13 o ICCRTS: C 2 para Missões Complexas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "13 o ICCRTS: C 2 para Missões Complexas"

Transcrição

1 13 o ICCRTS: C 2 para Missões Complexas INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE COMANDO E CONTROLE: UMA EXPERIÊNCIA BRASILEIRA 1 Tópico 8: Arquiteturas de C2 Andersonn Kohl Major QEM Departamento de Ciência e Tecnologia Exército Brasileiro (Brazilian Army) Quartel-General do Exército, Bloco G, 3º andar Setor Militar Urbano Brasília-DF-Brasil tel: O artigo original em inglês pode ser obtido em (Paper 119)

2 INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE COMANDO E CONTROLE: UMA EXPERIÊNCIA BRASILEIRA 1. Resumo Este artigo fornece uma visão geral da experiência brasileira no que se refere à integração e interoperabilidade entre sistemas de Comando e Controle. Abrange exemplos desde o nível mais alto das Forças Armadas, até o nível mais baixo, tanto dentro como fora do Exército Brasileiro. As características e as capacidades relacionadas com a integração no nível físico e com os enlaces dentro do Exército são apresentadas para uma gama de tecnologias que cobrem vários tipos de radiofreqüências, satélite e redes. O emprego de arquitetura orientada a serviços para interoperabilidade entre sistemas, incluindo o segmento civil, também é discutida, juntamente com o futuro processo de integração de C². Palavras-chave: Interoperabilidade, integração de sistemas, SOA. 2. Introdução Existem duas abordagens principais para integração de sistemas de comando e controle (C 2 ). A primeira estabelece que todos os sistemas de C² existentes devam ser descartados em favor do desenvolvimento de um novo sistema para atender todos os requisitos dos diferentes usuários. Trata-se de uma abordagem de cima para baixo (top-down). Este é um conceito muito atraente, mas leva a um sistema complexo e grande, o que é quase utópico, devido ao custo e tempo gastos. A segunda abordagem envolve a busca de uma solução que mantenha os sistemas de C² existentes como eles são, e se concentra na troca de informações, levando a um Sistema de Sistemas (SdS). Esta é a abordagem de baixo para cima (bottom-up). Devido à política brasileira, a abordagem top-down é um objetivo de longo prazo, o que explica porque a abordagem de bottom-up foi escolhida como uma solução para a interoperabilidade entre os sistemas de C² existentes, como os da Marinha e da Força Aérea, e os mais novos, como os do Ministério da Defesa, Exército e do segmento de Defesa Civil. Mesmo com essa abordagem, muitas tarefas de desenvolvimento ainda precisam ser realizadas a fim de agrupar todos os diferentes sistemas em conjunto, horizontal e verticalmente. Devido a isto, uma Arquitetura Orientada a Serviço (SOA) baseada em Web Services foi escolhida para aqueles sistemas onde largura de banda não é uma restrição para o intercâmbio de informações. Simultaneamente, uma abordagem diferente está sendo adotada no desenvolvimento de soluções para o nível tático das Forças.

3 O restante deste artigo está organizado da seguinte forma: na seção 2 é apresentada a solução de conectividade do Exército, baseada em produtos de prateleira (commercial-ofthe-shelf - COTS), a qual é tolerante a falhas graças ao conceito de redundância de rotas. A seção 3 apresenta a proposta de integração combinada de sistemas no nível tático, baseada no Módulo de Telemática, desenvolvido pelo Exército, e no protocolo Link BR- 2, desenvolvido pela Força Aérea. A seção 4 descreve o conceito de integração que será adotado nos níveis estratégico e operacional e a sua conexão ao nível tático. Na seção 5, a integração ao segmento civil é descrita. A seção 6 finaliza o artigo, apresentando a evolução planejada, técnica e conceitualmente, para o todo o sistema. 3. Sistema de Comando e Controle do Exército Brasileiro O projeto de C² tático atualmente em desenvolvimento no Exército Brasileiro (C² em Combate C²Cmb) foi iniciado em Dois segmentos principais compõem este sistema: o software de C² e a infra-estrutura de telecomunicações. Programa C 2 Cmb Software O software C²Cmb foi desenvolvido sob a diretiva de que a sua distribuição deve ser livre de quaisquer custos de licenciamento para sua utilização. Com isso, o resultado é que o programa é baseado em banco de dados e em software de sistema de informações geográficas (SIG) de código aberto, totalmente integrado à interface de usuário, a qual pode ser executada tanto em plataformas Windows quanto Linux (Figura 1). Figura 1 - Tela do Programa C 2 Cmb 1

4 O software é totalmente desenvolvido pelo pessoal do Exército e está configurado para funcionar sob forma distribuída (ou seja, sem emprego de servidores centrais), mesmo operando sobre redes HF. A distribuição dos dados é realizada por meio de um conjunto de protocolos denominado RONDON 1. Para troca de dados entre os nós de C², o protocolo de difusão trata as informações dirigidas a um nó específico, a fim de que apenas os fluxos de dados necessários trafeguem pela rede. Isto reduz o tráfego e faz com que as informações disponíveis sejam bem segmentadas, o que minimiza o impacto no caso de um nó falhar ou cair sob controle do inimigo. A informação que chega a um nó é tratada por uma máquina mestra e o protocolo de replicação garante que cada computador receba uma cópia das mesmas informações que todos os outros computadores dentro do nó. Esta é uma parte essencial do conceito de tolerância a falhas implementado em todo o sistema. A Figura 2 apresenta a visão conceitual sobre como os protocolos de difusão e replicação funcionam. Infraestrutura Tática do C 2 Cmb Figura 2 - Conceito de sistema distribuído do C²Cmb O Exército Brasileiro desenvolveu uma solução de conectividade chamada Módulo Telemática (MT), com o objetivo de prover a distribuição de dados bem como comunicações por voz. O MT é o primeiro projeto de integração dentro do Exército a permitir, com sucesso, que redes distintas e separadas, como redes rádio (HF, VHF e UHF) e redes com fio, troquem informações de forma transparente ao usuário final.

5 O MT é um conjunto integrado de equipamentos de informática e de telecomunicações que fornece comunicações por voz e de dados entre todos os elementos de combate no terreno. Ele agrega um grande número de tecnologias disponíveis, a maior parte delas provenientes do meio civil, permitindo, assim, que múltiplas rotas sejam escolhidas automaticamente. A figura 3 ilustra os componentes. Figura 3 - Módulo de Telemática do C 2 Cmb Existem três tipos de MT, denominados "A", "B" e "C", os quais definem os equipamentos e tecnologias empregadas no âmbito de cada conjunto. O MT tipo "A" é o de mais alto nível, para utilização no nível brigada. É um sistema totalmente integrado que emprega tecnologias como Wi-Fi, WiMAX, rádios H/V/UHF, SISCOMIS, Globalstar, ADSL, linhas telefônicas públicas e de campanha. O tipo "B" é usado no nível batalhão e o tipo "C" é empregado em companhias ou níveis mais baixos. Quando os MT são conectados, eles formam uma rede física e lógica capaz de transmitir dados, voz e imagens a partir de, ou para, quaisquer elementos de combate, bem como de, ou para, redes externas como a Internet, telefonia pública comutada e rede celular. As interligações do MT são feitas a fim de permitir caminhos ou rotas alternativas entre dois pontos do sistema no terreno. Quando uma rota torna-se indisponível, o sistema automaticamente adapta-se para encontrar outra rota operacional, a fim de alcançar o destino necessário. As rotas alternativas utilizam tecnologias distintas, de modo que o sistema é independente das condições de transmissão que poderiam afetar uma tecnologia específica. A evolução futura para o sistema prevê a incorporação de um Rádio Definido por Software, atualmente em desenvolvimento no Brasil, que irá acrescentar capacidades TDMA e ad-hoc ao sistema.

6 4. Sistema de Enlace de Dados Táticos Para a interoperabilidade tática, a solução de implementação proposta é baseada no MT e no protocolo da Força Aérea, ainda em desenvolvimento, chamado link BR-2 (BR-2 foi especificado a partir link BR-1, desenvolvido para o projeto SIVAM). O link BR-1 é um protocolo de comunicações ponto-a-ponto desenvolvido para disponibilizar informações recolhidas pelas plataformas R99 para o segmento terrestre do SIVAM bem como para o controle do tráfego aéreo. O link BR-2 foi desenvolvido para explorar a capacidade TDMA dos sistemas rádio empregados pelas plataformas R99. A figura 4 ilustra a forma como as camadas do link BR-2 estão relacionadas com o modelo de referência OSI. Figura 4 - Relacionamento OSI e link BR2 Entre os principais objetivos está a menor dependência da camada física, o que lhe permite ser configurável para diferentes camadas físicas ao mesmo tempo em que é independente da aplicação e do catálogo de mensagens. A independência da aplicação e do catálogo de mensagem reside na Interface de Programação de Aplicação (API) entre as camadas lógica e de aplicação (L-A); a independência da camada física reside na API entre as camadas lógica e física (L-P) e do controlador de dispositivo (device driver) a ser desenvolvido por cada dispositivo de comunicação que venha a ser utilizado. Isto permite que o protocolo venha a ser empregado em diferentes meios de transmissão, como HF ou satélite. Uma grande capacidade do protocolo BR2 é que ele permitirá que a plataforma funcione como um gateway. A capacidade de roteamento do MT como um gateway físico permitirá a troca de dados entre os sistemas táticos existentes dentro das Forças Armadas. A inserção do protocolo BR2 no MT aumentará a interoperabilidade e a flexibilidade dos sistemas. A figura 5 ilustra como.

7 Figura 5 - Conceito de Enlace de Dados Tático 5. Integração Operacional/Estratégica de C2 Os esforços para integração de sistemas no nível tático foram apresentados nas seções anteriores. A abordagem adotada foi essencialmente voltada para a manutenção da operacionalidade dos sistemas atuais ao mesmo tempo em que um "integrador" com capacidades de gateway está sendo desenvolvido. A principal limitação para este desenvolvimento é a necessidade de tratamento de informações em tempo quase-real (e, em algumas situações, processamento em tempo real), que poderá trazer impacto sobre alguns dos sistemas legados. Uma abordagem semelhante foi adotada para integração nos níveis superiores de C² operacional e estratégico. No entanto, não havia nenhuma exigência de processamento em tempo real destes níveis. Existem também várias capacidades espalhadas pelos sistemas legados que outros usuários poderiam querer explorar e o acesso a estas precisam ser levados em consideração. A primeira abordagem para os sistemas de interoperabilidade C² brasileiros foi o desenvolvimento de uma solução baseada no C2IEDM (Modelo de Dados para Intercâmbio de Informações de Comando e Controle). No entanto, embora o mecanismo de intercâmbio de dados do Programa para Interoperabilidade Multilateral (Multilateral Interoperability Programme MIP-DEM) e o C2IEDM proporcionem meios necessários para permitir, sem ambigüidades, a codificação e o intercâmbio de informações entre dois sistemas de C², isto não garante a interoperabilidade. Assim, tentou-se fazer uma nova abordagem baseada em Arquitetura Orientada a Serviço (SOA).

8 Fundamentos de SOA Arquitetura Orientada a Serviço é um paradigma para organização e utilização de capacidades distribuídas que podem estar sob controle de diferentes domínios. As partes fundamentais de um paradigma SOA que norteiam a solução de infra-estrutura são as seguintes: 1) Visibilidade, que se refere à capacidade de aqueles com necessidades e aqueles com recursos (capacidades) poderem se ver uns aos outros, o que pode ser traduzido como descrição de serviço, a qual precisa estar num formato no qual a sua sintaxe e a sua semântica estejam acessíveis e sejam compreensíveis; 2) Interação, que é a atividade da utilização de uma capacidade. Ela prossegue através de uma série de trocas de informações e de ações solicitadas, intermediada pela troca de mensagens. O registro de um serviço em um servidor e sua capacidade de busca são as principais tarefas de um processo de interação, seguida pela capacidade de enviar mensagens entre o consumidor de serviços e o fornecedor de serviços; 3) Efeito, que é o resultado de uma interação. Esse efeito pode ser o retorno de informações ou a mudança do estado de entidades (conhecidos ou desconhecidos) que estão envolvidos na interação. Linguagem de Descrição de Web Services (WSDL) é uma solução bastante adequada que descreve as capacidades de Web Services como coleções de parâmetros de comunicação capazes de trocar mensagens. Este é um bom ponto de partida para satisfazer requisitos visibilidade. A figura 6 mostra como a interação pode ser obtida por um registrador Universal de Descrição, Descoberta e Integração (UDDI), um registrador de negócio mundial baseado em registros XML (extended Mark-Up Language), e pela utilização de protocolo de acesso simples a objetos (SOAP), um protocolo leve baseado em mensagens XML, utilizado para codificar a informação em mensagens de pedido e resposta de Web service antes de enviá-los através da rede. Mensagens SOAP são independentes de qualquer sistema operacional ou protocolo e só podem ser transportadas através de uma variedade de protocolos Internet.

9 Figura 6 - Conceito de SOA Um consumidor de serviço pode procurar por um serviço no registrador UDDI, obter o WSDL do serviço e solicitar o serviço utilizando SOAP. Geralmente, as capacidades são desenvolvidas para resolver ou apoiar uma solução para os problemas que surgem no negócio. É lógico que as necessidades de alguém poderiam ser sanadas pelas capacidades desenvolvidas por outrem. Isso acontece o tempo todo em todo o mundo. Não há, necessariamente, um relacionamento de um-para-um entre necessidades e capacidades, devido a muitas razões, mas, principalmente, porque qualquer necessidade pode exigir a combinação de várias capacidades, enquanto que uma única capacidade pode atender a mais de uma necessidade. O grande mérito da SOA é que ela provê uma poderosa estrutura para acoplamento de necessidades e capacidades e para combinação de capacidades que atendem aquelas necessidades. Embora ambas as necessidades e capacidades possam existir independentemente, em SOA, os serviços são o mecanismo pelo qual as necessidades e as capacidades são postas em conjunto. A chave para o sucesso da SOA é a independência entre a interface de serviço e a implementação física. Desenvolvedores de aplicação ou integradores de sistema podem construir aplicações pela composição de um ou mais serviços sem conhecimento das implementações existentes sob os serviços. Existem algumas perguntas que devem ser respondidas quando se decide desenvolver uma arquitetura SOA.

10 A primeira questão é como obter comunicação entre sistemas que são independentes de plataformas e uniformes? Para resolver esta questão é necessário ter um modo comum, um contrato, para estabelecer a comunicação. Uma possível solução é o emprego de Web Services. Uma segunda questão é como integrar e reunir diferentes Web Services baseados em padrões de processos de negócios? Para isso, é necessário criar aplicações compostas cujos processos são distribuídos pelos serviços. Uma solução possível é o emprego de uma linguagem baseada em XML chamada Linguagem de Execução de Processo de Negócio (BPEL) que regula a execução conjunta de serviços, como em um fluxo de trabalho (workflow), que poderia ser um processamento síncrono ou assíncrono, com ou sem intervenção de agentes externos, tais como um usuário ou outro sistema. Sem essa solução, a comunicação deverá ser estabelecida individualmente para cada par de sistemas Web Services, criando uma malha infinita de dependências de sistemas. A terceira pergunta é uma questão técnica sobre como conectar todos os participantes SOA abstraindo-se da complexidade técnica existente em camadas mais baixas? Pode haver uma série de diferentes tecnologias, como SOAP, CORBA, RMI e modelos de dados, como C2IEDM ou JC3IEDM, e o ambiente SOA deverá colocar todos para trabalhar em conjunto. A resposta para isto é Barramento de Empreendimento de Serviço (ESB) que possui um conjunto de conectores os quais permitem a comunicação com várias tecnologias distintas. Cada serviço exige não só fornecedores e consumidores, mas também um canal no ESB para conectar os dois. Este canal implementa a interface de serviço exatamente como um provedor (mas agindo como um proxy), incluindo formatos de mensagens e respostas para os pedidos de serviços que permitem solicitação remota (tal qual um processo inter-comunicação) do serviço. 6. O Sistema de Sistemas de C 2 Brasileiro Um conceito arquitetural de integração dos sistemas de C² foi concebido baseado nos fatos de que sistemas de C²: 1) são executados sob linguagens e plataformas distintas ; 2) operam em redes privadas e seguras; 3) devem ter alto nível de redundância; 4) podem mover-se sem aviso prévio; 5) empregam modelos de dados distintos. A primeira abordagem aponta claramente para uma solução web service, empregando um repositório UDDI. No entanto essa solução se tornaria um ponto fraco dentro do sistema porque os serviços tornam-se indisponíveis, caso o UDDI venha a falhar. A única maneira de se tornar independente do UDDI é a padronização de serviços para todo o sistema, de modo que aplicações clientes saibam exatamente:

11 1.Quais são os formatos das mensagens; 2.Quais as informações que podem ser obtidas; 3.Que serviços estão sendo oferecidos. Mas existe ainda uma questão a ser resolvida: como pode um aplicativo cliente encontrar um prestador de serviços dentro da rede, uma vez que o repositório UDDI não está mais disponível? A resposta a esta questão é o uso de um servidor intermediário. O intermediário sabe onde os serviços estão localizados e não precisa se preocupar em prover informação WSDL, uma vez que esta foi padronizada anteriormente para todo o sistema. A figura 7 mostra a forma como o servidor intermediário atua como um ponto de acesso a outros serviços de aplicação, porque ele sabe a real localização dos serviços. Ele também compila informação do mesmo serviço fornecida por várias aplicações, retornando apenas uma resposta para o solicitante. Ele funciona como referência a criação de uma DMZ (zona desmilitarizada), realizando a transição das redes privadas de cada sistema militar. Não será necessário para as aplicações consumidoras saber onde os serviços estão porque estas têm acesso apenas ao intermediário. Isto permite configurações de firewalls mais fáceis porque nenhum sistema tem acesso direto às aplicações de outras Forças. Todavia, isto nos leva de volta ao velho problema de "fraqueza": e se o servidor intermediário falhar? Figure 7 - Conceito do servidor intermediário

12 A fim de resolver esta "vulnerabilidade", uma malha de servidores intermediário foi proposta por que: 1. o servidor intermediário não possui qualquer informação crítica; 2. a única informação que deve ser replicada pela rede é a localização dos serviços; 3. uma vez que ele não possui informação crítica, um servidor intermediário pode ser rapidamente descartado e substituído; 4. as aplicações somente precisarão saber a localização de outro servidor da rede para trabalhar normalmente no caso de seu servidor intermediário falhar e não puder ser substituído. Se um fornecedor de serviço muda a sua localização, ele deve informar esta alteração ao seu servidor intermediário e este transmite para a rede a nova localização. Esta mesma abordagem pode ser empregada quando um novo servidor intermediário se junta à rede. O modelo da arquitetura lógica é apresentado na figura 8. Esta figura apresenta os sistemas de C² do Ministério da Defesa, da Marinha, do Exército e da Força Aérea fornecendo serviços por meio da rede de servidores intermediários. A integração ao nível tático será realizada através da adição de um servidor intermediário ao MT e pelo desenvolvimento de serviços web onde for possível prover os sistemas com fornecimento de serviços de ou para o nível tático. Figura 8 - SOA Modelo Lógico

13 A figura 9 apresenta um exemplo de configuração física para esta solução SOA. O intercâmbio de serviços no nível estratégico é realizado através da adição de servidores intermediários localizados fora dos firewalls utilizados pelas forças singulares. Esses servidores são parte da rede de servidores intermediários SOA. Figura 9 - SOA - Modelo Físico Por exemplo, suponha que uma operação seja conduzida na região amazônica. O Comando Combinado e o comando operacional da Força Aérea estão localizados dentro da mesma cidade (Manaus). Os comandos operacionais da Marinha e do Exército estão localizados próximos, mas em uma cidade diferente (Eirunepê). A solução SOA acrescentaria um servidor intermediário para cada cidade, mas fora do firewall das forças, e seria conectado aos demais membros da rede. Então, dentro do teatro de operações, se, por exemplo, um sistema do Exército apresentasse uma demanda de serviço da Marinha, existem várias maneiras em que esta poderia ser atendida. A primeira (e preferida) escolha seria solicitar diretamente ao servidor de Eirunepê que este requisite ao sistema local da Marinha e, assim, atender à demanda. O pedido poderá igualmente ser dirigido ao servidor no Rio de Janeiro que requisitaria ao sistema local da Marinha, mas esta operação demoraria um pouco mais e somente seria feita se o servidor local de Eirunepê se tornasse indisponível. Se o enlace do Ministério da Defesa (MD) falhar, o pedido pode ser enviado através da rede do Exército para Brasília, onde é transferido para a rede do MD para requisitar ao sistema da Marinha no Rio de Janeiro. Este exemplo simples mostra que a arquitetura proposta permite a troca de informações utilizando as características dos sistemas de C² acima listadas.

14 7. Integração com C² do segmento civil Em 2003, foi iniciado o desenvolvimento do Sistema Integrado de C² para a Defesa Civil no Rio de Janeiro, reunindo o Instituto Militar de Engenharia (IME), a Universidade Estadual Rio de Janeiro (UERJ) e a Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro. O sistema foi concebido para operar nos níveis municipal e estadual. O principal objetivo deste sistema é proporcionar um melhor planejamento e resposta rápida às catástrofes, naturais ou causados pelo homem, permitindo que mais vidas pudessem ser salvas em tais cenários. Descrição do Sistema O conceito do sistema foi concebido para permitir que toda informação necessária esteja disponível para o decisor. À luz deste conceito, os dados das fontes de informação dos diversos segmentos, como câmeras de controle de tráfego de veículos, polícias e bombeiros, por exemplo, devem estar disponíveis em um local central, de modo que o decisor possa avaliar diferentes opções e passar a sua decisão aos distintos executores. Os terminais de campo do sistema são constituídos por muitos recursos técnicos que transmitem a informação para o Centro de Gerenciamento Integrado (CGI) e receber ordens e informação de lá. Os componentes básicos do terminal remoto são: Computador de mão; Telefone celular com Bluetooth; Telefone satelital (Globalstar); Câmera digital, e Receptor GPS. Posições atualizadas e mensagens curtas das equipes de campo são enviadas através da rede de telefonia celular e/ou telefone por satélite. Vídeo digitalizado também pode ser enviado através da rede celular. O CGI é composto por: Servidor GIS, onde as posições das equipes são armazenadas e podem ser reproduzidas para análise; Servidor de vídeos e imagens, que gerencia as informações visuais fornecidas pelas câmeras digitais das equipes; Controlador de terminais, que gerencia o estado das equipes de campo; Manipulador de dados, onde planos de contingências, riscos, recursos e dados de desastres são gerenciados para alimentar o decisor. Existem duas telas de projeção que fornecem informações de situação e de imagem. Atualmente, existem vários CGI em funcionamento e este fato fez surgir uma evolução natural para o sistema, que é a construção de um CGI nacional, ligando todos os CGI estaduais.

15 Integração ao Sistema Militar de C 2 Figure 10 - Integrated Management Center (CGI) Conforme descrito anteriormente, o CGI possui alguns servidores específicos que desempenham um conjunto de tarefas que podem ser traduzidas em serviços. Esses serviços podem ser publicados através do cluster de servidores intermediários descritos na seção 4. Capacidades como transmissão de vídeo, posição e status de equipes de campo estarão disponíveis para o sistema da Defesa, o que facilitará a coordenação com as Forças Armadas para prestar ajuda em ao cenários de desastres. 8. A Integração de Processos de C2 no Futuro A primeira e natural abordagem de integração entre dois sistemas é aquela em que uma aplicação do sistema "A" acessa os dados armazenados no banco de dados do sistema "B". Esta solução é a integração dados. Essa abordagem permite a aplicação "A" tratar os dados de acordo com suas necessidades, mas pode ter dois grandes inconvenientes: o primeiro é o possível aspecto invasivo de acesso aos dados no sistema "B", e o segundo é que não há ganho para o sistema A da solução de processamento que poderia ser implementada na aplicação "B". O próximo nível de integração é que a aplicação "A" solicite alguma capacidade da aplicação "B" no domínio de web service. Esta solução de integração de aplicações é o nível atual de integração de sistemas C2 no âmbito das Forças Armadas brasileiras.

16 A próxima etapa prevista é a integração de componente de aplicação. Isso poderia ser, por exemplo, um componente de comunicação C2Cmb solicitando a utilização de capacidades do protocolo BR2. Este seria o nível de integração funcional. O objetivo principal de todo este cenário evolutivo é a integração de processos, como mostrado na figura 10. Todas as aplicações dentro de um sistema são conseqüência de um processo (ou processos) bem definido, a participar do negócio. Um sistema bem ajustado irá requerer a integração de processos que definirão, por exemplo, quais os serviços deverão estar disponíveis para cada sistema, a fim de satisfazer exigências de integração. Essa é a meta que solução SOA proposta objetiva. Uma vez que este objetivo seja cumprido, e até mesmo durante o seu desenvolvimento, os requisitos para um novo e totalmente comum sistema de C² estará sob especificação. Figura 11 - A Futura Interação dos Sistemas de C2 9. Conclusão A interoperabilidade e integração de sistemas C² claramente possuem dois grandes domínios relacionados com o nível operacional/estratégico e com o nível tático. Este artigo apresentou a atual integração de sistemas de C² brasileiros para os níveis operacional/estratégico e tático. Para o nível tático, a integração planejada reside no Módulo de Telemática e no protocolo BR2. Para o nível operacional/estratégico, uma SOA está em desenvolvimento, a qual permitirá também a participação do nível tático, embora com algumas limitações. Em longo prazo, o objetivo do C² é o desenvolvimento de integração de processos como base para o futuro desenvolvimento de sistema conjunto dentro das Forças Armadas brasileiras.

17 10. Referências OASIS. (n.d.). OASIS SOA Reference Model TC. Retrieved January 5, 2008, from OASIS: Bianco, Phil, Rick Kotermanski, and Paulo Merson Evaluating a Service-Oriented Architecture Technical Report. Carnegie Mellon University. Morris, Edwin, Linda Levine, Craig Meyers, Pat Place and Dan Plakosh System of Systems Interoperability (SOSI): Final Report. Carnegie Mellon University. Dorf, Richard C The Electrical Engineering Handbook (2 nd Edition).CRC PressLLC. 11. Glossário C 2 Cmb Comando e Controle em Combate CGI FAC FNC FTC MT Centro de Gerenciamento Integrado Força Aérea Componente Força Naval Componente Força Terrestre Componente Módulo de Telemática RONDON Replicação de Objetos Nodais e Difusão de Objetos Nodais. SISCOMIS Sistema Militar de Comunicações por Satélite. SIVAM Sistema de Vigilância da Amazônia SOA Arquitetura Orientada a Serviço

18 12. Agradecimentos O autor agradece às seguintes pessoas pelo apoio no fornecimento e intercâmbio de conhecimentos que permitiram que este artigo pudesse ser escrito. Paulo César Guerreiro da Costa FAB Edmundo Lopes Cecílio EB Francisco Guirado Bernabeu FAB André Luiz Pimentel Uruguay FAB Leandro Costa de Andrade FAB Alexandre Alves dos Santos EB Eduardo Martins Guerra FAB

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira SOA - Service Oriented Architecture Marcelo Canevello Ferreira Índice Arquitetura baseada em componentes Introdução a SOA Principais conceitos de SOA SOA Framework Abordagem de integração Conclusões Evolução

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I Prof. MSc. Hugo Souza Como já vimos, os sistemas distribuídos são apresentados considerando um planejamento bem mais complexo relacionado aos

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar.

Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar. Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar. Vídeo Monitoramento através do celular, smartphone agora é sinônimo de câmera IP. Plataforma de Vídeo Monitoramento Avançado

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes da infraestrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System

The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System Fábio Meira de O. Dias, Marcelo Tílio M. Carvalho TecGraf PUC-Rio Tópicos Introdução Planos de emergência Linguagem de definição de planos

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -ARQUITETURAS DE APLICAÇÃO MÓVEL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -ARQUITETURAS DE APLICAÇÃO MÓVEL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about. PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -ARQUITETURAS DE APLICAÇÃO MÓVEL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução Cliente-Servidor Cliente Servidor Tipos de conexão

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 2 1 OBJETIVOS

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

SEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE APIs. Uma empresa da CA Technologies

SEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE APIs. Uma empresa da CA Technologies www.layer7.com SEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE APIs Uma empresa da CA Technologies Uma empresa da CA Technologies COMPONENTES DE APIs PARA A EMPRESA ABERTA A Layer 7 oferece soluções de segurança e gerenciamento

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Introdução O que é Protocolo? - Para que os pacotes de dados trafeguem de uma origem até um destino, através de uma rede, é importante

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 Pág. 167 Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais