Avaliação de técnicas de codificação de voz para VoIP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de técnicas de codificação de voz para VoIP"

Transcrição

1 Avaliação de técnicas de codificação de voz para VoIP Márcio A. de Souza 1, Anderson D. Schicorski 1, Kleber Z. A. Ferreira 1, Luciano J. Senger 1, Omar A. C. Cortes 2 1 Departamento de Informática Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) Ponta Grossa PR Brazil 2 Departamento Acadêmico de Informática CEFET Maranhão São Luiz MA - Brazil. Abstract. The VoIP (Voice over IP) technology uses coding algorithms (called codecs) that makes the transformation of the human voice into a digital representation. There are several examples of codecs, each one with different characteristics. The goal of this paper is to conduct an evaluation of codecs commonly used in VoIP communication. This comparative study has been made through the evaluation of the overhead generated by the codec on the network and the quality of the transmitted digitalized voice. The evaluation of the transmitted audio quality and bandwidth consumption has been performed using audio and network analysis tools. The results show that the G and G.711 recommendations presented the best results. Resumo. A utilização da tecnologia VoIP (Voz sobre IP) necessita de algoritmos de codificação (chamado codecs) que permitam fazer a digitalização da voz humana. Diversos codecs existem, com diferenças significativas entre eles. O objetivo deste artigo é apresentar uma análise comparativa de alguns codecs comumente utilizados na comunicação VoIP, através da análise da sobrecarga que eles geram na rede e da qualidade da voz resultante após a transmissão. Essa avaliação é feita utilizando ferramentas para análise de pacotes e de áudio. Os resultados obtidos mostram que dentre todos os codecs avaliados, as recomendações G e o G.711 apresentam resultados melhores. 1. Introdução A área de telecomunicações vem sofrendo uma grande revolução, em grande parte impulsionada por avanços tecnológicos conseguidos junto às redes de comutação de pacotes como a Internet. Os serviços de telefonia, antes oferecidos pelos sistemas de telefonia convencional (baseados em comutação de circuitos), têm sido oferecidos sobre essas redes de comutação de pacotes, o que reflete em uma mudança no modo como os serviços de telefonia vêm sendo prestados hoje em dia. Em relação à transferência de voz, as redes de comutação de pacotes têm se tornado uma alternativa muito atraente para conversas telefônicas, visto que elas 123

2 oferecem uma qualidade de transmissão razoável aliada a um custo relativamente baixo, principalmente para usuários que costumam fazer ligações interurbanas. Assim, grupos ligados às empresas de telecomunicação e de computação passaram a investir na criação de mecanismos para transmissão de voz sobre a Internet, chamando esta nova tecnologia de VoIP. O termo VoIP é originário de Voice over IP (Voz sobre IP), onde IP (Internet Protocol) é um protocolo extensamente difundido tanto em redes públicas (como a Internet) quanto em redes privadas. A idéia do protocolo VoIP se baseia na transmissão de voz em forma de pacotes através de uma rede utilizando protocolos da pilha TCP/IP [Comer 2006; Moraes e Cirone 2003; Tanenbaum, 2003]. Para que esse sistema seja viável, o sinal de voz deve passar por um processo de digitalização e compactação antes de ser transformado em pacotes IP. Essa digitalização é feita através de codecs (algoritmos de codificação), os quais são responsáveis pela codificação do sinal de voz. Esses codecs são muito importantes no processo de transmissão de voz pela Internet, pois influenciam a qualidade final das transmissões e a largura de banda utilizada por elas. Este artigo apresenta uma avaliação da tecnologia utilizada para a transmissão de voz utilizando uma rede TCP/IP, abordando os codecs utilizados para realizar o processo de digitalização. Essa avaliação será feita através de experimentos práticos com alguns dos principais algoritmos de digitalização existentes, objetivando analisar a sobrecarga que esses codecs geram na rede e a qualidade da voz transmitida por eles. Este artigo está organizado da seguinte maneira: a segunda Seção apresenta alguns trabalhos relacionados. A Seção 3 apresenta alguns conceitos básicos sobre VoIP e codificação de voz. Em seguida, na Seção 4 são apresentadas a metodologia empregada neste trabalho e os resultados obtidos da avaliação dos codecs. Por fim, a Seção 5 apresenta as conclusões deste trabalho. 2. Trabalhos Relacionados Existem diversos trabalhos direcionados a avaliar a qualidade da comunicação usando a tecnologia VoIP. Os trabalhos de Kushman et al. (2007), Levy e Zlatokrilov (2006) e Markopoulou et al. (2003) analisam os fatores que podem influenciar no desempenho de uma comunicação usando VoIP. Outros trabalhos têm como objetivo definir ferramentas para monitorar a qualidade de ligações VoIP [Chua e Pheanis, 2006; David 2003; Lustosa et al. 2005]. Existem ainda trabalhos que apresentam modelos que permitem avaliar a qualidade da voz transmitida [Lakaniemi et al. 2001; Lustosa et al. 2004]. Wenyu et al. (2003) apresentam uma avaliação dos aparelhos de comunicação em relação à qualidade da voz. Todos os trabalhos citados utilizam alguns codecs nos experimentos práticos apresentados nos artigos, embora o objetivo dos trabalhos não seja especificamente avaliar os codecs. Este artigo, por outro lado, foca-se na avaliação dos codecs de voz, comparando-os em termos de qualidade da voz transmitida (usando um software de análise de áudio) e de sobrecarga na rede. 124

3 3. Arquitetura VoIP A base da arquitetura VoIP é a rede TCP/IP, de maneira que qualquer equipamento que se conecte a ela deve possuir meios para realizar a recepção e o envio de pacotes de voz digitalizada. Assim, para que a transferência de voz sobre IP aconteça, é necessário que sejam definidos protocolos, os quais fornecem as funcionalidades necessárias à transmissão da voz com uma qualidade suficiente. Os dois protocolos principais usados para a sinalização e controle de chamadas de voz são o H.323 e o SIP [Fernandes 200-] O H.323, desenvolvidos pela ITU (órgão ligado às empresas de telefonia), é um conjunto grande e complexo de protocolos destinados a controlar todas as fases de uma ligação pela Internet, incluindo a codificação de voz e vídeo, estabelecimento de conexões, sinalização, etc. O protocolo H.323 apresenta as seguintes características [Toga & Elgebaly, 1998]: independência de rede, interoperabilidade e independência de plataforma, pois a transmissão de áudio e outros conteúdos não depende de modificações na camada de transporte ou no sistema operacional; representação padronizada de mídias, através do estabelecimento de padrões para compressão e descompressão de sinais de áudio e vídeo, assim como de mecanismos de negociação desses codificadores entre os pares comunicantes; gerenciamento de largura de banda; conferências multiponto. O SIP (Session Initiation Protocol), apresentado inicialmente em [Rosenberg et al. 2002], é um protocolo mais simples e inspirado em protocolos baseados em texto, como o HTTP e o SMTP, usado para transporte de informações multimídia pela Internet e desenvolvido pela IETF (órgão responsável pela padronização de protocolos da Internet). O protocolo SIP apresenta as seguintes características: simplicidade, por ter apenas seis métodos para a troca de informações entre os comunicantes e ser baseado em texto; interoperabilidade, independência de rede e de plataforma [Willys & Drage, 2007]. Independente dos protocolos usados para controlar a chamada, um processo muito importante no procedimento de transmissão de voz é a digitalização, a qual é responsável por codificar a voz de maneira que ela possa ser transmitida via pacotes IP. O processo de digitalização interfere diretamente na qualidade da voz transferida e na largura de banda utilizada. Com a arquitetura apresentada, a próxima Subseção apresenta uma discussão sobre as técnicas de digitalização de voz, as quais são avaliadas neste artigo Digitalização de Voz O sinal da voz (que é um sinal analógico), para ser transmitido através de uma rede de computadores que utiliza um sistema de transmissão digital, precisa passar por um processo de digitalização. Esse processo é realizado por algoritmos conhecidos como codecs (encoders/decoders) [Bernal 2003, Fernandes 200-, Jordan 1994]. Uma técnica muito difundida em sistemas de digitalização de sinais de áudio é a PCM (Pulse Code Modulation). Na técnica de PCM, o processo de digitalização é realizado tomando-se amostras do sinal analógico em determinados intervalos de tempo. Como a faixa de valores possíveis de um sinal analógico é muito grande, utiliza-se um conjunto limitado de valores de quantização (um conjunto de bits), os quais são usados 125

4 para representar cada uma das amostras. Os valores das amostras são então aproximados para esses valores de quantização. Quanto menor o número de valores de quantização disponíveis, maior será a perda sentida no sinal original. De acordo com o número de amostras geradas por segundo e a quantidade de bits usada para representar cada uma das amostras, pode-se calcular a taxa de bits (bit rate) usada pelo codec. A taxa de bits é geralmente medida utilizando a unidade Mbit/s (Megabits por segundo), que representa o número de bits utilizado em 1 segundo de áudio. Nesse caso, a taxa de bits equivale apenas à codificação da voz, e não inclui o tráfego gerado por informações de controle utilizadas pelos demais protocolos VoIP. Em virtude da grande utilização da técnica de PCM, a ITU criou uma recomendação tomando-a como base, chamada de G.711. Uma taxa típica de transmissão de dados da G.711 é 64 kbps. Outros algoritmos baseados em adequações da técnica PCM surgiram visando proporcionar uma taxa de bits menor mantendo um padrão de qualidade de voz aceitável. Dentre essas adequações da PCM, podem ser citadas: a ADPCM (usada na recomendação G.726), a CS-ACELP (usada na recomendação G.729) e a ACELP MP- MLQ (usada na recomendação G.723.1). Diferentes recomendações apresentam diferentes taxas de transmissão e diferentes atrasos (nesse caso, atraso refere-se ao tempo necessário para codificação da voz, sendo medido em milissegundos). Geralmente, quanto maior a taxa de bits, menor o atraso, visto que taxas de bits maiores representam algoritmos de codificação com menor compactação. A implementação dessas recomendações geram os codecs, e a Tabela 1 apresenta uma relação dos codecs analisados neste trabalho, com suas respectivas taxas de bits e atrasos típicos. Tabela 1. Codecs avaliados Codec Tipo de codificação Taxa de bits (Kbit/s) Atraso (ms) G.711 PCM 64 Kbit/s 1 G ADPCM 40 Kbit/s 60 G ADPCM 16 Kbit/s 60 G.729 CS-ACELP 8 Kbit/s G ACELP MP-MLQ 6,3 Kbit/s Em um universo com uma grande gama de possíveis codecs, é interessante estudar o custo/benefício oferecido por eles, e, principalmente, o resultado obtido em termos de qualidade da voz codificada. Este artigo apresenta uma avaliação de quatro dos codecs mais usados para aplicações de digitalização de voz, analisando a largura de banda utilizada por eles e a qualidade da voz digitaliza. Nesse contexto, a próxima Seção apresenta a metodologia usada na avaliação dos codecs e os resultados obtidos. 126

5 4. Avaliação dos Codecs Usados em VoIP A avaliação da eficiência dos codecs está relacionada com, além da qualidade do sinal recuperado pelo receptor, à largura de banda utilizada por eles e à complexidade do algoritmo (ou o atraso que ele gera durante o processo de codificação). Para alcançar os resultados mostrados neste artigo, foi necessário definir um ambiente de testes e utilizar alguns softwares (mostrados na Subseção 4.1). A Subseção 4.2 apresenta os resultados obtidos pelos experimentos, e a Subseção 4.3 apresenta conclusões obtidas desses experimentos Ambiente de Teste e Softwares Usados Os testes foram feitos usando dois computadores (A, B) conectados através de uma rede Ethernet 100 Mbps isolada. Os dois computadores estabelecem uma conexão de voz através de uma conexão ponto a ponto, onde o computador A (que será chamado de emissor) realiza uma transmissão de um sinal sonoro (com 1 minuto de duração) e o computador B (que será chamado de receptor) é responsável por receber o sinal. A transmissão do sinal de áudio foi feita usando o software MyPhone [myphone.sourceforge.net], que permite a utilização de diferentes codecs. No receptor foi instalada uma ferramenta de análise de tráfego, chamada Ethereal [Hards 2004], com o objetivo de medir o comportamento do fluxo de pacotes (largura de banda utilizada, taxa média de pacotes transmitidos, por exemplo) no meio de transmissão para os diferentes codecs utilizados para a digitalização do sinal. O emissor é responsável por gerar o sinal sonoro, o qual foi plotado em um gráfico usando o software SoundForge [www.sonymediasoftware.com]. Esse sinal gerado foi transmitido até o receptor usando os diversos codecs, e os sinais recebidos foram plotados em gráficos para serem comparados ao sinal original. Essa comparação permitiu uma análise visual da diferença de qualidade sonora obtida pelos codecs. Para melhorar a confiabilidade da análise das formas de onda, o sinal de voz foi substituído por um sinal sonoro contínuo, livre de pausas. Essa decisão foi tomada para tornar mais clara a avaliação dos sinais sonoros plotados no gráfico. Além disso, as diferenças percebidas entre o sinal sonoro contínuo se repetiram na transmissão de sinais sonoros variáveis Experimentos Feitos com os Codecs Neste artigo foram comparados cinco codecs utilizados em telefonia sobre IP. A Tabela 1 apresenta cada um deles, relacionando-os com o tipo de codificação, os seus valores de taxa de bits, e o atraso de cada um deles. Algumas variações de alguns codecs não são apresentadas neste artigo por apresentarem resultados muito parecidos entre eles. Por exemplo, o G.711 apresenta duas variações (lei A e lei µ), as quais não apresentaram diferenças na prática. Foram consideradas duas variações do codec G.726, pois as mesmas apresentaram taxas de bits diferentes. Para comparar esses cinco codecs, inicialmente foi feita uma operação de transferência de áudio, e foi utilizado o software Ethereal para medir o comportamento 127

6 da rede. As seguintes informações, obtidas através da monitoração da rede, foram medidas: Número médio de pacotes transferidos por segundo; Tamanho médio do pacote (em bytes); Largura de banda média (em Mbit/s); Os resultados obtidos são mostrados na Tabela 2. Tabela 2. Resultados obtidos pela monitoração da rede para os cinco codecs Codec Número médio de pacotes Tamanho médio do pacote Largura de banda média G , ,157 G , ,167 G , ,119 G , ,031 G , ,012 A Figura 1 apresenta a relação entre a largura média de banda utilizada pelos cinco codecs, e percebe-se que a maior taxa de bits utilizada pelo codec G.711 não refletiu em uma maior largura de banda utilizada em relação ao codec G Largura de banda média 0,2 0,15 0,1 Largura de banda média 0,05 0 G.711 G G G.729 G Codecs Figura 1. Largura de banda média por codec Os demais codecs apresentam uma relação coerente entre a largura de banda utilizada e a taxa de bits definida na especificação do codec. Em relação à qualidade do som, na Tabela 3 são exibidos os resultados gerados pelo Sony Sound Forge referentes às estatísticas das ondas sonoras resultantes. Na tabela, em sua primeira linha, foram colocadas as estatísticas do som emitido, e essas estatísticas são comparadas às obtidas pelos codecs que estão sendo analisados, os quais estão dispostos em ordem decrescente de sua taxa de bits. Na segunda e terceira coluna, são exibidos os valores de amplitude de onda mínima e máxima atingidos pela forma de onda. Na quarta coluna demonstra-se a intensidade do sinal e na quinta, a freqüência. 128

7 Tabela 3. Comparação entre o som emitido e o som recebido nos cinco codecs Amplitude Mínima Máxima Intensidade (db) Freqüêcia (Hz) Som Emitido -2,51-2,51-3, ,75 G.711 Lei A -3,328-3,588-8, ,55 G.726-1,248-1,7-11, ,78 G.726-1,574-1,847-12, ,58 G.729-1,724-1,979-12, ,73 G ,875-3,847-9, ,83 As Figuras de 2 a 7 representam os gráficos das ondas sonoras capturadas nos testes efetuados. Para todas as figuras, o quadro à esquerda apresenta uma visão geral dos 37,5 segundos iniciais da gravação, e o quadro à direita mostra a ampliação de um trecho da onda mostrada na esquerda. A Figura 2 apresenta o som emitido originalmente, e a partir da Figura 3 até a Figura 7, é apresentado no quadro à esquerda um comparativo entre a forma de onda do sinal recuperado (em preto) em comparação ao som emitido (em cinza). Figura 2. Forma de onda do som emitido Figura 3. Forma de onda do G

8 Figura 4. Forma de onda do G Figura 5. Forma de onda do G Figura 6. Forma de onda do G

9 Figura 7. Forma de onda do G Considerando os resultados obtidos para cada um dos codecs, foi possível fazer algumas observações específicas, as quais são descritas abaixo. G.711: Dentre os codecs testados, este ocupou o segundo lugar quanto à utilização de banda, apresentando taxa em torno de 0,157 Mbit/s. Este codec apresentou uma qualidade sonora clara e sem a presença de ruídos, e pode-se notar que as ondas sonoras apresentaram um padrão semelhante ao padrão de ondas do sinal original, conforme a Figura 3. O codec assumiu valores de freqüência bem próximos aos do sinal original, com diferenças muito pequenas e também apresentou os melhores resultados em termos de amplitude, o que garantiu a melhor qualidade de som entre todos os codecs avaliados neste artigo. G.726 (40 e 16): O codec G.726, em sua versão de 40 Kbit/s, foi responsável pela maior utilização da banda. A versão de 16 Kb/s, por sua vez, apresentou os pacotes de menor tamanho (74 bytes), conforme visto na Tabela 2. Esse codec apresentou uma sensação sonora desagradável, o que pode ser percebido na Tabela 3. e nas Figuras 4 e 5, pois ele apresentou sinais de freqüência muito aquém da freqüência do sinal original e uma distorção no padrão das ondas sonoras em relação ao sinal original. G.729: Este codec apresentou a segunda menor taxa de utilização da banda, aproximadamente 0,031 Mbit/s, e apresentou uma sensação sonora tida como razoável. Também apresentou uma grande queda na utilização do canal de comunicação em relação aos dois codecs anteriores, conforme visto na Tabela 2. Em termos de qualidade sonora, na Figura 6 nota-se que as ondas sonoras não apresentaram um padrão semelhante ao que foi emitido. Apesar da má qualidade do sinal, o som reproduzido foi compreensível, sendo superior à qualidade oferecida pelo codec G.726. G.723.1: Este codec apresentou a menor taxa de utilização do canal de comunicação, apresentando um valor de 0,012 Mbit/s. O valor de freqüência se aproximou do sinal original, apesar de possuir uma taxa de bits muito pequena. A sensação sonora foi tida 131

10 como boa em relação aos demais codecs, apresentado uma qualidade de som só inferior à do codec G.711. Na Figura 7 nota-se que as ondas sonoras recebidas apresentaram padrão bastante semelhante ao que foi emitido Análise Comparativa Entre os Codecs Avaliados A fim de permitir uma melhor análise das características de cada codec, bem como obter um resultado comparativo sobre o comportamento de cada um deles durante os testes realizados, a Tabela 4 apresenta uma comparação entre os aspectos mais relevantes apresentados por cada um deles. A Tabela 4 contém os dados referentes à qualidade sonora (obtidos da Tabela 2), largura de banda consumida (obtidos da Tabela 3) e atraso típico (obtido da Tabela 1). Tabela 4. Quadro comparativo dos resultados obtidos pelos codecs Qualidade Sonora Largura de Banda (Mbits/s) Atraso (ms) G.711 Boa 0,157 << 1 G.726 Ruim 0,167 e 0, G.729 Razoável 0, G Boa 0, Conforme a Tabela 4, o codec G.726, apresentou os piores resultados quanto à sensação sonora e largura de banda, e apresentou o segundo pior resultado em relação ao atraso. Portanto, neste trabalho, pode-se concluir que esse codec não apresentou resultados que recomendem o seu uso. O codec G.729 demonstrou uma qualidade sonora tida como razoável, ocupando uma largura de banda de nível baixo, e um atraso com valor intermediário. Considerando que o usuário de VoIP considera, geralmente, a qualidade sonora como o mais importante fator a ser considerado, esse codec não seria o ideal. Os dados apresentados na Tabela 4 apontam os codecs G.711 e G como melhores opções quanto à sensação sonora do sinal resultante. Contudo apresentaram-se divergentes quanto à largura de banda utilizada no meio de comunicação, na qual o G se mostrou como a melhor opção, e em relação ao atraso típico, no qual o G.711 assumiu um valor muito menor. Portanto, os dois codecs apresentam características que indicam a utilização deles em diferentes cenários. Considerando que o atraso típico de um codec representa o tempo necessário para realizar a transformação do sinal analógico em um fluxo de bits, é possível concluir que quanto maior o atraso, maior a complexidade do algoritmo, consequentemente mais recursos de hardware são necessários para realizar a codificação. Dessa forma, aplicações que estejam executando em computadores de menor porte, ou onde existam vários processos concorrentes disputando os recursos de processamento, a opção por um codificador de menor custo computacional seria a mais indicada, e nesse caso poderia-se usar o G.711. Por outro lado, considerando a largura de banda utilizada, valores muito altos podem inviabilizar situações nas quais o meio de comunicação seja de baixa qualidade, como uma conexão à internet discada; ou o tráfego na rede seja intenso, como em redes 132

11 públicas; ou ainda, sejam utilizadas codificações adicionais, como criptografia. Neste caso, poderia ser usado o G Analisando todos os dados obtidos, conclui-se que os codecs G.711 e G.723.1, são as melhores soluções dentre os codecs testados. E que a escolha entre um ou outro, deve se atentar as considerações descritas nos parágrafos anteriores, levando em conta o poder computacional disponível e o meio de comunicação disponível. 5. Considerações Finais Este artigo apresentou uma avaliação de alguns codecs utilizados na telefonia sobre IP, avaliando-os em relação à largura de banda utilizada e qualidade da voz transmitida. Com base nos resultados obtidos neste artigo, pode-se perceber que os codecs são bastante diferentes entre si, e não parece existir uma solução que possa ser considerada de uso geral. Alguns conceitos teóricos que podem parecer claros e intuitivos, na prática, podem não se refletir. Por exemplo, geralmente, quanto maior o valor de taxa de bits, maior a largura de banda utilizada. Porém, o codec G apresentou maior uso de largura de banda em relação ao codec G.711, o qual possui taxa de bits maior. Além disso, embora seja natural imaginar que quanto maior a taxa de bits, maior seja a qualidade, não existe relação direta entre a qualidade de voz e a taxa de bits, como pode ser percebido no codec G Entre todos os codecs avaliados, este artigo recomenda o G e o G.711, os quais apresentam qualidade sonora muito boa. Porém, esses dois codecs apresentam usos diferenciados. O G é mais indicado em sistemas onde haja a necessidade de economia da largura de banda do meio de transmissão, levando em consideração o fato de que o consumo de recursos computacionais será elevado. Por outro lado, o codec G.711 apresenta a melhor qualidade sonora, mas é indicado para sistemas onde há bastante largura de banda disponível. Referências Bernal, H. (2003) Telefonia IP. Teleco Informação em Telecomunicações, Abril. Chua, T. K. and Pheanis, D.C. (2006) Testing Real-Time VoIP Codec Software and Evaluating VoIP QoS, Communication Systems and Applications. Comer, D. E. (2006) Inteligação em Rede com TCP/IP vol. 1, 5. ed., Editora Campus. David, F. (2003) Ferramentas de Monitoração Ativa e Passiva para Avaliação da Qualidade de Redes VoIP, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Setembro. Fernandes, L. L. N. (200-) Voz sobre IP. Uma visão Geral, Hards, B. (2004) A Guided Tour of Ethereal, Linux Journal, Fevereiro. 133

