Uso do Prediderm (prednisolona) no tratamento de dermatopatia e uveíte resultantes de alergia alimentar em cão da Raça Akita: relato de caso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso do Prediderm (prednisolona) no tratamento de dermatopatia e uveíte resultantes de alergia alimentar em cão da Raça Akita: relato de caso"

Transcrição

1 Uso do Prediderm (prednisolona) no tratamento de dermatopatia e uveíte resultantes de alergia alimentar em cão da Raça Akita: relato de caso Júllio da Costa Batista Parente I ; Bruna Pinto Coutinho II 1. Introdução A alergia alimentar é uma reação orgânica adversa aos alimentos, que envolve em seu mecanismo etiopatogênico, uma resposta alérgica (1). Estima-se que ela representa um por cento de todas as dermatopatias em cães e, dentre as alérgicas, é a terceira mais comum nessa espécie, precedida apenas pela dermatite alérgica a picada de ectoparasitas e dermatite atópica (2). A resposta alérgica frente a diferentes constituintes alimentares pode determinar alterações em diversos sistemas orgânicos como pele, trato gastrointestinal, trato respiratório, sitema nervoso central, sistema urinário e olhos (3,4). Entretanto, as manifestações cutâneas são as mais comumente obervadas, tendo como principal sintoma o prurido não sazonal, acompanhado ou não de lesões dermatológicas (1,2,5). O diagnóstico da alergia alimentar baseia-se na história clínica e nos resultados de exames complementares, como raspado cutâneo e micológico de pelame, histopatológico de pele, testes intradérmicos e provas sorológicas. Entretanto, o diagnóstico definitivo é baseado na resposta a terapia, obtida através da administração de uma dieta de eliminação, seguida pela exposição provocativa ao alimento que o animal costumava comer (1,5). Nos casos positivos para hipersensibilidade alimentar, os sinais clínicos desaparecem durante o período em que o animal está se alimentando de dietas hipoalergênicas, mas eles reaparecem com a reexposição provocativa (3). O tratamento dessa enfermidade consiste na introdução de uma dieta hipoalergênica caseira ou comercial, no controle mensal de pulgas e carrapatos, no tratamento de infecções secundárias, e na administração de corticóide quando o animal apresenta intenso prurido (1,3,5). 1 I. Aluno do quarto ano do curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza-Ceará. II. Médica Veterinária da Unidade Hospitalar Veterinária da UECE, Fortaleza-Ceará.

2 A uveíte é uma síndrome que acomete o trato uveal, freqüentemente observada em cães (6), tendo como principais causas doenças infecciosas, neoplasias, traumas e doenças imunomediadas (7,8,9), podendo, em raros casos, resultar de alergia alimentar (4). Os principais sinais clínicos de uveíte incluem flare no humor aquoso, congestão dos vasos circuncorneanos, hiperemia conjuntival, edema corneano, diminuição da pressão intraocular, diminuição da visão, hifema, hipópio, alteração na coloração da íris, precipitados ceráticos, miose, dor, granulomas, descolamento de retina, hemorragia retiniana e opacidade vítrea (8, 9). Os objetivos primordiais do tratamento da uveíte consistem em parar o processo inflamatório, minimizar as sequelas, manter a integridade da barreira hematoaquosa, diminuir a dor e preservar a visão. Para isso, são utilizados midriáticos, corticosteróides tópicos e sistêmicos, e antiinflamatórios não esteroidais. Quando a causa inicial é diagnosticada, o tratamento específico para a enfermidade de base deve ser realizado (9). Por ser raramente observado, este trabalho teve como objetivos relatar um caso de uveíte associada à dermatopatia, resultantes de alergia alimentar, e avaliar a eficácia do Prediderm no tratamento dessas enfermidades. 2. Relato de caso Uma canina, da raça Akita, quatro anos, pesando 24 kg, foi atendida no setor de clínica de pequenos animais da Universidade Estadual do Ceará, com histórico de apresentar há seis meses lesões ao redor dos olhos, secreção ocular, alopecia periocular e em outras regiões, prurido intenso e eritema generalizados, perda de peso progressiva e quadros frequentes de diarréia, apesar de alimentar-se bem e só de ração. Foi relatado que o animal havia sido subetido a vários tipos de tratamentos tópicos e sistêmicos a base de antibióticos e antifúngicos, mas o quadro clínico só agravava. O proprietário também informou que haviam sido realizados exames de sangue e sorologia para leishmaniose e os resultados encontravamse dentro dos parâmetros de normalidade. Ao exame clínico, a cadela apresentava uveíte, secreção ocular purulenta, blefarite e alopecia periocular bilateral (Figura 1A). Ela encontrava-se hidratada, com temperatura 38,3 ºC, mucosas normocoradas, apática, baixo escore corporal, linfonodos poplíteos aumentados, e com áreas de eritema, alopecia e rarefação pilosa por todo corpo. (Figura 1B). Não foram encontrados ectoparasitas. No atendimento foi realizada coleta de sangue para hemograma e bioquímicos, raspado de pele e pêlo para exame direto e cultura fúngica, teste de schirmer e fluoresceína. Foi solicitado 2

3 punção medular e de linfonodo, e biópsia de pele. Os resultados dos exames de sangue, do teste de schirmer e de fluoresceína não demonstraram alteração. O raspado de pele e a cultura deram negativos. Não foram observados parasitas na punção medular e de linfonodo. Com esses resultados, o animal foi submetido à biópsia de pele das lesões localizadas nas pálpebras, lábio e em membro pélvico direito. Os achados histológicos permitiram concluir tratar-se de um quadro de dermatite alérgica com padrão misto em todos os fragmentos coletados, e associado à infecção fúngica nas lesões palpebrais, tendo como principais suspeitas alergia alimentar ou atopia em conjunto com a dermatomicose. Logo após a biópsia de pele, devido ao intenso prurido e quadro de uveíte, foi prescrito Prediderm 20 mg (prednisolona) na dose de 1 mg/kg a cada 12 horas. A B Figura 1: A. Alopecia periocular com despigmentação palpebral e uveíte devido à alergia alimentar. Note flare, edema corneano, neovascularização, mudança na coloração da íris, e secreção ocular. B. Áreas de alopecia em membros e rarefação pilosa com presença de pêlos opacos e quebradiços por todo corpo. Após 15 dias de tratamento com o corticóide o animal retornou para receber o resultado do histopatológico e reavaliação. Nesse momento o mesmo já apresentava melhora significativa no quadro de uveíte (Figura 2A) e das lesões de pele, resultantes do uso do Prediderm (Figura 2B), mas ainda permanecia com quadros intermitentes de diarréia. De acordo com o proprietário essa melhora já era notável a partir do sétimo dia de tratamento. Com o resultado da biópsia, foi precrito ração hipoalergenica, itraconazol (10mg/kg-SID, 30 dias), colírio de tobramicina e dexametasona, (1 gota a cada 8 horas, 15 dias), e o NEOpet kg (fipronil) a cada 30 dias para manter o controle de ectoparasitas. O Prediderm foi mantido, mas a partir desse momento iniciou a remoção gradativa dessa medicação, durante os 10 dias seguintes. 21 dias após início do tratamento com as demais medicações e a nova dieta, a cadela não apresentava uveíte, nem prurido, as fezes estavam normais e ela ganhou peso (Figura 3A e 3B). Após seis semanas com a dieta hipoalergênica, o animal foi submetido 3

4 à exposição provocativa e em sete dias ele voltou a apresentar prurido nas regiões periocular e abdominal, lesões cutâneas e flare corneano, confirmando o diagnóstico de alergia alimentar. A B Figura 2: A e B. Melhora nos quadros de blefarite e uveíte, e das lesões cutâneas, respectivamente, após 15 dias de tratamento com Prediderm. A B Figura 3: A e B. Remissão total da uveíte e sinais dermatológicos, respectivamente, 21 dias após a associação das demais medicações e introdução da dieta hipoalergênica. 3. Discussão Apesar de não haver predisposição etária, cerca de 68% dos pacientes com alergia alimentar ficaram expostos ao alimento por pelo menos dois anos antes de apresentar os sinais clínicos (2,5). Neste relato a cadela começou a apresentar alterações oftálmicas, dematológicas e gastrointestinais aos três anos de vida. Dentre os principais diagnósticos diferencias de alergia alimentar encontram-se a atopia e dermatite alérgica a picada de ectoparasitas (2). Por isso, foi prescrito aplicação do ectoparasiticida NEOpet kg mensalmente, a fim de se evitar interferências diagnósticas. Casos de uveíte resultantes de infecções fúngicas e alergias alimentares já foram relatados, sendo este raramente observado (4,9). Neste caso, a paciente apresentava ambas as alterações, entretanto acredita-se que a alergia tenha sido a responsável pelo quadro oftálmológico, devido ausência de resposta favorável do animal ao tratamento com 4

5 antifúngicos e antibióticos anteriormente realizados, já apresentando melhora significativa dos sinais clínicos somente com o uso do Prediderm. De acordo com a literatura, o aparecimento de sinais gastrointestinais associados à dermatopatia é tido como raro em cães com alergia alimentar (2), sendo ainda mais raro o desenvolvimento de quadros oftalmológicos (4). No presente caso a cadela apresentava acometimento desses sistemas concomitantemente. A dieta de eliminação caseira balanceada é ideal para o estabelecimento do diagnóstico de alergia alimentar. Entretanto, quando houver impedimento para o fornecimento desse tipo de alimentação, a ração hipoalergênica torna-se a primeira opção, podendo ser utilizada no diagnóstico e manutenção dos animais alérgicos (1,10). No presente caso, por restrições de tempo, o proprietário optou pela dieta comercial. A resposta à corticoideterapia obervadas nos quadros dermatológico e oftalmológico, confirma os resultados favoráveis obtidos por Salzo,2009 (1) e Fernandes, 2005 (2), respectivamente, tornando-se fundamental na adequada preservação da visão do animal. Além disso, assim como foi observado por esses autores, mesmo após a remoção do Prediderm, a melhora obtida pelo uso dessa medicação perdurou durante todo o período de manutenção da dieta. Assim como observado por Rosser em 1993 (11), em função da gravidade de condições secundárias, tratamentos concomitantes tornam-se necessários para os estágios iniciais de avaliação da dieta de eliminação. Neste relato a cadela apresentava infecção fúngica associada, por isso foi introduzido o itraconazol a terapia, e acredita-se que o exame direto e a cultura fúngica tenham dado negativos, devido tratamento previamente realizado com antifúngico tópico e sistêmico. Quando reexposta a dieta provocativa, a paciente apresentou uma recaída no quadro clínico logo na primeira semana, obtendo-se então, o diagnóstico definitivo de alergia alimentar, coincidindo com resultados obervados por SALZO, 2009 (1). 4. Conclusão A proposta desse relato foi descrever um caso incomum de uveíte associada à dematopatia resultantes de alergia alimentar e o efeito do Prediderm no tratamento. Neste caso, observou-se que uso de Prediderm na dose de 1 mg/kg-bid se mostrou eficaz no tratamento da uveíte, e melhora dos demais sinais clínicos e dermatológicos resultantes da alergia alimentar, permitindo a integridade visual do paciente, diminuição significativa do prurido e permitiu a manutenção do quadro com a ração hipoalergênica após a sua retirada da 5

6 terapia medicamentosa. Além disso, o NEOpet demonstrou-se muito eficaz na prevenção de ectoparasitas, os quais poderiar interferir em nosso diagnóstico. 5. Referências Bibliográficas (1) SALZO, P.S.; LARSSON, C.E. Hipersensibilidade alimentar em cães. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v 61, n 3, p , (2) FERNANDES, M.E. Alergia alimentar em cães f. Dissertação (mestrado) - Programa de Pós-graduação em Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. (3) JACKSON, H.A. Diagnostic techniques in dermatology: the investigation and diagnosis of adverse food reactions in dogs and cats. Clinical Techniques in Small Practice, v 16, n 4, p , doi: /svms (4) AMER, M.D. et al. Uveitis associated with immunoglobulin E-mediated allergic disease. Clinical & Experiment Ophthalmology, v 35, n 7, p , (5) GASCHEN, F.P. Adverse food reactions in dogs and cats. Veterinary Clinics Small Animal, v 41, p , doi: /j.cvsm (6) PONTES, K.C.S. et al. Etiopatogenia da uveíte associada a doenças infecciosas em pequenos animais. Revista Ceres, v 53, n 309, p , (7) GOODHEAD, A.D. Uveitis in dogs and cats: guidelines for the practitioner. Journal of the South African Veterinary Association, v 67, n 1, p 12-19, (8) GELATT, K.N. Doenças e cirurgia da úvea anterior do cão. In:. Manual de oftalmologia veterinária. São Paulo, Manole. c 9, p , (9) TOWNSEND, W.M. Canine and feline uveitis. Veterinary Clinics, v 38, p , (10) OLIVRY, T.; BIZIKOVA, P. A systematic review of the evidence of reduced allergenicity and clinical benefit of food hydrolysates in dogs with cutaneous adverse food reaction. Veterinary Dermatology, v 21, p 32-41, (11) ROSSER, E.J. Diagnosis of food allergy in dogs. Journal American Veterinary Medical Association, v 203, p ,

7 6. Anexos 7

LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril bimatoprosta (0,03%) BULA PARA O PACIENTE Bula para o Paciente Pág. 1 de 7 APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1

TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1 TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1 1 - Graduanda em Medicina Veterinária pelo Centro Universitário de Rio Preto UNIRP

Leia mais

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Implante Biodegradável para Uso Oftálmico Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Implante biodegradável para uso oftálmico

Leia mais

DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE INSETOS EM EQUINO RELATO DE CASO

DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE INSETOS EM EQUINO RELATO DE CASO DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE INSETOS EM EQUINO RELATO DE CASO LUCCHIARI, Gustavo Vendrame MARQUES, Débora Juliana Discente do Curso de Medicina Veterinária FAEF Garça. Rodovia Comandante João Ribeiro

Leia mais

VOLTAREN DU Colírio diclofenaco sódico

VOLTAREN DU Colírio diclofenaco sódico VOLTAREN DU Colírio diclofenaco sódico Forma farmacêutica, via de administração e apresentações Solução oftálmica (colírio) Via tópica ocular. Embalagens com 20 flaconetes de dose única de 0,3 ml cada.

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LATISSE ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Tópica Estéril bimatoprosta 0,03% BULA PARA O PACIENTE Bula para o Paciente - CCDS 7.0 Nov 2012 Pág. 1 de 9 APRESENTAÇÕES Solução Tópica Estéril Caixa

Leia mais

FÓRUM VET. Julho 2014 Nº 4 HYPOALLERGENIC

FÓRUM VET. Julho 2014 Nº 4 HYPOALLERGENIC FÓRUM VET Julho 2014 Nº 4 Avaliação do uso de dieta comercial com proteína hidrolizada em animais com dermatopatia alérgica Equilíbrio Hypoallergenic - Total Alimentos HA HYPOALLERGENIC Informativo técnico

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite de lyme Versão de 2016 1. O QUE É ARTRITE DE LYME 1.1 O que é? A artrite de Lyme é uma das doenças causadas pela bactéria Borrelia burgdorferi (borreliose

Leia mais

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato

Leia mais

DERMATOFITOSE POR MICROSPORUM GYPSEUM EM FELINO: RELATO DE CASO FELINE DERMATOPHYTOSIS BY MICROSPORUM GYPSEUM: CASE REPORT

DERMATOFITOSE POR MICROSPORUM GYPSEUM EM FELINO: RELATO DE CASO FELINE DERMATOPHYTOSIS BY MICROSPORUM GYPSEUM: CASE REPORT DERMATOFITOSE POR MICROSPORUM GYPSEUM EM FELINO: RELATO DE CASO FELINE DERMATOPHYTOSIS BY MICROSPORUM GYPSEUM: CASE REPORT BALDINI, M.C. 1 ; MOREIRA, K.C. 2 ; FERRARIAS, T.M. 3 ; ROSSI, F.Z. 4 ; BENTUBO,

Leia mais

PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml

PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml COLÍRIO PRESMIN betaxolol 0,5% MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

Leia mais

[175] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO. Parte III P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S I N F E C C I O S A S

[175] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO. Parte III P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S I N F E C C I O S A S [175] Geralmente ocorre leucocitose com neutrofilia. A urina contém bile, proteína hemácias e cilindros. Ocorre elevação de CK que não é comum em pacientes com hepatite. Oligúria é comum e pode ocorrer

Leia mais

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO Conjuntivite Olho seco Hemorragia subconjuntival Blefarite Erosão córnea e corpos estranhos córnea Pós trauma Episclerite Uveite anterior Queimaduras químicas Esclerite

Leia mais

cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg

cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg cloridrato de loperamida Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg em embalagem com 12 e 200 comprimidos.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS CELULITE JUVENIL EM UM CANINO DA RAÇA BASSET HOUND - RELATO DE CASO Carolina Oliveira Araujo

Leia mais

COMO EU TRATO CONJUNTIVITE ALÉRGICA

COMO EU TRATO CONJUNTIVITE ALÉRGICA COMO EU TRATO CONJUNTIVITE ALÉRGICA As conjuntivites alérgicas em crianças apresentam-se habitualmente de forma grave, principalmente as do tipo primaveril. Há quatro formas de conjuntivite alérgica: Sazonal,

Leia mais

TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea

TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea NÚMERO: 18 TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea AUTORES: Nayara Nakamura Hirota¹, Eduardo Buzolin Barbosa¹, Renata Tiemi Kashiwabuchi² 1 Residente do terceiro

Leia mais

Predef (Acetato de Isoflupredona)

Predef (Acetato de Isoflupredona) Uso Veterinário Administração intramuscular ou intra-sinovial. Descrição: Cada ml contém 2 mg de acetato de isoflupredona; 4,5 mg de citrato de sódio anidro; 120 mg de polietilenoglicol 3350; 1 mg de povidona;

Leia mais

Neo Fresh. (carmelose sódica)

Neo Fresh. (carmelose sódica) Neo Fresh (carmelose sódica) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução oftálmica estéril 5mg/mL (0,5%) I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: NEO FRESH carmelose sódica 0,5% APRESENTAÇÃO Solução

Leia mais

ARTRITE REUMATOIDE CANINA RELATO DE CASO

ARTRITE REUMATOIDE CANINA RELATO DE CASO 1 ARTRITE REUMATOIDE CANINA RELATO DE CASO REBECA BACCHI-VILLANOVA 1, GUILHERME FERNANDO DE CAMPOS 2 ; POLIANA FREITAS 2 ; SABRINA MARIN RODIGHERI 3 ; PATRÍCIA MOSKO 1 ; ALYNE ARIELA 2 1 Doutoranda do

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 HIPERPLASIA MAMÁRIA FELINA: CASOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DE UBERABA DE 2005 A 1015 DEBORAH VIEIRA DE SOUSA ROSIM 1, ENDRIGO GABELLINI LEONEL ALVES 1, IAN MARTIN 1 ; LARYSSA COSTA REZENDE 1

Leia mais

Modelo de Texto de Bula. betametasona (como 17-valerato)... 1mg (0,1% p/p) veículo: (carbopol, álcool isopropílico e água purificada q.s.p)...

Modelo de Texto de Bula. betametasona (como 17-valerato)... 1mg (0,1% p/p) veículo: (carbopol, álcool isopropílico e água purificada q.s.p)... Betnovate valerato de betametasona Capilar FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: BETNOVATE Capilar é uma solução transparente, levemente viscosa, contendo 17-valerato de betametasona a 0,1% p/p. O veículo

Leia mais

MAXIDEX* SUSPENSÃO dexametasona 1,0 mg/ml

MAXIDEX* SUSPENSÃO dexametasona 1,0 mg/ml Maxidex_Bula_Profossional da saúde MAXIDEX* SUSPENSÃO dexametasona 1,0 mg/ml APRESENTAÇÃO: Suspensão oftálmica estéril. Frasco plástico conta-gotas contendo 5 ml de suspensão oftálmica. VIA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ATRED pemetrexede dissódico MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

ATRED pemetrexede dissódico MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA ATRED pemetrexede dissódico MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para solução injetável contendo 100 mg de pemetrexede (base anidra) ou 500 mg de pemetrexede

Leia mais

VALERATO DE BETAMETASONA GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme Dermatológico. 1 mg / g

VALERATO DE BETAMETASONA GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme Dermatológico. 1 mg / g VALERATO DE BETAMETASONA GERMED FARMACÊUTICA LTDA Creme Dermatológico 1 mg / g valerato de betametasona "Medicamento Genérico, Lei nº. 9.787, de 1999". APRESENTAÇÕES valerato de betametasona creme 1mg

Leia mais

ATRED. Libbs Farmacêutica Ltda. Pó liofilizado para solução injetável 100 mg e 500 mg

ATRED. Libbs Farmacêutica Ltda. Pó liofilizado para solução injetável 100 mg e 500 mg ATRED Libbs Farmacêutica Ltda. Pó liofilizado para solução injetável 100 mg e 500 mg ATRED pemetrexede dissódico APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para solução injetável contendo 100 mg de pemetrexede (base

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

Zina. (dicloridrato de levocetirizina)

Zina. (dicloridrato de levocetirizina) Zina (dicloridrato de levocetirizina) Bula para paciente Comprimido revestido 5 mg Zina (dicloridrato de levocetirizina) MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Comprimido revestido

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA No dia-a-dia de um consultório de alergia é muito comum o cliente chegar achando que seu problema alérgico está relacionado à alergia alimentar, principalmente quando

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA RELESTAT ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de epinastina 0,05% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA TÍTULO: ANÁLISE DE RASPADOS CUTÂNEOS PARA DIAGNÓSTICO DE DERMATOFITOSES EM ANIMAIS ATENDIDOS PELO HOSPITAL VETERINÁRIO (UFRPE) AUTORES: R. F. C. VIEIRA; L. B. G. SILVA; M. L. FIGUEIREDO; R. A. MOTA; A.

Leia mais

dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL

dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE dicloridrato de cetirizina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO Solução oral 1mg/mL Embalagem

Leia mais

ZADITEN Colírio fumarato de cetotifeno. APRESENTAÇÕES Solução oftálmica (Colírio) Zaditen Colírio. Embalagem com frasco conta-gotas contendo 5 ml.

ZADITEN Colírio fumarato de cetotifeno. APRESENTAÇÕES Solução oftálmica (Colírio) Zaditen Colírio. Embalagem com frasco conta-gotas contendo 5 ml. ZADITEN Colírio fumarato de cetotifeno APRESENTAÇÕES Solução oftálmica (Colírio) Zaditen Colírio. Embalagem com frasco conta-gotas contendo 5 ml. VIA TÓPICA OCULAR USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 3 ANOS

Leia mais

OFTPRED. Suspensão Oftálmica Estéril. acetato de prednisolona 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA

OFTPRED. Suspensão Oftálmica Estéril. acetato de prednisolona 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA OFTPRED LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA Suspensão Oftálmica Estéril acetato de prednisolona 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE COLÍRIO OFTPRED acetato de prednisolona 1,0% APRESENTAÇÕES Suspensão

Leia mais

BIAMOTIL-D ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de ciprofloxacino (3,5 mg/g) dexametasona (1,0 mg/g)

BIAMOTIL-D ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de ciprofloxacino (3,5 mg/g) dexametasona (1,0 mg/g) BIAMOTIL-D ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de ciprofloxacino (3,5 mg/g) dexametasona (1,0 mg/g) BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco

Leia mais

FINASTIL (finasterida)

FINASTIL (finasterida) FINASTIL (finasterida) EMS SIGMA PHARMA LTDA Comprimido Revestido 5 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FINASTIL finasterida APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 5 mg de finasterida acondicionados em embalagem

Leia mais

TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO

TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO 1 TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO LYS DE BARROS FOGAGNOLI 1, MILTON MIKIO MORISHIN FILHO 2. 1- Graduanda Medicina Veterinária Universidade

Leia mais

FLAXIN finasterida Merck S/A comprimidos revestidos 5 mg

FLAXIN finasterida Merck S/A comprimidos revestidos 5 mg FLAXIN finasterida Merck S/A comprimidos revestidos 5 mg Flaxin finasterida MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 5 mg em embalagem com 30

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

CETROLAC (trometamol cetorolaco)

CETROLAC (trometamol cetorolaco) CETROLAC (trometamol cetorolaco) União Química Farmacêutica Nacional S/A Solução oftálmica estéril 5 mg/ml 1 CETROLAC trometamol cetorolaco Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o utilizador. Acarbose Linacal 50 mg Comprimidos Acarbose Linacal 100 mg Comprimidos

Folheto informativo: Informação para o utilizador. Acarbose Linacal 50 mg Comprimidos Acarbose Linacal 100 mg Comprimidos Folheto informativo: Informação para o utilizador Acarbose Linacal 50 mg Comprimidos Acarbose Linacal 100 mg Comprimidos Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois

Leia mais

Glaucoma. Trabalho de Biologia. Causas e Sintomas

Glaucoma. Trabalho de Biologia. Causas e Sintomas Trabalho de Biologia. Glaucoma Glaucoma é uma doença ocular que representa uma das principais causas de cegueira irreversível no mundo. Aproximadamente, uma em cada cem pessoas acima de 40 anos tem sua

Leia mais

vacina hepatite A (inativada)

vacina hepatite A (inativada) vacina hepatite A (inativada) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml. Cartucho contendo 5 seringas de uma dose de 0,5 ml. Cartucho

Leia mais

Trauma ocular Professora Chalita

Trauma ocular Professora Chalita Trauma ocular Professora Chalita Mais comum em homens do que mulheres. Mais comum em jovens. Pode ser classificado em: o Globo fechado (ou trauma contuso) Contusão (como um soco, por exemplo) Laceração

Leia mais

Abordagem ao Paciente Hematológico

Abordagem ao Paciente Hematológico Universidade Federal Fluminense Abordagem ao Paciente Hematológico Gilberto P Cardoso O objetivo de todo médico é prevenir doenças. Na impossibilidade, que possa reconhecer e intervir para evitar complicações.

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): ANA KARINA DA SILVA CAVALCANTE (KARINA@UFRB.EDU.BR) Vice- Coordenador (a): 2. Título do projeto: Ocorrência de

Leia mais

Portuguese Summary. Resumo

Portuguese Summary. Resumo Portuguese Summary Resumo 176 Resumo Cerca de 1 em 100 indivíduos não podem comer pão, macarrão ou biscoitos, pois eles têm uma condição chamada de doença celíaca (DC). DC é causada por uma das intolerâncias

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia de órbita

Imagem da Semana: Tomografia de órbita Imagem da Semana: Tomografia de órbita Figura: Tomografia computadorizada contrastada de crânio. Enunciado Criança do sexo masculino, 2 anos, natural de Parauapebas (PA), apresentava reflexo branco em

Leia mais

PEDIATRIA. Questão 1. De acordo com o caso clínico apresentado, responda: a) O tratamento da mãe foi adequado? Justifique.

PEDIATRIA. Questão 1. De acordo com o caso clínico apresentado, responda: a) O tratamento da mãe foi adequado? Justifique. PEDIATRIA Questão 1 Recém-nascido (RN) de parto normal, sem complicações, com Apgar 8/9, peso de nascimento 3050g, idade gestacional de 39 semanas, não apresenta sinais e sintomas aparentes. Mãe realizou

Leia mais

SÍNDROME DE CUSHING IATROGÊNICA EM CÃO: RELATO DE CASO IATROGENIC CUSHING'S SYNDROME IN DOG: A CASE REPORT

SÍNDROME DE CUSHING IATROGÊNICA EM CÃO: RELATO DE CASO IATROGENIC CUSHING'S SYNDROME IN DOG: A CASE REPORT SÍNDROME DE CUSHING IATROGÊNICA EM CÃO: RELATO DE CASO IATROGENIC CUSHING'S SYNDROME IN DOG: A CASE REPORT Diomedes Fontenele FERREIRA FILHO Acadêmico do curso de Medicina Veterinária das Faculdades INTA,

Leia mais

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS)

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) ANEXO III 58 ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) Adições aparecem em itálico e sublinhado; rasuras

Leia mais

Especialização em Dermatologia Veterinária - http://www.cfmv.org.br/portal/_doc/apresentacoes_cme/orlando_pilati.pdf

Especialização em Dermatologia Veterinária - http://www.cfmv.org.br/portal/_doc/apresentacoes_cme/orlando_pilati.pdf PÓS GRADUAÇÃO - LATO SENSU Público Alvo: Médicos Veterinários 33 alunos 4 gauchos 3 paranaenses 1 potiguar 1 goiana 1 carioca Diferencial Especialização em Dermatologia Veterinária - http://www.cfmv.org.br/portal/_doc/apresentacoes_cme/orlando_pilati.pdf

Leia mais

FLUTINOL LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Suspensão Oftálmica Estéril. acetato de fluormetolona 1 mg/ml BULA PARA O PACIENTE

FLUTINOL LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Suspensão Oftálmica Estéril. acetato de fluormetolona 1 mg/ml BULA PARA O PACIENTE FLUTINOL LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Suspensão Oftálmica Estéril acetato de fluormetolona 1 mg/ml BULA PARA O PACIENTE COLÍRIO Flutinol acetato de fluormetolona 0,1% APRESENTAÇÃO: Suspensão

Leia mais

RAPILAX. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Solução Oral Gotas 7,5 mg/ml picossulfato de sódio

RAPILAX. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Solução Oral Gotas 7,5 mg/ml picossulfato de sódio RAPILAX Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Solução Oral Gotas 7,5 mg/ml picossulfato de sódio RAPILAX picossulfato de sódio APRESENTAÇÃO Solução oral contendo: 7,5 mg/ml de picossulfato de sódio em frasco

Leia mais

cloridrato de pioglitazona EMS S/A comprimido 15 mg/ 30 mg / 45 mg

cloridrato de pioglitazona EMS S/A comprimido 15 mg/ 30 mg / 45 mg cloridrato de pioglitazona EMS S/A comprimido 15 mg/ 30 mg / 45 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato de pioglitazona medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES: cloridrato de pioglitazona

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA N O 14 Atualizado em 04-11-2014, às 14h

Informe Epidemiológico EBOLA N O 14 Atualizado em 04-11-2014, às 14h Informe Epidemiológico EBOLA N O 4 Atualizado em 04--204, às 4h Destaques Ocorreram 3.567 casos notificados de ebola nos oito países afetados, com 495 óbitos. A transmissão intensa continua na Guiné, Libéria

Leia mais

DIPROPIONATO DE BETAMETASONA + SULFATO DE GENTAMICINA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g

DIPROPIONATO DE BETAMETASONA + SULFATO DE GENTAMICINA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g DIPROPIONATO DE BETAMETASONA + SULFATO DE GENTAMICINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder

Leia mais

APRESENTAÇÃO Creme vaginal de 10 mg/g: embalagem com 35 g + 6 aplicadores descartáveis.

APRESENTAÇÃO Creme vaginal de 10 mg/g: embalagem com 35 g + 6 aplicadores descartáveis. clotrimazol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Creme vaginal de 10 mg/g: embalagem com 35 g + 6 aplicadores descartáveis. USO VAGINAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada grama de creme vaginal

Leia mais

PYR-PAM pamoato de pirvínio

PYR-PAM pamoato de pirvínio PYR-PAM pamoato de pirvínio DRÁGEA 100 MG Bula do Paciente Pyr-Pam UCI-FARMA Conforme RDC 47/09 Página 1 PYR-PAM pamoato de pirvínio FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO PYR-PAM DRÁGEA 100 MG: cartucho contendo

Leia mais

Eylia (aflibercepte) Bayer S.A. Solução injetável 40 mg/ml

Eylia (aflibercepte) Bayer S.A. Solução injetável 40 mg/ml Eylia (aflibercepte) Bayer S.A. Solução injetável 40 mg/ml EYLIA aflibercepte APRESENTAÇÕES: Eylia (aflibercepte) apresenta-se em forma de, em frascos-ampola. Cada frasco-ampola contém um volume de enchimento

Leia mais

Animais Internados na Clínica Bourgelat. Estão em tratamento e não podem ser adotados

Animais Internados na Clínica Bourgelat. Estão em tratamento e não podem ser adotados Animais Internados na Clínica Bourgelat Estão em tratamento e não podem ser adotados MAX Ficha: 134 Médico Veterinário: Dra.Cláudia Dt Entrada: 23/05/2012 Resgatado por: Daniele Bueno Cor: Marrom e Branco

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA N O 13 Atualizado em 28-10-2014, às 14h

Informe Epidemiológico EBOLA N O 13 Atualizado em 28-10-2014, às 14h Informe Epidemiológico EBOLA N O 13 Atualizado em 28-10-2014, às 14h Situação Atual Os países com casos de Doença pelo Vírus Ebola (DVE) são classificados em duas categorias: 1- Países com transmissão

Leia mais

TÉCNICA CIRÚRGICA DE ENUCLEAÇÃO REVISÃO DE LITERATURA SURGICAL TECHNIQUE ENUCLEATION - REVIEW OF LITERATURE

TÉCNICA CIRÚRGICA DE ENUCLEAÇÃO REVISÃO DE LITERATURA SURGICAL TECHNIQUE ENUCLEATION - REVIEW OF LITERATURE TÉCNICA CIRÚRGICA DE ENUCLEAÇÃO REVISÃO DE LITERATURA SURGICAL TECHNIQUE ENUCLEATION - REVIEW OF LITERATURE GOES, Larissa Desan RISSETI, Rafaela Mastrangelo Discentes da Associação Cultural e Educacional

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

desloratadina EMS S/A Comprimido Revestido 5 mg

desloratadina EMS S/A Comprimido Revestido 5 mg desloratadina EMS S/A Comprimido Revestido 5 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO desloratadina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 5 mg. Embalagem contendo 10 ou 30 comprimidos revestidos.

Leia mais

População pediátrica Não existe utilização relevante de ILUVIEN na população pediátrica na indicação de edema macular diabético (EMD).

População pediátrica Não existe utilização relevante de ILUVIEN na população pediátrica na indicação de edema macular diabético (EMD). 1. NOME DO MEDICAMENTO ILUVIEN 190 microgramas implante intravítreo em aplicador. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada implante contém 190 microgramas de acetonido de fluocinolona. Lista completa

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

BIAMOTIL-D ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de ciprofloxacino (3,5 mg/g) dexametasona (1,0 mg/g)

BIAMOTIL-D ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de ciprofloxacino (3,5 mg/g) dexametasona (1,0 mg/g) BIAMOTIL-D ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de ciprofloxacino (3,5 mg/g) dexametasona (1,0 mg/g) BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica

Leia mais

ALREX. BL Indústria Ótica Ltda Suspensão oftálmica 2 mg/ml

ALREX. BL Indústria Ótica Ltda Suspensão oftálmica 2 mg/ml ALREX BL Indústria Ótica Ltda Suspensão oftálmica 2 mg/ml ALREX etabonato de loteprednol APRESENTAÇÕES Suspensão estéril para uso oftálmico 2 mg/ml: frasco gotejador contendo 5 ml. USO TÓPICO OCULAR USO

Leia mais

PYR-PAM pamoato de pirvínio DRÁGEA 100 MG SUSPENSÃO ORAL 10 MG/ML

PYR-PAM pamoato de pirvínio DRÁGEA 100 MG SUSPENSÃO ORAL 10 MG/ML pamoato de pirvínio DRÁGEA 100 MG SUSPENSÃO ORAL 10 MG/ML Bula Profissional da Saúde Pyr-Pam UCI-FARMA Conforme RDC 47/09 Página 1 pamoato de pirvínio FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES DRÁGEA 100 MG:

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

TREPANAÇÃO EM CÃO COM ASPERGILOSE NASAL RELATO DE CASO

TREPANAÇÃO EM CÃO COM ASPERGILOSE NASAL RELATO DE CASO 1 TREPANAÇÃO EM CÃO COM ASPERGILOSE NASAL RELATO DE CASO GUILHERME FERNANDO DE CAMPOS¹, REBECA BACCHI-VILLANOVA 2, RODRIGO NUNES 1, SABRINA MARIN RODIGHERI 3, ANDRÉ JAYR CASAGRANDE 1, KARYNA IZABEL HARTMANN

Leia mais

ABORDAGEM E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PROBLEMAS NA COLUNA VERTEBRAL E MEDULA ESPINHAL

ABORDAGEM E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PROBLEMAS NA COLUNA VERTEBRAL E MEDULA ESPINHAL ABORDAGEM E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PROBLEMAS NA COLUNA VERTEBRAL E MEDULA ESPINHAL Ronaldo Casimiro da Costa, MV, MSc, PhD Diplomado ACVIM Neurologia College of Veterinary Medicine The Ohio State University,

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg MICARDIS (telmisartana) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg Micardis telmisartana APRESENTAÇÕES Comprimidos de 40 mg e 80 mg: embalagens com 10 ou 30 comprimidos

Leia mais

Como fazer um pôster. Adriane Pimenta da Costa Val Adaptado de Amanda Soriano Araújo

Como fazer um pôster. Adriane Pimenta da Costa Val Adaptado de Amanda Soriano Araújo Como fazer um pôster Adriane Pimenta da Costa Val Adaptado de Amanda Soriano Araújo Função Introdução Sintetizar as informações e dados relevantes da pesquisa. Elementos Textos Dados Tabelas, gráficos,

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida.

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida. Drenol hidroclorotiazida PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Drenol Nome genérico: hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentações: Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. USO ADULTO

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

BULA DE NALDECON DOR COMPRIMIDOS

BULA DE NALDECON DOR COMPRIMIDOS BULA DE NALDECON DOR COMPRIMIDOS BRISTOL-MYERS SQUIBB NALDECON DOR paracetamol Dores em geral Febre Uma dose = 2 comprimidos FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO NALDECON DOR é apresentado em displays com

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha APRESENTAÇÃO Depot de 3,6

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA N O 12 Atualizado em 21-10-2014, às 13h

Informe Epidemiológico EBOLA N O 12 Atualizado em 21-10-2014, às 13h Informe Epidemiológico EBOLA N O 12 Atualizado em 21-10-2014, às 13h Situação Atual Os países com casos de Doença pelo Vírus Ebola (DVE) são classificados em duas categorias: 1- es com transmissão intensa

Leia mais

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA PAMIGEN cloridrato de gencitabina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÃO 200 mg - Embalagem com 1 frasco ampola 1 g - Embalagem com 1 frasco ampola FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Intolerância à Lactose

Intolerância à Lactose Intolerância à Lactose A intolerância à lactose é a condição que se refere aos sintomas decorrentes da má digestão da lactose. Esta situação ocorre quando o organismo não produz lactase suficiente, uma

Leia mais

LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam

LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam APRESENTAÇÕES Lorax 1 mg ou 2 mg em embalagens contendo 30 comprimidos. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: USO ORAL USO

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA FRESH TEARS ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril carmelose sódica 0,5% BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE Lubrificante Ocular APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico

Leia mais

ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA

ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA ANDRADE 1, Ana de Fátima de Souza BEZERRA 2, Karla Priscila Garrido BOPP 3, Simone DANTAS 1, Emmanuel Freire TALIERI 4, Ivia Carmem Departamento

Leia mais

Bimatoprosta EMS SIGMA PHARMA LTDA. Solução oftálmica estéril. 0,3 mg/ ml

Bimatoprosta EMS SIGMA PHARMA LTDA. Solução oftálmica estéril. 0,3 mg/ ml Bimatoprosta EMS SIGMA PHARMA LTDA Solução oftálmica estéril 0,3 mg/ ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO bimatoprosta medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 0,3 mg/ ml Formas farmacêuticas e apresentações

Leia mais

ACTOS cloridrato de pioglitazona

ACTOS cloridrato de pioglitazona ACTOS cloridrato de pioglitazona I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ACTOS cloridrato de pioglitazona APRESENTAÇÕES: ACTOS (cloridrato de pioglitazona) comprimido de: 15 mg: frascos com 15 comprimidos 30 mg:

Leia mais

TROMBOFOB Pomada heparina sódica nicotinato de benzila

TROMBOFOB Pomada heparina sódica nicotinato de benzila MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: TROMBOFOB Pomada heparina sódica nicotinato de benzila APRESENTAÇÃO Pomada dermatológica de: - 50U + 2mg: Embalagem com 1 bisnaga de 40 g.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA MEIA ELÁSTICA NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

UTILIZAÇÃO DA MEIA ELÁSTICA NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

finasterida Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos revestidos 5 mg

finasterida Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos revestidos 5 mg finasterida Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos revestidos 5 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO finasterida Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Finasterida comprimido revestido

Leia mais

MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS

MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS Melissa Silva-Santos 1 ; Paulo Tojal Dantas Matos 1 ; Victor Fernando Santana Lima¹; Patrícia Oliveira Meira-Santos²; Leandro Branco Rocha². 1. Estudante de Medicina

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Bravecto 112,5 mg comprimidos mastigáveis para cães de porte muito pequeno (2-4,5 kg) Bravecto 250 mg comprimidos

Leia mais

VIA DE ADMINISTRAÇÃO TÓPICA OCULAR USO ADULTO

VIA DE ADMINISTRAÇÃO TÓPICA OCULAR USO ADULTO APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 5ml ou 10ml de solução oftálmica estéril de cloridrato de levobunolol (5 mg/ml). VIA DE ADMINISTRAÇÃO TÓPICA OCULAR USO ADULTO

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos.

Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos. Dolamin Flex clonixinato de lisina cloridrato de ciclobenzaprina Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos. USO ADULTO VIA ORAL Composição Cada comprimido

Leia mais