Diagnóstico de Resíduos Sólidos da CEASA JAÚ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico de Resíduos Sólidos da CEASA JAÚ"

Transcrição

1 Diagnóstico de Resíduos Sólidos da CEASA JAÚ Jessika Maiara PERIM 1 Tania Leite de ALMEIDA 2 Resumo Os resíduos sólidos urbanos (RSU) se tornaram um grande problema para o poder publico. Um exemplo em grande potencial desses resíduos são as Ceasas Centrais Estaduais de Abastecimento. Os resíduos de matéria orgânica são a maioria dos resíduos descartados pelas Ceasas e estes podem ser reaproveitados trazendo benefícios à sociedade em geral. Este estudo tem por finalidade caracterizar os resíduos da Central de Abastecimento de Jau, diagnosticando os resíduos sólidos encontrados através de amostragem e composição gravimétrica. Através da metodologia aplicada constata-se que a maioria dos resíduos gerados são orgânicos e que estes poderiam ter outro fim, como por exemplo, serem usados para compostagem, ao invés de ficarem sendo acumulados no local. Verifica-se que para isso é preciso um sistema de coleta adequado e organizado para que os resíduos tenham uma disposição final adequada. Palavras-chave: Resíduos Sólidos Urbanos, Ceasa, Matéria Orgânica, Composição Gravimetrica. 1. Introdução Os resíduos sólidos urbanos (RSU) se tornaram um grande problema para o poder público. Um exemplo em potencial de geradores de resíduos são as Ceasas. A Ceasa, como todos outros centros envolvidos com distribuição e comercialização de frutas e verduras são grandes geradores de resíduos sólidos orgânicos os quais precisam ser destinados corretamente. De forma geral, estes resíduos não são aproveitados, o que causa um aumento desnecessário no envio aos aterros sanitários. A Gestão de Resíduos Sólidos tem sido alvo de debates no governo e na sociedade através de fóruns, palestras e seminários. As propostas que vem sendo apresentadas estão voltadas à prevenção da geração e concentram esforços no conceito dos 3R s - reduzir, reutilizar e reciclar, utilizando 1. Faculdade de Tecnologia de Jahu 2. Faculdade de Tecnologia de Jahu

2 tecnologias ambientalmente saudáveis e estabelecendo mecanismos de gestão que consideram as ações, da geração até a disposição final dos mesmos (CARLI, 2010). Resíduos sólidos são rejeitos das atividades humanas considerados pelos geradores como inúteis, indesejáveis, ou descartáveis. Entretanto podem se tornar matéria-prima para um novo produto ou processo como é o caso dos resíduos apontados anteriormente (BARBOSA, 2008). Muitas vezes os resíduos considerados como sobras e que são descartáveis no meio ambiente podem ser reutilizados tendo o emprego também como fertilizante, ou seja, podem ser destinados à compostagem. O estudo mostra a importância de uma coleta e destinação corretas de resíduos, enfatizando que através das quais eles podem ser reaproveitados. Os resíduos quando depositados em lugares inadequados acarretam uma serie de prejuízos como: poluição do ar, do solo e da água. Portanto os benefícios deste trabalho implicam em economia, evitando a poluição. Desta forma este estudo procurou evidenciar a importância da disposição final adequada dos resíduos sólidos na Ceasa Jaú / SP, fazendo a caracterização dos resíduos sólidos gerados e propondo sugestões para realizar tal disposição. Tal trabalho foi realizado através de amostragem e composição gravimétrica que teve como objetivo principal caracterizar os resíduos sólidos gerados na Ceasa Jau/ SP de acordo com a NBR (2004) e como objetivos específicos identificação de resíduos existentes na Ceasa, quantificação dos resíduos amostrados; certificação de usos alternativos para os resíduos sólidos orgânicos encontrados e destinação correta dos resíduos. 2. Revisão bibliográfica 2.1 Resíduos Sólidos A NBR (2004) define resíduos sólidos como: Resíduos nos estados sólidos e semi-sólidos, resultantes de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviço e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes do sistema de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos, cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exijam para isso soluções técnicas e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível. 232

3 O termo resíduo sólido, que muitas vezes é sinônimo de lixo, deriva do latim residuu e significa sobra de substâncias, acrescido de sólido para se diferenciar de resíduos líquidos ou gasosos. Na literatura estrangeira o termo resíduo sólido é conhecido como solid waste. Henry (1996, p. 586), define resíduo sólido como: resíduos que não são transportados pelas águas e rejeitados para reutilização (BARBOSA, 2008). Mas na realidade os resíduos podem ser transportados pela agua e podem não ser reutilizáveis. Apresentam-se no estado sólido e necessitam ser acondicionados em recipiente apropriado para sua remoção (IPT, 2000 apud RESPLANDES et al, 2004). 2.2 Amostragem de resíduos sólidos: NBR (2004) Segundo a NBR (2004) a caracterização dos resíduos é a determinação dos constituintes e de suas respectivas porcentagens em peso e volume, em uma amostra de resíduos sólidos podendo ser físico, químico e biológico. De acordo com a NBR (2004) se realiza a amostragem dos resíduos sólidos encontrados na Ceasa. Para isso formula-se uma amostra homogênea é obtida através de quarteamento. Desta forma os resíduos são misturados e separados por tipos diferentes. Para obter-se o volume de cada material das amostras utilizam-se sacos plásticos de 100L. Em seguida essas amostras são pesadas em uma balança mecânica, para a partir daí encontrar seus volumes. Os mesmos são anotados para mais a frente ser gerada a composição gravimétrica destes. A Composição gravimétrica dos resíduos é a razão entre o peso expressa em percentual de cada componente e peso total de resíduos. A determinação da composição gravimétrica dos resíduos é um dado essencial a ser obtido (ATO, 2012): em que: CG%= Pi x 100/Pt CG% = Composição Gravimétrica; Pi = Peso de um constituinte do resíduo sólido; Pt = Peso total dos materiais constituintes dos resíduos sólidos. Resplandes (2004) utiliza em seu trabalho a composição gravimétrica para mostrar a quantidade de resíduos que são encontrados na CEASA-GO e com isso prova que a maioria dos resíduos encontrados em tal é de origem orgânica. 233

4 Frésca (2007) relata em seu estudo que a composição gravimétrica dos resíduos é a primeira e mais importante etapa para qualquer trabalho referente a resíduos quer no planejamento da limpeza urbana ou na determinação do sistema mais adequado para o tratamento e disposição. De acordo com Mancini (2001) estudos sobre a composição percentual dos resíduos sólidos urbanos são muito importantes para os aspectos sanitários, sociais e de planejamento urbano. 2.3 Ceasa Jaú - SP A Ceasa, conhecido como Ceasinha, em estudo localiza-se na Avenida João Ferraz Neto desde meados da década de 70. Desde 1986 o secretário de Saúde tratava de melhorias da área em que está situado o Ceasinha; como pavimentação, calçamento e reforma dos boxes, todos pertencentes á Prefeitura. A proposta de melhorias surgiu dos próprios atacadistas, mas estes não pagam nenhum tipo de aluguel. Existem no Ceasinha comerciantes de hortifrutigranjeiros que descarregam mercadorias a cada dois dias procedentes de São Paulo e Campinas. Esta unidade não apresenta um sistema de coleta organizado, pois este ocorre de forma inadequada, isto é, não tem dias certos e nem prazos certos para que ocorra. Os resíduos são todos depositados a céu aberto e normalmente os próprios comerciantes pagam caçambas para que os resíduos sejam levados do local. Normalmente quando ocorre a coleta, os resíduos levados do local são todos encaminhados para uma área de transbordo localizada no município de Jau e depois encaminhada para Aterro Sanitário, mostrando que é um local que carece de cuidados e atenção, pois além do mau gerenciamento de seus resíduos sólidos gerados neste local, propcia o aproveitamento de vetores que promove proliferação de doenças o que acarreta em prejuízos ao poder publico e a população em geral. 3. Materiais e Métodos 3.1 Local de Estudo O estudo foi desenvolvido na Ceasa Jaú. O município de Jaú está localizado na porção centro-oeste do Estado de São Paulo. Tem uma população estimada em 131 mil habitantes, sendo que mais de 95% reside na área urbana. Seu território total é de 688,34 Km². 3.2 Metodologia empregada no estudo O diagnóstico e a caracterização dos resíduos sólidos gerados na Ceasa foram obtidos através de visita em campo, entrevistas e pesagem dos resíduos, 234

5 com o intuito de buscar uma alternativa para a disposição final. Tais resíduos foram identificados e quantificados de acordo com o local de geração e separados em: Resíduos de vegetais (orgânicos) e os resíduos inertes (plástico, metal, vidro, entre outros). A caracterização dos resíduos gerados no Ceasa foi feito através NBR (2004). Foi feita uma amostra homogênea dos resíduos em forma de montes e estes foram quarteados para que pudessem ser separados os diferentes tipos de materiais. Ainda de acordo com a NBR os resíduos foram colocados em sacos plásticos de 100L, pois foi um tipo de recipiente mais fácil para se trabalhar onde foram pesados para posterior composição de sua gravimetria. Para realização da caracterização foram utilizados os seguintes materiais: luvas, sacos plásticos (seis sacos de 100 L cada), balança mecânica e uma lona de PVC. Os resíduos foram coletados aleatoriamente de duas pilhas existentes no local. Coletou-se aproximadamente 120 kg de resíduos e estes foram despejados sobre a lona. Estes resíduos foram coletados em sacos de 100L. Os resíduos coletados foram misturados manualmente e posteriormente separados em quatro montes aleatoriamente. Conforme os diferentes tipos de resíduos: papel/papelão, plástico, isopor, vidro, alumínio, matéria orgânica, material de construção civil, ferro e madeira. 4. Resultados e Discussão De acordo com os dados da Tabela 1 estima-se que a Ceasa Jaú produz em média 118Kg de resíduos por dia. Observa-se também que no local não há um sistema de coleta de resíduos e que estes ficam depositados a céu aberto. Percebe-se que há um grande volume de resíduos depositados no local que não são gerados no mesmo e sim são depositados na área clandestinamente. A quantidade de matéria orgânica gerada é de 56,26% e pode ser visto na Figura 1, um valor bastante significante, que poderia ser reaproveitado através da criação de uma composteira no próprio Horto Municipal da cidade a qual carece de resíduos orgânicos para formação de suas mudas florestais. Esses resíduos seriam transformados em fertilizantes, já que estes são levadas para aterro sem nenhum outro fim. Uma outra forma de reaproveitar esses resíduos orgânicos seria a implantação de um Banco de alimentos, ou seja, os 235

6 resíduos seriam distribuídos para entidades assistenciais, como é feito na Ceasa de Ribeirão Preto estudada por Cruz (2007). Tal Ceasa é de grande porte e tem uma geração considerável de resíduos. Cruz (2007) sugere ainda em seu trabalho que tais resíduos poderiam ser destinados a criadores de suínos e outros criadores que possam utilizar na alimentação animal. Tabela 1 Quantidade de resíduos gerados pela Ceasa- Jaú no dia 22 de outubro de Resíduos Unidades de Medida Massa (kg) Massa dividida pelo peso total Percentual (%) Vidro ,1 0, ,08 Alumínio ,1 0, ,08 Isopor 1 saco 100L 0,2 0, ,17 Ferro ,2 0, ,02 Papel/Papelão 2 sacos 100L 7 0, ,92 Madeira ,7 0, ,05 Plástico 3 sacos 100L 12,8 0, ,83 Material de construção Civil ,6 0, ,58 Matéria Orgânica ,5 0, ,26 Total , Os materiais de construção que corresponde a 16,58% não são gerados diretamente no local, isto é, são deixados ali clandestinamente, em horários que não tem movimento, o que evidencia a necessidade da ação de uma gestão adequada destes resíduos. Já os plásticos correspondendo aos 10,83% dos resíduos gerados poderiam ser destinados à reciclagem. No município existe a ACAP (Associação dos Catadores de Papel de Jahu) a qual sobrevive dos materiais coletados. Dentre os materiais, encontram-se o papel, papelão, garrafas PET, plásticos e alumínios. Na ACAP esses plásticos serão prensados e separados para a venda. O papel e papelão gerados corresponde a 5,92% do total. Estes são gerados em menor quantia, mas também poderiam ser encaminhados para a ACAP. Na ACAP estes são prensados e vendidos. A madeira existente no local e que corresponde a 9,05% dos resíduos gerados são originadas das embalagens que acondicionam os produtos. Estas poderiam servir para fabricação de móveis como bancos, objetos como quadros entre outros. A madeira pode ser utilizada ainda como um combustível 236

7 alternativo para industrias que utilizam caldeiras, fornos, olarias entre outros, ao invés de serem dispostas em aterros. Já os materiais ferro (1,02%), isopor (0,17%) e alumínio (0,08%) são encontrados com valores não tão significativos. Estes resíduos como plásticos, papel, papelão, madeira exceto os orgânicos que são gerados na Ceasa poderiam ser distribuídos gratuitamente para entidades assistenciais como Cruz (2007) relata em seu estudo. Mas caso o município tivesse um Ponto de Entrega Voluntário (PEV) esses matérias poderiam ser redirecionados para que então tivessem uma destinação adequada. Figura 1 Porcentagem dos materiais encontrados. De acordo com Resplandes (2004) que utilizou a mesma metodologia, a CEASA-GO produz em média kg/dia de resíduos sólidos. Há um grande volume de resíduos que são levados para o aterro Sanitário de Goiânia, implicando custos financeiros a CEASA-GO. Destarte, a implantação de projetos alternativos de aproveitamento deste lixo poderia representar benefícios a esta Central de Abastecimento. Os resultados encontrados foram baseados na pesagem dos materiais separados e percebeu-se que há um grande volume de pet, papel e plástico. O resultado encontrado mostra que o lixo da CEASA-GO, é constituído na sua maioria de matéria orgânica (82,01%), seguido de madeira (9,49%), papel (5,09%), plástico (1,69%), outros (1,02%) e pet (0,70%). 237

8 Segundo Silva e Andreoli (2010) a composição gravimétrica dos resíduos sólidos gerados pela CEASA-PR Curitiba ainda não é totalmente controlada, entretanto, estima-se a exemplo de outras centrais de abastecimento, que a produção média de resíduos orgânicos é aproximadamente 80% do total. Desta forma, prevê-se que CEASA unidade Curitiba produza em média 20 toneladas ao dia de resíduos orgânicos. A CEASA-Curitiba é considerada grande geradora de resíduos pela sua produção ser maior que 120 litros de resíduos/ dia havendo a necessidade de uma coleta específica, (CEASA, 2006). A gravimetria dos resíduos da CEASA-Curitiba é composta basicamente por resíduos provenientes de restos vegetais e, portanto, biodegradáveis. Percebese que a maioria dos resíduos gerados nas ceasas são orgânicos, pois comparado com a Ceasa em estudo mais de 50% de sua geração também é de resíduos orgânicos. Já a Ceasa Ribeirão Preto gera uma media diária de 1000 toneladas de resíduos por dia, sendo na sua maioria resíduos orgânicos. Os produtos que movimentam a Ceasa são batata, banana, maçã nacional, melancia e tomate. Em 2004 foi implantado o Banco de alimentos na Ceasa de Ribeirão Preto em parceria com a prefeitura, reduzindo assim o desperdício e promovendo um reaproveitamento de frutas verduras e legumes (CRUZ, 2007). A composição gravimétrica dos resíduos sólidos gerados pela Ceasa Curitiba / PR ainda não é totalmente controlada, e estima-se que a produção de resíduos orgânicos é de aproximadamente 80% do total. Isso significa que a Ceasa Curitiba / PR produza em media 20 toneladas por dia de resíduos orgânicos (SILVA, ANDREOLI 2010). É importante ressaltar que isso tudo poderia ser evitado se existisse um sistema de coleta adequado, o que é muito precário ainda no município e que é mostrado por Urbanetto (2011) em seu estudo onde mostra que a coleta seletiva de Jaú é realizada por apenas 35% da população, por exemplo. Comparando-se este estudo com os demais estudos já citados nessa discussão, percebe-se que a maioria dos resíduos gerados na Ceasa é de origem orgânica e que estes poderiam trazer lucros para as próprias Ceasas se fossem aplicados para fazer compostagem, ou seja, Ceasas como a de Ribeirão Preto, estudada por Cruz (2007), poderia construir uma composteira com seus resíduos orgânicos gerados e assim diminuiria o preço de alguns produtos, isto é, os comerciantes iriam reaproveitar seus resíduos transformando-os em adubo e aplicando em suas próprias plantações diminuindo gastos e tendo maiores lucros assim. Fazendo-se ainda uma comparação entre os estudos, nota-se que o sistema de coleta de resíduos é precário em vários lugares o que inviabiliza ainda mais o seu reaproveitamento. 238

9 Para mudar essa geração de resíduos na Ceasa Jau, seria interessante fazer um trabalho de Educação Ambiental, por exemplo, com os proprietários e funcionários do local, para que eles pudessem enxergar tal geração com outros olhos. Seria necessário para isso uma roda de conversa com todos para que impõem seus conhecimentos e idéias e a partir daí começar reeducá-los, ou seja, explicar toda a importância do produto do momento em, que este sai da plantação até chegar no local de venda. Para esta reeducação seriam necessárias palestras, comparações com outras Ceasas, mostrando na prática os benefícios dessas mudanças. A Educação Ambiental demora certo tempo para ser aplicada, ainda mais quando se trabalha com pessoas mais velhas de conhecimento, por que para mudar todo um costume e maneiras de agir é mais difícil. Ela deve ser implantada aos poucos até que as pessoas entendam a sua importância. 5. Considerações Finais O presente estudo diagnosticou e caracterizou os principais resíduos gerados na Ceasa Jaú / SP. De acordo com o estudo constatou-se que a Ceasa Jau / SP gera aproximadamente 120Kg de resíduos por dia. Incluem se nestes resíduos, matéria orgânica, papel / papelão, plástico, isopor, vidro, alumínio, ferro e madeira, sendo que a maioria dos resíduos gerados são matéria orgânica que poderiam ser reaproveitadas se destinados corretamente. Todos os resíduos gerados podem ser reutilizados, ou seja, a matéria orgânica pode ser usada em compostagem, como alimento para animais, o papel/papelão, alumínio e o plástico podem ser destinados na ACAP para serem reciclados e servirem de renda para famílias de baixa renda, entre outros fins. Observou-se também que não existe uma coleta seletiva adequada o que torna ainda mais precária a separação dos resíduos, pois estes acabam ficando por vários dias no local e isso ocasiona o aparecimento de animais domésticos e um mau cheiro para quem trabalha no local ou passa por ele, pois a Ceasa está localizada em uma Avenida de bastante movimento, próxima a escolas, faculdade, museu, asilo e lanchonetes. Desta forma, pode-se considerar que este estudo representa uma contribuição para a Ceasa e para o município, pois implica em identificação a situações que podem ser melhoradas com uma adequada gestão dos resíduos sólidos gerados neste local. 239

10 6. Referências ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Norma Técnica NBR Amostragem de Resíduos Sólidos: Classificação (segunda Edição). Rio de Janeiro: ABNT ATERRO SANITÁRIO. Disponível em < Acesso em 30 de setembro de CEASA. Disponível em Acesso em 31 de julho de ANDREUCCETTI, C.; FERREIRA, M.D.; GUTIERREZ, A.S.D.; TAVARES, M. Caracterização da comercialização de tomate de mesa na CEAGESP: perfil dos atacadistas. Horticultura Brasileira, Brasília, BARBOSA, E.A. Modelo de Gestão Ambiental em Resíduos Sólidos para Centrais de Abastecimento, embasado no Ciclo de Deming. Universidade Federal de Campina Grande - Centro de Tecnologia e Recursos Naturais - Programa Institucional de Doutorado Temático - Curso de Doutorado em Recursos Naturais. Campina Grande, CARLI, T. S. Uso de degradadores biológicos na aceleração doprocesso de compostagem dos residuos organicos vegetais e palhas de embalagem Estudo de caso na Ceasa - Curitiba. Curitiba, CEASA. Disponível em <http://www.agric.com.br/comercializacao/o_que_e_ceasa.html>. Acesso em 31 julho de CEASA. Disponível em < Acesso em 11 de outubro de CEASA transformará Jaú em um polo de hortifrutigranjeiros. Comercio do Jahu. Jaú 11 de dezembro de p.3 COMÉRCIO DO JAHU. CEASA coloca à venda 200 boxes com entrada de 20% e parcelas. Jaú 30 de maio de p.3. COMÉRCIO DO JAHU. Ceasa fica pronto em novembro e já pode ser visto em maquete. Jaú 21 de julho de p.3. COMÉRCIO DO JAHU. Ceasa tem inauguração marcada para o dia 11. Jaú 16 d eoutubro de p.4. COMÉRCIO DO JAHU. Ceasa muda e aposta em diversificação. Jaú 17 de março de p.4. COMÉRCIO DO JAHU. Ceasa de Jaú é inaugurada com 20% da capacidade operacional. Jaú 12 d enovembro de 1999 p COMÉRCIO DO JAHU. Ceasa transformará Jaú em um pólo de hortifrutigranjeiros. Jaú 11 de dezembro de p.3. COMÉRCIO DO JAHU. Comercialização dos boxes do CEASA Jaú começará só em março. Jaú 10 de fevereiro de p.3. COMPOSIÇÃO GRÁVIMETRICA. Disponivel em < Acesso em 3 de setembro de COMÉRCIO DO JAHU. Com mais US$ 1 milhão, Ceasa vira Shopping. Jaú 10 de outubro de p.3. Composição Gravimétrica. Disponível em <http://www.mgresiduos.com.br/ index1.asp?op=2&codigo=2&area=ato&idioma=1&subarea=not%edcias&cod_info=23>. Acesso em 20 de agosto de

11 Compostagem. Disponível em <http://www.ib.usp.br/coletaseletiva/saudecoletiva/ compostagem.htm>. Acesso em 23 de agosto CRUZ, M.L.G. Logística Reversa: Aplicada a Geração de Resíduos Gerados na Ceasa de Ribeirão Preto. Centro Paula Souza Faculdade de Tecnologia de Jahu Curso Superior de Tecnologia em Logística e Transportes, Diagnostico da geração de resíduos. Disponível em <http://www.ceasa.pr.gov.br/arquivos/ File/PGRS_CEASA_2010.pdf>. Acesso em 01 agosto de Entreposto de verduras pode ir para o CEASA. Comercio do Jahu. Jaú 28 de agosto de p.3. FRÉSCA, F.B.C. Estudo da geração de resíduos sólidos domiciliares no município de São Carlos, SP, a partir da caracterização física. São Carlos: Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos,2007. Grupo de empresários criam CEASA em Jaú. Comercio do Jahu. Jaú 29 de novembro de p.3. LANZA, V.V.C.; CARVALHO, A.L.de;. ALVIM, R.V. Orientações Técnicas para operação de aterro sanitário. Fundação Estadual do Meio Ambiente. Belo Horizonte, NOGUEIRA. R.C., ROCHA. M.S.da. Auditorias operacionais em Aterros Sanitários. VI Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Publicas (VI SINAOP). Florianópolis 2001, OLIVEIRA, A.M.G. AQUINO, A.M. NETO, M.T.C. Compostagem Caseira de Lixo Orgânico Doméstico Disponível em <http://www.cnpmf.embrapa.br/publicacoes/circulares/ circular_76.pdf> Acesso em 12 julho de Os problemas do Ceasinha, em discussão. Comércio do Jahu. Jaú 02 DE julho de p. 1. Reciclagem. Disponível em: < Acesso em 20 de setembro de Resíduos Orgânicos. Disponível em <http://orton.catie.ac.cr/cgi-bin/wxis.exe/?isisscript=acervo.xis&method=post&formato=2&cantidad=1&expresion=mfn=010454>. Acesso em 31 julho de RESPLANDES,H.M.S. JORGE, L.N. SANTOS, L.M. FERREIRA, M.M.B. Caracterização Física dos Reisudos Sólidos da Centrais de Abastecimento de Goiás S/A Ceasa GO. Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental, Secretaria estuda maneira para terminar obras no Ceasinha. Comercio do Jahu. Jaú 28 de janeiro de p.3. SILVA. C.da, ANDREOLI. C.V. Compostagem como alternativa a disposição final dos resíduos sólidos gerados na Ceasa Curitiba / PR. Espirito Santo do Pinhal, URBANETTO, B.F. Análise da gestão dos resíduos recicláveis no município de Jahu SP. Centro Paula Souza Faculdade de Tecnologia de Jahu Curso Superior de Tecnologia em Meio Ambiente e Recursos Hídricos,

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem.

Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Aula 23.2 Conteúdo Compostagem, reciclagem. Habilidades Verificar a importância do correto descarte através do reaproveitamento, reciclagem e reutilização de bens de consumo. 1 Reaproveitamento do Lixo

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

individual foram agrupados em uma categoria somente. 2.1.2.2 Infra-estrutura

individual foram agrupados em uma categoria somente. 2.1.2.2 Infra-estrutura individual foram agrupados em uma categoria somente. 2.1.2.2 Infra-estrutura Todo o processo de amostragem, desde a descarga dos resíduos até a segregação dos componentes, foi realizado no CIRSURES em

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS Jose Rodrigo dos Santos Silva Graduado em engenharia ambiental pela PUC-GO (Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Estudo Comparativo da Geração Per Capita de Resíduos Sólidos entre os Condomínios do Lago e Caraíbas, em Goiânia - Goiás

Estudo Comparativo da Geração Per Capita de Resíduos Sólidos entre os Condomínios do Lago e Caraíbas, em Goiânia - Goiás Estudo Comparativo da Geração Per Capita de Resíduos Sólidos entre os Condomínios do Lago e Caraíbas, em Goiânia - Goiás RABELO, B.L. a*, ASSUNÇÃO, S. G. S. a,b, VENTUROLI, F. b a. Pontifícia Universidade

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GOMIDES, J.E. 1 ; SCHENKEL, C.A. 2 ; SOUSA, J.S. 3 1 Acadêmica do Curso Superior de

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 NRE: Ivaiporã Nome do Professor: Nilson Marques de Oliveira Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 Escola: Escola Estadual Vicente Machado Ensino

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental 1 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E POTENCIAL DE REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NA CIDADE DE VIÇOSA, MINAS GERAIS (*) Marcos Alves de Magalhães 1, Adriana Barbosa Sales de Magalhães

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

Endereço (1) : Rua Goiás nº 1347, apto 1402 CEP: 86020-410 Centro Londrina PR Brasil. Tel: (43) 9985-4141 e-mail: fernandobarros.eng@uol.com.

Endereço (1) : Rua Goiás nº 1347, apto 1402 CEP: 86020-410 Centro Londrina PR Brasil. Tel: (43) 9985-4141 e-mail: fernandobarros.eng@uol.com. III-386 - SISTEMA ALTERNATIVO DE COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES EM MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE, VISANDO INCREMENTAR A RECICLAGEM DE INERTES E FACILITAR A COMPOSTAGEM DA FRAÇÃO ORGÂNICA: CASO DE IBIPORÃ

Leia mais

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59 PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 LIXO NO LIXO Dá para

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - Profa. DSc. Aline Sarmento Procópio Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental aline.procopio@ufjf.edu.br Gestão dos Resíduos

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES Leandro Cezar Valbusa Bragato¹ Acadêmico de Engenharia Ambiental

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO

ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO Rafael Ranconi Bezerra ¹ Graduando em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001.

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. Vania Elisabete Schneider (1)(*) : Departamento de Ciências Exatas e da Natureza (DCEN/CARVI).

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009 1 Simpósio ECP de Meio Ambiente Resíduos Sólidos Novembro - 2009 Antes de mais nada, o que é LIXO? Segundo a NBR-10.004 (Resíduos Sólidos, Classificação de 1987) da ABNT (Associação Brasileira de Normas

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná LEI Nº 12493-22/01/1999 Publicado no Diário Oficial Nº 5430 de 05/02/1999. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes a geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte,

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CURSO TÉCNICO EM CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL PROJETO TALENTO PROFISSIONAL

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CURSO TÉCNICO EM CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL PROJETO TALENTO PROFISSIONAL SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CURSO TÉCNICO EM CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL PROJETO TALENTO PROFISSIONAL MONITORAMENTO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E NÃO RECICLÁVEIS GERADOS NA EFAPI

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA

RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA Kelma Maria Nobre Vitorino (Orientadora) Química industrial pela UFC, 1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

III-369 ESTUDOS PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA EM SHOPPING DE GRANDE PORTE EM GOIÂNIA - GO

III-369 ESTUDOS PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA EM SHOPPING DE GRANDE PORTE EM GOIÂNIA - GO III-369 ESTUDOS PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA EM SHOPPING DE GRANDE PORTE EM GOIÂNIA - GO Lívia Evangelista Veloso (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de Goiás (EEC/UFG). Aluna do Curso

Leia mais

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Gestão de resíduos sólidos impactos ambientais negativos BASE LEGAL 1/2 Lei 11.107/05 - Consórcios Públicos

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH Júlio Eymard Werneck Costa Graduando em Engenharia Civil pela UFMG. Bolsista de iniciação científica. Tainá Ulhoa

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS POR INDÚSTRIAS DE CONFECÇÃO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS POR INDÚSTRIAS DE CONFECÇÃO. CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS POR INDÚSTRIAS DE CONFECÇÃO. Simone Araújo de Freitas Faculdade Araguaia, Bióloga, Especialista em Análise e Gestão Ambiental, Atualmente Gestora em Meio Ambiente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

III-066 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CIDADE DE MARINGÁ/PR

III-066 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CIDADE DE MARINGÁ/PR III-066 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CIDADE DE MARINGÁ/PR Carlos de Barros Jr (1) Engenheiro Químico, Professor do Departamento de Engenharia Química da Universidade Estadual

Leia mais

DESTINO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E LEGISLAÇÃO SOBRE O TEMA

DESTINO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E LEGISLAÇÃO SOBRE O TEMA DESTINO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E LEGISLAÇÃO SOBRE O TEMA ILÍDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano

Leia mais

TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA

TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DOS CATADORES DE PAPEL NO COMÉRCIO DE FEIRA DE SANTANA -BA AUTORES: Celso Luiz P. da Silva, Clairton Batista Vieira, Gilmar Matias P. Júnior, Wilson Dourado Lima, Maria de Fátima

Leia mais

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO Andriani Tavares Tenório e Silva (1) Engenheira Ambiental pela

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

uma responsabilidade de todos nós

uma responsabilidade de todos nós uma responsabilidade de todos nós Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental Lixo, uma responsabilidade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé)

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Objetivo do Projeto: Promover o correto gerenciamento integrado dos resíduos sólidos urbanos nas Cidades de pequeno e médio porte. ( população

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO

QUANTIFICAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO QUANTIFICAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO M. D. MASSAROLLO 1, J. TEGA Jr 2, F. A. B. TOGNON 3, R. TOGNON 4 1 Universidade Estadual do Oeste

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos DECRETO Nº 5.940, 25/10/2006 Institui coleta seletiva veronica.schmidt@ufrgs.br LIXO utilizado para designar tudo aquilo que não tem mais utilidade RESÍDUO Sobra (refugo) do beneficiamento

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS. Coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos. Desafio para os Municípios

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS. Coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos. Desafio para os Municípios Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS Coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos Desafio para os Municípios Cerca de 20% do que se joga no lixo é fruto do desperdício de resíduos orgânicos

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Mestrado em Gestão Ambiental Disciplina: Análise de Processo e a Variável Ambiental Tema: Análise do Fluxo do Processo

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

ESTUDO DA VALORAÇÃO ECONÔMICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE RECIFE/PE

ESTUDO DA VALORAÇÃO ECONÔMICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE RECIFE/PE ESTUDO DA VALORAÇÃO ECONÔMICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE RECIFE/PE Diogo Henrique Fernandes da Paz (1) Discente de Engenharia Agrícola e Ambiental na Universidade Federal Rural de

Leia mais

LEVANTAMENTO DA COLETA SELETIVA E SEU HISTÓRICO NO MUNICÍPIO DE BELA VISTA DE GOIÁS

LEVANTAMENTO DA COLETA SELETIVA E SEU HISTÓRICO NO MUNICÍPIO DE BELA VISTA DE GOIÁS LEVANTAMENTO DA COLETA SELETIVA E SEU HISTÓRICO NO MUNICÍPIO DE BELA VISTA DE GOIÁS Tuliane Machado Bomfim Graduada em Tecnologia em Gestão Ambiental pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC

Leia mais

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Etec. Prof. Mário Antônio Verza Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Realização: CIPA Responsável CIPA: Micaiser Faria Silva (2015/2016) A reciclagem é o processo de reaproveitamento do lixo descartado,

Leia mais

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES 3 Definições de lixo: No dicionário: sujeira, imundice, coisa(s) inúteis, velhas, sem valor. Na linguagem técnica: sinônimo

Leia mais

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem Compostagem A compostagem é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal formando um composto. A compostagem propicia um destino

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS AUDIÊNCIA PÚBLICA Fabiano de Souza Eng. Ambiental Tecnólogo em Gestão Pública OBJETIVOS DO PLANO É um instrumento da Política Nacional de

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO. Latas de alumínio e plásticos vão para a indústria de reciclagem.

CENÁRIO BRASILEIRO. Latas de alumínio e plásticos vão para a indústria de reciclagem. CENÁRIO BRASILEIRO O Brasil gera aproximadamente 250 mil toneladas de lixo por dia. Assim, imagine duas filas de caminhões de 5 toneladas de capacidade, ocupando uma distância equivalente a 10 pontes Rio-Niterói.

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

Apresenta: PAPEL METAL LIXO ORGÂNICO VIDRO PLÁSTICO. no luga

Apresenta: PAPEL METAL LIXO ORGÂNICO VIDRO PLÁSTICO. no luga Apresenta: Coloqu e o lixo no luga r, na hor a e no d certo. ia ORGÂNICO CAPItao VAREJO em: coleta seletiva Enquanto isso, na sala secreta de reuniões... Olá, Capitão Varejo! Grande Gênio, bom dia! Espero

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

GERENCIAMENTO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UNIDADES HOSPITALARES

GERENCIAMENTO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UNIDADES HOSPITALARES 1 GERENCIAMENTO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UNIDADES HOSPITALARES João Bosco Ladislau de Andrade (*) Valdir Schalch (**) (*) Instituto de Tecnologia da Amazônia - UTAM e Universidade

Leia mais

COMPOSIÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS COLETADOS NO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DO MUNÍCIPIO DE URUSSANGA SC RESUMO

COMPOSIÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS COLETADOS NO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DO MUNÍCIPIO DE URUSSANGA SC RESUMO 1 COMPOSIÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS COLETADOS NO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DO MUNÍCIPIO DE URUSSANGA SC Thiago Maragno Biava 1 Professora MSC Márcia C. Kravetz 2 RESUMO No presente artigo

Leia mais

UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE O LIXO INTEGRANDO: UNIVERSIDADE, ESCOLA E COMUNIDADE

UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE O LIXO INTEGRANDO: UNIVERSIDADE, ESCOLA E COMUNIDADE UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE O LIXO INTEGRANDO: UNIVERSIDADE, ESCOLA E COMUNIDADE Resumo COSTA, Josiane da 1 - UNILA ONOFRIO, Alvaro Barcellos 2 - UNILA Grupo de Trabalho - Educação

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PROGRAMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CARTILHA EDUCATIVA PROGRAMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COMA COORDENADORIA DO MEIO AMBIENTE BORTOLOSSI, Fernando. ALVES, Flávia Keller. ZANELLA, Geovani. Programa de Gestão de Resíduos Sólidos. Fernando

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana;

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana; RESÍDUOS SÓLIDOS - são os resíduos que se apresentam nos estados sólidos, semi-sólidos e os líquidos não passíveis de tratamento convencional, que resultam de atividades de origem industrial, comercial,

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

- o movimento lixo e cidadania, envolvendo o catador de papel, a sociedade e o governo;

- o movimento lixo e cidadania, envolvendo o catador de papel, a sociedade e o governo; COLETA SELETIVA EM BETIM (MG) A coleta seletiva, como parte do processo de gestão de resíduos, é responsabilidade municipal. Porém, muitos municípios não a fazem ou fazem em pequenas proporções alegando

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais

SITUAÇÃO DA GESTÃO E TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO CENTRO OESTE

SITUAÇÃO DA GESTÃO E TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO CENTRO OESTE ANÁLISE DAS DIVERSAS TECNOLÓGICAS DE TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL, EUROPA, ESTADOS UNIDOS E JAPÃO SITUAÇÃO DA GESTÃO E TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO CENTRO

Leia mais

Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota

Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota COLETA SELETIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES). Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota INTRODUÇÃO Vitória

Leia mais