WiBus: Um Sistema de Monitoramento de Transportes Públicos Usando Redes IEEE Uma análise de artigo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WiBus: Um Sistema de Monitoramento de Transportes Públicos Usando Redes IEEE 802.11 Uma análise de artigo"

Transcrição

1 WiBus: Um Sistema de Monitoramento de Transportes Públicos Usando Redes IEEE Uma análise de artigo Jéssica Yumi Kojima* 28 de Junho de 2014 *MAC0463 Computação Móvel Bacharelado em Ciência da Computação Instituto de Matemática e Estatística (IME) Universidade de São Paulo (USP) São Paulo SP Brasil Resumo. Um dos grandes transtornos vivenciados por usuários de transporte público de metrópoles é a falta de confiabilidade nesse sistema. Tanto o tempo de espera inconstante pelo próximo veículo quanto a falta de comodidade que o mesmo proporciona influenciam indivíduos a adotarem meio de transporte particulares para chegar ao seu destino. Contudo essa solução acaba prejudicando-os, pois o número excessivo de veículos circulando no mesmo intervalo de tempo piora o congestionamento, o qual contribui para os atrasos dos ônibus, por exemplo. A fim de incentivar a utilização desse meio de transporte público e tentar diminuir os engarrafamentos, os autores do artigo [da Silva et al., 2014] propuseram um sistema chamado WiBus, que estima os horários de chegada dos ônibus usando redes IEEE Introdução Os sistemas de transporte público nas metrópoles brasileiras são pouco confiáveis em relação à pontualidade, fato que é agravado pelos congestionamentos. Esses podem ser gerados por acidentes, por semáforos quebrados, pelo alto volume de veículos em circulação, entre outros motivos. E segundo o DENATRAN (Departamento Nacional de trânsito), houve um crescimento na frota de veículos nos últimos anos. Então, para incentivar o uso dos meio de transporte públicos e possivelmente inverter essa situação, tanto páginas web quanto aplicativos para sistemas embarcados têm sido desenvolvidos, muitos dos quais já estão em uso, como, por exemplo, a página OlhoVivo e o aplicativo Cadê o Ônibus?. Ambos fornecem informações aos usuários, como o tempo estimado de chegada do próximo veículo e detalhes da trajetória a ser percorrida. Um dos grandes desafios em calcular tais estimativas é considerar os fatores que influenciam no tempo gasto pelos veículos para fazer um percurso, como acidentes e congestionamentos por exemplo. Além disso, podem ocorrer mudanças nas trajetórias predeterminadas dos ônibus, fato que dificulta os cálculos do sistema. Desse modo, o conhecimento das posições dos ônibus de forma mais atual possível é essencial para não gerar erros significativos. Dentre as tecnologias utilizadas para isso estão o GPS, as redes de celulares (3G/4G) e as redes IEEE , popularizadas como redes Wi-fi ou wireless. O GPS é frequentemente utilizado devido a sua alta precisão. Porém, sendo na maioria das vezes apenas receptores, eles requerem o uso de alguma outra tecnologia para divulgar os dados coletados. Já as outras duas alternativas,

2 apesar de possuírem precisão inferior à da anterior, conseguem fazer ambos sem o auxílio de outra tecnologia, localizando o veículo através do nó da rede ao qual está conectado. Considerando as redes móveis para calcular as previsões, há dois tipos de comunicação predominantes: V2V (Vehicular-to-Vehicular) e V2I (Vehicular-to-Infrastructure). O primeiro envolve somente nós móveis, os quais comportam de maneira auto-organizáveis e auto-gerenciáveis, tornando um desafio o desenvolvimento de protocolos de roteamento para essa comunicação. Já o segundo é composto de bases fixas na infraestrutura da malha viária além de nós móveis presentes em veículos. Assim, o roteamento de pacotes é mais simples, uma vez que a localização de cada base é conhecida [de Mendonça, 2012]. A fim de manter a complexidade do algoritmo mais baixa, em [da Silva et al., 2014] consideraram melhor usar a arquitetura V2I para a rede, pois apesar do seu custo mais elevado, pode oferecer maior conectividade de rede em relação ao V2V. Assim, o trabalho desenvolvido em [da Silva et al., 2014] propôs o WiBus, um sistema para a estimativa da chegada dos ônibus. Ele se adapta a mudanças de trajetória dinamicamente e utiliza a localização por proximidade em relação a roteadores sem fio IEEE Os autores optaram por utilizar em seu projeto as redes IEEE , pois elas são o padrão utilizado em conectividade sem fio para redes locais [Wikipedia, 2014] e, dessa forma, o WiBus permite o uso de apenas um dispositivo para localizar o veículo e para fazer a comunicação entre as entidades do sistema. O sistema também é capaz de se adaptar a mudanças de trajetória dinamicamente, e não possui uma base de dados com informações de localizações antigas. Para a interação com os clientes, foram feitos um aplicativo para smartphones Android e uma página web chamados BuZoom Web e BuZoom, respectivamente. E alguns experimentos foram realizados para testar o sistema. Esta monografia descreve o trabalho apresentado no artigo [da Silva et al., 2014], e está organizada da seguinte forma: a seção 2 contém a descrição da arquitetura do WiBus; a seção 3 fornece alguns detalhes da implementação desse sistema; a seção 4 descreve o cenário dos testes realizados pelos autores; a seção 5 descreve as avaliações feitas pelos autores; a seção 6 contém as conclusões feitas pelos autores; e finalmente, a seção 7 apresenta críticas em relação ao trabalho realizado. 2. Arquitetura do WiBus O sistema WiBus, representado na Figura 1, possui quatro entidades: Central, Unidade de Acostamento (UA), Ônibus e Cliente. A Central é um computador que possui todas as informações necessárias para calcular as estimativas: os mapas criados dinamicamente, a localização de cada veículo e os dados dos tempos entre pontos consecutivos. Além disso, essa entidade é responsável por fazer as previsões de tempo e responder as requisições dos clientes, executando, assim, o programa principal do sistema. Enquanto isso, as Unidades de Acostamento (UAs) são pontos de acesso instalados nos pontos de parada. Elas oferecem redes sem-fio com identificadores (do inglês, Service Set Identifier, ou SSID) fixados previamente para permitir a conexão aos roteadores nos ônibus. Para que esses últimos sejam rastreados, cada ônibus deve possuir um roteador sem-fio IEEE que execute alguns dos programas desenvolvidos no projeto. Esses programas têm o propósito de localizar o ônibus em relação às UAs e enviar os dados obtidos à Central através das próprias UAs. Já a entidade Cliente representa um indivíduo que solicita estimativas ao sistema por meio do aplicativo BuZoom ou da página web desenvolvidos. O sistema desenvolvido utiliza a técnica de localização por proximidade em relação às UAs. Ao se aproximar de um ponto de parada, o ônibus se conecta à UA instalada, ocorrendo uma troca de mensagens nas quais o ônibus se identifica à UA e vice-versa. Após feita a conexão, o ônibus envia uma mensagem à Central informando a qual UA ele está conectado. Desse modo, como as UAs são fixas, o sistema possui a localização do ônibus. Mesmo assim, para estimar o horário de

3 chegada de um ônibus na próxima UA de sua trajetória, é necessário ter um mapa com os percursos de cada linha de ônibus. O WiBus usa esse mapa juntamente com um histórico recente dos tempos que os ônibus levam para percorrer dois pontos consecutivos de sua trajetória. E a abordagem inicial da criação do mapa das linhas de ônibus supõe que o percurso delas não se altera. Porém, essa suposição é falha, uma vez que mudanças temporárias podem ocorrer. Figura 1. Entidades do sistema na arquitetura 3. Implementação do WiBus O sistema WiBus se compõe de seis programas listados a seguir: WiBusUAServer executado continuamente na UA. Quando um ônibus se conecta a uma UA, essa envia uma mensagem para ele com a identificação da própria UA, recebendo, em seguida, uma mensagem com a identificação do ônibus. Essa última é utilizada somente para manter um histórico de contatos na UA. WiBusClientUA executado no Ônibus para o tratamento de mensagens enviadas pelas Uas, contendo a identificação delas, e para o envio de mensagens às UAs, contendo a identificação do ônibus. Esse programa é executado toda vez que o ônibus se conecta a uma UA. WiBusClientCentral executado no Ônibus para o tratamento de mensagens enviadas pela Central e para o envio de mensagens para a Central, contendo dados de localização de rede. Esse programa é executado após o programa WiBusClientUA terminar. WiBusCentralServer executado continuamente na Central para o envio de mensagens aos ônibus e para o tratamento de mensagens enviadas pelos ônibus. A partir das informações recebidas, o mapa das linhas de ônibus é criado e modificado, os ônibus são localizados e as previsões de tempo de chegada dos ônibus são calculadas. Além disso, esse programa recebe e responde requisições de estimativas dos Clientes. BuZoom aplicativo para smartphones Android. Esse programa solicita estimativas de tempo de chegada dos ônibus à Central. BuZoom Web página web que acessa a Central para disponibilizar os dados sobre os ônibus aos Clientes. Resumidamente, o ônibus obtém sua localização na rede através da execução do programa WiBusClientUA. Depois disso, o programa WiBusClientCentral é executado, e enviando uma mensagem à Central com as seguintes informações: a UA a qual o ônibus está conectado, a UA que o ônibus esteve conectado anteriormente, o identificador do ônibus e o identificador da linha desse ônibus. Ao receber essa mensagem, a Central executa o programa WiBusCentralServer para tratá-la.

4 3.1. Central No WiBus, uma linha de ônibus é caracterizada pelo seu número e sentido, de forma que nenhuma linha é considerada circular pelo sistema. Além disso, cada linha é composta de trechos, onde um trecho é defindo como um par de UAs consecutivas na trajetória das linhas de ônibus. Como a linha de ônibus no sistema é apenas uma sequência de trechos, para estimar o tempo que o ônibus leva para alcançar uma UA, basta somar os tempos estimados para cada um dos trechos localizados entre a posição atual do ônibus e a UA especificada. Além disso, é preciso levar em conta o fato de que um ônibus pode estar no meio de um trecho quando uma requisição de estimativa é realizada. Contudo, esse caso não é citado em [da Silva et al., 2014], então não se sabe se algum tipo de tratamento é feito. A estimativa do tempo que um ônibus leva para percorrer um dado trecho é calculada como a média dos tempos gastos pelos últimos K ônibus que passaram por esse mesmo trecho. Ou seja, é a média móvel simples dos K tempos calculados para esse trecho que são mantidos no mapa associativo da Central. Esse mapa relaciona trechos das linhas de ônibus aos tempos gastos pelos últimos ônibus que passaram por esse trecho. Ele é atualizado quando a Central recebe uma mensagem, e o mesmo ocorre para as posições em que os ônibus se encontram com as UAs especificadas na mensagem. A Central é a responsável por estimar o tempo necessário para que o ônibus mais próximo alcance uma UA da linha desse ônibus. Para isso, calcula-se as estimativas de cada UA dessa linha para todos os ônibus da linha, como é mostrado no Algoritmo 1. A estimativa b armazena a estimativa de um dado ônibus b alcançar o trecho atual a partir de sua posição inicial, e a função estimativatrecho devolve a estimativa de tempo gasto por um dado ônibus b para percorrer somente o trecho atual. Os desenvolvedores do WiBus não descreveram mais detalhes desse algoritmo, e o algoritmo de criação e atualização dos mapas das linhas dos ônibus está descrito na próxima seção Algoritmo de Criação e Manutenção Dinâmica de Trajetórias O WiBus representa as trajetórias dinamicamente para conseguir fazer o tratamento de casos de imprevistos que modificam os percursos dos ônibus, como a ocorrência de desvios. Porém, pode acontecer a situação em que um motorista erra o caminho a ser seguido, então o sistema não pode considerar qualquer mudança sinalizada por um veículo como uma alteração na trajetória da linha de ônibus. Dessa forma, os desenvolvedores do WiBus propuseram um algoritmo que atribui pesos nas variáveis para evitar essas modificações desnecessárias nas trajetórias das linhas. Assim, uma

5 alteração é confirmada se outros ônibus dessa mesma linha repetirem a mesma trajetória. A trajetória dos ônibus pode ser representada como um grafo, onde os arcos representam os trechos considerados no percurso e os nós representam as UAs. Ambos os arcos e os nós possuem um peso. O do primeiro indica a velocidade em que uma mudança na trajetória é considerada permanente, quanto menor ele for, mais rápida será concretizada a alteração. O valor desse peso deve ser no máximo duas vezes o número de ônibus das linhas, para que os pesos dos arcos alcancem o valor de zero antes do peso da UA no caso de uma mudança no trajetória da linha. Já o peso da UA é usado para a remoção de uma UA de uma trajetória, e determina quando uma UA será excluída. O valor inicial atribuido pelo WiBus a esse peso é igual ao valor máximo permitido: o dobro do produto da quantidade de UAs presentes na linha pela quantidade de ônibus que estão fazendo esse percurso. Como esse peso depende do número de UAs cadastradas, quando uma nova UA é inserida ou uma antiga reaparece na trajetória, os pesos de cada UA é igualado ao novo máximo. Assim, no WiBus, todos os ônibus de uma dada linha precisam percorrer a quantidade de UAs cadastradas pelo menos duas vezes antes que uma delas seja excluída. Ressalta-se que cada UA pode ter uma lista de arcos, pois no caso de uma alteração na trajetória de uma linha, uma UA pode possuir mais de uma possibilidade de próxima UA ou de UA anterior a ela na trajetória. Assim, a atualização dos pesos dos arcos é dada da seguinte forma: subtrai-se uma unidade do peso de todos os arcos da lista de UAs anteriores e próximas, e somam-se duas unidades ao peso do arco usado atualmente. Caso o valor do arco se torne zero, ele é removido, indicando que a UA relacionada a ele não é mais utilizada como anterior ou próxima na trajetória do ônibus. Enquanto isso, a atualização dos pesos das UAs ocorre da seguinte maneira: o peso de todas as UAs da linha é decrementado de uma unidade, e depois o peso da UA atual é igualado para o valor anteriormente especificado, isto é, o dobro do produto da quantidade de UAs na linha de ônibus pela quantidade de ônibus percorrendo a trajetória. Caso o peso da UA se torne zero, ela é eliminada. Figura 2. Exemplo de funcionamento do Algoritmo de Criação e Manutenção

6 Dinâmica de Trajetórias. Um exemplo de funcionamento dessas atualizações pode ser vista na Figura 2. Nele, considera-se que as UAs 3 e 4 estão defeituosas. Assim, até a Figura 2(b) o ônibus segue normalmente em sua trajetória. Na Figura 2(c) observa-se que novos arcos foram inseridos, e os pesos dos arcos antigos da lista de UAs anteriores e próximas foram decrementados. Na Figura 2(d) dois dos arcos atingem o valor de zero e são excluídos. E na Figura 2(e) o mesmo ocorre para as UAs 3 e 4. O pseudocódigo da criação e atualização dos mapas das linhas de ônibus é mostrado no Algoritmo Interface Gráfica Para a interação com o usuário, foram desenvolvidos duas interfaces gráficas: um aplicativo para smarphones, e uma página web chamada BuZoom Web. Segundo os desenvolvedores do WiBus, esse aplicativo, chamado BuZoom, foi disponibilizado para sistemas operacionais Android

7 2.2 (Froyo) ou versões mais recentes, e pode ser visto na Figura 3. Figura 3. Telas do BuZoom para Android. Nesse aplicativo, a consulta do usuário requere conexão com a Internet, e pode ser feita de duas maneiras: usando um leitor de QRcode, que está diponível no ponto para identificar o ponto de ônibus; ou escolhendo seu ponto a partir de uma lista suspensa. A primeira forma é mais apropriada para usuários que já se encontram no ponto de ônibus, mas não sabem onde ele se localiza. Já a segunda é mais apropriada para usuários que não estão nos pontos, esperando, por exemplo, que o ônibus se aproxime mais antes de ir até o ponto. Após o envio dos dados à Central, a resposta da requisição pode ser visualizada na tela do dispositivo. Segundo os desenvolvedores do WiBus, as ferramentas utilizadas no desenvolvimento do aplicativo BuZoom foram o Android SDK (Software Development Kit) e o JDK (Java Development Kit). Para o reconhecimento do QRcode foi usado o pacote Zxing.integration.android, fazendo uma requisição para um aplicativo auxiliar chamado BarcodeScanner. E a produção dos QRcodes, relacionados aos pontos de ônibus do Campus Ilha do Fundão da UFRJ, foi feita com o aplicativo QRdroid. 4. Rede de Testes realizados pelos autores Os desenvolvedores do WiBus montaram um pequeno protótipo de laboratório para testar o sistema, com as entidades da arquitetura representadas da seguinte maneira: Central: uma computador com sistema operacional Debian, 8 GB de memória RAM e processador Intel Core i UAs / Ônibus: roteadores sem-fio D-Link, modelo DIR-320. Esse modelo possui processador ARM de 240 MHz e 32 MB de memória RAM. E ainda, possui uma entrada USB que pode ser usada para aumentar a capacidade de armazenamento do roteador (originalmente 4 MB) ou para instalar uma segunda interface de rede sem-fio.

8 A Central e as UAs foram conectadas através de um roteador D-Link, modelo DIR-320, configurado para funcionar como um comutador. Já a conexão das UAs e da Central com esse comutador foi feita por meio de um cabo Ethernet. E o sistema operacional utilizado nos roteadores é uma distribuição Linux para dispositivos embarcados chamado OpenWRT versão Backfire Figura 4. Ambiente de testes. 5. Avaliações realizadas pelos autores Foram realizados dois experimentos para testar o WiBus. O primeiro tinha o objetivo de avaliar a quantidade máxima sob a qual o sistema ainda era capaz de operar, rastreando veículos e calculando as estimativas requisitadas. Enquanto o segundo tinha o objetivo de avaliar os erros das estimativas calculadas pelo sistema, e foi realizado com dados reais em um cenário universitário Capacidade de Atendimento de Ônibus Neste teste, os autores em [da Silva et al., 2014] tentaram simular as condições da cidade do Rio de Janeiro. Então foram cadastrados ônibus distribuídos uniformemente entre 800 linhas fictícias de ônibus. Esses cadastros foram realizados através de um script não descrito em [da Silva et al., 2014] que emula a passagem dos ônibus pelas UAs, enviando mensagens do ônibus (roteador) à Central. Dado que a quantidade de UAs de cada linha pode variar, os autores consideraram no

9 experimento variações entre 10 a 100 com incrementos de 10. No teste, cada ônibus percorreu uma trajetória 10 vezes, enviando mensagens para a Central toda vez que mudava de UA. A Central fez o tratamento das mensagens e calculou o tempo gasto nesse tratamento. Isso foi repetido três vezes, e os resultados podem ser vistos na Figura 5. Figura 5. Tempo de tratamento de mensagens. A partir desse gráfico, os autores fizeram a dedução de que, como cada mensagem gasta menos de 7ms para ser tratada, o WiBus conseguiria tratar as mensagens dos ônibus, pois com a suposição de que cada ônibus demora ao menos um minuto para percorrer um trecho, a Central conseguiria tratar aproximadamente mensagens por minuto. Dessa forma, eles concluíram que o WiBus conseguiria atender as demandas de uma metrópole Experimentos em um Cenário Universitário Nesse experimento os autores mediram nove vezes o tempo gasto em todos os trechos das linhas de ônibus universitários COPPEAD e Estação UFRJ, mostradas na Figura 6. Como as estimativas das linhas dependem do parâmetro K, eles tentaram defini-lo variando o seu valor entre 1 e 8. Na Figura 7 são apresentados os erros absolutos médios por trecho nos casos onde K vale 1, 4, 5 e 8. O valor de K deve ser escolhido de forma a minimizar o erro médio das estimativas de tempo do ônibus de toda a sua trajetória. Pelos gráficos da Figura 8, os valores de K que produzem menor erro absoluto são K = 4 para a linha COPPEAD e K = 3 para a linha Estação UFRJ.

10 Figura 6. Trajetórias das linhas de ônibus universitárias. Figura 7. Erro absoluto médio para diferentes valores de K. As características das linhas estudadas foram apresentadas nas Tabelas 1 e 2. A partir delas, os autores afirmaram que as linhas com maiores variações, como a linha COPPEAD, tendem a apresentar maior compromisso entre as informações recentes e as de longo prazo, enquanto as linhas com menores variações não apresentam esse comportamento de forma tão nítida, como a linha Estação UFRJ. Essa foi uma conclusão muito abrangente, sendo que só foram testadas duas linhas.

11 Figura 8. Erro médio de estimativa do ponto inicial até o ponto final para diferentes valores de K. Tabela 1. Linha COPPEAD

12 Tabela 2. Linha Estação UFRJ E, finalmente, pela Figura 8, os autores observaram que o erro médio absoluto das estimativas não passava de poucos minutos. E a partir disso, concluíram que o WiBus possui grande potencial para usuários de transporte públicos. 6. Conclusões feita pelos autores Os autores em [da Silva et al., 2014] propuseram um sistema para a estimativa dos horários de chegada de ônibus nos pontos em que um cliente se encontra. O WiBus coleta dados a partir de redes IEEE , cujos dispositivos estão instalados nos ônibus e em certos pontos ao longo das vias. Visando evitar falhas no sistema caso ocorressem mudança nas trajetórias dos ônibus, um algoritmo de criação e manutenção dinâmica de mapas digitais foi proposto e avaliado pelos autores. A estimativa de chegada dos ônibus foi baseada em médias móveis simples de tamanho K, calculado para duas linhas de ônibus que percorrem a cidade universitária da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Segundo os autores, o WiBus apresenta erro da ordem de minuto ao longo de todo o percurso das linhas de ônibus avaliadas. Eles também acreditam que o sistema proposto mostrou ser capaz de atender as exigências de metrópoles como o Rio de Janeiro, pois conseguiria tratar mais de mensagens por minuto no pior caso. 7. Críticas Diversos pontos do artigo não ficaram claros. Os seis programas apresentados só foram explicados superficialmente, a maioria sem a apresentação de código. E os únicos dois algoritmos apresentados usam funções que não foram descritas ou explicadas explicitamente, como a estimativa do tempo de um trecho, parte essencial da implementação. Supõe-se que a Central mantém armazenado o horário da última mensagem enviada por cada ônibus. Assim, o tempo gasto para percorrer o tempo se daria pela diferença entre o ultimo horário armazenado e o horário da

13 nova mensagem. E caso um ônibus se encontre no meio de um trecho quando a solicitação de uma estimativa é feita, poderia-se calcular o tempo que o ônibus já gastou a partir do horário atual e daquele enviado pela última mensagem. Porém, como o artigo não menciona explicitamente quais dados são armazenados pelo sistema, não é possível confirmar essa suposição. Além disso, o artigo também não menciona tratamentos relacionados à estimativa de tempo para o caso de ocorrência de desvios. Quando um ônibus muda seu percurso, dado que ele só envia informações sobre sua localização ao se comunicar com uma UA, o sistema estimaria que o ônibus ainda está percorrendo a trajetória definida no mapa, e enviaria informações erradas aos usuários caso houvesse requisições. E mesmo que o sistema obtivesse a informação do desvio no momento em que ele ocorre, a Central não saberia qual seria a próxima UA na trajetória do ônibus até que o mesmo se conecte ela, ou se de algum modo fosse enviada uma mensagem para a Central no momento em que o desvio acontece. Um problema similar ocorre quando o sistema acaba de ser inicializado, pois não existem dados sobre os tempos dos últimos K ônibus que passaram pelos trechos, já que nenhuma das trajetórias foi percorrida ainda. No entanto, os autores do artigo não apresentaram informações relacionadas ao tratamento de casos de inicialização do sistema, então não se sabe o que foi feito. Um dos modos de contornar o problema seria conseguir a localização e a velocidade do ônibus sem a necessidade de se conectar a uma UA, para o caso de um ônibus se encontrar no meio de um trecho quando a requisição de um cliente é realizada. Contudo, para isso seria necessário o uso de alguma outra tecnologia, o que infringiria a ideia dos autores de utilizar somente um tipo de dispositivo para localizar o veículo e fazer a comunicação entre os nós da rede. Outra solução seria obter e armazenar os dados sobre o tempo gasto em cada trecho antes do sistema ser disponibilizado ao público. O script que emula a passagem dos ônibus pelas UAs também não é devidamente descrito no artigo. Só com as informações nele contidas, não se sabe se casos como mensagens incompletas, atrasos no recebimento das mensagens, falhas no sistema foram considerados nas estimativas. E se esse não for caso, os autores não poderiam afirmar que o sistema conseguiria tratar as mensagens de todos os ônibus de uma metrópole no intervalo de um minuto, pois o tempo tratamento da mensagem no mundo real pode ser diferente daquela obtida através das simulações (inferior a 7ms). Só é possível dizer que o WiBus possui certo potencial. Dessa forma, entende-se que o o ambiente de testes foi utópico, apesar dos autores tentarem reproduzir o cenário do Rio de Janeiro. Foram cadastrados um volume razoável de ônibus e linhas fictícias, porém não há indícios de experiências realizadas com vários ônibus circulando por uma única ou mais linhas ao mesmo tempo. E as que foram executadas ficaram restritas a um ambiente universitário, o qual é relativamente pequeno, fechado e não aborda situações do dia-a-dia da mesma maneira que uma metrópole. O número de acidentes, desvios e intensidade de congestionamentos não são da mesma magnitude. Assim, a capacidade de atendimento de ônibus do WiBus e os erros das estimativas feitas pelo mesmo foram deduzidas com estimativas não muito convincentes. Além disso, os gráficos apresentados não possuem a mesma escala, o que pode resultar em uma comparação equivocada entre eles. Os próprios autores cometem esse erro ao citar que o erro médio absoluto das estimativas se mantém abaixo de 80 segundos. Isso é verificado na figura 8b, cuja escala alcança no máximo 80 segundos, mas o mesmo não ocorre na figura 8a, cuja escala vai até 120. Segundo os autores, as estimativas de localização em rede baseada em séries históricas usam dados coletados durante intervalos longos de tempo. Nela, situações fora do padrão como acidentes seriam desconsideradas, pois os cálculos utilizariam uma média pertencente, por exemplo, a um mesmo período de um mesmo dia da semana. Os autores também definem que os métodos de tempo real utilizam apenas informações obtidas no próprio dia, modelando melhor situações imprevistas

14 em comparação à anterior. E afirmam que usaram a técnica de tempo real em seu projeto, devido ao dados de localização do método utilizado serem esparsos, calculando a média dos tempos gastos pelos K últimos ônibus que passaram pelo trecho. Conforme o artigo, esse método assume que o tempo que um veículo leva em um percurso é o mesmo que a de um veículo anterior, pois o histórico passado é relativamente curto. Porém, as estimativas não usam dados de tempo real propriamente ditos. Os dados provém de um histórico recente, mas esses não foram coletados apenas no momento em que os cálculos são feitos. Então o método utilizado está mais relacionado com séries históricas de curto prazo do que tempo real, uma vez que os intervalos de tempo entre os ônibus podem chegar a 1h, dependendo da situação. E ainda, há referências que não foram citadas corretamente. Na introdução do artigo, os autores afirmaram que os métodos para estimar a localização em [Manolis e Kwstis, 2004] são baseados em séries históricas, desconsiderando situações como acidentes. Porém, esse método só é utilizado quando não há ônibus em um dado trecho para se extrair a velocidade em tempo real. A técnica utilizada assume que o tempo gasto por um veículo em um dado trecho será igual ao de outro que está passando pelo mesmo trecho no instante em que a estimativa é calculada. Sendo assim, o método usa ambas as abordagens de tempo real e de séries históricas. Além disso, os autores também não foram coerentes quanto o valor dos pesos atribuídos para as UAs. Primeiro disseram que esse valor era igual ao dobro do produto da quantidade de UAs na linha de ônibus pela quantidade de ônibus percorrendo a trajetória. Mas depois, o valor foi referido como somente duas vezes a quantidade de UAs na linha de ônibus. Como o exemplo de funcionamento exposto considerava apenas um ônibus realizando o percurso, ambos os valores são iguais, e não é possível saber qual desses valores foi utilizado. Outro ponto importante é que não foi encontrado a página BuZoom Web nem o aplicativo BuZoom descritos no artigo. O apk de um aplicativo chamado BuZoom até foi encontrado em [Fábrica de Aplicativos, 2014], mas, pela imagem da página web, ele não parecia ser aquele ao qual os autores se referiam. Não foi possível instalá-lo e testá-lo para fazer uma verificação. Logo, os autores em [da Silva et al., 2014] deveriam ter detalhado e revisado um pouco mais o conteúdo de seu trabalho. Apesar disso, mostraram que um sistema baseado em redes locais possui um potencial para o monitoramento de ônibus em larga escala. Referências: da Silva, V. B. C., Sciammarella, T, Campista, M. E. M. e Costa, L. H. M. K. (2014). WiBus: Um Sistema de Monitoramento de Transportes Públicos Usando Redes IEEE Em Anais do 32 o Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos SBRC de Mendonça, T. F. (2012). VANETs: Vehicular Ad-Hoc Networks. Fábrica de Aplicativos (2014). BuZoom. Manolis, K. e Kwstis, D. (2004). Intelligent transportation systems travelers' information systems the case of a medium size city. Em Mechatronics. ICM '04. Proceedings of the IEEE International Conference on, p SPTrans (2014). OlhoVivo. Wikipedia (2014). IEEE

WiBus: Um Sistema de Monitoramento de Transportes Públicos Usando Redes IEEE 802.11

WiBus: Um Sistema de Monitoramento de Transportes Públicos Usando Redes IEEE 802.11 Anais do 3º Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos SBRC 14 WiBus: Um Sistema de Monitoramento de Transportes Públicos Usando Redes IEEE 8.11 Vitor Borges C. da Silva, Tatiana

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem 1 1. Introdução / 2. Conteúdo da embalagem 1. Introdução O Repetidor WiFi Multilaser é a combinação entre uma conexão com e sem fio. Foi projetado especificamente para pequenas empresas, escritórios e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

ELEMENTOS DE PROTOCOLOS DE TRANSPORTE. Fabricio Sousa

ELEMENTOS DE PROTOCOLOS DE TRANSPORTE. Fabricio Sousa ELEMENTOS DE PROTOCOLOS DE TRANSPORTE Fabricio Sousa Elementos de protocolos de transporte 2 Serviço de transporte implementado por um protocolo de transporte usado entre duas entidades de transporte Em

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos... 2 Antes da instalação Motorola Phone Tools... 3 Instalar Motorola Phone Tools... 4 Instalação e configuração do dispositivo móvel... 5

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 19: Visão geral sobre otimização de programas 06 de julho de 2010 1 2 3 Características esperadas dos programas O primeiro objetivo ao escrever programas de computador

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. 1. Sistema de Monitoramento da Frota O Sistema de Monitoramento da Frota será implantado pela concessionária para

Leia mais

PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID

PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID Acadêmica: Shaiane Mafra Casa Orientador: Jacques Robert Heckmann 07/2013 Roteiro Introdução

Leia mais

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android (Organização do Ambiente) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes GESTOC Versão 9.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Introdução... 2 2. Escopo... 2 3. Implementações... 2 0002061: Emissão de notas de remessa com vasilhames e embalagens... 3 0002062: Emissão

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte.

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. MANUAL DE SUPORTE Controle de Suporte Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. SUMÁRIO Considerações Iniciais... 3 Acesso... 4 Controle de Suporte... 5 1. Solicitação de Atendimento...

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

5.1 Exemplos de uso Mediante a instanciação de componentes específicos, o OiL pode ser configurado

5.1 Exemplos de uso Mediante a instanciação de componentes específicos, o OiL pode ser configurado 5 Avaliação Decidimos avaliar a arquitetura de componentes para o OiL proposta neste trabalho em duas dimensões diferentes. Na primeira, demonstramos a capacidade de configuração do middleware com alguns

Leia mais

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Aluno: Luiz

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material 61 5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material A fim de avaliar as características da arquitetura proposta e a corretude da implementação, realizamos experiências com cenários de

Leia mais

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo Introdução à Computação Móvel Carlos Maurício Seródio Figueiredo Sumário Visão da Computação Móvel Oportunidades de Pesquisa Alguns Interesses de Pesquisas Futuras Visão da Computação Móvel O que é Computação

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 de agosto de 2009 Introdução Um Modelo Arquiteturial dene o modo no qual os componentes de sistemas interagem e o modo no qual eles são mapeados

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Gestão de rede wireless no campus

Gestão de rede wireless no campus Gestão de rede wireless no campus SCIFI e os desafios de uma rede sem fio na Universidade Roteiro o que é o SCIFI Evolução A Rede Wifi-UFF Mobilidade Gerência de identidade Próximos passos 3 O que é o

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião REDES SEM FIO Prof. Msc. Hélio Esperidião WIRELESS O termo wireless, significa sem fio, possui alguns sinônimos tais como: Rede sem fio Comunicação sem fio Computação Móvel Wi-FI? WI-FI? Wi-Fié uma marca

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva.

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva. Não há dúvida de que o ambiente de rede está cada vez mais complexo e que sua gestão é um grande desafio. Nesse cenário, saber o que está passando por essa importante infraestrutura é um ponto crítico

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Links importantes http://www.android.com/ Site oficial de toda a documentação, downloads e informações sobre a plataforma. http://developer.android.com/

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 10 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir os conceitos de coesão e acoplamento. DESENVOLVIMENTO Projetar

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE

APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE MARCOS LEÃO 1, DAVID PRATA 2 1 Aluno do Curso de Ciência da Computação; Campus de Palmas; e-mail: leão@uft.edu.br PIBIC/UFT

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES A inteligência... é a capacidade de criar objetos artificiais, especialmente ferramentas para fazer ferramentas. ( Henri Bergson) O serviço dos agentes surge como uma prestação

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008)

PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008) PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008) DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO POR GPS DOS VEÍCULOS UTILIZADOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Mestrado em Ciência da Computação CENTRO DE INFORMÁTICA Análise comparativa entre os diferentes tipos De protocolos para transmissão de dados Grupo: Professora: Disciplina:

Leia mais

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local.

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Segundo Pré-teste Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Duas salas de aula da Pós-graduação do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da EESC/USP. Duração: 4 horas. Dos objetivos. Envolveu

Leia mais

Visão traseira. Passo 1 Conecte seu smartphone ou tablet na rede Wi-Fi do DIR-868L. Guia de Instalação. www.dlink.com.br

Visão traseira. Passo 1 Conecte seu smartphone ou tablet na rede Wi-Fi do DIR-868L. Guia de Instalação. www.dlink.com.br 1 Visão traseira Passo 1 Conecte seu smartphone ou tablet na rede Wi-Fi do DIR-868L. Guia de Instalação 2 Visão geral 1 1 Conector USB 2.0 Utilizado para conectar o DWA-131 ao seu computador. 3 Conteúdo

Leia mais

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] [1] Aranda SQL COMPARE Versão 1.0 Aranda Software Corporation 2002-2007. Todos os direitos reservados. Qualquer documentação técnica fornecida pela Aranda software Corporation é um produto registrado da

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SUMÁRIO 1 Introdução...5 2 Sistema de monitoramento climático Ressonare...7 2.1 A rede de monitoramento...8 2.2 A coleta, o armazenamento e o acesso aos

Leia mais

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Camada Transporte Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Algoritmo de Janela Deslizante em TCP O TCP clássico emprega um protocolo de janela deslizante com confirmação positiva e sem repetição seletiva. O TCP

Leia mais

BuscaPreço Gertec V3.0

BuscaPreço Gertec V3.0 BuscaPreço Gertec V3.0 Gertec Telecomunicações Ltda. Manual do Usuário 1 DESCRIÇÃO... 3 RECONHECENDO O TERMINAL... 4 INSTALAÇÃO DO TERMINAL... 5 CONFIGURAÇÃO DO TERMINAL... 5 CONFIGURANDO PELO TECLADO...

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

STATUS CHECK. Visão Geral do Produto

STATUS CHECK. Visão Geral do Produto STATUS CHECK Visão Geral do Produto Soluções em Monitoramento da Condição Sistema StatusCheck 2.4GHz 2 Visão Geral do Sistema StatusCheck : O Status Check monitora os parâmetros de vibração e temperatura

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla 6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla O mercado brasileiro de dispositivos móveis em breve ganhará mais uma grande plataforma. Anunciado oficialmente

Leia mais

Manual do Usuário ZKPatrol1.0

Manual do Usuário ZKPatrol1.0 Manual do Usuário ZKPatrol1.0 SOFTWARE Sumário 1 Introdução de Funções... 3 1.2 Operação Básica... 4 1.3 Seleção de idioma... 4 2 Gerenciamento do Sistema... 5 2.1 Entrar no sistema... 5 2.2 Sair do Sistema...

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

TRBOnet Standard. Manual de Operação

TRBOnet Standard. Manual de Operação TRBOnet Standard Manual de Operação Versão 1.8 NEOCOM Ltd ÍNDICE 1. TELA DE RÁDIO 3 1.1 COMANDOS AVANÇADOS 4 1.2 BARRA DE FERRAMENTAS 5 2. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS 6 2.1 MAPLIB 6 2.2 GOOGLE EARTH 7 2.3

Leia mais

Trabalhos Relacionados 79

Trabalhos Relacionados 79 Trabalhos Relacionados 79 6 Avaliação e Testes Neste capítulo são apresentados alguns testes que foram realizados com o a solução de Gerenciamento de Mobilidade (API SIP User Agent) e com o sistema publish/subscribe

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Guia do Usuário. Avigilon Control Center Móvel Versão 2.0 para Android

Guia do Usuário. Avigilon Control Center Móvel Versão 2.0 para Android Guia do Usuário Avigilon Control Center Móvel Versão 2.0 para Android 2011-2015 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. AVIGILON é marca comercial registrada e/ou não registrada da Avigilon

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

IRISPen Air 7. Guia Rápido. (Windows & Mac OS X)

IRISPen Air 7. Guia Rápido. (Windows & Mac OS X) IRISPen Air 7 Guia Rápido (Windows & Mac OS X) Este Guia Rápido do Usuário ajuda você a começar a usar o IRISPen Air TM 7. Leia este guia antes de utilizar o scanner e o respectivo software.todas as informações

Leia mais

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações 2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações Ao longo do presente capítulo são introduzidos os principais elementos qualitativos e quantitativos capazes de permitir a avaliação do desempenho

Leia mais