Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos"

Transcrição

1 Manual de Assentamento

2 APRESENTAÇÃO Este manual é parte integrante de uma série editada com a finalidade de fornecer informações, instruções e dicas a respeito do assentamento de materiais cerâmicos de revestimento. A série completa é composta dos seguintes manuais. Manual de Assentamento : Fachadas Manual de Assentamento : Paredes Internas Manual de Assentamento : Pisos Internos Manual de Assentamento : Pisos Externos Manual de Assentamento : Calçadas Públicas Manual de Assentamento : Piscinas

3 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

4 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Revestimento cerâmico vem sendo usado desde a antigüidade para revestir pisos e paredes. A grande vantagem de sua utilização reside principalmente nas características de durabilidade, facilidade de limpeza, além naturalmente do aspecto estético agradável. Efeitos visuais especiais podem ser obtidos pela combinação das texturas, cores, tamanhos e formas das placas cerâmicas disponíveis no mercado. Por exemplo, a composição de um piso com placas cerâmicas de cores diferentes pode definir ambientes em uma sala, ou proporcionar a ilusão de áreas atapetadas. Para garantir a durabilidade dos pisos cerâmicos é necessário seguir procedimentos corretos que vão desde a escolha do material a ser utilizado até a limpeza final da obra. Estes procedimentos são apresentados neste manual. Os pontos mais importantes foram selecionados e apresentados aqui de forma detalhada e respeitando as normas técnicas apresentadas na tabela. NORMA TÍTULO Revestimento de paredes e tetos com argamassas NBR 7200:1982 Materiais, preparo, aplicação e manutenção Procedimento NBR 8214:1983 Assentamento de azulejos Procedimento Revestimento de piso interno ou externo com placas NBR 13753:1996 cerâmicas e com utilização de argamassa colante Procedimento Argamassa colante industrializada para assentamento NBR 14081:1998 de placas de cerâmica Especificação Um piso revestido com placas cerâmicas é formada basicamente pelas seguintes camadas: Base: é o piso a ser recoberto. Pode ser feito de uma camada de concreto simples ou armado, laje maciça de concreto armado ou laje mista, sobre a qual serão aplicadas as camadas necessárias para o revestimento cerâmico. Contrapiso: camada de argamassa sobre a qual são assentadas as placas cerâmicas. Argamassa colante: utilizada para fixar a placa cerâmica no contrapiso. Camada cerâmica: formada pelo revestimento cerâmico. Camada intermediária: camada entre a base e o contrapiso, cuja finalidade é regularizar a base, corrigir cota e/ou caimento do piso, impermeabilizar, embutir canalizações, isolar térmicamente, ou separar a base do contrapiso. Revestimento Cerâmico Contrapiso Camada Intermediária Base Argamassa Colante

5 CAPÍTULO 1 O método de assentamento segue as seguintes etapas: Escolha dos materiais, equipamentos e ferramentas Definição do número e espessura das juntas estruturais e de movimentação Preparo da base: Construção do lastro de concreto Execução do contrapiso Assentamento da placa cerâmica e execução das juntas

6 CAPÍTULO 2 EQUIPAMENTOS & FERRAMENTAS EQUIPAMENTOS DE CORTE DESEMPENADEIRAS ACESSÓRIOS EQUIPAMENTOS PARA PERFURAÇÃO EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA MATERIAIS

7 EQUIPAMENTOS & FERRAMENTAS CAPÍTULO 2 É muito importante que o assentador, antes de iniciar os trabalhos de assentamento da cerâmica, certifique-se de que possui todas as ferramentas e equipamentos essenciais para o assentamento, de forma a poupar tempo e trabalho durante a execução dos serviços. As ferramentas e equipamentos necessários à execução do assentamento das placas cerâmicas em pisos internos são: Linha de Nylon Colher de Pedreiro Espátula Lápis de Carpinteiro Régua de Alumínio Nível de Bolha Trena Esquadro Vasilhame para Mistura de Argamassa Colante Nível de Mangueira Prumo EQUIPAMENTOS DE CORTE Cortadores de vídia manuais São mais utilizados para cortes retos, embora possam também ser usados para a execução de cortes curvos. Nestes casos aconselha-se a colocação de uma placa cerâmica auxiliar embaixo daquela a ser cortada, para facilitar o giro do equipamento. Serra elétrica portátil com disco de corte diamantado Também usada para cortes retos, a serra elétrica produz linhas de corte mais limpas, sem o problema de fendilhamento do esmalte dos cortadores manuais

8 Torquês CAPÍTULO 2 A torquês produz cortes irregulares, deixando cantos denteados. Portanto, use-a somente para pequenos cortes nos cantos das placas cerâmicas, a serem assentadas em áreas menos visíveis. Serra Circular Utilizada para cortes irregulares, produz cantos mais limpos e precisos que a torquês. DESEMPENADEIRAS Desempenadeira de aço denteada Ferramenta utilizada para a aplicação da argamassa colante. As desempenadeiras, usadas para pisos, possuem dentes de forma quadrada e cujas dimensões variam de acordo com a área da placa cerâmica a ser assentada, como mostra a tabela. Área da superfície da placa cerâmica Dimensão dos dentes da (cm 2 ) desempenadeira (mm) menor do que x 6 x 6 menor ou igual a 400 e menor do que x 8 x 8 8 x 8 x 8 maior do que 900 Semicirculares raio = 10 mm espaçamento =3 mm Desgaste da Desempenadeira: Quando os dentes da desempenadeira se desgastarem em 1 mm na altura, eles deverão ser refeitos com uma lima, ou a desempenadeira deverá ser substituída por uma nova

9 CAPÍTULO 2 Desempenadeira de madeira Utilizada para o acabamento superficial da camada de regularização. Desempenadeira Emborrachada ou Fugalizador Usada para pressionar o rejunte dentro das juntas existentes entre as placas cerâmicas. Segure a desempenadeira a aproximadamente 90 graus e a arraste diagonalmente com movimentos de vai e vem. Use a desempenadeira de canto, lado reto, para remover o excesso de argamassa de rejunte. ACESSÓRIOS Espaçadores Espaçadores são pequenas peças de plástico, na forma de cruz ou T. Estas peças são colocadas entre placas cerâmicas adjacentes, e servem para manter uniforme a largura das juntas, e o alinhamento das placas cerâmicas. Martelo de Borracha O martelo de borracha ou o vibrador mecânico é utilizado para pressionar a placa cerâmica contra o piso a qual será colada

10 EQUIPAMENTOS PARA PERFURAÇÃO CAPÍTULO 2 Furadeira Elétrica A furadeira elétrica com serra copo acoplada é usada para fazer furos circulares em placas cerâmicas mais resistentes, como o a cerâmica grês. Broca Tubular Usada para fazer furos circulares em revestimentos cerâmicos porosos EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA O assentador não deverá descuidar de sua segurança pessoal. Portanto, no assentamento do revestimento, deverá usar equipamentos de proteção, como, capacete, óculos de segurança, luvas de borracha e outros que se fizerem necessário. Capacete Luva Óculos de Segurança Bota de borracha

11 MATERIAIS CAPÍTULO 2 Os materiais necessários na execução de um revestimento de pisos internos com placas cerâmicas são: água A água utilizada deve ser limpa de impurezas. Não deve ser usada água salgada em hipótese alguma. Todos os recipientes destinados a armazenagem ou transporte de água devem ser limpos. argamassa para chapisco úmida. A argamassa para chapisco deve ter o traço em volumes aparentes de 1:6 de cimento e areia média Traço de uma argamassa é a indicação das proporções dos seus componentes. argamassa para emboço A argamassa para o emboço deve ter o traço em volumes aparentes variando de 1:6 a 1:0,25:6 de cimento, cal hidratada e areia média úmida. argamassa colante Argamassa colante, também conhecida como cimento colante, cimento cola ou argamassa adesiva, é um produto industrializado, utilizado na colocação de placas cerâmicas de revestimento, tanto de paredes como de pisos. Não use misturas caseiras, estas podem não produzir a aderência necessária entre a peça e a base. ARGAMASSA COLANTE AC-I O tipo de adesivo a ser utilizado depende do ambiente em que o revestimento está sendo assentado. A norma brasileira (NBR 14081) especifica para pisos internos a argamassa colante industrializada do tipo AC-I

12 CAPÍTULO 2 As argamassas colantes são compradas em sacos. Procure sempre na embalagem: designação da mesma: AC-I, AC-II, AC-III ou AC-III-E prazo de validade condições de armazenamento I instruções e cuidados necessários para a aplicação, manuseio, quantidade de água de amassamento e tempo de maturação (repouso) Os sacos devem ser empilhados sobre estrados secos. As pilhas não devem ter mais de 1,5 m de altura. USE SOMENTE QUANDO: saco não estiver molhado, dentro do prazo de validade. argamassa de rejuntamento A argamassa para rejuntamento, ou simplesmente rejunte, é utilizada no preenchimento dos espaços (juntas) entre duas placas cerâmicas consecutivas, e tem por função apoiar e proteger as arestas das placas cerâmicas. Da mesma forma que para a argamassa colante, o tipo de rejunte a ser usado depende do ambiente onde será aplicado. A argamassa para rejuntamento é vendida em sacos ou caixas. Atualmente existe no mercado rejuntes de diversas cores. A cor do rejunte pode afetar significativamente o efeito visual da parede:

13 CAPÍTULO 2 Rejunte de cor similar ao revestimento Efeito uniforme Rejunte claro e revestimento escuro Evidencia a cor e a textura do revestimento Rejunte cinza Cor neutra que fica melhor em pisos. Rejunte escuro e revestimento claro Enfatiza o layout da parede

14 CAPÍTULO 2 revestimento cerâmico Revestimentos cerâmicos são placas cerâmicas fabricadas a partir de uma mistura de argila. As costas das placas possuem garras, para auxiliar na aderência com a superfície onde serão assentadas, e são denominadas de tardoz. O revestimento cerâmico pode ser comprado em qualquer quantidade. Procure sempre na embalagem: Tonalidade: variação da cor em relação à placa padrão. Todas as caixas adquiridas devem ter o mesmo número ou código no item tonalidade. Quando existirem materiais adquiridos em épocas diferentes, as indicações das embalagens quanto a tonalidade e tamanho devem ser comparadas. Se ocorrerem divergências separe por lotes iguais aplicando em áreas separadas. Tamanho: dimensões de largura e comprimento da placa cerâmica. O tamanho, indicado na embalagem, deve ser o mesmo em todas as caixas. Quantidade: número de placas cerâmicas existentes na embalagem. Este valor deve ser conferido cuidadosamente, antes de iniciar os serviços de assentamento. Isto evitará possíveis despesas extras e transtornos para obter a mesma tonalidade posteriormente. O ideal é que sejam comprados 10% de placas cerâmicas a mais do que a quantidade estimada, para garantir futuras re posições

15 CAPÍTULO 2 Abrasão: resistência ao desgaste da superfície, causado pelo movimento de pessoas e objetos. A escolha do material adequado quanto à abrasão, depende do tráfego a que o piso estará submetido nas condições de uso. Classe Tráfego Uso 1 Baixo Banheiros e dormitórios residenciais 2 Médio Ambientes residenciais sem portas externas 3 Médio-intenso Ambientes residenciais com portas externas: salas, cozinhas, corredores, terraços e quintais. 4 Intenso 5 Super intenso Áreas comerciais internas: restaurantes, lojas, bancos, entradas, caminhos preferenciais, salas de trabalho, vendas e exposições abertas ao público, escadas, hospitais e hotéis. Áreas comerciais internas externas: áreas industriais, aeroportos e supermercados Absorção: quantidade de água que a placa cerâmica é capaz de absorver. A denominação usual dos revestimentos cerâmicos está relacionada com as características de absorção de água. (Veja tabela a seguir) Denominação Cerâmica Absorção de Água (%) Grés Porcelanato 0,0-0,5 Grés 0,5-3,0 Semi-Grés 3,0-6,0 Semi-Poroso 6,0-10 Poroso Coeficiente de atrito: classifica os revestimentos cerâmicos para pisos quanto ao escorregamento, de acordo com a tabela: Classe Coeficiente de atrito úmido Indicação I Menor do que 40 áreas internas

