1. Realidade Virtual 1.1 Introdução 1.2 VRML Histórico VRML 1.0 VRML 2.0 VRML Aplicações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Realidade Virtual 1.1 Introdução 1.2 VRML 1.2.1 Histórico VRML 1.0 VRML 2.0 VRML 97 1.2.2 Aplicações"

Transcrição

1 1. Realidade Virtual 1.1 Introdução A Realidade Virtual(RV) vem trazer ao uso do computador um novo paradigma de interface com o usuário. Neste paradigma, o usuário não estará mais em frente ao monitor, mas sim, sentir-se-á dentro da interface. Com dispositivos especiais, a Realidade Virtual busca captar os movimentos do corpo do usuário(em geral braços, pernas, cabeça e olhos) e, a partir destes dados, realizar a interação homemmáquina. Realidade Virtual pode ser definida de uma maneira simplificada como sendo a forma mais avançada de interface do usuário de computador até agora disponível. 1.2 VRML VRML (Virtual Reality Modeling Language) ou Linguagem para Modelagem em Realidade Virtual é uma linguagem independente de plataforma que permite a criação de ambientes virtuais por onde se pode passear, visualizar objetos de diferentes ângulos, e até interagir com eles Histórico Em maio de 1994, na 1a. Conferência sobre WWW, o grupo de discussão de realidade virtual decidiu desenvolver uma linguagem de descrição de cenas que pudesse ser usada na Web. Em outubro de 1994, a 2a. Conferência sobre WWW foi dedicada à adoção de um formato de arquivo baseado no Open Inventor, com modificações para sua utilização em rede. Em maio de 1995 foi completada a especificação da VRML 1.0, permitindo a criação de cenas estáticas. Em agosto de 1996 surgiu o VRML 2.0 que revisava o formato 1.0 e acrescentava várias modificações para permitir animação, interação, som, fog, backgrounds e extensões à linguagem. 1997: esforço para apresentar a especificação à ISO - pontos foram revistos, e a especificação reescrita e denominada VRML 97. Primeiro browser aderente à especificação: Cosmo Player da SGI. Objetivo: suporte ao desenvolvimento de mundos virtuais multi-usuário na Internet. O VRML é um arquivo ASCII que, em geral, tem a extensão.wrl, e pode ser editado em qualquer editor de texto. As cenas e objetos em VRML são formados por cubos, esferas, cilindros, cones e superfícies poligonais. Na especificação de um objeto o projetista deve criar em um arquivo texto, sem formatação, uma descrição de como este objeto deve ser exibido. Nesta descrição aparecem itens como suas dimensões, sua cor e sua orientação espacial. O código VRML é um subconjunto do formato de arquivo Open Inventor da SGI, com características adicionais para navegação na Web equivalentes às âncoras do HTML. Para visualizar um arquivo VRML é necessário um browser VRML, ou seja, um programa que interprete o arquivo.wrl. Os browsers para VRML 1.0 não permitem a exibição de VRML 2.0. A maioria dos browsers para VRML 2.0 exibe VRML 1.0 e, na maioria dos casos, é capaz também de exibir VRML 97. Exemplos: Live3D, Cosmos Player, Cortona, WorldView, etc. Encontra-se em desenvolvimento um formato binário para arquivos VRML. O formato binário permite a criação de arquivos menores para download mais rápido. Um problema para VRML é a falta de hardware barato que ofereça desempenho razoável para explorar os mundos virtuais. Fabricantes de computadores, percebendo o potencial de aplicações 3D, vêm oferecendo hardware gráfico a preços menores Aplicações Apesar de VRML ser uma tecnologia relativamente nova, tem enorme potencial em áreas como: ciência (medicina, geociências, engenharia, arquitetura) entretenimento (jogos, animação) negócios (publicidade, manuais de produtos)

2 artes ensino Características Básicas VRML adota um sistema cartesiano 3D. A seqüência dos eixos é X, Y, Z e a unidade de medida para distâncias é metros e para ângulos é radianos. Todo arquivo VRML 1.0 tem um cabeçalho: #VRML V1.0 ascii Na versão 2.0 o cabeçalho tem a forma: UTF8 significa Universal Text Format 8. Objetos do mundo virtual podem mover-se e responder a eventos baseados no tempo ou em iniciativas do usuário. Além disso, a versão 2.0 suporta objetos multimídia, como sons e vídeos em uma cena 3D. Em resumo, as características de VRML 2.0 podem ser separadas em quatro grupos principais: melhoria dos mundos estáticos interação animação e comportamento baseado em scripts prototipação de novos objetos VRML Shape Os objetos tridimensionais em VRML são chamados SHAPES. Shape é o nó que descreve a geometria e a aparência de um objeto. A Aparência define a cor do objeto, entre outros atributos. A Geometria define qual o objeto deve ser exibido. Para descrição de geometria, VRML fornece alguns nós básicos, como Shpere, Cylinder, Box, Cone e outros de geometria mais complexa. Para inserir mais de um objeto em um arquivo VRML basta colocar os blocos Shape um após o outro. Definição de um objeto: # define um bloco de um obejto (Shape) # define a aparência do Shape material... texture geometry... # define a geometria do Shape Exemplo de uma Esfera diffusecolor geometry Sphere { # centro em radius 2 # raio da esfera, se omitido será assumido raio 1 Exemplo de um Paralelepípedo

3 diffusecolor # r g b geometry Box { # centro em size # largura, altura, profundidade # se for omitido o tamanho será assumido um cubo unitario Exemplo de um Cone diffusecolor geometry Cone { bottomradius 2 # raio da base height 3 # altura side TRUE # tem a lateral? bottom TRUE # tem a base? Exemplo de um Cilindro diffusecolor geometry Cylinder { radius 2.0 # raio height 3 # altura side TRUE # tem a lateral? top TRUE # tem a parte de cima? bottom TRUE # tem a parte de baixo? Transformações Geométricas Em VRML as transformações geométricas (rotação, escala e translação) são definidas através do comando Transform. O comando Transform permite especificar a posição, rotação e escala a serem aplicadas aos objetos e quais os "objetos filhos" (children) da transformação. Os comandos de transformação são os seguintes: rotation Rx Ry Rz ângulo (em radianos) scale Sx Sy Sz translation Tx Ty Tz As transformações em VRML são sempre aplicadas na ordem acima. Isto acontece mesmo que no código fonte estas transformações geométricas apareçam em outra ordem. graus *π A conversão de graus para radianos pode ser feita pela seguinte fórmula: 180 Alguns exemplos: 30º = 0, º = 0,

4 60º = 1, º = 1, º = 3, Para fazer uma transformação geométrica ser aplicada sobre outra já existente deve-se colocar um bloco Transform dentro do bloco children de outro Transform. Note que em VRML, o que muda em uma transformação geométrica é o sistema de coordenadas, assim como em OpenGL. DEF transformarcubo Transform { translation rotation -1, 1, 0.8, 0.9 #eixo com origem <-3, 2, 1> e vetor de rotação <-1, 1, 0.8> children [ DEF CUBO diffusecolor specularcolor geometry Box { DEF transformarbola Transform { translation children [ DEF BOLA diffusecolor specularcolor geometry Sphere { Transform { translation rotation # eixo e ângulo (em radianos) (1.57 = 90 graus) scale children [ # As transformações pode ter um ou mais "filhos" # Estes "filhos" são Shapes ou outras transformações diffusecolor geometry Box { size Transform { translation scale rotation # eixo e ângulo (em radianos)

5 children [ # As transformações pode ter um ou mais "filhos" # Estes "filhos" são Shapes ou outras transformações diffusecolor geometry Box { size Texto Em VRML um texto é um Shape também, assim como um Box ou uma Cone. O comando para exibir textos é o Text. O comando Text possui campos para definir o texto em si, o comprimento e o estilo dos caracteres (fonte). Dependendo do Plug-in o comando Text3D também pode ser utilizado para definir um texto tridimensional. # Exemplo de utilização do nó Text diffusecolor geometry Text { string [ "Ionildo", # várias linhas de texto "Jose", "Sanches" length [ 5, 4, 7 # tamanho de cada linha fontstyle FontStyle { family "TIMES" # Fonte Ex. SERIF, SYMBOL, ARIAL, TYPEWRITER style "ITALIC" # estilo, pode ser também BOLD spacing 1.0 # espaço entre as linhas size 2.0 # tamanho do fonte justify "MIDDLE" # alinhamento, pode ser também BEGIN ou END # fim do fontstyle # fim do geometry Podemos também desenhar um shape com texto 3D, porém nem todos os plug-in suportam texto 3D. Vejamos abaixo um exemplo: diffusecolor geometry Text3D { string ["Ionildo" fontstyle FontStyle { justify "MIDDLE" family "Times" style "BOLD" size 4 depth 0.6

6 IndexedFaceSet e Coordinate Estes nós permitem definir formas geométricas que não estão pré-definidas na linguagem. Para criar polígonos (faces de objetos) em VRML 2 usamos uma geometria chamada IndexedFaceSet. Estes polígonos são definidos a partir de duas estruturas: uma tabela de faces e uma tabela de vértices. O nó Coordinate especifica as coordenadas dos pontos no espaço, onde cada ponto tem seu respectivo índice, iniciando em zero. Por exemplo: coord Coordinate { point [ 0 0 0, # ponto , # ponto , # ponto 2 coordindex [ 0, 1, 2, -1 Definidos os pontos, pode-se conectá-los para formar um triângulo. No exemplo, IndexedFaceSet definiu quais pontos seriam ligados para formar esta face. O 1 indica o fim da lista. Exemplo: # Desenho de um objeto formado por faces (uma pirâmide) geometry IndexedFaceSet { coord Coordinate { point [ 0 8 0, # vértice , # vértice , # vértice , # vértice , # vértice 4 coordindex [ 4, 3, 2, 1-1, # Base 0, 1, 2, -1, # Frontal 0, 2, 3, -1, # Direita 0, 3, 4, -1, # Traseira 0, 4, 1, -1 # Esquerda color Color { color [ , # Cor 0 : Vermelho , # Cor 1 : Verde , # Cor 2 : Azul , # Cor 3 : Amarelo , # Cor 4 : Roxo # Cor 5 : Marron colorpervertex FALSE colorindex [ # define a cor de cada face 4, 5, 1, 2, 3

7 Cores Para definir a cor de algum objeto, o VRML possui o comando Material e o comando diffusecolor. Na realidade Material define um grupo de propriedades visuais das quais, cor é uma delas. A definição da cor é feita definindo-se suas componentes R, G e B no intervalo entre [ specularcolor define a cor especular do objeto. Esta cor aparece quando uma face está "de frente" para a fonte de luz; ambientintensity define a intensidade da cor ambiente. A seguir é apresentada uma tabela com exemplos de cores de alguns materiais: Efeito ambientintens diffusecolor specularcolor shininess ity Alumínio Cobre Ouro Plástico Azul Background O nó shape descreve o foreground da cena. Para dar maior realismo ao ambiente, pode ser criado um background. Um único nó background pode estar ativo em determinado momento. O browser mantém uma pilha de nós background para controlar a ativação e desativação de backgrounds. Exemplo: # Desenho de um Cube Azul com Background Amarelo Background { skycolor diffusecolor geometry Box { size # fim do shape Fog O nó fog define uma região com visibilidade reduzida, para simular neblina ou fumaça: quanto mais distante do observador está o objeto, mais sua cor se confunde com a do fog. O background não é afetado pelo nó fog: para dar maior realismo à cena, deve ser criado um background com a cor do fog. Como o fog limita a visão do observador, reduz o trabalho de modelagem de objetos 3D e pode melhorar o desempenho do mundo VRML. Exemplo: # Desenho de um paralelepípedo Amarelo Fog { # color visibilityrange 15

8 fogtype "LINEAR" diffusecolor geometry Box { size # fim do shape Textura É uma imagem 2D que pode ser mapeada em um objeto. Para aplicar uma textura (imagem) sobre um objeto, basta colocar a comando Texture dentro do bloco Appearance. A sintaxe deste comando é mostrado no exemplo abaixo. O formato de imagens permitido são os mesmo utilizados na Web (GIF, JPG e PNG). O mundo VRML pode ser detalhado com o uso de muitos polígonos. Isto, além de dar um grande trabalho de codificação, aumenta o tempo para exibição da cena. Para dar realismo à cena, é mais eficiente usar texturas em lugar de muitos polígonos. Exemplo: # Desenho de um paralelepípedo com Textura diffusecolor # fim do Material texture ImageTexture { url ["imagem1.jpg" # fim do Texture # fim do Appearance geometry Box { size # fim do shape Podemos usar uma seqüência de imagens no formato GIF (GIF animado) como no exemplo abaixo: texture MovieTexture { loop TRUE url "banner.gif" geometry Box {size Iluminação Por default, existe uma luz (headlight) que acompanha a posição do observador da cena. Em VRML, um nó de iluminação descreve como parte do mundo deve ser iluminada, mas não cria, automaticamente, uma geometria para representar a fonte de luz. A luz que atinge um objeto só é calculada nos vértices. Este cálculo tem como resultado uma valor

9 de cor para cada vértice. A superfície de uma face é colorida através da interpolação das cores nos vértices. Em VRML, objetos não têm sombra. Exemplo: # Exemplo de uso de luzes em VRML 2 PointLight { location color # luz vermelha intensity 1 PointLight { location color # luz verde intensity 1 diffusecolor geometry Box { # fim do shape Transparência O comando transparency define o nível de transparência do objeto. A definição da transparência é feita com valores entre [0.. 1, (0 = transparência total; 1 = sem transparência). O comando shininess define a intensidade do brilho. A definição de brilho é feita com valores entre [0.. 1 (0 = opaco ; 1 = brilhante). O funcionamento ou não destes atributos depende do plug-in usado. diffusecolor geometry Box { # fim do BOX specularcolor transparency 0.5 # entre 0 e 1 shininess 0.0 # entre 0 e 1 size # r g b # r g b # larg, altura, prof appearance Appearance { diffusecolor # cor laranja geometry Cone { bottomradius 1.0 height 5.0 side TRUE bottom TRUE

10 # Fim do Cone Som Os sons podem ser acionados por uma ação do observador (abertura de uma porta, toque de campainha, etc) ou podem ser contínuos (vento, multidão, etc). Os nós AudioClip e MovieTexture descrevem a fonte do som e o nó Sound descreve a emissão do som. AudioClip: O nó AudioClip e o nó MovieTexture especificam a fonte digital de som : arquivo de áudio a velocidade de reprodução a hora de início e de término da reprodução do som. Os formatos suportados são: WAV (efeitos sonoros) e MIDI (músicas de fundo).. Group { children [ Sound { source AudioClip { url "ringin.wav" loop TRUE starttime 1 spatialize TRUE intensity 1.0 location minback 1 maxback 10 minfront 1 maxfront 10 priority 0 emissivecolor geometry Sphere{radius 0.1 MovieTexture: O node MovieTexture permite mapear uma textura animada para um objeto. Os formatos suportados são : MPEG1-Systems e MPEG1-Video. Shape{ texture MovieTexture { loop TRUE url "rocket.mpg" starttime 0 geometry Box { Além de campos para especificar a textura a ser mapeada, o nó possui campos que permitem controlar a exibição do filme. Sound: O node Sound especifica o volume e parâmetros espaciais do som, como localização da fonte sonora e poder de alcance NavigationInfo O node NavigationInfo indica para o browser qual método de interação é mais apropriado para o mundo. Os tipos de navegação disponíveis são :

11 WALK: apropriado para paisagens onde o observador pode andar. EXAMINE: indicado para inspecionar objetos que o observador pode manipular. FLY: indicado para explorar, com vistas aéreas, espaços abertos. NONE: a navegação da cena tem que ser fornecida explicitamente pelo autor do mundo, através de viewpoints e scripts. Exemplo: # Desenho de um Cube sem o Navegador VRML Background { skycolor NavigationInfo { type "NONE" visibilitylimit 11 # define um bloco de um obejto (Shape) # define a aparência do Shape diffusecolor # r g b geometry Box { # define a geometria do Shape # fim do shape size # larg, altura, prof Viewpoint O nó Viewpoint descreve a posição, a orientação e o campo de visão para a observação de uma cena. Por default, o observador entra no mundo na posição ( 0.0, 0.0, 10.0 ). Com o nó Viewpoint podem ser especificados: novas posições de entrada do observador no mundo VRML pontos de observação especiais nomes para estes pontos, para que eles apareçam como opções do menu do browser # Há duas posições definidas. Para nevegar entre elas use o # comando do Browser específico para navegação entre Viewpoints Viewpoint { position description "Entry" Viewpoint { position description "Mudar Viewpoint" diffusecolor geometry Box {

12 Anchor O nó Anchor cria um hyperlink com outras mídias (página HTML, imagem, mundo VRML). O nó Anchor cria um grupo, sendo que ada nó desse grupo é exibido. Ao ser apontado um objeto definido como nó filho de Anchor, o hyperlink é ativado. Uma descrição pode ser associada ao nó Anchor. Exemplo: # Exemplo do uso de links Anchor { children [ Transform { translation children [ # As transformações pode ter um ou mais "filhos" # Estes "filhos" são Shapes ou outras transformações diffusecolor geometry Box { # Fim do Transform # Fim do Children do Anchor url ["Box.wrl" # fim do Anchor Anchor { children [ Transform { translation scale rotation # eixo e ângulo (em radianos) children [ # As transformações pode ter um ou mais "filhos" # Estes "filhos" são Shapes ou outras transformações diffusecolor geometry Cylinder { # Fim do Transform # Fim do Children do Anchor url ["Cylinder.wrl" # fim do Anchor Inline # Desenho de dois cubo com transformações geométricas Transform { translation rotation # eixo e ângulo (em radianos) (1.57 = 90 graus) scale children [ # As transformações pode ter um ou mais "filhos" Inline { url ["Box.wrl"

13 Transform { translation scale rotation # eixo e ângulo (em radianos) children [ Inline { url ["Sphere.wrl" Animação # Desenho de um cubo que rotaciona NavigationInfo { type "EXAMINE" DEF MainTransform Transform { children diffusecolor specularcolor ambientintensity.9 shininess 0.9 emissivecolor geometry Box { #fim shape #fim transform DEF MainInterpolator OrientationInterpolator { key [ keyvalue [ DEF MainTimer TimeSensor { loop TRUE cycleinterval 5 ROUTE MainTimer.fraction_changed TO MainInterpolator.set_fraction ROUTE MainInterpolator.value_changed TO MainTransform.rotation Java Script EAI (External Authoring Interface) permite que uma applet escrita em Java, em uma página HTML envie eventos para o mundo VRML. A applet Java também pode ser notificada quando um node da cena enviar eventos. Viewpoint { position geometry DEF T Text { string [ "" Script { directoutput TRUE

14 field SFNode T USE T url "javascript: function initialize() { newdate = new Date(); day = newdate.getday(); date = newdate.getdate(); if(day == 0) daystring = 'Sunday'; else if(day == 1) daystring = 'Monday'; else if(day == 2) daystring = 'Tuesday'; else if(day == 3) daystring = 'Wednesday'; else if(day == 4) daystring = 'Thursday'; else if(day == 5) daystring = 'Friday'; else if(day == 6) daystring = 'Saturday'; textstring = new MFString(); textstring[0 = 'Today is '+daystring+' the '+date; T.set_string = textstring; " Melhorando o Desempenho O nó de agrupamento LOD (Level of Detail) cria um grupo de representações que descrevem diferentes versões de um mesmo objeto. O nó LOD especifica vários níveis de detalhe e o browser escolhe a versão apropriada do objeto de acordo com a distância entre o objeto e o observador. Os nós filhos de LOD devem ser listados em ordem decrescente de nível de detalhe. Os nós com menor nível de detalhe devem ter geometria simples, pouca textura e nenhum texto Reduzindo Arquivos Se o objeto é usado mais de uma vez, é mais eficiente dar um nome ao objeto com DEF e, depois, referenciá-lo com USE. Devem ser eliminados espaços em branco no arquivo VRML. Os números reais devem ter poucas casas decimais. Devem ser usados arquivos comprimidos. Para texturas, de preferência, devem ser usados JPEG ou PNG; para movies, MPEG Simplificação da Cena Devem ser criados modelos com apelo visual com o uso de poucos polígonos. Adicionar uma pequena textura a um polígono é mais barato do que criar vários polígonos. Usar texturas mais simples de um só componente, combinadas com o material do objeto, é um meio econômico de produzir efeitos realísticos. O uso de iluminação afeta o desempenho do mundo VRML. Para exibição mais rápida, efeitos de iluminação devem ser usados com moderação. Devem ser usados DEF e USE para criar múltiplas instâncias de um mesmo nó.

VRML2.0. Tutorial. Marcos Carrard

VRML2.0. Tutorial. Marcos Carrard UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul DeTec Departamento de Tecnologia Bacharelado em Informática Tutorial VRML2.0 Marcos Carrard Ijuí (RS), 2000/2001 Apresentação Este

Leia mais

Virtual Reality Modeling Language

Virtual Reality Modeling Language Virtual Reality Modeling Language Luís Manuel Borges Gouveia Fevereiro de 1998 Objectivo da apresentação: - duzir o 2.0 como linguagem de especificação de cenas 3D Pre-requisitos - conhecimento de princípios

Leia mais

Realidade Virtual: Conceitos e Aplicações REALIDADE VIRTUAL

Realidade Virtual: Conceitos e Aplicações REALIDADE VIRTUAL Realidade Virtual: Conceitos e Aplicações Curso de Informática Disciplina: Prof. Marcelo Walter Palestrante: Prof. Fernando Osório 2000/1 UNISINOS - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas (C6/6) Curso

Leia mais

VRML Virtual Reality Modeling Language

VRML Virtual Reality Modeling Language Roteiro VRML Virtual Reality Modeling Language INTRODUÇÃO AO VRML Baseado em apresentação de Judith Kelner, Alejandro Frery 1. O que é VRML 2. Histórico 3. Objetivos da VRML 4. VRML, Internet e WWW 5.

Leia mais

PLANETA X DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO VIRTUAL UTILIZANDO A TECNOLOGIA VRML

PLANETA X DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO VIRTUAL UTILIZANDO A TECNOLOGIA VRML PLANETA X DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO VIRTUAL UTILIZANDO A TECNOLOGIA VRML Fabrício Viero de Araujo Universidade Luterana do Brasil - ULBRA Brasil rufos@terraz.com.br Andre Zanki Cordenonsi Centro Universitário

Leia mais

Gráficos 3D na Internet

Gráficos 3D na Internet capítulo 1. Gráficos 3D na Internet Um dos mais recentes desenvolvimentos na Internet foi a implantação do VRML (Virtual Reality Modelling Language) como uma linguagem de descrição de cenas virtuais interactivas

Leia mais

A OTIMIZAÇÃO DE MODELOS EM REALIDADE VIRTUAL PARA ENGENHARIA

A OTIMIZAÇÃO DE MODELOS EM REALIDADE VIRTUAL PARA ENGENHARIA A OTIMIZAÇÃO DE MODELOS EM REALIDADE VIRTUAL PARA ENGENHARIA José Luís Farinatti Aymone aymone@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Arquitetura, Departamento de Expressão Gráfica

Leia mais

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos)

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Computação gráfica tridimensional Modelagem tridimensional Elaboração de imagens tridimensionais Realidade virtual Formatos tridimensionais: DXF, padrão

Leia mais

Índice 1. INTRODUÇÃO E BREVE HISTÓRICO 1 2. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE VRML 2 3. GERANDO MUNDOS VRML 3 4. COMBINANDO VRML E JAVASCRIPT 36

Índice 1. INTRODUÇÃO E BREVE HISTÓRICO 1 2. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE VRML 2 3. GERANDO MUNDOS VRML 3 4. COMBINANDO VRML E JAVASCRIPT 36 Índice 1. INTRODUÇÃO E BREVE HISTÓRICO 1 2. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE VRML 2 3. GERANDO MUNDOS VRML 3 3.1. FORMAS PRIMITIVAS E SUAS COMBINAÇÕES 3 3.1.1. EXPERIMENTANDO COM TEXTOS 5 3.2. TRANSFORMAÇÕES

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Uma interface de comunicação para o ambiente VEPersonal utilizando Xj3D e a API Scene Authoring Interface

Uma interface de comunicação para o ambiente VEPersonal utilizando Xj3D e a API Scene Authoring Interface UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Trabalho de Graduação Uma interface de comunicação para o ambiente VEPersonal utilizando Xj3D e a API Scene Authoring

Leia mais

Aula 03: Noções Fundamentais do CSS, Formatação de Fonte e Inserção de Imagens

Aula 03: Noções Fundamentais do CSS, Formatação de Fonte e Inserção de Imagens Aula 03: Noções Fundamentais do CSS, Formatação de Fonte e Inserção de Imagens Tag para inserir imagens e HTML O modelo CSS Noções fundamentais e funcionamento do CSS Incluindo estilos em uma página Sintaxe

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Optimização de um Mundo Virtual

Optimização de um Mundo Virtual secção 3.2 Optimização de um Mundo Virtual Dadas as limitações impostas pela actual tecnologia, um mundo virtual que não seja cuidadosamente optimizado torna-se necessariamente demasiado lento para captar

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

2- Quais são as características da computação gráfica?

2- Quais são as características da computação gráfica? QUESTÕES DE REVISÃO PARA A PROVA - COMPUTAÇÃO GRÁFICA 2014 1- Defina computação gráfica? A computação gráfica é a área da computação destinada à geração de imagens em geral em forma de representação de

Leia mais

Gráficos tridimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/31

Gráficos tridimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/31 Gráficos tridimensionais Introdução ao MATLAB p1/31 Introdução Existe uma grande variedade de funções para exibir dados em três dimensões Podemos utilizar curvas em três dimensões, superfícies em retalhos

Leia mais

Programação Externa. capítulo 3.

Programação Externa. capítulo 3. capítulo 3. Programação Externa A partir da versão 2.0, o VRML possui capacidade de adicionar alguns comportamentos aos objectos, tais como animação, detecção de acções do utilizador, execução de clips

Leia mais

Modelagem e Desenvolvimento do Campus Virtual Tridimensional da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR)

Modelagem e Desenvolvimento do Campus Virtual Tridimensional da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR) Este artigo foi reproduzido do original final entregue pelo autor, sem edições, correções ou considerações feitas pelo comitê técnico. A C&D não se responsabiliza pelo conteúdo. Outros artigos podem ser

Leia mais

Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais (Material) 10

Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais (Material) 10 Criiar uma Aniimação usando o 3D Studio MAX?? RELEASE 3 Nuno Silva nº 5768 Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais

Leia mais

Apostila 01 Conceitos de Modelagem.

Apostila 01 Conceitos de Modelagem. Apostila 01 Conceitos de Modelagem. 1- Conceitos Basicos O Autodesk 3ds Max é um programa de modelagem tridimensional que permite renderização de imagens e animações. Sendo usado em produção de filmes

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

Vivaty Studio Manual e Guia de exploração do Vivaty Studio para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnológica currículo.

Vivaty Studio Manual e Guia de exploração do Vivaty Studio para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnológica currículo. Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica Vivaty Studio Manual e Guia de exploração do Vivaty Studio para utilização em contexto de Educação

Leia mais

Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março

Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março Avaliação Passos para Site Acessível -Seguir padrões Web; -Seguir as diretrizes e recomendações de acessibilidade; -Realizar avaliação de acessibilidade.

Leia mais

Realidade Virtual: Aumentando ainda mais o realismo

Realidade Virtual: Aumentando ainda mais o realismo Universidade do Vale do Rio dos Sinos Realidade Virtual: Aumentando ainda mais o realismo Mestrado em Computação Aplicada Dr. Fernando S. Osório fosorio@unisinos.br Milton Roberto Heinen mheinen@turing.unisinos.br

Leia mais

MODELAGEM E VISUALIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS NA WEB

MODELAGEM E VISUALIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS NA WEB MODELAGEM E VISUALIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS NA WEB Verônica Stocchi Marinho 1, Jackson Gomes de Souza 1 1 ULBRA Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP) Caixa Postal 15.064 91.501-970 Palmas

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

Manual de utilização MAWI

Manual de utilização MAWI Manual de utilização MAWI Nascido a partir de um PIBIC, MAWI é um projeto da criação de um motor 2D multiplataforma para o ambiente web, usando recursos do estado da arte introduzidos pelo HTML5, não só

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 4.2.1 Criação de Splines (continuação) Circle Spline Create panel > Shapes > Splines > Object Type > Circle Create menu > Shapes > Circle Use Circle para criar splines circulares fechadas feitas de quatro

Leia mais

A barra de ferramentas abaixo resume os principais comandos de texto para trabalhar com o AutoCAD:

A barra de ferramentas abaixo resume os principais comandos de texto para trabalhar com o AutoCAD: TRABALHANDO COM TEXTOS Para desenhar textos o AutoCAD possui duas importantes ferramentas. O processo ded inserir o texto no desenho é fácil e as dúvidas costumam surgir na definição do tamanho da letra.

Leia mais

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP OpenJUMP No início foi chamado apenas de JUMP (JAVA Unified Mapping Platform), e se tornou popular no mundo livre de SIG(Sistema de informação Geográfica), desenhado por Vivid Solutions. Atualmente é desenvolvido

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

VIDJAYA INFORMÁTICA LTDA.

VIDJAYA INFORMÁTICA LTDA. Parametrização do formato e características visuais da tabela eletrônica Área Operacional Servidor Área Espelho Terminal (2) Modelo de terminal 1 Área Operacional Modelo de terminal 2 Modelo de terminal

Leia mais

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho Computação Gráfica Introdução Profª Alessandra Martins Coelho março/2013 Introdução Computação gráfica (CG) é a utilização de computadores para gerar imagens (GUHA, 2013). Nos dias atuais, para não se

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL FACULDADE DE INFORMÁTICA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CAMPUS GRAVATAÍ

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL FACULDADE DE INFORMÁTICA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CAMPUS GRAVATAÍ UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL FACULDADE DE INFORMÁTICA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CAMPUS GRAVATAÍ SIMULAÇÃO DO ENVELHECIMENTO FACIAL EM UM AMBIENTE VIRTUAL 3D Silvana Cardoso Justo Monografia

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Manual do usuário Desenvolvendo páginas em Drupal Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Conteúdo Primeiro Passo... 3 1.1 Login... 3 1.2 Recuperando a Senha...

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

Oficina de Construção de Páginas Web

Oficina de Construção de Páginas Web COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina de Construção de Páginas Web Criação e Publicação Guião Páginas WWW com o editor do Microsoft Office Word 2003 1. Introdução. 2. Abrir uma página Web. 3. Guardar

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO HTML COMPONENTES: ROBSON EDMILSON

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO HTML COMPONENTES: ROBSON EDMILSON COMPONENTES: ROBSON EDMILSON O HTML (Hiper Text Mark-up Language) é uma linguagem de programação hipertexto. O HTML tem códigos para criar páginas na web. Estes códigos que definem o tipo de letra, qual

Leia mais

APOSTILA V DAC. Ferramentas Importantes

APOSTILA V DAC. Ferramentas Importantes APOSTILA V DAC Ferramentas Importantes FERRAMENTAS IMPORTANTES PARA A EXECUÇÃO DE UM DESENHO A importância do ZOOM A sintaxe do comando ZOOM permite selecionar um dos diferentes tipos de zoom, conforme

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA VIRTUAL DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO PARA FINS DE VISUALIZAÇÃO.

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA VIRTUAL DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO PARA FINS DE VISUALIZAÇÃO. JOSÉ CARLOS DIAS CURVELO JÚNIOR USO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA VIRTUAL DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO PARA FINS DE VISUALIZAÇÃO. Projeto final de curso

Leia mais

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP GUIA UNITY 3D E SKETCHUP Existe uma demanda pela utilização de modelos tridimensionais estereoscópicos para simular relações presenciais. Os projetos relacionados à esses modelos são conhecidos como CAVES.

Leia mais

2 HTML Inserindo objetos

2 HTML Inserindo objetos 2 HTML Inserindo objetos Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Desenvolvimento Web Imagem...3 Links...5 Links para locais da mesma página...6 Áudio e vídeo...8

Leia mais

Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia

Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia Júlia de Castro C. Magalhães 1, Wallacy Morais de Freitas 1, Lourdes M. Brasil 1, Valci V. Coelho 1, Antônio E.

Leia mais

LICENCIAMENTO DE USO. Este documento é propriedade intelectual 2002 do Centro de Computação da Unicamp e distribuído sob os seguintes termos:

LICENCIAMENTO DE USO. Este documento é propriedade intelectual 2002 do Centro de Computação da Unicamp e distribuído sob os seguintes termos: LICENCIAMENTO DE USO Este documento é propriedade intelectual 2002 do Centro de Computação da Unicamp e distribuído sob os seguintes termos: 1. As apostilas publicadas pelo Centro de Computação da Unicamp

Leia mais

Conceitos e Enquadramento Histórico

Conceitos e Enquadramento Histórico Conceitos e Enquadramento Histórico Edward Angel, Cap. 1 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Objectivos Aprender diferenças entre CG vectorial e raster (quadrículas) Conhecer evolução

Leia mais

1 Crie uma pasta (dentro do seu diretório) com o seu nome. 2. Se tiver dúvida pergunte o seu professor

1 Crie uma pasta (dentro do seu diretório) com o seu nome. 2. Se tiver dúvida pergunte o seu professor i.exe FrontPage Criação de Home Page s PPaaggi innaa 1 Sobre FrontPage Parte 1 Front Page é uma ferramenta para criação e gerenciamento de web s.o aluno não necessita de nenhum conhecimento de programação

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Animação. Animação. Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais

Animação. Animação. Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais Em sentido literal: Dar vida P.ex. Produzir uma sequência de desenhos em papel nos quais a posição de personagens muda ligeiramente em cada

Leia mais

Publicidade com Mavenflip

Publicidade com Mavenflip Publicidade com Mavenflip O sistema MavenFlip foi lançado em 2010, oferecendo uma proposta qualificada a pesquisadores, editoras e órgãos públicos que desejam criar versões digitais de suas publicações

Leia mais

PDI 1 - Projeto e Design de Interfaces Web

PDI 1 - Projeto e Design de Interfaces Web Introdução a HTML e XHTML Elementos básicos parte 2 Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: --Adicionando imagens; --Trabalhando com vídeos e sons em HTML; Disponível em http://wp.me/p48yvn-43 2 Inserindo

Leia mais

BrOffice.org - Impress

BrOffice.org - Impress BrOffice.org Impress 1 BrOffice.org - Impress Programa de apresentação, utilizado para criação e manipulação de slides. Os slides criados para uma eletrônica podem conter texto, gráficos, objetos, formas,

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM MUNDO VIRTUAL DISTRIBUÍDO UTILIZANDO DIS-JAVA-VRML

PROTÓTIPO DE UM MUNDO VIRTUAL DISTRIBUÍDO UTILIZANDO DIS-JAVA-VRML UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE UM MUNDO VIRTUAL DISTRIBUÍDO UTILIZANDO DIS-JAVA-VRML TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB Bons web sites necessitam de uma correta integração entre textos e imagens. Este artigo contém o mínimo que você precisa saber sobre imagens para a web. Introdução

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 2 3D Studio Max - Inicie desenhando na vista de topo uma base Box e duas esferas Sphere. Posicione-as conforme o desenho aplicando o comando move na

Leia mais

Design para internet. Resolução. - No Design Gráfico quanto maior o DPI melhor. - Na web não é bem assim.

Design para internet. Resolução. - No Design Gráfico quanto maior o DPI melhor. - Na web não é bem assim. Resolução - No Design Gráfico quanto maior o DPI melhor. - Na web não é bem assim. Resolução Exemplo de imagem com diferentes resoluções de Pontos/Pixels por polegada". Em uma imagem digital quanto mais

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

Pipeline de Visualização Câmara Virtual

Pipeline de Visualização Câmara Virtual Pipeline de Visualização Câmara Virtual Edward Angel, Cap. 5 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Na última aula... Transformações Geométricas Composição de Transformações Deformação

Leia mais

Modelo Digital de Terreno - V 6.5

Modelo Digital de Terreno - V 6.5 TCP MDT Modelo Digital de Terreno - V 6.5 Versão Standard Introdução A Versão Estandar é apropriada para a realização de todo tipo de projetos de levantamentos topográficos, perfis de terreno, cálculo

Leia mais

Applets no Geogebra. Acesse os endereços dados a seguir e conheça exemplos de Applets. http://206.110.20.132/~dhabecker/geogebrahtml/index.

Applets no Geogebra. Acesse os endereços dados a seguir e conheça exemplos de Applets. http://206.110.20.132/~dhabecker/geogebrahtml/index. Applets no Geogebra Sonia Regina Soares Ferreira UFBA Applet é um software aplicativo que é executado no contexto de outro programa. Os applets geralmente tem algum tipo de interface de usuário, ou fazem

Leia mais

Prática 3 Princípios da Animação

Prática 3 Princípios da Animação Prática 3 Princípios da Animação As animações em um site são bem discutidas quanto ao seu uso, pois, qualquer coisa que se movimenta na visão periférica ocupa lugar na consciência. Isso faz com que o usuário

Leia mais

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Eletrônica e Computação Prof. Cesar Tadeu Pozzer Disciplina: Computação Gráfica pozzer@inf.ufsm.br 19/03/2008 1. CG Computação Gráfica Introdução Teve

Leia mais

EXEMPLO. h1 {font-family: arial, verdana, sans-serif;} h2 {font-family: "Times New Roman", serif;}

EXEMPLO. h1 {font-family: arial, verdana, sans-serif;} h2 {font-family: Times New Roman, serif;} Fontes A propriedade font-family é usada para definir uma lista de fontes e sua prioridade para apresentação de um elemento em uma página. Se a primeira fonte da lista não estiver instalada na máquina

Leia mais

Visual Intelligence: importância da visualização na tomada de decisão 1. Visual Intelligence: the importance of visualization for decision making 1

Visual Intelligence: importância da visualização na tomada de decisão 1. Visual Intelligence: the importance of visualization for decision making 1 Visual Intelligence: importância da visualização na tomada de decisão 1 Paulo de Tarso Costa de Sousa 2 Resumo A crescente demanda por produtos e serviços às organizações ocasiona o crescimento de suas

Leia mais

Como Começar? Criação Páginas. Etapas. Apresentação INTERNET

Como Começar? Criação Páginas. Etapas. Apresentação INTERNET Como Começar? Criação Páginas Apresentação Etapas Como começar Para que um site tenha sucesso é necessário um correcto planeamento do mesmo. Todos os aspectos de desenho de um site devem ser pensados de

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica Art Of Illusion Manual e Guia de exploração do Art Of Illusion para utilização em contexto

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura

Leia mais

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Andouglas Gonçalves da S. Júnior¹, Filipe Gurgel Nóbrega¹, Julio Cesar Paulino de Melo 2, Aquiles

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

24-05-2011. Web. Técnico de Organização de Eventos Módulo III Criação de Páginas Web. Técnico de Organização de Eventos

24-05-2011. Web. Técnico de Organização de Eventos Módulo III Criação de Páginas Web. Técnico de Organização de Eventos Sumário Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução ao módulo III. Importância das Páginas Web. Conceitos básicos. Bases de funcionamento de um sistema WWW. Técnicas de implantação e regras básicas

Leia mais

Programação para Internet

Programação para Internet Programação para Internet Aula 07 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Programação web Prof. Wladimir

Programação web Prof. Wladimir Programação web Prof. Wladimir HTML @wre2008 1 Sumário Histórico; Resumo XHTML; Tags; Edição de documentos HTML; Publicação de um documento; Estrutura básica de um documento HTML; Edição de documentos

Leia mais

Verônica Stocchi Marinho MODELAGEM E VISUALIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS NA WEB

Verônica Stocchi Marinho MODELAGEM E VISUALIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS NA WEB Verônica Stocchi Marinho MODELAGEM E VISUALIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS NA WEB Palmas-TO 2004 Verônica Stocchi Marinho MODELAGEM E VISUALIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS NA WEB Trabalho de Estágio apresentado

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução O Gmail possui duas versões distintas para seu webmail: uma mais recente, que é a versão atual utilizada pelos usuários de Gmail, e

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo.

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. Manual de Instruções ECO Editor de Conteúdo Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. O ECO é um sistema amigável e intui?vo, mas abaixo você pode?rar eventuais dúvidas e aproveitar

Leia mais

Introdução ao HTML. Sumário

Introdução ao HTML. Sumário Introdução ao HTML Telemédia Grupo de Comunicações por Computador Sumário em HTML Texto Alternativo Alinhamento Margens Redimensionar 1 em HTML Para inserir uma imagem basta usar a etiqueta da seguinte

Leia mais

Programação para Internet

Programação para Internet Programação para Internet Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação Formação em game programming: Para que um jogo eletrônico funcione adequadamente como foi projetado, é necessário que ele esteja corretamente programado. Todas as funções de controle de personagens e objetos

Leia mais

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório REALIDADE VIRTUAL Tatiane Cruz de Souza Honório A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distinguir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Sumário Introdução Tipos de Sistemas

Leia mais

VISEDU-CG 3.0: Aplicação didática para visualizar material educacional Módulo de Computação Gráfica

VISEDU-CG 3.0: Aplicação didática para visualizar material educacional Módulo de Computação Gráfica VISEDU-CG 3.0: Aplicação didática para visualizar material educacional Módulo de Computação Gráfica SAMUEL ANDERSON NUNES ORIENTADOR: DALTON SOLANO DOS REIS FURB Universidade Regional de Blumenau DSC Departamento

Leia mais

APLICATIVO APRESENTAÇÕES EFEITOS IMAGENS POWERPOINT SLIDES SONS VÍDEOS TEXTOS

APLICATIVO APRESENTAÇÕES EFEITOS IMAGENS POWERPOINT SLIDES SONS VÍDEOS TEXTOS Respostas do Capítulo 1 1. Caça-palavras - Localize as seguintes palavras: APLICATIVO APRESENTAÇÕES EFEITOS IMAGENS POWERPOINT SLIDES SONS VÍDEOS TEXTOS IMAGEM 03 2. Use as palavras do quadro para completar

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage SeçãodoCorpo Imagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger SeçãodoCorpo Imagens Índice

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 12 Animação 12.1 - Criando Animação O 3Ds Max prevê uma série de maneiras diferentes para criar animação, e um conjunto de ferramentas para a gestão e edição de animação. Com o 3Ds Max, você pode criar

Leia mais

. (x,y) Programação III. Interface Gráfica - AWT. Interface Gráfica AWT Jocélio Passos joceliodpassos@bol.com.br

. (x,y) Programação III. Interface Gráfica - AWT. Interface Gráfica AWT Jocélio Passos joceliodpassos@bol.com.br Programação III Interface Gráfica AWT Jocélio Passos joceliodpassos@bol.com.br AWT Abstract Windowing ToolKit kit de Ferramentas Abstrato para Janelas Componentes GUI originais Pacote java.awt Deitel Capítulo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ TECNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES

Leia mais

3D GAME BUILDER: UMA GAME ENGINE PARA CRIAÇÃO DE AMBIENTES TRIDIMENSIONAIS ¹ Edirlei E. Soares de Lima ², Pedro Luiz de Paula Filho ³

3D GAME BUILDER: UMA GAME ENGINE PARA CRIAÇÃO DE AMBIENTES TRIDIMENSIONAIS ¹ Edirlei E. Soares de Lima ², Pedro Luiz de Paula Filho ³ 3D GAME BUILDER: UMA GAME ENGINE PARA CRIAÇÃO DE AMBIENTES TRIDIMENSIONAIS ¹ Edirlei E. Soares de Lima ², Pedro Luiz de Paula Filho ³ Resumo Este artigo apresenta o 3D Game Builder, uma ferramenta para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL ONLINE PARA O ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL ONLINE PARA O ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL ONLINE PARA O ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA Daniel de Carvalho Moreira Doris C. C. K. Kowaltowski Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo,

Leia mais

4.14 - Imagens: src único atributo que não pode ser omitido neste TAG Nota: img

4.14 - Imagens: <img src=...> src <img src=tecnologia.jpg> único atributo que não pode ser omitido neste TAG Nota: img 4.14 - Imagens: O TAG utilizado para a inclusão de imagens em páginas html é o: O atributo src especifica o local onde está a imagem e o seu nome. Nas páginas pessoais é mais comum o uso

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

PlayLib Educational Game Programming Library Documentação

PlayLib Educational Game Programming Library Documentação PlayLib Educational Game Programming Library Documentação Edirlei Soares de Lima elima@inf.puc-rio.br Sumário 1 Instalação e Configuração no Visual Studio 2010... 4 2 Estrutura de um Programa... 11 3 Loop

Leia mais

A plataforma Android: Uma Introdução

A plataforma Android: Uma Introdução A plataforma Android: Uma Introdução Android Iniciativa da Google de prover uma plataforma aberta para Web móvel Open Handset Alliance Associação de um grupo bastante heterogêneo de empresas (operadoras,

Leia mais

Imagens - Formatos. GIF (Graphics Interchange Format) JPEG (ou JPG) (Joint Pictures Experts Graphis)

Imagens - Formatos. GIF (Graphics Interchange Format) JPEG (ou JPG) (Joint Pictures Experts Graphis) Imagens - Formatos GIF (Graphics Interchange Format) - Muito popular na web. - Permite ter um máximo de 256 cores. - Indicado para cartoons, logos, imagens com áreas transparentes e animações. JPEG (ou

Leia mais

HTML. Conceitos básicos de formatação de páginas WEB

HTML. Conceitos básicos de formatação de páginas WEB HTML Conceitos básicos de formatação de páginas WEB HTML HyperText Markup Language Linguagem utilizada para criar hipertexto na web Ou seja, criar documentos estruturados utilizando para tal um conjunto

Leia mais

Manual do Publicador. Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web

Manual do Publicador. Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web Manual do Publicador Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web Sumário Painel de Administração... 3 1 - Inserção de post... 5 2 Publicação de post com notícia na área headline (galeria de

Leia mais

VWML: Linguagem e Ambiente de Modelagem de Mundos Virtuais

VWML: Linguagem e Ambiente de Modelagem de Mundos Virtuais VWML: Linguagem e Ambiente de Modelagem de Mundos Virtuais Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia da Computação César Augusto Mendonça de Carvalho Orientador: Prof. Ricardo Massa Ferreira Lima Recife,

Leia mais