Secretaria de Estado da Defesa Civil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria de Estado da Defesa Civil"

Transcrição

1 HISTÓRICO DOS DESASTRES EM SANTA CATARINA E AÇÕES DA SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL Aldo Baptista Neto Major Bombeiro Militar Diretor de Resposta a Desastres

2 Histórico dos Desastres no Estado 1974 Enchente TUBARÃO O desastre mais trágico ocorreu em 1974, quando o nível do Rio Tubarão, no sul catarinense, subiu mais de 10 metros e inundou o município, resultando em 199 pessoas mortas e 65 mil desabrigadas/desalojadas.

3 Enchente VALE DO ITAJAÍ Em julho de 1983, cinco dias de chuvas intensas fizeram o ria Itajaí- Açu subir mais de 15 metros, inundando 90 municípios, entre eles Blumenau, Itajaí e Rio do Sul. Ao todo foram 49 mortes e aproximadamente 198 mil desabrigados.

4 Enchente VALE DO ITAJAÍ Em 1984, o rio Itajaí-Açu novamente inundou as cidades do Vale do Itajaí. Foram 150 mil desalojados, 70 mil desabrigados, o que representou, na época, em média 40% da população de Blumenau, Brusque, Gaspar e São João Baptista. As enchentes de 1984 fizeram 16 vítimas fatais.

5 1997 Inundações e Deslizamentos EL NINÕ Janeiro e Outubro O El Ninõ voltou a agir em 1997 e causou inundações de grandes proporções em Santa Catarina nos meses de janeiro e outubro. Nas enchentes de janeiro, 35 municípios foram afetados, pessoas ficaram desabrigadas e 7 morreram. Em outubro as cheias inundaram 37 cidades, deixando desabrigados e 2 mortes.

6 2004 Furacão Catarina Sul do Estado Em março de 2004, o Furacão Catarina atingiu o litoral e o sul do Estado com ventos de até 150 Km/h. Ao menos 40 municípios foram atingidos, casas foram danificadas e 993 destruídas. Quatro pessoas morreram, pelo menos 518 ficaram feridas e aproximadamente 33 mil pessoas ficaram desabrigadas.

7 2004 Apagão Ilha de Santa Catarina Em outubro de 2004, a ilha de Santa Catarina foi atingida por um desastre tecnológico, causado por um incêndio na ponte Colombo Salles (ponte que liga a Ilha ao continente), que provocou o rompimento de um cabo de transmissão de energia elétrica em uma de suas galerias, ocasionando a interrupção do fornecimento de energia. Mais de 300 mil pessoas ficaram às escuras e o caos foi instalado na cidade.

8 Estiagem No ano o Estado foi castigado por eventos adversos bastante distintos, ocorreu um prolongado período de estiagem nos primeiros meses do ano e uma primavera com chuvas contínuas e intensas que resultaram em enchentes, enxurradas e deslizamentos. Foram registrados 67 municípios em Situação de Emergência por estiagem, o fenômeno durou mais de 40 dias, atingindo a região oeste do Estado e resultando em sérios prejuízos para a lavoura.

9 Desastre de Novembro Com uma das primaveras mais chuvosas das últimas décadas, mais de três meses seguidos de chuva intensa, o ano de 2008 registrou o pior desastre da história de Santa Catarina. Em apenas cinco dias de chuva, no município de Blumenau, caiu água suficiente para abastecer a cidade de São Paulo durante três meses (300 bilhões de litros de água). O desastre resultou em mais de 80 mil pessoas desalojadas e desabrigadas, com 63 municípios em Situação de Emergência, 14 em Estado de Calamidade Pública e 135 mortes.

10 2009 Tornado GUARACIABA - setembro Em setembro de 2009, ocorreram fortes temporais com granizo e ventos de mais de 100 km/h em vários municípios do Oeste ao norte do Estado. No município de Guaraciaba (Oeste) o forte temporal durou aproximadamente 1h:30min, deixando 310 desabrigados, 852 desalojados, 209 edificações destruídas ou danificadas e 4 mortos. Os desastres que atingiram o Estado no mês de setembro de 2009 deixaram desabrigados, desalojados, 291 deslocadas, 183 feridos, 5 mortos e edificações danificadas ou destruídas.

11 Em 2010, 229 municípios decretaram Situação de Emergência com o destaque para 192 por enxurrada. Eventos Adversos Decretados pelos Municípios Catarinenses em 2010 Ciclone Deslizamentos Enchente Enxurrada 160 Geada 140 Granizo Nevada Praga Problemas Estruturais Ressaca Estiagem Vendaval Fonte: DEDC

12 2011 Fortes chuvas - jan/fev Com a reincindência das fortes chuvas nos meses de janeiro e fevereiro, Santa Catarina foi atendida pelo Ministério da Integração Nacional, através da Portaria nº 77 de 02 Fev As chuvas e deslizamentos deixaram um saldo de pessoas desabrigados/desalojados e 6 mortes. O município de Mirim Doce, no Alto Vale, foi o mais impactado.

13 2011 Enchente em setembro As chuvas acima da média ocorridas no período de 07 a 09 de setembro, resultaram em enchentes, enxurradas, alagamentos e escorregamentos afetando 101 municípios catarinenses, cuja população total é de 3,3 milhões de habitantes. Rio do Sul

14 2011 Enchente em setembro Os maiores volumes ocorreram no Vale do Itajaí,onde chegou a acumular 227,7 mm em Taió e 309,4 mm em Botuverá. Caçador O nível dos rios ultrapassou as cotas de alerta e as barragens de contenção verteram, obrigando mais de 177 mil pessoas deixarem suas casas e resultando em três óbitos.

15 2011 Enchente em setembro Diante da gravidade da situação,o Governador do Estado de Santa Catarina expediu decreto de Situação de Emergência (SE) em 86 municípios e Estado de Calamidade Pública (ECP) em 10 municípios.

16 O estado de Santa Catarina precisa assumir a necessidade de uma MUDANÇA COMPORTAMENTAL para minimizar os riscos de desastres. As enchentes, vendavais, granizos, estiagem, entre outros eventos adversos sempre existiram e continuarão acontecendo, segundo especialistas, com maior intensidade devido às mudanças climáticas. A solução passa por projetos preventivos e ações conjuntas de curto, médio e longo prazo.

17 Ações desenvolvidas pela Diretoria de Resposta a Desastres Incremento da equipe de gestão de desastres, com investimento no ambiente de gestão de crise. Uso do conceito de gestão de desastres com o uso da ferramenta: Sistema de Comando em Operações SCO

18 Questionário 1. Quais as principais atividades desenvolvidas na sua entidade/organização: Preparação e prevenção de desastres; Monitoramento, alerta e alarme de ameaças e desastres; Capacitação; Socorro e assistência humanitária; Reabilitação e reconstrução. * Respondido pelo gerente de monitoramente e alerta da Secretaria Estadual da Defesa Civil, Frederico Rudorff.

19 Questionário 2. Quais destas atividades no seu entender têm interface com as atividades da Epagri/Ciram, em particular com a temática ambiental: A principal é a de monitoramento e alerta de ameaças, mas também pode ter interface nas atividades de mapeamento de risco e atividades de capacitação. * Respondido pelo gerente de monitoramente e alerta da Secretaria Estadual da Defesa Civil, Frederico Rudorff.

20 Questionário 3. Quais as pesquisas para geração, adaptação de tecnologias ou inovações que a Epagri/Ciram poderia desenvolver ou participar (parcerias) para apoiar as atividades de sua instituição: Tem potencial para avançar nos produtos de previsão climatológica e vulnerabilidade climática, previsão de curtíssimo prazo com base em dados de monitoramento, inclusive de radar meteorológico, alertas para escorregamentos, previsão e alerta de inundações com base em modelos hidrológicos, modelo de ondas de águas rasas para previsão de ressacas, sistema de informações para a defesa civil, análises periódicas de eventos extremos, mapeamento de risco e capacitação. * Respondido pelo gerente de monitoramente e alerta da Secretaria Estadual da Defesa Civil, Frederico Rudorff.

21 Questionário 4. Que tipo de produtos ou serviços científicos, tecnológicos ou ambientais a Epagri/Ciram poderia desenvolver ou prestar em contribuição às atividades de sua organização: Além dos que já oferece, poderia ser desenvolvido a previsão de curtíssimo prazo com base em dados de satélite e radar meteorológico. Temos interesse também em análises mensais dos eventos adversos, à exemplo do que o INPE realiza em nível nacional. Outra área que poderia ser desenvolvida em parceria é o sistema de monitoramento e alerta da defesa civil que conte com acesso à rede de monitoramento do estado, modelos de previsão numérica de chuva, vento, vazão e ondas, dentre outros. * Respondido pelo gerente de monitoramente e alerta da Secretaria Estadual da Defesa Civil, Frederico Rudorff.

22 Questionário 5. A sua instituição desenvolve atividades em parceria com a Epagri/Ciram. A Defesa Civil já conta com a parceria da Epagri/Ciram no monitoramento e previsão de tempo. Recebemos as previsões para a defesa civil, a de 15 dias, a climatológica e os boletins de aviso meteorológico. * Respondido pelo gerente de monitoramente e alerta da Secretaria Estadual da Defesa Civil, Frederico Rudorff.

23 Questionário 6. Qual a sua expectativa em relação a Epagri/Ciram para futuras parcerias em áreas de conhecimento de interesse comum. Temos a expectativa que a Epagri/Ciram se consolide como um centro de monitoramento e previsão meteorológica que apoie o monitoramento alerta e alarme da defesa civil. Gostaríamos muito de contar com uma estrutura com meteorologistas com turnos de 24 horas e sete dias na semana e capacidade de trabalhar com nowcast. * Respondido pelo gerente de monitoramente e alerta da Secretaria Estadual da Defesa Civil, Frederico Rudorff.

24 SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL Contatos: Fones: (48) s: Site:

OS DESAFIOS DA GESTÃO DOS DESASTRES

OS DESAFIOS DA GESTÃO DOS DESASTRES OS DESAFIOS DA GESTÃO DOS DESASTRES Renaldo Onofre Laureano Junior Capitão Bombeiro Militar Gerente de Logística e Mobilização Essa apresentação é destinada aos profissionais que, diariamente, dedicam

Leia mais

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história SANTA CATARINA O maior desastre de sua história As adversidades climáticas têm afetado significativamente o Estado de Santa Catarina ao longo de sua história. Essas adversidades, que podem ocasionar desastres

Leia mais

A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais

A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais A Experiência de Santa Catarina frente aos Desastres Naturais Carlos Alberto de Araújo Gomes Júnior Santa Catarina O QUE É DESASTRE? O BÁSICO: REFERÊNCIAS MULTILATERAIS ESTRATÉGIA INTERNACIONAL DE REDUÇÃO

Leia mais

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos G. J. Pellegrina 1, M. A. Oliveira 1 e A. S. Peixoto 2 1 Instituto de Pesquisas Meteorológicas (UNESP), Bauru S.P., Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

ORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA - BRASIL ENCHENTES EM SANTA CATARINA

ORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA - BRASIL ENCHENTES EM SANTA CATARINA ENCHENTES EM SANTA CATARINA Eventos Adversos em Itajaí - SC Inundação Gradual - 1980 - Primavera Inundação Gradual - 1983 - Inverno Inundação Brusca - 1983 Inverno/Julho - 40.000 Desabrigados - 05 Óbitos

Leia mais

Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência

Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência Resolução Imagens de satélite No seu quarto relatório (2007), o IPCC

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

DESASTRES NO MUNDO E NA REGIÃO SUL: ONTEM, HOJE E AMANHÃ E O PAPEL DAS GEOTECNOLOGIAS

DESASTRES NO MUNDO E NA REGIÃO SUL: ONTEM, HOJE E AMANHÃ E O PAPEL DAS GEOTECNOLOGIAS DESASTRES NO MUNDO E NA REGIÃO SUL: ONTEM, HOJE E AMANHÃ E O PAPEL DAS GEOTECNOLOGIAS Tania Maria Sausen GEODESASTRES-SUL / INPE-CRS tania@ltid.inpe.br geodesastres@crs.inpe.br CONCEITO DE DESASTRE De

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

Desenvolvimento regional

Desenvolvimento regional Desenvolvimento regional Água e terra irrigada para o Nordeste No Nordeste, onde a seca representa o grande obstáculo para o desenvolvimento, o Governo Federal está realizando o maior programa de construção

Leia mais

I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO

I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE SOLUÇÕES ESPACIAIS PARA O GERENCIAMENTO DE DESASTRES NATURAIS E RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS-INUNDAÇÃO ATUAÇÃO DO SETOR SAÚDE EM EVENTOS DE INUNDAÇÃO I ESCOLA DE PRIMAVERA SOBRE

Leia mais

Workshop de Lançamento Local : INPE - São José dos Campos SP Dia : 18 de julho 8:30 horas Auditório Fernando de Mendonça - LIT

Workshop de Lançamento Local : INPE - São José dos Campos SP Dia : 18 de julho 8:30 horas Auditório Fernando de Mendonça - LIT Núcleo de Pesquisa e Aplicação de Geotecnologias em Desastres Naturais e Eventos Extremos para a região Sul do Brasil e MERCOSUL GEODESASTRES-SULSUL Tania Maria Sausen Workshop de Lançamento Local : INPE

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Funções da SDS Mudanças Climáticas Política Estadual sobre Mudanças Climáticas Objetivos: Fomento e incentivo

Leia mais

INUNDAÇÕES NO BRASIL

INUNDAÇÕES NO BRASIL INUNDAÇÕES NO BRASIL Dr. Adilson Pinheiro CEOPS Centro de Operação do Sistema de Alerta da Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí Universidade Regional de Blumenau CEOPS Bacia do Rio Itajaí ENCHENTE Processos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Geóg. Maria Carolina Villaça Gomes Mestranda em Geografia Física - USP Os desastres

Leia mais

Enchentes em Santa Catarina - setembro/2013

Enchentes em Santa Catarina - setembro/2013 Enchentes em Santa Catarina - setembro/2013 O início da primavera de 2013 foi marcado por um período de chuvas intensas no estado de Santa Catarina, atingindo 82 municípios e afetando mais de 24 mil pessoas.

Leia mais

PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR

PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR CASA MILITAR Chefe da Casa Militar e Coordenadoria Estadual de Defesa Civil Gabinete Operações Defesa Civil Administrativo DEFESA CIVIL Coordenadoria Estadual de Defesa Civil

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA. por. Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista

SISTEMA DE ALERTA. por. Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista SISTEMA DE ALERTA por Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista 1 a Parte. O MONITORAMENTO DOS NIVEIS E DA CHUVA 1.1 - Histórico Após a ocorrência da

Leia mais

42 O Setor Elétrico / Fevereiro de 2010

42 O Setor Elétrico / Fevereiro de 2010 42 Capítulo II Situação de calamidade pública na regional de Blumenau: condições extremas de trabalho sem acidentes Por Claudio Varella do Nascimento, Elsa A. B. da Silva Costa, Juliano Bachmann, Régis

Leia mais

Instituto Tecnológico SIMEPAR

Instituto Tecnológico SIMEPAR Evolução e Aspectos Institucionais Missão e Foco de Atuação Modelo Institucional Sistemas de Monitoramento e Previsão Produtos, Serviços e Sistemas Áreas de Pesquisa & Desenvolvimento Ações Estratégicas

Leia mais

Seminário para repasse das Experiências de Santa Catarina em Desastres Naturais. Maceió, 08 de julho de 2010.

Seminário para repasse das Experiências de Santa Catarina em Desastres Naturais. Maceió, 08 de julho de 2010. Seminário para repasse das Experiências de Santa Catarina em Desastres Naturais Maceió, 08 de julho de 2010. Ação dos Grupos Reação e Técnico-Científico na Prevenção de Desastres Naturais em Santa Catarina

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis

Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis Curso de Capacitação em Mapeamento e Gestão de Riscos RISCO AMBIENTAL URBANO condição potencial da ocorrência de um acidente que possa causar perda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste 1. Prognóstico Climático 2. Municípios Monitorados 3. Preparação

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA

CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA 1 CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA Daniel Andrijic Malandrin Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro,

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Seminário Estadual Sobre Emergência Ambiental Belo Horizonte, 02 e 03 de

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE

ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE 1 Gilsânia Cruz 1 Maria Laura Rodrigues 1 Elaine Canônica 1 Marcelo Moraes 1 RESUMO Neste trabalho é analisada a estiagem

Leia mais

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013.

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013. A Atuação Secretaria Nacional de Defesa Civil - SEDEC na Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais e o Projeto Mapeamento de Áreas de Risco Rafael Schadeck Diretor Cenad/Sedec/MI Seminário Internacional

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

Gestão de Risco de Desastres Naturais

Gestão de Risco de Desastres Naturais Gestão de Risco de Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (CEPEDES FIOCRUZ) GESTÃO Conjunto de decisões administrativas, de organização e de

Leia mais

ANÁLISE FREQUENCIAL E DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DAS TEMPESTADES NA REGIÃO DE RIO DO SUL/SC

ANÁLISE FREQUENCIAL E DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DAS TEMPESTADES NA REGIÃO DE RIO DO SUL/SC ANÁLISE FREQUENCIAL E DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DAS TEMPESTADES NA REGIÃO DE RIO DO SUL/SC Willian Tiago Hillesheim 1 ; Leonardo de Oliveira Neves 2 ; Isaac Weber Pitz 3 ; Júlio Catoni 4 ; e Jaqueline Sardo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

CPRM Serviço Geológico do Brasil

CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Ministério de Minas e Energia MISSÃO Gerar e difundir o conhecimento geológico e hidrológico básico para o desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS Quando vimos na TV o acontecimento do Tsunami, em 2004, pensamos: O mundo está acabando! Mas por que esses desastres naturais estão, cada vez mais, assolando nosso planeta?

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC Dezembro/ 2007 + 1º trimestre 2008 ENCHENTES (Inund. Graduais) ENXURRADAS (Inund. Bruscas) ALAGAMENTOS e DESLIZAMENTOS Dez/2007 A atuação em Defesa Civil está

Leia mais

PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL NO CENÁRIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Belo Horizonte-MG 2012

PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL NO CENÁRIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Belo Horizonte-MG 2012 PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL NO CENÁRIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS Belo Horizonte-MG 2012 PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CICLO DE AÇÕES EXECUTADAS PELO SISTEMA FORMADO POR ENTIDADES E PELA SOCIEDADE CIVIL, ARTICULADO

Leia mais

Operações Humanitárias

Operações Humanitárias Logística de Operações Humanitárias Hugo Yoshizaki Agenda Introdução Legislação Pertinente Sistema Nacional de Defesa Civil - SINDEC Próximos Passos 1 20/09/2011 2 Introdução O que é Logística? A logística

Leia mais

Riscos de situações extremas de origem meteorológica. Nuno Moreira, IPMA

Riscos de situações extremas de origem meteorológica. Nuno Moreira, IPMA Riscos de situações extremas de origem meteorológica Nuno Moreira, IPMA 1º Encontro Riscos Naturais Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, 20 setembro 2012 Resumo Introdução - a meteorologia e o risco Fenómenos

Leia mais

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE Marcio Jose Mantau,1 Giovane Farias Aita2, Jaison Ademir Savegnani3, Carlos Alberto Barth4 Palavras-chave: Sistemas de

Leia mais

BRAZILIAN SOCIETY FOR SOIL MECHANICS AND GEOTECHNICAL ENGINEERING. www.fugro.com / www.insitu.com.br. Novembro 2009

BRAZILIAN SOCIETY FOR SOIL MECHANICS AND GEOTECHNICAL ENGINEERING. www.fugro.com / www.insitu.com.br. Novembro 2009 1 BRAZILIAN SOCIETY FOR SOIL MECHANICS AND GEOTECHNICAL ENGINEERING A TRAGÉDIA DE SANTA CATARINA OS ESCORREGAMENTOS DE NOVEMBRO DE 2008, O COMANDO UNIFICADO E O TRABALHO DOS VOLUNTÁRIOS DA ABMS Luiz Antoniutti

Leia mais

NOTA TÉCNICA: CHUVAS SIGNIFICATIVAS EM JUNHO DE 2014 NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL

NOTA TÉCNICA: CHUVAS SIGNIFICATIVAS EM JUNHO DE 2014 NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL NOTA TÉCNICA: CHUVAS SIGNIFICATIVAS EM JUNHO DE 2014 NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL No mês de junho de 2014 foram registradas precipitações significativas no sul do Brasil, centro e leste do Paraguai

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

DEFESA CIVIL de MATO GROSSO: 37 ANOS DE HISTORIA

DEFESA CIVIL de MATO GROSSO: 37 ANOS DE HISTORIA ANO 2010 18 FEVEREIRO 1 A DEFESA CIVIL A Defesa Civil pode ser compreendida, como o conjunto de ações de prevenção e de socorro, assistenciais e reconstrutivas, destinadas a evitar ou minimizar os desastres,

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil J. Marengo, C. Nobre, M Seluchi, A. Cuartas, L. Alves, E. Mendiondo CEMADEN, Brasil jose.marengo@cemaden.gov.br

Leia mais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Workshop Complexo do CEMADEN São José dos Campos, SP, 14 de janeiro de 2014 Decreto

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2013 Data da Previsão: 16/09/2013 Duração da Primavera: 22/09/2013(17h44min) a 21/12/2013 (14h11min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

PERNAMBUCO TRIDIMENSIONAL: RELEVOS DE PERNAMBUCO

PERNAMBUCO TRIDIMENSIONAL: RELEVOS DE PERNAMBUCO SEINFRA PERNAMBUCO TRIDIMENSIONAL: RELEVOS DE PERNAMBUCO João Bosco de Almeida Secretário de José Almir Cirilo Secretário Executivo de Coordenação Geral Fellipe Alves Gestor de Planejamento A PRIMEIRA

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA COM FOCO NA PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA SÃO JOSÉ (PRIMEIRA VERSÃO)

PLANO DE CONTINGÊNCIA COM FOCO NA PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA SÃO JOSÉ (PRIMEIRA VERSÃO) ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICPAL DE SÃO JOSÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA COM FOCO NA PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA SÃO JOSÉ

Leia mais

Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí

Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí Competências dos atores intervenientes Dra. Noemia Bohn (FURB) Lei nº 9.433/97 Política Nacional de Recursos

Leia mais

Departamento de Águas e Energia Elétrica

Departamento de Águas e Energia Elétrica 13 de Novembro de 2012 Departamento de Águas e Energia Elétrica O DAEE foi criado há 60 anos, em 12/12/1951, tendo como principais competências, no âmbito do Estado de SP: Elaborar o planejamento, os estudos,

Leia mais

EXPERIÊNCIAS REGIONAIS NO DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO DE RISCOS E REDUÇÃO DE DESASTRES - RS

EXPERIÊNCIAS REGIONAIS NO DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO DE RISCOS E REDUÇÃO DE DESASTRES - RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE NÚCLEO DE EVENTOS AMBIENTAIS ADVERSOS À SAÚDE EXPERIÊNCIAS REGIONAIS

Leia mais

COLEÇÃO BRASIL CRESCE SEGURO

COLEÇÃO BRASIL CRESCE SEGURO Programa Brasil Cresce Seguro Formulários para monitoramento e avaliação 1 COLEÇÃO BRASIL CRESCE SEGURO Proposta de Programa de Redução de Risco de Desastres nas Escolas Volume 6 Formulários para Monitoramento

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

FREQÜÊNCIA DOS DESASTRES NATURAIS NO ESTADO DE SANTA CATARINA NO PERÍODO DE 1980 A 2007

FREQÜÊNCIA DOS DESASTRES NATURAIS NO ESTADO DE SANTA CATARINA NO PERÍODO DE 1980 A 2007 FREQÜÊNCIA DOS DESASTRES NATURAIS NO ESTADO DE SANTA CATARINA NO PERÍODO DE 1980 A 2007 Maria Lúcia de Paula Herrmann (1) herrmann@cfh.ufsc.br Francielle Cardozo (2) franciellecardozo@yahoo.com.br Fernanda

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

PLANO INTEGRADO. De Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais na Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí FAPESC

PLANO INTEGRADO. De Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais na Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí FAPESC Desenvolvimento sustentável e equilibrado em toda Santa Catarina FAPESC FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econõmico

Leia mais

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE Tsunamis Um tsunami caracteriza-se por uma série de ondas destruidoras e poderosas. Ocorrem após perturbações abruptas que deslocam verticalmente a coluna de água, tais como um sismo, atividade vulcânica,

Leia mais

Câmara Técnica de Planejamento (CT-Plan) e Câmara Técnica de Prevenção de Desastres Naturais (CT-Prevenção)

Câmara Técnica de Planejamento (CT-Plan) e Câmara Técnica de Prevenção de Desastres Naturais (CT-Prevenção) Câmara Técnica de Planejamento (CT-Plan) e Câmara Técnica de Prevenção de Desastres Naturais (CT-Prevenção) Processo nº 4: Plano Integrado de Prevenção de Desastres Naturais da Bacia do Itajaí (PPRD) Parecer

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

Wigold B. Schäffer Núcelo Mata Atlântica e Pampa Diretoria de Conservação da Biodiversidade Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do

Wigold B. Schäffer Núcelo Mata Atlântica e Pampa Diretoria de Conservação da Biodiversidade Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Wigold B. Schäffer Núcelo Mata Atlântica e Pampa Diretoria de Conservação da Biodiversidade Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente Fone: 061-3105-2072 wigold.schaffer@mma.gov.br

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Contexto. O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele.

Contexto. O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele. Contexto O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele. Dinâmica das Cheias Quando as águas sobem, o gado é levado para terra firme.

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) LÍDERES Curso Internacional sobre Saúde, Desastres e Desenvolvimento Brasília DF 26 de novembro a 07 de dezembro de 2007 Ministério da Saúde

Leia mais

Política Estadual de Defesa Civil no Estado de Santa Catarina. Fabiano de Souza. Secretário-adjunto de Estado da Defesa Civil de Santa Catarina

Política Estadual de Defesa Civil no Estado de Santa Catarina. Fabiano de Souza. Secretário-adjunto de Estado da Defesa Civil de Santa Catarina Política Estadual de Defesa Civil no Estado de Santa Catarina Fabiano de Souza Secretário-adjunto de Estado da Defesa Civil de Santa Catarina DESASTRES OCORRIDOS EM SC 2011 ENCHENTE em Ituporanga 2016

Leia mais

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED Universidade Federal de Santa Catarina UFSC As características do CEPED Visão multidisciplinar; Interação com os problemas

Leia mais

ANÁLISE QUANTITATIVA DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - PARTE 1: CLIMA PRESENTE (1951-2005)

ANÁLISE QUANTITATIVA DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - PARTE 1: CLIMA PRESENTE (1951-2005) ANÁLISE QUANTITATIVA DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - PARTE 1: CLIMA PRESENTE (1951-2005) Gilson Carlos da Silva 1 André Becker Nunes² 1 Programa de Pós-Graduação em Meteorologia,

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

MÓDULO IV GESTÃO E REDUÇÃO DE RISCOS DE DESASTRES

MÓDULO IV GESTÃO E REDUÇÃO DE RISCOS DE DESASTRES MÓDULO IV GESTÃO E REDUÇÃO DE RISCOS DE DESASTRES Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte. Índice MÓDULO IV - Gerenciamento e Redução de Riscos de Desastres... 4 Conceituação

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL (PEPDEC)

PLANO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL (PEPDEC) PLANO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL (PEPDEC) OUTUBRO/2015 5ª ATUALIZAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: Paulo César Hartung Gomes Governador do Estado do Espírito Santo César Colnago Vice-Governador

Leia mais

Franco da Rocha (São Paulo), Brazil

Franco da Rocha (São Paulo), Brazil Franco da Rocha (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Kiko Celeguim Nome do ponto focal: Norival Rodrigues Filho Organização:

Leia mais

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos GABINETE DO GOVERNADOR CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Dezembro / 2007 POLÍTICA E PROGRAMAS PARA A DEFESA CIVIL DO ESTADO

Leia mais

PROGRAMA PROREDES-BIRD RS SWAp para o Programa de Fortalecimento do Investimento Público (Contrato de Empréstimo Nº 8155-BR)

PROGRAMA PROREDES-BIRD RS SWAp para o Programa de Fortalecimento do Investimento Público (Contrato de Empréstimo Nº 8155-BR) PROGRAMA PROREDES-BIRD RS SWAp para o Programa de Fortalecimento do Investimento Público (Contrato de Empréstimo Nº 8155-BR) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA PARA APOIO NA

Leia mais

Apoio CONSEQUÊNCIAS DOS EFEITOS CLIMÁTICOS NAS OPERAÇÕES DE SEGUROS E RESSEGUROS

Apoio CONSEQUÊNCIAS DOS EFEITOS CLIMÁTICOS NAS OPERAÇÕES DE SEGUROS E RESSEGUROS CONSEQUÊNCIAS DOS EFEITOS CLIMÁTICOS NAS OPERAÇÕES DE SEGUROS E RESSEGUROS 1 O quê vamos ver? 2 PRIMEIRA PARTE ALGUNS DADOS SOBRE O MERCADO DE SEGUROS NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE SEGUROS MUNDIAL 2008-2009

Leia mais

SISMADEN Uma Plataforma de Desenvolvimento de um Sistema de Monitoramento e Alerta a Desastres Naturais

SISMADEN Uma Plataforma de Desenvolvimento de um Sistema de Monitoramento e Alerta a Desastres Naturais 6º EUsISSeR- Encontro com Usuários de Imagens de Satélites de Sensoriamento Remoto 25, 26 e 27 de outubro de 2010 SISMADEN Uma Plataforma de Desenvolvimento de um Sistema de Monitoramento e Alerta a Desastres

Leia mais

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 1. Introdução O inverno de 2011 foi marcado por excessos de chuva na Região Sul do país que, por sua

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PLANO ESTADUAL DE CONTINGÊNCIA PARA DESASTRES HIDRÍCOS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PLANO ESTADUAL DE CONTINGÊNCIA PARA DESASTRES HIDRÍCOS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PLANO ESTADUAL DE CONTINGÊNCIA PARA DESASTRES HIDRÍCOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CARACTERIZAÇÃO DOS DESASTRES... 5 2.1 ESTIAGENS... 5 2.1.1 Sistema de Monitoramento,

Leia mais

Selo de Mérito ABC 2012. Projeto Reação Habitação Tempo de reconstrução em Santa Catarina

Selo de Mérito ABC 2012. Projeto Reação Habitação Tempo de reconstrução em Santa Catarina Selo de Mérito ABC 2012 Projeto Reação Habitação Tempo de reconstrução em Santa Catarina Antecedentes do projeto Face ao panorama de destruição decorrente de inundações e deslizamentos de encostas, com

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 3: Gestão de Riscos e Resposta a Desastres) Professora: Cristiane Collet Battiston

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Geografia Série: 6ª Ensino Fundamental Professor: Rogério Duarte Geografia Atividades para Estudos Autônomos Data: 28 / 09 / 2015 Aluno(a): Nº:

Leia mais

Senado Federal Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle

Senado Federal Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle Nota Técnica de Adequação Financeira e Orçamentária da Medida Provisória n 448, de 2008 Brasília, 01 de dezembro de 2008. Assunto: Subsídios para exame da adequação financeira e orçamentária da Medida

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO - 2015 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2015 Previsão trimestral Os modelos de previsão climática indicam que o inverno

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do ponto focal: Elton Cesar Cunha

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais