Climatologia e Meteorologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Climatologia e Meteorologia"

Transcrição

1 Universidade do Sul de Santa Catarina Climatologia e Meteorologia Disciplina na modalidade a distância

2 Universidade do Sul de Santa Catarina Climatologia e Meteorologia Disciplina na modalidade a distância Palhoça UnisulVirtual 2011

3 Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual Educação Superior a Distância Avenida dos Lagos, 41 Cidade Universitária Pedra Branca Palhoça SC Fone/fax: (48) e Site: Reitor Ailton Nazareno Soares Vice-Reitor Sebastião Salésio Heerdt Chefe de Gabinete da Reitoria Willian Corrêa Máximo Pró-Reitor de Ensino e Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação Mauri Luiz Heerdt Pró-Reitora de Administração Acadêmica Miriam de Fátima Bora Rosa Pró-Reitor de Desenvolvimento e Inovação Institucional Valter Alves Schmitz Neto Diretora do Campus Universitário de Tubarão Milene Pacheco Kindermann Diretor do Campus Universitário da Grande Florianópolis Hércules Nunes de Araújo Secretária-Geral de Ensino Solange Antunes de Souza Diretora do Campus Universitário UnisulVirtual Jucimara Roesler Equipe UnisulVirtual Diretor Adjunto Moacir Heerdt Secretaria Executiva e Cerimonial Jackson Schuelter Wiggers (Coord.) Marcelo Fraiberg Machado Tenille Catarina Assessoria de Assuntos Internacionais Murilo Matos Mendonça Assessoria de Relação com Poder Público e Forças Armadas Adenir Siqueira Viana Walter Félix Cardoso Junior Assessoria DAD - Disciplinas a Distância Patrícia da Silva Meneghel (Coord.) Carlos Alberto Areias Cláudia Berh V. da Silva Conceição Aparecida Kindermann Luiz Fernando Meneghel Renata Souza de A. Subtil Assessoria de Inovação e Qualidade de EAD Denia Falcão de Bittencourt (Coord.) Andrea Ouriques Balbinot Carmen Maria Cipriani Pandini Assessoria de Tecnologia Osmar de Oliveira Braz Júnior (Coord.) Felipe Fernandes Felipe Jacson de Freitas Jefferson Amorin Oliveira Phelipe Luiz Winter da Silva Priscila da Silva Rodrigo Battistotti Pimpão Tamara Bruna Ferreira da Silva Coordenação Cursos Coordenadores de UNA Diva Marília Flemming Marciel Evangelista Catâneo Roberto Iunskovski Auxiliares de Coordenação Ana Denise Goularte de Souza Camile Martinelli Silveira Fabiana Lange Patricio Tânia Regina Goularte Waltemann Coordenadores Graduação Aloísio José Rodrigues Ana Luísa Mülbert Ana Paula R.Pacheco Artur Beck Neto Bernardino José da Silva Charles Odair Cesconetto da Silva Dilsa Mondardo Diva Marília Flemming Horácio Dutra Mello Itamar Pedro Bevilaqua Jairo Afonso Henkes Janaína Baeta Neves Jorge Alexandre Nogared Cardoso José Carlos da Silva Junior José Gabriel da Silva José Humberto Dias de Toledo Joseane Borges de Miranda Luiz G. Buchmann Figueiredo Marciel Evangelista Catâneo Maria Cristina Schweitzer Veit Maria da Graça Poyer Mauro Faccioni Filho Moacir Fogaça Nélio Herzmann Onei Tadeu Dutra Patrícia Fontanella Roberto Iunskovski Rose Clér Estivalete Beche Vice-Coordenadores Graduação Adriana Santos Rammê Bernardino José da Silva Catia Melissa Silveira Rodrigues Horácio Dutra Mello Jardel Mendes Vieira Joel Irineu Lohn José Carlos Noronha de Oliveira José Gabriel da Silva José Humberto Dias de Toledo Luciana Manfroi Rogério Santos da Costa Rosa Beatriz Madruga Pinheiro Sergio Sell Tatiana Lee Marques Valnei Carlos Denardin Sâmia Mônica Fortunato (Adjunta) Coordenadores Pós-Graduação Aloísio José Rodrigues Anelise Leal Vieira Cubas Bernardino José da Silva Carmen Maria Cipriani Pandini Daniela Ernani Monteiro Will Giovani de Paula Karla Leonora Dayse Nunes Letícia Cristina Bizarro Barbosa Luiz Otávio Botelho Lento Roberto Iunskovski Rodrigo Nunes Lunardelli Rogério Santos da Costa Thiago Coelho Soares Vera Rejane Niedersberg Schuhmacher Gerência Administração Acadêmica Angelita Marçal Flores (Gerente) Fernanda Farias Secretaria de Ensino a Distância Samara Josten Flores (Secretária de Ensino) Giane dos Passos (Secretária Acadêmica) Adenir Soares Júnior Alessandro Alves da Silva Andréa Luci Mandira Cristina Mara Schauffert Djeime Sammer Bortolotti Douglas Silveira Evilym Melo Livramento Fabiano Silva Michels Fabricio Botelho Espíndola Felipe Wronski Henrique Gisele Terezinha Cardoso Ferreira Indyanara Ramos Janaina Conceição Jorge Luiz Vilhar Malaquias Juliana Broering Martins Luana Borges da Silva Luana Tarsila Hellmann Luíza Koing Zumblick Maria José Rossetti Marilene de Fátima Capeleto Patricia A. Pereira de Carvalho Paulo Lisboa Cordeiro Paulo Mauricio Silveira Bubalo Rosângela Mara Siegel Simone Torres de Oliveira Vanessa Pereira Santos Metzker Vanilda Liordina Heerdt Gestão Documental Lamuniê Souza (Coord.) Clair Maria Cardoso Daniel Lucas de Medeiros Jaliza Thizon de Bona Guilherme Henrique Koerich Josiane Leal Marília Locks Fernandes Gerência Administrativa e Financeira Renato André Luz (Gerente) Ana Luise Wehrle Anderson Zandré Prudêncio Daniel Contessa Lisboa Naiara Jeremias da Rocha Rafael Bourdot Back Thais Helena Bonetti Valmir Venício Inácio Gerência de Ensino, Pesquisa e Extensão Janaína Baeta Neves (Gerente) Aracelli Araldi Elaboração de Projeto Carolina Hoeller da Silva Boing Vanderlei Brasil Francielle Arruda Rampelotte Reconhecimento de Curso Maria de Fátima Martins Extensão Maria Cristina Veit (Coord.) Pesquisa Daniela E. M. Will (Coord. PUIP, PUIC, PIBIC) Mauro Faccioni Filho (Coord. Nuvem) Pós-Graduação Anelise Leal Vieira Cubas (Coord.) Biblioteca Salete Cecília e Souza (Coord.) Paula Sanhudo da Silva Marília Ignacio de Espíndola Renan Felipe Cascaes Gestão Docente e Discente Enzo de Oliveira Moreira (Coord.) Capacitação e Assessoria ao Docente Alessandra de Oliveira (Assessoria) Adriana Silveira Alexandre Wagner da Rocha Elaine Cristiane Surian (Capacitação) Elizete De Marco Fabiana Pereira Iris de Souza Barros Juliana Cardoso Esmeraldino Maria Lina Moratelli Prado Simone Zigunovas Tutoria e Suporte Anderson da Silveira (Núcleo Comunicação) Claudia N. Nascimento (Núcleo Norte- Nordeste) Maria Eugênia F. Celeghin (Núcleo Pólos) Andreza Talles Cascais Daniela Cassol Peres Débora Cristina Silveira Ednéia Araujo Alberto (Núcleo Sudeste) Francine Cardoso da Silva Janaina Conceição (Núcleo Sul) Joice de Castro Peres Karla F. Wisniewski Desengrini Kelin Buss Liana Ferreira Luiz Antônio Pires Maria Aparecida Teixeira Mayara de Oliveira Bastos Michael Mattar Patrícia de Souza Amorim Poliana Simao Schenon Souza Preto Gerência de Desenho e Desenvolvimento de Materiais Didáticos Márcia Loch (Gerente) Desenho Educacional Cristina Klipp de Oliveira (Coord. Grad./DAD) Roseli A. Rocha Moterle (Coord. Pós/Ext.) Aline Cassol Daga Aline Pimentel Carmelita Schulze Daniela Siqueira de Menezes Delma Cristiane Morari Eliete de Oliveira Costa Eloísa Machado Seemann Flavia Lumi Matuzawa Geovania Japiassu Martins Isabel Zoldan da Veiga Rambo João Marcos de Souza Alves Leandro Romanó Bamberg Lygia Pereira Lis Airê Fogolari Luiz Henrique Milani Queriquelli Marcelo Tavares de Souza Campos Mariana Aparecida dos Santos Marina Melhado Gomes da Silva Marina Cabeda Egger Moellwald Mirian Elizabet Hahmeyer Collares Elpo Pâmella Rocha Flores da Silva Rafael da Cunha Lara Roberta de Fátima Martins Roseli Aparecida Rocha Moterle Sabrina Bleicher Verônica Ribas Cúrcio Acessibilidade Vanessa de Andrade Manoel (Coord.) Letícia Regiane Da Silva Tobal Mariella Gloria Rodrigues Vanesa Montagna Avaliação da aprendizagem Claudia Gabriela Dreher Jaqueline Cardozo Polla Nágila Cristina Hinckel Sabrina Paula Soares Scaranto Thayanny Aparecida B. da Conceição Gerência de Logística Jeferson Cassiano A. da Costa (Gerente) Logísitca de Materiais Carlos Eduardo D. da Silva (Coord.) Abraao do Nascimento Germano Bruna Maciel Fernando Sardão da Silva Fylippy Margino dos Santos Guilherme Lentz Marlon Eliseu Pereira Pablo Varela da Silveira Rubens Amorim Yslann David Melo Cordeiro Avaliações Presenciais Graciele M. Lindenmayr (Coord.) Ana Paula de Andrade Angelica Cristina Gollo Cristilaine Medeiros Daiana Cristina Bortolotti Delano Pinheiro Gomes Edson Martins Rosa Junior Fernando Steimbach Fernando Oliveira Santos Lisdeise Nunes Felipe Marcelo Ramos Marcio Ventura Osni Jose Seidler Junior Thais Bortolotti Gerência de Marketing Eliza B. Dallanhol Locks (Gerente) Relacionamento com o Mercado Alvaro José Souto Relacionamento com Polos Presenciais Alex Fabiano Wehrle (Coord.) Jeferson Pandolfo Karine Augusta Zanoni Marcia Luz de Oliveira Mayara Pereira Rosa Luciana Tomadão Borguetti Assuntos Jurídicos Bruno Lucion Roso Sheila Cristina Martins Marketing Estratégico Rafael Bavaresco Bongiolo Portal e Comunicação Catia Melissa Silveira Rodrigues Andreia Drewes Luiz Felipe Buchmann Figueiredo Rafael Pessi Gerência de Produção Arthur Emmanuel F. Silveira (Gerente) Francini Ferreira Dias Design Visual Pedro Paulo Alves Teixeira (Coord.) Alberto Regis Elias Alex Sandro Xavier Anne Cristyne Pereira Cristiano Neri Gonçalves Ribeiro Daiana Ferreira Cassanego Davi Pieper Diogo Rafael da Silva Edison Rodrigo Valim Fernanda Fernandes Frederico Trilha Jordana Paula Schulka Marcelo Neri da Silva Nelson Rosa Noemia Souza Mesquita Oberdan Porto Leal Piantino Multimídia Sérgio Giron (Coord.) Dandara Lemos Reynaldo Cleber Magri Fernando Gustav Soares Lima Josué Lange Conferência (e-ola) Carla Fabiana Feltrin Raimundo (Coord.) Bruno Augusto Zunino Gabriel Barbosa Produção Industrial Marcelo Bittencourt (Coord.) Gerência Serviço de Atenção Integral ao Acadêmico Maria Isabel Aragon (Gerente) Ana Paula Batista Detóni André Luiz Portes Carolina Dias Damasceno Cleide Inácio Goulart Seeman Denise Fernandes Francielle Fernandes Holdrin Milet Brandão Jenniffer Camargo Jessica da Silva Bruchado Jonatas Collaço de Souza Juliana Cardoso da Silva Juliana Elen Tizian Kamilla Rosa Mariana Souza Marilene Fátima Capeleto Maurício dos Santos Augusto Maycon de Sousa Candido Monique Napoli Ribeiro Priscilla Geovana Pagani Sabrina Mari Kawano Gonçalves Scheila Cristina Martins Taize Muller Tatiane Crestani Trentin

4 José Gabriel da Silva Climatologia e Meteorologia Livro didático Design Instrucional Viviane Bastos João Marcos de Souza Alves 3ª edição Palhoça UnisulVirtual 2011

5 Copyright UnisulVirtual 2011 Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida por qualquer meio sem a prévia autorização desta instituição. Edição Livro Didático Professor Conteudista José Gabriel da Silva Design Instrucional Viviane Bastos João Marcos de Souza Alves (3ª edição) Projeto Gráfico e Capa Equipe UnisulVirtual Diagramação Marina Broering Righetto Revisão Diane Dal Mago Revisão e atualização de conteúdo José Gabriel da Silva S58 Silva, José Gabriel da Climatologia e meteorologia : livro didático / José Gabriel da Silva ; design instrucional Viviane Bastos, João Marcos de Souza Alves. 3. ed. Palhoça : UnisulVirtual, p. : il. ; 28 cm. Inclui bibliografia 1. Climatologia. 2. Meteorologia. I. Bastos, Viviane. II. Alves, João Marcos de Souza. III. Título. Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Universitária da Unisul

6 Sumário Apresentação...7 Palavras do professor Plano de estudo UNIDADE 1 - Climatologia, meteorologia e suas interações UNIDADE 2 - Movimentação atmosférica e sua medida UNIDADE 3 - Estações meteorológicas e previsão de tempo UNIDADE 4 - Radiação e temperatura UNIDADE 5 - Água na atmosfera Para concluir o estudo Referências Sobre o professor conteudista Respostas e comentários das atividades de autoavaliação Biblioteca Virtual...183

7

8 Apresentação Este livro didático corresponde à disciplina Climatologia e Meteorologia. O material foi elaborado visando a uma aprendizagem autônoma e aborda conteúdos especialmente selecionados e relacionados à sua área de formação. Ao adotar uma linguagem didática e dialógica, objetivamos facilitar seu estudo a distância, proporcionando condições favoráveis às múltiplas interações e a um aprendizado contextualizado e eficaz. Lembre-se que sua caminhada, nesta disciplina, será acompanhada e monitorada constantemente pelo Sistema Tutorial da UnisulVirtual, por isso a distância fica caracterizada somente na modalidade de ensino que você optou para sua formação, pois na relação de aprendizagem professores e instituição estarão sempre conectados com você. Então, sempre que sentir necessidade entre em contato; você tem à disposição diversas ferramentas e canais de acesso tais como: telefone, e o Espaço Unisul Virtual de Aprendizagem, que é o canal mais recomendado, pois tudo o que for enviado e recebido fica registrado para seu maior controle e comodidade. Nossa equipe técnica e pedagógica terá o maior prazer em lhe atender, pois sua aprendizagem é o nosso principal objetivo. Bom estudo e sucesso! Equipe UnisulVirtual. 7

9

10 Palavras do professor Será que vai chover? Você já deve ter ouvido essa pergunta, que muitas vezes fica sem resposta. Saber quais as condições do tempo é uma atitude de quase todos nós, seja qual for o motivo, pessoal ou profissional. Nesta disciplina, você vai entender um pouco da dinâmica da atmosfera e sua relação com sua vida, e ao final, perceberá que está mais ligada a esta ciência do que imagina. Alguns conceitos iniciais e diferenças entre clima e tempo marcam o início de nossos estudos. Vamos conhecer a movimentação da atmosfera e as conseqüências desse movimento na distribuição dos ventos e outros eventos meteorológicos. Para quantificar os elementos meteorológicos serão mostradas as estações meteorológicas e a previsão de tempo. Após, vamos estudar a radiação e o balanço de energia radiante para finalizar com o estudo das fases da água na atmosfera e a classificação climática. Espero que você, além dos objetivos de aquisição de conhecimento, ainda possa gratificar-se com a leitura. Prof. José Gabriel da Silva

11

12 Plano de estudo O plano de estudos visa a orientá-lo no desenvolvimento da disciplina. Ele possui elementos que o ajudarão a conhecer o contexto da disciplina e a organizar o seu tempo de estudos. O processo de ensino e aprendizagem na UnisulVirtual leva em conta instrumentos que se articulam e se complementam, portanto, a construção de competências se dá sobre a articulação de metodologias e por meio das diversas formas de ação/mediação. São elementos desse processo: o livro didático; o Espaço UnisulVirtual de Aprendizagem (EVA); as atividades de avaliação (a distância, presenciais e de autoavaliação); o Sistema Tutorial. Ementa Descrição dos processos fundamentais da atmosfera. Elementos e fatores climáticos, tipos e classificação de climas. Principais parâmetros de caracterização da atmosfera. Perturbações da atmosfera: poluições troposféricas (ácidos; oxidante; particulados). Alterações climáticas associadas a poluições. Diminuição do Ozônio estratosférico. Efeito estufa adicional e evolução climática. Hidrometeorologia. Micrometeorologia. Métodos de amostragem. Equipamentos. Práticas de laboratório.

13 Universidade do Sul de Santa Catarina Objetivos da disciplina Geral Compreender os principais fenômenos meteorológicos e climáticos básicos, aplicados aos estudos relacionados ao Meio Ambiente. Específicos Compreender a diferença entre clima e tempo; os elementos e fatores climáticos e suas diferenças no globo terrestre. Identificar a estrutura da Atmosfera e o seu movimento e interações como o EL NIÑO e LA NIÑA. Identificar os princípios básicos da poluição atmosférica. Conhecer o funcionamento de uma estação meteorológica automática e convencional, o princípio de funcionamento dos instrumentos meteorológicos e qual o destino os dados coletados e as as variáveis das previsões de tempo. Conhecer a composição química da atmosfera e identificar os aspectos quali-quantitativos da radiação solar incidente na Terra Desenvolver as relações astronômicas terra-sol, relacionálas com a formação de dias e noites e as estações do ano estimar a irradiancia global e o balanço de energia em sistemas naturais. Conhecer e quantificar o vapor d água na atmosfera. Identificar o orvalho, a neblina o nevoeiro e as geadas. Compreender os processos de formação de nuvens e precipitação e quais os tipos de precipitação. Compreender os tipos climáticos a partir da classificação de Koeppen. 12

14 Climatologia e Meteorologia Carga horária A carga horária total da disciplina é 60 horas-aula. Conteúdo programático/objetivos Veja, a seguir, as unidades que compõem o livro didático desta disciplina e os seus respectivos objetivos. Estes se referem aos resultados que você deverá alcançar ao final de uma etapa de estudo. Os objetivos de cada unidade definem o conjunto de conhecimentos que você deverá possuir para o desenvolvimento de habilidades e competências necessárias à sua formação. Unidades de estudo: 05 Unidade 1 Climatologia, meteorologia e suas interações Nesta unidade, você conhecerá os conceitos iniciais da medida da atmosfera, diferenciando meteorologia de climatologia, tempo de clima e elementos de fatores climáticos. Serão abordados, também, as escalas climáticas, a estrutura e composição da atmosfera e conceitos básicos sobre poluição atmosférica. Unidade 2 Movimentação atmosférica e sua medida Nesta unidade, será tratado sobre o movimento geral da atmosfera e sua influência nos climas do planeta. Vai estudar, também, sobre os ventos de superfície, os principais fenômenos meteorológicos associados a eles e o fenômeno global, EL NIÑO. Unidade 3 Estações meteorológicas e previsão de tempo Aqui, você entenderá como são feitas as medidas de superfície na atmosfera, quais os tipos de estações meteorológicas e, após a coleta de dados, como eles são usados para a realização da previsão de tempo. 13

15 Universidade do Sul de Santa Catarina Unidade 4 Radiação e temperatura Nesta unidade, você estudará as características da radiação eletromagnética proveniente do sol na atmosfera. Vai estudar as interações desta radiação solar com a atmosfera e as estimativas para calcular o balanço de radiação na superfície terrestre em qualquer local ou data. Unidade 5 Água na atmosfera O assunto abordado nesta unidade, se refere a água na atmosfera, desde a sua fase gasosa até chegar na fase líquida ou sólida e precipitar. Você vai conhecer, também, o que é a Umidade relativa e fará sua estimativa, os tipos de nuvens e suas relações com os tipos de precipitação além de conhecer a classificação do clima. 14

16 Climatologia e Meteorologia Agenda de atividades/cronograma Verifique com atenção o EVA, organize-se para acessar periodicamente a sala da disciplina. O sucesso nos seus estudos depende da priorização do tempo para a leitura, da realização de análises e sínteses do conteúdo e da interação com os seus colegas e professor. Não perca os prazos das atividades. Registre no espaço a seguir as datas com base no cronograma da disciplina disponibilizado no EVA. Use o quadro para agendar e programar as atividades relativas ao desenvolvimento da disciplina. Atividades obrigatórias Demais atividades (registro pessoal) 15

17

18 UNIDADE 1 Climatologia, meteorologia e suas interações 1 Objetivos de aprendizagem Conhecer as diferenças entre climatologia e meteorologia, bem como os conceitos de clima e tempo. Compreender as escalas climáticas. Diferenciar os elementos dos fatores climáticos. Identificar a estrutura da atmosfera, sua composição e suas alterações. Seções de estudo Seção 1 Seção 2 Seção 3 Meteorologia e climatologia: conceitos e avaliação do (meio) ambiente Clima e tempo: definições e conceitos A atmosfera terrestre

19 Universidade do Sul de Santa Catarina Para início de estudo Esta unidade traz um assunto muito importante para esta disciplina: as diferenças entre meteorologia e climatologia. Tais diferenças se aplicam na maneira como o (meio) ambiente é avaliado e medido. Essas duas áreas, climatologia e meteorologia, possuem estreita relação, e os valores das medidas da atmosfera são usados para as avaliações climatológicas, como também para as avaliações meteorológicas. Nesta unidade, você vai entender que as diferenças entre meteorologia e climatologia estão diretamente relacionadas com os conceitos de clima e tempo, assunto que será abordado já na primeira seção. Bom estudo! Seção 1 Meteorologia e climatologia: conceitos e avaliação do (meio) ambiente Antes de você estudar sobre o meio ambiente, reflita: o que é meteorologia? Meteorologia é o ramo da ciência que se preocupa com os fenômenos físicos que ocorrem num dado instante (curto intervalo de tempo), ou seja, as condições do tempo. Meteorologia é a ciência que estuda fenômenos atmosféricos, especialmente aqueles que se relacionam às condições meteorológicas. Meteorologistas prevêem o tempo contando com milhares de estações meteorológicas localizadas ao redor do mundo, tanto em terra quanto no mar. Em cada estação, as medições são feitas, tais como pressão atmosférica e temperatura, velocidade do vento, cobertura de nuvens e precipitação. Em 18

20 Climatologia e Meteorologia outros lugares, de nível superior observações são feitas por balões meteorológicos e satélites, que enviam um fluxo contínuo de fotografias de volta à Terra. Toda esta informação é enviada para centros meteorológicos nacionais onde são plotados gráficos e mapas que posteriormente são analisados pelos meteorologistas. Esta informação é chamada de previsão, é então enviada para o público pelos jornais, rádio, intenet e televisão. Já a Climatologia é o estudo científico de climas, que é definida como as condições médias do tempo num longo período. Climatologia é diferente de meteorologia porque depende de uma sequencia de dados. É esse sequenciamento médio que define o clima de um local e que determina quais atividades são ali possíveis. Essa caracterização média define a climatologia. A meteorologia trabalha com valores instantâneos, enquanto a climatologia utiliza valores médios (de longo período) da movimentação atmosférica. No entanto, você pode estar se questionando: como avaliar a atmosfera? Como estudar e prever o tempo, considerando os valores estatísticos dessa movimentação atmosférica? Veja, então: Como existem interações entre chegada e saída de energia, entender a atmosfera bem como prever os acontecimentos nela é muito difícil. Começando pelo aquecimento e resfriamento da superfície terrestre, que por si só causam mudanças no volume densidade doar,tendo como consequência final a alteração da pressão, que por sua vez causa movimentação do ar vertical e horizontalmente. Essas movimentações alteram os padrões de circulação de maneira geral ou local. (FERREIRA, 2006). Unidade 1 19

21 Universidade do Sul de Santa Catarina Seção 2 Clima e tempo: definições e conceitos O gerenciamento de recursos naturais exige o conhecimento de valores médios, de valores extremos e probabilidades de ocorrência de todos os padrões de comportamento da atmosfera, além dos valores do seu estado momentâneo. Essas diferentes abordagens dependem fundamentalmente de escalas temporais, ou seja: clima e tempo. Para um local, essa descrição pode ser tanto em termos instantâneos, definindo sua condição atual, como em termos estatísticos, definindo uma condição média. Portanto, introduzse uma escala temporal na descrição das condições atmosféricas. Denomina-se tempo à descrição instantânea, enquanto que a descrição média é denominada de clima. (PEREIRA et al, 2002). Tempo é o estado da atmosfera num local e instante, sendo caracterizado pelas condições de temperatura, pressão, concentração de vapor, velocidade e direção do vento e precipitação.. Clima é o conjunto dos fenômenos meteorológicos que caracterizam a condição média da atmosfera sobre qualquer lugar da Terra. A esse valor médio de 30 anos chama-se Normal climatológica. O clima é, também, uma descrição estática que expressa as condições médias da região (geralmente, essa descrição tem validade para 30 anos), do sequenciamento das condições do tempo num local. O ritmo das variações sazonais de temperatura, chuva, umidade do ar etc. caracteriza o clima de uma região. O período mínimo de 30 anos foi escolhido pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), com base em princípios estatísticos de tendência do valor médio. Desse modo, incluem-se anos com desvios para mais e para menos em todos os elementos do clima. A Figura 1.1, a seguir, mostra a variação anual da temperatura do ar próximo da superfície ( 1,5m acima do solo) e da chuva na região de São Joaquim/SC. É uma visualização do ritmo desses elementos climáticos ao longo do ano. Provavelmente, nunca ocorreu um ano igual ao normal, mas essa é a descrição do sequenciamento das condições mais prováveis na região. 20

22 Climatologia e Meteorologia Figura Sequenciamento dos valores normais ( ) de temperatura do ar e chuva em São Joaquim/SC Fonte: Epagri, Portanto, em termos médios, a temperatura da região varia entre o mínimo de 9,4 C em julho e o máximo de 17,5 C em fevereiro. Com respeito à chuva, o período primavera-verão (outubro a março) contribui com 58% do total anual. O período menos chuvoso corresponde às estações mais frias. Logo, o clima de São Joaquim/SC apresenta uma distribuição entre as chuvas no verão e no inverno, não evidenciando nenhum período de seca. Unidade 1 21

23 Universidade do Sul de Santa Catarina Observe que, similarmente, esse tipo de descrição pode ser feito para qualquer localidade que disponha de observações meteorológicas. Elementos e fatores climáticos e meteorológicos Antes de apresentar quais são suas funcionalidades, é preciso entender o que são esses elementos e fatores considerados na análise do clima e tempo. Os elementos são os atributos que constituem o clima de qualquer local da superfície do planeta e são representados pela temperatura, pressão e umidade atmosféricas. Os fatores são aqueles agentes responsáveis pelas diferenças climáticas na Terra, pois provocam alterações nos elementos. Tais agentes são a latitude, a longitude, a maritimidade-continentalidade, a vegetação e as atividades humanas. Escala temporal dos fenômenos atmosféricos De acordo com a posição do sol em relação a terra, associada com a rotação da terra, os diferentes locais da terra apresentam diferentes cargas de energia, que evidenciam uma grande variação entre o dia e a noite. Anotando assim uma escala diária. Uma escala maior de variação das condições meteorológicas é a anual, que se deve ao posicionamento relativo entre a Terra e o Sol, gerando as estações do ano. As diferenças sazonais são mais intensas à medida que se afasta da linha do Equador. As várias latitudes da terra apresentam distintas incidências de radiação, que associadas ao movimento de translação da terra, determinam as estações do ano. As variações na escala diária e anual, são sempre cíclicas, já que os movimentos da terra 22

24 Climatologia e Meteorologia também são. Assim, de posse dos dados climatológicos é bastante compreensível que se faça previsões. Neste ponto, é importante distinguir as variações que ocorrem rotineiramente daquelas que indicam mudanças no clima. Quando se fala em mudança climática, fala-se de tendências que ocorrem nas condições regionais, num período razoavelmente longo de tempo (décadas, séculos) para uma grande região. Os causadores dessa mudança são os fenômenos naturais (vulcões, atividade solar), sem qualquer influência humana, e mais aqueles desencadeados realmente pelas atividades humanas (desmatamento, poluição, urbanização). A necessidade de incorporar novas áreas na produção de alimentos pressiona o desmatamento e sua substituição por plantas de ciclo menor. Observe a Figura 1.2, a seguir. Ela é uma representação da variação do total anual de chuvas ocorridas em Araranguá/SC, desde 1931 até Embora tenha ocorrido uma flutuação muito grande, a tendência geral foi de aumento. De acordo com a figura, nos anos de 1933, 1945, 1968, 1978, 1985 e 1991 houve um decréscimo nos totais anuais de chuvas. De 1983 até 1988, houve um aumento brusco, seguido de uma queda igualmente brusca. A tendência do século como um todo foi de leve aumento no total anual das chuvas. Os picos de chuva de 1983 (3.177mm) e 1988 (3.373mm) foram imediatamente após os episódios do El Niño mais intensos até então, as chuvas de outono-inverno representaram 76% do total anual em 1983 e 64% em Observe, por este exemplo, que a análise de períodos relativamente curtos (10 a 20 anos), invariavelmente, conduz a conclusões inconsistentes. Figura Sequenciamento dos totais anuais de chuva em Araranguá/SC Fonte: Epagri, Unidade 1 23

25 Universidade do Sul de Santa Catarina Escala espacial dos fenômenos atmosféricos O clima pode ser estudado por diversas dimensões. Pode ser avaliado em grandezas temporais, com as escalas temporais, que vimos anteriormente. Pode-se estudar o clima também classificando-o segundo uma escala espacial dos fenômenos meteorológicos. A escala espacial é dividida em três categorias: Macro escala (define o macro clima), meso escala define o meso clima) e micro escala (define o micro clima). Para Mendonça (2007), as escalas espaciais estão inseridas nos eventos meteorológicos bem como na escala espacial. Pode-se então definir os climas das seguintes maneiras: Macroclima: é o clima definido dentro de extensas regiões. Utilizam escalas pertencentes as unidades de latitude, longitude etc. Nesta escala ocorrem as mudanças climáticas. Pode-se descrever aqui o clima dos continentes ou de um país. Mesoclima: é um clima regional, definido por delimitações como florestas, desertos, campos, grandes cidades, regiões agrícolas etc. Quando houver a delimitação pelo relevo, defini-se então como topoclima. Por exemplo, nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, os terrenos com face voltada para o norte são mais ensolarados, mais secos e mais quentes. Os de face voltada para o sul são menos ensolarados, mais úmidos e mais frios, sendo batidos pelos ventos Sudeste predominantes na circulação geral da atmosfera. No inverno, terrenos a meia encosta ou convexos permitem boa drenagem do ar frio, ao passo que terrenos côncavos acumulam o ar frio, agravando os efeitos da geada em noites de intenso resfriamento. Logo, a mesoescala deve ser considerada no planejamento de implantação e manejo de um cultivo. Microclima: é a menor das unidades de escala climática. Considera os obstáculos para a movimentação atmosférica e sua dinâmica local. Assim leva-se em conta principalmente a 24

26 Climatologia e Meteorologia cobertura do solo, com detalhes para o uso e ocupação do solo. O fator principal é a cobertura do terreno e cada tipo de cobertura tem influência própria sobre o microclima. Isso significa que dentro de um topoclima podem existir inúmeros microclimas, condição mais comum na natureza. Sendo assim, enfatizando extremos, florestas não têm variações térmicas acentuadas no decorrer do dia, enquanto que culturas de menor porte e menos compactas ou cobertura morta intensificam a amplitude térmica. Seção 3 A atmosfera terrestre Numa perspectiva universal, o ar deve ser considerado excepcional devido às suas funcionalidades. Se não existisse a atmosfera, não haveria animais nem plantas. Todas as características do mundo, tal como o percebemos e o próprio ambiente terrestre, dependem essencialmente do ar. Sem a atmosfera, não haveria vento, nuvens ou chuva. Não haveria céu azul, nem crepúsculos ou auroras. Não existiria o fogo, pois toda combustão resulta da união do oxigênio com as substâncias que queimam. Não existiria o som, pois o que chamamos de som é a vibração das moléculas de ar contra o tímpano. Sem ar, enfim, as plantas não poderiam nascer e crescer. (PEREIRA et al, 2002). Além de suas demais propriedades, a atmosfera serve de imenso escudo que protege a Terra da violência dos raios solares, absorvendo as radiações de ondas curtas mais perniciosas. À noite, funciona como teto de vidro de uma gigantesca estufa, conservando o calor do dia e impedindo que ele se perca todo no espaço. Estrutura vertical da atmosfera Atmosfera é uma manta fina de gases. Sem esse cobertor de gases, nosso planeta não teria vida, assim como a lua. A atmosfera nos dá o ar que precisamos para respirar, nos fornece água potável para beber e nos protege da radiação solar. Unidade 1 25

27 Universidade do Sul de Santa Catarina A atmosfera pode ser dividida verticalmente em camadas em função de suas características físicas e químicas, por exemplo, temperatura e concentração de gases. A atmosfera é subdividida nas seguintes camadas (Figura 1.3): troposfera (camada onde ocorrem os fenômenos meteorológicos); tropopausa (isotermia); estratosfera (camada onde ocorre a absorção dos raios UV pelo O 3 ); estratopausa; mesosfera; mesopausa; termosfera. Figura Estrutura vertical idealizada da atmosfera terrestre Fonte: Pereira et al.,

28 Climatologia e Meteorologia Composição básica da atmosfera Dois gases constituem a maior parte da atmosfera da Terra: nitrogênio (78%) e oxigênio (21%). Traços de Argônio, dióxido de carbono e vapor d agua compõem o restante. Para Pereira et al (2002), esses gases são muito quentes, formando correntes verticais ascendentes intensas, que atingem altitudes elevadas, onde os ventos fluem à grande velocidade. Isso resulta em dispersão dos gases e partículas vulcânicas na escala global, afetando o ciclo natural dos gases atmosféricos, não apenas no local de emissão. Felizmente, essas erupções são esporádicas e aparentemente não cíclicas. Quais os constituintes da atmosfera e quais suas camadas? Os cientistas dividiram a atmosfera em quatro camadas de acordo com a temperatura: troposfera, estratosfera, mesosfera, termosfera. Observe a figura 1.3. A temperatura cai à medida que se sobe na troposfera, mas aumenta à medida que nos movemos pela camada seguinte, a estratosfera. Outro aspecto importante é que quanto mais longe da terra, a atmosfera fica mais fina. Troposfera Esta é a camada da atmosfera mais próxima à superfície da Terra, estendendo-se até cerca de km acima da superfície da Terra. Ela contém 75% da massa da atmosfera. A troposfera é maior no equador do que nos pólos. Temperatura e pressão caem a medida que a altura aumenta. A tropopausa: No topo da troposfera é a tropopausa, onde a temperatura atinge um mínimo (estável). Alguns cientistas chamam a tropopausa uma armadilha fria porque este é um ponto onde o vapor de água ascendente não pode ir mais alto porque se transforma em gelo e é preso. Se não houvesse nenhuma armadilha fria, a Terra perderia toda a sua água! Unidade 1 27

29 Universidade do Sul de Santa Catarina O aquecimento desigual das regiões da troposfera pelo Sol provoca correntes de convecção e ventos. Ar quente da superfície da Terra sobe e ar frio acima dele se locomove para substituí-lo. Quando o ar quente atinge a tropopausa, ele não pode ir mais alto que o ar acima dele (na estratosfera) porque é mais quente e mais leve. impedindo a convecção do ar muito além da tropopausa. A tropopausa age como uma barreira invisível e é a razão porque a maioria de formação de nuvens e fenómenos meteorológicos ocorrem na troposfera, incluindo o efeito estufa, que faleremos mais adiante. Estratosfera Esta camada situa-se acima da troposfera e tem cerca de 35 km de expessura. Estende-se desde cerca de 15 a 50 km acima da superfície da Terra. A parte inferior da estratosfera tem uma temperatura quase constante com a altura, mas na parte superior a temperatura aumenta com a altitude devido à absorção da luz solar pelo ozônio. Este aumento da temperatura com a altitude é o oposto da situação observada na troposfera. A Camada de Ozônio: A estratosfera contém uma fina camada de ozônio, que absorve a maior parte da radiação ultravioleta prejudicial do sol. A camada de ozônio está sendo esgotado, e está ficando mais fina a Europa, Ásia, América do Norte e da Antártida --- buracos estão aparecendo na camada de ozônio. Trataremos com mais propriedades deste assunto na disciplina de Controle da Poluição Atmosférica. Mesosfera Diretamente acima da estratosfera, estendendo km acima da superfície da Terra encontra-se a mesosfera é uma camada de ar frio onde a temperatura geralmente diminui com o aumento da altitude. Aqui na mesosfera, a atmosfera é muito rarefeita, no entanto, grossa o 28

30 Climatologia e Meteorologia suficiente para absorver os meteoros que caem na atmosfera, onde se queimam, deixando rastros de fogo no céu noturno. Termosfera A termosfera se estende de 80 km acima da superfície da Terra para o espaço sideral. A temperatura é quente e pode ser tão elevada como milhares de graus, Pois algumas moléculas que estão presentes na termosfera recebem grandes quantidades de energia do sol. No entanto, a termosfera seria realmente muito fria, por causa da probabilidade de que essas moléculas poucos iriam colidir contra um objeto neste ponto. Dióxido de carbono representa apenas 0,0383% da atmosfera. Literalmente uma gota na atmosfera. Na troposfera, o CO 2 e o vapor d água são responsáveis pela manutenção da temperatura principalmente na troposfera. Chamamos esta estabilização térmica de efeito estufa, e é um fenômeno natural. Parte da energia é reemitida para a atmosfera na forma de radiação infravermelha Parte dessa radiação infravermelha é capturada pela atmosfera, aquecendo-a A maioria da radiação é absorvida para aquecimento da terra Figura Ilustração da captura da radiação infravermelha pelo CO 2 Fonte: Morris, T. Fullerton College. Adaptada: Unidade 1 29

31 Universidade do Sul de Santa Catarina O efeito estufa é um processo natural que mantém a temperatura média da terra em torno de 14 C, ou seja, sempre existiu, mesmo antes da Revolução Industrial. Porém, segundo Dow e Downing (2007), as evidências de que as mudanças climáticas induzidas pelo homem já estão acontecendo são bastante claras e o entendimento básico que a física dos gases atmosféricos determina o equilíbrio energético do planeta e afeta as temperaturas globais do planeta também já é conhecido. O Protocolo de Quioto é um tratado ambiental que tem como objetivo estabilizar a emissão de gases de efeito estufa (GEE) para a atmosfera e assim reduzir o aquecimento global e seus possíveis impactos. É considerado o tratado sobre meio ambiente de maior importância lançado até hoje. O acordo foi assinado em 1997 na cidade japonesa de Quioto e aberto à adesão dos países membros da Convenção. Antes disso, uma série de negociações já vinham sendo feitas desde a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, que aconteceu em Nova York, em O tratado visa a diminuição da emissão dos seguintes gases, que colaboram para o agravamento do efeito estufa: perfluorcabono, hexafluoreto de enxofre, metano, óxido nitroso, hidrofluorcarbono e dióxido de carbono. Os países signatários do Protocolo de Quioto foram divididos em dois grupos, de acordo com seu nível de industrialização: os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento. Os países desenvolvidos que ratificaram o tratado tem o compromisso de diminuir suas emissões de GEE em uma média de 5,2% em relação aos níveis que emitiam em E tem um prazo final para cumprir a meta: até Já os países que não atingiram determinado nível de desenvolvimento, não tem metas. Eles podem auxiliar na redução de emissão desses gases, embora não tenham um compromisso legal de redução até Essa redução de emissões pode ser feita através de projetos devidamente registrados que comercializem Certificados de Emissões Reduzidas (CERs) de projetos. 30

32 Climatologia e Meteorologia Não podemos esquecer do vapor de água, que na atmosfera varia em volume de aproximadamente 4%, dependendo do local do globo. Portanto, em média, apenas cerca de 2-3% das moléculas no ar são as moléculas de vapor d água. A quantidade de vapor d água no ar é pequeno em áreas extremamente áridas e no local onde as temperaturas são muito baixas (ou seja, regiões polares, de tempo muito frio). O volume de vapor d água é de cerca de 4% em locais muito quentes e úmidos como os trópicos. Por que não se pode ter mais que 4% de vapor d água na atmosfera? É porque a temperatura estabelece um limite para a quantidade de vapor d água no ar. Mesmo no ar tropical, uma vez que quando o volume de vapor d água na atmosfera se aproxima de 4%, ele começará a se condensar. A condensação de vapor de água evita que o percentual de vapor de água no ar aumente. Síntese Nesta unidade, você estudou sobre os conceitos importantes relacionados à climatologia e meteorologia. É essencial entender as diferenças entre clima e tempo, as escalas dos fenômenos atmosféricos, elementos e fatores climáticos e a composição da atmosfera. A atmosfera serve de imenso escudo que protege a Terra da violência dos raios solares, absorvendo as radiações de ondas curtas mais perniciosas. Além disso, a radiação solar é o principal elemento controlador das variações tanto na escala diária como na anual. Essas são variações que ocorrem com uma periodicidade (ciclo) previsível. Você estudou também sobre os efeitos do aumento de alguns gases nocivos na atmosfera, que afetam o equilíbrio energético do planeta e as temperaturas globais do planeta, o que também já é conhecido. Unidade 1 31

33 Universidade do Sul de Santa Catarina Atividades de autoavaliação Ao final de cada unidade, você realizará atividades de autoavaliação. O gabarito está disponível no final do livro didático. Mas esforce-se para resolver as atividades sem ajuda do gabarito, pois assim você estará promovendo (estimulando) a sua aprendizagem. 1) Assinale a alternativa correta. a) ( ) Tempo e clima são conceitualmente iguais. b) ( ) Tempo é o estudo de dados estatísticos provenientes de estações meteorológicas iguais. c) ( ) Clima é o estudo dos eventos instantâneos ocorridos na atmosfera. d) ( ) Clima é o estudo da atmosfera considerando elementos meteorológicos de uma série de anos. e) ( ) Tempo é o estudo dos fatores climáticos. 2) Quais as escalas dos fenômenos meteorológicos? 32

34 Climatologia e Meteorologia 3) De acordo com o que foi estudado nesta unidade, responda às seguintes questões: a) Qual o protocolo criado para estabelecer metas de redução dos gases do efeito estufa? b) Qual é a diferença entre a assinatura do protocolo e a ratificação do protocolo? c) Quais grandes países ainda não ratificaram o protocolo? Unidade 1 33

35 Universidade do Sul de Santa Catarina 4) Assista ao filme O dia depois de amanhã (The Day after tomorrow, produzido pela Warner Bros.) e identifique: a) Uma escala de fenômeno meteorológico. b) Um erro conceitual. c) Um elemento climático citado no filme. 34

36 Climatologia e Meteorologia d) Um fator climático citado no filme. Saiba mais Se você desejar, aprofunde os conteúdos estudados nesta unidade consultando as seguintes referências: DOW, K.; DOWNING, T. E. O atlas da mudança climática. O mapeamento completo do maior desafio do planeta. São Paulo: Publifolha, FERREIRA, A. G. Meteorologia prática. São Paulo: Oficina de textos, MENDONÇA, F.; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia. Noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, PEREIRA, A. R.; ANGELOCCI, L. R.; SENTELHAS, P. C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas. São Paulo: Agropecuária Ltda., TUBELIS, A.; NASCIMENTO, F. J. L. do. Meteorologia descritiva. São Paulo: Nobel, VIANELLO, R. L.; ALVES, A. R. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: Imprensa Universitária de Viçosa, Unidade 1 35

37

38 UNIDADE 2 Movimentação atmosférica e sua medida 2 Objetivos de aprendizagem Conhecer os movimentos atmosféricos e sua relação com a formação do clima e do tempo. Compreender as consequências dos fenômenos El Niño e La Niña. Identificar as massas de ar e frentes de deslocamento. Seções de estudo Seção 1 Seção 2 Circulação geral da atmosfera Estrutura vertical dos ventos

39 Universidade do Sul de Santa Catarina Para início de estudo Nesta unidade, você irá entender como a atmosfera se movimenta, quais as consequências desse movimento e como são os ventos gerados nesse processo. Além disso, entenderá por que o El Niño é um fenômeno de escala global e que está mais ligado ao seu dia a dia do que você imagina. Já na seção 2, você vai ver como os ventos gerados pelos sistemas atmosféricos interagem nos sistemas naturais. Você vai entender que os movimentos gerais da atmosfera geram na superfície do planeta outros movimentos localizados, que estão interligados e são regidos pelas mesmas leis físicas dos grandes movimentos. Em qualquer escala, o ar em movimento, impulsionado pelas diferenças de pressão, ocasiona diferentes fenômenos meteorológicos. Seção 1 Circulação geral da atmosfera Estamos prontos para entender os movimentos de massa de ar em escalas regionais e globais. O ar move ao longo de gradientes de pressão a partir de condições de alta pressão para baixar a pressão; ar quente sobe, ar frio desce, movimentos de ar são influenciados também pelo movimento da própria Terra, bem como outras forças. Como a Terra aquece de forma desigual, o calor é deslocado de áreas quentes para áreas mais frias de acordo com as leis da física. Este movimento do ar de escala global, que restaura o equilíbrio de calor na Terra, é chamado de circulação geral da atmosfera. A causa dominante por trás do movimento do ar em condições quase horizontais é o gradiente de pressão. 38

40 Climatologia e Meteorologia A força vertical exercida pela atmosfera sobre a superfície terrestre é denominada de pressão atmosférica. Para Pereira et al (2002), desta forma, pode-se inferir que a atmosfera é mais expandida no equador e mais contraída nos polos. A parte ensolarada da Terra (dia) também tem atmosfera mais espessa que a parte escurecida (noite). A espessura da atmosfera varia continuamente ao redor da Terra. Portanto, a região equatorial sempre apresenta menor pressão atmosférica que os polos. É por esse motivo que, na superfície, as massas frias (alta pressão) sempre avançam para as regiões mais aquecidas (baixa pressão). Em altitude, a circulação é no sentido contrário, formando uma célula. Esta movimentação redistribui a energia que sobra no equador para as regiões polares. Por essa descrição é que se afirma que uma parcela (volume de controle) de ar está sujeita a três forças: 1. da gravidade a força de atração gravitacional é sempre direcionada no sentido do centro da Terra, prendendo a atmosfera ao redor de sua superfície, sendo a principal responsável pela pressão; 2. da flutuação térmica - a força devido à flutuação térmica contribui significativamente para a variação da pressão local, e sua contribuição pode ser tanto no sentido de aumentar como de diminuir o valor da pressão. A contribuição é positiva quando a superfície está fria, pois o ar em contato com ela também está frio, e a força de flutuação térmica será direcionada para o centro da Terra, aumentando a pressão; 3. do gradiente horizontal de pressão se a superfície estiver quente, o ar estará quente, e então essa força será direcionada para cima, diminuindo a pressão na superfície. A força, devido ao gradiente horizontal de pressão, é a responsável pela movimentação da atmosfera de uma região para outra. Unidade 2 39

41 Universidade do Sul de Santa Catarina Como essas três forças atuam sobre a parcela de ar em qualquer situação (repouso ou movimento), elas são denominadas de forças primárias. No entanto, no momento que a massa de ar começa a se movimentar aparecem duas outras forças denominadas secundárias. Veja Figura 2.3 (PEREIRA et al, 2002). Uma é a força devido ao atrito com a superfície. Ela é sempre contrária ao sentido de movimentação, sendo resultante da rugosidade da superfície; portanto, seu efeito é de desaceleração do movimento. Outra é uma força aparente devido ao movimento de rotação da Terra, denominada Força de Coriolis. Ela apenas muda a trajetória da massa de ar sem modificar sua velocidade. Figura 2.3 (PEREIRA et al, 2002). Ainda para Pereira et al (2002), a força de Coriolis é sempre perpendicular à direção do movimento, e no Hemisfério Sul desloca a trajetória para a esquerda. No Hemisfério Norte, o deslocamento é para a direita. Isso explica por que os redemoinhos giram em sentidos diferentes nos dois hemisférios. É a força de Coriolis que determina o movimento rotatório dos sistemas atmosféricos (ciclones, anticiclones, tornados e furacões). Para entender o efeito da força de Coriolis, imagine um avião voando do Polo Sul para um ponto situado no equador. Como a Terra gira de oeste para leste, a trajetória do avião será uma curva para a esquerda, pois o ponto de destino se desloca para a direita. Figura Representação esquemática simplificada da circulação geral da atmosfera Fonte: Netvisão,

42 Climatologia e Meteorologia Figura Representação das células de circulação Fonte: UWSP, Segundo a teoria de 3 células, a Terra é dividida em seis células de circulação, três no Hemisfério Norte e três no hemisfério sul. (Figuras 2.1 e 2.2). As linhas divisórias estão a 30 do equador, latitudes Norte e Sul. A circulação geral do Hemisfério Norte é similar a do Hemisfério Sul. Primeiro, observe a célula tropical do Hemisfério Norte que fica entre o equador e 30 de latitude Norte. Convecções no equador faz em com que o ar quente suba nesta região. Quando atinge a parte superior da troposfera, ela tende a fluir em direção à Pólo Norte. No momento em que o ar atingiu 30 N, o efeito Coriolis desvia o ar que passa a se mover para leste, em vez de para o norte. Isto resulta numa região de convergência perto de 30. Então ma corrente de ar descendente (subsidência) em direção à superfície forma um cinturão de alta pressão. Quando o ar descendente atinge a superfície onde ela flui para fora (divergência), parte do ar flui e flui para os pólos tornar-se uma célula das latitudes médias. Unidade 2 41

43 Universidade do Sul de Santa Catarina a outra parte dos fluxos vai em direção ao equador, onde é desviado pela força de Coriolis e forma os ventos de nordeste. Estas são as chamada células de Hadley. A célula de latitude média (Ferrel) situam-se entre 30 e 60 de latitude Norte ou Sul. A célula polar fica entre 60 de latitude Norte e os Pólo Norte e também Sul. Figura Esquema demonstrando a força aparente de Coriolis Fonte: Geomundo, Assim, a força de Coriolis (F) modifica o sentido dos ventos, defletindo-os para a esquerda no Hemisfério Sul e para a direita no Hemisfério Norte, de acordo com a Figura 2.4, originando-se assim os ventos predominantes em cada faixa. (PEREIRA et al, 2002). Entre os trópicos e o equador - ALÍSIOS de NE (Hemisfério Norte) e de SE (Hemisfério Sul). Entre os trópicos e as regiões subpolares - ventos de OESTE. Regiões polares - ventos de LESTE. 42

Psicologia nas Organizações

Psicologia nas Organizações Universidade do Sul de Santa Catarina Psicologia nas Organizações Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Psicologia nas Organizações Disciplina na modalidade a distância

Leia mais

Cálculo Integral nas Ciências Sociais

Cálculo Integral nas Ciências Sociais Universidade do Sul de Santa Catarina Cálculo Integral nas Ciências Sociais Disciplina na modalidade a distância Palhoça UnisulVirtual 2011 Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual

Leia mais

A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima

A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima - Conceitos e definições (iniciais) importantes: - Atmosfera: camada gasosa que envolve a Terra (78% Nitrogênio, 21% Oxigênio e 1% outros). A camada gasosa

Leia mais

Alfabetização e Políticas da Educação de Jovens e Adultos no Brasil

Alfabetização e Políticas da Educação de Jovens e Adultos no Brasil Universidade do Sul de Santa Catarina Alfabetização e Políticas da Educação de Jovens e Adultos no Brasil Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Alfabetização e Políticas

Leia mais

Gestão de Produtos e Marcas

Gestão de Produtos e Marcas Universidade do Sul de Santa Catarina Gestão de Produtos e Marcas Disciplina na modalidade a distância Palhoça UnisulVirtual 2011 Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual Educação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO ANEXO II INSCRIÇÕES HOMOLOGADAS CANDIDATOS AUTODECLARADOS NEGROS EDITAL 74 DE 03/12/2015 TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM ADUCAÇÃO INSCRICAO CAMPUS CARGO NOME 19941 CAMPUS PATROCÍNIO TÉCNICO EM ALEX DE SOUZA

Leia mais

Sistema e Política Nacional de Inteligência. Geovaldri Maciel Laitartt Régis André Silveira Limana

Sistema e Política Nacional de Inteligência. Geovaldri Maciel Laitartt Régis André Silveira Limana Sistema e Política Nacional de Inteligência Geovaldri Maciel Laitartt Régis André Silveira Limana Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual Educação Superior a Distância Avenida

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina. Psicologia Social. Disciplina na modalidade a distância

Universidade do Sul de Santa Catarina. Psicologia Social. Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Psicologia Social Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Psicologia Social Disciplina na modalidade a distância Palhoça UnisulVirtual

Leia mais

CURSO TURNO NOME DO ALUNO CLASSIFICAÇÃO STATUS ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA noturno ANA CLÁUDIA ARAUJO DA MOTA 0 Desclassificado ENGENHARIA

CURSO TURNO NOME DO ALUNO CLASSIFICAÇÃO STATUS ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA noturno ANA CLÁUDIA ARAUJO DA MOTA 0 Desclassificado ENGENHARIA CURSO TURNO NOME DO ALUNO CLASSIFICAÇÃO STATUS ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA noturno ANA CLÁUDIA ARAUJO DA MOTA 0 Desclassificado ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA noturno ANDRÊSSA CAIXETA SOUZA 0 Desclassificado

Leia mais

Abordagem Sociopsicológica da Violência e do Crime. Marcos Erico Hoffmann

Abordagem Sociopsicológica da Violência e do Crime. Marcos Erico Hoffmann Abordagem Sociopsicológica da Violência e do Crime Marcos Erico Hoffmann Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual Educação Superior a Distância Avenida dos Lagos, 41 Cidade Universitária

Leia mais

Patrimônio Cultural e Natural

Patrimônio Cultural e Natural Universidade do Sul de Santa Catarina Patrimônio Cultural e Natural Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Patrimônio Cultural e Natural Disciplina na modalidade a distância

Leia mais

CURSO: RECUSROS HUMANOS

CURSO: RECUSROS HUMANOS 6 de junho de 2015 CURSO: RECUSROS HUMANOS ELAINE CRISTINA AMORIM ELISABETE ALVES DE LIMA MARIA ANDREZA CASTRO DE MORAIS REGIANE LIBERATO AMORIM RUTE GOMES DE ASSUNÇÃO 8h CURSO: RECURSOS HUMANOS FERNANDA

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS 2011/2012 Geografia 7º Ano de escolaridade O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS Estado do tempo e clima Elementos e fatores do clima A ATMOSFERA: Invólucro gasoso (camada de ar) que envolve a Terra;

Leia mais

Elementos e fatores climáticos

Elementos e fatores climáticos Elementos e fatores climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade,

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

Introdução à Filosofia

Introdução à Filosofia Universidade do Sul de Santa Catarina Introdução à Filosofia Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Introdução à Filosofia Disciplina na modalidade a distância Palhoça

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO A DINÂMICA ATMOSFÉRICA CAPÍTULO 1 GEOGRAFIA 9º ANO Vanessa Andrade A atmosfera é essencial para a vida, porque além de conter o oxigênio que respiramos, ela mantém a Terra quente,

Leia mais

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º s de Castro Daire Turma : A 1498 1 Ana Catarina Costa Esteves 14920 2 Ana Francisca da Silva Fernandes 16292 3 Beatriz Monteiro Andrade 14409 4 Camila Almeida Oliveira

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSO SELETIVO 2015 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTO JURÍDICO DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSO SELETIVO 2015 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTO JURÍDICO DOUTORADO BANCA: D-01D LINHA DE PESQUISA: DIREITOS HUMANOS E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO: FUNDAMENTAÇÃO, PARTICIPAÇÃO E EFETIVIDADE ÁREA DE ESTUDO: DIREITO POLÍTICO SALA: 501 Carlos Athayde Valadares Viegas Ricardo

Leia mais

Amanda Cardoso de Melo

Amanda Cardoso de Melo Aime Pinheiro Pires participou da palestra: Empreendedor De Sucesso, Amanda Cardoso de Melo Amanda Loschiavo Amoiré Santos Ribeiro Ana Carolina Pereira Pires Ana Carolina Pioto Magalhães Ana Cristina Angelo

Leia mais

Relatório de Diplomas Registrados pela Universidade Federal de Minas Gerais Diplomas Registrados - 38ª Remessa. Assunto: Farmácia

Relatório de Diplomas Registrados pela Universidade Federal de Minas Gerais Diplomas Registrados - 38ª Remessa. Assunto: Farmácia 2640 RD.2013/2 11/09/2013 ACÁCIA TROTA 2013/09.00879 Universidade Federal de Minas Gerais 2666 RD.2013/2 12/09/2013 AILTON BATISTA JUNIOR Ciências Contábeis 2013/09.00916 Universidade Federal de Minas

Leia mais

PALESTRA 1 DINÂMICA E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE DOCUMENTAÇÃO E DAS BIBLIOTECAS DO CPII. VAGAS: 60

PALESTRA 1 DINÂMICA E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE DOCUMENTAÇÃO E DAS BIBLIOTECAS DO CPII. VAGAS: 60 PALESTRA 1 DINÂMICA E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE DOCUMENTAÇÃO E DAS BIBLIOTECAS DO CPII. VAGAS: 60 Professor Responsável: MARTA REGINA DE JESUS Dias / Hora / Local: 6a. Feira - 09/08 das 9:00 às 12:00h

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado : A 137 1 Adriana Manuela Gomes Pinheiro 14 S S 20 2 Alexandra Pereira Ferreira 28 3 Ângelo Rafael Araújo Gomes S 28 4 Beatriz da Costa Oliveira S 2 5 Domingos Gonçalo Ferreira

Leia mais

Data: / / Analise as proposições sobre as massas de ar que atuam no Brasil, representadas no mapa pelos números arábicos.

Data: / / Analise as proposições sobre as massas de ar que atuam no Brasil, representadas no mapa pelos números arábicos. -* Nome: nº Ano: 1º Recuperação de Geografia / 2º Bimestre Professor: Arnaldo de Melo Data: / / 1-(UDESC) Observe o mapa abaixo.. Analise as proposições sobre as massas de ar que atuam no Brasil, representadas

Leia mais

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos 1642 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 3406 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova : A Processo Nome Idade EMR. Rep. LE1 LE2 NEE 440 1 André Daniel Almeida Pimentel 98 2 Daniel Gonçalves Tomé

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

Orçamento Empresarial e Controladoria

Orçamento Empresarial e Controladoria Universidade do Sul de Santa Catarina Orçamento Empresarial e Controladoria Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Orçamento Empresarial e Controladoria Disciplina na

Leia mais

RESULTADO DA ANÁLISE CURRICULAR LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

RESULTADO DA ANÁLISE CURRICULAR LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA APRENDIZAGEM MOTORA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESULTADO DA ANÁLISE CURRICULAR LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANA PAULA ZANINI DA SILVA DESCLASSIFICADA ITEM 2.1.1 LUIZ FERNANDO MARIANO MONTEIRO 47 PONTOS

Leia mais

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

Hospital Sofia Feldman

Hospital Sofia Feldman Hospital Sofia ldman Relatório de Remuneração de Médicos Referente a Mês/Ano: 07/2015 NOME DO TRABALHADOR ROBERTO SALES MARTINS VERCOSA PAULO MAX GARCIA LEITE LUCAS BARBOSA DA SILVA JOAO BATISTA MARINHO

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas nas Organizações

Gestão Estratégica de Pessoas nas Organizações Gestão Estratégica de Pessoas nas Organizações Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual Educação Superior a Distância Avenida dos Lagos, 41 Cidade Universitária Pedra Branca

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE REITORIA DE ENSINO DE PÓS GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE REITORIA DE ENSINO DE PÓS GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE REITORIA DE ENSINO DE PÓS GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS FORMAÇÃO DE EQUIPES DE ALUNOS QUE PARTICIPARÃO DOS 5º JOGOS MUNDIAIS

Leia mais

Onde se lê: Lista de candidatos aprovados na triagem JANUÁRIA

Onde se lê: Lista de candidatos aprovados na triagem JANUÁRIA Onde se lê: Lista de candidatos aprovados na triagem JANUÁRIA LOCAL PROVA DATA: 17/12/2014 HORÁRIO: 8:30 LOCAL: SESC - Avenida Aeroporto, 250 - Aeroporto - Januária/MG Cargo: 405/14 Camareiro de Hotel

Leia mais

Aula5 UMIDADE DO AR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula5 UMIDADE DO AR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula5 UMIDADE DO AR META Abordar o elemento climático umidade em sua expressão mais signifi cativa, na tentativa de fazer compreender seus mecanismos.. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: defi

Leia mais

SELECIONADOS MÓDULO I INFORMÁTICA BÁSICA

SELECIONADOS MÓDULO I INFORMÁTICA BÁSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO CAMPUS PETROLINA RESULTADO DO

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina. Libras. Disciplina na modalidade a distância

Universidade do Sul de Santa Catarina. Libras. Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Libras Disciplina na modalidade a distância Palhoça UnisulVirtual 2011 Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual Educação Superior a Distância

Leia mais

CERTIFICADO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO

CERTIFICADO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO Certificamos para os devidos que ESTEVÃO JÚNIOR participou da atividade de extensão de Simulado da OAB, promovida pelas Faculdades Kennedy de Minas Gerais, no dia 07 de outubro de 2015, com carga horária

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS CANDIDATOS SELECIONADOS PARA ENTREVISTA

CLASSIFICAÇÃO DOS CANDIDATOS SELECIONADOS PARA ENTREVISTA CLASSIFICAÇÃO DOS CANDIDATOS SELECIONADOS PARA ENTREVISTA ESTÁGIOS NÃO OBRIGATÓRIOS (REMUNERADOS) CAMPUS DE ITAJUBÁ VAGA Nº 1.01/2016 Diretoria de Compras e Contratos - DCC Administração ou Direito Joyce

Leia mais

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 46 Samuel Souza Evangelista 130 104 Jussara Cândida Soares Desclassificada 45 Bruno José Rupino 130 61 Fabiana Grigógio

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina. Banco de Dados I. Disciplina na modalidade a distância

Universidade do Sul de Santa Catarina. Banco de Dados I. Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Banco de Dados I Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Banco de Dados I Disciplina na modalidade a distância Palhoça UnisulVirtual

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SÃO MIGUEL

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SÃO MIGUEL ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SÃO MIGUEL FOLHA DE RESULTADOS CORTA-MATO ESCOLAR 2013 PROVA: Corta-Mato Escolar - Fase de Ilha ORGANIZAÇÃO: S. Desporto de S. Miguel / A. Atletismo de S. Miguel DATA: 16 de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO ESCOLAS DE FORMAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL EFETI CLASSIFICADOS

PROCESSO SELETIVO ESCOLAS DE FORMAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL EFETI CLASSIFICADOS 119 Aderiane de Fátima Dias França 6,00 64 Adriana dos Santos Gabriel da Rosa 6,70 14 Adriana Martins Lima 6,00 84 Adriana Rocha Rodrigues 6,00 82 Alessandra de Souza Silva 6,15 104 Alessandra Maria Pereira

Leia mais

Plano de Negócios: Plano Operacional e Plano de Marketing. Gabriel Walter Gonzalez Bocchetti Ingo Louis Hermann

Plano de Negócios: Plano Operacional e Plano de Marketing. Gabriel Walter Gonzalez Bocchetti Ingo Louis Hermann Plano de Negócios: Plano Operacional e Plano de Marketing Gabriel Walter Gonzalez Bocchetti Ingo Louis Hermann Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual Educação Superior a Distância

Leia mais

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL Adriana da Conceição Palhares Lopes Alexandra Rodrigues Barbosa Ana Salomé Lopes Queirós Andreia Dias da Costa Bianca Patricia Gonçalves Ramos Carina Filipa Monteiro Rodrigues

Leia mais

HIDROLOGIA APLICADA Professor Responsável:LUIGI WALTER ANDRIGHI UniFOA

HIDROLOGIA APLICADA Professor Responsável:LUIGI WALTER ANDRIGHI UniFOA HIDROLOGIA APLICADA Professor Responsável:LUIGI WALTER ANDRIGHI UniFOA CAPÍTULO IV PRECIPITAÇÃO 4.0.Precipitação é o termo usado para classificar todas as formas de umidades hidrológico se processa na

Leia mais

RELAÇÃO DOS CANDIDATOS CLASSIFICADOS MATRÍCULAS 2012

RELAÇÃO DOS CANDIDATOS CLASSIFICADOS MATRÍCULAS 2012 ALEXANDRE FERREIRA GOMES ADALTO ISSAMU NAKAO ADRIANA SANTOS DE MELO ADRIELE NATANE DOS SANTOS ALÉXIA BIANCA DE CASTRO ALISSON DE SOUZA KOLECHA ANA PAULA BONANI ANA PAULA CARVALHO DE CAMARGO ANA PAULA DOS

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DE SERVIÇOS

BOLETIM ELETRÔNICO DE SERVIÇOS BOLETIM ELETRÔNICO DE SERVIÇOS Campus Floriano Teresina (PI), 31 de outubro de 2014. PORTARIA Nº001/2014, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014. Designar os servidores Lázaro Miranda Carvalho, Professor do Ensino

Leia mais

Os fenômenos climáticos e a interferência humana

Os fenômenos climáticos e a interferência humana Os fenômenos climáticos e a interferência humana Desde sua origem a Terra sempre sofreu mudanças climáticas. Basta lembrar que o planeta era uma esfera incandescente que foi se resfriando lentamente, e

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13948 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Gabriela Pedro Fernandes Escola Básica n.º 2 de São Pedro do Sul 13933 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Júlia Capela Pinto Escola Básica n.º 2 de São Pedro do

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DO PLANALTO 11a REGIÃO MILITAR (Cmdo Mil de Bsb/1960) REGIÃO TENENTE-CORONEL LUIZ CRULS

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DO PLANALTO 11a REGIÃO MILITAR (Cmdo Mil de Bsb/1960) REGIÃO TENENTE-CORONEL LUIZ CRULS MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DO PLANALTO 11a REGIÃO MILITAR (Cmdo Mil de Bsb/1960) REGIÃO TENENTE-CORONEL LUIZ CRULS DIVULGAÇÃO DO RESULTADO DOS RECURSOS DOS CANDIDATOS AO ESTÁGIO

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

Resultados da Candidatura a Alojamento

Resultados da Candidatura a Alojamento Resultados da Candidatura a Alojamento Unidade Orgânica: Serviços de Acção Social RESIDÊNCIA: 02 - ESE ANO LECTIVO: 2015/2016 2ª Fase - Resultados Definitivos >>> EDUCAÇÃO BÁSICA 14711 Ana Catarina Mendes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC SECRETARIA GERAL DE CURSOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC SECRETARIA GERAL DE CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC SECRETARIA GERAL DE CURSOS RESULTADO DAS SOLICITAÇÕES DE RETORNO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PARA O 1º PERÍODO LETIVO DE 2016. BASE LEGAL: ARTIGO 103 DO REGIMENTO GERAL

Leia mais

Nome do candidato Curso - Campus Semestre Classificação

Nome do candidato Curso - Campus Semestre Classificação 589 ADILSON SANTOS DE JESUS 49 AMANDA LUISA FAGUNDES AMORIM 45477 ARLISON SANTOS SOUZA 7698 AUGUSTO MACHADO RAMOS 80880 BIANCA AMORIM SANTOS 00492 DANIEL SANTOS SILVA 44442 DANILO FLORES DE OLIVEIRA 6240

Leia mais

ENTREVISTA. ÁREA: R01 Cursos de Graduação do Campus Rio Pomba Agricultura e Ambiente

ENTREVISTA. ÁREA: R01 Cursos de Graduação do Campus Rio Pomba Agricultura e Ambiente Edital nº 09/2012 APURAÇÃO DE RESULTADO (Todas as áreas de estágios ofertados nos Departamentos Acadêmicos/Setores do campus Rio Pomba) ENTREVISTA ÁREA: R01 Cursos de Graduação do Campus Rio Pomba Agricultura

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA DO CHS Vivian Heringer Pizzinga 1 Luiza do Carmo Louzada 2 Thais Klein de Angelis 3 Alessandra Teixeira Marques Pinto 4 Mercedes Duarte e Silva 5 Carlos Emmanuel da Fonseca Rocha 6 Total de área: 6 DO

Leia mais

Profa. Mirian Lernic Sartori Diretora da FAFIL. Comissão Organizadora

Profa. Mirian Lernic Sartori Diretora da FAFIL. Comissão Organizadora Certificamos que ABIKEYLA DOS SANTOS NASCIMENTO assistiu à palestra intitulada "CORPO, CIDADE E QUALIDADE DE VIDA: UM NOVO OLHAR" no Certificamos que ADRIELLY BERNARDO CARDOSO assistiu à palestra Certificamos

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 1º Ano Fatores climáticos. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 1º Ano Fatores climáticos. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 1º Ano Fatores climáticos Prof. Claudimar Fontinele Latitude É a medida em graus de localização em relação à linha do Equador de um ponto dado

Leia mais

Local de Prova LICEU FRANCO BRASILEIRO, RUA DAS LARANJEIRAS, 13/15,, LARANJEIRAS, RIO DE JANEIRO - RJ / SALA: 18, PRÉDIO: B - ANDAR: TER

Local de Prova LICEU FRANCO BRASILEIRO, RUA DAS LARANJEIRAS, 13/15,, LARANJEIRAS, RIO DE JANEIRO - RJ / SALA: 18, PRÉDIO: B - ANDAR: TER LOCAIS DE PROVA - ENADE 2011 ARQUITETURA E URBANISMO ALINE ROCHA GONCALVES ANA CARLA GONZALEZ DE ARAUJO ANA CAROLINA SOUZA RODRIGUES DA SILVA ANITA LUIZA DE SOUSA SOARES CARLA DA SILVA SOUZA CARLOS JOSE

Leia mais

Gestão da Qualidade no Serviço Público. Giovanni Cardoso Pacheco Luciano Costa Santos ISBN 9788578171537

Gestão da Qualidade no Serviço Público. Giovanni Cardoso Pacheco Luciano Costa Santos ISBN 9788578171537 Gestão da Qualidade no Serviço Público Giovanni Cardoso Pacheco Luciano Costa Santos ISBN 9788578171537 9 788578 171537 Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual Educação Superior

Leia mais

COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA. Ata da Quarta Reunião

COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA. Ata da Quarta Reunião ELEIÇÃO PARA OS ÓRGÃOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA Ata da Quarta Reunião Ao sexto dia do mês de novembro de dois mil

Leia mais

ANEXO I - CLASSIFICAÇÃO PROVISÓRIA - PROVA PRÁTICA

ANEXO I - CLASSIFICAÇÃO PROVISÓRIA - PROVA PRÁTICA Prefeitura Municipal de Capivari Concurso Público - 5/2015 PUBLICONSULT ASSESSORIA E CONSULTORIA PUBLICA LTDA ANEXO I - CLASSIFICAÇÃO PROVISÓRIA - PROVA PRÁTICA 1 - Auxiliar de Padeiro Class Inscrição

Leia mais

1º Ciclo 1ª Categoria. 5.º Campeonato Regional de Jogos Matemáticos. Classificação Nome Escola 1º 9 Vasco Batista. 2º 2 Rodrigo de Carvalho F.

1º Ciclo 1ª Categoria. 5.º Campeonato Regional de Jogos Matemáticos. Classificação Nome Escola 1º 9 Vasco Batista. 2º 2 Rodrigo de Carvalho F. 1º 9 Vasco Batista Matriz 2º 2 Rodrigo de Carvalho F. Junior y 3º 7 Beatriz Cunha São Roque 4º 1 Isabel Maria C. R. da Ponte Medina y 5º 5 Maria João Cabral 6º 4 Ângela Oliveira 7º 6 Letícia Rego 8º 3

Leia mais

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA RIBEIRO 5 ALEXANDRE FERREIRA DE MENEZES 6 ADALBERTO GOMES DA SILVA

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

Tempo. Class. Tempo. Class. Tempo. Class. jdg. Projeção: SAO SALVADOR / S.C. RECIFE. Prova: 4X HB Hora: 09:15:00 Fase: Final. Projeção: E.C.

Tempo. Class. Tempo. Class. Tempo. Class. jdg. Projeção: SAO SALVADOR / S.C. RECIFE. Prova: 4X HB Hora: 09:15:00 Fase: Final. Projeção: E.C. Data: 6-0-0 Prova: X FC Hora: 09:00:00 SAO SALVADOR / S.C. RECIFE MARILENE SILVA BARBOSA ERIKA SANTINONI MARIA CECILIA ALMEIDA CARDOSO ILKA RIBEIRO GALANTE Prova: X HB Hora: 09::00 ERICO VINICIUS DE JESUS

Leia mais

Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010

Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010 Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010 1ª Etapa: Análise Curricular INSTRUÇÕES GERAIS PARA TODOS OS CANDIDATOS a) O candidato deverá chegar ao local com uma hora de antecedência do i nício

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado Turma : A 2002 1 Ana Catarina Loureiro Silva S 171 2 André Eduardo Dias Santos S 173 3 Ângelo Rafael Costa e Silva S S 2007 4 Bruno da Silva Gonçalves S 20 5 Catarina Daniela

Leia mais

Processo seletivo - Programa Aprendiz CSN - Maio 2015 Selecionados - curso Mecânica Próxima etapa: Dinâmica de Grupo e Entrevista

Processo seletivo - Programa Aprendiz CSN - Maio 2015 Selecionados - curso Mecânica Próxima etapa: Dinâmica de Grupo e Entrevista ABRAHAO JUNIOR DE SOUZA PEREIRA ALAN SILVA DE ASSIS ALEXANDRE DE SOUZA PEREIRA FILHO ALYSSON DA COSTA ESTEVES ANA CLARA SILVA CABRAL ANDRE DA SILVA VIEIRA JUNIOR ANDRE LUIZ DE OLIVEIRA DOMINGOS ARTHUR

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de setembro 2015.

Belo Horizonte, 28 de setembro 2015. Certifico que, Ademir dos Santos Ferreira, participou da palestra Logística Urbana, ministrada pelo Certifico que, Almir Junio Gomes Mendonça, participou da palestra Logística Urbana, ministrada pelo Engenheiro

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13008 10 E Técnico de Instalações Elétricas Carlos Jorge Oliveira Rodrigues Escola Secundária de São Pedro do Sul 13791 10 E Técnico de Instalações Elétricas Daniel dos Santos Rodrigues Escola Secundária

Leia mais

Escola : Centro Profissionalizante Jornalista Cristiano Donato Curso : Francês Turno : Tarde

Escola : Centro Profissionalizante Jornalista Cristiano Donato Curso : Francês Turno : Tarde Escola : Centro Profissionalizante Jornalista Cristiano Donato Curso : Francês Turno : Colocação : 25 Aluno : Matheus Rodrigues Cavalcante Colocação : 26 Aluno : Ana Paula Santos Lira Colocação : 27 Aluno

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

TORNEIO ABERTO FMA. 60 Metros Rasos - SUB 14 - FEMININO - FINAL - v.: 0.8

TORNEIO ABERTO FMA. 60 Metros Rasos - SUB 14 - FEMININO - FINAL - v.: 0.8 60 Metros Rasos - SUB 14 - FEMININO - FINAL - v.: 0.8 1 120 Maria Luiza D Silva B 19/01/2003 PREF.MUN.ORATORIOS 8.58 2 130 Adrielli Ricardino Ferreira 16/06/2004 PREF.MUN.PONTE NOVA 9.16 3 119 Luana DE

Leia mais

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%)

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) O CLIMA MUNDIAL E BRASILEIRO A Atmosfera Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) As camadas da atmosfera: Troposfera; Estratosfera; Mesosfera; Ionosfera; Exosfera.

Leia mais

ANÁLISE DE DOCUMENTOS - EDITAL 107/2015 - BELFORD ROXO

ANÁLISE DE DOCUMENTOS - EDITAL 107/2015 - BELFORD ROXO ANÁLISE DE DOCUMENTOS - EDITAL 107/2015 - BELFORD ROXO ORGANIZADOR DE EVENTOS JOANA CARLA MARQUES DOS SANTOS 9 LETRAS- PORTUGUES ALINE VERGINIA DOS SANTOS 19 CLARICE DA SILVA SANTOS 9 DANIELLE OLIVEIRA

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA DO CHS Vivian Heringer Pizzinga APROVADO 1 Luiza do Carmo Louzada APROVADO 2 Thais Klein de Angelis APROVADO 3 Alessandra Teixeira Marques Pinto APROVADO 4 Mercedes Duarte e Silva APROVADO 5 Carlos Emmanuel

Leia mais

Sistemas de Informação de Marketing

Sistemas de Informação de Marketing Universidade do Sul de Santa Catarina Sistemas de Informação de Marketing Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Sistemas de Informação de Marketing Disciplina na modalidade

Leia mais

Obs.: poderá ocorrer mudanças na lista.

Obs.: poderá ocorrer mudanças na lista. ALUNOS APTOS PARA PARTICIPAREM DA COLAÇÃO DE GRAU 2015/2 Obs.: poderá ocorrer mudanças na lista. AGRIMENSURA Nº NOME PENDÊNCIAS 1 Ana Claudia Nardes Carvalho OK 2 Caio Cesar dos Anjos Carneiro OK 3 Carine

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina. Empreendedorismo. Disciplina na modalidade a distância

Universidade do Sul de Santa Catarina. Empreendedorismo. Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Empreendedorismo Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Empreendedorismo Disciplina na modalidade a distância Palhoça UnisulVirtual

Leia mais

Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento

Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Universidade do Sul de Santa Catarina Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Disciplina na modalidade a distância Palhoça UnisulVirtual 2011 Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual

Leia mais

EDITAL Nº 42/2015 PROCESSO SELETIVO DISCENTE PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2015/2 3ª CHAMADA IFRJ NOME DO CANDIDATO

EDITAL Nº 42/2015 PROCESSO SELETIVO DISCENTE PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2015/2 3ª CHAMADA IFRJ NOME DO CANDIDATO EDITAL Nº 42/2015 PROCESSO SELETIVO DISCENTE PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2015/2 IFRJ Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ

Leia mais

LISTÃO (ordem de classificação) Aprovados

LISTÃO (ordem de classificação) Aprovados Processo Seletivo 06/ 78 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MANHÃ - M ANTHONIA SOARES RODRIGUES THIAGO BEIRÓ ALMEIDA SENAC - Serviço

Leia mais

Gestão de Projetos Ambientais

Gestão de Projetos Ambientais Universidade do Sul de Santa Catarina Gestão de Projetos Ambientais Disciplina na modalidade a distância Palhoça UnisulVirtual 2011 Créditos Universidade do Sul de Santa Catarina Campus UnisulVirtual Educação

Leia mais

Resultado Vestibular 2013/1 (2ª Chamada)

Resultado Vestibular 2013/1 (2ª Chamada) Resultado Vestibular 2013/1 (2ª Chamada) ADMINISTRAÇÃO 1 ARIELA RODRIGUES SILVA 2 CAROLINA DANTAS DOS SANTOS 3 CRISTIANE DA SILVA GUERREIRO 4 GABRYELLA BUENO DO CARMO 5 JESSICA RAMOS DA SILVA 6 JULIA DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO DE FARIA ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ: 45.150.166/0001-22

PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO DE FARIA ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ: 45.150.166/0001-22 EDITAL DE HOMOLOGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES RETIFICADO E CONVOCAÇÃO PARA AS PROVAS DO CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 002/2014, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. A COMISSÃO ESPECIAL DE CONCURSO PÚBLICO, RESOLVE: I HOMOLOGAR,

Leia mais

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20%

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20% ALCATEIA Sec NIN NOME NIN NOME Lob 1215050143005 Alice Neto Santos Nascimento 1215050143015 Afonso da Fonseca Machado Lob 1215050143010 Amélia Maria Mesquita Aleixo Alves 1115050143010 Afonso Jesus Dias

Leia mais

CAMPUS SÃO LUÍS - MONTE CASTELO FORMA INTEGRADA

CAMPUS SÃO LUÍS - MONTE CASTELO FORMA INTEGRADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CURSO: TÉCNICO EM COMUNICAÇÃO VISUAL - DIURNO LUIZ ADRIEL RODRIGUES OLIVEIRA 888 26,00 CURSO: TÉCNICO EM COMUNICAÇÃO

Leia mais

RESULTADO DO VESTIBULAR AGENDADO Provas: 22 MAIO 2010 (Sábado) CANDIDATOS APROVADOS

RESULTADO DO VESTIBULAR AGENDADO Provas: 22 MAIO 2010 (Sábado) CANDIDATOS APROVADOS RESULTADO DO VESTIBULAR AGENDADO Provas: 22 MAIO 2010 (Sábado) NOME Manoel Ribeiro Samyres de Nardo da Silva Simone Alves Gomes Martins Poliana Pinheiro Poletto OPÇÃO Enfermagem Noturno Biomedicina Noturno

Leia mais

Direito Empresarial I

Direito Empresarial I Universidade do Sul de Santa Catarina Direito Empresarial I Disciplina na modalidade a distância Universidade do Sul de Santa Catarina Direito Empresarial I Disciplina na modalidade a distância Palhoça

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

FEUFF Programa de Pós-Graduação em Educação 1971-2015 Mestrado e Doutorado

FEUFF Programa de Pós-Graduação em Educação 1971-2015 Mestrado e Doutorado LINHA CIÊNCIA, CULTURA E EDUCAÇÃO INSC. CANDIDATO(A) RESULTADO M-059 MARIANA MIZAEL PINHEIRO SILVA Habilitado M-094 JANDIRA DA SILVA DE JESUS Habilitado M-112 BRUNA GIOVANELLI DIAS Habilitado M-127 LÍVA

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS RESULTADO FINAL

INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS RESULTADO FINAL RESULTADO FINAL Edital nº 009/2012 Campus Rio Pomba ÁREA: R01 Cursos de Graduação do Campus Rio Pomba Agricultura e Ambiente 33 Joara Sechi Candian 68,35 132,5 200,85 56 João Batista dos Santos 57,62 132,5

Leia mais

RESULTADO OFICIAL CONCURSO VESTIBULAR/2012 - FUNEDI/UEMG - 04/12/2011 LISTAGEM DE CANDIDATOS APROVADOS - CONSULTAR A SITUAÇÃO DO CURSO COM CP

RESULTADO OFICIAL CONCURSO VESTIBULAR/2012 - FUNEDI/UEMG - 04/12/2011 LISTAGEM DE CANDIDATOS APROVADOS - CONSULTAR A SITUAÇÃO DO CURSO COM CP CONCURSO VESTIBULAR/0 - FUNEDI/UEMG - 0//0 ADNA RODRIGUES CAETANO 0 ALEF NASCIMENTO REIS ALESSANDRA DE SOUSA OLIVEIRA 0 ALEX DIAS CHAGAS 0 ALEXANDRE SOUZA FERNANDES 0 ANA FLÁVIA DE OLIVEIRA ANA PAULA DA

Leia mais

Direcção Regional de Educação Lisboa 121216 - Agrupamento de Escolas de Santo António 402746 - Escola Básica 2, 3 com Secundário de Santo António

Direcção Regional de Educação Lisboa 121216 - Agrupamento de Escolas de Santo António 402746 - Escola Básica 2, 3 com Secundário de Santo António 20 / 20 Turma : A 6876 1 Ângelo Miguel Borges Pereira Saúde 7802 2 Cíntia Eliane Sanches Freire 7700 3 Daniel Alexandre Laximi Martins 674 4 Débora Soraia Alves Belmonte 671 Eliana Filipa da Conceição

Leia mais