3ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia"

Transcrição

1 República de Angola Ministério da Ciência e Tecnologia 3ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia 3rd National Conference on Science and Technology Sob o lema / Under the motto: Ciência, Tecnologia e Inovação ao serviço da sociedade Science, Technology and Innovation at the service of society Luanda, de Setembro de 2013 Avenida Lenine, 106/108, C. P. 34, Tel.: , Telemóvel: Web:

2

3 s Abstracts Materiais a 3ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia (Luanda, Setembro de 2013) Materials to the 3rd National Conference on Science and Technology (Luanda, September 2013) 3

4 Ficha Técnica Propriedade Ministério da Ciência e Tecnologia (órgão promotor) Selecção de textos: Prof. Doutor Domingos da Silva Neto FC-UAN/MINCT (Coordenador) Prof. Doutor Anabela Leitão LESRA/FE-UAN; Prof. Doutor Alfredo Gabriel Buza UON/MINCT Prof. Doutor António Alcochete FC-UAN/MINCT Prof. Doutor Gabriel Luís Miguel FC-UAN/MINCT Prof. Doutor Pedro Catarino Pires ISP/Benguela Prof. Doutor Ricardo Queirós FE-UAN/MINCT Edição Domingos da Silva Neto Paginação, Grafismo e Tratamento de Imagem RCBEG - Angola Impressão Damer SA Luanda - República de Angola Data publicação 09 Setembro de Tiragem 1500 exemplares MINCT 4

5 Breve Indice Informações gerais 7 9 SESSÃO PLENÁRIA PAINEL I - A Implementação da política de CTI e seu impacto PAINEL II - A contribuição da investigação científica no reforço da segurança alimentar e nutricional PAINEL III - A aplicação da ciência, tecnologia e inovação na gestão dos desastres naturais e questões ambientais PAINEL IV - A ciência e a inovação tecnológica no reforço da saúde pública PAINEL V - As Tecnologias ao serviço da sociedade POSTERS COMISSÂO ORGANIZADORA EVENTOS PARALELOS

6 Publique os resultados da sua investigação na Revista Cientifíca Multidisciplinar CIÊNCIA E TECNOLOGIA Consulte as instruções para autores na edição nº1 da Rev. CT

7 Objectivos Apresentar e discutir resultados de investigação científica e troca de experiência sobre a contribuição da ciência na resolução dos problemas sociais e promoção do desenvolvimento sustentável. Resultados esperados a a a a a a Trocar experiências sobre a implementação da Politica Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação e o seu impacto; Contribuir para o reforço da segurança alimentar e nutricional; Contribuir para a gestão dos problemas ambientais; Promover o reforço da saúde pública e a sistematização e valorização do conhecimento tradicional; Promover a utilização das tecnologias no apoio ao sector e ao serviço da sociedade; Divulgar e discutir resultados de investigação científica; Público-alvo Comunidade científica, especialistas, profissionais e estudantes com interesse em temas, segundo os tópicos acima referidos 7

8 Ciência, Tecnologia e Inovação ao Serviço da Sociedade

9 Tópicos/Painéis PAINEL I A Implementação da política de CTI e seu impacto (planos anuais, mecanismos de financiamento, indicadores de CTI, experiências de outros países) PAINEL II A investigação científica no reforço da segurança alimentar e nutricional (produção, conservação e processamento de alimentos, combate a fome e pobreza); PAINEL III A aplicação da ciência e tecnologia na gestão dos desastres naturais e questões ambientais (protecção do meio, conservação e utilização sustentável da biodiversidade e outros recursos naturais, alterações climáticas); PAINEL IV A ciência e a inovação tecnológica no reforço da saúde pública (dados epidemiológicos, prevenção, meios de vigilância, combate às endemias, planeamento de saúde pública); PAINEL V As Tecnologias ao serviço da sociedade (tecnologias espaciais, de Informação, de telecomunicações, de sensoriamente e de aumento da eficiência energética); Mesa redonda A Ciência, Tecnologia e Inovação ao serviço da sociedade Eventos paralelos Seminário sobre Metodologia de Investigação Científica do Ensino Seminário sobre Jornalismo Científico ; Workshop sobre a Cooperação científica e tecnológica entre Angola e Portugal : Sessão de posters Resenha sobre os posters apresentados Oradores Especialistas nacionais e estrangeiros. 9

10 Publish the results of your investigation in Multidisciplinary Scientific Journal CIÊNCIA E TECNOLOGIA

11 Comunicações orais Oral communications 11

12 Ciência, Tecnologia e Inovação ao Serviço da Sociedade

13 Sessão plenária Nome: Maria Cândida Pereira Teixeira Grau Académico/Formação: Doutorada (PhD),Física Atómica e Nuclear Aplicada Título profissional: Professora Associada Instituição: Ministério da Ciência e Tecnologia (Angola) Função/ocupação: Ministra da Ciência e Tecnologia de Angola (desde 2008), Co-Presidente Comissão Bilateral Angola/Vietname, Vice-Decana para a Área Científica da Fac. de Ciências / UAN ( ), Coordenadora do Núcleo Multi-Sectorial de Ciência e Tecnologia Nuclear, MINCT ( ) Cidade/País: Luanda, Angola Ciência e Tecnologia EM ANGOLA: resultados e perspectivas Maria Cândida Pereira Teixeira Ministério da Ciência e Tecnologia, Luanda, Angola Palavras-chave: medidas de política, programas, projectos, acções, investigação científica, inovação Com a criação de Ministério, em 1997, encarregue de coordenar a política de ciência e tecnologia e de promover o desenvolvimento científico e tecnologco foram criados os pressupostos para actualização do quadro institutcional da política científica e tecnológica de Angola. Desde então, várias medidas de política consubstanciada na implementação de programas, projectos e acções para a organização, promoção, apoio e avaliação do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação têm sido realizadas em respeito às disposições legais vigentes. Entretanto, o sector precisa de dar o salto qualitativo que se impõe na criação de capacidades humanas, de infraestruras e de tecnologias para a investigação científica e desenvolvimento tecnológico nos sectores de incidência como indica o diagnóstico da UNCTAD de Neste contexto, foram aprovados vários diplomas legais de criação e regulamenação dos serviços de apoio e de consulta, iniciando o processo de coordenação e promoção, de mobilização dos actores para a articulação do SNCTI, de consciencialização pública e de apoio à investigação científica e ao desenvolvimento tecnologia em Angola. Com o objectivo de se fazer um balanço do caminho trilhado pelo órgão reitor da ciência e tecnologia e perspectivar o seu futuro iremos partilhar informação sobre a cronologia dos principais eventos em ciência e tecnologia no país e tecer algumas considerações que achamos importantes para a sua evolução. 13

14 Nome: João Sebastião Teta Grau Académico/Formação: Doutor (PhD), Bases de Dados / Informática Título profissional: Prof. Titular Instituição: Ministério da Ciência e Tecnologia (Angola) Função/ocupação: Secretário de Estado da Ciência e Tecnologia (desde 2010), Reitor da UAN ( ) Cidade/País: Luanda, Angola O PLANCTI e a sua Importância para o Desenvolvimento Científico e Técnicológico de Angola João Sebastião Teta Ministério da Ciência e Tecnologia, Luanda, Angola Palavras-chave: Política, Estratégia, Investimento, Ciência, Tecnologia e Inovação O Plano Anual Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (PLANCTI) define-se como um conjunto de programas e projectos que visam a materialização a curto prazo (anual), da Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI), cumprindo com a visão e a missão definidas na Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (PNCTI), contribuindo assim para uma resposta eficiente aos principais problemas identificados nos diferentes sectores da vida socioeconómica do país e determinar/quantificar o investimento público em Ciência, Tecnologia e Inovação. Para o efeito, os vários actores do Sistema Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação elaboram os seus projectos, que devem, previamente, ter o parecer de um conselho científico aprovado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MINCT). A inscrição de um dado projecto no PLANCTI pressupõe o cumprimento do estabelecido no Mecanismo de Coordenação do Sistema Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação e nos instrumentos reguladores exarados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, no quadro das prioridades de Desenvolvimento enunciados pelo Executivo Angolano e com preferência nas áreas de incidência estabelecidas na PNCTI. Este trabalho pretende fazer uma abordagem metodológica sobre a concepção, implementação e avaliação do PLANCTI 2013/

15 Nome: Gong Ping Yeh Grau Académico/Formação: Ph.D. in Physics Título profissional: Physics Instituição: Fermi National Accelerator Laboratory Função/ocupação: Scientific Computing Division Cidade/País: Batavia, Illinois USA Invited speaker World Energy Transformation G. P. Yeh Fermi National Accelerator Laboratory, Batavia, Illinois, USA, Keywords: Sustainable energy, science, technology, econom, environment; Abstract The 21st Century is the Century of Sustainable Energy. Energy fuels civilization. Sustainable energy is a vital key to national and world security, economy, environment, health, and reducing global warming. The United Nations and partners worldwide are working on Sustainable Energy for All by IEA expects renewable energy to surpass gas by 2016 in the global power mix. China is adding 49 Giga Watts of renewable energy in Japan government is planning a US$300 billion investment over the next 10 years towards renewable energy development. Progresses are also being made in Africa and worldwide towards sustainable energy. The energy solutions include solar, wind, biofuels, geothermal, ocean and other renewable energies, and improving energy efficiencies and energy conservation. Thorium energy and Accelerator Driven Systems will also provide sustainable energy for thousands of years. Science and technology in will enable the energy transformation from using fossil fuels to using sustainable energy. The humankind is moving forward to sustainable energy. 15

16 PAINEL I - A Implementação da política de CTI e seu impacto Nome: Luis Pereira Q. Mendonça Dias Torres Magalhães Grau Académico/Formação: PhD Título profissional: Prof. Catedrático Instituição: Dep. de Matemática, Instituto Superior Técnico Função/ocupação: Pres. do OECD Working Party on Indicators for the Information Society, Pres. do Conselho Geral da Univ. do Algarve, Portugal Cidade/País: Lisboa, Portugal Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação ao Serviço da Sociedade capacidades, oportunidades, desafios Luis Magalhães Instituto Superior Técnico, Lisboa,Portugal Palavras-chave: Crescimento económico, capital humano, CTI, forças transformadoras, aspectos transversais; Orador convidado O crescimento económico depende do progresso científico e tecnológico e da acumulação de capital humano. O objectivo da Ciência é a produção de Ideias. Por isso, as políticas de CTI devem centrar-se em Pessoas: ensino e formação científica (bolsas de mestrado, doutoramento e pós-doutoramento; contrariar a fuga de cérebros e atrair talento estrangeiro), projectos de investigação de elevada qualidade, acesso a infraestruturas científicas (equipamentos, e-ciência), organização em instituições científicas (estimular lideranças científicas), participação em redes de conhecimento internacionais (com universidades, instituições científicas e empresas; participar em programas internacionais como os da UE), ligações de CTI com empresas (projectos em consórcio, criação de empresas de base C&T, atracção de laboratórios de I&D de empresas multinacionais). Talento e excelência florescem em ambientes de grande dimensão, diversidade e abertura. É necessário o desenvolvimento de todas as áreas para educação avançada de novas gerações, flexibilidade para oportunidades futuras, e benefício da interdisciplinaridade. Quatro Grandes Forças Transformadoras marcam o início do século XXI: Economia Baseada em Conhecimento, Tecnologias Emergentes, Grandes Desafios, Organização em Redes, Globalização. As Tecnologias Emergentes incontornáveis são: Tecnologias de Informação e Comunicação, Biotecnologia, Nanotecnologia. Os Grandes Desafios incluem: Energia, Água e segurança alimentar, Agricultura e recursos naturais, Mar, Saúde, Tecnologia de materiais e indústria extractiva. Três aspectos transversais de organização: eficaz agência financiadora de investigação por concursos abertos e contratos, com avaliação internacional; sistemática observação, análise e prospectiva para políticas baseadas em evidência; promoção geral do ensino da ciência e do interesse pela ciência, principalmente nas escolas. 16

17 Nome: Venâncio Simão Massingue Grau Académico/Formação: Doutor (PhD) Título profissional: Docente universitário, Dep. de Matemática e Informática da UEM Instituição: Ministério da Ciência e Tecnologia, Moçambique Função/ocupação: Ministro da Ciência e Tecnologia (até 2012) Cidade/País: Maputo, Moçambique Orador convidado Haverá alguma ligação entre o que fazemos e o que é medido? Venâncio Simão Massingue Ministério da Ciência e Tecnologia, Moçambique Palavras-chave: Índices de desenvolvimento, Politicas e Estratégias da Ciência, Tecnologia e Inovação, Tecnologias de Informação e Comunicação, Produto Interno Bruto. Os nossos países têm visto na Ciência, Tecnologia e Inovação um catalisador para o desenvolvimento. Políticas e Estratégias da Ciência, Tecnologia e Inovação e, em certos casos, incluindo de Tecnologias de Informação e Comunicação já foram aprovadas pelos Governos. Estas aprovações induzem nos Cientistas o sentimento de fazer parte de toda a dinâmica de desenvolvimento. Anualmente são produzidos índices de desenvolvimento de cada um dos nossos Países. Neste trabalho, pretende-se problematizar questões da integração dos resultados da investigação científica nos parâmetros que determinam o Produto Interno Bruto dos Estados. 17

18 Nome: Ana Filipa Santos Ponte Grau Académico/Formação: Mestre Título profissional: Eng. Instituição: Ministério da Educação e Ciência, Governo de Portugal Função/ocupação: Adj. Gab. da Secretaria de Estado da Ciência Cidade/País: Lisboa, Portugal Ciência e tecnologia no continente africano e o caso de Angola: indicadores para análise comparativa e evolutiva Ana Ponte Palavras-chave: Ciência e Tecnologia, capacidades, indicadores, clusters, África, Angola. Os países africanos têm sentido particular pressão para transitarem de modelos de desenvolvimento dependentes da flutuação dos mercados de recursos naturais para a integração na economia do conhecimento global. Nesse contexto evolutivo, enfrentam o desafio de traçar caminhos adequados para reforçarem as suas capacidades endógenas e atraírem capital externo útil, enquanto evitando o risco de fuga de cérebros. Ainda que seja embrionária no continente a aposta na inovação, bem como a concepção de sistemas de indicadores, o rápido crescimento económico de alguns países africanos torna urgente para os seus Governos reflectir sobre a sustentabilidade das suas trajectórias de desenvolvimento. Propõe-se uma caracterização holística do desenvolvimento das capacidades científicas e tecnológicas em África, tentando captar o carácter largamente imaterial da geração de conhecimentos no continente. Um painel de 31 indicadores foi organizado em 5 dimensões estruturais de desempenho nacional e, por meio de um método estatístico baseado em análises de clusters, foram identificados os modelos predominantes que traduzem a relação dinâmica entre o investimento em conhecimento e o progresso económico e social. Esta abordagem estatística multivariada, aplicada ao contexto evolutivo de 3 décadas no continente africano, permite evidenciar a importância crítica da dimensão institucional, bem como do investimento em infraestruturas e difusão tecnológica, desvendando em certa medida o factor de dependência do passado. Os países lusófonos foram posicionados no panorama continental e destaca-se o caso específico de Angola, num exercício que permitiu consolidar a funcionalidade desta técnica como ferramenta de benchmarking e apoio à definição de políticas de ciência e tecnologia. 18

19 Nome: Takalani Rambau Grau Académico/Formação: Doutor (PhD) Instituição: Academy of Science of South Africa Função/ocupação: Strategy and Liaison Cidade/País: South Africa Fostering the impact of Science, Technology and Innovation through National Science Academies Rambau ST Keywords: Science Academy, Science, technology and innovation, knowledge economy, policy makers Abstract A National Science Academy serves as a brain thrust for driving the growth and use of science, technology and innovation (STI) thereby contributing to economic and social development of a country. The developed countries have introduced sophisticated STI instruments and institutions to help foster economic development. These countries had a competitive advantage of economic and knowledge resources as well as experience gained over time. The emerging economies on the other hand have devised different ways to grow their economy using STI and in some of those countries in particular China, the national science academies played crucial role in economic growth of these countries. South Africa, although it is struggling as an emerging economy, has a fully functioning national science academy. The South African Department of Science and Technology introduced a national system of innovation in 1996 and since then most of its STI strategies are geared towards a knowledge economy. The contribution of innovation is still being debated and the National Science Academy has taken a lead in compiling two STI reports, the first on the State of STI in South Africa and the second report is on Monitoring and Evaluation of STI indicators in South Africa. This paper will discuss the need and role of national science academies in developing STI systems within Africa region and how to mobilise policy makers, scientists and institutions to embrace STI system as a key driver for innovation of the countries. 19

20 Nome: David W Strangway Grau Académico/Formação: Doutor (PhD) Título profissional: Full Professor Instituição: Quest University Canada Função/ocupação: Chancellor, FRSC, OC, Quest Univ. Canada Cidade/País: Canada Invited speaker AFRICA RISING SCIENCE AND TECHNOLOGY CENTRAL TO DEVELOPMENT David Strangway Keywords: Science, Technology, Development Abstract Across the continent leaders are building home grown capacity for science and technology. Science and technology is understood to be necessary to economic growth and improvements for society. The African Union has reviewing the report of a high level panel on the second action plan for Africa. This report contains many important strategies and advice for African countries. The report emphasizes that building centers of excellence in science and technology is important to the fast rising countries of Africa. Many steps are being taken. South Africa has implemented a program of South African Research Chairs (Sarchi). They now have over 160 such chairs in a program modeled on the earlier Canada Research Chairs program. Other counties are creating new universities focused on S and T such as Botswana, Tanzania, Nigeria, Burkina Faso and others to serve as nodes of excellence in various areas of S and T. Rwanda has attracted Carnegie Mellon University to establish a branch in Kigali. The Aga Khan is creating a university and a medical school to serve the East African countries at the highest level of international standards. Many countries have established academies of science, joined together in the African Academy of Science. The panels at this meeting demonstrate Angola s commitment to building this capacity to serve society. Topics such as food security, nutrition, environment, climate change, natural disasters, conservation, biodiversity, public health, pandemics and many others are important for Angola and other countries of Africa. Today S and T knows no geographic or discipline boundaries and Angola is clearly joining the global community as it deals with the problems faced by its own society. Resource wealth will not last over the long term, but Angola has a remarkable opportunity to build a diverse economy 20

21 PAINEL II A investigação científica no reforço da seg. alimentar e nutricional Nome: Teixeira Bige Grau Académico/Formação: Doutor (PhD) Título profissional: Docente universitário Instituição: Estação Experimental Agrícola de Malanje / Ins. de Invest. Agronómica Função/ocupação: Instituto de Investigação Agronómica MINADER Cidade/País: Malanje, Angola Eficiência da selecção clonal em Mandioca (Manihot esculenta Crantz) no melhoramento genético para resistência contra doenças e pragas Teixeira Bige Palavras-chave: selecção clonal, ideotipos, doenças e pragas da mandioca A selecção clonal compreende todas as práticas que levam a manutenção do standard qualitativo duma cultivar e ao isolamento de clones, isto é a constituição de novas variedades agronomicamente renomadas, sem a passagem por alguma fase de propagação gâmica. Pressuposto constitui a base dum trabalho de melhoramento genético em curso na cultura de mandioca que se propõe à constituição breve de novas variedades, com boas características agronómicas (morfologia da planta, elevada produtividade e alto padrão qualitativo), resistentes às viroses e à podridão radicular, tolerantes às bacterioses, à mosca branca e aos ácaros, que são os maiores problemas que limitam o desenvolvimento dessa importante espécie nas regiões mais importantes do seu cultivo em Angola. A pesquisa em referência já produziu os primeiros resultados positivos com a selecção e desenvolvimento de 3 clones que apresentam as características dos ideotipos indicados. A metodologia de selecção baseou-se na observação sistemática em campo de materiais cultivados com apreciável variabilidade para as características de interesse e a individuação de genótipos superiores. Os clones inicialmente identificados satisfazem em 3 anos de ensaios os requisitos dos ideotipos desejados e são propostos a dar respostas às problemáticas agronómicas e fitossanitárias acima referidas, que afligem os camponeses e agricultores do nosso País, com relação sobretudo a mandioca doce. 21

22 Nome: André Loução Bongo Grau Académico/Formação: Lic.em Agronomia) Título profissional: Eng. Agrónomo Instituição: FCA/Univ. José Eduardo dos Santos, Huambo. Função/ocupação: Investigador científico Cidade/País: Huambo, Angola INFLUÊNCIA DA DATA DE SEMENTEIRA NOS PARÂMETROS DE RENDIMENTO DA CULTURA DE SOJA (Glycine max. (L.) Merrill), NA FAZENDA EXPERIMENTAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, NA REGIÃO DE NGONGOINGA André Loução Bongo e Imaculada da Conceição Henriques Matias Palavras-chave: Cultura de Soja, data de Sementeira, Rendimento A soja (Glycine max (L.) Merrill), é uma cultura de grande importância económica, considerada fonte de proteína barata. Com o objectivo de avaliar a influência da data de sementeira nos parâmetros de rendimento e rendimento da cultura de soja, variedade conquista, instalouse um ensaio na Fazenda Experimental da Faculdade de Ciências Agrárias, na localidade de Ngongoinga, província do Huambo de Outubro de 2012 a Abril de O delineamento experimental empregado foi o de blocos causalizados, com cinco repetições (R). Os parâmetros analisados foram altura da planta aos 60 e 90 dias, o número de ramos aos 30 e 60 dias depois da germinação, a altura da inserção da primeira vagem, número de vagem por planta, número de grãos por planta e rendimento final (t/ha). Os parâmetros analisados foram submetidos à análise de variância e comparação de médias pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade, verificando diferenças significativas entre repetições, a sementeira realizada nos dias 20 de Outubro, 24 de Novembro e no dia 15 de Dezembro foram as que alcançaram melhores desenvolvimento nos parâmetros avaliados, em contra partida, a falta de chuva registada nas fases críticas de, germinação e enchimento de grão contribuíram para fraca germinação, desenvolvimento e rendimento final para a sementeira realizada no dia 3 de Novembro, já para as sementeiras realizadas nos dias 15 de Dezembro, 20 de Outubro e 24 de Novembro alcançaram maiores rendimentos na ordem dos 6,75 a 6,99 t/ha. 22

23 Nome: Vladimir Vl. Kuznetsov Grau Académico/Formação: DSc. and PhD in Biology Título profissional: Corresponding Member of the Russian Academy of Sciences, Full Professor Instituição: Timiryazev Institute of Plant Physiology, RAS Função/ocupação: General Director Cidade/País: Moscovo, Russia Copper excess differently affects a set of heavy metal-related genes in roots and leaves of juvenile oil rape plants Kuznetsov Vl.V., Zlobin I.E. and Kholodova V.P. Timiryazev Inst. of Plant Physiology, Russian Academy of Sciences, Botanicheskaya ul. 35, Moscow, Russia Keywords: copper, excess, rape, transcript, transporter, chelator Abstract The oil rape plants (Brassica napus L.) possess high tolerance to heavy metals including copper but its mechanisms have not been fully investigated. The aim of the study was to evaluate effects of copper excess on the transcription of several genes, involved in metal homeostasis in plants, including heavy metal transporters ZIP5, YSL2 and NRAMP4, heavy metal chelators phytochelatin synthase PCS1, metallothioneins MT1a, MT2a, MT2b and MT3, and genes of nicotianamine synthases NAS1 and NAS2. Juvenile rape plants were grown during 32 days on modified Hoagland solution, and then CuSO 4 was added to 50 and 100 µm final concentrations. Levels of gene transcripts were analyzed by semiquantitative RT-PCR. Transcription level of MT2a, MT3 and NAS1 genes did not change in response to high copper concentrations; other genes were affected by copper excess either in leaves or in roots. Among transporter-coding genes NRAMP4 transcription increased in leaves 16-fold, and ZIP5 and YSL2 transcription increased in roots 10- and 5-fold, respectively. Among chelator-coding genes, in roots it was observed rapid 12-fold increase in transcript level of PCS1 gene, with subsequent 4-fold increase in expression of MT2b gene. In leaves under copper excess, MT1a gene transcript level gradually increased 4-fold. Only NAS2 gene transcript level substantially decreased in roots; in leaves it was very low and didn t change in response to copper excess. Thus, the response to excessive copper amounts induced more changes in gene expression in roots, than in leaves; genes, involved in the adaptation, were different between roots and leaves. 23

24 Nome: Ntsoaki Joyce Malebo Grau Académico/Formação: PhD in Microbiology Título profissional: Univ. Teacher Instituição: Central Univ. of Technology Função/ocupação: Unit of Applied Food Science and Biotechnology, Dep. of Life Science Cidade/País: Bloemfontein, South Africa Assessments of antifungal antimitochondrial properties of selected essential oils in South Africa. N.J. Malebo Palavras-chave: Antimicrobials, essential oils, food safety, microscopy Numerous studies have revealed that essential oils have antimicrobial activities including African essential oils. However, below 10% of African biodiversity has reportedly been evaluated. Due to their reported antibacterial, antifungal and antioxidant properties they can be included in many foods as natural additives or bio-preservatives. Additionally they can be used during post-harvesting to inhibit or minimize microbial contamination, ensuring food safety. The current study evaluated the antimicrobial properties and mode of action of commercially available South African essential oils using the agar diffusion method. Antimicrobial activity of Citronella, Rose geranium and Thyme essential oils were tested against the yeast E. Ashbyii and filamentous fungi M. circenelloides. Results indicated that essential oils selectively inhibited growth of the yeast and the filamentous fungus. Furthermore, light microscopy, AZ100 and scanning electron microscopy indicated that essential oils act against fungi by targeting cell morphology and cells with increased mitochondrial activity.the current study revealed the antifungal activity of tested essential oils, additionally, the current study indicates that these oils also act as anti-mitochondrials. These results could be useful in the food industry in possibly reducing post-harvest contamination and ensuring food safety. 24

25 Nome: Maria Amélia Martins-Loução Grau Académico/Formação: Doutora (PhD) Título profissional: Prof. Catedrática Instituição: Centro de Biologia Ambiental, Fac. de Ciências da Univ. de Lisboa Função/ocupação: Vice-Reitora Univ. Lisboa (até 2012) Cidade/País: Lisboa, Portugal Oradora convidada Investigação transdisciplinar em prol da sustentabilidade ambiental, qualidade da alimentação e saúde humana. Maria Amélia Martins-Loução Palavras-chave: investigação transdisciplinar, fertilizantes, sustentabilidade Desde que em 1973, James Lovelock e Lynn Mangulius reconheceram que a Terra é um sistema integrado, os cientistas compreenderam a necessidade de procurar definir uma sustentabilidade a nível global. A noção de sustentabilidade é por si um conceito polémico e exige transdisciplinaridade e integração de resultados por forma a criar um nexo sustentável entre o Homem e o ambiente. Apesar de ser familiar o termo interdisciplinar, transdisciplinar, que pressupõe uma abordagem horizontal de disciplinas por forma a resolver problemas do dia-a-dia, é ainda muito pouco praticado e compreendido. A integração, apesar de necessária, tem ainda muitas limitações. Esta comunicação pretende demonstrar o papel da transdisciplinaridade e da integração na investigação de três problemas do mundo real contemporâneo: (i) sustentabilidade ambiental, (ii) produção de alimento; (iii) saúde humana. Estes problemas pressupõem, por sua vez, a compreensão de três dimensões: (i) integração científica, através de disciplinas (naturais, sociais e humanas); (ii) integração internacional, desde o local ao global, mesmo atravessando culturas e tradições diferentes; (iii) integração sectorial, envolvendo ciência e sociedade. Os problemas aqui referidos estão directamente relacionados com os fertilizantes, produtos químicos que no início do séc. XX revolucionaram e industrializaram a agricultura e com os quais, e através dos quais, o Homem tem hipotecado a qualidade do produto alimentar que consome, a saúde pública e a integridade dos ecossistemas. 25

3ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia

3ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia República de Angola Ministério da Ciência e Tecnologia 3ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia A Ciência, Tecnologia e Inovação ao serviço da sociedade Luanda, 11 13 de Setembro de 2013 Datas

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T A cooperação Bilateral Angola - Portugal: estado atual e reforço futuro WORKSHOP PROGRAMA HORIZONTE 2020: COOPERAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO ENTRE ANGOLA E A UNIÃO EUROPEIA Luanda, 3 e 4 de outubro

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INTERVENÇÃO DE SUA EXCIA, MINISTRA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, PROFª. DOUTORA, MARIA CÂNDIDA PEREIRA, DURANTE A SESSÃO DE ABERTURA DO WORKSHOP SOBRE

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Universidade Agostinho Neto Faculdade de Direito Workshop sobre Formação Pós-Graduada e Orientação A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Por: Carlos Teixeira Presidente

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Belém, 25 de Setembro 2014 Estrutura da apresentação 1. Porque a cooperação com a União Europeia em inovação é importante para o Brasil? 2.

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

Universidade Lusófona

Universidade Lusófona Universidade Lusófona Licenciatura (1º Ciclo) em Ciências da Engenharia - Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director: Prof. Doutor José d'assunção Teixeira Trigo Objectivos: Formação

Leia mais

7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013)

7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013) 7º Programa Quadro Tema ENERGIA O 7ºPrograma Quadro e o PPQ Eduardo Maldonado Coordenador dos Pontos de Contacto Nacionais 7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013) Promoção da carreira de investigação e

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

U. E. M. e ACBF Faculdade de Economia- Programa de Mestrado em Gestão de Políticas Económicas para o PALOPs CURRICULUM

U. E. M. e ACBF Faculdade de Economia- Programa de Mestrado em Gestão de Políticas Económicas para o PALOPs CURRICULUM CURRICULUM 1. Os Objectivos do Curso O objectivo geral do programa EPM, na Universidade Eduardo Mondlane (UEM) em parceria com o African Capacity Building Foundation (ACBF), é combinar as habilidades analíticas,

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO INSTALADORA DO FUNDO NACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO CIENTIFICO E TECNOLOGICO

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO INSTALADORA DO FUNDO NACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO CIENTIFICO E TECNOLOGICO Os Editais de Financiamento das TIC, Segurança Alimentar e Saúde Local: Faculdade de Direito da UAN Data: 06 e 07 de Março de 2014 Luanda República de Angola No âmbito do Programa Horizonte 2020, recentemente

Leia mais

Uma iniciativa: CONCURSO DE IDEIAS SETOR ENERGÈTICO. Regulamento. Com o apoio:

Uma iniciativa: CONCURSO DE IDEIAS SETOR ENERGÈTICO. Regulamento. Com o apoio: Uma iniciativa: CONCURSO DE IDEIAS SETOR ENERGÈTICO Regulamento Com o apoio: Regulamento do concurso para a conceção de um produto inovador na área da Energia Renovável - Fotovoltaico, CPV, gestão da energia

Leia mais

Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark

Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark Lisboa, 10 de Junho de 2011 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. PRODUÇÃO CIENTÍFICA 5 3. FACTORES DE IMPACTO 9 4. FINANCIAMENTO DE I&D 11 Nota Prévia:

Leia mais

A Institucionalização e Reconhecimento das Instituições Públicas de Investigação Científica, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação

A Institucionalização e Reconhecimento das Instituições Públicas de Investigação Científica, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação A Institucionalização e Reconhecimento das Instituições Públicas de Investigação Científica, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação 4ª Conferência sobre a Ciência e Tecnologia Prof. Doutor João Sebastião

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

A EERA E NO ÂMBITO DO SET PLAN

A EERA E NO ÂMBITO DO SET PLAN Associados: A EERA E AS INICIATIVAS INDUSTRIAIS EUROPEIAS NO ÂMBITO DO SET PLAN EERA MEETING AUDITÓRIO DO LNEG, 18 JULHO 2011 JOAQUIM BORGES GOUVEIA MEMBRO DO CONSELHO CIENTÍFICO ENERGYIN TERESA BERTRAND

Leia mais

WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA A JICA E SEU PAPEL NO CONTEXO DE PROJETOS DE MEIO AMBIENTE, BIOMASSA E AGROENERGIA

WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA A JICA E SEU PAPEL NO CONTEXO DE PROJETOS DE MEIO AMBIENTE, BIOMASSA E AGROENERGIA WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA A JICA E SEU PAPEL NO CONTEXO DE PROJETOS DE MEIO AMBIENTE, BIOMASSA E AGROENERGIA INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE JICA LINHA DE ATUAÇÃO DA JICA

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

25 parceiros em rede

25 parceiros em rede CAAST-NET PLUS: EU-Africa knowledge and network support to HLPD Cooperaçãoeminvestigaçãoe inovaçãoentre África sub-sariana e Europa Maria Maia, FCT, Portugal caast-net-plus.org CAAST-Net Plusé um projeto

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013)

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013) Sessão de Apresentação de Oportunidades de Financiamento para as PME 7º Programa-Quadro de I&DT da União Europeia Investigação para as PME Margarida Garrido margarida.garrido@gppq.mctes.pt Santarém, Escola

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Conferência Internacional

Conferência Internacional Lisboa, 18, 19 e 20 NOV. 2010 combaterpobreza@iscsp.utl.pt ORGANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO CONSELHO CIENTÍFICO COMISSÃO ORGANIZADORA ENQUADRAMENTO LOCAL ANTEVISÃO DO PROGRAMA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÕES

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

4.ª Conferência FORGES. Da Avaliação e Reforma Curricular às Redes das Faculdades de Medicina: O Caminho da Qualidade (Angola, 2002-2014)

4.ª Conferência FORGES. Da Avaliação e Reforma Curricular às Redes das Faculdades de Medicina: O Caminho da Qualidade (Angola, 2002-2014) 4.ª Conferência FORGES A expansão do Ensino Superior nos Países de Língua Portuguesa: desafios, estratégias, qualidade e avaliação Da Avaliação e Reforma Curricular às Redes das Faculdades de Medicina:

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

Hypercluster do mar. Setembro 2009

Hypercluster do mar. Setembro 2009 Hypercluster do mar Setembro 2009 Hypercluster do mar Segurança Marítima Projecto MarBIS Fórum cientifico e tecnológico Considerações finais 2 Hypercluster do mar Parcerias com empresas petrolíferas com

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

Programa de Estágios Comunitários. Ontem, Hoje e Amanhã. Estagiocomunitario@yahoo.com.br

Programa de Estágios Comunitários. Ontem, Hoje e Amanhã. Estagiocomunitario@yahoo.com.br Programa de Estágios Comunitários Estágios Comunitários Ontem, Hoje e Amanhã Estagiocomunitario@yahoo.com.br Introdução O Programa de estágios comunitários é um projecto que nasceu a partir da experiência

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS NOTA INFORMATIVA A. Plano Nacional de Formação de Quadros, Instrumento de Execução da Estratégia Nacional de Formação de Quadros 1. Por Despacho de 16 de Novembro

Leia mais

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Unidade curricular História do Direito Português I (Doutoramento - 1º semestre) Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais Carlos Manuel Serra Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais destaque para os petrolíferos e mineiros

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Prof. Dr. Igor Renato Bertoni Olivares Top 02 in analytical chemistry Impact Factor - 6,6

Leia mais

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA 1º PERÍODO TEMAS / CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS O ALUNO DEVERÁ SER CAPAZ DE: BLOCOS (90 min) ALGUMAS SUGESTÕES DE EXPERIÊNCIAS

Leia mais

Braskem Máxio. Maio / May 2015

Braskem Máxio. Maio / May 2015 Maio / May 2015 Braskem Máxio Braskem Máxio Braskem Maxio é um selo que identifica resinas de PE, PP ou EVA dentro do portfólio da Braskem com menor impacto ambiental em suas aplicações. Esta exclusiva

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

7.º Encontro de Educação Ambiental

7.º Encontro de Educação Ambiental 7.º Encontro de Educação Ambiental Divulgação de práticas e partilha de experiências LIVRO DE RESUMOS 1 e 2 junho de 2015 Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança 1 Apresentação O

Leia mais

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP 23/05/2013 desafio-impacto-confap-20130522.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Desafios para a

Leia mais

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário Nota Explicativa O Estudo Prospectivo da Fileira Florestal" tem como objectivo iniciar um processo de caracterização na óptica da inovação e transferências de tecnologias de de uma visão de conjunto integrada

Leia mais

GOVERNANÇA NACIONAL E REGIONAL DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EXPERIÊNCIA DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA (PALOP)

GOVERNANÇA NACIONAL E REGIONAL DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EXPERIÊNCIA DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA (PALOP) MULTI STAKEHOLDERS PARTICIPATION IN THE CFS BUILDING INSTITUTIONS FOR NATIONAL AND REGIONAL FOOD SECURITY AND NUTRITION GOVERNANCE Side Event to the FAO Regional Conference for Africa Luanda, Angola, 5th

Leia mais

RELATÓRIO FINAL TREINAMENTO EM TÉCNICAS DE CAPTAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ÁGUA DAS CHUVAS

RELATÓRIO FINAL TREINAMENTO EM TÉCNICAS DE CAPTAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ÁGUA DAS CHUVAS RELATÓRIO FINAL TREINAMENTO EM TÉCNICAS DE CAPTAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ÁGUA DAS CHUVAS REDE DE EXTENSÃO DE CHÓKWÈ E GUIJÁ Chókwè, 26 a 28 de Maio de 2009 Compilado por: Paiva Munguambe Mário Chilundo Cláudio

Leia mais

IICT Qual a Relevância de um Instituto de Investigação orientada para os Trópicos

IICT Qual a Relevância de um Instituto de Investigação orientada para os Trópicos Audição Conjunta Presidentes dos Laboratórios do Estado Funcionamento e financiamento dos Laboratórios Aplicação das recomendações internacionais IICT Assembleia da República.02.27 IICT Qual a Relevância

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Controlo da Qualidade da Água de Abastecimento Público Concelho de Oliveira de Azeméis

Controlo da Qualidade da Água de Abastecimento Público Concelho de Oliveira de Azeméis Gestão da Qualidade Controlo da Qualidade da Água de Abastecimento Público Concelho de Oliveira de Azeméis Cláudia Silva Ferreira n.º 3294 - LEAL Objectivos Assegurar a qualidade da água para consumo humano

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho Título: Direção e Taxa (Velocidade) de Acumulação de Capacidades Tecnológicas: Evidências de uma Pequena Amostra de Empresas de Software no Rio de Janeiro, 2004 Autor(a): Eduardo Coelho da Paz Miranda

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 P. Quando entrará em funcionamento o PNAAS? O Plano Nacional de Acção Ambiente e Saúde (PNAAS) foi aprovado pela Resolução de Conselho de Ministros

Leia mais

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 27 de Outubro de 2009 9:21 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

6ª Reunião, ISEP, Porto 27 Novembro 2013 AGENDA

6ª Reunião, ISEP, Porto 27 Novembro 2013 AGENDA 6ª Reunião, ISEP, Porto 27 Novembro 2013 O projeto Building SPP O projeto Building SPP da Unidade de Produção Consumo Sustentável do Laboratório Nacional de Energia e Geologia () tem como objetivo desenvolver

Leia mais

Landscape, Lifestyles, Livelihoods. Triple helix da Construção Sustentável

Landscape, Lifestyles, Livelihoods. Triple helix da Construção Sustentável MEC, 4º ano, 1º sem, 2008-09 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Landscape, Lifestyles, Livelihoods Triple helix da Construção Sustentável 12ª aula Maria do Rosário Partidário Conteúdo

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Cristina Carreiras Pedro Baptista APA, 25-06-2015 LIFE 2014-2020 Áreas Prioritárias Subprograma Ambiente Ambiente

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

A utilização de um rotor mecânico na colheita de azeitona

A utilização de um rotor mecânico na colheita de azeitona A utilização de um rotor mecânico na colheita de azeitona Arlindo Almeida 1 ; José Peça 2 ; Anacleto Pinheiro 2 ; Luís Santos 3 ; António Dias 2 ; João Lopes 4 ; Domingos Reynolds 5 (1) Centro de Investigação

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais