PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS"

Transcrição

1 IG-116-PT Instruções Gerais PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS LIB Postos de Transformação Aparelhagem Distribuição secundária Aparelhagem Distribuição Primária Protecção e Automatização Quadros de Baixa Tensão Transformadores de Distribuição

2 Depósito Legal: BI-1032/08 ATENÇÃO! Durante o funcionamento dos equipamentos de MT, certos elementos do mesmo estão em tensão, outros podem estar em movimento, e algumas partes podem alcançar temperaturas elevadas. Como consequência, a sua utilização pode comportar riscos do tipo eléctrico, mecânico e térmico. A Ormazabal, a fim de proporcionar um nível de protecção aceitável para as pessoas e bens, e tendo em consideração as recomendações aplicáveisaplicables respeitantes ao meio ambiente, desenvolve e constroi os seusprodutos de acordo com o princípio desegurança integrada, baseada nos seguintes critérios: Eliminando os perigos sempre que seja possível. Quando isto não seja técnica e economicamente fazível, incorporando protecções adequadas no próprio equipamento. Informando dos riscos remanescentes para facilitar a concepção dos procedimentos operativos que prevenham os ditos riscos, o treinamento do pessoal de operação que os realiza, e o uso dos meios pessoais de protecção pertinentes. Utilizando materiais recicláveis e estabelecendo procedimentos de tratamento dos equipamento e seus componentes que uma vez alcançado o fim de vida dos mesmos, sejam convenientemente manipulados a fim de respeitar na medida do possível, os critérios de carácter ambiental estabelecidos pelos organismos competentes. Em consequência, no equipamento a que se refere este manual, ou nassuas proximidades, se terá em conta o especificado no ponto 11.2 da futura norma IEC , e unicamente poderá trabalhar pessoal adequadamente preparado e supervisado, de acordo com o estabelecido na Norma EN sobre segurança em instalações eléctricas e a Norma EN aplicável a todo o tipo de actividade em, com ou perto de uma instalação eléctrica. e plenamente familiarizado com as instruções e advertências contidas neste manual e aquelas outras de ordem geral que lhe sejam aplicáveis derivadas da legislação vigente. O anterior deve ser cuidadosamente tido em consideração, porque o funcionamento correcto e seguro deste equipamento depende não só do seu desenho, senão de circunstâncias em geral fora do alcance e alheio à responsabilidade do fabricante, em particular que: O transporte e a manipulação do equipamento, desde a saída de fábrica até ao local de instalação, sejam adequadamente realizados. Qualquer armazenamento intermédio se realize em condições que não alterem ou detiorem as características do conjunto, ou suas partes essenciais. As condições de serviço sejam compatíveis com as características atribuídas ao equipamento. As manobras e operações de exploração sejam realizadas estritamente segundo as instruções do manual, e com clara compreensão dos princípios de operação e segurança que lhe sejam aplicáveis. Que a manutençãomantenimiento se realize de forma adequada, tendo em conta as condições reais de serviço e as ambientais no local da instalação. Por isto, o fabricante não será responsável de nenhum estrago indirecto importante resultante de qualquer violação da garantia, sob qualquer juridição incluindo a perda de benefícios, tempos de inactividade, custos de reparações ou substituição de materiais. Garantia O fabricante garantes este produto contra qualquer defeito dos materiais e funcionamento durante o período contratual. Se se detecta qualquer defeito, o fabricante poderá optar por reparar ou substitur o equipamento. A manipulação de maneira inapropiada do equipamento, assim como a reparação por parte do utilizador considerar-se-á como uma violação da garantia. Marcas registradas e Copyrights Todos os nomes de marcas registradas citados neste documento são propriedade dos seus respectivos proprietários. A propriedade intelectual deste pertence ao fabricante. Como consequência da constante evolução das normas e os novos desenhos, as características dos elementos contidos nestas instruções estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. Estas características, assim como a disponibilidade dos materiais, só são válidas após a confirmação do Departamento Técnico Comercial da Ormazabal.

3 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS ÍNDICE 1. DESCRIÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS TRANSPORTE ACESSOS INSTALAÇÃO LOCALIZAÇÃO PLANEAMENTO PESSOAL NECESSÁRIO PREPARAÇÃO DO TERRENO Dimensões da Escavação Betonagem do Fundo PROCESSO DE NIVELAMENTO MANIPULAÇÃO FIXAÇÃO E ENCHIMENTO DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS EXTRACÇÃO E VEDAÇÃO DAS COBERTURAS DO TRANSFORMADOR ACESSO E SELAGEM DE CABOS CIRCUITO DE PROTECÇÃO E LIGAÇÃO À TERRA Ligação à Terra de Massas Ligação à Terra de Neutro REDE DE LIGAÇÃO À TERRA SEQUÊNCIA DE OPERAÇÕES ACESSO AO POSTO DE TRANSFORMAÇÃO CONFIGURAÇÃO DE CABOS E LADRILHOS COLOCAÇÃO EM SERVIÇO Folha 3 de 28

4 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT 5. MANUTENÇÃO LIMPEZA INFORMAÇÃO ADICIONAL ESQUEMAS DIMENSIONAIS PFS-62-1T-H Tipo 1P PFS-62-1T-H Tipo 2P PFS-62-1T-V Tipo 1P PFS-62-1T-V Tipo 2P PFS-62-2T-H Tipo 1P PFS-62-2T-V Tipo 1P ESQUEMAS DE INSTALAÇÃO PFS-62-2T-H Tipo 1P PFS-62-2T-V Tipo 1P Folha 4 de 28

5 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS 1. DESCRIÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS O PFS-62 da Ormazabal é um Posto de Transformação subterrâneo, desenhado de acordo com a norma EN 61330, de manobra interna, para utilização em redes públicas de distribuição eléctrica em MT até 36 kv e pode conter um ou dois transformadores de até 1000 kva Figura 1.1: Descrição Geral do PFS-62-1T com ventilação horizontal 1: Aparelhagem de MT (sistemas CGMCOSMOS, CGM-CGC ou CGM.3) 2: Transformador de Potência 3: Quadro de Baixa Tensão 4: Tampa do Transformador 5: Tampa do Material 6: Olhais de Elevação* 7: Porta de Acesso de Pessoas 8: Ventilação * Fornecidos com o PFS-62, mas não montados nas tampas Folha 5 de 28

6 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT Existem duas versões [1] : PFS-62-H, no qual as grades de ventilação estão posicionadas num plano horizontal. PFS-62-V, no qual as grades estão situadas em torres de ventilação. Figura 1.2: PFS-62-2T com ventilação horizontal Modelo PFS-62-1T PFS-62-2T Tipo ventilação H V H V Nº portas 1 porta 2 portas 1 porta 2 portas 1 porta 1 porta Nº ventilações 2 grelhas 2 grelhas 2 torres 2 torres 3 grelhas 4 torres 1.1. CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS As dimensões e pesos dos modelos da gama PFS-62, incluindo transformador/es de 1000 kva, são de: Modelo PFS-62-1T PFS-62-2T Tipo ventilação H V H V Altura [mm] Corpo* Ventilação Comprimento [mm] Profundidade [mm] Peso [kg] * Incluindo o chão sobre o Posto de Transformação 2. TRANSPORTE O transporte será realizado sempre em gôndola com altura inferior a 1 m. É preciso providenciar com antecedência a obtenção de autorização e o percurso, por causa dos obstáculos em altura (a altura total oscila entre 3,80 m e 4,50 m) ACESSOS Figura 1.3: PFS-62-2T com ventilação vertical Será imprescindível verificar, através de uma visita prévia ao lugar de instalação, a possibilidade de acesso dos veículos, bem como a disponibilidade de espaço suficiente para as operações de descarga. [1] Suporta a passagem de 2 cargas pontuais até 4,5 T. Folha 6 de 28

7 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS 3. INSTALAÇÃO 3.1. LOCALIZAÇÃO O lugar de instalação deverá ser definido com exactidão, com indicações das cotas debalinhamento e de altitude em relação aos pontos de referência, do acabamento circundante, da saída de águas pluviais (no caso de ventilação horizontal) e da posição das tampas de acesso PLANEAMENTO Utilizando o desenho ou planta de localização, balizar-se-ão os espaços livres disponíveis para colocação, quer da grua, quer do camião de transporte. Será dada especial atenção ao posicionamento da grua em relação ao objecto, para que os macacos de apoio deste não fiquem demasiado próximos da escavação, o que poderia causar um aluimento. Os macacos de apoio ficarão colocados a mais de 3 m da escavação. Tomar-se-á igualmente nota da existência de qualquer circunstância ou objecto que possa impedir ou prejudicar o correcto desenrolar da operação (postes, cabos, valas, muros, canalizações, etc.), localizando-os na planta com as cotas correspondentes PESSOAL NECESSÁRIO Consoante as condições da escavação, o responsável pela montagem determinará o pessoal necessário para a correcta execução da obra PREPARAÇÃO DO TERRENO Dimensões da Escavação [2] As dimensões na planta de escavação variam de acordo com o terreno. Recomendamos que sejam levadas em consideração, na execução, as disposições mínimas de segurança e saúde nas obras de construção. Serão levados em consideração os seguintes aspectos: Antes de se iniciar a abertura, será realizado um estudo prévio do terreno, com o objectivo de conhecer a sua estabilidade e a possível existência de condutas. Evitar-se-á a acumulação de material escavado e de equipamento perto da borda da escavação e serão tomadas as precauções necessárias para impedir o desabamento das paredes e a queda dos ditos materiais no fundo. Como regra geral, será mantida uma área de 3 m, ao redor da escavação, desimpedida e sem circulação de veículos. Quando a escavação for igual ou superior a 2 m, as bordas do coroamento serão protegidas com um parapeito regulamentar. Em caso de chuvas e alagamentos, a escavação será revista minuciosa e detalhadamente por um técnico competente antes que as obras sejam retomadas. A água que aflore ou caia dentro da escavação deverá ser drenada imediatamente para evitar que a estabilidade dos taludes seja alterada. [2] Ver capítulo 6.2. Esquemas de Instalação. Folha 7 de 28

8 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT Haverá pelo menos uma escada portátil para cada equipa de trabalho, que deverá ultrapassar em 1 m a borda da escavação. Não deverão ser instaladas, no interior da escavação, máquinas accionadas por motores de explosão, que gerem gases como o CO, a menos que sejam utilizados os equipamentos necessários para a sua extracção. Os operários que trabalham no interior da escavação serão devidamente formados e informados; além disso, deverão usar capacetes de segurança e as roupas de protecção necessárias para cada risco específico. É indicada, em seguida, a recomendação da inclinação que devem ter os taludes, de acordo com o tipo de terreno. Escavações em terreno virgem ou terraplanagens homogéneas muito Tipo de terreno antigas Ângulo com horizontal Declive Rocha dura 80º 5/1 Rocha mole ou fissurada 55º 7/5 Restos rochosos, pedregosos, demolição 45º 1/1 Terra forte (mistura de areia e argila) misturada com pedra e terra vegetal 45º 1/1 Remoção recente ou terraplanagem recente 35º 7/ Betonagem do Fundo Para garantir um bom nivelamento, o reforço do fundo do PFS-62 e a distribuição de terras eléctricas, será realizada a betonagem no fundo da escavação, de acordo com os projectos anexos [3], deixando visíveis 4 ferros na superfície, para ligação à terra. A espessura da betonagem será de 0,2 m (aproximadamente 5 m 3 de betão). A malha será de 100 x 100 mm de tramas de ferros de 8 mm 2 de secção. Serão deixados 50 mm para preenchimento posterior, com areia de nivelamento e assentamento PROCESSO DE NIVELAMENTO Para esta operação e para as operações das secções anteriores, é imprescindível que a cota 0 de acabamento esteja previamente definida. Serão utilizadas as seguintes ferramentas: 1 nível de bolha 1 pá quadrada 1 escada de 5 m 8 ferramentas de nivelamento MUITO IMPORTANTE: Um nivelamento incorrecto pode causar a ruptura da base do PFS-62, com a consequente entrada de água. [3] Ver capítulo 6.2. Esquemas de Instalação. Folha 8 de 28

9 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS 3.6. MANIPULAÇÃO Para uma manipulação correcta do PFS-62, utiliza-se um contrapeso e cabos e ganchos adequados, de modo a garantir uma elevação o mais equilibrada possível. Método de ligação correcto Figura 3.1: Forma correcta de acoplamento dos ganchos DEHA Para o equilíbrio transversal, o contrapeso possui uma série de orifícios (numerados) na sua extremidade (a extremidade será colocada pelo lado da tampa e das saídas de BT): Cabo para carga nominal de 10 T, de 4,8 m (4,5 m de cabo + 0,3 m de DEHA) Dimensões em milímetros Figura 3.2: Processo de elevação de PFS-62 Folha 9 de 28

10 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT 3.7. FIXAÇÃO E ENCHIMENTO [4] Para garantir uma fixação correcta do PFS-62 ao solo (considerando-se que flutua se a escavação ficar cheia de água, já que desloca um volume superior ao seu peso) é necessário encher a escavação imediatamente depois do processo de colocação e nivelamento. Tal enchimento pode ser feito com brita, areia, terra ou material similar ou, inclusive, com betão pobre (tipo FCK 140 kp/cm 2 ou similar), no máximo até à altura das entradas de cabos. Serão utilizados no máximo 5 m 3 (aproximadamente um camião), dependendo da escavação DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Para os PFS-62 de ventilação horizontal, é necessário ligar uma rede de evacuação de águas pluviais às saídas de águas existentes nas caixas de ventilação. A ligação à rede de águas pluviais deverá ser realizada no momento da colocação do Posto de Transformação na escavação. Esta ligação deverá evitar que ocorra um retorno através da rede de evacuação de águas ao Posto de Transformação. Caso a sua execução seja difícil, recomenda-se a instalação de uma válvula anti-retorno, uma caixa de recolha de águas ou outro sistema alternativo. Mesmo assim, deverão ser retirados periodicamente os materiais acumulados e a sujidade do fundo das caixas de evacuação de águas pluviais EXTRACÇÃO E VEDAÇÃO DAS COBERTURAS DO TRANSFORMADOR Caso o transformador não seja fornecido dentro do posto, é necessário observar os seguintes aspectos para a correcta manipulação e vedação das coberturas da zona do transformador: 1) Os materiais para a manipulação e nova vedação da tampa estão incluídos dentro do posto. A dotação consta de pinos com olhal, goma Roundex e vedante Lanco. 2) Primeiro, com um elemento cortante (estilete, faca de electricista, etc.) retire a junta de vedante e a goma do perfil da tampa, com o objectivo de facilitar a sua remoção 3) Monte os pinos com olhal na tampa e retire-a. 4) Certifique-se de que o perfil de goma para o apoio da tampa está intacto e completo em toda a sua extensão. Este procedimento é importante para garantir a estanqueidade do centro. 5) Neste ponto, faça a manipulação do transformador (fixação, ligações, etc.) 6) Depois de finalizadas as tarefas de manipulação, coloque a tampa de betão no sítio original, prestando especial atenção ao seu correcto posicionamento sobre o perfil de goma mencionado no ponto nº 4. [4] Antes de realizar esta operação, deve estar feito o anel de terra. Ver parágrafo Rede de Ligação à Terra. Folha 10 de 28

11 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS 7) Em seguida, introduza o perfil de goma Roundex, fornecido com o PFS-62, no vazio existente entre a parede perimetral da tampa e do centro, pressionando a tampa até o fundo, para ajustá-la. 8) Depois, com o auxílio de uma espátula, tampe o vazio perimetral da tampa com vedante Lanço. Aplique o vedante de maneira uniforme e tente reduzir ao máximo a porosidade, para compactar a goma e o vedante e para que a tampa adira bem às laterais do perfil ACESSO E SELAGEM DE CABOS O equipamento possui orifícios para a entrada e saída de cabos que são entregues fechados com passa-cabos de MT (3 acessos) e de BT (4 acessos de diâmetro menor). Para a execução correcta da selagem, proceda da seguinte maneira: a. Seleccione a entrada de cabos mais adequada. b. Seccione os reforços externos correspondentes, por linha de corte, de acordo com o diâmetro do cabo. Para facilitar a identificação, cada reforço externo tem impresso o diâmetro correspondente. Abraçadeira Passa-cabos de BT Passa-cabos Cabo de MT Passa-cabos de MT Linha de corte Figura 3.3: Detalle del Acceso y Sellado de Cables Folha 11 de 28

12 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT Na tabela a seguir são indicados os cabos mais comuns: CABOS MT 12/20 kv CABOS BT 0,6/1 kv (RV) Secção [mm 2 ] [mm] de corte Secção [mm 2 ] de corte * *Fio de terra isolado de 50 mm 2 que deve ser sempre utilizado para a passagem para o exterior. c. Introduza a abraçadeira de aço inoxidável não ferrítico correspondente (é fornecida com o kit) e, em seguida, introduza o cabo. d. Feche a abraçadeira na posição indicada na figura (atrás do entalhe). e. Caso corte acidentalmente o passa-cabos numa zona incorrecta, entre em contacto com o nosso departamento Técnico - Comercial. MUITO IMPORTANTE: Não utilizar espuma de poliuretano ou outro tipo de vedante CIRCUITO DE PROTECÇÃO E LIGAÇÃO À TERRA O PFS-62 possui um circuito de terras interno, para facilitar a ligação dos diferentes elementos à execução da rede de ligação à terra exterior ao Posto de Transformação. No interior do invólucro estão colocadas dois quadros de distribuição de ligação à terra correspondentes a: Sistema de ligação à terra de protecção (terra de ferragens). Sistema de ligação à terra de serviço (terra de neutro do transformador) Ligação à Terra de Massas A linha de terra de protecção (terra de ferragens) recolhe a ligação à terra do invólucro, dos diferentes equipamentos eléctricos (compartimento de MT, bastidor do CBT, cuba do transformador, painéis de cabos de MT) e de outros elementos presentes na instalação. A armadura metálica do corpo do invólucro é ligada directamente ao quadro de distribuição de protecção. Folha 12 de 28

13 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS Ligação à Terra de Neutro A linha de terra de serviço une a selagem do neutro do CBT ao seu quadro de distribuição, colocado no interior do Posto de Transformação. É possível realizar a ligação à terra de protecção e à terra do neutro numa obra depois de determinadas as características do terreno e as condições de exploração do Posto de Transformação. MUITO IMPORTANTE: A barra do neutro cbt não está ligada à barra de ligação à terra de protecção (ferragens). Em princípio, a terra de protecção e a terra de neutro são independentes. O projecto do Posto de Transformação deve incluir a secção correspondente à execução e à instalação da ligação à terra (consulte o projecto da companhia de electricidade), bem como a justificação do seu dimensionamento. A secção de cabos entrançados de cobre, a superfície de contacto dos terminais e os binários de aperto serão os apropriados para uma passagem de intensidade de defeito delimitada pelas protecções da rede REDE DE LIGAÇÃO À TERRA Para a execução do eléctrodo de ligação à terra a protecção (ferragens) no PFS-62 recomenda-se o uso dos seguintes elementos: Um anel perimetral no fundo da escavação a uma distância aproximada de 0,4 m relativamente ao perímetro da envolvente de betão do Posto de Transformação. Este anel perimetral deve ir ligado à placa piso do fundo da escavação em pelo menos dois pontos. Outro anel perimetral a 1 m de distância do perímetro do Posto de Transformação a uma cota de 0,8 m relativamente à cota 0. Ambos os anéis devem estar ligados entre si mediante cabo de cobre desnudado e o conjunto destes dois anéis ligam-se ao ponto de ligação à terra de protecção (na caixa de seccionamento correspondente) do PT subterrâneo. Recomenda-se utilizar cabo de cobre desnudado de 50 mm 2 de secção para a execução do circuito de ligação à terra de protecção, incluido o elétrodo. Folha 13 de 28

14 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT A Figura 3.4. representa de forma esquemática a configuração da rede de terras exteriores recomendada. Dimensiones en milímetros Figura 3.4: Rede de terras exteriores recomendada 4. SEQUÊNCIA DE OPERAÇÕES 4.1. ACESSO AO POSTO DE TRANSFORMAÇÃO O PFS-62 dispõe de uma tampa de acesso de pessoas de alumínio fundido, a qual consta de: 1) Uma porta de alumínio pintada de preto com calçada anti-deslizante. Figura 4.1: Aspecto exterior da porta 2) Uma tampa, denominada de inspecção, integrada na porta principal, a qual oculta e protege a fechadura. Este conjunto contempla os seguintes elementos: Folha 14 de 28

15 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS 2.1) Uma pequena caixa com uma tampa auxiliar que inclui um parafuso M16 integrado na respectiva tampa. Fechar correctamente a tampa da pequena caixa é fundamental para conseguir a estanquidade do conjunto. Figura 4.2: Tampa de Registro 2.2) No interior da pequena caixa existem suportes para diferentes tipos de fechaduras ou em opção fecho por cadeado. Figura 4.3: Fecho por cadeado Figura 4.4: Fecho por fechadura Figura 4.5: Fecho por fechadura Para aceder ao Posto de Transformação deve-se proceder do seguinte modo: 1) Abrir a tampa accionando no parafuso com a chave ORMAZABAL M16 ( fornecida com o Posto de Transformação ) conforme se vê na Figura ) Rodar a tampa de acordo com a Figura 4.3. para facilitar o accionamento na fechadura ou cadeado. 3) Abrir a fechadura de acordo com as especificações definidas pela companhia eléctrica. 4) A porta dispõe de dois amortecedores pneumáticos para facilitar a sua abertura. Desta forma quando se abre a fechadura, produz-se um impulso para cima que a deixa levantada a 75º e com as redes de protecção quase na sua posição correcta. Folha 15 de 28

16 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT 5) Deixar as malhas laterais de protecção devidamente posicionadas tirando-as de forma lateral (segundo as setas A), inserindo os pontos de engate em forma de U que dispõem as malhas na sua zona inferior no carril perimetral do caixilho segundo as Figuras 4.6 nos pontos B. B Figura 4.6: Pontos de ancoragem das malhas laterais 6) Levantar a porta ou malha central pelos pontos indicados mediante o detalhe B da Figura 4.7, tirando esta segundo a direcção indicada mediante as setas A até conseguir que fique na posição vertical e alojando os dois pontos de acoragem que o bastidor metálico dispõe da malhamalla inferior no carril perimetral do caixilho nos pontos C indicados na Figura 4.8. C Figura 4.7: Posicionamento da malha central C Figura 4.8: Pontos de ancoragem da malha central 7) Para abrir a porta da malha central puxar verticalmente até libertar os pontos de ancoragem (Detalhes D Figura 4.9) e girar para fora sobre a dobradiçabisagra. D Figura 4.9: Pontos de ancoragem porta de acesso D Folha 16 de 28

17 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS 4.2. CONFIGURAÇÃO DE CABOS E LADRILHOS Uma vez dentro do Posto de Transformação, o sola sobre onde se realizam as operações de manobra pertinentes na aparelhagem de MT e quadro de BT, compom-se de ladrilhos de poliéster de diferentes tamanhos que vão apoiados sobre o solo do edifício. Figura 4.10: Ladrilho de poliéster Inicialmente devem-se retirar os ditos ladrilhos para realizar a configuração de cabos de MT e BT. A posição recomendada dos cabos segundo o esquema eléctrico especificado para os PFS-62-1T é a que se mostra na figura 4.11: Chicote de Cabos de BT Transformador Quadro Saída BT Entrada e Saída Cabos MT Chicote de Cabos de MT Celas - Transformador Figura 4.11: Disposição de cabos no PFS-62-1T Uma vez situados os cabos de MT e BT haverá que voltar a situar os ladrilhos na sua posição original segundo a disposição indicada na figura 4.12: Figura 4.12: Disposição dos ladrilhos no PFS-62-1T Folha 17 de 28

18 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT A posição recomendada dos cabos segundo o esquema eléctrico especificado para os PFS-62-2T é a que se mostra na figura 4.13: Chicote de Cabos de B T Transformador Quadro Chicote de Cabos de B T Transformador Quadro Chicote de Cabos de MT Celas - Transformador Saída BT Entrada Cabos MT Saída BT Chicote de Cabos de MT Celas - Transformador Figura 4.13: Disposição de cabos no PFS-62-2T Uma vez situados os cabos de MT e BT haverá que voltar a situar os ladrilhos na sua posição original segundo a disposição indicada na figura 4.14: Figura 4.14: Disposição dos ladrilhos no PFS-62-2T Folha 18 de 28

19 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS 4.3. COLOCAÇÃO EM SERVIÇO [5] Uma vez disposto o PFS-62 na sua localização de trabalho realizar-se-ão as ligações de entrada e saída nas funções de linha de MT assim como a instalação de cabos de BT. Deve-se comprovar que a tensão de MT do transformador é a adequada ao projecto da instalação. Esta é indicada na placa de características do transformador e no protocolo de recepção. 5. MANUTENÇÃO 5.1. LIMPEZA Depois de montado o Posto de Transformação da linha PFS-62, deve-se limpar a ranhura da tampa de entrada, utilizando a escova que está na tampa de cimento. Esta limpeza deverá ser repetida sempre que se observe a acumulação de sujidade na entrada de pessoal que possa pôr em risco a estanqueidade da tampa do PT. Ao limpar a ranhura é preciso ter especial atenção à limpeza dos parafusos que fixam a tampa do PT. [5] Consultar o documento de Instruções Gerais de IG da Ormazabal correspondente à colocação em serviço e manobras das diferentes unidades funcionais de MT e BT do Posto de Transformação. Folha 19 de 28

20 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT 6. INFORMAÇÃO ADICIONAL 6.1. ESQUEMAS DIMENSIONAIS PFS-62-1T-H Tipo 1P Cota 0 Dimensões em milímetros Figura 6.1: Planos PFS-62-1T-H Tipo 1P Folha 20 de 28

21 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS PFS-62-1T-H Tipo 2P Cota Dimensões em milímetros Figura 6.2: Planos PFS-62-1T-H Tipo 2P Folha 21 de 28

22 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT PFS-62-1T-V Tipo 1P Cota 0 Dimensões em milímetros Figura 6.3: Planos PFS-62-1T-V Tipo 1P Folha 22 de 28

23 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS PFS-62-1T-V Tipo 2P Cota Figura 6.4: Planos PFS-62-1T-V Tipo 2P Dimensões em milímetros Folha 23 de 28

24 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT PFS-62-2T-H Tipo 1P Cota Dimensões em milímetros Figura 6.5: Planos PFS-62-2T-H Tipo 1P Folha 24 de 28

25 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS PFS-62-2T-V Tipo 1P Cota Dimensões em milímetros Figura 6.6: Planos PFS-62-2T-V Tipo 1P Folha 25 de 28

26 INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 DE POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS IG-116-PT 6.2. ESQUEMAS DE INSTALAÇÃO PFS-62-2T-H Tipo 1P Tubo de desagüe Cota Cota A: Talude natural segundo o terreno Cota A: Talude natural segundo o terreno Cabos de BT Cabos de MT Areia de rio Malha de aço de 8mm 10 x 10 Betão Dimensiones en milímetros Cabos de Terra Figura 6.7: Planos PFS-62-2T-H IMPORTANTE! É necessário encher a escavação até a altura da entrada de cabos imediatamente após a montagem para evitar possíveis deslocamentos. 1) Como requisito para a instalação, a resistência do terreno de apoio do centro de transformação deve ser superior a 1 kg/cm2. 2) Na base do fosso deverá haver uma placa de betão armado com espessura mínima de 200 mm e sobre a qual se distribuirá homogeneamente, à régua, uma camada de areia de 50 mm de espessura. 3) Na placa de betão deverão permanecer salientes 4 extremidades do entrançado para a instalação do colector de ligação à terra. 4) Instalar o edifício num nível ligeiramente superior à cota 0. 5) Para a instalação em terrenos em declive ou com passagem de linhas elétricas, consulte o Departamento Técnico - Comercial da Ormazabal. Folha 26 de 28

27 IG-116-PT INSTRUÇÕES GERAIS DE PFS-62 POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO SUBTERRÂNEOS PFS-62-2T-V Tipo 1P Cota 0 Cota A: Talude natural segundo o terreno Cota A: Talude natural segundo o terreno Areia de rio Malha de aço de 8mm 10 x 10 Betão Cabos de BT Cabos de MT Dimensiones en milímetros Cabo de Terra Figura 6.8: Planos PFS-62-2T-V IMPORTANTE! É necessário encher a escavação até a altura da entrada de cabos imediatamente após a montagem para evitar possíveis deslocamentos. 1) Como requisito para a instalação, a resistência do terreno de apoio do centro de transformação deve ser superior a 1 kg/cm2. 2) Na base do fosso deverá haver uma placa de betão armado com espessura mínima de 200 mm e sobre a qual se distribuirá homogeneamente, à régua, uma camada de areia de 50 mm de espessura. 3) Na placa de betão deverão permanecer salientes 4 extremidades do entrançado para a instalação do colector de ligação à terra. 4) Instalar o edifício num nível ligeiramente superior à cota 0. 5) Para a instalação em terrenos em declive ou com passagem de linhas elétricas, consulte o Departamento Técnico - Comercial da Ormazabal Folha 27 de 28

28 DEPARTAMENTO TÉCNICO - COMERCIAL: Hoja 28 de 28

Postos de transformação. PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv

Postos de transformação. PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv Postos de transformação PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv PFS CABINAS SUBTERRÂNEAS PARA POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO DESCRIÇÃO A cabina PFS é uma envolvente monobloco de betão

Leia mais

TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO ELÉCTRICA IMERSOS EM DIELÉCTRICO LÍQUIDO

TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO ELÉCTRICA IMERSOS EM DIELÉCTRICO LÍQUIDO IG-168-ES 12.05.2011 INSTRUÇÕES GERAIS DE IG-168-PT Instruções Gerais TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO ELÉCTRICA IMERSOS EM DIELÉCTRICO LÍQUIDO LIB Centros de Transformação

Leia mais

Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC. índice. apresentação 2. características 3.

Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC. índice. apresentação 2. características 3. Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC índice apresentação 2 características 3 componentes 4 instalação 5 gama 6 escolha 8 planos 10 MERLIN GERIN 3 apresentação

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

AQUECEDOR A GÁS DE CHAMA AZUL ESTUFA A BLU FLAME SBF

AQUECEDOR A GÁS DE CHAMA AZUL ESTUFA A BLU FLAME SBF AQUECEDOR A GÁS DE CHAMA AZUL ESTUFA A BLU FLAME SBF 02 PT ES Dados Técnicos AQUECEDOR A GÁS DE CHAMA AZUL Tipo Categoria Potência Potência Potência Pressão máxima média mínima do gás G30 I3B KW g/h KW

Leia mais

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R 22/04/2013 MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 MONTAGEM DESCRIÇÃO Directiva sobre máquinas: DIR 2006/42/CE (MÁQUINAS). Directiva sobre equipamentos sob pressão:

Leia mais

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO EN 109 Km 160,3 2425-737 Ortigosa Leiria ; Telf, 244616073 / Fax: 244616074 E-mail: geo@tubofuro,pt www.tubofuro.pt Apresentação Os Separadores de Gorduras são construídos

Leia mais

THERMOCUT 230/E. Instruções de Serviço

THERMOCUT 230/E. Instruções de Serviço Instruções de Serviço PT CARO CLIENTE! Para poder manusear o aparelho cortador de arame quente THERMOCUT da PROXXON em segurança e de acordo com as regras de funcionamento, solicitamos-lhe que leia atentamente

Leia mais

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair.

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair. KEYSTONE As válvulas de borboleta HiSeal, de elevada perfomance e de dupla excentricidade, estão totalmente de acordo com as classes ANSI 0 e ANSI 300. Índice 1 Armazenagem / Selecção / Protecção 1 2 Instalação

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM LOTEAMENTOS

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM LOTEAMENTOS Critérios de aceitação/rejeição: o trabalho é considerado bem executado se cumprir o estabelecido no presente documento, caso contrário não é aceite, devendo proceder-se às correcções necessárias. Nota:

Leia mais

Estaleiros de Equipamentos e Obras

Estaleiros de Equipamentos e Obras isep Engenharia Civil Estaleiros de Equipamentos e Obras [EEQO] Organização do Estaleiro de uma Obra de Construção Civil Eduardo Azevedo, nº 980019 Estaleiros de Equipamentos e Obras Organização do Estaleiro

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Índice 1. Obras de infra-estrutura... 2 2. Base de concreto do Pivô... 2 3. Base de concreto da motobomba... 3 4. Casa de bombas... 4 5. Valeta da adutora...

Leia mais

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO A execução de trabalhos em altura expõe os trabalhadores a riscos elevados,

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA O fabricante aconselha um uso correcto dos aparelhos de iluminação!

Leia mais

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Documento complementar ao Guia de medição, leitura e disponibilização de dados Regras relativas à instalação, manutenção e verificação de equipamentos de medição, cabos e outros

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

Eggy. Ref. IXCI6044. MAX 22Kg. Em conformidade com a norma Européia EN 14344

Eggy. Ref. IXCI6044. MAX 22Kg. Em conformidade com a norma Européia EN 14344 Eggy Ref. IXCI6044 Em conformidade com a norma Européia EN 14344 MAX 22Kg Assento traseiro de bicicleta Eggy 2 1 B 2 3D E 4 5 3 6 7G 8 9 I M 10 N 11 12 NN 4 O O P P Q 13 14 Q 15 16 5 PT Assento traseiro

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à instalação de tubagem e realização de ensaios em redes de colectores nos sistemas de drenagem de águas residuais domésticas. Tem por objectivo garantir a boa

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE:

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 295-51 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: www.salemoemerca.pt - email: geral@salemoemerca.pt MATRICULADA

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado NOTAS Os armários outdoor estão desenhados para instalação em ambientes de exterior sujeitos a condições de chuva, vento, calor ou radiação solar. O

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Acumulador combinado Logalux P750 S Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem e da manutenção 6 720 619 324-03/2001 PT Ficha técnica Para a montagem

Leia mais

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: + 358 29 006 260 Fax: + 358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.fi 1/12 GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

Centrais Elevatórias de Efluentes

Centrais Elevatórias de Efluentes Centrais Elevatórias de Efluentes Série Ambibox A P L I C A Ç Õ E S Elevação para a rede pública de colectores Indústria Povoações Loteamentos habitacionais Parques de Campismo Garagens Caves, etc... C

Leia mais

Baliza Fixa de Polo Aquático E-5036

Baliza Fixa de Polo Aquático E-5036 Dossier Técnico Baliza Fixa de Polo Aquático E-5036 De acordo com a norma Ribeira de Eiras Edificio Golfinho Apartado 8178 3021-901 Coimbra PORTUGAL Tel.(s) +351 239 823 463 / 834 354 Fax +351 239 838

Leia mais

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm www.geoplast.it ELEVETOR O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm ELEVETOR é um sistema combinado de cofragens

Leia mais

Conselhos Gerais de Reparação e testes. Teste e Reparação seguros de equipamentos WABCO

Conselhos Gerais de Reparação e testes. Teste e Reparação seguros de equipamentos WABCO Conselhos Gerais de Reparação e testes Teste e Reparação seguros de equipamentos WABCO Conselhos Gerais de Reparação e Teste Teste e Reparação de equipamentos WABCO Edição 2 Esta publicação não está sujeita

Leia mais

Sistemas solares compactos Solar Easy AQS

Sistemas solares compactos Solar Easy AQS Solar Easy AQS Os sistemas SOLAR EASY AQS integram no mínimo espaço possível grupo hidráulico, vaso de expansão e central de regulação, totalmente ligados e cablados. A gama está composta por 14 sistemas

Leia mais

PORTÃO SECCIONADO 2P

PORTÃO SECCIONADO 2P PORTÃO SECCIONADO 2P 1: MODELO RESIDENCIAL : 5000 x 3000 mm ( largura x altura ) Altura mínima de padieira calha dupla ( HPcdmin) : 200 mm Altura mínima Padieira calha simples ( HPcsmin): 375 mm Largura

Leia mais

Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho.

Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho. 0 IMPORTANTE LEIA E SIGA AS SEGUINTES INSTRUÇÕES Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho. ATENÇÃO Atenção indica uma situação potencialmente

Leia mais

Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário.

Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário. Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário. Somente trabalhadores devidamente treinados e capacitados

Leia mais

Composição. Paredes. Cobertura. Parafusos. Fundo. Betonagem da base. Juntas

Composição. Paredes. Cobertura. Parafusos. Fundo. Betonagem da base. Juntas Depósitos em Aço Composição Paredes Chapa de aço galvanizada a quente, ondulada em perfil 18/76-R18 de desenho especial que lhe confere grande resistência e capacidade forte da chapa. Isto deve-se essencialmente

Leia mais

Técnica de escoamento

Técnica de escoamento Catálogo 2011/2012 Técnica de escoamento Advantix Sumidouros 2 Código EAN O código EAN é composto pelo número do fabricante 4015211 e pelo número do artigo, como neste exemplo 305611. A alteração dos últimos

Leia mais

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo.

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo. ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova (Venda Nova II) Relatório

Leia mais

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D)

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Escadas Simples? Escadotes? Escadas Duplas e Triplas Escadas Telescópicas? Torres Multiusos Indice 1. Introdução 2. Informação para o Utilização

Leia mais

SERIE B10 STD INFORMAÇÕES TÉCNICAS DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS MEDIDAS RPM 2500. ÁREA ATÉ 5m²

SERIE B10 STD INFORMAÇÕES TÉCNICAS DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS MEDIDAS RPM 2500. ÁREA ATÉ 5m² SERIE B10 STD INFORMAÇÕES TÉCNICAS DADOS TÉCNICOS Ø MM 100mm RPM 2500 POTENCIA 15W VAZÃO 90 m³/h PRESSÃO 3,5 mmca RUIDO (db) 41 db ÁREA ATÉ 5m² 15 x 15 x 7.7 cm ACABAMENTO PLÁSTICO BRANCO OPCIONAIS * TEMPORIZADOR

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Termoacumulador para água quente sanitária Logalux LT 35-300 Para os técnicos especializados Leia atentamente antes da montagem e da manutenção 630 337-0/000 PT/BR

Leia mais

Transformadores secos encapsulados. Trihal

Transformadores secos encapsulados. Trihal Transformadores secos encapsulados tipo é um transformador trifásico do tipo seco com bobinagens encapsuladas e moldadas no vazio numa resina époxy contendo uma carga activa. É esta carga activa, composta

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Guiade Projectoe Obra ANEXO II PORMENORES CONSTRUTIVOS

Guiade Projectoe Obra ANEXO II PORMENORES CONSTRUTIVOS Guiade Projectoe Obra ANEXO II ES CONSTRUTIVOS GUIADEPROJECTOEOBRA GPO- ANEXO II ES CONSTRUTIVOS Ediçãon.º1 Versãon.º0 Data: Nov/10 ÍNDICE PA1 AbastecimentodeÁgua Caixadecontador PA2 AbastecimentodeÁgua

Leia mais

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F Apresentação Os es de Gorduras e Féculas, tipo EcoAlcance são recipientes estanques, destinados à recepção de águas residuais gordurosas procedentes do uso doméstico ou industrial, originadas pelo manuseamento

Leia mais

Tecnologia de dados solar POWER MODUL

Tecnologia de dados solar POWER MODUL Tecnologia de dados solar POWER MODUL Manual de instalação PModul-IPT094510 98-0020710 Version 1.0 PT SMA Solar Technology AG Índice Índice 1 Observações relativas ao presente manual........... 4 1.1

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES 1. RESUMO Verificação das relações entre tensões e correntes no circuito primário e secundário de um transformador ideal. Realização da experiência do

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

Kit de Carregador de Bicicleta Nokia. Edição 3.0

Kit de Carregador de Bicicleta Nokia. Edição 3.0 Kit de Carregador de Bicicleta Nokia 2 3 6 1 4 5 8 7 9 10 11 Edição 3.0 12 13 15 14 16 17 18 20 19 21 22 PORTUGUÊS 2010 Nokia. Todos os direitos reservados. Introdução Com o Kit de Carregador de Bicicleta

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXXI Trabalhos com segurança em telhados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

SISTEMA LISROLL. www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO

SISTEMA LISROLL. www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO SISTEMA LISROLL www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO 2 MAIS DO QUE UM ESTORE AJUSTÁVEL, UMA PERSIANA AJUSTÁVEL... Índice Características Especificações técnicas Ficha técnica Motores Certificados pág. 4 pág.

Leia mais

PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000F

PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000F PORTA SECCIONADA REFRAL NASSAU 9000F Refral NASSAU 9000F Altamente isolada e robusta Durabilidade e economicamente vantajosa Bem isolada A porta Refral NASSAU 9000F (espuma) foi especialmente desenhada

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada ventilação Tempérys caixa de insuflação com revestimento duplo e bateria de aquecimento eléctrico Pack Tempérys caixa de insuflação + caixa de extracção com revestimento duplo, sistema de comando e de

Leia mais

5. Instalações de chegada

5. Instalações de chegada 5. Instalações de chegada As instalações de chegada, adiante designadas também por ramais ou simplesmente chegadas, correspondem ao troço de rede eletrifica entre a rede de distribuição de BT e o sistema

Leia mais

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 ventilação Défumair XTA caixa de desenfumagem à transmissão F400-120 vantagens Desempenhos optimizados. Modularidade: 4 versões possíveis. Construção monobloco.

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DO CABO EN320

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DO CABO EN320 a EMISSÃO INICIAL FTY MM LYT 18/12/14 REV. ALTERAÇÕES EXEC. VISTO APROV. DATA EXEC. VISTO APROV. FTY MM LYT DATA: CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A LD 1 ALMENARA - JEQUITINHONHA, 138kV (Op. 69 kv) 18/12/14 INSTRUÇÕES

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

Ler este manual antes da instalação OHMLINE 2009 DOMUS. Motor de correr. Página 1

Ler este manual antes da instalação OHMLINE 2009 DOMUS. Motor de correr. Página 1 Ler este manual antes da instalação OHMLINE 2009 DOMUS Motor de correr Página 1 Na instalação e utilização deve ter muita Atenção 1) Cuidado! Para sua segurança, é importante seguir todas as indicações

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO MANUAL DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO INSTALAÇÃO LIGAÇÃO ELÉCTRICA SUGESTÕES PARA POUPANÇA DE ENERGIA SUGESTÕES PARA A PROTECÇÃO DO AMBIENTE PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS

Leia mais

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E 2 PARABÉNS!!!! Você adquiriu um SPA Jacuzzi Premium, feito na mais alta exigência de qualidade. Apenas com alguns cuidados, seu SPA pode proporcionar anos de alegria

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

Lista de Verificação das Acessibilidades - Condomínio da Rua de Gondarém, 708

Lista de Verificação das Acessibilidades - Condomínio da Rua de Gondarém, 708 Percurso 1 - Habitação -> Garagem Avaliação: Não viável Custo global de adaptação: 30.900 Item a verificar Avaliação Descrição Solução apontada 1.1 - Percurso Verificado Verificação da concordância da

Leia mais

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector :

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Anexo 2 Relatório da inspecção preliminar dos elevadores (Modelo) Relatório n.º: Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Tipo de equipamentos: Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Data de inspecção

Leia mais

Manual de utilização. No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1. Peso 0-18 kg. Idade 6m-4a

Manual de utilização. No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1. Peso 0-18 kg. Idade 6m-4a 1 26 27 34 35 16 2 4 3 Manual de utilização 5 6 8 9 7 10 11 12 13 14 15 28 29 36 31 17 30 37 No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1 19 20 21 23 Peso 0-18 kg 18 22 38 39 Idade

Leia mais

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR José Maria Almeida Pedro.almeida@ineti.pt Jorge Cruz Costa Cruz.costa@ineti.pt Esquema unifilar utilização 8 INÍCIO Slides 4 a 12 9 7 1 CD 4 5 6 7 7

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões MINICOLUNAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Minicolunas para instalações elétricas de châo para

Leia mais

Atuador rotativo. Série 8604/1. Manual de instruções BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR

Atuador rotativo. Série 8604/1. Manual de instruções BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR BR Atuador rotativo Manual de instruções Additional languages www.stahl-ex.com Índice 1 Informações Gerais...3 1.1 Fabricante...3 1.2 Informações relativas ao manual de instruções...3 1.3 Outros documentos...3

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH Rodolfo Amaro Junho de 2006 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objectivo o estudo do sistema construtivo de Muros de Terra Armada, designadamente o sistema Terramesh.

Leia mais

Manuseamento e disposição das placas

Manuseamento e disposição das placas Manuseamento e disposição das placas Preparar para a nova cultura 3-3 Entrega 1 Não é aconselhável o seu armazenamento no exterior. Armazene num local limpo e seco, separado da área de produção. 3 Não

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS P.880.0 de 20 REGISTO DE ALTERAÇÕES: Elaborado Verificado Aprovado EDIÇÃO DESCRIÇÃO Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade (Obra) Director Técnico Empreitada Data Criação (PA)

Leia mais

HOME. Fechadura electrónica. Manual Instruções. Máxima segurança. Muito fácil de usar. www.burg.biz

HOME. Fechadura electrónica. Manual Instruções. Máxima segurança. Muito fácil de usar. www.burg.biz Fechadura electrónica HOME Máxima segurança. Muito fácil de usar. BA/MA TSE Set 4001 dp/mri/dn 02/2013 Manual Instruções BURG-WÄCHTER KG Altenhofer Weg 15 58300 Wetter Germany www.burg.biz Estrutura Símbolos

Leia mais

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Índice Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2 Recuperadores de Energia RECUP...3.6 Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Unidade de Fluxos Cruzados EBF...3.11

Leia mais

ESCADAS DESMONTÁVEIS

ESCADAS DESMONTÁVEIS ESCADAS DESMONTÁVEIS ESCADAS DESMONTÁVEIS anos de GARANTIA nas escadas Fakro dispőe de uma ampla gama de escadas fabricadas em diferentes materiais. As escadas de madeira estăo disponíveis em dois, três

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7900 A L F A

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7900 A L F A ASPIRADOR TIPO CICLONE Manual do utilizador MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7900 A L F A 1 Estimados clientes: Muito obrigada por ter escolhido um dos nossos aspiradores de uso doméstico, que é um aparelho

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA

DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA SCAFFOLDING DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA TESTE DE CARGA: ALUFASE Vs SOLDADURA Carga (Toneladas) / Deformação (mm) 7 6 O sistema de deformação a frio provou ser 3 vezes mais forte que

Leia mais

Manual do Usuário. Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. Imagem Ilustrativa

Manual do Usuário. Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. Imagem Ilustrativa Manual do Usuário Imagem Ilustrativa Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. * Este Manual inclui Certificado de Garantia. ÍNDICE Apresentação... 03 Instruções de Segurança...

Leia mais

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08 PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 1. OBJETIVO: O objetivo deste documento é definir técnicas e procedimentos para intervenções e reparos sobre pisos de concreto moldado in loco, em conformidade

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Colectores planos Suporte de instalação 6 720 643 442 (2010/03) PT 6720616592.00-1.SD Indice Indice 1 Esclarecimento dos símbolos e indicações de segurança...............................

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Sistemas de iluminação, tomadas interiores, extracção de fumos, ar condicionado, centrais de intrusão e incêndio Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação:

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

L I M P AD O R AU T O - B AS C U L A N T E CARACTERÍSTICAS E MANUAL DE MANUTENÇÃO SÉRIE: DC

L I M P AD O R AU T O - B AS C U L A N T E CARACTERÍSTICAS E MANUAL DE MANUTENÇÃO SÉRIE: DC 29/05/2012 CARACTERÍSTICAS E MANUAL DE MANUTENÇÃO SÉRIE: DC Tel: 902 40 80 50 / Fax 902 40 80 51 / cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 APLICAÇÕES GERAIS Os reservatórios de dilúvio destinam-se a regular

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7901 A L F A

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7901 A L F A ASPIRADOR SISTEMA CYCLONIC COM DEPÓSITO DUPLO Manual do utilizador MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7901 A L F A 1 As Vantagens: 1. Com o seu avançado sistema de limpeza de duplo ciclo, e além disso os 2 filtros

Leia mais

FOSSA SÉPTICA ECOLIMP

FOSSA SÉPTICA ECOLIMP Guia de Instalação FOSSA SÉPTICA ECOLIMP Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_fossa_septica_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 14:46:27 1. Apresentação

Leia mais