Prefeitura Municipal de Maceió

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prefeitura Municipal de Maceió"

Transcrição

1 DIÁRIO OFICIAL ANO XVIII Nº 4883 ESTÁCIO DA SILVEIRA LIMA FELLIPE DE MIRANDA FREITAS MAMEDE DIOGO SILVA COUTINHO GUSTAVO LIMA NOVAES JAIR GALVÃO FREIRE NETO DAVID MAIA DE VASCONCELOS LIMA JOSÉ THOMAZ DA SILVA NONÔ NETTO MÔNICA BEZERRA SURUAGY MONTENEGRO (INTERINA) JACKSON PACHECO DE MACEDO SUPERINTENDÊNCIA DE DE TRANSPORTES E FUNDAÇÃO DE AÇÃO CULTURAL - FMAC VINÍCIUS CAVALCANTE PALMEIRA ÁREAS FIXAS OCUPAÇÃO/M 2 ANEXO VII DA LEI N , DE 28/02/1996 TABELA PARA COBRANÇA MENSAL DA TAXA DE LICENÇA PARA OCUPAÇÃO DO SOLO NOS LOGRADOUROS PÚBLICOS REGIÃO A (Alíquota Constante) REGIÃO B (Alíquota Constante) REGIÃO C (Alíquota Constante) ATÉ 3,00 M 2 12,00 11,00 10,00 MAIS DE 3,00 M 2 10,00 8,00 7,00 ATÉ 9,00 M 2 MAIS DE 9,00 M 2 7,00 5,00 4,00 ATÉ 100,00 M 2 MAIS DE 100,00 M 2 ATÉ 400,00 M 2 ATOS E DESPACHOS DO PREFEITO LEI N DE 15 DE DEZEMBRO DE PROJETO DE LEI N /2015 AUTOR: PODER EXECUTIVO ALTERA OS ANEXOS VII, VIII E XIII DO CÓDIGO TRIBU- TÁRIO (LEI N , DE 28 DE FEVEREIRO DE 1996) E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ, Faço saber que a Câmara Municipal de decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º. Os Anexos VII, VIII e XIII da Lei n , de 28 de fevereiro de 1996, passam a vigorar, a partir de 1º de janeiro de 2015, na forma desta Lei. Parágrafo único. A alteração do Anexo XIII é parcial, restrita ao item 4. Art. 2º. Esta Lei entra em vigor na data da sua publicação. Art. 3º. Revogam-se as disposições em contrário. PREFEITURA DE MACEIÓ, em 15 de Dezembro de KELMANN VIEIRA DE OLIVEIRA Prefeito de em Exercício 5,58 3,72 2,00 MAIS DE 400,00 11,17 7,44 3,72 M 2 Fórmula para cálculo da Taxa Mensal para ocupação do solo: Valor da Taxa = Alíquota Constante x Área do Equipamento x UFIR Obs.: Tabela não aplicável aos equipamentos abrangidos pela Lei 5.399/2004. ANEXO VIII DA LEI N , DE 28/02/1996 TABELA PARA COBRANÇA MENSAL DA TAXA DE LICENÇA PARA COMÉRCIO AMBULANTE EM ÁREA PÚBLICA ÍTEM ESPECIFICAÇÕES ÁREA DO EQUIPAMENTO x UFIR x 30 DIAS VALOR MENSAL M 2 UFIR R$ I Gêneros e produtos Até 3,00 M 2 0,93 2, ,53 alimentícios em geral II Bebidas não Até 3,00 M 2 0,93 2, ,53 alcoólicas III Bebidas alcoólicas Até 3,00 M 2 1,86 2, ,05 IV Brinquedos e artigos Até 3,00 M 2 1,86 2, ,05 ornamentais V Confecções, Até 3,00 M 2 1,86 2, ,05 calçados e artigos de uso pessoal VI Louças, ferragens, Até 3,00 M 2 1,86 2, ,05 artefatos de plástico, borracha, couro e utensílios domésticos VII Artesanato, Até 3,00 M 2 0,93 2, ,53 antiguidades e artigos de arte em geral VIII Outros artigos não Até 3,00 M 2 0,93 2, ,53 especificados nos itens anteriores TABELA PARA COBRANÇA MENSAL DA TAXA DE LICENÇA PARA COMÉRCIO EVENTUAL EM ÁREA PÚBLICA ÍTEM ESPECIFICAÇÕES ÁREA DO EQUIPAMENTO x UFIR x 30 DIAS VALOR DIÁRIO M2 UFIR R$ I Gêneros e produtos Até 3,00 M 2 4,65 2, ,75 alimentícios em geral II Gêneros e produtos De 3,00 M 2 6,20 2, ,67 alimentícios em Até 9,00 M 2 geral III Gêneros e produtos Mais de 9,00 M 2 9,30 2, ,50 alimentícios em geral IV Bebidas não Até 3,00 M 2 4,65 2, ,75 alcoólicas V Bebidas não De 3,00 M 2 6,20 2, ,67 alcoólicas Até 9,00 M 2 VI Bebidas não Mais de 9,00 M 2 9,30 2, ,50 alcoólicas VII Bebidas alcoólicas Até 3,00 M 2 14,88 2, ,61 VIII Bebidas alcoólicas De 3,00 M 2 19,84 2, ,15 Até 9,00 M 2 IX Bebidas alcoólicas Mais de 9,00 M 2 29,76 2, ,22 X Brinquedos e Até 3,00 M 2 4,65 2, ,75 artigos ornamentais XI Brinquedos e De 3,00 M 2 artigos ornamentais Até 9,00 M 2 XII Brinquedos e Mais de 9,00 M 2 9,30 2, ,50 artigos ornamentais XIII Confecções, Até 3,00 M 2 8,37 2, ,16 calçados e artigos de uso pessoal XIV Confecções, De 3,00 M 2 11,36 2, ,21 calçados e artigos Até 9,00 M 2 de uso pessoal XV Confecções, Mais de 9,00 M 2 16,74 2, ,31 calçados e artigos de uso pessoal XVI Louças, ferragens, Até 3,00 M 2 4,65 2, ,75 artefatos de plástico, borracha, couro e utensílios domésticos XVII Louças, ferragens, De 3,00 M 2 artefatos de Até 9,00 M 2 plástico, borracha, couro e utensílios domésticos XVIII Louças, ferragens, Mais de 9,00 M 2 9,30 2, ,50 artefatos de plástico, borracha, couro e utensílios domésticos XIX Artesanato, Até 3,00 M 2 4,65 2, ,75

2 2 Diário Oficial XX XXI XXII XXIII antiguidades e artigos de arte em geral Artesanato, antiguidades e artigos de arte em geral Artesanato, antiguidades e artigos de arte em geral Veículos automotivos leves Veículos automotivos leves XXIV Veículos automotivos leves XXV Veículos automotivos pesados XXVI Veículos automotivos pesados XXVII Máquinas e equipamentos XXVIII Máquinas e equipamentos XXIX Móveis, eletroeletrônicos e similares XXX Móveis, eletroeletrônicos e similares XXXI Outros artigos não especificados nos itens anteriores XXXII Outros artigos não especificados nos itens anteriores XXXIII Outros artigos não especificados nos itens anteriores De 3,00 M 2 6,20 2, ,67 Até 9,00 M 2 Mais de 9,00 M 2 9,30 2, ,50 Até 200,00 M 2 37,22 2, ,08 Mais de 200,00 M 2 Até 900,00 M 2 Até 10,00 M 2 37,22 2, ,08 ANEXO XIII DA LEI N , DE 28/02/1996 (Alteração parcial do item 4) 49,62 2, ,44 Mais 900,00 M 2 74,44 2, ,16 Até 1.000,00 M 2 74,44 2, ,16 Mais de 1.000,00 111,66 2, ,25 M 2 Até 600,00 M 2 37,32 2, ,08 Mais de 600,00 74,44 2, ,16 M 2 Até 200,00 M 2 37,22 2, ,08 Mais de 200,00 49,62 2, ,44 M 2 De 10,00 M 2 49,62 2, ,44 Até 100,00 M 2 Mais de 100,00 74,44 2, ,16 M 2 TABELA PARA COBRANÇA DAS TAXAS REFERENTES À APREENSÃO DE MERCADORIAS E EQUIPAMENTOS 4.TAXA DE APREENSÃO DE MERCADORIAS E EQUIPAMENTOS Multa por apreensão de mercadorias 200 UFIR Multa por apreensão de equipamentos 250 UFIR Taxa de permanência de mercadorias no depósito (dia ou fração) 20 UFIR Taxa de permanência de equipamentos no depósito (dia ou fração) 30 UFIR Período máximo de permanência de mercadorias não perecícios e 10 dias equipamentos no depósito da SMCCU Mercadorias perecíveis não retiradas no primeiro dia da apreensão serão doadas a instituições de caridade cadastradas na SMCCU LEI N DE 15 DE DEZEMBRO DE PROJETO DE LEI Nº /2015 AUTOR: PODER EXECUTIVO INSTITUI O PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES EM MACEIÓ, ESTABELECE OS CRITÉRIOS PARA A REGULARIZAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ, Faço saber que a Câmara Municipal de decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º. Esta Lei institui o Programa Municipal de Regularização de Edificações em, autorizando ao Poder Municipal regularizar, mediante contrapartida financeira do beneficiário em outorga onerosa do direito de regularizar, as edificações com situação destoante da legislação urbanística e edilícia em vigor. Art. 2º. A política de regularização de edificações do Município de atenderá, precipuamente, aos princípios: I da cidadania; II da dignidade da pessoa humana; III da justiça social; IV da moradia; V do desenvolvimento urbano; VI da função social da propriedade; VII do bem estar dos habitantes do município. Parágrafo Único. Sem prejuízo das finalidades precípuas do Programa Municipal de Regularização de Edificações em, serão observadas obrigatoriamente as seguintes diretrizes: a) a garantia do direito à cidade sustentável; b) adequação das medidas de regularização imobiliária e edilícia à infraestrutura urbana local; c) estímulo ao desenvolvimento urbano; d) respeito ao planejamento da cidade e distribuição espacial da população; e) correção das distorções do crescimento urbano e seus efeitos negativos sobre o meio ambiente; f) garantia da oferta de equipamentos urbanos e comunitários; g) ordenação e controle do uso do solo para a correta utilização dos imóveis urbanos e coibição da proximidade de usos incompatíveis ou inconvenientes; h) coibição à deterioração das áreas urbanizadas, bem assim à poluição e degradação ambiental. Art. 3º. O Poder Executivo Municipal, por intermédio do órgão de controle urbano, poderá, para fins de atendimento aos preceitos desta Lei e visando expandir o alcance dos efeitos do Programa Municipal de Regularização de Edificações, minimizar as exigências legais da legislação urbanística e edilícia do Município, em conformidade com o Decreto regulamentar desta Lei. Parágrafo Único Fica instituída a Comissão Municipal de Regularização de Edificações, com a seguinte composição e atribuições: I O Órgão terá composição mista com representantes do Poder Executivo e do Poder Legislativo Municipal, nas seguintes condição: a) Um representante da Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento de SEMPLA; b) Um representante da Superintendência Municipal de Controle e Convívio Urbano SMCCU; c) Um representante da Secretaria Municipal de Proteção do Meio Ambiente SEMP- MA; d) Um representante da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Urbanização SEMIN- FRA; e) Um representante dentre os Vereadores do Poder Legislativo Municipal designado pelo Presidente da Câmara de Vereadores; f) Um representante do CREA Conselho Regional de Engenharia e Agronomia. II A comissão será constituída por ato do Prefeito e terá função deliberativa para aprovação dos casos previamente submetidos à SMCCU, após a conclusão das análises técnicas a cargo dos órgãos do Poder Executivo; III A comissão poderá propor diretrizes para o aperfeiçoamento do programa instituído nesta Lei, bem como terá função propositiva para otimizar as ações administrativas de regularização, não podendo alterar os parâmetros contidos no texto da lei; IV As deliberações da comissão serão tomadas em decisão colegiada, que deverão ocorrer pelo menos uma vez por mês para análise e deferimento ou não dos pedidos de regularização apresentadas à SMCCU, após análise final desta. Art. 4º. O Decreto referido no art. 3º disciplinará: I os usos passíveis de inclusão no programa instituído por esta Lei; II os limites mínimos e máximos dos parâmetros construtivos a serem atendidos para a regularização das edificações; III a aplicação do instituto da outorga onerosa do direito de construir como medida financeira

3 Diário Oficial 3 compensatória e condicionadora da regularização obtida, incluindo a fórmula e as variáveis para o seu cálculo; e, IV o prazo de duração do programa de regularização, prorrogável na forma que dispuser o Poder Executivo. LEI N DE 15 DE DEZEMBRO DE PROJETO DE LEI Nº 6.816/2015 AUTOR: PODER EXECUTIVO 1º - O Decreto a que se refere este artigo poderá estabelecer: a) distinções na flexibilização dos parâmetros construtivos segundo o zoneamento urbano, a fim de atender às diretrizes do parágrafo único do art. 2º desta Lei; b) que as edificações residenciais, enquadráveis na disciplina desta Lei e que apresentem grandes distorções em face da legislação urbanística ou edilícia, sujeitar-se-ão, para fins de regularização, às intervenções físicas mínimas que forem determinadas pelo órgão municipal de controle urbano, sob pena de não serem admitidas suas regularizações. 2º - O Decreto referido no caput deste artigo será expedido pelo Poder Executivo no prazo de 90 (noventa) dias contados da publicação desta Lei. Art. 5º - Para todos os efeitos, serão exigidas e respeitadas as condições mínimas de habitabilidade, salubridade e segurança dos imóveis e edificações cujos proprietários aderirem ao projeto de regularização, observados critérios técnicos uniformes de apreciação dos pedidos, disciplinados no Decreto previsto no art. 4º desta Lei. Art. 6º. Os procedimentos de regularização de edificações ater-se-ão exclusivamente aos aspectos urbanísticos e edilícios, vinculados apenas à minimização de exigências contidas na legislação municipal de edificações, posturas e urbanismo, bem assim em normas correlatas. 1º - Incluem-se do âmbito do programa instituído por esta Lei: a) os parcelamentos urbanos e condomínios residenciais com área total de até 600m2; b) as medidas relativas ao remembramento, desmembramento, desdobro e parcelamento de imóveis, necessários à consecução da regularização das edificações com metragem até no máximo de 600m2. 2º - As medidas relativas à regularização das edificações perante o Registro Imobiliário competente, incluindo a averbação de construções, ampliações, demolições, remembramentos, desmembramentos e desdobros, são de inteira responsabilidade dos interessados. Art. 7º. Somente serão beneficiados pelo programa instituído nesta Lei as edificações em imóveis quites com suas obrigações fiscais perante a Fazenda Municipal. Art. 8º. Esta Lei não se aplica às edificações: I surgidas após a sua publicação, nem aos usos que forem excluídos na forma do seu Decreto Regulamentar; II erguidas sobre logradouros públicos de qualquer natureza ou avançando sobre faixas non aedificandi; III localizadas sobre áreas de risco e não sujeitas ao parcelamento do solo (parágrafo único do art. 3º da Lei n.º 6.766, de 19 de dezembro de 1979; art. 146 da Lei Municipal n.º 5.593, de 08 de fevereiro de 2007). Art. 9º. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 10. Revogam-se as disposições em contrário. PREFEITURA DE MACEIÓ, em 15 de Dezembro de KELMANN VIEIRA DE OLIVEIRA Prefeito de em Exercício LEI N DE 15 DE DEZEMBRO DE PROJETO DE LEI Nº /2015 AUTOR: PODER EXECUTIVO REVOGA A LEI DELEGADA Nº 01, DE 26 DE JUNHO DE O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ, Faço saber que a Câmara Municipal de decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Fica revogada a Lei Delegada nº 01, de 26 de Junho de Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. PREFEITURA DE MACEIÓ, em 15 de Dezembro de KELMANN VIEIRA DE OLIVEIRA Prefeito de em Exercício ALTERA O ANEXO II DA LEI Nº 4.486, DE 28 DE FEVEREIRO DE 1996, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ, Faço saber que a Câmara Municipal de decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º. Fica alterado o anexo II da Lei nº 4.486, de 28 de fevereiro de 1996, e suas alterações posteriores, o qual passa a vigorar com a redação constante do anexo desta Lei. Art. 2º. Fica revogado o art. 195-A da Lei nº 4.486, de 28 de fevereiro de Art. 3º. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, respeitando, no tocante ao art. 1º desta Lei, o prazo de 90 dias (noventa dias) para a produção de seus efeitos. PREFEITURA DE MACEIÓ, em 15 de Dezembro de KELMANN VIEIRA DE OLIVEIRA Prefeito de em Exercício ANEXO II TABELAS PARA LANÇAMENTO E COBRANÇA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISS 1- Prestação de Serviços tributados sobre o preço (Mensal): 1 Serviços de informática e congêneres Análise e desenvolvimento de sistemas. 2,00% 1.02 Programação. 2,00% 1.03 Processamento de dados e congêneres. 2,00% 1.04 Elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos. 2,00% 1.05 Licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação. 2,00% 1.06 Assessoria e consultoria em informática. 2,00% 1.07 Suporte técnico em informática, inclusive instalação, configuração e 2,00% manutenção de programas de computação e bancos de dados Planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas. 2 Serviços de pesquisas e desenvolvimento de qualquer natureza. 2,00% 2.01 Serviços de pesquisas e desenvolvimento de qualquer natureza. 3 Serviços prestados mediante locação, cessão de direito de uso e congêneres Cessão de direito de uso de marcas e de sinais de propaganda Exploração de salões de festas, centro de convenções, escritórios virtuais, stands, quadras esportivas, estádios, ginásios, auditórios, casas de espetáculos, parques de diversões, canchas e congêneres, para realização de eventos ou negócios de qualquer natureza Locação, sublocação, arrendamento, direito de passagem ou permissão de uso, compartilhado ou não, de ferrovia, rodovia, postes, cabos, dutos e condutos de qualquer natureza Cessão de andaimes, palcos, coberturas e outras estruturas de uso temporário. 4 Serviços de saúde, assistência médica e congêneres Medicina e biomedicina. 3,00%

4 4 Diário Oficial 4.02 Análises clínicas, patologia, eletricidade médica, radioterapia, quimioterapia, ultra-sonografia, ressonância magnética, radiologia, tomografia e congêneres Hospitais, clínicas, laboratórios, sanatórios, manicômios, casas de saúde, prontos-socorros, ambulatórios e congêneres. 3,00% 3,00% 4.04 Instrumentação cirúrgica. 3,00% 4.05 Acupuntura. 3,00% 4.06 Enfermagem, inclusive serviços auxiliares. 3,00% 4.07 Serviços farmacêuticos. 3,00% 4.08 Terapia ocupacional, fisioterapia e fonoaudiologia. 3,00% 4.09 Terapias de qualquer espécie destinadas ao tratamento físico,orgânico e mental. 3,00% Nutrição. 3,00% Obstetrícia. 3,00% 4.12 Odontologia. 3,00% 4.13 Ortóptica. 3,00% 4.14 Próteses sob encomenda. 3,00% 4.15 Psicanálise. 3,00% 4.16 Psicologia. 3,00% 4.17 Casas de repouso e de recuperação, creches, asilos e congêneres. 3,00% 4.18 Inseminação artificial, fertilização in vitro e congêneres. 3,00% 4.19 Bancos de sangue, leite, pele, olhos, óvulos, sêmen e congêneres. 3,00% 4.20 Coleta de sangue, leite, tecidos, sêmen, órgãos e materiais biológicos de qualquer espécie. 3,00% 4.21 Unidade de atendimento, assistência ou tratamento móvel e congêneres. 3,00% 4.22 Planos de medicina de grupo ou individual e convênios para prestação de assistência médica, hospitalar, odontológica e congêneres Outros planos de saúde que se cumpram através de serviços de terceiros contratados, credenciados, cooperados ou apenas pagos pelo operador do plano mediante indicação do beneficiário. 5 Serviços de medicina e assistência veterinária e congêneres Medicina veterinária e zootecnia Hospitais, clínicas, ambulatórios, prontos-socorros e congêneres, na área veterinária Laboratórios de análise na área veterinária Inseminação artificial, fertilização in vitro e congêneres Bancos de sangue e de órgãos e congêneres Coleta de sangue, leite, tecidos, sêmen, órgãos e materiais biológicos de qualquer espécie Unidade de atendimento, assistência ou tratamento móvel e congêneres Guarda, tratamento, amestramento, embelezamento, alojamento e congêneres Planos de atendimento e assistência médico-veterinária. 6 Serviços de cuidados pessoais, estética, atividades físicas e congêneres Barbearia, cabeleireiros, manicuros, pedicuros e congêneres Esteticistas, tratamento de pele, depilação e congêneres Banhos, duchas, sauna, massagens e congêneres Ginástica, dança, esportes, natação, artes marciais e demais atividades físicas Centros de emagrecimento, SPA e congêneres. 7 Serviços relativos a engenharia, arquitetura, geologia, urbanismo, construção civil, manutenção, limpeza, meio ambiente, saneamento e congêneres Engenharia, agronomia, agrimensura, arquitetura, geologia, urbanismo, paisagismo e congêneres Execução, por administração, empreitada ou subempreitada, de ob ras de construção civil, hidráulica ou elétrica e de outras obras semelhantes, inclusive sondagem, perfuração de poços, escavação, drenagem e irrigação, terraplanagem, pavimentação, concretagem e a instalação e montagem de produtos, peças e equipamentos (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador de serviços fora do local da prestação dos serviços, que fica sujeito ao ICMS) Elaboração de planos diretores, estudos de viabilidade, estudos organizacionais e outros, relacionados com obras e serviços de engenharia; elaboração de anteprojetos, projetos básicos e projetos executivos para trabalhos de engenharia Demolição Reparação, conservação e reforma de edifícios, estradas, pontes, portos e congêneres (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador dos serviços, fora do local da prestação dos serviços, que fica sujeito ao ICMS) Colocação e instalação de tapetes, carpetes, assoalhos, cortinas, revestimentos de parede, vidros, divisórias, placas de gesso e congêneres, com material fornecido pelo tomador do serviço Recuperação, raspagem, polimento e lustração de pisos e congêneres Calafetação Varrição, coleta, remoção, incineração, tratamento, reciclagem, separação e destinação final de lixo, rejeitos e outros resíduos quaisquer, exceto atividade de coleta de óleo usado ou contaminado, que fica sujeito ao ICMS Limpeza, manutenção e conservação de vias e logradouros públicos, imóveis, chaminés, piscinas, parques, jardins e congêneres Decoração e jardinagem, inclusive corte e poda de árvores Controle e tratamento de efluentes de qualquer natureza e de agentes físicos, químicos e biológicos Dedetização, desinfecção, desinsetização, imunização, higienização, desratização, pulverização e congêneres Florestamento, reflorestamento, semeadura, adubação e congêneres Escoramento, contenção de encostas e serviços congêneres Limpeza e dragagem de rios, portos, canais, baías, lagos, lagoas, represas, açudes e congêneres Acompanhamento e fiscalização da execução de obras de engenharia, arquitetura e urbanismo Aerofotogrametria (inclusive interpretação), cartografia, mapeamento, levantamentos topográficos, batimétricos, geográficos, geodésicos, geológicos, geofísicos e congêneres Pesquisa, perfuração, cimentação, mergulho, perfilagem, concretação, testemunhagem, pescaria, estimulação e outros serviços relacionados com a exploração e exploração de petróleo, gás natural e de outros recursos minerais Nucleação e bombardeamento de nuvens e congêneres. 8 Serviços de educação, ensino, orientação pedagógica educacional, instrução, treinamento e avaliação pessoal de qualquer grau ou natureza Ensino regular pré-escolar, fundamental, médio e superior Instrução, treinamento, orientação pedagógica e educacional, avaliação de conhecimentos de qualquer natureza. 9 Serviços relativos a hospedagem, turismo, viagens e congêneres Hospedagem de qualquer natureza em hotéis, apart-service condominiais, flat, apart-hotéis, hotéis residência, residence-service, suíte-service, hotelaria marítima, motéis, pensões e congêneres; ocupação por temporada com fornecimento de serviço (o valor da alimentação e gorjeta, quando incluído no preço da diária, fica sujeito ao Imposto Sobre Serviços) Agenciamento, organização, promoção, intermediação e execução de programas de turismo, passeios, viagens, excursões, hospedagens e congêneres Guias de turismo. 10 Serviços de intermediação e congêneres Agenciamento, corretagem ou intermediação de câmbio, de seguros, de cartões de crédito, de planos de saúde e de planos de previdência privada Agenciamento, corretagem ou intermediação de títulos em geral, valores mobiliários e contratos quaisquer Agenciamento, corretagem ou intermediação de direitos de propriedade industrial, artística ou literária Agenciamento, corretagem ou intermediação de contratos de arrendamento mercantil (leasing), de franquia (franchising) e de facturização (factoring) Agenciamento, corretagem ou intermediação de bens móveis ou imóveis, não abrangidos em outros itens ou subitens, inclusive aqueles realizados no âmbito de Bolsa de Mercadorias e Futuros, por quaisquer meios Agenciamento marítimo Agenciamento de notícias Agenciamento de publicidade e propaganda, inclusive o agenciamento de veiculação por quaisquer meios Representação de qualquer natureza, inclusive comercial Distribuição de bens de terceiros. 11 Serviços de guarda, estacionamento, armazenamento, vigilância e congêneres Guarda e estacionamento de veículos terrestres automotores, de aeronaves e de embarcações Vigilância, segurança ou monitoramento de bens e pessoas Escolta, inclusive de veículos e cargas Armazenamento, depósito, carga, descarga, arrumação e guarda de bens de qualquer espécie. 12 Serviços de diversões, lazer, entretenimento e congêneres Espetáculos teatrais. 4,00% Exibições cinematográficas. 4,00% Espetáculos circenses. 4,00%

5 Diário Oficial Programas de auditório. 4,00% Parques de diversões, centros de lazer e congêneres. 4,00% Boates, taxi-dancing e congêneres. 4,00% Shows, ballet, danças, desfiles, bailes, óperas, concertos, recitais, 4,00% festivais e congêneres Feiras, exposições, congressos e congêneres. 4,00% Bilhares, boliches e diversões eletrônicas ou não. 4,00% Corridas e competições de animais. 4,00% Competições esportivas ou de destreza física ou intelectual, com ou sem a participação do espectador. 4,00% Execução de música. 4,00% Produção, mediante ou sem encomenda prévia, de eventos, espetáculos, 4,00% entrevistas, shows, ballet, danças, desfiles, bailes, teatros, óperas, concertos, recitais, festivais e congêneres Fornecimento de música para ambientes fechados ou não, mediante transmissão por qualquer processo Desfiles de blocos carnavalescos ou folclóricos, trios elétricos e congêneres Exibição de filmes, entrevistas, musicais, espetáculos, shows, concertos, desfiles, óperas, competições esportivas, de destreza intelectual ou congêneres Recreação e animação, inclusive em festas e eventos de qualquer natureza. 13 Serviços relativos a fonografia, fotografia, cinematografia e reprografia Fonografia ou gravação de sons, inclusive trucagem, dublagem, mixagem e congêneres Fotografia e cinematografia, inclusive revelação, ampliação, cópia, reprodução, trucagem e congêneres. 4,00% 4,00% 4,00% 4,00% Reprografia, microfilmagem e digitalização Composição gráfica, fotocomposição, clicheria, zincografia, litografia, fotolitografia. 14 Serviços relativos a bens de terceiros Lubrificação, limpeza, lustração, revisão, carga e recarga, conserto, restauração, blindagem, manutenção e conservação de máquinas, veículos, aparelhos, equipamentos, motores, elevadores ou de qualquer objeto (exceto peças e partes empregadas, que ficam sujeitas ao ICMS) Assistência técnica Recondicionamento de motores (exceto peças e partes empregadas, que ficam sujeitas ao ICMS) Recauchutagem ou regeneração de pneus Restauração, recondicionamento, acondicionamento, pintura, beneficiamento, lavagem, secagem, tingimento, galvanoplastia, anodização, corte, recorte, polimento, plastificação e congêneres, de objetos quaisquer Instalação e montagem de aparelhos, máquinas e equipamentos, inclusive montagem industrial, prestados ao usuário final, exclusivamente com material por ele fornecido Colocação de molduras e congêneres Encadernação, gravação e douração de livros, revistas e congêneres Alfaiataria e costura, quando o material for fornecido pelo usuário final, exceto aviamento Tinturaria e lavanderia Tapeçaria e reforma de estofamentos em geral Funilaria e lanternagem Carpintaria e serralheria. 15 Serviços relacionados ao setor bancário ou financeiro, inclusive aqueles prestados por instituições financeiras autorizadas a funcionar pela União ou por quem de direito Administração de fundos quaisquer, de consórcio, de cartão de crédito ou débito e congêneres, de carteira de clientes, de cheques pré-datados e congêneres Abertura de contas em geral, inclusive conta-corrente, conta de investimentos e aplicação e caderneta de poupança, no País e no exterior, bem como a manutenção das referidas contas ativas e inativas Locação e manutenção de cofres particulares, de terminais eletrônicos, de terminais de atendimento e de bens e equipamentos em geral Fornecimento ou emissão de atestados em geral, inclusive atestado de idoneidade, atestado de capacidade financeira e congêneres Cadastro, elaboração de ficha cadastral, renovação cadastral e congêneres, inclusão ou exclusão no Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos CCF ou em quaisquer outros bancos cadastrais Emissão, reemissão e fornecimento de avisos, comprovantes e documentos em geral; abono de firmas; coleta e entrega de documentos, bens e valores; comunicação com outra agência ou com a administração central; licenciamento eletrônico de veículos; transferência de veículos; agenciamento fiduciário ou depositário; devolução de bens em custódia Acesso, movimentação, atendimento e consulta a contas em geral, por qualquer meio ou processo, inclusive por telefone, fac-símile, internet e telex, acesso a terminais de atendimento, inclusive vinte e quatro horas; acesso a outro banco e a rede compartilhada; fornecimento de saldo, extrato e demais informações relativas a contas em geral, por qualquer meio ou processo Emissão, reemissão, alteração, cessão, substituição, cancelamento e registro de contrato de crédito; estudo, análise e avaliação de operações de crédito; emissão, concessão, alteração ou contratação de aval, fiança, anuência e congêneres; serviços relativos a abertura de crédito, para quaisquer fins Arrendamento mercantil (leasing) de quaisquer bens, inclusive cessão de direitos e obrigações, substituição de garantia, alteração, cancelamento e registro de contrato, e demais serviços relacionados ao arrendamento mercantil (leasing) Serviços relacionados a cobranças, recebimentos ou pagamentos em geral, de títulos quaisquer, de contas ou carnês, de câmbio, de tributos e por conta de terceiros, inclusive os efetuados por meio eletrônico, automático ou por máquinas de atendimento; fornecimento de posição de cobrança, recebimento ou pagamento; emissão de carnês, fichas de compensação, impressos e documentos em geral Devolução de títulos, protesto de títulos, sustação de protesto, manutenção de títulos, reapresentação de títulos, e demais serviços a eles relacionados Custódia em geral, inclusive de títulos e valores mobiliários Serviços relacionados a operações de câmbio em geral, edição, alteração, prorrogação, cancelamento e baixa de contrato de câmbio; emissão de registro de exportação ou de crédito; cobrança ou depósito no exterior; emissão, fornecimento e cancelamento de cheques de viagem; fornecimento, transferência, cancelamento e demais serviços relativos a carta de crédito de importação, exportação e garantias recebidas; envio e recebimento de mensagens em geral relacionadas a operações de câmbio Fornecimento, emissão, reemissão, renovação e manutenção de cartão magnético, cartão de crédito, cartão de débito, cartão salário e congêneres Compensação de cheques e títulos quaisquer; serviços relacionados a depósito, inclusive depósito identificado, a saque de contas quaisquer, por qualquer meio ou processo, inclusive em terminais eletrônicos e de atendimento Emissão, reemissão, liquidação, alteração, cancelamento e baixa de ordens de pagamento, ordens de crédito e similares, por qualquer meio ou processo; serviços relacionados à transferência de valores, dados, fundos, pagamentos e similares, inclusive entre contas em geral Emissão, fornecimento, devolução, sustação, cancelamento e oposição de cheques quaisquer, avulso ou por talão Serviços relacionados a crédito imobiliário, avaliação e vistoria de imóvel ou obra, análise técnica e jurídica, emissão, reemissão, alteração, transferência e renegociação de contrato, emissão e reemissão do termo de quitação e demais serviços relacionados a crédito imobiliário. 16 Serviços de transporte de natureza municipal Serviços de transporte de natureza municipal. 17 Serviços de apoio técnico, administrativo, jurídico, contábil, comercial e congêneres Assessoria ou consultoria de qualquer natureza, não contida em outros itens desta lista; análise, exame, pesquisa, coleta, compilação e fornecimento de dados e informações de qualquer natureza, inclusive cadastro e similares Datilografia, digitação, estenografia, expediente, secretaria em geral, resposta audível, redação, edição, interpretação, revisão, tradução, apoio e infraestrutura administrativa e congêneres Planejamento, coordenação, programação ou organização técnica, financeira ou administrativa Recrutamento, agenciamento, seleção e colocação de mão-de-obra Fornecimento de mão-de-obra, mesmo em caráter temporário, inclusive de empregados ou trabalhadores, avulsos ou temporários, contratados pelo prestador de serviço Propaganda e publicidade, inclusive promoção de vendas, planejamento de campanhas ou sistemas de publicidade, elaboração de desenhos, textos e demais materiais publicitários Franquia (franchising) Perícias, laudos, exames técnicos e análises técnicas Planejamento, organização e administração de feiras, exposições, congressos e congêneres Organização de festas e recepções; bufê (exceto o fornecimento de alimentação e bebidas, que fica sujeito ao ICMS) Administração em geral, inclusive de bens e negócios de terceiros Leilão e congêneres Advocacia Arbitragem de qualquer espécie, inclusive jurídica Auditoria Análise de Organização e Métodos Atuária e cálculos técnicos de qualquer natureza Contabilidade, inclusive serviços técnicos e auxiliares Consultoria e assessoria econômica ou financeira.

6 6 Diário Oficial Estatística Cobrança em geral Assessoria, análise, avaliação, atendimento, consulta, cadastro, seleção, gerenciamento de informações, administração de contas a receber ou a pagar e em geral, relacionados a operações de faturização (factoring) Apresentação de palestras, conferências, seminários e congêneres. 28 Serviços de avaliação de bens e serviços de qualquer natureza Serviços de avaliação de bens e serviços de qualquer natureza. 29 Serviços de biblioteconomia Serviços de biblioteconomia. 18 Serviços de regulação de sinistros vinculados a contratos de seguros; inspeção e avaliação de riscos para cobertura de contratos de seguros; prevenção e gerência de riscos seguráveis e congêneres Serviços de regulação de sinistros vinculados a contratos de seguros; inspeção e avaliação de riscos para cobertura de contratos de seguros; prevenção e gerência de riscos seguráveis e congêneres. 19 Serviços de distribuição e venda de bilhetes e demais produtos de loteria, bingos, cartões, pules ou cupons de apostas, sorteios, prêmios, inclusive os decorrentes de títulos de capitalização e congêneres Serviços de distribuição e venda de bilhetes e demais produtos de loteria, bingos, cartões, pules ou cupons de apostas, sorteios, prêmios, inclusive os decorrentes de títulos de capitalização e congêneres. 20 Serviços portuários, aeroportuários, ferroportuários, de terminais rodoviários, ferroviários e metroviários Serviços portuários, ferroportuários, utilização de porto, movimentação de passageiros, reboque de embarcações, rebocador escoteiro, atracação, desatracação, serviços de praticagem, capatazia, armazenagem de qualquer natureza, serviços acessórios, movimentação de mercadorias, serviços de apoio marítimo, de movimentação ao largo, serviços de armadores, estiva, conferência, logística e congêneres Serviços aeroportuários, utilização de aeroporto, movimentação de passageiros, armazenagem de qualquer natureza, capatazia, movimentação de aeronaves, serviços de apoio aeroportuários, serviços acessórios, movimentação de mercadorias, logística e congêneres Serviços de terminais rodoviários, ferroviários, metroviários, movimentação de passageiros, mercadorias, inclusive suas operações, logística e congêneres. 30 Serviços de biologia, biotecnologia e química Serviços de biologia, biotecnologia e química. 31 Serviços técnicos em edificações, eletrônica, eletrotécnica, mecânica, telecomunicações e congêneres Serviços técnicos em edificações, eletrônica, eletrotécnica, mecânica, telecomunicações e congêneres. 32 Serviços de desenhos técnicos Serviços de desenhos técnicos. 33 Serviços de desembaraço aduaneiro, comissários, despachantes e congêneres Serviços de desembaraço aduaneiro, comissários, despachantes e congêneres. 34 Serviços de investigações particulares, detetives e congêneres Serviços de investigações particulares, detetives e congêneres. 35 Serviços de reportagem, assessoria de imprensa, jornalismo e relações públicas Serviços de reportagem, assessoria de imprensa, jornalismo e relações públicas. 36 Serviços de meteorologia Serviços de meteorologia. 21 Serviços de registros públicos, cartorários e notariais Serviços de registros públicos, cartorários e notariais. 37 Serviços de artistas, atletas, modelos e manequins Serviços de artistas, atletas, modelos e manequins. 22 Serviços de exploração de rodovia Serviços de exploração de rodovia mediante cobrança de preço ou pedágio dos usuários, envolvendo execução de serviços de conservação, manutenção, melhoramentos para adequação de capacidade e segurança de trânsito, operação, monitoração, assistência aos usuários e outros serviços definidos em contratos, atos de concessão ou de permissão ou em normas oficiais. 23 Serviços de programação e comunicação visual, desenho industrial e congêneres Serviços de programação e comunicação visual, desenho industrial e congêneres. 38 Serviços de museologia Serviços de museologia. 39 Serviços de ourivesaria e lapidação Serviços de ourivesaria e lapidação (quando o material for fornecido pelo tomador do serviço). 40 Serviços relativos a obras de arte sob encomenda Obras de arte sob encomenda. *Na prestação dos serviços descritos nos subítens 4.01 à 4.21, quando prestados ao SUS Sistema Único de Saúde, aplica-se a alíquota de 2% (Dois por cento). 24 Serviços de chaveiros, confecção de carimbos, placas, sinalização visual, banners, adesivos e congêneres Serviços de chaveiros, confecção de carimbos, placas, sinalização visual, banners, adesivos e congêneres Serviços funerários Funerais, inclusive fornecimento de caixão, urna ou esquifes; aluguel de capela; transporte do corpo cadavérico; fornecimento de flores, coroas e outros paramentos; desembaraço de certidão de óbito; fornecimento de véu, essa e outros adornos; embalsamento, embelezamento, conservação ou restauração de cadáveres. " Cremação de corpos e partes de corpos cadavéricos Planos ou convênio funerários Manutenção e conservação de jazigos e cemitérios. 26 Serviços de coleta, remessa ou entrega de correspondências, documentos, objetos, bens ou valores, inclusive pelos correios e suas agências franqueadas; courrier e congêneres Serviços de coleta, remessa ou entrega de correspondências, documentos, objetos, bens ou valores, inclusive pelos correios e suas agências franqueadas; courrier e congêneres. 27 Serviços de assistência social Serviços de assistência social. LEI N DE 15 DE DEZEMBRO DE PROJETO DE LEI Nº /2015 AUTOR: PODER EXECUTIVO ALTERA A LEI Nº /2010, QUE TRATA DA AGÊNCIA REGULA- DORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ (ARSMAC) E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ, Faço saber que a Câmara Municipal de decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º. A Lei municipal nº /2010 passa a viger com a seguinte redação e os acréscimos a seguir: CAPÍTULO I DA AUTARQUIA ATRIBUIÇÕES E ÁREA DE ATUAÇÃO Art. 4º... c) manejo de resíduos sólidos, através do conjunto de atividades, relativas ao tratamento e destinação final dos resíduos sólidos urbanos municipais.

7 Diário Oficial 7... Art. 6º. A ARSMAC será representada, ativa e passivamente, pelo seu Presidente, na esfera administrativa, sem prejuízo da atuação da assessoria jurídica da Procuradoria-Geral do Município, de acordo com os ditames da Lei delegada municipal nº. 002/2014. CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA E REGULAÇÃO Art. 7º.... 2º... XIII Os indicadores de qualidade das águas captadas, tratadas e distribuídas bem como dos esgotos coletados, transportados e tratados e destino final dos resíduos sólidos e das águas pluviais captadas, transportadas e do destino final.... Art. 8º. Todo o trâmite administrativo da ARSMAC, inclusive relativo aos recursos de suas decisões, obedecerá à estruturação prevista nesta Lei. Parágrafo Único. Na omissão desta lei, aplicar-se-á a Lei Nacional nº /99, até o advento de Lei específica do processo administrativo municipal. CAPÍTULO IV DAS ENTIDADES REGULADAS Art º. Incluem-se entre os dados e informações a que se refere o caput deste artigo aquelas produzidas pelo Concessionário de Serviço Público ou por outros profissionais contratados e/ ou autorizados para executar serviços ou fornecer materiais e equipamentos específicos. 2º VIII repassar a ARSMAC, mensalmente a título de Taxa de Regulação e Fiscalização, o percentual de 1% (um por cento) do faturamento bruto dos serviços prestados no Município de. CAPÍTULO V DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA Seção I Das Disposições Gerais Art. 11. A ARSMAC terá a seguinte estrutura: I - Diretoria Executiva; II - Coordenadorias de Regulação; III Assessoria Direta; IV Chefia de Gabinete; V Assessoria Técnica. 1º. A Diretoria Executiva será composta pelos seguintes cargos: I Diretor-Presidente, com vencimentos fixados no mesmo valor determinado pelo Poder Concedente aos seus Secretários Municipais, incluído reajustes, a ser escolhido e nomeado pelo Chefe do Poder Executivo, que em suas faltas e impedimentos será substituído em forma de rodízio pelos demais diretores; II - Diretor de Regulação Técnica; III - Diretor de Regulação Econômico- Financeira. 2º. As Coordenadorias de Regulação, cujos cargos são aqueles previstos no anexo desta Lei, terá competência legal para atuação nas matérias constantes do artigo 4º da Lei municipal nº / º. As competências poderão ser pormenorizadas através de regulamento expedido pelo Diretor-Presidente da ARSMAC. Seção II Da Organização Administrativa da Diretoria Executiva Art. 12. A Agência Reguladora de Serviços de Saneamento Básico do Município de - ARSMAC, será dirigida pela Diretoria Executiva, composta por 01(um) Diretor-Presidente, 01(um) Diretor de Regulação Técnico e 1(um) Diretor de Regulação Econômico-Financeiro, em regime de colegiado cabendo ao Diretor Presidente a direção geral da ARSMAC, exercendo o cargo no nível de Secretário de Município. 1º Os membros da Diretoria Executiva da ARSMAC, nomeados pelo Prefeito de, cumprirão mandatos não coincidentes de 05 (cinco) anos. 2º Na primeira gestão da ARSMAC, visando implementar a transição para o sistema de mandatos não coincidentes, os Diretores serão nomeados pelo Prefeito com mandatos de 5 (cinco) anos para o Diretor-Presidente, 04 (quatro) anos para o Diretor de Regulação Técnico e 03 (três) anos para Diretor de Regulação Econômico-Financeiro. 3º Na vacância da função, o novo Diretor Presidente nomeado cumprirá o período remanescente do mandato. 4º O Presidente e demais Diretores permanecerão no exercício de suas funções após o término de seu mandato, até a posse de seu sucessor. 5º Qualquer vacância no cargo de Diretor será suprida mediante nomeação do Prefeito, em caráter definitivo, válida até o termo final do mandato declarado vago. 6º Na ausência do Diretor-Presidente, este designará, dentre os Diretores, aquele que interinamente exercerá a direção, sendo vedado ao mesmo Diretor exercer tal função por duas ausências consecutivas do Diretor Presidente. 7º É vedado aos Diretores, pelo prazo de 01 (um) ano a contar do término dos respectivos mandatos, exercer direta ou indiretamente qualquer cargo ou função de controlador, diretor, administrador, gerente, preposto, mandatário, consultor ou empregado de qualquer entidade regulada, exceto no caso de empresa pública ou autárquica, nem patrocinar direta ou indiretamente interesses das entidades reguladas junto à ARSMAC. 8º A infringência do disposto no 7º sujeitará o Diretor à multa cobrável por via executiva, definida na regulamentação desta Lei, sem prejuízo de outras sanções administrativas, cíveis ou penais aplicáveis 9º Durante o prazo referido no 7º, os ex-dirigentes da ARSMAC, poderão, aos seus exclusivos critérios, a ela ficar vinculados, porém prestando serviços a outro órgão da administração pública municipal em área compatível com sua formação e qualificação profissional, mediante remuneração equivalente a 100% (cem por cento) do cargo de direção que exerceu. 10 A posse do Diretor Presidente e demais Diretores, pressupõe a prévia assinatura de termo por escrito, comprometendo-se a não exercer diretamente qualquer cargo ou função de controlador, diretor, administrador, gerente, mandatário, empregado de qualquer entidade diretamente regulada, ou patrocinar direta ou indiretamente interesses desta junto a ARSMAC, pelo prazo de até 01 (um) ano contados do término do mandato. 11 O Presidente e demais Diretores somente perderão a função em quaisquer das seguintes hipóteses, isolada ou cumulativamente: I - comprovação de que a permanência na função poderá comprometer a independência e integridade da ARSMAC; II - prática de improbidade administrativa, violação das regras éticas estabelecidas pela ARSMAC, comprovadas mediante processo administrativo, ou condenação penal transitada em julgado; III - rejeição definitiva de suas contas pelo Tribunal de Contas do Estado; IV exercer, cumulativamente, qualquer cargo ou função de controlador, diretor, administrador, gerente, preposto, mandatário, consultor ou empregado de qualquer entidade regulada; V - tornar-se sócio, quotista ou acionista de qualquer entidade regulada; VI - exercer atividade político-partidária. 12 Constatada a ocorrência de condutas e situações irregulares referidas nesta lei, caberá à Procuradoria-Geral do Município, a pedido do Prefeito, abrir processo administrativo, cuja conclusão não deverá exceder o prazo de cento e vinte dias, contados de seu início, assegurada ao Diretor ampla defesa e contraditório. 13 O prazo referido no 12 deste artigo poderá, justificadamente, ser ampliado por igual período uma única vez. 14 Se a conclusão das apurações for pela demissão do Diretor-Presidente e demais Diretores, o processo será submetido ao Chefe do Poder Executivo para o ato pertinente, sem prejuízo das sanções administrativas, civis e penais cabíveis. Art III ter formação acadêmica de graduação em engenharia, e comprovada experiência profissional de, no mínimo, 10(dez) anos no serviço público.... Art. 14. Além da Diretoria, os demais Agentes Públicos da ARSMAC perderão seus mandatos ou cargos, após regular processo administrativo em que sejam assegurados ampla defesa e contraditório, nas seguintes hipóteses: I - exercerem qualquer cargo ou função de controlador, diretor, administrador, gerente, mandatário, empregado em qualquer entidade diretamente regulada pela ARS- MAC; II - receber, a qualquer título, quantia, desconto, vantagem, ou benefício de qualquer entidade regulada, exceto os provenientes de aposentadoria; III - tornar-se sócio, quotista ou acionista de qualquer entidade diretamente regulada pela ARSMAC; IV - exercer cargo ou função em partido político; V - exercer cargo ou função em entidade sindical; Parágrafo Único. O Diretor-Presidente poderá sugerir a exoneração de quaisquer cargos da ARSMAC, respeitado o mandato dos demais Diretores.... Art. 16. A posse do Diretor Presidente e demais Diretores, Assessores, Coordenadores e Chefe de Gabinete pressupõe a prévia assinatura de termo por escrito, comprometendo-se a não exercer diretamente qualquer cargo ou função de controlador, diretor, administrador, gerente, mandatário, empregado de qualquer entidade diretamente regulada, ou patrocinar direta ou indiretamente interesses desta junto a ARSMAC, pelo prazo de 01 (um) ano contado do término do mandato. Seção III Da Diretoria Executiva e da Presidência Art. 18. A Diretoria Executiva da ARS- MAC é o seu órgão deliberativo superior, incumbido das competências executiva e fiscal, organizado em regime colegiado, na forma disposta em lei. 1º A Diretoria Executiva será formada por 03 (três) Diretores nomeados pelo Prefeito, sendo que cumprirão mandatos não coincidentes e alternados de cinco anos, admitida uma única recondução. 2º Os cargos em comissão serão de dedicação exclusiva. 3º Qualquer vacância no cargo de Diretor será suprida mediante nomeação do Prefeito, em caráter definitivo, válida até o termo final do mandato declarado vago. 4º A Diretoria Executiva da ARSMAC terá como quórum de instalação das suas reuniões o de 02 (dois) Diretores, no mínimo, sendo que um deles necessariamente deverá ser o Diretor-Presidente, a quem incumbe o voto de qualidade em caso de empate. 5º. A Diretoria Executiva reunir-se-á pelo menos uma vez a cada quinze dias para proferir decisões, nos termos estabelecidos em Lei, devendo ser lavrada ata da

8 8 Diário Oficial reunião, na qual constarão as assinaturas dos Diretores. 6º. As decisões da Diretoria serão tomadas com o voto de pelo menos dois Diretores, sendo um deles o Diretor- Presidente. 7º Em caso de ausência de qualquer dos Diretores e havendo empate em deliberação, prevalecerá o voto do Diretor- Presidente. 8º O processo decisório da ARSMAC obedecerá aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e economia processual, de acordo com os procedimentos a serem definidos na regulamentação desta Lei, assegurados aos interessados o contraditório e a ampla defesa, com os meios e recursos inerentes. 9º A entidade regulada ou seu preposto que tenha matéria sob análise da direção da ARSMAC não poderá contatar, salvo pelas vias administrativas ordinárias, quaisquer membros da Diretoria acerca do mérito da matéria sob consideração. 10º As decisões da ARSMAC deverão ser fundamentadas e publicadas, e delas caberá Pedido de Reconsideração, no prazo de 20 (vinte) dias contados da intimação ou publicação no Diário Oficial do Município - DOM, devendo eventual efeito suspensivo ser analisado pela Diretoria Executiva. 11 À Diretoria Executiva fica atribuída à função de analisar, discutir e decidir, como instância administrativa superior, as matérias de competência da ARSMAC, bem como: I - elaborar e acompanhar o planejamento estratégico anual da ARSMAC; II - elaborar políticas administrativas internas e de recursos humanos; III - fixar programa de atividades e plano de metas para cada exercício; IV - fiscalizar e fazer cumprir as normas legais, regulamentares e pactuadas relativas aos serviços públicos regulados, e em especial os contratos de concessão e termos de permissão; V - propor ao poder concedente alteração das condições da concessão ou permissão de serviço público regulado; VI - aprovar anualmente tabela definindo os valores referentes à venda de publicações, material técnico, dados e informações, inclusive para fins de licitação pública, de emolumentos administrativos e de taxas de inscrição em concurso público, bem como os derivados de emolumentos e preços cobrados em decorrência do exercício de fiscalização, ou relativos a quantias recebidas pela aprovação de laudos e prestação de serviços técnicos pela ARSMAC; VII aprovar a celebração de convênios com entidades públicas e privadas; VIII - aprovar o recebimento de legados e doações com encargos; IX decidir sobre conflitos entre o poder concedente, entidades reguladas e usuários, servindo como instância administrativa definitiva nas questões referentes a serviços públicos regulados de competência originária do Município de ou quando tal competência for outorgada à ARSMAC pelo poder concedente; X decidir sobre pedidos de estabelecimento, reajuste e revisão de tarifas e estruturas tarifárias, com vistas à modicidade das tarifas e ao equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão ou termos de permissão, servindo como instância administrativa definitiva nas questões referentes a serviços públicos regulados de competência originária do Município de ou quando tal competência for outorgada à ARSMAC pelo poder concedente; XI expedir resoluções e instruções tendo por objeto os contratos de concessão ou termos de permissão de serviços públicos delegados submetidos à competência regulatória da ARSMAC, inclusive fixando prazos para cumprimento de obrigações por parte das entidades reguladas; XII - aprovar normas e recomendações relativas à qualidade dos serviços públicos regulados, com base em propostas elaboradas pelas Coordenadorias de Regulação; XIII aprovar o regimento interno da AR- SMAC, bem como suas alterações; XIV - aprovar os pareceres emitidos e avaliar sua relevância e interesse público para fins de publicação no Diário Oficial do Município; XV - aprovar normas administrativas e de regulação elaboradas no âmbito da ARS- MAC; XVI aprovar o orçamento da ARSMAC, a ser incluído no Orçamento Geral do Município; XVII estimular a competição nos setores regulados, assegurando a proteção contra práticas abusivas e monopolistas; XVIII determinar diligências junto ao poder concedente e entidades reguladas, nos termos das normas legais, regulamentares e pactuadas; XIX - aprovar investimentos a serem realizados por entidade regulada em função do serviço público delegado, nos termos previstos no contrato de concessão ou termo de permissão; XX promover, organizar e homologar licitações para outorga de concessões e permissões de serviços públicos, quando tal competência lhe for conferida pelo poder concedente; XXI contatar órgãos públicos e privados, sobre assuntos relacionados com as atividades da ARSMAC; XXII propor ajustes e modificações na legislação necessária à modernização do ambiente institucional de sua atuação; XXIII aplicar multas e penalidades, ou delegar às Coordenadorias de Regulação referida competência, nos termos das normas legais, regulamentares ou pactuadas; XXIV intervir, propor declaração de caducidade e promover encampação de concessão ou permissão de serviço público regulado, nos casos e condições previstos em normas legais, regulamentares ou pactuadas; XXV extinguir a concessão ou a permissão de serviço público regulado, nos casos previstos em normas legais, regulamentares ou pactuadas; XXVI elaborar periodicamente plano de metas relativo às obrigações de universalização, a ser enviado para aprovação do Poder Executivo, prevendo a adoção de medidas efetivas, por parte das entidades reguladas, que assegurem a oferta dos serviços públicos regulados a áreas de baixa renda e densidade, urbanas e rurais, de forma a promover o desenvolvimento econômico e social; XXVII julgar como instância administrativa os recursos relativos a penalidades impostas às entidades reguladas; XXVIII elaborar relatórios referentes às atividades desenvolvidas pela ARSMAC e enviá-los, conforme o caso, ao Prefeito, à Câmara Municipal e ao Tribunal de Contas; XXIX - resolver os casos omissos e exercer outras atribuições que lhe sejam deferidas pelo regimento interno da ARSMAC. Art. 18-A. Compete exclusivamente ao Diretor Presidente da ARSMAC: I - Convocar e presidir reuniões da Diretoria Executiva; II expedir atos administrativos de incumbência e competência da ARSMAC; III firmar em nome da ARSMAC, contratos, convênios, acordos, ajustes e outros instrumentos legais, conforme decisão da Diretoria Executiva; IV - praticar atos de gestão de recursos humanos, previamente aprovados pela Diretoria Executiva, tais como aprovar edital, homologar resultados de concursos públicos, contratar nomear e exonerar pessoal, nos termos da legislação em vigor; V - supervisionar as atividades técnicas e administrativas da ARSMAC; VI - autorizar despesas, com observância do orçamento da ARSMAC, e movimentar recursos em conjunto com a Diretoria Executiva; e VII - executar outras atividades que lhe sejam atribuídas pelo regimento interno da ARSMAC. 2º. O Diretor Presidente contará com assessor, ao qual competirá assistir ao Diretor- Presidente no exercício das funções discriminadas neste artigo. Art. 18-B. A Presidência será composta por um Diretor Presidente, indicado e nomeado pelo Prefeito, cabendo-lhe a Direção Geral da ARSMAC, exercendo o cargo no nível de Secretário de Município. 1º O mandato do Diretor Presidente será de 05 (cinco) anos, admitida uma única recondução. 2º Na vacância da função, o novo Diretor Presidente nomeado cumprirá o período remanescente do mandato. 3º O Diretor Presidente permanecerá no exercício de suas funções após o término de seu mandato, até a posse de seu sucessor. 4º Junto à Presidência funcionará a Chefia do Gabinete do Diretor Presidente, a ser exercida por um Chefe de Gabinete nomeado em comissão, por livre indicação do Diretor Presidente e nomeação do Prefeito, cujas atribuições serão detalhadas em regulamento. Seção IV Da Diretoria de Regulação Econômico- Financeira Art. 19. Compete ao Diretor de Regulação Econômico-Financeira primordialmente a análise e controle das tarifas e estruturas tarifárias aplicadas pelas entidades reguladas, verificando se estas atendem às normas legais, regulamentares e pactuadas, e em especial, aos requisitos de modicidade e equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão ou termos de permissão. 1º As atividades de regulação econômica desenvolvidas pela ARSMAC visarão executar as atividades relacionadas aos processos de fixação de tarifas, de reajustes, revisões tarifárias, incluindo o monitoramento e a avaliação dos custos, bem como a definição de metas que estimulem o aumento da eficiência na prestação dos serviços. 2º Além dessas a Diretoria de Regulação Econômico-Financeira terá como atribuições coordenar e supervisionar as atividades atinentes à Administração de Pessoal, Execução Orçamentária, Receita, Contabilidade, Administração de Material, Administração Patrimonial, Comunicações Administrativas, Administração de Transportes e Atividades Complementares, bem como as demais que lhe forem atribuídas e detalhadas em regulamento. 3º O cargo de Diretor de Regulação Econômico-Financeira será exercida por cidadão nomeado em comissão, ao nível de assessor especial, por livre indicação do Diretor Presidente e nomeação pelo Prefeito, devendo o escolhido preencher as seguintes condições: I ser residente ou se estabelecer na cidade de ; II possuir idoneidade moral e reputação ilibada; III ter formação acadêmica em administração de empresas, contabilidade, ou economia, com comprovada experiência de, pelo menos, 10(dez) anos no serviço público; IV não ser acionista, quotista ou empregado de qualquer entidade regulada; V não ser cônjuge, companheiro, ou ter qualquer parentesco por consangüinidade, em linha reta ou colateral até o segundo grau, com direto ou conselheiro de qualquer entidade regulada ou com pessoa que detenha mais de 1% (um por cento) do capital social dessas entidades; VI não litigar ou possuir quaisquer demandas, salvo as de ordem pessoal, contra a Administração Municipal Direta ou Indireta. Seção V Da Diretoria de Regulação Técnica Art. 20. Compete à Diretoria de Regulação Técnica executar as atividades de regulamentação, normatização, monitoramento e definição de indicadores e parâmetros relativos aos padrões dos serviços e manutenção das instalações de saneamento básico, concedidos pelo município de. 1º Compete também, sem prejuízo das atribuições previstas no caput, coordenar e supervisionar as atividades atinentes a Políticas Regulatórias, Padrões de Serviços, Fiscalização Técnica das Entidades Reguladas, bem como as demais que lhe forem atribuídas e detalhadas em regulamento. 2º O cargo de Diretor de Regulação

9 Diário Oficial 9 Técnica será exercida por um cidadão, nomeado em comissão, ao nível de assessor especial, por livre indicação do Diretor Presidente e nomeação pelo Prefeito, devendo o escolhido preencher as seguintes condições: I ser residente ou se estabelecer na cidade de ; II possuir idoneidade moral e reputação ilibada; III ter formação acadêmica de graduação em engenharia, com comprovada experiência de, pelo menos, 10(dez) anos no serviço público; IV não ser acionista, quotista ou empregado de qualquer entidade regulada; V não ser cônjuge, companheiro, ou ter qualquer parentesco por consangüinidade, em linha reta ou colateral até o segundo grau, com direto ou conselheiro de qualquer entidade regulada ou com pessoa que detenha mais de 1% (um por cento) do capital social dessas entidades; VI não litigar ou possuir quaisquer demandas, salvo as de ordem pessoal, contra a Administração Municipal Direta ou Indireta. Seção VII Da Assessoria Direta, Da Assessoria Técnica e da Chefia de Gabinete Art. 21. Compete à Assessoria Direta: I - aconselhar sobre a legalidade das ações regulatórias, desenvolver e propor diretrizes para os contratos de concessão de serviços, elaborar documentos jurídicos relativos aos regulamentos propostos e os contratos pertinentes; II auxiliar e assessorar a Procuradoria- Geral do Município, na representação judicial dos ocupantes de cargos comissionados de Direção da Agência, com referência aos atos praticados em decorrência de suas atribuições legais ou institucionais; III - dar suporte ao sistema de Ouvidoria da ARSMAC. IV coordenar a compilação de legislação relativa às atividades desenvolvidas pela ARSMAC; V executar outras atividades que lhe sejam atribuídas pelo regimento interno, sempre em auxílio e sem prejuízo das atribuições da Procuradoria-Geral do Município, a quem incumbe à representação judicial e extrajudicial da Administração Direta e Indireta; VI manter contatos com órgãos públicos e privados em assuntos da esfera jurídica de interesse da ARSMAC; VII - assessorar a Diretoria Executiva, além das Coordenadorias de Regulação da ARSMAC; VIII - emitir pareceres com o objetivo de subsidiar as decisões da Diretoria Executiva; IX - elaborar e avaliar convênios, acordos, contratos e outros instrumentos legais em que a ARSMAC se constitua como parte integrante; X realizar outras atividades correlatas. 1º A Assessoria Direta subordinar-se-á diretamente à Diretoria Executiva. 2º O Assessor Direto, nomeado em comissão pelo Prefeito, por livre indicação do Diretor Presidente, deverá preencher as seguintes condições:... VI não litigar ou possuir quaisquer demandas, salvo as de ordem pessoal, contra a Administração Municipal Direta ou Indireta. 3º A assessoria direta, formada por cargo de simbologia DAS-4, é de livre nomeação pelo Prefeito, por indicação do Diretor-Presidente. Art. 21-A. Compete a Assessoria Técnica: I - auxiliar na elaboração de normas e procedimentos, visando resguardar o cumprimento da legislação vigente, sempre que solicitado; II - assessorar a Diretoria Executiva e as coordenadorias, analisando e instruindo processos quando designado; III - participar de reuniões quando designado; IV - dar apoio aos Diretores em eventos nos quais haja a participação da diretoria executiva; V - controlar entrada e saída de processos submetidos a Diretoria Executiva, Assessoria Direta e Coordenadorias de Regulação; VI - realizar fiscalização in loco, elaborando relatórios quando necessário; VII - assessorar as Coordenadorias de Regulação na elaboração das atividades de fiscalização, bem como, proceder ao monitoramento das atividades planejadas; VIII - analisar as denúncias oriundas da Ouvidoria, bem como dar respostas aos mesmos; IX - realizar outras atividades correlatas. Parágrafo Único. A assessoria técnica, formada por cargos de simbologia DAS-4 e DAS-3, é de livre nomeação pelo Prefeito, por indicação do Diretor-Presidente. Art. 21-B. Compete à Chefia de Gabinete: I - assistir ao Diretor Presidente da ARS- MAC no desempenho de suas atribuições e compromissos oficiais; II - promover e articular os contatos sociais e políticos do Diretor Presidente; III - coordenar a agenda do Diretor Presidente IV - organizar as audiências do Diretor Presidente, selecionando os assuntos; V - despachar pessoalmente com o Diretor Presidente todo o expediente dos serviços que dirige, bem como participar de reuniões coletivas, quando convocado; VI - atender as pessoas que procuram o Diretor Presidente, orientá-las e prestar- -lhes as informações necessárias, encaminhando-as, quando for o caso, ao titular; VII - realizar outras atividades correlatas. Parágrafo Único. O cargo de provimento em comissão de Chefe de Gabinete da ARSMAC (simbologia DAS-4) é de livre nomeação pelo Prefeito, por indicação do Diretor-Presidente. CAPÍTULO VI COORDENADORIAS E DO QUADRO DE PESSOAL Art. 22. O Quadro de Pessoal da ARS- MAC será composto pela estrutura definida por esta lei, bem assim por pessoal de apoio administrativo, financeiro, e técnico que deverá ser dimensionado e determinado pelo Diretor Presidente da ARSMAC e aprovado pelo Poder Executivo Municipal, através do Prefeito, em Decreto específico, nomeado por concurso público. Parágrafo Único. Enquanto não houver a realização do concurso público de que trata o caput deste artigo, o Poder Executivo Municipal poderá firmar convênio com a ARSMAC para a cessão de pessoal para o início do exercício das atividades da Agência Reguladora. Art. 22-A. Compete às Coordenadorias de Regulação: I - zelar pelo fiel cumprimento das normas legais, regulamentares e pactuadas relativas aos serviços públicos regulados, e em especial dos contratos de concessão, de programas e termos de permissão; II - fiscalizar a qualidade dos serviços públicos e a razoabilidade das tarifas cobradas pelas entidades reguladas, verificando o atendimento aos requisitos estabelecidos em normas regulamentares e pactuadas, inclusive efetuando auditorias técnicas quando necessário; III - analisar os custos dos serviços públicos regulados para verificação da modicidade das tarifas e estruturas tarifárias e da razoabilidade de propostas apresentadas pelas entidades reguladas para revisão ou reajuste das mesmas; IV - supervisionar o mercado com vistas a competição e ao equilíbrio entre oferta e demanda dos serviços públicos regulados; V - elaborar regras e procedimentos sobre regulação técnica e econômica dos serviços públicos submetidos a competência regulatória da ARSMAC para apreciação da Diretoria Executiva; VI - promover consultas ao poder concedente, entidades reguladas e usuários sobre assuntos de natureza técnica relativos aos serviços públicos regulados; VII - fiscalizar os aspectos técnico, operacional, econômico, contábil e financeiro das entidades reguladas, nos limites estabelecidos em normas legais, regulamentares e pactuadas, recomendando a Diretoria Executiva, quando for o caso, a adoção das sanções cabíveis; VIII - promover estudos visando o acréscimo da qualidade e eficiência dos serviços regulados, elaborando relatórios periódicos de sua evolução; IX - coletar, armazenar e tratar dados relativos ao setor regulado, requisitando-os das entidades reguladas, com vistas ao fornecimento de subsídios para o desempenho eficiente das atividades de regulação; X - fornecer subsídios a Diretoria Executiva para decisões envolvendo os setores regulados; XI - administrar relações com prestadores de serviços terceirizados para desenvolver atividades de fiscalização da qualidade dos serviços públicos regulados; XII - avaliar as instalações das entidades reguladas, identificando eventuais problemas com as mesmas e estabelecendo as medidas corretivas necessárias; XIII - aplicar penalidades nas entidades reguladas, quando tal competência lhe for delegada pela Diretoria Executiva, conforme as normas legais, regulamentares e pactuadas; XIV - promover a coordenação com órgãos públicos e privados, em assuntos de natureza relativa ao setor regulado; XV - promover a eficiência dos serviços públicos regulados e estimular a expansão dos respectivos sistemas de modo a atender as necessidades emergentes; e XVI - executar outras atividades que lhes sejam atribuídas pelo regimento interno da ARSMAC 1º A atividade reguladora das coordenadorias deverá ser exercida, em especial nas áreas: I - abastecimento de água; II - esgotamento Sanitário; III - resíduos sólidos; IV - drenagem urbana; V - outras atividades, resultantes da delegação do poder público. 2º. As coordenadorias de regulação subordinar-se-ão diretamente a Diretoria Executiva. 3º. Cada Coordenadoria de Regulação será administrada por um coordenador. 4º. A Coordenadoria de Regulação será exercida pelos cargos de provimento em comissão de Coordenador de Regulação (DAS-5), de livre-nomeação pelo Prefeito, por indicação do Diretor-Presidente. Art. 22-B. Compete a Assessoria Técnica: I auxiliar na elaboração de normas e procedimentos, visando resguardar o cumprimento da legislação vigente, sempre que solicitado; II assessorar a Diretoria Executiva e as Coordenadorias, analisando e instruindo processos quando designado; III - assessorar a Diretoria Executiva e as Coordenadorias no que for pertinente e necessário ao desenvolvimento das funções, em especial quanto à questão regulatória em todas as suas diversas vertentes; IV assessorar as Coordenadorias de Regulação na elaboração das atividades de fiscalização, bem como, proceder ao monitoramento das atividades planejadas; V realizar fiscalizações in loco, elaborando relatórios quando necessário; VI analisar as denúncias oriundas da Ouvidoria, bem como dar respostas aos mesmos; VII controlar entrada e saída de processos submetidos à Diretoria Executiva, Assessoria Direta e Coordenadorias de Regulação; VIII - organizar os processos administrativos à análise dos diversos setores competentes; IX cumprir outras funções correlatas às suas atividades, que lhe forem conferidas pelo Diretor-Presidente. Parágrafo Único: A Assessoria Técnica da ARSMAC será exercida pelos cargos de provimento em comissão de Assessor Técnico IV (DAS-4) e Assessor Técnico III(DAS-3), de livre-nomeação pelo Prefeito, por indicação do Diretor- Presidente. CAPÍTULO VII DAS RECEITAS Art. 24. Fica instituída a Taxa de Regulação e Fiscalização de Serviços Públicos de Saneamento Básico TRFSB, fixada em 1% (um por cento) do Faturamento Bruto

10 10 Diário Oficial do concessionário ou permissionário dos serviços regulados pela ARSMAC na cidade de. 1º. Para determinação do beneficio econômico a que se refere o caput deste artigo considerar-se-á a tarifa fixada no respectivo contrato de concessão ou no ato de outorga de concessão e seus ajustes e revisões. 2º. A Taxa de Regulação e Fiscalização de Serviços Públicos de Saneamento Básico sob o regime regulatório será devida pelos Concessionários e Permissionários devendo ser pago em duodécimos na forma em que dispuser o regulamento desta lei. Art I os recursos oriundos da cobrança da Taxa de Regulação e Fiscalização de Serviços Públicos de Saneamento Básico. CAPÍTULO VIII DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS Art Parágrafo Único. A multa, simples ou progressiva, que poderá ser inscrita em dívida ativa e cobrada judicial e extrajudicialmente pela Procuradoria- Geral do Município de, será aplicada nos seguintes percentuais: PORTARIA Nº MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, e de acordo com o Processo Administrativo nº /2015. RESOLVE nomear a Conselheira Tutelar Suplente da Região Administrativa II a Sra. VALMÊNIA SANTOS DA SILVA, para compor o Conselho Tutelar dos Direitos da Criança e do Adolescente, em substituição a Conselheira Titular a Sra. IZAELLA CARMELITA CARVALHO DOS SANTOS, em razão do seu afastamento para tratamento de saúde, retroagindo seus efeitos a partir do período de 02 a 16 de dezembro de KELMANN VIEIRA DE OLIVEIRA Prefeito de em Exercício PORTARIA Nº MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, e de acordo com o Processo Administrativo nº /2015. RESOLVE nomear a Conselheira Tutelar Suplente da Região Administrativa V a Sra. ROSEANI DE CÁSSIA VIANNA CAVALCANTE, para compor o Conselho Tutelar dos Direitos da Criança e do Adolescente, em substituição ao Conselheiro Titular o Sr. DEIVÂNIO BRANCO LINS, em função do gozo de férias, retroagindo seus efeitos a partir do período de 09 de dezembro de 2015 a 07 de janeiro de Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 I - Grupo 1(levíssima) - 0, 005% do faturamento bruto anual do prestador; II Grupo 2(leve) - 0,01% do faturamento bruto anual do prestador; III Grupo 3(média) - 0,05% do faturamento bruto anual do prestador; IV Grupo 4(grave) - 0,25% do faturamento bruto anual do prestador; V Grupo 5(gravíssima) - 0,5% do faturamento bruto anual do prestador; CAPÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 42. Ficam revogados os seguintes dispositivos: parágrafo 2º do artigo 20, os parágrafos 1º e 2º e 3º do artigo 34, os artigos 36, 37, 38, 39, 40 da Lei Municipal nº /2010 e as disposições em contrário. Art. 43. Esta Lei entra em vigor na data da sua publicação, sendo os quantitativos de cargos e respectivas remunerações aqueles previstos no anexo único deste normativo. PREFEITURA DE MA- CEIÓ, em 15 de Dezembro de KELMANN VIEIRA DE OLIVEIRA Prefeito de em Exercício ANEXO ÚNICO Cargo Quantidade Símbolo Diretor Presidente 01 NES - 1 Diretor de Regulação 01 DAS - 6 Técnico Diretor de Regulação 01 DAS - 6 Econômico- Financeiro Coordenador de 03 DAS - 5 Regulação Assessor Direto 01 DAS - 4 Chefe de Gabinete 01 DAS - 4 Assessor Técnico 01 DAS - 4 Assessor Técnico 01 DAS - 3 KELMANN VIEIRA DE OLIVEIRA Prefeito de em Exercício PORTARIA Nº MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, e de acordo com o Processo Administrativo nº /2015. RESOLVE nomear a Conselheira Tutelar Suplente da Região Administrativa III o Sr. POLIEL ALVES DA SOLVA, para compor o Conselho Tutelar dos Direitos da Criança e do Adolescente, em substituição ao Conselheiro Titular o Sr. MARCELO ALVES DA SILVA, em função do gozo de férias, retroagindo seus efeitos a partir do período de 08 de dezembro de 2015 a 06 de janeiro de KELMANN VIEIRA DE OLIVEIRA Prefeito de em Exercício PGM - PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO O PROCURADOR-GERAL DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ, ESTÁCIO DA SILVEIRA LIMA, DESPACHOU EM 15 DE DEZEMBRO DE 2015, OS SEGUINTES PROCESSOS: Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2014 Processo nº /2015 Origem: Secretaria Municipal de Educação Interessado: SEMED Coordenação de Engenharia Assunto: Abertura de Licitação Novo Jardim II - PROINFANCIA Destino: Procuradoria Especializada de Licitações, Contratos e Convênios Processo nº /2015 Origem: Secretaria Municipal de Educação Interessado: SEMED Coordenação de Engenharia Assunto: Abertura de Licitação Recanto das Orquídeas PROINFANCIA Destino: Procuradoria Especializada de Licitações, Contratos e Convênios Processo nº /2015 Origem: Procuradoria Geral do Município Interessado: Rodrigo Albuquerque de Victor Assunto: Sol. Passagens aéreas em favor do Procurador Rodrigo Albuquerque de Victor 09/12/2015 Destino: Coordenadoria Setorial de Administração Processo nº /2015 Origem: Procuradoria Geral do Município Interessado: Rodrigo Albuquerque de Victor Assunto: Sol. Passagens aéreas em favor do Procurador Rodrigo Albuquerque de Victor 09/12/2015 Destino: Coordenadoria Setorial de Administração Processo nº /2015 Origem: Procuradoria Geral do Município Interessado: PGM/DGAF Assunto: Pagamento de Honorários Advocatícios dos Procuradores desta PGM referente à Novembro/2015 MEMO 054- DGAF/PGM Destino: Diretoria de Gestão Administrativa e Financeira ESTÁCIO DA SILVEIRA LIMA Procurador-Geral do Município

11 Diário Oficial 11 SEMARHP - SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO RECURSOS HUMANOS E PATRIMÔNIO C O M U N I C A D O SEMARHP convoca TI s para reunião nesta Quinta-Feira (17 de Dezembro de 2015) A Secretaria Municipal de Administração, Recursos Humanos e Patrimônio SEMARHP, por meio da Diretoria de Tecnologia da Informação, convoca todos os responsáveis do setor de tecnologia das secretarias municipais para reunião que acontece nesta quinta-feira (17 de Dezembro de 2015.), às 9hs, na Escola de Governo localizada Rua Doutor Pedro Monteiro, nº. 291 Bairro: Centro /AL. Na oportunidade serão discutidos os temas: serviços de telefonia e s corporativos. /AL, 15 de Dezembro de FELLIPE DE MIRANDA FREITAS MAMEDE Secretário Municipal de Administração, Recursos Humanos e Patrimônio de FERNANDO ANTONIO DANTAS GOMES PINTO Diretor de Tecnologia da Informação

12 12 Diário Oficial SEGP - SECRETARIA EXECUTIVA DO GABINETE DO PREFEITO SEMED - SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A SECRETÁRIA EXECUTIVA DO GABINETE DO PREFEITO, SRA. ADRIANA VILELA TOLEDO, DESPACHOU EM 15 DE DEZEMBRO DE 2015, OS SEGUINTES PROCESSOS: Processo: /2015 Origem: Gabinete do Prefeito Interessado: Equilíbrio Serviços Ltda EPP Assunto: Solicitação de emissão de Nota de Empenho Destino: Secretaria Municipal de Finanças SMF. Processo: /2015 Origem: Protocolo Setorial GP. Interessado: Câmara Municipal de Assunto: Arquivamento Destinatário: Protocolo Setorial desta Prefeitura. Processo: /2015 Origem: Protocolo Setorial GP. Interessado: Câmara Municipal de Assunto: Arquivamento Destinatário: Protocolo Setorial desta Prefeitura. Processo: /2015 Origem: Protocolo Setorial GP. Interessado: Câmara Municipal de Assunto: Arquivamento Destinatário: Protocolo Setorial desta Prefeitura. Processo: /2015 Origem: Protocolo Setorial GP. Interessado: Câmara Municipal de Assunto: Arquivamento Destinatário: Protocolo Setorial desta Prefeitura. Processo: /2015 Origem: Protocolo Setorial GP. Interessado: Eletrobrás Distribuidora Alagoas Assunto: Solicitação de pagamento Destinatário: Secretaria Municipal de Finanças SMF, para que seja efetivado o pagamento. Processo: /2014 SMS. Interessado: Secretaria Municipal de Saúde - SMS Assunto: Publicação da Ata de Registro de Preços. Destino: Secretaria Municipal de Saúde SMS. Márcio Roberto C. de Santana Assessor Especial Secretaria Executiva do Gabinete do Prefeito PORTARIA Nº MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE A Secretária Municipal de Assistência Social, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, conforme o que dispõe a Lei nº , de 30 de Março de 2000 e o Decreto Municipal nº , de 10 de Outubro de SEMAS - SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Art. 1º Homologar as progressões por mérito, referente ao 2º semestre 2015, período , dos servidores ativos da Secretaria Municipal de Assistência Social SEMAS, abaixo relacionados, mediante a avaliação da chefia imediata e convalidação da Comissão de Avaliação e Desempenho por Mérito dos Servidores Efetivos da Secretaria Municipal de Assistência Social SEMAS, constituída pela Portaria nº 0176/2014/SEMAS, de 21 de Novembro de 2014, publicada no Diário Oficial do Município DOM, em 24 de Novembro de PROGRESSÕES POR MÉRITO, REFERENTE AO 2º SEMESTRE 2015, PERÍODO SEMAS ORDEM MATRÍCULA NOME SITUAÇÃO DA PROGRESSÃO ALEXSANDRA MELO DE OLIVEIRA SILVA DEFERIDA ANA PATRÍCIA DE MELO SANTANA DEFERIDA ANGELITA DA SILVA FARIAS DEFERIDA CÁSSIA VERUSKA MORAES DE CARVALHO DEFERIDA DEVYSSON DE MELO LOUREIRO DEFERIDA DJANE ARAÚJO DA SILVA PACHECO DEFERIDA EDJA MARIA SOUTO COSTA DEFERIDA LUCIANA MARIA DE ANDRADE MELO DEFERIDA LUCINEIDE DE OLIVEIRA SANTOS DEFERIDA MARIA DAS NEVES DE ALMEIDA BARROS DEFERIDA MARIA GENILDA DA SILVA SANTANA DEFERIDA MARIA ISABEL OLIVEIRA DOS SANTOS DEFERIDA OMAR DE ARAÚJO SALVADOR DEFERIDA Art. 2º - O servidor com a progressão por mérito indeferida, poderá interpor recurso à Comissão de Avaliação e Desempenho por Mérito/SEMAS, no prazo de 15 (quinze) dias a partir da data de publicação desta Portaria, conforme dispõe art. 7º do Decreto Municipal nº , de 10 de Outubro de Art. 3º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. CELIANY ROCHA APPELT Secretária/SEMAS PORTARIA Nº MACEIÓ 14 DE DEZEMBRO DE 2015 A Secretária Municipal de Educação, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, de acordo com o que estabelece a Lei nº /2000 e Decreto Municipal nº /2008, Art. 1º - HOMOLOGAR as progressões por mérito correspondente ao período , dos servidores administrativos ativos da Secretaria Municipal de Educação - SEMED, abaixo relacionados, concedidas por intermédio do Processo nº /2015, mediante a convalidação, da Comissão de Avaliação de Desempenho da SEMED CAD/ADM/SEMED, nomeada pela Portaria nº de 02 de Maio de 2014, publicada no Diário Oficial do Município - DOM, em 05 de Maio de 2014: Art. 2º - O servidor com a progressão por mérito indeferida, poderá interpor recurso à Comissão de Avaliação e Desempenho, no prazo de 15(quinze) dias da data de publicação desta portaria, conforme dispõe art. 7º, do Decreto nº , 10 de Outubro de Art. 3º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. RELAÇÃO NOMINAL DOS SERVIDORES ADMINISTRATIVOS DA SEMED QUE FORAM AVALIADOS E CONSIDERADOS APTOS À PROGRESSÃO POR MÉRITO REFERENTE AO PERÍODO 2012/2014 MATRÍCULA Nº. DG NOME SITUAÇÃO Fabiana Braga do Nascimento Deferido Janaina Barbosa de O. Lessa Deferido Patricia Salvador dos Santos Deferido Patricia de Araújo Duarte Deferido Raimundo Messias Farias Filho Deferido Soraya de Barros W. Sabino Deferido Maria Cícera Ferreira Xavier Deferido Maria Griciane Silva de Oliveira Deferido Weldja Cavalcante de Souza Deferido ANA DAYSE REZENDE DOREA Secretária/SEMED PORTARIA Nº MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE A Secretária Municipal de Educação, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, e em conformidade com o Decreto nº , de 25 de Outubro de 2013, resolve conceder diária(s) em favor do(a) senhor(a) a seguir mencionado(s), tendo em vista deslocamento a serviço, conforme especificações abaixo: Processo nº /2015 Nome do(a) beneficiário(a): KAY GUIMARÃES PINTO CPF nº Matrícula nº Cargo: Professor Nome do(a) beneficiário(a):simone MARINHO DA SILVA CPF nº Matrícula nº Cargo: Professora Data Destino Objetivo do deslocamento Quant. de Diárias 16/12/2015 à 19/12/ /12/2015 à 19/12/2015 Juiz de Fora/MG Juiz de Fora/MG TOTAL DE DIÁRIAS Seminário Integrado da Rede CAED Seminário Integrado da Rede CAED VALOR TOTAL DAS DIÁRIAS (R$) 01 e ½ 01 e ½ 03 R$ 960,00 As despesas correrão através da Unidade Gestora 12 Secretaria Municipal de Educação do orçamento vigente deste órgão. Dotação orçamentária: Elementos de Despesa Diárias Civil. ANA DAYSE REZENDE DOREA Secretária/SEMED

13 Diário Oficial 13 SEMEL - SECRETARIA DE ESPORTE E LAZER SMF - SECRETARIA DE FINANÇAS O SECRETÁRIO DE ESPORTE E LAZER, ANTONIO JOSÉ GOMES DE MOURA, informa: Os servidores abaixo relacionados estarão em gozo de Férias durante o mês de Dezembro de 2015: SERVIDOR MATRÍCULA Nº. Abelardo Gomes C. Junior João Paulo Farias de Aguiar /AL, 15 de Dezembro de ANTONIO JOSÉ GOMES DE MOURA Secretário/SEMEL O SECRETÁRIO DE ESPORTE E LAZER, ANTONIO JOSÉ GO- MES DE MOURA, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, despachou no dia 15 de Dezembro de 2015 os seguintes processos administrativos: PROC /2015 SOLICITANTE: ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA DO TRABALHO AO ARQUIVO Ref. Sol. De apoio financeiro. PROC /2015 SOLICITANTE: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE AÇÃO SOCIAL BRASILEIRO AO ARQUIVO Ref. Sol. De apoio financeiro. PROC /2015 SOLICITANTE: ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO GRACILIANO RAMOS AO ARQUIVO Ref. Sol. De apoio financeiro. PROC /2015 SOLICITANTE: ASSOCIAÇÃO DE BODY BOAR- DING DE MACEIÓ AO ARQUIVO Ref. Sol. De apoio para evento. PROC /2015 SOLICITANTE: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DOS MORADORES DO CONJUNTO SANTO ONOFRE E COMUNIDADE SÃO RAFA- EL AO ARQUIVO Ref. Sol. De apoio financeiro para evento. PROC /2015 SOLICITANTE: COMANDO DA AERONÁUTICA AO ARQUIVO Ref. Sol. De apoio para realização do 1º Campeonato da ASA. PROC /2015 SOLICITANTE: IGREJA ADVENTISTA DO SETIMO DIA AO ARQUIVO Ref. Sol. De apoio para evento. PROC /2015 SOLICITANTE: SEMEL AO ARQUIVO Ref. Sol. De Guarda Municipal para academia. PROC /2015 SOLICITANTE: SEMEL AO ARQUIVO Ref. Sol. De confecção de impressora para academia. PROC /2015 SOLICITANTE: CONSELHO REGIONAL DE ADMI- NISTRAÇÃO DE ALAGOAS AO ARQUIVO Ref. Sol. De apoio financeiro. PROC /2015 SOLICITANTE: CAIXA ECONOMICA AO ARQUI- VO Ref. Prorrogação de calendário- CIE. PROC /2015 SOLICITANTE: CENTRO SPORTIVO LISBONENSE AO ARQUIVO Ref. Sol. De reforma do campo de futebol. PROC /2015 SOLICITANTE: ARTHUR LINS COSTA DE ALENCAR SILVEIRA AO ARQUIVO Ref. Sol. De campo de areia e instalação de mobília esportiva no bairro do Pinheiro. PROC /2015 SOLICITANTE: SEMEL AO ARQUIVO Ref. Sol. para limpeza da Vila Olímpica. PROC /2015 SOLICITANTE: TADEU PATRIOTA AO ARQUIVO Ref. Sol. De patrocínio. PROC /2015 SOLICITANTE: ASSOCIAÇÃO BENEFICIENTE DOS MORADORES DO COLINA DOS EUCALIPTOS AO ARQUIVO Ref. Sol. De material esportivo. PROC /2015 SOLICITANTE: SERGIO RAMOS FLOERING AO ARQUIVO Ref. Sol. para contratar profissionais para sanar o vazamento de água de chuva nas salas da Vila Olímpica. PROC /2015 SOLICITANTE: ERIVALDO MANUEL DA SILVA AO ARQUIVO Ref. Sol. De apoio para realização do evento. PROC /2015 SOLICITANTE: SEMEL AO ARQUIVO Ref. Sol. De relatório simplificado. PROC /2015 SOLICITANTE: IZAIAS CARLOS DE BARROS AO ARQUIVO Ref. Sol. De material esportivo. PROC /2015 SOLICITANTE: DAVYSSON BARBOSA FERREIRA AO ARQUIVO Ref. Sol. De material esportivo. PROC /2015 SOLICITANTE: SEMEL AO ARQUIVO Ref. Sol. De transferência da caixa energia. PROC /2015 SOLICITANTE: SEMEL AO ARQUIVO Ref. Sol. De reconstrução da parte do muro da Vila Olímpica. PROC /2015 SOLICITANTE: FEDERAÇÃO ALAGOANA DE HAN- DEBOL AO ARQUIVO Ref. Sol. De apoio financeiro. PROC /2015 SOLICITANTE: FONTES ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS AO ARQUIVO Ref. Sol. De fechamento da tela de proteção da quadra de esporte. ANTONIO JOSÉ GOMES DE MOURA Secretário/SEMEL RESOLUÇÃO CGAF/PMM Nº. 72 MACEIÓ/AL, 19 DE NOVEMBRO DE O Conselho de Gestão Administrativa e Fiscal do Município de (CGAF), no uso de suas atribuições conferidas pelo Decreto nº , de 13 de Novembro de 2014, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei Complementar n. 101, de 04 de Maio de 2000, que estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. CONSIDERANDO a determinação expressa no artigo 91 da Lei nº , de 31 de Março de 2000, que instituiu o Estatuto dos Servidores Públicos Municipais. CONSIDERANDO as diretrizes contidas no artigo 6º da Resolução nº. 02, de 20 de Janeiro de 2015, do Conselho de Gestão Administrativa e Fiscal do Município de (CGAF), que condicionou a realização de trabalhos extraordinários a sua prévia análise e autorização. CONSIDERANDO a justificativa das atividades pelo volume de serviços existentes na Secretaria Municipal de Saúde - SMS. Art. 1º Autorizar a execução de trabalhos em horário extraordinário pelos servidores lotados na Secretaria Municipal de Saúde - SMS, conforme solicitado nos autos do Processo Administrativo nº /2015 e Despacho n. 7125/AD/2015 de fls. 36/38, no período de OUBUBRO de 2015, em caráter extraordinário. Art. 2º Esta autorização está condicionada a relação quantitativa e nominal dos servidores a ser previamente apresentada, a qual deve observar o montante autorizado, conforme impacto financeiro prévio anexo ao processo referido no artigo 1º. Art. 3º Durante os meses de execução autorizados, nenhuma alteração ou modificação poderá ser implementada sem anuência prévia deste Conselho, permitindo-se, apenas, substituições por razões técnicas ou administrativas que não gerem aumento do valor autorizado, devidamente justificadas nos respectivos processos de pagamento. /AL, 15 de Dezembro de Gustavo Lima Novaes Secretário Municipal de Finanças (SMF) Presidente do Conselho de Gestão de Gestão Administrativa e Fiscal (CGAF) Fellipe de Miranda Freitas Mamede Secretário Municipal de Administração Recursos Humanos e Patrimônio (SEMARHP) Ricardo Antônio de Barros Wanderley Secretário Municipal de Governo (SMG) Manoel Messias Ferreira da Costa Secretário Municipal de Planejamento e Desenvolvimento (SEMPLA) Diogo Silva Coutinho Secretário Municipal do. Controle Interno (SMCI) PORTARIA SMF / GS Nº MACEIÓ/AL, 14 DE DEZEMBRO DE O SECRETÁRIO DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, e de acordo com o que estabelece a Lei nº /2000 e Decreto Municipal nºs: 6.881/2008 e 6.888/2008. RESOLVE Art. 1º- Homologar as progressões por mérito, referente ao período 2013 / 2015, dos servidores ativos da Secretaria Municipal de Finanças, abaixo relacionados, concedidas por intermédio do processo PMM nº. 2500/099810/2015, mediante avaliação da Chefia imediata e convalidação da Comissão de Avaliação de Desempenho, nomeada à Portaria nº. 0784/2015, de 15 de Maio de 2015 publicada no Diário Oficial do Município - DOM, em 18 de Maio de MATRÍCULA Nº. DG NOME CPF Nº. SITUAÇÃO Danielle Camilo de Brito Deferido Edsangela Gabriel Peixoto Bezerra Deferido Art. 2º - O servidor com a progressão por mérito indeferida poderá interpor recurso à Comissão de Avaliação e Desempenho, no prazo de 15(quinze) dias da data de publicação desta Portaria, conforme dispõe art. 7º, do Decreto nº , 10 de Outubro de Art. 3º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. GUSTAVO LIMA NOVAES Secretário/SMF

14 14 Diário Oficial SEMINFRA- SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E URBANIZAÇÃO PORTARIA Nº. 049 MACEIÓ/ AL, 15 DE DEZEMBRODE O SECRETÁRIO DE INFRAESTRUTURA E URBANIZAÇÃO, no uso das suas atribuições e prerrogativas legais. Designar o Engenheiro Civil Francisco Carlos Rocha de Mello, Matrícula nº CREA nº , para exercer a função de engenheiro fiscal da obra de CONTENÇÃO DE ENCOSTAS EM ÁREAS DE RISCO NA CIDADE DE MACEIÓ/AL COMPOSTA DE CANALIZAÇÃO DO CÓRREGO, GROTA DAS PIABAS, CANAL PAU D ARCO, ADJACÊNCIAS E OBRAS DE ARTES ESPECIAIS, localizado na Grota das Piabas, /AL, conforme contrato nº. 0644/2015. ROBERTO BARBOSA FERNANDES Secretário/SEMINFRA PORTARIA Nº. 050 MACEIÓ/ AL, 15 DE DEZEMBRODE O SECRETÁRIO DE INFRAESTRUTURA E URBANIZAÇÃO, no uso das suas atribuições e prerrogativas legais. Designar o Engenheiro Civil José Roberto Leite Pontes, Matrícula nº , para exercer a função de engenheiro fiscal da EXECUÇÃO DA OBRA DA PRAÇA DA JUVENTUDE, localizado no Benedito Bentes, -AL, conforme contrato nº. 0657/2015. ROBERTO BARBOSA FERNANDES Secretário/SEMINFRA PORTARIA Nº. 051 MACEIÓ/ AL, 15 DE DEZEMBRODE O SECRETÁRIO DE INFRAESTRUTURA E URBANIZAÇÃO, no uso das suas atribuições e prerrogativas legais. Designar o Engenheiro Civil Esdras Maia Nobre, Matrícula nº , para exercer a função de engenheiro fiscal da OBRA DE CONTENÇÃO DE ENCOSTAS EM ÁREAS DE RISCO NA CIDADE DWE MACEIÓ/AL GROTA DO ESTRONDO, conforme contrato nº. 0630/2015. ROBERTO BARBOSA FERNANDES Secretário/SEMINFRA PORTARIA Nº. 052 MACEIÓ-AL, 15 DE DEZEMBRO DE A SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E URBANIZAÇÃO, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, e em atendimento a Lei nº de 20 de Março de 1997, a qual determina que as Câmaras Municipais sejam obrigatoriamente notificadas da liberação de recursos federais, Art. 1º. Notificar aos partidos políticos, os Sindicatos de trabalhadores e as Entidades Empresariais com sede no Município de, que foi creditado em favor deste Município, o valor de R$ ,00 (Trezentos e quarenta e três mil, novecentos e oitenta reais), para fazer face às despesas do Contrato de Repasse nº /2009 SICONV , celebrado com o Ministério do Turismo, no âmbito do Programa Apoio a Projetos de Infraestrutura Turística, na Conta Corrente nº , agência 2735 d acaixa Econômica Federal - CEF. Art. 2º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. ROBERTO BARBOSA FERNANDES Secretário/SEMINFRA PORTARIA Nº. 053/2015 MACEIÓ- AL, 15 DE DEZEMBRO DE A SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E URBANIZAÇÃO, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, e em atendimento a Lei nº de 20 de Março de 1997, a qual determina que as Câmaras Municipais sejam obrigatoriamente notificadas da liberação de recursos federais, Art. 1º. Notificar aos partidos políticos, os Sindicatos de trabalhadores e as Entidades Empresariais com sede no Município de, que foi creditado em favor deste Município, o valor de R$ ,96 (Setecentos e vinte e sete mil, oitocentos reais e noventa e seis centavos), para fazer face às despesas do Contrato de Repasse nº /2010 SICONV , celebrado com o Ministério das Cidades, no âmbito do Programa Gestão da Política de Desenvolvimento, na Conta Corrente nº , agência 2735 da Caixa Econômica Federal - CEF. Art. 2º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. ROBERTO BARBOSA FERNANDES Secretário/SEMINFRA. SEMPMA - SECRETARIA DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE PROCESSO Nº /2014 INTERESSADO:ELION BOMFIM FLORENTINO TORRES ME (REENCONTRO HOTEL I) ASSUNTO: INFRAÇÃO AMBIENTAL DECISÃO Considerando-se a natureza da infração LEVE, bem como a circunstância atenuante constante no art. 176, V, aplico a ELION BOMFIM FLORENTINO TORRES ME (REENCONTRO HOTEL I), Rua Dr. Antônio Cansanção, 1009, Ponta Verde, /AL a pena cominada no art. 178, II, qual seja, pena de multa única, o que arbitro o valor de R$ 401,14 (quatrocentos e um reais e quatorze centavos), correspondente a 08 UFRM s (Unidade Fiscal de Referência do Município) sem prejuízo das demais penalidades previstas no Art. 179 do citado diploma legal. Publique-se no DOM e dê-se ciência ao Autuado desta decisão, anexando Auto de Multa correspondente. /AL, 26 de Novembro de David Maia de Vasconcelos Lima Secretário/SEMPMA PROCESSO Nº /2014 INTERESSADO:ELION BOMFIM FLORENTINO TORRES ME (REENCONTRO HOTEL I) ASSUNTO: INFRAÇÃO AMBIENTAL DECISÃO Considerando-se a natureza da infração LEVE, bem como a circunstância atenuante constante no art. 176, V, aplico a ELION BOMFIM FLORENTINO TORRES ME (REENCONTRO HOTEL I), Av. Governador Lamenha Filho, 58, Feitosa, /AL a pena cominada no art. 178, II,qual seja, pena de multa única, o que arbitro o valor de R$ 401,14 (quatrocentos e um reais e quatorze centavos), correspondente a 08 UFRM s (Unidade Fiscal de Referência do Município) sem prejuízo das demais penalidades previstas no Art. 179 do citado diploma legal. Publique-se no DOM e dê-se ciência ao Autuado desta decisão, anexando Auto de Multa correspondente. /AL, 26 de Novembro de David Maia de Vasconcelos Lima Secretário/SEMPMA PROCESSO Nº /2014 INTERESSADO: EMJOBI COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES LTDA ASSUNTO: INFRAÇÃO AMBIENTAL DECISÃO Considerando-se a natureza da infração LEVE, bem como a circunstância atenuante constante no art. 176, V, aplico a EMJOBI COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES LTDA, sita ao Loteamento Campos dos Palmares, S/N, Qd. A, Lote 1 e 2, Tabuleiro do Martins, /AL, a pena cominada no art. 178, IV c/c 2 do art. 177, qual seja, pena de multa diária, o que arbitro o valor de R$ 401,14 (quatrocentos e um reais e quatorze centavos), correspondente a 08 UFRM s (Unidade Fiscal de Referência do Município) sem prejuízo das demais penalidades previstas no Art. 179 do citado diploma legal. Publique-se no DOM e dê-se ciência ao Autuado desta decisão, anexando Auto de Multa correspondente. /AL, 01 de Dezembro de David Maia de Vasconcelos Lima Secretário/SEMPMA PROCESSO Nº /2014 INTERESSADO:NBC NORDESTE PEÇAS E SERVIÇOS LTDA ASSUNTO: INFRAÇÃO AMBIENTAL DECISÃO Considerando-se a natureza da infração LEVE, bem como a circunstância atenuante constante no art. 176, V, aplico a NBC NORDESTE PEÇAS E SERVIÇOS LTDA, sita a Av. Francisco Afonso de Mello, n 218, Santa Lúcia, /AL, a pena cominada no art. 178, II c/c 2 do art. 177, qual seja, pena de multa diária, o que arbitro o valor de R$ 401,14 (quatrocentos e um reais e quatorze centavos), correspondente a 08 UFRM s (Unidade Fiscal de Referência do Município) sem prejuízo das demais penalidades previstas no Art. 179 do citado diploma legal. Publique-se no DOM e dê-se ciência ao Autuado desta decisão, anexando Auto de Multa correspondente. /AL, 02 de Dezembro de David Maia de Vasconcelos Lima Secretário/SEMPMA ASSUNTO: INFRAÇÃO AMBIENTAL PROCESSO Nº /2013 INTERESSADO:N.S. DE SOUZA (NEMERSON PNEUS) DECISÃO Considerando-se a natureza da infração LEVE, bem como a circunstância atenuante constante no art. 176, V, aplico a N.S. DE SOUZA (NEMERSON PNEUS), sita a Av. Dr. Jorge Montenegro de Barros, n 03, Santa Lúcia, /AL, a pena cominada no art. 178, II c/c 2 do art. 177, qual seja, pena de multa diária, o que arbitro o valor de R$ 401,14 (quatrocentos e um reais e quatorze centavos), correspondente a 08 UFRM s (Unidade Fiscal de Referência do Município) sem prejuízo das demais penalidades previstas no Art. 179 do citado diploma legal. Publique-se no DOM e dê-se ciência ao Autuado desta decisão, anexando Auto de Multa correspondente. /AL, 02 de Dezembro de David Maia de Vasconcelos Lima Secretário/SEMPMA PROCESSO Nº /2013 INTERESSADO:NOBRES RESTAURANTE TURISMO LTDA ME ASSUNTO: INFRAÇÃO AMBIENTAL DECISÃO Considerando-se a natureza da infração LEVE, bem como a circunstância atenuante constante no art. 176, V, aplico a NOBRES RESTAURANTE TURISMO LTDA ME, sita a Av. Alípio

15 Diário Oficial 15 Barbosa da Silva, n 350, Pontal da Barra, /AL, a pena cominada no art. 178, II c/c 2 do art. 177, qual seja, pena de multa diária, o que arbitro o valor de R$ 401,14 (quatrocentos e um reais e quatorze centavos), correspondente a 08 UFRM s (Unidade Fiscal de Referência do Município) sem prejuízo das demais penalidades previstas no Art. 179 do citado diploma legal. Publique-se no DOM e dê-se ciência ao Autuado desta decisão, anexando Auto de Multa correspondente. /AL, 03 de Dezembro de David Maia de Vasconcelos Lima Secretário/SEMPMA PROCESSO Nº /2013 INTERESSADO:NEO ODONTOLOGIA 24 HORAS LTDA ASSUNTO: INFRAÇÃO AMBIENTAL DECISÃO Considerando-se a natureza da infração LEVE, bem como a circunstância atenuante constante no art. 176, V, aplico a NEO ODONTOLOGIA 24 HORAS LTDA, sita a Praça do Pirulito, n 302, Centro, /AL, a pena cominada no art. 178, II c/c 2 do art. 177, qual seja, pena de multa diária, o que arbitro o valor de R$ 401,14 (quatrocentos e um reais e quatorze centavos), correspondente a 08 UFRM s (Unidade Fiscal de Referência do Município) sem prejuízo das demais penalidades previstas no Art. 179 do citado diploma legal. Publique-se no DOM e dê-se ciência ao Autuado desta decisão, anexando Auto de Multa correspondente. /AL, 04 de Dezembro de David Maia de Vasconcelos Lima Secretário/SEMPMA PROCESSO Nº /2013 INTERESSADO: NEISIVALDO CABRAL FERREIRA FREIRE ME ASSUNTO: INFRAÇÃO AMBIENTAL DECISÃO Considerando-se a natureza da infração GRAVE, bem como a circunstâncias agravantes constantes no art. 177, I, 1º, aplico a NEISIVALDO CABRAL FERREIRA FREIRE ME, sita a Av. Dr. Antônio G. de Barros, n 251, Jatiuca, -AL, a pena cominada no art. 178, II, qual seja, pena de multa única, a que arbitro o valor de R$ 701,99 (setecentos e um reais e noventa e nove centavos), correspondente a 14 UFRM s (Unidade Fiscal de Referência do Município) sem prejuízo das demais penalidades previstas no Art. 179 do citado diploma legal. Publique-se no DOM e dê-se ciência ao Autuado desta decisão, anexando Auto de Multa correspondente. /AL, 07 de Dezembro de David Maia de Vasconcelos Lima Secretário/SEMPMA PROCESSO Nº /2013 INTERESSADO: NILA SILVA ME (PANIFICAÇÃO SABOR DE BIS) ASSUNTO: INFRAÇÃO AMBIENTAL DECISÃO Considerando-se a natureza da infração LEVE, bem como a circunstância atenuante constante no art. 176, V, aplico a NILA SILVA ME (PANIFICAÇÃO SABOR DE BIS), sita na Av. Monte Castelo, n 487, Vergel do Lago, /AL, a pena cominada no art. 178, II, qual seja, pena de multa única, o que arbitro o valor de R$ 451,28 (quatrocentos e cinquenta e um reais e vinte e oito centavos), correspondente a 09 UFRM s (Unidade Fiscal de Referência do Município) sem prejuízo das demais penalidades previstas no Art. 179 do citado diploma legal. Publique-se no DOM e dê-se ciência ao Autuado desta decisão, anexando Auto de Multa correspondente. /AL, 07 de Dezembro de David Maia de Vasconcelos Lima Secretário/SEMPMA SEMSC - SECRETARIA DE SEGURANÇA COMUNITÁRIA E CIDADANIA PORTARIA N GS/SEMSC - MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE A SECRETÁRIA DE SEGURANÇA COMUNITÁRIA E CIDADANIA, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais e, considerando o disposto na Lei Municipal nº /2000 e no Decreto Municipal nº /2008, Art. 1º. Homologar as progressões por mérito referentes ao 2º semestre/2015, dos servidores ativos da Secretaria Municipal de Segurança Comunitária e Cidadania - SEMSC, na conformidade do anexo único a esta portaria, concedidas por intermédio do processo nº /2015, mediante avaliação da Comissão de Avaliação de Desempenho, nomeada mediante Portaria nº. 0891, de 10 de Junho de Art. 2º. O servidor com a progressão por mérito indeferida poderá interpor recurso à Comissão de Avaliação e Desempenho, no prazo de 15 (quinze) dias da data de publicação desta portaria, conforme dispõe art. 7º do Decreto nº , 10 de Outubro de Art. 3º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário. PUBLIQUE-SE. CUMPRA-SE. MÔNICA BEZERRA SURUAGY MONTENEGRO Secretária/SEMSC ANEXO ÚNICO SERVIDORES APTOS A PROGREDIREM POR MÉRITO NOME ADALBERON SOUZA DA SILVA ADRIANO SERGIO ALVES DA SILVA ALBERTO JORGE PEREIRA DA ROCHA ALEX ALMEIDA DE OLIVEIRA ALVES ALEXANDRA DIAS CAVALCANTE ALEXANDRE ALVES MARINHO ALEXANDRE SANTOS SOUZA ALINE RODRIGUES SÁ ALINNY INÁCIO RAMOS AMARO AUGUSTO DOS SANTOS JUNIOR ANA MARIA FERREIRA BANDEIRA DE MELO ANA MARIA LIMA DOS SANTOS CARGO NIVEL ATUAL NIVEL NOVO MATRÍCULA NE41B03 NE41B NE41C03 NE41C NE41B05 NE41B NE41C03 NE41C NE41B02 NE41B NE41A05 NE41A NE41B01 NE41B NE41B03 NE41B NE41B03 NE41B NE41B05 NE41B NE41C01 NE41C NE41B04 NE41B ANDRÉ LUIZ LISBOA CALHEIROS INSPETOR NS41B02 NS41B ANTONIO FLAVIO SANTOS DA SILVA NE41C01 NE41C

16 16 Diário Oficial ANTONIO MARCOS VIEIRA DA SILVA NE41B03 NE41B JEFERSON COSTA SILVA NE41B05 NE41B ARMANDO CORREIA DOS SANTOS INSPETOR NS41B02 NS41B AROLDO DE FREITAS RAMOS JUNIOR CARLOS ALBERTO PINHEIRO DE ARAÚJO CARLOS ANTONIO ALVES DE SOUZA CARLOS BEZERRA DE SOUZA CARLOS ROBERTO CASADO CALHEIROS SILVA CARLOS ROBERTO CARNEIRO RODRIGUES CARLOS ROBERTO DA SILVA CAVALCANTI CARMEM LUCIA LIMA DOS SANTOS CARDOSO CICERO ALEIXO DA SILVA CLAUDIO REGIO DA SILVA CLEIF RICARDO DOS SANTOS ALVES COSMO FERREIRA DE OLIVEIRA CRISTIANA ROBERTA CORDEIRO DOS SANTOS CRISTIANE GUIMARÃES DOS SANTOS DANIEL GOMES DE ALMEIDA NE41B03 NE41B NE41B03 NE41B NE41C01 NE41C NE41C02 NE41C NE41B01 NE41B NE41B06 NE41C NE41D01 NE41D NE41C02 NE41C NE41B02 NE41B NE41B05 NE41B NE41C01 NE41C NE41C01 NE41C NE41B03 NE41B NE41B05 NE41B NE41C01 NE41C JENILSON LUIZ DOS SANTOS JORGE JUNIOR ROCHA JORGE PEREIRA DA SILVA JOSE ANTONIO DE OLIVEIRA SANTOS JOSE ANTONIO DOS SANTOS FONSECA JOSE APARECIDO M. DE MEDEIROS JOSE CARLOS DOS SANTOS CANDIDO JOSE DAGOBERTO PEIXOTO CAMPOS JOSE EDSON ALVES JUNIOR JOSE ELSON DA SILVA JOSE VIEIRA PINHEIRO DA SILVA JOSIAS OLIVEIRA JOUZE JANDIRA DE QUEIROZ JULIANA EFIGENIA PARANHOS DE CARVALHO JULIO CESAR DA SILVA NE41C03 NE41C NE41B03 NE41B NE41C01 NE41C NE41C03 NE41C NE41C03 NE41C NE41B05 NE41B NE41C01 NE41C NE41B04 NE41B NE41C03 NE41C NE41C03 NE41C NE41B03 NE41B NE41C03 NE41C NE41B05 NE41B NE41D01 NE41D NE41C02 NE41C JURACY COSTA BRAZ INSPETOR NS41B02 NS41B EDIMIR TAVARES SANTOS NE41A05 NE41A JURANDIR ARAUJO DA SILVA JUNIOR NE41B03 NE41B EDNALDO BATISTA DA GRAÇA NE41C02 NE41C LUIZ CARLOS GOMES MORAES NE41B02 NE41B EDNILZA ALENCAR SANTOS NE41B05 NE41B LUIZ FELIPE TENORIO TEIXEIRA NE41C03 NE41C EUDES PEREIRA DE OLIVEIRA NE41B03 NE41B MAGDA CLEANE MACEDO DE LIMA NE41C04 NE41C FERNANDO ANTONIO RUFINO DOS SANTOS NE41B05 NE41B MARCELO DOS SANTOS LEOPOLDINO NE41B05 NE41B FERNANDO DO NASCIMENTO NUNES NE41C02 NE41C MARCELO DOS SANTOS OLIVEIRA NE41C01 NE41C FRANCISCO LUIZ LAMENHA BRAGA INSPETOR NS41A04 NS41A GERMANO GOMES CAVALCANTE LEITE GILSON DOS SANTOS LIMA HYGINO BORGES DA SILVA FILHO IVALSON GOMES DE ALBUQUERQUE JADER RIBEIRO MACEDO JADSON BRAZ DOS SANTOS JADSON LOPES DA SILVA NE41C03 NE41C NE41C01 NE41C NE41B03 NE41B NE41C01 NE41C NE41B03 NE41B NE41B04 NE41B NE41B03 NE41B MARCIO ALEX MENEZES DE BARROS MARCIO ANDRÉ LOURENCO DE Q. MARQUES MARCIO ROBERTO SANTOS DE ALENCAR MARIA ADEILDA ALVES DOS SANTOS MARIA CICERA DOS SANTOS DE OLIVEIRA MARIA DA PENHA SILVA MARIA DAS GRAÇAS DE ABREU NE41D02 NE41D NE41B03 NE41B NE41C03 NE41C NE41C03 NE41C NE41B04 NE41B NE41C01 NE41C NE41C01 NE41C MARIA DAS GRAÇAS TENORIO SAMMUR INSPETORA NS41B02 NS41B JAILSON MORAES DA SILVA NE41C01 NE41C MARIA JOSENITA DOS SANTOS SOARES NE41B03 NE41B JAILTON PEREIRA SALUSTIANO NE41C01 NE41C MORRIS ALBERT SILVA TAVEIROS NE41B04 NE41B JAMERSON SILVA BEZERRA NE41C01 NE41C NATAN DANTAS DA SILVA NE41C02 NE41C JAMERSON WAINE CAVALCANTE DOS SANTOS NE41B04 NE41B NILVAN SILVA TEIXEIRA NE41B02 NE41B JANIEYRE PEREIRA DOS SANTOS NE41B05 NE41B NIVALDO COUTINHO DO CARMO NE41B01 NE41B

17 Diário Oficial 17 OSIEL TORRES DOS SANTOS NE41B05 NE41B SMCCU - SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE DO CONVÍVIO URBANO PAULO FERNANDO PAULO HENRIQUE CARVALHO LINS PAULO JORGE FERREIRA DA SILVA LIMA PAULO JORGE LOPES FERREIRA PAULO ROBERTO DOS SANTOS FERREIRA REGINA CELIA PEREIRA AMORIM NE41A05 NE41A NE41C01 NE41C NE41B05 NE41B NE41C01 NE41C NE41B04 NE41B NE41B05 NE41B EDITAL DE INTIMAÇÃO Intima-se a requerente Wellington Acioli Santana, CPF Nº , a comparecer à Assessoria Jurídica, no prazo de 10(dez) dias, a partir da data da publicação, para resgatar mercadorias apreendidas por este ente público, sob pena de ser caracterizado abandono, resultando em leilão. /AL, 25 de Novembro de REINALDO BRAGA DA SILVA JÚNIOR Superintendente/SMCCU. RENATO CEZAR DA ROCHA RENILTON CASTELO BRANCO DE MAGALHÃES ROBERTO MARCIO DA SILVA LIMA NE41B03 NE41B NE41B03 NE41B NE41A05 NE41A ROBERTO VASCONCELOS DE ALBUQUERQUE JÚNIOR Assessor Jurídico/SMCCU OAB/AL Nº *Republicado por Incorreção. PORTARIA Nº MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE ROMILDO SILVA DANTAS ROMILDO TEMUDO DE OLIVEIRA NE41C02 NE41C NE41B03 NE41B O Superintendente Municipal de Controle do Convívio Urbano, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, de acordo com o que estabelece a Lei nº /2000 e Decreto Municipal nº /2008, RONILDO SEVERINO CRUZ SILVA ROSEANE SANTOS GAMA NE41B06 NE41C NE41C04 NE41C Art. 1º - Homologar as progressões por mérito, referente ao período 2013/2015, dos servidores ativos da Superintendência Municipal de Controle do Convívio Urbano - SMCCU, abaixo relacionados, concedidas por intermédio do processo nº /2015, mediante a avaliação realizada pela Comissão de Avaliação de Desempenho e Mérito, nomeada à Portaria nº de 23 de Novembro de 2015, publicada no Diário Oficial do Município DOM em 24 de Novembro de 2015: SANDRO LUCIANO SILVA DE OLIVEIRA SEBASTIÃO NOBRE DO NASCIMENTO SERGIO ROBERTO DA SILVA NE41B03 NE41B NE41C01 NE41C NE41C01 NE41C Matrícula DG Nome CPF SITUAÇÃO WESLLEY DE OMENA SANTA CRUZ DEFERIDO MARCOS BERNARDO DEFERIDO NEURIVAN ANTONIO LOPES RODRIGUES DEFERIDO ANTONIONI CAETANO GOMES DE FRANÇA DEFERIDO JAMESSON LUCRECIO CAVALCANTE LEITE DEFERIDO SILVANIO LESSA DA SILVA NE41B05 NE41B TANIA MARIA FIRMINO DE LIMA TEMISTOCLES ULISSES DE OLIVEIRA NE41D01 NE41D NE41B05 NE41B Art. 2º - O servidor com a progressão por mérito indeferida, poderá interpor recurso à Comissão de Avaliação de Desempenho e Mérito, no prazo de 15(quinze) dias da data de publicação desta portaria, conforme dispõe art. 7º do Decreto nº , 10 de Outubro de Art. 3º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Publique-se Cumpra-se TEREZINHA DOS SANTOS SILVA NE41D01 NE41D REINALDO BRAGA DA SILVA JÚNIOR Superintendente/SMCCU. VALDEMIR DOS SANTOS VIEIRA NE41C01 NE41C EDITAL DE INTIMAÇÃO VALDERI DOS SANTOS LIMA VALDIRENI GOMES NERI SILVA VANUZIA MOREIRA MILO FRANÇA VILAGRAND LIMA DA SILVA WAGNER DA SILVA SANTOS WELLINGTON DA SILVA WERBETH NILTON DA SILVA NASCIMENTO NE41C03 NE41C NE41B02 NE41B NE41B03 NE41B NE41B04 NE41B NE41B05 NE41B NE41B05 NE41B NE41C01 NE41C Intima-se a permissionária José Gomes de Andrade Neto, para realizar a devida manutenção no imóvel de sua propriedade, localizado à Rua Sabino Cardoso de Araújo, nº. 39, Quadra D - Conjunto Residencial Colina dos Eucaliptos Bairro: Santa Amélia /AL, no prazo de 10 (dez) dias, conforme Processo Administrativo nº /15, sob pena de medidas administrativas e judiciais cabíveis. /AL, 11 de Dezembro de REINALDO BRAGA DA SILVA JÚNIOR Superintendente/SMCCU. ROBERTO VASCONCELOS DE ALBUQUERQUE JÚNIOR Assessor Jurídico/SMCCU OAB/AL Nº EDITAL DE INTIMAÇÃO SIMONE MARIA ALVES DE LIMA Presidente GM MARIA JOSÉ DA SILVA ALMEIDA Membro LUCIANA MOURA ALVES Membro ROSIMARY ARAÚJO DE DEUS Membro MÁRCIO CLEVIS MACEDO DE LIMA Membro ANDRÉ LUIZ LISBOA CALHEIROS Membro Intima-se o requerente Josinaldo do Nascimento, CPF Nº a comparecer à Assessoria Jurídica, no prazo de 05(cinco) dias, a partir da data da publicação, para resgatar mercadorias apreendidas por este ente público, sob pena de ser caracterizado abandono, resultando em leilão. /AL, 14 de Dezembro de REINALDO BRAGA DA SILVA JÚNIOR Superintendente/SMCCU. ROBERTO VASCONCELOS DE ALBUQUERQUE JÚNIOR Assessor Jurídico/SMCCU OAB/AL Nº 6.060

18 18 EDITAL DE INTIMAÇÃO Intima-se a requerente Helena Gonçalves da Silva, RG Nº SSP/AL, a comparecer à Assessoria Jurídica, no prazo de 30 (trinta) dias, a partir da data da publicação, para tomar ciência do indeferimento dos processos nºs: /2014 ( /2014, /2014, /2014) sob pena de arquivamento.. /AL, 14 de Dezembro de REINALDO BRAGA DA SILVA JÚNIOR Superintendente/SMCCU. ROBERTO VASCONCELOS DE ALBUQUERQUE JÚNIOR Assessor Jurídico/SMCCU OAB/AL Nº O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO PUBLICA DE MACEIÓ - SIMA, Sr. CARLOS IB FALCÃO BRÊDA, DESPACHOU EM 15/ 12/ 2015 OS SEGUINTES PROCESSOS PARA AS DEVIDAS PROVIDÊNCIAS. S M C I Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. SIMA SIMA - SUPERINTENDÊNCIA DE ILUMINAÇÃO DIRETORIA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. DIRETORIA TÉCNICA Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Processo nº /2015 Para conhecimento e providências. Maria de Lourdes Nunes Policarpo Matrícula nº Responsável pela Resenha SMTT - SUPERINTENDÊNCIA DE TRANSPORTES E TRÂNSITO PORTARIA Nº. 041 MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE \ O PRESIDENTE DA 2ª JUNTA ADMINISTRATIVA DE RECURSOS DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO 2ª JARI/SMTT, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pelo Decreto nº 6.047, de 02 de janeiro de 2001, pela Lei Municipal nº 5.342, de 29 de dezembro de 2003, RESOLVE EM ATENÇÃO AOS PRECEITOS LEGAIS QUE REGEM a Administração Pública, levar ao conhecimento da população do Município de, os processos de auto de infração julgados pela 2ª JARI, em cumprimento ao que dispõem os artigos 18, 22 2º e 30 XI do Regimento Interno da JARI do Município de, para efeitos legais pertinentes à matéria, conforme descrição em anexo. ATENÇÃO AOS PRECEITOS LEGAIS QUE REGEM a Administração Pública, levar ao conhecimento da população do Município de, os processos de auto Diário de infração Oficial julgados pela 2ª JARI, em cumprimento ao que dispõem os artigos 18, 22 2º e 30 XI Prefeitura do Regimento Municipal Interno de da JARI do Município de, para efeitos legais pertinentes à matéria, conforme descrição em anexo. Dê-se ciência e cumpra-se BRIVALDO REIS BRANCO JÚNIOR Presidente da 2ª JARI DECIDE A 2ª JARI/SMTT, na 41ª SESSÃO DE JULGAMENTO, realizada em , os Recursos infra relacionados, interpostos contra aplicação da penalidade por infração de Trânsito pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito SMTT. 01-Negar Provimento aos Recursos a seguir discriminados Mantendo as penalidades imposta. Nº Processos Data Auto Código Nome 2081/ /03/2015 G Maria Costa Silva 2182/ /04/2015 D Yara Christina Peixoto Bier 2065/ /03/2015 G Marcos Antonio Duarte 2036/ /03/2015 G Felipe de Menezes Guedes 2125/ /04/2015 G Anderson Paulino da Silva 2134/ /04/2015 G Evandro Mariano C. de Sá 02-Negar Acolhimento aos Recursos a seguir discriminados Mantendo as penaçlidades imposta. Nº Processos Data Auto Código Nome 2513/ /04/2015 G Selma Lima de Souza 2136/ /04/2015 G Mateus Gomes Alves PORTARIA Nº. 042 MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE O PRESIDENTE DA 2ª JUNTA ADMINISTRATIVA DE RECURSOS DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO 2ª JARI/SMTT, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pelo Decreto nº 6.047, de 02 de janeiro de 2001, pela Lei Municipal nº 5.342, de 29 de dezembro de 2003, RESOLVE EM ATENÇÃO AOS PRECEITOS LEGAIS QUE REGEM a Administração Pública, levar ao conhecimento da população do Município de, os processos de auto de infração julgados pela 2ª JARI, em cumprimento ao que dispõem os artigos 18, 22 2º e 30 XI do Regimento Interno da JARI do Município de, para efeitos legais pertinentes à matéria, conforme descrição em anexo. Dê-se ciência e cumpra-se BRIVALDO REIS BRANCO JÚNIOR Presidente da 2ª JARI DECIDE A 2ª JARI/SMTT, na 42ª SESSÃO DE JULGAMENTO, realizada em , os Recursos infra relacionados, interpostos contra aplicação da penalidade por infração de Trânsito pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito SMTT. 01-Dar Provimento aos Recursos se seguir discriminados Decidindo pela improcedência da penalidade. N Processos Data Auto Código Nome 2185/ /04/2015 G Marcos Paulo de O. Ribeiro 02-Negar Provimento aos Recursos a seguir discriminados Mantendo as penalidades imposta. Nº Processos Data Auto Código Nome 2191/ /04/2015 G Lucinao Evaristo Silva O. 2196/ /04/2015 G Carlos Jorge Ferreira 2193/ /04/2015 G José Carlos Lopes Monteiro 2195/ /04/2015 G Alberth Augusto A. Pinheiro 2199/ /04/2015 G Linaldo Freitas de Lima 03-Negar Acolhimento aos Recursos a seguir discriminados Mantendo as penaçlidades imposta. Nº Processos Data Auto Código Nome 2192/ /04/2015 G Jaini Bispo 2194/ /04/2015 G Thaisa Maria B. Assis PORTARIA Nº. 043 MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE O PRESIDENTE DA 2ª JUNTA ADMINISTRATIVA DE RECURSOS DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO 2ª JARI/SMTT, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pelo Decreto nº 6.047, de 02 de janeiro de 2001, pela Lei Municipal nº 5.342, de 29 de dezembro de 2003, RESOLVE EM ATENÇÃO AOS PRECEITOS LEGAIS QUE REGEM a Administração Pública, levar ao conhecimento da população do Município de, os processos de auto de infração julgados pela 2ª JARI, em cumprimento ao que dispõem os artigos 18, 22 2º e 30 XI do Regimento Interno da JARI do Município de, para efeitos legais pertinentes à matéria, conforme descrição em anexo. Dê-se ciência e cumpra-se BRIVALDO REIS BRANCO JÚNIOR Presidente da 2ª JARI DECIDE A 2ª JARI/SMTT, na 43ª SESSÃO DE JULGAMENTO, realizada em , os Recursos infra relacionados, interpostos contra aplicação da penalidade por infração de Trânsito pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito SMTT. 02-Negar Provimento aos Recursos a seguir discriminados Mantendo as penalidades imposta. Nº Processos Data Auto Código Nome 1914/ /03/2015 G Amanda Nazario de Souza 1921/ /03/2015 G Tarcisio José C. Amorim 2296/ /04/2015 G Ronaldo de Miranda Melo 2200/ /04/2015 G João Paulo de Oliveira 2211/ /04/2015 G Cons. Reg. De Eng. Arq. e Agr. de AL 2220/ /04/2015 G Naelson Toledo M. Filho 1167/ /04/2015 G Jairo Rodrigues Lessa 2228/ /04/2015 G Darlan Tasch de Castro

19 Diário Oficial 19 PORTARIA Nº. 044 MACEIÓ/AL, 15 DE DEZEMBRO DE FMAC - FUNDAÇÃO DE ACÃO CULTURAL O PRESIDENTE DA 2ª JUNTA ADMINISTRATIVA DE RECURSOS DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO 2ª JARI/SMTT, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pelo Decreto nº 6.047, de 02 de janeiro de 2001, pela Lei Municipal nº 5.342, de 29 de dezembro de 2003, RESOLVE EM ATENÇÃO AOS PRECEITOS LEGAIS QUE REGEM a Administração Pública, levar ao conhecimento da população do Município de, os processos de auto de infração julgados pela 2ª JARI, em cumprimento ao que dispõem os artigos 18, 22 2º e 30 XI do Regimento Interno da JARI do Município de, para efeitos legais pertinentes à matéria, conforme descrição em anexo. Dê-se ciência e cumpra-se BRIVALDO REIS BRANCO JÚNIOR Presidente da 2ª JARI DECIDE A 2ª JARI/SMTT, na 44ª SESSÃO DE JULGAMENTO, realizada em , os Recursos infra relacionados, interpostos contra aplicação da penalidade por infração de Trânsito pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito SMTT. 01-Negar Provimento aos Recursos a seguir discriminados Mantendo as penalidades imposta. Nº Processos Data Auto Código Nome 2327/ /04/2015 G João Jose dos Santos 1933/ /03/2015 G Cicero Herculino Machado 1923/ /03/2015 G Marcio Roberto B. da Rocha 1981/ /03/2015 G Josuelton de Oliveira Guedes 1945/ /03/2015 G Madson Delano R. De Melo 2297/ /04/2015 G Ronaldo de Miranda Melo 2298/ /04/2015 G Nildo Samrmento G. Filho 03-Negar Acolhimento aos Recursos a seguir discriminados Mantendo as penaçlidades imposta. Nº Processos Data Auto Código Nome 2000/ /03/2015 G Alessandro Paulo B. dos Santos COMARHP - COMPANHIA DE ADMINISTRAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E PATRIMÔNIO PORTARIA Nº. 049/2015 O DIRETOR PRESIDENTE DA COMPANHIA DE ADMINISTRAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E PATRIMÔNIO - COMARHP, NEANDER TELES ARAÚJO, usando atribuições legais que lhe são conferidas pelo Art. 29 do Estatuto Social da Companhia. Colocar à disposição da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Urbanização - SEMINFRA, a empregada pública Rosa de Fátima Reis, matrícula nº , ocupante do cargo de Auxiliar Administrativo, do Quadro de Pessoal desta COMARHP, conforme processo administrativo nº /2015. Registre-se. Cumpra-se. Dê-se ciência. /AL, 14 de Dezembro de NEANDER TELES ARAÚJO Diretor Presidente da COMARHP O DIRETOR PRESIDENTE DA COMPANHIA DE ADMINISTRAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E PATRIMÔNIO - NEANDER TELES ARAÚJO, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, despachou no dia 15 de Dezembro de 2015, os seguintes processos administrativos: PROC. Nº /2015 DIPRE/COMARHP - À DIRHU, para providências do setor competente. PROC. Nº /2015 DIPRE/COMARHP - À DIRHU, para providências do setor competente. PROC. Nº /2015 INSS - À DIRHU, para providências do setor competente. PROC. Nº /2015 MARIA NADIEGE PATRÍCIO SILVA - À DIRHU, para providências do setor competente. PROC. Nº /2015 ALDA MARIA NASCIMENTO DA SILVA - À DIRHU, para providências do setor competente. PROC. Nº /2015 VERA LÚCIA ALMEIDA DOS SANTOS - À DIRHU, para providências do setor competente. PROC. Nº /2015 SEMPTUR - À DIRHU, para providências do setor competente. PROC. Nº /2015 SEMARHP/DRH - À DIRHU, para providências do setor competente. PROC. Nº /2015 DIPRE/COMARHP - À SEMARHP, para providências do setor competente. NEANDER TELES ARAÚJO Diretor Presidente da COMARHP PORTARIA Nº. 029 MACEIÓ/AL, 14 DE DEZEMBRO DE A Presidente da FUNDAÇÃO DE AÇÃO CULTURAL FMAC, em exercício, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais, e em atendimento a Lei n de Março de 1997, a qual determina que a Câmara Municipal de seja obrigatoriamente notificada da liberação de recursos federais para os respectivos municípios. Art. 1º. Notificar aos partidos políticos, os sindicatos dos trabalhadores e as entidades empresariais que foi creditado em favor do Município de, Agência nº , Banco do Brasil S/A, o seguinte valor: CONTA CONVÊNIO PROGRAMA VALOR R$ /2015 Emendas Parlamentares Individuais Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural (ADM) ,00 Art. 2 Esta Portaria entra em vigor na data da publicação. VÂNIA LUÍZA BARREIROS AMORIM Presidente/FMAC em exercício IPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE MACEIÓ COMUNICADO A DIRETORA-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ, no uso de suas atribuições legais COMUNICA que nesta sexta-feira, dia 18 de Dezembro de 2015, a partir das 8h, será realizada a Reunião Anual do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de (IPREV), para avaliação das ações desenvolvidas durante o ano de O encontro servirá ainda para planejar as atividades referentes ao exercício de Devido ao encontro, não haverá atendimento ao público, no IPREV/, nesta sextafeira (18 de Dezembro de 2015), reabrindo na próxima segunda-feira (21 de Dezembro de 2015) em horário normal, das 8h às 14h. /AL, 15 de Dezembro de FABIANA TOLÊDO VANDERLEI DE AZEVEDO Diretora-Presidente IPREV/ A Diretora-Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de (IPREV/) despachou, em 15 de Dezembro de 2015, os seguintes processos: Processo n /2012 Origem: Instituto de Previdência IPREV/MACEIO Interessado: MARIA JOSÉ SANTANA DOS SANTOS Assunto: Requer reversão de cota parte Destino: Procuradoria Geral do Município- PGM Processo n /2015 Origem: Instituto de Previdência IPREV/MACEIO Interessado: MARCIO DOS SANTOS SILVA Assunto:Concessão de pensão por morte Destino: Procuradoria Geral do Município- PGM Processo n /2015 Origem: Instituto de Previdência IPREV/MACEIO Interessado: JOEL JOSE DA SILVA Assunto: Requer aposentadoria por idade e tempo de contribuição Destino: Procuradoria Geral do Município- PGM Processo n /2015 Origem: Instituto de Previdência IPREV/MACEIO

20 20 Diário Oficial Interessado: VALDIRA PINHEIRO DE OLIVEIRA Assunto: Requer aposentadoria por idade e tempo de contribuição Destino: Procuradoria Geral do Município- PGM Processo n /2015 Origem: Instituto de Previdência IPREV/MACEIO Interessado: ALEXANDRE CASADO GOMES Assunto:Implantação do percentual de 25% relativo a necessidade de acompanhante, juntamente aos proventos de aposentadoria Despacho:INDEFERIDO, tendo em vista a ausência de previsão na legislação municipal quanto a vantagem pleiteada. Processo n /2015 Origem: Instituto de Previdência IPREV/MACEIO Interessado: SONIA MARIA LEITE BARRETO Assunto:Requer atualização do benefício de pensão Despacho:INDEFERIDO, uma vez que o pedido da requerente já foi atendido através do processo administrativo nº /2014, estando a requerente percebendo o benefício de pensão de forma regular. /AL, 15 de Dezembro de FABIANA TOLÊDO VANDERLEI DE AZEVEDO Diretora-Presidente IPREV/ CÂMARA - CÂMARA DE MACEIÓ COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA PROCESSO Nº: 4498/2015 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº: 033/2015 INTERESSADO: Vereador Silvanio Barbosa ASSUNTO: Concede Titulo de Cidadão honorário de, ao Senhor Francisco Carlos do Nascimento PARECER O presente projeto de Lei de autoria da vereadorsilvanio Barbosa tem o objetivo de conceder ao Senhor o Francisco Carlos do Nascimento o titulo de cidadão honorário de. Preenchido todos os requisitos legais, dou parecer FAVORÁVEL ao Projeto de Decreto legislativo nº 33/2015 para que o mesmo siga seu tramite legal dentro desta casa Legislativa. Sala das Comissões, 10 de dezembro de Francisco Holanda Costa Filho Vereador Votos Favoráveis *Reproduzido por Incorreção Contra Contrários COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E REDAÇÃO FINAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PARECER CONJUNTO PROCESSO Nº 4388/2015 PROJETO DE LEI Nº 181/2015 INTERESSADO: VEREADOR EDUARDO CANUTO RELATOR: VEREADOR ANTÔNIO HOLANDA RELATOR: VEREADOR GUILHERME SOARES Este Parecer discute o Projeto de Lei nº 181/2015 que Denomina de Doutor Cícero Ferreira Canuto, rua em nosso Município e dá outras providências. 1. Introdução: Ao ter sido lido no plenário da Casa de Mario Guimarães, o Projeto de Lei nº 181/2015, de autoria do nobre Vereador Eduardo Canuto, que Dispõe sobre Denominação de Doutor Cícero Ferreira Canuto rua em nosso Município, chega a estas comissões para receber parecer, conforme o Regimento Interno da Câmara Municipal de. 2. Justificativa do Projeto de Lei : Na propositura apresentada pelo nobre Parlamentar constam as razões para essa proposição. O Senhor Cícero Ferreira Canuto, nasceu em Limoeiro de Anadia, Alagoas, em de setembro de 1937, filho de Augusto Canuto e Dorinha Ferreira Canuto, casou-se com a médica Miriam Marinho de Gusmão Canuto com quem teve dois filhos, Sérgio Marinho de Gusmão Canuto e Ricardo Marinho de Gusmão Canuto. Faleceu em Formou-se em Medicina pela Universidade Federal de Alagoas- UFAL, especializouse em pediatria e neonatologia. Lecionou química no antigo colégio Liceu Alagoano, no Centro Educacional de Pesquisas Aplicadas CEPA, na Escola Técnica federal de Alagoas (atual IFAL), lecionou biologia e química nos principais colégios (Marista, Santíssimo Sacramento, etc.) Além de concursado na cadeira de bioquímica e como Pediatra da UFAL. Foi médico pediatra do antigo INAMPS (Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social), hoje Ministério da Saúde; médico e Diretor da Legião da Boa Vontade L.B.A.; atendeu em sua clínica particular (pediatria) por mais de 30 anos e como empresário do ramo de turismo na Pajuçara Turismo. Enquanto médico do INAMPS recebeu prêmio do próprio Ministério da Saúde, por ter sido o pediatra que mais atendeu crianças carentes no Estado de Alagoas. O que só comprova seu amor e dedicação pela profissão. 3. Voto: Entendendo a relevância da matéria e analisando os méritos e a constitucionalidade do referido Projeto de Lei, não há nada que impeça o prosseguimento do Processo nº 4388/2015. Sala das Comissões, 09 de dezembro de Antônio Holanda Relator Votos Favoráveis Guilherme Soares Relator Contra Contrários AVISO DE LICITAÇÃO Modalidade: Pregão Presencial - SRP nº. 11/2015 Tipo: Menor preço Global Objeto: PREGÃO PRESÊNCIAL - SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA FORNECIMENTO COMBUSTÍVEL PARA A CÂMARA DE MACEIÓ, na forma e exigências contidas neste Edital e seus anexos. Data de realização: 30 de Dezembro de 2015, às 10h00min. (horário local). Informações: Fone/Fax (82) Disponibilidade: endereço: Praça Marechal Deodoro, nº. 376 Centro /AL - CEP: na Sala da Comissão Permanente de Licitação na Sede da Câmara Municipal de / AL. /AL, 15 de Dezembro de JANE MÉRCIA SANTOS Pregoeira COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E REDAÇÃO FINAL COMISSÃO DE FINAÇAS PARECER CONJUNTO PROCESSO Nº 4506/15 PROJETO DE LEI Nº 186/15 INTERESSADO: MESA DIRETORA DA CÂMARA DE MACEIÓ RELATOR: VEREADOR ANTÔNIO HOLANDA RELATORA: VEREADORA FÁTIMA SANTIAGO Este parecer discute o Projeto de Lei n. 186/2015, que Altera Simbologia de Cargo Definido no Anexo II da Lei nº 6436 de 12 de Dezembro de Introdução: Chega ao Plenário da Casa de Mario Guimarães, o Projeto de Lei que altera simbologia de cargo definido no anexo II da Lei nº 6436 de 12 de dezembro de A Legalidade do Projeto: A referida propositura pretende atender ao requerimento formulado pelo Sindicato dos Jornalistas, conforme acordo coletivo de trabalho 2015/2016, considerando os termos do artigo 15 do Decreto nº de 13 de março de Entendo a importância de atender a solicitação elaborada por aquela entidade de classe, sabendo da relevância em assumir tal posicionamento, a Mesa Diretora da Câmara Municipal de, visa cumprir o que fora estabelecido por lei, assim, após emissão de parecer da Controladoria-Geral desta casa, sobre o impacto financeiro, e estudo a respeito do aspecto financeiro, entendemos que a proposta é pertinente e não encontra obstáculo para concretização. 3. Recomendação: Compreendendo a importância da propositura e analisando a Legalidade e Constitucionalidade da matéria em tela, opino pela a aprovação do pleito, recomendando que o processo 4506/15, siga a tramitação habitual. Sala das Comissões, 15 de dezembro de Votos Favoráveis Antônio Holanda Relator Fátima Santiago Relatora Contra Contrários EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL Considerando a vacância por término de mandato há mais de 4(quatro) anos da Diretoria e total descumprimento das normas estatutárias ao não promover nova eleição. Considerando a necessidade de adaptar o estatuto social com as normas estabelecidas no código Civil, AVISOS E EDITAIS GERAL, na Rua Floriano Ivo, nº. 174 Sala 09 Bairro: Farol /AL, que se realizará no dia 22 de Dezembro de 2015, em1ª (primeira) convocação às 19 horas com quórum mínimo da maioria dos presentes e caso não atinja o quórum necessário com 2ª (segunda) convocação às 20 horas com qualquer número dos Convocar os Associados da entidade ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL COMUNIDADE ATIVA/ONG, para ASSEMBLÉIA presentes /AL, 14 de Dezembro de MAKENESSON LINS ROCHA NOME DA FIRMA: EDUARDO DE SOUZA PAULO DE MELO - ME, inscrito no CNPJ sob o nº / , situado na Rua Cincinato Pinto, nº Bairro: Centro /AL, com atividade MÉDICA AMBULATORIAL RESTRITA A CONSULTAS. Torna público que requereu a Secretaria Municipal de Proteção ao Meio Ambiente SEMPMA - -AL, a AUTORIZAÇÃO Ambiental Municipal de: PRÉVIA, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO empreendimento denominado CLÍNICA DE OLHOS, situada na Rua Cincinato Pinto, nº Bairro: Centro - / AL; não foi exigido apresentação de Estudo de Impacto Ambiental. NOME DA FIRMA: PEDRO FERNANDES TEIXEIRA DO NASCIMENTO, inscrito no CPF sob o nº , situado na Rua Afonso Pena, nº. 42 Bairro: Farol /

ANEXO ÚNICO DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE. 1.01 Análise e desenvolvimento de sistemas. 01.09.2009. 1.02 Programação. 01.09.2009

ANEXO ÚNICO DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE. 1.01 Análise e desenvolvimento de sistemas. 01.09.2009. 1.02 Programação. 01.09.2009 SUB ITEM DA LISTA DE SERVIÇOS ANEXO ÚNICO CRONOGRAMA DE INGRESSO DE ATIVIDADES (considerando a Lista de Serviços constante na Lei Complementar n 3.606/2006) DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE INICIO DA EMISSÃO DA

Leia mais

Instrução Normativa GSF nº 06/2009 Teresina, 16 de dezembro de 2009. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições legais, e

Instrução Normativa GSF nº 06/2009 Teresina, 16 de dezembro de 2009. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições legais, e ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS Instrução Normativa GSF nº 06/2009 Teresina, 16 de dezembro de 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS, no uso de suas

Leia mais

IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA TABELA XVI IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA LISTA DE SERVIÇOS 1. Médicos, inclusive análises clínicas, eletricidade médica, radioterapia, ultrasonografia, radiologia, tomografia e congéneres.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Cachoeirinha Secretaria Municipal da Fazenda

Prefeitura Municipal de Cachoeirinha Secretaria Municipal da Fazenda Lista de Serviços (Lei Municipal nº 2.140/02) Alíquotas 1 Serviços de informática e 1.01 Análise e desenvolvimento de sistemas. 1.02 Programação. 1.03 Processamento de dados e 1.04 Elaboração de programas

Leia mais

LEI Nº 836/87 ALTERA A LEI Nº 496/78 - CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE JOÃO MONLEVADE

LEI Nº 836/87 ALTERA A LEI Nº 496/78 - CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE JOÃO MONLEVADE LEI Nº 836/87 ALTERA A LEI Nº 496/78 - CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE JOÃO MONLEVADE O Prefeito Municipal de João Monlevade faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei : Art.1º

Leia mais

ANEXO II DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - I S S. 1 Lista de Serviços

ANEXO II DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - I S S. 1 Lista de Serviços ANEXO II DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - I S S 1 Lista de Serviços 1 - Médicos, inclusive análises clínicas, eletricidade médica, radioterapia, ultrasonografia, radiologia, tomografia

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-0136/2003 do Vereador Gilberto Natalini (PSDB) "Altera o "caput" do art. 4º da Lei nº 10.423, de 29 de dezembro de 1987, com a

PROJETO DE LEI 01-0136/2003 do Vereador Gilberto Natalini (PSDB) Altera o caput do art. 4º da Lei nº 10.423, de 29 de dezembro de 1987, com a PROJETO DE LEI 01-0136/2003 do Vereador Gilberto Natalini (PSDB) "Altera o "caput" do art. 4º da Lei nº 10.423, de 29 de dezembro de 1987, com a redação que lhe foi conferida pela Lei nº 13.476, de 30

Leia mais

LEI N 33, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1987

LEI N 33, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1987 LEI N 33, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1987 SÚMULA: VISA dar nova Redação aos artigos 29 e 36 da lei 24/79 (Código Tributário Municipal), e altera a Lista de Serviços do Anexo I, da referida Lei 24/79. CÂMARA

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 22/2006 Em 28 de dezembro de 2006.

LEI COMPLEMENTAR Nº 22/2006 Em 28 de dezembro de 2006. Estado do Rio Grande do Norte Prefeitura Municipal de Carnaúba dos Dantas Rua Juvenal Lamartine, 200 Centro 9374-000 Carnaúba dos Dantas-RN - (0 84) 479-2312/2000 CNPJ 08.088.24/0001-1 E-mail: pmcdantas@hotmail.com

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2955/87, DE 31-12-1987. JOSÉ HAIDAR FARRET, Prefeito Municipal de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 2955/87, DE 31-12-1987. JOSÉ HAIDAR FARRET, Prefeito Municipal de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 2955/87, DE 31-12-1987 ALTERA A REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21, 23 E 30 DA LEI MUNICIPAL Nº 2032/78 (CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL). JOSÉ HAIDAR FARRET, Prefeito Municipal de Santa Maria, Estado

Leia mais

LEI MUNICIPAL N. 778, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007.

LEI MUNICIPAL N. 778, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007. LEI MUNICIPAL N. 778, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007. Altera disposições da Lei Municipal nº 566, de 07 de dezembro de 2000 e dá outras providências. A Câmara Municipal de Coronel Xavier Chaves aprova e eu,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1561/92

LEI MUNICIPAL Nº 1561/92 LEI MUNICIPAL Nº 1561/92 Altera a redação dos índices constantes do anexo I, do Art. 166 do Código Tributário Municipal, Lei nº 720/76 em atenção os dispositivos da Lei Complementar nº 56, de 15.12.87,

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aprovou e eu, Izidoro Dalchiavon, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aprovou e eu, Izidoro Dalchiavon, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 718/90 Súmula: Altera os artigos 29 e 34 da Lei Municipal nº 536/81, do Código Tributário Municipal e da outras providencias. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado

Leia mais

Prefeitura do Município de Londrina Estado do Paraná

Prefeitura do Município de Londrina Estado do Paraná INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/GAB/SMF, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2015. SÚMULA: Fixa normas complementares ao Programa Nota Londrina, e dá outras providências. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

II - LISTA DE SERVIÇOS ANEXA À LEI N. 4.279/90, DE 28/12/1990, VIGENTE A PARTIR DO EXERCÍCIO DE 2004.

II - LISTA DE SERVIÇOS ANEXA À LEI N. 4.279/90, DE 28/12/1990, VIGENTE A PARTIR DO EXERCÍCIO DE 2004. II - LISTA DE SERVIÇOS ANEXA À LEI N. 4.279/90, DE 28/12/1990, VIGENTE A PARTIR DO EXERCÍCIO DE 2004. 1 Serviços de informática e 1.01 Análise e desenvolvimento de sistemas. 1.02 Programação. 1.03 - Processamento

Leia mais

ANEXOS AO REGULAMENTO DO ICMS 1996

ANEXOS AO REGULAMENTO DO ICMS 1996 ANEXOS AO REGULAMENTO DO ICMS 1996 ANEXO 1 LISTA DE SERVIÇOS a que se refere o art. 8º do Decreto-Lei nº 406/68, com a redação introduzida pelo art. 3º, inciso VII, do Decreto-Lei nº 834/69, com as alterações

Leia mais

L E I Nº 2.393 DE, 09 DE DEZEMBRO DE 2003. O PREFEITO MUNICIPAL DE ITAGUAÍ, RJ.,

L E I Nº 2.393 DE, 09 DE DEZEMBRO DE 2003. O PREFEITO MUNICIPAL DE ITAGUAÍ, RJ., L E I Nº 2.393 DE, 09 DE DEZEMBRO DE 2003. Altera e revoga dispositivos da Lei 2032, de 29 de dezembro de 1998 (Código Tributário Municipal) e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ITAGUAÍ, RJ.,

Leia mais

LEI N 1.566/2003 Modifica dispositivos do Código Tributário Municipal e dá outras providencias

LEI N 1.566/2003 Modifica dispositivos do Código Tributário Municipal e dá outras providencias LEI N 1.566/2003 Modifica dispositivos do Código Tributário Municipal e dá outras providencias O Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo

Leia mais

PEFEITURA MUNICIPAL DE SÃO BRÁS DO SUAÇUÍ ESTADO DE MINAS GERAIS

PEFEITURA MUNICIPAL DE SÃO BRÁS DO SUAÇUÍ ESTADO DE MINAS GERAIS PEFEITURA MUNICIPAL DE SÃO BRÁS DO SUAÇUÍ ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 925/2003 DISPÕE SOBRE O IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA, INSTITUI A LISTA DE SERVIÇOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

Anexo 6 Tabela de Códigos de Tributação da DES-IF

Anexo 6 Tabela de Códigos de Tributação da DES-IF Anexo 6 Tabela de Códigos de Tributação da DES-IF CÓDIGO DE 01.01.01-000 Análise e desenvolvimento de sistemas 0101 01.02.01-000 Programação 0102 01.03.01-000 Processamento de dados 0103 01.05.01-000 Licenciamento

Leia mais

IX - as empresas, Instituições Financeiras, entidades, administradoras que exploram loterias, em todas as suas modalidades, pules ou cupons de

IX - as empresas, Instituições Financeiras, entidades, administradoras que exploram loterias, em todas as suas modalidades, pules ou cupons de PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO Aviso de Licitação Modalidade: TOMADA DE PREÇOS nº 28/2013. Tipo: MENOR PREÇO "GLOBAL. Objeto: Ampliação e reforma de 01 Unidade Básica de Saúde, na Vila Planaltina,

Leia mais

SUBSTITUTIVO Nº 02 AO PROJETO DE LEI Nº

SUBSTITUTIVO Nº 02 AO PROJETO DE LEI Nº PUBLICADO DOM 26/11/2003, PLENÁRIO, PÁG. 73 1 SUBSTITUTIVO Nº 02 AO PROJETO DE LEI Nº 385/2003 Altera a legislação do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISS, e dá outras providências. A CÂMARA

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 406, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1968

DECRETO-LEI Nº 406, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1968 DECRETO-LEI Nº 406, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1968 Estabelece Normas Gerais de Direito Financeiro, aplicáveis aos Impostos sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre serviços de qualquer

Leia mais

DESCRIÇÃO DO CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF

DESCRIÇÃO DO CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF CODIGO DA LISTA SERVIÇOS CÓDIGO DE TRIBUTAÇÃO ABRASF DES-IF CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DES-IF DESCRIÇÃO DO CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF ALÍQUOTA 101 10199001 10100001 Análise e desenvolvimento de sistemas

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã LEI COMPLEMENTAR Nº 015/2004 SÚMULA: ALTERA NA ÍNTEGRA O ARTIGO 162, CRIANDO OS 1º, 2º, 3º E 4º, ALTERA NA ÍNTEGRA O ARTIGO 163,SUPRIMINDO OS 1º, 2º., CRIANDO OS INCISOS I, II E III E PARÁGRAFO ÚNICO,

Leia mais

DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010

DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010 DOM DE 20 A 22/02/2010 Alterado pelo Dec. 21.542, de 18/01/2011 DECRETO Nº 20.587, de 19 de fevereiro de 2010 Regulamenta a substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISS, e

Leia mais

CAPÍTULO I DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA SEÇÃO I DO FATO GERADOR, DA INCIDÊNCIA E DA NÃO INCIDÊNCIA

CAPÍTULO I DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA SEÇÃO I DO FATO GERADOR, DA INCIDÊNCIA E DA NÃO INCIDÊNCIA LEI COMPLEMENTAR Nº 081/2003, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2003. DISPÕE SOBRE O IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA DE COMPETÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TANGARÁ DA SERRA-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara

Leia mais

LEI MUNCIPAL N.º 642/03 Novo Tiradentes(RS), 11 de dezembro de 2003.

LEI MUNCIPAL N.º 642/03 Novo Tiradentes(RS), 11 de dezembro de 2003. LEI MUNCIPAL N.º 642/03 Novo Tiradentes(RS), 11 de dezembro de 2003. DISPÕE SOBRE O IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. GILBERTO MORI, PREFEITO MUNICIPAL NOVO TIRADENTES, ESTADO DO RIO GRANDE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes Secretaria de Finanças

Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes Secretaria de Finanças IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA- ISSQN LEI COMPLEMENTAR Nº 26, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2003 (TEXTO COMPILADO) Dispõe sobre o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN, e da outras providências.

Leia mais

CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA O RECOLHIMENTO DO ISSQN RETIDO NA FONTE :

CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA O RECOLHIMENTO DO ISSQN RETIDO NA FONTE : Dep artamento de Rendas Mobiliárias CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA O RECOLHIMENTO DO ISSQN RETIDO NA FONTE : 1 TOMADOR DE SERVICOS - PESSOA FÍSICA : 1.1. - Art. 7º - O tomador de serviços é responsável

Leia mais

ANEXO X TABELA DE CÓDIGOS DE TRIBUTAÇÃO DA DES-IF. Definição dos códigos de tributação e correspondência com os subitens da lista de serviços da LC

ANEXO X TABELA DE CÓDIGOS DE TRIBUTAÇÃO DA DES-IF. Definição dos códigos de tributação e correspondência com os subitens da lista de serviços da LC ANEXO X TABELA DE CÓDIGOS DE TRIBUTAÇÃO DA DES-IF Definição dos códigos de tributação e correspondência com os subitens da lista de serviços da LC 116/03. Informação Descrição Oc Obr Tipo Tam Cod Trib

Leia mais

ANEXO 1 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA SF/SUREM Nº 8/2011

ANEXO 1 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA SF/SUREM Nº 8/2011 Legenda: NFS-e - Nota de s Eletrônica GRUPO 1. CONSTRUÇÃO CIVIL 01015 7.02 Execução, por administração, empreitada ou subempreitada, de obra hidráulica e de outras obras semelhantes, inclusive sondagem,

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Município de Macaé Prefeitura Municipal de Macaé Gabinete do Prefeito

Estado do Rio de Janeiro Município de Macaé Prefeitura Municipal de Macaé Gabinete do Prefeito Estado do Rio de Janeiro Município de Macaé Prefeitura Municipal de Macaé Gabinete do Prefeito LEI COMPLEMENTAR Nº 032/2003 ALTERA E REVOGA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 10, DE 31 DE DEZEMBRO DE

Leia mais

DECRETO Nº 4.809, DE 28 DE JANEIRO DE 2004

DECRETO Nº 4.809, DE 28 DE JANEIRO DE 2004 DECRETO Nº 4.809, DE 28 DE JANEIRO DE 2004 REGULAMENTA A LEI COMPLEMENTAR Nº 26, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2003 - QUE DISPÕE SOBRE O IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SERRO CEP 39.150-000 - SERRO - MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DO SERRO CEP 39.150-000 - SERRO - MINAS GERAIS LEI Nº 2.672/2013 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E NO MUNICÍPIO DE SERRO. O Povo do Município de Serro, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome,

Leia mais

LEI N. 4.818, DE 1.º DE DEZEMBRO DE 2003 (Diário de Canoas 04.12.03)

LEI N. 4.818, DE 1.º DE DEZEMBRO DE 2003 (Diário de Canoas 04.12.03) LEI N. 4.818, DE 1.º DE DEZEMBRO DE 2003 (Diário de Canoas 04.12.03) Estabelece normas para o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza-ISSQN, altera a Lei n. 1.943, de 10 de dezembro de 1979, e dá outras

Leia mais

LEI Nº 806 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 806 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI Nº 806 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003 Dispõe sobre alteração do Sistema Tributário do Município de Primavera do Leste, instituído pela Lei Municipal nº 699 de 20 de dezembro de 2001. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... TÍTULO VI DA TRIBUTAÇÃO E DO ORÇAMENTO CAPÍTULO I DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL... Seção V Dos Impostos dos Municípios Art. 156. Compete aos Municípios

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 2.564 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003.

LEI COMPLEMENTAR Nº 2.564 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. LEI COMPLEMENTAR Nº 2.564 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. Altera dispositivos do Código Tributário do Município de INHUMAS e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE INHUMAS, Estado de Goiás, aprovou e

Leia mais

LEI Nº 12.977, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005.

LEI Nº 12.977, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005. LEI Nº 12.977, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005. Introduz modificações na Lei nº 10.403, de 29 de dezembro de 1989, que dispõe sobre os tributos no âmbito do Distrito Estadual de Fernando de Noronha. O GOVERNADOR

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 26, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI COMPLEMENTAR Nº 26, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI COMPLEMENTAR Nº 26, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2003 Dispõe sobre o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN, e da outras providências. O Prefeito Municipal de Mogi das Cruzes; Faço saber que a

Leia mais

A n e x o. Consolidação das Leis Tributárias do Município do Rio de Janeiro aprovada pelo Decreto nº 38245 de 6 de janeiro de 2014.

A n e x o. Consolidação das Leis Tributárias do Município do Rio de Janeiro aprovada pelo Decreto nº 38245 de 6 de janeiro de 2014. DECRETO Nº 38245 DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Aprova a Consolidação das Leis Tributárias do Município do Rio de Janeiro em vigor até 31 de dezembro de 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº. 369, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. (PUBLICADA NO D.O.M. Nº. 3.662, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009)

LEI COMPLEMENTAR Nº. 369, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. (PUBLICADA NO D.O.M. Nº. 3.662, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009) LEI COMPLEMENTAR Nº. 369, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. (PUBLICADA NO D.O.M. Nº. 3.662, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009) Alterações: Lei Complementar nº. 400, de 27 de dezembro de 2010 (DOM. nº. 3.908, de 27/12/2010);

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 6/07

INSTRUÇÃO NORMATIVA 6/07 INSTRUÇÃO NORMATIVA 6/07 Define contribuintes do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Mensal- escrituração eletrônica mensal do livro fiscal, a ser realizada por

Leia mais

P re fe i tu ra d o M u n i cípio d e A p u ca ra n a. A p u caran a - P R - w w w.ap u caran a.p r.g o v.b r LEI N 159/03 L E I

P re fe i tu ra d o M u n i cípio d e A p u ca ra n a. A p u caran a - P R - w w w.ap u caran a.p r.g o v.b r LEI N 159/03 L E I LEI N 159/03 SÚMULA: Altera disposições da Lei 085/02, de 30/12/2002, que instituiu o Sistema Tributário do Município de Apucarana e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA, ESTADO DO PARANÃ,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 027, DE 24 DE DEZEMRO DE 2003.

LEI COMPLEMENTAR N 027, DE 24 DE DEZEMRO DE 2003. LEI COMPLEMENTAR N 027, DE 24 DE DEZEMRO DE 2003. Dispõe sobre a cobrança do ISSQN - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza e dá outras providências : Faço saber que a Câmara Municipal de Colatina,

Leia mais

DECRETO Nº 23.753 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2003

DECRETO Nº 23.753 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2003 DECRETO Nº 23.753 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2003 Altera o Decreto 10.514, de 8 de outubro de 1991, que regulamenta as disposições legais relativas ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza. O Prefeito da

Leia mais

UNIDADE I IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISSQN

UNIDADE I IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISSQN TRIBUTOS 2 UNIDADE I IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISSQN 1.1 Conceitos O Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza ISSQN - é o tributo de competência dos Municípios, incidente sobre a atividade

Leia mais

LEI Nº 2464 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2004

LEI Nº 2464 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2004 LEI Nº 2464 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2004 Altera a Lei nº 2032 de 29 de dezembro de 1998(Código Tributário Municipal) e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ITAGUAÍ, RJ, Faço saber que a CÂMARA

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 116, DE 31 DE JULHO DE 2003

LEI COMPLEMENTAR N.º 116, DE 31 DE JULHO DE 2003 LEI COMPLEMENTAR N.º 116, DE 31 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, de competência dos Municípios e do Distrito Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Contabilidade Central. Manual de Empresas Prestadoras de Serviços

Contabilidade Central. Manual de Empresas Prestadoras de Serviços Contabilidade Central Manual de Empresas Prestadoras de Serviços 1 ÍNDICE LIVRO DE REGISTRO DE ENTRADA DE SERVIÇOS ----------------------------------------------- 03 RETENÇÃO DE ISS --------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santo Antônio de Pádua Gabinete do Prefeito

Prefeitura Municipal de Santo Antônio de Pádua Gabinete do Prefeito 1 LEI Nº.2.869, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2003. Revoga todos os dispositivos da Lei Municipal nº 2.472, de 18 de novembro de 1997, que instituiu no Código Tributário do Município - Lei Municipal nº 1.584/83

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sidrolândia ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

Prefeitura Municipal de Sidrolândia ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL LEI COMPLEMENTAR Nº 014/03 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2003 DISPÕE SOBRE O IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA, ESTABELECENDO NORMAS GERAIS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE SIDROLÂNDIA,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR Nº 116, DE 31 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, de competência dos Municípios e do Distrito Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

MANUAL - CPOM SIMPLIFICADO Consumidor de Serviço

MANUAL - CPOM SIMPLIFICADO Consumidor de Serviço MANUAL - CPOM SIMPLIFICADO Consumidor de Serviço Prefeitura de Curitiba Secretaria Municipal de Finanças Departamento de Rendas Mobiliárias Jan/2011 Sumário Sumário Página 1. Introdução 3 2. O que é o

Leia mais

Data de publicação: 07/01/2016 Matéria nº : 311154 Diário Oficial nº : 199

Data de publicação: 07/01/2016 Matéria nº : 311154 Diário Oficial nº : 199 Data de publicação: 07/01/2016 Matéria nº : 311154 Diário Oficial nº : 199 DECRETO RIO Nº 41196 DE 6 DE JANEIRO DE 2016 Aprova a Consolidação das Leis Tributárias em vigor no Município do Rio de Janeiro

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 24.113 DE 14 DE ABRIL DE 2004 (Publicado no D O Rio de 15/04/2004) (Com as alterações do Decreto nº 24.170, de 05/05/2004) Altera a regulamentação das disposições da Lei 2.538, de 3 de março

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPÃO GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPÃO GABINETE DO PREFEITO T Í T U L O I DOS TRIBUTOS EM GERAL INDICE CAPÍTULO I DO SISTEMA TRIBUTÁRIO... Art. 1º CAPÍTULO II DO IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO... Art. 5º SEÇÃO I DO FATO GERADOR SEÇÃO II DO SUJEITO PASSIVO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 05 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

LEI COMPLEMENTAR Nº 05 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. LEI COMPLEMENTAR Nº 05 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre Imposto sobre Transmissão Inter Vivos, de bens imóveis e de direitos reais sobre eles, e estabelece normas de apuração, medidas de fiscalização,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 139, DE 2015 (Do Sr. Altineu Côrtes)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 139, DE 2015 (Do Sr. Altineu Côrtes) *C0055177A* C0055177A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º 139, DE 2015 (Do Sr. Altineu Côrtes) Altera a Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, para modificar a competência para

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santa Lúcia DEPTO. DE CADASTRO E TRIBUTAÇÃO

Prefeitura Municipal de Santa Lúcia DEPTO. DE CADASTRO E TRIBUTAÇÃO LEI N 198/2003 SUMULA: ALTERA E ACRESCENTA DISPOSITIVOS À LEI NM25/98 QUE DISPÕE SOBRE O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE SANTA LÚCIA, E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. A Câmara Municipal de Santa Lúcia, Estado

Leia mais

Solicitações para recebimento de exemplares via correio ou se desejar retirar pessoalmente e ainda enviar sugestões:

Solicitações para recebimento de exemplares via correio ou se desejar retirar pessoalmente e ainda enviar sugestões: ELÓI PIETÁ Prefeito NESTOR CARLOS SEABRA MOURA Secretário de Finanças GRUPO TÉCNICO RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO TRABALHO Coordenação: Eldon Luiz Fiorin Equipe Técnica: Andrea Rinaldi de Campos Valdete

Leia mais

IPI ICMS - DF/GO/TO ICMS - DF ICMS - GO LEGISLAÇÃO - GO ICMS - TO ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 51/2010

IPI ICMS - DF/GO/TO ICMS - DF ICMS - GO LEGISLAÇÃO - GO ICMS - TO ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 51/2010 ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 51/2010 IPI LEI DE INFORMÁTICA - BENEFÍCIOS FISCAIS Introdução - Benefícios Fiscais do IPI - Processo Produtivo Básico - Manutenção e Utilização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO GERÊNCIA DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO GERÊNCIA DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Senhor Contribuinte PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ Com vistas a oferecer aos Substitutos Tributários todo o suporte necessário ao perfeito entendimento e posterior aplicação dos conhecimentos necessários

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 06/07 1

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 06/07 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 06/07 1 Define contribuintes do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Mensal - escrituração eletrônica mensal do livro fiscal, a ser realizada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL REVOGADO PELO DECRETO 26 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 14, DE 21 DE JANEIRO DE 2005. Regulamenta a Concessão, Execução e Prestação de Contas de Suprimento de Fundos. O PREFEITO MUNICIPAL DE PALMAS,

Leia mais

LEI Nº 2.435/05 SUBTÍTULO III. DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA CAPÍTULO I DA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL SEÇÃO I DO FATO GERADOR E INCIDÊNCIA

LEI Nº 2.435/05 SUBTÍTULO III. DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA CAPÍTULO I DA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL SEÇÃO I DO FATO GERADOR E INCIDÊNCIA LEI Nº 2.435/05 MODIFICA A REDAÇÃO DA LEI Nº 2.090, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998, QUE INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE CAETÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS EM CENTROS DE CONVENÇÕES E ARENAS MULTIUSO, PROVIDOS DE ALVARÁ E HABITE-SE, SUJEITOS AS NORMAS CONTIDAS NO CODIGO

Leia mais

A NOVA LEI DO ISS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. (incluindo a Lei 3.720, de 5 de março de 2004)

A NOVA LEI DO ISS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. (incluindo a Lei 3.720, de 5 de março de 2004) A NOVA LEI DO ISS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO (incluindo a Lei 3.720, de 5 de março de 2004) O Município do Rio de Janeiro foi um dos primeiros a sancionar sua nova lei do ISS, com base na Lei Complementar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE LEI COMPLEMENTAR Nº 155, de 19 de dezembro de 2003. Dispõe acerca do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN e sua lista de incidências, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Joinville

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS 10/12/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 6 5.

Leia mais

Legenda: NFS-e - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. Código de Serviço. Item da Lei 13.701/03 GRUPO. Livro Fiscal (Modelo) Documentos Fiscais (Nota 1)

Legenda: NFS-e - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. Código de Serviço. Item da Lei 13.701/03 GRUPO. Livro Fiscal (Modelo) Documentos Fiscais (Nota 1) Legenda: NFS-e - Nota s Eletrônica GRUPO 01015 7.02 1. CONSTRUÇÃO CIVIL Descrição Natureza Alíquota Base Cálculo Execução, por administração, empreitada ou subempreitada, obra hidráulica e outras obras

Leia mais

ANEXO I A TABELA PARA COBRANÇA DO IPTU

ANEXO I A TABELA PARA COBRANÇA DO IPTU ANEXO I A TABELA PARA COBRANÇA DO IPTU Nº DE ORDEM ESPECIFICAÇAO % SOBRE O VALOR VENAL 001 IMOVEIS EDIFICADOS 0,5 % 002 IMOVEIS NÃO EDIFICADOS 1,0 % ANEXO I B TABELAS E PLANTA GENÉRICA DE VALORES Tabela

Leia mais

ÍNDICE ARTIGOS. Disposição Preliminar 1º Livro Primeiro Parte Especial Tributos 2º

ÍNDICE ARTIGOS. Disposição Preliminar 1º Livro Primeiro Parte Especial Tributos 2º ÍNDICE ARTIGOS Disposição Preliminar 1º Livro Primeiro Parte Especial Tributos 2º Título I DOS IMPOSTOS CAPÍTULO I DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA Seção I Hipótese de Incidência

Leia mais

CODIGO DA LISTA SERVIÇOS CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF DESCRIÇÃO DO CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF ALÍQUOTA

CODIGO DA LISTA SERVIÇOS CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF DESCRIÇÃO DO CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF ALÍQUOTA CODIGO DA LISTA SERVIÇOS CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF DESCRIÇÃO DO CÓDIGO DE TRIBIBUTAÇÃO DESIF ALÍQUOTA 101 10100001 Análise e desenvolvimento de sistemas 5,00% 102 10200001 Programação 5,00% 103 10300001

Leia mais

Resolução n.º 01, de 13 de julho de 2011.

Resolução n.º 01, de 13 de julho de 2011. Resolução n.º 01, de 13 de julho de 2011. Dispõe sobre a opção pelo Regime Especial de Emissão e Impressão de Notas Fiscais Eletrônicas dos contribuintes do Imposto sobre Serviços do Município de Bagé

Leia mais

Lei 2326/2004. Capítulo I IMPOSTO SOBRE SERVIÇO DE QUALQUER NATUREZA. Seção I INCIDÊNCIA E FATO GERADOR

Lei 2326/2004. Capítulo I IMPOSTO SOBRE SERVIÇO DE QUALQUER NATUREZA. Seção I INCIDÊNCIA E FATO GERADOR Lei 2326/2004 "DISPÕE SOBRE ASD NORMAS RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN, ALTERA A LEI MUNICIPAL N 223/1973 QUE INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS".

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº668/2005 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO NO CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL - LEI Nº513/2001. O Prefeito Municipal de Venda Nova do Imigrante,

Leia mais

1.01 Análise e desenvolvimento de sistemas. 1.02 Programação. 1.03 Processamento de dados e congêneres. 1.04 Elaboração de programas de computadores,

1.01 Análise e desenvolvimento de sistemas. 1.02 Programação. 1.03 Processamento de dados e congêneres. 1.04 Elaboração de programas de computadores, Item Serviço Descrição 1.01 Análise e desenvolvimento de sistemas. 1.02 Programação. 1.03 Processamento de dados e congêneres. 1.04 Elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos.

Leia mais

DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 Regulamenta o regime de substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISSQN, instituído pela Lei Complementar n 03, de 17 de setembro

Leia mais

PREFEITURA DE CONCEIÇÃO DA BARRA Estado do Espírito Santo GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 2.521, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009.

PREFEITURA DE CONCEIÇÃO DA BARRA Estado do Espírito Santo GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 2.521, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. LEI Nº. 2.521, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. ADAPTA AO CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Conceição da Barra,, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono

Leia mais

A Câmara Municipal de Uruaçu, Estado de Goiás, aprova e eu, Prefeita Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de Uruaçu, Estado de Goiás, aprova e eu, Prefeita Municipal, sanciono a seguinte Lei: Lei nº 1.265 /2003 Uruaçu-Go., 11 de dezembro de 2003. Altera e dá nova redação a dispositivos da Lei nº 1000, de 16.12.97, e dá outras providências A Câmara Municipal de Uruaçu, Estado de Goiás, aprova

Leia mais

Rio Grande do Norte, 27 de Janeiro de 2011 Diário Oficial dos Municípios do Estado do Rio Grande do Norte ANO II Nº 0325

Rio Grande do Norte, 27 de Janeiro de 2011 Diário Oficial dos Municípios do Estado do Rio Grande do Norte ANO II Nº 0325 FEDERAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO NORTE - FEMURN GABINETE DA PRESIDÊNCIA ATA DA SEÇÃO DE POSSE DA DIRETORIA DA FEDERAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PARA O BIÊNIO COMPREENDIDO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Finanças

Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Finanças Instrução Normativa nº 04/2009-GABS/SEFIN ANEXO IV - Cronograma de Implantação da NFSe - Atividades Ordem Subitem Descrição CNAE Início da Emissão da NFS-e 1 01.01 Análise e desenvolvimento de sistemas.

Leia mais

ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - PR LEGISLAÇÃO - PR ANO XXI - 2010-2ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 50/2010

ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - PR LEGISLAÇÃO - PR ANO XXI - 2010-2ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 50/2010 ANO XXI - 2010-2ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 50/2010 ASSUNTOS DIVERSOS SERVIÇOS TURÍSTICOS - ASPECTOS GERAIS - ATUALIZAÇÃO Introdução - Objetivo - Prestadores Sujeitos ao Cadastramento

Leia mais

O texto que segue foi extraído do nosso curso sobre a Legislação Tributária Municipal de São Paulo, disponível em PDF no site da Editora Ferreira.

O texto que segue foi extraído do nosso curso sobre a Legislação Tributária Municipal de São Paulo, disponível em PDF no site da Editora Ferreira. Olá, galera do ISS-SP! O texto que segue foi extraído do nosso curso sobre a Legislação Tributária Municipal de São Paulo, disponível em PDF no site da Editora Ferreira. Um forte abraço. Ricardo Ferreira

Leia mais

DECRETO n. 28.248, de 30 de julho de 2007

DECRETO n. 28.248, de 30 de julho de 2007 DECRETO n. 28.248, de 30 de julho de 2007 Regulamenta o fornecimento de informações de que trata o art. 14-A da Lei n. 691, de 24 de dezembro de 1984, e dispõe sobre a responsabilidade tributária prevista

Leia mais

DECRETO n. 11.052, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009. ANEXO II CRONOGRAMA DE OBRIGAÇÃO PARA EMISSÃO DA NFS-e

DECRETO n. 11.052, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009. ANEXO II CRONOGRAMA DE OBRIGAÇÃO PARA EMISSÃO DA NFS-e DECRETO n. 11.052, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009. ANEXO II CRONOGRAMA DE OBRIGAÇÃO PARA EMISSÃO DA NFS-e ITEM DA LISTA DESCRIÇÃO DO SERVIÇO EMISSÃO DA NFS-E 01.01 Análise e desenvolvimento de sistemas. 01.02

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 27 Ministério da Educação Nº 1612 - Terça feira, 2 de julho de 2013 PORTARIA Nº 576, DE 28 DE JUNHO DE 2013 - Dispõe sobre o Fórum de Avaliação do Financiamento da Educação Básica Nacional

Leia mais

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. 0 75, DE 09 DE JULHO DE 2013. FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores e eu a seguinte

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. 0 75, DE 09 DE JULHO DE 2013. FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores e eu a seguinte PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. 0 75, DE 09 DE JULHO DE 2013. INSTITUI A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e, E DISPÕE SOBRE A GERAÇÃO E UTILIZAÇÃO NO MUNICÍPIO DE CANDIOTA. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Retenções sobre notas fiscais

Retenções sobre notas fiscais Retenções sobre notas fiscais 1 - Imposto de Renda Retido na Fonte IRRFonte 1.1 Cooperativas De quem reter: Cooperativas de trabalho, como médicos, vigilantes, limpeza, etc. O imposto incidirá apenas sobre

Leia mais

Boletim. Federal. Manual de Procedimentos. ISS - Regras gerais. ICMS - IPI e Outros

Boletim. Federal. Manual de Procedimentos. ISS - Regras gerais. ICMS - IPI e Outros Boletim Manual de Procedimentos Federal ISS - Regras gerais 1. INTRODUÇÃO O Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) é um tributo cuja competência, para a sua instituição, foi assegurada pela

Leia mais

Art. 1º O Art. 104 do Código Tributário Municipal passa a Ter a seguinte redação:

Art. 1º O Art. 104 do Código Tributário Municipal passa a Ter a seguinte redação: LEI Nº 1767, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003. ALTERA A LISTA DE SERVIÇOS DO CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL, LEI 1664 DE 28.11.2002, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Autor: Prefeito José Camilo Zito A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre a reestruturação da Loteria do Estado do Pará - LOTERPA e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a

Leia mais

(Publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 22 de setembro de 2012)

(Publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 22 de setembro de 2012) PORTARIA Nº 042 DE 19 DE SETEMBRO DE 2012. (Publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 22 de setembro de 2012) O SECRETÁRIO DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições previstas no art. 61, V da Lei

Leia mais

PREFEITURA DE GUARULHOS

PREFEITURA DE GUARULHOS PREFEITURA DE GUARULHOS SECRETARIA ESPECIAL DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS Vigência - Art. 54 Decretos: 22.528, 22.557, 22.868, 22.882, 22.965, 23.922, 25.865, 25.971, 26.844, 28.697, 29.168, 29.169, 31.275,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 013, DE 21 DE MAIO DE 2002.

LEI COMPLEMENTAR Nº 013, DE 21 DE MAIO DE 2002. LEI COMPLEMENTAR Nº 013, DE 21 DE MAIO DE 2002. DISPÕE SOBRE A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RELATICA AO ISSQN IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA. A CAMARA MUNICIPAL DE ANAPOLIS aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

Fábio Sarinho Controlador Geral do Município

Fábio Sarinho Controlador Geral do Município Resolução Interadministrativa nº. 001, de 18 janeiro de 2013. A SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS SEMPLA e a CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO - CGM, no uso das atribuições que,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇARIGUAMA Estado de São Paulo

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇARIGUAMA Estado de São Paulo PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇARIGUAMA GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR N.º 07 1, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1994 LIVRO I - DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL TÍTULO I - Das Disposições Gerais Art. 1º - Esta

Leia mais

PORTARIA SETEC/MEC N 01, DE 29 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA SETEC/MEC N 01, DE 29 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA SETEC/MEC N 01, DE 29 DE JANEIRO DE 2014 Altera a Portaria SETEC/MEC nº 20, de 27 de junho de 2013, que aprova a Tabela de Mapeamento de cursos técnicos para oferta no âmbito do Programa Nacional

Leia mais