METODOLOGIAS PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DE AQUÍFEROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIAS PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DE AQUÍFEROS"

Transcrição

1 METODOLOGIAS PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DE AQUÍFEROS GABRIEL MERLINI TISSIANO¹ MAURÍCIO MOREIRA DOS SANTOS² RESUMO A atual sociedade, no anseio de ampliar o domínio sobre os espaços terrestres e o controle absoluto sobre o capital, exerce atividades que produzem inúmeros impactos ambientais e intensifica a exploração insustentável dos recursos naturais, podendo causar a inviabilização permanente dos mecanismos que garantem o equilíbrio do planeta e colocando em risco a própria sobrevivência do ser humano na superfície do globo. As comunidades humanas vêm apresentando taxas elevadas de crescimento populacional associadas ao rápido processo de urbanização e industrialização. No Brasil, este crescimento é geralmente associado à falta de planejamento para o uso e ocupação do solo urbano, culminando com a apropriação de locais inadequados para o estabelecimento humano e trazendo riscos à saúde com queda progressiva da qualidade de vida. O crescimento populacional observado como um fenômeno global, desencadeia uma crescente demanda por água potável e, paralelamente, um aumento do risco de contaminação de corpos d água superficiais e de subsuperfície. As águas subterrâneas representam um recurso natural de grande importância para os seres vivos, visto que sua utilização e conservação são ações estratégicas visando a segurança hídrica para a atual e futuras gerações. A exploração em excesso das águas subterrâneas, em conjunto com a ocupação irregular do solo e o descumprimento de normas legais, põem em risco a qualidade natural de aquíferos. Como resposta a esta situação as autoridades municipais e estaduais devem desenvolver planos estratégicos de gestão e conservação dos recursos hídricos. As águas subterrâneas são uma parte importante destes planos, pois de maneira geral, a sua contaminação é mais difícil de ocorrer em comparação com os recursos hídricos superficiais. Principalmente em áreas onde as águas superficiais encontram-se deterioradas ou são escassas, os estudos hídricos recebem importância especial. Nestas áreas é recomendável que sejam executados estudos de vulnerabilidade de aquíferos para complementar o plano de gestão de águas. O estudo dos sistemas aquíferos, a avaliação da vulnerabilidade e risco a contaminação são de extrema importância para criação de políticas e gestão dos recursos hídricos de uma região. Existem diversas metodologias para se determinar a vulnerabilidade de aquíferos, sendo DRASTIC e GOD as mais utilizadas atualmente. Os sistemas de informações geográficas (SIG) deveriam ser utilizados na determinação da vulnerabilidade dos recursos subterrâneos, pois ocorre uma sobreposição de mapas de parâmetros. Os resultados de um estudo de vulnerabilidade de aquíferos permitem às autoridades municipais e estaduais gerir seus recursos hídricos de maneira mais eficiente, garantindo um desenvolvimento sustentável do meio. A aplicação destes métodos pode fornecer subsídios para a gestão dos recursos hídricos, podendo ser utilizado como ferramenta de política pública visando a conservação e proteção das águas subterrâneas. PALAVRAS-CHAVE Vulnerabilidade, aquífero, água subterrânea ABSTRACT The present society, in its desire to extend its dominion over terrestrial spaces and absolute control over capital, carries out activities that produce innumerable environmental impacts and intensifies the unsustainable exploitation of natural resources, which may cause permanent unfeasibility of the 1- Acadêmico do programa de pós-graduação em Geografia da Universidade Estadual de Londrina. de 2- Docente do programa de pós-graduação em Geografia da Universidade Estadual de Londrina. de contato:

2 mechanisms that guarantee the equilibrium of the planet and putting at risk the very survival of the human being on the surface of the globe. Human communities have been experiencing high rates of population growth associated with the rapid urbanization and industrialization process. In Brazil, this growth is usually associated with a lack of planning for the use and occupation of urban land, culminating in the appropriation of places that are unsuitable for human settlement and bringing health risks with a progressive decline in quality of life. The observed population growth as a global phenomenon triggers an increasing demand for drinking water and, in parallel, an increased risk of contamination of surface water bodies and subsurface. Groundwater represents a natural resource of great importance for living beings, since its use and conservation are strategic actions aiming at water security for current and future generations. Excessive exploitation of groundwater, coupled with irregular soil occupation and non-compliance with legal standards endanger the natural quality of groundwater, which could make them vulnerable to contamination. In response to this situation, the municipal and state authorities must develop strategic plans for the management and conservation of water resources. Groundwater is an important part of these plans because, in general, their contamination is more difficult to achieve compared to surface water resources. Particularly in areas where surface water is deteriorated or scarce, water studies are of particular importance. In these areas it is advisable to carry out aquifer vulnerability studies to complement the water management plan. The study of aquifer systems, the assessment of vulnerability and risk of contamination are of extreme importance for the creation of policies and management of the water resources of a region. There are several methodologies to determine the vulnerability of aquifers, being DRASTIC and GOD the most widely used today. Geographic information systems (GIS) should be used to determine the vulnerability of underground resources, as overlapping of parameter maps occurs. The results of an aquifer vulnerability study allow municipal and state authorities to manage their water resources more efficiently, ensuring a sustainable development of the environment. The application of these methods can provide subsidies for the management of water resources, and can be used as a public policy tool for the conservation and protection of groundwater. KEYWORDS Vulnerability, aquifer, underground water 1 - Introdução O modo de viver do ser humano mudou com o passar do tempo, e a maneira de lidar com os recursos naturais também se alterou. A atual organização da sociedade, visando a ampliação do domínio sobre os espaços, e a pressão exercida pelo capital, resultam em vários impactos ao meio ambiente e a intensificação da exploração desenfreada dos recursos naturais, inviabilizando a permanência dos mecanismos que asseguram o equilíbrio do planeta, fato que pode resultar em risco o modo como vivemos atualmente e até mesmo a sobrevivência humana. O processo de ocupação desordenado do espaço contribui para acentuar o desequilíbrio dos ambientes naturais, pois deve-se respeitar os limites da exploração sustentável dos recursos ambientais para que haja sempre a sua utilização.

3 As elevadas taxas de crescimento populacional, em consonância com a falta de planejamento urbano e de ocupação do solo, resultam sérios problemas. Dessa maneira, havendo a utilização demasiada dos recursos naturais, sérios problemas, tanto de ordem ambiental quanto socioeconômica, podem-se desencadear. As consequências das ações antrópicas sobre o meio ambiente devem ser estudadas de maneira intensa, devido a importância dos recursos naturais para a manutenção da vida humana. Dentre as agressões antrópicas, que atingem e modificam profundamente o meio ambiente, merece destaque à deterioração frequente dos recursos hídricos. Segundo Teixeira (2008, p. 114): A água é a substância mais abundante na superfície do planeta, participando dos seus processos modeladores pela dissolução de materiais terrestres e do transporte de partículas. Dessa maneira, a conservação da qualidade dos recursos hídricos subterrâneos faz-se extremamente importante, pois devido a melhor qualidade da água em relação aos mananciais superficiais, a sua exploração pode ocorrer de maneira insustentável. De acordo com Fundação Nacional de Saúde - FUNASA (2006 apud MELLO, 2009, p. 14), da quantidade de água presente no planeta, somente 3% é de água doce, sendo que, deste montante, 2,7% faz referência às geleiras, vapor de água na atmosfera e a lençóis presentes em grandes profundidades. Diante destas constatações, aliadas ao fato de que apenas 0,3% do volume total de água existente no planeta pode ser aproveitada para o consumo humano (sendo que 0,29% provém de fontes subterrâneas), é percebida a importância das águas subterrâneas na manutenção da vida no planeta. A contaminação do solo através do descarte incorreto de resíduos sólidos e líquidos podem trazer consequências terríveis para os recursos hídricos, pois a infiltração é uma via de poluição dos recursos hídricos subterrâneos que ocorre de forma lenta e de difícil percepção, mas que pode afetar a vida da população e do ecossistema que estamos inseridos.

4 A formação e constituição dos estratos geológicos influenciam em maior e menor permeabilidade/porosidade, alterando a velocidade e deslocamento do poluente. Quando as águas subterrâneas entram em contato com uma fonte poluidora, o seu transporte ocorre ao longo do seu deslocamento, gerando assim uma "pluma" poluente. 2 Vulnerabilidade dos sistemas hídricos subterrâneos A vulnerabilidade de um sistema aquífero depende das suas propriedades físicas bem como de sua sensibilidade a impactos naturais e àqueles causados por seres humanos. A ideia da vulnerabilidade baseia-se no fato de que o contexto físico dos aquíferos oferece um certo grau de proteção às águas subterrâneas contra contaminações de diversas origens. Desta forma, algumas áreas são mais vulneráveis à contaminações que outras. A quantificação da vulnerabilidade é apenas relativa e com critérios muitas vezes subjetivos, já que os resultados apresentados nos mapas de vulnerabilidade mostram apenas valores relativos uns aos outros e não valores absolutos, fazendo com que comparações entre áreas distintas seja às vezes difícil. A vulnerabilidade é determinada a partir das características de um dado sistema aquífero. Os primeiros conceitos relativos à vulnerabilidade natural à poluição das formações aquíferas vêm sendo aplicados desde a década de 60, mas é a partir da década de 80 que começaram a ter uma maior divulgação (PUERARI et al. 2003). A conferência Internacional "Vulnerability of Soil and Groundwater to Pollutants", realizada nos Países Baixos em 1987, definiu que a vulnerabilidade natural é a sensibilidade da qualidade das águas subterrâneas a uma carga poluente em função apenas das características intrínsecas do aquífero. A agência reguladora norte-americana ASTM (American Society for Testing Materials, define vulnerabilidade nas águas subterrâneas como a facilidade com a qual um dado contaminante pode migrar para as águas subterrâneas ou para um

5 aquífero de interesse em determinadas situações de uso do solo, características do contaminante e condições da área. Portanto, a vulnerabilidade depende tanto das características do aquífero (litologias, porosidade, etc.), da área (uso do solo, topografia, etc.) e do contaminante (mobilidade e densidade). Foster e Hirata (1988), definiram a vulnerabilidade natural como a susceptibilidade que um sistema aquífero tem de vir a ser degradado por uma carga contaminante. É um processo relativo, adimensional e sua avaliação ocorre admitindo-se que a contaminação é um processo dinâmico e interativo. Assim, a vulnerabilidade pode ser intrínseca (condicionada pelas características hidrogeológicas da área) e específica (quando se considera o fator externo, como o clima e o próprio contaminante) segundo estes autores à vulnerabilidade é em função da inacessibilidade hidráulica de penetração do contaminante e capacidade de atenuação dos estratos acima da zona saturada do aquífero, como resultado de retenção física e reações químicas com o contaminante. Dessa forma, conclui-se que a definição de vulnerabilidade natural dos recursos hídricos subterrâneos é distinta de risco de poluição, pois é possível existir um aquífero com um alto índice de vulnerabilidade, mas sem risco de poluição, caso não haja carga poluente disponível, ou de haver um risco de poluição excepcional apesar do índice de vulnerabilidade ser baixo, pois o risco depende não só da vulnerabilidade, mas também da existência de cargas poluentes significativas que possam entrar no ambiente subterrâneo, fato que a urbanização desordenada pode acentuar. 3 Métodos de avaliação da vulnerabilidade dos aquíferos Existem vários sistemas de avaliação da vulnerabilidade natural de aquíferos existentes. Alguns desses sistemas incluem índices de vulnerabilidade formados por

6 parâmetros hidrogeológicos, morfológicos e outras formas de parametrização das características dos aquíferos, de um modo bem definido. A adoção de índices de vulnerabilidade tem a vantagem, em princípio, de eliminar ou minimizar a subjetividades inerentes aos processos de avaliação. Segundo Artuso et al. (2004), além desses índices que se baseiam no sistema paramétrico, (utilizam valores numéricos, integrando-os para gerar formas relativas ou absolutas de índices de vulnerabilidade), existem outros três grupos de métodos. 1. Métodos probabilísticos - dedicam-se ao problema da incerteza dos dados, focando apenas a zona saturada; 2. Métodos estocásticos - trata-se de um tipo de aproximação que utiliza informação estatística para identificar combinações de fatores que determinam a vulnerabilidade; 3. Métodos analógicos: utilizam parâmetros-chave, aplicando expressões matemáticas que resultam nos índices de vulnerabilidade (Meaulo, 2002). Dentre as metodologias disponíveis, duas serão descritas a seguir. A metodologia DRASTIC foi desenvolvido pela agência de Proteção Ambiental norteamericana, EPA. A segunda é o GOD, que considera o tipo de aquífero analisado, a litologia e a profundidade do lençol freático. A metodologia DRASTIC é um índice que relaciona seus diversos parâmetros com os mecanismos que envolvem os transportes dos contaminantes no meio subterrâneo. A simplicidade na aplicação é fator importante em conjunto com o baixo custo de aplicação. Embora seja mais oneroso se comparado com o índice GOD, uma vez que se utilizam de menos variáveis, entretanto, este índice possui nível de subjetividade maior no processo de avaliação. Segundo Aller et al. (1987), o índice DRASTIC corresponde à média ponderada de sete valores correspondentes aos seguintes sete parâmetros ou indicadores hidrogeológicos:

7 D - Profundidade da zona não-saturada do solo (Depth to groundwater); R Recarga do aquífero (Recharge); A Característica do aquífero (Aquifer media); S - Solos (Soil media); T - Topografia (Topography); I - Impacto na zona não saturada (Impact of the insaturate zone); C - Condutividade hidráulica (Condutivity hydraulic). A partir de Lobo Ferreira e Oliveira (1993), a aplicação do método DRASTIC pode ser assim sintetizada: Atribuem-se valores de 1 a 10 a cada parâmetro, em função das condições locais; valores elevados correspondem a uma maior vulnerabilidade; os valores a atribuir são obtidos de condicionantes correspondentes entre as características hidrogeológicas locais e o respectivo parâmetro; em seguida, o índice local é calculado multiplicando-se o valor atribuído ao parâmetro pelo seu peso relativo; cada parâmetro tem um peso pré-determinado que reflete sua importância relativa na quantificação da vulnerabilidade; os parâmetros mais importantes têm peso 5, os menos importantes possuem peso 1; por último, adicionam-se os sete produtos parciais obtendo-se o valor do índice final DRASTIC; o valor mínimo possível é 23 e o máximo é 226. Na metodologia GOD não são necessários tantos dados como no DRASTIC, esse fato pode ser interpretado como algo negativo por alguns pesquisadores, porém, em algumas localidades não existe uma abundância de informações, logo o GOD é o mais indicado para determinar a vulnerabilidade nesse local. Segundo Cutrim e Campos (2010), o método GOD proposto por Foster et al. (2002; 2006) é amplamente aplicado nos países da América Latina em virtude do seu bom desempenho, menor custo e maior facilidade de obtenção dos dados nele utilizados.

8 A metodologia foi desenvolvida pela Organização Mundial de Saúde atende justamente a este requisito, o de utilizar informações frequentemente disponíveis em países em desenvolvimento. As informações utilizadas nesta metodologia são: 1. Ocorrência do lençol freático (livre, confinado, semi-confinado) 2. Litologia da zona vadosa e camadas confinantes 3. Profundidade do lençol freático (espessura da zona vadosa) Nesta metodologia um índice é atribuído a cada um destes tipos de informação, sendo que o valor 1 é atribuído no caso da vulnerabilidade ser a maior. Estes índices são multiplicados entre si para produzir a classificação final, que é então transformada em vulnerabilidade de aquíferos, variando entre extrema (por exemplo aquíferos livres, rasos e de litologia grosseira) a baixa (aquíferos confinados ou aquíferos livres profundos com solos impermeáveis). A Figura 1 mostra os componentes da metodologia GOD.

9 Figura 1 Avaliação da vulnerabilidade pela metodologia GOD. Fonte: FOSTER et al., 2002; Resultados Dentre as metodologias acima mencionadas, a DRASTIC é a que apresenta maior número de elementos a serem explorados para a determinação da vulnerabilidade, onde são considerados 7 parâmetros. A principal desvantagem é o fato dela não ser muito flexível, fazendo com que os usuários muitas vezes alterem os pesos dos parâmetros e executem outras adaptações. Nesta metodologia as variáveis são fatorizadas a um único valor, e, se aplicada sem modificações, pode acontecer que parâmetros mais críticos não influenciem o resultado de maneira apropriada ressaltando os outros que não tem tanta importância numa dada região de estudo.

10 A metodologia GOD apresenta características de simplicidade, devido ao menor número de parâmetros. É uma metodologia cuja principal vantagem encontrase na facilidade de sua utilização e no fato de utilizar os parâmetros mais importantes, como profundidade do lençol freático, litologias da zona vadosa e de camadas confinantes e condição do aquífero. É a única metodologia que diferencia um aquífero livre de um confinado. Uma das principais desvantagens da metodologia GOD é o fato de não utilizar a recarga nos cálculos. Nenhuma metodologia considera conexões a corpos de água superficiais (curto circuito hidráulico) ou variações do nível do lençol freático. Também não são consideradas características específicas dos contaminantes, umidade específica do solo, taxas de precipitação e sua composição química. Desse modo, percebe-se que cada metodologia possui sua especificidade, suas vantagens e desvantagens de acordo com a localidade a ser investigada. Ambas são extremamente valiosas, pois os resultados gerados a partir da sua utilização, podem ser empregados na geração de políticas públicas e na tentativa de preservação dos recursos subterrâneos. Os resultados das metodologias apresentadas permitem ao gestor de recursos hídricos tomar decisões baseadas no risco de contaminação de aquíferos da região considerada. Estas decisões podem ser por exemplo: onde instalar um poço municipal, zoneamento de uso e ocupação do solo, ou instalação de uma rede de monitoramento de qualidade das águas subterrâneas. A maioria dos métodos foram desenvolvidos para avaliar áreas a nível regional auxiliando autoridades municipais, estaduais e federais na definição das áreas que necessitam receber um tratamento prioritário quanto à sua proteção ou a possíveis investigações adicionais. No entanto, alguns podem ser aplicados independentemente do tamanho da área considerada. 5 Conclusões

11 A avaliação de vulnerabilidade deve ser efetuada caso a caso, integrandos e as características químicas e físicas de cada contaminante, o tipo de fonte e a quantidade, meios e taxas de recarga de contaminante para a área e conexões com outros corpos d água. No caso de estudos regionais deve-se, no entanto, utilizar metodologias como as descritas anteriormente, considerando as vantagens e desvantagens de cada uma. A escolha de uma determinada metodologia vai depender do volume de informações disponíveis, do objetivo de trabalho, da escala e dos recursos disponíveis. Cada região possui características próprias de maneira que as metodologias propostas precisam às vezes sofrer modificações para fornecer resultados de vulnerabilidade confiáveis para uma dada área. Para se efetuar uma boa avaliação da vulnerabilidade de aquíferos é necessário que, na medida do possível, todos fatores hidrogeológicos sejam acessados, mapeando os poços para identificar as áreas que merecem uma atenção especial na elaboração do plano de desenvolvimento de uma região. O risco de contaminação causado pelas diversas possíveis fontes de contaminação, como postos de gasolina, indústria química entre outras também precisa ser determinado. Sobrepondo mapas de vulnerabilidade, perímetros de proteção de poços e mapas de localização de possíveis fontes de contaminação, o administrador tem informações em mãos, que lhe permitirão planejar a exploração dos recursos hídricos existentes e sua proteção de maneira mais eficiente, visando o bem estar da população e a efetividade das políticas públicas em conformidade com a preservação dos recursos hídricos subterrâneos, devido a sua importância para a manutenção do equilíbrio natural, para o planejamento socioeconômico municipal e regional, devido a potencialidade exploratória sustentável de suas reservas reguladoras.

12 Referências Bibliográficas ALLER, L., BENNETT, T., LEHR, J.H., PETTY, R., HACKETT, G., DRASTIC: A standardized system for evaluating groundwater pollution potential using hydrogeologic settings. US E.P.A, EPA/600/2-87/035, 1987, EUA. ARTUSO, E.; OLIVEIRA, M. M.; FERREIRA, J. J. P. C. L. Avaliação da vulnerabilidade à poluição das águas subterrâneas do sector de Évora do sistema aquífero de Évora Montemor-Cuba. In: CABRAL, J. J. S. P.; LOBO FERREIRA, J. P. C.; MONTENEGRO S. M. G. L.; COSTA, W. D. (Orgs). Água Subterrânea: Aquíferos costeiros e aluviões, vulnerabilidade e aproveitamento. Recife: Universitária da UFPB, 2004, p FOSTER, S.; HIRATA, R.; GOMES, D.; D ELIA, M.; PARIS, M. Ground water quality protections: a guide for Waters service companies, municipal authorities and environment agencies. Word Bank, GWMATE. Washington, 2002, 101p. FOSTER, S.; HIRATA, R. Groundwater pollution risk assessment: a methodology using available data. Lima: Word Health Organization, Pan American Health Organization, Centre for Sanitary Engineering and Environmental Sciences, Technical Report. LOBO-FERREIRA, J.P. OLIVEIRA, M.M. Desenvolvimento de um Inventário das Águas Subterrâneas de Portugal. Caracterização dos recursos Hídricos Subterrâneos e Mapeamento DRASTIC da Vulnerabilidade dos Aquíferos de Portugal. Relatório 179/93 GIAS. Lisboa: LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa, MEAULO, F.J. Vulnerabilidade natural à poluição dos recursos hídricos subterrâneos da área de Araraquara (SP). Dissertação (Mestrado) Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, MELLO, Marcia P. M. Qualidade da água subterrânea em poços do assentamento Nova Amazônia (RR): influência dos agentes impactantes f. Monografia (Especialização) Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais, Universidade Federal de Roraima, Boa Vista

13 PUERARI, E. M.; COSTA, C. T.; CASTRO, M. A. H. Utilização do método DRASTIC na análise de vulnerabilidade natural do complexo industrial e portuário do Pacém Fortaleza-CE. In: SIMPÓSIO DE HIDROGEOLOGIA DO SUDESTE, Petrópolis. Petrópolis: ABAS, TEIXEIRA, Wilson et al. Decifrando a Terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

Resumo. Construção de cartografias de vulnerabilidade. O que é o projeto piloto Águeda? Construção de Cartografias de vulnerabilidade

Resumo. Construção de cartografias de vulnerabilidade. O que é o projeto piloto Águeda? Construção de Cartografias de vulnerabilidade 2º Workshop do Projeto POCTEP Águeda 9 de Novembro de 2012 Instituto Politécnico de Castelo Branco Construção de cartografias de vulnerabilidade Sandrina Oliveira, Teresa Albuquerque, Margarida Antunes,

Leia mais

VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS DO MUNICÍPIO DE IRITUIA-PA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO GOD.

VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS DO MUNICÍPIO DE IRITUIA-PA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO GOD. VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS DO MUNICÍPIO DE IRITUIA-PA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO GOD. Ana Carla Bezerra dos Santos 1 ; Ronaldo Lopes Rodrigues Mendes 2 ; Gustavo Neves Silva 3 ; Antônio de Noronha Tavares

Leia mais

Análise da vulnerabilidade dos recursos hídricos subterrâneos no municipio de Sant Ana do Livramento - RS

Análise da vulnerabilidade dos recursos hídricos subterrâneos no municipio de Sant Ana do Livramento - RS Análise da vulnerabilidade dos recursos hídricos subterrâneos no municipio de Sant Ana do Livramento - RS Rafael Tatsch de Oliveira Cademartori 1, Ewerthon Cezar Schiavo Bernardi 2 Gislaine Mocelin Auzani

Leia mais

MÉTODOS PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DE AQUÍFEROS

MÉTODOS PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DE AQUÍFEROS MÉTODOS PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DE AQUÍFEROS Nilson Guiguer 1 & Michael Wolfgang Kohnke 1 Resumo - Em várias partes do mundo tem se observado um forte crescimento da população. Isto tem gerado

Leia mais

Anais 5º Simpósio de Gestão Ambiental e Biodiversidade (21 a 23 de junho 2016)

Anais 5º Simpósio de Gestão Ambiental e Biodiversidade (21 a 23 de junho 2016) VULNERABILIDADE DO SISTEMA DE AQUÍFERO E O USO E OCUPAÇÃO DA ÁREA DO DISTRITO INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE QUEIMADOS-RJ Jaqueline Kalaoum 1 ; Jonathas Batista Gonçalves Silva 2 ; João Henrique; Gaia Gomes

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA EM CIDADES PLANEJADAS: PREMISSA DE ZONEAMENTO BASEADO NO RISCO DE CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA EM CIDADES PLANEJADAS: PREMISSA DE ZONEAMENTO BASEADO NO RISCO DE CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA CÁREN IZABEL OLIVEIRA ROCHA PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA EM CIDADES PLANEJADAS: PREMISSA DE ZONEAMENTO BASEADO NO RISCO DE CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA SÃO PAULO 2014 9 CÁREN IZABEL OLIVEIRA ROCHA

Leia mais

Siclério Ahlert Pedro Antônio Roehe Reginato

Siclério Ahlert Pedro Antônio Roehe Reginato Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.5402 Utilização de geoprocessamento na avaliação da vulnerabilidade dos sistemas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DO SUL / RS AUTORES: Autor: Diego Silveira Co-autor: Carlos Alberto Löbler Orientador:

DIAGNÓSTICO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DO SUL / RS AUTORES: Autor: Diego Silveira Co-autor: Carlos Alberto Löbler Orientador: DIAGNÓSTICO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DO SUL / RS AUTORES: Autor: Diego Silveira Co-autor: Carlos Alberto Löbler Orientador: prof. José Luiz Silvério da Silva INTRODUÇÃO: A água

Leia mais

VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQÜÍFEROS DA REGIÃO DE ROCHAS SEDIMENTARES DA BACIA DO RIO MUNDAÚ / CEARÁ.

VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQÜÍFEROS DA REGIÃO DE ROCHAS SEDIMENTARES DA BACIA DO RIO MUNDAÚ / CEARÁ. VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQÜÍFEROS DA REGIÃO DE ROCHAS SEDIMENTARES DA BACIA DO RIO MUNDAÚ / CEARÁ. Carlos Eduardo Sobreira Leite 1 e Gilberto Möbus 1 Resumo - Objetivando estimar a vulnerabilidade

Leia mais

LEVANTAMENTO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO NO MUNICÍPIO DE GOIANIRA NO ESTADO DE GOIÁS.

LEVANTAMENTO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO NO MUNICÍPIO DE GOIANIRA NO ESTADO DE GOIÁS. LEVANTAMENTO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO NO MUNICÍPIO DE GOIANIRA NO ESTADO DE GOIÁS. Aline Souza Carvalho, Cláudia de Sousa Guedes, José Vicente Granato de Araújo Resumo Este trabalho teve como objetivo

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO SERRA GERAL EM FREDERICO WESTPHALEN-RS

DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO SERRA GERAL EM FREDERICO WESTPHALEN-RS DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO SERRA GERAL EM FREDERICO WESTPHALEN-RS Willian Fernando de Borba 1 & Lueni Gonçalves Terra 2 & Gabriel D Avila Fernandes 3 & Jacson Rodrigues

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS DO MUNICÍPIO DE CACOAL-RO: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO GOD

RECURSOS HÍDRICOS VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS DO MUNICÍPIO DE CACOAL-RO: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO GOD RECURSOS HÍDRICOS VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS DO MUNICÍPIO DE CACOAL-RO: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO GOD Weliton Teixeira da Cruz welitonteixeira74@gmail.com Fundação Universidade Federal de Rondônia Claudinei

Leia mais

Endereço (1) : Rua Augusto Corrêa, 1 Guamá Belém PA CEP: Brasil

Endereço (1) : Rua Augusto Corrêa, 1 Guamá Belém PA CEP: Brasil IV-318 - ANÁLISE DA VULNERABILIDADE DE AQUIFEROS E DO ZONEAMENTO DO MUNICÍPIO DE BELÉM-PA - ESTUDO DE CASO EM BAIRROS PRIORITÁRIOS PARA IMPLANTAÇÃO DE SANEAMENTO BÁSICO Amanda Queiroz Mitoso (1) Engenheira

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO BEBERIBE: OFICINAS MECÂNICAS NA ÁREA DE RECARGA

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO BEBERIBE: OFICINAS MECÂNICAS NA ÁREA DE RECARGA XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO BEBERIBE: OFICINAS MECÂNICAS NA ÁREA DE RECARGA Kátia Kater 2 ; Felisbela Oliveira 2 1 Universidade de Pernambuco; 2 Universidade

Leia mais

Metodologia DRASTIC na análise da vulnerabilidade dos aqüíferos livres de Campos dos Goytacazes

Metodologia DRASTIC na análise da vulnerabilidade dos aqüíferos livres de Campos dos Goytacazes Metodologia DRASTIC na análise da vulnerabilidade dos aqüíferos livres de Campos dos Goytacazes Maria da Glória Alves (1) Izabel de Souza Ramos (1) Romeu Coridola (1) (1) Universidade Estadual do Norte

Leia mais

VULNERABILIDADE NATURAL DE AQÜÍFEROS, BACIA DO RIO PARNAÍBA, ESCALA 1 :

VULNERABILIDADE NATURAL DE AQÜÍFEROS, BACIA DO RIO PARNAÍBA, ESCALA 1 : VULNERABILIDADE NATURAL DE AQÜÍFEROS, BACIA DO RIO PARNAÍBA, ESCALA 1 : 500.000 1 Araújo, P.P.; 2 Marques, S.S. RESUMO: Este trabalho teve como objetivo principal à elaboração do mapa de vulnerabilidade

Leia mais

MONITORAMENTO DE NÍVEL DO AQÜÍFERO BAURU NA CIDADE DE ARAGUARI COM VISTAS AO ESTUDO DA VULNERABILIDADE À POLUIÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

MONITORAMENTO DE NÍVEL DO AQÜÍFERO BAURU NA CIDADE DE ARAGUARI COM VISTAS AO ESTUDO DA VULNERABILIDADE À POLUIÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos MONITORAMENTO DE NÍVEL DO AQÜÍFERO BAURU NA CIDADE DE ARAGUARI COM VISTAS AO ESTUDO DA VULNERABILIDADE À

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO GUARANI NO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO SP

ESPACIALIZAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO GUARANI NO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO SP ESPACIALIZAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO GUARANI NO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO SP João Gabriel Thomaz Queluz 1, José Ricardo Sturaro 2 1 Engenheiro Ambiental, IGCE, UNESP Campus Rio Claro/DGA, queluz13@terra.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE INTRÍNSECA À CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE INTRÍNSECA À CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE INTRÍNSECA À CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Willian Fernando de Borba 1 ; & Gabriel D Ávila Fernandes 2 ; & Lueni Gonçalves Terra 3

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO GOD PARA MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE À CONTAMINAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TOCANTINS, BRASIL

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO GOD PARA MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE À CONTAMINAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TOCANTINS, BRASIL UTILIZAÇÃO DO MÉTODO GOD PARA MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE À CONTAMINAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TOCANTINS, BRASIL Karine Beraldo Magalhães Oliveira (*), Fernando de

Leia mais

Allan Tavares Carvalho 1. Palavras-chave: Gestão de recursos hídricos subterrâneos; Análise Multicritério; Processo Analítico Hierárquico (PAH).

Allan Tavares Carvalho 1. Palavras-chave: Gestão de recursos hídricos subterrâneos; Análise Multicritério; Processo Analítico Hierárquico (PAH). ANÁLISE MULTICRITERIAL DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DE JOÃO PESSOA APLICANDO O MÉTODO DO PROCESSO ANALÍTICO HIERÁRQUICO EM UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS Allan Tavares Carvalho 1 Resumo No

Leia mais

VULNERABILIDADE DE AQUÍFEROS

VULNERABILIDADE DE AQUÍFEROS 4º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde: Contaminação do Solo e Recursos Hídricos VULNERABILIDADE DE AQUÍFEROS Luciana Martin Rodrigues Ferreira 8 e 9 de Dezembro de 2005 Uso dos Mapas de Vulnerabilidade

Leia mais

O Homem sempre utilizou materiais de origem geológica que a Natureza lhe fornecia. Idade da Pedra Idade do Bronze Idade do Ferro

O Homem sempre utilizou materiais de origem geológica que a Natureza lhe fornecia. Idade da Pedra Idade do Bronze Idade do Ferro O Homem sempre utilizou materiais de origem geológica que a Natureza lhe fornecia. Idade da Pedra Idade do Bronze Idade do Ferro Os são os materiais sólidos, líquidos ou gasosos que podem ser extraídos

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ESTIMATIVADA VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO SERRA GERAL EM BOA VISTA DAS MISSÕES-RS Gabriel D Ávila Fernandes 1 ; Willian

Leia mais

RESUMO. Teresa Albuquerque. Margarida Antunes. Fátima Seco

RESUMO. Teresa Albuquerque. Margarida Antunes. Fátima Seco Contaminação de águas subterrâneas - avaliação de vulnerabilidade em uma bacia hidrográfica transfronteiriça ibérica Teresa Albuquerque Instituto Politécnico de Castelo Branco, CIGAR, Portugal teresal@ipcb.pt

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA: USO E PROTEÇÃO

ÁGUA SUBTERRÂNEA: USO E PROTEÇÃO ÁGUA SUBTERRÂNEA: USO E PROTEÇÃO Luciana Martin Rodrigues Ferreira 1ºSeminário Estadual Água e Saúde, 25 e 26 de agosto de 2011 Reservas de água no mundo Environment Canada (1993) Distribuição de água

Leia mais

VULNERABILIDADE DE AQÜÍFEROS À CONTAMINAÇÃO POR GASOLINA

VULNERABILIDADE DE AQÜÍFEROS À CONTAMINAÇÃO POR GASOLINA VULNERABILIDADE DE AQÜÍFEROS À CONTAMINAÇÃO POR GASOLINA Edenise Mônica Puerari 1 & Marco Aurélio Holanda de Castro 2 Resumo - Neste trabalho é apresentado um método para determinar o índice de vulnerabilidade

Leia mais

Modelos de vulnerabilidade hidrológica para a bacia hidrográfica do rio Cachoeira (Bahia) utilizando sistemas de informações geográficas

Modelos de vulnerabilidade hidrológica para a bacia hidrográfica do rio Cachoeira (Bahia) utilizando sistemas de informações geográficas Gaia Scientia 2008, 1(2): 89-95 Modelos de vulnerabilidade hidrológica para a bacia hidrográfica do rio Cachoeira (Bahia) utilizando sistemas de informações geográficas Resumo Abstract Till Harum 1 Pierpaolo

Leia mais

Coleta de dados de campo. Tratamento de dados de campo e Determinação de parâmetros. Geração de sistemas de fraturas

Coleta de dados de campo. Tratamento de dados de campo e Determinação de parâmetros. Geração de sistemas de fraturas 1 Introdução Os problemas de engenharia e geologia relacionados ao fluxo de fluidos e transporte de soluto, muitas vezes envolvem os meios porosos e os meios rochosos, que em sua maioria apresentam-se

Leia mais

10263 MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERÍMETROS DE PROTEÇÃO DE POÇOS DE CAPTAÇÃO COMPARADOS À LEGISLAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

10263 MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERÍMETROS DE PROTEÇÃO DE POÇOS DE CAPTAÇÃO COMPARADOS À LEGISLAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO 10263 MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERÍMETROS DE PROTEÇÃO DE POÇOS DE CAPTAÇÃO COMPARADOS À LEGISLAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO César de Oliveira Ferreira Silva Manuel Enrique Gamero Guandique Universidade Estadual

Leia mais

MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA ÁREA URBANA DE MANAUS

MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA ÁREA URBANA DE MANAUS MAPEAMENTO DA VULNERABILIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA ÁREA URBANA DE MANAUS Bárbara Karina Barbosa do Nascimento Graduanda - Universidade Federal do Amazonas - UFAM karina.geo21@gmail.com Danielle Pereira

Leia mais

(Adaptado de Revista Galileu, n.119, jun. de 2001, p.47).

(Adaptado de Revista Galileu, n.119, jun. de 2001, p.47). 1. (UNISAL) Em 2010, a UFPA (Universidade Federal do Pará) anunciou estudos surpreendentes sobre o Aquífero Alter do Chão na Amazônia, que rivaliza em importância com o Aquífero Guarani no Centro-Sul do

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO SOLO ATERROS DE RESÍDUOS

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO SOLO ATERROS DE RESÍDUOS DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO SOLO ATERROS DE RESÍDUOS ATERRO É uma forma de disposição de resíduos no solo que, fundamentada em critérios de engenharia e normas operacionais específicas, garante um

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA APLICADOS À PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA APLICADOS À PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS PHA3334 - Exploração de Recursos Naturais MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA APLICADOS À PRESERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS Grupo 3 Alex Turkie Farina Douglas Vieira Flávio Utumi João Vitor Lucas Mendes

Leia mais

Results and conclusions

Results and conclusions ARTIFICIAL RECHARGE ENHANCEMENT TO PREVENT SEAWATER INTRUSION, KORBA (TUNISIA) Results and conclusions Wells constant level Conceptual model; Modflow Area = 57,3 km 2 Average depth for abstraction = 20

Leia mais

USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O USO E COBERTURA DE TERRA NO MUNICÍPIO DE NITERÓI-RJ.

USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O USO E COBERTURA DE TERRA NO MUNICÍPIO DE NITERÓI-RJ. USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA ANALISE GEOMORFOLÓGICA USANDO O USO E COBERTURA DE TERRA NO MUNICÍPIO DE NITERÓI- RJ. Costa, B.L. 1 ; Marins, L.S. 2 ; Neto, D.S. 3 ; 1 UERJ - FFP Email:brunolopescosta@gmail.com;

Leia mais

Vulnerabilidade do aquífero à contaminação no município de Seberi/RS

Vulnerabilidade do aquífero à contaminação no município de Seberi/RS http://dx.doi.org/10.5902/2236130810941 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Monografias Ambientais - REMOA e-issn 2236 1308 - V. 14, N. 1 (2014): Edição Especial

Leia mais

VULNERABILIDADE DE AQÜÍFEROS

VULNERABILIDADE DE AQÜÍFEROS VULNERABILIDADE DE AQÜÍFEROS Claudio Benedito Baptista Leite, Dr. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo - IPT Agrupamento de Geologia Aplicada ao Meio Ambiente AGAMA Seção de Recursos

Leia mais

MAPEAMENTO DA VUNERABILIDADE DO AQUIFERO DO PARQUE ESTADUAL DO BACANGA: COMPARAÇÃO ENTRE OS MÉTODOS DRASTIC, GOD E SINTACS

MAPEAMENTO DA VUNERABILIDADE DO AQUIFERO DO PARQUE ESTADUAL DO BACANGA: COMPARAÇÃO ENTRE OS MÉTODOS DRASTIC, GOD E SINTACS MAPEAMENTO DA VUNERABILIDADE DO AQUIFERO DO PARQUE ESTADUAL DO BACANGA: COMPARAÇÃO ENTRE OS MÉTODOS DRASTIC, GOD E SINTACS Karina Suzana Feitosa Pinheiro 1 & Matheus Moura Garcês 2 Resumo Este estudo tem

Leia mais

COLETA E PRESERVAÇÃO DE AMOSTRAS DE ÁGUA E SEDIMENTO

COLETA E PRESERVAÇÃO DE AMOSTRAS DE ÁGUA E SEDIMENTO COLETA E PRESERVAÇÃO DE AMOSTRAS DE ÁGUA E SEDIMENTO 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 PROGRAMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS... 2 REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir hidrologia e engenharia hidrológica

Leia mais

7 Hidrologia de Água Subterrânea

7 Hidrologia de Água Subterrânea 7 Hidrologia de Água Subterrânea Importância do estudo para engenharia: Aquífero = Fonte de água potável Tratamento da água subterrânea contaminada Propriedades do meio poroso e geologia da subsuperfície

Leia mais

UFC X SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE

UFC X SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE X SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE UFC CAMPUS CARIRI APLICAÇÃO DE GEOTECNOLOGIA EM ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO À CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE/CE. Celme Torres

Leia mais

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva 1 Ciclo hidrológico global Energia do sol que atua sobre o sistema terrestre: 36% de toda a energia que chega a terra é utilizada

Leia mais

Sociedade & Natureza ISSN: Universidade Federal de Uberlândia Brasil

Sociedade & Natureza ISSN: Universidade Federal de Uberlândia Brasil Sociedade & Natureza ISSN: 0103-1570 sociedadenatureza@ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Brasil Paschoal Rodrigues, Eduardo; da Silva Pinheiro, Eduardo O DESFLORESTAMENTO AO LONGO DA RODOVIA BR-174

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS. Sandra Cristina Deodoro

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS. Sandra Cristina Deodoro UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS Sandra Cristina Deodoro O uso de Macroinvertebrados Bentônicos como bioindicadores de qualidade das águas

Leia mais

VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO AQUÍFERO DA SUB- BACIA DO CÓRREGO DO MEIO EM GOIÁS: APLICAÇÃO DO MÉTODO GOD E POSH

VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO AQUÍFERO DA SUB- BACIA DO CÓRREGO DO MEIO EM GOIÁS: APLICAÇÃO DO MÉTODO GOD E POSH S B C Anais do XXVII Congresso Brasileiro de Cartografia e XXVI Exposicarta 6 a 9 de novembro de 2017, SBC, Rio de Janeiro - RJ, p. 1510-1514 VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO AQUÍFERO DA SUB- BACIA DO CÓRREGO

Leia mais

Semana de Estudos da Engenharia Ambiental UNESP Rio Claro, SP. ISSN

Semana de Estudos da Engenharia Ambiental UNESP Rio Claro, SP. ISSN VULNERABILIDADE E RISCO À CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO LIVRE DA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE RIO CLARO SP. Fernanda Bacaro, Antonio Celso de Oliveira Braga Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho

Leia mais

Mini - curso Monitoramento de Águas Subterrâneas

Mini - curso Monitoramento de Águas Subterrâneas UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E EXATAS CURSO DE GEOGRAFIA 7º SEMANA ACADÊMICA INTEGRADA Mini - curso Monitoramento de Águas Subterrâneas Prof. Dr. Jose Luiz Silvério da

Leia mais

VULNERABILIDADE NATURAL DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SECA, RS COM BASE NO MÉTODO GOD INTRODUÇÃO

VULNERABILIDADE NATURAL DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SECA, RS COM BASE NO MÉTODO GOD INTRODUÇÃO 1 VULNERABILIDADE NATURAL DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SECA, RS COM BASE NO MÉTODO GOD Autor: Carlos Alberto Löbler¹ Co-autor: Guilherme Viana Martelli² Professor Orientador: José Luiz

Leia mais

Riscos de Cheias e Secas: O papel regulador dos aquíferos

Riscos de Cheias e Secas: O papel regulador dos aquíferos Riscos de Cheias e Secas: O papel regulador dos aquíferos Judite FERNANDES e Augusto COSTA INICIATIVA RISCOS 1ª SESSÃO RISCOS NATURAIS 20 de SETEMBRO de 2012 Água subterrânea: a componente invisível do

Leia mais

BLOCO V ÁGUA COMO RECURSO NO MOMENTO ATUAL. Temas: Escassez. Perda de qualidade do recurso (água) Impacto ambiental

BLOCO V ÁGUA COMO RECURSO NO MOMENTO ATUAL. Temas: Escassez. Perda de qualidade do recurso (água) Impacto ambiental EXPOSIÇÃO ÁGUA BLOCO V ÁGUA COMO RECURSO NO MOMENTO ATUAL Temas: Escassez. Perda de qualidade do recurso (água) Impacto ambiental Geofísica aplicada na detecção e mapeamento de contaminação de águas subterrâneas

Leia mais

Introdução ao Ciclo hidrológico

Introdução ao Ciclo hidrológico Introdução ao Ciclo hidrológico Água Uma realidade com várias dimensões Ciclo hidrológico Movimento permanente Sol evaporação + Gravidade precipitação escoamento superficial escoamento subterrâneo O conceito

Leia mais

Vulnerabilidade dos aquíferos da sub-bacia do Rio Vermelho: Aplicação do método GOD. Ana Karolyna Nunes Amaral 1 Dr. Maximiliano Bayer 2

Vulnerabilidade dos aquíferos da sub-bacia do Rio Vermelho: Aplicação do método GOD. Ana Karolyna Nunes Amaral 1 Dr. Maximiliano Bayer 2 Vulnerabilidade dos aquíferos da sub-bacia do Rio Vermelho: Aplicação do método GOD Ana Karolyna Nunes Amaral 1 Dr. Maximiliano Bayer 2 1 Universidade Federal de Goiás UFG Instituto de Estudos Socioambientais

Leia mais

Ana Maria PIRES Carlos MACHADO João VILHENA José Paulo MONTEIRO Luís RODRIGUES Maria José CARVALHO Nelson LOURENÇO Rui REBELO

Ana Maria PIRES Carlos MACHADO João VILHENA José Paulo MONTEIRO Luís RODRIGUES Maria José CARVALHO Nelson LOURENÇO Rui REBELO ÁGUA, ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS E ACTIVIDADE HUMANA. UMA ABORDAGEM INTEGRADA E PARTICIPATIVA NA DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORES E PROSPECTIVAS DE GESTÃO INTEGRADA DE RECURSOS HÍDRICOS NO SUL DE PORTUGAL

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E ENQUADRAMENTO: POR QUE ESPERAMOS O GOVERNO?

CLASSIFICAÇÃO E ENQUADRAMENTO: POR QUE ESPERAMOS O GOVERNO? CLASSIFICAÇÃO E ENQUADRAMENTO: POR QUE ESPERAMOS O GOVERNO? REFLEXÕES ACERCA DE ASPECTOS HIDROGEOLÓGICOS Bonito MS 24 de outubro de 2012 José Luiz Albuquerque Filho (albuzelu@ipt.br fone:11.3767-4362 Hidrogeólogo,

Leia mais

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini HIDROLOGIA AULA 01 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 01 5 semestre - Engenharia Civil PROGRAMA DA DISCIPLINA 1. Introdução à Hidrologia 2. Precipitação

Leia mais

Maria Elisabete S. Soares - UDI - Instituto Politécnico da Guarda Rui A. R. Ramos - C-TAC - Universidade do Minho Ana Maria D. B.

Maria Elisabete S. Soares - UDI - Instituto Politécnico da Guarda Rui A. R. Ramos - C-TAC - Universidade do Minho Ana Maria D. B. Maria Elisabete S. Soares - UDI - Instituto Politécnico da Guarda Rui A. R. Ramos - C-TAC - Universidade do Minho Ana Maria D. B. Fonseca - LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil Objetivos do

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA

CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA 1 POLUIÇÃO E CONTROLE AMBIENTAL a- Crise ambiental b- Ética ambiental c- Meio ambiente e saúde Saúde e qualidade

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 174862 Área de proteção e recuperação de mananciais (APRM) como proposta para a região de recarga do Sistema Aquífero Guarani no estado de São Paulo, Brasil José Luiz Albuquerque

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE À CONTAMINAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBSUPERFICIAIS EM ÁREAS URBANAS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE À CONTAMINAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBSUPERFICIAIS EM ÁREAS URBANAS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO 1 AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE À CONTAMINAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBSUPERFICIAIS EM ÁREAS URBANAS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO Zeide Nogueira de C. Furtado 1 ; Jose Augusto de Lollo 2, Jefferson Nascimento

Leia mais

Capítulo I Introdução 24

Capítulo I Introdução 24 1 Introdução Na última década, a poluição atmosférica tem sido assunto freqüente e de destaque na mídia em geral. Problemas de caráter global como o efeito estufa e a redução da camada de ozônio têm sido

Leia mais

Mananciais de Abastecimento. João Karlos Locastro contato:

Mananciais de Abastecimento. João Karlos Locastro contato: 1 Mananciais de Abastecimento João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Vazão 3 Escolha do Manancial - Qualidade Análise físico-química e bacteriológica; Características de ocupação

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Londrina PLANO DE ENSINO EB69B 9º

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Londrina PLANO DE ENSINO EB69B 9º Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Londrina PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL MATRIZ 03 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução n. o 92/2007 COEPP de 19 de outubro

Leia mais

MAPBIOMAS E USO E COBERTURA DOS SOLOS DO MUNICÍPIO DE BREJINHO, PERNAMBUCO RESUMO ABSTRACT

MAPBIOMAS E USO E COBERTURA DOS SOLOS DO MUNICÍPIO DE BREJINHO, PERNAMBUCO RESUMO ABSTRACT S B C Anais do XXVII Congresso Brasileiro de Cartografia e XXVI Exposicarta 6 a 9 de novembro de 2017, SBC, Rio de Janeiro - RJ, p. 947-951 MAPBIOMAS E USO E COBERTURA DOS SOLOS DO MUNICÍPIO DE BREJINHO,

Leia mais

ESTIMATIVA DE RECARGA DO SISTEMA AQUÍFERO SERRA GERAL UTILIZANDO BALANÇO HÍDRICO

ESTIMATIVA DE RECARGA DO SISTEMA AQUÍFERO SERRA GERAL UTILIZANDO BALANÇO HÍDRICO ESTIMATIVA DE RECARGA DO SISTEMA AQUÍFERO SERRA GERAL UTILIZANDO BALANÇO HÍDRICO Vinícius Menezes Borges (1) Mestrando em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Política de Recursos Hídricos e Saneamento. Prof. Carlos E. M. Tucci

Política de Recursos Hídricos e Saneamento. Prof. Carlos E. M. Tucci Política de Recursos Hídricos e Saneamento Prof. Carlos E. M. Tucci 1 Precipitação Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento da erosão, sedimentos e resíduos sólidos;

Leia mais

SELEÇÃO DE ÁREAS PARA INSTALAÇÃO DE DISTRITO INDUSTRIAL CONSIDERANDO A VULNERABILIDADE NATURAL DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBSUPERFICIAIS

SELEÇÃO DE ÁREAS PARA INSTALAÇÃO DE DISTRITO INDUSTRIAL CONSIDERANDO A VULNERABILIDADE NATURAL DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBSUPERFICIAIS SELEÇÃO DE ÁREAS PARA INSTALAÇÃO DE DISTRITO INDUSTRIAL CONSIDERANDO A VULNERABILIDADE NATURAL DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBSUPERFICIAIS Fábio Noel Stanganini 1 Vitor Eduardo Molina Junior 2 Sergio Antonio

Leia mais

PHD Hidrologia Aplicada. Águas Subterrâneas (2) Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Prof. Dr. Renato Carlos Zambon

PHD Hidrologia Aplicada. Águas Subterrâneas (2) Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Prof. Dr. Renato Carlos Zambon PHD2307 - Hidrologia Aplicada Águas Subterrâneas (2) Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Prof. Dr. Renato Carlos Zambon 1 área de recarga do aquífero confinado superfície piezométrica do aquífero confinado lençol

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DO REBAIXAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TRAMANDAÍ, RS 1

ESPACIALIZAÇÃO DO REBAIXAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TRAMANDAÍ, RS 1 ESPACIALIZAÇÃO DO REBAIXAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TRAMANDAÍ, RS 1 BERNARDI, Ewerthon Cezar Schiavo 2 ; PANZIERA, André Gonçalves 2 ; AUZANI, Gislaine Mocelin

Leia mais

MÉTODO DRASTIC: UMA PROPOSTA DE ESCALA PARA NORMATIZAÇÃO DOS ÍNDICES FINAIS DE VULNERABILIDADE

MÉTODO DRASTIC: UMA PROPOSTA DE ESCALA PARA NORMATIZAÇÃO DOS ÍNDICES FINAIS DE VULNERABILIDADE MÉTODO DRASTIC: UMA PROPOSTA DE ESCALA PARA NORMATIZAÇÃO DOS ÍNDICES FINAIS DE VULNERABILIDADE Homero Reis de Melo Junior 1 RESUMO - O presente artigo apresenta uma proposta de escala para os intervalos

Leia mais

Características de regiões cárstica

Características de regiões cárstica Uma análise preliminar das subsidência e fissuras cársticas no município de Lapão Bahia, através da realização do cadastro de usuários de recursos hídricos Janaina Novaes Sobrinho; Cristiano Macedo Perreira;

Leia mais

Ciclo hidrológico e água subterrânea. Água como recurso natural Água como agente geológico Clima Reservatórios Aquíferos

Ciclo hidrológico e água subterrânea. Água como recurso natural Água como agente geológico Clima Reservatórios Aquíferos Hidrogeologia Ciclo hidrológico e água subterrânea Água como recurso natural Água como agente geológico Clima Reservatórios Aquíferos RESERVATÓRIOS DO SISTEMA HIDROLÓGICO Total da água existente no

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA DE IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO THE GEOPROCESSING AS SUBSIDY OF IDENTIFICATION AREAS OF PRESERVATION

O GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA DE IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO THE GEOPROCESSING AS SUBSIDY OF IDENTIFICATION AREAS OF PRESERVATION O GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA DE IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO THE GEOPROCESSING AS SUBSIDY OF IDENTIFICATION AREAS OF PRESERVATION GONZAGA, T.P.A. 1 ; LIMA, A. S. 2 ; SANTANA, L. B. 3 RESUMO:

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS. Prof. Marcel Sena Campos (65)

RECURSOS HÍDRICOS. Prof. Marcel Sena Campos (65) RECURSOS HÍDRICOS Prof. Marcel Sena Campos senagel@gmail.com (65) 9223-2829 Recursos hídricos são as águas superficiais ou subterrâneas disponíveis para qualquer tipo de uso. Você sabia? Quase toda a

Leia mais

Professor Thiago Espindula - Geografia. Subterrânea. Gráfico (disponibilidade de água)

Professor Thiago Espindula - Geografia. Subterrânea. Gráfico (disponibilidade de água) Ciclo Hidrológico - Reservatórios de água do planeta: Oceanos e Mares: 95 % Água Doce: 5%: > Geleiras (3%), > Água Subterrânea (1%); > Lagos e Rios (0,009%); > Atmosfera (0,001%); > Biosfera (0,0001%).

Leia mais

BLOCO V ÁGUA COMO RECURSO NO MOMENTO ATUAL. Temas: Escassez. Perda de qualidade do recurso (água) Impacto ambiental

BLOCO V ÁGUA COMO RECURSO NO MOMENTO ATUAL. Temas: Escassez. Perda de qualidade do recurso (água) Impacto ambiental EXPOSIÇÃO ÁGUA BLOCO V ÁGUA COMO RECURSO NO MOMENTO ATUAL Temas: Escassez. Perda de qualidade do recurso (água) Impacto ambiental Prospecção de águas subterrâneas com o uso de métodos geofísicos Vagner

Leia mais

O que são Áreas Contaminadas???

O que são Áreas Contaminadas??? O que são Áreas Contaminadas??? Uma área contaminada pode ser definida como uma área, local ou terreno onde há comprovadamente poluição ou contaminação, causada pela introdução de quaisquer substâncias

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO TOCANTINS

UTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO TOCANTINS UTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO TOCANTINS Juliana Rodrigues Carmo (*), Lucas Mendes Oliveira, Karine Beraldo Magalhães, Rejane de Freitas Benevides Almeida * Instituto Federal

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2017

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2017 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2017 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Hidrologia Definição: é a ciência que estuda a distribuição,

Leia mais

Metodologias para a identificação das melhores opções sobre estratégias com vista à gestão sustentável dos recursos hídricos no sul de Portugal

Metodologias para a identificação das melhores opções sobre estratégias com vista à gestão sustentável dos recursos hídricos no sul de Portugal Workshop PROWATERMAN Metodologias para a identificação das melhores opções sobre estratégias com vista à gestão sustentável dos recursos hídricos no sul de Portugal Teresa E. Leitão LNEC JP Lobo Ferreira

Leia mais

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE INTRÍNSECA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA BACIA DO RIO ITAPICURU, BAHIA.

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE INTRÍNSECA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA BACIA DO RIO ITAPICURU, BAHIA. ANÁLISE DA VULNERABILIDADE INTRÍNSECA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA BACIA DO RIO ITAPICURU, BAHIA. Suely Schuartz Pacheco Mestrinho 1 ; Joana Angélica Guimarães da Luz 2 ; Débora Carol Luz da Porciúncula 3.

Leia mais

8 Conclusões e Considerações Finais

8 Conclusões e Considerações Finais 8 Conclusões e Considerações Finais O trabalho de modelagem numérica desenvolvido nesta Tese alcançou o objetivo proposto, que foi o de fornecer uma primeira avaliação da dinâmica do fluxo subterrâneo

Leia mais

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro.

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. RESOLUÇÃO No- 92, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

METODOLOGIAS PARA UM MELHOR PLANEAMENTO E GESTÃO DO USO DO SOLO AGRÍCOLA ATENDENDO À VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS À POLUIÇÃO DIFUSA

METODOLOGIAS PARA UM MELHOR PLANEAMENTO E GESTÃO DO USO DO SOLO AGRÍCOLA ATENDENDO À VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS À POLUIÇÃO DIFUSA METODOLOGIAS PARA UM MELHOR PLANEAMENTO E GESTÃO DO USO DO SOLO AGRÍCOLA ATENDENDO À VULNERABILIDADE DOS AQUÍFEROS À POLUIÇÃO DIFUSA Teresa E. LEITÃO (Coord.) Luís G. S. OLIVEIRA J.P. LOBO FERREIRA Isabel

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA EM UMA ORGANIZAÇÃO MILITAR TOOL APPLICATION FMEA ON A MILITARY ORGANIZATION

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA EM UMA ORGANIZAÇÃO MILITAR TOOL APPLICATION FMEA ON A MILITARY ORGANIZATION Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA EM UMA ORGANIZAÇÃO MILITAR RESUMO TOOL APPLICATION FMEA ON A MILITARY ORGANIZATION Brunna Guedes Da Silva, Victor Paulo Kloeckner

Leia mais

Diretrizes para mapeamento de inundações no Estado do Rio de Janeiro PATRICIA R.M.NAPOLEÃO CARLOS EDUARDO G. FERRIERA

Diretrizes para mapeamento de inundações no Estado do Rio de Janeiro PATRICIA R.M.NAPOLEÃO CARLOS EDUARDO G. FERRIERA Diretrizes para mapeamento de inundações no Estado do Rio de Janeiro PATRICIA R.M.NAPOLEÃO CARLOS EDUARDO G. FERRIERA Outubro, 2016 Política Nacional de Proteção e Defesa Civil - Lei Federal 12.608/2012

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ÁREAS DE RISCO POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ATRAVÉS DE SIG

DETERMINAÇÃO DE ÁREAS DE RISCO POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ATRAVÉS DE SIG UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS HIP 23 - GEOPROCESSAMENTO EM RECURSOS HÍDRICOS DETERMINAÇÃO DE ÁREAS DE RISCO POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

Leia mais

SAAPS. Sistema de apoio à avaliacão ambiental preliminar de sítios

SAAPS. Sistema de apoio à avaliacão ambiental preliminar de sítios SAAPS Sistema de apoio à avaliacão ambiental preliminar de sítios Sobre o IPT O IPT desenvolve pesquisa aplicada e oferece serviços tecnológicos especializados nas áreas de recursos hídricos superficiais

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS POÇOS TUBULARES E A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ

DIAGNÓSTICO DOS POÇOS TUBULARES E A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ DIAGNÓSTICO DOS POÇOS TUBULARES E A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ José Joeferson Soares dos Santos 1 Ricardo Souza Araújo 2 Nayanne Lis Morais Sampaio 3 Thais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA SANITÁRIA E TECNOLOGIA AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA SANITÁRIA E TECNOLOGIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA SANITÁRIA E TECNOLOGIA AMBIENTAL MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO METODOLOGIAS DE DETERMINAÇÃO DE VULNERABILIDADE DE AQÜÍFEROS À CONTAMINAÇÃO

Leia mais

Políticas Públicas para as Mudanças Climáticas no ESP. Fernando Rei Cenbio 2009

Políticas Públicas para as Mudanças Climáticas no ESP. Fernando Rei Cenbio 2009 Políticas Públicas para as Mudanças Climáticas no ESP Fernando Rei Cenbio 2009 Intervenção do Poder Público A ação incide sobre condutas individuais e sociais para prevenir e remediar as perturbações que

Leia mais

GEOESPACIALIZAÇÃO DE DOENÇAS DIARRÉICAS AGUDAS NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG

GEOESPACIALIZAÇÃO DE DOENÇAS DIARRÉICAS AGUDAS NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG GEOESPACIALIZAÇÃO DE DOENÇAS DIARRÉICAS AGUDAS NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA - MG Daniel Moreira Lelis 1 Julio Cesar de Oliveira 2 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Civil Setor de Engenharia

Leia mais

PEC 43/2000 PROPOSTA DE MUDANÇA DA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS : POSICIONAMENTO DA AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS

PEC 43/2000 PROPOSTA DE MUDANÇA DA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS : POSICIONAMENTO DA AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS PEC 43/2000 PROPOSTA DE MUDANÇA DA DOMINIALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS : POSICIONAMENTO DA AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS PAULO LOPES VARELLA NETO Agência Nacional de Águas ANA Diretor Brasília, 23 de março

Leia mais

DISCIPLINA: RECURSO SOLO. Áreas Degradadas e Áreas Contaminadas. Profa. Wanda R. Günther HSA/FSP/USP

DISCIPLINA: RECURSO SOLO. Áreas Degradadas e Áreas Contaminadas. Profa. Wanda R. Günther HSA/FSP/USP DISCIPLINA: RECURSO SOLO Áreas Degradadas e Áreas Contaminadas Profa. Wanda R. Günther HSA/FSP/USP SURGIMENTO DE CASOS DE POLUIÇÃO OU CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL E ÁREAS CONTAMINADAS... ASSUNTO AINDA RECENTE...

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil. Ciências do Ambiente. Aula 14 Impactos e Riscos Ambientais

Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil. Ciências do Ambiente. Aula 14 Impactos e Riscos Ambientais Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 14 Impactos e Riscos Ambientais 2º Semestre/ 2015 1 Etapas importantes: Identificação dos impactos Avaliação e análise dos impactos

Leia mais

Gestão dos Recursos Hídricos e Desenvolvimento da Agricultura e Florestas: do utilitarismo à sustentabilidade. António Gonçalves Henriques

Gestão dos Recursos Hídricos e Desenvolvimento da Agricultura e Florestas: do utilitarismo à sustentabilidade. António Gonçalves Henriques Gestão dos Recursos Hídricos e Desenvolvimento da Agricultura e Florestas: do utilitarismo à sustentabilidade António Gonçalves Henriques Utilitarismo Utilitarismo: Agir sempre de forma a produzir a maior

Leia mais

C T O C MONITORAMENTOS, MAPEAMENTOS E MODELAGENS DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS MARCUS VINÍCIOS ANDRADE SILVA ENG. GEÓLOGO - HIDROGEÓLOGO

C T O C MONITORAMENTOS, MAPEAMENTOS E MODELAGENS DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS MARCUS VINÍCIOS ANDRADE SILVA ENG. GEÓLOGO - HIDROGEÓLOGO MONITORAMENTOS, MAPEAMENTOS E MODELAGENS DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS MARCUS VINÍCIOS ANDRADE SILVA ENG. GEÓLOGO - HIDROGEÓLOGO C T O C CÂMARA TÉCNICA DE OUTORGAS E COBRANÇA O INSTITUTO IBRAM-Instituto Brasileiro

Leia mais

2) Como ocorre um processo de contaminação?

2) Como ocorre um processo de contaminação? Perguntas Frequentes : Áreas Contaminadas 1) O que é uma área contaminada? A Lei Estadual n 13.577, de 8 de julho de 2009, estabelece que área contaminada é uma área, terreno, local, instalação, edificação

Leia mais