REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO"

Transcrição

1 1/12 REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º O Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco, é a instância governamental estadual competente para tratar dos aspectos relativos ao tratamento diferenciado e favorecido dispensado às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, inclusive as questões tributárias. Art. 2º Ao Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco, presidido pelo Secretário de Trabalho Qualificação e Empreendedorismo do Estado de Pernambuco, nos termos das Leis Complementares nº 123, de 14 de dezembro de 2006 e nº 128, de 19 de dezembro de 2008, do Decreto Federal nº 6.174, de 1º de agosto de 2007 e do Decreto Estadual nº de 21 de novembro de 2011, compete: I articular e propor em conjunto com órgãos do governo federal, estadual, municipal e demais entidades envolvidas, a regulamentação necessária ao cumprimento do disposto no Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, bem como acompanhar a sua efetiva implantação, atos e procedimentos dele decorrentes no âmbito do Estado de Pernambuco; II propor e acompanhar a implementação das políticas governamentais estaduais de apoio e fomento às microempresas e empresas de pequeno porte de Pernambuco; III promover a articulação e a integração entre os diversos órgãos governamentais e as entidades de apoio e de representação que atuem no segmento das microempresas e empresas de pequeno porte em Pernambuco; IV propor os ajustes e aperfeiçoamentos necessários, inclusive no campo da legislação, propondo atos e medidas necessários à efetiva implantação da política de fortalecimento e desenvolvimento desse segmento econômico em Pernambuco; V promover as ações que levem à consolidação e harmonização dos diversos programas de apoio às microempresas e empresas de pequeno porte em Pernambuco; VI integrar o Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, através de solicitação oficial do Governo Estadual à Presidência do Fórum Permanente; e VII incentivar a instituição de Fóruns Municipais, presididos pelos respectivos órgãos de governo que tratam da política para microempresas e empresas de pequeno pote, com a participação de entidades de apoio e de representação do setor. CAPÍTULO II COMPOSIÇÃO Art. 3º O Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco, será composto pelos seguintes integrantes, com direito a voz e voto, nos termos do Decreto nº , de 21 de novembro de 2011: I Secretaria de Trabalho, Qualificação e Empreendedorismo - STQE;

2 2/12 II Secretaria de Desenvolvimento Econômico SDEC; III Secretaria de Ciência e Tecnologia SECTEC; IV Secretaria Estadual de Educação SEE; V Secretaria de Planejamento e Gestão SEPLAG; VI Secretaria da Fazenda do Estado de Pernambuco SEFAZ; VII Secretaria de Administração SAD; VIII Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade SEMAS; IX Procuradoria Geral do Estado PGE; X Agência de Fomento do Estado de Pernambuco S/A AGEFEPE; XI Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco AD DIPER; XII Junta Comercial do Estado de Pernambuco JUCEPE; XIII Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Pernambuco SEBRAE- PE; XIV Associação Municipalista de Pernambuco AMUPE; XV Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoria, Perícias, Informações e Pesquisa do Estado de Pernambuco SESCAP-PE; XVI Federação das Associações Comerciais e Empresariais de Pernambuco FACEP; XVII Confederação Nacional das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte COMICRO; XVIII Federação das Associações das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco FEMICRO-PE; XIX Federação das Indústrias de Pernambuco FIEPE; XX Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Pernambuco- FECOMÉRCIO-PE; XXI Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas FCDL; XXII Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES; XXIII Banco do Nordeste do Brasil S/A; XXIV Banco do Brasil S/A; e XXV Caixa Econômica Federal S/A. 1º Os dirigentes dos órgãos e entidades de que trata este artigo indicarão nominalmente um titular e até dois suplentes como seus representantes no âmbito do Fórum, cuja participação não será remunerada, a qualquer título, bem como não ensejará vínculo trabalhista com a Secretaria de Trabalho Qualificação e Empreendedorismo. 2º A inclusão de novos integrantes para composição do Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco será feita mediante Decreto do Governador do Estado.

3 3/12 CAPÍTULO III ESTRUTURA E COMPETÊNCIAS DOS INTEGRANTES Art. 4º O Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco será estruturado da seguinte forma: I Presidência do Fórum, exercida pelo Secretário de Trabalho, Qualificação e Empreendedorismo do Estado de Pernambuco na forma do Decreto Estadual nº , de 21 de novembro de 2011; II Secretaria Técnica, subordinada à Secretaria Executiva de Fomento ao Empreendedorismo, na forma do Decreto Estadual nº , de 21 de novembro de 2011; III Comitês Temáticos formados pelos órgãos e entidades integrantes do Fórum. Seção I Competências da Presidência do Fórum Art. 5º Compete à Presidência do Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco: I Presidir, dirigir os trabalhos e superintender a ordem e a disciplina nas reuniões ordinárias, extraordinárias e plenárias; II Determinar a apreciação de assuntos pelos integrantes do Fórum Estadual; III Encaminhar, no âmbito do Poder Executivo Estadual, se necessário, as propostas de políticas públicas, medidas e ações orientadas às microempresas e empresas de pequeno porte de Pernambuco; IV Encaminhar para o Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, no âmbito do Poder Executivo Federal, se necessário, as propostas de políticas governamentais, medidas e ações orientadas às microempresas e empresas de pequeno porte; V Propor para votação na última reunião plenária de cada exercício o cronograma das reuniões ordinárias e plenárias para o ano subsequente; VI Designar Coordenador para a Secretaria Técnica, mediante indicação da Secretaria Executiva de Fomento ao Empreendedorismo; VI Solicitar à Secretaria Técnica informações e exame de matérias; VII Autorizar publicação de Portaria da STQE oficializando a designação dos representantes titulares e suplentes indicados pelas instituições que integram o Fórum Estadual; e VIII Proferir voto de desempate, nas votações submetidas aos integrantes do Fórum. Parágrafo único: Por indicação do Titular e em suas faltas ou impedimentos, a Presidência do Fórum será exercida pelo(a) Secretário(a) Executivo(a) de Fomento ao Empreendedorismo.

4 4/12 Seção II Competências da Secretaria Técnica Art. 6º Compete a Secretaria Técnica do Fórum Estadual nos termos do Decreto Estadual nº , de 21 de novembro de 2011: I Prestar apoio técnico e administrativo à Presidência, aos Comitês Temáticos e aos Grupos de Trabalho do Fórum Estadual; II Designar um Coordenador de Governo para cada Comitê Temático; III Instituir, em parceria com os órgãos e entidades integrantes do Fórum, Grupos de Trabalho vinculados aos comitês temáticos; IV Sugerir, propor e analisar as matérias para composição das pautas das reuniões, ordinárias, extraordinárias e plenárias; V Convocar os integrantes do Fórum Estadual para as reuniões plenárias e para as reuniões ordinárias e extraordinárias dos Comitês Temáticos e Grupos de Trabalho; V Controlar a presença dos integrantes do Fórum Estadual em reuniões plenárias e em reuniões ordinárias e extraordinárias de Comitês Temáticos e Grupos de Trabalho; VI Substituir a Presidência do Fórum Estadual em suas faltas e impedimentos, quando da impossibilidade do(a) Secretário(a) Executivo(a) de Fomento ao Empreendedorismo, ou por sua designação; VII Representar o Fórum Estadual quando da impossibilidade do(a) Secretário(a) Executivo(a) de Fomento ao Empreendedorismo, ou por sua designação, perante os Poderes da União, Estados, Municípios e demais autoridades; VIII Publicar, mediante aprovação da Presidência do Fórum Estadual, relatório anual das atividades e análise sobre o desempenho dos Comitês Temáticos até o último dia útil do mês de janeiro do ano subsequente; IX Tornar públicas e manter atualizadas no site da STQE, as implementações, legislações e demais matérias pertinentes ao Fórum Estadual; X Encaminhar as atas das reuniões das reuniões ordinárias, extraordinárias e plenárias aos integrantes do Fórum Estadual. Seção III Competências do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Pernambuco SEBRAE-PE Art. 7º Compete ao Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Pernambuco SEBRAE-PE, no âmbito do Fórum Estadual: I Indicar à Presidência do Fórum, titular e até dois suplentes para representarem o SEBRAE-PE no âmbito do Fórum Estadual; II Prestar apoio técnico à Presidência e à Secretaria Técnica, por intermédio de assessoria técnica nas diversas áreas temáticas do Fórum; III Participar das reuniões de cada um dos Comitês Temáticos; e IV Propor e participar de Grupos de Trabalho.

5 5/12 Seção IV Competências dos demais Órgãos e Entidades Integrantes do Fórum Art. 8º Compete aos órgãos e entidades integrantes do Fórum Estadual: I Indicar à Presidência do Fórum, representante titular e até dois suplentes que integrarão o Fórum Estadual com direito a voto; II Prestar apoio técnico à Presidência e à Secretaria Técnica do Fórum Estadual; III Participar de Comitês Temáticos em sua área de competência; e IV Propor e participar de Grupos de Trabalho. Seção V Competências Comuns Art. 9º É competência comum dos integrantes do Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco: I Velar pelas prerrogativas do Fórum, cumprindo e fazendo cumprir a legislação pertinente e este Regimento Interno. II Atuar com assiduidade, responsabilidade, retidão e ética no desempenho de suas atividades a atribuições no âmbito do Fórum Estadual; III Observar os princípios da entidade que representa, tendo como objetivo precípuo o benefício da coletividade e o desenvolvimento das microempresas e empresas de pequeno porte; IV Atuar como multiplicadores e divulgadores das informações e deliberações originadas no Fórum; V Dar ciência aos demais integrantes e à Secretaria Técnica dos expedientes de interesse geral; VI Cumprir e fazer cumprir os prazos determinados neste Regimento Interno; VII Cumprir e fazer cumprir, no âmbito de sua atuação, as deliberações dos Comitês Temáticos e da Presidência; VIII Estimular a livre interlocução entre as instituições que integram o Fórum Estadual com o Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, Fóruns municipais, governos e entidades de apoio e de representação do segmento das microempresas e empresas de pequeno porte; IX Atualizar seus dados cadastrais junto à Secretaria Técnica sempre que solicitado ou quando necessário. X - Integrar as deliberações e encaminhamentos do Fórum Estadual às estratégias, projetos e ações da instituição que representa; XI Trazer para engajamento nas discussões do Fórum Estadual as questões e demandas relevantes ao segmento de microempresas e empresas de pequeno porte, tratadas no âmbito da atuação da instituição que representa; e

6 6/12 XII Propor e atuar na formulação e execução de medidas, ações e políticas orientadas às microempresas e empresas de pequeno porte de Pernambuco. Seção VI Comitês Temáticos Art. 10º O Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco, para seu funcionamento será organizado em três Comitês Temáticos, responsáveis pela articulação, desenvolvimento de estudos e propostas e pelo encaminhamento de temas específicos que deverão compor a agenda de trabalho e a formulação de políticas públicas: I Racionalização Legal, Burocrática e Legislação; II Investimento, Financiamento, Comércio Exterior e Integração; III Tecnologia, Inovação, Educação Empreendedora e Informação. Parágrafo único: A Secretaria Técnica, se necessário, poderá elaborar proposta de nova estrutura para os Comitês Temáticos previstos no caput deste artigo e em seus incisos, que será submetida à Presidência do Fórum Estadual. Art. 11º Cada Comitê Temático será coordenado por dois representantes integrantes do Fórum Estadual, sendo um de órgão governamental e outro de entidade de apoio ou de representação do segmento das microempresas e empresas de pequeno porte. 1º O mandato de Coordenador de Comitê Temático terá duração de dois anos, a contar da publicação de ato da Presidência, prorrogável uma vez por igual período; 2º Os Coordenadores dos Comitês Temáticos representantes de órgãos governamentais serão designados pela Secretaria Técnica, considerando a competência e efetiva contribuição do órgão na temática do respectivo Comitê; 3º Os Coordenadores dos Comitês Temáticos representantes das entidades de apoio e do segmento das microempresas e empresas de pequeno porte serão indicados pela maioria simples de seus pares mediante votação aberta; 4º Os Coordenadores dos Comitês Temáticos terão sua posse oficializada mediante Portaria da STQE; 5º Os Coordenadores de que trata este artigo poderão coordenar apenas um Comitê Temático por mandato; 6º Os Coordenadores dos Comitês Temáticos não serão remunerados, a qualquer título, bem como não ensejarão vínculo trabalhista com a STQE. Seção VII Competências dos Coordenadores dos Comitês Temáticos Art. 12º Compete solidariamente aos Coordenadores de cada Comitê Temático: I Dirigir os trabalhos e superintender a ordem e a disciplina das reuniões de seu respectivo Comitê Temático na ausência do Presidente do Fórum e de seu substituto; II Prestar apoio técnico à Presidência e à Secretaria Técnica do Fórum;

7 7/12 III Definir as pautas das reuniões ordinárias e extraordinárias dos respectivos Comitês Temáticos a serem submetidas à Secretaria Técnica com 15 (quinze) dias de antecedência da data prevista para realização da reunião; IV Encaminhar à Secretaria Técnica, se necessário, solicitação para criação de Grupos de Trabalho. Parágrafo único: as competências aqui elencadas não excluem aquelas referidas nos Artigos 7º ao 9º. Seção VIII Grupos de Trabalho Art. 13º Os Grupos de Trabalho instituídos pela Secretaria Técnica em parceria com os órgãos e entidades integrantes do Fórum Estadual serão vinculados a um Comitê Temático e suas propostas deverão ser apresentadas em reunião ordinária ou extraordinária do respectivo Comitê para aprovação da maioria simples mediante voto aberto e justificado. 1º Os Grupos de Trabalho terão prazos de funcionamento previamente estabelecidos, respeitando o cronograma de atividades do Fórum Estadual; 2º As propostas a que se refere o caput deste artigo deverão ser encaminhadas aos integrantes do respectivo Comitê Temático mediante formulário próprio (ver Anexo I) com 15 (quinze) dias de antecedência da data definida para a reunião; 3º Quando necessário, as propostas dos Grupos de Trabalho aprovadas pelo Comitê Temático serão encaminhadas pela Presidência do Fórum ao Governo do Estado; 4º Nos temas transversais aos Comitês Temáticos a Secretaria Técnica poderá convocar para participar de Grupo de Trabalho, com a finalidade de exercer papel consultivo, representante de órgão ou entidade pertencente a outro Comitê Temático ou não integrante do Fórum Estadual; 5º Os Grupos de Trabalho serão coordenados por integrantes do Fórum Estadual indicados pela Secretaria Técnica que tenham afinidade com o tema a ser abordado; 6º Em suas faltas e impedimentos, o coordenador de grupo de trabalho será substituído por um de seus suplentes; 7º Os integrantes de que trata este artigo e seus parágrafos não farão jus a qualquer tipo de remuneração, bem como não ensejarão vínculo trabalhista com a STQE. CAPÍTULO IV FUNCIONAMENTO Art. 14º O Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco, para sua gestão e funcionamento, realizará reuniões de Comitês Temáticos bimestralmente, reuniões plenárias semestralmente e reuniões extraordinárias sempre que se fizer necessário. Seção I

8 8/12 Reuniões dos Comitês Temáticos Art. 15º Os Comitês Temáticos realizarão reuniões ordinárias bimestrais, e extraordinárias sempre que convocados pela Secretaria Técnica do Fórum. 1º Para construção da pauta das reuniões ordinárias ou extraordinárias, os Coordenadores dos Comitês Temáticos encaminharão por meio eletrônico à Secretaria Técnica propostas conforme Termo de Referência (Anexo I) juntamente com os documentos que instruam sobre as matérias com 14 (quatorze) dias de antecedência; 2º As reuniões extraordinárias dos Comitês Temáticos poderão ser convocadas pela Presidência do Fórum, por meio da Secretaria Técnica, com antecedência mínima de 10 (dez) dias da data de sua realização, para fins de apreciação e deliberação de assuntos restantes da pauta de reunião ordinária anterior ou assuntos diversos que por sua urgência e relevância tenham sido incluídos em pauta extraordinária; 3º As pautas das reuniões ordinárias e extraordinárias acompanhadas dos documentos que instruem as matérias, serão encaminhadas pela Secretaria Técnica aos integrantes do Fórum Estadual, em meio eletrônico, com antecedência mínima de 10 (dez) e 7 (sete) dias, respectivamente, da data de realização de cada reunião; 4º As reuniões extraordinárias que tenham em pauta assuntos a serem apreciados por mais de um Comitê Temático, serão realizadas com tantos Comitês quantos se fizerem necessários; 5º As atas das reuniões ordinárias e extraordinárias serão lavradas pelos Coordenadores dos Comitês Temáticos participantes e submetida à análise e aprovação dos integrantes do respectivo Comitê em até 5 (cinco) dias após a realização da reunião, conforme o modelo constante do Anexo II deste Regimento Interno; 6º Após o recebimento da versão preliminar da ata da reunião, os integrantes do Fórum Estadual terão até 5 (cinco) dias para sugerir ajustes em sua redação; 7º A Presidência do Fórum poderá avocar a prerrogativa de determinar o teor final das pautas e das atas das reuniões ordinárias e extraordinárias em que hajam sido descumpridos os prazos estabelecidos neste Regimento Interno. Art. 16º Será observada, preferencialmente, a seguinte ordem de trabalho nas reuniões ordinárias dos Comitês Temáticos: I Homologação da ata da reunião ordinária ou extraordinária anterior do respectivo Comitê por maioria simples mediante voto verbal e aberto de seus integrantes presentes; II Apreciação dos assuntos da pauta para deliberação, quando necessário, por maioria simples mediante voto verbal e aberto dos integrantes presentes do respectivo Comitê; III Definição dos encaminhamentos para a reunião seguinte. Parágrafo único: Cada órgão ou entidade integrante do Fórum Estadual terá direito a 01 (um) voto. Seção II

9 9/12 Reuniões Plenárias Art. 17º Semestralmente serão realizadas Reuniões Plenárias com a finalidade de apresentar as políticas públicas desenvolvidas e os resultados alcançados no decorrer do semestre pelos Comitês Temáticos, além da proposta de trabalho para o semestre subseqüente. 1º Poderão participar das reuniões plenárias além dos integrantes do Fórum Estadual representantes de outros órgãos e entidades e de Fóruns Municipais do Estado de Pernambuco mediante convite da Presidência do Fórum; 2º As pautas das reuniões plenárias serão definidas, em conjunto, pela Presidência do Fórum, Secretaria Técnica e Coordenadores dos Comitês Temáticos na reunião ordinária ou extraordinária imediatamente anterior. 3º As apresentações dos resultados de cada Comitê Temático serão encaminhadas pelos Coordenadores dos Comitês à Secretaria Técnica, em meio eletrônico, com antecedência mínima de 10 (dez) dias da data de realização da reunião plenária. 4º As pautas das reuniões plenárias acompanhadas dos documentos que instruem as matérias e apresentações dos comitês temáticos e instituições convidadas serão encaminhadas pela Secretaria Técnica aos integrantes do Fórum Estadual, em meio eletrônico, com antecedência mínima de 7 (sete) dias da data de realização da reunião. 5º Fica facultado aos Fóruns Municipais de Pernambuco, solicitar e encaminhar à Secretaria Técnica, por escrito e com antecedência mínima de 30 (trinta) dias da realização das reuniões plenárias, a apresentação de suas políticas públicas desenvolvidas e os resultados alcançados no decorrer do semestre, além da proposta de trabalho para o semestre subseqüente, na forma estabelecida pela Secretaria Técnica. 6º As atas das reuniões plenárias serão lavradas pela Secretaria Técnica e submetida à análise e aprovação dos integrantes do Fórum Estadual em até 5 (cinco) dias após a realização da reunião, conforme o modelo constante do Anexo I. 7º Após o recebimento da versão preliminar da ata da reunião, os integrantes do Fórum Estadual terão até 5 (cinco) dias para sugerir ajustes em sua redação; 8º A Presidência do Fórum poderá avocar a prerrogativa de determinar o teor final das pautas e das atas das reuniões plenárias em que hajam sido descumpridos os prazos estabelecidos neste Regimento Interno. CAPÍTULO V DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 18º As atas das reuniões e os demais documentos de interesse geral serão disponibilizados na página eletrônica da STQE. Art. 19º As propostas e resultados produzidos pelo Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte serão encaminhados ao Governo do Estado. Art. 20º As dúvidas quanto à interpretação deste Regimento Interno, e os casos omissos serão dirimidos, em instância única, pela Presidência do Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco.

10 10/12 ANEXO I FORMULÁRIO PADRÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS Comitê Temático: Título da Ação: Instituição Executora: Instituições Participantes: Justificativa: Objetivo Geral: Objetivos Específicos: Público Alvo: Resultados esperados para as ME e EPP: Metodologia: Custos: Cronograma de atividades: Recife/PE, / / De acordo Secretaria Técnica Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de Pernambuco

11 11/12 ANEXO II MODELO DE ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA/EXTRAORDINÁRIA FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA/EXTRAORDINÁRIA Comitê Temático: Coordenadores (Nome/Órgão ou Entidade): Redator: Local: I. PAUTA: Data/Hora Início: Data/Hora Fim: II. PARTICIPANTES (NOME/ÓRGÃO OU ENTIDADE) a) Permanentes: b) Convidados III. ENCAMINHAMENTOS IV. LOCAL/DATA DA PRÓXIMA REUNIÃO V. OBSERVAÇÕES

SECRETARIA DE ESTADO DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

SECRETARIA DE ESTADO DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE SECRETARIA DE ESTADO DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Distrito Federal s/nº Ata da Reunião de Convocação para a primeira Reunião

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

Publicado no DOM em 15 jul 2015. Aprova o Regimento Interno do Fórum Permanente de Desenvolvimento Econômico e Turismo, na forma que especifica.

Publicado no DOM em 15 jul 2015. Aprova o Regimento Interno do Fórum Permanente de Desenvolvimento Econômico e Turismo, na forma que especifica. Decreto Nº 15203 DE 01/07/2015 Publicado no DOM em 15 jul 2015 Aprova o Regimento Interno do Fórum Permanente de Desenvolvimento Econômico e Turismo, na forma que especifica. O Prefeito Municipal de Teresina,

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

REGMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO TRABALHO DO ESTADO DE ALAGOAS CAPITULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS

REGMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO TRABALHO DO ESTADO DE ALAGOAS CAPITULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS REGMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO TRABALHO DO ESTADO DE ALAGOAS Aprovado em Reunião Ordinária de 05 de julho de 1995 Alterado em Reunião Ordinária de 12 de dezembro de 2001 e em Reunião Ordinária

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 584, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014. Homologa Regimento Interno do Fórum Municipal de Educação de Alegrete. O PREFEITO MUNICIPAL, no uso de sua atribuição, que lhe confere o Art. 101, IV, da Lei

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. Aprova o Regulamento do Sistema Brasileiro de Tecnologia. O Presidente do Comitê

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º. O Colegiado do Curso de Graduação em Arquivologia é um órgão normativo e deliberativo, com sede no Centro de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI)

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI) PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI) Abril/2013 CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art. 1º. O Comitê de Tecnologia da Informação CTI do Instituto Federal

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010.

PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010. PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010. Aprova o Regimento Interno do Conselho Deliberativo da Área de Proteção Ambiental - APA do Banhado Grande. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de

Leia mais

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Meio Ambiente, dá outras providências sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente, revoga e altera disposições indicadas

Leia mais

Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de Santa Cecília Gabinete do Prefeito

Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de Santa Cecília Gabinete do Prefeito Lei nº176/2014 Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de Santa Cecília e dá outras providências. A Câmara Municipal de Santa Cecília, estado da Paraíba, aprovou

Leia mais

Capítulo I das Atividades do Conselho

Capítulo I das Atividades do Conselho REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ITARANTIM BA, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.947/2009 E RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 038/2009. Capítulo I das Atividades do Conselho

Leia mais

PORTARIA MPA N 334, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

PORTARIA MPA N 334, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 ALTERADA PELA PORTARIA MPA Nº 30/2015 PORTARIA MPA N 334, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 Cria o Comitê de Nomenclatura das Espécies de Pescado - CONESPE, no âmbito do Ministério da Pesca e Aquicultura. O MINISTRO

Leia mais

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE LEI N.º 1.297, DE 06 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre apoio a Gestão do Sistema Único de Saúde, da realização de conferências no âmbito municipal, da reformulação e funcionamento do Conselho Municipal de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011.

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. Dispõe sobre Criação de Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA/URI. O Reitor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI,

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO Autor: Poder Executivo. LEI N 1.328/2016. CRIA O CONSELHO E FUNDO MUNICIPAL E POLÍTICAS SOBRE DROGAS DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL SOBRE DROGAS Regimento Interno CAPITULO I DO COMAD E SUAS FINALIDADES

CONSELHO MUNICIPAL SOBRE DROGAS Regimento Interno CAPITULO I DO COMAD E SUAS FINALIDADES CONSELHO MUNICIPAL SOBRE DROGAS Regimento Interno CAPITULO I DO COMAD E SUAS FINALIDADES Art. 1º O Conselho Municipal sobre drogas de Corumbá COMAD, órgão colegiado instituído pela Lei Municipal nº1.048/89

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regimento interno disciplina o funcionamento do Conselho Municipal de Políticas Culturais,

Leia mais

Anexo. Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil

Anexo. Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil RESOLUÇÃO Nº 1 Aprova o Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil, ao qual se refere o inciso XI do art. 3º do Decreto n 7.113, de 19 de fevereiro de 2009. Tendo em vista a

Leia mais

REGIMENTO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RO GRANDE DO SUL

REGIMENTO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RO GRANDE DO SUL REGIMENTO DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO RO GRANDE DO SUL DECRETO N.º 27.474, DE 24 DE AGOSTO DE 1978* Aprova Regimento do Conselho Estadual de Educação. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL,

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL DE MATO GROSSO DO SUL REGIMENTO INTERNO

FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL DE MATO GROSSO DO SUL REGIMENTO INTERNO FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL DE MATO GROSSO DO SUL REGIMENTO INTERNO CAMPO GRANDE 2008 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, CONSTITUIÇÃO E SEDE... 3 TÍTULO II DAS FINALIDADES...

Leia mais

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições legais, de acordo com o artigo 24 do Estatuto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, para observância

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA)

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) Agosto/2011 CAPÍTULO I SEÇÃO I DA NATUREZA Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da União das Instituições de Serviço, Ensino

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CNDRS

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CNDRS CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CNDRS RESOLUÇÃO Nº 31 DE 26 DE JUNHO DE 2002 Aprova o Regimento Interno da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. O Presidente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE CAPÍTULO 1 DAS FINALIDADES DE REGIMENTO INTERNO DA CEUA Art. 1 A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da Fundação Universidade Federal de

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULOI DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho de Alimentação Escolar - CAE, do Município de Sorriso-MT criado por meio da Lei municipal nº 870

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO. 1 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO. Art. 1º - O Agrária CEDAFRA, instituído com base

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/025/2008 * Cria o Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Envelhecimento Humano - NIEPEH e dá outras providências. O Conselho Universitário, CONSUNI, da UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÀO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE Bacharelado RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO

Leia mais

Fórum Estadual de Educação REGIMENTO INTERNO APROVADO EM 06/02/2013

Fórum Estadual de Educação REGIMENTO INTERNO APROVADO EM 06/02/2013 Fórum Estadual de Educação REGIMENTO INTERNO APROVADO EM 06/02/2013 Fevereiro/2013 REGIMENTO INTERNO - FÓRUM ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Das Atribuições Art.1º O Fórum Estadual de Educação - FEE, instituído pelo

Leia mais

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004.

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. (PUBLICADO NO DOE DE 26.04.04) Este texto não substitui o publicado no DOE Regulamenta a Lei nº 14.546, de 30 de setembro de 2003, que dispõe sobre a criação do

Leia mais

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a

Leia mais

CONGREGAÇÃO DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS, QUÍMICAS E FARMACÊUTICAS UNIFESP CAMPUS DIADEMA

CONGREGAÇÃO DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS, QUÍMICAS E FARMACÊUTICAS UNIFESP CAMPUS DIADEMA CONGREGAÇÃO DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS, QUÍMICAS E FARMACÊUTICAS UNIFESP CAMPUS DIADEMA Resolução ICAQF n o XXX, de XXX de XXXXXXXX de 201X. O presente instrumento regulamenta o funcionamento

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS REGIMENTO INTERNO Das Finalidades Artigo 1º - A Comissão de Ética do Uso de Animais - CEUA, da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (CEUA PUC Goiás) é um colegiado interdisciplinar e independente,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, COMPETÊNCIA E COMPOSIÇÃO.

REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, COMPETÊNCIA E COMPOSIÇÃO. REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal de Acessibilidade, Mobilidade e Transporte - CMAMT, considerando o disposto no artigo 2º, VII, da Lei Municipal nº 1.982 de 18 de julho de 2013, aprova o seguinte

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Políticas Escola de Ciências Jurídicas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO REGULAMENTO

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE MINEIROS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO MINEIROS-GO

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE MINEIROS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO MINEIROS-GO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE MINEIROS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO MINEIROS-GO ÍNDICE TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO, DA NATUREZA JURÍDICA E FINALIDADES...04 CAPÍTULO I - DAS

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA DO RECIFE - COMDIR

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA DO RECIFE - COMDIR PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA DO RECIFE - COMDIR REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento das Ciências da Educação Física e Saúde DCEFS, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento das Ciências da Educação Física e Saúde DCEFS, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 021, de 21 de maio de 2007. Aprova Regimento Interno do Departamento das Ciências da Educação Física e Saúde DCEFS. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - Conarenf, criada pela

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO

ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO Art. 1º - O presente estatuto dispõe sobre o Conselho Escolar da Escola Municipal Ensino e é constituído

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Art. 1 - A Agência de Desenvolvimento do Turismo da Macrorregião Sul

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE EXTENSÃO DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DO CENTRO DE EXTENSÃO DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DO CENTRO DE EXTENSÃO DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1º. O Centro de Extensão da Faculdade de Farmácia da UFMG, doravante

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário de Castanhal. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17/2015

RESOLUÇÃO Nº 17/2015 RESOLUÇÃO Nº 17/2015 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, em sessão de 29/04/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.037190/09-89, nos termos do Parecer nº 09/2015 da Comissão de Diretrizes

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT Título I Da Comissão Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º - A Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT, instituída pelo Decreto nº 9.321, de 1 de março de 2011, integrante

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Texto Aprovado CONSEPE Nº 2005-10 - Data: 19/06/2005 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1 o Este Regimento Interno do Conselho Fiscal CONFI estabelece as normas que complementam

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 030/2013,

RESOLUÇÃO CONSU Nº 030/2013, IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100/4149 e-mail: gabinete@ifsudestemg.edu.br RESOLUÇÃO CONSU Nº 030/2013, de 25 de novembro

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA - COMPED ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.727, de 13 de junho de 2002 TÍTULO I Da Mantida e da Entidade Mantenedora Art. 1º. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia com

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração)

FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração) FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração) Aprovado em Assembléia Geral Ordinária realizada no dia 11 de Setembro de 2014 às 16:00h,

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO BELO HORIZONTE 2015 2 TÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º O Programa

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA 2010 TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES Art. 1º - A COMISSÃO DE ÉTICA PARA O USO DE ANIMAIS CEUA-UCB, órgão vinculado

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE TIRADENTES CEUA/UNIT. Regimento Interno

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE TIRADENTES CEUA/UNIT. Regimento Interno COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE TIRADENTES CEUA/UNIT Regimento Interno I DA DEFINIÇÃO, NATUREZA E FINALIDADE: Art. 1º. A comissão de Ética no Uso de Animais da Universidade Tiradentes

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ TÍTULO I DA FINALIDADE E DA COMPETÊNCIA DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ CVSP Art. 1º O Campus Virtual

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO / SP.

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO / SP. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO / SP. CAPÍTULO I DA NATUREZA, DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - O Comitê Gestor de TI, de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES O COMITÉ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES, tendo em conta o Decreto Estadual nº 54 de 29 de março de 2011, posteriormente

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO I Do Departamento de Engenharia Elétrica Art. 1 O Departamento de Engenharia Elétrica é o órgão acadêmico que congregam docentes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTFPR

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTFPR REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTF CAPITULO I DA AESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regimento disciplina a organização, as competências e o funcionamento do Comitê Gestor

Leia mais

ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL ESTATUTO SOCIAL. Aprovação: 18/08/2015

ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL ESTATUTO SOCIAL. Aprovação: 18/08/2015 ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL 2015 ESTATUTO SOCIAL Aprovação: 18/08/2015 SUMÁRIO DA ENTIDADE E SEUS FINS Página 2 DOS MEMBROS DA ENERPREV Página 2 DAS CATEGORIAS DE MEMBROS

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 13/2015, DE 4 DE MAIO DE 2015

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 13/2015, DE 4 DE MAIO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CAMPUS UDESC OESTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA Contato: dppg.ceo@udesc.br

Leia mais

FÓRUM AMAZONENSE DE REFORMA

FÓRUM AMAZONENSE DE REFORMA REGIMENTO INTERNO DA 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES DO AMAZONAS CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES 1 Art. 1º - São objetivos da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas: I - Propor a interlocução

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 Aprova o novo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química, níveis Mestrado e Doutorado, do Instituto de Química. O

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional) Dispõe sobre as normas de organização e funcionamento do Programa de Pós-Graduação em Reabilitação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP Pág. 1 de 8 CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica do Instituto Federal do Piauí (IFPI), criado pela Resolução nº 012, de 12 de agosto de 2011,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014

RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014 RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014 Dispõe sobre o Regulamento das Atividades do Núcleo de Gestão Ambiental do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais