Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp"

Transcrição

1 Resolução Unesp-38, de Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista o deliberado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Universitária, em sessão de 5/8/2008, com fundamento no artigo 24, inciso VIII, do Estatuto da Unesp, baixa a seguinte resolução: I - DA DENOMINAÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Os Campus Experimentais, introduzidos pelo artigo 104A do Estatuto da Unesp, são aqueles criados em caráter transitório e experimental e em condições especiais de organização, funcionamento e financiamento, visando a atender as diretrizes estabelecidas no artigo 3º do Estatuto da Unesp. II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Artigo 2º - A administração de cada Campus Experimental terá como órgãos: I - Conselho Diretor; II - Diretoria; III - Conselhos de Cursos. 1 - A estrutura administrativa dos Campus Experimentais será fixada por ato do Reitor, ouvido o Cade. 2 - Os subquadros dos Campus Experimentais serão definidos por deliberação do CO, ouvido o Cade. III - DO CONSELHO DIRETOR Artigo 3º - O Conselho Diretor é o órgão colegiado deliberativo e normativo em matéria de ensino, pesquisa, extensão universitária e administração do Campus Experimental. Artigo 4º - O Conselho Diretor terá a seguinte composição: I - o Coordenador Executivo do Campus, seu presidente nato; II - o Vice-Coordenador Executivo;

2 III - os Coordenadores dos Cursos de Graduação e os Coordenadores de Programas de Pós-Graduação stricto sensu; IV - quatro representantes docentes, professores de carreira docente e/ou pesquisadores, com titulação mínima de Doutor; V - um representante do município nas Unidades que têm convênio com as Prefeituras; VI - representantes do corpo técnico e administrativo, na proporção de quinze por cento do total dos membros docentes; VII - representantes discentes, na proporção de quinze por cento do total dos membros docentes. 1º - Os membros do Conselho Diretor terão os seguintes mandatos: I - coincidente com o exercício das respectivas funções no caso dos incisos I, II e III; II - dois anos para os representantes a que se referem os incisos IV, V e VI, permitida uma recondução; III - um ano para o representante a que se refere o inciso VII, permitida uma recondução. 2º - Os representantes docentes e do corpo técnico-administrativo, e respectivos suplentes, serão eleitos por seus pares, em eleição convocada pelo Coordenador Executivo, de conformidade com as normas eleitorais da Unesp. 3º - A representação discente será indicada na forma da legislação em vigor, devendo contemplar alunos da graduação e, quando houver, da pós-graduação. 4º - O representante municipal será indicado pelo prefeito. 5º - No cálculo do percentual referido nos incisos VI e VII será considerado o número inteiro, desprezada a fração. 6º - O Coordenador Executivo terá direito também a voto de qualidade. 7º - O Coordenador Executivo será substituído, em suas faltas, impedimentos e vacância, pelo Vice-Coordenador Executivo e este pelo terceiro nome indicado pelo Conselho Diretor, dentre seus membros, conforme o inciso III do artigo 6º. 8º - Perderão seus mandatos os membros que faltarem a duas sessões consecutivas do Conselho Diretor ou a quatro alternadas, por ano de mandato, sem motivo considerado justo pelo Conselho Diretor. Artigo 5º - O Conselho Diretor reunir-se-á ordinariamente uma vez por mês e, extraordinariamente, quando convocado por seu presidente ou pela maioria da totalidade de seus membros em exercício. Artigo 6º- Compete ao Conselho Diretor:

3 I - estabelecer normas de procedimentos para a realização das eleições do Conselho Diretor, Conselhos de Curso, bem como para os cargos de Coordenador e Vice- Coordenador Executivo, a partir de consulta à comunidade acadêmica do Campus, observadas as disposições desta Resolução e a legislação da Unesp; II - homologar a escolha do Coordenador Executivo e do Vice-Coordenador Executivo, observadas as disposições desta Resolução e a legislação da Unesp; III - indicar o terceiro nome que substituirá o Coordenador Executivo e/ou seu Vice, quando de suas ausências simultâneas decorrentes de faltas, impedimentos e vacância; IV - aprovar, por deliberação de no mínimo dois terços da totalidade de seus membros em exercício, o Regimento das Sessões do Conselho Diretor e suas alterações; V - aprovar, por deliberação de, no mínimo, dois terços da totalidade de seus membros em exercício, o Regimento da Unidade e suas alterações, encaminhando-o ao Conselho Universitário; VI - fixar o calendário de planejamento e execução das atividades da Unidade; VII - elaborar o Calendário Escolar Anual de Atividades da Unidade, respeitadas as sugestões encaminhadas pelos Conselhos de Curso e as diretrizes estabelecidas no calendário escolar da Unesp; VIII - avaliar e aprovar projetos pedagógicos de cursos de graduação, de pós-graduação, de extensão e outros, encaminhando- os à apreciação dos colegiados superiores da Universidade; IX - avaliar e aprovar propostas de alteração ou reestruturação curricular dos cursos de graduação encaminhando-as à apreciação dos colegiados superiores da Universidade; X - propor à CCG, ouvido o Conselho de Curso, o número anual de vagas para os cursos de graduação e normas para o vestibular; XI - avaliar e aprovar a proposta encaminhada pelo Conselho de Curso sobre o número de vagas disponíveis para transferência; XII - avaliar, aprovar e supervisionar propostas de atividades de extensão universitária; XIII - avaliar e aprovar, anualmente, o relatório global de atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão da Unidade e a produção acadêmica dos docentes com base nos relatórios anuais e trienais; XIV - encaminhar ao Cepe o Plano Geral de Atividades e o relatório anual das atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão do Campus Experimental; XV - avaliar e aprovar, por maioria de seus membros em exercício, a aplicação da verba de custeio e receita própria da Unidade; XVI - conferir prêmios e propor ao Conselho Universitário a concessão de dignidades universitárias;

4 XVII - manifestar-se sobre: a) propostas de renovação de contrato, transferência e dispensa de pessoal docente; b) pedidos de afastamento de pessoal docente, ouvidos os Conselhos de Cursos; c) doações e legados ao Campus Experimental; d) convênios de intercâmbio científico e cultural; e) convênios de cooperação técnico-educacional; f) relatórios e planos globais de atividades vinculados aos regimes de trabalho de docentes; g) programas de concursos para preenchimento de funções e provimento de cargos docentes; h) pedidos de revalidação de diploma de nível superior obtidos no exterior, sempre que encaminhados pelos órgãos superiores da Universidade; XVIII - deliberar sobre: a) realização de concursos para contratação de pessoal docente e normas para inscrição de candidatos, composição de comissões julgadoras e seus relatórios; b) questões específicas dos programas de pós-graduação, quais sejam: credenciamento de docentes e orientadores, número anual de vagas, alterações curriculares, aproveitamento de créditos, composição das comissões examinadoras das dissertações e teses; c) normas para estágios curriculares e trabalhos de graduação, ouvidos os Conselhos de Curso de Graduação; d) a previsão orçamentária-financeira da Unidade; e) a outorga de titulo de professor emérito a professor aposentado da Unidade que se tenha destacado na carreira; f) a realização de concursos para contratação de pessoal técnico-administrativo; XIX - homologar: a) os títulos de mestre e de doutor conferidos pela unidade; b) o resultado dos exames de seleção e qualificação dos cursos de pós-graduação; c) a escolha do Coordenador e do Vice-Coordenador de Curso de Graduação e de Pós- Graduação; d) os pareceres das comissões julgadoras de concurso de pessoal docente, com direito a rejeitá-los quanto aos aspectos legal e formal;

5 e) o resultado do processo de transferência de alunos de graduação; f) a criação de grupos de pesquisa, quando propostos por docentes do Campus; XX - julgar, em grau de recurso das decisões do Conselho de Curso, o que for de sua competência; XXI - delegar competências por deliberação de dois terços da totalidade de seus membros em exercício; XXII - exercer outras atribuições necessárias à assessoria do Coordenador Executivo, com vistas ao bom desenvolvimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária, bem como das atividades administrativas. IV - DA DIRETORIA Artigo 7º - A Diretoria da Unidade do Campus Experimental será exercida pelo Coordenador Executivo, auxiliado pelo Vice- Coordenador Executivo, ambos professores de carreira e/ou pesquisadores da Unesp, portadores, no mínimo, do título de Doutor. 1 - O Coordenador Executivo e o Vice-Coordenador serão escolhidos por meio de consulta à comunidade Universitária da Unidade conforme normas eleitorais estabelecidas, observadas as disposições transitórias e o disposto no 2 do artigo 30 do Estatuto. 2º - Prevalecerão, na consulta de que trata o 1º, a votação uninominal e o peso de setenta por cento para a manifestação dos docentes em relação ao conjunto de categorias. 3 - O mandato do Coordenador Executivo e do Vice- Coordenador será de quatro anos, vedado o exercício de mandatos consecutivos. 4 - O Coordenador Executivo será substituído em suas faltas, impedimentos e vacância, pelo Vice-Coordenador Executivo e este pelo terceiro nome indicado pelo Conselho Diretor, conforme o inciso II do artigo 6º. 5 - Com antecedência mínima de trinta dias do término do mandato do Coordenador Executivo e do Vice-Coordenador será escolhido o respectivo sucessor. 6 - Na vacância da função de Coordenador Executivo ou de Vice-Coordenador Executivo proceder-se-á a nova escolha no prazo de trinta dias, conforme o parágrafo 1 deste artigo. 7 - O Coordenador Executivo ou o Vice-Coordenador Executivo designado nas condições referidas no parágrafo 5º completará o mandato restante. 8 - O Coordenador Executivo e o Vice-Coordenador não poderão acumular suas funções com as de Coordenador de Curso.

6 9 - As normas para a realização da consulta de que trata o parágrafo 1º deste artigo serão estabelecidas pelo Conselho Diretor, atendido o disposto no parágrafo 2º do artigo 30 do Estatuto da Unesp. Artigo 8º - Ao Coordenador Executivo compete: I - administrar e representar a Unidade; II - cumprir e fazer cumprir as decisões do Conselho Diretor e zelar, no âmbito de sua competência, pela execução das normas presentes nesta Resolução e das demais normas que couberem aos Campus Experimentais; III - gerir os recursos orçamentários e financeiros destinados ao Campus Experimental, bem como os provenientes de convênios, contratos, acordos e doações, segundo as normas estabelecidas pela Unesp; IV - exercer o poder disciplinar no âmbito de sua competência; V - convocar as reuniões do Conselho Diretor; VI - fazer cumprir as deliberações do Conselho Diretor; VII - adotar, em situações especiais, medidas que se imponham em matéria de sua competência, ad referendum do Conselho Diretor, encaminhando-as para apreciação e aprovação ao Conselho Diretor na primeira reunião ordinária subseqüente à data do ad referendum ; VIII - aprovar a escala de férias do pessoal docente e técnico-administrativo; IX - designar comissões especiais, temporárias ou permanentes, bem como grupos de trabalho, para assessoria e finalidades específicas que deverão ser homologadas pelo Conselho Diretor; X - dar posse aos Coordenadores de Curso; XI - exercer quaisquer outras atribuições que lhe forem conferidas por esta Resolução, por delegação superior ou em decorrência das atribuições do Conselho Diretor. V - DOS CONSELHOS DE CURSO DE GRADUAÇÃO Artigo 9º - A Coordenação das atividades de ensino, pesquisa e extensão de cada um dos cursos de graduação dos Campus Experimentais será exercida por um Conselho de Curso, presidido pelo Coordenador de Curso. 1 - O Coordenador de Curso será substituído, em seus impedimentos, pelo Vice- Coordenador. 2 - Na vacância ou impedimentos destes, o Conselho de Curso deve indicar dentre seus membros os docentes responsáveis pelo exercício temporário das funções.

7 Artigo 10 - O Conselho de Curso será composto por, no mínimo, cinco representantes do corpo docente e respectivos suplentes, professores de carreira docente e/ou pesquisadores, eleitos por seus pares, garantida a representação discente e técnicoadministrativa. 1º - O mandato dos membros será de dois anos para os representantes docentes e dos servidores técnico-administrativos e de um ano para os representantes discentes, permitida uma recondução. 2º - O Coordenador e o Vice-Coordenador serão eleitos pelo Conselho de Curso dentre seus membros docentes e seus mandatos terão a duração de dois anos, extinguindo-se juntamente com o término dos respectivos mandatos junto ao Conselho de Curso de Graduação, permitida uma recondução sucessiva. Artigo 11 - Compete ao Conselho de Curso de Graduação: I - aprovar, por deliberação de no mínimo dois terços da totalidade de seus membros em exercício, o Regimento das Sessões do Conselho de Curso e suas alterações; II - definir, acompanhar e avaliar a proposta pedagógica do Curso, a ser submetida à apreciação do Conselho Diretor e dos colegiados superiores da Universidade, nela incluindo-se: a) a definição da estrutura curricular - de conformidade com os objetivos e o perfil dos profissionais a serem formados - dos processos de avaliação do ensino, dos mecanismos de articulação horizontal e vertical dos componentes curriculares; b) a aglutinação dos componentes curriculares em áreas ou conjunto de disciplinas, para efeito de desenvolvimento de trabalho pedagógico e de contratação de docentes; III - coordenar as ações relativas ao ensino no âmbito do curso de graduação; IV - definir e programar atividades complementares com o objetivo de enriquecer o projeto pedagógico; V - coordenar o processo de distribuição e atribuição de aulas entre os docentes do curso; VI - promover atividades que visem à reflexão sobre questões de ensino; VII - apreciar os pedidos de aproveitamento de estudos, ouvidos os professores das respectivas disciplinas; VIII - coordenar o processo de orientação dos alunos por ocasião da matrícula; IX - propor, ouvidos os professores do curso, diretrizes para a elaboração do horário das atividades programadas e definir o referido horário; X - realizar, anualmente, a avaliação do curso, considerando o aproveitamento dos alunos e o desempenho dos docentes;

8 XI - realizar a avaliação, seleção e encaminhamento dos alunos candidatos a participação em programas de bolsas de estudo; XII - elaborar a proposta orçamentária do Curso e encaminhá-la à apreciação do Conselho Diretor; XIII - apreciar relatórios e planos de atividades do pessoal docente e encaminhá-los à apreciação do Conselho Diretor; XIV - constituir comissões especiais e temporárias, bem como grupos de trabalho, para assessoria e finalidades específicas; XV - elaborar propostas de alteração ou reestruturação curricular dos cursos de graduação, encaminhando-as à apreciação do Conselho Diretor; XVI - encaminhar ao Conselho Diretor o número de vagas disponíveis para transferência, obedecidas as normas da Unesp; XVII - propor normas relativas aos estágios curriculares e ao trabalho de graduação, sempre que presentes na estrutura curricular do curso, submetendo-as à apreciação do Conselho Diretor; XVIII - apreciar projetos de iniciação científica a serem submetidos às agências de fomento; XIX - elaborar as normas para transferência, obedecidas as normas fixadas pela Resolução Unesp específica; XX - coordenar as ações necessárias para a realização do processo de transferência, desde o estabelecimento das normas e elaboração do Edital, até a execução do processo, encaminhando seus resultados ao Conselho Diretor; XXI - encaminhar ao Conselho Diretor as sugestões necessárias para a elaboração do Calendário Anual de Atividades da Unidade, respeitadas as diretrizes estabelecidas no calendário escolar da Unesp; XXII - acompanhar o aproveitamento dos alunos, encaminhando soluções para eventuais problemas nesse âmbito; XXIII - propor ao Conselho Diretor alterações no número de vagas iniciais do curso e nas normas para o vestibular, quando conveniente; XXIV - elaborar, anualmente, com o auxílio do corpo docente, o relatório de atividades de ensino, de pesquisa e de extensão desenvolvidas no Curso e encaminhá-lo ao Diretor Executivo para a elaboração do Plano Geral de Atividades da Unidade; XXV - propor a realização de concursos para pessoal docente, incluindo composição das bancas examinadoras, definindo o conjunto de disciplinas do concurso, submetendo a aprovação do Conselho Diretor; XXVI - propor e apreciar propostas de projetos e de eventos de extensão universitária vinculadas às atividades de ensino de graduação;

9 XXVII - supervisionar os Laboratórios Didáticos vinculados ao Curso; XXVIII - avaliar os pedidos de afastamento e pedidos de atividade concomitante remunerada de docentes, no âmbito de suas atribuições e de servidores técnicos e administrativos lotados na Coordenadoria de Curso, respeitadas as leis vigentes e encaminhar a manifestação ao Conselho Diretor. XXIX - exercer quaisquer outras atribuições necessárias à coordenação do trabalho pedagógico, de modo a garantir o bom desenvolvimento das atividades de ensino, de pesquisa e de extensão. Artigo 12 - Cabe ao Coordenador de Curso de Graduação e, nos seus impedimentos, ao Vice- Coordenador: I - presidir o Conselho de Curso de Graduação e representá-lo, quando necessário; II - cumprir e zelar pelo cumprimento das deliberações do Conselho de Curso de Graduação, previstas no artigo 11; III - convocar reunião plenária para avaliação anual das atividades do curso, propostas de alteração ou de reestruturação curricular; IV - adotar, em situações especiais, medidas que se imponham em matéria de sua competência, previstas no artigo 11, ad referendum do Conselho de Curso de Graduação, encaminhando-as para apreciação e aprovação ao Conselho de Curso de Graduação na primeira reunião ordinária subseqüente à data do ad referendum ; V - exercer outras atribuições relativas à Coordenação de atividades de ensino, pesquisa e extensão no âmbito do curso de graduação. VI - DO CONSELHO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Artigo 13 - As Unidades que vierem a implementar programas de pós-graduação stricto sensu deverão criar Conselhos de Programa de Pós-Graduação, de conformidade com o disposto no Regimento Geral da Pós-Graduação da Unesp. VII - DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO Artigo 14 - As atividades de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas nos Campus Experimentais reger-se-ão pelo Estatuto, Regimento e Resoluções da Unesp aplicáveis às suas Unidades Universitárias. Artigo 15 - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário, mais especificamente a Resolução Unesp-51, de 22/5/2000, a Resolução Unesp-38, de 3/6/2003, e a Portaria Unesp-461, de 28/9/2005.

10 VIII - DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS Artigo 1º - Para realizar a primeira eleição na Unidade Experimental, o Cepe, quando da aprovação desta Resolução, estabelecerá o calendário de realização das eleições previstas nos artigos 4º, 7º e 10. Artigo 2 - Para realizar a primeira eleição na Unidade Experimental, a elaboração das normas eleitorais para atender o disposto nos artigos 4º, 7º e 10, a coordenação do processo eleitoral e a supervisão dos trabalhos devem ser realizadas por Comissão estabelecida pela Secretaria Geral da Reitoria. (Proc. 1117/50/01/2008-Runesp). Pub. DOE de 11/09/2008, p. 43

ESTATUTO DA UNESP. TÍTULO I Da Universidade e seus Fins

ESTATUTO DA UNESP. TÍTULO I Da Universidade e seus Fins ESTATUTO DA UNESP TÍTULO I Da Universidade e seus Fins Artigo 1 o A Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp), criada pela Lei n o 952, de 30 de janeiro de 1976, é autarquia de regime

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

Artigo 3º São objetivos secundários da FEPE:

Artigo 3º São objetivos secundários da FEPE: 1 REGIMENTO DA FAZENDA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-FEPE ELABORADO DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO UNESP-59, DE 14-11-2008, RESOLUÇÃO UNESP-40, DE 11-10-2011 E PORTARIA UNESP-469, DE 25-7- 2012 Do Conceito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ

REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ 2011 Brusque - SC SUMÁRIO TITULO I DA FACULDADE SÃO LUIZ E SEUS OBJETIVOS... Art.1 o Art.3º TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA CAPÍTULO I Dos Órgãos... Art.4 o CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PADRÃO FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA FEMEC

REGIMENTO INTERNO PADRÃO FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA FEMEC REGIMENTO INTERNO PADRÃO FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA FEMEC ÍNDICE TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 01 TÍTULO II DA FACULDADE 01 Capítulo I : DOS PRINCÍPIOS 01 Capítulo II: DOS OBJETIVOS 01 TÍTULO

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - TITULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFES compreende o conjunto de atividades de ensino,

Leia mais

RESOLUÇÃO: JOÃO GRANDINO RODAS Reitor. RUBENS BEÇAK Secretário Geral REGIMENTO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO I

RESOLUÇÃO: JOÃO GRANDINO RODAS Reitor. RUBENS BEÇAK Secretário Geral REGIMENTO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO I Page 1 of 13 RESOLUÇÃO Nº 6311, DE 6 DE JULHO DE 2012. (D.O.E. - 11.07.2012) Baixa o Regimento da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. O Reitor da Universidade de São Paulo, usando de suas atribuições

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO I Do Departamento de Engenharia Elétrica Art. 1 O Departamento de Engenharia Elétrica é o órgão acadêmico que congregam docentes

Leia mais

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições legais, de acordo com o artigo 24 do Estatuto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, para observância

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS REGIMENTO DA FACULDADE DE DIREITO Aprovado pela Resolução COUNI nº 69/2008 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º A Faculdade de Direito FADIR,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85.

RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85. RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85. Regulamenta os Cursos de Especialização da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.727, de 13 de junho de 2002 TÍTULO I Da Mantida e da Entidade Mantenedora Art. 1º. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia com

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1 O Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo - CEFET-ES, com sede na cidade

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO E DOUTORADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO E DOUTORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM DIREITO Campus Universitário - Trindade 88040-900 Florianópolis SC - Brasil Fone : (048) 3721-9287 / Fax (048)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário de Castanhal. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ 1 REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º O presente Regimento Geral da Universidade Estadual do Paraná UNESPAR autarquia estadual de regime especial,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/025/2008 * Cria o Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Envelhecimento Humano - NIEPEH e dá outras providências. O Conselho Universitário, CONSUNI, da UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Natal/RN - 2015 Sumário Capítulo I... 2 Dos Objetivos e Propósitos... 2 Capítulo II... 2

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.1º - O Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento (PPGPPD),

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ VERSÃO PRELIMINAR TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ VERSÃO PRELIMINAR TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR 1 REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ VERSÃO PRELIMINAR TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º O presente Regimento Geral da Universidade Estadual do Paraná UNESPAR autarquia estadual

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE GARANHUNS FDG REGIMENTO DA FACULDADE DE DIREITO DE GARANHUNS FDG

FACULDADE DE DIREITO DE GARANHUNS FDG REGIMENTO DA FACULDADE DE DIREITO DE GARANHUNS FDG REGIMENTO DA FACULDADE DE DIREITO DE GARANHUNS FDG CAPÍTULO I DA FACULDADE DE DIREITO E DE SEUS FINS Art. 1º. A Faculdade de Direito de Garanhuns FDG é uma instituição de ensino superior, mantida pela

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CAMPUS UDESC OESTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA Contato: dppg.ceo@udesc.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA DE GRADUAÇÃO REGIMENTO INTERNO 2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

REGIMENTO FACULDADE CEPEP FORTALEZA CE

REGIMENTO FACULDADE CEPEP FORTALEZA CE REGIMENTO FACULDADE FORTALEZA CE Fevereiro/2013 SUMÁRIO TÍTULO I DA FACULDADE... 4 CAPÍTULO I Da Identificação... 4 CAPÍTULO II Das Finalidades e Objetivos... 4 TÍTULO II DO PATRIMÔNIO E DA ORDEM FINANCEIRA...

Leia mais

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE LEI N.º 1.297, DE 06 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre apoio a Gestão do Sistema Único de Saúde, da realização de conferências no âmbito municipal, da reformulação e funcionamento do Conselho Municipal de

Leia mais

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÀO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE Bacharelado RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento das Ciências da Educação Física e Saúde DCEFS, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento das Ciências da Educação Física e Saúde DCEFS, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 021, de 21 de maio de 2007. Aprova Regimento Interno do Departamento das Ciências da Educação Física e Saúde DCEFS. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Políticas Escola de Ciências Jurídicas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO REGULAMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 13/2015, DE 4 DE MAIO DE 2015

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 13/2015, DE 4 DE MAIO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Proposta do Regimento Geral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Documento

Leia mais

REGIMENTO GERAL TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO GERAL TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO GERAL TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. O presente Regimento Geral disciplina os aspectos de organização e funcionamento comuns dos órgãos, Faculdades e serviços da Universidade de Rio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA REGIMENTO DO PPG-CR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO TÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O PPG-CR de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

SERVIÇO PUBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 633, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2007

SERVIÇO PUBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 633, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2007 SERVIÇO PUBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 633, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2007 Cria o Instituto de Ciências Sociais Aplicadas. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ (Alterado pela Resolução 014/2014- COU/UNESPAR, publicada na edição nº 9476 do Diário Oficial do Estado, em 22/06/15). TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UERGS REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE RGU

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UERGS REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE RGU GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UERGS REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE RGU MINUTA APROVADA 26 e 29 de Março de 2010 69ª Sessão Conselho Superior Universitário

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º. O Colegiado do Curso de Graduação em Arquivologia é um órgão normativo e deliberativo, com sede no Centro de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E INSTITUIÇÕES DO SISTEMA DE JUSTIÇA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E INSTITUIÇÕES DO SISTEMA DE JUSTIÇA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E INSTITUIÇÕES DO SISTEMA DE JUSTIÇA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIAL / CODETS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIAL / CODETS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO D COORDENDORI DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIL / CODETS PRÓ-REITORI DE EXTENSÃO CPÍTULO I D FINLIDDE rt. 1 o Coordenadoria de Desenvolvimento Tecnológico e Social CODETS, Setor

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1.º O Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, nos níveis de Mestrado e Doutorado acadêmicos,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO- CAMPUS GARANHUNS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS EM REDE NACIONAL (PROFLETRAS/UPE)

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO- CAMPUS GARANHUNS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS EM REDE NACIONAL (PROFLETRAS/UPE) UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO- CAMPUS GARANHUNS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS EM REDE NACIONAL (PROFLETRAS/UPE) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS SUELY SOUZA DE ALMEIDA - NEPP-DH

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS SUELY SOUZA DE ALMEIDA - NEPP-DH UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS SUELY SOUZA DE ALMEIDA - NEPP-DH Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas em Direitos Humanos -

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CONSUNI 4ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CONSUNI 4ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CONSUNI 4ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 2015 Data: 29 de janeiro de 2015 (quinta-feira). Horário: 08h 30min às 11h 30min Local: Sala de Reuniões

Leia mais

ESTATUTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

ESTATUTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ Publicado no D.O.U. de 12/07/2006 ESTATUTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DAS FINALIDADES Art. 1 º A Universidade Federal do Pará UFPA é uma instituição pública de educação superior,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU EM INFORMÁTICA, NÍVEL DE MESTRADO,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E PRAZOS Artigo 1º O Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto nº 4.504, de 09 de Dezembro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (Revisão Aprovada pelo Conselho Departamental do CCA/UFES em 27/02/2014) TÍTULO I Introdução Art. 1. O presente Regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO Pouso Alegre 2014 Universidade do Vale do Sapucaí

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS DO CEFET-MG

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS DO CEFET-MG REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS DO CEFET-MG Capítulo 1 - DA NATUREZA, DO ESCOPO E DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1 - Este Regulamento disciplina, no âmbito do Centro Federal de

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 142/2008

RESOLUÇÃO N.º 142/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 142/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação em Nível de Especialização, sob a forma de Treinamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana Gabinete da Reitoria

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana Gabinete da Reitoria ESTATUTO TÍTULO I DA UNIVERSIDADE Art.1 - A (UNILA), com sede na cidade de Foz de Iguaçu, é uma autarquia federal, mantida pela União, dotada de autonomia didático-científica, administrativa, disciplinar

Leia mais

Resolução nº 038, de 28 de abril de 2015.

Resolução nº 038, de 28 de abril de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 Aprova o novo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química, níveis Mestrado e Doutorado, do Instituto de Química. O

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU DO CEFET-MG

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU DO CEFET-MG REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU DO CEFET-MG (Anexo à Resolução CD-071/08, de 2/6/2008) TÍTULO I - Da Natureza e Princípios CAPÍTULO I - DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM LINGUÍSTICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM LINGUÍSTICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM LINGUÍSTICA REGIMENTO DO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM LINGUÍSTICA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS DO PROGRAMA

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Texto Aprovado CONSEPE Nº 2005-10 - Data: 19/06/2005 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 22/2014 Aprova o Regimento do Centro de Informática da Universidade Federal da Paraíba. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA...2 Capítulo II DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ESTATUTO. Barreiras 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ESTATUTO. Barreiras 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ESTATUTO Barreiras 2014 Versão aprovada na reunião do Conselho Universitário da UFOB em 21 de fevereiro de 2014. Sumário TÍTULO I... 4 DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Capítulo I Da Natureza Art. 1º. A Fazenda Experimental de Ciências

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL Belém Pará 2013 SUMÁRIO TITULO I - DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA... 4 CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO... 4 CAPÍTULO II - DOS PRINCÍPIOS E

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ JANEIRO / 2007 SUMÁRIO TÍTULO I DA NATUREZA E OBJETOS 3 TÍTULO II DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA 5 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1 o. O Programa

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO RIO DE JANEIRO 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Leia mais

Título I Do Colegiado e Seus Fins. Título II Da Constituição do Colegiado

Título I Do Colegiado e Seus Fins. Título II Da Constituição do Colegiado Regimento Interno do Colegiado do Curso de Graduação em Ciência da Computação da Faculdade Federal de Rio das Ostras do Pólo Universitário de Rio das Ostras Título I Do Colegiado e Seus Fins Art. 1º. O

Leia mais

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004 Universidade de Brasília Instituto de Letras Departamento de Teoria Literária e Literaturas Programa de Pós Graduação em Literatura Regulamento do Programa REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM LITERATURA

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia,

Leia mais

REGIMENTO GERAL. Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI

REGIMENTO GERAL. Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI Rodovia BR 470 - Km 71 - n o 1.040 Bairro Benedito Caixa Postal 191 89130-000 Indaial/SC Fone (47) 3281-9000 Fax (47) 3281-9090

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Resolução nº 03/2016 Pág. 1 de 06 RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Aprova Regulamento do Colegiado do Curso de Engenharia de Controle e Automação/CEng. A Presidente do Conselho do Ensino, da Pesquisa

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Conselho Interdepartamental - CCA

Universidade Estadual de Maringá Conselho Interdepartamental - CCA R E S O L U Ç Ã O Nº 019/2015-CI/CCA CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro e disponibilizada na página: www.cca.uem.br, no dia 05/05/2015. Elisângela

Leia mais