à Arquitetura Francisco C. R. Reverbel 1 Copyright 1998-2006 Francisco Reverbel O Object Request Broker (ORB) Via de comunicação entre objetos (object bus), na arquitetura do OMG Definido

Leia mais

Grupo I [6,6v] Responda com os valores que se observam depois da chamada acontecer. 1 Falta na mensagem de resposta. Valor retornado na chamada

Grupo I [6,6v] Responda com os valores que se observam depois da chamada acontecer. 1 Falta na mensagem de resposta. Valor retornado na chamada Número: Nome: Pági 1 de 6 LEIC/LETI 2013/14, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos, 1/7/14 Responda no enunciado, apes no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração: 1h30m Grupo I

Leia mais

Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation)

Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation) Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation) Programação com Objetos Distribuídos Um sistema de objetos distribuídos permite a operação com objetos remotos A partir de uma aplicação cliente

Leia mais

Java RMI. Alcides Calsavara

Java RMI. Alcides Calsavara Java RMI Alcides Calsavara Objetivos Permitir que um método de uma classe Java em execução em uma máquina virtual JVM chame um método de um objeto (instância de uma classe Java) situado em outra máquina

Leia mais

Microsoft Services Provider License Program

Microsoft Services Provider License Program Microsoft Services Provider License Program Agenda Programa SPLA Service Provider License Agreement O que é um Fornecedor de Serviços? O que são Serviços de Software? O que é o SPLA? O SPLA é a oferta

Leia mais

Forms Authentication em ASP.NET

Forms Authentication em ASP.NET Forms Authentication em ASP.NET Em muitos sites web é necessário restringir selectivamente o acesso a determinadas áreas, ou páginas, enquanto para outras páginas pode permitir-se acesso livre. ASP.NET

Leia mais

Connection String usada por uma Class Library

Connection String usada por uma Class Library Connection String usada por uma Class Library Vamos considerar uma Class Library com o modelo de dados e com acesso à base de dados através do Entity Framework. Aonde deve ser colocada a connection string

Leia mais

Capítulo II Modelos de Programação Distribuída

Capítulo II Modelos de Programação Distribuída Capítulo II Modelos de Programação Distribuída From: Coulouris, Dollimore and Kindberg Distributed Systems: Concepts and Design Edition 4, Addison-Wesley 2005 From: M. Ben-Ari Principles of Concurrent

Leia mais

Manual de Integração SMS

Manual de Integração SMS NG Sistemas Manual de Integração SMS Integração SMS TI 2015 w w w. n g s i s t e m a s. c o m. b r Índice Sumário executivo... 2 Integrações... 3 Desenho da solução.... 6 NG Sistemas 1 Sumário executivo

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM AGENTE TAC SCM EM LINGUAGEM AGENTSPEAK(L)

IMPLEMENTAÇÃO DE UM AGENTE TAC SCM EM LINGUAGEM AGENTSPEAK(L) IMPLEMENTAÇÃO DE UM AGENTE TAC SCM EM LINGUAGEM AGENTSPEAK(L) Roteiro TAC TAC SCM Especificação do agente Especificação da interface de comunicação Implementação da interface de comunicação Implementação

Leia mais

Para baixá-lo entre no site : http://www.netduino.com/; Selecione a aba Downloads ; Clique no link: Microsoft Visual C# Express 2010; Por meio desse

Para baixá-lo entre no site : http://www.netduino.com/; Selecione a aba Downloads ; Clique no link: Microsoft Visual C# Express 2010; Por meio desse Para baixá-lo entre no site : http://www.netduino.com/; Selecione a aba Downloads ; Clique no link: Microsoft Visual C# Express 2010; Por meio desse programa será possível conectar-se ao Netduíno. Execute

Leia mais

LEIC/LERC 2012/13, 1º

LEIC/LERC 2012/13, 1º Número: Nome: Página 1 de 10 LEIC/LERC 2012/13, 1º Exame de Sistemas Distribuídos, 5 de Junho de 2013 Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração: 2h30m Grupo

Leia mais

insfcanceof new public switch transient while byte continue extends for int null

insfcanceof new public switch transient while byte continue extends for int null Palavras -chave de JAV A abstract catch do final implements long private static throw void boolean char double finally import native protected super throws volatile break class float insfcanceof new public

Leia mais

Estudo de caso de solução integrada ao AutoCAD através da API.NET para conversão de desenhos

Estudo de caso de solução integrada ao AutoCAD através da API.NET para conversão de desenhos Estudo de caso de solução integrada ao AutoCAD através da API.NET para conversão de desenhos Augusto Cesar Silva Brighenti Álamo Soluções em TI A sessão será um estudo de caso de uma solução de integração

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: CDC Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

Configuração de Cliente de Web Service HTTPS

Configuração de Cliente de Web Service HTTPS Configuração de Cliente de Web Service HTTPS Envio de registros civis ao SIRC através de Central de Registros Civis Configurando_Cliente_de_Web_Service_HTTPS.odt 1 de 20 Histórico de Revisões Data Versão

Leia mais

Programação Paralela e Distribuída. Prof. Cidcley T. de Souza

Programação Paralela e Distribuída. Prof. Cidcley T. de Souza Programação Paralela e Distribuída Prof. Cidcley T. de Souza Conteúdo Parte I Introdução aos Sockets Tipos de Sockets Classes Java: InetAddress, Datagram Sockets, Stream Sockets, Output e Input Classes

Leia mais

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13 Computação Orientada aos Serviços WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13 Workflow No desenvolvimento de software, o principal objectivo é resolver problemas reais de negócio. Normalmente parte-se a resolução

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS COLEGIADO DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS COLEGIADO DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS COLEGIADO DE INFORMÁTICA Disciplina: Redes de Computadores Ano: 2007 Professor: Luiz Antonio Trabalho 1º Bimestre Cliente/Servidor

Leia mais

Tutorial JMS com ActiveMQ Nível: Introdutório Autor: José Damico (jdamico@br.ibm.com) IBM Data: 26 de novembro de 2006

Tutorial JMS com ActiveMQ Nível: Introdutório Autor: José Damico (jdamico@br.ibm.com) IBM Data: 26 de novembro de 2006 Tutorial JMS com ActiveMQ Nível: Introdutório Autor: José Damico (jdamico@br.ibm.com) IBM Data: 26 de novembro de 2006 O objetivo deste tutorial é oferecer uma documentação básica passo-a-passo e um exemplo

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

tecnologias web e gestão de identidade

tecnologias web e gestão de identidade tecnologias web e gestão de identidade histórico serviços da era inicial da Internet telnet ftp gopher - estruturas hierárquicas www - hipertexto estudos sobre hipertexto e hipermídia sistemas locais www

Leia mais

Programação em Rede Baseada em Java. Luiz Affonso Guedes Tópicos em Redes de Computadores Programação Distribuída www.dca.ufrn.

Programação em Rede Baseada em Java. Luiz Affonso Guedes Tópicos em Redes de Computadores Programação Distribuída www.dca.ufrn. Programação em Rede Baseada em Java Luiz Affonso Guedes Tópicos em Redes de Computadores Programação Distribuída www.dca.ufrn.br/~affonso/cursos Definiçõs Básicas Uma rede é um conjunto de computadores

Leia mais

Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix. Versão 1.0

Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix. Versão 1.0 Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix Versão 1.0 Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix O software descrito neste livro é fornecido sob um contrato de licença

Leia mais

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 13/14

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 13/14 Computação Orientada aos Serviços WF (parte 1) Semestre de Inverno 13/14 Workflow No desenvolvimento de software, o principal objetivo é resolver problemas reais de negócio. Normalmente parte-se a resolução

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquiteturas Middlewares

Sistemas Distribuídos Arquiteturas Middlewares Sistemas Distribuídos Arquiteturas s Arquitetura Arquitetura de um sistema é sua estrutura em termos dos componentes e seus relacionamentos Objetivo: garantir que a estrutura satisfará as demandas presentes

Leia mais

Message Driven Beans. Apresentação. Introdução Implementação de MDBs Deployment no JBoss Java Messaging Service Exemplo

Message Driven Beans. Apresentação. Introdução Implementação de MDBs Deployment no JBoss Java Messaging Service Exemplo Message Driven Beans Apresentação Introdução Implementação de MDBs Deployment no JBoss Java Messaging Service Exemplo 1 Introdução Message Driven Beans são EJBs que consomem mensagens enviadas para filas

Leia mais

Interfaces de Serviço na Prática. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services

Interfaces de Serviço na Prática. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Interfaces de Serviço na Prática Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Antes de começarmos Iniciando do princípio 2 Antes de começarmos Let me tell you a story 3 Antes de começarmos

Leia mais

Construindo Aplicações com ASP.NET MVC 2.0 Aula 03 Luiz Alberto Ferreira Gomes. Ciência da Computação da PUC Minas

Construindo Aplicações com ASP.NET MVC 2.0 Aula 03 Luiz Alberto Ferreira Gomes. Ciência da Computação da PUC Minas Construindo Aplicações com ASP.NET MVC 2.0 Aula 03 Luiz Alberto Ferreira Gomes Ciência da Computação da PUC Minas 2 Camada responsável por armazenar em um repositório de dados e reconstituir objetos de

Leia mais

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br JXTA Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima Roteiro Motivação Introdução Arquitetura de JXTA Elementos de JXTA Os Protocolos Comparações e Desvantagens Conclusão Motivação Limitações do Modelo Cliente

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: CDC Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

Seguindo o modelo descrito nas Tabelas 1 e 2, crie os arquivos utilizando a versão doo Excel que você tiver disponível.

Seguindo o modelo descrito nas Tabelas 1 e 2, crie os arquivos utilizando a versão doo Excel que você tiver disponível. Atividade 4 2013 SSIS Atenção! A atividade 4 será apresentada para toda a turma. Cada aluno terá 10 minutos para apresentação. O dia da apresentação será posteriormente marcado. Montando o cenário Para

Leia mais

Comunicação entre processos

Comunicação entre processos Comunicação entre processos Processo: um programa em execução num sistema terminal (host) Processos em sistemas distintos comunicam trocando mensagens Processo Cliente: processo que inicia a comunicação

Leia mais

Arquitecturas de Serviços Internet Service Bus

Arquitecturas de Serviços Internet Service Bus Arquitecturas de Serviços Internet Service Bus João Pedro Martins jota@create.pt http://blogit.create.pt/blogs/joaomartins http://www.arquitecturadesoftware.org/blogs/joaomartins Agenda S de Serviço Serviços,

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Abertura dos serviços: Parlay/OSA

Abertura dos serviços: Parlay/OSA Abertura dos serviços: Parlay/OSA Ideia chave: abrir o desenvolvimento de aplicações de telecomunicações A outras entidades que não os operadores ou fabricantes (3rd party) Definição de APIs normalizadas

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Web Service Plínio Antunes Garcia Sam Ould Mohamed el Hacen Sumário Introdução conceitual O Web Service

Leia mais

soluções transversais SOLUÇÕES middleware

soluções transversais SOLUÇÕES middleware soluções transversais SOLUÇÕES middleware RESUMO DA SOLUÇÃO ITbank framework 4g performance orquestração interoperabilidade O Middleware SOA ITBank framework 4g implementa uma arquitetura SOA com orquestração

Leia mais

Sistemas Empresariais Integrados

Sistemas Empresariais Integrados Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Sistemas Empresariais Integrados Tutorial do Adaptador SQL 2º semestre Considere uma base de dados com uma tabela account que guarda o número de conta,

Leia mais

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet Avançada 4. Web Services Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt São módulos de aplicações de negócios que expõem as regras do negócio como serviços na Internet através

Leia mais

JDBC Acessando Banco de Dados

JDBC Acessando Banco de Dados Acessando Banco de Dados Objetivos Entender o que são Drivers. Diferenciar ODBC, JDBC e DRIVERMANAGER. Desenvolver uma aplicação Java para conexão com Banco de Dados. Criar um objeto a partir da classe

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS CUP Disk Memoey CUP Memoey Disk Network CUP Memoey Disk Remote Method Invocation (RMI) Introdução Solução JAVA para Objetos Distribuídos Um objeto existe em uma máquina É possível

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello 1/39 Serviços Web (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 22 de Maio de 2007 2/39 Arquitetura Orientada a Serviços Arquitetura

Leia mais

É uma das linguagens de programação que fazem parte da Plataforma.NET (em inglês: dotnet) criada pela Microsoft (Microsoft.NET).

É uma das linguagens de programação que fazem parte da Plataforma.NET (em inglês: dotnet) criada pela Microsoft (Microsoft.NET). C ( C-Sharp ) LPI 1. A Plataforma.NET (em inglês: dotnet) Visão Geral C é uma linguagem de programação. É uma das linguagens de programação que fazem parte da Plataforma.NET (em inglês: dotnet) criada

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira neto Aula 17-18: Middleware: Implementação de RMI (cont.), RPC, Modelo de Eventos, Exemplo com Java RMI Chamadas dinâmicas

Leia mais

Sistemas Operacionais: Threads

Sistemas Operacionais: Threads Sistemas Operacionais: Threads Threads Única linha de execução x múltiplas linhas de execução Benefícios Tempo de resposta Compartilhamento de recursos Economia de recursos Desempenho em arquiteturas multiprocessadas

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Coulouris Capítulo 4

Sistemas Distribuídos. Coulouris Capítulo 4 Sistemas Distribuídos Coulouris Capítulo 4 Mensagens Para comunicar-se com outros processos, um processo envia uma MENSAGEM para um DESTINO; um outro processo nesse destino recebe a mensagem. As operações

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 3 Invocação de Objetos

Leia mais

Informática UFRGS. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) C# Remote V0 1

Informática UFRGS. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) C# Remote V0 1 .NET Remoting Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) C# Remote V0 1 Autoria Autores 1a versão Fabio Augusto Dal Castel colaboração revisão Eduardo F. Seganfredo Rodrigo Gatto C. Geyer Programação

Leia mais

Introdução à aplicação Web

Introdução à aplicação Web Introdução à aplicação Web A aplicação Web SanDisk +Cloud é uma interface com base na Web para aceder ao seu conteúdo e gerir a sua conta. Com a aplicação Web poderá reproduzir música, ver filmes, ver

Leia mais

Web Services e SOAP. Alexandre Zua CaldeiraTecnologias de Middleware 2006/2007 20.10.2006. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Web Services e SOAP. Alexandre Zua CaldeiraTecnologias de Middleware 2006/2007 20.10.2006. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Alexandre Zua Caldeira Tecnologias de Middleware 2006/2007 Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 20.10.2006 1 Introdução Definições Limitações do Middleware Estudado Integração com Web Services

Leia mais

Plataforma de Serviços Azure. Lucas A. Romão http://laromao.spaces.live.com laromao@oxygenhost.com.br @LucasRomao

Plataforma de Serviços Azure. Lucas A. Romão http://laromao.spaces.live.com laromao@oxygenhost.com.br @LucasRomao Plataforma de Serviços Azure Lucas A. Romão http://laromao.spaces.live.com laromao@oxygenhost.com.br @LucasRomao http://azureservicesbr.ning.com @AzureServicesBR Agenda Por que uma plataforma na Nuvem?

Leia mais

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos Luiz Affonso Guedes Introdução Conceitos básicos programação distribuída + programação orientada a objetos = Objetos distribuídos Motivação

Leia mais

Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados

Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados UTFPR DAELN - Disciplina de Fundamentos de Programação II ( IF62C ). 1 Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados 1) Introdução! Em algumas situações, pode ser necessário preservar os objetos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM CLIENTE SOFIA2 (KP) SEGUINDO A ARQUITETURA KP-MODELO

DESENVOLVIMENTO DE UM CLIENTE SOFIA2 (KP) SEGUINDO A ARQUITETURA KP-MODELO DESENVOLVIMENTO DE UM CLIENTE SOFIA2 (KP) SEGUINDO A ARQUITETURA KP-MODELO JUNHO 2014 Versão 1 ÍNDICE ÍNDICE... 2 PASSO 1 FAMILIARIZAR-SE COM OS CONCEITOS BÁSICOS DE SOFIA2... 3 PASSO 2 - OBTER CREDENCIAIS

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Gerenciamento baseado na Web Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento baseado

Leia mais

TREINAMENTOS. Desenvolvimento Web

TREINAMENTOS. Desenvolvimento Web TREINAMENTOS Desenvolvimento Web com ASP.NET MVC 4 Desenvolvimento Web com ASP.NET MVC 4 25 de abril de 2016 As apostilas atualizadas estão disponíveis em www.k19.com.br Esta apostila contém: 225 exercícios

Leia mais

UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Estrutura de Dados. AULA 6 Filas

UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Estrutura de Dados. AULA 6 Filas UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação Estrutura de Dados AULA 6 Filas Estrutura de Dados A Estrutura de Dados Fila Fila é uma estrutura de dados usada em programação, que tem regras para

Leia mais

J2EE. J2EE - Surgimento

J2EE. J2EE - Surgimento J2EE Java 2 Enterprise Edition Objetivo: Definir uma plataforma padrão para aplicações distribuídas Simplificar o desenvolvimento de um modelo de aplicações baseadas em componentes J2EE - Surgimento Início:

Leia mais

Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix. Versão 2.0

Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix. Versão 2.0 Guia de Instalação do Backup Exec Cloud Storage para Nirvanix Versão 2.0 O software descrito neste documento é fornecido sob um contrato de licença e pode ser usado somente de acordo com as condições do

Leia mais

DSS 08/09. Camada de Dados - JDBC. Aula 1. António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jfc}@di.uminho.

DSS 08/09. Camada de Dados - JDBC. Aula 1. António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jfc}@di.uminho. Universidade do Minho Departamento de Informática Camada de Dados - JDBC Aula 1 António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jfc}@di.uminho.pt 2 Camada de Dados A camada

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Informática PROVA DE TESTE PRÁTICO Sistemas Distribuídos I 2º Semestre, 2005/2006

Licenciatura em Engenharia Informática PROVA DE TESTE PRÁTICO Sistemas Distribuídos I 2º Semestre, 2005/2006 Departamento de Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Licenciatura em Engenharia Informática PROVA DE TESTE PRÁTICO Sistemas Distribuídos I 2º Semestre, 2005/2006 NOTAS:

Leia mais

Manual da API SMS REST versão 1.0

Manual da API SMS REST versão 1.0 Manual da API SMS REST versão 1.0 Conteúdo 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 ALCANCE... 4 1.2 GLOSSÁRIO... 4 2 CONVENÇÕES GERAIS... 5 2.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS DE UMA INTERFACE REST... 5 2.2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF)

1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF) Sessão Prática II JPA entities e unidades de persistência 1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF) a) Criar um Web Application (JPAsecond) como anteriormente:

Leia mais

Tutorial RMI (Remote Method Invocation) por Alabê Duarte

Tutorial RMI (Remote Method Invocation) por Alabê Duarte Tutorial RMI (Remote Method Invocation) por Alabê Duarte Este tutorial explica basicamente como se implementa a API chamada RMI (Remote Method Invocation). O RMI nada mais é que a Invocação de Métodos

Leia mais