16 CAPÍTULO 2 Onde guardar: As placas cerâmicas devem ser estocados em local plano e firme, protegidos do sol e da chuva. As caixas podem ser empilhadas em pilhas de no máximo 2 metros de altura. material de enchimento das juntas Para o preenchimento das juntas devem ser usados materiais altamente deformáveis como: Isopor Corda betumada Borracha alveolar Cortiça Espuma de poliuretano, etc. selante Material usado para a vedação das juntas de movimentação. São fabricados à base de elastômeros, como poliuretano, polissulfeto, silicone, etc. material para a camada de separação A camada de separação pode ser formada por: papel Kraft com gramatura igual ou maior que 80 g/m² membrana de polietileno com espessura mínima de 0,1 mm feltro asfáltico com gramatura mínima de 250 g/m² membrana de poliisobutileno com espessura mínima de 0,8 mm membrana de cloreto de polivinila (PVC) com espessura mínima de 0,8 mm

17 CAPÍTULO 3 JUNTAS Juntas de Assentamento Juntas de Movimentação Juntas de Dessolidarização Juntas Estruturais

18 JUNTAS CAPÍTULO 3 Embora não se perceba, os edifícios movimentam-se. Este movimentos são muito pequenos e devido a diversas causas: variação de temperatura, variação de umidade, peso das estruturas, vento, etc. Com a finalidade de controlar estes movimentos, garantindo que o edifício permaneçae em pé e os revestimentos assentadas nos pisos, usam-se juntas. Juntas são espaços deixados entre duas placas cerâmicas ou entre dois painéis de piso. Existem três tipos de juntas: Juntas de assentamento: também conhecidas por rejunte, são espaços entre as placas cerâmicas que compõe o revestimento, preenchidas com material flexível, chamado de argamassa para rejuntamento. A largura das juntas depende do tamanho da placa cerâmica e, para pisos sugere -se os seguintes valores mínimos: Dimensão do revestimento (cm) Junta de assentamento mínima (mm) 10 x x x x x x 41 8 Juntas de assentamento Juntas de Movimentação: são espaços regulares que dividem o piso revestido, para aliviar tensões provocadas pela movimentação do piso ou do próprio revestimento. Iniciam-se no encontro entre duas placas cerâmicas e aprofundam-se até a base, ou até a camada de impermeabilização, quando esta existir. Estas juntas, algumas vezes, são chamadas de juntas de expansão / contração. Segundo a norma brasileira (NBR 13753), em pisos internos devem ser executadas juntas de movimentação nas seguintes situações: A área do piso for maior ou igual a 32 m2; Uma das dimensões do revestimento for maior do que 8 m; Mudanças de direção do plano de revestimento; Encontros da área revestida com paredes, pilares, vigas e outros tipos de revestimento; Mudança de materiais que compõem o piso, por exemplo, interfaces entre estrutura de concreto e alvenaria; Regiões onde ocorrem momentos fletores máximos

19 CAPÍTULO 3 Em locais expostos diretamente à insolação e/ou umidade, sempre que a área assentada for maior ou igual a 20m², ou que uma das dimensões for maior do que 4 m. Junta de Dessolidarização: São espaços deixados no encontro da pisos revestidos com paredes, pilares, vigas ou com outros tipos de revestimento. Estes espaços se iniciam no encontro entre duas placas cerâmicas e atravessam a camada do contrapiso. Juntas Estruturais: São espaços previstos no projeto estrutural, com a finalidade de garantir a segurança da edificação frente às cargas mecânicas previstas no projeto. Estas juntas atravessam toda o piso e tem sua largura especificada no projeto estrutural

20 CAPÍTULO 4 PREPARANDO PARA O ASSENTAMENTO Limpeza Construção do Lastro de Concreto Aplicação da Camada de Separação Execução da Camada de Regularização Condições para iniciar o Assentamento

21 PREPARANDO PARA O ASSENTAMENTO CAPÍTULO 4 Uma preparação adequada do piso é muito importante para que o resultado final do trabalho, quer a nível técnico quer a nível estético, seja perfeito. Por isto é necessário que sejam feitas os seguintes preparos, antes do início do assentamento das placas cerâmicas: Limpeza A base a ser revestida deverá passar por um processo de limpeza para remoção de pó, sujeira, gordura, bolor e outras substâncias que possam vir a prejudicar a aderência. Os procedimentos recomendados para a limpeza são os seguintes: Remoção de pó, sujeira e materiais soltos escovação com vassoura de piaçaba ou escova de aço remoção de partículas aderidas com espátula lavagem com água sob pressão ou jato de areia nos casos de grande impregnação Remoção de partículas aderidas com espátula ou talhadeira lavagem com água sob pressão ou jato de areia nos casos de grande impregnação. Remoção de desmoldantes, graxa e gordura Em qualquer um dos casos, o piso deve ser saturado com água pura antes da aplicação da processos mecânicos (esfregação) aplicação de soluções alcalinas ou ácidas: solução, e deve ser enxaguado com água em abundância após a lavagem.. fosfato de sódio, soda cáustica, ácido muriático ou detergente Remoção de eflorescências: escovação e limpeza com ácido muriático (diluído em água na proporção 1:10), e enxágüe com água. escovação e limpeza com ácido muriático, diluído em água na proporção 1:10, e enxágüe com água pura alternativamente, pode-se utilizar jateamento de areia

22 CAPÍTULO 4 Remoção de bolor e fungos escovação com solução de fosfato de sódio e hipoclorito de sódio, seguida de lavagem com água pura em abundância. Remoção de elementos metálicos (pregos, fios, etc.): reparos superficiais devem ser realizados com argamassa com traço idêntico à argamassa de emboço. Remoção de película de tinta retirada com espátula e/ou lixamento da superfície com lixa no. 60 ou 80, até remoção completa da tinta. Podem também ser usados removedores químicos, desde que sejam posteriormente retirados através de enxágüe com água pura em abundância. Quando da utilização de água, deve-se esperar a mesma secar (evaporar), para depois começar o assentamento. Sempre que forem utilizadas soluções ácidas ou alcalinas na lavagem da base, a mesma deve ser previamente saturada com água para que não absorva tais soluções, que são extremamente prejudiciais para materiais à base de cimento. Após a lavagem da base com esses produtos, a mesma deve ser enxaguada com água pura em abundância. Construção do lastro de concreto Alguns cuidados devem ser tomados no assentamento de pisos cerâmicos em pavimentos térreos. Nestes locais, o revestimento poderá estar sujeito a problemas decorrentes de umidade e outros que podem ser provocados pela má preparação do subsolo. Para evitar que tais problemas ocorram deve-se construir um lastro de concreto sobre o terrapleno

23 CAPÍTULO 4 Os procedimentos a serem seguidos para a construção de lastro de concreto sobre aterro são: Misturar a camada superficial de solo (30 a 40 cm) com areia e compactá-la manual ou mecanicamente. Assim, obtém-se uma camada drenante, que não permite a ascensão de água do solo por capilaridade. Colocar uma camada de pedra britada sobre o terrapleno compactado, com espessura mínima de 10 cm. No caso de terrenos muito úmidos, essa camada deve ter espessura de 30 cm, constituindo-se em um leito drenante. Posicionar, sobre a camada de brita, a armadura em forma de malha, dimensionada em função da sobrecarga prevista para o local, as ripas de madeira (que garantem o posicionamento das juntas estruturais) e, finalmente, lançar o concreto. O adensamento do concreto deve ser feito com auxílio de vibrador de imersão ou régua vibratória, observando-se as recomendações quanto ao uso desses equipamentos e o tempo de vibração. Garantir que a espessura do lastro de concreto não seja inferior a 70 mm. Da mesma forma que o dimensionamento da armadura, a espessura do lastro depende da sobrecarga prevista, do tipo de solo e do tipo de terrapleno. 10 a 12 cm lastro de concreto armado armadura Min. 10 cm lastro de brita solo compactado Recomenda-se executar o lastro de concreto armado com 10 a 12 cm de espessura, prevendo a existência de juntas estruturais a cada 10 metros (no máximo) e juntas de dessolidarização em todo o perímetro do piso, nos encontros com muretas, fachadas, etc. O acabamento superficial do lastro deve ser feito com sarrafeamento e leve desempeno com desempenadeira de madeira As juntas estruturais e de dessolidarização devem ter largura de 10 mm a 12 mm, devem ser preenchidas com material compressível (isopor, mangueira de borracha). As juntas devem ser respeitadas em posição e largura, em toda a espessura do revestimento, devendo ser vedadas com selante flexível

24 CAPÍTULO 4 No caso de terrenos úmidos, deve-se utilizar mantas ou membranas impermeabilizantes sobre o lastro de concreto. No caso de solos muito úmidos ou com possibilidade de contaminação por sulfatos, a impermeabilização deve se constituir em manta ou membrana asfáltica, aplicada sobre a superfície do solo anteriormente à construção do lastro. No caso de locais com lençol freático pouco profundo ou aflorante, prever a construção de drenos. Aplicação da Camada de Separação Camada de separação é uma camada intermediária cuja função é separar as camadas de revestimento e a base, evitando assim que as movimentações que ocorrem na base prejudiquem o revestimento cerâmico. Deve ser aplicada sobre o lastro ou laje de concreto, ou sobre camada de regularização especialmente preparada para servir de base. Uma camada de separação sempre deverá ser prevista nos seguintes casos: Quando a base estiver sujeita a deformações excessivas, tanto por sobrecarga (limites estabelecidos pela NBR 6118) quanto por movimentação térmica (calculável a partir do conhecimento do coeficiente de dilatação térmica do material que constitui a base). Quando na previsão das juntas de movimentação for considerada a presença da camada de separação. Quando não forem obedecidos os períodos mínimos de cura do concreto da base. separação: Segundo norma brasileira, NBR , podem ser empregados os seguintes materiais na camada de Papel Kraft com gramatura igual ou maior que 80 g/m² Membrana de polietileno com espessura mínima de 0,1 mm Feltro asfáltico com gramatura mínima de 250 g/m² Membrana de poliisobutileno com espessura mínima de 0,8 mm Membrana de cloreto de polivinila (PVC) com espessura mínima de 0,8 mm Quando a camada de separação consistir de feltro asfáltico ou papel Kraft, deve-se aguardar 7 dias entre a execução da camada de regularização e a aplicação da camada de separação

25 CAPÍTULO 4 Sempre que houver a camada de separação, o contrapiso (camada de regularização) executado sobre ela deverá ser armado com tela soldada de malha 50x50 mm e fio com diâmetro entre 1,5 e 2,0 mm. Esta armadura deve ser colocada no meio do contrapiso. Não é preciso executar a camada de separação quando: a impermeabilização for executada com membranas asfálticas ou membranas de polímeros sobre a base. Neste caso, deve-se aguardar no mínimo 7 (sete) dias entre a conclusão da camada de regularização e a aplicação da impermeabilização. estiverem sendo utilizadas lajes rebaixadas, em que a camada de enchimento não tem aderência com a base. Execução da Camada de Regularização Camada de regularização, também conhecida como contrapiso, é uma camada de argamassa sobre a qual são assentadas as placas cerâmicas, cuja função é eliminar as irregularidades da base e/ou corrigir o caimento do piso. 20 a 30 mm camada de regularização lastro de concreto armado armadura lastro de brita solo compactado Deve-se construir a camada de regularização sobre a base de concreto nos seguintes casos: se a laje ou lastro de concreto armado (base) não apresentar nivelamento e caimento necessário ao escoamento da água em áreas molháveis, como banheiros e cozinhas; se houver a necessidade de adequação da base para execução de camada impermeabilizante; se houver a necessidade de adequação da base para execução de camada de separação

26 CAPÍTULO 4 Antes da aplicação da camada de regularização, deve-se executar uma ponte de aderência sobre a base, que consiste na pulverização de cimento e no lançamento de quantidade suficiente de água sobre a superfície, para formação de uma pasta de consistência plástica, com posterior espalhamento com auxílio de vassoura de pêlos duros, formando camada com espessura não maior que 5 mm. Imediatamente após a aplicação da ponte de aderência e antes da secagem da mesma, deve-se aplicar a argamassa de regularização sobre a base. O nível superior da camada de regularização deve ser obtido através de taliscas, assentadas com a própria camada. Estas taliscas devem ser assentadas tendo, como referência de nível, uma linha horizontal traçada nas paredes, com aproximadamente 1 cm de altura. As cotas de arrasamento devem ser condicionadas à espessura máxima admitida para a camada de regularização, ao caimento e à cota final especificada para o piso acabado. Taliscas são tacos de madeira de, aproximadamente 1 cm de espessura. Devem ser tomados os devidos cuidados com o nivelamento da superfície. O acabamento superficial da camada de regularização deve ser rugoso. No caso de execução de camada de impermeabilização ou de separação sobre o contrapiso, o mesmo deve ter textura superficial lisa, obtida mediante desempeno com desempenadeira metálica. Superfícies muito lisas devem ser apicoadas, e deve-se permitir a secagem daquelas que estiverem muito úmidas

27 CAPÍTULO 4 O contrapiso deverá ter as seguintes características: Traço da argamassa 1:5 a 1:6 (em volume de cimento : areia média) Água de amassamento Espessura da camada Armadura quantidade suficiente para dar à argamassa uma consistência de "farofa" variável, conforme a regularidade superficial da base e os caimentos necessários para escoamento da água. Em banheiros, cozinhas, áreas de serviço e corredores de uso comum, o caimento deve ficar entre 0,5 e 1,5% em direção aos pontos de coleta, e nos boxes de banhei os deve ser de 1,5 a 2,5% em direção ao ralo. Quando a espessura da camada de Regularização for superior a 30 mm, a construção deve ser feita por etapas, com suficiente compactação e secagem da anterior. deve ser empregada sempre que a aplicação se der sobre uma camada de separação. A armadura deve ser uma tela soldada com malha de 50 x 50mm e fios de diâmetro entre 1,5 e 2,0 mm, colocada na metade da espessura da camada de regularização. A superfície da base não deve apresentar, antes da aplicação da camada de regularização, manchas de ferrugem, pulverulência, eflorescências, bolor, limo e substâncias gordurosas. Para o assentamento das placas cerâmicas, a camada de regularização deverá ter idade mínima de 14 dias. Condições para iniciar o Assentamento Para que o assentamento possa se iniciar, a superfície a ser revestida deve apresentar-se: limpa sem fissuras ou rachaduras coesa (não deve se esfarelar) bem aderida à base (não deve apresentar som cavo quando percutida) alinhada em todas as direções (toda a superfície deve pertencer ao mesmo plano) o desvio máximo de planeza deve ser de 3 mm em relação a uma régua de 2 metros de comprimento

28 CAPÍTULO 4 Deve-se verificar: Argamassa se a argamassa colante atende às especificações da NBR (Argamassa colante industrializada para o assentamento de placas cerâmicas - Especificação") para utilização em pisos internos. dimensões e tonalidades das placas cerâmicas Peça Cerâmica quantidade de revestimento necessária para a execução do serviço, considerando uma quantidade adicional (5 a 10%) para eventuais quebras, recortes ou reparos futuros dimensões das áreas a serem assentadas as canalizações de esgoto e água embutidas no piso devem estar concluídas e testadas Ambiente a ser revestido as eventuais impermeabilizações devem estar concluídas e testadas todos os elementos (caixas, tubulações, derivações, etc.) das instalações hidráulicas, elétricas e telefônicas devem estar adequadamente embutidos. Condições térmicas a temperatura ambinte no momento da aplicação deve estar entre 5 e 30ºC. em dias muito quentes ou com vento, deve-se umedecer levemente a superfície da base antes da colocação do revestimento (deve-se evitar o excesso de água). Condições de umidade da parede em caso de penetração acidental de umidade ( infiltração), deve-se esperar a secagem da base por, pelo menos, 24 horas antes do assentamento das placas cerâmicas. verificar e corrigir a eventual ocorrência de infiltrações que possam prejudicar a aderência do revestimento. Os mesmos procedimentos de limpeza especificados anteriormente para a base devem ser seguidos no tratamento das superfícies que serão revestidas com placas cerâmicas

29 CAPÍTULO 5 ASSENTAMENTO DO REVESTIMENTO CERÂMICO Serviços preliminares Aplicação da argamassa colante Colocação das placas cerâmicas Execução das juntas Limpeza Proteção do piso recém-assentado

30 O ASSENTAMENTO DO REVESTIMENTO CERÂMICO CAPÍTULO 5 passos: O assentamento da cerâmica em pisos internos deverá se proceder a partir dos seguintes OPERAÇÕES DE ASSENTAMENTO SERVIÇOS PRELIMINARES APLICAÇÃO DA ARGAMASSA COLANTE COLOCAÇÃO DAS PLACAS CERÂMICAS EXECUÇÃO DAS JUNTAS LIMPEZA PROTEÇÃO DO PISO Serviços preliminares Antes de iniciar o assentamento propriamente dito, os seguintes serviços devem ser realizados: Verificar o esquadro e as dimensões da base a ser revestida Locar, sobre a superfície a ser revestida, as juntas de movimentação Definir os alinhamentos nos dois sentidos do piso através do posicionamento de linhas de referência conforme descrito a seguir. Arranjar as peças de forma que sejam feitos cortes iguais nos lados opostos à superfície a ser revestida. Planejar a colocação das peças com relação: à decoração das peças, ao encaixe preciso dos desenhos, à colocação em diagonais e perpendiculares. Para o caso de assentamento de paisagens ou mosaicos, desenhar com giz as figuras a serem formadas, colocando entre as linhas desenhadas o formato e a cor das peças que fazem parte do desenho

31 CAPÍTULO 5 Aplicação da Argamassa colante Preparando a Argamassa Preparar a argamassa manualmente ou em misturador mecânico limpo, adicionando-se a água, na quantidade recomendada na embalagem do produto, até que seja verificada homogeneidade da mistura. A quantidade a ser preparada deve ser suficiente para um período de trabalho de no máximo 2 a 3 horas, levandose em consideração a habilidade do assentador e as condições climáticas. Após a mistura, a argamassa deve ficar em repouso pelo período de tempo indicado na embalagem, para que ocorram as reações dos aditivos, sendo a seguir reamassada. No caso de preparo manual, utilizar um recipiente plástico ou metálico limpo, para fazer a mistura. Durante a aplicação do revestimento, nunca se deve adicionar água à argamassa já preparada. Aplicando a Argamassa O método de aplicação da argamassa colante depende da área da placa cerâmica a ser assentada. Para peças cerâmicas com área igual ou menor do que 900 cm², a aplicação da argamassa pode ser feita pelo método convencional, ou seja, a aplicação da argamassa deve ser somente na base, estando a placa cerâmica limpa e seca para o assentamento. O posicionamento da placa deve ser tal que garanta contato pleno entre seu tardoz e a argamassa colante. Para áreas maiores do que 900 cm², a argamassa deve ser aplicada tanto na parede quanto na própria peça (método da dupla colagem). Os cordões formados nessas duas superfícies devem se cruzar em ângulo de 90º, e a cerâmica deve ser assentada de tal forma que os cordões estejam perpendiculares entre si. A escolha da desempenadeira deve ser feita conforme especificado no item equipamentos deste manual. Se for utilizada desempenadeiras com aberturas semi-circulares de raio 10mm, poderá ser empregado o método convencional, independente do tamanho da placa

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA Manual de Assentamento de Revestimento Cerâmico Esse material tem por finalidade evidenciar a utilização de argamassas e rejuntes. A grande vantagem da utilização desses materiais residem principalmente

Leia mais

Pisos Externos. Manual de assentamento de Revestimentos Cer micos

Pisos Externos. Manual de assentamento de Revestimentos Cer micos Pisos Externos Manual de assentamento de Revestimentos Cer micos INTRODUÇÃO Revestimento cerâmico vem sendo usado desde a antigüidade para revestir pisos e paredes. A grande vantagem de sua utilização

Leia mais

Piscinas. Manual de assentamento de Revestimentos Cer micos

Piscinas. Manual de assentamento de Revestimentos Cer micos Piscinas Manual de assentamento de Revestimentos Cer micos 1 INTRODUÇÃO Há mais de dois mil anos atrás, revestimento cerâmico já eram usados para revestir piscinas e paredes dos banhos romanos. A grande

Leia mais

Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos

Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos APRESENTAÇÃO Este manual é parte integrante de uma série editada com a finalidade de fornecer informações, instruções e dicas a respeito do assentamento de materiais cerâmicos de revestimento. A série

Leia mais

Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos

Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos APRESENTAÇÃO Este manual é parte integrante de uma série editada com a finalidade de fornecer informações, instruções e dicas a respeito do assentamento de materiais cerâmicos de revestimento. A série

Leia mais

Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos

Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos Manual de Assentamento C A L Ç A D A S P Ú B L I C A S APRESENTAÇÃO Este manual é parte integrante de uma série editada com a finalidade de fornecer informações, instruções e dicas a respeito do assentamento

Leia mais

Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos

Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos APRESENTAÇÃO Este manual é parte integrante de uma série editada com a finalidade de fornecer informações, instruções e dicas a respeito do assentamento de materiais cerâmicos de revestimento. A série

Leia mais

Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos

Manual de Assentamento de Revestimentos Cerâmicos Manual de Assentamento APRESENTAÇÃO Este manual é parte integrante de uma série editada com a finalidade de fornecer informações, instruções e dicas a respeito do assentamento de materiais cerâmicos de

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

ÚNICA COMO SUAS CONQUISTAS

ÚNICA COMO SUAS CONQUISTAS ÚNICA COMO SUAS CONQUISTAS 1 ÍNDICE AGAMASSAS COLANTES...5 basic... aditivada...9 grês...11 extra...13 extra branca...15 acqua protect...1 performance...19 performance branca...21 fluida branca...23 rápida

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

Argamassa colante para assentamento de peças cerâmicas em áreas internas. SUPERFÍCIES INDICADAS PARA APLICAÇÃO Áreas internas. Emboço ou contrapiso sarrafeado ou desempenado, com pelo menos 14 dias de

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

MANUAL DO C L I E N T E

MANUAL DO C L I E N T E MANUAL DO C L I E N T E 1 Recebendo o revestimento na obra 1.1 Comparar a nota fiscal com o pedido SUMÁRIO 2 3 4 5 Manuseio e armazenamento 2.1 2.2 Ter cuidado no manuseio Empilhamento dos revestimentos

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso CONTRAPISO 1 camada (s) de argamassa (s) que pode ser aplicada sobre a laje ou lastro de concreto, sobre camada de impermeabilização* ou sobre camada de isolamento térmico/acústico* (* na maioria das vezes

Leia mais

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Soluções para Construção Fortaleza Março - 2015 SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Assentar e rejuntar Sobrepor Revestir Renovar QUALIDADE, CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO sempre foram as forças que

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

MANUAL DE EXECUÇÃO PISOS

MANUAL DE EXECUÇÃO PISOS MANUAL DE EXECUÇÃO PISOS 1 Introdução A GAIL desenvolveu este manual prático e explicativo para ajudar no processo de assentamento e rejuntamento de pisos, utilizando os produtos GAIL corretamente, proporcionando

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

Situação errada: piso escorregadio

Situação errada: piso escorregadio A calçada deve ser construída a partir do meio-fio (guia) de concreto pré-moldado instalado pela Prefeitura ou pelo loteador, que faz parte do acabamento com 15cm de altura entre o passeio e a rua. Os

Leia mais

MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade.

MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade. Data da última revisão: 03/2011 DEFINIÇÃO MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade. MANTA POLIMÉRICA é fácil

Leia mais

55 (11) 2423-2600. Consultoria Técnica. sac@gail.com.br. Manual de Execução. 03 Paredes Internas

55 (11) 2423-2600. Consultoria Técnica. sac@gail.com.br. Manual de Execução. 03 Paredes Internas Consultoria Técnica 55 (11) 2423-2600 sac@gail.com.br Manual de Execução 03 Paredes Internas Manual prático de orientação para a aplicação dos produtos Gail em paredes internas. Introdução Projeto 04 08

Leia mais

Assentar pisos e azulejos em áreas internas.

Assentar pisos e azulejos em áreas internas. CAMPO DE APLICAÇÃO Direto sobre alvenaria de blocos bem acabados, contrapiso ou emboço desempenado e seco, isento de graxa, poeira e areia solta, para não comprometer a aderência do produto. Indicado apenas

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA DE ARGAMASSA P R O M O Ç Ã O Início dos Serviços Alvenarias concluídas há 30 dias e fixadas internamente há 15 dias Estrutura concluída há 120 dias Contra marcos chumbados

Leia mais

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Produto/variações Devido ao processo de fabricação e aplicação de gel envelhecedor, os revestimentos cimentícios, podem apresentar pequenas variações

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento e sobreposição de pisos, azulejos e pastilhas. O principal

Leia mais

membrana impermeabilizante

membrana impermeabilizante 01 Descrição: votomassa é uma impermeável flexível e antifissura resistente a cargas, que dispensa o uso de telas, para aplicação em diversos substratos. 02 Classificação técnica: ANTES Hydro Ban votomassa

Leia mais

Manual de Instruções Técnicas

Manual de Instruções Técnicas VERSÃO 3A Manual de Instruções Técnicas Castelatto Rua Antonio da Cunha Leite, 3070 Bairro do Portão - Atibaia - SP CEP 1948-110 CRYSTALLI - PARIS - ETRUSCO - GREZZO CRYSTALLI PARABÉNS! ÍNDICE: ETRUSCO

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR ANTES DA INSTALAÇÃO: Para podermos ter uma excelente apresentação da instalação não dependemos

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

MANUAL DE ASSENTAMENTO - PISCINAS

MANUAL DE ASSENTAMENTO - PISCINAS MANUAL DE ASSENTAMENTO - PISCINAS 1 - Introdução A GAIL desenvolveu este manual prático e explicativo para ajudar no processo de assentamento e rejuntamento de revestimentos de piscinas, utilizando os

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

55 (11) 2423-2600. Consultoria Técnica. sac@gail.com.br. Manual de Execução. 05 Piscinas

55 (11) 2423-2600. Consultoria Técnica. sac@gail.com.br. Manual de Execução. 05 Piscinas Consultoria Técnica 55 (11) 2423-2600 sac@gail.com.br Manual de Execução 05 Piscinas Manual prático de orientação para a aplicação dos produtos Gail em piscinas. Introdução Projeto 04 08 Normas Equipe

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Rejunta Já! Acrílico Código: RJA001 e RJA101

Ficha Técnica de Produto Rejunta Já! Acrílico Código: RJA001 e RJA101 1. Descrição: O é mais uma solução inovadora, que apresenta praticidade e agilidade para o rejuntamento de pisos, azulejos, pastilhas, porcelanatos em áreas internas, externas, molháveis, molhadas. O principal

Leia mais

55 (11) 2423-2600. Consultoria Técnica. sac@gail.com.br. Manual de Execução. Pisos

55 (11) 2423-2600. Consultoria Técnica. sac@gail.com.br. Manual de Execução. Pisos Consultoria Técnica 55 (11) 2423-2600 sac@gail.com.br Manual de Execução Pisos 02 Manual prático de orientação para a aplicação dos produtos Gail em pisos. Introdução Projeto 04 08 Normas Equipe de Execução

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE JATOBÁ

MANUAL DO CLIENTE JATOBÁ MANUAL DO CLIENTE JATOBÁ Apresentação Este Manual tem como objetivo fornecer aos especificadores, assentadores e usuários informações, instruções e dicas a respeito da aquisição, assentamento, uso e manutenção

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

Manual de Assentamento. Produtos 5x40,5 e 6,5x23

Manual de Assentamento. Produtos 5x40,5 e 6,5x23 Manual de Assentamento Produtos 5x40,5 e 6,5x23 Índice 01. Produtos... 03 02. Projeto... 03 03. Recebimento e Armazenamento... 04 04. Inspeção Visual... 05 05. Conferências no Local de Instalação... 05

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL Profa. Eliana Barreto Monteiro Você sabia? Que na maioria das vezes a aplicação da argamassa de reparo deve ser manual? A diferença entre reparo superficial e profundo? Procedimentos

Leia mais

Execução de projetos com vista à impermeabilização

Execução de projetos com vista à impermeabilização Execução de projetos com vista à impermeabilização O arquiteto e o engenheiro, ao realizar um projeto para qualquer tipo de construção, devem preocupar-se com os problemas de impermeabilização já durante

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

55 (11) 2423-2600. Consultoria Técnica. sac@gail.com.br. Manual de Execução. 01 Pisos Fachadas

55 (11) 2423-2600. Consultoria Técnica. sac@gail.com.br. Manual de Execução. 01 Pisos Fachadas Consultoria Técnica 55 (11) 2423-2600 sac@gail.com.br Manual de Execução 01 Pisos Fachadas Manual prático de orientação para a aplicação dos produtos Gail em fachadas. Introdução Projeto 04 08 Normas Equipe

Leia mais

CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO

CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO CAPÍTULO IV ARGAMASSA DE REVESTIMENTO I. CONSIDERAÇÕES GERAIS A alta competitividade do panorama econômico atual faz com que as empresas busquem um maior ganho de qualidade com redução de custos. A obtenção

Leia mais

55 (11) 2423-2600. Consultoria Técnica. sac@gail.com.br. Manual de Execução. 04 Industrial

55 (11) 2423-2600. Consultoria Técnica. sac@gail.com.br. Manual de Execução. 04 Industrial Consultoria Técnica 55 (11) 2423-2600 sac@gail.com.br Manual de Execução 04 Industrial Manual prático de orientação para aplicação dos produtos Gail em ambientes industriais. Introdução Projeto 04 08 Normas

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442 1 SELOFLEX R Primeira linha em impermeabilizante acrílico BOLETIM TÉCNICO Como qualquer tipo de impermeabilização flexível, a estrutura deverá estar seca, mínimo de 7 dias após a regularização, limpa de

Leia mais

Showroom. Imagem aérea da fábrica

Showroom. Imagem aérea da fábrica Showroom Imagem aérea da fábrica Índice Pág. Apresentação - Saiba mais sobre a Itagres 1 - Comprando os revestimentos 2 - Recebendo e preparando os revestimentos em sua obra 3 - Planejando o assentamento:

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

manual de assentamento técnico

manual de assentamento técnico manual de assentamento técnico índice 02. 04. 07. 08. 10. 11. 12. 13. 14. manual de assentamento de placas cerâmicas /recebimento/armazenamento na obra assentamento cortes casos específicos - instalação

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180100 PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIOS FOLHA: SUMÁRIO 1. PASSEIO EM PEDRA PORTUGUESA...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...1 1.4 EXECUÇÃO...1 1.5 CONTROLE...2 2. PASSEIO

Leia mais

Hotelaria SAÚDE NOVA COLEÇÃO 2013. A segurança de se sentir bem. Recomendado para os segmentos:

Hotelaria SAÚDE NOVA COLEÇÃO 2013. A segurança de se sentir bem. Recomendado para os segmentos: A segurança de se sentir bem. NOVA COLEÇÃO 2013 Crédito Equipotel 2010 - Arquiteta Jorgina Nello Optima Multisafe (cor 3240861), Aquarelle Wall HFS (cor 3942023) Recomendado para os segmentos: SAÚDE Hotelaria

Leia mais

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm 01 DESCRIÇÃO: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, ideal para assentamento de revestimentos cerâmicos, porcelanatos, pedras rústicas em áreas internas e externas em pisos e paredes; Aplicação

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

Edificações - revestimento de paredes

Edificações - revestimento de paredes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Manual de assentamento em piso PARA PRODUTOS COM ESPESSURA ACIMA DE 8,0MM

Manual de assentamento em piso PARA PRODUTOS COM ESPESSURA ACIMA DE 8,0MM Fevereiro 2015 Manual de assentamento em piso PARA PRODUTOS COM ESPESSURA ACIMA DE 8,0MM RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO DOS PRODUTOS Ao receber os produtos, confira se os mesmos estão em conformidade com

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS MÔNICA DANTAS

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

NBR 13755/1996. Revestimento de paredes externas e fachadas com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante Procedimento

NBR 13755/1996. Revestimento de paredes externas e fachadas com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante Procedimento NBR 13755/1996 Revestimento de paredes externas e fachadas com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante Procedimento OBJETIVO: 1. Estabelecer os requisitos para a execução, fiscalização e

Leia mais

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas Ficha Técnica de Produto Versão 20-08-2015 Viaplus 7000 1 /5 Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, flexível,

Leia mais

Verificar tabela abaixo para o uso correto do tamanho dos dentes da desempenadeira. Formato do dente da desempenadeira (mm²)

Verificar tabela abaixo para o uso correto do tamanho dos dentes da desempenadeira. Formato do dente da desempenadeira (mm²) COLAFLEX ACI - USO INTERNO NBR-14081/98 Argamassa colante para assentamento de pisos e azulejos em áreas internas. COMPOSIÇÃO: Cimento Portland cinza, areia fina classificada e aditivos especiais. BASE

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Instalação, Manutenção e Conservação de Basaltos e Granitos

MANUAL TÉCNICO. Instalação, Manutenção e Conservação de Basaltos e Granitos MANUAL TÉCNICO Instalação, Manutenção e Conservação de Basaltos e Granitos Com o propósito de criar uma série de ações que objetivam a instalação, preservação e manutenção do basalto e granito, a Basalto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

1 MANUAL DE INSTALAÇÃO

1 MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO 1 Manual de instalação 2 Índice Ferramentas... 3 Regras Básicas para instalação dos pisos Durafloor LVT... 4 Contrapiso...4 Mantas...6 Armazenamento...6 Paginação...7 Distribuição

Leia mais

VERSÃO. Manual de Instruções Técnicas MADEYRA VECCHIA. Castelatto Rua Antonio da Cunha Leite, 3070 Bairro do Portão - Atibaia - SP CEP 12948-110

VERSÃO. Manual de Instruções Técnicas MADEYRA VECCHIA. Castelatto Rua Antonio da Cunha Leite, 3070 Bairro do Portão - Atibaia - SP CEP 12948-110 VERSÃO 1A Manual de nstruções Técnicas Castelatto Rua Antonio da Cunha Leite, 3070 Bairro do Portão - Atibaia - SP CEP 12948-110 MADEYRA VECCHA PARABÉNS! MADEYRA VECCHA ÍNDCE: Você adquiriu um produto

Leia mais

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade.

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Descrição VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente ao concreto, à alvenaria e à argamassa. VEDATOP não é tinta de acabamento,

Leia mais

Manual para Construtoras

Manual para Construtoras Manual para Construtoras índice 03. Recebendo e estocando o revestimento na obra 05. Assentamento 16. Proteção do revestimento e limpeza pós-obra 17. Limpeza Diária. Limpeza de manchas específicas O revestimento

Leia mais

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca FABRICANTE Eternit TIPO ESP. LOCAL APLIC. Ondulada 6mm Coberta da Cloaca COR - As telhas serão de fibrocimento 6mm, Eternit ou equivalente técnico de procedência conhecida e idônea, textura homogênea,

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto Ficha do Produto Edição 22/05/13 Sikadur 43 Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto Construção Descrição do produto é um adesivo estrutural

Leia mais

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa;

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa; VIAPLUS 7000-FIBRAS 1. Descrição Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 07. PISOS

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 07. PISOS DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 07. PISOS Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP PISOS 1. CONTRAPISO E REGULARIZAÇÃO COM ARGAMASSA No caso de fundação em radier os pisos já contarão

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA.

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. Dados da Obra: Endereço da obra: Rua Amazonas, nº512, Centro. Parte

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. A CONTRATADA deverá fornecer ART de execução dos serviços e diários de obra.

MEMORIAL DESCRITIVO. A CONTRATADA deverá fornecer ART de execução dos serviços e diários de obra. Página 1 de 10 MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Reforma na Unidade de Polícia Militar de Guarujá do Sul (SC) PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Guarujá do Sul (SC) LOCAL: Rua Presidente Vargas, n 739, Guarujá

Leia mais

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L.

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L. Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Impermeabilização Prof. André L. Gamino Normalização ABNT: Termos Gerais NBR 9575 (2010): Impermeabilização

Leia mais

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens Ficha do Produto Edição 18/5/2010 Sika 1 Construção Sika 1 Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado Descrição do Produto Usos Características/ Vantagens Dados do Produto

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais