MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS. Normas e apresentação de projetos hidrossanitários

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS. Normas e apresentação de projetos hidrossanitários"

Transcrição

1 MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS Normas e apresentação de projetos hidrossanitários Abril de 2014

2 APRESENTAÇÃO A cidade de Unaí está em constante desenvolvimento, acompanhado, consequentemente, pelo crescimento demográfico e urbanístico, com a expansão e surgimento de loteamentos ou conjuntos habitacionais responsáveis pelo atendimento à nova demanda populacional. Esse crescimento deve ser realizado de forma controlada e sua execução deve ser planejada, a fim de harmonizar espaço, conforto, saúde ambiental e infraestrutura com o meio ambiente. Os projetos devem ainda, ser elaborados para que se adequem aos sistemas públicos de água e esgoto já instalados, sem prejuízo ao atendimento das atuais demandas. A fim de auxiliar na execução desses novos empreendimentos, este documento apresenta o roteiro para elaboração de projetos hidrossanitários na cidade de Unaí e localidades onde o SAAE detém a concessão do serviço, assim como todos os procedimentos necessários para execução, aprovação e recebimento das novas construções. O SAAE coloca-se a disposição para futuros esclarecimentos e/ou suporte técnico necessário. Samuel Issamu Tanaka Engenheiro Sanitarista Rodrigo Borges Kazmirczak Engenheiro Civil Chefe do Departamento Técnico 2

3 Sumário 1. REFERÊNCIAS Legislação Federal Decreto Municipal Do DNIT Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes Do DER Da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas DEFINIÇÕES Caixa alimentadora Carta compromisso Carta de Liberação de Projeto (CLP) Documento de Análise do Projeto (DAP) Documento de viabilidade técnica e Diretriz Técnica Básica DVT e DTB Formulário de Consulta Prévia (FCP) Incorporador Instrumento Particular de Doação (IPD) Interceptor Ligação predial condominial Ligação predial definitiva Ligação predial individual Ligação provisória Linha alimentadora Linha secundária Rede alimentadora Rede de distribuição Sub-adutora de alimentação Rede secundária APLICABILIDADE DO MANUAL ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA REQUISITOS PARA A ELABORAÇÃO DOS PROJETOS HIDROSSANITÁIOS Abrangência do projeto Utilização de áreas especiais

4 5.3. Utilização de área de terceiros Projeto estrutural Projeto elétrico Planilha de quantitativos e preços de serviços de materiais Descrição topográfica das áreas de servidão ou de pleno domínio CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Requisitos básicos Utilização do lote para passagem do ramal domiciliar Parâmetros de dimensionamento Determinações construtivas Materiais empregados Projeto hidráulico Memória técnica Plantas de projeto Caixas de gordura Estação Elevatória de Esgoto REQUISITOS PARA A ELABORAÇÃO DO PROJETO DE SISTEMA DE DISTRIBUÇÃO DE ÁGUA Parâmetros de dimensionamento Materiais empregados Projeto hidráulico Memória técnica Plantas de projeto Rede de distribuição Reservação Estação elevatória Fontes alternativas de abastecimento de água Órgãos acessórios DISPOSIÇÕES COMPLEMENTARES Necessidade de ligação provisória Entrega do projeto Análise e aprovação do projeto Acompanhamento e aprovação da obra

5 9. DISPOSIÇÕES FINAIS ANEXOS ANEXO I FORMULÁRIO DE CONSULTA PRÉVIA...26 ANEXO II SOLICITAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA...27 ANEXO III CARTA DE COMPROMISSO...28 ANEXO IV INSTRUMENTO PARTICULAR DE DOAÇÃO

6 1. REFERÊNCIAS Na aplicação deste manual pode ser necessário consultar: 1.1. Legislação Federal a) Lei n o 9785 de 29 de janeiro de 1999, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano Decreto Municipal a) Decreto n o de 1 de abril de 2014 Regulamento dos serviços públicos de água e esgoto, drenagem pluvial e irrigação de áreas públicas prestadas pelo Serviço Municipal de Saneamento Básico do Município de Unaí-MG Do DNIT Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes a) Manual de ordenamento de uso de faixa de domínio - item 3 (antigo DNER) Do DER a) RT Ocupação de faixa de domínio Da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas a) NBR Conexões de ferro fundido; b) NBR Estudos de concepção de sistemas públicos de abastecimento de água; c) NBR Projeto de poço para captação de água subterrânea; d) NBR Projeto de captação de água de superfície para abastecimento público; e) NBR Projeto de sistema de bombeamento de água para abastecimento público; f) NBR Projeto de adutora de água para abastecimento público; g) NBR Projeto de estação de tratamento de água para abastecimento público; h) NBR Projeto de reservatório de distribuição de água para abastecimento público; i) NBR Projeto de rede de distribuição de água para abastecimento público; j) NBR Construção de poço para captação de água subterrânea; k) NBR Projeto de execução de valas para assentamento de tubulação de água, esgoto e drenagem urbana; 6

7 l) NBR Execução de levantamento topográfico. m) NBR Tubo cerâmico para canalizações; n) NBR Tubo de PVC rígido com junta elástica, coletor de esgoto; o) NBR Projeto e assentamento de tubulações de PVC rígido para sistemas de esgoto sanitário; p) NBR Tubo de ferro fundido dúctil centrifugado para canalizações sob pressão; q) NBR Conexão cerâmica para canalização; r) NBR Tubo de concreto simples, de seção circular, para esgoto sanitário; s) NBR 8160 Sistemas prediais de esgoto sanitário Projeto e execução; t) NBR Tubo de concreto armado de seção circular para esgoto sanitário; u) NBR Estudos de concepção de sistemas de esgoto sanitário; v) NBR Projeto de redes coletoras de esgoto sanitário; w) NBR Execução de rede coletora de esgoto sanitário; x) NBR Tubos de aço ponta e bolsa para junta elástica; y) NBR Projeto de interceptores de esgoto sanitário; z) NBR Projeto de estações elevatórias de esgoto sanitário; aa) NBR Projeto de estações de tratamento de esgoto sanitário; 2. DEFINIÇÕES 2.1. Caixa alimentadora Órgão acessório à rede de distribuição que interliga a linha alimentadora à secundária. Contém dispositivos redutores de pressão, registros de controle, peças e conexões necessários à operação de setores específicos de sistema Carta compromisso Documento assinado pelo incorporador, solicitando ligação de água provisória para execução de projeto de edificação e se comprometendo com prazo de entrega do Projeto Hidrossanitário Carta de Liberação de Projeto (CLP) Documento que atesta que os projetos apresentados pelo incorporador estão de acordo com as diretrizes e exigências do SAAE. 7

8 2.4. Documento de Análise do Projeto (DAP) Documento que estabelece as adequações necessárias ao projeto para fins de aprovação, caso o mesmo não esteja de acordo Documento de viabilidade técnica e Diretriz Técnica Básica DVT e DTB Informação prestada pelo SAAE, quanto à disponibilidade do sistema em atender à demanda de abastecimento de água do empreendimento e as diretrizes e parâmetros técnicos a serem atendidos na elaboração do projeto Formulário de Consulta Prévia (FCP) Formulário com informações básicas do projeto e do incorporador, o qual servirá de base para a análise de viabilidade técnica para atendimento ao empreendimento Incorporador Pessoa física ou jurídica responsável pela implantação do empreendimento Instrumento Particular de Doação (IPD) Documento que estabelece os termos para doação dos bens patrimoniais ao SAAE após a conclusão das obras Interceptor Canalização que recebe e transporta esgoto, caracterizada pela defasagem das contribuições e amortecimento das vazões; Ligação predial condominial Ligação predial externa para atendimento coletivo das economias internas de um empreendimento Ligação predial definitiva É a ligação predial permanente Ligação predial individual Ligação individual para atendimento individual por edificação Ligação provisória É a ligação executada em caráter provisório, para utilização em construção e que pode ser transformada em ligação definitiva após a obra, condicionada à liberação do projeto hidrossanitário Linha alimentadora Tubulação da rede de distribuição cuja finalidade é suprir, através de caixas alimentadoras, as linhas secundárias. Também é denominada linha principal ou linha tronco. 8

9 2.15. Linha secundária Tubulação da rede de distribuição, cuja função é a de permitir a derivação do ramal predial. Também é denominada envoltória ou anel de distribuição Rede alimentadora Conjunto de tubulações constituído pelas linhas alimentadoras Rede de distribuição Conjunto de tubulações e órgãos acessórios destinados à distribuição de água potável aos consumidores Sub-adutora de alimentação Tubulação derivada da rede existente, ou de outra fonte de produção, destinada a abastecer a rede de distribuição do empreendimento Rede secundária Conjunto de tubulações constituído pelas linhas secundárias. 3. APLICABILIDADE DO MANUAL O manual de Projeto Hidrossanitário se aplica aos empreendimentos enquadrados nas seguintes classificações: 3.1. Condomínios horizontais com ligação condominial ou individual; 3.2. Loteamentos e conjuntos habitacionais; 3.3. Edificações de qualquer natureza ou utilização que se enquadrem nas condições a seguir: a) Três ou mais pavimentos; b) Área total construída igual ou superior a 600 m²; c) Qualquer edificação com três ou mais economias; d) Serviços de saúde; e) Comércios geradores de resíduos graxos, como postos de combustível e oficinas; f) Comércios do ramo alimentício, como restaurantes ou lanchonetes; g) Supermercados e açougues; h) Matadouros; i) Indústrias; 3.4. Qualquer situação em que as instalações hidrossanitárias do empreendimento possam interferir nos serviços prestados ou sistemas instalados do SAAE. 9

10 4. ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA Caso o empreendimento se enquadre em alguma das classificações do item 3, para aprovação do projeto, o SAAE deverá realizar um estudo de viabilidade técnica, onde serão avaliadas a possibilidade e as condições de atendimento ao projeto. Para o estudo de viabilidade, o incorporador deverá apresentar os seguintes dados: a) Planta de localização do empreendimento face à malha urbana e/ou sistema viário local, em escala 1:25000 ou 1: Devem ser indicados os limites da área de projeto, o sistema de coordenadas, o norte verdadeiro e norte magnético; b) Preenchimento do Formulário de Consulta Prévia, conforme Anexo I; 4.1. Após análise, o SAAE informará formalmente sobre a viabilidade técnica do projeto, através do DVT e DTB no prazo máximo de 15 dias O DVT e a DTB terão validade máxima de um ano, a partir da data de sua emissão. Caso os projetos não sejam apresentados nesse período, o estudo de viabilidade técnica deverá ser refeito. 5. REQUISITOS PARA A ELABORAÇÃO DOS PROJETOS HIDROSSANITÁIOS Os projetos deverão atender às referências citadas no item 1 e aos documentos DVT e DTB. Para a elaboração dos projetos são necessários os seguintes documentos a) DVT e DTB anexos aos projetos; b) Projeto urbanístico aprovado pelo SAAE, na escala disponível. Neste documento deve constar o nome do Incorporador, denominação, localização, área, número de unidades e tipo de ocupação do empreendimento; c) Levantamento topográfico planialtimétrico em escala 1: 2000, com curvas de nível de metro em metro, com destaque para as curvas de nível a cada 5 metros, malha de coordenadas com indicação do norte verdadeiro e do norte magnético e localização das referências de nível (RN); d) Comprovação do licenciamento ambiental a que o projeto possa estar sujeito por força da legislação vigente; e) Para o projeto de sistema de distribuição de água, no caso de fonte de produção de água própria para o empreendimento, o SAAE deve ser consultado para orientações específicas e deve ser obedecido o item

11 5.1. Abrangência do projeto Os projetos devem ser elaborados para toda a área do empreendimento, mesmo que seja implantado em etapas Utilização de áreas especiais Caso haja a necessidade de utilização de áreas de preservação ambiental (municipais, estaduais, federais) ou de áreas de domínio de Órgãos Públicos (DER, DNIT e outros) para a passagem das tubulações ou instalação de outras unidades do sistema, os projetos devem atender às imposições da legislação vigente, e às normas específicas dos Órgãos, devendo ser aprovado pelos mesmos Utilização de área de terceiros Nos casos onde o projeto indicar a execução de rede ou demais unidades do sistema em terrenos de propriedade particular, o incorporador deve, às suas expensas, providenciar junto ao proprietário, a doação ou a compra da área de servidão ou de pleno domínio correspondente. A titularidade do terreno deverá ser transferida ao SAAE para a devida incorporação ao seu patrimônio, conforme Anexo IV Projeto estrutural Devem ser integrantes do projeto estrutural os seguintes documentos: a) memória técnica, com cálculo estrutural das unidades do sistema e relatórios de sondagem do terreno; b) desenhos de fôrma e armação das estruturas, fundações e detalhes construtivos elaborados de acordo com diretrizes fornecidas pelo SAAE; c) detalhamento dos métodos executivos das unidades do sistema, observando-se as condições geotécnicas dos locais de implantação Projeto elétrico Devem ser integrantes do projeto elétrico os seguintes documentos: a) memória técnica com descrição e dimensionamento das instalações elétricas das estações elevatórias e estações de tratamento. Dimensionamento dos padrões de entrada de energia, quadros de comando, motores elétricos e projeto de iluminação interna e externa. Devem ser previstos dispositivos de proteção da sucção e automatização do recalque. b) desenhos, com detalhamento, em planta, cortes e detalhes, dos padrões de entrada de energia elétrica, da iluminação interna e externa, e dos dispositivos de proteção e automatização. Os desenhos devem ser 11

12 elaborados de acordo com as normas da ABNT e das concessionárias de energia elétrica. c) Declaração de viabilidade de fornecimento de energia elétrica emitida pela concessionária (CEMIG) Planilha de quantitativos e preços de serviços de materiais O orçamento deve ser elaborado conforme a itemização, códigos e preços estabelecidos pela planilha de preços de insumos e serviços do SINAPI, SETOP, etc. Os serviços, materiais e equipamentos constantes do mesmo devem ser especificados de forma a permitir a sua correta execução e aquisição Descrição topográfica das áreas de servidão ou de pleno domínio A descrição topográfica e desenhos devem conter todos os elementos necessários à perfeita caracterização da área, com a finalidade de legalização por servidão ou pleno domínio. Estes elementos compreendem, basicamente, a materialização do ponto de partida, o transporte de amarrações, a descrição de divisas e a identificação de proprietários. 6. CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Os critérios apresentados a seguir referem-se a projetos de redes coletoras e interceptoras de esgotos sanitários. Caso sejam previstas estações elevatórias e estações de tratamento no sistema de esgotamento sanitário do empreendimento, deve ser solicitada ao SAAE a definição dos critérios específicos de projeto Requisitos básicos A concepção urbanística do empreendimento, determinante para elaboração do projeto de esgotamento sanitário, deve proporcionar: a) o escoamento dos esgotos integralmente por gravidade; b) o lançamento da rede coletora preferencialmente nas vias públicas, e atendendo aos lotes pela via em frente aos mesmos (exceções deverão ser plenamente justificadas e aceitas pelo SAAE); c) o lançamento dos esgotos no corpo receptor, excepcionalmente sem tratamento, com o acordo prévio formalizado entre a Prefeitura Municipal, o órgão ambiental e o SAAE. Caso autorizado, o lançamento deverá ser efetuado em um único ponto; d) que não haja lançamentos em talvegue seco. e) que não haja em hipótese alguma o lançamento de águas pluviais na rede de coleta de esgotos ou o lançamento de esgoto nas galerias de águas pluviais. 12

13 Nota: Comprovada a possibilidade de soluções de esgotamento sanitário tecnicamente mais adequadas que as permitidas pelo projeto urbanístico apresentado, o SAAE poderá exigir a sua alteração Utilização do lote para passagem do ramal domiciliar Nos casos onde o esgotamento sanitário do lote superior de uma quadra do loteamento somente puder ser feito através do lote inferior da mesma quadra, o incorporador deve anexar ao projeto declaração informando que irá constar, em todos os instrumentos de compra e venda devidamente registrados em cartório, a autorização do proprietário do lote inferior, permitindo a passagem pelo seu terreno, do ramal domiciliar proveniente do lote superior Parâmetros de dimensionamento Devem ser considerados na elaboração do projeto: população atendida......conforme DTB; consumo per capita de água......conforme DTB; índice de atendimento % coeficiente do dia de maior consumo (k 1 )...1,2 coeficiente da hora de maior consumo (k 2 )...1,5 coeficiente de mínima vazão horária (k...0,5 3 ) taxa de retorno água / esgoto (Tr)...0,8 taxa de infiltração ,00033 l/(s x m) ou 0,05 l/(s x ha) vazão mínima ,5 l/s coeficiente de rugosidade (Manning)...0,013(MBV, concreto, F o F o, PVC) taxa de contribuição linear mínima ,002 l/(s x m) tensão trativa mínima ,0 Pa diâmetro mínimo mm velocidade máxima ,0 m/s lâmina d água máxima (y/d) % lâmina d água máxima (y/d), para velocidade final superior à velocidade crítica % declividade máxima......condicionada pela veloc. máxima declividade mínima......condic. pela tensão trativa mínima contribuição puntual mínima para áreas de expansão ,3 l/(s x ha), incluindo infiltração 6.4. Determinações construtivas Devem ser observadas as seguintes determinações: 13

14 a) recobrimento mínimo de 1,00 m acima da geratriz superior das tubulações; b) a profundidade máxima da rede deve ser de 5,00 m; c) distância máxima entre PV s deve ser de 100 m; d) para diferenças de lâminas superiores a 1,2 cm, ou nas mudanças de diâmetro, o degrau mínimo a ser adotado nos PV s é de 5 cm; e) deve ser previsto tubo de queda nos PV s (para D < 350 mm), para desníveis superiores a 0,5 m entre as cotas de chegada e de saída; f) deve ser previsto um único coletor locado no terço mais desfavorável da via (exceto em situações impostas por interferências ou pelo tipo de ocupação), para largura da mesma inferior a 20 m. No caso dessa ser superior a 20 m, deve ser previsto um coletor de cada lado da via, locado a 1,5 m do meio-fio; g) devem ser previstos coletores auxiliares, paralelos às canalizações que apresentem material ou profundidade que não permitam a execução de ligações prediais; h) devem ser previstas placas de ancoragem em concreto, a cada bolsa, para tubulações com declividades superiores a 20% Materiais empregados As redes coletoras e interceptores devem ser projetados utilizando os seguintes materiais: a) manilha de barro vidrado, com junta elástica para D < 200 mm, ou com junta asfáltica para D > 200 mm; b) tubo de PVC com junta elástica; c) tubo de ferro fundido dúctil; d) tubo de concreto para esgoto, simples ou armado, com junta elástica; e) tubo PEAD. O material utilizado deve ser aprovado pelo SAAE Projeto hidráulico Memória técnica A memória técnica do projeto hidráulico deve conter: a) descrição geral do empreendimento e do SES proposto; b) critérios e parâmetros de projeto, conforme DTB e item 6.3; 14

15 c) cálculo das vazões de projeto (mínima, média e máxima), incluindo as contribuições de montante; d) síntese do sistema proposto, com apresentação das características principais das unidades projetadas e descrição das particularidades do projeto; e) dimensionamento hidráulico da rede coletora (inclusive da rede existente que receba a contribuição da rede projetada), com apresentação das planilhas de cálculo; f) dimensionamento hidráulico dos interceptores, com apresentação das planilhas de cálculo e do esquema de vazões de contribuição; g) dimensionamento hidráulico das estações elevatórias e estações de tratamento, conforme normas da ABNT, diretrizes fornecidas pelo SAAE e Plantas de projeto No projeto do sistema de esgotamento sanitário do empreendimento devem ser apresentados os seguintes desenhos: a) A planta de localização deve ser conforme item 4, alínea a. b) A planta do projeto urbanístico deve ser conforme item 5, alínea b A planta geral do SES deve ser apresentada em escala adequada, e conter: a) delimitação da área de projeto e das áreas do entorno, contribuintes ao SES do empreendimento (com identificação); b) identificação dos cursos d água; c) delimitação e identificação das sub-bacias de esgotamento sanitário; d) indicação dos pontos de lançamento de esgotos e dos dispositivos de esgotamento sanitário existentes ou projetados, que receberão as contribuições; O plano de escoamento deve ser apresentado em planta na escala 1:2000, com malha de coordenadas e curvas de nível de metro em metro, e conter: a) identificação dos cursos d água; b) arruamento, com nome das ruas e logradouros; c) delimitação e numeração dos lotes e das quadras; 15

16 d) traçado da rede nos arruamentos, com indicação do sentido de escoamento e da posição, numeração, profundidade dos PV s e representação dos tubos de queda; e) indicação das normais críticas, com as respectivas cotas; f) indicação de interferências relativas aos dispositivos de infra-estrutura urbana, com cotas e dimensões; g) indicação das vazões concentradas; h) indicação do ponto de lançamento final dos esgotos; i) indicação de travessias, estações elevatórias e estações de tratamento; j) legenda com as convenções adotadas A planta construtiva deve ser apresentada na escala 1:2000, com malha de coordenadas, e conter: a) identificação dos cursos d água; b) arruamento, com o nome das ruas e logradouros; c) traçado da rede nos arruamentos, com indicação do sentido de escoamento; d) posição e numeração dos PV s, com representação de tubos de queda; e) cota de terreno, cota de soleira das tubulações de chegada e saída e profundidades dos PV s; f) extensão, declividade, diâmetro e material de cada trecho; g) legenda com as convenções adotadas As plantas e perfis da rede coletora devem ser apresentados na escala horizontal 1:2000 e vertical 1:200, e conter: a) planta; identificação dos cursos d água, arruamento, com nome das ruas e logradouros, traçado da rede nos arruamentos, com indicação do sentido de escoamento e da posição e numeração dos PV s, com representação de tubos de queda, profundidade e cotas de PV s, que não constarem no perfil, 16

17 indicação de interferências relativas a dispositivos de infra-estrutura urbana, com cotas e dimensões, indicação de normais críticas, com as respectivas cotas, indicação de lançamentos em cursos d água (com Na máx ) ou em PV s existentes. b) perfil; perfis de terreno natural, do greide projetado e do coletor, desenhados por rua e não pelo sentido de escoamento, indicação de interferências relativas a dispositivos de infra-estrutura urbana, com cotas e dimensões, indicação de normais críticas, com as respectivas cotas, indicação de lançamentos em cursos d água (com NA MÁX ) ou em PVs existentes. c) grade do perfil; numeração de PV s, cota de terreno, cota de soleira das tubulações de chegada e saída, alturas de rebaixos ou de tubos de queda e profundidades dos PV s, extensão, declividade, diâmetro e material de cada trecho. Nota: Deve ser apresentada a legenda com as convenções adotadas As plantas e perfis dos interceptores devem ser apresentados na escala horizontal 1:1000 e vertical 1:100, e conter: a) planta; identificação dos cursos d água, malha de coordenadas e faixa de levantamento planialtimétrico semi-cadastral (nos casos em que o interceptor esteja fora do arruamento), traçado do interceptor, com indicação do sentido de escoamento e da posição, da numeração e das coordenadas dos PV s, profundidades e cotas de PV s, que não constarem no perfil, indicação de interferências relativas a dispositivos de infra-estrutura urbana, com cotas e dimensões, indicação de normais críticas, com as respectivas cotas, no caso do interceptor receber ligações prediais, 17

18 indicação de lançamentos em cursos d água (com Na máx ) ou em PV s existentes, locação de sondagens, caso tenham sido realizadas. b) perfil; perfis de terreno natural, do greide projetado e do interceptor, indicação de interferências relativas a dispositivos de infra-estrutura urbana, com cotas e dimensões, indicação de normais críticas, com as respectivas cotas, no caso do interceptor receber ligações prediais, indicação de lançamentos em curso d água (com Na máx ) ou em PV s existentes, resultados de sondagens, caso tenham sido realizadas. c) grade do perfil; estacas e numeração dos PV s, cota de terreno, cota de soleira das tubulações de chegada e saída, alturas de rebaixos ou de tubos de queda e profundidades dos PV s, extensão, declividade, diâmetro, vazão máxima e mínima de cada trecho e vazões concentradas. Nota: Deve ser apresentada a legenda com as convenções adotadas Os desenhos das travessias aéreas e subterrâneas devem incluir plantas, cortes e detalhes, elaborados em escala e nível de detalhamento que permitam a adequada estimativa de custos e a perfeita execução das obras. As travessias sob rodovias e vias férreas devem ser detalhadas de acordo com as normas específicas dos órgãos envolvidos Os desenhos de estações elevatórias e estações de tratamento devem conter: a) plantas gerais de situação, locação, terraplenagem, urbanização e paisagismo, arquitetura, drenagem pluvial, água potável e interligações; b) plantas, cortes e detalhes de montagem de peças, tubulações e equipamentos; c) plantas, cortes e detalhes dos projetos arquitetônico e de instalações hidráulico-sanitárias das edificações. Nota: As propostas que consideram a implantação de estações elevatórias e estações de tratamento devem ser discutidas com o SAAE, inclusive para 18

19 definição dos critérios e parâmetros de dimensionamento e dos aspectos relativos ao detalhamento e apresentação Caixas de gordura Todos os empreendimentos que apresentarem resíduos gordurosos devem adotar caixas de gordura; As caixas de gordura deverão receber esgoto exclusivamente de pias de cozinha e/ou outras fontes de gordura; As caixas de gordura devem ser instaladas no lado interno do alinhamento predial. Não serão permitidas, sob hipótese alguma, caixas de gordura no passeio Estação Elevatória de Esgoto Se o projeto necessitar de instalação de estação elevatória, o poço desta deverá ter um volume mínimo capaz de armazenar a vazão máxima diária correspondente a 20 (vinte) minutos; Deverá ser previsto sistema de tratamento preliminar, composto por, ao menos, gradeamento. Para estações com diâmetro de adução, conforme projeto, superior à DN 150, o sistema de tratamento preliminar deverá conter também caixa de areia As instalações das estações devem permitir a manutenção das elevatórias após seu término, como limpeza e acesso para inspeção interna Os desenhos de estações elevatórias devem obedecer ao disposto no item REQUISITOS PARA A ELABORAÇÃO DO PROJETO DE SISTEMA DE DISTRIBUÇÃO DE ÁGUA Os critérios apresentados a seguir referem-se a projetos de redes de distribuição de água. Caso sejam previstas estações elevatórias, deve ser solicitada ao SAAE a definição dos critérios específicos de projeto Parâmetros de dimensionamento Os seguintes parâmetros devem ser considerados na elaboração do projeto: população atendida......conforme DTB; consumo per capita de água......conforme DTB; índice de atendimento % capacidade de reservação...conforme DTB coeficiente do dia de maior consumo (k 1 )...1,2 coeficiente da hora de maior consumo (k 2 )... 1,5 19

20 perda de carga na rede de distribuição menor ou igual a...8 m/km recobrimento mínimo da sub adutora de alimentação ,2 m recobrimento mínimo da rede alimentadora ,20 m recobrimento mínimo da rede secundária da rua ,8 m recobrimento mínimo da rede secundária no passeio... 0,5 m recobrimento máximo... 2,5 m diâmetro mínimo da sub adutora de alimentação mm diâmetro mínimo da linha alimentadora mm diâmetro mínimo da linha secundária...50 mm pressão estática máxima da rede secundária...50 m.c.a. pressão dinâmica mínima da rede secundária m.c.a. diâmetro mínimo da descarga mm classe de serviço mínima da tubulação da rede secundária Recomenda-se o cálculo da perda de carga pela Fórmula Universal, mas aceita-se também a de Hazem-Williams Materiais empregados As redes de distribuição de água devem ser projetadas utilizando os seguintes materiais: PVC-PBA; PVC-DEFoFo; Ferro fundido; A sub-adutora de alimentação deve ser do mesmo material e ter a mesma classe da tubulação da rede existente da qual deriva, exceto a de produção própria que deve seguir as recomendações do item Os materiais utilizados devem ser aprovados pelo SAAE Projeto hidráulico Memória técnica A memória técnica do projeto hidráulico deve conter: a) critérios e parâmetros de projeto, conforme DTB; b) cáculo das vazões de projeto (mínima, média e máxima); 20

21 c) síntese do sistema proposto, com apresentação das características principais das unidades projetadas e descrição das particularidades do projeto; d) dimensionamento hidráulico da rede coletora, com apresentação das planilhas de cálculo; e) dimensionamento hidráulico das estações elevatórias e estações de tratamento e aparelhos hidráulicos, conforme normas da ABNT; f) cálculo dos empuxos; Plantas de projeto No projeto do sistema de abastecimento de água do empreendimento devem ser apresentados os seguintes desenhos: a) A planta de localização deve ser conforme item 4, alínea a. b) A planta do projeto urbanístico deve ser conforme item 5, alínea b A planta geral da rede de distribuição em escala 1:2000 com curvas de nível de metro em metro com as indicações: a) Posição (lay out) da rede no arruamento; b) Nome de ruas e logradouros; c) Distância e diâmetros dos trechos; d) Delimitação das zonas de pressão; e) Numeração dos nós; f) Vazões em marcha; g) Localização das áreas de servidão; h) Localização dos reservatórios e linhas de descarga; i) Localização das elevatórias; j) Localização das interferências A planta construtiva deve ser apresentada na escala 1:2000 e conter: a) Posição da rede no arruamento; b) Distância dos trechos; 21

22 c) Classe e diâmetro do material por trecho; d) Detalhamento das peças em cada nó; e) Esquemas isométricos; f) Posição das caixas de manobra; g) Identificação, localização e cálculo dos blocos de ancoragem; h) Quadro de materiais com especificações e quantitativos A planta construtiva das demais unidades do sistema compreendidas por reservatórios (inclusive sistema de drenagem sub superficial e linha de descarga ou extravasão), elevatórias, caixas de manobra e de macromedição (inclusive com sistema isométrico); travessias rodovias e interferências. A menor representação aceita é a escala de 1:50 e deve conter: a) Urbanização; b) Indicação da cobertura vegetal existente; c) Desenho de montagem das peças e tubulações; d) Cortes, níveis, vistas de frente e laterais; e) Detalhes construtivos Rede de distribuição Para a rede alimentadora devem ser observadas as seguintes condições: a) A derivação para a rede secundária será feita exclusivamente através das caixas alimentadoras; b) Não é permitida a derivação da caixa alimentadora para ramal; c) Podem ser adotadas pressões estáticas máximas superiores àquelas recomendadas para a rede secundária. Nesse caso, devem ser instaladas válvulas redutoras de pressão na derivação para as linhas secundárias (redução para 50 m.c.a.); d) O material a ser empregado é o ferro fundido. Admite-se, entretanto, o emprego de PVC DEFoFo, quando a tubulação partir de reservatório setorial de montante ou quando derivada de tubulação de PVC DEFoFo, desde que garantidas condições estáveis de operação (piezométricas estáveis) Para a rede secundária devem ser observadas as seguintes condições: a) Destina-se exclusivamente à conexão do ramal; 22

23 b) Na ligação, não se permite a travessia de vias públicas pelo ramal predial; c) O diâmetro mínimo deve ser de 50 mm; d) Os cavaletes devem ser projetados na área interna do alinhamento predial Reservação A necessidade e o volume de reservação devem ser definidos pela DTB. Para o caso de reservatório com finalidade específica de automação de elevatórias, seu volume não deve ser inferior ao volume correspondente à 2h de bombeamento considerando a hora de maior consumo Estação elevatória Se o projeto necessitar de instalação de recalque dotado de poço de sucção, este deverá ter um volume mínimo capaz de armazenar a vazão máxima diária correspondente a 20 (vinte) minutos. Para instalações de recalque em linha (booster) a pressão dinâmica de sucção deve ser, no mínimo, igual a 15 mca; Os desenhos de estações elevatórias devem obedecer ao disposto no item ; 7.7. Fontes alternativas de abastecimento de água Caso seja adotada alguma fonte alternativa privada para abastecimento de água, como poços artesianos, uso de água da chuva, entre outras, deve-se atentar para os seguintes itens: a) Na liberação das ligações, a outorga emitida por órgão competente será exigida, quando pertinente; b) Não será permitida a mistura das águas de ambas as fontes; c) Os pontos de utilização de água de fontes não potáveis deverão estar identificados adequadamente, em local de fácil visibilidade, para prevenção de usos indevidos; d) O SAAE deverá ser consultado sobre possíveis necessidades específicas Órgãos acessórios Compreendem as caixas subterrâneas, as peças, conexões e aparelhos nelas contidos (caixas alimentadoras, de descarga, de manobra, poço seco - entre outras) e devem ser projetadas atendendo as seguintes condições: a) as estruturas devem ser conforme padrões do SAAE; b) os projetos específicos devem prever espaços e acessos adequados às atividades de operação e manutenção; c) as peças, conexões e aparelhos devem ser em ferro fundido e ter as juntas flangeadas. 23

24 8. DISPOSIÇÕES COMPLEMENTARES 8.1. Necessidade de ligação provisória Havendo necessidade de ligação de água provisória para a execução do projeto, a critério do SAAE, a mesma só será executada após apresentação da Carta de Compromisso CC, conforme Anexo III, na qual o incorporador se compromete a apresentar o projeto hidrossanitário no prazo máximo de 60 dias Entrega do projeto O projeto deve ser entregue em conformidade com as normas do SAAE, da forma seguinte: a) 01 (um) original (texto encadernado); b) 02 (duas) cópias completas encadernadas; c) 01 (uma) cópia em meio magnético (CD ou disquete). No projeto deve constar o nome e assinatura do projetista e o respectivo número de registro no CREA Análise e aprovação do projeto Após análise dos projetos, havendo necessidade de correção, o responsável receberá o Documento de Análise do Projeto (DAP), indicando as correções necessárias, emitido no prazo máximo de 10 dias úteis, a partir da data de entrega dos documentos. Atendidas as condições estabelecidas na presente Norma e as solicitações dos laudos de análise elaborados pelo SAAE, o projeto será considerado como aprovado, na oportunidade, será emitida a Carta de Liberação do Projeto (CLP), comunicando formalmente esta condição ao incorporador. A CLP terá validade de 01 (um) ano, devendo ser revista, caso o início das obras do empreendimento não ocorra neste prazo Acompanhamento e aprovação da obra Antes do início da obra, com antecedência mínima de 5 dias úteis, o incorporador deverá solicitar ao SAAE a fiscalização das obras, com o preenchimento da Solicitação de Fiscalização de Obras - SFO (Anexo II). O SAAE deverá então acompanhar a aplicação da norma e demais recomendações solicitadas durante o processo. Após a conclusão da obra, o SAAE deverá realizar as fiscalizações, análises e testes necessários para recebimento da obra. Caso não haja mais nenhum contratempo, as redes dos condomínios, loteamentos e conjuntos habitacionais devem ser doadas ao SAAE, conforme modelo do Anexo IV Instrumento Particular de Doação (IPD). 24

25 9. DISPOSIÇÕES FINAIS Esta Norma entra em vigor a partir desta data, revogadas todas as disposições em contrário. 25

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Caxias do Sul 2015 1 Sumário 1 REDES DE ÁGUA... 3 1.1 Assentamento

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail:

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP007 PROJETO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Revisão:03 Mai/09

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP007 PROJETO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Revisão:03 Mai/09 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início do serviço...4 5. Métodos e procedimentos de execução...4 5.1 Estudos preliminares... 4 5.2 Lançamento

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO HIDRÁULICO E EXECUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Deverão ser obedecidas as normas

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO O Licenciamento Ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental (IBAMA, IAP, Secretarias Municipais de Meio Ambiente), verificando o atendimento

Leia mais

CAB AGUAS DE PARANAGUÁ PARANAGUÁ.

CAB AGUAS DE PARANAGUÁ PARANAGUÁ. MANUAL DO LOTEADOR CAB AGUAS DE PARANAGUÁ PARANAGUÁ. Sumário 1.Lei 2000 de 05 de Junho de 1997...3 2. Diretrizes Gerais... 7 3. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 9 4. Diretrizes técnicas para

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

01 Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 ODEBRECHT. Projeto Básico de Instalações Hidráulicas. Memorial Descritivo

01 Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 ODEBRECHT. Projeto Básico de Instalações Hidráulicas. Memorial Descritivo Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 N o Revisões Responsável Data Visto MARINHA DO BRASIL ESTALEIRO E BASE NAVAL (CONTRATO 40000/2008-006/00) ODEBRECHT PROJETO GERENCIAMENTO NÚMERO

Leia mais

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário e) Órgãos acessórios: Dispositivos fixos e não mecanizados destinados a facilitar a inspeção e limpeza dos coletores, construídos em pontos

Leia mais

ANEXO 16 DOCUMENTOS E FASES PARA APROVAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS. - DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA A SER APRESENTADA: 1.

ANEXO 16 DOCUMENTOS E FASES PARA APROVAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS. - DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA A SER APRESENTADA: 1. DOCUMENTOS E FASES PARA APROVAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS 1º FASE - DIRETRIZES PARA PROJETO DE LOTEAMENTO 1. Requerimento; 2. Documento de propriedade (1 Via); 3. Plantas do imóvel (planialtimétrica

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo III Chapecó, março/2012 1 3 Projeto e Orçamento 4 Fiscalização Pedro Jorge Rocha de Oliveira

Leia mais

LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006.

LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006. LEI DE LOTEAMENTO LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006. Autoriza o Poder Executivo a proceder o parcelamento do solo urbano e dá outras providências. A

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE CIE -TIPOLOGIA M3R40 1 SIGLAS E DEFINIÇÕES ABNT

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS (NORMAS E DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA) MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES ELABORAÇÃO, APROVAÇÃO, DETALHAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS PROJETOS

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br Ji-Paraná - 2014 Atividades realizadas pelo projetista da rede coletora de esgoto: Identificação

Leia mais

SAN.T.IN.NT 21. Esta norma é aplicada aos clientes internos e externos da SANASA.

SAN.T.IN.NT 21. Esta norma é aplicada aos clientes internos e externos da SANASA. 1 / 11..1997 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. CONSIDERAÇÕES GERAIS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta norma tem a finalidade de regulamentar

Leia mais

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços ID-2.024 Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição 2 Folha de Controle Elaborado

Leia mais

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 DISPÕE SOBRE O PLANO VIÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIOERÊ EM CONFORMIDADE COM A LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 001/2007 LEI DO PLANO DIRETOR, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

Manual para Empreendimentos (Compilação das NT.DTE.004 a 009)

Manual para Empreendimentos (Compilação das NT.DTE.004 a 009) Manual para Empreendimentos (Compilação das NT.DTE.004 a 009) Revisão de 06/03/2014 Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia Diretoria Técnica Gerência de Engenharia Página1 Este Manual objetiva reunir

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES Secretaria do Planejamento Municipal

GUIA DE ATIVIDADES Secretaria do Planejamento Municipal 1. DECLARAÇÃO MUNICIPAL DAS CONDIÇÕES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO (DM) É a primeira etapa a ser cumprida para o requerimento de aprovação e licenciamento, junto à Prefeitura de Porto Alegre, de projetos

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS021 TESTE E LIBERAÇÃO DE REDES / EQUIPAMENTOS Revisão: 03 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS021 TESTE E LIBERAÇÃO DE REDES / EQUIPAMENTOS Revisão: 03 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Materiais e equipamentos...3 4.1 Materiais...3 4.2 Equipamentos...3 5. Condições para início dos serviços...3 6. Métodos

Leia mais

ANEXO XII - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO XII - TERMO DE REFERÊNCIA SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO ESCRITÓRIO MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS DIVISÃO DE PROJETOS VIÁRIOS Elaboração de Adequação de Projetos, Geométrico e de Drenagem, de vias do Túnel Verde, á execução

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS)

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Licença Simplificada (LS) - concedida para a localização, instalação, implantação e operação

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Drenagem e Obras de Arte Correntes nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETROBRAS-ABEMI-ABCE. ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAÇÃO PROVISÓRIA DE CANTEIRO DE OBRAS Rev.

ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETROBRAS-ABEMI-ABCE. ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAÇÃO PROVISÓRIA DE CANTEIRO DE OBRAS Rev. ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETR-ABEMI-ABCE ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA Rev. 0 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 2 PREMISSAS GERAIS 2 3 CÓDIGOS, NORMAS E MANUAIS APLICÁVEIS 3 4 REQUISITOS PARA ARQUITETURA,

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal N.º 1414 Art. 126 - Para que seja concedido habite-se parcial ou total é necessário o registro prévio de declaração do autor do

Leia mais

MOS - Comunicado de Alteração Nº007

MOS - Comunicado de Alteração Nº007 MOS - Comunicado de Alteração Nº007. Novas orientações para os itens abaixo relacionados visando a melhoria da qualidade das obras. TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL) TERMINAL DE LIMPEZA (TL) TUBO DE QUEDA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre as diretrizes técnicas e condições necessárias para aprovação de PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS pela OPERADORA DO S.A.A.E em empreendimentos localizados

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

PLANO DIRETOR DA FAHOR FACULDADE HORIZONTINA

PLANO DIRETOR DA FAHOR FACULDADE HORIZONTINA PLANO DIRETOR DA FAHOR FACULDADE HORIZONTINA O CONSELHO DE EDUCAÇÃO da FAHOR Faculdade Horizontina, no uso de suas atribuições aprovou o seguinte Plano Diretor para o Campus Arnoldo Schneider: DISPOSIÇÕES

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DO PROGRAMA PAC 2 PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DO PROGRAMA PAC 2 PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA ANEXO I MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DO PROGRAMA PAC 2 PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS Seleção PAC 2

Leia mais

GE.01/202.75/00889/01 GERAL GERAL ARQUITETURA / URBANISMO INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA

GE.01/202.75/00889/01 GERAL GERAL ARQUITETURA / URBANISMO INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 01 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA REV. M O D I F I C A Ç Ã O DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária ESCALA DATA

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

Adutoras em Sistemas de Abastecimento de Água

Adutoras em Sistemas de Abastecimento de Água Adutoras Adutoras em Sistemas de Abastecimento de Água Adutoras são canalizações dos sistemas de abastecimento e destinam-se a conduzir água entre as unidades que precedem à rede distribuidora. Adutoras

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO Lucas Bach Adada 1 Conteúdo Programático Definição de Projeto Geométrico; Classificação das Vias e Rodovias ; Critérios

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria Disciplina o processo de licenciamento ambiental de condomínios residenciais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS Hotel e restaurante com queima de combustível

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS Hotel e restaurante com queima de combustível ROTIRO PR LBORÇÃO DO RS 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Razão Social CNPJ ndereço Telefone 2 Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RS Caracterização do mpreendimento Nome

Leia mais

GUIA PARA UMA CALÇADA LEGAL E ACESSÍVEL

GUIA PARA UMA CALÇADA LEGAL E ACESSÍVEL GUIA PARA UMA CALÇADA LEGAL E ACESSÍVEL O QUE É A AÇÃO MINHA CALÇADA? É mais uma das ações da Prefeitura, dentro do movimento Porto Alegre: Eu Curto, Eu Cuido, que tem como principal objetivo conscientizar

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM TIRADENTES, S/Nº- CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA/AM GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL

MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL 1. DIMENSIONAMENTO E CLASSIFICAÇÕES 1.1 Área do terreno: 7.528,02m² (sete

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...4 2. Referências...4 3. Definições...4 4. Condições para início dos serviços...5 5. Materiais e equipamentos necessários...5 6. Métodos e Procedimentos de Execução...5

Leia mais

DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES

DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES DECRETO Nº 17.007, DE 02 DE JULHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DO SERVIÇO AUTONÔMO DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARACRUZ - ES O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS

Leia mais

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente Primeira edição

Leia mais

Guia Técnico para Projetos Particulares

Guia Técnico para Projetos Particulares 1. OBJETIVO Esta especificação decorre da instrução de trabalho IT045 e tem como objetivo definir a forma como devem ser instruídos os projetos particulares de redes de abastecimento de água, e de drenagem

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 CADASTRO TÉCNICO DE SISTEMAS DE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2

Leia mais

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI Contratante: SESI - FIEB Localização: Unidade SESI Simões Filho BA. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Memorial Descritivo

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M)

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M) MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIA A APRESENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E OS RESULTADOS DOS ENSAIOS REALIZADOS EM CADA ETAPA DOS SERVIÇOS, CONFORME EXIGÊNCIAS DO DNIT Departamento Nacional

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

SUMÁRIO. 6.1 Memorial Descritivo...14 7. Verificação...14 8. Medição...15

SUMÁRIO. 6.1 Memorial Descritivo...14 7. Verificação...14 8. Medição...15 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início do serviço...3 5. Métodos e procedimentos de execução...4 5.1 Estudo Preliminar...4 5.1.1 Consolidação

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Lei 4.052, de 13 de março de 2002 Define condições para a instalação de pólos geradores de tráfego, estabelecendo-lhes exigências; critérios para quantidade de vagas de carga e descarga, embarque e desembarque,

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC Aline Tramontin (1), Nestor Back (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito e aplicação Para efeitos de uso do solo e de licenciamento de quaisquer obras de

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401 DECRETO Nº 1401 Dispõe sobre o uso temporário do recuo frontal obrigatório no Município de Curitiba. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais que lhe

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE OBRAS DE ARTE EM CONCRETO ARMADO OU PROTENDIDO

INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE OBRAS DE ARTE EM CONCRETO ARMADO OU PROTENDIDO INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE OBRAS DE ARTE EM CONCRETO ARMADO OU PROTENDIDO Aprovada pelo Sr. Superintendente nos autos nº 97.024/DER/1962-5º Provº em

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 DISPÕE SOBRE TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE GUARAPARI, Estado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI)

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A MANUAL DO LOTEADOR SANESSOL S.A Sumário 1. Diretrizes Gerais... 3 2. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 5 3. Diretrizes técnicas para Abastecimento de Água... 6 3.1. Abastecimento de Água...

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS 2011 ÍNDICE 2 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos referentes à aprovação, pela COMUSA, de projetos de Loteamentos, Desmembramentos, Núcleos Habitacionais,

Leia mais

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m²

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² Este memorial se baseia no programa de necessidades para elaboração de projetos executivos:

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. Art. 13 - (...)

LEI COMPLEMENTAR N. Art. 13 - (...) LEI COMPLEMENTAR N. Altera e acrescenta dispositivos na Lei Complementar nº 18, de 31 de agosto de 2000, que Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano do Município de Poços de Caldas e dá outras providências.

Leia mais

Premissas e Restrições para Implantação do S. P. São Lourenço.

Premissas e Restrições para Implantação do S. P. São Lourenço. SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO Premissas e Restrições para Implantação do S. P. São Lourenço. I- Premissas: 1 Sabesp deve aprovar todos os projetos executivos/especificações técnicas, os fornecedores, e

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO JÁ NAS BOAS-VINDAS, A CERTEZA DE TER FEITO O MELHOR NEGÓCIO. Parabéns! Agora, na melhor localização de Palhoça, você vai longe. E a Lumis tem orgulho em fazer parte desta importante

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS - II DIMENSIONAMENTO Vazão Considera-se vazão hidráulica o volume de água a ser transportado que atravessa uma determinada seção (tubo, calha, etc) na unidade de tempo. No sistema

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE GAROPABA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE GAROPABA LEI COMPLEMENTAR N.º 1.466, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. DISPÕE SOBRE A CIRCULAÇÃO, TRANSPORTE E MOBILIDADE MUNICIPAL E URBANA, BEM COMO DA HIERARQUIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO E DIMENSIONAMENTO DAS VIAS PÚBLICAS

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE III - Teoria) Projeto Hidráulico TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS INICIAIS

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA PARA PROCEDIMENTOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO ÂMBITO DA RIO-ÁGUAS

INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA PARA PROCEDIMENTOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO ÂMBITO DA RIO-ÁGUAS INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA PARA PROCEDIMENTOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO ÂMBITO DA RIO-ÁGUAS A presente instrução estabelece os critérios básicos para a solicitação, processamento, fiscalização

Leia mais

TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E PARALELISMO Informações para Apresentação de Projeto Revisão 06/04/11

TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E PARALELISMO Informações para Apresentação de Projeto Revisão 06/04/11 TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E Em atenção à solicitação de autorização para construção de Travessia Subterrânea ou Apoio, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos

Leia mais

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras;

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Vinilfort Localização no Website Tigre: Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto VINILFORT Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Aplicações: Ligações prediais, redes coletoras, interceptores

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE Norma NBR 7198 (ABNT,1998) Projeto e execução de instalações prediais deágua quente. Condições

Leia mais