MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO O PADRÃO DE COMUNICAÇÃO SEM FIO IEEE (REDES ZIGBEE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO O PADRÃO DE COMUNICAÇÃO SEM FIO IEEE 802.15.4 (REDES ZIGBEE)"

Transcrição

1 MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO O PADRÃO DE COMUNICAÇÃO SEM FIO IEEE (REDES ZIGBEE) Andrei Salomão 1 ; Wilson Cabral de Sousa Jr. 2 ; Elaine Nolasco Ribeiro 3 RESUMO - Uma parte do projeto HIDROAER consiste no desenvolvimento de uma rede de monitoramento remoto do consumo de água para o Aeroporto Internacional de São Paulo. Para isso, são utilizados módulos eletrônicos acoplados a hidrômetros que geram pulsos a uma relação de saída (pulso / x litros) determinada. Nestes módulos, um microcontrolador interno avalia os sinais recebidos, reconhece a direção da vazão de água (fluxo ou refluxo) e calcula os valores de medição baseados na quantidade de pulsos gerados em um determinado intervalo de tempo. Os dados são armazenados localmente e também transmitidos para uma central remota, utilizando o padrão de comunicação sem fio IEEE , através de redes ZigBee. ABSTRACT - Part of the HIDROAER project is the development of a network for remote monitoring of water consumption for the International Airport of Sao Paulo. For this, electronic modules are used coupled to flow-meters that generates pulses at a determined output ratio (pulses / "x" liters). In these modules, an internal microcontroller receives the signal, determines the direction of water flow (flux or reflux) and calculates the values of measurement based on the quantity of pulses generated in a given period of time. The data is stored locally and is also transmitted to a central remote, using the wireless communication standard IEEE , through ZigBee networks. Palavras chave: Redes sem fio WPAN - ZigBee

2 1. INTRODUÇÃO O ZigBee tem por finalidade ser utilizado em aplicações onde baixas taxas de transferência são suficientes e onde um baixo consumo de potência é necessário ou desejável. Com essas características, o padrão ZigBee se torna ideal para implementar redes de sensores e microcontroladores, como o caso do presente projeto, onde o consumo de água é medido por hidrômetros eletrônicos localizados em diversos pontos de interesse e transmitido sem fio para uma central remota. Algumas características principais do ZigBee são mostradas abaixo: Rede do tipo Low-Rate Wireless Personal Area Network (LR-WPAN); Utilizado em Controle Residencial, Automação Predial e Industrial, Monitoramento Remoto, etc; Consumo de potência reduzido; Custo reduzido; Taxa de transferência de até 250 Kbps; Alcance ponto a ponto aproximado em 100 metros, dependendo da potência dos equipamentos, de características ambientais (obstáculos físicos, interferência eletromagnética etc) e da topologia da rede (pode-se criar uma rede muito extensa dependendo da topologia escolhida). Os dispositivos que utilizam o padrão ZigBee podem operar em três freqüências distintas, com taxas de transferências específicas para cada freqüência: 868 MHz (Europa) a uma taxa máxima de 20 Kbps; 915 MHz (América) a uma taxa máxima de 40 Kbps; 2.4 GHz (Global) a uma taxa máxima de 250 Kbps. Em uma rede ZigBee existem várias topologias possíveis. As mais usuais são as seguintes: Topologia star; Topologia cluster tree; Topologia mesh.

3 A Fig. 1.1 apresenta as diferentes topologias. Figura 1.1. Topologias para redes ZigBee. A topologia star é a mais simples, com o coordenador da rede se comunicando com um ou mais end devices sem opção de roteamento. Em teoria, até end devices podem ser inseridos na rede. Na cluster tree existe um coordenador de rede se comunicando com roteadores e/ou end devices. Com a adição de roteadores, é possível desenvolver uma rede mais extensa devido ao roteamento das mensagens entre dispositivos que não estão em alcance direto. Por fim, na topologia mesh, o roteamento da rede permite a criação de caminhos diferentes da fonte de dados para o destino. Esta é uma topologia ideal para redes que possuem nós móveis. O coordenador de rede tem a função de iniciar a rede (definindo o canal de comunicação), gerenciar os nós e armazenar informações sobre eles. Os roteadores são responsáveis pelo encaminhamento das mensagens entre os nós da rede. E os end devices são dispositivos simples que se comunicam apenas com um nó da rede e têm capacidade para permanecer no estado dormindo por boa parte do tempo, fazendo com que o consumo de energia seja muito reduzido. 2. REDE DESENVOLVIDA PARA O PROJETO HIDROAER A rede utilizada para o projeto HIDROAER opera em 2.4 GHz e foi desenvolvida utilizando a topologia cluster tree. A Fig. 2.1 apresenta a topologia escolhida.

4 Figura 2.1. Topologia da rede desenvolvida para o projeto HIDROAER. A rede é composta por um coordenador, responsável por receber os dados enviados por end devices (dispositivos responsáveis por coletar os dados e transmiti-los) e roteadores (responsáveis pelo roteamento das mensagens, possibilitando a extensão da área da rede). Os dados são enviados pelo coordenador via USB para um PC (central remota). Os dados coletados e enviados são diversos (para controle e manutenção da rede) e serão detalhados em seções posteriores. Nesta rede, existe o conceito de pai-filho entre os dispositivos. A rede é formada, como sempre, pelo coordenador da rede. Quando um novo dispositivo (end device ou roteador) se associa ao coordenador, ele se torna filho do coordenador e este se torna pai do novo dispositivo. Caso um segundo dispositivo entre em alcance do primeiro (e podendo ou não estar dentro do alcance do coordenador), este segundo dispositivo pode se associar à rede como filho do primeiro. Os dispositivos associados podem ter vários filhos (e vários netos ), mas apenas um pai. A Fig. 2.2 apresenta a estrutura de uma rede cluster e as relações pai-filho. Figura 2.2. Rede cluster e as relações pai-filho [1].

5 2.1. Roteamento para a topologia cluster Como na topologia cluster os dispositivos tem condições de saber os enlaces que estão em sua área, o roteamento neste tipo de rede pode ser mais eficiente do que o roteamento para redes flat. A Fig. 2.3 mostra um algoritmo de roteamento para redes do tipo cluster. Figura 2.3. Roteamento para redes do tipo cluster. O algoritmo assume que os dispositivos devem armazenar uma tabela de roteamento. Seguindo o algoritmo mostrado na Fig. 2.3, primeiro o dispositivo deve checar se existe alguma informação do dispositivo de destino em sua tabela. Caso exista, a mensagem é transmitida diretamente para o destino. Caso não exista, a mensagem é transmitida para o pai do dispositivo fonte, que, por sua vez, está mais próximo do coordenador e deve ter informação adicional sobre o roteamento da rede. Uma vantagem das redes do tipo cluster é o tamanho reduzido das tabelas de roteamento se comparado com as tabelas nas redes flats. Em redes flats, uma entrada na tabela é necessária para cada destino em potencial. Para uma rede cluster, a tabela de roteamento pode ser muito reduzida pois destinos não encontrados na tabela ainda podem ser roteados através do pai do dispositivo. Uma tabela de roteamento reduzida significa redução na memória dos dispositivos, o que pode ser fator decisivo na escolha da topologia da rede Operação básica da rede e estrutura dos frames Os fluxogramas que serão mostrados adiante mostram uma visão básica e geral da operação de cada dispositivo pertencente à rede. Detalhes específicos e mais complexos foram omitidos por questões práticas e para obter uma visão mais clara de toda a operação. O fluxograma contendo a operação básica do coordenador da rede é mostrado na Fig. 2.4.

6 Figura 2.4. Fluxograma contendo a operação básica do coordenador da rede. A Fig. 2.5 mostra o fluxograma contendo a operação básica dos end devices.

7 Figura 2.5. Fluxograma contendo a operação básica do end device. A operação básica dos roteadores é mostrada na Fig. 2.6.

8 Figura 2.6. Fluxograma contendo a operação básica do roteador. Nota-se que os roteadores também podem ser utilizados como end devices, porém não devem ser alimentados com baterias, já que não possuem capacidade para operar no estado dormindo. Suas baterias se esgotariam em poucos dias, portanto uma alimentação AC deve ser providenciada. A rede foi projetada para operar praticamente sem intervenção humana, com capacidade de se re-organizar automaticamente em diversos eventos de falhas, como enlaces quebrados, queda de energia do coordenador ou roteadores etc. Os módulos conectados aos hidrômetros possuem um sistema de gerenciamento de energia otimizado, com capacidade para operar com baterias comuns por meses, dependendo da média de vazão do ponto de interesse em questão. As informações de nível de tensão das baterias também são enviados à central, tornando possível a geração de alarmes quando o nível estiver crítico. Ao total, são enviados 11 bytes em cada frame. O coordenador recebe e interpreta o frame, da forma mostrada na Fig. 2.7.

9 Ident. do Ident. do Informações Qtde. pulsos acumulados Reservado pacote dispositivo adicionais Figura 2.7. Frame enviado pelo end device ao coordenador. Identificação do pacote (bytes 1 e 2): Este campo contém o valor 0xADAE e é utilizado para identificar o tipo de frame. Identificação do dispositivo (bytes 3 e 4): Cada dispositivo possui um Id. único e invariável. Este campo varia entre os valores 0x0001 e 0xFFFF. Utilizado para identificar precisamente o dispositivo que originou a mensagem (dispositivo fonte). Informações adicionais (bytes 5 e 6): O byte 5 contém informações a respeito do nível de tensão das baterias do dispositivo fonte. O byte 6 contém informação sobre fraude magnética do sensor do hidrômetro (depende da capacidade do hidrômetro em relatar esse tipo de informação). Qtde. pulsos acumulados (bytes 7, 8, 9 e 10): Pulsos acumulados recebidos pelo hidrômetro. Utilizado para o cálculo da vazão instantânea e/ou acumulada, de acordo com a relação de saída de cada hidrômetro (pulsos/litro). Reservado (byte 11): Reservado para futuras aplicações. Os dados são recebidos pelo coordenador, validados e enviados pela interface USB para a central remota. O frame enviado para a central via USB é mostrado na Fig Ident. do Ident. do Network Informações Qtde. Pulsos Reservado pacote dispositivo Address adicionais Acumulados Figura 2.8. Frame enviado pelo coordenador à central remota via USB. Identificação do pacote (bytes 1 e 2): Este campo contém o valor 0xADAE e é utilizado para identificar o tipo de frame. Identificação do dispositivo (bytes 3 e 4): Cada dispositivo possui um Id. único e invariável. Este campo varia entre os valores 0x0001 e 0xFFFF. Utilizado para identificar precisamente o dispositivo que originou a mensagem (dispositivo fonte). Network Address (bytes 5 e 6): Cada dispositivo possui um endereço na rede que pode variar de acordo com a necessidade. Utilizado para gerenciar as mensagens entre os dispositivos. Informações adicionais (bytes 7, 8 e 9): O byte 7 contém informações a respeito da qualidade do enlace, chamado de link quality indicator (LQI). Com essa informação, é possível verificar a qualidade de todos os enlaces da rede, possibilitando um novo dimensionamento da rede caso necessário. O byte 8 contém informações a respeito do nível de tensão das baterias do

10 dispositivo fonte. O byte 9 contém informação sobre fraude magnética do sensor do hidrômetro (depende da capacidade do hidrômetro em relatar esse tipo de informação). Qtde. pulsos acumulados (bytes 10, 11, 12 e 13): Pulsos acumulados recebidos pelo hidrômetro. Utilizado para o cálculo da vazão instantânea e/ou acumulada, de acordo com a relação de saída de cada hidrômetro (pulsos/litro). Reservado (byte 14): Reservado para futuras aplicações. Este frame é analisado pelo software residente na central remota e, com essas informações, os dados são apresentados ao usuário em forma de gráficos, tabelas, desenhos e etc. Os dados coletados pelos end devices, além de enviados para o coordenador, são armazenados localmente em uma memória, com a data (hh:mm:ss, dd/mm/aaaa) de cada evento. O relógio e o calendário dos módulos são atualizados regularmente pelo coordenador da rede, que por sua vez possui um relógio interno que também é atualizado regularmente pela central remota. Em caso de falha no coordenador, os módulos conectados aos hidrômetros ativam seu relógio interno e continuam a funcionar normalmente, gravando os dados em sua memória, com a respectiva data, sem perda de dados. Com a volta do coordenador, este poderá solicitar aos módulos os dados contidos em sua memória. O frame enviado pela central remota para a atualização do relógio do coordenador é mostrado na Fig Ident. do pacote hh:mm:ss dd/mm/aaaa Final pacote Figura 2.9. Frame enviado pela central remota ao coordenador para atualização do relógio. Identificação do pacote (bytes 1 e 2): Este campo contém o valor 0x3F54 e é utilizado para identificar o tipo de frame. hh:mm:ss (bytes 3, 4 e 5): O byte 3 contém o valor atual das horas. O byte 4 contém o valor atual dos minutos e o byte 5 o valor atual dos segundos. dd/mm/aaaa (bytes 6, 7, 8 e 9): O byte 6 contém o dia atual. O byte 7 contém o mês atual e os bytes 8 e 9 contêm o valor do ano atual. Final pacote (byte 10): Utilizado para indicar o final do pacote, contendo o valor 0x40. Outro frame que poderá ser enviado ao coordenador pela central é o frame solicitando um reset a algum dispositivo. Alguns eventos poderão ser tratado simplesmente com a requisição de um reset ao dispositivo (ex: por algum erro, o coordenador associou o mesmo endereço de rede para dois dispositivos diferentes). O frame de reset é mostrado na Fig

11 Ident. do Ident. do Final pacote pacote dispositivo Figura Frame de reset enviado pela central remota ao coordenador. Identificação do pacote (bytes 1 e 2): Este campo contém o valor 0x3F52 e é utilizado para identificar o tipo de frame. Identificação do dispositivo (bytes 3 e 4): Cada dispositivo possui um Id. único e invariável. Este campo varia entre os valores 0x0001 e 0xFFFF. Utilizado para identificar precisamente o dispositivo que deverá iniciar o processo de reset, que consiste basicamente em realizar um pedido de re-associação ao coordenador. Final pacote (byte 5): Utilizado para indicar o final do pacote, contendo o valor 0x40. Como comentado anteriormente, os end devices possuem um gerenciamento de energia otimizado, tornando possível a operação com baterias comuns por grandes períodos de tempo. Para isso, os dispositivos permanecem dormindo até a ocorrência de algum evento, como a geração de um pulso pelo hidrômetro. O dispositivo então acorda, mas ainda permanece com seu rádio desligado e apenas armazena a informação deste pulso. Após um certo número de pulsos (dependendo basicamente da relação de saída pulso/litro de cada hidrômetro) ou após um determinado período de tempo, o end device acorda, liga seu rádio e envia um frame ao coordenador. Aproveitando o fato de estar acordado, o coordenador então envia um frame ao end device, contendo a atualização do relógio e a informação se o dispositivo deve iniciar o procedimento de reset. Este frame é mostrado na Fig Ident. do pacote hh:mm:ss dd/mm/aaaa Informações adicionais Figura Frame enviado pelo coordenador ao end device para atualização do relógio e informações adicionais. Identificação do pacote (bytes 1 e 2): Este campo contém o valor 0xCAED e é utilizado para identificar o tipo de frame. hh:mm:ss (bytes 3, 4 e 5): O byte 3 contém o valor atual das horas. O byte 4 contém o valor atual dos minutos e o byte 5 o valor atual dos segundos. dd/mm/aaaa (bytes 6, 7, 8 e 9): O byte 6 contém o dia atual. O byte 7 contém o mês atual e os bytes 8 e 9 contêm o valor do ano atual. Informações adicionais (bytes 10, 11 e 12): O byte 10 indica se o relógio do coordenador está confiável, ou seja, se o coordenador recebeu ao menos uma atualização da central após ser

12 ligado (valor 0x01 para confiável e 0x00 para não confiável). O byte 11 indica se o respectivo end device deve iniciar o procedimento de reset (0x01 para reset e 0x00 para não reset). O byte 12 informa ao end device se este deve enviar as informações contidas em sua memória (dados não recebidos por falha no coordenador ou software desligado na central etc.). O frame que será enviado pelo end device ao coordenador contendo as informações da sua memória ainda será analisado e desenvolvido. 3. RESULTADOS Antes da implantação da rede no Aeroporto Internacional de São Paulo, testes foram realizados utilizando 4 hidrômetros instalados em um laboratório da infra-estrutura aeronáutica no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). A rede então era composta por 1 coordenador, 4 end devices e 1 roteador. Durante dias, além da vazão de água, outros dados foram coletados e analisados para demonstrar a confiabilidade, robustez e a capacidade de se auto-organizar em caso de falhas nos enlaces. Os resultados foram extremamente satisfatórios, mostrando que os eventos de falhas foram cobertos ao máximo, reduzindo a quase zero a probabilidade de perda de dados. Mesmo no caso de interferências e enlaces quebrados, os módulos foram capazes de se re-associar à rede sem intervenção humana em todos os casos, re-transmitindo os dados à central remota. A possibilidade de coexistência entre redes ZigBee e redes WiFi também foi analisada e comprovada. Os módulos ZigBee foram colocados em ambientes com tráfego intenso de redes WiFi e em nenhum momento a interferência foi significativa. Apesar de ambas as redes operarem em 2.4 GHz, os canais utilizados podem ser separados facilmente. Antes de iniciar a rede ZigBee, o coordenador escolhe o canal com menor energia (menor atividade), fazendo com que a possibilidade de interferência com canais WiFi seja bastante reduzida. 4. CONSIDERAÇÕES Para o desenvolvimento de uma rede mais extensa e com um número menor de roteadores necessários, seria interessante utilizar os chamados módulos High Power, com uma potência de transmissão de até 100mW. Os módulos que estão sendo utilizados para os testes são provenientes do kit de desenvolvimento 1321x EVK da Freescale e operam em 2.4 GHz. Estes módulos possuem uma baixa potência de transmissão (no máximo 1mW). Então surgiu a idéia do desenvolvimento de um módulo com maior potência na transmissão (de 1mW até 100mW, controlado por software) e maior sensibilidade na recepção (-103 dbm contra -92 dbm dos módulos da Freescale). A escolha dos componentes foi criteriosa, o esquemático e o layout do circuito impresso foram desenvolvidos e o

13 módulo deve ser fabricado e montado em breve. Tendo uma maior potência de transmissão e uma maior sensibilidade na recepção, o alcance ponto a ponto da rede deverá ser consideravelmente aumentado, reduzindo assim o número de roteadores necessários para a implementação da rede no Aeroporto Internacional de São Paulo. As características básicas do módulo em desenvolvimento são mostradas abaixo: Alimentação por baterias comuns (Ex.: 2 x AA) ou por fontes de 5 a 12 V com opção de baterias de backup para o caso de perda de energia; Potência de transmissão: 1mW até 100mW (controlado por software); Sensibilidade na recepção: -103 dbm; Microcontrolador e transceptor integrados em um único chip: MC13213; 16 canais na banda de 2.4 GHz; Amplificador de potência externo; LNA (Low noise amplifier) externo; Interface USB; Memória externa EEPROM para armazenamento dos dados (data-logger); 16 pinos de I/O para uso geral (2 podem ser utilizados como Rx e Tx para USART); 3 Pushbuttons (1 para Reset e 2 para uso geral); 3 LEDs (1 verde e 2 vermelhos); Opção para antena externa ou impressa no próprio circuito. O primeiro protótipo deverá ser fabricado e montado em breve, onde poderá ser testado quanto à performance do circuito RF, potência de transmissão, sensibilidade, harmônicas e capacidade para co-existir com outras redes operando em 2.4 GHz sem interferências. Outra questão interessante é a possibilidade de se ajustar a potência de transmissão por software. Tendo a informação de link quality indicator (LQI), um algoritmo pode ser desenvolvido para ajuste dinâmico da potência de transmissão, possibilitando a redução ainda maior do consumo de energia de cada módulo. 5. CONCLUSÃO As redes ZigBee são ideais para aplicações que não necessitam alta taxa de transferência e onde um baixo consumo de potência ou um tempo de acesso mínimo à rede é fator crítico. Fica claro que a escolha da topologia de rede depende de diversos fatores, entre eles: aplicação a que se destina, quantidade de dispositivos necessários para a rede, quantidade de memória de cada dispositivo (para o armazenamento das tabelas de roteamento), extensão da rede, entre outros.

14 Todos os requisitos foram devidamente analisados e a rede atual se encontra muito estável e robusta. Os possíveis eventos de falhas foram cobertos ao máximo, fazendo com que não haja perda de dados em momento algum. BIBLIOGRAFIA GUTIÉRREZ, J. A.; CALLAWAY JR., E. H.; BARRET JR., R. L. (2003). Low-Rate Wireless Personal Area Networks Enabling Wireless Sensors with IEEE , IEEE. WILLIAM, C. C. (2004). ZigBee: Wireless Control that Simply Works, ZMD America, Inc. ZigBee Alliance, ZigBee Specification V1.0. Freescale, EVKUG, Freescale Semiconductor Inc., Freescale, MC13192SARDUG, Freescale Semiconductor Inc., Freescale, MPSRM, Freescale Semiconductor Inc., ALEXANDER, B. E. (2005) Wireless Network Site Surveying and Installation, Cisco Press. KARL, H.; WILLIG, A. (2007). Protocols and Architectures for Wireless Sensor Networks, John Wiley & Sons, Ltda.

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4)

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) Saulo Menechine 1, Munif Gebara Junior 2 RESUMO: Com

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER Alex Lage de Morais 1 ; Wilson Cabral de Sousa Jr. 2 ;Elaine Nolasco Ribeiro 3 RESUMO - Uma parte do projeto

Leia mais

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS Descrição As necessidades de telemedição (ou telemetria) e telecomando têm sido cada vez mais utilizadas nas mais variadas aplicações, principalmente onde o volume

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA CATÁLOGO DE PRODUTOS Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA 2 Deltafire Ltda. R. Pinheiro Machado, 3271 Caxias do Sul, RS Tel. 54 3204-4000 CEP 95020-172 www.deltafire.com.br Central

Leia mais

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Módulos sem fio para Smart Metering Por Peder Martin Evjen, M.Sc.E.E., Managing Director, Radiocrafts AS A tendência em AMR e Smart Metering é utilizar tecnologia

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA Central de Coleta e Armazenamento de Dados (Especificação) A Central de Coleta e Armazenamento de Dados deverá apresentar as seguintes características: 1. Receber, de forma contínua,

Leia mais

Application Note FBEE Aplicação de redes Mesh REV01_2009. - 1 - Rev01

Application Note FBEE Aplicação de redes Mesh REV01_2009. - 1 - Rev01 Application Note FBEE Aplicação de redes Mesh REV01_2009-1 - Rev01 1. Introdução Este documento de aplicação foca no protocolo ZigBee 2006 Residencial Protocol da Microchip e tem como objetivo mostrar

Leia mais

Protocolo MiWi (Tradução parcial)

Protocolo MiWi (Tradução parcial) Protocolo MiWi (Tradução parcial) INTRODUÇÃO Aplicações empregando redes sem fio são cada vez mais comuns. Existe uma grande expectativa de que dispositivos caseiros e/ou industriais possam se comunicar

Leia mais

Objetivos. Ao término desta palestra você irá:

Objetivos. Ao término desta palestra você irá: Objetivos Ao término desta palestra você irá: Conhecer as especificações IEEE802.15.4 Conhecer o protocolo ZigBee Conhecer o protocolo MiWi Conhecer o módulo ZIGBEE Conhecer o Kit ZIGBEE Agenda IEEE 802.15.4

Leia mais

Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03. - 1 - Rev02

Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03. - 1 - Rev02 Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03 Este equipamento opera em caráter secundário, isto é, não tem direito a proteção contra interferência prejudicial, mesmo de estações

Leia mais

UBEE AN01 - Modo Modem REV 01. Site: www.fractumrf.com - Email: suporte@fractumrf.com

UBEE AN01 - Modo Modem REV 01. Site: www.fractumrf.com - Email: suporte@fractumrf.com UBEE AN01 - Modo Modem REV 01 Fractum Indústria e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA - Av. Antônio Américo Junqueira 335 Pôr do Sol - Santa Rita do Sapucaí-MG - CEP 37540-000 - TEL: 55 35 3471 0019

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

O QUE É ESTE TAL DO ZigBee?

O QUE É ESTE TAL DO ZigBee? O QUE É ESTE TAL DO ZigBee? - Publicado no UTC Journal 2008 Special Issue Smart Utilities Networks - Autor: George R. Stoll Presidente do Utility Telecom Consulting Group. Pode ser contactado no +1-303-840-2878

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

Arquitetura de protocolos

Arquitetura de protocolos Arquitetura de protocolos Segue o modelo híbrido Usada pelos nós sensores e pelo nó sorvedouro Inclui planos de Gerenciamento de energia Como um nó sensor usa a sua energia Pode desligar o receptor após

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 3 Rede AS-I Actuador - Sensor - Interface Capítulo 3 Histórico A rede AS-Interface

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link

Leia mais

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01 Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01-1 - Rev01 1. INTRODUÇÃO Aplicações com redes sem fio vêm se tornando bastante comuns. De aplicações industriais a projetos específicos, criou-se

Leia mais

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas.

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas. 1/8 Visão Geral: Instalação e configuração simplificada. Alta capacidade de armazenamento de registros e usuários. Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras

Leia mais

Ricardo Teixeira Sales Engineer ITRON BRAZIL

Ricardo Teixeira Sales Engineer ITRON BRAZIL Ricardo Teixeira Sales Engineer ITRON BRAZIL 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL AMR AMI nas distribuidoras de água Objetivos da Medição Criação dos dados Melhora

Leia mais

ZigBee: arquitetura e aplicações

ZigBee: arquitetura e aplicações ZigBee: arquitetura e aplicações Prof. Felipe da Rocha Henriques Abril, 2011 CEFET/RJ UnED Petrópolis UnED Petrópolis Laboratório de Multimídia, Animação, Redes e Comunicações MARC Professores: Dalbert

Leia mais

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks Universidade Federal Fluminense - UFF Instituto de Computação - IC Disciplina: Engenharia de Redes

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Roteador N300 WiFi (N300R)

Roteador N300 WiFi (N300R) Easy, Reliable & Secure Guia de Instalação Roteador N300 WiFi (N300R) Marcas comerciais Nomes de produtos e marcas são marcas comerciais ou marcas comerciais registradas de seus respectivos proprietários.

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

extras SOLO Estação Radio Base TETRA

extras SOLO Estação Radio Base TETRA Geyschlaegergasse 14, A-1150 Vienna, Austria, Europe +43/786 12 86-0 extras SOLO Estação Radio Base TETRA Utilidade Pública Indústria Governo Aeroportos Portos Transporte Segurança Pública 3T Communications

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas CANespecial 1 SCA06 Manual do Usuário Manual do Usuário CANespecial 1 Série: SCA06 Idioma: Português N º do Documento: 10002922105 /

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Thiago de Lima MUNIZ, Bernardo Pinheiro de ALVARENGA, José Wilson de Lima NERYS, Antônio Marcos de Melo MEDEIROS Escola de Engenharia

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 26430 - INST.FED.DE EDUC.,CIENC.E TEC.S.PERNAMBUCANO 158149 - INST.FED.EDUC.CIENC.E TEC.SERTãO PERNAMBUCANO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EQUIPAMENTO

Leia mais

Gestão de rede wireless no campus

Gestão de rede wireless no campus Gestão de rede wireless no campus SCIFI e os desafios de uma rede sem fio na Universidade Roteiro o que é o SCIFI Evolução A Rede Wifi-UFF Mobilidade Gerência de identidade Próximos passos 3 O que é o

Leia mais

1 de 6 25/08/2015 10:22

1 de 6 25/08/2015 10:22 1 de 6 25/08/2015 10:22 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano Termo de Adjudicação

Leia mais

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR O GT GPRS é um equipamento wireless que executa a função de recepção e transmissão de dados e voz. Está conectado à rede de telefonia celular GSM/GPRS, para bloqueio

Leia mais

SISTEMA DE RÁDIO PARA

SISTEMA DE RÁDIO PARA SISTEMA DE RÁDIO PARA ISTAAÇÕES SIMPES E FEXÍVEIS SOMMAIRE IUMIAÇÃO AUTOMATIZAÇÃO DE PERSIAA AMBIETES ÁUDIO E VÍDEO CARACTERÍSTICAS GERAIS iberdade sem fios Sistema sem fio Wi Connect: para sistemas de

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

Transmissor acústico wireless Rosemount 708

Transmissor acústico wireless Rosemount 708 Folha de dados do produto Rosemount 708 Transmissor acústico wireless Rosemount 708 O monitoramento acústico dos coletores de vapor e das válvulas de alívio de pressão melhoram a eficiência energética

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE OPEN SOURCE PARA CONTROLE DIGITAL REMOTO UTILIZANDO TECNOLOGIA ZIGBEE

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE OPEN SOURCE PARA CONTROLE DIGITAL REMOTO UTILIZANDO TECNOLOGIA ZIGBEE DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE OPEN SOURCE PARA CONTROLE DIGITAL REMOTO UTILIZANDO TECNOLOGIA ZIGBEE Ricardo Oliveira Gomes ricardoogomes@hotmail.com Layon Mescolin de Oliveira layonmescolin@hotmail.com

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, setembro de 2014 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina PARTE II Introdução à Redes Sem Fio Apresentação do Professor

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião REDES SEM FIO Prof. Msc. Hélio Esperidião WIRELESS O termo wireless, significa sem fio, possui alguns sinônimos tais como: Rede sem fio Comunicação sem fio Computação Móvel Wi-FI? WI-FI? Wi-Fié uma marca

Leia mais

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR P25 Fase 1 Requisitos Gerais Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores II 2 3 Dispositivo que opera apenas na camada física recebendo

Leia mais

Manual de Instruções. Rádios para telemetria

Manual de Instruções. Rádios para telemetria Manual de Instruções Rádios para telemetria Waveflow Waveport USB Waveport Bluetooth Suporte Técnico +55 38 3690-9748 +55 38 3690-9722 www.agua.elster.com.br Montes Claros - Minas Gerais -Brasil SUMÁRIO

Leia mais

Tutorial de Utilização do CellControl SMS I/O em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200

Tutorial de Utilização do CellControl SMS I/O em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200 Tutorial de Utilização do CellControl SMS I/O em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200 julho/2010 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460

Leia mais

RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES

RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES Cristiane G. Langner (1,2), Juliano João Bazzo (1,3), Ivan J. Chueiri (1,2) (1)LACTEC Instituto de Tecnologia

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2)

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2) Manual do Usuário (Ver. 2) 1. Introdução O software RedeMB5 é uma ferramenta que permite monitorar em tempo real 247 medidores de energia ou multitransdutores digitais KRON em uma rede padrão RS-485 com

Leia mais

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

WLAN WIRELESS STATION. Manual do usuário MAIT0078R00

WLAN WIRELESS STATION. Manual do usuário MAIT0078R00 WIRELESS STATION MAIT0078R00 Manual do usuário 8 1 Especificações Técnicas PQPL-24XX CPE Proeletronic Frequência Ganho VSWR Relação Frente/costa OE/OH Polarização cruzada Impedância PQPL-2412 PQPL-2417

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistema de Controle Baseado e PC versus Controladores Industriais Formas de apresentação:

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

Computação Aplicada. Redes de Computadores. Professor Emanuel Ferreira Coutinho Aula 9

Computação Aplicada. Redes de Computadores. Professor Emanuel Ferreira Coutinho Aula 9 Computação Aplicada Redes de Computadores Professor Emanuel Ferreira Coutinho Aula 9 Sumário Definição Estrutura Categorias 2 Definição Conjunto de computadores (estações de trabalho), que compartilham

Leia mais

AULA 9: REDES SEM FIO

AULA 9: REDES SEM FIO AULA 9: REDES SEM FIO Objetivo: Detalhar conceitos sobre a aplicação, configuração, métodos utilizados para autenticação de usuários e segurança de acesso a redes sem fio. Ferramentas: - Emuladores de

Leia mais

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M M a nua ld o Usu á roi Portaria Re al Time Sumário Introdução... Especificações... 3 3 Ilustrações Portaria RT sem descarga de coletor... Portaria RT com descarga de coletor... Portaria RT TCP/IP... Portaria

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

Uma análise sistemática da rede sem fio ZIGBEE: proposta de uso na plantação de café

Uma análise sistemática da rede sem fio ZIGBEE: proposta de uso na plantação de café Uma análise sistemática da rede sem fio ZIGBEE: proposta de uso na plantação de café César Augusto de Andrade Lima, Luís Augusto Mattos Mendes Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Faculdade

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

Aula Prática Wi-fi Professor Sérgio Teixeira

Aula Prática Wi-fi Professor Sérgio Teixeira Aula Prática Wi-fi Professor Sérgio Teixeira INTRODUÇÃO Os Access Points ou ponto de acesso wi-fi são os equipamentos empregados na função de interconexão das redes sem fio e com fio (infraestrutura).

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de

Leia mais

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria 1. Apresentação O OnixMiniSpy é um rastreador portátil que utiliza a tecnologia de comunicação de dados GPRS (mesma tecnologia de telefone celular) para conectar-se com a central de rastreamento e efetuar

Leia mais

Tutorial de Utilização do CellControl SMS 200 em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200

Tutorial de Utilização do CellControl SMS 200 em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200 Tutorial de Utilização do CellControl SMS 200 em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200 Novembro/2009 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460

Leia mais

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Liderando a Evolução para Redes Mesh

Liderando a Evolução para Redes Mesh Tendências do mercado A realidade do século 21 A conectividade em Banda Larga tem se transformado numa utilidade tão básica quanto a a eletricidade e o gás As redes mesh wireless fazem hoje, desta tecnologia,

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

AirGate-Modbus MANUAL DE INSTRUÇÕES. V1.1x B INTRODUÇÃO

AirGate-Modbus MANUAL DE INSTRUÇÕES. V1.1x B INTRODUÇÃO AirGate-Modbus MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.1x B INTRODUÇÃO... 1 ESPECIFICAÇÕES... 2 CONEXÃO E INSTALAÇÃO... 3 OPERAÇÃO... 4 MODOS DE OPERAÇÃO... 5 UTILIZANDO OS MODOS DE OPERAÇÃO... 6 APLICAÇÃO COM LONGO ALCANCE...

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Iran Lima Gonçalves * / Fabrício Lira Figueiredo Álvaro A. M. de Medeiros Agenda O que são Redes Ad Hoc sem Fio?

Leia mais