NORMAS DE SEGURANÇA SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS CONDIÇÃOES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMAS DE SEGURANÇA SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS CONDIÇÃOES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO"

Transcrição

1 NORMAS DE SEGURANÇA SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NBR ELEVADORES DE CANTEIROS DE OBRAS PARA PESSOAS E MATERIAIS COM CABINA GUIADA VERTICALMENTE - REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO CONDIÇÃOES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

2 SUMÁRIO 1. Apresentação do Sistema Elétrico do Elevador de Cremalheira. 2. Descrição do sistema de automação e periféricos. 3. Requisitos das funções de segurança. 4. Identificação de itens normativo no equipamento Ilustrativo e vídeos técnicos. 5. Elevadores a cabo de aço NBR16200 Principais adequações elevadores antigos.

3 NORMAS DE SEGURANÇA SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NBR ELEVADORES DE CANTEIROS DE OBRAS PARA PESSOAS E MATERIAIS COM CABINA GUIADA VERTICALMENTE - REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO CONDIÇÃOES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

4 PRINCIPAIS COMPONENTES Painel Principal Painel que centralizará toda a interface com todos os componentes operacionais, com as motorizações e com o resistor de frenagem. Painel de sinalização Painel que permite alguns comandos auxiliares, sinalizações luminosas e sinalização sonora. Botoeira de operação botoeira com comandos operacionais (uso do operador); Botoeira de serviço Botoeira a ser utilizada apenas nas etapas de montagem, manutenção e desmontagem do elevador. Botoeira p/ teste de freio Botoeira a ser utilizada nos testes do freio de emergência (paraquedas). Kit Cancela (p/ pavimento) ---Monitoramento da cancela por chave segurança com bloqueio de segurança com ruptura positiva.

5 PAINEL PRINCIPAL O painel central: É localizado sobre ou dentro da cabina e sua principal função é fazer o controle de subida e descida do elevador, controle de baixa velocidade, monitoramento dos sensores das portas e alçapão. Possui inversor de frequência e resistor de frenagem. Contém os relés de segurança, reles térmicos e um DR, ligação por bornes e limitador de carga.

6 PAINEL DE SINALIZAÇÃO Alarme sonoro de chamada; Visualização de alarmes; Subtensão / Sobretensão; Emergência; Porta da cabine; Porta do pavimento (cancela); Painel ligado; Sistema Pronto; Chave Liga/Desliga; Chave Painel/Botoeira; Chave de acionamento da luminária; O quadro de sinaleiro: É localizado dentro da cabina e sua principal função é fazer a sinalização e habilitação dos comandos tais como: liga/desliga, luminária, habilitar a botoeira/painel, visualização de cancela, falta de fase, chamada de pavimento via sinal sonoro e sinalização de sobrecarga via sinal sonoro.

7 BOTOEIRA DO OPERADOR O Botoeira do Operador: É localizado dentro da cabina e não possui tomada de conexão. Sua principal função é fazer com o que operador tenha controle do elevador tais como de subida, descida, botão de redução de velocidade e possui botão de emergência tipo cogumelo. Possui cabo o qual o operador pode ir de uma porta a outra com a botoeira na mão. Não é possível identificar qual pavimento está chamando.

8 BOTOEIRA DE SERVIÇO O Botoeira de Serviço: - É usado pelo equipe de manutenção para executar o procedimento de montagem, manutenção e desmontagem do elevador. Possui tomadas para encaixe ao Painel Principal plug and play.

9 BOTOEIRA DE SERVIÇO O Botoeira de Serviço: - É usa pelo equipe de manutenção para executar o procedimento de montagem, manutenção e desmontagem do elevador. Possui tomadas para encaixe ao Painel Principal.

10 REQUISITOS DAS FUNÇÕES DE SEGURANÇA.

11 REQUISITOS CATEGORIA DE SEGURANÇA Em (6) seis etapas até o objetivo Com a introdução da EN ISO :2006, resultam também novas exigências para a construção de máquinas na forma de procedimento. A configuração das partes relativas à segurança de comando é um processo interativo, que se desenvolve em várias etapas. Etapa 1 - Definir as exigências quanto às funções de segurança Etapa 2 - Determinação do Performance Levels PL requerido Etapa 3 - Configuração e realização técnica das funções de segurança Etapa 4 - Determinação do nível de performance e consideração quantitativa Etapa 5 - Verificação Etapa 6 - Validação

12 REQUISITOS CATEGORIA DE SEGURANÇA Quanto maior o risco, maior as exigências para o sistema de controle Norma Europeia EN foi substituída por EN ISO :2006 Gravidade do ferimento (S): S1 = Ferimento leve (normalmente reversível). S2 = Ferimento grave (normalmente irreversível) inclusive morte. Possibilidades para evitar-se o perigo (P): P1 = Possível sob certas condições. P2 = Quase impossível. Frequência e/ou duração da exposição ao perigo (F) F1 = Rara até frequente e/ou duração breve. F2 = Frequente até permanente e/ou duração longa.

13 REQUISITOS CATEGORIA DE SEGURANÇA Categoria B (categoria básica): As peças relativas à segurança de comandos de máquinas e/ou seu equipamento de proteção, bem como seus componentes, devem ser configurados, selecionados, montados e combinados, de acordo com as normas aplicáveis, de modo que possam resistir às influências esperadas. Categoria 2: Peças de comando relativas à segurança precisam ser configuradas, de modo que suas funções de segurança sejam testadas em intervalos de tempo apropriados através do comando de máquina. Os testes de funções de segurança precisam ser feitos: (a) Na partida de máquinas e antes da introdução do estado perigoso. (b) Periodicamente durante a operação, se a análise de risco e o modo operacional indicarem que isso é necessário. Esse teste pode ser introduzido de forma manual ou automática. Na forma automática pode ser, por exemplo, um sinal gerado por um comando em intervalos de tempo correspondentes. O teste automático deve ser previsto como prioritário.

14 REQUISITOS CATEGORIA DE SEGURANÇA Categoria 3: Peças de comando relativas à segurança precisam ser configuradas, de modo que um único erro em uma dessas peças não provoque a perda das funções de segurança. Quando sempre for executável de forma apropriada, cada erro precisa ser identificado durante ou antes da próxima exigência da função de segurança. Isso não significa que todos os erros serão identificados. O acúmulo de erros não descobertos pode provocar um sinal de saída não intencional e um estado perigoso na máquina. Categoria 4: Peças de comando relativas à segurança precisam ser configuradas, de modo que cada erro em uma destas peças não provoque a perda das funções de segurança. Faz se necessário também que cada erro seja identificado, durante ou antes da próxima exigência da função de segurança como, por exemplo, diretamente na ligação e no final de um ciclo de máquina). Caso essa identificação não seja possível, o acúmulo de erros não poderá provocar a perda da função de segurança.

15 REQUISITOS CATEGORIA DE SEGURANÇA Emergência Requisitado Atendido Categoria PLr Categoria PL 3, com d 3, com d rearme rearme manual manual Porta da cabine 2 c 3 d Porta do pavimento 3 d 3 d Freio de segurança 3 d 4 d Limite de fim de curso 3 d 4 d *Performance Levels required

16 REQUISITOS CATEGORIA DE SEGURANÇA EXEMPLO DE CIRCUITO CATEGORIA 3 Limites Relé Inversor

17 REQUISITOS DE SEGURANÇA Em geral, é requisitado componentes bem testados para aplicação de segurança: Contadores e relés com contatos positivamente guiados. Contatos dos dispositivos eletromecânicos com ruptura positiva. Fonte de consulta google 06-03/2015 Contator CONTATOR: Trata-se de uma chave eletromagnética que tem como função manobrar (ligar e desligar) cargas elétricas como motores, iluminação, banco de capacitores, resistências e circuitos auxiliares, entre outras.

18 REQUISITOS DE SEGURANÇA - RUPTURA POSITIVA Em geral, é requisitado componentes bem testados para aplicação de segurança: Contatores e relés com contatos positivamente guiados. Contatos dos dispositivos eletromecânicos com ruptura positiva.

19 DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA Adicionar relés de segurança para atender a norma de segurança; Adicionar 2 relés térmicos na saída do inversor para monitoramento independente dos motores (proteção); Adicionar 1 DR; Adicionar 1 chave de bloqueio; Dispositivo DR: Este dispositivo detecta fugas de corrente, quando ocorre vazamento de energia dos condutores, desarmando o disjuntor onde está ocorrendo o problema, evitando que uma pessoa possa levar um choque. Relé de Térmico: Esse tipo de relê, atua como dispositivo de proteção, controle ou comando do circuito elétrico, atua por efeito térmico provocado pela corrente elétrica. Chave de bloqueio: Este dispositivo impede que o equipamento seja energizado assim evitando possíveis acidentes e também evitam a reinicialização da mesma, a não ser que o bloqueio seja liberado. Relé de segurança: São utilizados para monitoração de chaves de parada de emergência e portas de proteção. O dispositivo DR: (Diferencial Residual) protege as pessoas contra os efeitos do choque elétrico por contato direto ou indireto (causado por fuga de corrente). Ao detectar uma fuga de corrente na instalação, o dispositivo DR desliga o circuito imediatamente.

20 REQUISITOS DE SEGURANÇA Tensão de interface com operador 24VDC exemplo: botões, seletoras, leds, luminária, interruptores de porta, IHM; Indicação de tensão (380 VAC) no Painel Principal; Monitoramento de tensão de entrada do inversor de frequência (proteção); Relé térmico para proteção elétrica dos motores (individuais); Inversor de frequência monitorando tensão e operação dos motores; Todos componentes eletrônicos possuem interface de indicação de energização (Led). Aterramento do Painel Principal e Periféricos;

21 FERRAMENTA DE APOIO PARA CÁLCULO DO PL. O BGIA (Alemanha) desenvolveu um programa informático para cálculo do PL. Este software está disponível, em versão inglesa ou alemã, para download gratuito em:

22 SERVIÇOS SOLICITADOS AOS FORNECEDORES DICA Homologação do protótipo; Fornecimento de documentação necessária; Teste do equipamento fornecido; Fornecimento de treinamento; Suporte Técnico Help Desk; Suporte Técnico em campo.

23 IDENTIFICAÇÃO DE ITENS NORMATIVO NO EQUIPAMENTO - ILUSTRATIVO E VÍDEOS TÉCNICOS.

24 CABINE PARA OPERADOR Função: Mantém o operador isolado da carga, sendo também o local onde o mesmo executa os comandos de movimentação da cabina. Abertura mínima do alçapão 0,6 x0,6 m. NR Elevadores de Transporte de Materiais É proibido o transporte de pessoas nos elevadores de materiais tracionados à cabo, com exceção dos elevadores do tipo cremalheira, onde somente o operador é o responsável pelo material a ser transportado, podem subir junto com a carga, desde que fisicamente isolados da mesma. ABNT NBR Portas não perfuradas, quando instaladas, devem conter um visor. Esse visor deve ter uma área de pelo menos 250 cm 2, dimensionada e localizada de modo que seja possível ver a borda do pavimento. (Pag. 25)

25 FECHAMENTO SIMPLES Função: Evitar o acesso de pessoas sob a cabine e/ou contato com a mesma em movimento. O acesso à cabine é feito por uma porta dotada de chave de segurança eletromecânica, duplo canal, contatos NF, ruptura positiva, monitorada por interface de segurança. Nota: Possui uma outra porta de acesso exclusivamente para manutenção e com travamento por cadeado. ABNT NBR Fechamento da base do elevador O fechamento da base do elevador deve proteger todos os lados até uma altura de pelo menos 2 metros e deve atender ao estabelecido em da ABNT NBR NM ISO 13852:2003, Tabela 1.. (pág. 20)

26 CANCELA Função: Permitir o acesso a cabina do elevador somente quando a mesma estiver nivelada com o pavimento. Fechamento/abertura da cancela por sistema chave de segurança com bloqueio, duplo canal, contatos NF, com ruptura positiva, monitoradas por interface de segurança". ABNT NBR Dispositivo de travamento da porta de pavimento Portas de pavimento atendendo ao estabelecido em (portas com altura plenas). a) Abrir qualquer porta de pavimento, a não ser que o piso da cabina esteja dentro de +/- 25 mm desse pavimento. b) Partir ou manter a cabina em movimento, a não ser que todas as portas dos pavimentos estejam na posição fechada, exceto quanto ao caso indicado em , no qual é utilizado renivelamento como meio antideslize. (pág. 23)

27 CANCELA - MEDIDAS Item normativo ABNT NBR :

28 INSTALAÇÃO CANCELAS

29 CONJUNTO DE LIMITES Função: Realizam o monitoramento das portas e do alçapão da cabine. Apenas permitem o funcionamento do elevador quando todas as portas e o alçapão estejam devidamente fechados. NR Os elevadores de carga e passageiros devem dispor no mínimo dos seguintes itens de segurança: Vide prazo no Art. 2º da Portaria MTE n.º 644, de 09 de maio de a) intertravamento das proteções com o sistema elétrico, através de chaves de segurança com ruptura positiva, que impeça a movimentação da cabine quando: I. a(s) porta(s) de acesso da cabine não estiver (em) devidamente fechada(s); II. a rampa de acesso à cabine não estiver devidamente recolhida no elevador do tipo cremalheira; e III. a porta da cancela de qualquer um dos pavimentos ou do recinto de proteção da base estiver aberta;

30 FREIO DE EMERGÊNCIA Função: Atua automaticamente quando a velocidade da cabina atinge uma determinada velocidade acima de sua velocidade nominal. Seus dois limites de curso quando acionados são responsáveis por interromper o sistema elétrico impedindo a movimentação da cabina. ABNT NBR Freios de segurança contra queda da cabina. (Pag. 27) NR Deve ser realizado teste dos freios de emergência dos elevadores na entrega para início de operação e, no máximo, a cada 90 noventa dias, devendo o laudo referente a estes testes ser devidamente assinado pelo responsável técnico pela manutenção do equipamento e os parâmetros utilizados devem ser anexados ao Livro de Inspeção do Equipamento existente na obra. (Inserido pela Portaria SIT n.º 296, de 16 de dezembro de 2011) NR Os elevadores de carga e passageiros devem dispor no mínimo dos seguintes itens de segurança: Vide prazo no Art. 2º da Portaria MTE n.º 644, de 09 de maio de b) dispositivo eletromecânico de emergência que impeça a queda livre da cabine, monitorado por interface de segurança, de forma a freá-la quando ultrapassar a velocidade de descida nominal, interrompendo automática e simultaneamente a corrente elétrica da cabine;

31 LIMITADOR DE CARGA DIGITAL Função: Interpretar o sinal vindo da célula de carga, tipo pino dinamômetro, sendo utilizado para ajustar o limite de carga de trabalho do elevador. Nota: Tem possibilidade de limitar a carga nominal de10% até 100%. Montagem do pino entre motorização e cabina.. Central de controle. Pino dinamômetro. ABNT NBR Dispositivo de detecção de sobrecarga Deve ser provido um dispositivo de detecção de sobrecarga que dê um sinal claro na cabina e evite a partida normal, na eventualidade de sobrecarga na cabina. A sobrecarga ocorre quando a carga nominal é excedida. Esta Norma especifica um método de detecção de sobrecarga, mas não exige que seja provido um dispositivo de detecção de momento excessivo, uma vez que o momento é abordado pelos cálculos de estabilidade e tensões (5.2) juntamente com o dispositivo de detecção de sobrecarga. Não pode haver de o usuário cancelar a advertência. A detecção de sobrecarga deve ser realizada pelo menos enquanto a cabina estiver estacionária. (pág. 28).

32 MOLAS PARA CHOQUES Função: Amortecer o impacto da cabine na velocidade nominal, caso os limites inferiores não atuem ou ainda estejam no procedimento de ajuste. NR Os elevadores do tipo cremalheira devem ser dotados de amortecedores de impacto de velocidade nominal na base caso o mesmo ultrapasse os limites de parada final. ABNT NBR Para-choques Os percursos da cabina e do contrapeso devem ser limitados na parte inferior de seus percursos por para-choques. (pág. 20)

33 BATENTES FIM DE CURSO Função: Responsáveis por acionar os limites de subida, descida, limite de segurança inferior e superior e desaceleração do elevador. São instalados na extremidades inferior e superior da torre. NR O elevador de passageiros deve dispor de: a) Interruptor nos fins de curso superior e inferior, conjugado com freio automático eletromecânico; (Redação vigente até 09/05/ Vide Portaria MTE n.º 644, 09 de maio de 2013) interruptor nos fins de curso superior e inferior monitorado através de interface de segurança; (Redação vigente a partir de 10/05/ Vide Portaria MTE n.º 644, 09 de maio de 2013) NR Os elevadores de carga e passageiros devem dispor no mínimo dos seguintes itens de segurança: (Vide prazo no Art. 2º da Portaria MTE n.º 644, de 09 de maio de c) Chave de segurança monitorada através de interface de segurança, ou outro sistema com a mesma categoria de segurança, que impeça que a cabine ultrapasse a última parada superior ou inferior;

34 TRAVA MECÂNICA Função: Impedir que a cabina desprenda acidentalmente da torre do elevador nos estágios de operação ou no processo de montagem ou desmontagem. NR Os elevadores de carga e passageiros devem dispor no mínimo dos seguintes itens de segurança: Vide prazo no Art. 2º da Portaria MTE n.º 644, de 09 de maio de d) nos elevadores do tipo cremalheira, de dispositivo mecânico, que impeça que a cabine se desprenda acidentalmente da torre do elevador.

35 PLACA DE IDENTIFICAÇÃO ABNT NBR Informações ao usuário Informações sobre capacidade e projeto Carga de trabalho; velocidade nominal; altura máxima desamarrada admissível em serviço e posição fora de serviço; altura de levantamento máximo, torre desamarrada; altura de levantamento máximo torre amarrada; distância das amarrações; Balanço superior da torre; velocidade máxima admissível do vento durante montagem e desmontagem... Ver em norma o restante. (pág. 53)

36 INVERSOR DE FREQUÊNCIA MODELO FUJI Função: Atende a categoria 3: Possui entrada de segurança que garante a não condução de corrente elétrica para os motores, caso haja falha de segurança em qualquer dispositivo monitorado. Tem inúmeras funções. O grande diferencial de sua utilização é o de suavizar as partidas/paradas do elevador, evitando o desgaste prematuro do sistema de motorização (motor/freio/redutor/pinhão), acionamento do sistema de abertura dos freios dos motores, controlando a velocidade da cabina e monitorando as condições elétricas do motor. Vantagens de usar o inversor: Redução do consumo de energia (Partida direta: o motor consome de 8 a 12 vezes a corrente nominal na partida, o inversor consome de 1,5 a 2 vezes a corrente nominal) Eliminação de componente para realizar controle (Contatores de potências e reles de interfaces) Controle de corrente, tensão e torque do motor partidas suaves controláveis. Vantagem: Melhor conforto na operação, prolonga a vida útil da motorização e demais componentes de desgastes.

37 DIMENSIONAMENTO DO INVERSOR DE FREQUÊNCIA. Aplicação Ciclo de trabalho Tipo de carga Tipo de controle Corrente e Potencia Nominal do Motor Tensão do Motor Tensão da alimentação do Inversor Tensão de alimentação Tensão de saída 110V 1F 220V 1F 220V 3F Fonte de consulta google 05-03/2015 Termograma de resistor de frenagem. 220V 3F 440V 3F 440V 3F O Resistor de frenagem deve ficar em local protegido do tempo, com boa ventilação, de modo que não adicione risco adicionais (choque elétrico e/ou queimadura). Função: Dissipa em forma de calor a energia gerada na movimentação de descida da cabine. (Proteção para o Inversor de Frequência).

38 MÓDULOS Função: Responsável por interromper o percurso do pinhão na cremalheira caso todos os dispositivos de segurança falhem. Montado sobre o ultimo módulo com cremalheira. Duas cremalheiras Uma cremalheiras Módulo Cego NR Nos elevadores do tipo cremalheira o último elemento da torre do elevador deve ser montado com a régua de cremalheira invertida, de modo a evitar o tracionamento da cabina.

39 CREMALHEIRA INVERTIDO Acionamento dos dois pinhões na cremalheira 1 pinhão fora do cremalheira no módulo sem cremalheira Interferência do rolete de encosto na Cremalheira invertido. Risco de acidente

40 POSICIONAMENTO DO ROLETE DE ENCOSTO SOBRE O CREMALHEIRA. Rolete de encosto Cremalheira montado em serie Último cremalheira invertida ATENÇÃO: Interferência do rolete de encosto na cremalheira invertido. Risco de acidente

41 ATRIBUIÇÕES DO OPERADOR NR Movimentação e transporte de materiais e pessoas. São atribuições do operador: a) manter o posto de trabalho limpo e organizado; b) instruir e verificar a carga e descarga de material e pessoas dentro da cabine; c) comunicar e registrar ao engenheiro responsável da obra qualquer anomalia no equipamento; d) acompanhar todos os serviços de manutenção enquanto executados no equipamento. NR Todos os equipamentos de movimentação e transporte de materiais e pessoas só devem ser operados por trabalhador qualificado, o qual terá sua função anotada em carteira de trabalho.

42 ELEVADORES A CABO DE AÇO NBR16200 PRINCIPAIS ADEQUAÇÕES ELEVADORES ANTIGOS..

43 PRINCIPAIS ADEQUAÇÕES DOS ELEVADORES A CABO DE AÇO. ABNT NBR 16200: Principais itens que envolvem a adequações dos elevadores de obra para transporte de pessoas com um único cabo de tração (antigos) para atender a norma ABNT NBR

44 ADEQUAÇÕES DOS ELEVADORES A CABO DE AÇO. 1 - Principais modificação da torre/cabina. Os freios de emergência da cabina deverão atuar em guias rígidas (perfis), não sendo mais aceito a atuação em cabos de aço. ABNT NBR Freios de segurança contra queda da cabina O freio de segurança deve estar sempre operacional, inclusive na montagem, desmontagem e durante a rearmação, se estiver desarmado. Nenhum dos componentes de acionamento normal, com exceção de cremalheira, pode ser utilizado como freio de segurança de sobrevelocidade. O freio de segurança não pode atuar em elemento flexível. (pág. 27)

45 ADEQUAÇÕES DOS ELEVADORES A CABO DE AÇO. 2 - Utilização de 2 cabos de tração. Isto implica na alteração da forma construtiva da torre/cabina, da viga superior, do suporte da roldana louca e do guincho dos elevadores com um único cabo de tração. ABNT NBR Cabos Requeridos para suspensão da cabina e do contrapeso Devem ser utilizados pelo menos dois cabos de aço independentes um do outro. Quando forem utilizados efeitos de tração de cabo, o número a ser levado em conta é o de cabos e não de ramos. (pág. 32)

46 ADEQUAÇÕES DOS ELEVADORES A CABO DE AÇO. 3 Principal modificação na viga superior. A viga deverá possuir 4 roldanas em alteração e considerando que elas deverão ter a relação diâmetro do cabo de aço x diâmetro da roldana, maior ou igual a 30 vezes.

47 ADEQUAÇÕES DOS ELEVADORES A CABO DE AÇO. 4 Principal alteração do suporte da roldana louca. Deverá ser utilizado único suporte (alteração do comprimento do eixo) ou 2 suporte independentes.

48 ADEQUAÇÕES DOS ELEVADORES A CABO DE AÇO. 5 Principais modificações no guincho. 1. O guincho deverá ter 2 carreteis ou um carretel comprido com separação no meio 2. A relação diâmetro do cabo de aço x diâmetro do carretel também deve ser maior ou igual a 30 vezes como as roldanas. 3. O carretel deve ser ranhurado (canal para acomodação do cabo de aço). Atual Solicitado ABNT NBR Requisitos de acionamento por tambor O tambor deve ser ranhurado. O ângulo de desvio dos cabos de aço com relação às ranhuras não pode exceder 4.A profundidade da ranhura não pode ser menor que 1/3 do diâmetro nominal do cabo de aço. (pág. 35)

49 ADEQUAÇÕES DOS ELEVADORES A CABO DE AÇO. 5 Principais modificações no guincho. 1. O carretel poderá ter no máximo 2 camadas de cabo de aço, sendo que para utilização da 2ª camada o guincho deverá possuir um dispositivo ordenador de enrolamento. Isso implicar em menor capacidade de cabo de aço e automaticamente em uma pequena altura de torre. Imagem tirada da internet ABNT NBR Requisitos de acionamento por tambor Os cabos de aço só podem ser enrolados em uma,única camada, a não ser que seja utilizado um sistema automático de bobinamento em tambor da cabo de aço, onde são permitidos duas camadas. (pág. 35)

50 ADEQUAÇÕES DOS ELEVADORES A CABO DE AÇO Primeiramente ela definiu a condição de transição dos elevadores a cabo de aço para transporte de pessoas (Item a ), que resumo da seguinte maneira: - Foi dado aos elevadores de obra para transporte de passageiros com um único cabo de tração (elevadores já comercializados pela Mecan e outros fabricantes) mais um ano após a publicação da portaria, ou seja, até 10/05/ Para estes elevadores, desde queinstalados até 10/05/2014, foi dado mais um prazo de 1 anos para serem utilizados, ou seja, até 10/05/2015, não podendo mais utiliza-los para esta aplicação (transporte de passageiros) após esta data. -Determinaqueoselevadoresacabodeaçoasereminstaladosapós10/05/2014jádevematenderanorma técnica NBR da ABNT. - Registra que estas regulamentações não se aplicam aos elevadores de obra para transporte de materiais e nem aos elevadores definitivos para transporte de passageiros(elevadores sociais das edificações prontas) NR São permitidas por 12 meses, contados da publicação desta portaria, a instalação e a utilização de elevador de passageiros tracionado com um único cabo, desde que atendidas às disposições da NR-18. (Inserido pela Portaria MTE n.º 644, de 09 de maio de 2013) NR As disposições do item e seus subitens não se aplicam a elevadores definitivos tracionados a cabo utilizados para transporte vertical de pessoas, nem a elevadores provisórios tracionados a cabo para transporte de materiais. (Inserido pela Portaria MTE n.º 644, de 09 de maio de 2013)

51 ADEQUAÇÕES DOS ELEVADORES A CABO DE AÇO Atenção: Pela NR-18 em vigor (Portaria MTE nº 644 publicada 10/05/2013), tanto os elevadores para transporte de passageiros como os para transporte de materiais, não poderão ser utilizados a partir de 10/05/2015 na forma construtiva atual. É importante ressaltar que a citada portaria definiu que os elevadores a cabo para transporte de pessoas o atendimento a NBR para os que foram instalados após 10/05/2014 e ressaltando que a disposição transitória do Item Os elevadores de transporte vertical de material ou de pessoas devem atender às normas técnicas vigentes no país e, na sua falta, ás normas técnicas internacionais vigentes a entrar em vigor a partir de 10/05/2015 determinará a proibição dos antigos elevadores para transporte de materiais, uma vez que os mesmos não possuem norma técnica nacional ou internacional que os contemplem. NR Os equipamentos de transporte vertical de materiais e pessoas devem ser projetados, dimensionados e especificados tecnicamente por profissional legalmente habilitado. (Redação vigente até 09/05/ Vide Portaria MTE n.º 644, 09 de maio de 2013 publicada em 10/05/2013)

52 DATA DA PUBLICAÇÃO DA PORTARIA TEM Nº 644

53 Elevadores de pessoas ou materiais a cabo de aço devem atender também a NBR /2013 desde 10/05/2014 (condição regulamentada pela Portaria MTE nº 644 de 10/05/2013). Elevadores de pessoas ou materiais (A CABO), instalados até 10/05/2015, tem até 31/12/2015 para se adaptar ao que estabelece o item seguir na íntegra. Elevadores de pessoas ou materiais (A CABO), instalado após 10/05/2015, devem atender item na íntegra. Os elevadores de pessoas ou materiais (CREMALHEIRA), instalados até 10/05/2015, devem atender ao disposto no item até o dia 31/12/2015. Os elevadores de pessoas ou materiais (CREMALHEIRA), instalados após 10/05/2015, devem atender ao disposto no item na íntegra. Clique para ver documento. Clique para ver documento. Clique para ver documento.

54 NORMAS DE SEGURANÇA SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NBR ELEVADORES DE CANTEIROS DE OBRAS PARA PESSOAS E MATERIAIS COM CABINA GUIADA VERTICALMENTE - REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO CONDIÇÃOES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

FÓRUM NORDESTE SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO JOÃO PESSOA, 24/02/2016

FÓRUM NORDESTE SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO JOÃO PESSOA, 24/02/2016 FÓRUM NORDESTE SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO JOÃO PESSOA, 24/02/2016 NOVAS EXIGÊNCIAS LEGAIS APLICÁVEIS AOS ELEVADORES DE OBRAS ANTONIO PEREIRA DO NASCIMENTO SRTE-SP

Leia mais

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS 1. OBJETIVO Esta apresentação tem por objetivo estabelecer diretrizes mínimas para assegurar a implementação de medidas preventivas e de proteção para a utilização de Elevadores de Tração a Cabo e Cremalheiras,

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS Página: 1 de 13 Texto final APROVADO pelo CPN em 2 SET de 2010, considerando a Nota Técnica O66 2010- DSST/SIT/MTE ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais

Leia mais

Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 INFORMATIVO 13/2015

Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 INFORMATIVO 13/2015 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di INFORMATIVO 13/2015 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS COM RADIAÇÕES IONIZANTES OU SUBSTÂNCIAS RADIOATIVAS: MTE DIVULGA NOTA EXPLICATIVA Portaria MTE nº

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS ELEVADOR A CABO ELEVADOR DE CREMALHEIRA Elevador de cremalheira e pinhão Maior custo compra / aluguel; Maior padrão de segurança;

Leia mais

Elevador de Cremalheira. ELC001-F - Catálogo Técnico 2015

Elevador de Cremalheira. ELC001-F - Catálogo Técnico 2015 Elevador de Cremalheira ELC001-F - Catálogo Técnico 2015 Conheça o Elevador de Cremalheira ELC001-F! Porque utilizar o Elevador de Cremalheira ELC001-F em minha obra? Vivemos em uma época em que a maioria

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

PALESTRA NR 12: Suas alterações e as mudanças de paradigmas. Eng. Almir Buganza. Grupo Rumo Engenharia 18/11/2014

PALESTRA NR 12: Suas alterações e as mudanças de paradigmas. Eng. Almir Buganza. Grupo Rumo Engenharia 18/11/2014 PALESTRA NR 12: Suas alterações e as mudanças de paradigmas Eng. Almir Buganza Grupo Rumo Engenharia 18/11/2014 Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Sócio do Grupo Rumo Engenharia

Leia mais

Artigo Técnico: Startup de Elevadores

Artigo Técnico: Startup de Elevadores Artigo Técnico: Startup de Elevadores Problemas enfrentados no início de operação de elevadores instalados em edifícios existentes modernização ou substituição dos equipamentos em edificações habitadas.

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

SISTEMAS DE SEGURANÇA NOS ELEVADORES DE OBRAS Antonio Pereira do Nascimento

SISTEMAS DE SEGURANÇA NOS ELEVADORES DE OBRAS Antonio Pereira do Nascimento SISTEMAS DE SEGURANÇA NOS ELEVADORES DE OBRAS Antonio Pereira do Nascimento Elevador de obras Elevadores a cabo A introdução dos de cremalheira Revisão da NR-18 Elevador para canteiro de obras : instalação

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas (Item 18.14.1 ao 18.14.23.6 com redação dada pela Portaria SIT n.º 224, de

Leia mais

18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas (Item 18.14.1 ao 18.14.23.6 com redação dada pela Portaria SIT n.º 224, de 06 de maio de 2011)

18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas (Item 18.14.1 ao 18.14.23.6 com redação dada pela Portaria SIT n.º 224, de 06 de maio de 2011) 18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas (Item 18.14.1 ao 18.14.23.6 com redação dada pela Portaria SIT n.º 224, de 06 de maio de 2011) 18.14.1 As disposições deste item aplicam-se à instalação,

Leia mais

- Instalações de máquinas conforme especificação do fabricante. - Máquinas móveis, mínimo dois rodízios com trava.

- Instalações de máquinas conforme especificação do fabricante. - Máquinas móveis, mínimo dois rodízios com trava. NR 12 NR 12 NR 12 NR 12 NR 12 NR 12 NR 12 NR 12 NR 12 NR 12 Máquinas devidamente fixadas (conforme instruções do fabricante (manual em português)) Piso limpo e livres de objetos - Instalações de máquinas

Leia mais

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Altera a Norma Regulamentadora n.º 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO,

Leia mais

6. Ou seja, estes equipamentos devem ser projetados, dimensionados e especificados tecnicamente. por profissional legalmente habilitado, não sendo

6. Ou seja, estes equipamentos devem ser projetados, dimensionados e especificados tecnicamente. por profissional legalmente habilitado, não sendo I -= '~ ~ ~.,...' Seeretaria de Inspeçao do Trabalho' Departamento 'de Segurança e Saúde no Trabalho 'Coordenação-Geral de Nom~atização e Programas NOTA TÉCNICA NQ.Lê> JL /2015/CGNOR/DSST/SIT Interessado:.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas (Item 18.14.1 ao 18.14.23.6 com redação dada pela Portaria SIT n.º 224, de

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas (Item 18.14.1 ao 18.14.23.6 com redação dada pela Portaria SIT n.º 224, de

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL

ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL PARA SER INSTALADO NO EDÍFICIO DO ESCRITÓRIO REGIONAL DA ANATEL EM FORTALEZA-CE.

Leia mais

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail:

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: Texto Proposto Comentário Nossa Proposta Justificativa Técnica Dobradeiras

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Fernando A. Ishida Tharik Honda Luan Felipe

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

Cuidados na Montagem e Manutenção de Elevadores de Obra Tracionados a Cabo de Aço (30 Min.)

Cuidados na Montagem e Manutenção de Elevadores de Obra Tracionados a Cabo de Aço (30 Min.) Cuidados na Montagem e Manutenção de Elevadores de Obra Tracionados a Cabo de Aço (30 Min.) Júlio C. Peixoto ( Engo. Mecânico RT) Locguel Ltda. e-mail : jpeixoto@locguel.com.br Sul Curitiba Centro Oeste

Leia mais

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

www.siemens.com/sion Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1 Equipamento de média tensão Catálogo HG 11.02 2014 Answers for infrastructure and cities.

www.siemens.com/sion Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1 Equipamento de média tensão Catálogo HG 11.02 2014 Answers for infrastructure and cities. www.siemens.com/sion Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 Equipamento de média tensão Catálogo HG 11.0 014 Answers for infrastructure and cities. Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 R-HG11-8.tif Siemens HG

Leia mais

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho 1 ME-01 REV00 13 3 1 2 14 9 10 12 4 5 6 7 11 8 1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho da porta

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 -

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - T e c n o l o g i a Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Kit de Máquinas Elétricas Rotativas -

Leia mais

Disjuntor a Vácuo uso Interno

Disjuntor a Vácuo uso Interno Disjuntor a Vácuo uso Interno D27 - U 1 Sumário 1. Aplicação... 3 2. Condições Normais de Serviço... 4 3. Principais Parâmetros Técnicos... 4 4. Estrutura e Operação do Disjuntor... 5 4.1. Estrutura Geral:...

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

PORTARIA N.º 224, DE 6 DE MAIO DE 2011 (DOU de 10/05/2011 Seção I pág. 117)

PORTARIA N.º 224, DE 6 DE MAIO DE 2011 (DOU de 10/05/2011 Seção I pág. 117) PORTARIA N.º 224, DE 6 DE MAIO DE 2011 (DOU de 10/05/2011 Seção I pág. 117) Altera o item 18.14 e o subitem 18.15.16 da Norma Regulamentadora n.º 18, aprovada pela Portaria MTb n.º 3.214, de 8 de junho

Leia mais

PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL

PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto.

Leia mais

Melhorar a qualificação dos serviços de montagem, desmontagem, instalação e manutenção dos equipamentos.

Melhorar a qualificação dos serviços de montagem, desmontagem, instalação e manutenção dos equipamentos. Texto atual Texto proposto Motivo da alteração Movimentação e Transporte de materiais e pessoas novo Este item aplica-se a instalação, montagem, desmontagem, operação, teste, manutenção e reparos em elevadores

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1)

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) PROF. WESLEY DE ALMEIDA SOUTO wesley@cefetba.br 03/ 2004 1. INTRODUÇÃO A representação

Leia mais

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR www.mastertec.ind.br 1 ÍNDICE 1. Recursos:... 3 2. Condições de funcionamento:... 3 3. Características técnicas:... 3 4. Características construtivas:... 3 5. Diagrama

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DOS DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA INDUSTRIA DE MÁQUINAS ERPS LTDA MÁQUINA DE MONTAR BICOS MODELO: MAP 21 N 9210258

LAUDO TÉCNICO DOS DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA INDUSTRIA DE MÁQUINAS ERPS LTDA MÁQUINA DE MONTAR BICOS MODELO: MAP 21 N 9210258 LAUDO APENAS PARA FINS DE CONSULTA. HAVENDO NECESSIDADE SOLICITAR CÓPIA FÍSICA LAUDO TÉCNICO DOS DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA INDUSTRIA DE MÁQUINAS ERPS LTDA MÁQUINA DE MONTAR BICOS N 9210258 Novo Hamburgo

Leia mais

Associação Brasileira das Empresas Locadoras de Bens Móveis

Associação Brasileira das Empresas Locadoras de Bens Móveis Texto atual Texto proposto Motivo da alteração Movimentação e Transporte de materiais e pessoas Este item aplica-se a instalação, montagem/desmontagem, operação, teste, manutenção e reparos em elevadores

Leia mais

Aula prática 01 Partida direta de motor monofásico

Aula prática 01 Partida direta de motor monofásico Curso de Tecnologia em Manutenção Industrial Disciplina de Instalações Elétricas Industriais Parte Prática Turma: ET32K N12. Professor Clovis Aula prática 01 Partida direta de motor monofásico OBJETIVO:

Leia mais

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m TADANO GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N TS-300BR TS-300BR DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m LANÇA 4 seções, 9,8 m - 31,0 m DIMENSÕES GERAIS Comprimento

Leia mais

Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador)

Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador) Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador) Nota: As especificações técnicas abaixo são um modelo a ser adaptado para cada caso. ELEVADOR ELÉTRICO AUTOMÁTICO PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1. Equipamento de média tensão. Totally Integrated Power SION. Catálogo HG 11.02. Edição 2015. siemens.

Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1. Equipamento de média tensão. Totally Integrated Power SION. Catálogo HG 11.02. Edição 2015. siemens. Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 Equipamento de média tensão Totally Integrated Power SION Catálogo HG 11.0 Edição 015 siemens.com/sion Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 R-HG11-8.tif Siemens HG 11.0

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos. 2012 ROSS South America Ltda

Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos. 2012 ROSS South America Ltda Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos Prensa Pneumática Comandada por Válvula Convencional 5/2 vias Simples Solenóide Escape Área de pilotagem conectada à atmosfera através

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 4. Disjuntor 145 kv 02 4.1. Objetivo 02 4.2. Normas 02 4.3. Escopo de Fornecimento 02 T- 4.1. Tabela 02 4.4. Características Elétricas 02 4.5. Características Operativas 03 4.5.1.

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD

Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD Dimensões Máquina básica com carro inferior R 9760 3650 10000 5480 3675 2445 1810 3950 1610 1700 7945 9360 3975 1720 R 6360 1100 6800 620 17380 Peso operacional

Leia mais

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO MEMORIAL TÉCNICO: TROCA DE TRANSFORMADOR, CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO EM POSTE SIMPLES COM CABINA DE MEDIÇÃO INDIRETA EM BT DE ENERGIA ELÉTRICA E ADEQUAÇÃO AS NORMAS VIGENTES USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO

Leia mais

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL.

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. PAINEL DE CONTROLE Responsável pelo processamento, interfaceamento e monitoração de todos

Leia mais

Manual de Uso Seguro do Elevador

Manual de Uso Seguro do Elevador Manual de Uso Seguro do Elevador Propriedade da RIS Consultoria. Permitida a reprodução desde que integral, sem revisões e citada a fonte. O Elevador é uma caixa pendurada por cabos de aço com um contrapeso.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250

MANUAL DO USUÁRIO. DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250 MANUAL DO USUÁRIO DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250 INTRODUÇÃO Parabéns por adquirir o Desumidificador Air Life KOMECO, desenvolvido para oferecer maior conforto e bem-estar com muito mais economia de energia.

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

Console Bimanual CBM-W

Console Bimanual CBM-W Fabricado por Sensores Eletrônicos Instrutech 11 5031-5188 CBM CONSOLE BIMANUAL PULSO AJUSTE POWER S1 OUTPUT S2 MANUAL DO USUÁRIO Console Bimanual CBM-W Console Bimanual para acionamento em máquinas operatrizes

Leia mais

PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998

PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998 PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998 MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe confere o

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais e de pessoas

Leia mais

ER900 & ES900 ESCADAS ROLANTES & ESTEIRAS

ER900 & ES900 ESCADAS ROLANTES & ESTEIRAS ER900 & ES900 ESCADAS ROLANTES & ESTEIRAS www.grupojmms.com A solução perfeita para sua demanda e necessidade. Nossas soluções buscam trazer benefícios e segurança para seu empreendimento. Uma escolha

Leia mais

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo;

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo; 1) BANCADA PRINCIPAL MODELO POL-110 Fabricada em estrutura de alumínio, constituída por dois postos de trabalho que servirão de base para utilização de qualquer um dos kits didáticos a serem adquiridos.

Leia mais

18.14.6 Os acessos da obra devem estar desimpedidos, possibilitando a movimentação dos equipamentos de guindar e transportar. (118.

18.14.6 Os acessos da obra devem estar desimpedidos, possibilitando a movimentação dos equipamentos de guindar e transportar. (118. 18.14. Movimentação e transporte de materiais e pessoas. 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais e de pessoas devem ser dimensionados por profissional legalmente habilitado. (118.256-0

Leia mais

MANUAL REDE CABEADA UTP

MANUAL REDE CABEADA UTP MANUAL REDE CABEADA UTP volt.ind.br 1-QUADRO COMPLETO 2-DISJUNTOR 3-PROTETOR ELÉTRICO 4-FONTE PRIMÁRIA VT 800 5-BATERIAS 6-PD (PONTO DE DISTRIBUIÇÃO) volt.ind.br Pág. 1 1-QUADRO COMPLETO: Equipado por

Leia mais

T.D.B. do Brasil Indústria e Comércio Ltda.

T.D.B. do Brasil Indústria e Comércio Ltda. TDB CAMINHÃO - GUINDASTE 30 TONELADAS MÉTRICAS T.D.B. do Brasil Indústria e Comércio Ltda. Rua Doutor Djalma Pinheiro Franco, n 829 Vila Santa Catarina São Paulo SP CEP: 04368-000. Telefone: ( 0xx11 )

Leia mais

MSI-RM2 Relês de segurança

MSI-RM2 Relês de segurança MSI-RM2 Relês de segurança PT 2010/11-607402 Reservados os direitos de alterações técnicas IMPLEMENTAR E OPERAR DE MODO SEGURO Manual de instruções original Módulo relê para dispositivos optoeletrônicos

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

Elevador. Cremalheira

Elevador. Cremalheira Elevador Cremalheira Shandong Yongli Industry Science & Technology Development Co., Ltd Shandong Yongli Industry Hois ng Machinery Co., Ltd Área de Montagem Vista da Oficina A INDÚSTIA Shandong Yongli

Leia mais

Manual de Instalação e Operações

Manual de Instalação e Operações Manual de Instalação e Operações Acionador On/Off Bivolt Sistema de Aquecimento para banheira de hidromassagem PARA SUA SEGURANÇA: Antes de Instalar este produto, leia atentamente este manual de instruções.

Leia mais

Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 -

Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. ELETROTÉCNICA INTRODUÇÃO Bancada

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Central de Alarme Particionada

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Central de Alarme Particionada MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO AP6 Central de Alarme Particionada www.compatec.com.br 2 www.compatec.com.br 3 4. Dimensões do produto... 5. Conhecendo o seu produto... 7 5.1 Conhecendo as funções da central...

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10 NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 1. Introdução A Norma Regulamentadora n 10 é um documento que descreve um conjunto de procedimentos e requisitos para as atividades que envolvem

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE CONFORMIDADE SEGURANÇA DE MÁQUINAS

RELATÓRIO TÉCNICO DE CONFORMIDADE SEGURANÇA DE MÁQUINAS RELATÓRIO TÉCNICO DE CONFORMIDADE SEGURANÇA DE MÁQUINAS EMPRESA: Jzardo-ME ENDEREÇO: Rua sebastião Ferraz de Campos Junior,210 BAIRRO: Chácara Flora ESPECIFICAÇÃO: Equipamento destina à compactação de

Leia mais

TORRE TELESCÓPICA AUTO SUPORTADA DE 18 METROS TORRE TEMPORÁRIA TRANSPORTÁVEL COMPACTA SBF INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA.

TORRE TELESCÓPICA AUTO SUPORTADA DE 18 METROS TORRE TEMPORÁRIA TRANSPORTÁVEL COMPACTA SBF INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA. TORRE TELESCÓPICA AUTO SUPORTADA DE 18 METROS TORRE TEMPORÁRIA TRANSPORTÁVEL COMPACTA SBF INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA. PRODUTO SBF TTAS-18 DESCRITIVO TÉCNICO 1.1. Finalidade da Torre A Torre Telescópica Auto

Leia mais

SKYMSEN LINHA DIRETA. Ramais 2011 2012 2013. E-mail: at@siemsen.com.br

SKYMSEN LINHA DIRETA. Ramais 2011 2012 2013. E-mail: at@siemsen.com.br PRODUTOS METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairro: S o Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina Brasil Fone: +55 47 255 2000 Fax: +55 47 255 2020 www.siemsen.com.br - comercial@siemsen.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL. PORTARIA N.º 511, DE 29 DE ABRIL DE 2016 (DOU de 02/05/2016 Seção I Pág. 94)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL. PORTARIA N.º 511, DE 29 DE ABRIL DE 2016 (DOU de 02/05/2016 Seção I Pág. 94) MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL PORTARIA N.º 511, DE 29 DE ABRIL DE 2016 (DOU de 02/05/2016 Seção I Pág. 94) Inclui, na Norma Regulamentadora n.º 36 - Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

CO Miconic BX VVVF A Modernização definitiva à sua disposição. Modernização Schindler

CO Miconic BX VVVF A Modernização definitiva à sua disposição. Modernização Schindler CO Miconic BX VVVF A Modernização definitiva à sua disposição. Modernização Schindler A solução mais completa do mercado. Os elevadores projetados há alguns anos não contavam com dispositivos para evitar

Leia mais

Regras para Fabricantes. Texto Proposta

Regras para Fabricantes. Texto Proposta NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Regras para Fabricantes Texto Proposta 12.1.1. Esta Norma Regulamentadora e seus anexos definem referências técnicas, princípios fundamentais e

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA 2 SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA Com um conceito que busca facilidades, desenvolvemos uma plataforma cabinada, compacta e moderna, perfeita para o tipo de aplicação em estrutura de alvenaria. Com

Leia mais

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação descontínua de produtos moldados, por meio de injeção de material

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES

Leia mais

MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE DE SUBESTAÇÕES

MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE DE SUBESTAÇÕES Comitê de Estudo B3 Subestações Força Tarefa - Manutenção Centrada na Confiabilidade MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE DE SUBESTAÇÕES Comutadores de tap INTRODUÇÃO Os comutadores de tap são utilizados

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 4) «21. As Normas Regulamentares trazem especificações para diversas áreas técnicas a NR-10trata especialmente de qual área? a) Instalaçõeselétricasprediais.

Leia mais

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC.

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC. Manual de Instruções Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C A&C Automação e Controle Rua: Itápolis nº 84 SBC. SP CEP: 09615-040 Tel: (11) 4368-4202 Fax: (11) 4368-5958 E-mail: aec@aecautomacao.com.br

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Anexo II da NR-35 (Sistemas de Ancoragem)

CONSULTA PÚBLICA Anexo II da NR-35 (Sistemas de Ancoragem) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação do Anexo II da Norma Regulamentadora n.º 35

Leia mais

MinyScan Home. Leitor Manual de Código de Barras. Manual do Usuário Versão 2.0b. Data da Revisão: 26/08/05

MinyScan Home. Leitor Manual de Código de Barras. Manual do Usuário Versão 2.0b. Data da Revisão: 26/08/05 MinyScan Home Leitor Manual de Código de Barras Manual do Usuário Versão 2.0b Data da Revisão: 26/08/05 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APRESENTANDO O MINYSCAN HOME... 4 2.1. COMPOSIÇÃO... 4 3. INSTALANDO

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS ORIENTAÇÃO PARA USO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS Anexo 3 do PRO-3209-74-24-03 Pág.: 1 de 5 RECOMENDAÇÕES GERAIS: - Não serão permitidos eletricistas da contratada intervirem nas instalações da contratante,

Leia mais

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Fone: +55 (0 )47 255 2000 - Fax: +55 (0 )47 255 2020 Rua: Anita Garibaldi, nº 262 - Bairro: São Luiz - CP: 52 CEP: 88351-410 - Brusque - Santa Catarina -

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO Prof. Marcos Fergütz Março/2014 O CHOQUE ELÉTRICO OCORRE POR Fonte: www.google.com.br/imagem Fonte: SIEMENS Efeitos do Choque Elétrico

Leia mais

Serviço. Instruções de manutenção

Serviço. Instruções de manutenção Serviço Instruções de manutenção Serviço Instruções de manutenção Notas de assistência Edição 1 Esta publicação não está sujeita a nenhum serviço de alterações. Novas versões podem ser encontradas em

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Impactos da nova NR-18 em equipamentos de Transporte Vertical Rack Elevadores - Marketing. www.rackelevadores.com.br

Impactos da nova NR-18 em equipamentos de Transporte Vertical Rack Elevadores - Marketing. www.rackelevadores.com.br Impactos da nova NR-18 em equipamentos de Transporte Vertical Rack Elevadores - Marketing A Rack Elevadores 1 2 200 Empregados: 05 Engenheiros Técnicos 70 em produção 30 em montagem e manutenção 40 em

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. MEDIDAS DE SEGURANÇA APLICADAS NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO TEMPORÁRIO Autores: Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

PRODUTOS SUSTENTÁVEIS

PRODUTOS SUSTENTÁVEIS PRODUTOS SUSTENTÁVEIS ObjETIVOS A ThyssenKrupp Elevadores, em sintonia com as tendências mundiais em transporte vertical, está focada em sua responsabilidade socioambiental. Por isso, desenvolve produtos

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.28. Sistemas Mecânica Escadas Rolantes

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.28. Sistemas Mecânica Escadas Rolantes http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.28 Sistemas Mecânica Escadas Rolantes Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 4 4.

Leia mais