Naruto Cronicas Secretas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Naruto Cronicas Secretas"

Transcrição

1 Naruto Cronicas Secretas 03 - Ei sensei... Já estamos chegando? - Hahaha! Poupe o fôlego, Kensuke-kun. falou Masaro Kotetsu rindo - Três dias de caminhada ainda nos separam de Takumi. - TRÊS DIAS INTEIROS?! Ah! Eu devia ter comido alguma coisa antes de sair de casa. Masaro Kotetsu, Jiyo Aoku, Kensuke Akinori, Jun Hyuuga e o estranho e gorducho comerciante conhecido como Sr. Odai caminhavam com suas respectivas mochilas nas costas rumo à Takumi, a vila ninja do País do Rio. Apenas algumas horas haviam se passado desde que os cinco cruzaram o Arco da Vila da Folha. Entretanto, o sol já estava baixo no horizonte e o crepúsculo se aproximava cada vez mais. Um brilho laranja banhava os personagens ao passo que nuvens negras começavam a preencher o céu. A barriga de Kensuke roncava de minuto a minuto e tudo que o garoto queria era uma boa refeição em volta de uma fogueira. Sua cabeça foi lançada a frente quando uma coisa o acertou com vontade. - Mas o q-- - se virou e algo novamente acertou sua testa Querem parar com isso?! Jiyo e Jun soltaram risadas quando mais uma esfera vermelha foi lançada na direção do colega. - Se está com fome, é melhor comer. disse Jiyo rindo. - Esse barulho já está irritando. completou Jun. Kensuke olhou para a fruta que conseguiu segurar e resmungou: - Essa maçã minúscula não vai nem tapar o buraco do meu estômago. - Se não quiser, devolva então. falou o Hyuuga. - Ah, vou devolver sim. e comeu até só restar o miolo Toma pra você! atirou o que sobrou dela no rapaz e logo em seguida saiu correndo. - Vou fazer você engolir isso, moleque atrevido! - Eu não sei, Masaro-san... Esses três... murmurou Odai para o jounnin, que assistia junto ao comerciante os dois adolescentes correndo como crianças, como se tudo aquilo fosse uma grande brincadeira e nada ao redor importasse. O homem de cabelos vermelhos apenas deu um sorriso nervoso quando Jun segurou Kensuke num mata leão, repetindo Vai comer, vai comer! tentando enfiar o miolo da maçã por goela abaixo do outro, que apenas resmungava desesperado não, não!. - Sr. Odai, eles podem parecer simples garotos à primeira vista. disse Masaro com um semblante gentil - Mas como disse antes, isso seria um julgamento muito precipitado. Eles possuem uma força que ultrapassa a minha compreensão. E com certeza, eles são os mais capacitados para fazerem esse serviço. O homem roliço apenas resmungou um hum de desprezo e continuou caminhando, sem nada mais a dizer. - Jiyo! Ajuda aqui! gritou Kensuke desesperado, tentando se livrar dos braços do Hyuuga. - Eu não! Você que começou, agora agüenta! Antes que pudesse reagir, uma gargalhada sinistra chegou até os ouvidos dos cinco, imobilizando a todos. Jun largou o colega, que caiu ao chão. O semblante dos três se encheu de seriedade enquanto corriam de volta para perto do Sr. Odai. Colocaram-se ao redor dele, prontos para lutar, quando viram uma figura surgir na estrada, empunhando uma espada de forma ameaçadora. - Seus pertences ou a vida! disse o bandido. - A vida. respondeu Jun com sarcasmo A SUA! O homem deu mais uma risada e assoviou. Cerca de uma dúzia de ladrões saíram de trás das árvores próximas à estrada e cercaram o grupo.

2 - Jun! Vá para a linha de frente! Eu protejo Odai. ordenou Masaro, retirando a própria kunai. - Entendido! O líder daquele bando de assaltantes deu o sinal e seus homens avançaram. Então a luta começou. Kensuke escolheu o lado noroeste para cobrir. Correu até um dos bandidos com a espada em mãos, desferindo um corte raso de um lado ao outro do abdome do primeiro, insuficiente para rasgá-lo, mas mais do que o necessário para deixá-lo fora de combate. Mais três se juntaram à briga e a lâmina de uma kusari gama passou de raspão pelo peito do garoto. Alertado pelo golpe, conseguiu se defender do restante dos ataques, utilizando sua espada. Do lado nordeste, era Jiyo quem agia. - Desistam! gritou enérgico - Suiton: Suishouha! 1 Após terminar o jutsu, um grande volume de água saiu de sua boca, acertando os inimigos com grande força, empurrando-os de encontro às árvores. - Esses já eram. - N-não... não é possível! Quem são esses moleques?! balbuciou o líder do bando, vendo seus homens facilmente derrotados por todos os lados. - Você é meu! disse Jun ameaçadoramente, correndo até o homem. - PEGUEM ELE! gritou para os comparsas, que imediatamente entraram na frente, com martelos e espadas em punhos. Os três homens atacaram o Hyuuga e por um segundo, seu líder deu um sorriso de satisfação. Mas durou pouco... O jovem desviou de todos os golpes e contra atacou com habilidade e poder. - Saiam do meu caminho! uma seqüência rápida foi o bastante para arremessar os ladrões longe, fazendo-os cair desacordados. O adolescente continuou sua trajetória até o líder e, pegando velocidade, acertou-lhe uma espalmada no tórax que fez o homem perder o ar. Este saiu rodopiando no caminho de terra batida por alguns metros, até parar, completamente fora de prontidão. O combate tinha terminado. - O que faremos com eles agora? perguntou Jiyo quando ele e os outros gennins terminaram de amarrar os ladrões desmaiados. Masaro retirou a kunai e cortou a própria mão superficialmente, deixando algumas gotas de sangue caírem. Os estudantes ficaram em volta, atentos. Após executar alguns selos, o jounnin colocou a mesma mão ferida no chão. - Kuchiyose no Jutsu! 2 Após um barulho e um pouco de fumaça, apareceu um animal pequeno, no local exato que Masaro tinha posto a mão. Os três gennins chegaram ainda mais perto, cheios de curiosidade. - Olá. disse o gato negro gentilmente. Vestia uma faixa amarela com um símbolo que representava relâmpago de um lado e o número 99 do outro. - Olá Kyukyu-chan. respondeu Masaro retribuindo o sorriso. 1 Suiton: Suishouha (Libertação da Água: Ondas de Água) 2 Kuchiyose no Jutsu (Técnica de Invocação)

3 - Masaro-chan! Quanto tempo! Você cresceu bastante. continuou o animal contente, olhando para o jounnin com indiscrição E o que tem aprontado? Esses são seus filhotes? perguntou se voltando para os garotos. - Ahahahaha! Kyukyu-chan! Continua bisbilhoteiro como sempre! Não, não. Eles são meus alunos. - Ah sim. Hehe! - Masaro-sensei... chamou a voz de Kensuke e o homem olhou para trás. Encontrou os três adolescentes em choque Esse gato FALA! - Mas é claro que fala. Kyukyu aqui faz parte do Clã Secreto dos Felinos Ninjas de Konoha. - Um gato-ninja? Isso sim é estranho. Mais estranho do que falar... - Ninja ou não, ele continua fofinho! falou Jiyo pegando o gato no colo, coçando seu pescoço. O animal começou a ronronar. - Er... Kyukyu-chan... o homem de cabelos vermelhos ficou sem graça e limpou a garganta pra chamar a atenção - Eu te chamei aqui porque tenho uma tarefa. Por favor, vá até Konoha e avise os Ninjas Captores que temos encomendas aqui. apontou para os bandidos amarrados. - Entendido! o gato pulou do colo do gennin e começou a correr numa velocidade incrível, desaparecendo da vista de todos em questão de segundos. - Que rápido... murmurou Jun pasmo. - Sensei, eu estava aqui pensando... começou Jiyo meditativo Esses caras... Será que eles não trabalham para alguém? Tentaram nos emboscar, talvez soubessem que viríamos para estes lados. Sabe como é. Temos que ter cuidado com todos. - Hmm. Eu entendo sua preocupação, Jiyo-kun. Ainda mais depois do que passaram. Mas eles parecem simples salteadores de estradas para mim, nada mais. - Entendo... Mas mesmo assim, eu vou ficar aqui de olho neles, até os ninjas de Konoha virem buscá-los. Podem ir na frente. Alcanço vocês depois. - Isso não será necessário. - Huh? Mas sensei... Masaro não respondeu de imediato. Andou para um local mais aberto e executou os mesmos selamentos com as mãos. - Não se preocupem disse o homem - Goju ficará de guarda. Kuchiyose no Jutsu! De um circulo, dessa vez ligeiramente maior, saiu um grande felino parecido com um tigre, completamente branco e sem as listras costumeiras. Sua faixa era vermelha com o símbolo vigor de um lado e o número 50 do outro. Ao perceber os humanos em volta, o animal soltou um rugido ameaçador, se colocando em posição de combate. - Calma, calma Goju-san! Não estamos aqui para brigar. disse Masaro depressa e ligeiramente nervoso. - Huh? Masaro-dono? respondeu o animal ainda em dúvida, com uma poderosa voz Faz anos que não me convoca. Espero que tenha um bom motivo para a minha ilustre presença. Um bom combate, talvez? Estamos caçando algo? Nenhum obstáculo é páreo para o poderoso Goju, Rei dos Felinos! pronunciou fazendo pose. - Esse aí é bem cheio de si, não acham? murmurou Kensuke baixinho para os dois colegas Duvido que seja rei de alguma coisa além do próprio rabo. - Bem, Goju-san... começou homem de cabelos vermelhos, meditando bem nas palavras que se seguiriam preciso do seu magnífico poder para tomar conta desses pilantras, até que os Captores de Konoha cheguem. Eu o convoquei porque sei que nada nesse mundo pode intimidar sua valentia, ó grande felino das montanhas! - Mas o que o Masaro-sensei está fazendo? perguntou Kensuke pasmado, ainda em tom baixo. - Não é obvio? respondeu Jiyo escondendo o riso - Está jogando o jogo dele.

4 - Enquanto permanecer aqui, eu estarei tranqüilo sabendo que nenhum desses bandidos tentará sequer abrir os olhos, com medo de enfrentar sua fúria. continuou o jounnin com a bajulação. - Hmm... Tem razão, Masaro-dono. concordou o felino de peito cheio Talvez seja realmente necessário meu auxílio. Siga seu caminho em paz. Eu estarei no comando por aqui. soltou mais um grande rugido. - Excelente. O manto negro da noite e suas estrelas caíram sobre a estrada, não dando outra opção aos viajantes além de montar um pequeno acampamento para recobrarem suas forças. O local era agradável e bem localizado. De um lado, erguia-se uma imponente floresta, com suas árvores altas e fechadas, e do outro um riacho de águas cristalinas com peixes em abundância. Todos pareciam contentes com o pequeno descanso em frente à fogueira. Ou pelo menos, quase todos... - Mas que acampamento mixuruca este viu. resmungou o gorducho sentado numa pedra - Logo eu, um rico comerciante do país do rio, tendo que me sujeitar a isso... - Você pode dormir embaixo da árvore se preferir. soltou Kensuke. O Hyuuga saiu de perto da fogueira onde estava e passou pelo garoto, puxando-o pelo braço. Jiyo, que estava junto à Masaro, terminando os preparativos da barraca, deu um risinho sem conseguir se segurar, fazendo o sensei o encarar com reprovação. - Sejam educados com o senhor Odai. falou o jounnin, se dirigindo também à Kensuke. - Er... desculpe... murmurou Jiyo sem graça. Jun conduziu o colega até onde suas vozes não poderiam ser ouvidas. - O que você quer hein? - Escute aqui, Kensuke, e escute bem. Uma coisa que eu aprendi nessa vida é que quando falam conosco, a gente responde com educação. Mas se for uma pessoa em uma posição superior, a gente não deve falar nada. - Eu deveria estar em um hotel cinco estrelas, comendo e bebendo do melhor, e não aqui no meio do mato, como um animal silvestre. continuou o comerciante a reclamar. - Sr. Odai, esse acampamento é necessário, fora da estrada e longe de trilha de animais... É mais seguro desta maneira. Não queremos chamar a atenção de encrenqueiros. disse Jiyo com seu melhor sorriso otimista. Masaro, ainda em sua briga para colocar a tenda de pé, sussurrou para o aluno: - Mas bem que ele podia ter pagado um pouco mais e comprado barracas melhores. - Isto é verdade, mas é bom o contato com a natureza. respondeu Jiyo ainda sorrindo. - Você não entendeu e aí sim o homem fez uma cara desesperada - as barracas que trouxemos não são a prova d água! - Então a gente só pode esperar que não chova. - Esse seu otimismo me espanta... resmungou Huh? o jounnin percebeu o murmurinho dos dois outros alunos ao longe. Terminou de ajeitar a barraca e se dirigiu até eles. - Ele é apenas um cara pomposo! exclamou Kensuke - Eu não lhe devo respeito algum! Vocês podem tratá-lo como desejarem, mas eu não vejo ninguém diferente de ninguém pelo peso das moedas que carregam! - Você tem que se lembrar do que nós estamos fazendo aqui, do que nós representamos. protestou Jun friamente Estamos nessa missão representando Konoha. Aquele homem é nosso trabalho, goste você ou não. Então tente pelo menos ser um pouco mais educado. - Essa foi a vida que escolhemos. completou Masaro sério, chegando entre os dois E além do mais, vocês estão fazendo muito barulho e eu preciso do meu sono de beleza.

5 Kensuke abaixou a cabeça, ainda emburrado. Jun soltou um suspiro. - Só podia ser isso... resmungou o Hyuuga - Durma o quanto quiser, sensei. Eu pego o primeiro turno da vigia. - Eu estava para indicar o Kensuke-kun, mas já que se ofereceu de tão boa vontade... - Valeu Jun! disse Kensuke se animando Você salvou o meu pescoço! - Não tão depressa, pequeno de cabeça quente com uma espada. Você se encarregará do segundo turno. avisou o jounnin fazendo o rapaz amarelar. - Mas que maravilha, me sinto bem melhor agora! falou Jiyo chegando à conversa, super animado - Vou dormir sossegado essa noite. - Isso é bom. voltou Masaro a falar com um sorriso de raposa - Vai precisar de disposição para acordar de madrugadinha para o terceiro turno de vigia, Jiyo-kun. - Er... eu não tinha pensado nisso direito... resmungou o garoto abobado. Jun deu uma risada debochada. - Eu estarei dentro da barraca protegendo o Sr. Odai. Qualquer coisa suspeita, me avisem. preveniu o instrutor. - Barraca é? Hmm... Espero que não chova. murmurou Jiyo se lembrando do que Masaro dissera sobre as precárias condições a que estavam submetidos Apesar de que, mesmo que não chova, pode ser que alguém se molhe essa noite. e abriu um sorriso maldoso. Jun pulou de onde estava. - Só se for você molhando suas calças! esbravejou ele, estranhamente irritado. Kensuke soltou uma sonora gargalhada, sem se preocupar de ser ouvido. - C-Calma, Jun-san! Não é de você que eu estou falando não! disse Jiyo depressa tentando controlar o amigo. - Hahaha! Vocês não têm jeito mesmo! riu o jounnin Acho que só vão aprender a trabalhar em equipe no dia que eu aposentar. Bom - bocejou descaradamente - vou indo. Tentem não se matar, por favor. E sem barulho! Dito isso, o homem seguiu para dentro da barraca, logo depois do comerciante, deixando os gennins sozinhos no sereno. - Eu também vou dormir, já que pegarei o turno da madrugada... falou Jiyo não mais tão animado. - Você tem sorte, eu sou o segundo. resmungou Kensuke, acompanhando o colega para perto da fogueira. - Tudo bem aí, Jun-kun? perguntou Jiyo deitando-se na grama. O garoto apenas deu um aceno indicando que sim, e os dois adolescentes fecharam os olhos, sem hesitar. Os minutos seguiram num ritmo lento e inexorável enquanto Jun permanecia como sentinela para os corpos adormecidos de seus companheiros. As horas passaram. Uma, duas, três... O Hyuuga, tendo cumprido sua função de guarda, suspirou aliviado com o momento de acordar o próximo na escala, Kensuke, que dormia tranquilamente junto à Jiyo, de frente para a fogueira. - Oi... Akinori-san... murmurou baixinho para não acordar os outros, enquanto sacudia o rapaz. - Mas... já...? resmungou descrente e trôpego. - Sim. - Tudo bem, tudo bem... Já vou, já vou... levantou cambaleante, seguindo até o riacho para lavar o rosto. Jun se sentou no lugar desocupado pelo colega, exausto. Seus olhos piscaram refletindo o brilho do fogo e antes que pudesse perceber, tinha se deitado. Mas algo não o deixava adentrar o mundo dos sonhos. Um

6 barulho o chamava de volta à realidade. Olhou para o lado e viu Jiyo roncando como um motor. Com a perna mais próxima, empurrou o amigo de leve, fazendo-o ficar de lado, e então o barulho cessou. - Velhos hábitos não mudam. murmurou para si mesmo, com um sorriso gentil. Lembrou-se de sua infância, da amizade de longa data com Jiyo... Era engraçado como os anos se passaram depressa e pouca coisa havia mudado entre eles. Entretanto, a confiança e o respeito mútuo era um fator que aumentava a cada dia. Guardando essas coisas consigo, o Hyuuga se acomodou mais uma vez no chão, procurando a melhor posição para dormir. Porém, antes que pudesse fechar os olhos, certificou-se de que Kensuke tinha voltado. - Você demorou. Onde estava? perguntou Jun ao recém-chegado. - Tirando água do joelho. Algum problema com isso? - Tudo bem. Vou dormir então. virou de costas para o adolescente e fechou os olhos. Apesar disso, não conseguiu descansar... Sentou-se num solavanco, intrigado. Olhou na direção de Kensuke e encontrou o rapaz também incomodado. - Sensação estranha. disse ele - Você também está sentindo isso? - Estou. Como se... - Alguém estivesse nos observando...? Ambos correram seus olhares pelo perímetro do acampamento, a procura de algo errado. E então, viram em meio à floresta, na sombra de uma das árvores, uma silhueta humana de pé. Mas àquela distância, era difícil enxergar algo mais detalhado com olhos normais. - Byakugan! O Hyuuga então decidiu ativar a kekkei genkai de seu clã, somente para ter a maior surpresa de sua vida até aquele momento. A pessoa além da luz da fogueira era... outro JUN! - O que foi Jun-san? perguntou Kensuke confuso com a reação do amigo. Um momento de hesitação e o Jun-falso avançou em direção ao acampamento. - Cuidado Akinori-san! Kensuke, o mais próximo do inimigo, percebeu a movimentação na floresta e viu o personagem, quando este entrou na área clareada pela fogueira. - Só pode ser brincadeira! bufou juntando as mãos em um jutsu Katon: Endan! 3 A bola de fogo teria atingido seu alvo em cheio se o impostor não tivesse dado um pulo para o lado, fazendo o ataque pegar apenas de raspão em sua perna. Kensuke praguejou. O oponente continuou correndo em sua direção, agora com as mãos abertas, evidenciando que não tinha a mínima intenção de sentar e conversar. - Jun-san! Avise ao Masaro-sensei! Eu seguro esse cara aqui! o espadachim resolveu mudar de tática, sacando a ninja-to que trazia em suas costas. - Está bem! e saiu correndo até a barraca, passando por Jiyo no caminho. Chuto-o propositalmente, impelindo-o a acordar. - OUCH! - Levanta essa carcaça! Temos problemas! gritou o Hyuuga sem parar de correr. - Mas o que está acontecendo? perguntou Jiyo ainda sonolento. Olhou na direção de Kensuke e viu o colega e, aparentemente, Jun em uma luta que parecia muito perigosa para uma simples brincadeira Por que vocês estão brigando? Mas... espera um pouco... Jun?! olhou de volta para o rapaz que corria em direção à barraca e então entendeu... Jun-verdadeiro enfim chegou à barraca e a abriu com rapidez. Mas ao fazer isso, uma forte ventania escapou de dentro dela, cegando o rapaz por um segundo. 3 Katon: Endan (Libertação do Fogo: Bola de Fogo)

7 - Cof cof! Mas o quê? Masaro-sensei? - quando olhou novamente, a tenda estava completamente vazia... Kensuke também não parecia com sorte. Aquele impostor era muito habilidoso. O primeiro golpe de espada faz um talho feio e torto no ombro do outro, mas o seguinte saiu desajeitado e foi desviado com o cotovelo do oponente. - Porcaria... Até nisso você é parecido com ele... Quem é você afinal e o que quer?! Não houve resposta para a pergunta do gennin. A figura exibia um semblante distorcido e estranho. Deu um sorriso maquiavélico quando se posicionou para sua rodada de ataques. - Essa pose... Droga, lá vem bomba! O rapaz se preparou para defender, mas sabia ser impossível... Uma rajada de golpes o atingiu, uma, duas, três, quatro, cinco, seis, sete, oito vezes... O mundo girou e os pulmões de Kensuke gritaram desesperados por ar, a cada acerto. Lágrimas de dor saíram de seus olhos. Jun-impostor então se preparou para o golpe de misericórdia. O corpo do espadachim se envergou para trás e bateu com força no chão quando alguém chegou a seu auxílio como um relâmpago, jogando-o para o lado e tomando seu lugar no combate. Jun-impostor realizou seu último golpe, uma espalmada no coração do oponente. E acertou. - JIYO! gritou o verdadeiro Hyuuga sem acreditar, ao ver em primeira mão o amigo ser lançado no rio pelos golpes próprios de seu clã. Com o instrutor desaparecido, o colega estirado no chão em espasmos nervosos e o melhor amigo dentro do riacho, uma chama se acendeu dentro de Jun, algo estranho e perigoso. Seus olhos albinos lampejaram à luz da lua, exibindo ao tenketsus do farsante. E com um impulso de um tigre selvagem, ele partiu para cima da presa. - Vou lhe mostrar o verdadeiro poder de um Hyuuga! Juukenhou: Hakke Juurokushou! 4 Utilizando-se da técnica ancestral ensinada por seu mestre, o verdadeiro Jun atacou com velocidade e graça mortal, duas vezes, quatro vezes, oito vezes, dezesseis vezes, por fim. Suas mãos voaram em arcos de energia enquanto acertavam o inimigo, provocando pequenas explosões. O último golpe atingiu o meio da testa do impostor, transformando-o literalmente em pó, tamanha potência de chakra contida no ataque. O Hyuuga baixou os braços, arfando. E então se lembrou. - Kensuke! correu até o rapaz e o ajudou a se levantar Tudo bem? perguntou preocupado. - Agora eu sei como o Masaro-sensei é forte... disse ele com um sorriso fraco, mas logo começou a tossir sangue Levar aqueles golpes... cof cof... e continuar de pé... - Pare de falar besteiras. Você tem que se recuperar. olhou para o riacho, preocupado com Jiyo. - Eu sei... cof cof... Mas você tem que admitir... que se eu não tivesse enfraquecido aquela coisa antes, você não teria a menor chance... deu um sorriso malandro. O momento de descontração foi curto. Quando perceberam, mais dois impostores estavam bem ali, de frente para eles. Dessa vez, idênticos a Jiyo e Kensuke. - Guarde o fôlego das piadas, Akinori-san. disse Jun sério encarando os clones Você vai precisar de toda energia disponível agora. Continua. 4 Juukenhou: Hakke Juurokushou (Sinais das 8 Palmas, 16 Pontos das Divindades)

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16 Super é o meu primeiro livro escrito inteiramente em São Paulo, minha nova cidade. A ela e às fantásticas pessoas que nela vivem, o meu enorme obrigado. E esse livro, como toda ficção, tem muito de realidade.

Leia mais

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana:

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: 9º Plano de aula 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: Enraizando e criando raiz (CD-Visualização Criativa faixa 2) 3-História da semana: Persistência X

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

-Ui! -e o tatu saltou e correu.

-Ui! -e o tatu saltou e correu. Clara vive no Rio Negro, nas montanhas da Colômbia. Ela tralha no sítio de café da sua família e freqüenta a escola. Sua parte favorita da escola é quando Carolina e Hilma da Fundação Natura ensinam sua

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo.

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Capítulo um Meu espelho mágico deve estar quebrado Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Jonah está com as mãos paradas em frente ao espelho. Está pronta? Ah, sim! Com certeza estou pronta. Faz

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Cartilha das Brincadeiras

Cartilha das Brincadeiras Cartilha das Brincadeiras Amarelinha (academia, escada, macaca, sapata) Primeiro desenhe no chão um diagrama como este aí ao lado. Quem for jogar fica no inferno e lança uma pedra, mirando no número 1.

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro!

Sei... Entra, Fredo, vem tomar um copo de suco, comer um biscoito. E você também, Dinho, que está parado aí atrás do muro! Capítulo 3 N o meio do caminho tinha uma casa. A casa da Laila, uma menina danada de esperta. Se bem que, de vez em quando, Fredo e Dinho achavam que ela era bastante metida. Essas coisas que acontecem

Leia mais

A.C. Ilustrações jordana germano

A.C. Ilustrações jordana germano A.C. Ilustrações jordana germano 2013, O autor 2013, Instituto Elo Projeto gráfico, capa, ilustração e diagramação: Jordana Germano C736 Quero-porque-quero!! Autor: Alexandre Compart. Belo Horizonte: Instituto

Leia mais

CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó

CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó Uma sala de jantar de uma casa. A mesa está coberta com toalha vermelha. Cadeiras,

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes.

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. I Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. Três vezes. A última foi no dia da execução. Eu não

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15 KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15 A mentira não agrada a Deus Principio: Quando mentimos servimos o Diabo o Pai da mentira. Versículo: O caminho para vida é de quem guarda o ensino, mas o que abandona

Leia mais

Lucas Liberato Coaching Coach de Inteligência Emocional lucasliberato.com.br

Lucas Liberato Coaching Coach de Inteligência Emocional lucasliberato.com.br Script de Terapia de Liberação Emocional (EFT) para desfazer crenças relativas aos clientes que você merece ter. Eu não consigo atrair clientes dispostos a pagar preços altos A Acupuntura Emocional é uma

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos As colinas do outro lado do vale eram longas e brancas. Deste lado, não havia sombra nem árvores e a estação ficava entre duas linhas de trilhos sob o sol.

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Morte no Nilo. Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia.

Morte no Nilo. Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia. Morte no Nilo Vais ficar como uma Múmia Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia. Foge da Terrorlândia Morte no Nilo Vais ficar como uma Múmia Vais passar à História! Anda

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Projeto Gráfico Ilustra Online Revisão Trisco Comunicação Uma história de amor pelo nosso planeta. Coordenação Editorial Ler é Fundamental Produções e Projetos

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

1º Plano de Aula. 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão

1º Plano de Aula. 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão 1º Plano de Aula 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão 3- História Perdoar Sempre 4- Música Uma Luz Dentro de mim. Vol:

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke.

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Brincar às guerras Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Os amigos sentaram-se à sombra do salgueiro a decidir o que fazer. Tens mais balões de água? perguntou Danny.

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. Trabalho Avaliativo Valor: 30 % Nota: Minhas Férias Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro

Leia mais

e apostar tudo nos vídeos foi uma boa. E jogar no computador é o que eu mais gosto de fazer. Sabe o que parece? Que estou entrando em outra dimensão.

e apostar tudo nos vídeos foi uma boa. E jogar no computador é o que eu mais gosto de fazer. Sabe o que parece? Que estou entrando em outra dimensão. capítulo 1 Mas o que eu vou dizer nesse evento? Eu gosto mesmo é de jogar! Passei a semana inteira com essa pergunta na cabeça. Só que, a caminho da Superultramegablaster Expogames Londrina, ao lado do

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

A ovelhinha que veio para o jantar

A ovelhinha que veio para o jantar A ovelhinha que veio para o jantar Oh não! OUTRA VEZ sopa de legumes! queixou-se o lobo, que já era velhinho. Quem me dera ter uma ovelhinha aqui à mesa. Fazia já um belo ensopado de borrego! Eis senão

Leia mais

Pág. 1. Painel Descrição Diálogo

Pág. 1. Painel Descrição Diálogo Mico Leão Dourado Pág. 1 1.1 (PG) Visão geral da árvore onde Chico mora, com os barracos nos galhos, a pequena comunidade na base, com o campinho onde as crianças jogam futebol. Todos estão assistindo

Leia mais

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) BANCO DO BRASIL DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas,

Leia mais

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada?

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada? Levante-se o réu. 6 ...capítulo um Fiquei de pé. Por um momento vi Glória de novo, sentada no banco no píer. A bala acabara de atingir a sua cabeça, de lado, o sangue ainda nem tinha começado a escorrer.

Leia mais

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE

RELATÓRIO DE ATIVIDADE RELATÓRIO DE ATIVIDADE A IMPORTÂNCIA DE CADA ALIMENTO Coordenador da atividade: Thaís Canto Cury Integrantes da equipe: Manha: Bianca Domingues, Fernando Peixoto e Juliana Ravelli Tarde: Thaís Cury, Thalita

Leia mais

Índice. - Introdução... 3. - Economize em Gastos... 7 com Supérfluos. - Controle Seus Sentimentos... 11

Índice. - Introdução... 3. - Economize em Gastos... 7 com Supérfluos. - Controle Seus Sentimentos... 11 1 Índice - Introdução... 3 - Economize em Gastos... 7 com Supérfluos - Controle Seus Sentimentos... 11 - Quite suas Dívidas, mesmo... 14 que Seja Necessário Fazer um Empréstimo - Não Siga a Massa, Existem...

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Português Compreensão de texto 2 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Compreensão de texto Nome: Data: Leia este texto expositivo e responda às questões de 1 a 5. As partes de um vulcão

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui..

Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui.. Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui.. Bem, Ontem, Eu estava na Log Base por volta das 16:50h quando o terremoto aconteceu. Acredite nenhuma

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais