CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CNDRS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CNDRS"

Transcrição

1 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CNDRS RESOLUÇÃO Nº 31 DE 26 DE JUNHO DE 2002 Aprova o Regimento Interno da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. O Presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável CNDRS, no uso de suas atribuições, conferidas pelo art. 1º do Decreto nº 3.992, de 30 de outubro de 2001, assim como pelo inciso I do art. 1º do Regimento Interno, aprovado pela Resolução nº 23, de 28 de novembro de 2001, torna público que o Plenário do CNDRS, em Sessão realizada em 26 de junho de 2002, RESOLVE: Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, apresentada pela Comissão Organizadora da Conferência. Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. JOSÉ ABRÃO Presidente

2 REGIMENTO INTERNO DA 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º A 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável terá por finalidade propor o Plano Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, a ser ratificado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. CAPÍTULO II DA REALIZAÇÃO Art. 2º A 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável tem abrangência nacional, conseqüentemente suas análises, formulações e proposições devem ter esta amplitude. A etapa nacional deve considerar a consolidação das Conferências Estaduais como base para o seu trabalho podendo, entretanto, agregar temas relevantes em âmbito nacional. Parágrafo único. Todos os delegados e delegadas (com direito a voz e voto) e convidados e convidadas (com direito a voz) presentes à 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável devem reconhecer a precedência das questões de âmbito nacional e atuar sobre elas, em caráter avaliador, formulador e propositivo. Art. 3º A realização da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável será precedida por Conferências Estaduais. Na etapa estadual, as discussões se darão a partir do Documento Base, intitulado 2ª versão do Plano Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável - PNDRS, apresentado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. Parágrafo único. A critério dos organizadores da Conferência Estadual, poderão ser realizadas audiências públicas e/ou plenárias municipais, regionais ou micro- regionais, como instâncias apoiadoras às Conferências Estadual. Art. 4º As etapas que compõem a estrutura formal da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável serão realizadas nos seguintes períodos: I - Etapa Estadual de 30/08 a 20/10/2002; e II - Etapa Nacional 15 a 17 /11/ O não cumprimento dos prazos da etapa estadual em todas as unidades federadas não constituirá impedimento à realização da Etapa Nacional no prazo previsto. 2 A Etapa Nacional será realizada em Brasília, sob a responsabilidade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável.

3 CAPÍTULO III DO TEMÁRIO Art. 5º A 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável terá como tema: Rumo ao Plano Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, que será discutido em plenárias e comissões temáticas, organizados a partir dos seguintes eixos temáticos: I - Contextualização do Brasil Rural e objetivos gerais do PNDRS; II - Acesso a Terra e Reforma Agrária; III - Fortalecimento da Agricultura Familiar; IV - Diversificação das Economias Rurais; e V - Educação Rural. 1º Cada uma das comissões temáticas terá como atribuição deliberar sobre a matéria que lhe é pertinente e votar as conclusões em seu plenário. 2º Os trabalhos nas Comissões Temáticas serão disciplinados em regulamento próprio da Conferência Nacional, aprovado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. Art. 6º Os Relatórios das Conferências Estaduais de Desenvolvimento Rural serão apresentados em versão resumida, destacando as emendas e as modificações propostas ao texto base e devem ser entregues à Secretaria do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável até o dia 25/10/2002, juntamente com a relação dos delegados e convidados do respectivo Estado. As sugestões das Conferências Estaduais serão sistematizadas pela Comissão Organizadora da 1ª Conferência Nacional, para embasar as discussões na etapa nacional. CAPÍTULO IV DA COMISSÃO E DAS SUBCOMISSÕES SEÇÃO I DA ESTRUTURA Art. 7º A 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável será presidida pelo Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário e, na sua ausência ou impedimento eventual, pelo Secretário do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. Art. 8º Para a organização e desenvolvimento de suas atividades, a 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável contará com uma Comissão Organizadora que será composta por duas subcomissões: a) Subcomissão Executiva; e b) Subcomissão Técnica. 1º O Secretário do CNDRS será o coordenador da Comissão Organizadora.

4 2º A Subcomissão Executiva caberá as funções de apoio administrativo e operacional, e será composta por representantes das seguintes instituições, órgãos públicos e entidades: I - Secretaria do CNDRS; II - Ministério do Trabalho e Emprego; III - CONTAG; e IV - SEBRAE. 3º A Subcomissão Executiva, para desempenho de suas funções, deverá ter: I - 1 (um) Coordenador Executivo; II - Assessorias Especializadas, nas áreas de Secretaria, Relatoria, comunicação, mobilização e articulação, infra-estrutura e outras. 4º A Subcomissão Técnica caberá as funções de controle técnico dos temas e assuntos relacionados à realização, e será composta por representantes das seguintes instituições, órgãos públicos e entidades: I - Secretaria do CNDRS; II - Ministério da Educação; III - FRENTE SUL; IV - ASSOCENE; e V - CONTAG. 5º A Subcomissão Técnica para o desenvolvimento de suas funções deverá ter: I - 1 (um) Coordenador Técnico; II - Assessorias Especializadas nas áreas de Secretaria, programação, metodologia/normas e outras. SEÇÃO III DAS COMPETÊNCIAS Art. 9º A Comissão Organizadora tem as seguintes atribuições: I. coordenar, supervisionar, dirigir e promover a realização da Conferência, atendendo aos aspectos técnicos, políticos, administrativos e financeiros; II. propor o Regulamento da Etapa Nacional e a Programação Geral, a serem aprovados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável; III. consolidar o trabalho das comissões específicas, considerando as diretrizes gerais do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, quanto aos aspectos técnicos, políticos e administrativos;e IV. encaminhar a proposta final e consolidada do Plano Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável aprovada na 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, para deliberação do CNDRS. Art. 10 A Subcomissão Executiva terá as seguintes atribuições: I. elaborar o plano de ação para o desenvolvimento de suas funções, encaminhando-o para conhecimento da Comissão Organizadora; II. promover divulgação adequada da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, realizando contato formal com as várias instituições que tenham interface com o Desenvolvimento Rural Sustentável;

5 III. estimular e apoiar as Conferências Estaduais nos seus aspectos preparatórios a 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável; IV. elaborar Plano de Aplicação, prevendo os recursos financeiros necessários à realização da Conferência; V. propor a celebração de contratos e convênios ao Ministério do Desenvolvimento Agrário; VI. coordenar a elaboração do Relatório Final e os Anais da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, bem como promover a sua publicação e divulgação; VII. analisar e encaminhar para a aprovação do CNDRS a prestação de contas da Conferência. Art. 11 À Subcomissão Técnica terá as seguintes atribuições: I. atuar junto à Comissão Executiva formulando, discutindo e propondo iniciativas referentes à organização da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável; II. elaborar proposta de programação temática e metodológica da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável; III. propor nomes para atuar como facilitador(a) e relator(a) nas comissões temáticas da Conferência; IV. propor nomes de especialistas e os assuntos a serem discutidos, levando em consideração o temário central, bem como os documentos técnicos e textos de apoio, vinculados ao Temário; e V. atuar como elo de ligação entre a Comissão Organizadora e entidades relacionadas ao Desenvolvimento Rural Sustentável; Art. 12 Ao Coordenador da Subcomissão Executiva incumbe: I. coordenar as reuniões e atividades da Comissão Executiva, delegar competências aos seus membros e articular os trabalhos de suas assessorias; II. propor, elaborar e negociar contratos e convênios; III. coordenar a elaboração e a execução orçamentária da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável; e IV. apresentar relatório nas reuniões ordinárias do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, informando sobre as atividades desenvolvidas pela Comissão Organizadora. Parágrafo único. O Coordenador da Subcomissão Executiva será substituído, em seus impedimentos eventuais, por um de seus membros, por ele indicado. Art. 13 Ao Coordenador da Subcomissão Técnica incumbe coordenar as atividades, delegar competências aos seus membros e articular os trabalhos de suas assessorias, e indicar o seu substituto entre os integrantes da referida subcomissão. Art. 1 4 Às Assessorias Especializadas incumbe: I. elaborar e acompanhar a execução da proposta orçamentária e do plano de aplicação de recursos financeiros para a realização da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável; II. propor e aplicar métodos de credenciamento dos delegados da Etapa Nacional e os controles necessários; III. propor e organizar o apoio de Secretaria da Conferência; Nacional; IV. coordenar o processo de elaboração do Relatório da Etapa Excluído: 7

6 V. consolidar os relatórios da Etapa Estadual e prepará-los para distribuição aos delegados da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável; Conferência; VI. consolidar relatórios parciais e elaborar a ata geral da Plenária Final; VII. elaborar a ordenação e o consolidado das moções aprovadas na VIII. elaborar o Relatório Final e os Anais da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável; IX. providenciar a elaboração dos Termos de Referência visando à produção de textos e à preparação das exposições pelos convidados ou especialistas, quando for o caso; X. elaborar a relação de sub-temas e os roteiros para os trabalhos dos grupos; referentes ao XI. local, propor e providenciar condições de infra-estrutura necessárias equipamentos e instalações audiovisuais, de reprografia, comunicações, hospedagem, transporte, alimentação e outras; XII. propor e executar o Plano de Aplicação, com base nas informações de atividades, consolidadas na Subcomissão Executiva e prever as suplementações necessárias; XIII. providenciar os atos e encaminhamentos pertinentes aos fluxos dos gastos com as devidas previsões, cronogramas e planos de aplicação, ouvida a Comissão Organizadora; XIV. preparar e apresentar à Subcomissão Executiva a prestação de contas de todos os recursos concedidos para a realização da Conferência; XV. auxiliar o coordenador da comissão executiva na elaboração e negociação de contratos e convênios; Sustentável; XVI. divulgar a 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural XVII. articular com os veículos de comunicação das entidades e instituições que tenham interface com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, a sua participação nas atividades da Conferência; XVIII. articular com a Assessoria de Comunicação Social do Gabinete do Ministro do Desenvolvimento Agrário, a elaboração de um plano geral de Comunicação Social da Conferência; Conferência; XIX. coordenar e realizar as atividades de Comunicação Social da XX. apoiar as Conferências Estaduais; e XXI. estimular e facilitar o intercâmbio entre os Estados, visando a troca de experiências no que concerne à incorporação do temário da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. CAPÍTULO V DOS MEMBROS Art. 15 A 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, em suas etapas, deverá contar com a participação de membros representantes de órgãos públicos, de entidades sindicais, organizações e movimentos de trabalhadores e trabalhadoras rurais e de outras entidades e organizações da sociedade civil, além de pessoas interessadas nas questões relativas ao desenvolvimento rural. Excluído: 8 Parágrafo único. A representação dos membros na 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, em todas as suas etapas, será proporcional em relação ao conjunto dos representantes, sendo que 50% dos participantes serão oriundos de entidades, movimentos e organizações de

7 trabalhadores rurais, 25% de outras entidades e organizações da sociedade civil e 25% de membros do Poder Público. Art. 16 Os membros da etapa nacional da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável se distribuirão em duas categorias: Excluído: 9 I - delegados com direito a voz e voto; II - convidados com direito a voz. Parágrafo único. Os critérios para escolha dos convidados serão definidos pela Comissão Organizadora e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. Sustentável: Art. 17 Serão delegados na 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Excluído: 20 I- os eleitos nas Conferências Estaduais de Desenvolvimento Rural, em número proporcional ao da população rural de cada estado, assegurando-se que todos os segmentos sejam representados - governos, trabalhadores rurais e organizações interessadas na questão, conforme Tabela 1, parte integrante deste Regimento; II- os membros efetivos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável; III- 03 (três) membros efetivos de cada Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural ou similar, garantindo a representação de cada segmento descrito no inciso I; IV- os indicados entre os membros dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural ou similar, em número proporcional à quantidade de Municípios Rurais existentes no Estado, conforme Tabela 2, parte integrante deste Regimento; V- os indicados pelo plenário do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, observando a mesma proporcionalidade de representação prevista para a eleição de delegados, não ultrapassando o total de 200 (duzentos) delegados. 1º Para os delegados previstos no inciso I deste artigo, fica determinado um número mínimo de 20 (vinte) e máximo de 150 (cento e cinqüenta) delegados por estado. 2º Nas conferências estaduais serão eleitos ou indicados delegados suplentes, na proporção de 30% do total de delegados correspondentes a cada segmento. Art. 18 A eleição ou indicação dos delegados participantes da Conferência Nacional deverá, obrigatoriamente, observar a representação de pelo menos 30% (trinta por cento) de mulheres e 20%(vinte por cento) de membros das comunidades de remanescentes de quilombos e/ou de movimentos negros e comunidades indígenas. Excluído: 21 Art. 19 O credenciamento de delegados à etapa nacional deverá ser feito junto à Secretaria do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável até o dia 25/10/2002, oportunidade em que também serão entregues os relatórios das Conferências Estaduais. Excluído: 22 CAPÍTULO VI

8 DAS CONFERÊNCIAS ESTADUAIS Art. 20 As Conferencias Estaduais serão organizadas pelo Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável ou congênere, por convocação de seu Secretário Executivo ou das entidades representadas nos Conselhos. 1º Para assegurar a sua realização, atendendo aos aspectos técnicos, políticos, administrativos e financeiros, deverá ser criada uma Comissão Organizadora Estadual composta por membros do Conselho Estadual, nos mesmos moldes da Comissão Coordenadora criada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. 2º Se até o dia 15/09/2002, os Conselhos Estaduais não procederem à convocação da Conferência Estadual, esta poderá ser feita pelas entidades representadas no Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, por meio de suas representações nos Estados em questão e a partir da deliberação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. 3º Qualquer entidade membro dos Conselhos Estaduais que constatar irregularidades na composição da Comissão Coordenadora Estadual ou no processo de realização da Conferencia Estadual, poderá apresentar recursos ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, que será convocado extraordinariamente para deliberar sobre as questões apresentadas. Excluído: 3 4º As Comissões Coordenadoras Estaduais deverão destacar relatores para sistematizar as discussões e conclusões das Conferências Estaduais e remetê-las à Comissão Organizadora Nacional. CAPÍTULO VII DOS RECURSOS FINANCEIROS Art. 21 As despesas com a organização geral e com a realização da etapa nacional da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável correrão à conta do orçamento do Ministério do Desenvolvimento Agrário e de recursos financeiros, materiais e humanos, oriundos de parcerias com outros órgãos do governo federal, governos estaduais e municipais, organismos internacionais e organizações não governamentais, sem prejuízos de outras fontes. Excluído: 4 Art. 22 Poderão ser firmados convênios e contratos com vistas à execução de ações necessárias à realização da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, observada a legislação vigente. Excluído: 5 CAPÍTULO VIII DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 23 O Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável acompanhará e deliberará sobre as atividades da Comissão Organizadora, devendo o Coordenador Executivo apresentar relatórios em todas as reuniões ordinárias do Conselho. Excluído: 6

9 Art. 24 O Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável promoverá o apoio técnico, administrativo e financeiro necessário ao funcionamento da Comissão Organizadora da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. Art. 25 Os casos omissos, não previstos por este Regimento Interno, serão resolvidos pela Comissão Organizadora. Excluído: 8 Art. 26 O presente Regimento Interno entra em vigor na data de sua publicação. Excluído: 9

10 ANEXOS TABELA 1 - DELEGADOS ELEITOS NAS CONFERÊNCIAS ESTADUAIS Estados População Nº de Rural * Delegados** Nº Parcial de Delegados Nº Final de Delegados Acre , Alagoas , Amapá , Amazonas , Bahia , Ceará , Distrito Federal Espírito Santo , Goiás , Maranhão , Mato Grosso , Mato Grosso do Sul , Minas Gerais , Pará , Paraíba , Paraná , Pernambuco , Piauí , Rio Grande do Norte , Rio Grande do Sul , Rio de Janeiro , Rondônia , Roraima , Santa Catarina , São Paulo , Sergipe , Tocantins , Total , *Fonte: IBGE/Censo 2000 ** Número representa a porcentagem da população rural do Estado em relação ao país multiplicada pelo nº total de delegados eleitos nas Conferências Estaduais.

11 TABELA 2 - DELEGADOS INDICADOS DOS CMDRS Estado Nº de municípios Rurais Nº Delegados* Acre 21 3 Alagoas 94 3 Amapá 15 3 Amazonas 61 3 Bahia Ceará Distrito Federal 0 3 Espírito Santo 69 3 Goiás Maranhão Mato Grosso Mato Grosso do Sul 75 3 Minas Gerais Pará Paraíba Paraná Pernambuco Piauí Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Rio de Janeiro 54 3 Rondônia 50 3 Roraima 14 3 Santa Catarina São Paulo Sergipe 69 3 Tocantins Total * Valor atribuído em função da distribuição por classes sendo: De 0 a 200 municípios - 3 delegados De 200 a 400 municípios - 6 delegados De 400 a 600 municípios - 9 delegados Mais de 600 municípios - 12 delegados

12 TABELA 3 DELEGADOS PARA A CONFERÊNCIA Estados Delegados eleitos a partir da Conferência Estadual Delegados indicados dos CMDRS Delegadosmembros dos CEDRS Total Acre Alagoas Amapá Amazonas Bahia Ceará Distrito Federal Espírito Santo Goiás Maranhão Mato Grosso Mato Grosso do Sul 26 Minas Gerais Pará Paraíba Paraná Pernambuco Piauí Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Rio de Janeiro Rondônia Roraima Santa Catarina São Paulo Sergipe Tocantins Total * *A esse total deve ser adicionado 29 delegados membros do CNDRS e 200 indicados

13 pelo Plenário do Conselho totalizando 1928 delegados. Excluído: COMISSÃO ORGANIZADORA DA 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL 1) Secretaria do CNDRS - Sérgio Paganini - Carla Ferreira 2) MTE - Eugênio Felippetto - Janaína Pimentel 3) ME - Luís Fernando de Mattos Pimenta 4) CONTAG - Raimunda Celestina Demacena - Cleia Anice da Mota Porto Frente Sul - Olívio Dambrós - Alvori dos Santos Assocene - Humberto de Oliveira - Manoel Cândido Inserido: Excluído: Inserido:

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015.

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. Secretaria Estadual De Saúde Conselho Estadual De Saúde - RJ DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. APROVA O REGIMENTO IN- TERNO DA 7ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. O

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DA 3ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CEST/RS (ATUALIZADO PELA RESOLUÇÃO CES/RS Nº 02/2014) CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A 3ª

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. Aprova o Regulamento do Sistema Brasileiro de Tecnologia. O Presidente do Comitê

Leia mais

FÓRUM AMAZONENSE DE REFORMA

FÓRUM AMAZONENSE DE REFORMA REGIMENTO INTERNO DA 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES DO AMAZONAS CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES 1 Art. 1º - São objetivos da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas: I - Propor a interlocução

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA CAPÍTULO I

PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA CAPÍTULO I PROJETO DE LEI Nº 14/2016 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE NEGRA RUI VALDIR OTTO BRIZOLARA, Prefeito Municipal de Morro Redondo, Estado do Rio

Leia mais

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE LEI N.º 1.297, DE 06 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre apoio a Gestão do Sistema Único de Saúde, da realização de conferências no âmbito municipal, da reformulação e funcionamento do Conselho Municipal de

Leia mais

Art. 2º Compete ao Conselho Estadual do Idoso:

Art. 2º Compete ao Conselho Estadual do Idoso: PROJETO DE LEI Nº Dispõe sobre o Conselho Estadual dos Direitos do Idoso - CEI/SC - e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, Faço saber a todos os habitantes deste Estado

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULOI DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho de Alimentação Escolar - CAE, do Município de Sorriso-MT criado por meio da Lei municipal nº 870

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições legais, de acordo com o artigo 24 do Estatuto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, para observância

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/025/2008 * Cria o Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Envelhecimento Humano - NIEPEH e dá outras providências. O Conselho Universitário, CONSUNI, da UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO Autor: Poder Executivo. LEI N 1.328/2016. CRIA O CONSELHO E FUNDO MUNICIPAL E POLÍTICAS SOBRE DROGAS DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA DE JACOBINA

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA DE JACOBINA REGIMENTO INTERNO DA IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JACOBINA BA Art. 1º. Este regimento interno da IV Conferência Municipal de Saúde de Jacobina-BA CMS tem como finalidade definir a organização dos

Leia mais

LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007

LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007 LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Malhada/BA, no uso de uma de suas atribuições legais,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO 1/12 REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º O Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO. 1 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO. Art. 1º - O Agrária CEDAFRA, instituído com base

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1 O Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo - CEFET-ES, com sede na cidade

Leia mais

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 584, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014. Homologa Regimento Interno do Fórum Municipal de Educação de Alegrete. O PREFEITO MUNICIPAL, no uso de sua atribuição, que lhe confere o Art. 101, IV, da Lei

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1021-ANTAQ, DE 24 DE ABRIL DE 2008.

RESOLUÇÃO Nº 1021-ANTAQ, DE 24 DE ABRIL DE 2008. RESOLUÇÃO Nº 1021-ANTAQ, DE 24 DE ABRIL DE 2008. ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS-ANTAQ, APROVADO PELA RESOLUÇÃO Nº 646-ANTAQ, DE 06 DE OUTUBRO DE 2006, E DÁ OUTRA

Leia mais

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Meio Ambiente, dá outras providências sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente, revoga e altera disposições indicadas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA VIII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

REGIMENTO INTERNO DA VIII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA VIII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Define as regras de funcionamento da VIII Conferência Nacional de Assistência Social. Art. 1º A VIII Conferência Nacional de Assistência

Leia mais

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REGIMENTO DA II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL, APROVADO EM 30 DE SETEMBRO DE 2003 PELO CONSELHO NACIONAL DE SEGURANÇA

Leia mais

LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008

LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008 Autoria: Poder Executivo LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008 Reestrutura o Conselho Municipal de Turismo COMTUR e cria o Fundo Municipal do Turismo de Lucas do Rio Verde e da outras providências. O Prefeito

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Capítulo I Dos Objetivos. Capítulo II Da Realização

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Capítulo I Dos Objetivos. Capítulo II Da Realização MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Define as regras de funcionamento da 4ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência Capítulo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL DECRETO Nº 309, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e o Organograma da Secretaria Municipal do Trabalho e Cooperativismo e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS no uso das atribuições

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP Pág. 1 de 8 CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica do Instituto Federal do Piauí (IFPI), criado pela Resolução nº 012, de 12 de agosto de 2011,

Leia mais

Capítulo I das Atividades do Conselho

Capítulo I das Atividades do Conselho REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ITARANTIM BA, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.947/2009 E RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 038/2009. Capítulo I das Atividades do Conselho

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ TÍTULO I DA FINALIDADE E DA COMPETÊNCIA DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ CVSP Art. 1º O Campus Virtual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Texto Aprovado CONSEPE Nº 2005-10 - Data: 19/06/2005 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo

Leia mais

O PLC 52/2013 foi destinado para análise de duas Comissões: de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) NESTA EDIÇÃO:

O PLC 52/2013 foi destinado para análise de duas Comissões: de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) NESTA EDIÇÃO: Nº 57 - ANO VI Sexta - feira, 19 de Julho de 2013 Plantar árvores dará privilégios a Municípios na captação de recursos Plantar árvores será algo lucrativo para as prefeituras. Os Municípios que tiverem

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regimento interno disciplina o funcionamento do Conselho Municipal de Políticas Culturais,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul LEI N.º 7.320, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre a implantação e organização do Conselho Escolar nas Escolas Públicas Municipais de São Leopoldo. ARY JOSÉ VANAZZI, Prefeito Municipal de São Leopoldo.

Leia mais

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO Capítulo I Dos objetivos Art.1º - A VIII Conferência Municipal de Saúde terá por objetivos: I - Impulsionar, reafirmar e buscar a efetividade dos princípios

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

Estado da Paraíba PREFEITURA MUNICIPAL DE TAVARES GABINETE DO PREFEITO

Estado da Paraíba PREFEITURA MUNICIPAL DE TAVARES GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 704/2013 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL COMPIR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO CONSTITUCIONAL DO MUNICÍPIO DE TAVARES, Estado da Paraíba, usando

Leia mais

Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de Santa Cecília Gabinete do Prefeito

Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de Santa Cecília Gabinete do Prefeito Lei nº176/2014 Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de Santa Cecília e dá outras providências. A Câmara Municipal de Santa Cecília, estado da Paraíba, aprovou

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

INFORMATIVO N.º 173-26/11/2012 VOLTA REDONDA/RJ

INFORMATIVO N.º 173-26/11/2012 VOLTA REDONDA/RJ ESTATUTO PROPOSTA DE ALTERAÇÕES www.cbsprev.com.br Central de Atendimento: 08000-268181 INFORMATIVO N.º 173-26/11/2012 VOLTA REDONDA/RJ Atendendo à Resolução n.º 6, de 15/08/2011, do Conselho Nacional

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.059, DE 1º DE OUTUBRO DE 2008 CRIA OS NÚCLEOS DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2014/PROEN

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2014/PROEN INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2014/PROEN Normatiza a criação, atribuições e funcionamento do Colegiado dos Cursos de Graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha. O Pró-Reitor

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO I Do Departamento de Engenharia Elétrica Art. 1 O Departamento de Engenharia Elétrica é o órgão acadêmico que congregam docentes

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA DE GRADUAÇÃO REGIMENTO INTERNO 2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA

Leia mais

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - Conarenf, criada pela

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER PREÂMBULO O Estatuto do PSDB, aprovado em 1988, previu em sua Seção V, art. 73, 2º a criação do Secretariado da Mulher como parte integrante da Executiva

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

SECRETARIA DE ESTADO DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE SECRETARIA DE ESTADO DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Distrito Federal s/nº Ata da Reunião de Convocação para a primeira Reunião

Leia mais

PORTARIA Nº 533, DE 29 DE AGOSTO DE 2000. O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso de suas atribuições, resolve:

PORTARIA Nº 533, DE 29 DE AGOSTO DE 2000. O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 533, DE 29 DE AGOSTO DE 2000. O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º Publicar o Regimento Interno da Comissão Interministerial de Mudança

Leia mais

1 - PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL. Foco: produção de arte e de bens simbólicos, promoção de

1 - PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL. Foco: produção de arte e de bens simbólicos, promoção de 1. REGIMENTO INTERNO DA VI CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA CAPITULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - A VI Conferência Municipal de Cultura de Porto Alegre, terá os seguintes objetivos: I Ser o foro amplo e permanente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU LEI Nº 6.576, DE 23 DE OUTUBRO DE 2.014 P. 35.427/13 (4.599/13-Emdurb) Cria o Conselho Municipal de Mobilidade de Bauru e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE BAURU, nos termos do art. 51 da

Leia mais

Lei Nº 1.268/2004 Uruaçu-Go., 27 de Fevereiro de 2004.

Lei Nº 1.268/2004 Uruaçu-Go., 27 de Fevereiro de 2004. Lei Nº 1.268/2004 Uruaçu-Go., 27 de Fevereiro de 2004. Dispõe sobre a instituição do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável, e dá outras providências A Câmara Municipal de Uruaçu, Estado

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Texto compilado) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. Estabelece a Política de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Agência Nacional de Aviação

Leia mais

Fórum Estadual de Educação REGIMENTO INTERNO APROVADO EM 06/02/2013

Fórum Estadual de Educação REGIMENTO INTERNO APROVADO EM 06/02/2013 Fórum Estadual de Educação REGIMENTO INTERNO APROVADO EM 06/02/2013 Fevereiro/2013 REGIMENTO INTERNO - FÓRUM ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Das Atribuições Art.1º O Fórum Estadual de Educação - FEE, instituído pelo

Leia mais

Loteria do Estado de Minas Gerais (LEMG)

Loteria do Estado de Minas Gerais (LEMG) Loteria do Estado de Minas Gerais (LEMG) DECRETO Nº 45.683 DE 9 DE AGOSTO DE 2011 Contém o regulamento da Loteria do Estado de Minas Gerais - LEMG. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de atribuição

Leia mais

Decreto 7.546, de 02 de agosto de 2011

Decreto 7.546, de 02 de agosto de 2011 VI Decreto 7.546, de 02 de agosto de 2011 [Regulamenta os 5º a 12 do art. 3º da Lei 8.666/93, e institui a Comissão Interministerial de Compras Públicas] (DOU de 03.08.2011) Regulamenta o disposto nos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA OLINDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA OLINDA LEI N 274/2013 Nova Olinda - TO, 23 de outubro de 2013 "Institui e cria o Fundo Municipal do Meio Ambiente - FMMA do Município de Nova Olinda -TO e dá outras providências." O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 221/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 221/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 221/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento da Agência de Inovação da UNICENTRO, NOVATEC. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Ensino,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

REGIMENTO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RO GRANDE DO SUL

REGIMENTO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RO GRANDE DO SUL REGIMENTO DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO RO GRANDE DO SUL DECRETO N.º 27.474, DE 24 DE AGOSTO DE 1978* Aprova Regimento do Conselho Estadual de Educação. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º. O Colegiado do Curso de Graduação em Arquivologia é um órgão normativo e deliberativo, com sede no Centro de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, estabelece seu Regulamento e dá outras providências. A CORTE SUPERIOR

Leia mais

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. Pág. 1 de 7 MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. DO: PODER EXECUTIVO AO: PODER LEGISLATIVO DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE ATENDIMENTO DOS DIREITOS DO IDOSO, CRIA O FUNDO MUNICIPAL

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 06/07/2012 (nº 130, Seção 1, pág.

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 06/07/2012 (nº 130, Seção 1, pág. PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 06/07/2012 (nº 130, Seção 1, pág. 24) Dispõe sobre a IV Conferência Nacional Infantojuvenil pelo

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL DE MATO GROSSO DO SUL REGIMENTO INTERNO

FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL DE MATO GROSSO DO SUL REGIMENTO INTERNO FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL DE MATO GROSSO DO SUL REGIMENTO INTERNO CAMPO GRANDE 2008 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, CONSTITUIÇÃO E SEDE... 3 TÍTULO II DAS FINALIDADES...

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIAL / CODETS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIAL / CODETS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO D COORDENDORI DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIL / CODETS PRÓ-REITORI DE EXTENSÃO CPÍTULO I D FINLIDDE rt. 1 o Coordenadoria de Desenvolvimento Tecnológico e Social CODETS, Setor

Leia mais

Regulamento da III Conferência Estadual dos Direitos da Pessoa Idosa

Regulamento da III Conferência Estadual dos Direitos da Pessoa Idosa Regulamento da III Conferência Estadual dos Direitos da Pessoa Idosa CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º Este regulamento tem por finalidade definir as regras gerais de funcionamento da III Conferência Estadual

Leia mais

LEI Nº 6.293, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004.

LEI Nº 6.293, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004. 1 LEI Nº 6.293, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004. Dá nova redação à Lei nº 5.249/99, oriunda da aprovação do Projeto de Lei nº 114/99, de autoria do Vereador Vanderlei Martins Tristão, que criou o Conselho Municipal

Leia mais

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A Asa Norte, 70 910 900 Brasília, DF Tel.

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PODER EXECUTIVO Governo do Município de Tobias Barreto

ESTADO DE SERGIPE PODER EXECUTIVO Governo do Município de Tobias Barreto Poder Executivo Lei Ordinária Sancionada em 27/03/2008 Marly do Carmo Barreto Campos Prefeita Municipal LEI ORDINÁRIA nº 0849/2008 DE 27 de março de 2008 (do PLO 003/2008 autor: Poder Executivo) Institui

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 3, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 3, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 3, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA, no uso das atribuições que lhe conferem o Decreto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DO SEMINÁRIO LEGISLATIVO ÁGUAS DE MINAS III: DESAFIOS DA CRISE HÍDRICA E A CONSTRUÇÃO DA SUSTENTABILIDADE CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO SEMINÁRIO LEGISLATIVO ÁGUAS DE MINAS III: DESAFIOS DA CRISE HÍDRICA E A CONSTRUÇÃO DA SUSTENTABILIDADE CAPÍTULO I REGULAMENTO DO SEMINÁRIO LEGISLATIVO ÁGUAS DE MINAS III: DESAFIOS DA CRISE HÍDRICA E A CONSTRUÇÃO DA SUSTENTABILIDADE CAPÍTULO I DA REALIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º O Seminário Legislativo Águas de Minas

Leia mais

PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010.

PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010. PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010. Aprova o Regimento Interno do Conselho Deliberativo da Área de Proteção Ambiental - APA do Banhado Grande. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 169/2015 Deputado(a) Regina Becker Fortunati

PROJETO DE LEI Nº 169/2015 Deputado(a) Regina Becker Fortunati DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, quarta-feira, 12 de agosto de 2015. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 169/2015 Deputado(a) Regina Becker Fortunati Altera Lei nº 10.576, de 14 de novembro de

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS À GESTÃO MUNICIPAL: ORGANIZAÇÃO DA CONFÊRENCIA

Leia mais