Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção"

Transcrição

1 Defesa Civil Do Paraná Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção 2º Subgrupamento de Bombeiros/4ºGB Toledo PR 6 de agosto de

2 Conceitos Fogo COMBUSTÍVEL COMBURENTE CALOR Incêndio: Fogo que foge ao controle do homem (NBR 13860) 06/08/ :19 2

3 Incêndio Ambiental Combustível vegetal em abundância (geadas+estiagem) Condições Climáticas favoráveis: -Longos períodos de estiagem -Baixa umidade do ar -Ventos fortes Fator humano, fenômenos naturais que propiciam a ignição 3

4 Incêndios Florestais Incêndios florestais tem sido motivo de preocupação para as autoridades no Brasil e no mundo. 4

5 Incêndios Florestais Posições geográficas, baixa umidade do ar, altas temperaturas e os ventos, formam a combinação perfeita para as queimadas. Gráfico feito com base em dados dos satélites Aqua e Terra mostra a queima de biomassa global entre os anos de 2008 e Crédito: Nasa 5

6 Grandes Incêndios no Mundo Agosto de Portugal - Pelo menos sete pessoas morreram. O Corpo de Bombeiros calculou 564 focos de incêndio. Espanha - Bombeiros lutaram contra 122 focos de incêndio, que mataram três pessoas e destruíram 10 mil hectares. 6

7 Grandes Incêndios no Mundo Julho de Bulgária - O país pede ajuda à Otan, União Européia e Rússia para combater centenas de focos de incêndio. Em Grécia decreta estado de emergência por causa dos incêndios que provocaram a morte de 56 pessoas. Fonte:Folha de São Paulo 26/08/2007 7

8 Grandes Incêndios Brasil Minas Gerais O incêndio florestal que atingiu o Parque Estadual do Rio Doce foi grave em razão das perdas humanas. Doze pessoas morreram - todas pertencentes à equipe de combate a incêndio da região. Cerca de 9 mil hectares foram destruídos pelo fogo. Em 1998, o estado de Roraima foi atingido por um incêndio, que mobilizou bombeiros do Brasil, Exército Brasileiro, bombeiros da Argentina e Venezuela, aviões e helicópteros. 8

9 Paraná Paraná "Foi um dos mais devastadores do mundo. Aconteceu entre os meses de agosto e setembro e atingiu cerca de 10% da superfície do Estado do Paraná, totalizando uma área de, aproximadamente, 2 milhões de hectares. Cerca de casas foram destruídas e 110 pessoas morreram; 1988, no Paraná, um incêndio florestal ceifou a vida de um bombeiro e deixou um sargento gravemente ferido; 9

10 Paraná Ocorrências de Incêndio Ambiental Nº de atendimentos CB PARANÁ

11 Paraná 11

12 Região de Toledo Estatística anual de ocorrências Consulta por Fração CB TOLEDO ANO CB TOLEDO PBC ASSIS CHATEAUBRIAND PBC NOVA AURORA PBC CAP. LEÔNIDAS MARQUES Total de Ocorrências

13 Região de MCR Estatística anual de ocorrências Consulta por Fração CB MCR ANO CB MCR PBC GUAÍRA PBC PALOTINA Total de Ocorrências

14 Causas de Incêndio é o conjunto de ações materiais, humanas e naturais que possam produzir ou transmitir o fogo, causando o incêndio. 14

15 Causas de Incêndio Natural: Independe da vontade ou ação do homem; Culposa: Ocorrem por imprudência, imperícia ou negligência; Dolosa: Caracteriza-se pela intenção e consumação do fato, constituindo o crime; Acidental: é o fator que produz uma causa independente da vontade humana, sem haver culpa ou dolo. 15

16 Causas mais comuns ataque proposital à floresta, feito por proprietários que pretendem impedir a regeneração natural de um trecho de mata em sua propriedade; imprudência e descuido de caçadores, mateiros ou pescadores, com a propagação de pequenas fogueiras, feitas em acampamentos; fagulhas provenientes de locomotivas ou de outras máquinas automotoras ou contato de vegetal combustível com partes aquecidas das máquinas; perda de controle de queimadas, realizadas para "limpeza" de campos; incendiários e/ou piromaníacos; descuido de fumantes causas naturais, como raios, concentração de raios solares por pedaços de quartzo ou cacos de vidros em forma de lente; 16

17 Danos causados pelos incêndios Materiais; Ambientais; Humanos. 17

18 Danos materiais destruição reflorestamento; destruição de culturas agrícolas; redução da fertilidade do solo; destruição de máquinas e equipamentos; destruição de imóveis. 18

19 Danos Ambientais redução da biodiversidade; facilitação dos processos erosivos; redução da proteção dos olhos d água e nascentes. aumenta a poluição do ar e CO² na atmosfera. 19

20 Danos Humanos perdas humanas e traumatismos provocados pelo fogo ou por contusões; doenças respiratórias, especialmente em idosos e crianças; pessoas desabrigadas e desalojadas. 20

21 Dicas de Prevenção Jamais jogar cigarros na natureza, muito menos acesos; Se fizer fogueira, deve apagar totalmente antes de deixar o local (ideal é não fazer); Construir aceiros em torno da propriedade, manter limpos e sem acúmulo de materiais combustíveis. 21

22 Dicas de Prevenção Plantar cortinas de segurança, com vegetação menos inflamável; Construir estradas vicinais no interior de florestas e plantio florestal, o que facilita a fiscalização e combate ao fogo; Cuidado na utilização de máquinas em áreas de risco; Manter a fiscalização, vigilância e orientar as pessoas quanto ao risco de incêndio. 22

23 Como Solicitar Apoio Conhecer os telefones de emergência: 193 Corpo de Bombeiros 199 Defesa Civil Bombeiro Comunitário 190 Polícia Militar 23

24 Defesa Civil somos todos nós Capitão Rogério Lima de Araújo Subtenente Eliseu Fernandes Apolinário

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Fogo. Melhor prevenir que apagar incêndios

Fogo. Melhor prevenir que apagar incêndios Fogo. Melhor prevenir 1 2 Fogo. Melhor prevenir Uso do fogo na Pré-história Há milhares de anos, o homem descobriu o fogo. Aos poucos, aprendeu maravilhas: iluminar cavernas, afastar o medo do escuro,

Leia mais

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos Incêndio A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

UOV - Universidade On-line de Viçosa Cursos pela Internet www.uov.com.br. Formação e Treinamento de Brigada de Incêndio Florestal

UOV - Universidade On-line de Viçosa Cursos pela Internet www.uov.com.br. Formação e Treinamento de Brigada de Incêndio Florestal UOV - Universidade On-line de Viçosa Cursos pela Internet www.uov.com.br Formação e Treinamento de Brigada de Incêndio Florestal UOV - Universidade On-line de Viçosa Cursos pela Internet www.uov.com.br

Leia mais

4.8. Programa de Prevenção e Controle dos Incêndios Florestais. Revisão 00 NOV/2013

4.8. Programa de Prevenção e Controle dos Incêndios Florestais. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 4.8 Programa de Prevenção e Controle dos Incêndios Florestais NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Atividades já Realizadas pelo Empreendedor... 1 1.2. Conceitos e Terminologias

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Aquecimento Global

Leia mais

Implantação da Brigada de Incêndios Florestais na Universidade Federal de Lavras

Implantação da Brigada de Incêndios Florestais na Universidade Federal de Lavras Pedro Paulo Marcelino Abrão de Castro, graduando DCF/UFLA, ppfloresta@hotmail.com.br; Eng. Florestal Rossi Allan Silva, DCF/UFLA, rossiallan@gmail.com; Prof. José Aldo Alves Pereira, DCF/UFLA, j.aldo@ufla.br

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Guia do Produtor Rural. de Orientação e Combate a Incêndio

Guia do Produtor Rural. de Orientação e Combate a Incêndio Guia do Produtor Rural de Orientação e Combate a Incêndio PRESIDENTE José João Bernardes 1º VICE-PRESIDENTE Jorge Antonio Pires de Miranda 2º VICE-PRESIDENTE Luciomar Machado Filho 1º DIRETOR SECRETÁRIO

Leia mais

Anexo 3. Plano de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais no Parque Estadual de Vila Rica do Espírito

Anexo 3. Plano de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais no Parque Estadual de Vila Rica do Espírito Anexo 3. Plano de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais no Parque Estadual de Vila Rica do Espírito Autoria: Major Cosme Jorge da Luz e Capitão Juceli Simiano Junior 1. INTRODUÇÃO Os incêndios florestais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA apoie esta campanha em www.ppl.com.pt A Pombal do Coto Fernando Romão A Faia Brava é a primeira área protegida privada do país, no coração do vale do Côa, no Nordeste

Leia mais

QUEIMAS CONTROLADAS: PRÓS E CONTRAS

QUEIMAS CONTROLADAS: PRÓS E CONTRAS Anais/IPEF: 6-10, ABRIL, 1995 QUEIMAS CONTROLADAS: PRÓS E CONTRAS Ronaldo Viana Soares * INTRODUÇÃO O fogo é um fenômeno natural que sempre existiu na superfície do planeta e também um dos responsáveis

Leia mais

1- Como é realizado o monitoramento de focos de calor pelo Prevfogo?

1- Como é realizado o monitoramento de focos de calor pelo Prevfogo? Incêndios Florestais - Perguntas frequentes - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recurs 1- Como é realizado o monitoramento de focos de calor pelo Prevfogo? Em nossa rotina temos duas

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PRÁTICA PROPOSITIVA NA INTERVENÇÃO DAS QUEIMADAS NO MUNICIPIO DE MUCUGÊ CHAPADA DIAMANTINA- BA

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PRÁTICA PROPOSITIVA NA INTERVENÇÃO DAS QUEIMADAS NO MUNICIPIO DE MUCUGÊ CHAPADA DIAMANTINA- BA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PRÁTICA PROPOSITIVA NA INTERVENÇÃO DAS QUEIMADAS NO MUNICIPIO DE MUCUGÊ CHAPADA DIAMANTINA- BA Karla Christiane Ribeiro Tanan Graduanda em Geografia, Universidade Estadual de

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

DIVISÃO DE PROMOÇÃO E VIGILÂNCIA DA SAÚDE (DPVS) RESPONSÁVEIS: EQUIPE DE SEGURANÇA DO TRABALHO S.T.

DIVISÃO DE PROMOÇÃO E VIGILÂNCIA DA SAÚDE (DPVS) RESPONSÁVEIS: EQUIPE DE SEGURANÇA DO TRABALHO S.T. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DIVISÃO DE PROMOÇÃO E VIGILÂNCIA

Leia mais

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Diretoria de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e Eventos Críticos DPIFE Palestrante: JARBAS JORGE DE ALCÂNTARA Téc.

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

QUEIMADAS URBANAS: UM ESTUDO DA EFICÁCIA DAS AÇÕES DE GESTÃO AMBIENTAL PELOS ÓRGÃOS COMPETENTES NO MUNICÍPIO DE PALMAS TOCANTINS

QUEIMADAS URBANAS: UM ESTUDO DA EFICÁCIA DAS AÇÕES DE GESTÃO AMBIENTAL PELOS ÓRGÃOS COMPETENTES NO MUNICÍPIO DE PALMAS TOCANTINS QUEIMADAS URBANAS: UM ESTUDO DA EFICÁCIA DAS AÇÕES DE GESTÃO AMBIENTAL PELOS ÓRGÃOS COMPETENTES NO MUNICÍPIO DE PALMAS TOCANTINS URBAN FOREST FIRES: A STUDY OF THE EFFECTIVENESS OF THE ACTIONS OF AMBIENT

Leia mais

Atuação da Força Tarefa Previncênio. IX Encontro Sobre Prevenção e Combate a Incêndios Florestais

Atuação da Força Tarefa Previncênio. IX Encontro Sobre Prevenção e Combate a Incêndios Florestais Atuação da Força Tarefa Previncênio IX Encontro Sobre Prevenção e Combate a Incêndios Florestais Belo Horizonte, 27 de novembro de 2014 Atribuições da DPIFE Rodrigo Bueno Belo Diretor de Prevenção e Combate

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Patrimoniais e Empresariais. Sidney Leone Março de 2012

Gerenciamento de Riscos Patrimoniais e Empresariais. Sidney Leone Março de 2012 Gerenciamento de Riscos Patrimoniais e Empresariais Sidney Leone Março de 2012 Meus Defeitos Sócio - Integrale Consultoria e Corretagem de Seguros Ltda. Divisão Gestão de Risco; Consultor Técnico RRJ Engenharia

Leia mais

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!!

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!! Combate as alterações climáticas Reduz a tua pegada e muda o mundo!! O dióxido de carbono é um gás naturalmente presente na atmosfera. À medida que crescem, as plantas absorvem dióxido de carbono, que

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Importância do ar para os seres vivos

Importância do ar para os seres vivos Importância do ar para os seres vivos A ATMOSFERA A atmosfera éconstituída por várias camadas. Cada camada tem características próprias: TROPOSFERA: Éa camada mais próxima da terra. Éconstituída por uma

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo EXTINTORES Fogo É uma reação química em cadeia que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos que compõe o fogo Calor Combustível Comburente

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

Desenvolvimento regional

Desenvolvimento regional Desenvolvimento regional Água e terra irrigada para o Nordeste No Nordeste, onde a seca representa o grande obstáculo para o desenvolvimento, o Governo Federal está realizando o maior programa de construção

Leia mais

Controlo dos impactes das catástrofes

Controlo dos impactes das catástrofes L Controlo dos impactes das catástrofes MEDIDAS DE PROTEÇÃO DOS ECOSSISTEMAS Fenómenos geológicos Sismos Vulcões Deslizamentos de terras Algumas medidas de prevenção e controlo de danos Ter uma atitude

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

GRUPO V 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO V 2 o BIMESTRE PROVA A Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 8/6/2011 PROVA GRUPO GRUPO V 2 o BIMESTRE PROVA A Nome: Turma: Valor da prova: 3,0 Nota: Leia o texto e faça o que se pede a seguir. Filtro

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS. Giselda Durigan Floresta Estadual de Assis - Instituto Florestal

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS. Giselda Durigan Floresta Estadual de Assis - Instituto Florestal RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Giselda Durigan Floresta Estadual de Assis - Instituto Florestal POR QUE ESTAMOS AQUI HOJE? Não queremos mais... EROSÃO ASSOREAMENTO AGRICULTURA EM APP POR QUE ESTAMOS AQUI?

Leia mais

Princípios de combate ao fogo

Princípios de combate ao fogo Princípios de combate ao fogo Mauricio Vidal de Carvalho Entende-se por fogo o efeito da reação química de um material combustível com desprendimento de luz e calor em forma de chama. Grande parte das

Leia mais

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( )

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( ) Corretor: Seguro novo Nº apólice anterior: Possui outros seguros da mesma área? Recursos para a condução de floresta: Próprio Financiado Especificação do financiamento para condução da floresta? DADOS

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e. Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e. Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalyptus Para Usos Múltiplos Alberto Jorge Laranjeiro Eng. Florestal, Dr. Equilíbrio Proteção Florestal Equilíbrio Equipamentos de Proteção Ambiental PREVENÇÃO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental. Projeto Cerrado Federal Acordo de Doação nº TF0A0093

Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental. Projeto Cerrado Federal Acordo de Doação nº TF0A0093 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Projeto Cerrado Federal Acordo de Doação nº TF0A0093 TERMO DE REFERÊNCIA Chefe de Brigada de Prevenção e Combate a Incêndios

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto - Código interno: SERICRYL SUPER MACIO SM Código das Cores: 001, 002, 003, 010, 014, 015, 016, 017, 020, 025, 030,

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

QUADRO REGULAMENTAR DE USO DO FOGO (Fogueiras, Queimas, Queimadas, Fogo Controlado e Fogo de Artifício ou outros artefactos pirotécnicos)

QUADRO REGULAMENTAR DE USO DO FOGO (Fogueiras, Queimas, Queimadas, Fogo Controlado e Fogo de Artifício ou outros artefactos pirotécnicos) QUADRO REGULAMENTAR DE USO DO FOGO (Fogueiras, Queimas, Queimadas, Fogo Controlado e Fogo de Artifício ou outros artefactos pirotécnicos) Preâmbulo Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 264/2002, de

Leia mais

UFU 2014 Geografia 2ª Fase

UFU 2014 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 1 (Geopolítica) A região representada no mapa conta com quase dois terços das reservas mundiais de petróleo. Nas últimas décadas, o controle sobre essas fontes de petróleo foi a principal causa

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

Lei Nº 7454 DE 14/03/2013

Lei Nº 7454 DE 14/03/2013 Lei Nº 7454 DE 14/03/2013 Publicado no DOE em 19 mar 2013 Define procedimentos, proibições, estabelece regras de execução e medidas de precaução a serem obedecidas quando do emprego do fogo em práticas

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

A Floresta e o Fogo, avaliação de um projecto de educação ambiental

A Floresta e o Fogo, avaliação de um projecto de educação ambiental A Floresta e o Fogo, avaliação de um projecto de educação ambiental Miriam Ponce Ruiz (), Mª Conceição Colaço (2) () Escuela Politécnica Superior de Gandía (Univ.Polit.Valencia). Carretera Natzaret-Oliva

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Desde o advento do carro flex, o setor agrícola brasileiro vem sendo marcado por um novo ciclo no plantio da cana-de-açúcar

Leia mais

Professor: Márcio Luiz

Professor: Márcio Luiz Capítulo 14 Meio Ambiente Global Geografia 1ª Série Conteúdo complementar O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de seis gases do efeito estufa em

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE QUEIMADAS, QUEIMAS, FOGUEIRAS E FOGO-DE-ARTIFÍCIO

PROJECTO DE REGULAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE QUEIMADAS, QUEIMAS, FOGUEIRAS E FOGO-DE-ARTIFÍCIO PROJECTO DE REGULAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE QUEIMADAS, QUEIMAS, FOGUEIRAS E FOGO-DE-ARTIFÍCIO Nota Justificativa Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n 264/2002, de 15 de Novembro, foram transferidas

Leia mais

Monitoramento de Risco de Incêndios no Parque Nacional da Tijuca e nas Áreas onde se Situam as Linhas de Transmissão

Monitoramento de Risco de Incêndios no Parque Nacional da Tijuca e nas Áreas onde se Situam as Linhas de Transmissão Monitoramento de Risco de Incêndios no Parque Nacional da Tijuca e nas Áreas onde se Situam as Linhas de Transmissão V. R. Carapiá, UFRJ, R. M. Silva, UFRJ, G. B. França, UFRJ, L. Landau UFRJ e A R. Torres,

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

1993: MELHOR, PIOR OU IGUAL A 1992?

1993: MELHOR, PIOR OU IGUAL A 1992? 1993: MELHOR, PIOR OU IGUAL A 1992? UM ESTUDO PARA O 7º ANO Os incêndios são um dos actuais flagelos do Verão. Através da comunicação social, durante toda a época estival, somos informados da ocorrência

Leia mais

CFL 506 - PROTEÇÃO FLORESTAL

CFL 506 - PROTEÇÃO FLORESTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS CADERNO DIDÁTICO: CFL 506 - PROTEÇÃO FLORESTAL Elaborado por: Prof. Dr.

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Quando o assunto é área de risco o uso de produtos apropriados e a manutenção adequada são exigências obrigatórias para atender normas

Leia mais

Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação

Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação Portugal e Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação Outubro de 2011 Comissão para as Alterações Climá/cas Comité Execu3vo Em 200 anos, emitimos a quantidade de carbono que havia sido emitida nos

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Prevenção e Combate a Incêndios

Prevenção e Combate a Incêndios Prevenção e Combate a Incêndios Fogo É uma forma de combustão Combustão É uma forma de oxidação Incêndio É um acidente provocado pelo fogo Analogias Geométricas do Fogo Triângulo do Fogo Tetraedro do Fogo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Contexto. O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele.

Contexto. O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele. Contexto O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele. Dinâmica das Cheias Quando as águas sobem, o gado é levado para terra firme.

Leia mais

A NATUREZA JURIDICA DOS CRIMES PREVISTOS NOS ARTIGOS 40 E 48 DA LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. Estabelece o artigo 40 da Lei 9.

A NATUREZA JURIDICA DOS CRIMES PREVISTOS NOS ARTIGOS 40 E 48 DA LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. Estabelece o artigo 40 da Lei 9. A NATUREZA JURIDICA DOS CRIMES PREVISTOS NOS ARTIGOS 40 E 48 DA LEI DE CRIMES AMBIENTAIS ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado Estabelece o artigo 40 da Lei 9.605/1998: Art.

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

O que é a DESERTIFICAÇÃO?

O que é a DESERTIFICAÇÃO? Maria José Roxo Pedro Cortesão Casimiro Tiago Miguel Sousa O que é a DESERTIFICAÇÃO? Projecto DesertLinks Framework 5 União Europeia Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: HIGIENE DO TRABALHO IV AULA 56 INCÊNDIOS FLORESTAIS E EM SÍTIOS HISTÓRICOS Prof.

Leia mais

QUADRO REGULAMENTAR DE USO DO FOGO

QUADRO REGULAMENTAR DE USO DO FOGO QUADRO REGULAMENTAR DE USO DO FOGO (Queimas, Fogueiras, Queimadas, Fogo Controlado e Fogo de Artifício) Preâmbulo Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 264/2002, de 15 de Novembro, foram transferidas

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA: ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: Estabelece mecanismos de participação no produto da arrecadação do ICMS gerado pela cadeia produtiva no município onde se localiza

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Fosfato Dissódico Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza Ce CEP: 60130-000 Telefone:

Leia mais

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo?

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? 07/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROTECÇÃO DAS ÁREAS OU TERRENOS FLORESTAIS

REGULAMENTO DE PROTECÇÃO DAS ÁREAS OU TERRENOS FLORESTAIS REGULAMENTO DE PROTECÇÃO DAS ÁREAS OU TERRENOS FLORESTAIS A necessidade evidente de aumentar a prevenção de fogos florestais conjugada com a existência de propriedades minifundiárias e dispersas, bem como

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA. Efeito Estufa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA. Efeito Estufa UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Efeito Estufa Prof. Nelson Luiz Reyes Marques 3 - Processos de propagação do calor Condução térmica

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas Luís Costa Leal Director-Geral CELPA, Associação da Indústria Papeleira CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Nesta

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais