Manual de Distribuição via Agente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Distribuição via Agente"

Transcrição

1 Manual de Distribuição via Agente 2015 Autônomo de Investimento Manual e Diretrizes de Atuação dos Agentes Autônomos de Investimento contratados pela Intrag DTVM Ltda para distribuição de cotas de fundos. Centro Empresarial Itaú Unibanco Av. Engº Armando Arruda Pereira, 707 Torre Eudoro Villela, 10º andar São Paulo SP

2 1 Público alvo Aplica-se à Intrag DTVM Ltda ( INTRAG ) e aos agentes autônomos de investimento ( AAI ) por ela contratados. Em caso de divergência entre este manual e as legislações locais, prevalecerá o padrão mais rigoroso, observado que, em caso de efetivo conflito, prevalecerá o disposto na legislação aplicável. 2 Responsabilidades A Governança sobre o Manual de Distribuição via Agentes Autônomos de Investimento ( Manual ) é realizada pela área de Controles de Distribuição da Intrag. 3 Introdução O Código Anbima de Regulação e Melhores Práticas para Fundos define como distribuição de fundos de investimento: a oferta de cotas de fundos a investidor ou potencial investidor, de forma individual ou coletiva, resultando ou não em captação de recursos para o fundo de investimento. Esta oferta acontece por meio de publicidade ao investidor ou potencial investidor, em que as informações da lamina complementar são atualizadas pelo administrador em seu site e na CVM, para a correta indicação e orientação. As lâminas são exigidas pelos órgão reguladores se encontram no site da Intrag (http://www.intrag.com.br) na aba especifica para fundos de investimentos, nos termos da instrução CVM 555. Este material é atualizado mensalmente, sempre no período dos cinco primeiros dias úteis do mês, fazendo referência ao mês antecessor. A INTRAG, como Instituição Integrante do sistema de distribuição de valores mobiliários, é autorizada a contratar agentes autônomos (pessoas físicas ou pessoas jurídicas) para a realização da distribuição de seus fundos de investimento dos quais seja distribuidora, observado o disposto na ICVM 497 e autorregulamentação aplicável (Anbima e Ancord). A contratação dos AAI é formalizada por meio de contrato escrito entre a INTRAG e o AAI, cujas disposições devem ser fielmente observadas por ambas as partes. Após a devida contratação, os órgãos competentes são informados a respeito do vínculo entre o AAI e a INTRAG. A INTRAG fiscaliza a atuação dos AAI por ela contratados e, anualmente, realiza visitas presenciais inspeções de forma remota ou presencial, com o intuito de verificar a aderência de cada AAI a este Manual, ao contrato, à regulamentação e à autorregulamentação aplicáveis. Na hipótese de infração à regulamentação ou à autorregulamentação da Ancord por parte dos AAI, a INTRAG deve informar a CVM e/ou a Ancord, conforme o caso, nos termos das normas aplicáveis. Intrag. PoliticaDistribuiçãoAgentesAutonomos.vpublica Ago-2015 Página 2 de 9

3 4 Processo de Distribuição por agentes autônomos da Intrag DTVM 4.1 Objetivo Estabelecer as diretrizes a serem seguidas pelos AAI, de acordo com a legislação vigente e os procedimentos definidos pela INTRAG para a execução da atividade de distribuição. 4.2 Exercício das atividades De acordo com a ICVM 497/2011, o AAI deve agir com probidade, boa fé e ética profissional para com a INTRAG e seus clientes. Obrigatoriamente aderir ao Código de Ética e Conduta da INTRAG ( Código ), empregando no exercício da atividade todo o cuidado e a diligência esperados de um profissional em sua posição, em relação aos clientes e à INTRAG, nos termos do Código, bem como seguir os procedimentos definidos pela INTRAG em E-Learning educativo. Conforme previsto na regulamentação aplicável, as atividades exercidas pelos AAI são: I prospecção e captação de clientes; II recepção e registro de ordens e transmissão dessas ordens para os sistemas de negociação ou de registro cabíveis; e III prestação de informações sobre os produtos oferecidos e sobre os serviços prestados pela instituição integrante do sistema de distribuição de valores mobiliários pela qual tenha sido contratado. Os matérias necessários para a atividade de prospecção será disponibilizada no site da Intrag, conforme dito acima, e legislação vigente. Para a execução destas atividades é necessário que se tenha um contrato escrito, celebrado entre a instituição integrante do sistema de distribuição e o AAI. Ademais, é obrigatório o credenciamento do AAI na Ancord, sem prejuízo das vedações previstas na ICVM 497/11. O AAI deve, ainda, respeitar as políticas e os procedimentos definidos pela Intrag DTVM, dentre as quais estão: 1 Este Manual; 2 Política Corporativa de Prevenção e Combate a Atos Ilícitos; 3 Política de Cadastro de Cotista; 4 Manual de Suitability; Todos estes documentos e suas respectivas atualizações estarão disponíveis ao AAI, através do site da INTRAG DTVM (www.intrag.com.br). 5 Recomendação de Investimentos Em atendimento ao Manual de Suitability, o AAI não pode recomendar fundo de investimento para cotistas que não tenham perfil de investidor definido. Intrag. PoliticaDistribuiçãoAgentesAutonomos.vpublica Ago-2015 Página 3 de 9

4 Considera-se recomendação de investimento a disponibilização de informações, envolvendo seleção de produto (fundo de investimento) ou juízo de valor, visando um cliente especifico. Não poderá ser feita a recomendação de investimento nas hipóteses abaixo: O investidor não tem perfil de investimento definido; As informações sobre o perfil do investidor estão desatualizadas, nos termos da regulamentação aplicável; O produto (fundo de investimento) não está adequado ao perfil do investidor; Política de distribuição de cotas O AAI, no desenvolvimento de suas atividades de distribuição, deverá: i) Disponibilizar as informações sobre o fundo de investimento, esclarecendo as dúvidas dos investidores ou potenciais investidores; ii) Fornecer Lâmina de Informações Essenciais, Regulamento, Termo de Adesão e demais documentos obrigatórios e em versão atualizada; iii) Conferir a ficha cadastral preenchida pelo investidor, bem como os documentos cadastrais comprobatórios; iv) Assinar a ficha cadastral em conjunto com o investidor; v) Identificar adequadamente o perfil do investidor, conforme prevê o Manual Suitability da INTRAG; vi) Informar ao investidor, no momento do seu cadastramento, o regime de remuneração do AAI; Porque o cotista precisa desta informação? vii) Realizar a identificação do investidor, mantendo sob sua guarda, durante 5 (cinco) anos, as respectivas evidências das pesquisas e análises executadas para cumprimento da atividade, bem como disponibilizá-las à INTRAG sempre que esta solicitar; viii) Analisar a origem dos recursos e compatibilidade financeira, de acordo com a atividade econômica ou a ocupação do cliente, conforme o caso; ix) Realizar a renovação cadastral dos clientes, de acordo com a periodicidade definida pela INTRAG, que é de 24 meses com antecipação para 12 meses, caso o cotistas seja Pessoa Politicamente Exposta, de acordo com a legislação em vigor; x) Transmitir à INTRAG ou ao gestor do fundo, conforme o caso, as solicitações dos cotistas de aplicação e resgate de recursos nos fundos de investimento administrados pela INTRAG e manter sob sua guarda as comprovações de que tal movimentação foi solicitada pelos titulares das cotas; xi) Fornecer aos investidores ou potenciais investidores as informações sobre o serviço de atendimento ao cotista da INTRAG; Intrag. PoliticaDistribuiçãoAgentesAutonomos.vpublica Ago-2015 Página 4 de 9

5 A materialização da aplicação deste Manual se dará por meio de declaração (ANEXO I), fornecida pelo AAI à INTRAG, no momento da aplicação, juntamente com a formalização da ficha cadastral do cotista, devidamente assinada pelo cotista e pelo AAI. 6 Ordens de Investimento O investimento somente será feito, mediante ordem do investidor. Caso o investidor não tenha perfil não ou o seu perfil esteja desatualizado, o AAI deve solicitar ao investidor o preenchimento do questionário de suitability. Caso o investidor recuse-se a preencher o questionário, o AAI deverá orientá-lo a assinar o Termo de Ciência de Questionário (TCQ), em que declara que: (i) tem ciência da inexistência ou desatualização de seu perfil de investidor, conforme o caso; (ii) não possui interesse em conhecer seu perfil de investidor no momento; (iii) assumiu o risco da efetivação do investimento de sua escolha, mesmo sem essa informação; e (iv) está ciente de que não receberá recomendações de investimento enquanto não tiver seu perfil de investidor identificado ou atualizado. Para que a ordem de investimento seja acatada o cliente deverá preencher e assinar o TCQ. Este e outros procedimentos são mencionados e descritos no Manual de Suitability da INTRAG. 7 Procedimentos adotados Conforme Deliberação Anbima n 63, informa procedimentos que deverão ser seguidos pelas instituições integrantes do sistema de distribuição para a verificação do controle e do cumprimento das regras que os agentes autônomos estão sujeitos. Estes procedimentos serão exigidos da instituição participante do sistema de distribuição: Regularidade dos documentos cadastrais do investidor para aplicação em fundo de Investimento; Regularidade do Termo de Adesão assinado pelo investidor; Aplicabilidade e análise do perfil do investidor (Suitability); Cadastro do agente autônomo de investimento e seus sócios junto à ANCORD; Formalização da ordem dada pelo investidor para movimentação (aplicação e resgate). Para os casos onde o agente autônomo não estiver de acordo com estes procedimentos, a Intrag DTVM entrará em contanto com o mesmo para que haja a adequação dos procedimentos e/ou entrega de documentação em pendência. Caso a mesma não ocorra pontuaremos em nossas fiscalizações para acompanhamento e inclusão nos devidos relatórios enviados aos gestores para conhecimento e órgão reguladores. Intrag. PoliticaDistribuiçãoAgentesAutonomos.vpublica Ago-2015 Página 5 de 9

6 8 Rebate Em regra, é vedado ao administrador, ao gestor e ao consultor o recebimento de qualquer remuneração, benefício ou vantagem, direta ou indiretamente por meio de partes relacionadas, que potencialmente prejudique a independência na tomada de decisão de investimento pelo fundo, nos termos do art. 92, 2 da ICVM 555/14. Portanto, em regra, os valores de rebate, que antes eram pagos ao administrador ou gestor dos fundos investidores (que eventualmente poderiam atuar também como distribuidor dos fundos investidos), deverão ser direcionados diretamente para o fundo investidor. Há duas exceções a esta vedação, hipóteses em que é permitido o recebimento de remuneração, nos termos do art; 92, 3 da ICVM 555/14: Fundo de investimento em cotas de fundo de investimento que invista mais de 95% (noventa e cinco por cento) de seu patrimônio em um único fundo de investimento; ou Fundos de investimento exclusivamente destinados a investidores profissionais, desde que a totalidade dos cotistas assine termo de ciência, nos termos do Anexo 92 da ICVM 555/14 (Anexo II deste Manual). Excetuadas estas duas hipóteses, nas situações em que o prestador de serviço (distribuidor ou alocador) seja administrador ou gestor dos fundos investidores ou consultor dos fundos investidos/fundos investidores (ou, ainda, partes a eles relacionadas), não é admitido o recebimento de rebate pela (i) alocação em fundos por meio de outros fundos ou pela (ii) distribuição de cotas de fundos de investimento. A vedação (regra geral) e as exceções estendem-se ao serviço de distribuição desempenhado pelo AAI, nas hipóteses em que, cumulativamente, (i) o serviço de distribuição de cotas de fundos (exercido pelo AAI) seja feita para outros fundos de investimento e (ii) o AAI seja parte relacionada ao administrador ou gestor dos fundos investidores ou ao consultor dos fundos investidos/fundos investidores. Desta forma, nas hipóteses em que o AAI, por exemplo, (i) seja parte relacionada ao gestor dos fundos investidores e, cumulativamente, (ii) distribua cotas de fundos a outros fundos. O AAI deverá avisar a Intrag nas hipóteses em que o cliente for fundo de investimento e investir em outro fundo que pague rebate /cujo administrador ou gestor pague rebate, sinalizando se o cliente (fundo investidor) cairá na regra (art. 92, 2 da ICVM 555/14) ou nas hipóteses de exceção (art. 92, 3 da ICVM 555/14). A partir desta informação, a INTRAG tomará as providências necessárias para o pagamento, de acordo com a regulamentação aplicável, com o contrato e com a situação informada. Intrag. PoliticaDistribuiçãoAgentesAutonomos.vpublica Ago-2015 Página 6 de 9

7 9 Vigência Este manual entrará em vigor em Novembro. 10 Tracking de Revisão do documento Acompanhamento das versões do manual: Versão Motivo Data Responsável Resumo das Alterações 1.0 Versão inicial 01/08/2012 Karina Feldhaus Criação da politica 1.1 Atualização e Inclusão do anexo 01/01/2013 Karina Feldhaus Alteração do ANEXO I 1.2 Atualização. Natalia Maira Atualização. Intrag. PoliticaDistribuiçãoAgentesAutonomos.vpublica Ago-2015 Página 7 de 9

8 ANEXO I DECLARAÇÃO AGENTE AUTÔNOMO RAZÃO SOCIAL DO AGENTE AUTÔNOMO Nome do Titular Nome do Co-Titular CPF/CNPJ CPF CPF Na qualidade de AGENTE AUTÔNOMO contratado pela INTRAG DTVM LTDA. ( INTRAG ) para, na qualidade de preposto, prospectar clientes e fornece instruções para investimento e desinvestimento de recursos de seus clientes nos fundos de investimento administrados pela INTRAG de acordo com as disposições previstas no contrato, DECLARO que conheço minhas responsabilidades na execução das atividades de distribuição de cotas dos fundos administrados pela INTRAG, de acordo com as disposições previstas na regulamentação e no contrato com esta celebrado, na qualidade de seu preposto. Informo ainda que, para o(s) cotista(s) acima indicados, executei as seguintes atividades: I. Disponibilização das informações sobre o Fundo de Investimento no qual o(s) cliente(s) deseja(m) investir seus recursos, esclarecendo suas dúvidas; II. Fornecimento de Lâmina de Informações Essenciais, Regulamento, Termo de Adesão e demais documentos obrigatórios, em versão atualizada; III. Identificação do perfil do investidor, de acordo com a Política Suitability da INTRAG, bem como adoção das melhores práticas para que os investimentos do cliente sejam adequados ao perfil identificado para o investidor; IV. Disponibilização ao investidor das informações sobre o serviço de atendimento ao cotista da INTRAG; V. Apresentação ao investidor dos limites de atuação, vedações e remuneração a que estou exposto, tudo de acordo com a regulamentação ICVM 497. VI. Realização da identificação do cliente, seguindo os procedimentos definidos pela INTRAG, por meio das etapas e análises abaixo discriminadas, para as quais manterei sob minha guarda, durante 5 (cinco) anos, as respectivas evidências e que, em caso de solicitação da INTRAG a qualquer tempo, disponibilizarei prontamente: a) Visita/contato Comercial (início ou continuidade do relacionamento), identificando pessoalmente o investidor, incluindo nesta etapa a identificação de investidor PPE (Pessoa Politicamente Exposta); b) análise da origem dos recursos e compatibilidade financeira, considerando a atividade econômica ou ocupação do investidor; c) análise dos resultados das pesquisas de Lista OFAC, Site Receita Federal, Notícias desabonadoras. Coloco-me a inteira disposição da INTRAG para contribuir e auxiliar caso seja solicitado, no que diz respeito à adequada identificação do cliente, origem de seus recursos compatibilidade financeira e de suas informações. Adicionalmente manterei registro das movimentações solicitadas pelos clientes, cujas cotas foram por mim distribuídas e disponibilizarei sempre que solicitado pela INTRAG as evidências destes registros. [Local], de de. AGENTE AUTÔNOMO Carimbo Intrag. PoliticaDistribuiçãoAgentesAutonomos.vpublica Ago-2015 Página 8 de 9

9 Anexo II Anexo 92 Termo de Ciência de potencial Conflito de Interesses. Intrag. PoliticaDistribuiçãoAgentesAutonomos.vpublica Ago-2015 Página 9 de 9

Documento de Identificação (Número) Tipo Data de emissão Órgão Expedidor Estado Sexo Masculino Feminino

Documento de Identificação (Número) Tipo Data de emissão Órgão Expedidor Estado Sexo Masculino Feminino Cadastro Novo Alteração Cadastral Renovação Cadastral DADOS CADASTRAIS DO COTISTA TITULAR Nome do Cotista Titular Brasileira Outra (especificar): Telefone Residencial (DDD+Número) Telefone Celular (DDD+Número)

Leia mais

Endereço do Administrador do COTISTA (Rua, Avenida, Praça, etc.) Número Complemento Bairro CEP

Endereço do Administrador do COTISTA (Rua, Avenida, Praça, etc.) Número Complemento Bairro CEP Cadastro Novo Alteração Cadastral Renovação Cadastral DADOS CADASTRAIS DO FUNDO DE INVESTIMENTO (COTISTA) Nome do COTISTA do COTISTA Razão Social do Administrador do COTISTA do Administrador do COTISTA

Leia mais

(não aplicável a Poder Público) Endereço (Rua, Avenida, Praça, etc.) Número Complemento Bairro CEP

(não aplicável a Poder Público) Endereço (Rua, Avenida, Praça, etc.) Número Complemento Bairro CEP DADOS CADASTRAIS DO COTISTA Razão Social (sem abreviações) Cadastro Novo Alteração Cadastral Renovação Cadastral Ficha Cadastral Nome Fantasia Atividade Principal (Código CNAE) Natureza Jurídica Número

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS 1. INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Em atendimento à Instrução CVM nº 497, de 03 de junho de 2011], o presente Manual dispõe sobre os procedimentos e regras

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. Versão: Maio 2013 Página 1 Introdução Alinhado com o disposto na Instrução CVM nº 497/11 ( ICVM 497/11 ), o Banco

Leia mais

NORMAS DE ATUAÇÃO DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO

NORMAS DE ATUAÇÃO DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO NORMAS DE ATUAÇÃO DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO Versão: Maio 2013 Introdução Em atendimento à ICVM 497, artigo 17, Inciso I, o Banco Cooperativo Sicredi S.A. ( BANCO ) apresenta um conjunto de

Leia mais

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS VERSÃO 2012 ÍNDICE 1. Introdução 2. Das Obrigações dos Agentes Autônomos 3. Das Vedações 4. Do Termo de Recebimento, Ciência e Aceitação 1. Introdução

Leia mais

CÓDIGO DE REGIME DE ATUAÇÃO DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTO

CÓDIGO DE REGIME DE ATUAÇÃO DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTO CÓDIGO DE REGIME DE ATUAÇÃO DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTO SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DTVM S.A. Versão Dezembro/2011 Sul América Investimentos DTVM S.A. Página 1 de 5 Código de Regime de Atuação do

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo deste Código de Regulação e Melhores Práticas ( Código ) é estabelecer

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS SUPORTE CORPORATIVO

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS SUPORTE CORPORATIVO 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Contém os requisitos e diretrizes básicas para o contrato/distrato, as condições de credenciamento, as normas de conduta e as responsabilidades dos Agentes Autônomos de Investimento,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA FIBRA ASSET MANAGEMENT DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. PARA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA DA FIBRA ASSET MANAGEMENT DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. PARA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA DA FIBRA ASSET MANAGEMENT DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. PARA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO FIBRA ASSET MANAGEMENT DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES AUXILIAR I CNPJ nº 54.070.966/0001-24. Mês de Referência: Março de 2016

FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES AUXILIAR I CNPJ nº 54.070.966/0001-24. Mês de Referência: Março de 2016 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES AUXILIAR I CNPJ nº 54.070.966/0001-24 Mês de Referência: Março de 2016 Formulário de Informações Complementares O formulário contém um resumo das informações complementares

Leia mais

Assunto Instrução CVM nº 409/04 Audiência Pública Manifestação ANBIMA Instrução CVM nº 555/14 Observações

Assunto Instrução CVM nº 409/04 Audiência Pública Manifestação ANBIMA Instrução CVM nº 555/14 Observações Assunto Instrução CVM nº 409/04 Audiência Pública Manifestação ANBIMA Instrução CVM nº 555/14 Observações Classe de Fundos Rebate Os Fundos eram divididos em sete classes: (i) Curto Prazo (ii) Referenciado

Leia mais

Política Institucional

Política Institucional ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA E ESCOPO... 2 3. DIRETRIZES E PRINCIPIOS GERAIS... 2 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE... 3 5. PROCESSO DECISÓRIO DE VOTO... 3 6. EXERCÍCIO

Leia mais

Versão Revisada em 1º de Outubro de 2015

Versão Revisada em 1º de Outubro de 2015 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO E COMPANHIAS EMISSORAS DE ATIVOS FINANCEIROS QUE CONTEMPLEM O DIREITO DE VOTO E INTEGREM AS CARTEIRAS DOS FUNDOS

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO (Política de Voto para FII) SOMENTE PARA USO INTERNO Este material foi elaborado pela Leste Administração

Leia mais

WTORRE PETRO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII

WTORRE PETRO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII LEIA ATENTAMENTE O REGULAMENTO E O PROSPECTO ANTES DE ACEITAR A OFERTA, EM ESPECIAL A SEÇÃO FATORES DE RISCO. OLIVEIRA TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. CNPJ/MF n.º 36.113.876/0001-91

Leia mais

Norma para emissão de relatórios de análise de valores mobiliários sell side

Norma para emissão de relatórios de análise de valores mobiliários sell side O conteúdo deste documento é propriedade da BROOKFIELD BRASIL ASSET MANAGEMENT INVESTIEMENTOS LTDA.. Não pode ser reproduzido, armazenado ou transmitido, em qualquer formato ou por quaisquer meios, sejam

Leia mais

POLÍTICA DE DIREITO DE VOTO

POLÍTICA DE DIREITO DE VOTO POLÍTICA DE DIREITO DE VOTO Superintendência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Introdução e Objetivo... 3 2. Exclusões... 3 3. Vigência... 4 4. Princípios Gerais... 4 5. Conflito de Interesse...

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A OLIVEIRA FRANCO SOCIEDADE CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, em atenção ao quanto disposto na Instrução CVM n. 505, de 27/09/2011, define por este documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIA

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIA Conformidade ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento Versão 2015/2 Editada em novembro de 2015 SUMÁRIO 1.

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários Política

Política de Negociação de Valores Mobiliários Política de Negociação de Valores Mobiliários de Negociação de Valores Mobiliários Versão 1.0 Data de criação 01/08/2012 Data de modificação Não Aplicável Tipo de documento Índice 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 4 2. DEFINIÇÕES...

Leia mais

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS CORRETORA DE VALORES MOBILIÁRIOS E CÂMBIO LTDA MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Revisado em agosto/2013 Página 1/8 1. CRITÉRIOS BÁSICOS Em atendimento a Instrução CVM 497 de 03 de junho de 2011,

Leia mais

Módulo V Fundos de Investimentos. De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%)

Módulo V Fundos de Investimentos. De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%) Módulo V Fundos de Investimentos De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%) 5 - Fundos de Investimentos Definições legais Tipos de Fundo Administração Documentos dos fundos Dinâmica de Aplicação e resgate

Leia mais

REGRAS DE ATUAÇÃO DO BANCO ITAÚ BBA S.A NOS MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S.A.

REGRAS DE ATUAÇÃO DO BANCO ITAÚ BBA S.A NOS MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO DO BANCO ITAÚ BBA S.A NOS MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S.A. 1 O participante indicado abaixo, objetivando atuar na qualidade de Intermediário,

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DO CLARITAS INSTITUCIONAL FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ nº 10.705.335/0001-69 ( FUNDO )

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DO CLARITAS INSTITUCIONAL FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ nº 10.705.335/0001-69 ( FUNDO ) Classificação ANBIMA: Multimercados Macro Nivel 1: Multimercados - Fundos que possuam políticas de investimento que envolvam vários fatores de risco, sem o compromisso de concentração em nenhum fator em

Leia mais

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 12/09/2013 1. OBJETIVOS O objetivo desta Política é estabelecer

Leia mais

POLÍTICA DE VOTO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO

POLÍTICA DE VOTO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO POLÍTICA DE VOTO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO A BRAM Bradesco Asset Management S.A DTVM ( BRAM ) aderiu ao Código de Autorregulação de Fundos de Investimento ( Código ) da Associação Brasileira das Entidades

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários RB Capital DTVM Junho 2011 Objetivo Este instrumento normativo contém os procedimentos e controles internos da RB

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352.

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352. FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352.186/0001-43 Mês de Referência: Novembro de 2015 CLASSIFICAÇÃO ANBIMA:

Leia mais

EDITAL PARA CREDENCIAMENTO DE FUNDO DE INVESTIMENTOS E SEUS RESPECTIVOS GESTORES/ADMINISTRADORES

EDITAL PARA CREDENCIAMENTO DE FUNDO DE INVESTIMENTOS E SEUS RESPECTIVOS GESTORES/ADMINISTRADORES EDITAL PARA CREDENCIAMENTO DE FUNDO DE INVESTIMENTOS E SEUS RESPECTIVOS GESTORES/ADMINISTRADORES GOIÁS- EDITAL N.º 003/2014 O GOIÁS, por meio de seu Gestor (a) Grasiene Teobalda De Oliveira, torna público

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CAIXA VALE DO RIO DOCE Data de Competência: 27/01/2016 1. CNPJ 04.885.820/0001-69 2. PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

PEDIDO DE RESERVA CÓDIGO ISIN Nº BRVRTACTF008

PEDIDO DE RESERVA CÓDIGO ISIN Nº BRVRTACTF008 PEDIDO DE RESERVA CÓDIGO ISIN Nº BRVRTACTF008 Condicionado Não Condicionado Pedido de Reserva ( Pedido de Reserva ou Pedido ) relativo à oferta pública de distribuição de até 434.783 (quatrocentas e trinta

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004.

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004 Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

BRASIL PLURAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA

BRASIL PLURAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO Brasil Plural Gestão de Recursos Ltda. Setembro de 2015 I. Definição e Finalidade 1. A presente Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais de

Leia mais

PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO Mensal, até o dia 10 do mês subsequente ao de referência.

PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO Mensal, até o dia 10 do mês subsequente ao de referência. NORTHVIEW FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO 11.806.097/0001-40 Mês de Referência: Março de 2016 Formulário de Informações Complementares O formulário

Leia mais

E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS

E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS No último dia 3, a Receita Federal do Brasil ("RFB") expediu a Instrução Normativa ("IN/RFB") nº 1.571/2015, instituindo a

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS BANCO FATOR

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS BANCO FATOR 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Contêm as diretrizes básicas para o contrato/distrato, as condições de credenciamento, as normas de conduta e as responsabilidades dos Agentes Autônomos de Investimento para

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DO META VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO DE AÇÕES CNPJ nº 07.899.238/0001-40 ( FUNDO )

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DO META VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO DE AÇÕES CNPJ nº 07.899.238/0001-40 ( FUNDO ) Classificação ANBIMA: Ações Indexados Serão classificados como Ações os Fundos que possuírem, no mínimo, 67% (sessenta e sete por cento) da carteira em ações à vista, bônus ou recibos de subscrição, certificados

Leia mais

FICHA CADASTRAL DE CLIENTE PESSOA FÍSICA

FICHA CADASTRAL DE CLIENTE PESSOA FÍSICA Código do Distribuidor (uso interno): FICHA CADASTRAL DE CLIENTE PESSOA FÍSICA Código do Cliente (uso interno): Parte I Dados do Titular (1) Nome do Investidor: Data de Nascimento: Nacionalidade: Local

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 549, DE 24 DE JUNHO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 549, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Altera a Instrução CVM nº 409, de 18 de agosto de 2004, que dispõe sobre a constituição, a administração, o funcionamento e a divulgação de informações dos fundos de investimento. O PRESIDENTE DA COMISSÃO

Leia mais

FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA

FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA DADOS GERAIS DO TITULAR 01. NOME 02. Nº PF (USO MODAL) 03. DATA ABERTURA (USO MODAL) 04. CPF 05. IDENTIDADE 06. ÓRGÃO EXPED. 07. UF EXPED. 08. DATA EXPED. 09. DATA NASCIMENTO

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO Data de Competência: 07/06/2016 1. CNPJ 14.386.926/0001-71 2. PERIODICIDADE

Leia mais

Código de Conduta. Agentes Autônomos

Código de Conduta. Agentes Autônomos Código de Conduta Agentes Autônomos Introdução e Aplicabilidade Este Código de Conduta ( Código ) estabelece diretrizes com relação à atuação dos Agentes Autônomos de Investimento ( Agentes Autônomos )

Leia mais

Instrumento Normativo Mandatório Política Norma Procedimento. Impacta Matriz de Risco Não se aplica Sim (Controle de Referencia: )

Instrumento Normativo Mandatório Política Norma Procedimento. Impacta Matriz de Risco Não se aplica Sim (Controle de Referencia: ) Classificação 001 CCO Políticas da Organização Título 002 Admissão e Manutenção de Agente Autônomo de Investimento Responsáveis Diretoria Diretoria Executiva Superintendência(s) Área Autor(es) Fernanda

Leia mais

PEDIDO DE RESERVA PARA AS QUOTAS DE EMISSÃO DO EUROPAR II BANIF FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII. CNPJ nº 13.720.522.0001-00

PEDIDO DE RESERVA PARA AS QUOTAS DE EMISSÃO DO EUROPAR II BANIF FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII. CNPJ nº 13.720.522.0001-00 PEDIDO DE RESERVA PARA AS QUOTAS DE EMISSÃO DO EUROPAR II BANIF FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ nº 13.720.522.0001-00 Código ISIN: BREURDCTF006 Nº [ ] CARACTERÍSTICAS DA OFERTA Pedido de reserva

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA N 01/2014

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA N 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 01/2014 Institui parâmetros para o credenciamento de administradores e/ou gestores de carteiras de títulos e valores mobiliários no âmbito do Ipamv. A Presidente do Instituto de Previdência

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO 1 ÍNDICE CAPÍTULO I. FINALIDADE DO CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL... 3 CAPÍTULO II. SUJEIÇÃO AO CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL... 3

Leia mais

REGULAMENTO DO SANTANDER FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO INTELIGENTE RENDA FIXA CURTO PRAZO CNPJ/MF n.º 02.908.

REGULAMENTO DO SANTANDER FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO INTELIGENTE RENDA FIXA CURTO PRAZO CNPJ/MF n.º 02.908. O presente Regulamento é parte integrante da Ata de Assembleia Geral de Cotistas do Santander Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Inteligente Curto Prazo, realizada em 29 de abril

Leia mais

Proibida a reprodução.

Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTO O objetivo deste documento é o de nortear a atuação dos Agentes Autônomos de Investimento, com os quais a Planner não mantém vínculo empregatício.

Leia mais

POLÍTICA DE SUITABILITY

POLÍTICA DE SUITABILITY POLÍTICA DE SUITABILITY VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PRODUTOS, SERVIÇOS E OPERAÇÕES AO PERFIL DO INVESTIDOR Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DO GAP AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO DE AÇÕES CNPJ nº 08.912.569/0001-35 ( FUNDO )

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DO GAP AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO DE AÇÕES CNPJ nº 08.912.569/0001-35 ( FUNDO ) Classificação ANBIMA: Ações Índice Ativo Nivel 1: Ações - Fundos que possuem, no mínimo, 67% (sessenta e sete por cento) da carteira em ações à vista, bônus ou recibos de subscrição, certificados de depósito

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOLIDUS S.A. CCVM Esta Sociedade Corretora, em atenção à legislação vigente, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento, registro,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Janeiro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 001/2016 - IPMT

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 001/2016 - IPMT EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 001/2016 - IPMT CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E SIMILARES, SOCIEDADES CORRETORAS, DISTRIBUIDORAS DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E PESSOAS JURÍDICAS QUE ATUEM COMO

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais Capítulo I: Aplicação e Objeto 1.1. Pelo presente documento, a ARBITRAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. ( Gestora ) vem, nos termos do Código ANBIMA

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DO CLARITAS VALOR FEEDER FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ nº 11.403.850/0001-57 ( FUNDO )

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DO CLARITAS VALOR FEEDER FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ nº 11.403.850/0001-57 ( FUNDO ) I Relação de prestadores de serviços do FUNDO: Os prestadores dos serviços de administração, gestão de carteira e custódia encontram-se qualificados no Regulamento. É(São), ainda, prestador(es) de serviço(s)

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS GRADIUS GESTÃO DE CARTEIRAS DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS GRADIUS GESTÃO DE CARTEIRAS DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS GRADIUS GESTÃO DE CARTEIRAS DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito

Leia mais

POLÍTICA DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS

POLÍTICA DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLÍTICA DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS CAPÍTULO I Definição 1.1 A presente Política, adotada em conformidade com o Código de Auto-Regulação da ANBIMA para os Fundos de Investimento, disciplina os princípios

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO BM CENESP - FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO BM CENESP - FII DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DE COTAS DO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO BM CENESP - FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO BM CENESP - FII MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA PARA A OFERTA ÍNDICE

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES

MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES 1. OBJETIVO MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES O objetivo deste manual é servir de referência para demonstrar o funcionamento operacional dos serviços da Orla DTVM, relativo à sua mesa de

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Art. 1º. Para os fins deste Código de Regulação e Melhores

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

CONTRATO DE SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO CONTRATO DE SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O SOCIO PARTICIPANTE E O SOCIO OSTENSIVO NITINI S/A. Página 1 de 6 SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO, na pessoa de seus sócios, tendo

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TITAN TI 14.115.121/0001-93 Mês de Referência: Junho de 2016

FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TITAN TI 14.115.121/0001-93 Mês de Referência: Junho de 2016 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TITAN TI 14.115.121/0001-93 Mês de Referência: Junho de 2016 Formulário de Informações Complementares O formulário

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para os fins deste Código de Regulação e Melhores

Leia mais

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO Artigo 1º. Para registro do Certificado de Depósito de Valores Mobiliários - BDR Nível I Não Patrocinado

Leia mais

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS Este documento rege as atividades desemprenhas pelos Analistas de Valores Mobiliários vinculados a Um Investimentos, de acordo com as regras e procedimentos elencados

Leia mais

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A. Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados Outubro de 2013 Regras

Leia mais

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 6º andar 04538-32 São Paulo, SP - Brasil Tel. (55 ) 288-4000 Fax: (55 ) 288-4074 Merrill Lynch S.A. Corretora

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. Morgan Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

REGRAS INTERNAS DE INTERMEDIAÇÃO

REGRAS INTERNAS DE INTERMEDIAÇÃO Página 1 de 16 REGRAS INTERNAS DE INTERMEDIAÇÃO O Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A., CNPJ nº: 92.702.067/0001-96 (doravante BANRISUL ), objetivando atuar na qualidade de Intermediário, conforme

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE CONDUTA E ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE CONDUTA E ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE CONDUTA E ATUAÇÃO A NOVINVEST CORRETORA DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. ( NOVINVEST ), em atenção ao disposto no Artigo 20, I, da Instrução n 505/11 da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES E CUSTÓDIA EM MERCADOS ADMINISTRADOS E OUTRAS AVENÇAS

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES E CUSTÓDIA EM MERCADOS ADMINISTRADOS E OUTRAS AVENÇAS CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES E CUSTÓDIA EM MERCADOS ADMINISTRADOS E OUTRAS AVENÇAS Nome (Cliente): RG: CPF/ CNPJ: Endereço: Cidade: UF: CEP: Profissão: Estado Civil: Nacionalidade: Classificação

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer Pelo presente Contrato de Distribuição de Cotas, doravante designado simplesmente Contrato, as PARTES (doravante assim designadas em conjunto, e, quando individualmente, como PARTE): a) FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Endereço Principal nº Complemento. Bairro Cidade Estado País CEP. Denominação dos Controladores / Administradores

Endereço Principal nº Complemento. Bairro Cidade Estado País CEP. Denominação dos Controladores / Administradores FICHA DE CADASTRO PESSOA JURÍDICA NÃO FINANCEIRA Código Assessor Informações Gerais Denominação / Razão Social Data de Fundação CNPJ Nº Identificação do Registro Empresarial -NIRE Atividade Principal Forma

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão Julho de 2015 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (Política e procedimentos relacionados à responsabilidade socioambiental da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 4.327, de 25 de abril

Leia mais

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Instrução nº 505, de 27 de setembro de 2011 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários em mercados regulamentados de valores mobiliários. A PRESIDENTE

Leia mais

Exercício do Direito de Voto

Exercício do Direito de Voto Procedimento Exercício do Direito de Voto Data de Efetivação: 01/08/2014 ÍNDICE 1. Sumário... 2 2. Alterações das versões anteriores... 2 3. Escopo... 2 4. Responsabilidades... 2 5. Previsão Regulatória

Leia mais

a) operações cobertas de venda de ações ou de lançamento de opções;

a) operações cobertas de venda de ações ou de lançamento de opções; Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes de Investimento. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão realizada nesta data, e de acordo com o

Leia mais

Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF. Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor Data da Expedição

Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF. Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor Data da Expedição FICHA DE CADASTRO PESSOA FÍSICA Código Assessor Data: / / Informações Gerais Nome Completo Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF CPF Estado Civil Sexo Documento Apresentado (tipo) Nº

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (aprovada na RCA de 12.08.2009 e alterada nas RCA s de 14.06.2010, 04.11.2011 e 22.04.2014)

Leia mais

GÁVEA FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII CNPJ/MF nº 16.875.388/0001-04 PROPOSTA DO ADMINISTRADOR PARA A 2ª EMISSÃO DE COTAS DO FUNDO

GÁVEA FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII CNPJ/MF nº 16.875.388/0001-04 PROPOSTA DO ADMINISTRADOR PARA A 2ª EMISSÃO DE COTAS DO FUNDO GÁVEA FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII CNPJ/MF nº 16.875.388/0001-04 PROPOSTA DO ADMINISTRADOR PARA A 2ª EMISSÃO DE COTAS DO FUNDO Aos Quotistas do Fundo Prezado(a)(s) Senhor(a)(es), BEM

Leia mais

Política Institucional

Política Institucional ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DIRETRIZES E PRINCIPIOS... 2 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE... 3 5. PROCESSO DECISÓRIO DE VOTO... 3 6. MATÉRIAS OBRIGATÓRIAS...

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Código ANBIMA de. Regulação e Melhores Práticas. para o Programa de Certificação Continuada

Código ANBIMA de. Regulação e Melhores Práticas. para o Programa de Certificação Continuada Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Programa de Certificação Continuada CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1. O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores Práticas ( Código

Leia mais

Utilização do FGTS Passo a passo para utilização do FGTS no seu contrato de financiamento imobiliário.

Utilização do FGTS Passo a passo para utilização do FGTS no seu contrato de financiamento imobiliário. Utilização do FGTS Passo a passo para utilização do FGTS no seu contrato de financiamento imobiliário. Itaú Crédito Imobiliário Em caso de dúvidas ou para obter mais informações, você tem à disposição

Leia mais

NEBRASKA CAPITAL POLÍTICA DE VOTO

NEBRASKA CAPITAL POLÍTICA DE VOTO POLÍTICA DE VOTO POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS E EMISSORAS DE VALORES MOBILIÁRIOS ( Política ) QUE INTEGREM AS CARTEIRAS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES E FUNDOS MULTIMERCADO

FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES E FUNDOS MULTIMERCADO I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG EM AÇÕES E FUNDOS MULTIMERCADO Fernanda Valle Versiani Mestranda em Direito Empresarial pela Universidade Federal de Minas Gerais,

Leia mais

Ref.: Procedimentos de alteração dos Fundos de Investimento cadastrados na Base de Dados da ANBIMA.

Ref.: Procedimentos de alteração dos Fundos de Investimento cadastrados na Base de Dados da ANBIMA. São Paulo, 08 de Setembro de 2010. Comunicado N 013/10 Ref.: Procedimentos de alteração dos Fundos de Investimento cadastrados na Base de Dados da ANBIMA. Prezados (as) Srs (as)., Desde Agosto de 2006,

Leia mais

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da RESOLUCAO 3.506 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação A Renascença Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda, ora designada Renascença, em atendimento ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03, de 28 de abril de

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto Setembro de 2012 Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 50 13º andar 04543-000 Itaim Bibi - São Paulo - SP Tel 55 11 3318-9400 - Fax 55 11 3318 9403 Esta Política estabelece

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA QUALICORP S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA QUALICORP S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA QUALICORP S.A. I. DEFINIÇÕES 1.1 Os termos e expressões relacionados a seguir, quando utilizados nesta Política de Negociação, terão o seguinte

Leia mais