12 Jordan, L. ; Churchill, B. (1994) Comunicações e Redes com o PC, 5. ed., Editora Axcel. Kushman, N.; Kandula, S.; Katabi, D. (2007) Can You Hear Me Now?! It Must Be BGP, ACM SIGCOMM Computer Communication Review, vol. 37, n. 2, April. Lakaniemi, A.; Rosti, J.; Raisanen, V. I. (2001) Subjective VoIP speech quality evaluation based on network measurements, IEEE International Conference on Communications, vol. 3, pp Levy H.; Zlatokrilov H. (2006) The Effect of Packet Dispersion on Voice Applications in IP Nerworks, IEEE/ACM Transactions on Networking, vol. 14, n. 2, April. Lustosa, L. C. G.; Carvalho, L. S. G.; Rodrigues, P. H. A.; Mota, E. S. (2004) Utilização do Modelo E para avaliação da qualidade da fala em sistemas de comunicação baseados em voz sobre IP, Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores, Maio. Lustosa, L. C. G.; Rodrigues, P. H. A.; David, F.; Quinellato, D.G. (2005) A Voice over IP Quality Monitoring Architecture, 8 th International Conference on Management of Multimedia Networks and Services, Barcelona. Markopoulou, A. P.; Tobagi, F. A.; Karam, M. J. (2003) Assessing the Quality of Voice Communications Over Internet Backbones, IEEE/ACM Transactions On Networking, vol. 11, n.5, October. Moraes, A. F.; Cirone, A. C. (2003) Redes de Computadores Da Ethernet à Internet. Editora Érica. Rosenberg, J.; Schulzrinne, H.; Camarillo, G.; Johnston, A; Peterson, J.; Sparks, R., Handley, M. e E. Schooler (2002) SIP: Session Initiation Protocol, RFC 3261, Junho. Toga, J. e Elgebaly, H. (1998) Demystifying Multimedia Conferencing Over the Internet Using the H.323 Set of Standards, Intel Architecture Labs, q21998/articles/art4.htm, Abril. Tanenbaum, A.S. (2003) Redes de Computadores, 4. ed., Editora Campus. Wenyu, J.; Koguchi, K.; Schulzrinne, H. (2003) QoS evaluation of VoIP end-points, IEEE International Conference on Communications, vol. 3, pp Willis, D.; Drage, K. (2007) Session Initiated Protocol (SIP) charter, 134

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Luis Eduardo Pereira Bueno Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Trabalho elaborado como parte da avaliação da disciplina Processamento Digital de Sinais, ministrada pelo prof. Marcelo

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Visão Computacional. Alessandro L. Koerich. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Visão Computacional Alessandro L. Koerich Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná (UFPR) Interfaces Câmera PC Analógica, Firewire, GigE, Camera Link, USB Introdução

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso

QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso Esta série de tutoriais sobre Qualidade de Serviço (QoS) para Voz sobre IP (VoIP) apresentará algumas particularidades relativas à Qualidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Software de rede e Modelo OSI André Proto UNESP - São José do Rio Preto andre.proto@sjrp.unesp.br O que será abordado Hierarquias de protocolos (camadas) Questões de projeto relacionadas às camadas Serviços

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

CENÁRIO ATUAL DA UTILIZAÇÃO DOS SOFTWARES DE VOIP

CENÁRIO ATUAL DA UTILIZAÇÃO DOS SOFTWARES DE VOIP CENÁRIO ATUAL DA UTILIZAÇÃO DOS SOFTWARES DE VOIP CRUZ, Alexander Junio Felipe da (1); SANTOS, Danilo Fernandes dos (1); ARAÚJO, Diego Castell Vieira de (1); ARAÚJO, Fábio Edson Rabelo de (1); SANTOS,

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes REDES DE COMPUTADORES Arquiteturas de Redes Agenda Necessidade de Padronização Protocolos e Padrões Órgãos de Padronização Conceitos de Arquitetura em Camadas Arquitetura de Redes OSI TCP/IP Necessidade

Leia mais

Unidade 2. Largura de Banda e Throughput

Unidade 2. Largura de Banda e Throughput Unidade 2 Largura de Banda e Throughput 48 Conceitos Fundamentais Largura de Banda = Velocidade Largura de Banda vs. Througput 49 Largura de Banda É a quantidade de informações que flui através da conexão

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

extras SOLO Estação Radio Base TETRA

extras SOLO Estação Radio Base TETRA Geyschlaegergasse 14, A-1150 Vienna, Austria, Europe +43/786 12 86-0 extras SOLO Estação Radio Base TETRA Utilidade Pública Indústria Governo Aeroportos Portos Transporte Segurança Pública 3T Communications

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ Tópicos Especiais em Redes Alta Performance Paulo Aguiar DCC/UFRJ Conteúdo A convergência das redes e os grandes desafios Sistemas grandes são melhores Rede IP global como solução: limitações de desempenho

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS.

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS. INTRODUÇÃO BARRAMENTO EXPRESS. O processador se comunica com os outros periféricos do micro através de um caminho de dados chamado barramento. Desde o lançamento do primeiro PC em 1981 até os dias de hoje,

Leia mais

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Questionamento 1 : 20.1.1.2 - Sistema de telefonia IP ITEM 04 - Deve ser capaz de se integrar e gerenciar os gateways para localidade remota tipo 1, 2 e 3 e a central

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22 DEPARTAMENTO: Sistemas de Informação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Redes de Computadores I PROFESSOR: SERGIO ROBERTO VILLARREAL SIGLA: RED I E-MAIL: sergio.villarreal@udesc.br CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA:

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Mestrado em Ciência da Computação CENTRO DE INFORMÁTICA Análise comparativa entre os diferentes tipos De protocolos para transmissão de dados Grupo: Professora: Disciplina:

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Codificadores de voz do MPEG-4 Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Roteiro Introdução Waveform Codecs Source Codecs Hybrid Codecs Áudio no MPEG-4 Comparação entre alguns codecs Codificadores de Voz Introdução

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br

VoIP. Voice Over IP. lmedeiros@othos.com.br VoIP Voice Over IP lmedeiros@othos.com.br Índice O que Significa? Como funciona? Porque utilizar? Equipamentos VoIP Desvantagens Provedores VoIP Conclusão O que significa? VoIP é uma tecnologia que usa

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

Unidade Curricular: SCOM Ano letivo: 2014/2015 Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279

Unidade Curricular: SCOM Ano letivo: 2014/2015 Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Unidade Curricular: SCOM Ano letivo: 2014/2015 Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Resumo Redes Peer-to-Peer Características Tipos Arquitetura Vantagens Desvantagens Aplicações Skype

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores. Bruno Silvério Costa

Arquitetura de Redes de Computadores. Bruno Silvério Costa Arquitetura de Redes de Computadores Bruno Silvério Costa Projeto que descreve a estrutura de uma rede de computadores, apresentando as suas camadas funcionais, as interfaces e os protocolos usados para

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais