SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO ESCOPO PROCEDIMENTOS FORMAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS"

Transcrição

1 ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO SUMÁRIO ESCOPO PROCEDIMENTOS FORMAIS ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO COMPONENTES ESPECÍFICOS APRESENTAÇÃO CRITÉRIOS DE PROJETO NORMAS 2.2. CRITÉRIOS COMPLEMENTARES TERMINOLOGIA DIMENSIONAMENTO CONDIÇÕES PECULIARES ÀS POLIGONAIS ANEXO A.1 - TABELA DE IMPLANTAÇÃO DE POÇOS DE VISITA A.2 - PLANILHA DE CÁLCULO DA REDE DE ESGOTO SANITÁRIO

2 1.0 - ESCOPO PROCEDIMENTOS FORMAIS A CONTRATADA elaborará o projeto atendendo as normas técnicas da ABNT e normas da Concessionária local e do Município e os serviços serão orientados, acompanhados e fiscalizados pela SEDEC E SEMOB. Todos os procedimentos necessários ao cumprimento de exigências para aprovação do projeto nos Órgãos competentes serão de responsabilidade da firma contratada. A firma contratada deverá providenciar a documentação de anuência da concepção do projeto junto à Concessionária, objetivando a aprovação do projeto, de forma a não prejudicar o Cronograma de Execução dos Projetos Básicos e Executivos. Deverão ser detalhados os projetos de todas as unidades necessárias ao sistema de esgotamento sanitário, tais como : redes coletoras de esgoto, ligações prediais, estações elevatórias, interceptores, linhas de recalque, estação de tratamento de esgoto, emissários, plano de manejo dos resíduos gerados e lançamento final do efluente tratado, inclusive projeto estrutural e elétrico das unidades projetadas bem como os manuais de operação e manutenção das unidades ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO Para elaboração dos projetos deverão ser considerados: Plano Diretor de Esgotamento Sanitário do Município. Plano de Intervenção aprovado para a área considerada, elementos topográficos e os tipos e natureza da ocupação prevista no Plano para área a ser beneficiada, entre outros. Atendimento da Concepção de Projeto contida no Plano de Intervenção elaborado pelo Município de Vitória.

3 As cotas de terreno deverão obedecer ao projeto aprovado do greide dos arruamentos e de galerias de águas pluviais. Os trechos nos quais este procedimento não for observado deverão ser ressalvados em nota atribuindose à firma contratada a responsabilidade pelas cotas de terreno consideradas. O levantamento de interferências superficiais e/ou subterrâneos nos logradouros onde forem traçadas as redes. Os projetos existentes para a área, elaborados pelo Município e pela Concessionária, propiciando a integração do mesmo ao novo projeto a ser desenvolvido pela contratada. O levantamento cadastral da rede existente e avaliação para o seu aproveitamento; neste caso, deverá ser consultada a Concessionária. Deverá ser considerado levantamento de todas as edificações e instalações existentes e em operação que farão parte diretamente do projeto. Os parâmetros de projeto, e especificações das Normas e Propostas de Normas inerentes ao assunto. A padronização existente de elevatórias, poços de visita, ancoragens, detalhes construtivos e equipamentos já implantados. As especificações gerais para construção de coletores e de outras unidades do sistema, adotados pela Concessionária e pelo Município COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.3.1PROJETO BÁSICO Descrição Detalhada da Concepção de Projeto: Justificativa da solução adotada. Definição do traçado preliminar da rede coletora a ser implantada. O traçado da rede deverá atender a todos os domicílios, salvo aqueles já atendidos por

4 redes coletoras a serem aproveitadas. Apresentação do cadastro da rede e do sistema que se pretende aproveitar. Além das informações cadastrais (diâmetro, material, cotas) a firma contratada deverá informar a respeito das condições de funcionamento da rede. Apresentação do(s) ponto(s) indicado(s) pela Concessionária, para interligação da rede coletora proposta com a rede pública se existente. NOTA: Na inexistência de informações da Concessionária a respeito do ponto de interligação, deverá ser apresentado um estudo comprovando a capacidade da rede existente de receber a vazão adicional. Definição da necessidade de obras especiais, como elevatórias, estação de tratamento, travessias de córregos ou canais, dentre outros. Serão apresentados os elementos básicos destas unidades, em função de prédimensionamento dos mesmos. Apresentação dos parâmetros de cálculo a serem adotados. Na ausência de normas, justificar e indicar as referências. Pré-dimensionamento e peças gráficas dos componentes do sistema projetado (ligações prediais, rede coletora, estações elevatórias, linhas de recalque, estação de tratamento, lançamento final, dentre outros). Descrição da concepção básica, apresentando seus componentes e suas principais características em planta topográfica, em escala 1:2000, incluindo a delimitação das sub-bacias de esgotamento, sua contribuição em termos de vazão e demais elementos necessários ao sistema. Delimitação de bacias e sub-bacias de esgotamento, caracterizando áreas, populações e contribuições. Delimitação da área de projeto. Planta única de localização do sistema projetado, em escala conveniente.

5 Indicação do início de operação da rede e determinação do alcance do projeto. Dimensionamento da rede e seus órgãos acessórios (cálculo das taxas de contribuição inicial e final definidas pela NBR 9649) e demais unidades do sistema. Desenho da rede coletora, interligação com a rede existente, se prevista sua utilização, e situação dos outros componentes do sistema em relação à rede coletora. Elementos técnicos preliminares para desapropriação das áreas. Projeto estrutural e elétrico necessários à execução das unidades projetadas. Especificações de materiais e serviços. Quantidades de serviços de obras e materiais (inclusive memória de cálculo). Orçamento detalhado atendendo as diretrizes do Município. Deverão ser justificadas e caracterizadas construtivamente as obras ditas especiais, tais como travessias de curso d água, pontes, rodovias, travessias aéreas, servidões, becos, escadarias e outras eventualmente necessárias PROJETO EXECUTIVO Detalhamento de todos os componentes do sistema, com atendimento ás normas técnicas e recomendações da SEMOB/DSC e da Concessionária APRESENTAÇÃO 1Introdução 2Memorial descritivo e justificativo Apresentação das diretrizes de concepção básica do sistema e descrição de todas as unidades projetadas, identificando as características principais, tais

6 como : vazões de contribuição, sub-bacias, quadro resumo da rede coletora, dimensões principais, etapas construtivas, ligações prediais, dentre outras. 3Memória de cálculo População de projeto Parâmetros e coeficientes adotados Cálculo das taxas de contribuição inicial e final Cálculo hidráulico - será apresentado em planilhas, conforme modelo anexo, devendo contemplar todos os trechos de coletores 4O Sistema de esgotamento sanitário projetado deverá conter todos elementos seguindo as diretrizes da Concessionária. 5Especificações de materiais e serviços 6Quantitativos de materiais e serviços de obras 7Orçamento com base em índices e tabela de preços adotada pelo Município. 8Desenhos (contendo assinatura, data, escala, número do registro no Conselho ou Órgão de Classe do projetista, conforme a legenda indicada e adotada pelo Município). Planta esquemática do sistema projetado com todas as unidades, em escala conveniente. Planta da rede coletora e de seus órgãos acessórios na escala 1:1000. Deverá conter, no mínimo, as seguintes informações: identificação de PV; cotas de fundo e topo de PV, extensão do trecho declividade do coletor; diâmetro, material do tubo, declividade, cota da geratriz inferior dos tubos afluentes e efluentes no PV e anotação das interferências. NOTA: Quando por necessidade o desenho for composto de mais de uma folha, estas deverão ser perfeitamente articuladas. Perfil da rede coletora e de seus órgãos acessórios, nas escalas vertical 1/100 e horizontal 1/1000. Serão representados no perfil todas as

7 interferências, com os principais dados de cada trecho, interferências com outras redes, valas, dentre outras, que deverão estar perfeitamente locadas. NOTA: O perfil poderá ser dispensado, em parte ou no total. Neste caso o desenho da planta da rede coletora será acrescido de informações referentes a cotas de terreno e geratriz inferior interna dos coletores afluentes e efluentes do poço de visita. Detalhes que forem necessários ao bom entendimento do projeto e à execução da obra. Relatório (modelo ANEXO I), referente aos projetos de elevatória, estações de tratamento, etc., quando houver, contendo: Apresentação; Memorial descritivo e justificativo; Memorial de cálculo; Especificações de materiais e serviços; Orçamento com base em índices e tabela de preços fornecida pelo Município, incluindo a memória de cálculo que gerou o orçamento); Desenhos - Plantas, cortes, detalhes, urbanização, locação, perfil hidráulico, etc, em escala conveniente. ART do profissional responsável pelo projeto. Apresentação dos Serviços Contratados. Os serviços serão entregues em meio digital e em duas vias devidamente e perfeitamente encadernadas CRITÉRIOS DE PROJETO NORMAS Deverão ser seguidas as prescrições das normas da ABNT, considerando-se entre elas as seguintes:

8 Anel de borracha destinado a tubos de concreto simples ou armado para esgotos sanitários - Determinação da absorção de água (NBR 7531); Anel de borracha do tipo toroidal para tubos de PVC rígido coletores de esgoto sanitário - Dimensões e dureza (NBR 9063); Anel de borracha do tipo toroidal para tubulações de PVC rígido para esgoto predial e ventilação - Dimensões e dureza (NBR 9064); Anel de borracha para tubulações de PVC rígido coletores de esgoto sanitário (NBR 9051); Cadastro de sistema de esgotamento sanitário (NBR 12587); Conexão para tubo coletor de fibrocimento para esgoto sanitário - Formato e dimensões (NBR 8073); Conexões de PVC rígido com junta elástica, para coletor de esgoto sanitário. Tipos e dimensões (NBR 10569); Critérios para lançamento de efluentes líquidos industriais no sistema coletor público de esgotos sanitários (NBR 9800); Diâmetros nominais em tubulações de saneamento nas áreas de redes de distribuição, adutoras, redes coletoras de esgoto e interceptores (NBR 7968) Estudo de concepção de sistema de esgoto sanitário (NBR 9448); Execução de rede coletora de esgoto sanitário (NBR 9814); Instalações prediais de esgotos sanitários (NBR 8160); Junta elástica de tubos de PVC rígido coletores de esgoto - verificação de desempenho (NBR 7369); Projeto de estações de tratamento de esgoto sanitário (NBR 12209); Projeto de estações elevatórias de esgoto sanitário (NBR 12208); Projeto de interceptores de esgoto sanitário (NBR 12207);

9 Projeto de redes coletoras de esgoto sanitário (NBR 9649); Projeto e assentamento de tubulações de PVC rígido para sistemas de esgoto sanitário (NBR 7367); Projeto e execução de valas para assentamento de tubulação de água, esgoto ou drenagem urbana (NBR 12266); Tubo cerâmico para canalizações (NBR 5645); Tubo de concreto armado, de seção circular para esgoto sanitário (NBR 8890); Tubo de concreto armado, de seção circular para esgoto sanitário - Determinações da resistência à compressão diametral (NBR 8891); Tubo de concreto simples, de seção circular, para esgoto sanitário (NBR 8889); Tubo de concreto simples, de seção circular, para esgoto sanitário - Determinação da resistência à compressão diametral (NBR 8894); Tubo de concreto simples ou armado, de seção circular, para esgoto sanitário - Determinação do índice de absorção de água (NBR 8892); Tubo de concreto simples ou armado, de seção circular, para esgoto sanitário - Verificação da permeabilidade (NBR 8893); Tubo de concreto simples ou armado, de seção circular, para esgoto sanitário - Verificação da estanqueidade de junta elástica (NBR 8895); Tubo de poliéster reforçado com fibras de vidro, com junta elástica, para esgoto sanitário (NBR 10845); Tubo de PVC rígido coletor de esgoto sanitário - Determinação da classe de rigidez (NBR 9053); Tubo de PVC rígido coletor de esgoto sanitário - Verificação da

10 estanqueidade de juntas elásticas submetidas à pressão hidrostática externa (NBR 9054); Tubo de PVC rígido coletor de esgoto sanitário - Verificação de estanqueidade de juntas elásticas submetidas ao vácuo parcial interno (NBR 9055); Tubo de PVC rígido com junta elástica, coletor de esgoto (NBR 7362); Tubo e conexão de ferro fundido para esgoto (NBR 9651); Tubo e conexão de PVC rígido para esgoto predial e ventilação (NBR 5688); Tubos de poliéster, armados com fios de vidro, corrugados externamente, com revestimento interno helicoidal de PVC rígido, para esgotos (EB 834); Tubos de poliéster armados com fios de vidro e enchimento de areia silicosa utilizados em esgotos sanitários - Ensaios de condicionamento ácido (MB 588); Tubos de conexões de ferro fundido para esgoto e ventilação - Formatos e dimensões (NBR 8161); Tubos e conexões de PVC rígido com junta elástica para coletor predial e sistema Condominial de esgoto sanitário - Tipos e dimensões (NBR 10570); Além dessas, deverão ser consultadas se houver, as propostas de normas da Concessionária e do Município, bem como documentos inerentes a esse tipo de projeto, tais como as especificações de projeto e as especificações gerais, para construção de coletores e galerias de esgotos sanitários da Concessionária e do Município, já mencionados anteriormente CRITÉRIOS COMPLEMENTARES Quanto ao material das tubulações, peças especiais e conexões, bem como os tipos de juntas que poderão ser utilizadas nas redes projetadas, deverão ser observadas as especificações de materiais do Caderno de Encargos empregados pela Concessionária e do Município.

11 Nos logradouros principais (ruas de acesso), com faixas mais largas (maiores que 6,0 m) sujeitas a maior tráfego, e onde existam interferências tais como as galerias de águas pluviais deverão ser previstos coletores duplos. Salvo em casos especiais devidamente justificados e dependendo de prévia aprovação do Órgão competente. Nos demais casos deverá ser previsto o coletor único, preferencialmente no terço do arruamento (ver Diretrizes para Localização de Redes de concessionárias, elaborado pelo Município). Sempre que a tubulação projetada admitir prolongamento ou ampliação futura para atender a novo trecho ou logradouros de outros empreendimentos, deverá ser prevista essa possibilidade, levando a tubulação até o limite do empreendimento e considerando a futura vazão de contribuição esperada nesse sistema. Sempre que houver necessidade de estação elevatória deverão ser apresentados os projetos de construção civil e de montagem eletromecânica com características, lista de material, e números de conjuntos motor-bomba e peças especiais de barrilete. Nesses projetos deverá constar obrigatoriamente o dimensionamento das linhas de recalque e dos conjuntos motor-bomba, bem como dos equipamentos acessórios, tais como painel de comando e controle, válvulas e dispositivos anti-golpe de aríete, locação, urbanização, e detalhes do extravasor e lançamento e destino final TERMINOLOGIA - COLETOR DE ESGOTO ( ou simplesmente coletor, quando inscrito em texto referente a sistema de esgoto). É a tubulação que, funcionando como conduto livre, recebe contribuição de esgoto em qualquer ponto ao longo de sua extensão.

12 - COLETOR TRONCO É um coletor de esgoto que recebe, além do esgoto proveniente dos coletores prediais, a contribuição de vários coletores de esgotos. - CONTRIBUINTE É o agente produtor de esgoto. - CONTRIBUIÇÃO DA INFILTRAÇÃO É a parcela das águas do lençol subsuperficial que penetra nas canalizações de esgotos, somada a certa quantidade de água que penetra pelas juntas dos tampões dos poços de visita. - COLETOR PÚBLICO Canalização pertencente ao sistema público de esgoto sanitário. - DESPEJO INDUSTRIAL Efluente líquido decorrente do uso de água para fins industriais e serviços diversos. - ELEVATÓRIA Unidade destinada ao abrigo e proteçã0 do conjunto de tubos, peças, conexões, equipamentos e dispositivos destinados à elevação de efluentes. - ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO (ETE) É a unidade ou conjunto de unidades destinadas a condicionar os esgotos sanitários de forma tal que produza o efluente final tratado compatível com as exigências ambientais, com relação ao corpo receptor. - EXTRAVASOR Canalização destinada a escoar eventuais excessos de esgoto.

13 - FOSSA SÉPTICA PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA Unidade de sedimentação e digestão de fluxo horizontal, de funcionamento contínuo, destinada a tratamento primário de esgoto sanitário. - GRUPAMENTO DE EDIFICAÇÕES Conjunto de duas ou mais edificações em um lote. - LIGAÇÃO PREDIAL Trecho de canalização compreendido entre o coletor público e o ramal de ligação domiciliar. - POÇO DE VISITA Dispositivo destinado a permitir a inspeção, limpeza e desobstrução das canalizações de esgotos. - REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Conjunto de canalizações do serviço público de esgotos sanitários. - SISTEMA SEPARADOR ABSOLUTO Sistema de esgotamento constituído por uma rêde coletora que recebe apenas esgoto doméstico e industrial. - SISTEMA UNITÁRIO Sistema de esgotamento constituído por uma rede única, destinada a coletar os esgotos doméstico e o industrial, as águas pluviais dos logradouros, dos telhados e pátios e as águas de drenagem do subsolo DIMENSIONAMENTO PARÂMETROS DE PROJETOS P = População (dados iniciais do IBGE, atualizados pela projetista, e (ou) de acordo com critério estabelecidos e fornecidos pelo Municipio. A = Área de abrangência (ha)

14 q = Consumo per capta - l/hab.dia C = Coeficiente de retorno água x esgoto - 0,80 K 1 = Coeficiente de vazão máxima diária - 1,20 K 2 = Coeficiente de vazão máxima - horário - 1,50 N.º de hab/residência = valor médio de 4 hab/res a ser confirmado com atualização de dados populacionais executados pela projetista. Vmax = Velocidade máxima geral (m/s) - 5,0 m/s Vmin = Velocidade mínima geral (m/s) - 0,50 m/s Lâmina d água máximo - 75 % Qmin = Vazão mínima de dimensionamento (l/s) - 1,50 l/s Para todos os trechos da rede serão sempre estimadas as contribuições de início e fim do período, QI e QE respectivamente, como definidas na NBR O valor de QI a considerar em qualquer trecho não deve ser inferior a 1,5 l/s. Os diâmetros a empregar são os previstos nas normas e especificações brasileiras para os diversos materiais considerando como mínimo o de 150 mm. Cada trecho deve ser verificado pelo critério de tensão trativa média de valor mínimo Tt = 1,0 Pa, calculada para vazão inicial. As lâminas d água devem ser calculadas admitindo o escoamento em regime uniforme e permanente, sendo o seu valor máximo, para a vazão final igual ou inferior a 75% do diâmetro do coletor, calculadas a partir da fórmula de Manning, com coeficiente n de 0,013. A declividade mínima dos coletores é definida pela fórmula: Imin = 0,0055 (Q i ) -0,47 (Q i em l/s), e a velocidade crítica por V c = 6 (9 * R h ) 0,5 Deverão ser atendidas as condições de controle de remanso. Devem ser projetados poços de visita ( PV ) em todos os pontos singulares da rede coletora, tais como no início de coletores, nas mudanças de direção, de declividade,

15 de diâmetro e de material, na reunião de coletores e onde há degraus. Em alguns casos como nas cabeceiras de rede, poderão ser utilizados modelos simplificados de poços de visita. O recobrimento mínimo dos coletores será o estabelecido na NBR A critério do Município poderá este recobrimento ser reduzido, sem prejuízo das ligações domiciliares, desde que seja executado um reforço em concreto, para proteção, ou mudança das especificações das tubulações CONDIÇÕES PECULIARES ÀS ÁREAS DE INTERESSE SOCIAL A experiência obtida na execução de sistemas de esgotamento sanitário pelo Município de Vitória, mostra que a ocupação desordenada e subnormal existe nas áreas de interesse social, nas periferias da área urbana, região dos morros e palafitas. Nessas áreas, devem ser consideradas, a topografia desfavorável, a ocorrência de rochas, declividades e cotas elevadas, becos, servidões, escadarias e fundo de vales, permitindo que sejam adotadas as opções de projeto apresentadas abaixo: PROFUNDIDADE MÍNIMA A profundidade mínima deve ser tal que compatibilize o aproveitamento das instalações de esgoto domiciliares existentes com a condição de caimento da rede. Nas vias de pedestres, devido a dificuldade de se executar escavações profundas, o recobrimento mínimo definido pela NBR9649 poderá ser reduzido, sem prejuízo das ligações prediais ELIMINAÇÃO DE VALAS NEGRAS Nas áreas de interesse social é comum existirem valas onde o esgotamento sanitário se dá a céu aberto (valas negras). A solução para o afastamento desses lançamentos será feita projetando-se redes, que levem em consideração as instalações domiciliares existentes.

16 TERRENOS ROCHOSOS Será admitida a utilização de rede superficial em terrenos rochosos onde a escavação se tornar difícil. Neste caso a rede deverá receber proteção adequada contra danos estruturais, como, por exemplo, a utilização de envelopamento em concreto REDE AÉREA E SUPERFICIAL As características topográficas dos assentamentos, bem como a ocupação do espaço, proporcionam situações em que a solução mais viável, evitando remoções, é a de execução de rede de esgotamento sanitário aérea, devidamente ancorada, apoiada e protegida ESPAÇAMENTO ENTRE POÇOS DE VISITA O espaçamento entre poços de visita ou caixas de inspeção será feito em razão da especificidade de cada local CADASTRAMENTO DAS REDES EXISTENTES As redes existentes, que pelas suas condições possam ser aproveitadas, devem ser incluídas nos projetos a serem executados MATERAIS DAS TUBULAÇÕES Recomenda-se a utilização, nas áreas de acentuada declividade, de tubos de pvc tipo vinilfort e em situações especiais, de tubos de ferro fundido FUNDO DE VALES Nos fundos de vales e nos talvegues e em locais de caminhamentos peculiares, será utilizado o sistema condominial de coletores, que permitirá o esgotamento de áreas confinadas e sua ligação à rede coletora básica.

17 CAIXA DE GORDURA Será prevista para cada lote a caixa de gordura DIAMETRO MINIMO Será permitido a utilização do diâmetro mínimo de 100 mm, nas redes secundárias condominiais CAIXAS DE LIGAÇÃO Os efluentes dos lotes serão reunidos em caixas de ligação LIGAÇÃO INTEGRADA As caixas de ligação serão interligadas na rede condominial por intermédio das caixas de inspeção, e dessas o esgoto será conduzido à rede publica ESCADARIAS Na implantação das escadarias, serão previstas preferencialmente as escadas hidráulicas para águas pluviais e separadamente inseridas as tubulações de esgoto sanitário SOLUÇÀO INTEGRADA E CONDOMINIAL Em razão da especificidade da ocupação das áreas das periferias, morros e palafitas, da topografia irregular, da existência de fundo de vales, da necessidade da universalização do sistema a ser implantado e importância de esgotamento de todas as edificações, em alguns casos e determinadas áreas, as ligações domiciliares serão conjuntas, e serão utilizadas caixas de gordura, caixas de ligação, e caixas de inspeção, que serão interligadas por tubulações de uso comum passando por fundo de lotes e de vales, até alcançar a rede publica principal, caracterizando o sistema integrado e condominial.

18 ANEXO A1 - TABELA DE IMPLANTAÇÃO DE POÇOS DE VISITA. A2 - PLANILHA DE CÁLCULO DA REDE DE ESGOTO SANITÁRIO

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS. Normas e apresentação de projetos hidrossanitários

MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS. Normas e apresentação de projetos hidrossanitários MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS Normas e apresentação de projetos hidrossanitários Abril de 2014 APRESENTAÇÃO A cidade de Unaí está em constante desenvolvimento, acompanhado, consequentemente, pelo

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Caxias do Sul 2015 1 Sumário 1 REDES DE ÁGUA... 3 1.1 Assentamento

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail:

Leia mais

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário e) Órgãos acessórios: Dispositivos fixos e não mecanizados destinados a facilitar a inspeção e limpeza dos coletores, construídos em pontos

Leia mais

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1. ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Drenagem e Obras de Arte Correntes nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras;

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Vinilfort Localização no Website Tigre: Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto VINILFORT Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Aplicações: Ligações prediais, redes coletoras, interceptores

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC Aline Tramontin (1), Nestor Back (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

APRESENTAÇÃO HIS-SMV-ET-991

APRESENTAÇÃO HIS-SMV-ET-991 APRESENTAÇÃO Este relatório apresenta as especificações de materiais, serviços e equipamentos envolvidos na implantação das unidades de projeto, condicionados às exigências do Contrato 242/04, firmado

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

NEUBAU ENGENHARIA E ASSESSORIA LTDA

NEUBAU ENGENHARIA E ASSESSORIA LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SISTEMA DE ESGOTO OBRA: IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ALVORADA LOCALIZAÇÃO: Rua Norberto Raduenz Bairro Testo Central Pomerode - SC SISTEMAS A SEREM EXECUTADOS: Rede

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO HIDRÁULICO E EXECUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Deverão ser obedecidas as normas

Leia mais

Conceitos básicos de um sistema de esgotamento sanitário. Kiosthenes Moreira Pinheiro Renato de Oliveira Fernandes

Conceitos básicos de um sistema de esgotamento sanitário. Kiosthenes Moreira Pinheiro Renato de Oliveira Fernandes Conceitos básicos de um sistema de esgotamento sanitário Kiosthenes Moreira Pinheiro Renato de Oliveira Fernandes 2/38 Esgotamento Sanitário no País PNSB 2008 Apenas quatro em cada dez domicílios brasileiros

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br Ji-Paraná - 2014 Atividades realizadas pelo projetista da rede coletora de esgoto: Identificação

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...4 2. Referências...4 3. Definições...4 4. Condições para início dos serviços...5 5. Materiais e equipamentos necessários...5 6. Métodos e Procedimentos de Execução...5

Leia mais

ANEXO XII - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO XII - TERMO DE REFERÊNCIA SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO ESCRITÓRIO MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS DIVISÃO DE PROJETOS VIÁRIOS Elaboração de Adequação de Projetos, Geométrico e de Drenagem, de vias do Túnel Verde, á execução

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO O Licenciamento Ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental (IBAMA, IAP, Secretarias Municipais de Meio Ambiente), verificando o atendimento

Leia mais

01 Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 ODEBRECHT. Projeto Básico de Instalações Hidráulicas. Memorial Descritivo

01 Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 ODEBRECHT. Projeto Básico de Instalações Hidráulicas. Memorial Descritivo Para atender aos comentários da M.B. Almir Bonilha 26/08/09 N o Revisões Responsável Data Visto MARINHA DO BRASIL ESTALEIRO E BASE NAVAL (CONTRATO 40000/2008-006/00) ODEBRECHT PROJETO GERENCIAMENTO NÚMERO

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE CIE -TIPOLOGIA M3R40 1 SIGLAS E DEFINIÇÕES ABNT

Leia mais

SAN.T.IN.NT 21. Esta norma é aplicada aos clientes internos e externos da SANASA.

SAN.T.IN.NT 21. Esta norma é aplicada aos clientes internos e externos da SANASA. 1 / 11..1997 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. CONSIDERAÇÕES GERAIS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta norma tem a finalidade de regulamentar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Sistemas de Esgotos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito Sistemas de Esgotos

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo III Chapecó, março/2012 1 3 Projeto e Orçamento 4 Fiscalização Pedro Jorge Rocha de Oliveira

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS 2 INTRODUÇÃO A água da chuva é um dos elementos

Leia mais

Manual para Empreendimentos (Compilação das NT.DTE.004 a 009)

Manual para Empreendimentos (Compilação das NT.DTE.004 a 009) Manual para Empreendimentos (Compilação das NT.DTE.004 a 009) Revisão de 06/03/2014 Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia Diretoria Técnica Gerência de Engenharia Página1 Este Manual objetiva reunir

Leia mais

MOS - Comunicado de Alteração Nº007

MOS - Comunicado de Alteração Nº007 MOS - Comunicado de Alteração Nº007. Novas orientações para os itens abaixo relacionados visando a melhoria da qualidade das obras. TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL) TERMINAL DE LIMPEZA (TL) TUBO DE QUEDA

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE TOPOGRAFIA SUMÁRIO 1.0 - INTRODUÇÃO 1.1 - ESPECIFICAÇÕES CORRELATAS 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO 2.1 - POLIGONAIS DE 1

Leia mais

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA 1. OBJETIVO O objetivo desta Especificação Técnica é a definição dos critérios de dimensionamento e execução de pavimentos permeáveis com revestimento em Concreto Asfáltico Poroso CPA (Camada Porosa de

Leia mais

Introdução a Drenagem Urbana Microdrenagem

Introdução a Drenagem Urbana Microdrenagem Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Saneamento Básico Introdução a Drenagem Urbana Microdrenagem Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

CAB AGUAS DE PARANAGUÁ PARANAGUÁ.

CAB AGUAS DE PARANAGUÁ PARANAGUÁ. MANUAL DO LOTEADOR CAB AGUAS DE PARANAGUÁ PARANAGUÁ. Sumário 1.Lei 2000 de 05 de Junho de 1997...3 2. Diretrizes Gerais... 7 3. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 9 4. Diretrizes técnicas para

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978

PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978 PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 85, item II, da Constituição e tendo em vista o disposto no artigo 9º do Decreto

Leia mais

ÍNDICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA

ÍNDICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA ÍNICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA Características da Linha Vinilfort Itens da Linha Vinilfort Características da Linha Vinilfort Ultra Itens da Linha Vinilfort Ultra Instruções Gerais Tabelas de Perda

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II TIPOS Água Fria Esgoto Águas Pluviais Água Quente Incêndio

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM TIRADENTES, S/Nº- CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA/AM GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS (NORMAS E DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA) MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES ELABORAÇÃO, APROVAÇÃO, DETALHAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS PROJETOS

Leia mais

DECRETO Nº 22.872 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1996

DECRETO Nº 22.872 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1996 DECRETO Nº 22.872 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1996 APROVA O REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, A CARGO DAS CONCESSIONÁRIAS OU PERMISSIONÁRIAS.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 1993 NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680

Leia mais

SAN.T.IN.NT 60. O escopo dos serviços compreende a elaboração dos projetos visando a durabilidade e resistência das estruturas.

SAN.T.IN.NT 60. O escopo dos serviços compreende a elaboração dos projetos visando a durabilidade e resistência das estruturas. ISO 91 1 / 5 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO 2. NORMALIZAÇÃO 3. ESCOPO DOS SERVIÇOS 4. DESCRIÇÕES DAS OBRAS 5. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 6. DOCUMENTAÇÃO DO PROJETO 7. REFERÊNCIAS 8. ANEXOS 1. OBJETIVO O presente documento

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DO PROGRAMA PAC 2 PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DO PROGRAMA PAC 2 PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA ANEXO I MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DO PROGRAMA PAC 2 PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS Seleção PAC 2

Leia mais

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior Recomendações para o Projeto e Dimensionamento Profª Gersina N.R.C. Junior Vazão; Recomendações Para Projeto Principais recomendações que o projetista deve observar: Diâmetro mínimo; Lâmina d água máxima;

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS)

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Licença Simplificada (LS) - concedida para a localização, instalação, implantação e operação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

REGULAMENTO DA CONCESSÃO. Título I DO OBJETIVO

REGULAMENTO DA CONCESSÃO. Título I DO OBJETIVO REGULAMENTO DA CONCESSÃO Título I ANEXO I DO OBJETIVO Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário do Município de Cachoeiro do Itapemirim,

Leia mais

NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO

NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Equipe de Elaboração/Revisão Elaboração e Instrutores ALDEMÁRIO SILVA DE OLIVEIRA UCCT/GPR/DT ALVAMAR ROBERTO COELHO CIRNE GFO/DT EDUARDO NOGUEIRA CUNHA UMED/GDP/DT

Leia mais

Drenagem - bueiros tubulares de concreto

Drenagem - bueiros tubulares de concreto MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m²

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² Este memorial se baseia no programa de necessidades para elaboração de projetos executivos:

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 DISPÕE SOBRE TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE GUARAPARI, Estado

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

Adutoras em Sistemas de Abastecimento de Água

Adutoras em Sistemas de Abastecimento de Água Adutoras Adutoras em Sistemas de Abastecimento de Água Adutoras são canalizações dos sistemas de abastecimento e destinam-se a conduzir água entre as unidades que precedem à rede distribuidora. Adutoras

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água. Avenida Professor Oscar Pereira

ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água. Avenida Professor Oscar Pereira ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água 1-Objetivo Avenida Professor Oscar Pereira Elaboração de projeto executivo para substituição/ampliação das redes de abastecimento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS. Introdução

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS. Introdução MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS Introdução O presente projeto pretende dimensionar e posicionar na edificação toda rede hidrossanitária. Estas instalações devem ser realizadas de acordo

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

SUMÁRIO. 6.1 Memorial Descritivo...14 7. Verificação...14 8. Medição...15

SUMÁRIO. 6.1 Memorial Descritivo...14 7. Verificação...14 8. Medição...15 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início do serviço...3 5. Métodos e procedimentos de execução...4 5.1 Estudo Preliminar...4 5.1.1 Consolidação

Leia mais

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3.

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3. PROJECTO DA REDE PREDIAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Memória Descritiva e Justificativa COMUNICAÇÃO PRÉVIA, Mata do Duque 2ª Fase, 58A 59B, Santo Estêvão, Benavente Requerente: Karen Simpson

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 027

Norma Técnica Interna SABESP NTS 027 Norma Técnica Interna SABESP NTS 027 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Elaboração de Projetos Procedimento Revisão 1 Outubro - 2014 São Paulo NTS 027: 2014 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA PARA PROCEDIMENTOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO ÂMBITO DA RIO-ÁGUAS

INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA PARA PROCEDIMENTOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO ÂMBITO DA RIO-ÁGUAS INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA PARA PROCEDIMENTOS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO ÂMBITO DA RIO-ÁGUAS A presente instrução estabelece os critérios básicos para a solicitação, processamento, fiscalização

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP007 PROJETO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Revisão:03 Mai/09

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP007 PROJETO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Revisão:03 Mai/09 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início do serviço...4 5. Métodos e procedimentos de execução...4 5.1 Estudos preliminares... 4 5.2 Lançamento

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

AUDITORIA DE OBRAS HÍDRICAS EM EXERCÍCIOS - TCU PROFESSOR: REYNALDO LOPES Olá pessoal!

AUDITORIA DE OBRAS HÍDRICAS EM EXERCÍCIOS - TCU PROFESSOR: REYNALDO LOPES Olá pessoal! Olá pessoal! Chegamos à nossa aula 05. Espero que estejam gostando do curso e que ele realmente os ajude a conquistar a vaga. Vamos à nossa aula! Obras de saneamento: coleta e transporte de esgoto. 01.

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis 04 Nível: Médio/Técnico Reporte: Engenheiro Sumário Executar atividades de apoio ao cadastro comercial, projetos, fiscalização e acompanhamento de obras de saneamento básico, manutenção de equipamentos

Leia mais

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42 Determinação da Intensidade de Chuva Para obtenção das intensidades de chuvas de curta duração, em função de diversos tempos de recorrência, aplicaram-se procedimentos a seguir descritos: Primeiramente

Leia mais

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços ID-2.024 Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição 2 Folha de Controle Elaborado

Leia mais

ISO 9001 : 2008 CURSO NOVO CURSO COMPLETO. De: 27/08/2012 a 31/08/2012. Local: Hotel a definir - Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas

ISO 9001 : 2008 CURSO NOVO CURSO COMPLETO. De: 27/08/2012 a 31/08/2012. Local: Hotel a definir - Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas ISO 9001 : 2008 Impermeabilização e Proteção das Edificações e Estruturas em Geral De: 27/08/2012 a 31/08/2012 CURSO NOVO CURSO COMPLETO Local: Hotel a definir - Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas

Leia mais

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016.

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016. AUTOR: PREFEITA MUNICIPAL, MARIA DA CONCEIÇÃO CALDAS RABHA A CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS APROVOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL NOSSA CIDADE LEGAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155 Projeto: REVITALIZAÇÃO DA SEDE E FORTALECIMENTO DA ESTRUTURA DE APOIO A VISITAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO, EM SANTA MARIA MADALENA. Protocolo nº: 20140818112605155

Leia mais

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE 1 OBJETIVO Esta Norma fixa as condições exigíveis para a indicação

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos. Profª Gersina N.R.C. Junior

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos. Profª Gersina N.R.C. Junior da Rede Coletora de Esgotos Profª Gersina N.R.C. Junior Rede de Esgoto - Após a definição do traçado, numeração dos trechos e indicação do sentido de escoamento da rede de esgoto: a) Cálculo da vazão a

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA

A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA Odívio da S. Rezende Neto (1); Ubiraci E. L. de Souza (2); Carla A. Sautchúk (3) (1) Dep. de Construção Civil, Escola Politécnica da USP, odivio.rezende@poli.usp.br

Leia mais

Guia Técnico para Projetos Particulares

Guia Técnico para Projetos Particulares 1. OBJETIVO Esta especificação decorre da instrução de trabalho IT045 e tem como objetivo definir a forma como devem ser instruídos os projetos particulares de redes de abastecimento de água, e de drenagem

Leia mais

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia SMAMA DDRGA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de

Leia mais