O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS"

Transcrição

1 O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS

2 Índice I Qual a extensão da nova lei (em número de artigos), face à anterior? II Quem pode ser titular de alvará ou certificado? III O alvará IV Validade do alvará V Requisitos exigidos para obtenção do alvará/requisitos de ingresso na atividade VI Requisitos exigidos para obtenção do alvará: IDONEIDADE COMERCIAL VII Requisitos exigidos para obtenção do alvará: CAPACIDADE TÉCNICA /Qualificações dos Técnicos VIII Articulação da Lei 41/2015 com a Lei nº 40/2015(Qualificações dos Técnicos) IX-Requisitos exigidos para obtenção do alvará: INCOMPATIBILIDADES DOS TÉCNICOS X Requisitos exigidos para obtenção do alvará: CAPACIDADE ECONÓMICO-FINANCEIRA XI Condições mínimas de permanência na atividade de construção/controlo oficioso XII Alvará de Empreiteiro geral e reconversão da classificação detida em EG nas subcategorias determinantes XIII Classes de alvarás XIV Categorias e subcategorias de trabalhos XV Título de Registo vs Certificado XVI Certificados e Alvarás Na HORA XVII Consórcios e agrupamentos de empresas XVIII-Obrigações dos donos de obra e entidades licenciadoras (Exigibilidade de habilitações) 2

3 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES DA NOVA LEI DOS ALVARÁS (Lei nº 41/2015, de 3 de junho) face ao Decreto-Lei nº 12/2004, de 9 de janeiro 3

4 I Qual a extensão da nova lei (em número de artigos), face à anterior? LEI ANTERIOR: 55 artigos NOVA LEI: 55 artigos e e 7 Portarias 3 Portarias (Portaria 119/2012 Classes de alvarás) SIM (Portaria nº 14/2004 Concessão do Título de Registo) NÃO (Portaria nº 15/2004 Taxas) SIM (Portaria nº 16/2004 Quadro mínimo de pessoal) NÃO (Portaria nº 18/2004 Documentos para instrução processos) NÃO (Portaria nº 19/2004 Categorias e subcategorias) NÃO (Portaria nº 274/2011 Indicadores financeiros) SIM 4

5 II Quem pode ser titular de alvará ou de certificado? LEI ANTERIOR (artigo 4.º, nº 3): Pessoas singulares ou coletivas cujo domicílio ou sede se situe em qualquer Estado do Espaço Económico Europeu e, sendo pessoa coletiva, tenha sido constituída ao abrigo da lei de qualquer desses Estados. NOVA LEI (artigo 4.º): a) Pessoas singulares cujo domicílio se situe em qualquer Estado do espaço económico europeu; b) Pessoas coletivas de natureza privada, cujo objeto social tenha caráter industrial ou comercial e cuja sede se situe em qualquer Estado do espaço económico europeu e tenham sido constituídas ao abrigo da lei de qualquer desses Estados; c) Pessoas singulares ou coletivas nacionais de qualquer Estado membro da Organização Mundial do Comércio, que se estabeleçam em Portugal, nomeadamente através de representação permanente em Portugal constituída ao abrigo da lei portuguesa, ou que executem obra pública nos termos do artigo 22.º. 5

6 III O alvará LEI ANTERIOR (artigo 4.º, nº 1): Alvará único que permite executar quer obras públicas, quer obras particulares. NOVA LEI (artigos 6 e 24.º): Dois tipos de alvará: Alvará para obras públicas (que também permitirá executar obras particulares); Alvará específico para obras particulares (que não permite a execução de obras públicas, nem mesmo na qualidade de subempreiteiro). Esta alteração de fundo é ditada pelo facto de a legislação comunitária que regula as obras públicas (Diretiva sobre Contratos Públicos) ser diferente da que regula as obras particulares (Diretiva Serviços), pelo que foi necessário diferenciar os requisitos de acesso e exercício da atividade de construção, consoante se trate de obra pública ou particular. 6

7 IV Validade do alvará LEI ANTERIOR (artigo 5.º): Alvará é válido por um período máximo de 1 ano, caducando no dia 31 de janeiro, se não for revalidado. NOVA LEI (artigos 6.º, nº 4 e 24.º, nº 4): Alvará é válido por tempo indeterminado, sem prejuízo do controlo oficioso do cumprimento dos respetivos requisitos e da possibilidade de cancelamento do mesmo; O controlo oficioso (iniciativa do InCI) é feito nos termos do artigo 15.º, em moldes idênticos aos atuais (janeiro/fevereiro). 7

8 V Requisitos exigidos para obtenção do alvará LEI ANTERIOR (artigo 7.º): Idoneidade Capacidade técnica Capacidade económica e financeira NOVA LEI (artigos 6.º e 24.º): Alvará de Empreiteiro de Obras Públicas: Alvará de Empreiteiro de Obras Particulares: Idoneidade comercial Idoneidade comercial Capacidade técnica X Capacidade económico-financeira Capacidade económico-financeira Seguro de acidentes de trabalho Seguro de acidentes de trabalho 8

9 VI Requisitos exigidos para obtenção do alvará: IDONEIDADE COMERCIAL LEI ANTERIOR (artigo 8.º): Falta de idoneidade: Condenação, por decisão transitada em julgado, em pena de prisão efetiva, por vários crimes Proibição de exercício do comércio ou atividade de construção Ter sido objeto de 3 condenações definitivas pela prática de ilícitos de mera ordenação social muito graves no âmbito deste diploma NOVA LEI (artigo 9.º): Falta de idoneidade: Empresas declaradas insolventes com registo na Conservatória do Registo Comercial, salvo se decretado judicialmente plano de insolvência; Condenação, por decisão transitada em julgado, em pena de prisão efetiva, por vários crimes (constantes do registo criminal e que tenham transitado em julgado há menos de 5 anos); Proibição de exercício do comércio ou atividade de construção; Ter sido objeto de 3 condenações definitivas pela prática de ilícitos de mera ordenação social 9 muito graves no âmbito deste diploma.

10 VII Requisitos exigidos para obtenção do alvará: CAPACIDADE TÉCNICA LEI ANTERIOR (artigo 9.º): Capacidade técnica aferida em função do número mínimo de técnicos na produção e na gestão da segurança, conforme determinado por Portaria (atualmente, a Portaria nº 16/2004, de 10 de janeiro); Matriz do Quadro Técnico. NOVA LEI (artigo 10.º e 24.º, nº 3): Alvará de Empreiteiro de Obras Públicas: Capacidade técnica aferida em função do número mínimo de técnicos na produção e na gestão da segurança, conforme determinado no ANEXO III à Lei; Alvará de Empreiteiro de Obras Particulares: Não é avaliada a capacidade técnica para efeitos de atribuição de alvará; A capacidade técnica deve ser aferida, obra a obra, em função da Lei nº 31/2009, de 3 de julho (com a nova alteração). 10

11 Notas 1 As qualificações mínimas exigidas aos técnicos referidos no quadro n.º 1 dependem das categorias e subcategorias de obras e trabalhos, nos termos do anexo I, para que a empresa de construção está habilitada. 2 O número mínimo de técnicos é aferido, por empresa, para a globalidade das obras e trabalhos que pode executar nos termos do alvará, certificado ou declaração de habilitação de que seja titular. Contudo, nos casos em que a empresa, contratando o número mínimo de técnicos conforme dispõe o quadro n.º 1 do presente anexo, ainda assim não disponha de técnicos com as qualificações mínimas exigidas nos termos do anexo I, atentas as categorias e subcategorias de obras e trabalhos para que está habilitada, é aquela obrigada a contratar tantos técnicos quantos os necessários para dispor das qualificações mínimas exigidas pelo anexo I. 11

12 Nota. Para efeito do cumprimento do número mínimo de pessoal de segurança é considerado o pessoal ao serviço de uma empresa de construção em regime de prestação direta ou integrada em serviço interno, comum ou externo de segurança e saúde no trabalho, nos termos das Leis n.os 102/2009, de 10 de setembro, e 42/2012, de 28 de agosto. 12

13 VII- Capacidade técnica /Qualificações dos técnicos exigidos para obtenção do alvará LEI ANTERIOR : Conforme determinado por Portaria (Portaria nº 16/2004, de 10 de janeiro). Ex.: Classe 1(CAP nível 2 ou superior) Classes 1 e 2 (CAP nível 3 ou superior) Até à classe 4 (ATAE e CET) Até à classe 5(Eng.º Técnico) ( ) Complementado com a Matriz QT em função das habilitações NOVA LEI (Anexo I e Nota relativa à qualificação dos técnicos) NOVIDADE: ATAE, CET, CAP e outros técnicos apenas até à classe 2 Níveis de qualificação profissional(oe e OET) e ou critérios de experiência profissional OA(Experiência profissional) 13

14 OA(Arq.º com 10 anos de experiência até à classe 9) OA(Arq.º com 5 anos de experiência até à classe 8) OA(Arq.º até à classe 6) OE (Eng.º Especialista, Sénior, Conselheiro, ou Eng.º c/10 anos de Experiência profissional até à classe 9) OE(Eng.º até à classe 8) OET(Eng.º Técnico Especialista e Sénior ou Eng.º Técnico com 13 anos de Experiência profissional até à classe 9) OET(Eng.º Técnico com 5 anos de experiência profissional até à classe 8) OET(Eng.º Técnico até à classe 6) NOVIDADE IMPORTANTE: CAP emitidos antes da entrada em vigor do DL nº 92/2011, de 27 de julho consideram-se emitidos sem qualquer período de validade! 14

15 VIII-Articulação da Lei 41/2015 com a Lei nº40/2015 (Qualificações dos técnicos) Qualificações direção de obra Qualificações direção de fiscalização de obra Qualificações necessárias para assegurar capacidade técnica das empresas com alvará de empreiteiro de obras Públicas Qualificações para condução de execução de trabalhos de especialidades(obra Pública e Particular em classe igual ou superior à classe 6)-ANEXO IV à Lei 40/2015(Qualificações dos Técnicos para elaboração de projeto, direção de obra e direção de fiscalização). Todos os técnicos têm que ter contratado Seguro de Responsabilidade Civil adequado ao projeto e à obra(ressarcimento de danos causados a terceiros por violação culposa de deveres na atividade). Termo de responsabilidade atestando o cumprimento das normas legais e regulamentares em vigor (RJUE). 15

16 IX Requisitos exigidos para obtenção do alvará: INCOMPATIBILIDADES DOS TÉCNICOS LEI ANTERIOR (artigo 17.º): Os técnicos que integrem o quadro de uma empresa não podem fazer parte do quadro de outra empresa inscrita no InCI, nem desempenhar funções técnicas em entidades licenciadoras ou donos de obra pública (salvo se devidamente autorizados). NOVA LEI (artigo 10.º, nºs 3 a 6): Os técnicos de uma empresa podem prestar serviços noutras empresas de construção; contudo apenas podem dar capacidade técnica, perante o InCI, a uma só empresa de construção; Os técnicos das entidades licenciadoras ou donos de obra pública não podem desempenhar funções em empresas de construção (salvo se devidamente autorizados). 16

17 X Requisitos exigidos para obtenção do alvará: CAPACIDADE ECONÓMICO-FINANCEIRA LEI ANTERIOR (artigo 10.º): Alvarás de classe 1 basta capital próprio positivo Alvarás de classe superior a 1, CEF aferida através de: Capital próprio (igual ou superior a 10% do valor limite da maior das classes solicitadas; sendo a classe 9, igual ou superior a 20% do valor limite da classe 8); Volume de negócios global e em obra (avaliado na revalidação do alvará ou subida de classe); Equilíbrio financeiro (liquidez geral e autonomia financeira) Portaria nº 274/2011, de 26 de setembro. NOVA LEI (artigo 11.º): Alvarás de classe superior a 2, CEF aferida através de: Capital próprio (igual ou superior a 10% do valor limite da maior das classes solicitadas; sendo a classe 9, igual ou superior a 20% do valor limite da classe 8); Equilíbrio financeiro (liquidez geral e autonomia financeira) a fixar por nova Portaria; Em alternativa, apresentação de seguro de responsabilidade civil que cubra o valor global da obra. 17

18 XI Condições mínimas de permanência na atividade de construção/controlo oficioso LEI ANTERIOR (artigo 18.º): Atualmente a lei prevê um conjunto de condições mínimas de permanência na atividade mais exigentes que as de acesso à atividade (v.g., volume de negócios). O mesmo sucede em caso de elevação de classe (14.º) ou pedido de novas subcategorias (15.º) NOVA LEI (artigos 14.º e 15.º): Não existem condições mínimas de permanência que estabeleçam requisitos mais exigentes que os do acesso à atividade. As condições de permanência são idênticas às de acesso (previstas no artigo 6.º). É efetuado o controlo oficioso do cumprimento dos requisitos de acesso, podendo levar ao cancelamento do alvará. 18

19 XI Condições mínimas de permanência na atividade de construção Controlo Oficioso do Cumprimento de Requisitos de Ingresso Como é feito? Com base em informação obtida em: Inspeções Informação Empresarial Simplificada(IES) Cooperação administrativa prevista no artigo 49º(Protocolos com entidades Públicas e Privadas) 19

20 XII Alvará de Empreiteiro geral /Reconversão da classificação detida em EG na classe das subcategorias determinantes LEI ANTERIOR (artigo 12.º): No DL 12/04 estava previsto um alvará de empreiteiro geral o qual habilitava o seu titular a subcontratar a execução de trabalhos enquadráveis nas subcategorias necessárias à concretização da obra, sendo responsável pela coordenação global desta. NOVA LEI : Deixa de existir alvará de empreiteiro ou construtor geral. A empresa de construção responsável pela obra deve ser detentora de habilitação contendo subcategoria em classe que cubra o valor global daquela, que corresponda aos trabalhos mais expressivos da obra. (artigo 8.º). O alvará é atribuído por classes e (no caso de alvará de empreiteiro de obras públicas) por categorias de obras e subcategorias de trabalhos. A eliminação da figura de empreiteiro geral foi uma das imposições da TROIKA por considerar que não é compatível com a Diretiva Serviços. 20

21 Reconversão da classe dos EMPREITEIROS Gerais/Construtores Gerais na classe das subcategorias determinantes (nos termos do nº 3 do artigo 53º) A pedido da empresa através de requerimento no prazo de 120 dias após data de entrada em vigor da nova Lei (novembro 2015) Não há lugar a TAXA EX: EGECT (Classe 6) ELIMINADO EGECT 4ª-Sub. Alvenarias (classe 4) 4ªSub. Alvenarias (classe 6) 5ª-Sub. Estruturas e Elementos de Betão( Classe 3) 5ª-Sub. Estruturas e Elementos de Betão (classe 6) 21

22 XIII Classes de alvarás LEI ANTERIOR (artigo 4.º, nº 5): Aprovada anualmente uma Portaria que estabelece a correspondência entre as classes de alvarás e os valores das obras atualmente a Portaria nº 119/2012, de 30 de abril. Existem 9 classes. NOVA LEI (artigo 6.º, nº 2): As classes são fixadas por Portaria (que não necessita de ser anual). Propõe-se manter as 9 classes, mas arredondando os valores (v.g em vez de ). 22

23 XIII Categorias e subcategorias de trabalhos LEI ANTERIOR (artigo 4.º, nº 4): As categorias e subcategorias são fixadas por Portaria atualmente a Portaria nº 19/2004, de 10 de janeiro. Atualmente existem 5 categorias e 55 subcategorias. NOVA LEI (artigo 6.º, nº 2): As categorias e subcategorias são as fixadas no ANEXO I à própria Lei. Passa a existir as mesmas 5 categorias e 59 subcategorias. NOVIDADES IMPORTANTES: O ANEXO I estabelece a correspondência entre as categorias/subcategorias e as qualificações mínimas exigidas (o que não acontecia até aqui, uma vez que essa correspondência era feita no InCI mediante a utilização de um documento interno (chamado MATRIZ). O alvará de obra particular não relaciona categorias/subcategorias (artigo 24.º, nº 3). 23

24 8 Novas Subcategorias (4ª Categoria) 2ª - Postos de Transformação até 250 kva 3ª - Postos de Transformação acima de 250 kva 1ª-Redes elétricas de baixa tensão e Postos de transformação 4ª - Redes e instalações elétricas de tensão de serviço até 30 kv 4ª-Redes e instalações elétricas de tensão de serviço superior a 60 kv 5ª-Redes e instalações elétricas de tensão de serviço acima de 30 kv 6.ª - Instalações de produção de energia elétrica até 30 kv 7ª-Instalações de produção de energia elétrica acima de 30 kv 5ª-Instalações de produção de Energia Elétrica 15.ª - Instalações de armazenamento de produtos de petróleo e de postos de abastecimento de combustível. 18.ª - Gestão Técnica Centralizada.

25 XIV Título de Registo vs Certificado LEI ANTERIOR (artigo 6.º): O Título de registo é uma licença de nível inferior ao do alvará, que atualmente habilita a empresa a executar trabalhos (de obra pública e particular) cujo valor não ultrapasse 10% do limite fixado para a classe 1 de alvará (ou seja, euros); É válido por 5 anos NOVA LEI (artigos 7.º e 25.º): O título de registo passa a denominar-se Certificado para não se confundir com o registo junto do InCI das empresas de outros Estados membros (artigo 27.º, nº 5); Existirá Certificado de empreiteiro de obras públicas (7.º) e Certificado de empreiteiro de obras particulares (25.º); Por outro lado, passa a permitir executar obras até euros (20% da classe 1); O certificado de empreiteiro de obras públicas é atribuído por subcategorias (previstas no ANEXO II); Tal como o alvará, o certificado é atribuído por tempo indeterminado, sujeito a controlo oficioso anual. 25

26 Subcategorias de trabalhos enquadráveis nos certificados de empreiteiro de obras públicas (a que se refere o n.º 2 do artigo 7.º da Lei nº 41/2015 Subcategorias (6 Novas Subcategorias): a) Alvenarias, rebocos e assentamento de cantarias; b) Estuques, pinturas e outros revestimentos; c) Carpintarias; d) Trabalhos em perfis não estruturais; e) Canalizações e condutas em edifícios; f) Instalações sem qualificação específica; g) Restauro de bens imóveis histórico-artísticos; h) Calcetamentos; i) Ajardinamentos; j) Instalações elétricas de utilização de baixa tensão; k) Infraestruturas de telecomunicações; l) Sistemas de extinção de incêndios, de segurança e de deteção; m) Aquecimento, ventilação, ar condicionado e refrigeração; n) Redes e ramais de distribuição de gás, instalações e aparelhos a gás; o) Gestão técnica centralizada; p) Demolições; q) Movimentação de terras; r) Armaduras para betão armado; s) Cofragens; t) Impermeabilizações e isolamentos. 26

27 XVI Certificados e Alvarás Na HORA LEI ANTERIOR (artigo 22.º-A): O Título de registo e o Alvará de Classe 1 pode ser deferido no momento da apresentação do pedido (desde que reunidos todos os requisitos legais). NOVA LEI (artigo 13.º): Passa a admitir-se o alvará na hora em classe superior à 1 (a determinar pelo Conselho Diretivo, em função da capacidade de resposta dos serviços); Mediante requerimento presencial do interessado e desde que reunidos todos os requisitos legais. 27

28 XVI I Consórcios e agrupamentos de empresas LEI ANTERIOR (artigo 26.º): As empresas podem constituir consórcios ou modalidades jurídicas de agrupamento de empresas; Uma das empresas de construção deve ter habilitação em classe que cubra o valor total da obra e respeite ao tipo de trabalhos mais expressivo. NOVA LEI (artigo 19.º): As empresas podem constituir consórcios ou outras modalidades jurídicas de agrupamento de empresas; Apenas se exige que cada uma das empresas do agrupamento detenha habilitação em classe que cubra o valor da parte da obra que se propõe executar. Por sua vez, estabelece-se que a capacidade económica e financeira do agrupamento, globalmente considerado, é que deve cobrir o valor total da obra; Visa-se facilitar o acesso (conjunto) das PME a obras de maior dimensão. 28

29 XVIII-Obrigações dos donos de obra e entidades licenciadoras (Exigibilidade de habilitações) Exigência de uma única subcategoria que cubra o valor global da obra ou classificação EG/CG. (nº 1 do artigo 31º) XVII Obrigações dos donos de obra e das entidades licenciadoras Assegurar que as obras sejam executadas por empresas de construção devidamente habilitadas. (nº3 do artigo 31º) Nas obras particulares, em caso de isenção ou dispensa de licenciamento, os donos de obras particulares devem assegurar que as obras sejam executadas por empresas com alvará ou título de registo. (nº 3 do artigo 31º) Nenhuma obra poderá ser dividida por fases tendo em vista subtraí-la ao seu valor global(nº 5 do artigo 31º) A comprovação das habilitações é feita através da exibição do original do alvará ou TR e consulta ao Portal do InCI.(nº 4 do artigo 31º) NOVA LEI (Artigo 29º conjugado como artigo 8º) A empresa responsável pela obra deve ser detentora de habilitação correspondente aos trabalhos mais expressivos que cubra o valor global da obra. (artigo 8º) Assegurar que as obras sejam executadas por empresas de construção devidamente habilitadas. (nº1 do artigo 29º) Nas obras particulares, esta obrigação(do dono de obra particular) da verificação das habilitações necessárias à execução da obra é independente da existência, ou não, de controlo prévio da entidade licenciadora. (nº 1 do artigo 29º) A comprovação das habilitações é feita através de consulta ao Portal do IMPIC, I.P.(nº 2 do artigo 29º);o comprovativo deve ser mantido junto ao processo de cada obra. 29 Nenhuma obra pode ser fracionada com o objetivo de diminuir o seu valor global (nº 3 do artigo 29º).

30 Muito obrigada! Ivone Nobre

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

PL 492/2012 2013.02.14 Exposição de Motivos Os princípios e regras que devem ser observados pelos regimes de acesso e exercício das atividades de

PL 492/2012 2013.02.14 Exposição de Motivos Os princípios e regras que devem ser observados pelos regimes de acesso e exercício das atividades de PL 492/2012 2013.02.14 Exposição de Motivos Os princípios e regras que devem ser observados pelos regimes de acesso e exercício das atividades de serviços realizadas em território nacional encontram-se

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento

Leia mais

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º /

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º / Decreto-Lei n.º / O Decreto Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

A7 - RELAÇÃO NOMINAL PESSOAL TÉCNICO

A7 - RELAÇÃO NOMINAL PESSOAL TÉCNICO A preencher pelos Serviços Código da Empresa: A7 - RELAÇÃO NOMINAL PESSOAL TÉCNICO 1. IDENTIFICAÇÃO DA PESSOA SINGULAR OU PESSOA COLETIVA NIF Firma ou Denominação Social 2. RELAÇÃO NOMINAL 2.1 Inicial

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar)

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar) 1/10 REQUERIMENTO PARA: EMISSÃO DE ALVARÁ Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do requerente),

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO

LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO COORDENADOR DE PROJECTO, DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA, ELABORAÇÃO DE PROJECTOS DE ENGENHARIA ESPECIFÍCOS, E

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

Receitas de funcionamento

Receitas de funcionamento 1165 Receitas de funcionamento Despesas de funcionamento 11) De formação e informação aos agentes económicos... 75000 12) De trabalhos especializados... 100000 13) De funcionamento corrente... 200000 14)

Leia mais

EMISSOR: Ministério das Obras Públicas, Transportes e Habitação

EMISSOR: Ministério das Obras Públicas, Transportes e Habitação DATA: Sábado, 0 de Janeiro de 00 NÚMERO: SÉRIE IB EMISSOR: Ministério das Obras Públicas, Transportes e Habitação DIPLOMA/ACTO: Portaria n.º /00 SUMÁRIO: Estabelece o quadro mínimo de pessoal das empresas

Leia mais

Energia / Direito Público

Energia / Direito Público Briefing AGOSTO 2015 01 ALTERAÇÃO DO REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE CONSTRUÇÃO Energia / Direito Público I. NOVIDADES GERAIS Foi publicada a Lei n.º 41/2015, de 3 de junho (Lei

Leia mais

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM VEÍCULOS PRONTO-SOCORRO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A seleção dos textos legislativos disponibilizados no sitio

Leia mais

Decreto-Lei n.º 12/2004 de 9 de Janeiro Estabelece o regime jurídico de ingresso e permanência na actividade da construção.

Decreto-Lei n.º 12/2004 de 9 de Janeiro Estabelece o regime jurídico de ingresso e permanência na actividade da construção. A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 12/2004, de 9 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 12/2004 de 9 de Janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Diário da República, 1.ª série N.º 80 24 de abril de 2015 2057 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria n.º 114/2015 de 24 de abril A Portaria n.º 148/2014, de 18 de julho, veio estabelecer um novo

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO Acordo Quadro para o fornecimento de gás natural em regime de mercado livre para Portugal Continental ÍNDICE CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DO CONCURSO... 3 Artigo 1.º Identificação

Leia mais

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António PREÂMBULO As taxas das autarquias locais, nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 53 -E/2006, de 29 de dezembro, são tributos que assentam na prestação concreta de um serviço público local, na utilização privada

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

Guia Técnico para Projetos Particulares

Guia Técnico para Projetos Particulares 1. OBJETIVO Esta especificação decorre da instrução de trabalho IT045 e tem como objetivo definir a forma como devem ser instruídos os projetos particulares de redes de abastecimento de água, e de drenagem

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

capítulo Enforcement

capítulo Enforcement capítulo 4 4.1 Considerações iniciais No quadro da atividade de enforcement, o ISP (i) dirige recomendações e determinações específicas às entidades supervisionadas visando a correção de eventuais irregularidades

Leia mais

Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos 1. IDENTIFICAÇÂO DO COMUNICANTE Nome:......

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

Esclarecimentos na fase de candidatura à qualificação

Esclarecimentos na fase de candidatura à qualificação Esclarecimentos na fase de candidatura à qualificação PERGUNTA 1 É obrigatória a formação em Passaporte de Segurança (ou equivalente) para todos os técnicos mencionados no Anexo X, separador Requisitos

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

"CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA" CADERNO DE ENCARGOS

CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA CADERNO DE ENCARGOS "CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA" CADERNO DE ENCARGOS ARTIGO 1.º OBJETO O presente Caderno de Encargos diz respeito

Leia mais

DECRETO N.º 70/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 70/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 70/XII Define os meios de prevenção e combate ao furto e de recetação de metais não preciosos com valor comercial e prevê mecanismos adicionais e de reforço no âmbito da fiscalização da atividade

Leia mais

III - nos casos de guerra ou grave perturbação da ordem;

III - nos casos de guerra ou grave perturbação da ordem; GLOSSÁRIO Classificação Funcional Programática A Classificação Funcional Programática é o agrupamento das ações do governo em grandes áreas de sua atuação, para fins de planejamento, programação e elaboração

Leia mais

DECRETO N.º 162/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 162/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 162/XII Aprova os requisitos de acesso e de exercício da atividade de perito qualificado para a certificação energética e de técnico de instalação e manutenção de edifícios e sistemas, conformando-o

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 3/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Alternativo Especializado

Regulamento da CMVM n.º 3/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Alternativo Especializado Regulamento da CMVM n.º 3/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Alternativo Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) A revisão do regime legal do capital de risco,

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas

Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas Projeto de Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas Nota justificativa Com a publicação da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, foram transferidas para as Freguesias novas competências, até então

Leia mais

A8 FICHA CURRICULAR DO TÉCNICO

A8 FICHA CURRICULAR DO TÉCNICO A preencher pelos Serviços da Empresa: A8 FICHA CURRICULAR DO TÉCNICO 1. IDENTIFICAÇÃO NIF Nome Nacionalidade Documento N.º (ver Tabela A) Morada (rua, avenida, etc., n.º e andar) Postal - Localidade Telefone

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX

PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX AUTORIZA O GOVERNO A CRIAR REGRAS ESPECÍFICAS SOBRE O ACESSO À PROFISSÃO DE MOTORISTA DE TÁXI, ATRAVÉS DA CONCESSÃO DE UMA AUTORIZAÇÃO EXCEPCIONAL QUE VIGORARÁ POR UM PERÍODO

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Com a criação dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC),

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 14/90, de 8 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 14/90 de 8 de Janeiro

Leia mais

CIRCULAR NORMATIVA. ASSUNTO: Meios de comprovação para isenção do pagamento de taxas moderadoras

CIRCULAR NORMATIVA. ASSUNTO: Meios de comprovação para isenção do pagamento de taxas moderadoras CIRCULAR NORMATIVA Nº: 36/2011/UOFC Data: 28/12/2011 Republicada pela Circular Normativa n.º 24/2014/DPS de 28/08/2014 Para: ARS, Hospitais, ULS ASSUNTO: Meios de comprovação para isenção do pagamento

Leia mais

Título: Regime de acesso e exercício de profissões e de atividades profissionais

Título: Regime de acesso e exercício de profissões e de atividades profissionais Título: Regime de acesso e exercício de profissões e de atividades profissionais Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 15 páginas Formato: PDF

Leia mais

Separata BTE, n.º 5, 28/11/2014 SEPARATA. N. o 5 28 novembro 201

Separata BTE, n.º 5, 28/11/2014 SEPARATA. N. o 5 28 novembro 201 SEPARATA N. o 5 28 novembro 201 Propriedade Ministério d Edição Gabinete de Estratégia e Planeamento Centro de Informação e Documentação PROPOSTA DE DECRETO-LEI QUE ESTABELECE O REGIME DE REGULAÇÃO DO

Leia mais

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho FICHA DE CURSO Neste documento poderá encontrar as principais informações sobre o curso pretendido, nomeadamente a duração, área temática, destinatários, objetivo geral e objetivos específicos, estrutura

Leia mais

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page Jurídica (www.euricosantos.pt)

Leia mais

Tudo o que precisa de saber

Tudo o que precisa de saber Pág. 1 de 10 Com a publicação, no passado mês de Agosto, dos Decretos-Lei n. os 197/2012 e 198/2012, várias e (bastante) substanciais foram as alterações introduzidas em matéria de regras a observar ao

Leia mais

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES Índice Artigo 1.º Objeto do procedimento de Ajuste Direto Artigo 2.º Entidade adjudicante Artigo 3.º Órgão Competente Para a Decisão de

Leia mais

REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO, ESTÁGIO E EXAME PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO, ESTÁGIO E EXAME PROFISSIONAIS REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO, ESTÁGIO E EXAME PROFISSIONAIS TÍTULO I DA INSCRIÇÃO NA ORDEM CAPÍTULO I Objetivos Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 A inscrição de contabilistas certificados e contabilistas certificados

Leia mais

Lei n.º 40/2015, de 1 de junho Novo regime das qualificações profissionais na área do projeto e da obra. Ivone Nobre e Pedro Coimbra

Lei n.º 40/2015, de 1 de junho Novo regime das qualificações profissionais na área do projeto e da obra. Ivone Nobre e Pedro Coimbra Novo regime das qualificações profissionais na área do projeto e da obra Ivone Nobre e Pedro Coimbra 12 de outubro de 2015 I- Lei nº 40/2015, de 1 de junho: 1ª alteração à Lei n.º 31/2009, de 3 de julho

Leia mais

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.25

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.25 Quarta-Feira, 19 de Outubro de 2005 Série1, Série Nº.1 I, N. 20 $ 0.25 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: SUMÁRIO

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de eletricidade em regime de mercado livre para Portugal Continental

PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO. Acordo Quadro para o fornecimento de eletricidade em regime de mercado livre para Portugal Continental PROGRAMA DE CONCURSO PÚBLICO Acordo Quadro para o fornecimento de eletricidade em regime de mercado livre para Portugal Continental ÍNDICE CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DO CONCURSO... 3 Artigo 1.º Identificação

Leia mais

A comunicação prévia no RJUE. Fernanda Paula Oliveira

A comunicação prévia no RJUE. Fernanda Paula Oliveira A comunicação prévia no RJUE Fernanda Paula Oliveira Considerações Preliminares Os instrumentos jurídico administrativos As concessões: ato jurídico que atribui ao particular a faculdade de exercer uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA 300.35.01 Segurança Privada CIRCULAR N.º10 /SP/2014 23-05-2014 ASSUNTO: REGISTO PRÉVIO PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Referências: - Lei n.º 34/2013, de 16 de maio - Portaria n.º 272/2013, de 20

Leia mais

Regulamento. Registo, Licenciamento e taxas de Cães e Gatos. Freguesia de Santa Cruz. Rua 12 de Março Santa Cruz 5110-503 Armamar NIF 506 894 118

Regulamento. Registo, Licenciamento e taxas de Cães e Gatos. Freguesia de Santa Cruz. Rua 12 de Março Santa Cruz 5110-503 Armamar NIF 506 894 118 Regulamento Registo, Licenciamento e taxas de Cães e Gatos Freguesia de Santa Cruz Rua 12 de Março Santa Cruz 5110-503 Armamar NIF 506 894 118 1 Regulamento Registo e Licenciamento de Cães e Gatos Art.

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor CHEQUE - FORMAÇÃO Criar valor Legislação Enquadradora A medida Cheque-Formação, criada pela Portaria n.º 229/2015, de 3 de agosto, constitui uma modalidade de financiamento direto da formação a atribuir

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS Nota Justificativa A Lei n.º 18/97, de 11 de Junho, concedeu ao Governo autorização para legislar no

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

Procedimento n.º 09/2015/DGF-A. Convite para Aquisição de Serviços de Patrocínio Judiciário e Assessoria Jurídica na Modalidade de Avença

Procedimento n.º 09/2015/DGF-A. Convite para Aquisição de Serviços de Patrocínio Judiciário e Assessoria Jurídica na Modalidade de Avença Procedimento n.º 09/2015/DGF-A Convite para Aquisição de Serviços de Patrocínio Judiciário e Assessoria Jurídica na Modalidade de Avença Índice 1. Entidades... 3 2. Decisão de contratar e de autorização

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional Cabe ao Estado estabelecer as políticas necessárias para melhorar o desenvolvimento económico

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências LEI DELEGADA Nº 39 DE 28 DE NOVEBRO DE 1969 D.O Nº 236 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1969 Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências O Governador do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08

Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 O regime jurídico das armas e munições, aprovado pela Lei n.º 5/2006, de 23 de Fevereiro,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 81 28 de abril de 2014 2519

Diário da República, 1.ª série N.º 81 28 de abril de 2014 2519 Diário da República, 1.ª série N.º 81 28 de abril de 2014 2519 Psilocina 3-(-2-dimetilaminoetil)-4-(hidroxi-indol). Roliciclidina, PHP, PCPY 1 -(1 -fenilciclohexil) pirrolidina. Tenanfetamina -MDA (mais

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

Licenças para transferência, importação e exportação de produtos militares

Licenças para transferência, importação e exportação de produtos militares Licenças para transferência, importação e exportação de produtos João Tiago Silveira Carolina Melo Duarte Curso de Pós-Graduação em Direito da Defesa Nacional ICJP e IDEFF/Faculdade de Direito de Lisboa

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO

MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO VERSÃO: 13/12/2011 2 / 34 MANUAL DE NORMAS DE DIREITO DE ACESSO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 4 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 4 CAPÍTULO TERCEIRO DOS TIPOS DE

Leia mais

Capítulo 1- Agências de Viagem

Capítulo 1- Agências de Viagem Capítulo 1- Agências de Viagem 1.1- Quadro Sinótico Relativamente ao D.L. n.º 199/2012, de 24 de agosto, transcrito de seguida, os seus artigos n.º s 2, 3, 4, 5 e 6 foram omitidos neste trabalho. Neles

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 3514 Diário da República, 1.ª série N.º 107 3 de junho de 2015 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 41/2015 de 3 de junho Estabelece o regime jurídico aplicável ao exercício da atividade da construção, e revoga

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP O Conselho de Administração do Instituto das Comunicações de Portugal (ICP), em reunião efectuada em 1 de Outubro de 2001, deliberou, ao abrigo da alínea j) do nº 1 e do nº 2,

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Diário da República, 1.ª série N.º 185 23 de Setembro de 2009 6789 de contrato de trabalho a tempo parcial e de contrato em regime de prestação de serviços, é calculado proporcionalmente. Artigo 13.º Direitos

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de sanitarista e técnico sanitarista, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposição preliminar

Leia mais

(*) Campos de preenchimento obrigatório.

(*) Campos de preenchimento obrigatório. ANEXO II - ELEMENTOS RELATIVOS AOS REPRESENTANTES AUTORIZADOS, nos termos do artigo 19.º do Regulamento (UE) n.º 920/2010, alterado pelo Regulamento (UE) 1193/2011, de 18 de novembro (*) Campos de preenchimento

Leia mais

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores independentes Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

Junta de Freguesia de S. Victor Município de Braga Regulamento Geral de Taxas e Licenças

Junta de Freguesia de S. Victor Município de Braga Regulamento Geral de Taxas e Licenças Junta de Freguesia de S. Victor Município de Braga Regulamento Geral de Taxas e Licenças da Freguesia de S. Victor 1 REGULAMENTO GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE S. VICTOR Em conformidade com o disposto

Leia mais

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota justificativa O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, na esteira do estabelecido

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º. Exposição de Motivos PL 40/2013 2013.02.22 Exposição de Motivos A presente proposta de lei visa habilitar o Governo a regular o acesso e o exercício da atividade de intermediação de crédito, uma atividade económica que consiste

Leia mais

Circular nº 36/2014. 06 de Outubro de 2014. Caros Associados,

Circular nº 36/2014. 06 de Outubro de 2014. Caros Associados, Circular nº 36/2014 06 de Outubro de 2014 Assunto: Quadro Técnico das empresas de construção: enquadramento dos Técnicos de Manuseamento de gases fluorados com efeito de estufa face à Portaria n.º 16/2004,

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 2. Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS

Coleção Cadernos Práticos - 2. Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS Coleção Cadernos Práticos - 2 Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos

Leia mais

Educação pré escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Matrículas

Educação pré escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Matrículas Educação pré escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Matrículas 1. Educação pré escolar e 1.º ciclo Conceito matrícula Quem é o Encarregado de Educação Pedido matrícula Prazos Renovação matrícula

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO DA TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CEDOVIM

Projeto de REGULAMENTO DA TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CEDOVIM Projeto de REGULAMENTO DA TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CEDOVIM Pagina 1 de 15 Projeto de REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CEDOVIM PREÂMBULO Conforme o disposto nas

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07 Contém as alterações dos seguintes diplomas: DL n.º 33/2011, de 07/03 DL n.º 99/2010, de 02/09 DL n.º 247-B/2008, de 30/12 DL n.º 318/2007, de 26/09 DL n.º 125/2006, de 29/06 DL n.º 76-A/2006, de 29/03

Leia mais

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS Medidas de Apoio à Contratação CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Ana Henriques Moreira Portugal Agosto 2014 Entre 24 e 30 de Julho do corrente

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE Novembro de 2014 REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE NOTA JUSTIFICATIVA

Leia mais