IPv6: A hora é agora. Advisor. Análises independentes de tendências tecnológicas para profissionais de TIC. Foco Acesso.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IPv6: A hora é agora. Advisor. Análises independentes de tendências tecnológicas para profissionais de TIC. Foco Acesso."

Transcrição

1 Análises independentes de tendências tecnológicas para profissionais de TIC IPv6: A hora é agora Foco Acesso Tecnologia Redes Setor Operadoras, Governo e Grandes corporações Geografia Brasil

2 IPv6 2 Junho, 2011 Sumário Introdução 3 Contexto 4 Overview tecnológico 9 Impactos financeiros 16 Desafios 17

3 IPV6 3 Introdução O esgotamento dos endereços IPv4 é um fato. No início de fevereiro de 2011, o IANA (Internet Assigned Numbers Authority) entregou os últimos blocos restantes de endereços IPv4 às distribuidoras regionais. Apesar de crítica, a situação já era esperada. Protocolo criado com tamanho de 32 bits, o IPv4 poderia suportar, em teoria, até 2³² de endereços, algo em torno de 4,2 bilhões de dispositivos com endereçamento público. Porém o crescimento exponencial da internet e dos mais variados tipos de dispositivos conectados a ela está fazendo com que ocorra um rápido esgotamento dos endereços disponíveis. Dados recentes, que podem ser encontrados no site do LACNIC (órgão que regula a distribuição dos endereços IPs em toda a América Latina e Caribe), mostram que, na visão mais otimista, o esgotamento completo dos blocos de endereços disponíveis na nossa região se dará antes da Copa do Mundo de Numa versão mais realista, a previsão é de que os blocos de endereços se esgotem em meados de 2012, inclusive no Brasil. Essa situação tem impacto direto nos seus negócios. Por isso, você está atrasado se ainda não desenvolveu um plano de implementação do IPv6 em sua rede, seja você um provedor de serviços ou uma empresa usuária. A escassez de endereços IP é uma questão que atinge diretamente os negócios das operadoras de telefonia e provedores de serviços de banda larga, já que se torna impossível aumentar o número de acessos que necessitam de IP público. De modo geral, as empresas e o governo também serão atingidos por não conseguirem ampliar suas conexões. No cenário atual de expansão da internet, que passa a conectar objetos e aparelhos que antes eram apenas off-line (tornando real o conceito da casa conectada ), e do crescimento exponencial do acesso à internet por celulares, a falta de endereços IP configura um grave problema de negócios para os mais diversos setores da economia. Com o objetivo de prover uma alternativa ao iminente fim dos endereços IP, foi criado o IPv6, que permite a criação de um número infinitamente maior de endereços públicos de internet. Além disso, esse novo protocolo traz outros benefícios, como mobilidade IP, redução das tabelas de roteamento através da agregação de blocos, redução do tempo de processamento dos roteadores pelo cabeçalho mais simplificado, autoconfiguração, anycast, melhorias no QoS, entre outros. Este documento pretende oferecer aos profissionais de TIC uma descrição do cenário atual da internet, sob o ponto de vista do endereçamento IP, e apontar os caminhos que os players do setor podem seguir para garantir a continuidade de seus serviços por meio da migração para o IPv6.

4 IPv6 4 Em poucos anos serão mais de 15 bilhões de dispositivos conectados à internet, acessando remotamente aplicações e grandes bancos de dados. E o IPv6 passa a ser indispensável. Contexto Motivadores Não há dúvida de que, em um futuro próximo, não serão somente as pessoas que estarão on-line. Dispositivos como carros, sensores residenciais, monitores cardíacos, eletrodomésticos, enfim, qualquer aparelho estará, de alguma forma, conectado à internet. Em poucos anos, conforme pesquisa recente divulgada pela Cisco, serão mais de 15 bilhões de dispositivos conectados à internet, acessando remotamente aplicações e grandes bancos de dados. Acessaremos a internet a partir de qualquer lugar, das formas mais variadas: tablets, computadores, smartphones cada vez mais poderosos, computadores de bordo e até óculos ou relógios com visores especiais. Além disso, surgirão novas demandas, geradas por aplicações industriais e residenciais, sistemas de transporte conectados à grande nuvem, serviços de telefonia integrados, rede de sensores, IEEE /6LoWPAN, computação distribuída e jogos on-line. Assim, a oferta atual de endereços IP (IPv4) é insuficiente para satisfazer o crescimento da internet e o IPv6 passa a ser indispensável.

5 IPV6 5 FUTURO PASSADO Impacto nos negócios Operadoras Para as operadoras fixas e móveis, a principal motivação para a migração das redes para o IPv6 é a continuidade do negócio. Ou seja, com a escassez de endereços IPv4, os provedores não terão mais possibilidade de vender serviços de acesso à internet, sejam eles fixos ou móveis. Há, obviamente, mecanismos técnicos que retardarão ao máximo esse problema (como o NAT e/ou o uso de endereçamento IP privado), mas essas técnicas têm limitações, especialmente para aplicações de voz e P2P. Dados recentes divulgados pela Anatel apontam que, em fevereiro de 2011, havia pouco mais de 37 milhões de usuários de banda larga no Brasil, sendo 23,6 milhões de banda larga móvel e 13,8 milhões de fixa, o que representa um crescimento de 52% no último ano. Até 2014, o número de conexões deve praticamente triplicar, atingindo cerca de 90 milhões. Nesse cenário de plena expansão dos serviços (que deve ser impulsionado ainda mais com a criação dos planos de banda larga popular e o Plano Nacional de Banda Larga), adiar a migração da rede para o novo sistema de endereçamento pode levar as telcos à impossibilidade de atender à demanda ao longo dos próximos anos. Financeiramente, isso significa a perda de um enorme potencial de negócios e o incremento do churn, resultando em prejuízos milionários. Enquanto o celular ultrapassa a marca de 100% de densidade no país, os usuários de telefonia móvel, mais maduros, seguem a tendência global de convergência e cada vez mais buscam trocar os aparelhos simples por smartphones. De acordo com pesquisa realizada pelo IDC, em 2011, serão 25 milhões de smartphones na região, chegando a 15,4% do total de aparelhos móveis. O uso dos celulares inteligentes vem acompanhado, invariavelmente, pelo acesso móvel à internet por meio de um plano de dados um dos produtos mais rentáveis para as operadoras celulares. Entretanto, a oferta desse tipo de serviço está vinculada à existência de endereços IP disponíveis, o que leva à crescente preocupação das teles em relação à adaptação de suas redes. O impacto nos negócios das operadoras também será claramente sentido quando os grandes provedores passarem a disponibilizar conteúdo exclusivo no novo padrão, fazendo com que o usuário final migre para a operadora que já oferece acesso IPv6 nativo ao conteúdo desejado.

6 IPv6 6 Segundo pesquisa divulgada no site IPv6.br, 95% das empresas brasileiras com dez ou mais funcionários têm computadores. Dessas, 97% acessam a internet. Ou seja, 92% do total das empresas brasileiras com dez ou mais funcionários utiliza a internet para atividades do seu dia a dia. Empresas O cenário em que o potencial de crescimento é inversamente proporcional à disponibilidade de endereços IPv4 se repete nos demais setores da economia, incluindo grandes ou médias corporações, que utilizam a internet como ferramenta principal de comunicações e troca de informações. Assim, a questão da escassez de endereços é tema de extrema importância, do ponto de vista financeiro e estratégico, para todos os players que têm a internet como seu core business ou que usam a rede para suportar processos críticos de seus negócios. Segundo pesquisa divulgada no site IPv6. br, 95% das empresas brasileiras com dez ou mais funcionários têm computadores. Dessas, 97% acessam a internet. Ou seja, 92% do total das empresas brasileiras com dez ou mais funcionários utiliza a internet para atividades do seu dia a dia. A pesquisa indica, ainda, que 46% das empresas que acessam a internet mantêm um website. Muitas delas utilizam o espaço para manter catálogos on-line de seus produtos e também para oferecer suporte pós-venda. Além disso, 99% das empresas utilizam o como forma de comunicar-se, enquanto 96% delas usam a internet para obter informações sobre produtos ou serviços. Portanto, pensar na evolução da rede da sua empresa para IPv6 é algo necessário e urgente. É fundamental estar preparado para a adoção do IPv6 em curto prazo. Isso requer, entretanto, planejamento técnico e financeiro, uma vez que demandará atualização das aplicações, bancos de dados, servidores, sistemas de call center, sistemas operacionais, roteadores e demais equipamentos de infraestrutura de TI.

7 IPV6 7 Governo A adoção do IPv6 também é uma questão de segurança nacional. O governo brasileiro deve adotar um projeto concreto para que, em poucos anos, a internet nacional não entre em colapso. O sucesso do PNBL (Plano Nacional de Banda Larga) depende disso. China e Japão já adotaram projetos específicos, como o Next Generation Internet. Nos Estados Unidos, desde 2005, a adoção do IPv6 pelas agências governamentais é um mandado governamental. Além disso, no Brasil, a grande maioria dos órgãos públicos municipais, estaduais e federais utilizam a internet, seja através de redes próprias ou usando o VPN/MPLS das operadoras. A futura impossibilidade de crescimento das redes desses órgãos públicos, devido à escassez de endereços IP, requer atitudes e medidas imediatas de implantação do IPv6. Há enorme potencial no uso da internet para os setores da educação, energia, ciência e tecnologia, sem falar das comunicações. A ampla adoção do smart grid (rede elétrica inteligente) passa pela necessidade de adequações das redes de dados para o IPv6. Cada medidor elétrico, seja residencial ou empresarial, estará conectado à internet e precisará de um endereço IPv6 para se comunicar com os servidores centrais. Desde 2008, o governo brasileiro recomenda o suporte ao IPv6 nos equipamentos das agências federais. No entanto, cada vez mais devem ser feitas ações de implementação real, dando o exemplo aos setores privados, antecipando-se ao esgotamento dos endereços IP atuais no Brasil.

8 IPv6 8 Ciclo de aceitação do IPv6 Aceitação Equivalência Preferência Dominância Identificação do IPv6 e transição em curso Funcionalidades IPv6 e IPv4 O IPV6 torna-se mais popular que o IPV4 Apenas legado de IPv4 Fases de transição do IPV6 Preparação Impacto estratégico Planejamento e governança Arquitetura corporativa Planejamento de aquisição Transição Infraestrutura corporativa Segurança da informação Pós-transição Aplicações/Serviços Fonte: Cisco Cenário atual de adoção O mundo já acordou para a necessidade de iniciar a migração para a nova versão do protocolo de internet. O movimento deve ganhar ainda mais força ao longo dos próximos anos, tanto devido ao aumento da conscientização do mercado quanto por meio de ações mandatórias por parte dos órgãos reguladores de alguns países. Nos Estados Unidos, por exemplo, uma decisão do governo impôs que, até o final de 2011, todo o backbone daquele país já tenha migrado para a nova versão do protocolo. Mesmo assim, a maior parte dos provedores de serviços locais deu apenas os primeiros passos no sentido da migração de suas infraestruturas. Apesar de muitos possuírem em seu parque uma vasta gama de equipamentos compatíveis com o protocolo, são raríssimos os casos de empresas que já começaram a fazer as adequações de software e de arquitetura necessárias para a operação do novo sistema. De acordo com o site em março de 2011 pouco mais de 8% dos AS (Autonomous Systems) globais anunciam prefixos IPv6. No entanto, essa porcentagem é crescente.

9 IPV6 9 A diferença básica entre o IPv4 e o IPv6 é que, enquanto o primeiro gera endereços a partir de uma sequência de 32 bits, o segundo baseia-se em uma sequência de 128 bits. Overview tecnológico 1. O protocolo IPv6 IPv6 é a evolução do protocolo IP (Internet Protocol), que é a base da comunicação entre dois ou mais dispositivos conectados em rede, seja ela privada ou pública. Mas o IPv6 não é novo. Suas primeiras versões (como o IPng Internet Protocol next generation) foram desenhadas em meados da década de Naquela época, seus idealizadores já visualizavam o esgotamento dos endereços na versão em uso, desde 1981, para a internet (o IPv4), visão comprovada atualmente. A diferença básica entre o IPv4 e o IPv6 é que, enquanto o primeiro gera endereços a partir de uma sequência de 32 bits, o segundo baseia-se em uma sequência de 128 bits. Com isso, o formato dos endereços também é diferente. Ou seja, no mundo IPv4, os endereços são compostos por sequências numéricas no formato X.X.X.X, no qual X é um número decimal entre 0 e 255. Muito maiores, os endereços IPv6 são formados a partir de oito sequências de quatro caracteres do sistema hexadecimal: 2001:0660:3003:0001:0000:0000:6543:210F

10 IPv6 10 Cabeçalho IPv4 Cabeçalho IPv6 Campos mantidos iguais Campos eliminados no IPv6 Version Time to Live HL Type of Service Identification Protocol Source Address Total Length Flags Fragment Offset Header Checksum Version Traffic Class Payload Length Flow Label Next Header Top Limit Nome e posição alterados no IPv6 Destination Address Options Padding Source Address Novo campo Destination Address Fonte: Cisco O cabeçalho do IPv6 também tem significativas diferenças em relação ao cabeçalho do IPv4, como pode ser visto na figura acima. Além dos 128 bits utilizados para endereçamento de origem e destino, em contraste com o IPv4, o IPv6 tem o cabeçalho fixado em 40 bytes, um grande benefício de aumento na velocidade de processamento, uma vez que os roteadores não terão que implementar processos de lookup, o que acontece com cabeçalhos variáveis. No IPv6, a fragmentação é feita somente pela fonte do tráfego. Antes de enviar um tráfego IPv6, a fonte processa o PTMU (Path MTU) Discovery, eliminando essa função de fragmentação dos roteadores. O PTMU Discovery consome CPU, porém é importante lembrar que, conforme a RFC 2460, no IPv6 o MTU em qualquer link não deve ser inferior a bytes. O conceito de QoS passa a ser inerente ao IPv6. O campo Flow Label identifica um fluxo de forma que o roteador possa ser capaz de localizar os pacotes que devem ter o mesmo tratamento, sem necessidade de inspeções mais profundas nesses pacotes. Uma grande vantagem desse campo é que, como ele é alocado antes dos campos de endereços de Destino e Origem, reduz-se a necessidade de lookup pelos roteadores, aumentando sua eficiência no processamento. Conforme a RFC 3697, esse campo é configurado pela fonte e não deveria ser alterado pelos roteadores ao longo do caminho até o destino. Também é possível a utilização de múltiplos cabeçalhos encadeados, conforme definido na RFC 2460, não existindo um limite de empilhamento dos cabeçalhos adicionais, os quais são identificados pelo campo Next Header.

11 IPV6 11 Além dos 128 bits utilizados para endereçamento de origem e destino, em contraste com o IPv4, o IPv6 tem o cabeçalho fixado em 40 bytes, um grande benefício de aumento na velocidade de processamento. O IPv6 divide-se em três categorias, que servem para garantir que a distribuição dos endereços seja feita de forma adequada e torne a troca de pacotes mais eficiente. Os endereços podem ser classificados como: Unicast identifica um único nó, e o tráfego destinado a um endereço unicast é enviado para um único nó. Multicast identifica um grupo de nós, e o tráfego destinado a um endereço multicast é enviado para todos os nós do grupo. Anycast identifica um grupo de nós, e o tráfego destinado a um endereço anycast é enviado para o nó mais próximo no grupo. Quanto ao roteamento, o IPv6 é suportado nos seguintes protocolos: Roteamento estático RIPng (RFC 2080) IS-IS para IPv6 OSPFv3 (RFC 2740) MP-BGP (RFC 2545/2858) EIGRP para IPv6 O ICMPv6 (RFC 2463) é parte integrante e fundamental da arquitetura IPv6, uma vez que habilita os roteadores a reportarem erros e realizarem várias outras funções do plano de controle.

12 IPv Considerações sobre DNSv6 DNS Para expandir o DNS de forma que ele suporte o IPv6, três aspectos principais devem ser levados em consideração: Definição de um novo RR (Resource Records), que agora deve armazenar endereços de 128 bits. Definição de um domínio PTR (pointer) root (IPv6.ARPA). Definição de alterações nas mensagens de query e do seu transporte entre os resolvers e o name server. 3. Mobilidade IPv6 As RFCs 3775, 3776 e 4225 especificam os padrões para a mobilidade através do IPv6. O principal objetivo da mobilidade IPv6 é endereçar os seguintes aspectos: Independência de localização física/geográfica Independência dos meios de acesso Conexões em roaming com qualidade Mobilidade e continuidade de aplicações (ex.: Vídeo, VoIP, P2P) Possibilidade de que o dispositivo móvel seja um servidor Continuidade da conectividade IP dos dispositivos em trânsito, através dos vários meios disponíveis de acesso sem fio, criando o conceito de acesso agnóstico Parte do ICMPv6 (plano de controle), o mecanismo chamado ND (Neighbor Discovery) foi construído para detectar rapidamente a movimentação e a autoconfiguração de endereços. Portanto, o IPv6 está significativamente melhor posicionado para a mobilidade do que o IPv4, sendo peça-chave para a elaboração e concretização desse novo modelo de serviços. 4. Gerenciando redes IPv6 Já há um número bastante grande de MIBs disponíveis para checar o funcionamento da rede IPv6. Redes IPv6 ainda suportam a utilização de SNMPv6, Netflow, IPfix, Telnet, SSH, RSH, TFTP e FTP de maneira similar à rede IPv4, mas com informações adicionais.

13 IPV6 13 Transição do IPv4 para o IPv6 Pontos preparados para IPv6 Pontos preparados para IPv4 Bloco de endereços IPv4 encerrado Implementação dual-stack Implementação de novos sistemas e dispositivos Apenas pontos compatíveis com IPv6 desejáveis NAT 64 Internet IPv6 (apenas tráfego IPv6 viável sob a perspectiva do mercado) Introdução do NAT (LSN) em larga escala NAT 46 Fonte: Cisco Tempo 5. Mecanismos de transição do IPv4 para o IPv6 Obviamente, o IPv4 não desaparecerá de uma hora para outra e os dois sistemas de endereçamento conviverão por alguns anos. Assim, os provedores de serviço possuem alguns caminhos a seguir em relação às suas redes: prolongar a vida da rede atual por meio de soluções paliativas, como a recompra de lotes IPv4 de outros mercados (os valores são elevados), o compartilhamento de endereços entre seus clientes (de difícil administração), o uso de endereçamento privado ou o NAT (mais comum); construir uma rede IPv6 para os novos clientes e usar um dos modelos de transição existentes para possibilitar o acesso aos endereços IPv4, assim como para permitir que os usuários da versão antiga do protocolo possam acessar conteúdos em IPv6. A construção de um ambiente baseado no novo protocolo pode usar uma série de modelos de transição, que diferem conforme o tipo de rede, serviços ofertados e complexidade. Mecanismos de transição para operadoras Core Tunelamento do IPv6 no IPv4 Túneis manuais (RFC 2893), GRE (RFC 2473), L2TPv3. Através desse modelo é possível conectar sites de clientes com IPv6 nativos. Dual stack (IPv4 e IPv6) Ambos os protocolos de camada 3 (IPv4 e IPv6) estão habilitados nos elementos de core da rede. Há convivência dos protocolos, sem que um interfira no funcionamento do outro. Cada um terá sua própria tabela de roteamento. O dual stack é suportado pelo 3GPP & 3GPP2. IPv6 over MPLS Há múltiplas formas de implementar o IPv6 sobre um ambiente MPLS: IPv6 over L2TPv3 IPv6 over EoMPLS/AToM IPv6 CE-to-CE IPv6 over IPv4 tunnels IPv6 Provider Edge Router (6PE) over MPLS Neste modelo, o tráfego IPv6 tem o suporte dos benefícios do MPLS, como TE e fast re-route. 6VPE é uma implementação da RFC 4659.

14 IPv6 14 Ambiente IPv6 Servidores data centers DNS & DHCP Cenário de implementação Suporte a hardware Gerenciamento de conteúdo web Aplicações e suites de aplicações PCs Balanceamento de carga e conteúdo Suporte a dispositivos em rede Serviços da infraestrutura em rede Serviços IP (QoS, multicast, mobilidade) Conectividade Impressoras Segurança (firewall & IDS/IPS) IPv6 sobre túneis IPv4 Endereçamento IP Distribuição de conteúdo Gateways e dispositivos colaborativos Dual-Stack Infraestrutura da rede básica Protocolos de roteamento Otimização (WAAS, SSL, aceleração) Sensores e controladores Acesso VPN IPv6 sobre MPLS Instrumentação Treinamento de pessoal e operações Planejamento e roll-out Fonte: Cisco Mecanismos de transição para operadoras Acesso NAT44 É a tradução de endereços IPv4 privados e um IPv4 público. Pode ser stateless ou statefull. É atualmente uma das técnicas mais utilizadas e para traduções em grande escala requer um NAT gateway ou solução carrier grade NAT. Address Family Translation (AFT) ou NAT64 Este mecanismo é aplicado quando um host IPv6 precisa acessar um host IPv4. Componentes-chave são: o NAT64 gateway e o DNS64. Dual-Stack Lite (DS-Lite) Ao menos uma parte da rede do SP suporta apenas roteamento IPv6. Os CPEs são provisionados nativamente apenas em IPv6. O tráfego IPv4 passa por tunelamento e o carrier grade V6 faz a terminação do túnel. Outros mecanismos de transição (não escaláveis): Tunnel broker Teredo IPV6 rapid deployment (6rd) Utiliza IPv6 encapsulado em uma infraestrutura IPv4. Esse encapsulamento deve ser suportado pelos CPEs, enquanto a solução carrier grade deve suportar a terminação dos túneis. A rede do provedor de acesso continua sendo IPv4, enquanto os clientes veem serviços IPv6 e IPv4 simultaneamente.

15 IPV Plano de migração do IPv4 para o IPv6 para grandes empresas e entidades governamentais O quadro na página anterior resume todos os elementos, camadas e aspectos que devem ser levados em consideração pelos profissionais de TI de médias e grandes empresas e do governo, quando se planeja fazer a implementação do IPv6. O governo e as empresas em geral devem pensar no IPv6 como um processo fim a fim e cíclico, que enderece todos os aspectos ligados à infraestrutura, processos e serviços existentes, como demonstra a figura abaixo. Como está a sua rede? Quais são os seus serviços? Qual a melhor forma de migração? Defina os produtos, serviços, equipamentos, suporte, treinamento. Planeje 2 Projete 3 Planejamento e definição da estratégia. Inclua a necessidade de investimentos. Prepare 1 Adapte a rede e os serviços de acordo com os requerimentos do negócio. Otimize 6 IPv6 Opere 5 Implemente 4 Gerencie, resolva, repare, substitua, sempre mantendo a rede estável. Integre sem interrupções ou vulnerabilidades. Defina um passo a passo. Fonte: PromonLogicalis

16 IPv6 16 A migração para o IPv6 permitirá às operadoras expandir sua base de clientes e criará oportunidades para novos negócios, uma vez que a conexão fim a fim possibilitará que os usuários sejam também provedores de conteúdo. Impactos financeiros Crescimento do churn Com a massiva adoção do IPv6 pelos provedores de conteúdo, o usuário final precisará ter acesso ao novo protocolo no seu modem/cpe. Portanto, a operadora que não oferecer essa modalidade de acesso perderá um número considerável de clientes. Além disso, sua rede não poderá crescer na mesma velocidade, reduzindo seu market share. Investimentos Grande parte dos roteadores de médio e grande porte atualmente em utilização no Brasil já suporta o IPv6. Portanto, há um custo relativamente baixo para a adoção do novo protocolo. Os investimentos que ainda forem necessários poderão ser feitos de forma planejada e gradativa, estando concentrados em treinamento, atualização dos procedimentos operacionais, atualização das bases de dados, projetos lógicos para correta implantação do novo protocolo, equipamentos de transição, atualização de sistemas operacionais (PC), upgrade de equipamentos antigos sem suporte ao novo protocolo, atualização dos sistemas de gerência, modems e CPE para usuários finais. Em contrapartida, os custos operacionais podem ser reduzidos com a implementação do IPv6, uma vez que a solução de problemas e o aprovisionamento serão mais simples e automáticos. Novos negócios e crescimento da receita A adoção do IPv6 permitirá às operadoras de um modo geral expandir a sua base de clientes e abrirá uma janela de oportunidades para novos negócios, uma vez que a conexão fim a fim possibilitará que os usuários não sejam apenas consumidores, mas também provedores de conteúdo. Além disso, novos serviços demandarão uma rede em IPv6.

17 IPV6 17 Desafios A migração para o IPv6 constitui um caminho natural para os provedores de serviços de internet e telefonia, para as empresas de modo geral, para o governo e para os usuários residenciais. A maior parte dos investimentos realizados em equipamentos de rede ao longo dos últimos anos já foi dedicada a componentes compatíveis com a nova versão do protocolo IP. Agora, resta às empresas fazerem as adequações lógicas em suas redes para torná-las compatíveis com a nova tecnologia. Sua empresa, seja ela ou não uma operadora, não pode ficar alheia a essa realidade. Os projetos de implementação do IPv6 devem ser iniciados imediatamente e, se você já tem um plano, os testes e atualizações dos sistemas operacionais devem ser iniciados o quanto antes. É fato que, nos próximos anos, a internet viverá uma das suas maiores mudanças desde sua criação: a massiva implantação do IPv6. Portanto, esteja preparado. Não se atrase. Antecipe-se.

18 IPv6 18 Advisor é uma publicação da PromonLogicalis. Este documento contém informações de titularidade ou posse da PromonLogicalis, de suas controladas ou coligadas, e são protegidas pela legislação vigente. Reprodução total ou parcial desta obra apenas com prévia autorização da PromonLogicalis. As informações contidas nesta publicação são baseadas em conceitos testados e empregados no desenvolvimento de projetos específicos e estão sujeitas a alterações de acordo com o cenário de mercado e os objetivos de cada projeto. Luís Minoru Shibata Diretor de Consultoria PromonLogicalis Com mais de quinze anos de experiência em TIC, atuou como Diretor Executivo da Ipsos e como Managing Director do Yankee Group na América Latina. MBA em Conhecimento, Tecnologia e Informação pela FIA (FEA/USP). +55 (11) Lucas Pinz Gerente de Tecnologia PromonLogicalis Responsável por todo o portfólio de Telecom, é formado em Gestão de Redes pela Universidade Anhembi Morumbi, pós-graduado em Gestão Empresarial pela FGV-RJ e aluno do MBA Pleno da FGV-RJ e Ohio University-EUA. +55 (11) Para saber mais Entre em contato conosco para saber o que podemos fazer pela sua empresa. Coordenação Thais Cerioni Marketing PromonLogicalis Diretor Responsável Luís Minoru Shibata

19 IPV6 19 A PromonLogicalis Com mais de trinta anos de experiência, a PromonLogicalis oferece serviços de consultoria que têm auxiliado grandes corporações a entender como alavancar o negócio por meio da adoção de soluções de TIC. A PromonLogicalis é um integrador que atua com os principais vendors do mercado para cada solução, abrangendo desde o core e a infraestrutura de redes de acesso, passando por redes, colaboração, data centers e segurança da informação, até sua operação e gerenciamento. No Brasil e na América Latina, a PromonLogicalis tem trabalhado com as principais operadoras de telecomunicações e empresas privadas na elaboração de planos de implementação do IPv6, na definição de investimentos necessários, análise dos impactos nos negócios e definição de novos produtos e serviços. Além disso, a PromonLogicalis trabalha em conjunto com os maiores fabricantes de tecnologia que têm influenciado os rumos do protocolo IPv6 e conta com profissionais treinados e com experiência prática na implementação desse protocolo.

20 Argentina Brasil Bolívia Chile Colômbia Equador Paraguai Peru Uruguai Copyright 2011 PromonLogicalis All rights reserved.

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

Técnicas de Transição em 45 minutos

Técnicas de Transição em 45 minutos Capacitação IPv6.br Técnicas de Transição em 45 minutos Agenda Introdução Classificação das Técnicas Pilha Dupla DS-Lite e DS-Lite + A+P 6rd 6PE e 6VPE NAT64 e DNS64 464XLAT IVI, divi e divi-pd Considerações

Leia mais

IPv6 A nova versão do Protocolo IP

IPv6 A nova versão do Protocolo IP IPv6 A nova versão do Protocolo IP A internet precisa continuar crescendo... Agenda A Internet e o TCP/IP Entendendo o esgotamento do IPv4 Por que IPv6? O que melhorou? Nova estrutura do IPv6 Técnicas

Leia mais

IPv6: O que é, e como se preparar para a transição? Humberto Galiza

IPv6: O que é, e como se preparar para a transição? Humberto Galiza IPv6: O que é, e como se preparar para a transição? Humberto Galiza Consultor em redes IP humbertogaliza@gmail.com / galiza@ufba.br Salvador, BA, 17de outubro de 2012 Agenda IP: como chegamos até aqui?

Leia mais

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M.

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília Campus Taguatinga Matéria: REDES Professor: Frederico PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. da Silva Ipv6 Taguatinga-DF 2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

Implementação do IPv6 na Vivo. Status e Principais Desafios

Implementação do IPv6 na Vivo. Status e Principais Desafios Implementação do IPv6 na Vivo Status e Principais Desafios 01 Endereçamento IPv4 Alocação na Vivo A Vivo possui amplo portfólio de serviços baseados em IP, tanto para usuários domésticos quanto corporativos.

Leia mais

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP.

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP. 1 PROTOCOLO IP O IP é o protocolo mais importante na Internet. Ele é quem define as regras através das quais as informações fluem na rede mundial. Uma das principais regras diz que: Cada computador deve

Leia mais

Técnicas de Transição

Técnicas de Transição Capacitação IPv6.br Técnicas de Transição Agenda Introdução 464XLAT Cenários 4rd Classificação das Técnicas 6PE e 6VPE Pilha Dupla 6rd 6in4 e 6over4 6to4 GRE Teredo Tunnel Brokers ISATAP DS-Lite e DS-Lite

Leia mais

IPv6. César Loureiro. V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê

IPv6. César Loureiro. V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê IPv6 César Loureiro V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê Outubro de 2014 Agenda Esgotamento IPv4 Endereçamento e Funcionalidades do IPv6 Implantação IPv6 IPv6 na Rede Tchê Dicas de Implantação

Leia mais

Técnicas de Transição

Técnicas de Transição IPv6.br Técnicas de Transição Agenda Introdução 4rd Classificação das Técnicas 6PE e 6VPE Pilha Dupla 6rd 6in4 e 6over4 6to4 GRE Teredo Tunnel Brokers ISATAP DS-Lite e DS-Lite + A+P A+P IVI, divi e divi-pd

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Interconexão de Redes de Comutadores

Interconexão de Redes de Comutadores IPv6 - Introdução Interconexão de Redes de Comutadores Parte 3.5: TCP / IPv6 Em 1992 uma Internet Engineering Task Force (IETF) cria o grupo IPng (IP next generation) para a criação de um novo protocolo

Leia mais

Implementação do IPv6 na Vivo Estratégia, Status e Desafios

Implementação do IPv6 na Vivo Estratégia, Status e Desafios Implementação do IPv6 na Vivo Estratégia, Status e Desafios 09.12.2015 1 103,3MM Clientes Vivo e GVT juntas a partir de 2015 Em 2015, a Vivo adquiriu a GVT, consolidando o maior grupo de telecomunicações

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

IPv6 - Características do IP Next Generation

IPv6 - Características do IP Next Generation IPv6 - Características do IP Next Generation 1 - Introdução As três das principais motivações que conduziram à necessidade de superar as limitações de crescimento da versão atual do protocolo IP (Internet

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

Transição para o IPv6 com IPv4 Compartilhado

Transição para o IPv6 com IPv4 Compartilhado Transição para o IPv6 com IPv4 Compartilhado DS-Lite, NAT64/DNS64, MAP-E, MAP-T e 464XLAT Edwin Cordeiro ecordeiro@nic.br GTER 23 de maio de 2013 Agenda A transição para o IPv6 Técnicas de transição para

Leia mais

IPv6: a próxima geração de IPs na Internet!

IPv6: a próxima geração de IPs na Internet! IPv6: a próxima geração de IPs na Internet! Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br CONIP 14 o. Congresso de Inovação da Gestão Pública Governança da informação backoffice 05 de Junho de 2008 São Paulo - SP

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

O QUE É O ENDEREÇO IP

O QUE É O ENDEREÇO IP O QUE É O ENDEREÇO IP O uso de computadores em rede, tal como a internet, requer que cada máquina possua um identificador que a diferencie das demais. É necessário que cada computador tenha um endereço,

Leia mais

Implementação do IPv6 na Vivo Status e Desafios

Implementação do IPv6 na Vivo Status e Desafios Implementação do IPv6 na Vivo Status e Desafios 26.11.2014 1 01 Endereçamento IPv4 Alocação na Vivo A Vivo possui amplo portfólio de serviços baseados em IP, tanto para usuários domésticos quanto corporativos.

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4

ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 ATIVIDADE 1 ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 1.1 História Apesar de este livro ter um enfoque prático, com atividades no estilo mão na massa em todas as atividades que veremos a seguir torna-se necessário, em

Leia mais

Brazil IT Snapshot 2013

Brazil IT Snapshot 2013 Brazil IT Snapshot 2013 Um panorama sobre a maturidade da TIC corporativa brasileira Principais atribuições e benefícios de TIC de acordo com os entrevistados Lucro Inovação Automação Resultados Agilidade

Leia mais

Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6

Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6 Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6 Oripide Cilento Filho oripide@nic.br SET 2008 Agenda Apresentação do CGI.br e do NIC.br A Internet e o Protocolo Internet ( IP ) Necessidade de uma nova versão

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

The next generation. João Eriberto Mota Filho. Vitória da Conquista, BA, 05 set. 2013

The next generation. João Eriberto Mota Filho. Vitória da Conquista, BA, 05 set. 2013 The next generation Internet... João Eriberto Mota Filho Vitória da Conquista, BA, 05 set. 2013 Sumário História do IP A extinção do IPv4 A salvação IPv6 O que muda no IPv6? Comparação IPv4 / IPv6 Alguns

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Implementação do protocolo IPv6 em uma operadora nacional. Aluísio da Silva Tiago C. Setti

Implementação do protocolo IPv6 em uma operadora nacional. Aluísio da Silva Tiago C. Setti Implementação do protocolo IPv6 em uma operadora nacional Aluísio da Silva Tiago C. Setti Algar Telecom 55 anos no mercado de Telecomunicações. Empresa de capital aberto debêntures Mais de 1,3 milhão de

Leia mais

IPv6 nas redes de sensores o 6LoWPAN e a Internet das coisas

IPv6 nas redes de sensores o 6LoWPAN e a Internet das coisas IPv6 nas redes de sensores o 6LoWPAN e a Internet das coisas Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O CGI.br e o NIC.br O LAA Redes ubíquas e a Internet das coisas Breve Introdução

Leia mais

A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial

A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial Ricardo Fernandes Fernando C. Barbi, PMP, CCNP GTER 24-26/10/2007 Apresentação da Dualtec Por que IP v6? Etapas do processo de implantação

Leia mais

Esgotamento dos Endereços IPv4 Migração para o IPv6 FÓRUM BRASILEIRO DE IMPLEMENTADORES DE IPV6 SÃO PAULO, 26 DE NOVEMBRO DE 2014

Esgotamento dos Endereços IPv4 Migração para o IPv6 FÓRUM BRASILEIRO DE IMPLEMENTADORES DE IPV6 SÃO PAULO, 26 DE NOVEMBRO DE 2014 Esgotamento dos Endereços IPv4 Migração para o IPv6 FÓRUM BRASILEIRO DE IMPLEMENTADORES DE IPV6 SÃO PAULO, 26 DE NOVEMBRO DE 2014 Somos a PLATAFORMA sobre a qual MILHÕES de SERVIÇOS são PRESTADOS a todo

Leia mais

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Exercícios de Revisão Edgard Jamhour Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Questão 1: Indique a qual versão do IP pertence cada uma das características abaixo: ( ) Verifica erros no cabeçalho

Leia mais

Advisor. Data Centers. A pressão por redução de custos e otimização de recursos

Advisor. Data Centers. A pressão por redução de custos e otimização de recursos Foco Redução de Custos Tecnologia Data Centers Setor Grandes Corporações Geografia América Latina Advisor Independent business analysis of technology trends for ICT decision makers Data Centers A pressão

Leia mais

Princípios de desenho do nível IP na Internet

Princípios de desenho do nível IP na Internet Princípios de desenho do nível IP na Internet 1. Ter a certeza que funciona. 2. Manter os protocolos simples. 3. Fazer escolhas claras. 4. Tirar proveito da modularidade. 5. Esperar heterogeneidade. 6.

Leia mais

Sumário. Introdução 3. Contexto 4. Os modelos de atuação 7. Análise de oportunidade e Gerenciando expectativas 9. Conclusão 13

Sumário. Introdução 3. Contexto 4. Os modelos de atuação 7. Análise de oportunidade e Gerenciando expectativas 9. Conclusão 13 Análises independentes de tendências tecnológicas para profissionais de TIC Um novo mercado a ser explorado no Brasil Foco Consultoria Tecnologia Telefonia móvel Setor Grandes corporações, governo e operadoras

Leia mais

BYOD. Como preparar seus negócios para uma avalanche de dispositivos. Advisor

BYOD. Como preparar seus negócios para uma avalanche de dispositivos. Advisor Análises independentes de tendências tecnológicas para profissionais de TIC Como preparar seus negócios para uma avalanche de dispositivos Foco Mobilidade Tecnologia Redes, segurança e gerência Setor Grandes

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

INFORME. 1. INTERESSADO Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR.

INFORME. 1. INTERESSADO Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR. INFORME NÚMERO E ORIGEM: 6/2014 ORCN/SOR DATA: 31/03/2014 1. INTERESSADO Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR. 2. INTERESSADO Fabricantes de equipamentos para telecomunicações, concessionárias

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

RNP, NGI Internet II e IP Next Generation

RNP, NGI Internet II e IP Next Generation RNP, NGI Internet II e IP Next Generation Novembro e Dezembro de 1997 Adailton J. S. Silva Índice: RNP - Rede Nacional de Pesquisa Next Generation Internet - Internet II IP Next Generation - IPv6 RNP -

Leia mais

Transição IPv4 è IPv6: Desafios e Riscos

Transição IPv4 è IPv6: Desafios e Riscos Transição IPv4 è IPv6: Desafios e Riscos Cristine Hoepers cristine@cert.br! Apresentação desenvolvida em conjunto com a equipe do CEPTRO.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança

Leia mais

IPv6 em Redes Wireless IPv6@IPLeiria

IPv6 em Redes Wireless IPv6@IPLeiria Projeto Informático 2011 IPv6 em Redes Wireless IPv6@IPLeiria Bruno Silvestre, Carlos Silva Orientador : Nuno Veiga 26 de Julho 2011 Sumário Objetivos e Motivação Vantagens do IPv6 Tipos de Endereços Autenticação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Introdução ao IPv6. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Introdução ao IPv6. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Introdução ao IPv6 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O CGI.br e o NIC.br Breve Introdução ao IPv6 Agenda O CGI.br e o NIC.br O CGI.br e o NIC.br Breve Introdução ao IPv6 Sobre

Leia mais

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL PÁG. 1 DE 8 PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL ITEM SUMÁRIO PÁG. 1. OBJETIVO... 2 2. CAMPO

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4 Problemas atuais com o IPv4 Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Falhas de segurança: A maioria dos ataques contra computadores hoje na Internet só é possível devido a falhas

Leia mais

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço Endereçamento Endereçamento IP Para que dois sistemas quaisquer comuniquem-se, eles precisam ser capazes de se identificar e localizar um ao outro. Um computador pode estar conectado a mais de uma rede.

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com IPv6 Clécio Oliveira Pinto Segurança e Integração em Redes de Computadores para Ambientes Corporativos Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás cleciooliveira at gmail com Abstract. The Internet Protocol version

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC I WORKSHOP DE TECNOLOGIA DE REDES Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 IPv6 em rede de Campus Case UFSC &

Leia mais

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma 1 IDC - Equipe Pietro Delai Reinaldo Sakis João Paulo Bruder Luciano Ramos Gerente de Pesquisa e Consultoria -Enterprise Gerente de Pesquisa

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP

Introdução ao Protocolo TCP/IP Introdução ao Protocolo TCP/IP Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento na Rede

Leia mais

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva Introdução à Computação Móvel IP Móvel Francisco José da Silva e Silva Francisco Silva 1 Movimentação de Host Francisco Silva 2 Movimentação de Host Se um host não estiver no enlace identificado por seu

Leia mais

IPv6@ESTG-Leiria Mecanismos de transição IPv6

IPv6@ESTG-Leiria Mecanismos de transição IPv6 IPv6@ESTG-Leiria Mecanismos de transição IPv6 Luís Diogo, Óscar Brilha, Nuno Veiga Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria Instituto Politécnico de Leiria Morro da Lena Alto Vieiro 2401-951 Leiria

Leia mais

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo?

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo? ENDEREÇAMENTO IP Cada máquina na Internet possui um ou mais endereços de rede que são únicos, ou seja, não podem haver dois endereços iguais. Este endereço é chamado de número Internet, Endereço IP ou

Leia mais

Endereçamento. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 2 32 = 4.294.967.296. Um endereço IPv6 é formado por 128 bits.

Endereçamento. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 2 32 = 4.294.967.296. Um endereço IPv6 é formado por 128 bits. Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 2 32 = 4.294.967.296 Um endereço IPv6 é formado por 128 bits. 2 128 = 340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456 ~ 48 octilhões (5,6x10 28 ) de endereços

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Internet Protocol version 6 (IPv6) Aula 19 Com crescimento da Internet IPv4 apresenta alguns problemas Esgotamento de endereços

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

Recursos de transição para IPv6

Recursos de transição para IPv6 Recursos de transição para IPv6 Andrey Vedana Andreoli, Leandro Márcio Bertholdo, Liane M. R. Tarouco POP-RS / UFRGS Rua Ramiro Barcelos, 2574 - Porto Alegre RS {andrey, berthold, liane}@penta.ufrgs.br,

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Cloud computing. As oportunidades estão nas nuvens. Advisor. Análises independentes de tendências tecnológicas para profissionais de TIC

Cloud computing. As oportunidades estão nas nuvens. Advisor. Análises independentes de tendências tecnológicas para profissionais de TIC Análises independentes de tendências tecnológicas para profissionais de TIC As oportunidades estão nas nuvens Foco Data center Tecnologia Virtualização Setor Grandes corporações, governo e operadoras Geografia

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

Guia de implantação de IPv6 para empresas. Edwin Cordeiro NIC.br ecordeiro@nic.br

Guia de implantação de IPv6 para empresas. Edwin Cordeiro NIC.br ecordeiro@nic.br Guia de implantação de IPv6 para empresas Edwin Cordeiro NIC.br ecordeiro@nic.br O grupo v6ops do IETF O IETF é o local onde os protocolos e recomendações para a Internet são desenvolvidos O grupo v6ops

Leia mais

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos:

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos: ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 10/2014 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) A ATA REGISTRO PREÇOS FUTURA E EVENTUAL AQUISIÇÃO SWITCH ÓPTICA E SWITCH BORDA A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA DO MUNICÍPIO SÃO PAULO

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede Modelo de Referência OSI 1 Camada de Rede: O que veremos. Entender os princípios

Leia mais

Segurança e IPv6 Aspectos teóricos e práticos. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Segurança e IPv6 Aspectos teóricos e práticos. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Segurança e IPv6 Aspectos teóricos e práticos Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br Breve Introdução ao IPv6 Segurança no IPv6 aspectos teóricos e práticos. Agenda O CGI.br e o

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Esgotamento do IPv4 e implantação do IPv6

Esgotamento do IPv4 e implantação do IPv6 Esgotamento do IPv4 e implantação do IPv6 Reunião Itinerante do CGI.br Curitiba 19/03/2013 Milton Kaoru Kashiwakura Antonio Marcos Moreiras O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) foi criado pela

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Alguns dos Desafios para a Infraestrutura de Internet Projetos do CGI.br e NIC.br

Alguns dos Desafios para a Infraestrutura de Internet Projetos do CGI.br e NIC.br Alguns dos Desafios para a Infraestrutura de Internet no Brasil e os Projetos do CGI.br e NIC.br 24 de Julho de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O que são o CGI.br e o NIC.br? Desafios da

Leia mais

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Visão geral sobre Desempenho Descrição do Conteúdo Os roteadores de serviços integrados de nova geração (ISR G2) proporcionam uma plataforma para serviços

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP Serviço de datagrama não confiável Endereçamento Hierárquico Facilidade de Fragmentação e Remontagem de pacotes Identificação da importância

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

Transição e configuração de IPv6 em uma rede acadêmica

Transição e configuração de IPv6 em uma rede acadêmica Transição e configuração de IPv6 em uma rede acadêmica José Eugênio de Mira Turma 3 Paulo Sérgio Pereira Pinto Turma 2 Trabalho de Conclusão do Curso de IPv6 a Distância Desenvolvido e ministrado por:

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais